II SIMPÓSIO DE COMÉRCIO EXTERIOR – SIMCOMEX

“Inovação tecnológica: fator de competitividade no comércio exterior”
Dias 17 e 18 de Maio de 2016
Faculdade de Tecnologia de Barueri – Fatec Barueri

ÁREA DE PESQUISA: “GESTÃO ESTRATÉGICA INTERNACIONAL”
MULTINACIONAIS EM PAÍSES EMERGENTES: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA SOBRE AS
ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO
Resumo
Com o crescimento econômico dos países desenvolvidos, como ocorreu na Europa, entre os períodos
de 1995 a 2014, de aproximadamente 82%, segundo o Pordata (2015), empresas buscam novos mercados,
em países emergentes, (Dias, 2012). A diversificação de riscos, mão de obra de menor valor agregado e o
maior acesso aos recursos naturais foram alguns dos fatores que fizeram dos países emergentes, os principais
destinos de grandes multinacionais para darem início ao processo de internacionalização, visando
principalmente o custo benefício (Govindarajan, 2012). O estudo abordará esse processo e adaptação das
estratégias utilizadas pelas Empresas Multinacionais (EMNs) ao atuarem em países emergentes.
1. Introdução
Segundo Cuervo-Cazurra (2012), o desenvolvimento e a adaptação de multinacionais em países de
economias emergentes (MPE) são influenciados por características próprias desses países, que acabam
resultando em vantagens para essas empresas. Segundo Fleury e Fleury (2014), cerca de 70% da receita de
todas as empresas que operam na América Latina são oriundas de multinacionais latinas, o que comprova
que tais empresas não são apenas capazes de competir com as multinacionais globais, mas também de
superá-las, graças às suas estratégias específicas, como a adaptação do produto à cultura local, custo de mãode-obra e a estratégia LLL, descrita posteriormente (Fleury e Fleury, 2014).
Devido às características peculiares das MPEs pode-se considerar estratégias diferentes das empresas
originárias de economias desenvolvidas, já que o processo de internacionalização dessas últimas acontece
em um mundo já globalizado, ou seja, não possuem os mesmos recursos e nem a tecnologia de ponta, tendo
que valer-se de outros atributos e ferramentas para terem um bom posicionamento no mercado.
2. Objetivos da pesquisa
 Analisar as estratégias de inserção de empresas multinacionais em países emergentes, sob a
perspectiva teórica de autores que abordam diferentes vantagens na internacionalização;
 Levantar informações sobre empresas de países emergentes e analisar qual foi a estratégia adotada e
como a internacionalização beneficiou a companhia;
 Analisar quais são as vantagens que podem ser obtidas por empresas que decidam internacionalizarse em países emergentes;
3. Referencial teórico
Com a grande expansão das MPEs surgiram teorias diferentes das utilizadas em economias de
primeiro mundo (Cuervo-Cazurra, 2012). Segundo Mathews (2006), as MPEs utilizam a estratégia de
linkage, leverage and learning (LLL, ou ligação, influência e aprendizado), que consiste em: investir no
exterior para conseguir vantagens competitivas e compensar deficiências (linkage, ligação), relacionar-se
com parceiros internacionais para manter uma rede de contatos (leverage, influência) e desenvolver-se a
partir dos próprios erros, numa estratégia de tentativa e erro (learning, aprendizado). Essa estratégia
demonstra características como inovação organizacional e estratégica, pois mostra que a empresa já inicia
suas atividades prospectando o mercado internacional. Resumindo, busca responder a questão “O que nossa
empresa pode fazer nesse país?”
Já para Rugman (2010), a maior vantagem das MPEs seria o baixo custo de mão de obra, já que em
países desenvolvidos os salários são de alto valor, diminuindo a margem de lucro das multinacionais
globais. Essa estratégia é focada na eficiência do trabalho combinada a fatores favoráveis no país destino,
como politicas, cultura, recursos naturais, tamanho do mercado, etc. Nesse caso, a empresa estuda o país
1

Disponível em: < http://onlinelibrary. fornecedores disponíveis e outras características que podem ser aproveitadas para reduzir custos na empresa e assim melhorar sua eficiência organizacional. ter diversificação de riscos. aumentar o lucro e quando esse processo ocorre em países emergentes. a empresa consegue mais caixa para investimentos e. A. Para levantamento de dados realizou-se uma consulta por artigos abordagem: as reações de internacionalização e a teoria de internacionalização. E a estratégia do baixo custo de mão de obra.20425805. Com custos reduzidos. é benéfico para ambos 6.com/doi/10.x/abstract. CAPUTO. Acesso em: 03 abr 2016. Extending theory by analyzing developing country multinacional companies: solving the goldilocks debate. A. o que quando bem estruturado. A. Country of origin effects on internationalization: insights from Brazil. as parcerias a serem estabelecidas e a adaptação por meio de tentativas e erros. as multinacionais estão expandindo-se com cada vez maior facilidade e visualizando grandes oportunidades em países emergentes. onde se leva em conta os investimentos a serem feitos. Acesso em: 02 mar 2016. na qual leva-se em conta o quanto o cenário do país pode ser favorável ao investimento da multinacional. Disponível em: <http://exame. Em contraste com a estratégia de Mathews. M.br/revista-exame/edicoes/1030/noticias/as-invencoes-emergentes>. A.. busca-se principalmente: o custo benefício.2012. Metodologia Este artigo constitui-se de uma revisão de literatura sistemática sem metanálise sobre as estratégias de internacionalização adotadas por empresas multinacionais que atuam em países emergentes. já que nesses países a mão de obra possui remuneração inferior. e utilizam algumas estratégias. T. Disponível em: <http://ebooks. em questão. DIAS.jsessionid=660A10B0C10F63BAF3803BC845061D2F. como a de LLL.1111/j. H. M.01039. dezembro 2012.f03t04?userIsAuthentic ated=false&deniedAccessCustomisedMessage=>. nota-se que o processo de internacionalização das multinacionais é uma forma de expandir mercados. Ao inserir-se num novo mercado. e FLEURY. Independente das estratégias. 5.jsf?bid=CBO9781107587632&cid=CBO9781107587632A022>. M. dessa forma. Acesso em: 02 mar 2016. P. Revista do BNDS 38.cambridge. C. as MPEs adaptam-se de acordo com as peculiaridades do país.org/chapter. Referências CAZURRA.com. Motivações e impactos da internacionalização de empresas: um estudo de múltiplos casos na indústria brasileira. essa estratégia busca responder a questão “O que esse país pode fazer pela nossa empresa?” 4. Agora os produtos globais nascem nos países emergentes.abril. MARQUES. C. 2 . amplia seus negócios. FLEURY. quando comparada à de países desenvolvidos.II SIMPÓSIO DE COMÉRCIO EXTERIOR – SIMCOMEX “Inovação tecnológica: fator de competitividade no comércio exterior” Dias 17 e 18 de Maio de 2016 Faculdade de Tecnologia de Barueri – Fatec Barueri destino para conhecer aspectos da sua infraestrutura. Revista Exame.wiley. Considerações finais A partir da elaboração deste artigo. L.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful