Você está na página 1de 36
TelecomunicaTelecomunicaççõesões ee RedesRedes dede ComputadoresComputadores 11 –– IntroduIntroduççãoão
TelecomunicaTelecomunicaççõesões ee RedesRedes dede ComputadoresComputadores
11 –– IntroduIntroduççãoão
Prof. Paulo Lobato Correia
IST, DEEC – Secção de Telecomunicações
11 –– IntroduIntroduççãoão Prof. Paulo Lobato Correia IST, DEEC – Secção de Telecomunicações
EvoluEvoluççãoão dede TrTrááfegofego ee TecnologiaTecnologia Requisitos de Período de Tráfego duplicação
EvoluEvoluççãoão dede TrTrááfegofego ee TecnologiaTecnologia Requisitos de Período de Tráfego duplicação
EvoluEvoluççãoão dede TrTrááfegofego ee TecnologiaTecnologia
Requisitos de
Período de
Tráfego
duplicação
Utilizadores da Internet
12 meses
Débito de acesso
6 meses
Período de
Tecnologia
duplicação
Lei de Moore [gates/chip]
18
meses
Fibra óptica [bits/fibra]
12
meses
Comutação de pacotes
[bits/dólar]
12
meses
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
8
TiposTipos dede DadosDados Texto – não formatado (a partir de um conjunto limitado de caracteres),
TiposTipos dede DadosDados
Texto – não formatado (a partir de um
conjunto limitado de caracteres), ou
formatado (para estruturar, aceder e
apresentar documentos em formato
electrónico);
Multimédia
Imagem – resultando de digitalização de
documentos, ou produzida em computador;
(combina diversos
tipos de dados)
Áudio – inclui voz e música;
Vídeo – inclui sequências de imagens e
filmes;
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
13
RepresentaRepresentaççãoão dosdos DadosDados Analógica – dados tomam valores contínuos ao longo do tempo; Voz:
RepresentaRepresentaççãoão dosdos DadosDados
Analógica – dados tomam valores contínuos ao longo do tempo;
Voz: o sinal acústico é convertido num sinal eléctrico cuja amplitude
varia continuamente ao longo do tempo com a mesma variação que o
sinal sonoro (mesma frequência);
Vídeo: é feito um varrimento de cada imagem, sendo a intensidade
luminosa do ponto de varrimento convertida num sinal eléctrico;
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
14
RepresentaRepresentaççãoão AnalAnalóógicagica dosdos DadosDados Exemplo: Voz (Sinal acústico é convertido pelo
RepresentaRepresentaççãoão AnalAnalóógicagica dosdos DadosDados
Exemplo: Voz
(Sinal acústico é convertido pelo microfone num sinal eléctrico
contínuo no tempo e em amplitude)
Microfone
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
15
pelo microfone num sinal eléctrico contínuo no tempo e em amplitude) Microfone TRC – Prof. Paulo
RepresentaRepresentaççãoão DigitalDigital dosdos DadosDados Exemplo: Ficheiro (conjunto de caracteres) (Cada
RepresentaRepresentaççãoão DigitalDigital dosdos DadosDados
Exemplo: Ficheiro (conjunto de caracteres)
(Cada carácter pode ser representado por um valor numérico, representável em
numeração binária)
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
17
CodificaCodificaççãoão dede Caracteres:Caracteres: CCóódigodigo ASCIIASCII Exemplo: “i” -> 110 1001 Bit
CodificaCodificaççãoão dede Caracteres:Caracteres: CCóódigodigo ASCIIASCII
Exemplo:
“i” -> 110 1001
Bit de paridade:
(paridade par)
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
18
RepresentaRepresentaççãoão dede ImagensImagens BinBinááriasrias Código: 00000000 00111100 01110110 01111110
RepresentaRepresentaççãoão dede ImagensImagens BinBinááriasrias
Código:
00000000
00111100
01110110
01111110
01111000
01111110
00111100
00000000
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
19
RRíítmotmo BinBinááriorio ee TaxaTaxa dede TransmissãoTransmissão Ritmo binário: R b [bit/s] ou [bps] –
RRíítmotmo BinBinááriorio ee TaxaTaxa dede TransmissãoTransmissão
Ritmo binário: R b [bit/s] ou [bps] – quantidade de bits enviados por
unidade de tempo;
Taxa de transmissão: f símb [símbolo/s] ou [Baud] – velocidade a
que o sinal eléctrico (símbolo) muda de estado;
Dibit: a cada símbolo correspondem 2 bits =>
Tribit: a cada símbolo correspondem 3 bits=>
Se a cada símbolo correspondem m bits
=>
R b = 2 . f símb
R b = 3 . f símb
R b = m . f símb
Para que a cada símbolo correspondam m bits, são necessários
pelo menos M símbolos distintos, com:
M = 2 m
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
20
RRíítmotmo BinBinááriorio ee TaxaTaxa dede TransmissãoTransmissão U (V) 10 1 1 0 0 1 5
RRíítmotmo BinBinááriorio ee TaxaTaxa dede TransmissãoTransmissão
U (V)
10
1
1
0
0
1
5
0
t (ms)
T simb
1
=
= T
