Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC

CENTRO DE TECNOLOGIA - CT
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEE

LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS I

Relatório da Prática 02

Gerador De Corrente Contínua Auto-Excitado

Bancada:

02

Equipe:

Breno Bezerra Chaves – 336649
Lorena de Castro Dantas – 366317
Maria Yasmin Almeida Sampaio – 356290

Professor: Sérgio Daher
Turma: 03A (Segunda-Feira, 10h-12h)

Fortaleza
(11/04/2016)

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL_______________________________________4 3.1. CONCLUSÃO____________________________________________________________9 6.SUMÁRIO 1.2. Pontos da curva característica Va x If___________________________________________4 3. Análise dos efeitos do magnetismo residual_______________________________________4 3. OBJETIVOS_____________________________________________________________3 2. QUESTIONÁRIO_________________________________________________________7 5. MATERIAL UTILIZADO__________________________________________________3 3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS_______________________________________10 2 .3. Processo de Escorvamento_____________________________________________________5 4.

há sempre uma tensão inicial. ao ligar a máquina. 2.  1 Voltímetro Analógico CC (0 – 500 V).  Observar os efeitos da saturação: através de um reostato.  1 Reostato de 2200 Ohms.  Observar os efeitos do magnetismo residual: comprovar experimentalmente que. OBJETIVOS  Verificar os efeitos que a polaridade e a resistência do campo paralelo têm no escorvamento da máquina: o escorvamento é o aumento concomitante e interrelacionado da corrente de campo e da tensão gerada na armadura.  Levantar a curva característica da máquina de corrente contínua auto-excitada: plotada através dos dados colhidos na prática. variar a corrente no enrolamento de campo. e seu valor é inversamente proporcional à resistência do enrolamento série. para observação dos efeitos de saturação.  1 Amperímetro Analógico CC (0 – 2 A). dentro de uma determinada faixa. 3 .  1 Motor de Indução Trifásica (MIT). MATERIAL UTILIZADO  1 Gerador de Corrente Contínua. Esse aumento apenas é observado com a polaridade correta do enrolamento.1. mesmo quando a corrente no enrolamento de campo é nula.

Fonte: Disciplina de Máquinas I . Análise dos efeitos do magnetismo residual Inicialmente. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL O circuito montado na prática para análise das características da máquina de corrente contínua (CC) está apresentado na Figura 1. Utilizou-se um multímetro digital com o intuito de identificar os terminais de campo (F1 e F2) e os terminais de armadura (A1 e A2) do gerador CC. a máquina foi utilizada como gerador. com o reostato ajustado no seu valor máximo.Guia de práticas de laboratório. sendo 380 Vca de tensão entre fases. o MIT foi desligado. Pontos da curva característica Va x If Para variação da corrente de campo. Figura 1 – Esquemático utilizado para análise de características da máquina CC. o voltímetro analógico estava marcando uma tensão de 11 V. 3. mesmo a corrente de campo sendo nula. O circuito de campo foi conectado novamente ao circuito e. o circuito de campo do gerador foi desconectado do circuito e o MIT foi acionado.1 k Ω em série com o enrolamento de campo shunt. conectou-se um reostato (Raj) de 2. Isso é devido ao magnetismo residual conforme foi observado e explicado no Relatório da Prática 1.1. Pode-se perceber que. Daher. Nessa configuração esperava-se que o voltímetro marcasse um valor maior ao medido com a corrente de campo nula (11 V) devido a interação entre os dois fluxos gerados.3. Neste experimento.2. Logo após. ligou-se novamente o MIT. Entretanto. 2016. 3. o que aconteceu foi uma redução na tensão. O motor de indução trifásica (MIT) acoplado para imprimir potência mecânica (torque e velocidade angular) ao eixo do gerador foi acionado ao conectar-se os três bornes do motor aos três barramentos de fase da rede elétrica disponíveis no laboratório. Isso ocorreu devido a maneira como foi 4 .

