Você está na página 1de 18
LIVRO DI B25.E25-B41- E41 © VOLVO PENTA all LIVROS DE INSTRUGOES DOS MOTORES. BA1A, B25A, E41A, E25A. AQB41A/275A MB41A/MS3 AQB25A/275A MB25A/MS 3 AQE41A/275A ME4IA/MS3 AQE25A/275A ME25A/MS 3 PREFACIO: ‘Antes de por em funcionamento o seu novo motor maritimo VOLVO PENTA, re comendamos ler atentamente o presente livro de instrugdes. Este livro contém to- das as informagdes que vocé precisa para poder utilizar e cuidar de seu motor da melhor maneira possivel. ‘A VOLVO PENTA pie & sua disposigio uma organizaco de servigo com pessoal especializado, que cobre praticamente todo o mundo. Nossos Representantes es: ‘Bo 3 sua disposi¢do para todo tipo de consultas e para oferecer-thes servicos e po- ‘8 originais para 0 seu motor. Estamos certos de que tudo que vocé tem direito a exigir de um motor de quali dade, tanto & economia de funcionamento quanto ao rendimento, estaré satisfe to, equeseu motor Ihe servird fielmente durante muitas @ agradivels saidas ao mar. GARANTIA Cada motor é entreque com um certificado de garantia, (es sobre a garantia que cobre o motor, Ho caso «le acontecerem dofeitos even Tuais no mesmo, 0 certificaclo de qarantia inclui aan canhote que dave sor preonchido plo Repre sentante ou pelo vendedor da laneha, para quo este soja ent enviado & VOLVO. PENTA, no ato da inspegio de enti Uma condigio importante para que a garantia entre em vigor & que seu motor ¢ equipamento correspondente tenham sido cuidados eonforme as instrugées conti das neste livro. Em toda a troca de correspondéncia com 0 Representante 20 se solicitar poras ‘originals, deverd sempre ser indicado © tipo e numero de série de fabricagio do ‘motor e da rabeta ou da reverszo. Certifique-se de que os servicos de entrega e revisio foram feitos de acordo com 0 que se descreve no certificado de garantia, DESCRIGAO TECNICA: — FERRAMENTAS — apropriadas para o equipamento existente a bordo; — KIT DE BORDO — contendo por exemplo rotor da bomba d'égque, correia, h lice, cone, parafuso e arruola da hélice, platinado, condensador, velas, caixa de fusiveis, rotor do distribuldor, anel e placa de zineo da rabeta, etc. . .; = ANCORA — com cabo; — RADIO — para obtengio das condigBes meteoroldgleas; = BUSSOLA — com a corregto ji feta; = CROQUE ~ ¢ remo: — CABOS DE AMARRA; | — SIRENES DE NEBLINA, APITO E LANTERNA DE MAO; — ANCORA DE DERIVA; — HELICE, CONE, PARAFUSO E ARRUELA ~ (vor kit de bordo). PREPARATIVOS ANTES DO 19 ARRANQUE: Ver! nfo existem vazamentos de combustivel; nif existem vazamentos de agua, no motor ou infiltraeso de aqua pelo casco; iifo existem vazamentos de 6le0; no existem odores de gés nos diferentes compartimentos da embarcarSo;, o nivel de 6leo esté correto; as cartas de navegacdo so as necesséries para a rota programada; existe combust ive suficiente para a viagem programada, \Verificar, a0 reabastecer de combusttvel, s2 ndo existe nenhum fogo aberto a bordo, por exemplo, na cozinha. Ventilar @ embarcagdo e colocar em funcione- mento 0 ventilador ‘do compartimento do motor antes de funcionar 0 motor. [Nao coloque excesso de combustivel. ‘Se existirem pessoas a bordo que, participain pela primeira vez de ume viagem, 6 inecessério informé-los de como se manobra a embarcaeio, onde se encontram os coletes salva-vidas e extintor de ineéndios. Informe-os também sobre coisas que sejam consideradas necessérias com respeito a seguranga. Caso contrério e se algum acidente inesperado viesse a acontecer durante a viagem, seria muito tarde para de- ‘monstrar como usar 0 equipamento de seguranea, CONJUNTO DO MOTOR: O bioco de cilindros, o cabecote e a mufla sfo de ferro fundido. 