R = f
f simb
⇒ T b
simb
b
simb
T simb
Cada símbolo transmitido corresponde a 1 bit
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
21
RRíítmotmo BinBinááriorio ee TaxaTaxa dede TransmissãoTransmissão
U (V)
11
10
01
10
01
00
10
6
4
2
0
t (ms)
T simb
1
=
⇒ T =
1 ⋅ T
R
b = 2 ⋅ f
f simb
b
2 simb
sim b
T simb
Cada símbolo transmitido corresponde a 2 bits
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
22
ConversãoConversão AnalAnalóógicogico--DigitalDigital Um sinal analógico pode ser representado de forma digital:
ConversãoConversão AnalAnalóógicogico--DigitalDigital
Um sinal analógico pode ser representado de forma digital:
Linha analógica
Voz analógica
telefone
Voz analógica
Linha digital
Voz digitalizada
Codec
0 1 1 0 1 0 0 0 1 1 0
Codec: codificador e descodificador
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
23
ConversãoConversão AnalAnalóógicogico--DigitalDigital TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 24
ConversãoConversão AnalAnalóógicogico--DigitalDigital
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
24
ConversãoConversão DigitalDigital--AnalAnalóógicogico Um sinal digital pode ser representado de forma analógica;
ConversãoConversão DigitalDigital--AnalAnalóógicogico
Um sinal digital pode ser representado de forma analógica;
Linha analógica
Dados modulados
modem
Dados
Linha digital
Dados
DSU
0 1 1 0 1 0 0 0 1 1 0
DSU: data service unit
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
25
ConversãoConversão DigitalDigital--AnalAnalóógicogico 1 1 0 1 TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 26
ConversãoConversão DigitalDigital--AnalAnalóógicogico
1
1
0
1
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
26
ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão Microfone Conversão Rede de Telecomunicações Conversão A D D A
ExemploExemplo dede AplicaAplicaççãoão
Microfone
Conversão
Rede de
Telecomunicações
Conversão
A
D
D
A
Altifalante
Sinal acústico -> Sinal eléctrico analógico (Transdução)
Sinal analógico -> Sinal digital
Transmissão
Sinal digital -> Sinal analógico
Sinal analógico -> Sinal acústico
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
27
ProcessamentoProcessamento DistribuDistribuíídodo Aplicações distribuídas: Uma aplicação dispersa por diversos
ProcessamentoProcessamento DistribuDistribuíídodo
Aplicações distribuídas:
Uma aplicação dispersa por diversos sistemas;
Uma aplicação replicada em diversos sistemas;
Diferentes aplicações em diferentes sistemas.
Dados distribuídos:
Base de dados centralizada (não distribuída);
Base de dados replicada;
Base de dados particionada.
Necessitam de redes de comunicação.
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
28
ModeloModelo BBáásicosico dede SistemaSistema dede ComunicaComunicaççãoão Mensagem Fonte de Informação
ModeloModelo BBáásicosico dede SistemaSistema dede ComunicaComunicaççãoão
Mensagem
Fonte de Informação
Destinatário
Meio de
Transmissão
(Emissor)
(Receptor)
Confirmação
(acknowledgement)
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
29
ModeloModelo dede SistemaSistema dede TelecomunicaTelecomunicaççõesões Informação à entrada Sistema Emissor
ModeloModelo dede SistemaSistema dede TelecomunicaTelecomunicaççõesões
Informação à
entrada
Sistema Emissor
Mensagem, m
Dados de
Sinal de transmitido, s(t)
Fonte de
Dispositivo de
entrada, g
Emissor
Informação
Entrada
Sinal de
entrada, g(t)
Meio de
Transmissão
Sistema Receptor
Dados de
Dispositivo de
saída, ĝ
Destinatário
Receptor
Saída
Sinal de
Sinal de recebido, r(t)
saída, ĝ(t)
Informação à
saída
^
Mensagem,
m
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
30
Exemplo:Exemplo: FaxFax Dispositivo de entrada: “scanner” Dados: intensidade de cada “pixel” (“pixel” =
Exemplo:Exemplo: FaxFax
Dispositivo de entrada: “scanner”
Dados: intensidade de cada “pixel”
(“pixel” = picture element)
Sinal: sequência de valores dos pixels
obtidos por varrimento
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
33
picture element) Sinal: sequência de valores dos pixels obtidos por varrimento TRC – Prof. Paulo Lobato
RedesRedes dede ComunicaComunicaççãoão –– EstruturaEstrutura Problema: como interligar diversos equipamentos
RedesRedes dede ComunicaComunicaççãoão –– EstruturaEstrutura Problema: como interligar diversos equipamentos
RedesRedes dede ComunicaComunicaççãoão –– EstruturaEstrutura
Problema: como interligar diversos equipamentos terminais?
