Você está na página 1de 36

ESPECIALIZAESPECIALIZAÇÇÃOÃO EMEM ENGENHARIAENGENHARIA DEDE ESTRUTURASESTRUTURAS

EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1
EM EM ENGENHARIA ENGENHARIA DE DE ESTRUTURAS ESTRUTURAS M M Ó Ó DULO DULO 1 1

MMÓÓDULODULO 11 -- INTRODUINTRODUÇÇÃOÃO AA

ENGENHARIAENGENHARIA ESTRUTURALESTRUTURAL

AULA 3 – AÇÕES: TIPOS, CLASSIFICAÇÕES E IDEALIZAÇÕES

SUMÁRIO SUMÁRIO Definição Tipos de Carregamentos: Concentrado Distribuído por metro linear Distribuído por

SUMÁRIOSUMÁRIO

Definição Tipos de Carregamentos:

Concentrado Distribuído por metro linear Distribuído por metro quadrado

Tipos de Carregamentos Atuantes nas Estruturas

Definição Sabe-se que na antiguidade não havia o cálculo ou o projet estrutural. A evolução

Definição

Sabe-se que na antiguidade não havia o cálculo ou o projet estrutural. A evolução acontecia de uma obra para outra n base da tentativa e do erro. Muitas vezes uma obra qu demorara até centenas de anos para chegar até u determinado estágio não suportava os carregamentos imposto até mesmo pelo próprio peso da estrutura e desabava. Então não restava nada a fazer senão aprender com o erro ocorrido recomeçar a construção. Um fator que colaborou com a evolução de uma obra do pont de vista estrutural, foi a observação das forças da natureza Esta observação permitiu que os elementos estruturai tivessem dimensões cada vez menores e também permitiu qu os vãos se tornassem cada vez maiores.

Definição Exemplo: A copa, o tronco e as raízes uma árvore poderia perfeitamente servir de

Definição

Exemplo: A copa, o tronco e as raízes uma árvore poderia perfeitamente servir de exemplo para a construção de uma laj sobre um pilar apoiado na sua fundação.

poderia perfeitamente servir de exemplo para a construção de uma laj sobre um pilar apoiado na
poderia perfeitamente servir de exemplo para a construção de uma laj sobre um pilar apoiado na
Definição Com o surgimento da Revoluçã o Industrial, foram surgind novas técnicas e novos materiais.

Definição

Com o surgimento da Revolução Industrial, foram surgind novas técnicas e novos materiais. Com estas técnicas materiais, alguns modelos teóricos, ou seja, explicações, par as forças da natureza foram descobertos. Baseados neste modelos teóricos surgiram então os projetos mostrando qu uma obra poderia ser construída sem a necessidade d experimentos com obras anteriores (acabou o processo d tentativa e erro). O primeiro fator a ser considerado quando da execução d projeto estrutural de uma obra são os carregamentos nel atuantes.

Definição Carregamento: qualquer influência que causa forças o deformações em uma estrutura Trabalharemos com três

Definição

Carregamento: qualquer influência que causa forças o deformações em uma estrutura

Trabalharemos com três tipos de carregamentos:

Concentrado; Distribuído por metro (linear); Distribuído por metro quadrado (superfície);

Carregamentos Concentrados Concentrado: Representa uma força aplicada em um único ponto da estrutura. Esta ação

Carregamentos Concentrados

Concentrado:

Representa uma força aplicada em um único ponto da estrutura. Esta ação pode ser representada por uma força porque a ação que atua na estrutura (viga, laje, pilar, etc.) o faz em uma pequena área em relação ao elemento. Fazendo uma analogia, podemos dizer que uma bacia cheia d água sobre uma mesa exerce uma força concentrada sobre o tampo desta mesa.

podemos dizer que uma bacia cheia d água sobre uma mesa exerce uma força concentrada sobre
podemos dizer que uma bacia cheia d água sobre uma mesa exerce uma força concentrada sobre
podemos dizer que uma bacia cheia d água sobre uma mesa exerce uma força concentrada sobre
podemos dizer que uma bacia cheia d água sobre uma mesa exerce uma força concentrada sobre
podemos dizer que uma bacia cheia d água sobre uma mesa exerce uma força concentrada sobre
Carregamentos Concentrados Agora, esta mesma bacia cheia de água sobre um banquinho não exerce uma

Carregamentos Concentrados

Agora, esta mesma bacia cheia de água sobre um banquinho não exerce uma força concentrada no meio do banquinho.

•
não exerce uma força concentrada no meio do banquinho. • Parece mais apropriado esta representação!!! Portanto,
não exerce uma força concentrada no meio do banquinho. • Parece mais apropriado esta representação!!! Portanto,

Parece mais apropriado esta representação!!!

