Você está na página 1de 131

NÃO DENOMINACIONAL

ENCICLOPÉDIA

SEGUIR A JESUS SEM RELIGIÃO

DENOMINACIONAL ENCICLOPÉDIA SEGUIR A JESUS SEM RELIGIÃO EVANGELHO DE JESUS VS AS BASES DO CRISTIANISMO

EVANGELHO

DE JESUS

VS AS BASES DO CRISTIANISMO

https://www.facebook.com/VerdadeReoculta

Um documento simples provando que Cristo não deixou qualquer religião, (da católica a protestante) todas elas são simples produções humanas e nada divinas. Fundadas por homens e não por Deus. Para conhecer a Deus, ter acesso a verdade e alcançar a vida, o cristão não precisa de produções humanas,

precisa de Cristo, e ele, só ele, é o suficiente para isso. Quanto os termos utilizados pelo sistema para aprisionar "

as pessoas a ele, tal como "Igreja, dízimo, oferta, congregação, ministério, liderança religiosa

uma análise profunda do contexto, serão esmiuçados detalhadamente a luz das escrituras bíblicas argumento por argumento! Para quem precisa de argumentos bíblicos sólidos e reais para se livrar de qualquer denominação que queira lhe aprisionar, segue:

não resistem a



Enciclopédia: Seguir a Jesus sem Religião

Cristianismo Aberto

Nossa sociedade.

Vivemos em uma sociedade religiosa fundamentalista, que produz pessoas de mente fechada, que simplesmente se retraem para o conhecimento e só aceitam como verdade, aquilo que lhes é ensinado por suas sinagogas.– Um fundamentalismo que produz um fanatismo perversificado, através de mandamentos manipulados em nomes de homens supersticiosamente amarrados em versos bíblicos desconexos. Nessa sociedade apóstata é quem quer seguir a Cristo, e cristão é quem quer seguir a homens, doutrinas e denominações, que chamam para si a prerrogativa de serem secretárias do exclusivas do altíssimo, representantes de Deus na terra e caminho exclusivo que conduz a salvação.

Nessa sociedade, as pessoas anunciam um DEUS que liberta. Mas de que? Liberta do cigarro, da bebida e da prostituição

e depois prende a pessoa em uma "religiosidade de uma moral distorcida e hipócrita"? Liberta do vício das drogas, mas a escraviza em atividades diárias da denominação? Liberta de uma vida de depravação, mas depois a coloca no outro extremo, numa vida de escravidão a homens, doutrinas, dogmas, costumes e tradições? Liberta de uma alienação da vida, mas a priva de tudo o que é prazeroso e saudável? Você já parou para pensar que, de forma sutil, com o passar dos séculos, a essência dos ensinamentos de Deus, tenha sido obscurecida por regras e doutrinas de homens? (Marcos 7:8)

Instrumento da verdade espiritual

Quem somos? Discípulos de Jesus apartidários a denominações, ou seja, não stemos filiação a denominações religiosas! O que cremos? Cremos que um Cristão deve ter sua fé fundamentada em Cristo e não em denominações. Que organizações humanas podem até ser um instrumento pedagógico para encaminhas as pessoas a Cristo, a palavra, mas não um destino, não um fim em si mesmas, não são essênciais nem salvam ninguém.

Para sabermos se alguma coisa é verdade ou mentira espiritualmente falando, não será o homem (Líderes religiosos e instituições) que nos dirá, a palavra de Deus é quem nos diz quem está com a verdade, a única verdade absoluta é Deus ou

a palavra de Deus. A revelação perfeita e plena da palavra de Deus, veio por Cristo, os escritos bíblicos, são o meio no

qual temos acesso direto a palavra Dele. Então para provar qualquer que seja o dogma, doutrina ou preceito instituído, antes deve se passar pela prova do ensino de Cristo, que é o instrumento da verdade espiritual. Assim pelo teste da palavra

chegamos a verdade, não pelo teste da achologia, nem do conceito teórico filosófico teológico, mas o teste da palavra, a palavra de Deus me diz quem está com a verdade. Por isso, nenhum homem deve crer na infalibilidade de magistérios humanos, todo homem deve questionar a autoridade do clero. Pois não se está questionando uma autoridade deixada por Deus, mas sim, um ser humano como qualquer outro, devemos superar a medievalidade e tirar de nossas mentes, o medo de pensar, de ter um raciocínio crítico, sobretudo exterminar o conceito de que todos que questionam o clero devem ser demonizadas e hostilizados. Discordar não é pecado, idéias boas e reais sobrevivem a qualquer crítica, não é forma de perseguição religiosa alguém dizer e mostrar que o ensino religioso de outrem é falso, não é perseguição religiosa uma pessoa informada expor publicamente fatos e evidências, permitindo assim que outros analisem e tirem suas próprias conclusões.

