Você está na página 1de 79
Plano de Gerenciamento de Implantação da cafeteria Requinte Café APRESENTAÇÃO FINAL Alessandro Dantas Fábio Costa

Plano de Gerenciamento de Implantação da cafeteria Requinte Café

APRESENTAÇÃO FINAL

Alessandro Dantas Fábio Costa Guilherme Pereira José César Cruz Leandro C. Souza Leo Franquilim Luana Kato

Orientador: MSc. José Ângelo Santos do Valle

12/2009

INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO
Estou com dinheiro parado, em que posso investir, para ter lucro?
Estou com dinheiro
parado, em que posso
investir, para ter lucro?

Sponsor

PRIMEIRA REUNIÃO
PRIMEIRA REUNIÃO

PRIMEIRA REUNIÃO

PRIMEIRA REUNIÃO
Lava Jato
Lava Jato
PRIMEIRA REUNIÃO Lava Jato Fábrica de produtos utilizando pneus usados Cafeteria Lanchonete
Fábrica de produtos utilizando pneus usados
Fábrica de
produtos
utilizando
pneus usados

Cafeteria

Lanchonete
Lanchonete
DADOS QUE CHAMARAM A NOSSA ATENÇÃO
DADOS QUE CHAMARAM A NOSSA ATENÇÃO

DADOS QUE CHAMARAM A NOSSA ATENÇÃO

DADOS QUE CHAMARAM A NOSSA ATENÇÃO

“Indicadores da Indústria de Bebidas no Brasil ", Realizados pela TNS InterScience desde 2003

www.tns-interscience.com.br

MERCADO DO CAFÉ
MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

%

MERCADO DO CAFÉ % 0,5 37 Águade coco Chá Saquinho/A granel Bebidas Alcóolicas Suco Pronto Achocolatodo
MERCADO DO CAFÉ % 0,5 37 Águade coco Chá Saquinho/A granel Bebidas Alcóolicas Suco Pronto Achocolatodo

0,5

37

Águade coco

Chá Saquinho/A granel

Bebidas Alcóolicas

Suco Pronto

Achocolatodo

Refresco em Pó

Vitamina

Suco Natural

Leite

Refrigerante

42

Consumo de Bebidas

Suco Natural Leite Refrigerante 42 Consumo de Bebidas 42 48 41 43 36 40 49 50

42

42
Suco Natural Leite Refrigerante 42 Consumo de Bebidas 42 48 41 43 36 40 49 50

48

41 43 36 40
41
43
36
40

49

Refrigerante 42 Consumo de Bebidas 42 48 41 43 36 40 49 50 51 51 2008

50

51

51

Consumo de Bebidas 42 48 41 43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54
Consumo de Bebidas 42 48 41 43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54
Consumo de Bebidas 42 48 41 43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54

2008Consumo de Bebidas 42 48 41 43 36 40 49 50 51 51 2003 54 70

de Bebidas 42 48 41 43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54 70

2003

54

42 48 41 43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54 70 77 81

70

42 48 41 43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54 70 77 81

77

81

48 41 43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54 70 77 81 82

82

41 43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54 70 77 81 82 86

86

43 36 40 49 50 51 51 2008 2003 54 70 77 81 82 86 84
84 97 Café 91
84
97
Café
91
51 51 2008 2003 54 70 77 81 82 86 84 97 Café 91 90 98

90

98

Águanatural/Mineral

Produto com grande aceitação, 97% dos brasileiros gostam de café.

