Você está na página 1de 70

FUNDAMENTOS DE

QUÍMICA E BIOQUÍMICA
BÁSICA

1
Fundamentos SOMESB
Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia S/C Ltda.
da Química e
Bioquímica Básica
Presidente ♦ Gervásio Meneses de Oliveira
Vice-Presidente ♦ William Oliveira
Superintendente Administrativo e Financeiro ♦ Samuel Soares
Superintendente de Ensino, Pesquisa e Extensão ♦ Germano Tabacof
Superintendente de Desenvolvimento e>>
Planejamento Acadêmico ♦ Pedro Daltro Gusmão da Silva

FTC - EaD
Faculdade de Tecnologia e Ciências - Ensino a Distância
Diretor Geral ♦ Waldeck Ornelas
Diretor Acadêmico ♦ Roberto Frederico Merhy
Diretor de Tecnologia ♦ Reinaldo de Oliveira Borba
Gerente Acadêmico ♦ Ronaldo Costa
Gerente de Ensino ♦ Jane Freire
Gerente de Suporte Tecnológico ♦ Jean Carlo Nerone
Coord. de Softwares e Sistemas ♦ Romulo Augusto Merhy
Coord. de Telecomunicações e Hardware ♦ Osmane Chaves
Coord. de Produção de Material Didático ♦ João Jacomel

EQUIPE DE ELABORAÇÃO/PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO:

♦ PRODUÇÃO ACADÊMICA♦

Gerente de Ensino ♦ Jane Freire


Autores(a) ♦ Leila Aguilera, Eduardo Benes da Silva
Supervisão ♦ Ana Paula Amorim

♦PRODUÇÃO TÉCNICA ♦
Revisão Final ♦ Carlos Magno
Coordenação ♦ João Jacomel
Equipe ♦ Ana Carolina Alves, Cefas Gomes, Delmara Brito,
Ederson Paixão, Fabio Gonçalves, Francisco França Júnior,
Israel Dantas, Lucas do Vale e Marcus Bacelar
Editoração ♦ Marcus Bacelar
Imagens ♦ Corbis/Image100/Imagemsource
ilustração ♦ Fabio Gonçalves

copyright © FTC EaD


Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/98.
É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios, sem autorização prévia, por escrito,
da FTC EaD - Faculdade de Tecnologia e Ciências - Ensino a Distância.
www.ftc.br/ead

2
SUMÁRIO

A COMPEENSÃO DA QUÍMICA E SUAS


POSSIBILIDADES NO MUNDO ATUAL ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 06

ELEMENTOS QUÍMICOS, MOLÉCULAS, PROPRIEDADES E LIGAÇÕES


QUÍMICAS

Tabela Periódica ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 06
Propriedade nas Configurações Eletrônicas ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 09
Propriedades dos Átomos e Moléculas ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
13
Ligações Intra e Intermoleculares ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 18

FUNÇÕES DA QUÍMICA INORGÂNICA

Teoria, Ácido, Bases e Sais ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 21


Funções Inorgânicas ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 25
Reações Químicas ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 29
Reações Fundamentais ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 29
Reações de Complexação e Precipitação ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
27
Reações com Transferência de Elétrons ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
32

QUÍMICA ORGÂNICA E BIOLÓGICA: A VIDA E SUAS


POSSIBILIDADES QUÍMICAS ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
36

COMPOSTOS ORGÂNICOS

O Átomo de Carbono e a Química Orgânica ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 36


Reações com Transferência de Elétrons ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
37
Funções Oxigenadas ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
39
Funções Nitrogenadas ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 41
Isomeria ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ 44

3
A QUÍMICA EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DA VIDA

Carboidratos e Lipídios 47
Fundamentos
○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

da Química e Aminoácidos e Proteínas ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○


52
Bioquímica Básica Ácidos Nucléicos ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
55

4
Apresentação da disciplina

Caro(a) aluno(a),

Ao iniciarmos o estudo de Química, temos como objetivo principal o


amadurecimento das idéias relativas a essa ciência e sua importância na
sociedade, tendo em vista o fato de que, a partir desse conhecimento, sua
atitude como cidadão seja contemplada. Hoje, sobretudo na contempo-
raneidade, um entendimento do mundo por meio dos diversos saberes é
condição fundamental para que tenhamos uma percepção do real e do futuro,
a fim de compreendermos o entorno. Nesse sentido, átomos, moléculas e íons
podem ser conceitos de extrema importância para que você exerça o papel
de sujeito historico a partir desta ciência na evolução material e, porque não,
da vida. Portanto, os conceitos desenvolvidos pela ciência Química e Bioquímia
estão diretamente relacionados a uma concepção que permeia os signos e
significados presentes na evolução tecnológica e científica, principalmente da
sociedade mundial.
Conceitos como: polímeros, hidrocarbonetos, energia, transgênicos,
etc, são hoje tão cotidianamente exigidos que, para nós, a não compreensão
desses termos nos tornam menos cidadãos e mais consumidores, no sentido
de que, um menor entendimento de nossa parte, que fazemos a roda da história
girar, nos torna reféns de opiniões e modelos que, ao invés de esclarecer,
confunde os espíritos mais alheios.
A Química, caro aluno(a), possui uma visão de mundo que está presente
em nossa roupa, em nossa casa, ou seja, em tudo que, de uma forma ou de
outra, é material e ideológico. Por isso, tenho esperanças de que a partir dos
nossos encontros, as discussões construtivas possibilitarão um aprendizado
técnico-reflexivo desse universo fantástico que está presente na ciência
Química. Mas, além disso, temos que transpor as fórmulas e equações juntos,
a fim de que sejamos mais cidadãos.
O material didático, que é o início de uma jornada maior, foi estruturado
para fundamentar seus conhecimentos, sendo aconselhado, portanto, a leitura
e interpretação dos textos bem como a realização das atividades, a fim de
que se desenvolva uma reflexão orientada e crítica da sua realidade.
Enfim, o trabalho é ingrediente mágico para construirmos o que hoje se
tem por sonho.
Desejamos dedicação e reflexão. Estamos juntos nessa nossa
caminhada.

Prof. Eduardo Benes da Silva

5
A COMPREENSÃO DA QUÍMICA E
Fundamentos
SUAS POSSIBILIDADES NO
da Química e
Bioquímica Básica
MUNDO ATUAL

ELEMENTOS QUÍMICOS, MOLÉCULAS,


PROPRIEDADES E LIGAÇÕES QUÍMICAS

A Tabela Periódica

A Ciência Química tem suas origens tão antigas,


que o seu aparecimento está relacionado a algumas
atividades desenvolvidas pelo homem. Atividades
químicas sem um maior controle científico já eram
desenvolvidas, consistindo em algumas poucas
observações causais. Se voltarmos no tempo e
observarmos que na idade da pedra as criaturas ali
presentes já se maravilhavam com fenômenos tão
fantásticos como: um pedaço de madeira transformado
quando consumido pelo fogo, o cozimento da argila ao
ser colocada próxima do fogo. Temos que a simples
observação foram os primeiros passos no desenvolvimento das ciências, de uma forma geral;
e, em especial, o dá Ciência Química.
Já nos anos de 300 a.C a 1500 d.C. floresce a alquimia, na qual a colaboração dos
árabes durante os intervalos de tempo compreendidos entre 600 d.C a 1100 d.C foi de extrema
relevância para a mesma. Dentre os alquimistas da referida época, destaca-se o nome de
“Geber”, que viveu por volta do ano 800 d.C e tinha
exercido enorme esforço para produzir ouro; sendo
por fim, convencido de que uma mistura
adequadamente preparada de mercúrio e enxofre
poderia resultar no bendito ouro. Imagine, caro aluno,
se pudéssemos fabricar ouro em casa, que
maravilha? Pena que não serviria para nada, pois,
segundo as leis da economia, uma oferta tão grande
de ouro abaixaria extremamente o seu preço. Mas
não é preciso desanimar, tudo bem que fabricar ouro
em casa é algo impossível na realidade de hoje, mas
entender sua estrutura a partir dos seus átomos
constituintes pode fornecer informações tão importantes que poderemos fazer não só ouro,
mas prata, cobre, etc.Estamos falando, portanto, de elementos químicos. Elementos químicos
são substâncias fundamentais, enquanto compostos são constituídos por um conjunto de

6
elementos, sendo, portanto, substâncias mais complexas. Observe uma diferença fundamental
entre elemento químico e compostos. Em um composto, pode-se, ainda, separá-lo em seus
elementos constituintes, enquanto que nos elementos químicos essa possibilidade não existe,
daí se dizer que o elemento químico é a estrutura fundamental da matéria, ou seja, ele é o
próprio átomo. Mas esse átomo que agora começaremos a chamar de elemento químico possui
características individuais que o torna único, ou seja, um elemento químico é um átomo que na
natureza, não existe outro igual a ele. Por exemplo, para que um átomo receba o nome químico
de átomo de hidrogênio, ele deve possuir certas características que o identifique como átomo
de hidrogênio. Essa característica fundamental que o caracteriza é o número atômico (Z) e
está associado à quantidade de prótons presentes no núcleo de um átomo. Outra característica
importante entre átomos de diferentes elementos químicos é a massa atômica, que é a massa
média de um átomo de determinado elemento químico quando considerado seus isótopos. A
comparação que se estabelece para determinação da massa atômica é a de 1/12 ávos do
átomo isótopo do carbono 12. Entenda-se que um átomo é tantas vezes mais pesado quanto
maior for o número de unidades de 1/12 ávos de carbono 12 necessárias para medi-lo. Só
que surge uma primeira complicação: como é possível pesar um átomo? Daí o número “mágico”
de Avogadro (6,02 X 10 23 ), que nos permite considerar as massas atômicas
macroscopicamente. A unidade de medida da massa atômica é “u.m.a” (unidade de massa
atômica); o termo massa é comumente considerado por peso, o que causa um certo incômodo
aos físicos.
Foi dito que para se ter a massa atômica de determinado elemento químico deve-se
ter a média dos seus isótopos. Isso se deve ao fato de que mesmo os átomos que representam
um mesmo elemento químico não apresentam a mesma massa; fenômeno esse conhecido
por “isotopia”

um exemplo
de isotopia

Os átomos, porém, podem se combinar formando estruturas mais complexas, sofrendo


aumento de sua massa, que não deve ser mais chamada de massa atômica, pois agora há
uma estrutura única, formada por um grupo de átomos ligados entre si, formando uma partícula
discreta e independente, com características próprias chamadas de “molécula”. Uma molécula
pode ser representada pela fórmula molecular, diferentemente dos elementos, que são
representados por símbolos químicos devido a sua singularidade. Por exemplo, enquanto o
átomo do elemento químico oxigênio é representado simbolicamente pela letra “O”, uma
molécula do oxigênio deve ser representado pela fórmula molecular, que é capaz de revelar os
elementos e suas respectivas quantidades de átomos formadores da estrutura da molécula,
no caso, O2. As formações de estruturas mais complexas por meio de ligações químicas não
formam apenas moléculas, mas também compostos cujas fórmulas representativas são as
fórmulas empíricas ou fórmulas mínimas, já que para esses compostos não há uma
determinação exata das quantidades dos elementos químicos que compõem o composto.
Desta forma, substâncias que não são moléculas podem ser representadas pela fórmula
mínima, já que sua estrutura química não tem natureza molecular.
Nos anos de 1800, uma grande quantidade de elementos já tinha sido descoberta,
sendo que suas propriedades e as de seus respectivos compostos já tinham sido
razoavelmente conhecidas e dentre elas muitas semelhanças nas propriedades químicas e
físicas se tornaram aparentes. Isso fez com que químicos daquele tempo tentassem encontrar

7
correlações numéricas entre os elementos; atente-se para o fato de que naquela
época já se conhecia os pesos atômicos. Hoje, a periodicidade é melhor
caracterizada quando se considera o número atômico, ao invés dos pesos
atômicos, como na época citada.
Fundamentos
O conceito de periodicidade química está associado aos nomes de dois
da Química e
químicos: Lothar Mayer e Dmitri Mendeleev. Com trabalhos independentes, um
Bioquímica Básica
em relação ao outro, eles descobriram a lei da periódica e publicaram tabelas
periódicas dos elementos. A lei periódica estabelece que: “sendo os elementos
ordenados de acordo com o crescimento do número atômico, pode ser observado uma
repetição periódica de suas propriedades. Ou seja, se ao fazermos uma lista com todos os
elementos químicos seguindo uma arrumação baseada no número atômico, perceberíamos
que haveria uma repetição de suas propriedades. Outro aspecto importante é que cada elemento
imediatamente posterior a um gás nobre é um metal.

TABELA PERIÓDICA

A tabela periódica moderna é formada por uma seqüência horizontal de elementos


químicos chamados de período. Elas são numeradas de 1 a 7, usando números arábicos. 3

Nota-se que há uma variação na largura do primeiro período até o sexto e sétimo períodos. As
colunas verticais na tabela periódica são chamadas grupos ou famílias. Alguns consistem de
cinco ou seis elementos. Os quais são chamados de principais, representativos ou grupos “A”.
Os menores grupos da tabela periódica são chamados grupos “B” ou elementos de transição.

Algumas características especiais da tabela periódica podem ser relacionadas abaixo:

9 O hidrogênio é colocado isoladamente, pois suas propriedades são diferentes de todos


os outros elementos químicos.

8
9 O grupo VIIIB contém um total de nove elementos.
9 O sexto período inclui 14 elementos de Z=58, cério; até Z=71, lutécio.Estes elementos que
seguem o lantânio (Z=57) são chamados lantanóides.
9 O sétimo período inclui os 14 actinóides que seguem o actínio (Z=89). Ambos, lantanóides
e actinóides, são considerados como parte do grupo IIIB, o subgrupo do escândio.
Na tabela periódica, um novo período, ou ciclo, tem início quando há repetição das
propriedades na nova seqüência de elementos.

Periodicidade nas Configurações Eletrônicas

Das configurações eletrônicas comparadas com a tabela periódica percebe-se que


cada novo período começa pela adição de um elétron a uma nova camada. Elementos como
o hidrogênio e os do grupo IA têm configuração ns1, onde “n” é o número quântico principal da
ultima camada de valência. Essa camada geralmente é a responsável pelas ligações químicas
que se estabelecem na eletrosfera de um átomo.
Os elementos do grupo principal têm camada de valência povoada com um a oito
elétrons, sendo que estes elementos são chamados de elementos representativos. A
configuração da camada de valência ns2 np6 é especialmente estável e pode ser vista pela
baixa reatividade dos gases nobres. Esta configuração é freqüentemente chamada de octeto
e a generalização de que é especialmente estável é conhecida como regra do octeto.
Os elementos do grupo “B” da tabela periódica são mais comumente chamados de
elementos de transição. O preenchimento do sub-nível “d” da camada (n-1) destes átomos
corresponde às séries horizontais dos elementos de transição. Sendo que a subcamada “d”
pode acomodar um total de 10 elétrons, o que resulta em 10 elementos de transição no 4º e 5º
períodos. Na subcamada “f” por ter uma população máxima de 14 elétrons, resulta no
aparecimento de 14 lantanóides e 14 actinóides.
Alguns átomos têm configurações irregulares, sendo que estas irregularidades são
resultantes de pequenas diferenças entre as energias nos orbitais em certos átomos, sendo
que o efeito nas propriedades químicas é mínimo. Mesmo assim, a tabela periódica possibilita
prever a configuração eletrônica da maioria dos átomos por meio de sua localização.

