Você está na página 1de 4
Escola de Arquitetura da UFMG Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo Rua

Escola de Arquitetura da UFMG

Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Rua Paraíba, 697- Funcionários - 30130-140 - Belo Horizonte/MG Fone: (31) 3409-8840 Fax: (31) 3409-8818 E-mail: arq-colgrad@ufmg.br

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO

PROGRAMA DE DISCIPLINA

DISCIPLINA: OFICINA TEMÁTICA DE CONSTRUÇÃO A SECO CÓDIGO: TAU041 CLASSIFICAÇÃO: Optativa PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 00 horas PRÁTICA: 30 horas TOTAL: 30 horas 02 créditos

EMENTA:

Estudo de caso sobre construção a seco, examinando os princípios básicos dessa técnica.

OBJETIVOS:

a) Prática da metodologia de elaboração de projetos de arquitetura, em edifícios de

pequeno porte, a partir do sistema de construção em steel framing e dry wall, enfocando

conhecimentos sobre os componentes do espaço, o desempenho do sistema construtivo, e a relação do objeto estudado com o entorno.

b) Desenvolvimento de criatividade, espírito crítico, capacidade argumentativa por

meio de elaboração de projeto, suas possibilidades plástico-formais e de seu questionamento em discussões sobre a compatibilidade entre o projeto do espaço proposto,

o sistema construtivo, os critérios de desempenho e as idéias e fundamentações que conduziram ao projeto.

c) Definição de especificidades temáticas, construtivas e programáticas, abordando o

processo de definição de qualidades desejadas, critérios de conformidade, conceituação e formulação do programa arquitetônico bem como sua expressão em termos de organização

do espaço.

d) Inserção no projeto dos condicionantes impostos pelo meio físico e seus elementos

naturais e pelo entorno, para compatibilização do sistema em steel framing e dry wall, buscando condições de desempenho e conformidade aos critérios estabelecidos.

e) Inserção no projeto da compreensão do sistema estrutural adotado, tendo por

fundamento noções de resistência dos materiais, estabilidade das construções e sistemas prediais.

f) Conceituação e caracterização dos elementos definidores do espaço a partir da

análise e pesquisa de materiais de acabamento, produtos e componentes e sua relação com

Escola de Arquitetura da UFMG Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo Rua

Escola de Arquitetura da UFMG

Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Rua Paraíba, 697- Funcionários - 30130-140 - Belo Horizonte/MG Fone: (31) 3409-8840 Fax: (31) 3409-8818 E-mail: arq-colgrad@ufmg.br

o sistema construtivo; da ergonomia e antropometria e das relações espaciais do ambiente interno.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

INTRODUÇÃO

O sistema Steel Framing: conceitos, aplicações.

Características construtivas, vantagens e desvantagens.

PESQUISA DE MERCADO

Acabamentos, esquadrias e acessórios que se ajustem às vantagens do sistema

construtivo

ANTEPROJETO

Previsão de pontos utilizando a modulação proposta

Compatibilização das instalações

PROJETO EXECUTIVO

Revisão dos Projetos Complementares

Definição dos detalhes construtivos

Revisão do Projeto de Steel Framing, preenchimento dos vãos

MÉTODOS DE ENSINO:

Aulas expositivas com apresentação de imagens do sistema construtivo, construções

e outros elementos ilustrativos, apresentando as características técnico-construtivas do sistema e de seus componentes

Visita ao terreno escolhido para desenvolvimento do projeto

Desenvolvimento de projeto utilizando o sistema de steel framing e drywall

MÉTODOS DE AVALIAÇÃO:

Estudo preliminar - Croquis, desenhos, mapas e esquemas conceituais da proposta.

Plantas, cortes, elevações e perspectivas ilustrativas da proposta. Memorial justificativo da intervenção proposta. 40 pts

Acompanhamento e tarefas em sala 10 pts

Projeto Executivo: plantas, cortes, elevações, representações tridimensionais dos

espaços e edificações propostos; memorial técnico explicativo da proposta urbanística e

arquitetônica. 25 pts

Detalhamento do sistema construtivo: detalhes, com plantas, cortes e elevações, representações tridimensionais 25 pts

BIBLIOGRAFIA:

ALLEN, Edward. Construcción: cómo funciona um edificio: principios elementares. Barcelona: Gustavo Gili, 1982.