Central de
comutação
Número
óptimo de
centrais
custo
custo total
custo de
comutação
custo da linha
número de centrais de comutação
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
36
RedesRedes dede ComunicaComunicaççãoão –– EstruturaEstrutura TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 37
RedesRedes dede ComunicaComunicaççãoão –– EstruturaEstrutura
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
37
RedesRedes dede ComunicaComunicaçção:ão: PrincipaisPrincipais ElementosElementos Equipamento terminal – telefone,
RedesRedes dede ComunicaComunicaçção:ão: PrincipaisPrincipais ElementosElementos
Equipamento terminal – telefone, fax, computador,
;
Nós terminais
Equipamento de transmissão – cabo, fibra,
;
Ligações
Equipamento de comutação – comutadores;
Nós de
comunicação
Equipamento de sinalização e gestão
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
38
RedesRedes dede ComputadoresComputadores Rede de Computadores: Sistema constituído por sistemas terminais
RedesRedes dede ComputadoresComputadores
Rede de Computadores:
Sistema constituído por sistemas terminais (estações), equipamento
de transmissão, de comutação e de encaminhamento, que permite a
comunicação entre quaisquer duas estações diferentes ligadas à rede;
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
39
ElementosElementos dede umauma RedeRede dede ComputadoresComputadores Aplicação Aplicação Pacote Servidor Cliente
ElementosElementos dede umauma RedeRede dede ComputadoresComputadores
Aplicação
Aplicação
Pacote
Servidor
Cliente
Comutador
Cliente
Móvel
A rede de computadores interliga aplicações em diferentes estações;
As estações podem ser computadores ou outros dispositivos (ex.: PDA);
As estações comunicam enviando pacotes através de comutadores.
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
40
ComutadorComutador Comutador Estação A Estação B Estação C Estação D Estação A transmite para estação
ComutadorComutador
Comutador
Estação A
Estação B
Estação C
Estação D
Estação A transmite para estação C:
O comutador reenvia a mensagem para a saída adequada
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
41
ClassificaClassificaççãoão quantoquanto àà TecnologiaTecnologia Redes Difusão (Broadcast) Comutadas (Switched)
ClassificaClassificaççãoão quantoquanto àà TecnologiaTecnologia
Redes
Difusão (Broadcast)
Comutadas (Switched)
Comunicação
Comunicação
Bidireccional
Unidireccional
Comutação de
Circuitos
Comutação de
Pacotes
Redes
Redes
Locais
Rádio de
Redes
Pacotes
(LANs e
de
Ex.: PSTN (Public
Switched Telephone
Network)
Ex.: PDN ou PSDN
(Public Switched
Data Network)
MANs)
Satélites
Ex.: Redes de
Rádio-difusão AM,
FM e TV
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
42
RedesRedes dede ComunicaComunicaççãoão comcom ComutaComutaççãoão Os dados são transferidos da fonte até ao
RedesRedes dede ComunicaComunicaççãoão comcom ComutaComutaççãoão
Os dados são transferidos da fonte
até ao destino através de nós
intermédios, que não estão
“preocupados” com o conteúdo dos
dados
==>
o objectivo destes nós é
fornecer capacidade de comutação
para mover os dados nó a nó até
ao destino.
Estas redes consistem em muitas
ligações entre pares de nós
==> redes ponto-a-ponto
Em redes ponto-a-ponto o encaminhamentoencaminhamento ((routingrouting)) é muito importante
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
43
TiposTipos dede Redes:Redes: LANLAN Rede Local (LAN – Local Area Network): Cobertura geográfica limitada: casa,
TiposTipos dede Redes:Redes: LANLAN
Rede Local (LAN – Local Area Network):
Cobertura geográfica limitada:
casa, escritório, edifício, campus, instalação industrial;
Operação local:
escolha da tecnologia;
gestão da rede;
Baixo custo de transmissão:
a rede pertence à empresa;
transmissão a alta velocidade é possível;
um PC ligado à rede a 100 Mbit/s é habitual.