• Parece mais apropriado esta representação!!! Portanto, concentrado é a representação d uma reduzida.

Portanto,

concentrado é a representação d

uma

reduzida.

carregament

um

ação

sobre uma áre

Portanto, concentrado é a representação d uma reduzida. carregament um ação sobre uma áre U id

U

id

d

kN

tf

K

f

Carregamentos Concentrados Exemplos nas estruturas: Algo como um cofre pesado sobre uma laje: Uma viga

Carregamentos Concentrados

Exemplos nas estruturas:

Algo como um cofre pesado sobre uma laje:

nas estruturas: Algo como um cofre pesado sobre uma laje: Uma viga apoiando sobre outra viga:
nas estruturas: Algo como um cofre pesado sobre uma laje: Uma viga apoiando sobre outra viga:
nas estruturas: Algo como um cofre pesado sobre uma laje: Uma viga apoiando sobre outra viga:
nas estruturas: Algo como um cofre pesado sobre uma laje: Uma viga apoiando sobre outra viga:

Uma viga apoiando sobre outra viga:

Uma ou mais vigas apoiando sobre um pilar:

Um pilar apoiando sobre um bloco de fundação:

Carregamentos Distribuídos / metro Distribuído por metro (linear): Representa uma força distribuída sobr e uma

Carregamentos Distribuídos / metro

Distribuído por metro (linear):

Representa uma força distribuída sobre uma linha da estrutura. Est ação não pode ser representada apenas por uma força concentrad porque a ação atua ao longo de uma direção sobre o elemento (vig laje, pilar, etc.). Fazendo outra analogia com nosso cotidiano, podemos dizer que s colocássemos uma série de livros sobre a mesma mesa anterior ao long do comprimento bem no meio da mesa, os livros exerceriam uma forç (seus pesos) distribuída ao longo do comprimento.

do comprimento bem no meio da mesa , os livros exerceriam uma forç (seus pesos) distribuída
Carregamentos Distribuídos / metro Não teria muita lógica se simplificássemos os pesos dos livros sobre

Carregamentos Distribuídos / metro

Não teria muita lógica se simplificássemos os pesos dos livros sobre mesa como uma única força.

os pesos dos livros sobre mesa como uma única força. Poderíamos fazer isso mas estaríamos correndo
os pesos dos livros sobre mesa como uma única força. Poderíamos fazer isso mas estaríamos correndo
os pesos dos livros sobre mesa como uma única força. Poderíamos fazer isso mas estaríamos correndo

Poderíamos fazer isso mas estaríamos correndo riscos elevados por causa de uma simplificação desta natureza nas estruturas de edificações.

estaríamos correndo riscos elevados por causa de uma simplificação desta natureza nas estruturas de edificações.
Carregamentos Distribuídos / metro • Portanto, um carregamento distribuído por metro é a representação de

Carregamentos Distribuídos / metro

Portanto, um carregamento distribuído por metro é a representação de uma ação sobre uma linha contínua.

Unidade:kN / m, tf/m, kgf/m

sobre uma linha contínua. Unidade:kN / m, tf/m, kgf/m Exemplos nas estruturas: Peso de uma parede

Exemplos nas estruturas:

Peso de uma parede sobre uma laje:

Peso de uma parede sobre uma viga:

Unidade:kN / m, tf/m, kgf/m Exemplos nas estruturas: Peso de uma parede sobre uma laje: Peso
Carregamentos Distribuídos / metro 2 Distribuído por metro quadrado (superfície): Representa uma força distribuída

Carregamentos Distribuídos / metro 2

Distribuído por metro quadrado (superfície):

Representa uma força distribuída sobre área substancial da estrutur Esta ação não pode ser representada apenas por dentro de uma áre representativa da área total do elemento (basicamente das lajes). Fazendo outra analogia, podemos dizer que se colocássemos um tampo d granito ou mármore sobre a mesma mesa dos itens anteriores, ocupand quase toda a área da mesa, o tampo exerceria uma força (seu pes distribuída sobre a área de contato.

ocupand quase toda a área da mesa, o tampo exerceria uma força (seu pes distribuída sobre
Carregamentos Distribuídos / metro 2 Também não teria lógica se simpli ficássemos o peso do

Carregamentos Distribuídos / metro 2

Também não teria lógica se simplificássemos o peso do tampo sobre a mesa como uma única força.

o peso do tampo sobre a mesa como uma única força. Poderíamos fazer isso, também, mas
o peso do tampo sobre a mesa como uma única força. Poderíamos fazer isso, também, mas

Poderíamos fazer isso, também, mas ainda estaríamos correndo riscos elevados.

sobre a mesa como uma única força. Poderíamos fazer isso, também, mas ainda estaríamos correndo riscos
Carregamentos Distribuídos / metro 2 Portanto, um carregamento distribuído por metro quadrado é a representação

Carregamentos Distribuídos / metro 2

Portanto, um carregamento distribuído por metro quadrado é a representação de uma ação sobre uma área.

