Ciência e Espiritismo

Kardec

«  Le Spiritisme est une
science qui traite de la nature,
de l'origine et de la destinée
des Esprits, et de leur rapports
avec le monde corporel. »
Allan Kardec

Mas...

O que é Ciência, afinal?

?

dedutivismo
anarquismo
objetivismo
falsificacionismo

indutivismo

racionalis
mo
individualismo

relativismo

« […] a pergunta que constitui o título desse
livro é enganosa e arrogante. Ela supõe que
exista uma única categoria “ciência” e implica
que várias áreas do conhecimento, a física, a
biologia, a história, a sociologia e assim por
diante se encaixam ou não nessa categoria. »
Alan Chalmers

No princípio
Francis Bacon (séc. XVII): tentou articular o

que é o método da ciência moderna. No início
do século XVII, propôs que a meta da ciência é
o melhoramento da vida do homem na
Terra e, para ele, essa meta seria alcançada
através da coleta de fatos com observação
organizada e derivando teorias a partir daí.
Muitos outros após Bacon extenderam ou
refutaram veementemente seus métodos,
caminhando nessa definição de uma filosofia
da Ciência.

Para refletirmos
Alan Chalmers destaca que o positivismo lógico

(que diz que fatos não existem se não puderem ser
verificadas mediante observação) é quase
incompatível com os avanços das ciências modernas,
como a física quântica;
As dificuldades da indução e dedução, na lógica, estão
justamente nas medições que são necessárias, com
suas incertezas e máquinas: a comprovação Espírita
independe de terceiros dispositivos;
Ao contrário do que se supõe na visão comum de
ciência, não há restrições sobre a natureza das leis de
uma teoria científica, que podem inclusive ser de
caráter predominantemente metafísico.

Mas...

E Espiritismo?
É Ciência?

??

« Sistemas de pensamento que se
baseiam em pensamentos de origem
"filosófica", "divina" ou "inspirados"
não são considerados pseudociência
se eles não afirmam serem científicos
ou não vão contra a ciência »

« O Espiritismo não é da
alçada da Ciência »
Allan Kardec

E Kardec nos diz
“As ciências ordinárias assentam nas

propriedades da matéria, que se pode
experimentar e manipular livremente.
Os fenômenos espíritas repousam na
ação de inteligências dotadas de
vontade própria e que nos provam a
cada instante não se acharem
subordinadas aos nossos caprichos.”

Mas...
“As observações não podem, portanto, ser

feitas da mesma forma; requerem condições
especiais e outro ponto de partida. Querer
submetê- las aos processos comuns de
investigação é estabelecer analogias que não
existem. A ciência propriamente dita, é, pois,
como ciência, incompetente para se
pronunciar na questão do Espiritismo: não tem
que se ocupar com isso, e qualquer que seja o
seu julgamento, favorável ou não, nenhum
peso poderá ter.”

« Efeitos intelectuais »

Método de Kardec
Positivismo
lógico

+

Intuição

Método racional-intuitivo

Método
O primeiro exame comprobativo é, pois, o da razão,

ao qual cumpre se submeta, sem exceção, tudo o
que venha dos Espíritos;
Uma só garantia séria existe para o ensino dos
Espíritos: a concordância que haja entre as
revelações que eles façam espontaneamente,
servindo-se de grande número de médiuns
estranhos uns aos outros e em vários lugares;
Quando um princípio novo tem de ser enunciado,
isso se dá espontaneamente em diversos pontos ao
mesmo tempo e de modo idêntico, senão quanto à
forma, quanto ao fundo.
(KARDEC, Evangelho Segundo o
Espiritismo)

Método
“De tudo isso ressalta uma verdade capital: a de

que aquele que quisesse opor-se à corrente e
ideias estabelecida e sancionada porderia, é
certo, causar uma pequena perturbação local e
momentânea; nunca, porém, dominar o conjunto,
mesmo no presente, nem, ainda menos, no
futuro.”
“Também ressalta que as instruções dadas pelos
Espíritos sobre os pontos ainda não elucidados da
Doutrina não constituirão lei [...]; não devem, por
conseguinte, ser aceitas senão sob todas as
reservas e a título de esclarecimento.”
(KARDEC, Evangelho Segundo o
Espiritismo)

Espiritismo de Kardec
“Hoje, já não é um espetáculo, mas uma
Doutrina de que não mais riem os que
zombavam das mesas girantes.
Esforçando-nos para levá-lo para esse
terreno e aí mantê-lo [o terreno filosófico],
estamos certos de que lhe conquistaremos
mais adeptos úteis, do que provocando a
torto e a direito manifestações que se
prestariam a abusos”
(KARDEC, O livro dos médiuns)