#
[ ] Agora é hora de
TRABALHAR

1. Faça um comentário sobre a química, seu desenvolvimento e a produção de soluções


na sociedade atual indicando porque suas soluções não atingem a todos os cidadãos de
forma homogênea, tendo em vista a dificuldade de acesso pelas populações mais carentes.

9
2. Descreva em linha gerais o papel da tabela periódica na organização dos
elementos químicos e sua relação com a distribuição eletrônica dos elementos.
Será que o número atômico realmente é o melhor parâmetro de organização da
Fundamentos tabela? Qual sua opinião?
da Química e
Bioquímica Básica

3. Explique a diferença existente entre os termos elementos representativos (grupo A) e


elementos de transição (grupo B). há algo em comum entre esses termos e as propriedades
periódicas e aperiódicas quando observamos variações?

Texto Complementar
I
NANOTECNOLOGIA

A nanotecnologia é um conjunto de técnicas usadas para manipular a matéria na escala


de átomos e moléculas. “Nano” é uma medida e não um objeto. Diferente da biotecnologia,
onde se sabe que bios (vida) é manipulada, nanotecnologia refere-se somente a escala. Um
“nanômetro” (nm) equivale a um bilionésimo do metro. Um fio de cabelo humano tem
aproximadamente 80.000 nanômetros de espessura. São necessários 10 átomos de hidrogênio
lado a lado para se ter um nanômetro. Uma molécula de DNA tem aproximadamente 2,5 nm de
largura. Um glóbulo vermelho, em comparação, é imenso: aproximadamente 5.000 nm de
diâmetro. Tudo em nanoescala é invisível a olho nu e até mesmo a todo resto, exceto os
microscópios muito poderosos.
A chave para entender o poder e o potencial únicos da nanotecnologia é que, em
nanoescala (menor do que aproximadamente 100 nanômetros) as propriedades da matéria
podem mudar drasticamente - essas mudanças surpreendentes são chamadas modelos
quânticos. Só reduzindo o tamanho e sem mudar a substância, os materiais podem exibir
novas propriedades tais como condutividade elétrica, elasticidade, maior resistência, cor
diferente e maior reatividade - características que essas mesmas substâncias não exibem,
em escala micro ou macro. Por exemplo:
O carbono na forma de grafite (como o do lápis) é macio e maleável; em nanoescala
pode ser mais resistente do que o aço e seis vezes mais leve.
O óxido de zinco é normalmente branco e opaco; em nanoescala ele se torna
transparente.
O alumínio-material nas latinhas de refrigerante-em nanoescala pode entrar em
combustão espontânea e poderia ser utilizado como combustível para foguetes.

10
Os cientistas estão se aproveitando das mudanças nas propriedades em nanoescala
para criar novos materiais e modificar os existentes. Empresas estão atualmente fabricando
nanopartículas (i.e, elementos químicos ou compostos com tamanho menor do que 100 nm)
que são usadas em centenas de produtos comerciais. A matéria são os elementos químicos
da tabela periódica - os blocos básicos de tudo quanto há de animado e inanimado.

Fonte: Trecho da entrevista de Rodney Brooks, diretor do laboratório de inteligência artificial do MIT.
www.etcgroup.org

Fórum de Idéias

a) O que a onda da nanotecnologia significa para o hemisfério Sul (América Latina).


Estabeleça uma explicação coerente associando-a com a pesquisa em nanotecnologia no
nosso país?

b) Qual a importância do conceito de elemento químico para a nanotecnologia. Como


você percebe a produção de novos materiais em sua comunidade. Essa produção de novos
materiais irá melhorar ou piorar a realidade da sua comunidade?

c) A manipulação dos átomos de carbono poderá levar a elaboração de uma grafite


mais resistente que o aço, porém mais leve. Estabeleça uma relação a partir do texto, entre o
tamanho e as propriedades da matéria.

II
O MECÚRIO

O trabalhador que lida com mercúrio metálico é o mais exposto aos vapores invisíveis
desprendidos pelo produto. Eles são aspirados sem que a pessoa perceba e entra no
organismo através do sangue, instalando-se nos órgãos. Geralmente quem foi intoxicado dessa
maneira pode apresentar sintomas como dor de estômago, diarréia, tremores, ansiedade,
gosto de metal na boca, dentes moles com inflamação e sangramento nas gengivas, insônia,

11
falhas de memória, etc... . Mas também a contaminação por mercúrio pode
acontecer por ingestão. No sistema nervoso, o produto tem efeitos desastrosos,
podendo dar causas a lesões leves e até á vida vegetativa ou à morte, conforme
a concentração.
Fundamentos
Neste nosso trabalho mostraremos como o mercúrio age no organismo,
da Química e
suas conseqüências na vida do contaminado e suas formas de tratamento.
Bioquímica Básica

O mercúrio é um metal com características sui generis. Ele é o único metal que é
líquido a temperatura ambiente tendo ponto de fusão de - 38,87 graus Celcius e ponto de
ebulição de 356,58 graus Celcius. Este metal líquido prateado é muito denso, e ainda possui
uma tensão superficial alta o bastante para fazer com que ele seja capaz de formar pequenas
esferas perfeitas nas rochas e minerais onde é encontrado. Muitas características mineralógicas
simplesmente não se aplicam ao mercúrio pelo fato dele ser líquido. Não se pode, por exemplo,
definir um grau de dureza. O mercúrio não possui sequer estrutura cristalina nem plano de
clivagem. Quando congelado e submetido a baixas pressões, o mercúrio forma cristais no
sistema romboédrico e no sistema tetragonal se submetido a altas pressões.
Uma vez absorvido, o mercúrio é passado ao sangue, onde é oxidado formando
compostos solúveis, os quais se combinam com proteínas, sais e álcalis dos tecidos. Os
compostos solúveis são absorvidos pelas mucosas, os vapores por via inalatória e os insolúveis
pela pele e pelas glândulas sebáceas.
O mercúrio forma ligações covalentes com o enxofre e quando entra na forma de radicais
sulfidrilas, o mercúrio bivalente substitui o hidrogênio para formar mercaptides tipo X-Hg-SR e
Hg(SR)2 onde R é proteína e X radical eletronegativo. Os mercurais orgânicos formam
mercaptides do tipo RHg-SR. Os mercurais interferem no metabolismo e função celular pela
sua capacidade de inativar as sulfidrilas das enzimas, deprimindo o mecanismo
enzimáticocelular.
A medida que o mercúrio passa ao sangue, liga-se as proteínas do plasma e nos
eritrócitos distribuindo-se pelos tecidos concentrando-se nos rins, fígado e sangue, medula
óssea, parede intestinal, parte superior do aparelhos respiratório mucosa bucal, glândulas
salivares, cérebro, ossos e pulmões. É um tóxico celular geral provocando desintegração de
tecidos com formação de proteínas mercurais solúveis e por bloqueio dos grupamentos –SH,
inibe os sistemas enzimáticos fundamentais a oxidação celular. Em nível de via digestiva os
mercurais exercem ação cáustica responsáveis pelos transtornos digestivos (forma aguda).
No organismo todo, enfim, o mercúrio age como veneno protoplasmático.

www.areaseg.com/toxicos/mercurio.html

12
Fórum de Idéias
a) Agora que você conhece mais um pouco sobre o mercúrio. Desenvolva uma reflexão
sobre qual seria os danos causados ao meio ambiente, caso o mercúrio fosse gasoso, nas
condições ambientes. Como se daria a contaminação nas comunidades de clima mais quente
em relação às comunidades de clima mais frio?

b) Considere uma situação na qual você fosse distribuir termômetros com mercúrio
para uma comunidade, tendo em vista a sua utilização por pais sem conhecimento sobre
possíveis danos que o mercúrio pode causar. Como você interviria nessa comunidade. Trocando
a substância termométrica ou ampliando a informação sobre o risco da sua manipulação?

c) Justifique a posição do mercúrio na tabela periódica, leve em consideração a


disitribuição eletrônica e o número de camadas na eletrosfera. Agora fale sobre a lógica que
está envolvida na organização da tabela periódica. Invente uma maneira diferente de organiza
- lá, e justifique os prós e os contra de sua organização.

Propriedades dos Átomos em Moléculas

As propriedades dos átomos podem ser


medidas e mostram variações que dependem do
número atômico, enquanto outras propriedades
independem do número atômico. Propriedades como
raio atômico, energia de ionização e afinidade eletrônica
estão associadas com a posição ocupada pelo átomo
na tabela, ou seja, o seu número atômico. Essas
características dos átomos são muito diferentes quando
comparadas às moléculas; aqui o comportamento dos
elétrons determina as propriedades atômicas, enquanto
numa molécula ou composto iônico as contribuições de
todos os elétrons dos átomos que compõem a estrutura
influenciam suas propriedades, sendo que, neste caso,
os eletrons de valência têm importância fundamental.

13
Os raios atômicos dos diversos átomos são valores aproximados
derivados de medidas de distâncias interatômicas. Um comportamento
interessante dos raios atômicos dos elementos da tabela periódica é o
decréscimo do raio no mesmo período. Isso se deve a adição de elétrons na
Fundamentos
camada de valência na seqüência correspondente ao período, no sentido da
da Química e
esquerda para a direita (aumento da carga nuclear). Com o aumento da carga
Bioquímica Básica
nuclear, todos os elétrons são mais fortemente atraídos pelo núcleo do átomo,
reduzindo o raio atômico correspondente para os elementos de transição nos
períodos 4, 5 e 6 tem o decréscimo que se espera do comportamento do raio atômico num
período interrompido pelo fato de que a adição de elétrons não ser feita na camada de valência
mas sim no subnível (n-1)d.
Outra característica periódica importante dos átomos é a eletronegatividade, que está
definida quando um átomo no seu estado fundamental, quando da absorção de energia, o
elétron pode ser transferido de um nível quantizado para outro. Ou seja, a energia mínima
necessária para que esse fenômeno ocorra é conhecido como energia de ionização. Esse
termo está associado ao átomo no estado gasoso.

Essas energias são expressas em


elétrons-volts por átomos, quilocalorias por
mol ou quilojoules por mol. A variação da
energia de ionização é outra comprovação
da lei periódica. Por exemplo, nos primeiros
seis períodos da tabela periódica a energia
começa baixa no início de cada período e
aumenta através dele. Isso se deve ao
aumento da carga nuclear através do
período, mas a diminuição do raio atômico
no período também é um fator que contri-
bui para que esse compor-tamento ocorra.
Energia de ionização
Ainda no estudo sobre as propriedades dos átomos, um átomo pode receber um elétron,
onde nesse processo a partícula resultante é um íon negativo. Temos, então, que a afinidade
eletrônica de um átomo é definida pela quantidade de energia liberada quando um átomo no
seu estado fundamental gasoso (isolado) recebe um elétron.
As afinidades eletrônicas são difíceis de serem medidas e valores precisos não são
conhecidos para todos os elementos. Outro fator relevante para os valores de afinidade
eletrônica e que nem todos os valores foram obtidos experimentalmente; sendo alguns calculado
teoricamente. A periodicidade na afinidade eletrônica pode ser comprovada por valores que
geralmente aumentam em função do aumento da carga nucelar.
Propriedades físicas dos elementos químicos como: ponto de fusão, ponto de ebulição,
condutividade térmica mostram variações periódicas com o aumento dos números atômicos.
Outras propriedades existem, como a massa atômica por exemplo, cuja variação não
depende do período ocupado pelo elemento, entenda-se aqui, variação da propriedade em
função do número atômico, sendo por isso mesmo denominadas de aperiódicas. Propriedades
essas que não estudaremos com profundidade nesse curso. Mesmo porque as mesmas não
estabelecem relação com a periodicidade química.
As moléculas e os compostos iônicos, por outro lado, apresentam propriedades que
não dependem apenas de um único átomo, mas da interação com todos os outros que constitui
a molécula: massa molecular, polaridade, geometria, etc. São propriedades intramoleculares
que nos revela diversas características desses compostos mais complexos.

14
A massa molecular, como o próprio nome indica, é o resultado das contribuições em
massa de cada átomo formador da molécula, essa massa molecular está também associada
com o número de Avogadro quando quisermos estabelecer uma relação macroscópica por
meio desses valores. A unidade que expressa uma quantidade simples de molécula é a “u.m.a”
que corresponde a mesma unidade relacionada com os átomos.
A geometria molecular é fator importante no entendimento da distribuição dos elétrons
no espaço correspondente ao volume molecular, sendo também capaz de determinar as forças
atrativas e repulsivas existentes, devido às interações elétrons-elétrons e elétrons-núcleos. A
presença de pares de elétrons livres na estrutura molecular é um fator que influencia fortemente
a disposição dos átomos terminais em relação ao átomo central do composto químico, diversas
geometrias são possíveis onde o fator associado ao número de pares eletrônicos e o efeito
estérico são considerados.
A polaridade molecular é outro fator
muito importante na análise do compor-
tamento molecular, assim como suas ligações.
De uma forma geral, as moléculas podem ser
polares ou apolares, nessa conceituação
diversos fatores devem ser considerados. Um
aspecto importante da polaridade de uma
molécula é a formação de dipolos.Sendo que
esses dipolos podem ser diferenciados
experimentalmente de moléculas não polares
por seu comportamento num campo elétrico.
Observa-se que quando moléculas polares
são colocadas entre placas eletricamente
carregadas, elas tendem a girar e se alinhar
com o campo. A polaridade de ma molécula é
expressa por seu momento dipolar. polaridade das moleculas

#
[ ] Agora é hora de
TRABALHAR

1. Como você compreende a contribuição da eletronegatividade dos átomos e a geometria


molecular para a polaridade de uma molécula? Com base nesta informação, analise se uma
molécula que contém átomos de diferentes eletronegatividades é necessariamente polar.
Justifique sua resposta.

15
2. Observando as informações contidas no texto, elabore uma idéia sobre a
seguinte questão: Caso o petróleo (hidrocarbonetos) fosse polar, o dano causado
por derramamentos de petróleo no mar seria mais ou menos grave?
Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica

3. As propriedades aperiódicas poderiam ser utilizadas para classificar os elementos da


tabela periódica? Justifique sua resposta.