0 Bloco ¢ de 6 ou 4 cilindros em linha, Os pist&es so de uma liga leve de alum{nio. Cada pistiio tem 2 anéis de compressdo e um raspador de dleo. SISTEMA DE LUBRIFICAGAO: © motor esté equipado com uma bomba de 6leo tipo de engrenagens, ¢ um filtro de 6le0. O sistema de lubrificagiio 6 do tipo fluxo total, o que significa que todo 0 deo lu brificante passa através do filtro antes de alcangar os diferentes pontos de lubrifi- caefo. Uma vilvula de descarga Incorporada & bomba de éleo, impede que a pres- sfo aleance valores elovados, ‘SISTEMA DE COMBUSTIVEL: 0 sistema de combustivel so compéie de bomba alimentadora, filtro e carburadores de gravidade com abafa:chamas. A bomba de combustivel ¢ do tipo de diafragma acionada pelo eixo de comando de valvulas, SISTEMA ELETRIC 0 sistema elétrico tem uma tensio de 12V. A corrente de carga 6 fornecida por ‘um alternador sem escovas, acionada por correia. O alternador tem ur retificador incorporado, que converte’ a corrente alternada em corrente continua, A regula- gem de tensio é feita através de um regulador de voltagem transistorizado. O di tribuidor, acionado por engrenagens, tem um regulador centrifugo incorporado. A fim de evitar danos no sistema elétrico devido & sobrecarga, existe um fustvel prin- cipal de facil reposi¢ao, montado no motor. SISTEMA DE ARREFECIMENTO: (© motor 6 arrefecido pela égua do mar © esté equipado com um termostato que controla a temperatura do motor. ‘As partes principais do sistema de arrefecimento so: = Bomba de sucedo (deslocamento positivo). = Bomba de circulacdo (centrifuga) = Termostato. im 1 ina cisibuego, 2 = Tormortata, 3 = Sada 4 — Bomba de suoréo. ‘5 Bomba de circuleco, (6 — Mufla com camisa d'équa, 7 Entra, LISTA DE VERIFICAGAO E MANUTENGAO: VERIFICAR DIARIAMENTE, ANTES DO ARRANQUE, SE: ‘0 nivel de Gleo do motor esté entre as marcas da varota \VERIFICAR A CADA 15 DIAS SE: ‘0 nivel de leo da rabeta ou da reversdo esté entre as marcas da varota © nivel da solugdo eletrolitica da bateria esté corrsto tensio das correias trapezoidais é suficiente para que a polia do alterna: dor ni patine a5 protegées anti-corrasivas da rabeta ‘no estio corroidas enn de 50% MEDIDAS A SEREM TOMADAS A CADA 50 HORAS: = toca do dleo do motor. = brificasdo dos menesis do eixo de diveedo da abeta, — verificar e eventualmente trocar as velas de ignicéo, MEDIDAS A SEREM TOMADAS A CADA 100 HORAS OU PELO MENOS UMA VEZ POR TEMPORADA: = troca do filtro de leo. — verificagio e troca da correia do aiternador e boriba de circulaglo — verificagdo geral do sistema de igni¢do.. .- — verificagio geral do sistema de alimentaggo de combust vel — verificagéo e troca do rotor da bomba d’égua . — verficagio geral do sistema de arrefecimento | — sistema elétrico . . — verificago do fusivel = baterian....... MEDIDAS A SEREM TOMADAS A CADA 200 HORAS: = troca do 6leo da rabeta. .. . = troca do 6leo da reversio — verificago da protecdo anti-corrosiva da Caixa de Reverslo, 10 " " 12 12 13 13 14 15 16 16 7 7 18 19 19 VERIFICAR DIARIAMENTE ANTES DO ARRANQUE: NIVEL DE OLEO DO MOTOR ‘Antes de dar a primeira partida do dia, ve rificar se 0 nivel de dleo esté entre as ra cas da vareta (1), Completar com éleo se fnacassério através do bocal de enchimen- to (2) NOTA: Nio Com respeito a0 tipo de dleo, consulte ‘Dados Técnicos”, dove ultrapassar a marca Hor da vareta, VERIFICAR CADA 15 DIAS: NIVEL DE OLEO DARABETA O nivel de dleo deve estar entre as marcas da vareta, a qual no deve estar aparafu- sada no ato da verificago do nivel. Certi- fFique-se que a gua nfo posse entrar na ra- beta ao se efetuar a verificagéo deste ni- vel. Se necessério, completar através do proprio orificio da vareta. O tipo de éleo 4 ser usado encontra-se nos “Dados Téc- OBSERVE se o anel “0” se encontra na ranhura debaixo do parafuso de fixago da voreta de