Você está na página 1de 13

Teste de avaliação 1

Ve r s ã o A

No me

_

N.O

_

T urma

_

D ata

_

Aval ia ç ã o

_

Professor(a )

_

G

rupo I

 

Lê o t e xto seguinte, r e tir ado de uma enc ic lop édia. Se n e c es sá r io , c o nsulta as n otas .

Os elefantes

Das 300 espécies de mamíferos probos c í d eos ' q u e surgi ram s obre a Terra, a o lon g o de muitas eras", sobrevivem hoje apenas duas: o e l e fan t e afri c a no e o asiático. Ambos per -

tencem à fam í lia dos elefantídeos, a mesma d os mamutes e x t intos na época pré - histó- ri c a. As duas espécies apresentam a l gumas di f e r e n ças anató m i c as ", fruto de u ma separa -

terrestre, podendo até à omopla t a. O

elefante a si ático , que vive nas florestas tropic ais , nã o ultrapassa os três met ros. Para além das dimensões imponentes, das grandes or e l h as a abanar e dos enormes dentes, aquilo que mais impressiona no elefante é o seu extr a o rd i nário nariz . Es t e ap ê n-

5 ção que dura há milhões de anos. O elefante afri c ano é o m aio r animal os exemplares que vivem na savana " atingir quatro metros de a ltura

1 0 dice prec i oso , derivado da fusão " do nariz com o lábio sup e r i or, permite - lhe farejar, apal -

par, arranc a r ervas e f olhas e levá - las à boca, tomar b anho, sa lp icar-se de pó e acariciar as crias. Poderá atribuir-se à e x traordinária versatilid a de " da t romba o desenvolvimento da inteligênc ia apresentado pelo el e fante, assim como u ma vi d a social complexa e evoluída. Os elef an tes, como as baleias, podem comun i ca r à dis t â nc ia de quilómetros, graças 15 à capacidade de emitir e captar son s em frequên cia mu ito b aixa. São vegetarianos e,

embora preferindo as gramíneas" , são capazes d e c onsu mir entre 150 e 280 quilos de vegetais por dia.

A pele dos elefantes é esp es s a , mas i sso não cheg a para os pro tege r das p icadas dos insetos e das carraç a s. Os " banhos " de pó e de l ama são indis pe nsáv eis para manter os parasitas à di stâ n c i a .

ervas e folhas, ingerindo

Enciclopédia Pedagógica Universal, Va I . 12 - O Reino Animal, Os Vertebrados,

50

E d. J o r na l d e No tí c ia s, 2002 ( págs . 80 - 8 1 )

1. proboscídeos: orde m de ma míf e r os pro v i d os de tromba, c omo o e l e fante . 2 . eras: perí o d o s . 3. anatómicas: re l ativas à es t rutu r a

dos s er e s vi vo s. 4 . savana: g r a nd e p l a n ície própria do s c lima s trop i cai s . 5 . fusão: j u nção . 6 . versatilidade: f á ci l adaptação a di fe -

re nte s s i tua çõ es . 7. gramíneas: f a mí l i a d e p l a ntas ( a qu e p e rt e n c em

o s c e r e ais ) .

Livro aberto , 5. ° ano - Testes de avaliação

Teste de avaliação 1

Vers ão A

1 . Assinala com )t , de 1 .1 . a 1 . 4. , a opção que completa cada f r ase de acordo com o s en ti do do tex to.

1 .1. Atualmente , as espécies de mamíferos com tromba são

a . 0 300.

b. O duas (os elefantes africanos e os elefantes asiátic o s ) .

c . O três ( os elefantes africanos, os elefantes asiático s e os mamutes ) .

1.2 . A palav r a " fruto " [li nha 4] signif i ca

a

. O consequência .

b

. O descendente.

c. O fe n ómeno .