MERCADO DO CAFÉ
MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

Intensidade do Consumo de Café

MERCADO DO CAFÉ Intensidade do Consumo de Café
MERCADO DO CAFÉ
MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

Perfil do consumidor de café, comparativo entre 2003 e 2008

MERCADO DO CAFÉ Perfil do consumidor de café, comparativo entre 2003 e 2008
MERCADO DO CAFÉ
MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

Local do Consumo de Café

MERCADO DO CAFÉ Local do Consumo de Café
MERCADO DO CAFÉ Local do Consumo de Café
MERCADO DO CAFÉ
MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

MERCADO DO CAFÉ

Clases sociais, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa:

MERCADO DO CAFÉ Clases sociais, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa: www.abep.org

www.abep.org

DADOS QUE CHAMARAM A NOSSA ATENÇÃO
DADOS QUE CHAMARAM A NOSSA ATENÇÃO

DADOS QUE CHAMARAM A NOSSA ATENÇÃO

DADOS QUE CHAMARAM A NOSSA ATENÇÃO

“Evolução do Consumo de Café no Brasil 1990 a 2008", Realizado pela ABIC - Associação da Industria de Café no Brasil

de Café no Brasil 1990 a 2008", Realizado pela ABIC - Associação da Industria de Café

www.abic.com.br

POTENCIAL DO MERCADO
POTENCIAL DO MERCADO

POTENCIAL DO MERCADO

POTENCIAL DO MERCADO
POTENCIAL DO MERCADO • Gráfico representa um cresciment o de 5,8% em relação a 2007. •

• Gráfico representa um crescimento de 5,8% em relação a 2007.

• No resto do mundo a taxa de crescimento é de 1,5% ao ano.

PRODUTO DO PROJETO
PRODUTO DO PROJETO

PRODUTO DO PROJETO

PRODUTO DO PROJETO

Plano de gerenciamento do projeto de Implantação de uma cafeteria.

Sponsor Cafeteria Plano de Retorno gerenciamento Financeiro
Sponsor
Cafeteria
Plano de
Retorno
gerenciamento
Financeiro
DADOS DA CIDADE DE S.J.C. E REGIÃO
DADOS DA CIDADE DE S.J.C. E REGIÃO

DADOS DA CIDADE DE S.J.C. E REGIÃO

DADOS DA CIDADE DE S.J.C. E REGIÃO

SÃO JOSE DOS CAMPOS

• 21° maior PIB do Brasil,

• 3° do estado de São Paulo,

• PIB per capita de R$ 24 mil (Fonte: IBGE - 2008),

• Segunda maior cidade exportadora do país, com US$ 2,673 bilhões nos primeiros sete meses de 2009 (Fonte: MDIC 2009),

• ocupa a 3ª posição na lista de melhores cidades para se trabalhar entre as não capitais, (Fonte: revista Você S.A. em julho de 2005).

CIDADE

POPULAÇÃO

Taubaté

273.426

Jacareí

212.824

Pindamonhangaba

144.613

Caçapava

85.181

São José dos Campos

615.871

TOTAL

1.331.915

População do Vale do Paraíba (IBGE Jul/09)

MDIC: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

CAFETERIA JOSEENSE COM REQUINTE
CAFETERIA JOSEENSE COM REQUINTE

CAFETERIA JOSEENSE COM REQUINTE

CAFETERIA JOSEENSE COM REQUINTE
CAFETERIA JOSEENSE COM REQUINTE
PREMISSA DO SPONSOR
PREMISSA DO SPONSOR

PREMISSA DO SPONSOR

PREMISSA DO SPONSOR
PREMISSA DO SPONSOR Sponsor

Sponsor

PREMISSA DO SPONSOR
PREMISSA DO SPONSOR

PREMISSA DO SPONSOR

PREMISSA DO SPONSOR
PREMISSA DO SPONSOR
ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA
ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA

ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA

ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA
ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA
ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA
ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA
ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA

ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA

ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA
ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA
ESCOLHA DO LOCAL DA CAFETERIA
CRITÉRIO DE ESCOLHA DO LOCAL
CRITÉRIO DE ESCOLHA DO LOCAL

CRITÉRIO DE ESCOLHA DO LOCAL

CRITÉRIO DE ESCOLHA DO LOCAL
CRITÉRIO DE ESCOLHA DO LOCAL MÉTODO DE KEPNER E TREGOE

MÉTODO DE KEPNER E TREGOE

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS
LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

• Construção datado de 1924,

• Intitulado Pavilhão Alfredo Galvão.