Para Refletir
AMIANTO OU ABESTO

O amianto ou asbesto é uma fibra mineral natural


sedosa que, por suas propriedades físico-químicas (alta
resistência mecânica e às altas temperaturas,
incombustibilidade, boa qualidade isolante, durabilidade,
flexibilidade, indestrutibilidade, resistente ao ataque de ácidos,
álcalis e bactérias, facilidade de ser tecida etc.), abundância
na natureza e, principalmente, baixo custo, tem sido largamente
utilizado na indústria. É extraído fundamentalmente de rochas
compostas de silicatos hidratados de magnésio, onde apenas
de 5 a 10% se encontram em sua forma fibrosa de interesse
comercial.
Os nomes latino e grego, respectivamente, amianto e
asbesto, têm relação com suas principais características físico-
químicas, incorruptível e incombustível.
Está presente em abundância na natureza sob duas
formas: serpentinas (amianto branco) e anfibólios (amiantos
marrom, azul e outros), sendo que a primeira - serpentinas-
correspondem a mais de 95% de todas as manifestações
geológicas noplaneta.
Já foi considerado a seda natural ou o mineral mágico,
já que vem sendo utilizado desde os primórdios da civilização,
inicialmente para reforçar utensílios cerâmicos, conferindo-os
propriedades refratárias.
Com o advento da Revolução Industrial no século XIX, o
amianto foi à matéria-prima escolhida para isolar
termicamente as máquinas e equipamentos e foi largamente
empregado, atingindo seu apogeu nos esforços das primeiras e segundas guerras mundiais.
Dali para frente, as epidemias de adoecimentos e vítimas levaram o mundo “moderno” ao

16
conhecimento e reconhecimento de um dos males industriais do século XX mais estudados
em todo o mundo, passando a ser considerado daí em diante a “poeira assassina”.
Os grandes produtores mundiais tentaram por muito tempo atribuir toda a malignidade
desta matéria-prima ao tipo dos anfibólios, menos de 5% de todo o amianto minerado no
mundo, e salvar este negócio lucrativo, atribuindo à crisotila (amianto branco) propriedades
benéficas, tanto do ponto de vista da saúde, como sua necessidade para as populações de
baixa renda no uso de coberturas e abastecimento de água potável. Hoje a polêmica do bom
e mau amianto já está praticamente superada em todo o mundo, tendo em vista a vasta literatura
médica mundial existente e fruto da produção acadêmica de todo um século.
O Brasil está entre os cinco maiores produtores de amianto do mundo e é também
um grande consumidor, havendo por isto um grande interesse científico a nível mundial sobre
nossa situação, quando praticamente todos os países europeus já proibiram seu uso. A maior
mina de amianto em exploração no Brasil situa-se no município de Minaçu, no Estado de
Goiás e é atualmente administrada pela empresa brasileira Eternit S/A, mas que até
recentemente era explorada por grupo franco-suíço(Brasilit e Eternit) em cujos países de origem
o amianto está proibido desde o início da década de 90.

ABREA-Associação Brasileira dos expostos ao amianto - http://www.abrea.com.br/02amianto.htm

Fórum de Idéias
a) Elabore um comentário a respeito das informações contidas no texto, relacionando-
os com o fato de que, ainda hoje, os tanques de armazenamento de água serem produzidos a
partir desse material. Em termos químicos, deveríamos utilizá-los? Então porque usamos?

b) Pesquise e responda. Será o amianto uma substância polar? Então como fica a
questão sobre a contaminação da água potável que nós bebemos. Nas comunidades do interior
do país em geral, o uso de objetos a base de argila para armazenar água é bastante comum.
A partir disso quem estaria quimicamente correto, o nosso costume citadino ou interiorano?

c) Por ser o amianto uma fibra mineral e natural, sendo a sua extração feita a partir de
jazidas. Qual a relação entre o uso das jazidas, meio ambiente e substituição desse material
por materiais poliméricos (tanques plásticos)?

17
Ligações Intra e Intermoleculares

As forças que se estabelecem entre os átomos de uma molécula ou entre


Fundamentos moléculas vizinhas são denominadas de ligações químicas. Na ligação iônica
da Química e as forças de natureza eletrostáticas atraem as partículas com cargas elétricas
Bioquímica Básica opostas; a essa atração denominamos também de ligação eletrovalente. A ligação
iônica é geralmente encontrada em sólidos iônicos, sendo que em tais estruturas
há enormes quantidades de íons positivos e negativos.No sólido NaCl, cada Na+
tem seis íons Cl- como vizinhos próximos. Da mesma forma, cada vizinhança de cada íon Cl-
consiste em seis íons Na+. Observe, caro aluno (a), que aqui não cabe o conceito de molécula,
pois na estrutura do retículo formado as quantidades de átomos de cloro e de sódio tem
determinação imprecisa.

Outra importante ligação química que se estabelece entre átomos é a ligação covalente,
que ocorre quando dois átomos têm as mesmas tendências para ganhar e perder elétrons.
Nessa situação, a transferência total de elétrons não acontece, o que se entende por um
compartilhamento dos elétrons entre os átomos participantes da ligação. Em qualquer tipo de
ligação covalente a distância entre os núcleos e os átomos ligados é chamada distância de
ligação ou comprimento de ligação. Considere que em verdade essa distância se refere a
uma média, pois os átomos ligados não permanecem estáticos um em relação ao outro; pelo
contrário, eles estão freqüentemente vibrando para dentro e para fora, aproximando-se ou
afastando-se um do outro.

Ligacao covalente

18
As ligações metálicas são forças que se estabelecem entre átomos com baixa
eletronegatividade; característica essa presente nos elementos metálicos.Essa característica
das ligações permite aos elétrons participantes um grau de liberdade em relação aos núcleos
atômico bem superior, quando comparados com as outras ligações. Um fato interessante é
que a regra do octeto não explica a ligação metálica, isso se deve ao fato de que as estruturas
de Lewis serem insuficientes para explicar a distribuição dos elétrons nas respectivas camadas
Essas ligações estão presentes nas interações
intramoleculares de uma molécula, quando se
considera, a interações intermoleculares com outras
forças, porém estão presentes mesmo que tenham o
mesmo princípio físico, mas diferindo na natureza e
magnitude da interação.
As interações de ordem intermolecular
permitem a formação de diferentes fases da matéria.
Por exemplo, nos sólidos moleculares as forças que
existem são relativamente fracas e são chamadas de
forças de Van der walls. Existem vários tipos de forças
de Van der walls, sendo que as mais importantes são
as dipolo-dipolo e as forças de London.
Forças dipolo-dipolo estão presentes nas
Ligação metálica
interações entre moléculas polares. As forças de
London, também chamadas forças de dispersão,
geralmente são muito fracas, e são justificadas pelo fato de que até moléculas não-polares
formam retículos cristalinos. As forças de London são fracas e de pequeno alcance, estando
associadas, em parte, com a facilidade com
que a nuvem eletrônica de uma molécula é
distorcida. Enquanto as forças eletrostáticas
comuns têm sua magnitude relacionada com
o inverso do quadrado da distância entre as
partículas, as forças de London variam na
razão inversa da sétima potência da
distância. Ou seja, um pequeno afastamento
entre as partículas constituintes de um sistema
afeta seriamente a magnitude das forças de
London
Forças dipolo-dipolo e forças de London.

#
[ ] Agora é hora de
TRABALHAR

a) Faça um comentário sobre forças intra e intermoleculares citando exemplos que


diferenciem uma da outra.

19
b) É possível que entre moléculas apolares se estabeleçam interações do
tipo dipolo-dipolo? Justifique sua opinião.

Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica
c) Estabeleça as diferenças entre ligações metálica, covalente, iônica,
tipo Van der Walls e de London. Quais dentre elas são intra e intermoleculares? Com base na
sua resposta como você entenderia a natureza da ligação que dá o aspecto físico numa barra
de chocolate. E em relação à formação das moléculas de açúcar?

Para Refletir
CHOCOLATE

O chocolate passou a se difundir pelo mundo a partir do século XVI, quando o


conquistador espanhol Hernán Cortés conheceu-o na corte de Montezuma II no México e o
levou para a Europa. Naquela época os astecas tomavam-no como uma bebida amarga e fria,
preparada a partir da fruta do cacaueiro, árvore nativa das regiões tropicais da América,
chamando-se xocolatl ou chocoatl (água amarga), e levava até pimenta e outras especiarias.
Ao se difundir pela Europa, transformou-se e aprimorou-se. Na Espanha, perdeu a adição de
pimenta e recebeu açúcar, canela e baunilha. No início do século XVII, viajantes e comerciantes
introduziram-no na Alemanha, França e Itália. Em 1659, David Chaillou começou a vender em
Paris as primeiras tortas de chocolate. Uma década depois o chef Lassagne, que trabalhava
para o duque de Plessis-Praslin, criou o primeiro bombom, coberto de caramelo.Relatos do
hábito de tomar essa bebida estimularam os europeus. O aventureiro e sedutor veneziano
Casanova (1725-1798) qualificou o chocolate de “elixir do amor”. O Marquês de Sade (1740-
1814) introduziu-o em uma de suas novelas obscenas. Em 1828, o neerlandês Coenraad Van
Houten desenvolveu uma máquina revolucionária que separava a pasta de cacau da manteiga.
Em 1875, utilizando o leite em pó inventado por seu conterrâneo Henri Nestlé, o suíço Daniel
Peter apresentou ao mundo o chocolate ao leite. Na primeira década do século XX, surgiram
as grifes internacionais: Neuhaus e Godiva, Callebaut e Cacao Barry, na Bélgica; Fauchon, La
Maison du Chocolat e Menier, na França; Kohler e Lindt, Nestlé e Suchard, na Suíça; Van
Houten’s, nos Países Baixos; Cadbury e Rowntree, na Inglaterra; Milton Hershey, nos Estados
Unidos. O Brasil é o único país produtor de cacau que industrializa o próprio chocolate.
Em quantidades suficientes, a teobromina encontrada no chocolate é venenosa à
animais como cães, gatos (especialmente filhotes), cavalos, papagaios e hamsters porque
eles não conseguem metabolisar a substância química eficazmente. Se eles forem alimentados
com chocolate, a teobromina irá ficar nas suas correntes sanguíneas por até 20 horas, e esses
animais poderão ter convulsões, ataques cardíacos, hemorragia interna, e eventualmente a
morte. O tratamento médico envolve indução de vômito dentro de duas horas de ingestão, ou
contactar um veterinário.Um cão típico de 20 kg irá normalmente sentir-se ruim do estômago
depois de ingerir menos que 240 g de chocolate ao leite, mas não irá necessariamente ter
bradicardia ou taquicardia a não ser que ele coma pelo menos meio quilo de chocolate ao
leite. Se ele não expelir o chocolate de seu sistema por causa do açúcar ou da gordura, então

20
ele terá 50% de chance de sobreviver depois de comer 5 quilos. Chocolate negro tem
aproximadamente 50% a mais de teobromina e por causa disso é mais perigoso aos cães.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Chocolate

Fórum de Idéias
a) Estabeleça uma relação entre ligações químicas e fases da matéria. Tome como
modelo uma barra de chocolate sólida, em seguida a considere líquida e por fim gasosa. Qual
a interpretação fundamental da sua análise?

b) Observe a sentença: “A teobromina é uma substância encontrada no chocolate e é


venenosa nos animais como; cães, gatos, cavalos, papagaios, etc, pois eles não conseguem
metabolisar a substância química”. Faça um comentário sobre os tipos de ligação que estariam
presentes na interação intramolecular dessa substância.

FUNÇÕES DA QUÍMICA INORGÂNICA

Teoria, Ácido, Bases e Sais

Em 1923, Bronsted e Lowry, sugerem uma definição ácido - base muito útil. Tem-se que
a definição estabelecida por Bronsted e Lowry é uma definição protônica. Ou seja, ácido é
toda espécie que tende a doar um próton e base toda espécie que tende a aceitar um próton.
Observe que uma reação ácido - base é uma reação de transferência de prótons (fig. Sobre
acido – base de Bronsted e Lowry).
Segundo Bronsted - Lowry uma reação ácido – base está ligada à competição por um
próton entre duas bases. Tem-se, no exemplo, o cloreto de hidrogênio (Hcl) numa solução
aquosa uma situação característica que se pode ser compreendida segundo a teoria de
Bronsted – Lowry. Nesse caso, uma molécula de Hcl (ácido) doa um próton a H2O (uma base)
para formar a espécie H3O+ (ácido) e cl - (base). Temos, portanto:

HCl + H2O H3O + + Cl –

Ácido A + Ácido B Ácido A + Ácido B

Esta equação apresenta um próton sendo transferido por um ácido para uma base
conjugada e um ácido, respectivamente. A partir disso, conclui-se que as espécies Hcl e cl –
são consideradas um par ácido – base conjugados, sendo H2O e H3O+ o outro par conjugado
formado.

21
É possível concluir que com o conceito de Bronsted – Lowry, a água pode
reagir que como um ácido quer como base, sendo que esses processos estão
associados a autodissociação da água.

Fundamentos H2O + H2O H3O+ + OH –


da Química e
Bioquímica Básica Ácido A + Base B Ácido B + Base A

A força de uma espécie ácida ou básica, segundo Bronsted – Lowry, está diretamente
relacionada com a tendência de doar um próton, quando se considerar um ácido, enquanto
para uma base a sua força está associada à tendência de aceitar (aceptor) de prótons. Na
equação abaixo podemos ter um exemplo desse conceito.

HCl + H2O H3O+ + Cl –

Nessa reação, podemos considerar que o HCl por ter uma tendência maior em doar
prótons em relação ao H 3O+ é considerado a espécie mais ácida. Enquanto que para a água,
seu caráter básico, é mais pronunciado que o do íon cloreto (Cl - ) Daí conclui-se que quanto
mais forte for o ácido, mas fraca será a sua base conjugada. Isso pode ser compreendido pelo
exemplo anterior onde o HCl tem grande tendência a perder um próton, fazendo com que a
espécie Cl – tenha pouca tendência em ganhá-lo.
Uma conceituação ainda mais complexa, sugerida por G. N. Lewis em 1923, torna a
análise de espécies químicas para classificá-las como ácido ou como base ainda mais
abrangente. Para Lewis, um ácido é toda espécie química com orbital vazio capaz de aceitar
um par de elétrons, enquanto para uma base, a espécie química deve poder doar um par de
elétrons para formar uma ligação covalente coordenada, esses conceitos podem ser resumidos
da seguinte forma. Enquanto um ácido é receptor do par de elétrons, a base é um doador de
par de elétrons. Para Lewis toda reação ácido – base consiste na formação de uma ligação
covalente coordenada por exemplo: Fig.12 ácidos e bases de arrhenius
O par eletrônico proveniente do oxigênio forma uma ligação covalente com o próton.
enquanto o íon (OH)- é uma base,
pois ele doou um par eletrônico na
formação da ligação. Porém, uma
reação do tipo que está apresentada
logo abaixo não poderia ser classificada
como uma reação ácido – base segundo
o conceito de Bronsted – Lowry (ou
arrenhius).
É necessário compreender que
dentre os três conceitos sobre teoria
ácido – base a teoria de Lewis é a mais
abrangente. Isso porque a generalidade
da teoria de Lewis não está
condicionada a soluções aquosas,
como no caso da teoria de Arrenhius e
ácidos de base arrhenius
Bronsted – Lowry.
Arrenhius propôs uma terceira classe de eletrólitos, conhecida como “sal”. Para Arrenhius
um sal é toda espécie química as quais os íons subsistem após a neutralização de uma espécie
ácida por uma outra espécie básica. Por esse conceito, o Nacl, por ter íons Na+aq + Cl-aq em
solução, após as soluções de HCl e NaOH reagirem, em geral a característica de um sal é
correspondente a sólido iônico no qual íons (H3O) + e (OH)- não estão presente. Logo, na

22
reação de neutralização, há formação de moléculas de H2O e os íons provenientes da
neutralização permanecem em solução sendo que, caso a solubilidade do sal seja baixo, uma
combinação entre os íons podem se combinar, precipitando o sal na solução.

Hcl (H+)ag + (Cl –)ag

H2O

NaOH (Na+)ag + (OH) - ag

Quando da evaporação da água temos:

Na+ + Cl - Nacl(s)

Observe a tabela abaixo, na qual há uma relação entre a teoria ácido-base e o tipo de
espécies químicas formadas.

CONCEITO ÁCIDO BASE


Todo composto que, dissolvido em Todo composto que, dissolvido em
ARRHENIUS água, origina (H3O)+ag como único água, origina (OH)-ag como único
cátion. ânion.

BRONSTED - Toda espécie química que tende a Toda espécie química que tende a
LOWRY doar prótons. aceitar prótons.