Unidade:

kN/m 2 ,kgf/m 2 ,tf/m 2

Exemplos nas estruturas:

Peso de pessoas sobre uma laje:

2 Exemplos nas estruturas: Peso de pessoas sobre uma laje: Curiosidade: O valor usado para a
2 Exemplos nas estruturas: Peso de pessoas sobre uma laje: Curiosidade: O valor usado para a
2 Exemplos nas estruturas: Peso de pessoas sobre uma laje: Curiosidade: O valor usado para a

Curiosidade:

O valor usado para a

ocupação de multidão é:

500 kgf / m 2

O que vale dizer 5 pessoas

de 100 kgf dentro de 1m 2 .

Tipos de Carregamentos Atuantes nas Estruturas Carregamentos de Construção: Máquinas; Equipamentos; Operários;

Tipos de Carregamentos Atuantes nas Estruturas

Carregamentos de Construção:

Máquinas; Equipamentos; Operários; etc.

Carregamentos Permanentes:

Peso próprio; Pesos de outros elementos da estrutura; Alvenarias; Revestimentos; Coberturas; etc.

Carregamentos Acidentais:

Utilização; Vento; Cargas Móveis; Empuxos; etc. Sobrecargas naturais (terremotos, nevascas, chuvas, etc.);

Carregamentos Excepcionais:

Explosões; Cho ues

Carregamentos de Construção Definição : Os carregamentos que ocorrem durante as construções devem ser analisados

Carregamentos de Construção

Definição: Os carregamentos que ocorrem durante as construções devem ser analisados já que podem atuar sobre a estrutura ou sobre os elementos de forma diferente (mais crítica!) daquela que ocorrerá durante a vida útil da obra.

obra

permanecerá isenta de problemas operacionais que comprometa sua utilização ou até a sua ruína. Analogamente aos carregamentos de construção, têm- se os carregamentos de transporte, armazenamento e manipulação de elementos pré-moldados de concreto, aço ou outro material que seja executado fora do local final de uso.

Por

vida

útil

entende-se

o

tempo

em

que

a

Carregamentos Permanentes Definição : Os carregamentos permanentes estão atuando sobre a estrutura durante todo o

Carregamentos Permanentes

Definição: Os carregamentos permanentes estão atuando sobre a estrutura durante todo o tempo, não importando qual seja a sua utilização ou quais sejam as condições atmosféricas. Os elementos estruturais têm o peso que deve ser considerado na definição dos carregamentos atuantes em uma estrutura. Este peso, definido como peso-próprio é função do peso específico do material em questão. Pesos de alguns materiais:

Concreto armado:

Aço estrutural:

Madeira leve:

Madeira pesada:

Concreto asfáltico:

Granito:

25,0 kN/m 3 78,5 kN/m 3 5,0 kN/m 3 13,0 kN/m 3 22,5 kN/m 3 26,0 kN/m 3

C. Permanentes - Peso próprio Definição : Os pesos específicos dos materiais sempre sã valores

C. Permanentes - Peso próprio

Definição: Os pesos específicos dos materiais sempre sã valores de peso por unidade de volume. kN / m 3 , por exemplo! sendo representada pela letra grega γ. Portanto o peso específico do concreto armado é:

γ = 25 kN/m 3

1m

1m

1m

representada pela letra grega γ . Portanto o peso específico do concreto armado é: γ =
representada pela letra grega γ . Portanto o peso específico do concreto armado é: γ =

25 kN

C. Permanentes - Peso próprio Sempre que quisermos saber qual o peso proprio de u

C. Permanentes - Peso próprio

Sempre que quisermos saber qual o peso proprio de u elemento e como ele atua nele mesmo:

Lajes: Multiplica-se o peso específico do material da laje pel espessura dela:

o peso específico do material da laje pel espessura dela: Espessura da laje P p ,

Espessura da laje

P p,laje = γ x e => [kN/m 3 ] x [m] = [kN/m 2 ]

a j e = γ x e => [kN/m 3 ] x [m] = [kN/m 2

Peso específico!