nivel. NIVEL DE OLEO DE CAIXA DE REVERSAO Verificar 0 nivel de dleo, usando a vareta de nivel (1) que niio deve ser aparafusada no ato da ve'ficagZo. O nivel de dleo d verd estar entre as marcas da v plete o nivel, se necessirio, ficio de enchimento de dleo (2). O tipo de 6leo a ser usado encontrase nos "Da: dos Técnicos”. NIVEL DA SOLUGAO ELETROLITICA DA BATERIA nivel deve situar-se de § a 10 mm acima das placas celularos da bat necessério, completar somente com agua destilads. NOTA: Observar com cuidado jé que a solucgo eletrolitica 6 corrosive # que o gis ‘que se forma é explosivo, | Quando TENSAO DA CORREIA TRAPEZOIDAL E necessério que a tensdo da correia seja correto para que o alternador posta earre- ‘gar a bateria, A correia deve encontrar-se tensionade de tal manolt que possa sor flexionada 10 mm, pressionando-se com o polegar entre as polias, Uma eorrel ‘chada ou muito gasta deve ser trocada.. PROTEGAO ANTI-CORROSIVAS DA RABETA. 50% Veja na seco “Desmontagom 0 ‘montagem do hélice”. Limoar, lixando 0 anel de zinco, antes de se montar Trocar a placa de zinco debaixo do flange espelho de popa (colar de montage) ‘quando esta estiver corrofda em 50%. LLimpar, lixando a superficie de contato antes de montar uma nova placa de zinco. MEDIDAS A SEREM TOMADAS A CADA 50 HORAS: ‘TROCA DE OLEO DO MOTOR 10 Quando © motor for nove, ou recente: mente recuperado, 0 éleo deve ser troca- do a primeira vez com 20 horas de uso ¢ apés estas 20 horas, a cada 50 horas de funcionamento. Fazer 0 motor funcionar até a tempera- tura normal de funcionamento. Sugar © leo através do tubo que tem em sua ex- ‘tremidade uma tampa de pléstico. Encher 0 motor até o nivel certo. Com respeito 20 tipo de éleo a usar, con- sulte a secio de "Dados Técnicos NOTA: A cada duas trocas de leo dave se também trocar 0 filtro de éleo. LUBRIFICAGAO DOS MANCAIS DO EIXO DE DIREGAO DA RABETA. Engraxar_o mancal-superior do vixo de dirego com bomba de graxa, graxa esta resistente 8 ua. LUBRIFICAGAO DOS ROLAMENTOS DO EIXO PRIMARIO Para lubrificar 05 rolamentos do eixo pri: mario, bombear graxa pata rolamentos no orificio sobre a carcaga volante na parte traseira do motor. " No mancal inferior do eixo de direcdo Uusar_o mesmo procedimento do mancal eb superior. e VELAS DE IGNIGAO \Verificar a folga entre 0s eletrodos e ajus télos se nocossério. Caso as velas de igni ‘0 estejam danificadas, gastas, ou os bor- dos dos eletrodos arredondados, deve se substituir as velas por outras. de mosmas caracteristicas, Consulte a seco “Dados Técnicos”. MEDIDAS A SEREM TOMADAS A CADA 100 HORAS OU PELO MENOS UMA VEZ POR TEMPORADA: FILTRO DE OLEO 0 filtro de dleo deve ser substituido pela primeira vez 3s 20 horas de uso ¢ poste- Fiormente a cada 2 trocas de dleo. Afrouxar o filtro usado, destrutlo e pé-lo fora, Untar com éleo a borracha de vedacio do filtro novo, verificar a superficie de con- {ato no motor e girdlo somente com a ‘milo até que esta toque a superficie de contato. Aperté-lo posteriormente meia- volta adicional, no mais. Colocar 0 motor em funcionamento, d xdvlo funcionar em marcha-lenta e veri car imediatamente se a ldmpada indicado- ra de presséo-de-dleo se apaga, Verificar se 0 nivel de éleo esté correto, ® se no existem vazamentos de éleo em volta do filtro. VENIMICAGAO E TROCA DE CORREIAS “ Verifique totalmente a correla quent & desgaste e rachaduras, Com qualiel Ue sas indicagdes a correla dovord 48 Wubn da. Desaperte os parafusos 1 0 2 do aller adore retire a correla. Limpe oF wulivs das polias antes de colocar una niovs «ot reia. Tensione a correia de forma qs pov 2 ser pressionada 10mm (3/8!") onto ay ppolias. Depois de algumas horas de fun ionamento, verifique a tensio da correla ajuste-a se necessério, Todos ajustes no sistema de ignigio do ‘motor devem ser efetuados numa Oficina Autorizada, que tenha o equipamento ne: ccessério para este tipo de servigo. O sis tema de igni¢o é dolicado e © manuseio imperfeito pode facilmente causar sérias avarias. © avango da ignigg deve ser veriticado ‘com uma lémpada estroboscépica, Com Fespeito aos valores das regulagens consul te 08 "Dados Técnicos”. A verificagio de ve ser feita uma vez por temporada, gotas de dleo de méquina de costura na mecha de lubrificagdo do eixo, debaixo do rotor. 