Toda espécie química com orbital Toda espécie química doadora de


G. N. LEWIS vazio que é capaz de aceitar um um par de elétrons para formar uma
par de elétrons. ligação covalente coordenada.

#
[ ] Agora é hora de
TRABALHAR

a) Cite as diferenças conceituais entre as teorias de Arrhenius, Brosnsted-Lowry e G. N.


Lewis. Faça um comentário sobre a possibilidade de denominarmos “ácido” a toda e qualquer
substância que tem sabor azedo. Esta é uma postura científica? Em termos de sobrevivência
das populações, o fato de que uma quantidade de substâncias ácidas apresentarem sabor
azedo desqualifica o saber popular? Dê a sua opinião.

23
b) É possível considerar que um ácido de Arrenhius é também um ácido
de G. N. Lewis? Justifique sua resposta.

Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica
c) A teoria de Arrenhius nos revela que para ser ácido, a substância deverá
produzir um cátion de hidrogênio em solução aquosa. Sobre o termo “aquoso”,
comente a limitação conceitual contida na teoria de Arrenhius.

Para Refletir
PRODUÇÃO DE SABÃO
Material Compostos
Cuba Hidróxido de sódio (soda caústica)
Lamparina de álcool Cloreto de sódio (sal comum)
Tripé e grelha Gordura
Colher de cozinha Perfume
Óculos de proteção Água destilada
Luvas de látex
Procedimento
1- Atenções, durante a execução desta experiência devem-se proteger as mãos com luvas e
os olhos com óculos.
2- Preparo de uma solução de hidróxido de sódio (a preparação desta solução deve ser
cuidadosa porque o hidróxido é muito alcalino. O hidróxido de sódio é normalmente fornecido
no estado sólido, devendo este ser transferido para um globé já com água com a ajuda de
uma colher de plástico. O hidróxido de sódio é adicionado na cuba após a adição da água,
porque esta base ataca o vidro ficando com os grãos colados às paredes da cuba, sendo
sua remoção bastante difícil).
3- Adicione um pouco de gordura à solução de hidróxido de sódio. (a gordura adicionada
pode ser um pedaço pequeno de manteiga, também pode ser utilizado um pouco de óleo
ou azeite).
4- Aqueça a solução e deixe ferver durante certo período de tempo. (com o calor fornecido
pela chama da lamparina a fervura não será muito intensa, mas deve se ter cuidado, pois a
solução que estamos a aquecer é muito alcalina. Se durante a fervura houver salpicos para
fora da cuba, estes deverão ser imediatamente limpos com um pano úmido)
5- Transfira a solução tratada para outra cuba, acrescentando em seguida uma colher de cloreto
de sódio (sal comum) e um pouco de perfume. Deixar arrefecer a solução. (Muito cuidado
no manuseio da cuba quente, pois como é sabido, o vidro quente ou frio tem sempre o
mesmo aspecto).
6- Na solução encontra-se, flutuando, um determinado sólido que pode ser designado de sabão
perfumado. ( o sabão é um bom meio de limpeza porque é formado por uma parte apolar
que corresponde à molécula de gordura, e outra parte polar que é fornecida pelo sal e
hidróxido de sódio. Devido a estas características o sabão tanto atrai para si moléculas
polares como apolares)

24
Fórum de Idéias
a) Comente sobre a seguinte afirmação: “A mídia em geral anuncia cada vez mais uma
quantidade enorme de produtos para a higiene pessoal. A partir do que foi dito sobre os sabões,
quanto há de mito e de verdade sobre as fantásticas propriedades de limpeza desses novos
produtos? Será que uma boa higiene pessoal depende de uma enorme quantidade desses
novos produtos?”.

b) A reação de formação dos sabões se dá por meio de uma substância ácida e outra
básica. A partir disso você concorda que a reação ocorrida forma um sal? Justifique sua
resposta. Então podemos dizer que todos os sabões são sais?

Funções Inorgânicas
Podemos conceituar funções inorgânicas como o conjunto de substâncias inorgânicas
que possuem propriedades químicas semelhantes. As funções inorgânicas que para nosso
estudo apresentam um interesse imediato, são: ácidos, bases, sais e óxidos. Para esse
primeiro contato com as funções inorgânicas iremos empregar a teoria da dissociação de
arrhenius, para conceituar todas as funções aqui estudadas.
ÁCIDOS
Os ácidos podem ser conceituados, segundo arrhenius, como compostos que em
solução aquosa se ionizam, produzindo íons H3O+ (hidrônio ou hidroxônio). Logo, as
características do comportamento ácido de uma substancia se deve à presença desse íon,
tornando-o, portanto, o radical funcional dos ácidos .
HCl H3O+ + Cl-
H3PO4 3 H3O+ + (PO4)3-
Os ácidos podem ser classificados pelos números de hidrogênios ionizáveis, pela
presença de oxigênio na molécula e de acordo com o grau de ionização. Em relação aos
números de hidrogênios ionizáveis, temos:
Monoácidos - quando ionizados, produzem apenas um H3O+ (HCl, HNO3, etc).
Diácidos - quando ionizados, produzem dois H3O+ (H2SO4, H2CO3, etc).
Triácidos - quando ionizados, produzem três H3O+ (H3PO4, H3BO3, etc).
Tetrácidos - quando ionizados produzem quatro H3O+(H4P2O7, H4SiO4, etc).
Quando se observa a presença ou não de oxigênio, temos:
Hidrácidos - quando não contêm oxigênio (HCl, HBr, etc).
Oxiácidos - quando contêm oxigênio (HNO3, H2SO4, etc).
Considerando o grau de ionização podemos classificar da seguinte maneira:
Ácidos fortes - quando possui grau de ionização (a) superior a 50%
Ácidos moderados – quando o grau de ionização está compreendido entre 5 a 50%
Ácidos fracos - quando o grau de ionização é inferior a 5%

25
Esse cálculo é baseado na seguinte fórmula: a= Número de moléculas ionizadas
Número total de moléculas

A nomenclatura dos ácidos é feita em função da presença ou não de


Fundamentos oxigênio. E dentro dos oxiácidos, o numero de oxidação do elemento central,
da Química e isto é a carga teórica que o átomo teria caso houvesse quebra da ligação.
Bioquímica Básica A presença de moléculas de água na estrutura da molécula, grau de
hidratação, é um parâmetro útil para nomear ácidos oxigenados que apresentam
mesmo numero de oxidação, mas diferentes graus de hidratação (nesse caso,
quantidade de moléculas de água na estrutura do ácido).

BASES OU HIDRÓXIDOS
As bases ou hidróxidos são substâncias que se apresentam por dissociação iônica e
liberam o íon hidroxila ou oxidrila (OH)-. Logo o (OH)- é o radical funcional das bases, ou seja,
as características básicas de um composto químico. Fazendo uma analogia com os ácidos, a
nomenclatura das bases é função do número de hidroxilas: Monobases, Dibases, Tribases,
Tetrabases. Enquanto o grau de dissociação é a classificação correspondente ao dos ácidos,
respeitando seus respectivos grupos funcionais.
Algumas bases características: NaOH, Zn(OH)2, Al(OH)3, etc.
A nomenclatura das bases é feita em função do número de oxidação(Nox), levando em
consideração o elemento químico ligado à hidroxila.
Ex: KOH hidróxido de sódio, LiOH hidróxido de Lítio
O número de hidroxilas é um fator que também contribui para a classificação das bases.
Observe os exemplos.
Li(OH)- devido a presença de uma hidroxila, essa base é uma monobase.
Mg(OH)2- devido a presença de duas hidroxilas, é uma dibase.
Percebe-se que a nomenclatura está relacionada com o prefixo que indica o número de
hidróxilas, a saber: tri, tetra, penta, etc.. .

SAIS
Os sais, porém, são compostos que possuem pelo menos um cátion diferente do H3O+
e um ânion diferente do (OH)-. A reação química característica da formação dos sais é a reação
de neutralização ou de salificação, onde há formação do sal.
Ex: HCI + NaOH NaCl + HOH
Atente-se para o fato de que os íons Na+ e (OH)- estão em solução aquosa, desde que
toda a água da solução não tenha sido removida
A nomenclatura dos sais normais é derivada dos nomes dos ácidos e da base
que lhe dão origem. Terminações como eto, ito e ato.
Ex: Ca(NO3)2 Nitrato de cálcio; KNO3 Nitrito de potássio.
Os sais podem ser classificados também por meio da reação química que lhe deu
origem, ou seja, a neutralização pode ser parcial ou total e isso interfere na estrutura do sal
formado. É o caso de quando um di, tri ou tetrácidos reage com uma base em que todos os
hidrogênios ionizáveis são neutralizados.
Ex: NaH2PO4 fosfato diácido de sódio; NaHCO3 bicarbonato de sódio
Nos hidroxi - sais uma di, tri ou tetrabase reage com um ácido e nem todas as hidroxilas
soa neutralizadas, havendo, portanto, uma neutralização parcial da base.

26
Ex: Al(OH)2Cl cloreto dibásico de alumínio; Ca(OH)NO3 nitrato monobásico de cálcio
Os sais duplos ou mistos são formados se, por exemplo, um di, tri ou tetracido reagir
com bases diferentes. Esses sais, dependendo dos ácidos ou bases que reagem podem ser
duplos quanto ao cátion ou quanto ao ânion.
Ex: MgBrCl cloreto brometo de magnésio

ÓXIDOS
Os óxidos são compostos binários onde o oxigênio é o elemento mais eletronegativo.
Apenas os compostos oxigenados do flúor não são considerados óxidos, já que o flúor é mais
eletronegativo. Os óxidos podem ser classificados em: básicos, ácidos ou anídridos, anfóteros,
neutros, duplos, peróxidos, superóxidos.
Os óxidos básicos reagem com água produzindo uma base.
Ex: CaO + H2O Ca(OH)2
Os óxidos ácidos reagem com água produzindo um ácido.
Ex: SO3 + H2O H2SO4
Óxidos anfóteros são óxidos que podem se comportar ora como básico, ora como
ácido.
Ex: ZnO + 2HCl ZnCl2 + H2O ou ZnO + 2NaOH Na2ZnO2 + H2O
Os óxidos neutros não reagem com água, nem com ácidos ou com bases. Daí sua
denominação.
Ex: CO, NO, NO2
Os óxidos duplos se comportam como se fossem formados por dois outros óxidos.
Ex: Fe3O4, Pb3O4, etc.. .
Os peróxidos e superóxidos, quando reagem, formam água oxigenada (H2O2), no caso
dos peróxidos, e água oxigenada e oxigênio, no caso dos superóxidos. É importante lembrar
que esse comportamento se dá em solução aquosa.
Ex: Li2O2 peróxido de lítio
Na2O2 peróxido de sódio
KO2 superóxido de potássio
RbO2 superóxido de rubídio

#
[ ] Agora é hora de
TRABALHAR

a) Faça um comentário sobre as diferenças existentes entre ácidos, bases e óxidos.


Indique como se dá a formação dos ácidos e bases a partir dos óxidos.

27
b) Em relação aos óxidos anfóteros e neutros, quais as suas características
principais. Indique suas diferenças.

Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica

c) A água oxigenada é um produto que pode ser proveniente da reação


de hidrólise de que tipo de óxido? E qual significado do termo “anidrido”?

Para Refletir

SAIS E COTIDIANO

Ao nosso redor existe uma infinidade de sais que fazem parte da constituição dos mais
variados materiais.
O carbonato de cálcio (CaCo3), por exemplo, é encontrado na casca do ovo, no mármore,
no calcário, nas pérolas e nos recifes de coral.
O cloreto de sódio (NaCl), além de ser usado para salgar a comida, tem larga aplicação
na conservação de alimentos (carne-seca, bacalhau salgado, etc.), na composição do soro
fisiológico (uma mistura de água com 0,9% de NaCl) e como matéria – prima para a produção
de cloro (Cl2), de soda cáustica (NaOH) e do hipoclorito de sódio (NaClo).
O fluoreto de sódio (NaF) serve como fonte de fluoreto (F-) para a formação do esmalte
dental, que aumenta a resistência à formação de cáries. É usado em algumas pastas de dente
e também nos enxaguatórios bucais.
O salitre (KNO3) e o salitre do Chile (NaNO3) são empregados como conservantes dos
embutidos de carne (presunto, salame. Mortadela, rosbife, etc.). Tomam parte, também, da
composição de fertilizantes e da chamada pólvora negra, uma mistura de salitre, carvão e
enxofre pulverizados.
O carbonato de sódio (Na2Co3), também denominado soda ou barrilha, é empregado
nas estações municipais de tratamento de água, em piscinas (para evitar que a água fique
muito ácida) e nas fábricas de vidro e de sabão em pó como matéria-prima.
Gesso e giz são dois materiais que contêm sulfato de cálcio (CaSO4).
Para nos mantermos saudáveis, precisamos, diariamente, ingerir pequena quantidade
de sais adequados. Eles estão presentes em muitos alimentos. Esses sais fornecem íons
necessários ao bom funcionamento de nosso organismo.

Fonte: Tito e Canto. Química na Abordagem do Cotidiano, pág. 85

28
Fórum de Idéias

a) Em tempos atrás, com a falta de equipamentos de refrigeração, a conservação de


alimentos era feita com qual tipo de função química? É admissível que as pessoas hipertensas
consumam compostos dessa função química? Justifique sua resposta.

b) É possível admitir que devemos tirar de nossa dieta alimentar toda e qualquer
quantidade de sal. O que você acha dessa opinião? E de que maneira esse sal se encontra
em nosso organismo, numa forma iônica ou reticulada?

c) Os eletrodomésticos das residências situadas próximas ao litoral sofrem o fenômeno


de oxidação de forma bastante intensa. Qual componente ambiental presente na região litorânea,
do ponto de vista químico, podemos associar a esse fenômeno?

Reações Químicas

Reações Fundamentais

Numa reação química, as moléculas ou aglomerados iônicos iniciais irão reagir fornecendo
outras espécies diferentes. Esse conceito básico pressupõe que haja condições
termodinâmicas favoráveis para que o processo ocorra. Em todas as reações químicas
podemos considerar duas classes de compostos participantes: os reagentes e os produtos.
Nesse sentido, uma equação química é a representação simplificada de uma reação química.

2H2 + O2 2 H2O

Temos, no exemplo acima, que H2, O2 e H2O representam as substâncias que participam
nessa reação, onde as moléculas de H2 e O2 são os reagentes, enquanto a molécula de H2O é

29
o produto formado na reação. Atente-se que essas fórmulas químicas dão um
sentido qualitativo, enquanto os coeficientes dão um sentido quantitativo.
As reações químicas podem ser classificadas segundo diversos critérios;
dentre esses critérios, o que está relacionado aos fenômenos de adição,
Fundamentos
decomposição, deslocamento são aqueles que nesse momento iremos tratar.
da Química e
Incluindo, posteriormente, duas reações de extrema importância para os
Bioquímica Básica
fenômenos biológicos, que são as reações de precipitação e complexação.
As reações de síntese ou de adição ocorrem quando duas ou mais
espécies químicas reagem, produzindo apenas uma espécie. Observe o modelo abaixo.

S + O2 SO2 (I)

CaO + H2O Ca(OH)2 (II)

Aqui temos que a reação envolvendo átomos de enxofre e uma molécula de oxigênio
resultou no aparecimento do óxido de enxofre. As reações de síntese podem ser denominadas
de síntese total (I) ou síntese parcial (II). A síntese é total quando pare apenas de substâncias
simples, enquanto a parcial há, dentre os reagentes, uma substância composta.
As reações de análise ou de decomposição ocorre quando uma substância propicia o
aparecimento de dois ou mais produtos (substâncias) de estrutura mais simples.

