Você está na página 1de 42

E R O S Ã O

D O S

S O L O S

Prof. Dr. Carlos Cesar BREDA AULA 12

Prof. Dr. Carlos Cesar BREDA

AULA

12

INTRODUÇÃO

AULA 12: Erosão dos solos Prof. Breda

INTRODUÇÃO

QUAIS SÃO OS RECURSOS BÁSICOS PARA

A MANUTENÇÃO DA VIDA NA TERRA ?

- ÁGUA

- AR

- LUZ SOLAR

- SOLOS CONTINUAMENTE PRODUTIVOS

INTRODUÇÃO

CONSERVAÇÃO DOS SOLOS AGRÍCOLAS

IMPORTANTE MEIO PARA MANTER

A QUALIDADE DESSE RECURSO

NECESSÁRIO PARA A VIDA

INTRODUÇÃO

SOLO AGRÍCOLA

MICROCOSMO COM ATRIBUTOS FÍSICOS, QUÍMICOS E BIOLÓGICOS QUE, QUANDO EM HARMONIA, PROPORCIONAM UM MEIO

ADEQUADO PARA O DESENVOLVIMENTO DAS

PLANTAS

O SOLO AGRÍCOLA CONTRIBUI COM DOIS

FATORES ESSENCIAIS À VIDA

- FOTOSSÍNTESE

- TROCA DE ÍONS PELO SISTEMA RADICULAR

INTRODUÇÃO

SUPERFÍCIE DA TERRA

NÃO É UMA ESTRUTURA ESTÁTICA POR

QUE PASSA POR CONTÍNUAS

MODIFICAÇÕES DESDE SEU SURGIMENTO

PRINCIPAIS RESPONSÁVEIS PELAS MODIFICAÇÕES:

EROSÃO GEOLÓGICA OU NATURAL

E

EROSÃO ACELERADA

INTRODUÇÃO

EROSÃO GEOLÓGICA OU EROSÃO NATURAL

- TRANSPORTE E DEPOSIÇÃO DE PARTÍCULAS

- RIOS, VENTOS, GELEIRAS, CHUVAS

- VALES E DELTAS DOS RIOS

- VELOCIDADE DEPENDE DA COBERTURA

INTRODUÇÃO

EROSÃO ACELERADA

OCORRE GERALMENTE EM ÁREAS MOBILIZADAS OU CULTIVADAS

HÁ REMOÇÃO DA COBERTURA E O

REVOLVIMENTO DAS CAMADAS

SUPERFICIAIS DO SOLO

RUPTURA DO EQUILÍBRIO NATURAL

INTRODUÇÃO

EROSÃO ACELERADA

HISTORICAMENTE O ATO DE CULTIVAR

NÃO SE DÁ DE MANEIRA SUSTENTÁVEL

A INTENSIFICAÇÃO DA AGRICULTURA E O

AUMENTO DA POPULAÇÃO

TRANSFORMARAM REGIÕES RICAS E PRODUTIVAS EM ÁREAS COM CAPACIDADE

ÍNFIMAS DE PRODUÇÃO

EROSÃO

AULA 10: Erosão dos solos Prof. Breda

EROSÃO

PRINCIPAL FORMA DE

DEPAUPERAMENTO DO SOLO

PREOCUPA AS PESSOAS DE CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

APARENTEMENTE OS HOMENS SE

EMPENHAM MAIS EM ACELERAR O

EMPOBRECIMENTO DO SOLO DO QUE EM CONSERVÁ-LO

EROSÃO

AÇÕES QUE CONTRIBUEM PARA OS PROCESSOS EROSIVOS

- DERRUBADA DE MATAS E FLORESTAS NATIVAS

- QUEIMADAS DESORDENADAS

- CULTIVOS EM ENCOSTAS ÍNGREMES (MORRO ABAIXO)