As inúmeras religiões cristãs são de formação protestante, estas se utilizam de passagens bíblicas para sustentar seus pontos de vista, várias delas, fundamentam suas já formuladas opiniões, teses e dogmas trazidos do sincretismo, de modo que, não usam o ensino de Jesus como modelo de vida, mas procuram passagens bíblicas, que justifiquem algo que eles já

praticam, (mesmo que para isso seja necessário ignorar o contexto histórico), por isso é tão importante entender o enredo e

a situação histórica como um todo, nunca se esquecendo de que muito do que está na bíblia, foi direcionado a públicos específicos em dadas circunstâncias.

Historicamente falando, o Poder Religioso sempre foi usado de forma muito eficiente para dominar e controlar a sociedade, sempre foi a maior ferramenta de entorpecimento e atrofia intelectual e para tal, A religião sempre teve a obsessão de querer ser secretária do altíssimo e o péssimo hábito de se colocar como caminho e verdade, sugestionando as pessoas a acreditar que ninguém vai ao Pai a não ser por intermédio dela. A RELIGIÃO SEMPRE FOI DEUS NA



TERRA, UM ÍDOLO, um mediador, um intercessor, chamando para si tudo que é de Deus, como se fosse o próprio.

Todavia, Jesus nunca, jamais vinculou a salvação de alguém a uma instituição, jamais afirmou que a relação Criador criatura passavam por uma instituição, muito menos, uma que nem foi fundada por ele. Os textos bíblicos deixam claro, que para se ter acesso a Deus, conhecê-lo e alcançar a vida eterna, precisamos dar ouvidos a Cristo, e uma vez que as palavras e o ensino deste mesmo Cristo estão escritas e documentadas, para quem queira e necessite, a instituição religiosa torna-se opcional e até mesmo dispensável. Se alguém precisa de alguma organização para ser bom e seguir a Jesus, a pessoa nunca aceitou a Jesus, jamais foi seu discípulo, nunca leu o evangelho, tão pouco conhece o Cristo corajoso a quem diz seguir.

O objetivo não é estimular ninguém a lutar contra as corporações religiosas, mas apenas perceber, que elas são uma

produção totalmente humanas e nada divinas, que nenhuma delas recebeu autoridade divina para se apossar das passagens bíblicas para si, tomar o lugar dos apóstolos e querer representar Deus na terra. Portanto, o problema não é a instituição em si (não pelo fato de que um grupo tem denominação que será condenável, enquanto outro grupo que prega a mesma coisa, porém fora da denominação é aceitável). Isso não tem sentido. O problema é a mentalidade das pessoas, que acham que esse fenômeno histórico é algo que Deus instituiu. Se eles ensinassem a palavra exatamente como Jesus ensinou, não haveria problemas, mas a religião que faz isso dificilmente será bem sucedida, pois para que uma religião seja bem sucedida, é preciso fazer as pessoas acreditarem que ela é necessária, e isso Jesus nunca ensinou, por isso, a religião bem

sucedida precisa trabalhar com mecânicas de manipulação e sugestiona mento mental.

Não cremos que os Cristãos verdadeiros devam estar todos reunidos numa única organização estruturada, com autoridade centralizada (Torre de Vigia, da Sé Católica Romana e de todas as demais lideranças religiosas de hoje). Isso porque nunca foi assim na história bíblica. Ao longo de todo o relato bíblico, podemos ver exemplos, um atrás do outro,

de pessoas que estavam à parte das organizações, mas eram “servas fiéis de Deus”, com Ele tendo tratos individuais com

essas pessoas. O próprio Jesus não se sujeitou a nenhuma das instituições derivadas do judaísmo, e entendemos que esta é

a situação hoje também. Existem cristãos verdadeiros tanto dentro das organizações religiosas como fora delas. Esses cristãos podem estar associados em pequenos grupos, ou podem estar exercendo o seu cristianismo dentro da sua esfera familiar ou entre amigos próximos. Não cremos que para um cristão ser considerado verdadeiro, deva estar obrigatoriamente dentro de uma organização religiosa de vulto, estruturada em níveis de autoridade hierárquica e composta por milhões de membros. Reunir-se com em grupos de pessoas com a mesma fé é circunstancial e não essencial, e um meio pedagógico e não um fim, o absoluto é o caráter de Cristo em nossas atitudes.