2KClO3 2KCl + 3O2

2 HgO 2Hg + O2

Algumas reações de decomposição recebem nomes especiais, em função da fonte de


energia por meio da qual a reação se processa. Temos então: pirólise, fotólise e eletrólise,
que têm como fonte de ignição respectivamente: calor, luz, eletricidade.
As reações de deslocamento ou de simples troca ocorrem quando uma substância
simples reage com uma substância composta, onde, por meio desta última, ocorre um
deslocamento nas posições dos átomos, promovendo o aparecimento de uma nova substância
simples.

Fe + CuSO4 FeSO4 + Cu

As reações de dupla troca ou de dupla substituição ocorrem quando dois compostos


químicos permutam entre si dois elementos ou radicais, originando novas espécies.

NaCl + AgNO3 AgCl + NaNO3

Um aspecto importante a considerar é que certas reações de síntese, análise e todas de


deslocamento são reações de oxi-redução. Enquanto certas reações de síntese, análise e
todas as de dupla troca são sem-oxidação.

30
Reações de Complexação e Preciptação

Os íons de cargas opostas na solução aquosa estão envolvidos por moléculas de água,
que proporcionam o aparecimento do fenômeno de hidratação sobre os mesmos. Há casos
nos quais os íons podem combinar com outro. Duas reações importantes podem ser
consideradas: precipitação e complexação. Na primeira, o produto formado é pouco solúvel
em água, sendo que na segunda o produto é um íon complexo solúvel.
Um princípio fundamental para o entendimento desses tipos de reações é de que sempre
que íons de um eletrólito insolúvel são introduzidos separadamente em uma solução, de tal
maneira que a concentração final do eletrólito exceda sua solubilidade, então parte desse
eletrólito precipitará da solução. Observe que o termo insolubilidade, é impreciso, pois toda
espécie tem um grau de solubilidade , o que pode-se entender o termo insolúvel como pouco
solúvel.
A solubilidade do cloreto de prata (Agcl) é baixa em água, o que permite a precipitação
do cloreto de sódio (Nacl), pois íons Ag+ se misturam com íons Cl-, temos nesse Ag+ + Cl-
Agcl(s).
Por outro lado, ao se adicionar NH3 ao Agcl2, o sal formado se dissolve, produzindo uma
solução incolor.

AgCl(s) + 2NH3 Ag(NH3)2+ + Cl-

Temos agora a espécie Ag(NH3)2+ denominada de íons complexo, chamado de Diamin


– Prata. Onde o íon Ag+ sofre fenômeno de complexação, ao ser complexado por duas moléculas
de NH3, sendo essas moléculas chamadas de agentes complexantes.
O conceito de íons complexo é impreciso, por ser muito ampla, sobretudo quando se
considera as espécies que se dissociam muito pouco em seus componentes, por exemplo:
Nitrato (NO3-), Sulfato (SO42-), Fosfato (PO43-).
Nos dias atuais, íon complexo significa a formação de um agregado quando um íon
metálico (ou átomo, ás vezes) estabelece ligações com vários outros íons ou por moléculas
que se associam ao seu entorno.
A hidratação de um íon pode ser considerada uma complexação do tipo aquo-complexo.

Exemplo: Cr3+ + 6H2O Cr (H2O)63+

A formação de um complexo pode ser explicada como uma ilustração do comportamento


ácido – base de Lewis.

Exemplo: Cu2+ + 4NH3 Cu (NH3)4 2+ ; onde o íon cobre é complexado por quatro
ligantes amônia.

Atente-se para o fato de que, como a ligação nos complexos pode ser descrita em
termos de informação de ligação covalente coordenada, o número de pares de elétrons aceitos
pelos íons central é denominado número de coordenação.

31
Reações com Transferência de Elétrons

Fundamentos Uma reação importante associada a diversos fenômenos químicos é a


da Química e reação por transferência de elétrons, conhecida também como reação de óxido
Bioquímica Básica – redução ou redox. Nessa reação, um ou mais elétrons parecem ser transferidos
de um átomo para outro. Na realidade, a idéia de contabilizar elétrons é um tanto
arbitrária para o cálculo do número de oxidação.
A oxidação se refere a uma reação em que uma espécie química perde elétrons. Por
exemplo:

Na0 Na+ + e-

O fato de o átomo de sódio ter perdido um elétron para se tornar Na+ indica que ele
sofreu oxidação. Fenômeno semelhante ocorre com os átomos de cloro, citados no exemplo
acima. Podemos concluir com isso que o processo de oxidação está associado a uma perda
de elétrons. Por outro lado, o termo redução indica um ganho de elétrons. Esse aspecto
caracteriza a redução como um fenômeno oposto ao da oxidação.

Ex: Fe 3+ + e- Fe 2+

Em relação ao número de oxidação, quando o fenômeno investigado está


caracterizado como uma oxidação (Nox) aumenta, enquanto no fenômeno de redução o nox
de pelo menos uma de suas substâncias consideradas diminui.

Sn2+ Sn4+ + 2e-

2H2O-2 O2o + 4H+ + 4e-

4OH- + Mn2+ MnO2 + 2H2O + 2e-


(+2) (+4)

Enquanto para a redução temos:

Fé 3+ + 1e Fe 2+
(+3) ( +2)

2H + + 2e H2
(+1) (0)

Um fato característico e importante dos fenômenos de oxidação e redução é que, os


fenômenos ocorrem simultaneamente. Ou seja, elétrons doados devem ser recebidos. Na
reação de oxirredução (redox), a espécie química que oxida , ou seja, que retira elétrons de
outra espécie, é denominada agente oxidante ou simplesmente oxidante; já a espécie química
doadora, é chamada agente redutor ou redutor. No exemplo abaixo temos:

Fe + 2H+ Fe2+ + H2
(0) (+1) (+2) (0)

32
Fe 0 - 2e Fe+2 (oxidação)

2H+ + 1e H2 0 (redução)

Observe que enquanto no ferro o Nox varia de 0 à +2 , no hidrogênio ele varia de +1 a


0. Definindo, portanto, a reação de oxi-redução.
É importante atentar para o fato de que uma equação balanceada para uma reação do
tipo redox deve exibir a oxidação e a redução.
O balanceamento de equações redox sem a presença do solvente é um método bastante
prático para a estequiometria da mesma. Algumas etapas se fazem necessárias para
utilizarmos o método de balanceamento por oxidação.
1- Atribuir número de oxidação a todos os átomos
2- Observe quais os átomos que parecem perder e quais os que parecem ganhar
elétrons e determine quantos elétrons são perdidos e ganhos.
3- Se há mais de um átomo perdendo ou ganhando elétrons em uma unidade de
fórmula , determine o total de elétrons perdidos ou recebidos por unidade e fórmula.
4- Iguale o ganho de elétrons pelo agente oxidante ao da perda pelo agente redutor,
colocando o coeficiente apropriado antes da fórmula de cada um , no lado de cada um , no
lado esquerdo da equação.
5- Complete o balanceamento da equação por tentativa. Inicialmente balanceie os
átomos que ganham ou perderam elétrons; em segundo lugar, todos os átomos, com exceção
de O e H; em terceiro, os átomos O e, por último, os átomos de H. Observe o exemplo.

MnO2 + KClO3 + KOH KMnO4 + KCl + H2O

MnO2 + KClO3 + KOH K2MnO4 + KCl + H2O


(+4) (-2) (+1)(+5)(-2) (+1)(-2)(+1) (+1)(+6)(-2) (+1)(-1) (+1)(-2)

Para o manganês, temos :

Mn(manganês)
De +4e para +6e (Ä = +2e)

Cl (cloro)
De +5e para -1e (Ä = -6e)

Logo, para cada fórmula MnO2, há um átomo de manganês. Cada fórmula, portanto,
pede 2 elétrons como também , em cada fórmula de KClO3, há um átomo de cloro. A quantidade
de elétrons ganho por fórmula é 6.

3MnO2 + KClO3 + KOH 3K2MnO4 + KCl + H2O

Balanceando os átomos de K, temos:


3MnO2 + KClO3 + 6KOH 3K2MnO4 + KCl + H2O

Em seguida, os átomos de oxigênio (O):

3MnO2 + KClO3 + 6KOH 3K2MnO4 + KCl + 3H2O

Enfim, os átomos de H, que no exemplo citado já estão balanceados.

33
#
Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica
[ ] Agora é hora de
TRABALHAR

1. Cite os tipos fundamentais de reações químicas, quando se considera na análise os


reagentes e produtos formados.

2. Descreva sobre reações de complexação e precipitação e, em quais condições elas


ocorrem.

3.
.
Estabeleça a relação entre o número de oxidação e as reações de oxi-redução.

Para Refletir
As utilidades do bicarbonato de sódio (NaHCO3)
estão relacionadas com as reações de dupla troca.
Quando o bicarbonato de sódio reage com um ácido, ocorre a liberação de gás carbônico
(efervescência):

HX + NaHCO3 NaX + H2O + CO2

H2CO3 decomposto

34
Você mesmo pode observar a efervescência adicionado bicarbonato de sódio sólido
(adquirido em farmácia) a uma porção de vinagre ou suco de limão.
A reação com ácidos explica por que NaHCO3 pode ser usado em fermentos, extintores
de incêndio e como antiácido estomacal.
• Antiácido estomacal: ao ser ingerido, o NaHCO3 reage com o HCl presente no
estomago, combatendo a acidez estomacal e a azia.
• Fermento para massas: além do NaHCO3, contém também um outro composto de
características ácidas. Na reação entre ambos, que ocorre quando dissolvemos o
fermento em água ou leite, ocorre liberação de CO2, que faz a massa expandir e
ficar fofa.
• Extintor de incêndio de espuma química: quando o extintor é virado de cabeça para
baixo, o H2SO4 contido num recipiente em seu interior entra em contato com o
NaHCO3, produzindo CO2. O CO2 não é combustível e sai misturado com a solução,
formando uma espuma, que é usada para apagar o fogo. A espuma contém íons
dissolvidos, portanto, conduz a corrente elétrica. Assim, esse tipo de extintor não
pode ser usado em equipamento ligado à rede elétrica.

Fórum de Idéias

a) A utilização de bicarbonato de sódio como antiácido promove qual ação no


organismo? Você concorda que sua ação tem uma natureza básica sobre o ácido clorídrico
(HCl)? Justifique sua resposta.

b) Num ambiente que esteja pegando fogo, a utilização de um extintor a base de ácido
sulfúrico quando entra em contato com o bicarbonato de cálcio produz qual tipo de composto?
Esclareça o processo de formação desse composto.

c) Qual a relação que existe entre o bicarbonato e a fermentação de massas para


produção de alimento.

35
QUÍMICA ORGÂNICA E
Fundamentos
BIOLÓGICA: A VIDA E SUAS
da Química e
Bioquímica Básica
POSSIBILIDADES QUÍMICAS

COMPOSTOS ORGÂNICOS

O Átomo de Carbono e a Química Orgânica

Os químicos antigos tinham a noção de que os compostos orgânicos eram aqueles que
estavam associados aos organismos vivos, tendo, portanto, sua existência associada aos
processos que ocorriam em organismos vivos. Mas Friedrich Wohler, em 1828, sintetizou
uréia a partir do cianato de âmonio, o que promoveu uma instabilidade na teoria “vitalista”,
teoria na qual os compostos orgânicos teria sua existência associada aos organismos vivos.

Um conceito muito empregado, mas não completamente satisfatório, é de que os


compostos orgânicos são formados principalmente por átomos de carbono, hidrogênio,
oxigênio, dentre outros átomos. Dentre esses, os átomos de carbono são os principais
elementos na formação das estruturas que dão origem aos diversos compostos orgânicos.
Outra característica do átomo de carbono é fundamental para a existência de um ramo de
estudo da química, ou seja, a química orgânica, é a capacidade do átomo de carbono formar
ligações fortes com outros átomos de carbono. Os compostos de carbono são o centro da
vida nesse planeta. Compostos como os ácidos desoxirribonucléicos (DNAs), que são as
moléculas que contém nossa informação genética, as proteínas que catalisam as reações em
nosso organismo, constituindo os compostos essências como líquidos, músculos e tecidos
têm como ponto fundamental no seu entendimento as possibilidades químicas e, portanto,
fundamentais do átomo de carbono.
August Kekulé, Archibald Scott Couper e Alexander M. Butlerov, no período
compreendido entre 1858 e 1861, desenvolveram a base de uma das teorias fundamentais na
química, chamada de teoria estrutural. Duas considerações importantes fundamentam essa
teoria:

36
a) A habilidade dos elementos nos compostos orgânicos formarem um número de
ligações fixas, habilidade essa conhecida por valência. Para o carbono, diz-se que ele é
tetravalente, isto é, tem a capacidade de formar quatro ligações; enquanto no oxigênio, por
exemplo, essa habilidade se limita a duas ligações.

c o H CI

b) A utilização de uma ou mais de suas valências para formar ligações com outros
átomos de carbono.

c c c

Essa teoria possibilitou aos químicos solucionar o problema da isomeria,ou seja,


compostos diferentes que tinham a mesma fórmula molecular. Esses compostos então eram
chamados de isômeros. Dois exemplos que evidenciam essa problemática são o álcool etílico
e o éter dimetílico, cujas fórmulas moleculares estão representadas abaixo.

Ex: H3COH e H3C-O-CH3

Os trabalhos independentes de J. H. Van¢t Hoff e J. A Lê Bel, em 1874, expandiram


as fórmulas estruturais originadas por Kekulé e outros. Isso gerou a interpetação de que as
quatro ligações do átomo de carbono no metano estavam orientadas de tal maneira que elas
estavam dirigidas em direção aos ângulos de um tetraedro regular. Esse entendimento do
arranjo espacial com a conectividade dos átomos é fundamental para a compreensão da
química orgânica.

Os Hidrocarbonetos

Compostos cujas moléculas contêm apenas carbono e hidrogênio são denominadas


de hidrocarbonetos. Essas moléculas podem pertencer a subgrupos nesse conjunto maior
chamado de hidrocarbonetos. Alguns grupos possíveis de classificar essas moléculas são:

a) Alcanos - os membros desse subgrupo só possui ligações simples entre os átomos


de carbono. Nesse sentido não há ligações múltiplas carbono-carbono.

Ex: CH4

b) Alcenos - nesse subgrupo as moléculas possuem uma ligação dupla carbono-carbono.


Observe que é apenas uma ligação dupla.

Ex: H2C=CH2

c) Alcinos - aqui as moléculas apresentam uma ligação tripla carbono-carbono.

Ex: HC CH

37
Em geral, os compostos como os alcanos, onde a ligação carbono-
carbono é do tipo ligação simples, são denominados de compostos saturados,
devido ao fato de, os átomos de carbono possuir o número máximo de átomos
Fundamentos
de hidrogênios a eles associados. Já os compostos, onde se tem a presença
da Química e
de ligações duplas ou triplas os compostos insaturados, isto se deve à presença
Bioquímica Básica
em menor número de átomos de hidrogênio em relação ao máximo possível.

