Você está na página 1de 1

Analise Sagarana

A obra de Guimares Rosa apresenta um regionalismo de novo significado: a


fuso entre o real e o mgico, de forma a radicalizar os processos mentais e
verbais inerentes ao contexto fornecedor de matria-prima, traz tona o
carter universal. O folclrico, o pitoresco e o documental cedem lugar a
uma maneira nova de repensar as dimenses da cultura, flagrada em suas
articulaes no mundo da linguagem.
Entre as experincias vividas pelo autor esto as viagens pelo serto
brasileiro, principalmente o mineiro, acompanhadas pelos famosos
caderninhos de anotaes. Neles, Guimares Rosa registrava palavras e
expresses do povo brasileiro que, mais tarde, transformaria em metforas
poticas.
Voltada para as foras virtuais da linguagem, a escritura de Guimares Rosa
procede abolindo intencionalmente as barreiras entre narrativa e lrica,
revitalizando recursos da expresso potica: clulas rtmicas, aliteraes,
onomatopeias, rimas internas, elipses, cortes e deslocamentos sintticos,
vocabulrio inslito, com arcasmos e neologismos, associaes raras,
metforas, anforas, metonmias, fuso de estilos.
Imerso na musicalidade da fala sertaneja, o autor procurou fix-la na
melopeia de um fraseio no qual soam cadncias populares e medievais.
O trabalho com o mito potico outra caracterstica da obra rosiana.
Segundo o crtico e ensasta Alfredo Bosi, a "sada" proposta por Guimares
Rosa para esconjurar o pitoresco e o extico do regionalismo deu-se com a
entrega amorosa paisagem e ao mito, reencontrados na materialidade da
linguagem.
Guimares Rosa tinha plena conscincia das dificuldades que seus textos
apresentam para o leitor:
"Como escritor, no posso seguir a receita de Hollywood, segundo a qual
preciso sempre orientar-se pelo limite mais baixo do entendimento.
Portanto, torno a repetir: no do ponto de vista filolgico e sim do
metafsico, no serto fala-se a lngua de Goethe, Dostoievski e Flaubert,
porque o serto o terreno da eternidade, da solido (...). No serto, o
homem o eu que ainda no encontrou um tu; por ali os anjos e o diabo
ainda manuseiam a lngua".