É natural que os líderes religiosos e seus defensores considerem essa idéia perniciosa e façam tudo para combatê-la

fortemente. Os líderes religiosos precisam legitimar sua autoridade, e todas as interpretações da Bíblia que apresentam aos seus seguidores tem este objetivo.

Embora a filiação a uma religião organizada ofereça certas vantagens em relação a pequenos grupos dispersos, elas também trazem desvantagens, como o dogmatismo que julga desfavoravelmente o próximo, a necessidade de o membro compactuar com ensinos não-bíblicos e o trabalho logístico necessário para conduzir as atividades operacionais duma igreja. Em inúmeros casos, a evidência tem mostrado que a religião organizada acaba sendo uma força mais contrária do que favorável à prática cristã (exatamente como era o caso no tempo de Jesus).

Portanto: Para um cristão ser considerado verdadeiro, não é necessário estar obrigatoriamente dentro de uma organização religiosa estruturada em níveis de autoridade hierárquica. Aliás, nenhum dos profetas estiveram. (Mt 23:1-33). O Ápice

do cristianismo é caráter e relacionamento humano em nossas ações diárias, o que passar disso é secundário.

SUMÁRIO

=VERACIDADE HISTÓRICA:

1. Jesus Cristo uma pessoa histórica?

2. Evidências de que os evangelhos não foram inventados ou alterados ao longo dos séculos:

3. Evidências de que os evangelhos relatam de fato o que ocorreu no primeiro século.

4. Possíveis contradições.

=JESUS E O SISTEMA RELIGIOSO

1. O grupo que matou a Jesus e os profetas.

2. Jesus foi um exemplo de vida e não de Religiosidade.



3.

Jesus enfrentou os líderes religiosos e ganhou deles o ódio por apresentar oposição ao monopólio de Deus.

4.

Jesus revolucionou o judaísmo ensinando que servir a Deus é servir ao próximo e não ser membro de religião

5.

Jesus não fundou nenhuma denominação nem instituiu nenhuma estrutura religiosa

7.

Cristianismo, e os pilares da religião

6.

Cristianismo, e os pilares da religião

8.

O que Deus requer de nós?

9.

Seguir a Jesus sem Religião

=MONOPÓLIO DA RELIGIÃO: ESTÁ DEUS RESTRITO A ALGUMA INSTITUIÇÃO RELIGIOSA?

1. 40 mil religiões, como pode alguém ter tanta convicção que só a sua é a verdadeira?

2. Uma vez que, outras religiões também possuem fortes argumentos bíblicos, como afirmar que o seu argumento é o

correto?

