Você está na página 1de 41

Banco Santander (Brasil) S.A.

Resultados 2009
Pro Forma IFRS
04 de fevereiro de 2010

1
ÍNDICE

Resumo Dados do Período 3

Destaques do Período 4

Ratings 6

Ambiente Macroeconômico 7

Eventos 2009 8

Sumário Executivo 10

Resultados do Santander no Brasil 11


Conta de Resultados 11
Balanço Patrimonial 15

Gestão de Riscos 19

Desenvolvimento Sustentável e governança corporativa 21

Resumo balanço e demonstrações financeiras 22

Anexos - informações financeiras adicionais não auditadas

23

2
resumo dados do perÍODO

NOTA PRELIMINAR

Neste press release, anexamos informações financeiras adicionais não auditadas. As demonstrações financeiras completas auditadas
do ano de 2009 estarão disponíveis até o dia 30 de abril de 2010.

Os comentários a seguir são baseados nos resultados consolidados do Banco Santander (Brasil) S.A., preparados de acordo com
o IFRS (International Financial Reporting Standards).

Como consequência da consolidação do Banco Real a partir de agosto de 2008, os resultados operacionais do Banco Santander
(Brasil) S.A. para os períodos de doze meses encerrados em 31 de dezembro de 2008 e 2009, respectivamente “2008” e “2009”,
não são diretamente comparáveis. Portanto, a fim de possibilitar uma análise mais adequada dos desenvolvimentos dos negócios
do Banco, as tabelas desse comentário de desempenho contém informações pro forma para o período de doze meses de 2008, como se
o Banco tivesse consolidado o Banco Real a partir de 1º de janeiro de 2008.


RESUMO DADOS DO PERÍODO 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
2009x2008 4T09x3T09

RESULTADOS (R$ milhões)


Margem de juros líquida 22.167 19.231 15,3% 5.850 5.656 3,4%
Comissões Líquidas 6.238 5.866 6,3% 1.666 1.556 7,1%
Despesas de Provisão para Crédito de Liquidação Duvidosa (10.520) (7.240) 45,3% (2.275) (3.101) -26,6%
Despesas Administrativas e de Pessoal (10.947) (11.532) -5,1% (2.893) (2.674) 8,2%
Lucro líquido 5.508 3.913 40,8% 1.591 1.472 8,1%

BALANÇO PATRIMONIAL (R$ milhões)
Ativo total 315.973 294.190 7,4% 315.973 306.235 3,2%
Títulos e valores mobiliários 80.616 50.921 58,3% 80.616 76.541 5,3%
Carteira de crédito¹ 138.394 136.039 1,7% 138.394 132.949 4,1%
Pessoa física 43.352 39.153 10,7% 43.352 42.405 2,2%
Financiamento ao consumo 24.627 24.757 -0,5% 24.627 24.225 1,7%
Pequenas e médias empresas 32.417 34.289 -5,5% 32.417 31.029 4,5%
Grandes empresas 37.998 37.839 0,4% 37.998 35.290 7,7%
Captações de clientes 143.672 149.534 -3,9% 143.672 152.367 -5,7%
Patrimônio líquido 69.266 49.837 39,0% 69.266 55.666 24,4%
Patrimônio líquido excluindo ágio2 40.954 22.349 83,2% 40.954 27.354 49,7%

INDICADORES DE DESEMPENHO (%)
Retorno sobre o patrimônio líquido – anualizado 9,8% 10,3% -0,5 p.p. 10,0% 11,5% -1,5 p.p.
Retorno sobre o patrimônio líquido excluindo ágio2 - anualizado 19,3% 16,8% 2,6 p.p. 18,0% 25,3% -7,3 p.p.
Retorno sobre o ativo médio – anualizado 1,8% 1,5% 0,4 p.p. 2,0% 2,0% -
Índice de Eficiência3 35,0% 44,1% -9,1 p.p. 36,8% 33,7% 3,1 p.p.
Índice de Recorrência4 57,0% 50,9% 6,1 p.p. 57,6% 58,2% -0,6 p.p.
Índice de Basiléia excluindo ágio2 25,6% 14,7% 10,9 p.p. 25,6% 17,8% 7,8 p.p.

INDICADORES DE QUALIDADE DA CARTEIRA (%)
Índice de Inadimplência5 - IFRS 7,2% 5,7% 1,5 p.p. 7,2% 7,7% -0,5 p.p.
Índice de Inadimplência6 (acima de 90 dias) - BRGAAP 5,9% 3,9% 2,0 p.p. 5,9% 6,5% -0,6 p.p.
Índice de Inadimplência7 (acima de 60 dias) - BRGAAP 6,8% 5,0% 1,8 p.p. 6,8% 7,7% -0,9 p.p.
Índice de Cobertura8 101,7% 105,8% -4,1 p.p. 101,7% 101,0% 0,7 p.p.

OUTROS DADOS
Ativos sob administração - AUM (R$ milhões) 98.407 80.402 22,4% 98.407 93.114 5,7%
Nº de Cartões de Crédito e Débito (mil) 33.337 29.743 12,1% 33.337 32.126 3,8%
Agências 2.091 2.083 0,4% 2.091 2.090 0,0%
PABs 1.502 1.503 -0,1% 1.502 1.508 -0,4%
Caixas eletrônicos 18.094 18.120 -0,1% 18.094 18.081 0,1%
Total de Clientes (mil) 22.240 20.918 6,3% 22.240 22.007 1,1%
Total de Correntistas Ativos9 (mil) 10.240 9.831 4,2% 10.240 10.054 1,8%
Funcionários 52.457 54.109 -3,1% 52.457 52.108 0,7%

1
Carteira de Crédito de Clientes (Gerencial).
2
Ágio apurado na aquisição do Banco Real e da Real Seguros Vida e Previdência.
3
Eficiência: Despesas Gerais/Total das Receitas. O índice de eficiência excluindo o Hedge de Cayman para os períodos de 12M08, 12M09, 4T09 e 3T09 seriam respectivamente:
43,1%, 36,3%, 37,2% e 35,2%.
4
Comissões líquidas / Despesas gerais.
5
Operações vencidas há mais de 90 dias mais créditos normais com alto risco de inadimplência / carteira de crédito gerencial
6
Operações vencidas há mais de 90 dias / carteira de crédito em BRGAAP.
7
Operações vencidas há mais de 60 dias / carteira de crédito em BRGAAP.
8
Provisões de Crédito de Liquidação Duvidosa / operações vencidas há mais de 90 dias mais créditos normais com alto risco de inadimplência.
9
Clientes com movimentação de depósito à vista no período de 30 dias, segundo o Banco Central do Brasil.

3
DESTAQUES DO PERÍODO

RESULTADOS

O lucro líquido apurado pelo Banco Santander totalizou R$5.508 milhões no ano de 2009, um crescimento de 41%
(ou R$1.595 milhões) em relação aos R$ 3.913 milhões registrados no ano de 2008.
 celeração do ritmo de crescimento do lucro líquido: Variação interanual 6M09/6M08: 13%; 9M09/9M08: 30% e
A
2009/2008: 41%.
 iferencial de crescimento interanual das receitas totais (excluindo o hedge de Cayman) e gastos no acumulado de doze meses, de
D
17,8 pontos percentuais:
− Receita total (excluindo o hedge de Cayman) cresce 12,7% em doze meses
− Despesas Gerais caem 5,1% em doze meses, com captura de sinergias

INDICADORES

Melhora nos indicadores de Gestão em doze meses (12M09/12M08):


– Eficiência1: 35,0% em 2009, com queda de 9,1 p.p.
– Recorrência2: 57,0% em dezembro de 2009, com crescimento de 6,1 p.p.
– ROE3: 19,3% em 2009, com aumento de 2,6 p.p.
Bons indicadores de Solidez:
– Índice de Basiléia4: 25,6% em dezembro, com aumento de 10,9 p.p. em doze meses (2009/2008)
– Cobertura: 102% em dezembro, com aumento de 0,7 p.p. no trimestre

BALANÇO

Ativos totais de R$ 315.973 milhões, com crescimento de 7,4% em doze meses


Crédito a Clientes cresce 1,7% em doze meses e alcança R$ 138.394 milhões
Depósito de Poupança cresce 22,2% em doze meses, alcançando R$ 25.217 milhões
Patrimônio Líquido de R$ 40.954 milhões (excluindo o ágio4 de R$ 28.312 milhões)

NOSSAS AÇÕES

Ticker na BM&FBOVESPA: SANB11 (unit), SANB3 (ordinária), SANB4 (preferencial)


Ticker na NYSE: BSBR
– Valor Mercado6 em 02/02/2010: R$ 83,6 bilhões
– Valor Mercado6 em 02/02/2010: US$ 45,7 bilhões
– Número de ações em circulação (Mil): 399.044.117
– Lucro Líquido5 por lote de mil ações em 2009:
• Ações Ordinárias - R$ 15,32
• Ações Preferenciais - R$ 16,85

1
Despesas gerais / Total de receitas
2
Comissões líquidas / Despesas gerais
3
Lucro líquido / Patrimônio líquido médio. Exclui o ágio da Aquisição do Banco Real e da Real Seguros Vida e Previdência
4
Exclui o ágio da Aquisição do Banco Real e da Real Seguros Vida e Previdência
5
Lucro Líquido ponderado pela média das ações emitidas (em mil)
6
Valor de mercado: número total de ações (ON+PN) /105 (Unit = 50 PN + 55 ON) x preço de fechamento da Unit (SANB11) em 02/02/2010

4
DESTAQUES DO PERÍODO

Margem Líquida com Juros Comissões Líquidas


R$ milhões R$ milhões
6,3%
15,3%

22.167 6.238
5.866
19.231

2008 2009 2008 2009

Despesas Administrativas e de Pessoal Lucro Líquido


R$ milhões R$ milhões

-5,1% 40,8%
(11.532) 5.508

(10.947) 3.913

2008 2009 2008 2009

Índice de Eficiência1 ROE1


% %

-9,1 p.p. 2,6 p.p.

44,1 19,3
16,8
35,0

2008 2009 2008 2009


1
E xcluindo o Hedge de Cayman para 2008 1
L ucro líquido sobre o patrimônio líquido
e 2009 seriam de: 43,1% e 36,3%. ajustado pelo ágio

Distribuição da Carteira de Crédito


(%) - Dez/09

31%
23%
Pessoa
Pequenas
e Médias Física
empresas

18%
Financiamento 28%
ao consumidor Grandes
Empresas

5
RATINGS

O Santander é classificado por agências internacionais de “rating”


e as notas atribuídas refletem seu desempenho operacional e a
qualidade de sua administração.

RATINGS
AGÊNCIA DE RATING LONGO PRAZO CURTO PRAZO

Fitch Ratings Escala Nacional AAA (bra) F1+ (bra)


Moeda Local BBB+ F2
Moeda Estrangeira BBB F2

Standard & Poor’s Escala Nacional brAAA brA-1


Moeda Local BBB- A-3
Moeda Estrangeira BBB- A-3

Moody’s Escala Nacional Aaa.br Br-1


Moeda Local A2 P-1
Moeda Estrangeira Baa3 P-3

6
Ambiente Macroeconômico

Os indicadores econômicos recentes confirmaram a continuidade Quanto às reservas internacionais, a manutenção dos volumes em
do crescimento econômico. A melhora em relação às restrições do patamares elevados, também tem contribuído para uma melhor
crédito, a redução nas taxas de juros e principalmente a melhora da percepção em relação ao Brasil. Até dezembro de 2009 as reservas
confiança dos empresários são sinais de que a crise ficou para trás. totalizaram US$ 239 bilhões.

O PIB do terceiro trimestre de 2009, divulgado em dezembro, Em relação ao Sistema Financeiro, o volume do crédito total segue
apresentou aumento de 1,3% em relação ao trimestre anterior. em trajetória de recuperação, com destaque para o crédito pessoal.
O desempenho continua a mostrar a recuperação da indústria, Em dezembro a relação crédito/ PIB alcançou 45,0%, maior nível
mas o fraco desempenho do setor agropecuário comprometeu em mais de 15 anos de série.
o crescimento. O grande destaque, no entanto, é a recuperação
O crédito a pessoas físicas mantém trajetória de recuperação, que
do investimento, com crescimento de 6,5% em relação ao trimestre
pode ser explicada tanto pelas menores taxas de juros, como pela
anterior. No mercado de trabalho, a taxa de desemprego atingiu
melhora nas expectativas. O crédito consignado continua sendo
6,8% em dezembro, continuando sua trajetória de recuperação
o destaque na carteira pessoa física (principalmente por seu volume
iniciada após março, quando atingiu seu pico na crise, de 9,0%.
e pela qualidade de carteira), mas o crédito imobiliário também
A inflação manteve trajetória positiva e encerrou 2009 em 4,3%. chama a atenção, pelas robustas taxas de crescimento que vem
O preço baixo dos alimentos e a ociosidade da indústria apresentando. As operações destinadas à pessoa jurídica começam
contribuíram para que a taxa Selic continuasse até o fim de 2009 a dar sinais de recuperação, contribuindo positivamente para
no seu patamar mais baixo, de 8,75%. o aumento das concessões de crédito livre. Os prazos médios
reduzidos, que indicam que as empresas estão tomando pouco
Quanto ao desempenho das contas externas, o saldo do balanço de
crédito para investimentos, e o patamar da inadimplência,
pagamentos acumulado em doze meses até dezembro, apresentou
no entanto, ainda são indicadores de que o cenário não está
melhora, principalmente pela entrada de capital financeiro, um
totalmente normalizado.
forte sinal de melhora da confiança na economia brasileira.
De maneira geral, a solidez da economia e do sistema financeiro
Esse movimento tem sido um dos fatores que vem mantendo a
foram fundamentais para minimizar os efeitos da crise no Brasil.
valorização do Real, que ao final do quarto trimestre de 2009,
A manutenção de bons fundamentos terá papel relevante no novo
registrou valorização de 2,0%, em relação ao trimestre anterior,
ciclo de recuperação da economia. Este ambiente tende a contribuir
sendo cotado a R$ 1,74/US$.
para a expansão do volume dos negócios no setor bancário.


ÍNDICES ECONÔMICO-financeiros 4T09 3T09 4T08

Risco país (EMBI) 197 234 428


Câmbio (R$/ US$ final) 1,74 1,78 2,34
IPCA (em 12 meses) 4,30% 4,30% 5,90%
Taxa Selic - Meta (a.a.) 8,75% 8,75% 13,75%
CDI¹ 2,09% 2,18% 3,32%
Taxa referencial (TR)¹ 0,03% 0,11% 0,63%
Ibovespa (em pontos/fechamento) 68.588 61.518 37.550

¹ Taxa efetiva no trimestre

7
Eventos 2009

Oferta Pública de Units emissão das seguintes sociedades: Companhia Brasileira de Meios de
Pagamento – Visanet; Companhia Brasileira de Soluções e Serviços;
Na reunião do Conselho de administração, realizada em 18 de
Serasa S.A.; Tecnologia Bancária S.A.; e Visa Inc.
setembro de 2009, foi aprovada a realização da Oferta Global, com
a emissão de 525.000.000 de Units, todas nominativas, escriturais, Alocação de Recursos adicionais à Agência Cayman
sem valor nominal, livres e desembaraçadas de quaisquer ônus ou
No dia 24 de dezembro de 2009 foi aprovada pelo Banco Santander
gravames, representativas cada uma de 55 Ações Ordinárias e 50 Ações
(Brasil) S.A. a alocação de recursos adicionais à Agência Cayman, no
Preferenciais, todas nominativas, escriturais e sem valor nominal, livres
valor de US$ 2.000.000.000,00, passando o capital social de referida
e desembaraçadas de quaisquer ônus ou gravames, com distribuição
agência de US$ 1.614.266.965,28 para US$ 3.614.266.965,28.
pública primária simultânea de (i) Units no Brasil (Oferta Brasileira), em
Referido aumento tem por objetivo viabilizar o planejamento
mercado de balcão não-organizado, nos termos da Instrução CVM
estratégico do Banco Santander previsto para a Agência Cayman, de
400/2003, e (ii) Units no exterior, incluindo sob a forma de ADRs,
forma a suportar o crescimento de ativos, o vencimento de emissões
representativos de ADSs com registro na U.S. Securities and Exchange
e linhas, melhorar o perfil e liquidez estrutural da agência e aumentar
Commission (SEC), em conformidade com a Securities Act of 1933 dos
o volume de repasses sob a forma da Resolução nº 2770, do Banco
Estados Unidos da América. Na mesma reunião, foi aprovada a listagem
Central do Brasil.
do Banco Santander e a negociação de Units, das ações ordinárias e
ações preferenciais de sua emissão no Nível 2 de Práticas Diferenciadas Reestruturação Societária
de Governança Corporativa da BM&F BOVESPA. A reestruturação societária permite a unificação das atividades
Em 6 de outubro de 2009, foi fixado o preço da Oferta Global de ações em e a simplificação da estrutura do Grupo Santander Brasil, com a
R$ 23,50 por Unit. As Units passaram a ser negociadas na BM&FBOVESPA consequente redução de custos administrativos, especialmente
e na Bolsa de Nova Iorque (NYSE) a partir de 7 de outubro de 2009. aqueles relacionados às obrigações legais e contábeis. Seguem abaixo
Em 14 de outubro de 2009, o Banco Central homologou o aumento do os eventos de Reestruturação Societária ocorridos em 2009:
capital social no valor de R$ 12,3 bilhões, referente a Oferta Pública de 30/01/2009 – Incorporação da Cruzeiro Factoring Sociedade
Distribuição Primária de 525.000.000 de Units. de Fomento Comercial Ltda. e Credicenter Empreendimentos e
Em 29 de outubro de 2009, a quantidade inicialmente ofertada foi Promoções Ltda. pela ABN AMRO Administradora de Cartões de
acrescida em 6,85%, ou seja, 35.955.648 Units em decorrência Crédito Ltda.
do exercício parcial da Opção do Lote Suplementar da Oferta 27/02/2009 – Aquisição de 100% das acões de emissão da Real
Internacional. Os aumentos de capital totalizaram R$ 13.182 milhões Capitalização S.A., detidas por ABN AMRO Brasil Dois Paticipações S.A.,
e os custos de emissão de R$ 193,6 milhões foram registrados a pela Santander Capitalização S.A..
debito da conta de reservas de capital.
19/03/2009 – Finalização da aquisição de 50% das ações da Real
Aquisição de Carteira de Créditos do Santander Seguros Vida e Previdência S.A. (nova denominação social da Real
no exterior Tokio Marine Vida e Previdência S.A., em fase de homologação pela
Em 2009, o Banco adquiriu, através da agência Grand Cayman, Susep), detidas pela Tokio Marine Seguradora S.A., pelo o Banco
em condições cumulativas, carteira composta por contratos de Santander (Brasil) S.A. Na mesma data, o Banco Santander (Brasil)
financiamento e crédito à exportação relacionados a operações S.A. vendeu referidas ações para a Santander Seguros S.A., bem
contratadas com clientes brasileiros ou suas afiliadas no exterior, como 100% das ações da ABN AMRO Brasil Dois Participações S.A.
o montante de US$807 milhões no terceiro trimestre de 2009 e (que detinha 50% da Real Seguros Vida e Previdência S.A.) para a
US$1.170 milhões no quarto trimestre de 2009, totalizando US$1.977 Santander Seguros S.A.
milhões no ano equivalente a R$3.442 milhões. 30/04/2009 – Incorporação da Sudameris Distribuidora de Títulos
Alienação de ativos não relacionados às nossas e Valores Mobiliários S.A. pelo Banco ABN AMRO Real S.A. e
atividades principais incorporação do Banco ABN AMRO Real S.A. pelo Banco Santander
(Brasil) S.A., em fase de homologação pelo Bacen.
Em 18 de setembro de 2009, a nossa administração decidiu alienar
à Santusa, sociedade integrante do Grupo Santander com sede
na Espanha, a totalidade das ações de propriedade do Banco de

8
Eventos 2009

29/05/2009 – Incorporação da ABN AMRO Brasil Participações e • Incorporação da Santander Brasil S.A. Corretora de Títulos e Valores
Investimentos S.A. pela ABN AMRO Administradora de Cartões de Mobiliários pela Santander S.A. Corretora de Câmbio e Títulos, em
Crédito Ltda. fase de homologação pelo Bacen.