• Área de 170 m²,

• Localizada no complexo do antigo Sanatório Vicentina Aranha,

• Originalmente construído para abrigar pacientes masculinos pensionistas.

para abriga r pacientes masculinos pensionistas . O sanatório Vicentina Aranha tratou de tu berculosos e

O sanatório Vicentina Aranha tratou de tuberculosos e abrigou um hospital geriátrico, suas atividades foram encerradas em 2004.

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS
LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

O Parque Vicentina Aranha foi comprado pela Prefeitura de São José dos Campos em dezembro de 2006 e inaugurado em Julho de 2007

Cafeteria Requinte Café
Cafeteria Requinte Café

Neste parque funcionará um Centro Integrado de Cultura (CIC), com atividades de recreação, lazer, educação e artes.

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS
LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

Este diferenciado Parque Público possui 84.500 m² sendo 11.080 m² de área construída.

Cafeteria Requinte Café
Cafeteria Requinte Café

Uma grande área verde em região estratégica da cidade

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS
LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS

LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS
LOCAL ESCOLHIDO E DADOS HISTÓRICOS
SUMÁRIO
SUMÁRIO

SUMÁRIO

SUMÁRIO

Este documento apresenta o plano de gerenciamento do projeto da implantação da Cafeteria Requinte Café, a ser localizada no parque Vicentina Aranha no bairro Vila Adyana, na cidade de São José dos Campos - SP.

Café, a ser localiz ada no parque Vicentina Aranha no bairro Vila Adyana, na cidade de
SUMÁRIO
SUMÁRIO

SUMÁRIO

SUMÁRIO
SUMÁRIO Pavilhão Alfredo Galvão Sponsor Cafeteria Requinte Café

Pavilhão Alfredo Galvão

SUMÁRIO Pavilhão Alfredo Galvão Sponsor Cafeteria Requinte Café

Sponsor

SUMÁRIO Pavilhão Alfredo Galvão Sponsor Cafeteria Requinte Café
SUMÁRIO Pavilhão Alfredo Galvão Sponsor Cafeteria Requinte Café

Cafeteria Requinte Café

SUMÁRIO
SUMÁRIO

SUMÁRIO

SUMÁRIO

JUSTIFICATIVA DO PROJETO

• Primeiro ponto de venda de alimentos no parque Vicentina Aranha,

• Mercado de café cresce cerca de 5,8% ao ano no Brasil.

• Produto com grande aceitação, 97% dos brasileiros gostam de café,

• Costume de tomar café fora de casa de 2007-08 aumentou 40%.

• Alta do consumo de café pela classe C (público freqüente em parques).

PONTOS FORTES DO PROJETO

• Tradição que o parque possui desde sua inauguração,

• Centro Integrado de Cultura, atrairá publico, com atividades de recreação, lazer, educação e artes.

• Escopo do produto, alinhado com expectativas do mercado consumidor

(produto requintado, sem agressão ao meio ambiente, qualidade de vida),

ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER
ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER

ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER

ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER
ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER
ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER
ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER

ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER

ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER
ANÁLISE DE ATRATIVIDADE POR PORTER Pela análise das 5 forças de Porter, c onstata-se que o

Pela análise das 5 forças de Porter, constata-se que o segmento de mercado possui mais oportunidades do que ameaças.

SWOT
SWOT

SWOT

SWOT
SWOT
ANÁLISE ESTRATÉGICA
ANÁLISE ESTRATÉGICA

ANÁLISE ESTRATÉGICA

ANÁLISE ESTRATÉGICA

Visão Consolidar a marca, como a primeira cafeteria do Complexo Vicentina Aranha, genuinamente joseense.

Missão Satisfação dos clientes através de produtos e serviços de qualidade e atendimento personalizado, garantindo resultado econômico do negócio com respeito à comunidade, aos colaboradores e ao meio ambiente.

Valores Excelência e aprimoramento constante dos produtos e serviços, com lucro e responsabilidade social.