1. 3 . O n a riz d o ele f ant e é considerado u m " apêndice p r ecios o" [linhas 9- 1 0] , p o rque

a. O é o ú nico animal que o tem.

b. O desempen h a i n ú meras funções .

c. O resulta da junç ão do na ri z com o lábio superior.

1 . 4 . Os elefantes t omam " banhos " de pó e de lama ,

a. O porque t ê m a pele muito espessa .

b. O porque a tro mba lhes pe r mite tomar ban h o .

c. O para que os parasitas não os ataquem .

2. Completa a g r e l ha co m as informações fornecidas pe l o texto .

a. Espécies de elefantes existentes

b. Famíl i a a que pertencem

c. Funções

 

da tromba

d.

Forma de comun i cação

e. Alimentação

Livro aberto, 5.° ano - Testes de avaliação

51

Teste de

avaliação 1

Ve r são A

Grupo 11

Lê , com a te nção , a fábula seg uinte . Se n ecess ário ,

consulta as n otas.

o leão, o elefa nte e júpi te r

o l e ão

era um anima l pod e r os o , c o m muita força e dentes e garras afiados, mas não con-

s

e guia sup or t ar o som d e um galo a can t ar e fugia s e mpre q u e ouvia um. Tinha muita

vergo -

nh a d e s ta única fraqueza e qu eix a v a - se cons t ante mente

a j ú piter' por o ter criado

assim .

Mas Iúpiter n ão tinha p ena n e nhuma

do leão.

5 - D e i -te mui t a força e a ca pa cida d e d e t e defend e r e s com os teus dentes e garra s a f iados -

justi fico u - se Iúpíter. - Se esse é o t eu úni co defeito,

deves dar - te por conte n te.

Mas o leão não se co nform ava" e não conseguia sup o rtar ser assim tão co barde, t anto que

d e s e java morrer .

Foi nest e estado de a l ma q u e ele se encontrou

com o elefante. C on v ersaram durante

1 0 muito t empo

e o leão nã o p ôde de ixar de reparar que

suas e n ormes orelhas . A c a bo u por t er d e perguntar:

o elefante estava s e mpre a aban a r a s

-

O q u e é q u e se passa, ele fant e ? Porque é que estás

sempre a abanar a s o relhas?

O

ele f ante respondeu com voz tr émul a:

-

Estás a ver aquele p eque no inse t o irri t ante a zumbir em redor da min ha cabeça? S e e l e

15

entrar no

meu ouvido estou acab ad o , por isso tenho muito medo dele .

O l e ão ficou estupefacto " e per de u imedia t amente a v ontade de morrer .

- S e o elefan t e enorm e f ica tão p er t urbado por causa de uma coisa tão p equena como u m

ins e to,

e n tão porque é que eu hav e ria de fi car embaraçado"

por ter medo de um galo, que é

m

ui t o m a io r do que um inset o? - mu r murou

para consigo. E a partir desse dia deixou de

20

i ncom odar tanto Iúpíter.

T o d o s temos medo de al gum a c oisa , mas não d e vemos deixar-nos dominar por ele .

F i ona W a ters ( r e co n to ) , As Fábulas de Esopo, C i v ili za ç ão Ed. , 2011 (p ág. 118)

1.1zípiter: o pa i do s d e us es . 2. conformava: acei t ava. 3 . estupefacto: pa s mado ; admirado . 4 . embaraçado: e n ve rgonhado.

In d i ca

1. o qu e p r ovocava

um g r a nde m e d o ao l e ão .

Como

2. se se n t i a o l e ão p or caus a de ss e medo ?

52

Livro aberto, 5.° ano - Testes de avaliação

Teste de avaliação 1

Vers ã o A

3 . Qual era a opinião de Júpiter sobre o problema do leão?

4 . Um encontro com o elefante fo i fundamental para o leão muda r a sua atitude e m r ela ç ão ao medo que o afligia .

4.1 . Expl i ca o raciocín i o do leão que o fez muda r de atitude.