Carregamento distribuído por área!!!

a j e = γ x e => [kN/m 3 ] x [m] = [kN/m 2
C. Permanentes - Peso próprio Sempre que quisermos saber qual o peso proprio de u

C. Permanentes - Peso próprio

Sempre que quisermos saber qual o peso proprio de u elemento e como ele atua nele mesmo:

Vigas: Multiplica-se o peso específico do material da viga pel área de sua seção transversal.

do material da viga pel área de sua seção transversal. Área da seção da viga! P

Área da seção da viga!

P p,viga = γ x A viga => [kN/m 3 ] x [m 2 ] = [kN/m]

γ x A v i g a => [kN/m 3 ] x [m 2 ] =

Peso específico!

Carregamento distribuído por linha!!!

γ x A v i g a => [kN/m 3 ] x [m 2 ] =
C. Permanentes - Peso próprio Sempre que quisermos saber qual o peso proprio de u

C. Permanentes - Peso próprio

Sempre que quisermos saber qual o peso proprio de u elemento e como ele atua nele mesmo:

Pilares: Multiplica-se o peso específico do material do pila pelo volume dele:

o peso específico do material do pila pelo volume dele: Volume do pilar! P p ,
o peso específico do material do pila pelo volume dele: Volume do pilar! P p ,

Volume do pilar!

P p,pilar = γ x V pilar => [kN/m 3 ] x [m 3 ] = [kN]

r = γ x V p i l a r => [kN/m 3 ] x [m

Peso específico!

Carregamento concentrado!!!

C. Permanentes - Peso próprio Peso pr ó prio das lajes

C. Permanentes - Peso próprio

Peso próprio das lajes

C. Permanentes - Peso próprio Peso pr ó prio das lajes
C. Permanentes - Peso próprio Peso pr ó prio das lajes
C. Permanentes – Alvenarias Peso das Alvenarias Altura da parede! [kN/m 2 ] x [m]

C. Permanentes – Alvenarias

Peso das Alvenarias

Altura da parede! [kN/m 2 ] x [m] = [kN/m] P p,pilar = γ alvenaria
Altura da parede!
[kN/m 2 ] x [m] = [kN/m]
P p,pilar = γ alvenaria x h parede =>
x [m] = [kN/m] P p,pilar = γ alvenaria x h parede => Carregamento distribuído!!! Peso

Carregamento

distribuído!!!

Peso específico da parede!

Carregamento distribuído!!! Peso específico da parede! Valores médios para paredes de ½ tijolo: 0,95 kN/m 2

Valores médios para paredes de ½ tijolo: 0,95 kN/m 2 Valores médios para paredes de 1 tijolo: 1,70 kN/m 2 Desconsidera-se as aberturas (janelas e portas).

C. Permanentes – Contra-pisos e Revestimentos Peso dos revestimentos Para revestimentos leves pode-se adotar o

C. Permanentes – Contra-pisos e Revestimentos

Peso dos revestimentos

– Contra-pisos e Revestimentos Peso dos revestimentos Para revestimentos leves pode-se adotar o valor de 0,50kN/m
C. Permanentes – Coberturas Peso da cobertura

C. Permanentes – Coberturas

Peso da cobertura

C. Permanentes – Coberturas Peso da cobertura
Carregamentos Acidentais Definição : Os carregamentos aci dentais são aqueles qu atuam eventualmente sobre a

Carregamentos Acidentais

Definição: Os carregamentos acidentais são aqueles qu atuam eventualmente sobre a estrutura mas durante toda vida útil desta.

C. Acidentais - Sobrecargas Sobrecargas de utilização Definição : São carregamentos dados em função da

C. Acidentais - Sobrecargas

Sobrecargas de utilização

Definição: São carregamentos dados em função da utilização d determinado compartimento da edificação. O efeito da sobrecarga é considerado sobre lajes sendo portanto u carregamento do tipo distribuído/m 2 .

portanto u carregamento do tipo distribuído/m 2 . escritório sala de aulas biblioteca forro sala de

escritório

portanto u carregamento do tipo distribuído/m 2 . escritório sala de aulas biblioteca forro sala de

sala de aulas

portanto u carregamento do tipo distribuído/m 2 . escritório sala de aulas biblioteca forro sala de

biblioteca

portanto u carregamento do tipo distribuído/m 2 . escritório sala de aulas biblioteca forro sala de

forro

portanto u carregamento do tipo distribuído/m 2 . escritório sala de aulas biblioteca forro sala de

sala de ginástica

C. Acidentais - Sobrecargas Valores m í nimos das cargas verticais

C. Acidentais - Sobrecargas

Valores mínimos das cargas verticais

C. Acidentais - Sobrecargas Valores m í nimos das cargas verticais
C. Acidentais - Sobrecargas Valores m í nimos das cargas verticais Nas rampas, podemos seguir

C. Acidentais - Sobrecargas

Valores mínimos das cargas verticais

- Sobrecargas Valores m í nimos das cargas verticais Nas rampas, podemos seguir os mesmos padrões
- Sobrecargas Valores m í nimos das cargas verticais Nas rampas, podemos seguir os mesmos padrões

Nas rampas, podemos seguir os mesmos padrões das lajes pensando na utilização para multidões. Nos reservatórios, qu inclui piscinas, teremos as cargas da água armazenada.