também denominada de curva de histerese. Feito isso. 3. Percebe-se que. a curva característica Va x Ia (Tensão de armadura X Corrente de campo) foi obtida com a variação da corrente de campo através do reostato. Figura 2 – Curva característica Va x Ia. Tabela 1 – Pontos da curva característica Va x Ia. A Figura 2 mostra a curva característica do gerador CC. significando que o material ferromagnético está saturado. a corrente de campo estava produzindo um fluxo contrário ao fluxo produzido pela armadura. Observado isso. Va (V) 11 50 80 110 130 150 170 190 210 230 250 270 If 0 50 90 130 150 190 220 260 300 350 410 470 (mA) Fonte: O próprio autor. o MIT foi desligado e os cabos conectados ao enrolamento de campo foram invertidos para que o enrolamento ficasse com a polaridade correta.ligado o enrolamento de campo shunt. a tensão gerada. referente a esses pontos está apresentado na Figura 2. Fonte: O próprio autor. Os dados obtidos estão dispostos na Tabela 1 e o gráfico. Processo de Escorvamento 5 . para maiores valores de corrente de campo. plotado no software Matlab.3. a tensão induzida tem uma taxa de variação cada vez menor. ou seja. significando que a polaridade do enrolamento estava invertida. diminuindo assim.

Para analisar e observar o escorvamento. foi possível observar o processo de escorvamento do gerador CC. A corrente de campo obtida para esse valor de tensão na armadura foi de 280 mA. a corrente de campo proporcionará um aumento na tensão gerada. que então aumentará a tensão gerada. Esse aumento contínuo na tensão gerada ocorre até alcançar um ponto de equilíbrio. Máquinas De Corrente Contínua. haverá uma corrente de campo que vai interagir com o campo residual. Esse processo é denominado de escorvamento. A Figura 4 apresenta a curva obtida no experimento.2. Como o enrolamento de campo shunt está conectado à armadura. o fluxo produzido por essa corrente que está circulando no campo tem o mesmo sentido do fluxo gerado pela armadura. que em seguida aumentará a corrente de campo. I. 2007. Se a polaridade do enrolamento de campo estiver correta. ajustou-se a corrente de campo de forma que a tensão na armadura fosse igual a 200 V. Dependendo da resistência série do circuito. O gráfico apresentado na Figura 3 mostra o escorvamento de um gerador CC. que por sua vez aumentará a corrente de campo. Esse magnetismo residual gera uma tensão nos terminais da armadura conforme visto e analisado no item 3.O processo de escorvamento se dá a partir do magnetismo residual. o que fará com que a tensão gerada aumente. Figura 3 – Processo de escorvamento do gerador CC. Fonte: CAMARGO. Conectando-se um osciloscópio digital nos terminais da armadura. 6 .

é a relação entre a tensão de armadura e corrente de campo. Sabe-se que a resistência do circuito de campo. Sabendo que a característica da resistência de campo passa pela origem.7 730. QUESTIONÁRIO 1. 846.Figura 4 – Processo de escorvamento do gerador CC. A Tabela 2 apresenta os valores de resistências calculados para os valores de tensão e corrente descritos na Tabela 1.4 Ω ) 0 8 1 4 7 1 Fonte: O próprio autor.6 789. 700. Va (V) 11 50 80 110 130 150 170 190 210 230 250 270 If (mA) 0 50 90 130 150 190 220 260 300 350 410 470 Rexe ( . Fonte: O próprio autor. 772.0 657. 7 . Tabela 2 – Pontos da curva característica Va x Ia.7 574. calcule o valor da resistência do campo para os vários valores de tensão do item 3. 866.100 888. 609. que é a soma da resistência do reostato mais a resistência do próprio enrolamento de campo.2 e trace a curva característica do gerador shunt a vazio (Va x Ia) juntamente com as linhas de resistência de campo. 4.