29/06/2009 – Venda de 51% das ações da Fonet Brasil S.A., detidas 30/10/2009 – Incorporação do Instituto Cultural Banco Real pelo
pela ABN AMRO Administradora de Cartões de Crédito Ltda. para a Santander Cultural.
Fonet Soluções de Telemática Ltda.
30/11/2009 –
30/06/2009 - Venda da totalidade da participação detida pelo Banco • Incorporação da Santander Asset Management Distribuidora
Santander (Brasil) S.A. no capital social da Diamond Finance Promotora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. pela Santander Brasil Asset
de Vendas S.A., correspondente a 2.550 ações ordinárias, para as Management Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A., em
sociedades Edure Administração, Participação e Representação Ltda. fase de homologação pelo Bacen.
e PR Administração e Participações Ltda.
• Incorporação da Santander Brasil Arrendamento Mercantil S.A.
14/08/2009 – Incorporação de ações da Santander Brasil Asset pela Santander Leasing S.A. Arrendamento Mercantil, em fase de
Management Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A., da homologação pelo Bacen.
Santander Seguros S.A. e do Banco Comercial e de Investimento
01/12/2009 – Venda de 99% das ações de emissão REB
Sudameris S.A. pelo Banco Santander (Brasil) S.A.
Empreendimentos e Administradora de Bens S.A., detidas pelo Banco
31/08/2009 – Santander (Brasil) S.A., para a Capital Riesgo Global, SCR de Régimen
• Cisão total da Santander Investimentos em Participações S.A. com Simplificado, S.A.
versão de seu patrimônio para a Santander Advisory Services S.A. e para
Eventos Subseqüentes
o Banco Santander (Brasil) S.A., em fase de homologação pelo Bacen.
a) Associação Getnet
• Incorporação do Banco Comercial e de Investimento Sudameris S.A.
e da ABN AMRO Administradora de Cartões de Crédito Ltda. pelo E m 14 de Janeiro de 2010 - O Banco Santander assinou os instrumentos
Banco Santander (Brasil) S.A., em fase de homologação pelo Bacen. contratuais e societários com a Getnet Tecnologia em Captura e
Processamento de Transações Eletrônicas Hua Ltda. (Getnet), para,
30/09/2009 –
conjuntamente, explorar, desenvolver e comercializar, no mercado
• Incorporação da Real Capitalização S.A. pela Santander Capitalização S.A..
brasileiro, serviços de captura e processamento de transações de
• Incorporação da Real Seguros Vida e Previdência S.A. (nova cartões de crédito e/ou débito. Até o final do primeiro trimestre, serão
denominação social de Real Tokio Marine Vida e Previdência S.A., apresentados os detalhes da associação e seu plano de negócios.
em fase de homologação pela Susep) e da ABN AMRO Brasil
b) Resgate Antecipado CDB Subordinado
Dois Participações S.A. pela Santander Seguros S.A., em fase de
homologação pela Susep. E m 22 de janeiro de 2010, foi realizado o resgate antecipado do CDB
Subordinado, tendo como credor o Banco Santander, S.A. (Espanha),
• Incorporação da ABN AMRO Arrendamento Mercantil S.A. pela
com vencimento original em 25 de março de 2019, no valor de
Santander Leasing S.A. Arrendamento Mercantil, em fase de
R$1.507.000, nos termos da autorização concedida pelo Banco
homologação pelo Bacen.
Central do Brasil em 8 de janeiro de 2010.
• Cisão parcial da Santander Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários
O resgate antecipado teve como objetivo melhorar a estrutura de
S.A. com versão de parcela de seu patrimônio para a Santander S.A.
funding do Banco.
Corretora de Câmbio e Títulos, em fase de homologação pelo Bacen.

9
Sumário EXECUTIVO

Sumário Executivo os crescimentos são de 1,7% e 4,5%, respectivamente.

O ano de 2009 foi um ano de conquistas para o Santander no Brasil. O destaque da evolução do crédito, está no segmento de pessoa física que
Além de termos realizado a maior oferta pública de ações do Brasil, foi cresceu, em doze meses, 10,7% e no trimestre 2,2%, atingindo R$ 43.352
o primeiro ano que operamos com o Banco Santander e o Banco Real milhões em dezembro de 2009. Os produtos que apresentaram maiores
unidos. Com esta união, tivemos a oportunidade de buscar, ao longo crescimentos foram cartões de crédito, consignado e crédito imobiliário.
do ano de 2009, o melhor de cada banco, para juntos, podermos
O total de captações de clientes1 em 2009, incluindo fundos de
oferecer o melhor para nossos clientes.
investimentos, atingiu R$242.079 milhões, com 5,3% de crescimento com
O Santander obteve lucro líquido de R$ 5.508 milhões em 2009, relação ao ano de 2008. No período, os destaques foram a poupança, com
crescimento de 40,8% frente a igual período do ano de 2008. Este crescimento de 22,2% e fundos de investimento, com evolução de 22,4%.
crescimento é maior que o obtido na comparação do 9M09 contra o
PROCESSO DE INTEGRAÇÃO – AVANÇOS IMPORTANTES
9M08, quando o lucro cresceu 30,3%.
O ano de 2009 foi decisivo para o processo de integração. Importantes
No trimestre, o lucro líquido foi de R$ 1.591 milhões, com crescimento de
etapas foram concluídas, o que proporcionou ganhos de sinergias,
8,1% quando comparado com o trimestre anterior (R$ 1.472 milhões).
superando as expectativas inicialmente planejadas.
O patrimônio líquido totalizou em dezembro R$ 40.954 milhões, excluindo
Novos produtos, serviços e funcionalidades foram adicionados no dia-a-dia
R$ 28.312 milhões, referente ao ágio da aquisição do Banco Real e da Real
de nossos clientes. O objetivo foi extrair em todas as etapas do processo,
Seguros Vida e Previdência. O retorno sobre o patrimônio líquido médio
o melhor que cada banco tem a oferecer. Algumas mudanças trouxeram
ajustado pelo ágio atingiu 19,3%, crescimento de 2,6 pontos percentuais
benefícios imediatos aos clientes e, possibilitaram, desde a implantação,
em relação ao retorno atingido em igual período do ano anterior.
a alavancagem dos nossos negócios.
No trimestre tivemos alguns resultados não recorrentes: (1) ganho
O processo de integração segue em linha com o cronograma previsto.
bruto relativo à alienação parcial da Cetip, no valor de R$ 54 milhões,
Ao longo de 2009, houve a conclusão de etapas importantes como a
(2) ganho relativo ao efeito líquido do pagamento de tributos, por
unificação das áreas centrais, banco de Atacado (GB&M), Corporate,
meio do programa de parcelamento e pagamento à vista de débitos
Empresas, Private Banking, integração dos caixas eletrônicos para as
tributários – Lei nº 11941/09 (REFIS), no valor de R$ 207 milhões
principais transações e incorporação jurídica do Banco ABN AMRO Real S.A.
e (3) provisões para contingências diversas para fortalecer o balanço
pelo Banco Santander (Brasil) S.A..
no valor de R$ 207 milhões.
No âmbito de produtos, o lançamento do Santander Master e do Real
Destacamos a evolução da margem líquida com juros, de 15,3% em
Master ainda melhor, foi um marco deste processo, pois conseguiu
doze meses (ou R$ 2.936 milhões), explicada, principalmente, pelo
reunir as melhores idéias, de cada banco, em um único produto
aumento do volume médio do crédito de 12,4%, no mesmo período.
disponibilizado aos clientes de ambos os bancos.
Outro ponto que merece destaque, é a queda de 5,1% nas despesas
Com relação às ações ocorridas ao longo do quarto trimestre,
gerais. Esta evolução é explicada, em grande parte, pela captura de
destacamos principalmente:
sinergias, por meio da preservação das melhores práticas de cada banco.
• Integração das Corretoras;
Os indicadores de gestão e de solidez mostram evolução favorável:
• Unificação dos modelos de atendimento, reduzindo o envolvimento
- Indicadores de Gestão: a eficiência atingiu 35,0% em 2009, da agência nas rotinas operacionais;
com queda de 9,1 pontos percentuais quando comparado com • Incorporação jurídica da Asset Management e Leasing;
igual período de 2008; a recorrência (comissões líquidas / despesas • Compartilhamento da oferta de produtos nas duas redes, a exemplo
gerais) alcançou 57,0%, com aumento de 6,1p.p. em doze meses e do Cartão Flex;
ROE (ajustado pelo ágio) cresceu 2,6 pontos percentuais, no mesmo • Oferta dos serviços Van Gogh para os clientes alta renda do Santander;
período de comparação, atingindo 19,3%. • Unificação dos centros administrativos na Torre Santander, com início
- Indicadores de Solidez: o índice de Basiléia em dezembro em novembro de 2009 e previsão de término para fevereiro de 2010;
alcançou 25,5%, com crescimento de 10,8 pontos percentuais em • Definição do Modelo Comercial e implantação de um jeito único
doze meses. Já o índice de cobertura atingiu 102% em dezembro, de atuar, focado em maior relacionamento com clientes, eficiência
mantendo-se praticamente estável no trimestre. comercial e equilíbrio entre resultado, produtividade e qualidade;
• Plataforma única na oferta de seguros (acidentes pessoais,
A carteira de crédito em doze meses cresceu 1,7%. Esta evolução
residencial e seguro auto), com ampliação de seguradoras parceiras
é explicada, por um lado, pela menor demanda por crédito no
(Marítima e SulAmerica).
segmento de pessoa jurídica, e por outro, pela variação cambial, que
afetou nossa carteira em moeda estrangeira. A partir de agora, estaremos focados em finalizar a implantação de gaps e
projetos, para possibilitar o planejamento e organização dos testes prévios
No quarto trimestre de 2009, o crédito mostrou sinais de recuperação,
à migração total dos sistemas, concluindo assim, o processo de integração
crescendo 4,1% quando comparado com o trimestre anterior. A
com a unificação total das redes.
recuperação do ritmo de crescimento dos segmentos de financiamento
ao consumo e de pequenas e médias empresas é evidente: no trimestre,
1
Inclui poupança, depósito à vista, depósito a prazo, debêntures, LCA e LCI

10 9
Resultados do Santander no Brasil

Conta de Resultados
demonstração
de RESULTADOS 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
(R$
milhões) 2009x2008 4T09x3T09

Margem líquida com juros 22.167 19.231 15,3% 5.850 5.656 3,4%
Resultado de renda variável 30 39 -23,1% 8 7 14,3%
Resultado de equivalência patrimonial 295 305 -3,3% 5 33 -84,8%
Comissões líquidas 6.238 5.866 6,3% 1.666 1.556 7,1%
Receitas de tarifas e comissões 7.148 6.849 4,4% 1.888 1.797 5,1%
Despesas de tarifas e comissões (910) (983) -7,4% (222) (241) -7,9%
Ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros (líquidos) +
diferenças cambiais 2.665 777 243,0% 390 578 -32,5%
Outras receitas (despesas) operacionais (116) (75) 54,7% (59) 106 n.a.
Total de receitas 31.279 26.143 19,6% 7.860 7.936 -1,0%
Despesas gerais (10.947) (11.532) -5,1% (2.893) (2.674) 8,2%
Despesas administrativas (5.436) (5.858) -7,2% (1.423) (1.345) 5,8%
Despesas de pessoal (5.511) (5.674) -2,9% (1.470) (1.329) 10,6%
Depreciação e amortização (1.249) (1.236) 1,1% (265) (339) -21,8%
Provisões (líquidas)¹ (3.481) (1.702) 104,5% (482) (1.190) -59,5%
Perdas com ativos (líquidas) (10.868) (6.655) 63,3% (2.125) (3.844) -44,7%
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa² (9.983) (6.573) 51,9% (2.148) (3.008) -28,6%
Perdas com outros ativos financeiros (líquidas) (885) (82) n.a. 23 (836) n.a.
Ganhos líquidos na alienação de bens 3.403 54 n.a. 34 2.280 -98,5%
Lucro líquido antes da tributação 8.137 5.072 60,4% 2.129 2.169 -1,8%
Impostos sobre a renda (2.629) (1.159) 126,8% (538) (697) -22,8%
Lucro líquido 5.508 3.913 40,8% 1.591 1.472 8,1%

1
Inclui provisões para contingências trabalhistas, cíveis e fiscais.
2
inclui recuperações de créditos baixados como prejuízo.

A margem líquida com juros no ano de 2009 alcançou Margem Líquida com Juros
R$ 22.167 milhões, um aumento de 15,3% ou R$ 2.936 milhões em (R$ milhões)
comparação aos R$ 19.231 milhões do mesmo período do ano anterior. 5.656 5.850
5.384 5.172 5.489
O avanço foi resultado principalmente da expansão do volume médio
de crédito de 12,4%, em doze meses. No quarto trimestre, a margem
líquida de juros apresentou crescimento de 3,4% em relação ao terceiro
trimestre de 2009. A queda apresentada no resultado com crédito
devido a efeito sazonal foi mais que compensada pelo incremento nos
resultados de recursos livres e outros, oriundos, principalmente, dos
recursos da Oferta Pública de Ações do Santander.
4T08 1T09 2T09 3T09 4T09


Margem líquida com juros (R$ milhões) 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
2009x2008 4T09x3T09

Créditos 16.880 14.832 13,8% 4.110 4.225 -2,7%


Volume médio 133.878 119.157 12,4% 132.844 132.184 0,5%
Spread 12,6% 12,4% 0,2% 12,3% 12,7% -0,4%
Depósitos 921 1.007 -8,5% 216 213 1,4%
Volume médio1 103.319 98.323 5,1% 99.627 102.334 -2,6%
Spread 0,9% 1,0% -0,1% 0,9% 0,8% 0,0%
Recursos livres e outros 4.366 3.392 28,7% 1.525 1.218 25,2%
Total margem líquida com juros 22.167 19.231 15,3% 5.850 5.656 3,4%

1
Inclui depósito à vista, poupança e depósito a prazo.

Ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros Este crescimento é explicado principalmente pelo ganho no ano de
(líquidos) + Diferenças Cambiais 2009, de R$1.146 milhões com o hedge cambial do investimento da
agência do Banco em Cayman, contra perda de R$600 milhões em
Os ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros (líquidos) mais
2008. Esta estratégia é utilizada para minimizar os efeitos da variação
diferenças cambiais em 2009 somaram R$2.665 milhões, um aumento
cambial, associados aos investimentos no exterior no lucro líquido.
de 243,0% (ou R$ 1.888 milhões), quando comparado com R$ 777
O ganho de R$ 1.146 milhões é compensado por perdas de montante
milhões no ano de 2008.
similar na linha de impostos.

10 11
Resultados do Santander no Brasil

GANHOS
(PERDAS) COM ATIVOS E PASSIVOS 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
FINANCEIROS
(LÍQUIDOS) (R$ milhões) 2009x2008 4T09x3T09

Total 2.665 777 243,0% 390 578 -32,5%


Hedge Cayman 1.146 (600) n.a. 84 338 -75,1%
Total sem hedge de Cayman 1.519 1.377 10,3% 306 240 27,3%

Comissões líquidas meses, explicado, principalmente, pela implantação de novos produtos


na Rede Real, como seguro prestamista, residencial e automóveis.
As comissões líquidas somaram R$6.238 milhões em 2009, um
aumento de 6,3% em relação ao ano de 2008. Cabe ressaltar que o ano As receitas com cartões de crédito também registraram crescimento
de 2009 foi marcado por um ambiente regulatório diferente do ano de expressivo, principalmente devido ao aumento da base de clientes e maior
2008, onde algumas cobranças de tarifas foram extintas e que, além penetração de produtos associados, além da sazonalidade do negócio.
disto, o Banco Santander passou por um processo de alinhamento A aquisição do Banco Real propiciou ao Banco Santander inúmeras
de comissões entre o Banco Real e o Banco Santander. A linha que oportunidades de cross selling, além da adoção de melhores práticas.
registrou maior impacto com estes dois movimentos foi a de tarifas
As operações de mercado de capitais apresentaram alta de 30,6% no
bancárias, que cresceu 3,4% em doze meses.
ano e 86,4% no trimestre, principalmente pelas comissões recebidas
As comissões com o negócio de seguros e capitalização foram um em grandes operações de clientes do segmento de atacado e da
dos destaques do ano de 2009, com crescimento de 23,4% em doze comissão recebida na Oferta Pública de Ações do Santander.