ANALISE INTERVENIENTES GRÁFICO P X I (PODER X INTERESSE).
ANALISE INTERVENIENTES GRÁFICO P X I (PODER X INTERESSE).

ANALISE INTERVENIENTES GRÁFICO P X I (PODER X INTERESSE).

ANALISE INTERVENIENTES GRÁFICO P X I (PODER X INTERESSE).
ANALISE INTERVENIENTES GRÁFICO P X I (PODER X INTERESSE).
PLANO DE GERENCIAMENTO DE MARKETING
PLANO DE GERENCIAMENTO DE MARKETING

PLANO DE GERENCIAMENTO DE MARKETING

PLANO DE GERENCIAMENTO DE MARKETING

a)

b)

c)

e) Cardápio:

Empresa: Requinte Café;

Conceito da marca: Nutrição com bem estar e qualidade de vida

Data inicial de funcionamento: 21/12/09

CAFÉ EXPRESSO

R$ 3,00

CAFÉ REQUINTE

R$ 5,00

CAFÉ REQUINTE ESPECIAL

R$ 7,00

CAFÉ COM LEITE

R$ 3,00

CHOCOLATE QUENTE

R$ 3,00

CAPUCCINO

R$ 4,00

CHÁS

R$ 2,50

SUCO DE FRUTA

REFRIGERANTE

ÁGUA C/ GÁS

ÁGUA S/ GÁS

PÃO DE QUEIJO

SALGADOS

LANCHE NATURAL

R$ 3,20

R$ 2,50

R$ 2,00

R$ 1,50

R$ 2,00

R$ 2,50

R$ 5,00

f) Produto e embalagem: produto com tamanho similar ao da media

no mercado, embalagens tradicionais com logo estampado.

g) Objetivo do produto: Produtos com valor agregado, giro rápido e com benefícios para o consumidor final.

h) Meta do produto: aproveitar o crescente consumo de café no mercado nacional.

PLANO DE MARKETING – 4 P´s
PLANO DE MARKETING – 4 P´s

PLANO DE MARKETING – 4 P´s

PLANO DE MARKETING – 4 P´s

Produto: Produto de alta qualidade e sabor superior aos concorrentes.

Preço: Preço de média de mercado, porém com maior custo x benefício do que os concorrentes.

Praça: Ponto de venda estratégico, pois conforme mostrado anteriormente trata-se de um diferenciado Parque Público, onde funcionará um Centro Integrado de Cultura (CIC), com atividades de recreação, lazer, educação e artes. Também tem como vantagens de praça o público dos bairros vizinhos, que contarão com um lugar tranqüilo e confortável.

Promoção: Comunicar e informar ao público alvo de forma esclarecedora, as principais vantagens e benefícios da nova cafeteria, por meio de mídia impressa e digital da região.

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO
PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

TERMO DE ABERTURA

OBJETIVO: Implantação da Cafeteria Requinte Café no Pavilhão Alfredo Galvão localização no interior do Parque Vicentina Aranha em São José dos Campos, situado à Rua Engenheiro Prudente Meirelles de Moraes, 307 – Vila Adyana. Metas: Aproveitamento do espaço histórico com reformas e adaptações arquitetônicas que mantenham as características atuais do prédio.

PREMISSAS:

 

RESTRIÇÕES:

O

imóvel

locado

estará

disponível

para

As alterações de estrutura do imóvel deverão ser aprovadas pelo proprietário do imóvel; Os gastos poderão ultrapassar o previsto em no máximo 5%.

reforma até 30/09/09;

 

A reforma será aprovada pelo proprietário

até

30/09/09.