Estudar
O Livro dos Espíritos, Princípios da Doutrina Espírita, publicado em 18 de abril de 1857;
O Livro dos Médiuns  ou Guia dos Médiuns e dos Evocadores, em janeiro de 1861;
O Evangelho segundo o Espiritismo , em abril de 1864;
O Céu e o Inferno ou A Justiça Divina Segundo o Espiritismo, em agosto de 1865;
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo, em janeiro de 1868.
Além delas, como Kardec, publicou mais cinco obras complementares:
Revista Espírita (periódico de estudos psicológicos), publicada mensalmente de 

1 de janeiro de 1858 a 1869; (12 volumes, um para cada ano)
O que é o Espiritismo (resumo sob a forma de perguntas e respostas), em 1859;
Instrução prática sobre as manifestações espíritas  (substituída pelo Livro dos Médiuns;
publicada no Brasil pela editora O Pensamento)
O Espiritismo em sua expressão mais simples , em 1862;
Viagem Espírita de 1862  (publicada no Brasil pela editora O Clarim).
Após o seu falecimento, viria à luz:
Obras Póstumas, em 1890.
Outras obras menos conhecidas foram também publicadas no Brasil:
O principiante espírita (pela editora O Pensamento)
A Obsessão (pela editora O Clarim)

Racionalismo de Kardec
Negar não é provar
Todo efeito inteligente deve ter uma causa

inteligente
A existência dos Espíritos é [...] o resultado de
observações e consequência natural da
existência da alma
Os que atacam o Espiritismo [...] negando
qualquer efeito extramaterial , negam,
automaticamente, a existência da alma

Exemplo de W. Crookes
Tudo começou quando o cientista decidiu

acabar de vez com aquela idéia absurda de
que "espíritos" poderiam se materializar.

"Vou provar tratar-se
de uma ilusão vulgar"
Mais de 3 anos de pesquisa até Florence Cook se oferecer para
ajudá-lo
Relato minucioso, até mesmo com a pulsação de Florence e
Katie
King
48 fotos
anexadas

Exemplo de C. Flamarion
“Porque, senhores, o Espiritismo não é uma

religião, mas uma ciência, da qual
apenas conhecemos o ABC. O tempo dos
dogmas terminou. A Natureza abarca o
Universo. O próprio Deus, que outrora foi feito
à imagem do homem, não pode ser
considerado pela Metafísica moderna senão
como um espírito na Natureza. O sobrenatural
não existe.”

Exemplo de Chico
“Amigos, a materialização é fenômeno que

pode deslumbrar alguns companheiros e até
beneficiá-los com a cura física. Mas o livro é
chuva que fertiliza lavouras imensas,
alcançando milhões de almas. Rogo aos
amigos a suspensão destas reuniões a partir
desse momento.”
Fato ocorrido em 1953, ao fim de
sessão de materialização e relatado
no livro “Mandato de Amor”

« Logo compreendi a gravidade da
exploração que ia empreender; entrevi
naqueles fenômenos a chave do problema
tão obscuro e tão controvertido do passado
e do futuro da Humanidade, a solução do
que eu havia procurado durante toda a
minha vida; era, numa palavra, toda uma
revolução nas idéias e nas crenças (...) »
Allan Kardec

Diretrizes para o futuro
Áreas de estudo científico do Espiritismo
 Evolução do espírito: o elemento espiritual dos

seres dos reinos inferiores; origem dos espíritos
humanos; encarnação e reencarnação;
pluralidade dos mundos habitados.
 O mundo espiritual.
 Interação espírito-corpo: perispírito, efeitos
psicossomáticos, mediunidade.
 Implicações morais (uma área científica e
filosófica): livre-arbítrio, lei de causa e efeito.

« Nós começamos confusos,
e terminamos confusos num
nível mais elevado »
Alan Chalmers

« Quantos ainda supõem que é
possível ser Espírita sem ajustar a
própria existência aos preceitos da
codificação, enganados por essa
suposição! »
Silvino Canuto de Abreu, psicografado por Raul Teixeira em 2004

Fontes consultadas
 http://www.unicamp.br/~chibeni/textosdidaticos/ciencia.pdf
 CHALMERS, A. F. Que é ciência afinal. Ed. Brasiliense. São Paulo,

1993.
 KARDEC, A. O livro dos espíritos. 2ª edição. FEB. Rio de Janeiro,
2010.
 KARDEC, A. Obras póstumas. FEB. Rio de Janeiro, 2010.
 KARDEC, A. O Evangelho segundo o Espiritismo. 2ª edição. FEB.
Rio de Janeiro, 2010.
 Grupo de estudos espíritas da Unicamp. http://
www.espirito.org.br/portal/artigos/geeu/ciencia-espirita.html
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Pseudoci%C3%AAncia
 http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A9todo_cient%C3%ADfico
 http://www.guia.heu.nom.br/comprovacao_mediunica.htm
 http://pt.wikipedia.org/wiki/William_Crookes
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Allan_Kardec#Obras