Comissões líquidas (R$ milhões) 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
2009x2008 4T09x3T09

Tarifas bancárias 2.458 2.376 3,4% 632 620 1,9%


Seguros e capitalização 1.042 844 23,4% 270 297 -8,8%
Fundos de Investimento 737 830 -11,2% 191 189 1,2%
Cartões de crédito e débito 746 635 17,5% 219 186 17,9%
Recebimentos 502 442 13,5% 128 128 0,1%
Cobrança 388 329 17,9% 101 99 2,1%
Arrecadação 114 113 0,7% 27 28 -6,7%
Mercado de capitais 539 413 30,6% 205 110 86,4%
Comércio exterior 384 397 -3,2% 100 91 9,8%
Outras1 (171) (72) 136,5% (79) (64) 23,1%
Total 6.238 5.866 6,3% 1.666 1.556 7,1%
1
Inclui impostos e outras

Despesas Gerais (Administrativas + Pessoal) Índice de Eficiência


%
As despesas gerais (administrativas + pessoal) somaram R$10.947
milhões em 2009, uma redução de 5,1% (ou R$585 milhões)
comparativamente a R$11.532 milhões registrados em 2008. A 48,3 44,1
redução deve-se principalmente às sinergias criadas pela incorporação 36,8 36,8
32,9 33,7 35,0
do Banco Real pelo Banco Santander, que nos doze meses de 2009
somaram R$ 1,1 bilhão.

No ano de 2009, o Santander registrou redução de despesas


administrativas e de pessoal de 7,2% e 2,9%, respectivamente,
em relação ao ano de 2008. As despesas administrativas alcançaram
o montante de R$ 5.436 milhões e as despesas de pessoal 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 2008 2009
R$ 5.511 milhões.

Como resultado, o índice de eficiência, calculado por meio da


divisão das despesas gerais pela receita total, evoluiu de 44,1%
em 2008 para 35,0% em 2009, apresentando uma melhora
de 9,1 pontos percentuais no período.

12 11
Resultados do Santander no Brasil


Despesas administrativas (R$ milhões) 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
2009x2008 4T09x3T09

Serviços técnicos especializados de terceiros 1.449 1.450 -0,1% 410 368 11,4%
Manutenção e conservação de bens 1.043 888 17,5% 275 254 8,3%
Processamento de dados 898 1.049 -14,4% 186 217 -14,3%
Propaganda, promoções e publicidade 497 613 -18,9% 112 120 -6,7%
Comunicações 613 806 -23,9% 142 159 -10,7%
Transporte e viagens 168 180 -6,7% 58 39 48,7%
Segurança e vigilância 469 492 -4,7% 126 113 11,5%
Outras 299 380 -21,3% 114 75 52,0%
Total 5.436 5.858 -7,2% 1.423 1.345 5,8%


Despesas com pessoal (R$ milhões) 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
2009x2008 4T09x3T09

Salários 3.364 3.571 -5,8% 878 822 6,8%


Encargos 971 944 2,9% 279 236 18,2%
Benefícios 749 678 10,5% 196 191 2,6%
Treinamento 88 85 3,5% 38 26 46,2%
Outras 339 396 -14,4% 79 54 46,3%
Total 5.511 5.674 -2,9% 1.470 1.329 10,6%

Provisões de crédito Além disso, a partir do quarto trimestre de 2008, foram alinhadas
As despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa as políticas de risco entre o Banco Real e o Banco Santander,
somaram em 2009 R$10.520 MM, com acréscimo de 45,3% o que impactou a evolução das despesas de provisões para créditos
em relação a 2008. Com a crise financeira internacional, que de liquidação duvidosa no quarto trimestre de 2008 e primeiro
impactou o Brasil a partir do final do ano de 2008, observamos trimestre de 2009.
crescimento dos ativos inadimplentes, particularmente por nossos Até o terceiro trimestre de 2009, observamos crescimento nas
tomadores corporativos de pequeno e médio porte. provisões. No quarto trimestre as provisões caíram 26,6% com
Em resposta à crise, ajustamos nossas políticas e estratégias relação ao terceiro trimestre principalmente devido a campanha
para manutenção de níveis apropriados de riscos no perfil de realizada no final do ano para regularização de carteira com
gerenciamento de risco do Grupo Santander, ajustando-os de atraso até 90 dias e sinaliza o começo de um ciclo de melhora da
forma individualizada a cada segmento de nossos negócios. qualidade da carteira de crédito.

RESULTADO
DE CRÉDITOS DE LIQUIDAÇÃO 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
DUVIDOSA
(R$ milhões) 2009x2008 4T09x3T09

Despesa de provisão para créditos de liquidação duvidosa (10.520) (7.240) 45,3% (2.275) (3.101) -26,6%
Receita de recuperação de créditos baixados como prejuízo 538 667 -19,4% 127 93 35,9%
Total (9.983) (6.573) 51,9% (2.148) (3.008) -28,6%

Índice de Inadimplência em IFRS (acima de 90 dias) Para que nossos indicadores sejam mais comparáveis com o
mercado local, mostramos também os dados baseados em
O índice de inadimplência (carteira vencida há mais de 90 dias mais
números em BRGAAP.
créditos normais com alto risco de inadimplência) alcançou 7,2%
no quarto trimestre de 2009, uma queda de 0,5 ponto percentual
no trimestre, já sinalizando o começo de um ciclo de melhora da Índice de Inadimplência1 – IFRS
qualidade do crédito. % 9,7
8,8 9,3
No segmento de pessoa jurídica, a queda foi mais acentuada
8,6 PF
no trimestre, passando de um indicador de 6,1% no terceiro 8,3 7,7
7,0 7,2
trimestre, para 5,3% no quarto trimestre. Para as pessoas Total
físicas, a inadimplência caiu 0,4 ponto percentual em três meses, 5,7 6,0
5,7 6,1
alcançando 9,3%. 5,3
3,9 4,2
PJ
Cabe ressaltar que o índice de inadimplência em IFRS é mais
conservador que o índice utilizado no Sistema Financeiro Brasileiro. 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09
1
 perações vencidas há mais de 90 dias mais créditos normais com alto risco
O
de inadimplência / carteira de crédito gerencial

13
Resultados do Santander no Brasil

Índice de Inadimplência (acima de 90 dias Índice de Inadimplência NPL (acima de 60 dias em BRGAAP)
em BRGAAP)
O indicador de créditos vencidos há mais de 60 dias atingiu 6,8% no
Os créditos vencidos há mais de 90 dias, representaram no quarto quarto trimestre de 2009. Ao longo do ano de 2009, observamos
trimestre de 2009, 5,9% do total da carteira. No trimestre, uma deterioração da qualidade da carteira de crédito, que sofreu
observamos queda de 0,6 ponto percentual, sendo o segmento impacto da crise financeira. Depois de quatro trimestres de aumento
de pessoa jurídica o que apresentou maior queda, de 1,1 ponto no indicador, observamos expressiva queda no quarto trimestre, de
percentual no mesmo período de comparação. Este foi o segmento 0,9 ponto percentual quando comparado com o trimestre anterior.
mais afetado pela crise financeira, que começou a impactar a
qualidade dos ativos desta carteira no final do ano de 2008. Esta
evolução favorável, sinaliza que o pior da crise foi ultrapassado NPL1 – BRGAAP
neste segmento. % 9,4 9,2
9,2

8,9 PF
Índice de Inadimplência1 – BRGAAP 7,6 7,7
% 8,0 6,8
7,9 6,2
7,8 Total
7,4
PF 5,0 6,2 6,1
7,2 6,5
6,2 4,0 4,7
6,4 5,9 PJ
2,6
5,0 Total
3,9 5,1 5,3
4,2 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09
3,2 PJ
2,0 1
Operações vencidas há mais de 60 dias / carteira de crédito em BRGAAP.

4T08 1T09 2T09 3T09 4T09


1
Operações vencidas há mais de 90 dias / carteira de crédito em BRGAAP.

Índice de cobertura (IFRS) Cobertura – IFRS


%
O índice de cobertura é obtido por meio da divisão do saldo de
provisão para créditos de liquidação duvidosa, pelo saldo das
105,8 106,8 101,7
operações vencidas há mais de 90 dias, mais créditos normais 97,1 101,0
com alto risco de inadimplência. No quarto trimestre, o indicador
alcançou 102%, mantendo-se praticamente estável, quando
comparado com o 3T09.

4T08 1T09 2T09 3T09 4T09

Provisões (Líquidas) As provisões (líquidas) somaram R$3.481 milhões em 2009, um


crescimento de 105% (ou R$1,8 bilhão) em relação ao ano de
Provisões incluem principalmente contingências cíveis, trabalhistas,
2008, que registrava um valor de R$1.702 milhões. Esta variação é
fiscais e reforços para gastos relacionados à integração operacional
decorrente, principalmente, do reforço do fundo de reestruturação.
e comercial (fundo de reestruturação). Este fundo foi constituído
utilizando recursos oriundos da venda de alguns ativos realizada
no terceiro trimestre de 2009.


provisão (R$ milhões) 2009 2008 Var. 4T09 3T09 Var.
2009x2008 4T09x3T09

Provisões¹ (1.751) (1.739) 0,7% (443) (408) 8,7%


Contingências diversas (1.729) 37 n.a (38) (782) -95,1%
Total (3.481) (1.702) 104,5% (482) (1.190) -59,5%

1
Inclui provisões trabalhistas, cíveis e fiscais.

14
Resultados do Santander no Brasil

Impostos (diferenças temporárias), prejuízos fiscais e ajustes de títulos e


valores mobiliários ao seu valor justo. Adicionalmente, recolhemos
As despesas com impostos baseiam-se principalmente em dois
PIS e COFINS à alíquota de 4,65% sob certas receitas, deduzido de
componentes: imposto de renda e contribuição social. O imposto
certas despesas. Como o PIS e a COFINS incidem sobre uma base
de renda é calculado à alíquota de 15%, mais uma alíquota
de cálculo deduzida de certas receitas e despesas, no critério IFRS
adicional de 10% incidente sobre os lucros tributáveis excedentes
registramos essas contribuições sociais como imposto de renda.
a R$240 mil ao ano. A contribuição social é calculada à alíquota de
15% (para instituições financeiras) sobre o lucro líquido ajustado Em 2009, o aumento de 126,8% na linha de impostos, quando
(9% para o período de 1º de janeiro a 30 de abril de 2008). Os comparado a igual período do ano anterior, pode ser explicado,
impostos diferidos sobre ativos e passivos são calculados com base principalmente, pelo efeito do hedge cambial1. O aumento de impostos
nas diferenças temporárias entre o lucro contábil e o lucro tributável decorrente do maior resultado do grupo foi compensado pelos ganhos
fiscais com o ágio do Banco Real.
Balanço patrimonial
Ativo (R$ milhões) Dez/09 Dez/08 Var. Set/09 Var.
Dez09xDez08 Dez09xSet09

Disponibilidades e reserva no Banco Central do Brasil 27.269 23.701 15,1% 21.261 28,3%
Ativos financeiros para negociação 20.116 19.986 0,7% 19.261 4,4%
Outros ativos financeiros ao valor justo no resultado 16.294 5.575 192,3% 16.986 -4,1%
- Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito 1.907 4.047 -52,9% 4.003 -52,4%
- Empréstimos e adiantamentos a clientes 389 1.435 -72,9% 606 -35,8%
- Outros 211 93 126,9% 294 -28,2%
- Equity Instruments 13.787 - n.a. 12.083 14,1%
Ativos financeiros disponíveis para venda 46.406 30.736 51,0% 44.763 3,7%
Empréstimos e financiamentos 152.163 162.725 -6,5% 149.973 1,5%
- Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito 24.228 29.692 -18,4% 27.932 -13,3%
- Empréstimos e adiantamentos a clientes 138.005 141.214 -2,3% 132.343 4,3%
- Provisão para perdas (10.070) (8.181) 23,1% (10.302) -2,3%
Ativos tangíveis 3.702 3.829 -3,3% 3.682 0,5%
Ativos intangíveis 31.618 30.995 2,0% 30.982 2,1%
- Ágio 28.312 27.488 3,0% 28.312 0,0%
- Outros 3.306 3.507 -5,7% 2.670 23,8%
Ativo fiscal 15.779 12.920 22,1% 15.058 4,8%
Outros Ativos 2.626 3.723 -29,5% 4.269 -38,5%
Total do Ativo 315.973 294.190 7,4% 306.235 3,2%

PASSIVO (R$ milhões)

Passivos financeiros para negociação 4.435 11.210 -60,4% 5.316 -16,6%


Passivos financeiros ao custo amortizado 203.567 213.974 -4,9% 205.801 -1,1%
- Depósitos do Banco Central do Brasil 240 185 29,7% 562 -57,3%
- Depósitos de instituições de crédito 20.956 26.326 -20,4% 18.754 11,7%
- Depósitos de clientes 149.440 155.495 -3,9% 154.548 -3,3%
- Títulos de dívida e valores mobiliários 11.439 12.086 -5,4% 10.945 4,5%
- Dívidas subordinadas 11.304 9.197 22,9% 11.149 1,4%
- Outros passivos financeiros 10.188 10.685 -4,7% 9.843 3,5%
Passivos por contratos de seguros 15.527 - n.a. 13.812 12,4%
Provisões² 9.480 8.915 6,3% 11.555 -18,0%
Passivos fiscais 9.457 6.156 53,6% 9.287 1,8%
Outros passivos 4.241 4.098 3,5% 4.798 -11,6%
Total do passivo 246.707 244.353 1,0% 250.569 -1,5%
Total do patrimônio líquido3 69.266 49.837 39,0% 55.666 24,4%
Total do passivo e patrimônio líquido 315.973 294.190 7,4% 306.235 3,2%

2
Inclui provisões para pensões e contingências
3
Inclui participação dos acionistas minoritário e ajuste de valor ao mercado

Os ativos totais atingiram, em 31 de dezembro de 2009, R$ 315.973 públicos. A variação de R$21.781 milhões no total de ativos é, em
milhões, um crescimento de 7,4% na comparação interanual. Desse grande parte, resultado da incorporação da Seguradora, que está
montante, R$ 138.394 milhões são representados pela carteira refletida, principalmente, na linha “Outros ativos financeiros ao
de crédito, R$ 80.616 milhões por títulos e valores mobiliários valor justo no resultado” e “Passivos por contratos de seguros”.
e instrumentos financeiros derivativos, substancialmente títulos

1
 e acordo com as regras fiscais brasileiras, os ganhos (perdas) com a variação cambial (R$/US$) do investimento em dólar em Cayman não é tributável (dedutível). Esse tratamento fiscal leva
D
a exposição cambial na linha de impostos. Uma posição de hedge, composta por derivativos, foi montada com o objetivo de tornar o Lucro Líquido protegido contra as variações cambiais
relacionadas com esta exposição cambial na linha de impostos. Assim, a alíquota efetiva de impostos ainda é impactada por variação na taxa de câmbio.

15
Resultados do Santander no Brasil


títulos e valores mobiliários (R$ milhões) Dez/09 Dez/08 Var. Set/09 Var.
Dez09xDez08 Dez09xSet09

Títulos Públicos 54.495 37.493 45,3% 48.148 13,2%


Títulos Privados 7.221 4.027 79,3% 10.073 -28,3%
Cotas de Fundos PGBL / VGBL 13.787 - n.a. 12.083 14,1%
Instrumentos Financeiros 5.113 9.401 -45,6% 6.237 -18,0%
Total 80.616 50.921 58,3% 76.541 5,3%

Carteira de Crédito

A carteira de crédito total apresentou crescimento de 1,7% em doze Em 2009, adquirimos o montante de US$ 1.977 milhão de carteira
meses e crescimento de 4,1% no trimestre, totalizando R$ 138,4 de crédito, por meio de nossa agência de Cayman, sendo US$ 807
bilhões. A apreciação do Real frente ao dólar teve impacto relevante milhões no terceiro trimestre e US$ 1.170 milhão no quarto trimestre
na nossa carteira de crédito na evolução anual. Desconsiderando este de 2009
impacto, o crédito cresceu 5,4% na comparação interanual. Além
O ano de 2009 foi marcado pela crise financeira, que impactou,
disso, no critério IFRS, a carteira de crédito não considera a compra
principalmente, o segmento de pessoa jurídica. Diante deste
de carteira com coobrigação. Incluindo a aquisição, o crescimento
cenário adverso, o Santander adotou práticas de concessão de
interanual do crédito (já desconsiderando o efeito cambial) é de 6,7%.
crédito mais conservadoras.

ABERTURA
GERENCIAL DO CRÉDITO Dez/09 Dez/08 Var. Set/09 Var.
A
CLIENTES Dez09xDez08 Dez09xSet09

Pessoa física 43.352 39.153 10,7% 42.405 2,2%


Financiamento ao consumo 24.627 24.757 -0,5% 24.225 1,7%
Pequenas e Médias empresas 32.417 34.289 -5,5% 31.029 4,5%
Grandes Empresas 37.998 37.839 0,4% 35.290 7,7%
Total 138.394 136.039 1,7% 132.949 4,1%
Avais e fianças total 20.967 25.405 -17,5% 21.247 -1,3%
Total Crédito com avais e fianças 159.361 161.444 -1,3% 154.196 3,3%

Crédito pessoa física de 2009, implantamos as plataformas de crédito imobiliário, para


pessoa física e pessoa jurídica, na Rede Santander. Já existentes no
Em dezembro de 2009, o crédito a pessoa física apresentou alta
Banco Real, elas são facilitadoras do processo e do relacionamento
de 10,7% em doze meses, totalizando R$ 43.352 milhões. A boa
com os clientes e contam com especialistas em crédito imobiliário
performance deve-se, principalmente, à evolução de cartões,
que ajudam a força de vendas da rede, de modo a tornar
consignado e crédito imobiliário.
o processo de contratação mais ágil.
O volume da carteira de cartões, apresentou evolução de 21,4%
em doze meses e 13,8% no trimestre, atingindo 8.472 milhões Pessoa física
(R$ bilhões)
em 2009. O crescimento sustentado deste produto é ancorado na
estratégia de aumento de participação de mercado e lucratividade, 42,4 43,3
40,6 41,3
por meio de inovação de produtos e esforços de captação de clientes. 39,1
O crescimento do trimestre deve-se, principalmente, à sazonalidade
de faturamento e ao crescimento na base de clientes.