13 SISTEMA DE ALIMENTACAO DE COMBUSTIVEL “4 Um correto ajuste dos earburadores 6 pri ‘mordial para boa operagdo e economia de ‘combust vel, Por essa razio deve-se deixar ‘uma Oficina Autorizada verificar o ajuste ‘Je vez em quando durante a temporada. 1, Funcione com 0 motor até a tempera- tura correta de operagiio. 2, Solte as articulagses entre os carbure dores. 3, Ajuste a marchalenta nos carburado- res independente um do outro de for- ‘ma que 0 funcionamento do motor se- ja regular ("redondo”) na rotagio de ‘B00 @ 900 RPM (13 a 15 Ris) 4, Ajuste a agulha reguladora de mistura {o ajuste basico 6 duas voltas para tras do batento) de forma a obter uma mar- ccha-lenta regular e silenciosa. 5, Verifique se nfo hi entradas de or falsas. 8. Regule novamente a marche-lenta se necessério, 7. Ajuste o comprimento das articulagées, (rosea esquarda © rosca direita), rea- pperte as contra-porcas e encalxe os ter- Iminais novamente nas hastes dos car- buradores. 8. Ajuste 0 terminal do cabo de comando dde forma a conseguir todo 0 curso (de ‘marcha-lenta a0 batente da maxima) com 0 acionamento da manete de co- mando. Filtro de combustivel nos carburadores: 0 carburador ¢ montado com um filtro de combustivel posicionado na conexéo da tubulagio de combustivel que entra nos carburadores. Os filtros devem ser verificados uma vez a cada temporada ou quando necessério. FILTRO DE GOMBUSTIVEL NA LINHA DE SUCGAO © elemento filtrante deve ser trocado ‘uma vez cada temporada ou apés 100 ho- ras de uso. Desaparafuse a carcaca do fil: tro, troque 0 elemento filtrante antigo por um novo e aparafuse @ carcaga bem forte, Cuidado com vazamentos de com- bustivel. \VERIFICAGAO E TROCA DO ROTOR DA BOMBA D'AGUA © rotor da bomba pode ser danificado por falta d'égua, Retire a cobertura da bomba d'égua, Inspecione o rotor. Se estiver danificado, deve ser substituido, Remova-o com au xilio de 2 chaves de fenda. Ndo danifique acarcara. VERIFICAGAO DO SISTEMA DE ARREFECIMENTO © tormémetro para agua de arrefecimento tem um setor verde que corresponde com a temperatura normal da Sgua no motor.O sistoma de arrefecimento deve ser verificado @ examinado se a temperatura estiver anormal. A temperatura alta pode ser causada por um bloqueio na tomada de agua, um rotor da bomba defeituoso, bloqueios nos dutos de arrefecimento do motor @ um termostato ou instrumento defeituoso. SISTEMA ELETRICO: ALTERNADOR © motor & equipado com alternador. Se © alternador e 0 regulador de voltagem ‘tem que funcionar sem interferancia, é importante que as instrucdes a seguir se jam observadas. 1. A chave geral no deve ser desligada até que 0 motor tenha parado. Caso ‘contrério 0 regulador de voltagem po: de ser danificado. 2. Os terminais (polos) das baterias nunca deve ser trocados. Os terminais da bateria tem um sinal de positivo (+) ¢ ‘negative (—) respectivamente. O cabo do terminal negative € conectado a0 bloco do motor. Os bornes devem sor ‘engraxados com vaselina e bem aperta- dos. 8. No desligue os circuitos de carga quan- do o motor estiver funcionando. ‘Adapte 0 distribuidor de carga (acess6- rio) ao altornador quando mais de uma bateria 6 usada, 4, Se 0 motor tiver que ser colocado em Funcionamento com 0 auxilio de uma bateria extra, proceda como a seguir: ~ Deixe a bateria normal permanecer Tigada. Ligue a bateria reserva com a bateria normal com positive no posi- tivo e negativo com negative. Quan- do 0 motor estiver funcionando, re- mova a bateria reserva mas sob’ ne- nhuma eireustancia o cireuito para a bateria normal deve ser desligado. 