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
44
TiposTipos dede Redes:Redes: LANLAN TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 45
TiposTipos dede Redes:Redes: LANLAN
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
45
TiposTipos dede Redes:Redes: WANWAN Rede de Grande Cobertura (WAN – Wide Area Network): Grande cobertura
TiposTipos dede Redes:Redes: WANWAN
Rede de Grande Cobertura (WAN – Wide Area Network):
Grande cobertura geográfica:
usadas para interligação de redes.
Exploradas por operadores de telecomunicações:
WAN
há que escolher o operador que oferece
condições mais vantajosas para uma dada ligação.
Custo de transmissão elevado:
geralmente a transmissão a alta velocidade é dispendiosa;
habitualmente: ligações à rede desde 56 kbit/s a poucos Mbit/s.
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
46
TiposTipos dede Redes:Redes: WANWAN TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 47
TiposTipos dede Redes:Redes: WANWAN
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
47
TiposTipos dede Redes:Redes: WANWAN TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 47
TiposTipos dede Redes:Redes: MANMAN TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 49
TiposTipos dede Redes:Redes: MANMAN
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
49
InterligaInterligaççãoão dede RedesRedes (Internet)(Internet) TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 50
InterligaInterligaççãoão dede RedesRedes (Internet)(Internet)
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
50
ArquitecturasArquitecturas dede RedeRede Filósofo Filósofo Tradutor Tradutor Secretária Secretária TRC –
ArquitecturasArquitecturas dede RedeRede
Filósofo
Filósofo
Tradutor
Tradutor
Secretária
Secretária
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
51
ArquitecturasArquitecturas dede RedeRede TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 52
ArquitecturasArquitecturas dede RedeRede
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
52
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ConceitosConceitos Protocolo: conjunto de regras a seguir, entre dois níveis
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ConceitosConceitos Protocolo: conjunto de regras a seguir, entre dois níveis
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ConceitosConceitos
Protocolo: conjunto de regras a seguir, entre dois níveis pares, para garantir
sucesso na troca de dados;
Serviço: cada nível presta serviço ao nível acima e usa os serviços
disponibilizados pela interface de serviço do nível abaixo;
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
54
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: NNííveisveis Processos pares Nível n+1 Interface de serviço Nível n
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: NNííveisveis
Processos pares
Nível n+1
Interface
de serviço
Nível n
Protocolo
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
57
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ModeloModelo OSIOSI TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 58
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ModeloModelo OSIOSI
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
58
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ModeloModelo OSIOSI TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 59
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ModeloModelo OSIOSI
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
59
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede AplicaAplicaççãoão TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 60
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede AplicaAplicaççãoão
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
60
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede ApresentaApresentaççãoão TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 61
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede ApresentaApresentaççãoão
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
61
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede SessãoSessão TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 62
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede SessãoSessão
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
62
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede TransporteTransporte TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 63
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede TransporteTransporte
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
63
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede RedeRede TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 64
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede RedeRede
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
64
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede LigaLigaççãoão dede DadosDados TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 65
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel dede LigaLigaççãoão dede DadosDados
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
65
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel FFíísicosico TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 66
ModeloModelo OSI:OSI: NNíívelvel FFíísicosico
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
66
ModeloModelo OSI:OSI: SumSumááriorio TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 67
ModeloModelo OSI:OSI: SumSumááriorio
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
67
ModeloModelo OSI:OSI: SumSumááriorio TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 67
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ModeloModelo TCP/IPTCP/IP TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 69
ArquitecturasArquitecturas dede Rede:Rede: ModeloModelo TCP/IPTCP/IP
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
69
ModeloModelo TCP/IPTCP/IP Aplicação: Aplicações de rede distribuídas: FTP, SMTP, HTTP; Aplicação Transporte:
ModeloModelo TCP/IPTCP/IP
Aplicação:
Aplicações de rede distribuídas: FTP, SMTP, HTTP;
Aplicação
Transporte:
Transferência de dados entre estações: TCP, UDP;
Transporte
Rede:
Encaminhamento e expedição de mensagens: IP,
protocolos de encaminhamento;
Rede
Ligação de dados:
Dados
Transferência de dados entre máquinas vizinhas:
PPP, Ethernet;
Físico
Nível físico:
Passagem de bits entre máquinas vizinhas: RS-232c,
V.92.
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
70
ModeloModelo TCP/IP:TCP/IP: ProtocolosProtocolos TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 71
ModeloModelo TCP/IP:TCP/IP: ProtocolosProtocolos
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
71
ModeloModelo TCP/IP:TCP/IP: exemploexemplo TRC – Prof. Paulo Lobato Correia 72
ModeloModelo TCP/IP:TCP/IP: exemploexemplo
TRC – Prof. Paulo Lobato Correia
72