A carteira de crédito consignado aumentou 33,0% em doze meses,


atingindo R$ 10.176 milhões no fechamento de dezembro de 2009.
Deste valor, R$ 7.956 milhões são de carteira própria e R$ 2.220
milhões de carteiras cedidas por outros bancos (em IFRS não é
4T08 1T09 2T09 3T09 4T09
classificado como carteira de crédito).

O crédito imobiliário apresentou crescimento de 16,8% em doze


meses e 4,8% no trimestre atingindo R$ 5.226 milhões. No ano

16
Resultados do Santander no Brasil

Financiamento ao Consumo Financiamento ao Consumo


(R$ bilhões)
A carteira de financiamento ao consumo apresentou queda de 0,5%
na comparação interanual e cresceu 1,7% no trimestre, atingindo 24,8 24,3 24,3 24,2 24,6
R$ 24.627 milhões em dezembro de 2009. O desempenho pode
ser explicado pela revisão do modelo de negócio, que prioriza a
rentabilidade à participação de mercado. No quarto trimestre de
2009, observamos recuperação no ritmo de crescimento.

A gestão desta carteira é da Aymoré Crédito, Financiamento e


Investimento S.A., instituição financeira especializada em fornecer
créditos ao consumidor diretamente a tomadores ou por meio
4T08 1T09 2T09 3T09 4T09
de correspondentes, cujo principal negócio é o financiamento
de veículos, que corresponde a aproximadamente 80% da
carteira total. A aquisição do Banco Real foi complementar
às operações pré-existentes do Santander, que detinha uma
parcela relativamente pequena de participação no mercado de
financiamento a consumidores.

Crédito pessoa jurídica Pessoa Jurídica


(R$ bilhões)
A carteira de crédito de Grandes Empresas somou R$ 37.998 milhões,
com crescimento de 0,4% na comparação interanual e crescimento 72,1 72,2 68,5 70,4
de 7,7% no quarto trimestre, quando comparado com o trimestre 66,3
anterior. A apreciação do Real frente ao Dólar em 2009 impactou Pequenas e Médias
Empresas
o desempenho desta carteira.
34,3 32,9 31,7 31,0 32,4
Grandes Empresas
O volume de crédito do segmento de pequenas e médias empresas
apresentou queda de 5,5% em doze meses, como reflexo da crise
financeria, que implicou em menor procura por crédito por parte 37,8 39,3 36,8 35,3 38,0
das empresas. No quarto trimestre de 2009, o segmento mostrou 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09
recuperação do ritmo de crescimento, com evolução de 4,5%, em
comparação com o trimestre anterior.

Captação

O total de captações de clientes, incluindo fundos de investimentos,


atingiu R$242.079 milhões em 2009 com 5,3% de crescimento Poupança
com relação ao ano de 2008. No período, os destaques foram a (R$ bilhões)
poupança, com crescimento de 22,2% e fundos de investimento,
25,2
com evolução de 22,4%. 21,4 22,9
20,6 20,4
Em comparação com o trimestre anterior, houve queda de 1,4%
devido à redução de captações de depósito a prazo de 13,7%,
parcialmente compensada por crescimentos em fundos, poupança
e depósito à vista.

Em 2009, devido à confortável posição de liquidez, incrementada pelos


recursos da Oferta Pública do Santander, houve mudança no mix de
4T08 1T09 2T09 3T09 4T09
captações com menor participação dos depósitos a prazo no total de
captações de clientes, com redução de 59% no quarto trimestre de
2008 para 53% no quarto trimestre de 2009. A queda anual de 14,8%
ou R$13.136 milhões em depósitos a prazo ficou mais concentrada
em clientes institucionais, o que garante mais estabilidade à base de
depósitos além de redução no custo de captação.

17
Resultados do Santander no Brasil

Captação
(R$ milhões) Dez 2009 Dez 2008 Var. Set/09 Var.
2009x2008 Dez09xSet09

Depósitos à vista + Conta Investimento 15.140 15.298 -1,0% 13.516 12,0%


Depósitos de poupança 25.217 20.643 22,2% 22.860 10,3%
Depósitos à Prazo 75.771 88.907 -14,8% 87.821 -13,7%
Debêntures/LCI/LCA1 27.544 24.686 11,6% 28.170 -2,2%
Captações de Clientes 143.672 149.534 -3,9% 152.367 -5,7%
Fundos 98.407 80.402 22,4% 93.114 5,7%
Total 242.079 229.936 5,3% 245.481 -1,4%

1
Operações compromissadas com lastro em Debêntures, Letras de Crédito Imobiliário e Letra de Crédito Agrícola

Relação entre Crédito e Captação Em dezembro de 2009 a relação entre a carteira de empréstimos e
o funding total captado de clientes e instituições foi de 89%, o que
O quadro abaixo mostra as origens dos recursos aplicados nas
reflete a confortável situação de liquidez do banco, com excesso de
operações de crédito. Além dos depósitos de clientes, líquidos dos
captação da ordem de R$16,5 bilhões quando comparado com a
compulsórios, é necessário adicionar as captações de linhas externas,
carteira de crédito. Além disso, 77% do total de captações vêm de
de linhas internas e dos títulos emitidos no mercado internacional.
captações de clientes líquidas de compulsório, oriundos principalmente
da nossa abrangente rede de agências e clientes pessoa jurídica.

Captações
vs. Crédito (R$ milhões) Dez 2009 Dez 2008 Var. Set/09 Var.
2009x2008 Dez09xSet/09

Captações de clientes 143.672 149.534 -3,9% 152.367 -5,7%


(-) Compulsório (23.638) (20.482) 15,4% (18.293) 29,2%
Captações de Clientes Líquidas de Compulsório 120.034 129.052 -7,0% 134.074 -10,5%
Obrigações por Repasses e empréstimos 19.409 25.282 -23,2% 18.251 6,3%
Dívida subordinada 11.304 9.197 22,9% 11.149 1,4%
Captação Externa 4.223 5.573 -24,2% 4.518 -6,5%
Total Captações (A) 154.970 169.104 -8,4% 167.992 -7,8%
Total Crédito Clientes (B) 138.394 136.039 1,7% 132.949 4,1%
B / A (%) 89% 80% 8,9 p.p. 79% 10,2 p.p.

Índice de Basiléia

As instituições financeiras estão obrigadas a manter um Patrimônio Índice de Basiléia


de Referência compatível com os riscos de suas atividades, superior (%)
ao mínimo de 11% do Patrimônio Exigido. A partir de julho de
2008, entraram em vigor novas regras de mensuração do capital 25,6
regulamentar pelo Método Padronizado de Basiléia II, com nova 4,9
Tier II
metodologia de mensuração, análise e administração de riscos de
14,7
crédito e riscos operacionais.
4,0 Tier I
O índice de Basiléia indicado acima já considera o impacto dos 20,7
dividendos e juros sobre o capital próprio destacados em dezembro 10,8
de 2009. Cabe ressaltar que este índice desconsidera o valor do
ágio não amortizado no cálculo do patrimônio de referência. 2008 2009

RECURSOS
PRÓPRIOS e BIS (R$ milhões) Dez 2009 Dez 2008 Var. Set/09 Var.
2009x2008 Dez09xSet/09

Patrimônio de Referência Nível I Ajustado1 42.360 23.033 83,9% 28.616 48,0%


Patrimônio de Referência Nível II 9.973 8.504 17,3% 9.813 1,6%
Patrimônio de Referência Nível I e II1 52.333 31.537 65,9% 38.429 36,2%
Patrimônio de Referência Exigido 22.484 23.527 -4,4% 23.785 -5,5%
Ativo ponderado pelo risco 204.400 213.882 -4,4% 216.227 -5,5%
Índice de Basiléia II 25,6% 14,7% 10,9% 17,8% 7,8%

(*) Valores Calculados com base nas informações consolidadas das instituições financeiras (conglomerado financeiro)
1
Desconsidera o efeito do ágio referente a incorporação das ações do Banco Real e AAB Dois Par, conforme determinado pela regra internacional

18
gestão de risco

As operações do Banco Santander estão sujeitas a vários riscos. Central e as exigências da Lei Sarbanes-Oxley de 2002 dos EUA.
Para gerenciar estes riscos de forma eficaz, o Santander incorporou
Cobranças
as funções globais de gestão de risco do Grupo Santander em
vários níveis de sua organização. Além disso, comitês presididos O departamento de cobranças do Banco Santander usa
pela alta administração supervisionam os relatórios de risco ferramentas como pontuação comportamental e de cobrança para
financeiro, de crédito e de mercado das divisões designadas para a estudar o desempenho de cobrança de certos grupos na tentativa
gestão de risco. Limites de risco e exposições em jurisdições locais de diminuir custos e aumentar as recuperações. Os clientes com
são adicionalmente sujeitos à aprovação do Grupo Santander. probabilidade de fazer o pagamento são classificados como de
baixo risco, exigindo estratégias menos agressivas para assegurar
Risco de Crédito
o pagamento, e mais atenção é dada à manutenção de um
O processo de gerenciamento de risco de crédito do Banco saudável relacionamento com o cliente. Os clientes com pouca
Santander é desenhado para seguir os padrões do Grupo Santander, probabilidade de fazer o pagamento são classificados como de alto
ao mesmo tempo em que levam em conta sua oferta de produtos risco e contatados consistentemente em relação ao pagamento.
e as exigências normativas específicas de suas operações no Brasil. Todos os clientes com valores em atraso ou cujos empréstimos
Os processos de aprovação de crédito do Banco, particularmente a foram re-escalonados ou de qualquer outra forma reestruturados
aprovação de novos empréstimos e monitoramento de riscos, são enfrentam restrições internas.
estruturados de acordo com sua classificação de clientes e produtos.
As estratégias de cobrança são modificadas de acordo com
A aprovação e o monitoramento de crédito são conduzidos de
a duração do atraso no pagamento, ou dias de atraso. Nos
forma separada e em diferentes plataformas tecnológicas para
primeiros dias da inadimplência (menos de 90 dias de atraso),
cada uma das redes operadas sob as marcas Santander e Banco
o departamento de cobranças implementará um modelo
Real, mas as políticas e os procedimentos aplicados são os mesmos
mais exaustivo de cobrança, criando estratégias distintas com
para cada rede, exceto pequenas variações operacionais.
monitoramento mais próximo. Centrais de atendimento, cartas
Monitoramento de Crédito e agências de classificação de crédito, tais como SERASA, que é
um sistema centralizado de dados usado por várias instituições
As linhas de crédito para clientes de serviços bancários de varejo
financeiras do Brasil e outros para o processo de aprovação de
são revisadas semanalmente. Este processo permite melhorias na
crédito, são implementadas durante esta fase. Durante esta fase
exposição de crédito de clientes que tenham apresentado uma
da cobrança, sua ênfase está na recuperação de seus clientes.
boa qualidade de crédito. Avisos com antecedência específicos são
Entretanto, se um cliente ficar em atraso por 90 dias, seu foco
automaticamente gerados no caso da deterioração da qualidade
será direcionado à recuperação do valor devido. Neste ponto, o
de crédito de um cliente.
Banco Santander faz a terceirização dos esforços de cobrança para
Neste caso, um processo de redução de risco de crédito projetado agências externas de cobrança que recebem uma comissão por
para impedir a inadimplência tem início com a identificação do quaisquer valores recuperados. As estratégias de cobrança são
problema de solvência do cliente (gastos e outros compromissos modificadas de acordo com a duração do atraso no pagamento,
financeiros) e o cliente é abordado pelo gerente de relacionamento. ou dias de atraso. Nos primeiros dias da inadimplência (menos de
Avisos com antecedência são automaticamente gerados para 90 dias de atraso), o departamento de cobranças também gerencia
empresas de pequeno e médio porte, e seu desempenho é reestruturações de dívidas e empréstimos.
monitorado mensalmente. Além disso, a situação financeira de Risco de Mercado
cada empresa é discutida por comitês específicos, na presença
Risco de mercado é a exposição em fatores de riscos tais como
da área comercial, com o objetivo de melhorar continuamente a
taxas de juros, taxas de câmbio, cotação de mercadorias, preços
qualidade de sua carteira de crédito.
no mercado de ações e outros valores, em função do tipo de
O Banco revisa a qualidade do crédito de seus clientes de atacado produto, do volume de operações, do prazo, das condições do
regularmente, normalmente em base semestral, embora o Banco contrato e da volatilidade subjacente.
monitore clientes que tenham sido classificados como suspeitos
O Santander opera de acordo com as políticas globais, enquadradas
em base trimestral. Se durante este monitoramento surge qualquer
na perspectiva de risco tolerado pelo Grupo e alinhado aos
preocupação específica em relação à qualidade do crédito de
objetivos no Brasil e no mundo. Para isso, desenvolveu seu próprio
um cliente específico, um sistema de monitoramento de cliente
modelo de Gestão de Riscos, seguindo os seguintes princípios:
é utilizado, com possíveis ações a serem tomadas segundo as
seguintes categorias: “monitoramento”, “redução de exposição”, - Independência funcional;
“obtenção de garantias reais” ou “cancelamento”.
- Capacidade executiva sustentada no conhecimento e na
Gestão de Riscos Operacionais e Tecnológicos proximidade do cliente;

O Banco avalia cada prática e procedimento que adota em termos - Alcance global da função (diferentes tipos de riscos) e tratamento
de conformidade com as diretrizes do Grupo Santander, as único ao cliente;
exigências do Acordo da Basiléia, resoluções relevantes do Banco
- Decisões colegiadas, que avaliem todos os cenários possíveis

19
gestão de risco

e não comprometam os resultados com decisões individuais, Risco Ambiental e Social


incluindo o Comitê Executivo de Riscos de Crédito, Mercado e
O Banco Santander está atualmente implementando o sistema de gestão
de Contrapartes, que fixa limites e aprova operações e o Comitê
de risco ambiental e social para o Santander Brasil que estava em vigor no
Executivo de Ativos e Passivos, que responde pela gestão do
Banco Real. Segundo este sistema, os mutuários são inspecionados quanto
capital e riscos estruturais, o que inclui o risco-país, a liquidez, as
a preocupações ambientais e sociais, tais como terras contaminadas,
taxas de juros e de câmbio;
desmatamento, violações trabalhistas e outros problemas ambientais e
- Gestão e otimização da equação de risco/retorno; e sociais para os quais existe o risco de aplicação de penalidades.

- Metodologias avançadas de gestão de riscos, como o Value at Risk – VaR Uma equipe especializada de biólogos e geólogos monitora as práticas
(simulação histórica de 521 dias, com um nível de confiança de 99% ambientais dos clientes, e uma equipe de analistas financeiros estuda a
e horizonte temporal de um dia), cenários, sensibilidade da margem probabilidade de danos relacionados a tais práticas que podem afetar as
financeira, sensibilidade do valor patrimonial e plano de contingência. garantias e a condição financeira do clientes do Banco.

A estrutura de Riscos de Mercado é parte da Vice-presidência de Riscos


de Crédito e Mercado, área independente que aplica as políticas de risco,
levando em consideração as instruções do Conselho de Administração e
da Divisão de Riscos do Grupo Santander na Espanha.