C. Acidentais - Sobrecargas Maratona: Carga de multidão! = 500kgf/m 2 .

C. Acidentais - Sobrecargas

Maratona:

Carga de multidão! = 500kgf/m 2 .

C. Acidentais - Sobrecargas Maratona: Carga de multidão! = 500kgf/m 2 .
C. Acidentais - Vento Este tipo de carregamento tem grande in fluência para edificações muit

C. Acidentais - Vento

Este tipo de carregamento tem grande influência para edificações muit altas ou edificações especiais, como por exemplo, torres, caixas d'águ elevadas, galpões, etc.

Pergunta: O que seria melhor para a consideração do vento em um edificação do ponto de vista estrutural? Opções:

Uma edificação sujeita a um vento com velocidade de 20 km/h ou d

100km/h?

Uma edificação em um local plano ou em um local montanhoso Uma edificação livre, sem nenhuma vizinhança, ou uma edificação co

lados

Um sobrado de dois pavimentos ou um edifício de 30 pavimentos?

vizinhos

por

todos

os

Resposta:

O efeito do vento é função de alguns fatores específicos, tais com velocidade do vento, conseguida através de mapas com linhas de igu velocidade (chamados isopletas), topografia do local, vizinhança d edificação e tipo da edificação.

C. Acidentais - Vento Tacoma Narrow

C. Acidentais - Vento

Tacoma Narrow

C. Acidentais - Vento Tacoma Narrow
C. Acidentais - Empuxo Empuxo Empuxo é a força lateral provenient e da ação da

C. Acidentais - Empuxo

Empuxo Empuxo é a força lateral proveniente da ação da água nas piscinas ou caixas d'água ou do solo nos sub-solos sobre as paredes verticais. CASO 1

Caso de empuxo d'água sobre as paredes laterais de uma piscina ou caixa

d'água:

O

valor do carregamento é triangular variando desde zero na superfície até

q

na parte mais profunda.

Fórmula

superfície até q na parte mais profunda. Fórmula CASO 2 Caso de empuxo de terra sobre
superfície até q na parte mais profunda. Fórmula CASO 2 Caso de empuxo de terra sobre

CASO 2

Caso de empuxo de terra sobre uma cortina de concreto, que aparece quando da utilização de sub-solos:

O

q

Fórmula

valor do carregamento é triangular variando desde zero na superfície até

na parte mais profunda.

O q Fórmula valor do carregamento é triangular va riando desde zero na superfície até na
C. Acidentais - Frenagem Frenagem Outro dia estava indo para a praia quando na serra,

C. Acidentais - Frenagem

Frenagem Outro dia estava indo para a praia quando na serra, em um daquele

grandes viadutos que tem uma grande inclinação, um caminhão daquele

ultrapassa

Porém, lá embaixo, no final do viaduto, estavam atravessando a pista um

mãe

enormes

resolveu

me

com

de

mãos

dadas

uma

crianç

Eu só olhei para o lado e ouvi uma grande freada do caminhão. Felizment nada aconteceu, o caminhão conseguiu parar a tempo!!!

Mas imagine só o deslocamento horizontal do viaduto com a freada, e o qu

este

Parece que não, mas a frenagem é um dos principais carregamentos qu

devem

no cálculo de pontes e viadutos, send

logicamente

Quanto mais leve o veículo menor o efeito da frenagem e quanto ma pesado o veículo, maior o efeito da frenagem.

deslocamento

ser

deve

ter

provocado

nos

pilare

considerados

função

do

peso

do

veícul

C. Acidentais – Cargas Móveis Cargas Móveis A verdade é que as cargas móveis são

C. Acidentais – Cargas Móveis

Cargas Móveis A verdade é que as cargas móveis são consideradas como se fosse cargas estáticas atuando sobre vários pontos da estruturas procurando a piores situações passíveis de ocorrerem. Se as cargas móveis advém de veículos, devem ser acrescidos os efeito dinâmicos das cargas móveis tais como impactos verticais e horizontais da cargas.

devem ser acrescidos os efeito dinâmicos das cargas móveis tais como impactos verticais e horizontais da