Ex:

Os hidrocarbonetos aromáticos têm como estrutura fundamental, formadora de todos


os outros compostos aromáticos, o benzeno (C6H6), que pode ser representado como um anel
de seis membros (átomos de carbono) com ligações duplas e simples alternadas; essa
estrutura foi denominada de estrutura de Kekulé, pois ele desenvolveu essa representação.
Mesmo assim existem evidências que essa representação é inadequada. Por exemplo, o fato
de o benzeno, que se supõe ter ligações duplas e simples alternadas, esperava-se que haveria
ligações mais curtas e mais longas. No entanto, as ligações no benzeno são de mesmo tamanho
(1,39 Ao), que é um valor médio entre uma ligação simples e dupla. Para resolver esse problema
de interpretação, temos a contribuição da teoria da ressonância e a teoria do orbital molecular,
que não iremos aprofundar nesse curso.
A teoria estrutural permiti-nos classificar uma enorme quantidade de compostos
orgânicos, partindo de um número pequeno de família, onde a presença de certos arranjos de
átomos, chamados grupos funcionais, permitem sua classificação. No Alcino, por exemplo,
seu grupo funcional é a ligação tripla carbono-carbono. Observe que as ligações C-C e C-H
são, em geral, menos reativas que as presentes nos grupos funcionais.
Alguns grupos, como por exemplo grupos alquilas e fenilas, são identificados por razões
de nomenclatura de compostos. Esses grupos são obtidos pela remoção de um átomo de
hidrogênio.

#
[ Agora é hora de
TRABALHAR ]
a) Descreva as propriedades do átomo de carbono que o torna tão importante no
estudo da química orgânica.

38
b) Qual a importância do estudo J. H. Van¢t Hoff e J. A Lê Bel na interpretação das
fórmulas estruturais originadas por Kekulé e outros? Comente.

c) Faça um breve comentário sobre a teoria estrutural.

Funções Oxigenadas

A presença de átomos de oxigênio na estrutura de determinados compostos caracteriza


o que podemos denominar de funções oxigenadas. Por exemplo, os álcoois podem ser
reconhecidos de duas maneiras: (1) como derivados hidroxi dos alcanos e (2) como derivados
alquilados da água. O grupo funcional característico para esta família é a hidroxila(OH)
associada a um átomo de carbono com hibridação sp3.

Ex: CH3-OH ( metanol)

Os álcoois podem ser classificados em (1) primário, (2) secundário e (3) terciário,
sendo que esta classificação está baseada no grau de susbstituição do carbono ao qual o
grupo hidroxila está diretamente ligado. Se há presença de apenas um outro átomo de carbono
ao que está ligado à hidroxila então se diz que esse álcool é primário, e assim sucessivamente.

OH OH OH

Ex: R-CH2 (primário), R-C-R’ (secundário), R-C-R (terciário)

H R

Os éteres possuem fórmula geral R-O-R ou R-O-R’, sendo que R pode ser qualquer
grupo alquila (ou fenila) diferente de R. Podem ser também compreendidos como derivados
da água, onde ambos os átomos de hidrogênio foram substituídos por grupos alquila.

Ex: CH3-O-CH3

Os aldeídos e cetonas possuem o grupo carbonila (C=O), onde o oxigênio se liga ao


carbono por meio de uma ligação dupla. Enquanto nos aldeídos a carbonila está ligado a
pelo menos um átomo de hidrogênio. Nas cetonas ele está ligado a dois átomos de carbono.
Ex: RCOH (aldeído), R-CO-R (cetonas)

39
Ácidos carboxílicos têm fórmula geral R –COOH. Onde o grupo –COOH
é o grupo carboxila (carbonila +hidroxila).
As amidas, por outro lado, possuem fórmulas RCONH2,
Fundamentos
RCONHR‘ou RCONR‘R”. Por fim, temos os ésteres cuja fórmula geral é tido
da Química e
por RCO2R ou RCOOR‘, onde “R”são grupos hidrocarbônicos.
Bioquímica Básica

#
[ Agora é hora de
TRABALHAR ]
a) Defina de que forma as funções oxigenadas são caracterizadas e quais os
grupamentos mais característicos dos seus compostos.

b) Determine as diferenças que existem entre os ácidos carboxílicos, aldeídos e cetonas.

c) Faça um comentário sobre a presença de compostos oxigenados no meio ambiente.

Para Refletir
Antibiótico Anticâncer

A doxorrubicina (também conhecida como andriamicina) é uma droga anticâncer muito


potente, que contém grupos funcionais do fenol. Ela é eficaz contra varias formas do câncer,
incluindo tumores dos ovários, mama, bexiga e pulmão, assim como doença de Hodgkin e

40
outras leucemias agudas. A doxorrubicina é um membro da família dos antibióticos antraciclina.
Um outro membro da família é a daunomicina. Ambos os antibióticos são produzidos nas
deformações de bactéria Streptomyces, pela via chamada biossíntese do policetídio.
Experimentos com marcações isotópicas têm mostrado que a daunomicina é sintetizada
na Strptomyces galilaeus, a partir de um precursor tetracíclico chamado aclavinona.

Fonte:Solomos,G. e Fryhle C. Química Orgânica, v. 2, p.263.

Fórum de Idéias

a) Pesquise e responda. A doxorrubicina, por ser um fenol, pode ser classificada como
uma função oxigenada?

b) Sobre antibióticos, podemos afirmar que o seu uso indiscriminado tem implicações
químicas sobre o organismo. Qual é sua opinião?

Funções Nitrogenadas

Considerando que álcoois e éteres são derivados orgânicos da água; as aminas, por
sua vez, podem ser consideradas como originárias da amônia.

Ex: R-NH-R’

As aminas tem sua classificação baseada no numero de grupos orgânicos que estão
ligados ao átomo de nitrogênio, observe a diferença que existe entre a classificação quando
nos referimos a álcoois e haletos. Aqui, não é o tipo de carbono (primário, secundário, terciário)
ao qual o grupamento está ligado que define a classificação.
Já as nitrilas com fórmula R-CºN tem seu carbono hibridizado gerando orbitais sp.
Os nomes desses compostos, as nitrilas cíclicas, soam nomeadas ao adicionarmos sufixo
“nitrila”, enquanto a carbonitrila são nomeadas por meio do sufixo carbonitrila ao nome do
grupo de anel ao qual o grupo –CN está associado.
Ex: R-C N

41
#
Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica
[ Agora é hora de
TRABALHAR ]
1. Monte a estrutura eletrônica da amônia, substância que pode estar associada ao
aparecimento das aminas.

2. Descreva as características gerais dos compostos nitrogenados e, em especial,


as das aminas e amidas.

3. Qual a diferença fundamental em termos de classificação das aminas em relação


a compostos oxigenados como os álcoois.

Para Refletir

Nitrito: Herói ou vilão

Há tempos ouvimos falar de aditivos intencionais para alimentos, os quais são definidos
pelo Decreto Lei nº 986/69 (Brasil, 1969), como “toda substância ou mistura de substância,
dotadas ou não de valor nutritivo, adicionada ao alimento com a finalidade de impedir a
alteração, manter, conferir ou intensificar seu aroma, cor e sabor, modificar ou manter seu

42
estado físico geral ou exercer qualquer ação exigida para uma boa tecnologia de fabricação
do alimento”.
A legislação permite a utilização de uma série desses aditivos, entre eles os conservantes
denominados Nitrito e Nitrato (fonte natural de nitrito). Esses dois conservantes vêm sendo
utilizados na preparação de produtos de origem animal, mas estudos mostram que a utilização
demanda uma crítica mais rigorosa , pois a interação do Nitrito com as Aminas e Amidas
presentes no alimento, transformam-no em compostos N-nitrosos, mais conhecidos com
Nitrosaminas, as quais tem efeitos hepatotóxicos e carcinogênico (PARDI et al, 2001).
Daí a pergunta: “Nitrito: Herói ou vilão?”.
Nitrito, o Herói: O Nitrito apresenta função importante na indústria cárnea, pois tem a
capacidade de fixação da cor, aroma e sabor nos alimentos curados e restringe o crescimento
de microoganismo, com evidente efeito sobre o Clostridium botulinum e Staphylococcus aureus,
produtoras de toxinas altamente danosas ao organismo humano.
Conforme o relato de BINKO (1980), o Comitê de Especialistas em Nitrito e Nitrosaminas
concluiu que: “como agente antibotulismo, o nitrito tem sido o ingrediente disponível mais
aceitável, sendo responsável pela excelente segurança observada nos produtos de carne
comercialmente fabricados”.
Ainda, o Comitê afirma que sem Nitrito, o perigo de intoxicação botulínica tornaria
impossível a preparação de produtos cárneos curados.
Nitrito, o Vilão: Como foi dito anteriormente, as nitrosaminas são compostos formados
pela reação de niritito com aminas e amidas.
A ingestão de doses elevadas desses compostos tem ação carcinogênica, algumas
delas consideradas teratogênicas, causando tumor em fetos.
Após a ingestão do alimento, o nitrito pode passar para a corrente sangüínea e converter
hemoglobina a metamioglobina, prejudicando assim o transporte de oxigênio, também podendo
interferir no metabolismo da vitamina A e nas funções da glândula tireóide. Portanto, a ingestão
de nitrito em altas concentrações no alimento ou em baixas concentrações e alta freqüência na
exposição humana pode tornar-se um fator de intoxicação. Então, cabe a nós, profissionais da
área de alimentos, cuidar para que o nitrito seja sempre “herói”, sendo sempre utilizado dentro
das quantidades permitidas, descritas na Portaria nº 1004/98, da Secretária de Vigilância
Sanitária.

Fonte: Resumo do artigo escrito por Thais Nadruz D’ Almeida na


Revista Higiene Alimentar, v.18 (116/117). Fev 2004.

Fórum de Idéias

a) Faça um comentário sobre o nitrito e a saúde humana.

43
b) Relacione a presença das aminas e amidas no organismo.

Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica

c) Dê sua opinião sobre a utilização de aditivos em alimentos.

Isomeria
O fenômeno de isomeria é correntemente encontrado em compostos orgânicos.Uma
dessas formas de isomeria, que é extramamente importante, é a isomeria constitucional, em
que os isômeros diferem porque seus átomos estão conectados de uma forma diferente, o
que se diz ter uma conectividade diferente.
Alguns exemplos de isômeros constitucionais são apresentados abaixo.

Os estereoisômeros, que não são isômeros constitucionais, têm seus átomos


constituintes conectados na mesma seqüência. No caso específico dos estereoisômeros, o
rearranjo de seus átomos no espaço são diferentes. Observe que outras formas de isomeria
são possíveis, mas a estereoisomeria tem uma relevância importante em compostos orgânicos
associados à biologia. Os estereoisômeros podem ser subdivididos em duas categorias
gerais: diastereômeros e enantiômeros. Enquanto os enantiômeros são esteroisômeros cujas
moléculas são imagens especulares uma da outra , sendo que essas imagens não são
superpostas, diastereoisômeros são estereoisômeros cujas moléculas não são imagens
especulares umas das outras. No exemplo apresentado acima das moléculas de cis-1,2
dicloroeteno e trans-1,2 dicloroeteno não são imagens especulares uma da outra. Atente-se
para o fato de que se colocarmos um modelo cis-1,2 dicloroetano diante do espelho, a imagem
que se vê não é o trans-1,2-dicloroetano, mas cis-1,2-dicloroetano e trans-1,2-dicloroetano
são estereoisômeros e, por não haver relação como um objeto e sua imagem especular, são
diastereômeros.
Observe outro exemplo explicativo do fenômeno de isomeria: entre os compostos cis-
1,2-Dimetilciclopentano e o trans –1,2-Dimetilciclopentano, que são isômeros, pois possuem
mesma fórmula molecular (C7H14), mas são compostos diferentes. Não são isômeros

44
constitucionais porque seus átomos estão ligados na mesma seqüência. São estereoisômeros,
por diferirem apenas no arranjo de seus átomos no espaço. Não são enantiômeros porque
suas moléculas não são imagens especulares uma da outra. Sendo, portanto, diastereômeros.
É bastante esclarecedor que a isômeria cis-trans não são o único tipo de diastereoisômeros
que encontramos.O quadro abaixo é bastante esclarecedor sobre essas isomerias.
O conceito de quiralidade é bastante revelador sobre a existência de enantiômeros.
Uma molécula é quiral quando não é idêntica a sua imagem especular.Logo, a molécula quiral
e sua imagem especular são enantiômeros. Um exemplo comum que pode esclarecer a idéia
de quiralidade é o seguinte: objetos como uma “meia”, que se superpõem e a suas imagens
são aquirais, enquanto as “luvas” são quirais.

Quiralidade molecular

#
[ Agora é hora de
TRABALHAR ]
1. Defina com suas palavras o que é isomeria e dê um exemplo explicativo.

45
2. Fale sobre o fenômeno da quiralidade e suas implicações na química
orgânica.
Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica

3. Pesquise e responda. Explique a quais fenômenos moleculares estão associados as


denominações “R” e “S” utilizadas no sistema R. S.Cahn, C. K. Ingold.

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE PARA A BIOLOGIA

As moléculas quirais podem apresentar lateralidades


diferentes, podendo influenciar o organismo dos seres
humanos.Uma forma enantiomérica de um composto do limoneno,
que é o principal responsável pelo odor das laranjas, e outro
enantiômero pelo odor dos limões. Um outro enantiômero de um
composto chamado carvona é a essência do cominho, enquanto
o outro é a essência da hortelã. Antes de 1963, o medicamento
talidomida foi utilizado para reduzir os efeitos da náusea matinal
em mulheres gestantes. Sendo que pesquisas paralelas que
estudavam esse medicamento o relacionou como a causa de
sérios problemas congênitos em muitas crianças quando da
utilização desse medicamento.

Fonte: Química Orgânica.vol1. Gharam S. e Craig Fryhle

46
Fórum de Idéias

a) Na sua opinião, qual a importância do estudo da isomeria molecular para a aplicação


desse conhecimento no estudo de novos medicamentos?

b) Comente a influência da quiralidade de uma molécula e suas possíveis formas


enantioméricas.

c) A presença de uma substância como a talidomida teve por parte do governo brasileiro
uma forte campanha educativa a fim de esclarecer os riscos provenientes do seu uso pela
população. Comente sobre a relação entre o conhecimento sobre isomeria molecular e
cidadania, como se evidenciou nesse caso.

A QUÍMICA EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DA VIDA

Carboidratos e Lipídios

Caro aluno, estamos, a partir de agora, adentrando no vasto mundo da bioquímica.


Portanto, tudo que até agora estudamos se torna relevante para termos total entendimento do
assunto. Por isso, não tema as dúvidas e vença as dificuldades. Iremos nesse tema abordar
moléculas tão especiais que termos como dieta, diabetes, glicose e gordura saturada estarão
completamente envolvidos nos assuntos abordados.
Os carboidratos são conhecidos por esse nome devido às observações feitas, as quais
atribuía a compostos a fórmula química Cx(H2O), dando a idéia de que eles pareciam ser
hidratos de carbono. Os carboidratos de estrutura mais simples são comumente conhecidos
como açúcares ou sacarídeos. Uma definição mais completa, porém os define como aldeídos

47
e cetonas polihidroxilados, observe-se que essa definição não é de todo
satisfatória. Os carboidratos mais simples, entenda-se aqueles que não podem
ser hidrolisados em carboidratos mais simples, são denominados de
monossacarídeos. Os que por hidrólise fornecem duas moléculas de
Fundamentos
monossacarídeos são chamados de dissacarídeos, enquanto os que fornecem
da Química e
três, quatro ou mais são sucessivamente chamados de trissacarídeos e
Bioquímica Básica
polissacarídeos. Essa quantificação do número de moléculas, que podem ser
fornecida na hidrólise dos carboidratos, leva-nos a considerar de forma geral
que as moléculas que fornecem entre 2 a 10 moléculas de monossacarídeos são denominadas
de oligossacarídeos. Em observação a esse aspecto, as que por hidrólise produzem um grande
número de monossacarídeos são denominadas de polissacarídeos.