20
desenvolvimento sustentável e Governança corporativa

Desenvolvimento sustentável garante o atendimento do nosso Sistema de Gestão Ambiental


aos requisitos estabelecidos na norma. Em 2009, por meio do
O Santander continuou avançando no seu processo de conscientização,
programa Papa-Pilhas, enviou para reciclagem 155,5 toneladas de
capacitação e engajamento para a sustentabilidade. Em outubro,
celulares, pilhas e baterias coletadas em 2.062 pontos de coleta.
lançou o programa Sustentabilidade em Ação, que visa capacitar
mobilizadores para disseminar a sustentabilidade nas agências. Já foram Como reconhecimento pela inserção da sustentabilidade no seu
treinados 160 funcionários, cuja missão é compartilhar conhecimento modelo de negócioso Santander recebeu o Prêmio ECO 2009,
com suas equipes e incentivar a adoção das práticas no dia a dia. promovido pela Câmara Americana de Comércio em parceria com
o Jornal Valor Econômico.
O Santander também ajuda outras empresas a reinventar seus
negócios de maneira lucrativa e inovadora, integrando aos resultados Governança corporativa
financeiros o cuidado com o meio ambiente e a sociedade. No
O modelo global de governança corporativa adotado pelo Grupo
último trimestre de 2009, realizou quatro módulos presenciais do
Santander caracteriza-se especialmente pela defesa dos direitos dos
programa Caminhos e Desafios. Em 2009, 863 clientes corporativos
acionistas e a transparência na gestão e comunicação com os públicos
e fornecedores participaram do programa. O Santander também
estratégicos, posicionando as unidades européias do Grupo entre as
conduziu uma oficina para empresários durante a Conferência das
líderes em governança corporativa do continente.
Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), realizada em
dezembro, em Copenhague, na Dinamarca. A partir dessas credenciais, o Santander no Brasil dedicou-se em 2009
ao aperfeiçoamento de suas políticas e práticas, reforçadas também
O portal do Espaço de Práticas em Sustentabilidade teve mais de
pelos ganhos de sinergia e complementaridade resultantes da aquisição
1 milhão de acessos em 2009. Contribuiu para esse desempenho
do Banco Real.
o lançamento de um curso online que apresenta o personagem
“Roberto” – um cidadão comum que descobre aos poucos uma Neste contexto, em linha com as melhores práticas de governança
nova forma de ver e agir em seu dia a dia. corporativa, o Santander listou, em outubro de 2009, Units no Nível 2
da BM&FBovespa e ADRs na NYSE (Bolsa de Valores de Nova Iorque),
O Santander integrou suas iniciativas em investimento social privado,
estando sujeito à supervisão da CVM (Comissão de Valores Mobiliários),
reforçando seu compromisso com a causa da educação. O programa
SEC (Securities & Exchange Commission) e à Lei Sarbanes-Oxley.
Amigo de Valor arrecadou, em 2009, R$ 6,9 milhões, direcionados aos
Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente de 31 municípios O Nível 2 é um segmento especial de listagem do mercado de ações da
de 17 Estados. No total, 25.418 pessoas, entre funcionários, clientes, BM&Bovespa, destinado exclusivamente a companhias que atendam
fornecedores e empresas participaram dessa edição. Já o Projeto Escola a requisitos mínimos e aceitem submeter-se a regras de governança
Brasil, que incentiva a atuação voluntária para melhoria da escola pública, corporativa diferenciadas.
encerrou o ano com 49 novos grupos de voluntários, envolvendo, no Para fixar e disseminar as normas de conduta esperadas de todos os
total, 170 escolas parceiras e mais de dois mil funcionários. seus colaboradores, a Organização mantém o Código de Ética, que
No âmbito cultural, realizou em novembro a 11ª edição do Concurso estabelece valores de cidadania, dignidade, trabalho, respeito, lealdade,
Talentos da Maturidade, que incentiva o protagonismo da pessoa decoro, zelo e eficiência; o Código de Conduta nos Mercados de Valores;
idosa, valorizando seu talento . Em 2009, o programa mobilizou e os manuais de Prevenção à Lavagem de Dinheiro, de Relações com
mais de 3.600 pontos de atendimento dos bancos Santander e Real a Imprensa, e de Conduta na Gestão de Compras, que é global. Além
e somou 11.150 inscrições. disso, respeita uma política de Segurança da Informação norteada
pelos princípios da confidencialidade, integridade e disponibilidade.
Realizou ainda a cerimônia final da 5ª edição dos Prêmios Santander
de Empreendedorismo e de Ciência e Inovação, iniciativa do A gestão do Santander Brasil é exercida pelo Conselho de Administração,
Santander Universidades para estimular a atitude empreendedora constituído por seis membros, sendo dois independentes. O Conselho de
e a pesquisa científica no meio acadêmico. A edição teve 2.116 Administração se reúne, no mínimo, quatro vezes ao ano. O Conselho
inscritos, um crescimento de 11% comparado a 2008. conta com o suporte do Comitê Executivo e da Diretoria Executiva, aos
quais cabe decidir sobre a condução dos negócios, a alocação de capital
O concurso universitário de fotografia “Fototalentos”, apoiado pelo
e os grandes investimentos, além do apoio de comitês especializados.
Universia, teve 1.438 inscritos no Brasil, que se tornou o segundo
país entre os 18 da Rede Universia em número de inscrições. O Em 2 de setembro de 2009, em Assembléia Geral Extraordinária, os
Universia realizou também dois encontros para debate sobre acionistas do Banco Santander elegeram cinco novos membros do
o ensino superior: o “Seminário Novas Tendências em Ensino- Conselho de Administração, substituindo dois dos então conselheiros,
Aprendizagem”, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e os respectivos mandatos terminarão na Assembléia Geral Ordinária
(UFRGS), e “A Responsabilidade da Universidade Brasileira como a ser realizada em 2011.
Agente de Coesão e Inclusão Social” da Associação Nacional dos Nos termos da Instrução CVM 480/09, em ata de reunião de realizada
Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES). em 01 de fevereiro de 2010, a Diretoria declara que discutiu, reviu
Do ponto de vista ambiental, a nova sede administrativa do Banco, e concordou com as opiniões expressas no parecer dos auditores
em São Paulo, recebeu em dezembro a certificação ISO14001 que independentes e com as demonstrações financeiras relativas ao
exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2009.

21
RESUMO BALANÇO E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Ativo (R$ milhões) Dez/09 Set/09 Jun/09 Mar/09 Dez/08



Disponibilidade e reserva no Banco Central do Brasil 27.269 21.261 24.813 23.317 23.701
Ativos financeiros para negociação 20.116 19.261 15.809 22.347 19.986
Outros ativos financeiros ao valor justo no resultado 16.294 16.986 6.068 6.462 5.575
- Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito 1.907 4.003 4.627 3.490 4.047
- Empréstimos e adiantamentos a clientes 389 606 1.150 2.672 1.435
- Outros 211 294 291 300 93
- Equity Instruments 13.787 12.083 - - -
Ativos financeiros disponíveis para venda 46.406 44.763 30.593 27.294 30.736
Empréstimos e financiamentos 152.163 149.973 161.645 159.356 162.725
- Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito 24.228 27.932 31.993 30.977 29.692
- Empréstimos e adiantamentos a clientes 138.005 132.343 138.811 137.227 141.214
- Provisão para perdas (10.070) (10.302) (9.159) (8.848) (8.181)
Derivativos utilizados como hedge 163 157 178 99 106
Ativos não correntes para venda 171 53 58 120 113
Participações em coligadas 419 417 502 460 634
Ativo tangível 3.702 3.682 3.600 3.742 3.829
Ativo intangível 31.618 30.982 30.589 30.534 30.995
- Ágio 28.312 28.312 27.263 27.190 27.488
- Outros Intangíveis 3.306 2.670 3.326 3.344 3.507
Créditos Tributários 15.779 15.058 13.386 12.798 12.920
Outros créditos 1.871 3.642 1.637 3.170 2.870
Total do Ativo 315.973 306.235 288.878 289.699 294.190

passivo (R$ milhões)



Passivos financeiros para negociação 4.435 5.316 4.887 8.268 11.210
Outros passivos financeiros ao valor justo no resultado 2 2 363 257 307
Passivos financeiros ao custo amortizado 203.567 205.801 207.644 208.267 213.974
- Depósitos do Banco Central do Brasil 240 562 870 1.049 185
- Depósitos de instituições de crédito 20.956 18.754 21.793 23.435 26.326
- Depósitos de clientes 149.440 154.548 154.922 155.231 155.495
- Títulos de dívida e valores mobiliários 11.439 10.945 11.299 11.535 12.086
- Dívidas subordinadas 11.304 11.149 10.996 10.938 9.197
- Outros passivos financeiros 10.188 9.843 7.764 6.079 10.685
Passivos por contratos de seguros 15.527 13.812 - - -
Derivativos utilizados como hedge 10 21 63 207 265
Provisões1 9.480 11.555 10.203 9.749 8.915
Passivos fiscais 9.457 9.287 7.352 6.402 6.156
Outros passivos 4.229 4.775 6.561 5.877 3.526
Total do passivo 246.707 250.569 237.073 239.027 244.353
Patrimônio líquido 68.706 55.079 51.135 50.113 49.318
Participação dos acionistas minoritários 1 5 5 5 5
Ajustes ao valor de mercado 559 582 665 554 514
Total do patrimônio líquido 69.266 55.666 51.805 50.672 49.837
Total do passivo e patrimônio líquido 315.973 306.235 288.878 289.699 294.190

1
Provisões para pensões e contingências

22
RESUMO BALANÇO E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Demonstração
de resultados (R$ milhões) 4T09 3T09 2T09 1T09 4T08

Receitas com juros e similares 10.934 9.731 9.775 9.996 11.117
Despesas com juros e similares (5.084) (4.075) (4.286) (4.824) (5.733)
Margem líquida com juros 5.850 5.656 5.489 5.172 5.384
Resultado de renda variável 8 7 8 7 5
Resultado de equivalência patrimonial 5 33 52 205 88
Comissões líquidas 1.666 1.556 1.573 1.443 1.314
Receita de tarifas e comissões 1.888 1.797 1.799 1.664 1.581
Despesas de tarifas e comissões (222) (241) (226) (221) (267)
Ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros (líquidos) 390 578 1.051 646 (222)
Outras receitas (despesas) operacionais (59) 106 (110) (53) 6
Total de receitas 7.860 7.936 8.063 7.420 6.575
Despesas Gerais (2.893) (2.674) (2.649) (2.731) (3.173)
Despesas Administrativas (1.423) (1.345) (1.297) (1.371) (1.659)
Despesas de Pessoal (1.470) (1.329) (1.352) (1.360) (1.514)
Depreciação e amortização (265) (339) (328) (317) (318)
Provisões (líquidas)¹ (482) (1.190) (1.250) (559) (432)
Perdas com ativos (líquidas) (2.125) (3.844) (2.518) (2.381) (1.983)
Crédito² (2.148) (3.008) (2.467) (2.360) (1.920)
Perdas com outros ativos (líquidas) 23 (836) (51) (21) (63)
Ganhos líquidos na alienação de bens 34 2.280 1.040 49 5
Lucro Líquido antes da tributação 2.129 2.169 2.358 1.481 674
Impostos sobre a renda (538) (697) (745) (649) 232
Lucro Líquido 1.591 1.472 1.613 832 906

1
Inclui provisões para contingências legais e fiscais.
2
Inclui recuperações de créditos baixados como prejuízo

23
ANEXOS
Informações Financeiras Adicionais
Não Auditadas - 31 de Dezembro de 2009

* Os dados referentes ao ano de 2008 não são pro forma


Informações Financeiras Adicionais

BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008


INFORMAÇÕES FINANCEIRAS ADICIONAIS NÃO AUDITADAS
(Valores expressos em milhares de reais - R$)

ATIVO 2009 2008

DISPONIBILIDADES E RESERVAS NO BANCO CENTRAL DO BRASIL 27.269.012 23.700.500

ATIVOS FINANCEIROS PARA NEGOCIAÇÃO 20.115.652 19.986.000


Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito 67.170 -
Instrumentos de dívida 12.554.035 10.011.999
Participações acionárias 2.544.441 678.993
Derivativos 4.950.006 9.295.008

OUTROS ATIVOS FINANCEIROS AO VALOR JUSTO NO RESULTADO 16.294.460 5.574.961


Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito 1.907.265 4.046.898
Empréstimos e adiantamentos a clientes 389.113 1.434.789
Instrumentos de dívida 210.973 93.274
Participações acionárias 13.787.109 -

ATIVOS FINANCEIROS DISPONÍVEIS PARA VENDA 46.406.120 30.735.681


Instrumentos de dívida 44.745.924 29.491.191
Participações acionárias 1.660.196 1.244.490

EMPRÉSTIMOS E RECEBÍVEIS 152.162.954 162.725.106


Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito 24.228.143 29.691.635
Empréstimos e adiantamentos a clientes 127.934.811 133.033.471

DERIVATIVOS UTILIZADOS COMO HEDGE 163.425 106.321

ATIVOS NÃO CORRENTES PARA VENDA 171.464 112.824

PARTICIPAÇÕES EM COLIGADAS 419.122 633.595

ATIVO TANGÍVEL 3.701.769 3.829.074

ATIVO INTANGÍVEL 31.617.939 30.995.287


Ágio 28.312.236 27.488.426
Outros ativos intangíveis 3.305.703 3.506.861

CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS 15.779.222 12.919.894


Correntes 2.162.063 1.150.737
Diferidos 13.617.159 11.769.157

OUTROS ATIVOS 1.871.437 2.870.604

TOTAL DO ATIVO 315.972.576 294.189.847

25
Informações Financeiras Adicionais

PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2009 2008

PASSIVOS FINANCEIROS PARA NEGOCIAÇÃO 4.434.734 11.209.600


Derivativos 4.401.709 11.197.268
Posição vendida 33.025 12.332

OUTROS PASSIVOS FINANCEIROS AO VALOR JUSTO NO RESULTADO 1.795 307.376


Depósitos de instituições de crédito 1.795 307.376

PASSIVO FINANCEIRO AO CUSTO AMORTIZADO 203.567.734 213.973.314


Depósitos do Banco Central do Brasil 240.113 184.583
Depósitos de instituições de crédito 20.955.846 26.325.636
Depósitos de clientes 149.440.156 155.494.839
Captações no mercado aberto 11.439.010 12.085.655
Dívidas subordinadas 11.304.445 9.197.429
Outros passivos financeiros 10.188.164 10.685.172

DERIVATIVOS UTILIZADOS COMO HEDGE 9.806 264.771

PASSIVOS POR CONTRATOS DE SEGURO 15.527.197 -

PROVISÕES 9.480.262 8.915.245


Provisões para pensões e obrigações similares 1.096.799 1.078.916
Provisões para passivo contingente, compromissos e outras provisões 8.383.463 7.836.329

PASSIVOS FISCAIS 9.456.537 6.156.101


Correntes 5.588.680 3.025.207
Diferidos 3.867.857 3.130.894

OUTRAS OBRIGAÇÕES 4.227.768 3.526.962

TOTAL DO PASSIVO 246.705.833 244.353.369

PATRIMÔNIO LÍQUIDO 68.706.363 49.317.582


Capital social 62.612.455 47.152.201
Reservas 2.161.302 1.240.031

Lucro do exercício atribuível à controladora 5.507.606 2.378.395


Menos: dividendos e remuneração (1.575.000) (1.453.045)

AJUSTES AO VALOR DE MERCADO 559.042 513.617


Ativos financeiros disponíveis para venda 791.966 795.412
Hedges de fluxo de caixa (232.924) (281.795)

PARTICIPAÇÃO DOS ACIONISTAS MINORITÁRIOS 1.338 5.279

TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 69.266.743 49.836.478


TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 315.972.576 294.189.847

26
DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009, 2008 E 2007
INFORMAÇÕES FINANCEIRAS ADICIONAIS NÃO AUDITADAS
(Valores expressos em milhares de reais - R$, exceto valores por ação)

2009 2008(2) 2007(3)


Receitas com juros e similares 40.436.258 23.767.814 13.197.368
Despesas com juros e similares (18.269.167) (12.329.845) (7.002.082)

RECEITA LÍQUIDA COM JUROS 22.167.091 11.437.969 6.195.286


Receita de renda variável 29.903 36.972 36.387
Resultado de equivalência patrimonial 295.414 112.330 5.884
Receita de tarifas e comissões 7.148.164 4.809.014 3.363.518
Despesas de tarifas e comissões (910.402) (555.311) (265.546)
Ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros (líquidos) 2.716.323 (1.286.113) 1.516.664
Ativos financeiros para negociação 2.032.272 (1.214.846) 254.128
Outros instrumentos financeiros ao valor justo no resultado (10.132) 39.956 24.873
Instrumentos financeiros não mensurados pelo valor justo no resultado 755.916 320.307 1.236.856
Outros (61.733) (431.530) 807
Diferenças cambiais (líquidas) (51.191) 1.475.779 381.587
Outras receitas (despesas) operacionais (115.624) (59.817) 132.924

TOTAL DE RECEITAS 31.279.678 15.970.823 11.366.704


Despesas administrativas (10.947.217) (7.184.937) (4.460.217)
Despesas com pessoal (5.510.972) (3.548.162) (2.384.267)
Outras despesas administrativas (5.436.245) (3.636.775) (2.075.950)
Depreciação e amortização (1.248.612) (846.005) (579.746)
Provisões (líquidas) (3.480.693) (1.230.317) (1.196.412)
Perdas com ativos financeiros (líquidas) (9.966.404) (4.099.284) (2.159.437)
Empréstimos e financiamentos (9.982.881) (4.102.645) (2.179.843)
Outros instrumentos financeiros não mensurados pelo valor justo no resultado 16.477 3.361 20.406
Perdas com outros ativos (líquidas) (900.554) (77.277) (298.082)
Outros ativos intangíveis (1) (859.216) (52.002) (227.533)
Outros ativos (41.338) (25.275) (70.549)
Ganhos líquidos na alienação de bens não classificados como ativo não circulante 3.369.301 6.611 861
destinado à venda
Ganhos líquidos na alienação de ativo não circulante destinado à venda não 31.630 9.219 13.470
classificados como operações descontinuadas

LUCRO OPERACIONAL ANTES DA TRIBUTAÇÃO 8.137.129 2.548.833 2.687.141


Imposto de renda (2.629.165) (170.207) (784.142)

LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO DO EXERCÍCIO 5.507.964 2.378.626 1.902.999


Lucro atribuível à Controladora 5.507.606 2.378.395 1.902.999
Lucro atribuível a participações minoritárias 358 231 -

LUCRO POR AÇÃO (em reais)


Lucro básico e diluído por 1.000 ações (em reais - R$)
Ações ordinárias 15,32 11,59 14,02
Ações preferenciais 16,85 12,75 15,43
Média ponderada das ações emitidas (em milhares) - básica e diluída
Ações ordinárias 183.650.861 104.926.194 69.383.705
Ações preferenciais 159.856.132 91.168.064 60.285.449

(1)
E m 2009, inclui perda não recuperável do ativo registrado pela compra da folha de pagamento de entidades públicas no valor de R$ 818.843 mil. Esta perda foi constituída em
decorrência da: (i) mudança na lei da portabilidade de conta-corrente que possibilitou ao cliente a escolha do banco na qual deseja receber seus proventos; (ii) redução do valor
de mercado das folhas de pagamento; e (iii) histórico de quebra de contratos.
(2)
Inclui os resultados da consolidação do Banco ABN AMRO Real S.A. (Banco Real) a partir do dia 29 de agosto de 2008.
(3)
Não inclui os resultados do Banco Real.