5. Néo usar um carregador répido quando © altornador estiver conactado & bate. 16 6. Destigue os 2 cabos da batoria antes de fazer qualquer trabalho no equipamen to do alternador. 7. Antes de fazer qualquer solda eldtviow no motor ou pecas instaladas, desligue (08 cabos do regulador de voltagern no alternador ¢ isole os terminais dos ou bbos da bateria. & Verifique a tensdo da correia e 08 tor rminais dos cabos regularmente. Fusivet © motor & equipado com uma caixa aue contém 4 fusiveis. Caso este venha a quei ‘mar, mude 0 contato para o fusfvel adja ‘conte, porém investigue a causa da quei BATERIA, VERIFICACAO DO ESTADO DE CARGA © estado de carga da bateria deve ser verificado ao menos uma vez a cada estacéo, A verificagdo 6 feita usando um densimetro que indica @ densidade do eletrdlito, variando.com 0 estado da carga (veja “Dados Técnicos”). \VERIFICAGAO DO MOTOR DE ARRANQUE £ ALTERNADOR Deixe que uma Oficina Autorizada faca todas as verificagdes e reparos do motor de arranque @ alternador. Inspeeo e controle devem ser feitos com uma inspeao. eral do motor. 7 MEDIDAS A SEREM TOMADAS A CADA 200 HORAS. TROCA DE OLEO DA RABETA DRENAGEM 18 Retirar a vareta indicadora do nivel. Le- vantar a rabeta, Retirar 0 bujio abaixo da ceaixa de engrenagen do hélice e deixar 0 {leo escorrer todo. Monter novamente o bujo. Retirar 0 bujgo de enchimento de dleo. Enche-e com éleo. A respeito da quali de e capacidade do 6leo, veja nos “Dados Técnicos". Monte 0 buijo juntamente com seu anel "0". Absixe a rabeta. Verifique 0 dleo ‘com a vareta indicadora de nivel, que no deve ser aparafuseda quando se estiver ‘medindo 0 nivel do éleo. Encha até oni- vel recomendado através do furo da vare= ta, Se 0 nivel estiver muito alto, 0 éleo deve ser drenado até 0 nivel correto. Re- coloque a vareta junto com seu anel a Verifique se no bujfio de dreno néo esté vazando dleo. TROCA DE OLEO DA REVERSAO = Drene 0 ble0 pelo plug (1), ira no fundo da caixa, ou use a bombe de dreno de dleo do motor, através do ‘orificio de enchimento de 6leo (2). Quen do do reenchimento de dleo, roversio ‘deverd sar enchida até a marca superior do vareta, Entfo, ligue o motor em march Jenta durante alguns minutos, a fim de que 0 trocador de calor de dleo da rever fo também se encha de dleo. Pare o mo tor e verifique o nivel de dleo da reversio, Complete-o, se necessério. VERIFICAGAO DA PROTEGAO ANTI-CORROSIVA DA REVERSAO —— Substitua o plug de zinco (3), quando es- te estiver corroido pela metade. Vi a cada 200 horas a prote¢o ou no mini: ‘mo uma vez por temporada. Nota: Feche ‘2 tampa do fundo antes desta verificaciio, ‘Apés Isto, verifique se existe vazamonto cde Sgua na embarcagdo. 19 COLOCAGAO E RETIRADA DA AGUA: SERVICOS LIGADOS A RETIRADA E COLOCACAO DA LANCHA NA AGUA INIBIDOR, Funcione 0 motor em marcha lenta por breves perfodos com a lancha na égua, Pera evitar corrosio no motor, ele deve ser posto a funcionar até a temperatura indicada 20 menos uma vez cada 14 dias enquanto a lancha estiver na agua, Pre- vendo-se que a lancha niio seré usada por perfados mais longos, as indicagdes para longos prazos fora de uso devom ser feitas, jo de ferrugem quando retirada para o inverno. Uma loja autorizada deve testar 0 motor, € equipamento antes de inibir 0 mo- tor por um longo perfodo. E conveniente testar a compressa para certificar-se da condido do motor. ESQUEMA DE INIBIGAO