Você está na página 1de 2

Resenha Aspectos da literatura brasileira Amor e medo, de Mario de Andrade

Com a chegada do perodo romntico no Brasil, vai por terra a organizao


social e tem incio a incompletude subjetiva dentro da literatura. Incompletude esta em
todos os mbitos ficcionais da vida dos personagens. O amor, talvez parte fundamental
s criaes dos escritores, aparece tambm como objeto central de algumas obras. Junto
a isso, o medo de amar e tantas outras facetas ligadas a essas relaes aparecero em
trabalhos de Casimiro de Abreu ou lvares de Azevedo, por exemplo, citados em
Aspectos da literatura brasileira, de Mario de Andrade.
A partir de excertos de textos, Mario de Andrade constri uma linha tnue de
anlise do papel do amor (e aqui entram sexual, fraternal ou at o medo de amor) como
pontos em comum (ou no) entre os escritores. De maneira clara e objetiva, decreta (e
soa engraado em alguns momentos) que, pelo fato de os autores morrerem cedo a seu
tempo, no foi possvel que alguns deles conhecessem o amor (em qualquer de seus
lados, como apontado acima).
Se o medo (ou fobia, como cita Andrade) do amor-sexo, est presente na obra de
lvares de Azevedo, esse mesmo sentimento traduzido em imagens por Mike Nichols
em The Graduate, de 1968, belo filme no qual mostra o nervosismo frente ao sexo e,
ento, pelo amor. Mario de Andrade tambm cita, ao incio de Amor e medo que:
[...]A imagem do rapaz morto est entre as pouco humanamente penosas[...], o que faz
com que me parea impossvel no lembrar de Werther, quando este junta a morte
prematura e o amor (causa do suicdio).
verdade que a falta de experincias reais de amor influenciem negativamente
construo/narrao de um ficticiamente. Contudo, como o prprio Andrade diz quando
refuta que Azevedo tenha vivenciado um amor, possvel apenas pela criao artstica
do autor fazer nascer algo que se assemelhe, mesmo que de longe, a um amor.
Como quase todos os escritores anteriores ao sculo XX, a figura da mulher
aparece no s tica masculina e patriarcal, mas tambm estereotipada. Muitas vezes,
mulheres so comparadas a crianas (como Nietzsche fez), ou como anjos (quela
figura de luz de Beatriz, em A Divina Comdia). Era difcil ver personagens como a
querida Moreninha, que fugia um pouco (bem pouco) do padro social, pois alm de
morena, era irreverente, esperta e jamais curvava-se a algum homem (at ao desfecho,
quando casa-se com Augusto), quando o crculo de felicidade feminina fechado no
matrimnio.
Medo de amar, medo do desengano ou da ingratido, como Mario de Andrade
pontuou Castro Alves em certo momento, existiram e existiro em nossas vidas. Sendo
assim, se refletiro no romances e vice-versa. impossvel saber se tais autores
colocavam, de fato, sua vida pessoal em seus escritos. No entanto, fica a curiosidade e a

certeza de que jamais saberemos, afinal, com o romance, chegou o tempo em que eulrico e escritor so, deveras, separados.

Rodrigo E. Mendes

Você também pode gostar