27
Informações Financeiras Adicionais

DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS


EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009, 2008 E 2007
INFORMAÇÕES FINANCEIRAS ADICIONAIS NÃO AUDITADAS
(Valores expressos em milhares de reais - R$)

Patrimônio líquido atribuível à Controladora

Patrimônio Líquido

Lucro Total Ajustes Total


Capital Ações em atribuído à Dividendos e patrimônio ao valor Participações patrimônio
social Reservas Tesouraria Controladora remuneração líquido de mercado Total minoritárias líquido

Saldos em 1° de janeiro de 2007 6.831.448 1.263.450 - - (559.033) 7.535.865 1.583.868 9.119.733 57 9.119.790
Resultado abrangente total de exercício - - - 1.902.999 - 1.902.999 (46.824) 1.856.175 - 1.856.175
Outras mutações do patrimônio líquido -
Dividendos/remuneração - (559.033) - - (1.705.735) (2.264.768) - (2.264.768) - (2.264.768)
Aumento de capital 1.500.000 - - - - 1.500.000 - 1.500.000 - 1.500.000
Outros - (2.617) - - - (2.617) - (2.617) - (2.617)
Saldos em 31 de dezembro de 2007 8.331.448 701.800 - 1.902.999 (2.264.768) 8.671.479 1.537.044 10.208.523 57 10.208.580

Resultado abrangente total de exercício - - - 2.378.395 - 2.378.395 (1.023.427) 1.354.968 231 1.355.199
Outras mutações do patrimônio líquido -
Apropriação do lucro do exercício - 1.902.999 - (1.902.999) - - - - - -
Dividendos/remuneração - (2.264.768) - - 811.723 (1.453.045) - (1.453.045) - (1.453.045)
Aumento de capital 38.820.753 900.000 - - - 39.720.753 - 39.720.753 - 39.720.753
Outros - - - - - - - - 4.991 4.991
Saldos em 31 de dezembro de 2008 47.152.201 1.240.031 - 2.378.395 (1.453.045) 49.317.582 513.617 49.831.199 5.279 49.836.478

Resultado abrangente total de exercício - - - 5.507.606 - 5.507.606 45.425 5.553.031 358 5.553.389
Outras mutações do patrimônio líquido -
Apropriação do lucro do exercício - 2.378.395 - (2.378.395) - - - - - -
Dividendos/remuneração - (1.453.045) - - (121.955) (1.575.000) - (1.575.000) - (1.575.000)
Aumento de capital 15.460.254 - - - - 15.460.254 - 15.460.254 (4.046) 15.456.208
Aquisição de ações próprias - - (1.948) - - (1.948) - (1.948) - (1.948)
Outros - (4.079) 1.948 - - (2.131) - (2.131) (253) (2.384)
Saldos em 31 de dezembro de 2009 62.612.455 2.161.302 - 5.507.606 (1.575.000) 68.706.363 559.042 69.265.405 1.338 69.266.743

28
INFORMAÇÕES FINANCEIRAS ADICIONAIS NÃO AUDITADAS PARA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008
(Valores expressos em milhares de reais - R$, exceto quando indicado)

Ativos financeiros

a) Composição e detalhes

A composição, por natureza e categoria para fins de avaliação, dos ativos do Banco, exceto saldos relacionados com “Disponibilidades e
Reservas no Banco Central do Brasil” e “Derivativos utilizados como Hedge”, em 31 de dezembro de 2009 e 2008 estão demonstradas abaixo:

Em milhares de Reais 2009


Ativos Outros ativos Ativos
financeiros financeiros financeiros
para ao valor justo disponíveis Empréstimos
negociação no resultado para venda e recebíveis

Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito 67.170 1.907.265 - 24.228.143


Empréstimos e adiantamentos a clientes - 389.113 - 127.934.811
Sendo:
Empréstimos e adiantamentos a clientes, bruto - 389.113 - 138.005.290
Perdas por não recuperação (“impairment”) - - - (10.070.479)
Instrumentos de dívida 12.554.035 210.973 44.745.924 -
Participações acionárias 2.544.441 13.787.109 1.660.196 -
Derivativos para negociação 4.950.006 - - -
Total 20.115.652 16.294.460 46.406.120 152.162.954

Em milhares de Reais 2008


Ativos Outros ativos Ativos
financeiros financeiros financeiros
para ao valor justo disponíveis Empréstimos
negociação no resultado para venda e recebíveis

Empréstimos e adiantamentos a instituições de crédito - 4.046.898 - 29.691.635


Empréstimos e adiantamentos a clientes - 1.434.789 - 133.033.471
Sendo:
Empréstimos e adiantamentos a clientes, bruto - 1.434.789 - 141.214.627
Perdas por não recuperação (“impairment”) - - - (8.181.156)
Instrumentos de dívida 10.011.999 93.274 29.491.191 -
Participações acionárias 678.993 - 1.244.490 -
Derivativos para negociação 9.295.008 - - -
Total 19.986.000 5.574.961 30.735.681 162.725.106

b) Ajustes de avaliação decorrentes de perda do valor recuperável dos ativos financeiros

Empréstimos e recebíveis

As variações nas provisões para perdas por não recuperação dos ativos incluídos em “Empréstimos e recebíveis” no exercício findo em
31 de dezembro de 2009 e 2008 foram as seguintes:

Em milhares de Reais 2009 2008

Saldo no início do exercício 8.181.156 2.249.432


Companhias adquiridas - 4.717.191
Provisão para perdas com ativos financeiros – Empréstimos e Recebíveis 10.520.389 4.533.301
Baixa de saldos não recuperáveis contra provisão para perdas registradas (8.631.066) (3.318.768)
Saldo no final do exercício 10.070.479 8.181.156
Recuperações de empréstimos baixados para prejuízo 537.508 430.656

Considerando os valores das “Recuperações de empréstimos baixados para prejuízo” e os reconhecidos em “Perda de valor recuperável
contra o resultado” na tabela acima, as perdas de valor recuperável reconhecidas nas demonstrações do resultado em “Empréstimos e
Recebíveis” totalizaram R$9.982.881 mil e R$4.102.645 mil nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2009 e 2008 respectivamente.

29
Informações Financeiras Adicionais

c) Ativos não-recuperáveis

Os detalhes das variações no saldo dos ativos financeiros classificados como “Empréstimos e recebíveis” considerados como não-
recuperáveis devido ao risco de crédito nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2009 e 2008 são os seguintes:

Em milhares de Reais 2009 2008

Saldo no início do exercício 7.730.464 2.092.787


Adições líquidas 10.800.486 5.035.515
Ativos baixados (8.631.066) (3.318.768)
Aumento no escopo de consolidação - 3.920.930
Saldo no final do exercício 9.899.884 7.730.464

Investimentos em Coligadas

a) Composição

Composição, por empresa, do saldo de “Participações em Coligadas”:

Participação em % Investimentos Resultados de investimentos


Em milhares de Reais 2009 2008 2009 2008 2009 2008

Norchem Holding e Negócios S.A. 21,75% 21,75% 24.056 21.186 2.870 1.899
Norchem Participações e Consultoria S.A. 50,00% 50,00% 28.918 27.621 1.297 3.046
Companhia de Crédito, Financiamento e 39,64% 39,59% 101.303 82.087 16.720 2.639
Investimento RCI Brasil
Companhia de Arrendamento Mercantil RCI Brasil 39,88% 39,88% 189.088 179.072 13.133 4.548
Celta Holding S.A. 26,00% 25,99% 65.612 61.468 4.267 30.676
ABN AMRO Brasil Dois Participações S.A. (5) - - - - 126.442 -
Real Seguros Vida e Previdência S.A. (atual - 49,99% - 86.980 8.766 14.338
denominação da Real Tokio Marine Vida e
Previdência S.A.) (4)
Diamond Finance Promotora de Vendas (5) - 25,50% - 787 106 564
Fonet Brasil S.A. (3) (5) - 50,99% - 7.644 (1.324) (539)
Companhia Brasileira de Meios de Pagamento - 14,87% - 104.409 115.796 50.726
- Visanet (2) (5)
Cibrasec - Companhia Brasileira de Securitização (2) 13,64% 13,64% 10.145 9.933 475 (49)
Tecban - Tecnologia Bancária S.A. (5) - 20,68% - 32.044 531 271
Companhia Brasileira de Soluções e Serviços - - 15,32% - 20.364 6.335 3.892
CBSS (2) (5)
Interchange Serviços S.A. (1) (6) - - - - - 319
Total 419.122 633.595 295.414 112.330

(1)
 ariações no escopo de consolidação.
V
(2)
Embora as participações fossem inferiores a 20%, o Banco presumiu influência significativa sobre essas participações, que foi comprovada devido à representação do Banco no
Conselho de Administração das investidas e à participação no processo de elaboração de políticas, incluindo participação em decisões sobre dividendos e transações significativas
entre o Banco e as investidas.
(3)
Embora o Banco detenha no mínimo 50% em cada uma dessas empresas, elas não são consolidadas, visto que o Banco não tem o controle delas, seja através de direitos de veto ou
outros itens de acordo de acionistas.
(4)
Empresa passou a ser consolidada como parte da incorporação da Santander Seguros no Banco, aprovado em 14 de agosto de 2009, e incorporada pela Santander Seguros em
Setembro de 2009.
(5)
Investimento alienado em 2009.
(6)
Investimento alienado em 2008.

Ativos intangíveis

a) Ágio

O ágio registrado está sujeito ao teste de recuperabilidade, pelo menos uma vez por ano ou em menor período, no caso de alguma
indicação de redução do valor recuperável do ativo.

Para este efeito, a Administração estima o fluxo de caixa que está sujeita a vários fatores, como: (i) projeções macro-econômicas de taxa
de juros, inflação, taxa de câmbio e outras; (ii) comportamento e estimativas de crescimento do sistema financeiro nacional; (iii) aumento
dos custos, retornos, sinergias e plano de investimentos; e (iv) comportamento dos clientes; (v) taxa de crescimento e ajustes aplicados
aos fluxos em perpetuidade. A adoção dessas estimativas envolve a probabilidade de ocorrência de eventos futuros e a alteração de algum
destes fatores poderia ter um resultado diferente.

30
Baseado nas premissas descritas acima não foi identificado nenhuma perda do valor recuperável do ágio.

A movimentação do ágio no período findo em 31 de dezembro de 2009 e 2008 está apresentada abaixo:

Em milhares de Reais

2009 2008
Saldo no início do exercício 27.613.110 -
Aquisições:
Banco ABN Amro Real S.A. (1) - 27.613.110
Real Seguros Vida e Previdência 1.094.671 -
Alienações:
ABN AMRO Brasil Dois Participações S.A. (321.841) -
Companhia Brasileira de Meios de Pagamento - Visanet (73.704) -
Saldo no final do exercício 28.312.236 27.613.110
(1)
Inclui o montante de R$124.684 mil ajustado em 30 de junho de 2009, relacionado a revisão do valor justo das provisões, conforme pemitido pelo IFRS 3.

Passivos financeiros

a) Composição e detalhes

A composição, por natureza e categoria para fins de avaliação, dos passivos financeiros do Banco que não aqueles incluídos em “Derivativos
utilizados como Hedge”, em 31 de dezembro de 2009 e 2008:

2009
Em milhares de Reais Outros passivos
Passivos financeiros financeiros ao valor Passivos financeiros ao
para negociação justo no resultado custo amortizado

Depósitos do Banco Central do Brasil - - 240.113


Depósitos de instituições de crédito - 1.795 20.955.846
Depósitos de clientes - - 149.440.156
Captados no mercado aberto - - 11.439.010
Derivativos para negociação 4.401.709 - -
Dívidas subordinadas - - 11.304.445
Posições vendidas 33.025 - -
Outros passivos financeiros - - 10.188.164
Total 4.434.734 1.795 203.567.734

2008
Em milhares de Reais Outros passivos
Passivos financeiros financeiros ao valor Passivos financeiros ao
para negociação justo no resultado custo amortizado

Depósitos do Banco Central do Brasil - - 184.583


Depósitos de instituições de crédito - 307.376 26.325.636
Depósitos de clientes - - 155.494.839
Captados no mercado aberto - - 12.085.655
Derivativos para negociação 11.197.268 - -
Dívidas subordinadas - - 9.197.429
Posições vendidas 12.332 - -
Outros passivos financeiros - - 10.685.172
Total 11.209.600 307.376 213.973.314

Provisões

a) Composição

A composição do saldo do item “Provisões” é a seguinte:

Em milhares de Reais 2009 2008

Provisões para pensões e obrigações similares 1.096.799 1.078.916


Provisões para passivos contingentes, compromissos e outras provisões (1) 8.383.463 7.836.329
Provisões 9.480.262 8.915.245

(1)
Inclui basicamente provisões para contingências fiscais e outras contingências legais, cíveis e trabalhistas.

31
Informações Financeiras Adicionais

b) Provisões para impostos e outras contingências e outras - PIS e Cofins - R$3.734.078 mil (2008 - R$2.210.489 mil): diversas
provisões empresas do conglomerado interpuseram medida judicial com vistas
a afastar a redação do art. 3, §1, da Lei 9.718/1998, que modificou
O Banco Santander e suas controladas são parte em processos
a base de cálculo do PIS e da Cofins para que incidissem sobre todas
judiciais e administrativos de natureza tributária, cível e trabalhista,
as receitas das pessoas jurídicas. Antes da referida norma, já afastada
decorrentes do curso normal de suas atividades.
em decisões do Supremo Tribunal Federal, eram tributadas apenas as
As provisões foram constituídas com base na natureza, complexidade receitas de prestação de serviços e de venda de mercadorias.
e histórico das ações e na avaliação de êxito das empresas com base
- CSLL - Isonomia de Alíquotas - R$258.985 mil (2008 - R$502.948
nas opiniões dos assessores jurídicos internos e externos. O Santander
mil): diversas empresas do conglomerado questionam a aplicação
tem por política provisionar integralmente o valor das ações cuja
da alíquota majorada da CSLL (18% - 30%) aplicada às instituições
avaliação é de perda provável.
financeiras em comparação com empresas não financeiras (8%
As obrigações legais de natureza fiscal e previdenciária têm os seus - 10%). Estes processos não foram objeto da aplicação da Lei
montantes reconhecidos integralmente nas demonstrações financeiras. 11.941/09.
A Administração entende que as provisões constituídas são suficientes - Majoração de Alíquota da CSLL - R$552.228 mil (2008 - R$131.761
para atender eventuais perdas decorrentes de processos judiciais. mil): o Banco e demais instituições do conglomerado distribuíram
i. Obrigações legais e contingências Mandado de Segurança visando afastar a majoração de alíquota
da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido imposta pela Medida
Em novembro de 2009, o Banco e suas entidades controladas aderiram Provisória 413/2008, convertida na Lei 11.727/2008. As instituições
ao programa de parcelamento e pagamento à vista de débitos financeiras estavam sujeitas à alíquota de 9% para CSLL, entretanto,
tributários e previdenciários instituído pela Lei 11.941/2009. Os a nova legislação estabeleceu a alíquota de 15%.
principais processos incluídos nesse programa foram: (i) Dedutibilidade
da CSLL no IRPJ, no qual as entidades do conglomerado pleiteavam - ISS - Instituições Financeiras - $268.845 mil (2008 - R$279.554
a dedutibilidade da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido na mil): refere-se a discussões nas diversas empresas em processos
apuração do Imposto de Renda; (ii) CSLL - Isonomia de alíquotas no administrativos e judiciais frente a vários municípios, que exigem o
qual as instituições financeiras do conglomerado pretendiam afastar a pagamento do ISS, sobre diversas receitas decorrentes de operações
aplicação da alíquota majorada da Contribuição Social Sobre o Lucro que usualmente não se classificam como prestação de serviços.
Líquido (18% e 30%) em comparação com empresas não financeiras - INSS - R$209.045 mil (2008 - R$163.896 mil): refere-se a discussões
(8% e 10%) e (iii) IRPJ Simultaneidade, no qual a ABN Leasing nas diversas empresas em processos administrativos e judiciais que
pretendia compatibilizar para fins de Imposto de Renda as despesas visam a cobrança da contribuição previdenciária e do salário-educação
de depreciação no mesmo período do reconhecimento das receitas sobre verbas que normalmente não possuem natureza salarial.
de contraprestação de arrendamento mercantil.
- Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) - R$209.559 mil (2008 -
Considerando o estabelecido na regulamentação da referida Lei, R$205.714 mil): cobrança de IRPJ e CSLL incidentes sobre Provisão
os efeitos contábeis no caso dos processos fiscais e previdenciários para Devedores Duvidosos, decorrente da dedução, considerada
incluídos na modalidade de pagamento à vista, foram registrados indevida pelas autoridades fiscalizadoras, no ano calendário de
no momento da adesão ao programa. Como consequência, foram 1995 sob a alegação de que os critérios fiscais vigentes não foram
liquidados passivos fiscais contingentes no montante de R$1.344.860, observados.
através do pagamento (R$422.857) e da conversão em renda de
ii. Contingências trabalhistas
depósito em garantia (R$731.160). Foi registrado no resultado do
exercício, o ganho líquido de R$207.603, antes dos impostos sobre São ações movidas pelos Sindicatos e ex-empregados pleiteando
resultado. Não foram utilizados prejuízos fiscais ou base negativa de direitos trabalhistas que entendem devidos, em especial ao
Contribuição Social na liquidação dos referidos débitos fiscais conforme pagamento de “horas extras” e outros direitos trabalhistas,
facultava a Lei. incluindo processos relacionados à benefícios de aposentadoria.

O Banco e suas controladas aderiram também ao parcelamento Nas ações trabalhistas relativas a causas consideradas semelhantes
dos débitos fiscais e previdenciários, os quais poderão ser liquidados e usuais, a provisão é constituída com base na média histórica
em momento posterior após a consolidação formal dos débitos, dos pagamentos efetuados. As ações trabalhistas que não se
a ser realizada junto à Receita Federal do Brasil, nos termos da enquadram no critério anterior são provisionadas de acordo
regulamentação do programa. Assim, nenhum efeito contábil foi com o depósito judicial efetuado no processo ou são avaliadas
reconhecido no caso dessa modalidade de parcelamento uma vez que individualmente, sendo as provisões constituídas com base na
não foi possível identificar e quantificar os processos a serem incluídos situação de cada processo, na lei e jurisprudência de acordo com a
no programa, bem como seus efeitos contábeis. avaliação de êxito e classificação dos assessores jurídicos.