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO
PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

TERMO DE ABERTURA

PRINCIPAIS FASES

DATAS

CUSTOS

Adaptação Predial (Arquitetura e Reforma)

04/12/09

R$ 21.000,00

Decoração

04/12/09

R$17.000,00

Iluminação

04/12/09

R$ 4.700,00

Aquisição e Instalação de equipamentos

11/12/09

R$ 65.270,00

Aquisição e Recebimento da Mobília

11/12/09

R$ 48.000,00

Implantação / Inauguração

21/12/09

R$ 37.310,00

Gerenciamento do Projeto

-

R$ 24.640,00

CUSTO TOTAL R$ 217.920,00

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO
PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

WBS

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO WBS
PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO
PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

DICIONÁRIO DA WBS

EAP

PACOTE DE

DURAÇÃO

INÍCIO

FIM

ESPECIFICAÇÃO

TRABALHO

(dias)

1.1

GERENCIAMENTO DO PROJETO

106

27/07/09

21/12/09

 

1.1.1

ESCOPO

106

27/07/09

21/12/09

Atualização do check-list, controle das mudanças, reuniões de acompanhamento e atualização de informações pertinentes ao escopo do projeto

         

Emissão e acompanhamento de Relatórios

1.1.2

ORÇAMENTO

106

27/07/09

21/12/09

Orçado x Realizado, geração de Gráficos de Curva S e controle da verba do projeto

         

Acompanhamento do Cronograma do Projeto, garantir que os prazos sejam cumpridos e

1.1.3

CRONOGRAMA

106

27/07/09

21/12/09

administrar atrasos a fim de controlar os caminhos críticos e não prejudicar a data de entrega do projeto

         

Garantir a qualidade do projeto que deve ser executado e entregue, fazem parte da qualidade:

1.1.4

QUALIDADE

106

27/07/09

21/12/09

segurança, higiene, cumprimento de prazos e escopo tanto do projeto como das atividades necessárias para concluí-lo

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO
PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GESTÃO

ALINHAMENTO DO ESCOPO – ATA DE REUNIÃO

VERIFICAÇÃO DO ESCOPO – CHECK-LIST

 

INÍCIO

 

QUINZ.

QUINZ.

QUINZ.

QUINZ.

QUINZ.

QUINZ.

MARCO

FIM

1

2

3

4

5

6

Adaptação Predial - Arquitetura

27/07/09

04/09/09

           

CONTROLE DO ESCOPO – NECESSIDADES DE ALTERAÇÃO

ACOMPANHAMENTO DO ESCOPO – REUNIÕES SEMANAIS

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO
PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

DECOMPOSIÇÃO DO PRODUTO

ESPAÇO FÍSICO;

PROJETO ARQUITETÔNICO;

SUPRIMENTOS;

RECURSOS HUMANOS;

CONTRATOS;

ARQUITETÔNICO; SUPRIMENTOS; RECURSOS HUMANOS; CONTRATOS; Sponsor MARKETING / INAUGURAÇÃO; GERENCIAMENTO DO PROJETO;

Sponsor

MARKETING / INAUGURAÇÃO;

GERENCIAMENTO DO PROJETO;

ENCERRAMENTO DO PROJETO;

IMPLANTAÇÃO DA FUNÇÃO QUALIDADE

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO
PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO

GERENCIAMENTO DE PRAZOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DO ESCOPO GERENCIAMENTO DE PRAZOS
ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL
ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL

ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL

ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL
ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL
ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL
ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL

ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL

ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL
ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL
ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL
ALGUNS ESCOPOS EM DISPOSIÇÃO FINAL
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

FASE I - PROJETO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA FASE I - PROJETO Sponsor

Sponsor

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

10%

10% 5% 5% 16% 9% 2% 7% 20% 27,2% RESERVA DE GERENCIAMENTO 5% Equipamentos 27% Adaptação

5%

5%

16% 9%
16%
9%

2%

7%

20%

27,2%

RESERVA DE GERENCIAMENTO 5%Equipamentos 27% Adaptação Predial 9% Iluminação 2% Gerenciamento do Projeto 10% RESERVA DE CONTINGÊNCIA 5%

Equipamentos 27%RESERVA DE GERENCIAMENTO 5% Adaptação Predial 9% Iluminação 2% Gerenciamento do Projeto 10% RESERVA DE CONTINGÊNCIA

Adaptação Predial 9%RESERVA DE GERENCIAMENTO 5% Equipamentos 27% Iluminação 2% Gerenciamento do Projeto 10% RESERVA DE CONTINGÊNCIA 5%