CONTRA FERRUGEM. Feito coma lancha em terra Desligue a conexiio entre a bomba alimentos oe enna vel eo filtro {tubulagao ds lancha). Cologe te Mitra de combustivel e deixe o motor funciona « I'v) 11M até parar por falta de combustivel. Drene o sistema ven ‘que se no hi vazamentos. Para motores a alcool, adicfonar aditivo anti-corrosiv, ‘quado ao lcoo!, no recipiante. Drene todo 0 6leo do motor. Use a bomba de dreno de deo. Quando transportando @ lancha numa carreta, por exemplo, a rabeta deve ser totalmente inclinada e trancada nesta posi: 80. Um dispositive de fixacdo 6 incluido. Encaixe este dispositi- vo como mostrado na figui Troque o filtro de combustivel (caso haja) Troque 0 filtro de leo. Encha o motor até 0 nivel correto com éleo. Depois disso © motor esté pronto para funcionsr com este dleo na préxima estacio. Para inibi¢o contra ferru gem por longo tempo que exceda 0 tempo fora d’égua nor: ‘mal de inverno, um 6leo preservador de ferrugem deve ser lusado. Nesse cat o filtro de éleo néo deve ser recolocado até for posto na gua. Faca uma mistura de 20% de mistura anti-corrosiva contendo ‘gua doce e emulsionando leo contra ferrugem, NOTA: Agua primeiro, depois 6leo, quando se for fazer a mistura Desaperte a mangueira no espetho de popa e coloque a extre ‘midade livre num recipiente com Sgua doce. Mantenha 0 nivel de égua no recipiente, de maneita que o re: cipiente receba tanta sgua quanto dquela que o motor con Coloque a mangueira dentro da mistura anti-corrosiva. Ligu (© motor e deixe funcionar em marcha lenta até a mistii ‘acabar NOTA: A bomba nio deve ser deixada rodar seca. a AA inistuw nnti-corrosiva néo tem propriedades anti-congelan- (ws, jwaitanto tem que ser drenada do motor. Remova a oo. ‘yor tua da bomba de circulacgo. Veritique se 0 rotor no est sHaniticada, Hocoloque a tampa, NOTA: Nao remova o rotor se estiver em boas condigées, Reconecte as mangueiras retiradas, uw ko Verifique 0 nivel de 6leo da transmissio. Se estiver muito al to, deve ser drenado. Se estiver muito baixo, complete atra vés do furo para vareta de dleo. NOTA: A vareta de dleo no deve ser aparafusada quando se for veriticar o nivel de éleo, Desaperte © bujfo de dreno de 6leo na parte inferior da rabe- ta para deixar sair algumas gotas de deo. Verifique se o dleo esté limpo e no desbotado, Retire o hélice e cubra o eixo com éleo anti-terrugem. Nao existe nenhuma medida adicional para a conservacso do sistema de lubrificago da rabeta, Verifique 0 aperto de todas abragadelras das mangueiras. Verifique se todas as torneiras de dreno estéo fechadas. Limpe o exterior do motor ¢ transmisséo. \Verifique 2 mangueira de exaustio. a4 Limpe 0 exterior do motor @ rabeta. Retoque qualquer defei to na pintura com o tipo original de tinta. Borrife os compo: Nentes do sistema elétrico, e os componentes de controle {| com spray contra umidade, Procure cuidadosamente nos foles de borracha possiveis da- nos e verifique 0 aperto das abracadeiras das mangueiras. NOTA: Os foes que cobrem a junta universal devem ser tro- cados cada 3 anos. Se a transmisséo foi removida seja cuida- Jdoso 20 recolocar os foles e sua abracadeiras na posicio cor- feta, Verifique a trava da rabeta, veja pég. 26, Coloque o hel ce. Verifique 0 aperto dos parafusos Alien que seguram 0 ca- Pacete de diregio com a transmissdo. Torque de aperto, veja 16 Dados Técnicas”, Retire a bateria. Para manutengo apropriada, 6 necessério Examine a pintura da rabeta. Retoque qualquer mancha com ‘que seja carregada para prevenir que nio seja danificada, tinta original VOLVO PENTA. Caso necessdrio pinte a rabe- 2 com tinta envenenada VOLVO PENTA. Importantel Pin- 2 NSS4 |tura venenosa contendo cobre néo deve ser useda, pois iré corroer a