3. Por que buscar uma organização religiosa para nos ‘instruir’, uma vez que temos acesso a bíblia?

4. Onde está escrito que Deus deixou uma organização religiosa para representá-lo?

5. Quando Cristo afirmou que a relação Criador e criatura passa por uma instituição religiosa?

6. Onde está escrito que para congregar, ou seja, reunir-se, precisamos fazer parte de alguma instituição religiosa?

7. Onde está escrito que para adorar a Deus é preciso de templo, instituição e horário especifico?

8. De onde surge o direito divino de vincular a salvação de alguém a uma instituição criada por homens?

9. Quantas verdades existem?

10. Se Cristianismo é exercício de amor ao próximo, para que fundar corporações para ensinar algo tão simples?

11. A quem devemos ir? Qual é o caminho?

=FERRAMENTAS DE MANIPULAÇÃO RELIGIOSA

1. Por que o Poder Religioso sempre foi usado de forma tão eficiente para dominar e controlar a sociedade?

2. Por que o Poder Religioso sempre foi a maior ferramenta de entorpecimento e atrofia intelectual?

3. Qual é a maior ilusão que uma Religião pode trazer?

4. Como a religião pode ser usada como porta de confinamento?

5. Por que o ambiente religioso tem uma forte tendência de piorar o indivíduo?

6. Por que o Poder Religioso pode ser considerado um estelionato espiritual?

7. Por que as religiões tem tendências ao exclusivismo?

8. Como o ambiente religioso pode tornar as pessoas envaidecidas pelo conhecimento?

9. Por que a religião não suporta a espiritualidade?

=SOCIEDADE RELIGIOSA

1. Ateísmo pisico-social

2. Criado, treinado e programado para o fanatismo

=FANATISMO E INTOLERÂNCIA

1. Infalibilidade: Afirmam que suas interpretações são dadas por Deus, portanto são inquestionáveis.

2. Restrição a informação: Proibição de pesquisas e estudos que não partam da organização.

3. Demonização dos críticos da organização, autoritarismo e proibição da livre expressão.

4. Torna-se o caminho, fora dali não há verdade e nem vida. Ninguém vai a Deus se não for por lá.

=PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA

1. Não se opor ao erro, não seria aprová-lo? É Protestantes ou é conformado?

2. Apresentar fatos e evidências bem fundamentados contra uma religião, pode ser considerado perseguição religiosa?

3. Críticas vazias não tem valor.

=DEUS É O AUTOR DA BÍBLIA?

1. O que é Bíblia? Escritura é sinônimo de Bíblia?

2. Na Bíblia estão todos os documentos usados pelos Cristãos do primeiro século?

3. Há algum escrito apostólico, constando uma lista autorizada dos livros que devem ser considerados sagrados?

4. Quem definiu, os livros que seriam incluídos, ou não, como textos sagrados? Foram elas inspiradas por Deus?

5. Por que o Cânon foi selecionado, escolhido e fechados por aqueles que não o escreveram?

6. Para dizer que Deus é o autor da bíblia, obviamente devo considerar o concilio que a definiu, selecionou como divino?

7. A Bíblia é a palavra de Deus ou ela contém a palavra de Deus?



=QUAIS SÃO OS MAIORES ERROS COMETIDOS PELO SIMPLES FATO DE NÃO SABER DIFERENCIAR ESCRITURA DE BÍBLIA?

1. Dizer que todo o conteúdo bíblico (seleção do concílio) foi inspirado por Deus.

2. Afirmar que toda escritura que está na bíblia é inspirada a partir de 2 Timóteo 3:16

3. Crer na Infalibilidade ou inerrância Bíblica (seleção do concílio)

4. Dizer que em Ap 22:19 onde se diz que se alguém tirar alguma palavra “deste livro” Deus tirará dele a sua parte na

árvore da vida, e atribuir a referência não ao livro específico de Apocalipse mas, a bíblia [cânon],

5. Dizer que Deus mandou alguém escrever algum livro sagrado no Novo Testamento. [exceto apocalipse]

=ENTENDENDO OS TEXTOS BÍBLICOS CORRETAMENTE

1.

Nunca devemos nos esquecer texto, contexto e situação histórica:

2.

Devemos fazer uma leitura de maneira linear e retilínea de todas as epistolas

3.

Respeitar o ponto de vista de cada autor para entender exatamente como o autor queria que entendêssemos

4.

É preciso ler tudo pela ótica do mestre Jesus

=POR QUE CADA UM ENTENDE A BÍBLIA DE UMA FORMA DIFERENTE?

1. A falta do conceito Bíblico

2. A falta de critérios de interpretação e discernimento:

3. Dificuldades no velho testamento

4. Parábolas e alegorias

5. Versos picados

6. Relativizam Cristo pelas escrituras, ao invés de relativizar as escrituras por Cristo:

7. Teologia

8. Ferramentas de sugestão, condicionamento e manipulação bíblica.

=FERRAMENTAS DE SUGESTÃO, CONDICIONAMENTO, E MANIPULAÇÃO BÍBLICA.