5 . Concordas com a moral idade desta fábula? Indica , pelo menos , um argumen t o para ju stificar a tua posição.

Grupo 111

1 . Observa as palavras s ub l inh adas na frase seguinte:

" O l e ão era um animal podero s o, com muit a fo r ç a e de nt es e garr as afia dos, mas n ã o con -

se guia s u p o r t a r o so m d e um gal o a c a ntar e f u gia

s emp re que o uv i a um." [linh as 1 -2]

Coloca - as no r espet i vo lugar da grelha de acordo com o seu núm ero de sílab a s .

Monossílabos

Dissílabos

Li v ro aberto , 5. ° ano - Testes de avaliação

Tr issí l abos

Pol issílabos

53

Teste de avaliação 1

Versã o A

2. Classifica as palavras sublinhadas nas frases abaixo quanto à acentuação e coloca-as nos respetivos lugares da grelha.

o leão era um animal poderoso, com dentes e g arra s afia do s, ma s nã o cons e g uia sup ortar o som d e um gal o a cantar . Como tinha muita ve r g onh a de sta únic a f ra q ueza, qu ei x a va-se a Iúpiter .

Palavras agudas

Palavras graves

Palavras esdrúxulas

3 . Reescreve o texto seguinte, organizando-o em três parágrafos e colocando os si na is de pontuação adequados.

o leão foi mais uma vez falar com Júpiter e pediu - lhe ajuda-me pois continu o c heio de medo do canto do galo já te disse para deixares de te que i xar respondeu Júpiter

4. Observa os determinantes sublinhados nas seguintes frases :

a . Aquele leão tinha um medo estranho .

b. Estás a ver este inseto a voar à volta da minha cabeça?

c. Às vezes, os nossos medos dominam-nos .

Coloca cada um dos determ i nantes no respet i vo lugar da g r elha , conforme a s ua subclasse .

definidos

artigos

indefinidos

Determinantes

possessivos

dem o nstrativos

5. Assinala com )( a opção que corresponde ao grau do adjet i vo presente na frase :

O leão era o animal mais poderoso da selva.

O

Superlativo absoluto sintético

O

Superlativo relativo de superioridade

O

Superlativo relativo de inferioridade

O

Superlativo abso lut o analítico

54

Livro aberto, 5.° ano - Testes de avaliação

Teste de avaliação 1

Vers ão A

Grupo IV

Imagina que o leão, depois da conversa com o e l efante , r eso l ve u enf r entar o galo que ta n to o assus - tava com o seu canto. Redige o diálogo entre os dois. Respeita a s seguintes i ndica çõ e s:

f t escreve um m í nimo de 140 e um máximo de 200 palavras;

» marca c l aramente os parágrafos ;

, . u sa a pontuação do d i álogo (dois pontos e travessã o o u as pa s );

f t emprega verbos que i nd i quem quem vai falar ou falo u;

<It aprese nt a o te x to com uma caligrafia legível .

Li

v ro aberto. 5 .° ano - Testes de avaliação

55

Teste de avaliação 1

Versão B (NEE)

N

ome

_

N.O

_

Turma

Data

_

 

_

Av alia ç ã o

_

Pro f e ss or (a)

_

 

-----~)

Gru po I

Lê, co m a te nç ã o , a fá b u la segu i nte.

o leão, o elefante e j ú piter

o leão era um a n imal po d e r oso, com m ui ta for ç a e dente s e garras afiad os , ma s não co n - seguia suportar o som de um galo a can t ar e f ugia sempre q ue ouvia um. T i nha muita ver g o- nha desta única fraqueza e q u eixava-se co n stantemente a j ú p í ter! por o t er cr ia do assim. M as Iúpiter não tinha pena ne nhuma do le ão.