Os principais processos judiciais e administrativos relacionados a iii. Contingências cíveis


obrigações tributárias e previdenciárias que remanescem após a
As ações de caráter indenizatório referem-se à indenização por
aplicação da Lei nº 11.941/09 são:
dano material e/ou moral, referentes à relação de consumo,

32
versando, principalmente, sobre questões atinentes a cartões de - IRPJ e CSLL sobre Ressarcimentos Decorrentes de Garantias
crédito, crédito direto ao consumidor, contas correntes, cobrança Contratuais - em dezembro de 2007, a Receita Federal do Brasil
e empréstimos. Há também ações de cobrança relativas aos emitiu Auto de Infração no valor de R$320 milhões em face do
expurgos inflacionários em caderneta de poupança e contas de Banco Santander S.A. O objeto do auto é a cobrança de crédito
depósitos judiciais decorrentes dos Planos Econômicos (Bresser, tributário relativo a IRPJ e CSLL, ano-base 2002, sobre valores
Verão, Collor I e II) e outros assuntos. ressarcidos pelo antigo controlador do Banco Santander S.A.,
em decorrência de pagamentos efetuados pelo Banco, mas que
Nas ações cíveis relativas às causas consideradas semelhantes e
cabiam àquele, cujos atos de gestão deram causa à obrigação
usuais, a provisão é constituída com base na média histórica dos
então quitada. A Fiscalização entendeu que o valor depositado em
pagamentos efetuados. As ações cíveis que não se enquadram
favor do Banco Santander S.A. corresponde a “renda tributável”.
no critério anterior são provisionadas de acordo com avaliação
O Banco apresentou Impugnação Administrativa e a decisão de
individual realizada, sendo as provisões constituídas com base na
primeira instância foi desfavorável. Aguarda-se julgamento do
fase de cada processo, na lei e jurisprudência de acordo com a
Recurso Voluntário no Conselho de Contribuintes. O valor envolvido
avaliação de êxito e classificação dos assessores jurídicos.
atualizado da ação é de aproximadamente R$381 milhões.
Em 1 de setembro de 2009, foi realizado acordo com acionistas
- Perdas em Operações de Crédito - visa desconstituir os autos de
minoritários do extinto Banco Noroeste, relacionado às ações
infração lavrados pela Receita Federal do Brasil, sob a alegação
judiciais contra atos societários praticados nos anos de 1998 e 1999,
de que as empresas deduziram indevidamente das bases de
pelo qual tais ações serão extintas. Este acordo e a consequente
cálculo do IRPJ e da CSLL as perdas em operações de crédito,
extinção das ações já foram objeto de homologação judicial.
uma vez que não teriam atendido as condições e os prazos
iv. Outras Ações Judiciais de Responsabilidade de ex- previstos na legislação vigente. O valor envolvido atualizado é de
controladores aproximadamente R$224 milhões.

Referem-se a ações de naturezas fiscais, trabalhistas e cíveis, nos - CSLL - Inconstitucionalidade - Desenquadramento da Anistia
montantes de R$430.357, R$61.141 e R$33.601 (2008 - R$459.291, da Lei 9.779/1999 - questiona-se que Entidades que aderiram
R$137.861 e R$57.386), de responsabilidade dos ex-controladores à anistia não cumpriram a totalidade de requisitos estabelecidos
dos bancos adquiridos. As ações possuem garantias com base nos naquela lei, sob a alegação de que não possuíam medida judicial
contratos firmados na ocasião das respectivas compras no montante abarcando todos os períodos pagos (1989 a 1999). Os processos
de R$525.099 (2008 - R$654.538). Essas ações não produzem efeitos administrativos e judicial aguardam julgamento. O valor envolvido
patrimoniais para o Banco. atualizado é de aproximadamente R$165 milhões.

v. P
 assivos contingentes classificados como de risco de - CSLL - Isonomia de Alíquotas - pleito em relação à diferença de
perda possível alíquota da CSLL, exigida das instituições financeiras e entidades
equiparadas relacionada ao primeiro semestre de 1996, tendo
São processos judiciais e administrativos de natureza tributária,
em vista que a mesma era superior às aplicadas às pessoas
cível e trabalhista classificados, com base na opinião dos assessores
jurídicas em geral, não observando o princípio constitucional
jurídicos, como risco de perda possível, não reconhecidos
da anterioridade e irretroatividade. Há processo aguardando
contabilmente. Os principais processos são:
julgamento de primeira instância e outros recursos pendentes
- CPMF em Operações de Clientes - em maio de 2003, a Receita de decisão. O valor envolvido atualizado é de aproximadamente
Federal do Brasil emitiu um Auto de Infração em face da Santander de R$162 milhões.
Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. (Santander
- CSLL - Decisão Transitada em Julgado - visa garantir o direito
DTVM), atual Produban Serviços de Informática S.A. e outro
do não reconhecimento do crédito tributário formalizado pela
auto em face do extinto Banco Santander Brasil S.A., ambos no
Receita Federal do Brasil, referente a supostas irregularidades no
montante de R$290 milhões. O objeto dos autos foi a cobrança de
recolhimento da CSLL, vez que a Entidade possui decisão judicial
crédito tributário relativo à CPMF sobre operações efetuadas pela
transitada em julgado, afastando a exigência da CSLL nos termos
Santander DTVM na administração de recursos de seus clientes e
das Leis 7.689/1988 e 7.787/1989. Os recursos no Tribunal
serviços de compensação prestados pelo Banco para a Santander
Regional Federal estão pendentes de decisão. O valor envolvido
DTVM, conforme acordo entre essas duas companhias, durante
atualizado é de aproximadamente R$148 milhões.
os anos de 2000 e 2001 e os dois primeiros meses de 2002.
Ambas sociedades consideram que o tratamento fiscal adotado - Gratificação Semestral ou Participação nos Lucros ou Resultados -
era adequado uma vez que as referidas operações estavam sujeitas ação na esfera trabalhista referente ao pagamento de gratificação
à CPMF pela alíquota zero. O Conselho de Contribuintes julgou semestral ou, sucessivamente, Participação nos Lucros ou Resultados
os processos administrativos anulando o auto da Santander (PLR) aos empregados aposentados do extinto Banco do Estado
DTVM e mantendo o do Banco. Aguarda-se julgamento do de São Paulo S.A. - Banespa, admitidos até 22 de maio de 1975,
Agravo interposto pelo Banco, em face do despacho que negou movida por Associação de Aposentados do Banespa. A ação foi
seguimento ao Recurso Especial. O valor envolvido atualizado de julgada pelo Tribunal Superior do Trabalho e o Banco ingressou com
cada uma das ações é de aproximadamente R$515 milhões. os recursos cabíveis. O valor envolvido não é divulgado em razão da

33
Informações Financeiras Adicionais

atual fase processual do caso e de potencialmente poder afetar o O capital social integralizado é representado por 399.044.117 mil
andamento da ação. ações escriturais sem valor nominal, sendo 212.841.732 mil ações
ordinárias e 186.202.385 mil ações preferenciais (em 2008 total de
- Adicional do Preço na Compra das Ações do Banco do Estado de
325.758.283 mil ações, sendo 174.292.416 mil ações ordinárias e
São Paulo S.A. - Banespa - proposição de ação ordinária com o
151.465.867 mil ações preferenciais).
objetivo de ver declarada a inexistência de relação jurídica frente
ao Tesouro Nacional em relação ao item 3.1 do Contrato de b) Dividendos e juros sobre o capital próprio
Compra e Venda de Ações do Banespa. O referido item previa o
Estatutariamente, estão assegurados aos acionistas dividendos
pagamento de acréscimo ao preço mínimo, caso o Banespa viesse
mínimos de 25% do lucro líquido de cada ano, ajustado de acordo
a ser desonerado de contingência de natureza fiscal reconhecida
com a legislação. As ações preferenciais não têm direito a voto
na época da privatização quando da fixação do preço mínimo.
e não podem ser convertidas em ações ordinárias, mas têm os
Após decisão em primeira instância desfavorável, em 23 de
mesmos direitos e vantagens concedidos às ações ordinárias, além
abril de 2008, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região acolheu
de prioridade na distribuição de dividendos e adicional de 10%
recurso de apelação do Banco e declarou a cobrança indevida.
sobre os dividendos pagos às ações ordinárias, e no reembolso de
No momento, aguarda julgamento de recurso interposto pela
capital, sem prêmio, em caso de dissolução do Banco.
União. O valor envolvido atualizado é de aproximadamente
R$345 milhões. Os dividendos foram e continuarão a ser calculados e pagos de
acordo com a Lei das Sociedades por Ações.
Patrimônio líquido
Antes da Assembléia Anual dos Acionistas, o Conselho de
a) Capital emitido
Administração pode deliberar sobre o pagamento de dividendos
De acordo com o Estatuto Social, o capital social do Banco intermediários sobre os lucros auferidos, com base em: (i) balanços
poderá ser aumentado até o limite do capital autorizado, patrimoniais ou reservas de lucro semestrais; ou (ii) balanços
independentemente de reforma estatutária, mediante deliberação patrimoniais emitidos em períodos inferiores a seis meses, em
de nosso Conselho de Administração e por meio da emissão de até cujo caso a distribuição de dividendos não pode exceder o valor
500 bilhões de Ações, observados os limites legais estabelecidos das reservas de capital. Esses pagamentos intermediários são
quanto ao número de ações preferenciais. Qualquer aumento de compensados contra o dividendo anual compulsório.
capital que exceda esse limite requererá a aprovação dos acionistas.

2009
Em milhares Reais por milhares de ações / Units
de Reais (5) Ordinárias Preferenciais Units
Juros sobre o Capital Próprio no Resultado findo em 31 de dezembro de 2009 (1) 340.000 0,997 1,097 n.a.
Juros sobre o Capital Próprio no Resultado findo em 31 de dezembro de 2009 (2) 285.000 0,836 0,920 n.a.
Dividendos Intermediários no Resultado findo em 31 de dezembro de 2009 (3) 327.400 0,784 0,862 86,227
Dividendos Intercalares no Resultado findo em 31 de dezembro de 2009 (3) 422.600 1,012 1,113 111,300
Juros sobre o Capital Próprio no Resultado findo em 31 de dezembro de 2009 (3) (4) 200.000 0,479 0,527 52,674
Total Acumulado em 31 de dezembro de 2009 1.575.000
(1)
Deliberados pelo Conselho de Administração em abril de 2009, Ordinárias - R$0,8478 e Preferenciais - R$0,9326, líquidos de impostos.
(2)
Deliberados pelo Conselho de Administração em junho de 2009, Ordinárias - R$0,7107 e Preferenciais - R$0,7817, líquidos de impostos.
(3)
Deliberados pelo Conselho de Administração em dezembro de 2009.
(4)
Ordinárias - R$0,4070 e Preferenciais - R$0,4477, líquidos de impostos e e Units R$44,7728.
(5)
O valor dos Dividendos Intermediários, Dividendos Intercalares e Juros sobre o Capital Próprio serão imputados integralmente ao Dividendos Obrigatórios e serão pagos em 22 de
fevereiro de 2010, sem nenhuma remuneração a título de atualização monetária.
2008
Em milhares Reais por milhares de ações / Units
de Reais Ordinárias Preferenciais Units
Dividendos baseados no resultado intermediário do exercício findo em 31 de 752.807 2,208 2,429 n.a.
dezembro de 2008 (1)
Dividendos baseados no resultado intermediário do exercício findo em 31 de 217.193 0,637 0,701 n.a.
dezembro de 2008 (1)
Dividendos baseados em reservas constituídas (1) 3.045 0,009 0,010 n.a.
Juros sobre o capital próprio no resultado do exercício findo em 31 de dezembro 480.000 1,408 1,549 n.a.
de 2008 (1) (2)
Total acumulado em 31 de dezembro de 2008 1.453.045
(1)
Deliberados pelo Conselho de Administração em dezembro de 2008.
(2)
Ordinárias - R$1,1969 e preferenciais - R$1,3166, líquidos de impostos.

34
c) Ações em tesouraria

Em fevereiro de 2009, o Banco adquiriu 25.395 mil ações de sua própria emissão pelo valor de R$1.948 mil. Em agosto, de 2009,
foi deliberado em Assembléia Geral Extraordinária, o cancelamento das ações mantidas em tesouraria, sem redução do capital social,
mediante a absorção de R$1.948 mil da conta de reservas de capital.

Segmentos operacionais

De acordo com o IFRS 8, um segmento operacional é um componente de uma entidade:

(a) Que opera em atividades das quais poderá obter receitas e incorrerem despesas (incluindo receitas e despesas relacionadas a operações
com outros componentes da mesma entidade).

(b) Cujos resultados operacionais sejam regularmente revisados pelo principal responsável da entidade pelas decisões operacionais
relacionadas à alocação de recursos ao segmento e à avaliação de seu desempenho.

(c) Para as quais informações financeiras opcionais estejam disponíveis.

O Banco identificou, com base nessas diretrizes, os seguintes segmentos de negócios como sendo os seus segmentos operacionais:

• Banco Comercial.

• Banco de Atacado Global.

• Gestão de Ativos e Seguros (2008 – Gestão de Ativos e Corretagem).

O segmento de Banco Comercial engloba todo o negócio de banco comercial (exceto o negócio Corporate Banking gerenciado
globalmente com base no Global Relationship Model - Modelo Global de Relacionamento). O segmento de Gestão de Ativos e Seguros
inclui os aportes para o Banco decorrentes da concepção e gestão dos negócios de fundos de investimento, previdência privada e seguros
das diversas unidades. O segmento de Banco de Atacado Global reflete os retornos desse negócio, do negócio do Banco de Investimento
e Mercados, inclusive todos os departamentos de tesouraria e negócios com ações gerenciados globalmente.

As demonstrações do resultado condensadas e outros dados significativos são os seguintes:

Em milhares de Reais 2009


Demonstração (Condensada) do Resultado Banco de Gestão de
Banco Atacado Ativos e
Comercial Global Seguros Total

RECEITA FINANCEIRA LÍQUIDA 20.260.381 1.766.812 139.898 22.167.091


Resultado de renda variável 29.903 - - 29.903
Resultado de equivalência patrimonial 295.414 - - 295.414
Receita líquida de tarifas e comissões 4.969.848 863.326 404.588 6.237.762
Ganhos/perdas sobre ativos e passivos financeiros 1.751.572 859.209 54.351 2.665.132
Outras receitas (despesas) operacionais (280.861) (22.540) 187.777 (115.624)
RECEITA TOTAL 27.026.257 3.466.807 786.614 31.279.678
Despesas com pessoal (4.971.773) (474.295) (64.904) (5.510.972)
Outras despesas administrativas (5.213.092) (175.017) (48.136) (5.436.245)
Depreciação e amortização de ativos tangíveis e intangíveis (1.175.995) (38.635) (33.982) (1.248.612)
Provisões (líquido) (3.389.253) (45.050) (46.390) (3.480.693)
Perdas com ativos financeiros (líquido) (9.883.382) (83.022) - (9.966.404)
Perdas por não recuperação de outros ativos (líquido) (899.172) - (1.382) (900.554)
Outros ganhos (perdas) financeiros 3.400.931 - - 3.400.931
LUCRO ANTES DA TRIBUTAÇÃO 4.894.521 2.650.788 591.820 8.137.129

Outros:
Total de ativos 269.457.520 46.515.056 - 315.972.576
Empréstimos e adiantamentos a clientes 95.176.323 33.147.601 - 128.323.924
Depósitos de clientes 128.127.568 21.312.588 - 149.440.156

35
Informações Financeiras Adicionais

Em milhares de Reais 2008


Demonstração (Condensada) do Resultado Banco de Gestão de
Banco Atacado Ativos e
Comercial Global Corretagem Total

RECEITA FINANCEIRA LÍQUIDA 10.191.650 1.213.502 32.817 11.437.969


Resultado de renda variável 36.972 - - 36.972
Resultado de equivalência patrimonial 112.330 - - 112.330
Receita líquida de tarifas e comissões 3.602.255 449.289 202.159 4.253.703
Ganhos/perdas sobre ativos e passivos financeiros (358.011) 540.636 7.041 189.666
Outras receitas (despesas) operacionais (21.570) (37.782) (465) (59.817)
RECEITA TOTAL 13.563.626 2.165.645 241.552 15.970.823
Despesas com pessoal (3.104.942) (403.671) (39.549) (3.548.162)
Outras despesas administrativas (3.485.160) (129.640) (21.975) (3.636.775)
Depreciação e amortização de ativos tangíveis e intangíveis (797.536) (44.065) (4.404) (846.005)
Provisões (líquido) (1.160.918) (38.638) (30.761) (1.230.317)
Perdas com ativos financeiros (líquido) (4.076.108) (23.176) - (4.099.284)
Perdas por não recuperação de outros ativos (líquido) (77.267) - (10) (77.277)
Outros ganhos (perdas) financeiros 15.830 - - 15.830
LUCRO ANTES DA TRIBUTAÇÃO 877.525 1.526.455 144.853 2.548.833

Outros:
Total em ativos 243.957.824 50.232.023 - 294.189.847
Empréstimos e adiantamentos a clientes 106.317.159 28.151.101 - 134.468.260
Depósitos de clientes 117.516.868 37.977.971 - 155.494.839