Iluminação 2%DE GERENCIAMENTO 5% Equipamentos 27% Adaptação Predial 9% Gerenciamento do Projeto 10% RESERVA DE CONTINGÊNCIA 5%

Gerenciamento do Projeto 10%5% Equipamentos 27% Adaptação Predial 9% Iluminação 2% RESERVA DE CONTINGÊNCIA 5% Mobiliário 20%

RESERVA DE CONTINGÊNCIA 5%Predial 9% Iluminação 2% Gerenciamento do Projeto 10% Mobiliário 20% Ambientação/Decoração 7% Implantação

Mobiliário 20% Ambientação/Decoração 7%27% Adaptação Predial 9% Iluminação 2% Gerenciamento do Projeto 10% RESERVA DE CONTINGÊNCIA 5% Implantação 16%

Implantação 16%9% Iluminação 2% Gerenciamento do Projeto 10% RESERVA DE CONTINGÊNCIA 5% Mobiliário 20% Ambientação/Decoração 7%

Orçamentação do Projeto

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

Curva S - Custos
Curva S - Custos
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

FASE II - OPERAÇÃO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

Projeção das Despesas Custo Fixo de Operação

DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA Proje ç ão das Despesas – Custo Fixo
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

Projeção das Despesas – Custo Variável de Operação

DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA Projeção das Despesas – Custo Variável de Operação
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA Premissa: Frequência de 16 clientes por hora (16hs/dia
DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA Premissa: Frequência de 16 clientes por hora (16hs/dia

Premissa: Frequência de 16 clientes por hora (16hs/dia x 26 dias/mês).

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

FLUXO DE CAIXA ANUAL 2009 / 2014 R$ 1.000.000 R$ 800.000 R$ 600.000 R$ 400.000
FLUXO DE CAIXA ANUAL 2009 / 2014
R$ 1.000.000
R$ 800.000
R$ 600.000
R$ 400.000
R$ 200.000
R$ 0
(R$ 200.000)
(R$ 400.000)
2009
2010
2011
2012
2013
2014
RECEITAS
DESPESAS
FLUXO DE CAIXA ANUAL:
FLUXO DE CAIXA ACUMULADO:
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO
PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE CUSTOS E VIABILIDADE FINANCEIRA

- Analise da Viabilidade

Benefícios Período 5 anos.

TIR: 37,12%

VPL: R$ 206.991,00

PAYBACK: 2,6 anos

IL: 1,9

- Analise da Viabilidade Benefícios Período 5 anos. TIR: 37,12% VPL: R$ 206.991,00 PAYBACK: 2,6 anos

Sponsor

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE
PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE

Indicadores de Qualidade

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE Indicadores de Qualidade
GARANTIA DA QUALIDADE
GARANTIA DA QUALIDADE

GARANTIA DA QUALIDADE

GARANTIA DA QUALIDADE

Auditoria

Responsável

Principais itens auditados

   

- Planilha de despesas

Financeira

Fábio Silva

- Disponibilidade financeira

- Planejamento de despesas futuras

   

- Uso de EPI’s

Segurança e saúde no trabalho

José Cruz

- Atendimento às normas

- Adequação do ambiente de trabalho

   

- Atendimento aos contratos

Prestadores de Serviço

José Cruz

- Atendimento às normas

   

- Atendimento aos requisitos do projeto

Adaptação predial

José Cruz

- Atendimento às normas

   

- Procedimentos de utilização

Equipamentos

Luana Kato

- Atendimento às especificações do projeto

- Instalações atendendo normas de segurança e higiene

   

- Verificação da adequação do currículo ao perfil da função.