- SUPERLOTAÇÃO DE PASTOS

- MONOCULTURA

- NÃO REESTABELECIMENTO DA FERTILIDADE NATURAL

- NÃO UTILIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS

EROSÃO

SINAIS VISÍVEIS DOS PROCESSOS EROSIVOS

VOÇOROCAS

POMARES COM ÁRVORES RAQUÍTICAS E RAÍZES EXPOSTAS

BARREIRAS CAÍDAS EM ESTRADAS

CAMINHOS PROFUNDOS NOS PASTOS

ASSOREAMENTO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA

RIOS COM ÁGUAS TURVAS E BARRENTAS

INUNDAÇÕES

EUTROFIZAÇÃO DOS CURSOS DE ÁGUA PELO CARREAMENTO DE ADUBOS E AGROTÓXICOS

EROSÃO

A EROSÃO ACELERADA, ALÉM DE DEPAUPERAR O SOLO, AGRAVA A

POLUIÇÃO DAS ÁGUAS

A EROSÃO ACELERADA, ALÉM DE DEPAUPERAR O SOLO, AGRAVA A POLUIÇÃO DAS ÁGUAS
A EROSÃO ACELERADA, ALÉM DE DEPAUPERAR O SOLO, AGRAVA A POLUIÇÃO DAS ÁGUAS

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

FORÇAS ATIVAS

- CARACTERÍSTICAS DAS CHUVAS

- DECLIVIDADE DO TERRENO

- COMPRIMENTO DA RAMPA

- CAPACIDADE DE ABSORÇÃO DO SOLO

FORÇAS PASSIVAS

- RESISTÊNCIA DO SOLO À AÇÃO EROSIVA DA ÁGUA

- DENSIDADE DA COBERTURA VEGETAL

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

EROSÃO FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO CHUVA
EROSÃO FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO CHUVA

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

FATOR CLIMÁTICO MAIS IMPORTANTE NOS

PROCESSOS EROSIVOS

O VOLUME E A VELOCIDADE DA ENXURRADA DEPENDEM DA INTENSIDADE, DURAÇÃO E FREQUÊNCIA DA CHUVA

A INTENSIDADE É O FATOR MAIS IMPORTANTE

DADOS COMUNS, COMO TOTAIS, MÉDIAS MENSAIS E MÉDIAS ANUAIS, POUCO SIGNIFICAM

DOIS LOCAIS COM MESMO VOLUME DE CHUVAS PODEM NÃO APRESENTAR SITUAÇÃO SEMELHANTE QUANTO À EROSÃO

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

INTENSIDADE DA CHUVA

QUANTO MAIOR A INTENSIDADE, MAIOR A PERDA DE SOLO POR EROSÃO

SUAREZ CASTRO (1956)

PARA UMA CHUVA TOTAL DE 21mm, A INTENSIDADE 7,9mm/T CAUSOU PERDAS DE SOLO 100 VEZES

MAIOR DO QUE PARA A INTENSIDADE DE 1mm/T

(T = tempo e é igual para ambos os casos)

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

DURAÇÃO DA CHUVA

COMPLEMENTO DA INTENSIDADE

A COMBINAÇÃO DE AMBAS DETERMINA A

CHUVA TOTAL

APÓS O INÍCIO DE UMA CHUVA UNIFORME OCORRE A

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO POR UM PRAZO

DETERMINADO PELA UMIDADE INICIAL DO SOLO E PELA

INTENSIDADE DA CHUVA

LOGO APÓS COMEÇA A ENXURRADA, QUE AUMENTA DE

VOLUME EM PROPORÇÕES CADA VEZ MENORES ATÉ A

ESTABILIZAÇÃO

CHUVA

EROSÃO

CHUVA EROSÃO EFEITOS DAS GRANDES TEMPESTADES Com mais de 4.000 eventos de precipitação durante o período

EFEITOS DAS GRANDES TEMPESTADES

Com mais de 4.000 eventos de precipitação durante o período de estudo (28 anos), as cinco maiores produtoras de erosão em cada bacia hidrográfica (de 229) foram responsáveis por 66% da erosão