5 - Dei - te muita força e a capacidade de te defenderes com os teus dentes e ga rr as afiado s - justif i cou-se júpiter . - S e esse é o teu único d efeito, deves d ar -te por content e . Mas o leão não se c on form a va" e n ão co n seguia suporta r ser assim tão co b ar de ' , tanto que desejava morrer . Foi neste estado de alma " que ele se encontrou com o elef a nte. Co n v e r s a r a m dura n te

1 0 muito tempo

e o leão não pô d e deixar d e reparar q ue

suas enormes orelhas . Acabou por ter de pergunta r:

o el e fante estava s e mpr e a abana r a s

-

O que é que se passa, e l efante? Porque é que e s tás sem p re a abanar a s o r e lha s?

O

elefan t e respondeu com voz trém u la :

-

Estás a ver aquele pe que no inse t o irri t ant e a z umbi r e m redor da mi n ha c abeça ? Se el e

15

entrar n o meu ouvido estou a c abado, por isso tenho muit o medo dele .

O leão ficou estupefacto ' e perdeu ime d i a tamente a von ta de de morre r .

- Se o e l efante enorme fi ca tão pe r turbado " por c ausa d e uma coisa tão pequ en a como u m

inseto , então porque é que eu have r ia d e ficar embaraçad o ? por ter med o d e u m g alo, qu e é muito maior do q u e um ins et o? - murmurou pa r a con s i go . E a partir de sse d i a dei x ou de

20

incomodar tanto júpit e r .

Todos temos m e do de alg u ma coisa, m as não dev e mos deixar-nos d omi na r " po r el e.

Fiona Wate r s (r ecant o) , As F á bul a s d e E sopo , C i v ili z a ção E d . , 20 11 ( pá g . 118 )

1./úpite r : o pa i d o s d e uses .

2. c o nformav a: a c e ita v a.

3. co b a rd e : qu e n ã o t e m c o r age m , m e droso .

4. e s t ado de a lma: e st a do de e s pírit o, d i s po s i ç ã o .

5. estupefacto: pa s mado ; admirad o .

6. pe r tu r bado: e n v e r gonhado , e mba r aça d o.

7. e mbaraçado : en ve r g onhado.

8. domina r: v e ncer .

56

Livro eberio, 5.° ano Testes de avaliação

Teste de avaliaçã o 1

V er s ão B (NEE )

1 . Assinala c om )t , de 1 .1. a 1.4., a opção que completa cada fra s e d e a cor d o co m o sentid o do t e xto.

1.1. N esta hi s tória , há um leão que t inha medo

a . O

de J ú p i te r, o pai dos de us es.

b. O do canto dos galos.

c. O de u m elefante.

1.2. Po r c ausa de s se m edo, o leão sent i a-se

a . O envergonhado .

b.

O p r eoc u pad o.

c.

a b ando n a do .

1.3. Júp i t er era de o p inião que o l eão

a. O t in ha mot i v o para t er a l g u m me d o.

b . O devi a ir co nver sar co m o elefante.

c. O não d ev i a dar i mpo r tâ n c i a àquele medo.

1 . 4. Q ua n do o l eã o c on versou com o elefante, fico u a sa b e r que est e

a. O tinha comi ch ã o nas o r elhas .

b. O t i nha med o d e um inse to.

c. O gos t ava de abanar as or elha s.

2. C ompleta a frase aba i xo com a s p a l avras adequadas, esc o lh endo en tr e a s seg uintes:

[ me do 1 ( passeado 1 [ inseto ) [

envergonhado ) ~

( fa l ado

_

D epoi s de ter

po r ter

com o elefante , o l eã o comp ree n deu d o can to dos

e t in ha medo de u m

~

] [ o r elhudo ) [ eno rme 1

q u e não valia a pe na ficar , pois o elefan te era

3. D iz se gostas t e ou n ã o desta fáb ul a , explicando p orquê.

Livro aberto, 5.° ano - Testes de avalia ç ão

57

Teste de avaliação 1

Versã o B ( N E E )

Grupo 11

1. Observa as palavras sublinhadas na frase seguinte :

o l e ão er a um ani mal p o d eros o , c o m m uita f orça, m as não s up orta v a o u v ir o so m d e u m

galo a ca nt ar e fugia s emp r e qu e o u v i a um .