1. Proibir os fiéis de estudarem a Bíblia sem estarem envolvidos na organização

2. O Espírito Santo Interpreta a escritura, portanto a organização é infalível.

3. Dizer que o indivíduo está lendo a bíblia na “letra” toda vez que não possuir argumentos mais coerentes.

4. Dizer que o indivíduo está lendo a bíblia na “carne” toda vez que o argumento da organização for rebatido

5. Dizer o termo “o que é espiritual se discerne espiritualmente” para ignorar passagens bíblicas.

6. Dizer que a bíblia não é de particular interpretação (2 Pedro 1:20-21).

7. Apelar para profecias apocalípticas para dizer que a organização religiosa foi fundada por Deus.

8. Citar a Frase “A sabedoria do homem é loucura para Deus” para todos que discordarem da organização.

9. Colocar nome bíblico na instituição e seus líderes.

=DIFICULDADES DO VELHO TESTAMENTO

1. Adultério, assassinato, Amar o próximo e odiar o inimigo, olho por olho.

2. Sacrifícios,violência, apego às bênçãos materiais, escravagismo, apedrejamentos

=JESUS E O VELHO TESTAMENTO: JESUS É O MESSIAS: ELE VEIO NOS SALVAR DE QUE?

1. Jesus e o velho testamento: As alianças com Deus.

2. Onde está escrito no velho testamento que Jesus deveria morrer?

3. Onde está escrito no velho testamento que Jesus é o Messias?

4. Por que Jesus teve que morrer?

5. Por que temos que pagar pelo pecado de Adão?

6. Deus não poderia simplesmente perdoar?

7. Por que Deus não destrói Satanás?

8. O fim da religião é Cristo?



=LEI DE MOISÉS

1. Os Cristãos devem seguir o Velho Testamento e suas leis?

2. O Velho Testamento e suas leis foram feitas para quem? Era transitório ou permanente? Até quando?

3. Por que Deus não quer que nós sigamos mais as Leis Mosaicas? Deus mudou seus padrões?

4. Deve os Cristãos guardar o sétimo dia, o sábado ? Qual é o seu significado?

5. Deve os Cristãos guardar os Dez Mandamentos?

6. Estavam os Dez Mandamentos em vigor antes da Lei de Moisés?

7. Quanto é que a bíblia faz acepção entre lei moral e lei cerimonial

8. Fez Jesus a distinção entre Lei Cerimonial e Lei Moral de tal modo que indicasse divisão dela em duas partes?

9. Quais são as sombras das coisas futuras, metáforas e parábolas do Velho Testamento?

10. Lei ou Evangelho?

=EVANGELHO DA SALVAÇÃO: GRAÇA, FÉ E OBRAS

1. O que é o evangelho?

2. Por que Jesus teve que morrer? Deus não poderia simplesmente perdoar?

3. Alguém merece ser salvo? Adianta bajular ao Criador?

4. A vida eterna é uma dádiva de Deus por meio de Jesus Cristo, ou ela é um pagamento pelas nossas obras?

5. O que é pecado? Pecadores vão para o reino de Deus?

6. "uma vez salvo, salvo para sempre"? E o pecado?

7. O genuíno arrependimento vem da nossa parte ou do Espírito Santo?

8. O arrependimento é um pré-requisito para a fé?

9. Arrependimento é uma condição para recebermos vida eterna?

10. É possível que alguém tenha fé em Cristo, e viva para praticar o mal?

11. Pode alguém sem obras se salvar? Alguém que seja infrutífero se salva?

12. Pode um Ateu se salvar?

13. Inferno

14. Objeções

=EVANGELHO: RELACIONAMENTO COM DEUS.