total

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

FREQUÊNCIA DA CHUVA

INTERVALOS ENTRE CHUVAS CURTOS

- UMIDADE DO SOLO ALTA

- ENXURRADAS MAIS VOLUMOSAS E AGRESSIVAS

- MESMO EM CHUVAS DE MENOR INTENSIDADE

INTERVALOS ENTRE CHUVAS LONGOS

- SOLO SECO

- POUCA ENXURRADA EM CHUVAS DE BAIXA INTENSIDADE

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

FREQUÊNCIA DA CHUVA

EM PERÍODOS DE LONGA ESTIAGEM A

VEGETAÇÃO SOFRE COM A FALTA DE

ÁGUA E REDUZ A COBERTURA DO TERRENO

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

GOTAS DE CHUVA

NÃO ESFÉRICAS COM DIÂMETRO MÁXIMO DE

7mm

MILHÕES DE GOTAS POR HECTARE A CADA

CHUVA

IMPACTO DESPRENDE PARTÍCULAS DE SOLO

- 60 cm DE ALTURA

- 150 cm DE DISTÂNCIA

EROSÃO

EROSÃO

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

GOTAS DE CHUVA

EM TERRENOS DESNUDOS (CENTENAS DE TONELADAS DE PARTÍCULAS DE SOLO SÃO

DISPERSAS E FACILMENTE

TRANSPORTADAS PELA ÁGUA

GOTAS DE CHUVA

poro

EROSÃO

GOTAS DE CHUVA poro EROSÃO SOLO DESCOBERTO agregado
GOTAS DE CHUVA poro EROSÃO SOLO DESCOBERTO agregado
SOLO DESCOBERTO
SOLO DESCOBERTO

SOLO DESCOBERTO

GOTAS DE CHUVA poro EROSÃO SOLO DESCOBERTO agregado

agregado

GOTAS DE CHUVA poro EROSÃO SOLO DESCOBERTO agregado
GOTAS DE CHUVA poro EROSÃO SOLO DESCOBERTO agregado
GOTAS DE CHUVA poro EROSÃO SOLO DESCOBERTO agregado

EROSÃO

GOTAS DE CHUVA

EROSÃO GOTAS DE CHUVA impacto enxurrada selamento superficial SOLO DESCOBERTO
EROSÃO GOTAS DE CHUVA impacto enxurrada selamento superficial SOLO DESCOBERTO
EROSÃO GOTAS DE CHUVA impacto enxurrada selamento superficial SOLO DESCOBERTO
EROSÃO GOTAS DE CHUVA impacto enxurrada selamento superficial SOLO DESCOBERTO
EROSÃO GOTAS DE CHUVA impacto enxurrada selamento superficial SOLO DESCOBERTO
EROSÃO GOTAS DE CHUVA impacto enxurrada selamento superficial SOLO DESCOBERTO

impacto

enxurrada

selamento superficial

EROSÃO GOTAS DE CHUVA impacto enxurrada selamento superficial SOLO DESCOBERTO
SOLO DESCOBERTO
SOLO DESCOBERTO

SOLO DESCOBERTO

EROSÃO GOTAS DE CHUVA impacto enxurrada selamento superficial SOLO DESCOBERTO
 = 3 mm
 =
3 mm
 = 3 mm velocidade terminal v t = 5-6m s - 1 salpico

velocidade terminal

v t = 5-6m s -1

 = 3 mm velocidade terminal v t = 5-6m s - 1 salpico
 = 3 mm velocidade terminal v t = 5-6m s - 1 salpico
 = 3 mm velocidade terminal v t = 5-6m s - 1 salpico
 = 3 mm velocidade terminal v t = 5-6m s - 1 salpico

salpico

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

CHUVA

GOTAS DE CHUVA

CONTRIBUIÇÕES DAS GOTAS PARA A EROSÃO

DESPRENDEM PARTÍCULAS NO PONTO DE IMPACTO

TRANSPORTAM PARTÍCULAS DESPRENDIDAS POR SALPICAMENTO

IMPACTO PROMOVE SELAMENTO SUPERFICIAL

IMPRIMEM ENERGIA EM FORMA DE TURBULÊNCIA À

ÁGUA SUPERFICIAL

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

INFILTRAÇÃO

MOVIMENTO DE ÁGUA DENTRO DO PERFIL DO SOLO

QUANTO MAIOR A INFILTRAÇÃO MENOR O DEFLÚVIO E, CONSEQUENTEMENTE, MENOR A EROSÃO

AS FORÇAS QUE ATUAM NA INFILTRAÇÃO SÃO GRAVIDADE E CAPILARIDADE

- GRAVIDADE: MAIOR EM SOLOS ENCHARCADOS

- CAPILARIDADE: MAIOR EM SOLO NÃO SATURADO

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

INFILTRAÇÃO

DETERMINANTES

- VELOCIDADE (MAIOR NO INÍCIO DA CHUVA)