Adicionalmente, o Banco não tem clientes que individualmente ii) Rescisão do contrato
respondam por 10% da receita financeira ou receita correlata (das
Os contratos possuem prazo indeterminado. A extinção da
duas a maior) para 2009 e 2008.
relação de trabalho, no caso de descumprimento de obrigações
Transações com partes relacionadas ou por vontade própria do contratado, não dá direito a qualquer
compensação financeira.
As partes relacionadas do Banco incluem, além de suas controladas,
afiliadas e controladas em conjunto, o pessoal-chave da Administração b) Operações de crédito
do Banco e entidades sobre as quais esse pessoal-chave pode exercer
Conforme as normas vigentes, as instituições financeiras não
influência ou controle significativos.
podem conceder empréstimos ou adiantamentos a:
As transações realizadas pelo Banco com as suas partes relacionadas
a) Quaisquer pessoas físicas ou jurídicas que controlem a instituição
foram as seguintes:
ou qualquer entidade sob controle comum com a instituição,
a) Remuneração da Administração ou qualquer diretor, conselheiro, membro do conselho fiscal ou
membros da família imediata de tais pessoas físicas.
Na Assembleia Geral de Acionistas de 2009 foi estabelecido a
remuneração máxima agregada para o Conselho de Administração b) Qualquer entidade controlada pela instituição.
e Diretoria Executiva no montante de R$225.554. Em 2008,
c) Qualquer entidade da qual o Banco detenha, direta ou
a remuneração da administração, corresponde ao montante
indiretamente, 10% ou mais do capital social.
definido na Assembleia Geral de Acionistas do Banco Santander
e a remuneração do Conglomerado Banco Real a partir de 29 de Dessa forma, não são efetuados empréstimo ou adiantamento a
agosto de 2008 totalizando R$108.702. quaisquer controladas, diretores executivos, membros do Conselho
de Administração ou seus familiares.
i) Benefícios de curto prazo
c) Participação acionária
Remuneração do Conselho de Administração e de Diretoria:
A tabela a seguir demonstra a participação acionária direta (ações
Em milhares de Reais 2009 2008 ordinárias e preferenciais) em 31 de dezembro de 2009 e 2008,
com mais de 5% do total de ações:
Remuneração fixa 35.258 16.017
Remuneração variável 121.490 55.421
Outros 6.294 4.335
Total 163.042 75.773

36
31 de dezembro de 2009
Ações Ações Ações Ações Total de Total de
ordinárias ordinárias preferenciais preferenciais ações Ações
Acionistas (milhares) (%) (milhares) (%) (milhares) (%)
Grupo Empresarial Santander, S.L. (1) 74.967.225 35,2% 63.531.986 34,1% 138.499.211 34,7%
Sterrebeeck B.V. (1) 99.527.083 46,8% 86.492.330 46,5% 186.019.413 46,6%
Santander Seguros S/A (2) 7.241 0,0% 9.525 0,0% 16.766 0,0%
Santander Insurance Holding (1) 4.745.084 2,2% 4.125.836 2,2% 8.870.920 2,2%
Funcionários 311.840 0,1% 284.366 0,2% 596.206 0,1%
Membros do Conselho de Administração (*) (*) (*) (*) (*) (*)
Membros da Diretoria Executiva (*) (*) (*) (*) (*) (*)
Outros 33.283.259 15,7% 31.758.342 17,0% 65.041.601 16,4%
Total 212.841.732 100,0% 186.202.385 100,0% 399.044.117 100,0%

(1)
E mpresas do Grupo Santander Espanha.
(2)
A Incorporação de Ações da Santander Seguros, mencionada na Nota 2.c, acarretou participação recíproca entre o banco Santander e a Santander Seguros, a qual será eliminada no
prazo máximo de um ano contado da Assembleia Geral Extraordinária que aprovou e Incorporação de Ações, conforme previsto na regulamentação em vigor.
(*)
Nenhum dos membros do Conselho de Administração e da Diretoria detém 1,0% ou mais de qualquer classe de ações.

31 de dezembro de 2008
Ações Ações Ações Ações Total de Total de
ordinárias ordinárias preferenciais preferenciais ações Ações
Acionistas (milhares) (%) (milhares) (%) (milhares) (%)
Grupo Empresarial Santander, S.L. (1) 72.504.460 41,6% 61.391.761 40,5% 133.896.221 41,1%
Sterrebeeck B.V. (1) 99.048.194 56,8% 86.076.161 56,8% 185.124.355 56,8%
Membros do Conselho de Administração (*) (*) (*) (*) 133.896.221 (*)
Membros da Diretoria (*) (*) (*) (*) 185.124.355 (*)
Outros 2.739.762 1,6% 3.997.945 2,7% 6.737.707 2,1%
Total 174.292.416 100,0% 151.465.867 100,0% 644.778.859 100,0%

(*)
 enhum dos membros do Conselho de Administração e da Diretoria mantém 1,0% ou mais de qualquer classe de ações.
N
(1)
Empresas do Grupo Santander Espanha.

Planos de Opção de Compra de Ações

As principais premissas utilizadas em 31 de dezembro de 2009 não sofreram alterações significativas em relação às indicadas nas
demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2008.

Outras divulgações

a) Fundos administrados não registrados no balanço

Os fundos administrados pelo Banco não registrados no balanço são os seguintes:

Em milhares de Reais 2009 2008

Fundos de investimento 95.324.100 76.777.598


Ativos administrados 3.083.043 3.624.448
98.407.143 80.402.046

b) Títulos e valores mobiliários de terceiros sob custódia

Em 31 de dezembro de 2009, o Banco detinha sob custódia títulos de dívida e valores mobiliários de terceiros no valor total de R$94.949.464 mil
e R$80.454.575 mil em 2008.

37
Informações Financeiras Adicionais

Informações suplementares - conciliação do patrimônio líquido e do lucro líquido do Banco


(não exigida pelo IFRS para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009, 2008 e 2007)

De acordo com a Instrução CVM nº 457, de 13 de julho de 2007, apresentamos a seguir a conciliação do patrimônio líquido e do lucro
líquido atribuído à Controladora entre as práticas contábeis adotadas no Brasil e o IFRS, nos períodos apresentados a seguir:

Nota
Em milhares de Reais explicativa 2009 2008

Patrimônio líquido atribuído à Controladora em BR GAAP 64.492.694 48.756.557


Ajustes de IFRS, líquidos de impostos:
Taxa de desconto de planos de previdência privada e (174.218) (179.343)
Reclassificação de instrumentos financeiros ao valor justo através do resultado f 19.440 43.675
Reclassificação de instrumentos financeiros para disponíveis para venda a 555.104 552.854
Perda de valor recuperável de empréstimos e recebíveis b 960 (234.300)
Avaliação de investimentos pelo método de equivalência patrimonial c (15.078) (5.970)
Diferimento de tarifas bancárias, comissões e outros custos financeiros pelo
método de taxa de juros efetiva g 217.205 174.116
Reversão da amortização do ágio h 3.424.772 376.766
Marcação a mercado de contratos a termo em moeda estrangeira i (30.186) (11.069)
Perda de valor recuperável de outros ativos financeiros j 31.773 32.200
Perda de valor recuperável de ativos tangíveis d 17.439 1.542
Ajuste do preço de compra - realização k 727.101 315.992
Outros (1.600) 8.179
Patrimônio líquido atribuível à Controladora em IFRS 69.265.405 49.831.199
Participações minoritárias em IFRS 1.338 5.279
Patrimônio líquido (incluindo participações minoritárias) em IFRS 69.266.743 49.836.478

Nota
Em milhares de Reais explicativa 2009 2008 2007

Lucro líquido atribuído à Controladora em BR GAAP 1.805.899 1.580.614 1.845.396


Ajustes de IFRS, líquidos de impostos:
Taxa de desconto de planos de previdência privada e 5.125 6.966 12.501
Reclassificação de instrumentos financeiros ao valor justo através do resultado f (6.687) 34.015 9.660
Reclassificação de instrumentos financeiros para disponíveis para venda a (15.243) 49.260 (11.220)
Avaliação do investimento pelo método de equivalência patrimonial c - (16.897) (758)
Diferimento de tarifas bancárias, comissões e outros custos financeiros pelo
método de taxa de juros efetiva g 43.089 (39.716) 71.898
Reversão da amortização do ágio h 3.030.122 376.766 -
Perda de valor recuperável de empréstimos e recebíveis b 235.260 27.720 (25.080)
Marcação a mercado de contratos a termo em moeda estrangeira i (19.117) (11.069) -
Perda de valor recuperável de outros ativos financeiros j (427) 32.200 -
Perda de valor recuperável de ativos tangíveis d 15.897 13.332 2.310
Ajuste do preço de compra - realização k 411.109 315.992 -
Outros 2.579 9.212 (1.708)
Lucro líquido atribuído à Controladora em IFRS 5.507.606 2.378.395 1.902.999
Participações minoritárias em IFRS 358 231 -
Lucro líquido (incluindo participações minoritárias) em IFRS 5.507.964 2.378.626 1.902.999

a) Reclassificação de instrumentos financeiros para disponíveis para venda:

Segundo o BR GAAP, o Banco contabiliza determinados investimentos em títulos de dívida ao custo amortizado e títulos patrimoniais ao
custo. Segundo o IFRS, o Banco tem classificado esses investimentos como disponíveis para venda, calculando-os ao valor de mercado
com as alterações reconhecidas em Outras receitas abrangentes, dentro do escopo do IAS 39 “Instrumentos Financeiros: Reconhecimento
e Mensuração”.

b) Perda de valor recuperável de empréstimos e recebíveis:

Segundo o IFRS, com base na orientação fornecida pelo IAS 39 “Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração”, o Banco
estima a provisão para perdas sobre crédito com base no histórico de perda de valor recuperável e outras circunstâncias conhecidas por
ocasião da avaliação, conforme discutido na Nota Explicativa 2.g. Tais critérios diferem em determinados aspectos dos critérios adotados
segundo o BR GAAP (*), que usa determinados limites regulatórios definidos pelo Banco Central do Brasil para fins do cálculo da provisão
para perdas sobre crédito.
(*) Critério contábil adotado pelo BACEN e CVM

38
c) Avaliação do investimento pelo método de equivalência comissões e custos financeiros inerentes que integram a taxa
patrimonial de juros efetiva de instrumentos financeiros calculada ao custo
amortizado são reconhecidos no resultado durante o período de
Segundo o BR GAAP, investimentos em determinadas coligadas
validade dos respectivos contratos.
são contabilizados ao custo, uma vez que, segundo esses
princípios contábeis, não atendem aos critérios necessários para h) Reversão da Amortização do Ágio e outros
que possam ser contabilizados pelo método da equivalência
Segundo o BR GAAP, o ágio é amortizado sistematicamente durante
patrimonial. Tais critérios incluem participação de no mínimo
um período de 10 anos e está sujeito ao teste de recuperabilidade,
10% e a importância do investimento na coligada em relação à
pelo menos uma vez por ano, ou, em menor período, no caso
participação total do investidor. Segundo o IFRS, de acordo com
de alguma indicação de redução do valor recuperável do ativo.
o IAS 28 “Investimentos em Associadas”, um investimento em
Segundo o IFRS, em conformidade com o IAS 38 “Ativos
uma coligada na qual o investidor exerça influência significativa,
Intangíveis”, o ágio não é amortizado, mas testado para fins de
mesmo que a participação seja inferior a 20%, é contabilizado
determinação da perda de valor recuperável ao menos uma vez
pelo método da equivalência patrimonial. De acordo com a
por ano e sempre que houver indicação de que o ágio possa sofrer
Resolução 3.619 do CMN, o BR GAAP foi alterado para possibilitar
perda de valor recuperável; comparando-se seu valor recuperável a
a convergência com a orientação fornecida pelo IAS 28, em vigor
seu valor contábil. A amortização do ágio está caracterizada como
a partir de dezembro de 2008.
uma diferença permanente dedutível para fins fiscais e, portanto,
d) Perda de valor recuperável de ativos não financeiros: não há o registro de passivo fiscal diferido.

Segundo o BR GAAP, as perdas de valor recuperável de determinados i) Marcação a mercado de contratos a termo em moeda
ativos tangíveis relativos às agências do Banco foram reconhecidas estrangeira:
durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2008, como
Segundo o IFRS, em conformidade com o IAS 39 “Instrumentos
resultado da adoção do pronunciamento técnico CPC 01, “Redução
Financeiros: Reconhecimento e Mensuração”, contratos a termo
ao Valor Recuperável de Ativos”. O CPC 01 alterou a metodologia
em moeda estrangeira são derivativos registrados a valor de
usada no BR GAAP para permitir a convergência para o IFRS (IAS
mercado. Segundo o BR GAAP, esses contratos são contabilizados
36, “Perda no Valor Recuperável de Ativos”). Antes da emissão do
ao custo amortizado.
CPC 01, o Banco agrupava determinados ativos de agências ao
avaliar sua recuperabilidade. Segundo o IFRS, o Banco avalia esses j) Perda de valor recuperável de outros ativos financeiros:
ativos em relação às perdas de valor recuperável para cada uma das Segundo o IFRS, o Banco estimou o impacto da contabilização de
agências que para o Banco represente unidade geradora de caixa, provisão para ativos, que difere, em determinados aspectos, dos
de acordo com o IAS 36 “Perda no Valor Recuperável de Ativos”. critérios adotados segundo o BR GAAP.
e) Taxa de desconto de planos de previdência privada: k) Realização do ajuste do preço de compra
Segundo o BR GAAP, a taxa de desconto usada para obrigações Como parte da alocação do preço de compra, seguindo as
com benefícios previdenciários reflete a taxa nominal de juros. exigências do IFRS 3 “Combinações de Negócios”, o Banco
Segundo o IFRS, em consonância com o IAS 19 “Benefícios de reavaliou seus ativos e passivos a valor de mercado, incluindo
funcionários”, a taxa usada para trazer a valor presente as ativos intangíveis identificáveis com vida útil definida. Segundo o
obrigações de benefícios pós-emprego foi definida tendo por BR GAAP, em uma combinação de empresas, os ativos e passivos
referência as taxas de remuneração de mercado, no encerramento não são reavaliados a seus respectivos valores de mercado. Assim,
do período, de títulos de dívida. este ajuste diz respeito aos seguintes itens:
f) Reclassificação de instrumentos financeiros ao valor justo - Amortização relativa ao aumento no valor dos ativos na carteira
através do resultado: de empréstimos em relação a seu valor contábil: como o valor
Segundo o BR GAAP, todos os empréstimos, financiamentos e dos empréstimos foi ajustado a valor de mercado, isto gera um
depósitos são contabilizados ao custo amortizado. Segundo o IFRS, ajuste na curva de remuneração dos respectivos empréstimos
o Banco classificou determinados empréstimos, financiamentos em comparação com o seu valor nominal, o qual é compensado
e depósitos como sendo a “valor de mercado no resultado”, proporcionalmente com este ajuste.
em conformidade com o IAS 39 “Instrumentos Financeiros: - Amortização dos ativos intangíveis identificados com vida útil
Reconhecimento e Mensuração”. O Banco optou por essa base de definida em relação à vida útil estimada desses ativos (superior
classificação, uma vez que ela elimina um descasamento contábil a 10 anos).
no reconhecimento de receitas e despesas.

g) Diferimento de taxas bancárias, comissões e outros custos


financeiros pelo método da taxa de juros efetiva:

Segundo o IFRS, em consonância com o IAS 39 “Instrumentos


Financeiros: Reconhecimento e Mensuração”, as taxas bancárias,

39
Informações Financeiras Adicionais

Subsidiárias do Banco Santander (Brasil) S.A.

Em milhares de Reais
Lucro
Participações diretas e indiretas controladas pelo Banco Participação % Patrimônio (Prejuízo)
Santander (Brasil) S.A. Atividade Direta Indireta Líquido Líquido
Seguros e
Santander Seguros S.A. (5) previdência 100,00% 100,00% 2.360.554 263.700
Santander S.A. Corretora de Câmbio e Títulos Corretora 99,99% 100,00% 246.394 54.919
Santander Brasil Asset Management Distribuidora de Títulos Gestão de 100,00% 100,00% 237.661 30.846
e Valores Mobiliários S.A. ativos
Banco BANDEPE S.A. (1) Banco 100,00% 100,00% 4.015.044 349.539
Santander Leasing S.A. Arrendamento Mercantil (2) Leasing 78,57% 99,99% 11.720.578 1.056.756
Aymoré Crédito, Financiamento e Investimento S.A. Financeira 100,00% 100,00% 685.460 62.518
Santander Administradora de Consórcios Ltda. Consórcio 100,00% 100,00% 3.809 172
Santander Brasil Administradora de Consórcio Ltda. (3) Consórcio 100,00% 100,00% 92.925 38.470
Real Microcrédito Assessoria Financeira S.A. Microcrédito 100,00% 100,00% 9.616 3.053
Santander Advisory Services S.A. (4) Outras 100,00% 100,00% 131.902 13.867
atividades
Companhia Real Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Distribuidora 100,00% 100,00% 82.625 6.596
Santander Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (6) Corretora 99,99% 100,00% 40.200 444
Real Argentina S.A. Outras 98,99% 98,99% 53 (126)
atividades
Webmotors S.A. Outras 100,00% 100,00% 40.762 11.743
atividades
Agropecuária Tapirapé S.A. Outras 99,07% 99,07% 6.797 355
atividades
Real CHP S.A. Holding 92,78% 92,78% 4.112 3.614

Controladas pelo Santander Seguros S.A.


Santander Brasil Seguros S.A. (5) Seguros e - 100,00% 144.634 14.859
Previdência
Santander Capitalização S.A. (5) Capitalização - 100,00% 386.870 138.222

Controladas pela Companhia Real Distribuidora de


Títulos e Valores Mobiliários
Santander Securities (Brasil) Corretora de Valores Mobiliários S.A. Corretora - 100,00% 67.784 5.030

Controladas pelo Santander Advisory Services S.A.


Santander S.A. Serviços Técnicos, Administrativos e de Corretora de - 100,00% 63.762 11.162
Corretagem de Seguros Seguros

Real Corretora de Seguros S.A. Corretora de - 100,00% 63.792 47.162


Seguros

Brazil Foreign Diversified Payment Rights Finance Securitização - (a) 67 -


Company
(a)
Companhia sobre a qual há controle efetivo.
(1)
Denominação atual de Banco de Pernambuco S.A. - BANDEPE.
(2)
Denominação atual de Real Leasing S.A. Arrendamento Mercantil.
(3)
Denominação atual de ABN AMRO Administradora de Consórcio Ltda.
(4)
Denominação atual de ABN AMRO Advisory Services S.A.
(5)
Empresas consolidadas com resultado a partir de julho de 2009.
(6)
Denominação atual de ABN AMRO Real Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários.

40
relaçÕES COM INVESTIDORES (Brasil)
Av. Juscelino Kubitschek 2.235, 10º andar
São Paulo SP Brasil 04543-011
tel.: 55 11 3553-3300
ri@santander.com.br