1. Temos alguma dívida para com Deus? Se não o obedecermos ele nos amaldiçoará? Devemos viver com culpa?

2. Deus exige algum sacrifício por parte de nós para que sua ira seja aplacada e não amaldiçoe nossa vida?

3. As bênçãos em nossas vidas resultaram de nossos próprios méritos? Ou vem da misericórdia?

4. As tentativas de se mostrar santo e justo à base de méritos próprios têm algum valor para Deus?

5. Quando a santidade pode ser considerada vaidade?

6. Por que o poder religioso prega de tudo menos o evangelho?

7. Ilustração e Resumo: O que Jesus fez por nós.

=FALSOS PROFETAS

1. Justificam suas “novas doutrinas” ou “nova luz” pela “Revelação do Espírito Santo”

2. Se colocam como caminho para a salvação, tomando o lugar de Cristo para si.

3. Realizam prodígios mentirosos, milagres falsificados e advogam o comércio da fé.

=TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

1. Teologia da Prosperidade é para Cristão ou para Judeu? As promessas são as mesmas?

2. Quais são os Efeitos da Teologia da Prosperidade na vida das pessoas?

3. O que a teologia da prosperidade diz sobre os apóstolos? Não passavam de fracassados?

4. Jesus foi contra a prosperidade? Ele incentivava a ser pobre?

5. Se a palavra de Deus não condena as riquezas, por que então Deus no v.t dava riquezas ao povo? 2cronicas 32.27

6. "contentai-vos com que tendes" Hebreus 13:5. Deus nos proíbe de ter bens materiais? De ambicionar coisas boas?

7. O que dizer das frases de auto-ajuda como: “o melhor de Deus ainda está por vir na sua vida, basta crer”?

8. Como identificar as falsas bênçãos?



=DONS DE LÍNGUAS

=TEMPLOCENTRISMO E CRISTANDADE EVANGÉLICA CONTEMPORÂNEA

1. Templo:

2. A igreja

3. Congregação

4. Pregação de casa em casa

5. Sábado

6. Liderança religiosa: “Pastore, Bispos, presbíteros, obreiros e diáconos”

7. Dízimos

8. Ofertas

9. Teologia dos Nomes Sagrados

=RITUAIS RELIGIOSOS E O SINCRETISMO

1. Santa Ceia (eucaristia) religiosa

2. Santa Ceia bíblica

3. Unção óleo

4. Batismo na água

5. Batismo no Espírito

6. Culto litúrgico religioso

7. Música gospel.

8. O culto racional bíblico

9. Casamento

10. Divórcio

11. Datas e festas Pagãs

=VERACIDADE HISTÓRICA:

1. Jesus Cristo uma pessoa histórica?

CAPÍTULO 1 Cristianismo: veracidade histórica

2. Evidências de que os evangelhos não foram inventados ou alterados ao longo dos séculos:

3. Evidências de que os evangelhos relatam de fato o que ocorreu no primeiro século.

4. Possíveis contradições.

1. Jesus Cristo uma pessoa histórica?

Alguns escritores podem brincar com a idéia fantasiosa de um 'mito de Cristo', mas não podem fazê-lo com base nos dados históricos. A historicidade de Cristo é tão axiomática para um historiador desprovido de preconceitos como é a historicidade de Júlio César. Não são os historiadores que propagam as teorias a respeito de um “mito de Cristo” SÃO POETAS NÃO SÃO HISTORIADORES. Nenhum pesquisador sério se aventurou a postular a não historicidade de Jesus.

Esses argumentos não são novos, vem sendo levantados por céticos a séculos, no passado já foram facilmente rebatidos com argumentos coerentes e bem fundamentados, a cada geração os céticos ressuscitam essas idéias, e a cada geração, são rebatidos facilmente.

O registro dos Evangelhos não é uma narrativa vaga de eventos ocorridos em algum período não especificado e numa localidade não indicada. Diz claramente o período e o local de forma bem detalhada. A título de exemplo, veja Lucas 3:1, 2, 21-23. Para se ter uma idéia, o arqueólogo William Mitchell Ramsay foi até a palestina, analisou as referencias nos evangelhos de 32 países, 54 cidades e 9 ilhas e não achou um erro se quer. Não achou erros nem nos proconcios das cidades citadas. Os evangelhos foram classificados como uma das obras literárias mais bem preservadas do mundo antigo.



Josefo, historiador Judeu do primeiro século, mencionou o apedrejamento de “Tiago, irmão de Jesus que era chamado o Cristo”. (The Jewish Antiquities, Josefo, Livro XX, seção 200) Uma referência direta e bem favorável a Jesus, encontrada no Livro XVIII, seções 63, 64, tem sido questionada por alguns que afirmam que esta deve ter sido ou acrescentada mais tarde ou floreada pelos cristãos; mas, reconhece-se que o vocabulário e o estilo são basicamente os de Josefo, e a passagem é encontrada em todos os manuscritos disponíveis.