- TAMANHO DOS POROS (ARGILOSO X ARENOSO)

- VARIAÇÃO TEXTURA NO PERFIL (B text )

- UMIDADE NO INÍCIO DA CHUVA

- AGREGAÇÃO DAS PARTÍCULAS (COMPACTAÇÃO)

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

COBERTURA VEGETAL

DEFESA NATURAL DE UM TERRENO CONTRA A EROSÃO

EROSÃO

EFEITOS DA VEGETAÇÃO ?

PROTEÇÃO CONTRA OS IMPACTOS DIRETOS DAS

GOTAS DE CHUVA

DISPERSÃO DA ÁGUA (INTERCEPTAÇÃO E

EVAPORAÇÃO ANTES QUE ATINJA O SOLO)

RAÍZES (INFILTRAÇÃO; TRAVAMENTO E CANALÍCULOS APÓS DECOMPOSIÇÃO)

ADIÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA (ESTRUTURA)

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

COBERTURA VEGETAL

EFEITO DO TIPO DE USO DO SOLO SOBRE AS PERDAS POR EROSÃO

TIPO DE USO

PERDAS DE SOLO (t/ha)

PERDAS DE ÁGUA (% chuva)

MATA

0,004

0,7

PASTAGEM

0,400

0,7

CAFEZAL

0,900

1,1

ALGODOAL

26,600

7,2

BERTONI et al., 1972

RIO VERDE - GO

PASTO

(brq)

MO=3,6%

PD - 12 ANOS

(sj+mlh)

MO=2,3%

MATA

MO=4,8%

Gentileza Prof. Dr. João Carlos de Moraes Sá

EROSÃO

EFEITO DO TIPO DE CULTURA ANUAL SOBRE AS PERDAS POR EROSÃO. MÉDIA NA BASE DE 3.000mm E DECLIVE 8,5 12,8%

CULTURA

PERDAS DE SOLO

PERDAS DE ÁGUA

ANUAL

(t/ha)

(% chuva)

MAMONA

41,5

12,0

FEIJÃO

38,1

11,2

MANDIOCA AMENDOIM ARROZ ALGODÃO SOJA BATATA CANA-DE-AÇÚCAR MILHO MILHO+FEIJÃO BATATA DOCE

33,9

11,4

26,7

9,2

25,1

11,2

24,8

9,7

20,1

6,9

18,4

6,6

12,4

4,2

12,0

5,2

10,1

4,6

6,6

4,2

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

TOPOGRAFIA DO TERRENO

REPRESENTADA PELA DECLIVIDADE E PELO COMPRIMENTO DAS RAMPAS (LANÇANTES)

EROSÃO

TOPOGRAFIA DO TERRENO

TAMANHO E QUANTIDADE DE MATERIAL

ARRASTADO PELA ÁGUA

DIRETAMENTE PROPORCIONAL
DIRETAMENTE
PROPORCIONAL

VELOCIDADE DE ESCOAMENTO

DIRETAMENTE PROPORCIONAL
DIRETAMENTE
PROPORCIONAL

GRAU DE INCLINAÇÃO E DO TAMANHO DA

RAMPA

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

TOPOGRAFIA DO TERRENO

EFEITO DO COMPRIMENTO DA RAMPA NAS PERDAS DE SOLO

COMPRIMENTO DA RAMPA

MÉDIA

S1(25m)

S2(25m)

S3(25m)

S4(25m)

 

(t/ha)

25 m

13,9

13,9

----

----

----

50 m

19,9

13,9

25,9

----

----

75 m

26,2

13,9

25,9

38,8

----

100 m

32,5

13,3

25,9

38,8

51,4

BERTONI et al., 1972

EROSÃO

FATORES QUE INFLUENCIAM A EROSÃO

NATUREZA E PROPRIEDADES DOS SOLOS

AULAS

ANTERIORES

OBRIGADO

AULA 12: Erosão dos solos Prof. Breda