Coloca as palavras sublinhadas n o respet i vo lugar da g re l ha de acor d o co m o s e u n úmero de s ílabas.

Monossílabos

Dissílabos

T ri ss íl abos

Poli ss íl abos

(

1 sílaba)

(2 sílaba s )

( 3 sí labas)

(mais d o qu e 3 sílab a s )

2. C lassi f ica as palav r as sublinhadas n as f r ases abai x o q ua n to à ac ent u ação e c oloca-as n o s r espe tivo s

l ugares d a g r elha.

o leão era um

a nima l p o de ros o, mas nã o suporta v a o ca nto dos ga l os. Como t i nha m uita

v ergonha desta úni ca fr a q uez a , qu e ixava - se a Iúpiter .

Palavras agudas

Palavras graves

Palav ras esdrúx u l as

3 . Coloca os sinais de p ontuação adequados nos quad r ados em b ranco.

O leão foi ma i s uma ve z fa lar com J úpiter e ped i u-lhe O

O

Ajuda - me O pois continuo com medo do canto d o galo O

O

Já te disse para dei x ares de te queixar O r espon d eu J ú pit e r O

4 . Completa as frases com o determinante indicado en tr e p a rênt eses :

a.

(artigo

indefinido) leão não supo r tava

b. O elefante perguntou ao leão : " Estás a ver

( possessivo) cabeça? "

5. Acrescenta um adjeti vo à frase seguinte:

O leão e r a o animal mais

58

da selva .

(artig o defini do ) c a nt o do ga lo.

( d emo n strat iv o ) inse to a voar à vo lta da

Livro a b erto , 5.0 ano - Testes de avaliação

T e s te de ava li ação

1

Grupo 111

V ersão B (NEE)

Imagina que o leão foi conv e rsar com o g a lo para l he pedir q u e c antasse ba i x in h o. Red i g e o diál ogo

e n t r e os dois. Respeita as segui ntes indicações:

( li escreve entre três e cinco falas;

(li marca claramente os parágr a fos;

'" u sa a pontuação do diálogo (dois pontos e travessão) ;

' . apresen t a o t exto com uma cal i g r afia legível .

Li v ro aberto, 5. ° ano - Testes de avaliação

5 9

T este de a v alia ç ã o

Grupo I

1

1 .1. b . ; 1.2 . a.; 1.3. b. ; 1.4. c.

Versão A

2. a. "o el e fan t e africano e o a si á tico. " [I. 2]

b. " fa m í li a d o s elefantídeos " [I. 3]

c. " Es te a pê n dice [

] perm i te - lhe fare j a r , ap al p a r ,

arra n c a r ervas e folhas e l ev á-Ias à boca, toma r

b a nho, sa lpi c a r - se de pó e a cariciar as cr ia s . " [11. 9 -1 2]

d. "pod e m c o m u nic a r à distâ ncia de q ui l ómetr o s , gr a ç as à ca pacidade de em iti r e capta r s on s em

f r e qu ê nc ia m ui to baixa . " [11. 14-15]

e. "S ão v e g eta ri a nos"; prefe r e m " as gram ín eas "; "s ão

c a paz e s de consumir erva s e folhas , ing erin d o entre

150 e 28 0 q ui l os de vege t a i s por dia ." [11. 15 - 1 7 ]

Grupo 11

1.

O l eão t in h a medo do canto d os g alo s.

2.

O l eão s e nt i a - se

tão envergo n h a d o qu e até qu er i a

m

o rrer .

3 . Júpi t er ente n dia

que o leão não devia queix a r-se , p o i s

ele tinha - l h e dado qua l idades bem mais i mp o rt a nt es do que aque l e pequeno medo .