Figura 5 – Escorvamento do gerador CC para diferentes resistências de campo. Figura 6 – Escorvamento do gerador CC para diferentes resistências de campo. Fonte: O próprio autor. na Figura 6 foram plotadas retas para apenas algumas resistências. Para melhor analisar o gráfico. plotado no software Matlab.O gráfico da Figura 5 apresenta o escorvamento do gerador CC. 8 . para os diferentes valores de resistência obtidos para o circuito de campo. Fonte: O próprio autor.

Considerou-se. devido a tensão induzida na armadura dado o magnetismo residual. ou seja. Sendo assim. 5. CONCLUSÃO Diferentemente do experimento da prática anterior. de maneira que esse laço iterativo finda no ponto em que a reta da resistência de campo corta a curva de magnetização característica do gerador. uma vez que as conexões entre bornes do gerador foram feitas de maneira a conectar o enrolamento de campo em shunt aos terminais da armadura. essa resistência não foi atingida. nesta prática verificou-se a operação do gerador cc no modo de auto-excitação. no qual o enrolamento de campo paralelo é excitado pela tensão induzida na armadura devido ao magnetismo residual no material ferromagnético. obtém-se uma determinada tensão gerada. Observou-se no osciloscópio o processo de escorvamento pelo qual a corrente produzida no enrolamento de campo. Existe um determinado valor de resistência.4 Ω . que apenas tangencia o gráfico característico do gerador. No experimento em questão no presente relatório. que por sua vez induz uma tensão maior em seus terminais. Para validar tal 9 . o funcionamento da máquina se torna instável e o processo de escorvamento não acontece. Tensão gerada essa que será de valor igual a intercessão da reta de resistência com a curva característica do gerador CC. que a influência do transitório de velocidade. para uma resistência do circuito de campo igual a 574. a tensão é de 270 V e a corrente de 470 mA. não ocorrerá aumento na tensão gerada. gera um fluxo que tende a fortalecer o fluxo gerado na armadura. a princípio. chamada de resistência crítica. Dessa forma.Percebe-se pelo gráfico da Figura 6 que a intercessão entre a reta da resistência e gráfico característico do gerador CC é exatamente igual a tensão geral obtida (Tabela 1). conforme obtido no experimento (Tabela 1). Por exemplo. o gráfico da Figura 6 mostra que. uma vez que a velocidade constante é atingida num intervalo de tempo muito curto. poderia ser desprezada. para esses determinados valores de resistência de campo. que ocorre entre o instante de acionamento do MIT (velocidade nula) até o instante no qual a velocidade constante de aproximadamente 1800 rpm é atingida. que necessitava de uma fonte externa para alimentar os enrolamentos de campo (modo de excitação independente). Se essa resistência crítica for extremamente alta. a corrente do circuito de campo será extremamente baixa e a tensão em vazio permanecerá a mesma que a produzida somente pelo magnetismo residual.

consideração. Máquinas Elétricas. a auto-excitação pode ser impedida principalmente pelos seguintes motivos: a falta (ou valor irrisório) de magnetismo residual. de maneira que se pudesse excitar o circuito shunt somente após o transitório de velocidade.gsep. S. B. R.unb.. Disponível em <http://www. por fim. 1975.ene. Conclui-se. H. A. 2001.. resistência do circuito de campo maior do que a resistência crítica.. Oxford University Press. C. Máquinas De Corrente Contínua. KINGSLEY JR. 6. utilizou-se uma chave mecânica conectada entre o reostato e o enrolamento de campo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] GURU. Acesso em 8 de abril de 2016. 2007. KUSKO. I. [3] CAMARGO. ligação invertida do circuito de campo em relação ao circuito de armadura (fluxo gerado no campo se opõe ao fluxo da armadura). A. [2] FITZGERALD. Mc Graw Hill do Brasil. As formas de onda para as duas situações quando comparadas não apresentaram distinção aparente a olho nu.pdf>.br/osem/ivan/Conversao%20de%20Energia/M%E1quina%20de %20Corrente%20Cont%EDnua_v1. E. Electric Machinery and Transformers. 10 . HIZIROGLU.