Tácito, historiador romano que viveu durante a última parte do primeiro século EC, escreveu: “Cristo, que no governo de Tibério foi condenado ao último suplício pelo procurador Pôncio Pilatos.” Tácito (São Paulo, Brasil, 1957), “Anais”, Vol. XXV, pp. 408, 409. Com respeito a primitivas referências históricas não-cristãs a Jesus, The New Encyclopædia Britannica declara: “Esses relatos independentes provam que nos tempos antigos até mesmo os inimigos do cristianismo jamais duvidaram da historicidade de Jesus, a qual foi disputada pela primeira vez, e em bases inadequadas, por diversos autores no fim do século 18, durante o século 19 e no início do século 20.” (1976), Macropædia, Vol. 10, p. 145.

Se Jesus não existiu, então Platão, Aristoteles, Alexandre Magno também não existiram, pois só sabemos da existência deles através dos escritos! Algumas partes dos evangelhos são consideradas historicamente confiáveis enquanto que outras partes não o são os elementos cuja autenticidade histórica é disputada incluem os dois relatos sobre o nascimento de Jesus e sobre a ressurreição e detalhes sobre a crucificação.

Cristo é mencionado historicamente por 42 autores numa sucessão de 150 anos de suas vidas. Nove autores tradicionais do Novo Testamento. 20 escritores cristãos fora da Bíblia. Quatro escritores heréticos e mais nove fontes não cristãs. Em cartas de apenas três escritores, Clemente, Inácio e Policarpo escritas entre os anos 95 e 110 d.C. são citadas 25 dos 27 livros do NT apenas os pequenos livros de 2 João e Judas não foram mencionados.

A Historia não somente confirma a existência de um Homem chamado Yeshua [Jesus] como também aponta para uma influência fantástica e indescritível causada por este Senhor na vida de vários discípulos. Existem inúmeros documentos atestando a existência de Jesus como sendo um grande mestre, profeta e operador de milagres e maravilhas. Algumas destas fontes são incrivelmente antigas (o que ajuda a responder a sua segunda questão). Além de referências posteriores a Jesus, escritos rabínicos, e escritores extra-bíblicos confirmam o que os documentos do Novo Testamento nos dizem sobre Jesus. Cristo não só é mencionado por pessoas favoráveis a ele mas também por inimigos, isto é prova suficiente para vermos que foi uma pessoa real e não mais uma lenda ou mito religioso. Jesus foi mencionado em toda a Ásia entre os Budistas, Gnósticos e está inclusive no Alcorão.

Alem disso, existem vários achados arqueológicos, que desvendam as dúvidas levantadas por alguns estudiosos sobre a veracidade dos relatos da existência do “ Jesus histórico”, tais como o tumulo do rei Herodes, a caixa mortuária de Tiago,

a obra de Samosata, os escritos gnósticos, o túmulo de Filipe, ossuário de família que julgou Jesus, rolos do mar morto, etc.

Para DIZER QUE JESUS NÃO existiu seria também necessário dizer que todas as milhares de pessoas que escreveram sobre ele na Ásia, Palestina e Europa, nunca existiram. Seria preciso dizer que os Apóstolos do primeiro século não teriam existido, e por conseqüência os cristãos do Sec I, finalmente todas as marcas históricas e influências do cristianismo primitivo, também não deveria ter existido. Seria preciso mudar todo um contexto de uma época para tal. Pois se Cristo não existiu por que milhares de cristãos primitivos morreriam por uma lenda tão recente? Lenda a qual seria muito fácil de ser destruída? Como Pedro, Paulo, Tiago e outros homens de tamanha devoção morreriam por algo que sabiam terem inventado? Pois sabemos por meio de documentações históricas que morreram por não negar esta fé.

É PRECISO MUITA FÉ, PARA ACREDITAR QUE JESUS NÃO EXISTIU.

Você pode encontrar algumas referências históricas:

1. A Epístola de Publius Lentullus (Públio Lêntulo) ao Senado (Sec I)

2. A carta de Pontius Pilate (Pôncio Pilatos) para Tiberius Caesar (Tibério César) (Sec I)

3. O Volume de Archko, (Sec I)

4. Flavio Josefo, ((((historiador)))) Judeu (Sec I)

5. Cornélio Tácito, historiador romano (Sec I)

6. Christus: Anais 15.44.2-8

7. A Epístola de Publius Lentullus senador romano (Sec I)

8. Suetônio (75-160 dC). (41-54 dC) (Clau., xxv ).

9. Plínio (61-115 dC sobre), (Ep., X, 97, 98).

10. As testemunhas restantes pagãos (Sec I)

11. Atos de Pilatos, segundo século

12. Tácito (54-119 dC) descreve alguns dos horríveis tormentos a que submeteu o Nero cristãos (Ann., XV, XLIV13.14)



15. Isidoro de Pelusa (Ep. IV, 225), 16. Literatura Judaicos ("Sinédrio", 43a; Wagenseil, op cit,

17;