4.1. O l e ão pen s ou que, se o e l ef ante , qu e era t ã o

g r ande , ti n ha medo de um a nimal t ã o pequ e n o (o

in

se to), en tã o e l e não dever i a enve r g onha r-s e d e t er

m

e do de um animal maior (o galo ) .

Grupo 111

1. Monossílabos: n ão , som, q ue . Dissíl a bos: le ão , m ui ta, gar ras . Trissílabos: a n i ma l , suport ar , f ug i a . Polissílabos: po d eroso , afia dos , co n s egu i a .

2. Palavras aguda s : l eã o, animal, suport ar .

P

ala vras g ra ves: p od eroso, a fiados , ti nha .

P

a lavras e s drúxulas: única , . Jú pite r,

3. O l eã o fo i , mais uma vez, fal ar com Jú p i ter e p e diu- l h e:

-

Aj

ud a-m e , po i s c on tinuo chei o de m edo d o ca n to

d

o galo !

-

Já te dis s e par a dei x ares de t e quei xar - r espo nd e u

. J ú p i te r,

4 . a r t i go d ef ini d o: o s.

ar t igo indefi ni d o : um.

po sse s si vo: m in h a, n o s sos. demonstrati v o: A q u e l e, est e .

5. [2] S up erlativo re l ati v o d e su perioridad e

60

Teste de avaliação 1 . Soluções

Teste de avaliação 1

Grupo I

Versão B (NEE)

1.1

. b. ; 1 . 2 . a. ; 1.3. c. ; 1.4. b .

2.

falado , e nv ergonhado , med o , galos , enorme , inseto .

G

r upo 11

1.

Monossílabos: não , som , q ue . Dissílabos: leão , força , ouv ir . Trissílabos: an i ma l , fugia .

Polissílabos: poderoso, supor tava.

2.

Palavras agudas: leão , anima l .

Palavras graves: poderoso , tin ha . Palavras esdrúxulas: única , . J úp l te r ,

3.

O le ã o foi ma i s uma vez fal ar c o m Júpiter e pediu - lhe :

- Aj u da-me , pois conti n uo com me do do ca nt o do

ga l o! /.

- Já te disse par a dei xa res de te q uei x ar - re s pondeu

. lúpiter.

4. a. Um , o ; b. este , minha .

5. Por exemplo: poderoso , f o rte .

Livro aberto, 5.° ano - Testes de avaliação

r -

:::::

o

o- i )

~

()l

o

ll. l

::J

o

I

rol

(f)

m

(f)

Q

(!)

l l .l

!?2 <

ro'

t

-o

o

O)

- L

( LAB5DP- TAVAL (c) Porto Editora , '""", J
(
LAB5DP- TAVAL (c) Porto Editora
,
'""",
J
i"P;""''''''''' "
i
~
Teste 1 V e rsão A
j:!:
.E
o
:::I
:::I
1.
2.
1.
2.
3.
4.1.
5.
1 .
2.
3 .
4.
5.
t -
oo
00
Data
5. 0
,-
12
8
5
5
6
7
7
50
6
4
5
3
2
20
30
100
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

mt

IJI

s

o

(1)

til

<

til

roO

0 0

til'

o

•.

G')

(ll

:s=

til

IJI

o

(1)

o

o

(ll
00

til'

o

(1)

o

•. o

til

0 0

O.

(1)

(f)

Teste de a valiação 1 . Grelhas de correção e cotações

J o ~ o , o • o o o M • ~ o ~
J
o
~
o
,
o
o
o
o
M
~ o
~ N
::l
cn
,
Lri
.,f
'<I'
o
o
M
C'Ii
M
:
li)
I
o
li)
::l
cn
M
co
:I
:J
co
C'Ii
,
( ~
:
'<I'
N
W I
U
z.
fi
o
'
til
cn
~
cn
o
.;;:
T-
-
'ra
.•
Q)
c:
ra
e
ti)
.•
ra
E
E
ra
?!.
o
~
c
o