Em grande parte, o nome da maioria dos acúcares termina em “ose”. Daí nomes tão
característicos como: glicose, maltose e sacarose, que são acúcares tão conhecidos por nós
devido ao seu uso costumeiro.
Nos vegetais, a presença de carboidratos é abundante, servindo como fonte de energia
química para os organismos vivos.
Os monossacarídeos têm sua classificação estabelecida de acordo com a quantidade
de átomos de carbono na estrutura de sua molécula e se é possuidor de um grupo aldeído ou
cetona. Assim, quando contêm três átomos de carbono é denominado triose; os com quatro
átomos, tetrose; os com cinco, pentose e assim sucessivamente. Já os monossacarídeos,
que possuem em sua estrutura o grupo funcional aldeído, é denominado de aldose e os com
grupo cetona são ditos cetoses.Observe os exemplos que seguem:
Sobre sua nomenclatura devemos homenagem a um grande químico chamado
Emil Fischer, que ao conseguir a configuração estereoquímica do aldohexose D-(+)-glicose,
um monossacarídeo abundante, utilizou a estrutura da D-(+) glicose com a fórmula em cruz.
Essa maneira de formulação é denominada de projeção de Fischer e tem enorme utilidade na
aplicação aos carboidratos. Uma consideração fundamental dessa formulação é de que:

a) As linhas horizontais se projetam na direção do observador


b) As linhas verticais se projetam para trás do plano desta página
No uso dessa projeção, não devemos deslocá-las do plano para avaliarmos sua
capacidade de sobreposição.

48
ALDOSES (ALDOHEXOSE) CETOSES (CETOHEXOSE)

HC =O H2 C = OH
I I
HC - OH C - OH
I I
HC - OH H C - OH
I I
HC - OH H C - OH
I I
HC - OH H C - OH
I I
H 2C - OH H2C - OH

As denominações D-(+)- ou D-(-) e L-(+) ou L-(-),ou seja, D-L são denominações


estereoquímicas presentes nos estudos relacionados à química dos carboidratos.Porém, essas
denominações contêm a desvantagem de especificar a configuração apenas de um
estereocentro, o de número de ordem mais elevado.
Os lipídios, por sua vez, são compostos que dissolvem em solventes polares. O termo
lipídio por ter origem grega, é comumente compreendido por gorduras. Sua classificação está
associada pela maneira por meio da qual ele se originou, entenda-se aqui, o processo utilizado
na sua produção.
O

CH O C R
2

CH O C R
2

CH O C R
2
Uma gordura ou um óleo (triacilglicerol)

Uma característica bastante interessante é a de que apenas uma pequena parcela de


lipídios totais obtidos com um solvente apolar é formada por ácidos carboxílicos. Sendo que o
maior número de glicerídeos cuja origem é biológica está na forma de triacilgliceróis (ésteres
de glicerol).
Os óleos das plantas e as gorduras animais são exemplos comuns de triacilgliceróis.
Sendo que os triacilgliceróis, que são líquidos, em temperatura ambiente são de forma geral

49
denominados de óleos, enquanto os sólidos são denominados de gorduras. Os
triacilgliceróis podem ser classificados como: triacilgliceróis simples, nos quais
todos os grupos alcilas são os mesmos; ou os triacilgliceróis mistos onde os
grupos alcila são diferentes
Fundamentos
Uma reação importante relativa às gorduras ou óleos, é a reação de hidrólise,
da Química e
na qual é produzido moléculas de ácidos graxos.
Bioquímica Básica
É importante notar que a função primordial dos triacilgliceróis nos animais
é a de reserva de energia, pois, quando convertidos em dióxido de carbono e
água por reações bioquímicas, eles possibilitam o fornecimento de mais que o dobro de energia
quando comparados com os carboidratos e as proteínas.

#
[ Agora é hora de
TRABALHAR ]
1. Estabeleça, com suas palavras, uma definição para glicídios e lipídios.

2. Faça uma descrição das características fundamentais dos carboidratos mais


simples, também conhecidos pelo nome de sacarídeos.

3. Exponha as diferenças entre os conceitos de óleos e gorduras.

50
Para Refletir
Os segredos da planta pata-de-vaca.

A planta conhecida como pata-de-vaca (Bauhinia forficata) tem sido usada, de fato,
para controle de diabetes e como diurético na forma de chá. Porém, ainda estão sendo feitos
estudos para verificar sua eficiência, modo de uso e dosagem correta. É bom lembrar que ela
só é indicada para casos de diabetes do tipo II, em pacientes não dependentes de insulina.
Importante: o uso de plantas medicinais deve ser feito com acompanhamento médico,
pois a utilização da planta errada, a forma ou doses inadequadas pode causar danos ao
organismo. E, no caso do diabético, com controle freqüente de glicemia. A pata de vaca é uma
árvore com 5 a 9 metros de altura, de ramos longos, meio pendentes e espinhos curvos ao
lado das folhas, cujas pontas têm a forma da pegada de uma pata de vaca – daí seu nome
popular.
Ela também é conhecida como unha-de-vaca, mororó e unha-de-boi-de-espinho.
Atenção: não se deve confundir esta espécie com outra largamente utilizada na arborização
de ruas.

Fonte: Lucia Rossi, pesquisadora do Instituto de Botânica de São Paulo.

Fórum de Idéias

a) Qual o carboidrato presente no organismo cujo combate ao seu excesso é feito através
da utilização de uma planta conhecida pelo nome de pata-de-vaca?

b) A utilização de plantas medicinais é de uso comum na vida cotidiana das populações


de baixa renda. Sendo assim, o uso indiscriminado de plantas medicinais se torna um caso de
saúde pública. Dentro dessa perspectiva, o uso de plantas medicinais sem fiscalização é um
fator preocupante. Faça um comentário, levando em consideração os preços dos
medicamentos.

51
c) Pesquise e responda: Qual a estrutura química da molécula de glicose
e qual a sua relação com o diabetes?

Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica

Aminoácidos e Proteínas

Os aminoácidos podem ser sintetizados por todos os orgânismos vivos. Porém, há


uma incapacidade em sintetizar todos os aminoácidos de que necessitam para suas
proteínas.Sendo, portanto, necessário estabelecer uma dieta que os forneça. No homem adulto,
são em número de oito esses amonoácidos.
Os aminoácidos contêm um grupamento básico(-NH2) e um grupo ácido(-COOH), sendo
que quando no estado sólido existem como íons dipolares. Quando em soluções aquosas, há
um equilíbrio entre o íon dipolar e as formas aniônicas e catiônicas. Uma observação importante
a considerar é a de que esses íons dipolares recebem também o nome de Zwitterioins.
Quando em solução, a forma que predomina no aminoácido é dependente do ph da
solução. Temos, portanto, que em soluções ácidas fortes os aminoácidos estarão presentes
principalmente como cátions, enquanto em soluções fortemente básicas eles estarão presentes
como ânions. Fator importante é a característica doa aminoácidos de que num certo ph eles
estarão como ânios, esse ph é denominado de ponto isoelétrico. Aqui, a concentração do íon
dipolar será máxima, enquanto as concentrações dos ânions e cátions serão iguais.
Enzimas podem promover a polimerização dos aminoácidos com eliminação de água.
A ligação –CO-NH-, característica de uma amida, que se forma entre os aminoácidos é
denominada de ligação peptídica. Ta processo gera os aminoácidos conhecidos por resíduos
de aminoácidos. Esses resíduos são denominados de dipeptídios, tripeptídios, oligopeptídios
e polipeptídios.

Exemplo da formação de dipeptídio

52
Proteinas

Uma definição mais abrangente de proteínas é a de que são poliamidas nas quais as
unidades monoméricas estão associadas a 20 aminoácidos diferentes. A seqüência exata
dos a-aminoácidos ao longo da cadeia é denominada de estrutura primária, sendo de
importância fundamental. Quando esta cadeia primária se encontra corretamente distribuída a
mesma se dobra sobre si, determinando com isso a forma necessária para executar funções
específicas. A esse fenômeno de dobramento está associada a estrutura secundária e terciária
da cadeia próteica.Uma outra estrutura, a quartenária, surge quando a proteína contém um
agregado de várias cadeias de poliamida.

É importante perceber que quase todas as


enzimas são proteínas. Inclusive, as enzimas são
capazes de promover um aumento na velocidade das
reações químicas, caracterizando as reações
catalisadas.Portanto, as enzimas agem como
catalisadores biológicos. O mecanismo envolvido é
uma combinação química com o substrato formando
um complexo enzima-substrato, que induz uma
alteração na conformação da enzima, o que a permite
se ligar ao substrato; isso é denominado de
ajustamento induzido. Essa interação enzima-
substrato é fraca, devido a tensões em algumas
ligações, o que resulta na intervenção de outra
molécula, causando dissociação do complexo.

proteínas e
suas estruturas

A expressão sitio ativo se


refere a região da enzima onde o
substrato se liga. As forças envolvidas
nessa interaçao são do tipo:forças de
van der walls, forças eletrostáticas,
ligações de hidrogênio e interações
hidrofóbicas. Os aminoácidos
presentes nos sítios ativos estão
organizados a interagir com
especificidade em relação ao
Enzima agindo com substrato
substrato.

53
#
Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica
[ Agora é hora de
TRABALHAR ]
1. Fale sobre aminoácidos e proteínas, estabelecendo uma relação entre eles.

2. O que são ligações peptídicas e qual a sua importância na estrutura das proteínas?

3. Expresse o seu entendimento sobre os termos: sítio ativo, interações hidrofóbicas e


enzimas.

Para Refletir

A doença genética denominada anemia falciforme resulta do erro de um único


aminoácido na cadeia b de hemoglobina. Na hemoglobina normal, a posição 6 tem um resíduo
de ácido glutâmico, enquanto na hemoglobina com célula falciforme a posição 6 é ocupada
pela valina.
As células vermelhas do sangue (eritrócitos) que contêm hemoglobina com este erro de
resíduo de aminoácido tendem a adquirir forma crescente (de foice) quando a pressão parcial
do oxigênio é baixa, como no sangue venoso. Torna-se mais difícil para o coração bombear
estas células distorcidas através de vasos capilares pequenos. Quando se aglomeram, as
células podem causar o entupimento dos vasos; em outros casos podem até se dividir. Crianças

54
que herdam esta característica genética de ambos os pais são afetadas pela forma mais
severa da doença e normalmente não atingem os dois anos de idade. As que herdam esta
doença de apenas um dos pais geralmente são afetadas por uma forma muito mais branda. A
anemia falciforme surgiu entre as populações da África Central e Ocidental onde, ironicamente,
poderia ter um efeito benéfico. Pessoas acometidas pela forma branda da doença são muito
menos suscetíveis à malária do que aquelas com hemoglobina normal. A malária, doença
causada por um organismo infeccioso, prevalece principalmente nas regiões Central e Ocidental
da África. Mutações como as que levam à anemia falciforme são muito comuns.
Aproximadamente 150 tipos de diferentes de hemoglobina modificada foram detectados no
homem; felizmente, a maioria é inofensiva.

Fonte: Solomos,G. e Fryhle C. Química Orgânica, v. 2, p.414.

Fórum de Idéias
a) Qual a relação que pode ser estabelecida entre a anemia falciforme e a malária?

b) Na molécula de hemoglobina existe um metal associado que funcionaliza o poder


de absorção do oxigênio. Comente a respeito dessa afirmação.

c) Estabeleça uma relação entre a forma de foice da hemoglobina e as posições


ocupadas entre o ácido glutâmico e a valina.

Ácidos Nucléicos

O termo ácidos nucléicos está diretamente associado com a estrutura genética presente
em cada tecido de cada indivíduo, o DNA. O emprego de técnicas químicas simples, que
envolvem corantes fluorescentes, isótopos radioativos, etc, tornou fácil a identificação e cópia
de estruturas a partir de uma amostra de DNA.
Os ácidos nucléicos, conhecidos como ácido desoxirribonucléico (DNA) e ácido
ribonucléico (RNA), são as moléculas responsáveis pela informação genética, entre outra
funções primordiais que executam numa célula.

55
A degradação branda dos ácidos nucléicos produz unidades monoméricas
denominadas de nucleotídeos. A hidrólise completa desses compostos nos
fornece uma base heterocíclica que pode ser uma purina ou pirimidina, um
monossacarídeo com cinco carbonos, ribose ou desoxiribose, o que tecnicamente
Fundamentos
seria melhor indicada por D-ribose e a 2-desoxi-D-ribose e um íon fosfato.
da Química e
Bioquímica Básica
O centro de um
composto nucleotídico é
um monossacarídeo que contém um
anel de cinco membros, conhecido
também por furanosídeo. A remoção de
um grupo fosfato de um nucleotídeo irá
transformá-lo em nucleosídeo, sendo
que todos os nucleosídeos obtidos do
DNA contêm a 2-desoxi-D-ribose como
açúcar, acompanhado por uma das
quatro bases: adenina, guanina, citosina
ou timina.
Estrutura geral de um nucleotídeo

Já quando nos referimos ao RNA, o açúcar é a D-ribose acompanhado pelas bases:


adenina, guanina, citosina e uracila. Observe que uma diferença primordial entre as duas
estruturas é a possibilidade da presença da base timina no DNA, enquanto no RNA há a base
uracila. A nomenclatura dos nucleotídeos é estabelecida por diversos modos. Um exemplo a
considerar é o do ácido adenílico que pode ser chamado de 5 fosfato de adenosina,localizando
a posição do grupo fosfato ou por
monofosfato de adenosina.
Uma importante observação a ser
feita sobre nucleosídeos e nucleotídeos é
a de que eles são encontrados em outras
estruturas que não o DNA E RNA.
Os nucleotídeos possui uma
relação com os aminoácidos. A
arrumação dos nucleotídeos formando
uma estrutura encadeada, ou seja, uma
seqüência das bases ao longo da cadeia,
se constitui-se o que se chama de cadeia
primária.
Estrutura do DNA
Uma segunda estrutura, proposta
por Watson e Crick, estabeleceu o que se
denominou de estrutura secundária,
propondo um modelo em dupla hélice,
onde duas cadeias de ácido nucléico são
mantidas juntas por ligações de hidrogênio
entre pares de bases de fitas opostas. Os
pares de bases ficam na parte interna da
hélice e o esqueleto açúcar-fosfato se
Guanina, adenina, citosina e timina localiza na parte externa.

56
A presença de um emparelhamento específico
das bases que constitui as duas cadeias de DNA indicam
DNA que as mesmas são complementares. Ou seja, há uma
relação de que quando uma base como a timina aparecer
numa cadeia, a guanina aparecerá na outra.
O fenômeno de replicação do DNA, que ocorre pouco
antes da divisão celular, pode ser compreendido utilizando um
modelo no qual cada cadeia age como uma forma a partir da
qual há formação de uma outra cadeia complementar a essa
utilizada como modelo. Não se esqueça que a relação entre as
bases é de complementaridade. Quando do término do processo de
desenrolamento e da duplicação, forma-se duas moléculas de DNA
idênticas e originais, onde inicialmente se encontrava apenas uma. Esse
processo é bem realizado quando da não presença do fenômeno de
“mutaçao”, que é causador de irregularidades na estrutura do DNA.