- Conhecimento da manipulação correta dos equipamentos

Funcionários

contratados

Luana Kato

- Conhecimento das normas de segurança, higiene e saúde no trabalho

- Recebimento de todo treinamento adequados para a função

- Verificação dos contratos

   

- Finalização de todas as atividades do projeto

Aceitação final

Alessandro Dantas

- Atendimento ao escopo

CONTROLE DA QUALIDADE
CONTROLE DA QUALIDADE

CONTROLE DA QUALIDADE

CONTROLE DA QUALIDADE

As principais ferramentas para controlar a Qualidade do Projeto, Analisar os resultados e Tomar decisões para atuar com medidas preventivas ou corretivas serão:

Diagramas de Pareto

Inspeções

Cartas de Controle

Testes de aferição de equipamentos

Pesquisa de satisfação

Avaliações

AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES
AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES

AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES

AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES
AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES
AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES
AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES

AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES

AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES
AQUISIÇÕES E CONTRATAÇÕES
ILUSTRAÇÃO DE AQUISIÇÕES
ILUSTRAÇÃO DE AQUISIÇÕES

ILUSTRAÇÃO DE AQUISIÇÕES

ILUSTRAÇÃO DE AQUISIÇÕES
ILUSTRAÇÃO DE AQUISIÇÕES

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS Organograma do Projeto
PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS Organograma do Projeto
PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS Organograma do Projeto

Organograma do Projeto

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS Organograma do Projeto
PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

Comitê Executivo do Projeto

RESPONSÁVEL

ATRIBUIÇÃO

ALESSANDRO DANTAS

GERENTE DO PROJETO

LUANA KATO

PLANEJAMENTO

JOSÉ CÉSAR CRUZ

SUPRIMENTOS

GUILHERME PEREIRA

MARKETING

FÁBIO LUIZ SILVA

FINANCEIRO

LEANDRO SOUZA

COMUNICAÇÃO

LEO JACQUES FRANQUILIM

QUALIDADE

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

Matriz de Responsabilidades do Projeto

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS Matriz de Responsabilidades do Projeto
PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS

Recursos Humanos do Produto do Projeto

       

FAIXA

CARGO

QTD

PERFIL

ATIVIDADES

SALARIAL

   

Jovem do sexo feminino, boa aparência,

   

CAIXA

02

habilidades com números e segundo grau completo

Recebimento de pagamentos e fechamento de caixa no fim do expediente

R$1.200,00

ATENDENTE

04

Jovem do sexo feminino ou masculino, boa aparência e boa dicção e agilidade

Atendimento no balcão e servir as mesas

R$ 900,00

ATENDENTE

 

Jovem do sexo feminino ou masculino, boa aparência e facilidade de aprendizagem

Preparo de cafés especiais e alimentos prontos

 

ESPECIALIZADO

02

R$ 900,00

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

Diretório da Equipe do Projeto

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES Diretório da Equipe do Projeto
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

Eventos de Comunicação:

•Kick-off Meeting •Controle de Mudanças •Andamento do Projeto •Evolução Executiva do Projeto •Definição do Sistema de Distribuição e Controle da Informação •Implantação do Sistema de Distribuição e Controle da Informação •Treinamento de Segurança •Encerramento do Projeto •Entrega do Projeto

EVENTOS DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO
EVENTOS DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO

EVENTOS DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO

EVENTOS DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO
EVENTOS DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

Gerenciamento de Documentação do Projeto

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES Gerenciamento de Documentação do Projeto
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES
GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES

Relatórios do projeto

•Estrutura analítica do projeto;

•Diagrama de Rede;

•Acompanhamento do tempo do projeto (prazos);

•Diagrama de marcos;

•Desempenho do projeto físico e financeiro – análise de valor agregado;

•Sistema de controle de mudanças – Registros (Escopo, Prazo, custo e qualidade).

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Sponsor Fluxograma de Gerenciamento de Riscos.

Sponsor

Fluxograma de Gerenciamento de Riscos.

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
VERBA DE CONTINGÊNCIA
VERBA DE CONTINGÊNCIA

VERBA DE CONTINGÊNCIA

VERBA DE CONTINGÊNCIA
VERBA DE CONTINGÊNCIA
OBRIGADO !!

OBRIGADO !!