Escola de Arquitetura da UFMG Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo Rua

Escola de Arquitetura da UFMG

Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Rua Paraíba, 697- Funcionários - 30130-140 - Belo Horizonte/MG Fone: (31) 3409-8840 Fax: (31) 3409-8818 E-mail: arq-colgrad@ufmg.br

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA-ABCI.

Manual técnico de caixilhos, janelas: aço, alumínio, vidros, PVC, madeira, acessórios,

juntas e materiais de vedação. São Paulo: PINI, 1991.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. (Edifícios habitacionais

de até cinco pavimentos desempenho: parte 1: requisitos gerais). NBR 15575-1.

(Normas técnicas para projeto e execução de juntas em fachadas de edifícios). NBR 7200/1998. NBR 13749/1996. NBR 13755/98.

formados a frio). NBR 14762/2001.

AZEREDO, Hélio A. O edifício até sua cobertura. São Paulo: Blücher, 1977.

BENEVOLO, L. A cidade e o arquiteto. São Paulo: Perspectiva, 2001.

BLUCHER, E. Gerenciamento da tecnologia: um instrumento. São Paulo,1992.

BONIM.L. C. A abordagem de desempenho na edificação. Apr. Power Point (

UFRGS)

CARDOSO, A.B. Esquadrias de Alumínio no Brasil: histórico, tecnologia, linhas atuais, gráficos de desempenho. São Paulo: Pro, 2004.

CBCA - MANUAL STEEL FRAMING ARQUITETURA.

CBCA - MANUAL STEEL FRAMING ESTRUTURA.

ELDRIDGE, H. J. Construcción: defectos comunes. Barcelona: Gustavo Gili, 1994.

FABRICIO, M.N. Processos construtivos flexíveis: projeto da produção. São Carlos, 1996.

FARAH, M.F.S. Processo de trabalho na construção habitacional: tradição e mudança. São Paulo: Annablume, 1996.

Diagnóstico tecnológico da indústria da construção civil: caracterização

geral do setor. Tecnologia das Edificações. São Paulo: PINI, 1988.

(Perfis estruturais de aço formados a frio). NBR 6355/2003.

(Dimensionamento de estruturas de aço constituídas por perfis

GAUZIN-MÜLLER, Dominique. Arquitectura ecológica. Barcelona: Gustavo Gili,

2002.

JENCKS, Charles. The iconic building. New York: Rizzoli, 2005.

JOHN, V. M. Avaliação de materiais, componentes e edifícios em uso enquanto

avaliação de desempenho. In: SERRA, G. G. (coord.). Seminário “avaliação pós-uso – APU”: anais. São Paulo: s/esp., 1989. P. 75-85.

MASUDA, Y. A sociedade da informação como sociedade pós-industrial. Rio de Janeiro: Rio, 1982.

MOLES, A. Rumos de uma cultura tecnológica. São Paulo: Perspectiva, 1973.

MONTANER, J.M. Sistemas arquitectónicos contemporâneos. Barcelona: GG,

2008.

STANLEY, L. et al. Patologia estrutural e funcional. Rio de Janeiro:

Interamericana, 1986.

SOUZA, Ricardo, S. A. Repensando a arquitetura: uma reflexão sobre a ideologia da produção arquitetônica nacional. Brasília: Thesaurus, 1985.

SOUZA, Roberto; MEKBEKIAN, Geraldo. Qualidade na aquisição de materiais e execução de obras. São Paulo: PINI, 1996.

Escola de Arquitetura da UFMG Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo Rua

Escola de Arquitetura da UFMG

Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Rua Paraíba, 697- Funcionários - 30130-140 - Belo Horizonte/MG Fone: (31) 3409-8840 Fax: (31) 3409-8818 E-mail: arq-colgrad@ufmg.br

THOMAZ, E. Trincas em edifícios: causas, prevenção e recuperação. São Paulo:

PINI/POLIUSP/IPT, 1989.

VERÇOSA, E. Patologia das edificações. Porto Alegre: Sagra, 1991.

http://publicacoes.pcc.usp.br/PDF/BTs_Petreche/BT208-

%20Mitidieri%20Filho.PDF

Sites

Revista AU

Revista Arcoweb:

Revista Techné

Editora Pini