Em relação ao RNA uma função importante que ele desempenha na


estrutura celular é a de síntese de proteína, que pode ser simplificada no esquema abaixo.

DNA RNA PROTEÍNA

Atente, caro aluno, essas duas estruturas, DNA e RNA, que são os fundamentos da
atividade celular quanto aos seus processos vitais. Sendo que o DNA é freqüentemente
encontrado no núcleo celular, enquanto o RNA ao qual está ligado também ao processo de
transcrição é geralmente encontrado no citoplasma.

#
[ Agora é hora de
TRABALHAR ]
1. Em termos químicos, por que uma proteína (ex. DNA) se desnatura em presença de
temperaturas elevadas?

57
2. Estabeleça uma relação entre a estrutura dos ácidos nucléicos e as
moléculas de DNA e RNA. Utilize seu próprio entendimento do tema.
Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica

3. Qual o motivo da relação complementar entre as bases purina e pirimidina? Dê sua


opinião.

Para Refletir

ORIGEM DO CODIGO

Imagine um oceano primitivo, cheio de nucleotídeos e seus fostatos, e bastante superfície


mineral para atuar como catalisador. De repente, surge um polinucleotídeo. Como já vimos,
este poderia servir, tal como na duplicação do DNA, como um padrão para “fabricar” o segundo.
Alguns erros, entretanto, poderiam ocorrer na duplicação. Isto corresponde a uma molécula
capaz de se reproduzir e sofrer mutações. Alternativamente, pode-se supor que o surgimento
de tais moléculas ocorreu diversas vezes, em vários pontos do oceano primitivo. Esta população
de polinucleotídeos que se duplicam não pode, ainda, ser considerada viva por nenhuma das
definições de vida vistas acima: ela não influencia seu ambiente significativamente. A formação
de vários polímeros de aminoácidos, as proteínas, também pode ter ocorrido,
espontaneamente, no mar primitivo. Hoje, sabe-se que as proteínas não têm poder reprodutivo,
e os polinucleotídeos não têm atividade catalítica. É a parceria entre estas duas moléculas que
faz a vida contemporânea possível.
Sendo assim, a vida teve origem no exato instante em que ocorreu alguma associação
funcional entre as proteínas e os polinucleotídeos, ou seja, com a origem do primeiro código
genético. Os mecanismos auxiliares à reprodução do código, as enzimas, os mensageiros,
ribossomos, etc., são o produto de uma longa história evolutiva, e são produzidos de acordo
com instruções contidas no código genético. No momento da origem, o código para tais
mecanismos estava, obviamente, ausente. Várias linhas de evolução de códigos genéticos
distintos podem ter-se iniciado em vários pontos do planeta, porém, na competição, somente
um modelo de código sobreviveu: todos os organismos vivos da Terra são descendentes do
mesmo código.

58
Fórum de Idéias

a) Estabeleça uma relação entre a molécula de DNA e os organismos vivos.

b) Qual a relação que existe entre aminoácidos e proteínas?

c) Relacione nucleotídeos e código genético.

Atividade Orientada

Caro(a) aluno(a),

Esta atividade obrigatória deverá ser desenvolvida, por você, ao longo do


desenvolvimento da disciplina sob assistência e orientação do tutor. A atividade obrigatória
tem como objetivo o aprimoramento dos conhecimentos adquiridos nos conteúdos trabalhados
a fim de verificar o seu desenvolvimento quanto à sua capacidade de, partindo do conhecimento
da química, exercer um papel de cidadão. Dentro desse contexto, essa atividade se torna um
instrumento de avaliação da construção desse conhecimento.
A atividade proposta consta de 03 etapas. Leia atentamente o que se segue, a fim de
compreender como você deverá proceder na realização da mesma.

59
Fundamentos
Etapa 1
da Química e A partir do conhecimento adquirido a importância das funções químicas e
Bioquímica Básica das substâncias , construa um plano de aula (de acordo com o modelo
apresentado na disciplina Didática) versando sobre o seguinte tema: Os
compostos químicos na composição dos alimentos industrializados e a
consolidação da cidadania. Para isso, faz-se necessária a presença de argumentos
relevantes da nossa disciplina, contextualizando-os por meio dos Parâmetros Curriculares
Nacionais do Ensino Fundamental e Médio (PCNs). Observe que os PCNs é um dos possíveis
caminhos para sua elaboração, sendo importante pela atualidade do tema, mas que ele não
seja um redutor do seu pensamento e que não exerça em você uma sedução para um discurso
único. Por isso, toda e qualquer idéia que tenha uma fundamentação teórica, será bem vinda.
Afinal a multiplicidade de idéias é fator relevante na evolução das abordagens de todo e qualquer
tema. Daí a necessidade desse trabalho ser individual.

Etapa 2
Construir um mural explicativo que contenha uma experiência prática da sua comunidade
que envolva o uso de plantas, dentre outras coisas (substâncias) que estejam relacionadas
com os hábitos da sua comunidade. Faz-se necessário que esse experimento esteja
relacionado com algum conteúdo da nossa disciplina.
A turma deverá ser dividida em 5 equipes, onde cada uma deverá reconstruir o processo
que a comunidade utiliza para gerar os resultados esperados ( produtos, objetos, etc.). Pontos
como clareza, organização estética e capacidade de relacionar o processo encontrado na
comunidade com o conhecimento químico serão amplamente considerados para fins de
avaliação.

Etapa 3
Nessa etapa, você, ao trabalhar em conjunto com um outro colega, irá elaborar um
trabalho escrito (mínimo de 02 laudas), segundo as normas da ABNT, que se constitua na
análise dos temas abordados pela química, tendo em vista a ausência dos códigos presentes
nessa ciência por parte dos cidadãos da sua comunidade. Esse trabalho deve ser enriquecido
com entrevistas de pessoas das diversas classes sociais. Observe que as normas da ABNT
não podem ser um redutor do seu pensamento. Elas, aqui cabem como norteadoras na
construção da formalidade documental, mas, não serão prioritárias na avaliação do trabalho.
Com isso não se quer dizer que o desrespeito às normas não serão considerados.

O melhor trabalho será aquele que for mais representativo da sua comunidade.

Força, coragem e cidadania.

60
Glossário

ÁCIDOS- substâncias que, segundo arrhenius, são capazes de produzir íons


hidrônio(H3O+) quando em solução aquosa.

ÁTOMO- partícula fundamental a partir da qual os elementos químicos e moléculas se


constituem.

AVOGADRO- químico e físico italiano. Na sua famosa Lei, Avogadro explicou a lei dos
volumes das combinações de gases de Gay-Lussac, estabeleceu a fórmula da água como
H2O, ao invés de HO, distinguiu entre átomos e moléculas (tendo ele mesmo cunhado o termo
molécula), distinguiu massas moleculares de massas atômicas e permitiu o cálculo de massas
atômicas sem precisar recorrer às regras impostas por John Dalton. Avogadro tornou comum
o uso da matemática em química, e pode ser considerado um dos fundadores da Física e da
Química.

ACTNÓIDES- conjunto dos elementos químicos que seguem o actínio, e que estão
localizados posteriormente ao actínio, formando com isso a série dos actinídios.

BASES- substâncias que, segundo arrhenius, são capazes de produzir íons hidroxila
-
(OH ) quando em solução aquosa.

BIOQUÍMICA- ciência que estuda a relação entre os compostos químicos na sua


dinâmica com os processos biológicos presentes nos organismos vivos.

CAMADA DE VALÊNCIA- diz-se da camada na qual a ligação quimica se estabelece.


Comumente está associada com a última camada eletrônica.

CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA- distribuição dos elétrons presentes num átomo a


partir de suas energias.

CARGA NUCLEAR- carga presente no núcleo atômico, em se considerando as


espécies sub-atômicas presentes no núcleo do átomo.

CADEIA POLIPEPTÍDICA- cadeia química formada pela ligação entre peptídios.

DERIVADOS ALQUILADOS- produtos de reação, nos quais há presença de


grupamento alquila.

ELÉTRONS- partícula ou onda fundamental que está presente na estrutura atômica


dos elementos químicos.

ENERGIA- a capacidade de realizar trabalho. Aqui o termo trabalho se dá no sentido


empregado pela física, ou seja, a força associada a um deslocamento.

61
ESPECULAR- relativo a imagens de objetos e sua sobreposição

ENZIMAS- proteínas capazes de promover reações bioquímicas por meio


Fundamentos
da Química e da interação com o substrato.
Bioquímica Básica
GÁS NOBRE- elementos do grupo 8A. Se diz que esses elementos por
serem pouco reativos quando comparados aos outros, daí terem tido essa
denominação.

HIDROCARBONETOS- composto químico formado apenas pela presença de dois


elementos: o carbono e o hidrogênio.

HIDROGÊNIOS IONIZÁVEIS- hidrogênios presentes nos compostos químicos e


capazes de sofrerem ionização.

INORGÂNICA- se diz das espécies químicas que não estão compreendidas no estudo
empreendido pela química orgânica.

ÍONS- espécies químicas geradas a partir da perda ou ganho de elétrons por um átomo.

INTERMOLECULAR- ligação que se estabelece entre moléculas.

ISÓTOPOS- espécies químicas que possuem mesmo número atômico, mas diferente
número de massa.

ISOTOPIA- fenômeno relativo ao aparecimento de isótopos.

ÍON COMPLEXO- um tipo de íon no qual um cátion metálico central está combinado
com ânions ou moléculas dispostas ao seu redor.

ISOMERIA- propriedade relativa aos compostos orgânicos de mesma fórmula molecular,


mas que diferem em outras propriedades.

LIGAÇÕES QUÍMICAS- forças de interação entre átomos ou moléculas.

LANTANÓIDE- conjunto dos elementos químicos que seguem o actínio, e que estão
localizados posteriormente ao lantânio, formando com isso a série dos lantanídios.

LIGANTES- espécies químicas capazes de se ligarem que estão presentes no processo


de formação dos íons complexos.

MOL- quantidade de matéria.

MOLÉCULA- unidade constituída por ligações químicas estabelecidas entre átomos e


que tem identidade.

METAIS- elementos químicos que estão plenamente associados com a sua forte
tendência em ceder elétrons.

62
NÚMERO ATÔMICO- diz-se do número de prótons presentes no núcleo atômico.

ORBITAIS- região atômica onde é maior a probabilidade da presença do elétron.

ORGÂNICA- diz-se do que é relativo aos compostos do átomo de carbono.

POLÍMEROS- compostos químicos formados pelo encadeamento de unidades químicas


simples (meros).

PESO ATÔMICO- a massa relativa de um átomo.

POLIMERIZAÇÃO- fenômeno de associação entre moléculas formadoras de uma


estrutura maior e mais complexa, a que se denomina polímero.

QUÍMICA- ciência que estuda as relações de energia e os processos de formação das


espécies (compostos) a partir dos átomos.

QUIRAIS- diz-se da conformação espacial das moléculas orgânicas quando se


considera os grupos químicos ligados a um carbono central.

REAÇÃO QUÍMICA- processo de transferência de átomos onde há uma rearrumação


dos átomos levando ao aparecimento de novas espécies.

RETÍCULO CRISTALINO- estrutura tridimensional característica dos compostos iônicos.

SAIS- compostos da química formado da reação de neutralização entre um ácido e


uma base.

SOLUÇÃO AQUOSA- solução formada onde o solvente é a água.

TRANSGÊNICOS- relativo à tranferência de gens entre diferentes espécies biológicas.

TERMODINÂMICA- ciência que estuda a relação dinâmica da energia no sistema


estudado, quando esta se apresenta sob forma de calor.

63
Referências
Fundamentos
Bibliográficas
da Química e
Bioquímica Básica

VIDAL, B., História da Química, Biblioteca Básica de Ciência, Edições 70, Lisboa
1986.

WEINER, Jonathan, Os Próximos 100 Anos, colecção Ciência Aberta, Gradiva,


Lisboa, 1990

CHAGAS, Aécio Pereira. Como se faz Química: Uma Reflexão sobre a Química e
a Atividade do Químico. Ed. UNICAMP, Campinas, 1991.

LUNGARZO, C. O que é Ciência. Brasiliense, São Paulo, 1989.

RUIZ, J. A. Metodologia Científica. Atlas, São Paulo, 1978.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. 15a ed., Cortez & Autores


Associados, São Paulo, 1989.

J. E. BRADY & G. F. HUMISTON R.J 2A. ED.

QUIMICA GERAL, VOLS. 1 E 2 LTC 1986

ALMEIDA, Paulo Gontijo Veloso de. Química Geral - Práticas


Fundamentais (caderno didático). 4.ed. Viçosa: UFV, 1999

ACCAN, Etalii. Química Analítica Quantitativa Elementar. 2.ed., São


Paulo: Edgard. Blücher, 2000.

BARBOSA, Luiz Cláudio de Almeida. Química Orgânica (Uma Introdução


às Ciências Agrárias e Biológicas. 2.ed.Viçosa: UFV, 1998.

RUSSEL, John Balir. Química Geral. vol 2, 2.ed. São Paulo: Makron Books

VOGEL, Arthur I. Química Analítica Qualitativa. 5.ed. São Paulo: Mestre: 1994
Jou, 1981.

SILVA, Edson Braga da e SILVA, Ronaldo Henriques da. Curso de Química.


Volumes 1, 2 e 3,
Ed.Harbra.

SAAD, F. D. Reis, D. G. e Yamamura P. “Explorando o Mundo das Ciências Através


de Experimentos Simples”. São Paulo: Universidade de São Paulo, Instituro de
Física.

64
BRAATHEM, P. C. “Curso de Química Experimental com Material de Baixo Custo e
Fácil Aquisição”. Viçosa: UFV, Departamento de Química.
CARES, G. E. “Química e Méio Ambiente”. Viçosa: UFV, Departamento de Química

CASTRO, E.N.F.; MÓL, G.S.; SANTOS, W.L.P. Química na sociedade: projeto de


ensino de química num contexto social (PEQS). 2.ed. Brasília: Universidade de
Brasília, 2000.

FELTRE, R. Química. 4.ed. São Paulo: Moderna, 1998. 3 vol.

GEPEQ: Grupo de Pesquisa em Educação Química. Interações e transformações:


Química – Ensino Médio. São Paulo: Universidade de São Paulo. v.1, 6.ed., 2000;
v.2, 2.ed.,1998; v.3,1998.

MALDANER, O.A. Química I: construção de conceitos fundamentais. Ijuí-RS: UNIJUÍ,


1992.

MALDANER, O.A.; ZAMBIAZI, R. Química II: consolidação de conceitos


fundamentais. Ijuí-RS: UNIJUÍ, 1997.

MORTIMER, E.F. Introdução ao estudo da Química: vol.1. 5.ed. Belo Horizonte:


UFMG, 2001.

MORTIMER, E.F.; MACHADO, A.H. Introdução ao estudo da Química: vol.2. 2.ed.


Belo Horizonte: UFMG, 2001.

NOVAIS, V.L.D. Química. São Paulo: Atual, 2000. 3 vol.

ROMANELLI, L.I.; JUSTI, R. da S. Aprendendo Química. Ijuí-RS: UNIJUÍ, 1999.

LEHNINGER. Curso breve de Bioquimica. omega, c 1976. x, 447 p. (3943).

65
Anotações
Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica

66
Anotações

67
Fundamentos
da Química e
Bioquímica Básica

FTC - EaD
Faculdade de Tecnologia e Ciências - Educação a Distância
Democratizando a Educação.
www.ftc.br/ead

68
www.ftc.br/ead