rabeta, Recoloque a lancha na agua essim que a pin: tura secar. MEDIDAS RELACIONADAS COM A COLOCAGAO DA LANCHA NA AGUA "7 6100 inibidor de ferrugem for usado, tanto 0 dleo quanto Instale a bateria ou baterias, que devem estar cotalmente car /?) oie devon ner toca rege Engr ou noes com vrena Ce or cabo do Seer bateria. importante! Néo troque a polaridade, Aperte um 0: ‘termina dos cabos. ha 18 22 23 HELICE 19 Retire as velas de ignicSo. Tenha certeza que nada ficou sujo| ‘com éleo e vite 0 motor algumas voltas para jogar fora qual ‘quer 6leo no topo dos pistdes. NOTA: A rabeta deve estar totalmente abaixada. Se necessro, eoloque novasvelas de lang, Veja em “Da- dos Técnicos”, a : Ligue 0 motor. Veja instrugées na pag. 04. Aqueca o motor ‘com 9 marcha engatada, se for possivel, Verifique e tenha certeza que no ha nenhum vazamento de combusttvel, égua ‘ou gases de exaustio, \Verifique depois se todos os comandos esto em ordem. 20 (Quand necessrio, entra om contato crn uma ofcna dese. Bs Vigor tutoznds VOLVO PENTA, Dafne cls de seu BEPR GA | motor ranets de coord com as nstrutesdadas no Ea. made Save. Fy a SELECIONAR 0 HELICE CORRETO (© hiélice apropriado deve ser selecionado de forma a se obter uma RPM méxima na faixa de 4200 a 4600 RPM (6 cil.) e 4000 ‘2 4400 RPM (4 cil.). Um hélice de passo ‘esquerdo deve ser selecionado para uma instalacfo simples, porque com essa dire lo de rotapo existe menor tendéncia & lancha desviar de curso. Com uma instalagdo dupla, a rabeta de bombordo deve ser ajustada para hélice de rotacdo esquerda e a rabeta de boreste para hélice de rotacdo direita. ‘Quando trocar o hélice, tenha certeza de ‘comprar um hélice original VOLVO PEN- ‘TA de mesmo tamanho que 0 antigo. © tamanho esté escrito no cubo do héli- ‘ce. Dimensbes so _dadas em polegadas, por exemplo, 14x17, onde 14 6 o didme tro e 17 0 passo, RETIRADA E INSTALAGAO DE UM HELICE (© hélice & travado com um parafuso e tum cone de hélice, Tire 0 parafuso © 0 ‘cone. Retire ohélice. NOTA: Existe uma arruela de trava ¢ um flange corte-tinhas ro Interior do hélice. Um hélice danificado deve ser trocado. Antes de colocar o hélice deve ser coberto com graxa grafitada ou lubrificante cor- respondente para previnir que o hélice lemperre no exo. Quando colocar 0 hélice, o flange corta- linhas deve ser colocado primeiro. Entio recoloque o hélice, a arruela de trava, apa- rafuse 0 cone @ 0 parafuso de trava. 25 AJUSTE DA RABETA AJUSTE DA TRAVA DA RABETA Verifique uma vez por estagio se @ haste da trava da rabeta (A) e a posigSo do pi no de desengate (veja B) para o desengate da tava da rabeta, Ajuste como a seguir. 1, Remova a capa protetora (12). Mova o comando para a posigo neutra, 2. Desengate a junta do cabo de comando das marchas (9) ¢ 0 garfo (11). 3, Solte a porca de trava para o garfo (11). Ajuste o garfo de forma que, quando ligado a alavanca, cause a retenciio da haste da trava da rabeta (6) de forma que cheque a uma posigdo que alcance 0 suporte de trava da rabeta em "A sem ‘que seja pressionado contra ela. Tranque 0 garfo (11) com @ porca de trava. 4. Ajuste a junta (9) de forma que 6 facilmente colocado no furo do garfo de tro- ‘ca de marchas. Mova os controles para a posiezio a “Frente”. Verifique para ter Ccerteza que o canto “C” no toca a carcaca, Coloque a capa (12) 5. Empurre a rabeta contra o pino de ajuste. Verifique a posigso da haste (3). A parte superior (2) deve ficar rente com o garfo em "B” de forma que o elevador (1) possa desengatar a trava da rabeta (5) quando suspender a rabeta. Ajuste a arte superior da haste (2) apés desapertar as porcas trava 26 AJUSTE DA LANCHA 324 AJUSTE DE DESVIO DE CURSO pino de ajuste da trava da rabeta deter- ‘mina a posi¢do de ajuste do angulo da ra- beta. Ponha o pino de ajuste em um dos 3 furos como se segue: Furo 1: Quanco a lancha tem tendéne! baixar a proa. Furo 2: Posigo normal. Furo 3: Quanco a lancha tem tendéncia a baixar a pops. a direcio da lancha e observando 0 curso. Se, por exemplo, a lancha desvia para bombordo, 0 compensador embsixo da placa de cavitapéo na rabeta deve ser sol- to. Entia vite a extremidade traseiea da. compensador ligeiramente para bombor- do e tranque-o nesta posigSo. Teste ala cha. Ajuste o compensador mais tarde se a lancha ainda tende a desviar 27 ESQUEMA PARA DIAGNOSE DE FALHAS: 0° 60° [Angulo de levantamento da rabets Dimetra méxime de helice (po.) © esquema de diagnose de falhes inclui somente as causas mais comuns de opere: « 3 $ « ‘0. Com a ajuda das instruges dadas neste livro 6 normalmente possvel remediar fe 8 ef 8 z | ‘@ maioria das falhas relacionadas, Quando em davida, sempre entre em contato By 2 Fog 8 & | tom biisine VOLWOPENTA f2 Foo. 2 ce Siga as instrugdes no esquema de servigo — isso assegura a melhor seguranca de ge eae 8 funcionamento. Zé as <,° 2 ee 4 ae Ez ama te Y oes 2 ae : ; lee § Bie 3 ger - 2 2 33 feitiad : a | Phaaddy gS gh € g BF 5 gegd 2 gs = 8 4 a ey =e 2 BE. 8 "9 “ cn ene # de Fo. ae 3 2 Bes ee a . a B . 3 se 4 S sia 8 g ,f, lta : si £32 2282 gg? 282 23 EERE 295 Gis? g@ sfeedceis B8abs cg fieeaiily fegei SE GxpesgsseE, Begs ies larigg @é62 228 aé6e& SasSesé 16 (s) beam 428x129 BEIM 4D SUG sez'k— su st 9 su 9 zu (A) ons, oo1uis73 vwaisis vaam Hosoa (ze0'- v0) 80-90 (10d) "wu oponig.a op eneay no 3tde-HON —-BEENON —(VOBMIHOSOR NO BLaeHON SB HON off ol 098 oo oft oft ont ove fe 8 ‘congwoany euiaog wees ore oftoIeh 9p wep oydino! 3a vwaisis sexoposngieg £12 A813 OF x9}08 oo018 =) rocary rosary eujos99 19.96 © ¥6 00) (wnwog) NOW EL 109 ‘TaAUSNaWoD 30 vWaLsIS vies viva vsza vsza oe 09 tep10zedes ej21109 sod epeuoise ogseinoH9 ep EaWwOg ‘soryuew ap exon @ epeidooe onnsod e1vaweoojsep sp eawos ounawioaaauuy 30 vINaisiS (cup) osimoz avs sousdns no gy worst © opundor 35 od4des 26g 8 ’ ’ © oyovorsiuant 3a vwaisis ‘sejpu og sj se soauns py soxom exeg {awanb ser0u woo) 8 '6-1-s-4-2— ‘2018 On so2qusoeyy soaunespi sovorn wares svinaqya viva viva vara see 30 ESQUEMA DE MANUTENCAO: ra + aa poe ce < Gt 5 Cees te tele Soe ee 2 Te Goa eeu ocamoelt 3 Get ea eo oteeeeter as ea SRR TERESI IS a a & [ete ee zal q x 3 = —— TEER Soa SP ao TOS 3 ¥ a waa wp ate ap On op OHNE APO < ze = Buono een op openUOAt op eyo 5 cm * z * * : + 2g x * 5 ~Le [ele eee leet Beta eiieatipeice = 2, 2/2/38] 2/82 svasuve ere BEAeeeioliesa|peql ca ela)a/alalalk 216) 8) 8/8] a lz é Ho zoe. € z wouva- § z jo+rttt+ if \ ae os tee F 5 = 2 soipunoy— °F 7 i £ a . . i ie le eaclea 3 auoozavo 09 sosnavuvasoa o1uzav 30 Waa4O ‘ene fu 5 way conse ie ep opp op tsedeg cui-oone'si-#e1 (oot-peiseivct o1i-oonesI-et Gol-osieeL-veL soso op rng (oa) by oLwady a0 an0¥oL ws vive vaca vse z z + S s e 7 . Ld fn | ls g 7 peer ore Z \ ei a 5 19 if hii ft ! itt i ao ae r comet | It | 0 pein! | y I] i 7 BT afsfalzfosixfola — xjuiole-afojo}e 1 CEES] 8 CREEPS} oes (gleTsTs} a 7 8 9 10 1 = Chave do ini 2 Ineruptor de tzas do pene 3 = Tomometro 1 — Ponte de diodos 2 = Hortmere 3 Veltimero 4 Monomer ST Lizemiacde dque 8 Consctor VFN Iptna") 8 Alor sonore, 9—ConsetorV “FN Imoto) 43 = Conector °F = (psn “A? 10 Gonector 8V-M-C (pune “0") 8 Gonector BV Fe toto) 9 Coneetor 1V- M-F - Natural ce a F s 4 W J = Cobinhe 1,5 mm? «8 Cabinno 115 mm? - Cabinho 115 mm? Cabinho 1/5 mm? - Gabinho 115 mm? Gabino 115 mm? Marrom Cabinno 1.5 mm? - Azul Cabinho 1/5 mm? - Verde Ccabinho 1,5 mm? - Verrneino inho O15 mm? - Vermnalno inho 118 mm? - Amaralo inho 1/5 mm? - Marrom inho 1/5 mm? - Azul inho O15 mm? - Azul inho 1/5 mm? - Verde 34 35