Schabbath", fol. 104b,. Wagenseil, op.cit, 6, 7, 17), (Orígenes, "Contra Cels.", I, 28;

Schottgen, . loc cit, 699) (Orígenes, "Contra cels.", II, 9, 45, 68, 70, 490, 498; Eisenmenger, ibidem, 185.

Schottgen, ibidem, 713 (Orígenes, "Contra Cels", II, 48; Wagenseil, op cit, 150

; Gemara "Sinédrio", fol 17); ". Cf Eisenmenger, op cit, I, 152;

Buxtorf, op cit, 1458;. Lightfoot, "Hor Heb. ", 458,

2. Evidências de que os evangelhos não foram inventados ou alterados ao longo dos séculos:

Os evangelhos podem ser mapeados historicamente a datas bem próximas da morte de Jesus. Sabe-se que o evangelho de Marcos, por exemplo, é baseado num documento mais antigo denominado pelos historiadores de "documento Q", e foi escrito por testemunhas oculares dos fatos uns 10 a 15 anos depois da morte de Jesus.

Os evangelhos não foram adulterados ao logo dos anos, uma vez que, foram encontrado uma série de diários e manuscritos oriundo dos martirizados pela fé Cristã no Séc I, onde haviam citações constantes dos trechos de Mateus, Marcos, Lucas, Atos, Coríntios, 1 Pedro, Hebreus e Tito, que correspondem totalmente com os textos Bíblicos que lemos hoje, na verdade, mesmo se perdêssemos todos os 5.300 primeiros manuscritos gregos, todos os 10.000 manuscritos em latim e todos os outros 9.300 manuscritos antigos, seríamos capazes de reconstruir todos os versos do Novo Testamento (com exceção de 11) ao usar as cópias dos primeiros cristãos, que citavam o Novo Testamento extensivamente, temos mais de 36.000 citações preservadas do Novo Testamento.

Não existe um único manuscrito, um único papiro, um único pergaminho, que faça referência ao NOVO TESTAMENTO TER SIDO COMPILADO POR ROMA! AONDE ESTÃO OS DOCUMENTOS? Mas existem vários documentos que atestam que suas origens são Hebraicas e Gregas no século primeiro. Se fossem escritos pelos pais da igreja, não deveriam haver variações textuais (a qual a critica chama de variante), não existe uma unidade entre eles, se fossem documentos forjados, a linguagem seria única.

Dentre tantas outras análises periciais, (tais como datação por carbonos, análise ortográfica, análise culturais e contextuais), realizado por diversas universidades e instituições, foi concluído que o NOVO TESTAMENTO nunca foi escrito pelos pais da igreja, mas foi redigido por pessoas no Séc I. Até hoje, ninguém apresentou um só documento que prove o contrário. Em resumo, O NOVO TESTAMENTO permanece hoje como a mais bem preservada obra literária de toda a Antiguidade, e sua confiabilidade não deixa qualquer dúvida!

A

igreja medieval nunca precisou adulterar os evangelhos, pois sempre deram mais crédito a tradições orais do que para

os

escritos. Nunca colocaram as escrituras acima das tradições, as escrituras não eram regra de fé e conduta da igreja, elas

ficavam restritas ao ministério interno da igreja, acessível apenas ao Clero que as considerava apenas um relato histórico, contextual, inerente a época que foi escrito, e não uma regra de fé e conduta. A regra de fé da igreja sempre foi a tradição. Para os católicos, a escritura não tinha força nem era ameaçadora, assim nunca ouve a necessidade de adultera-lás.

3. Evidências de que os evangelhos relatam de fato o que ocorreu no primeiro século.

A um enorme números de referências a Jesus e a seus feitos no século primeiro fora da bíblia. Além de Jesus ser citado

entre seus seguidores, também é citado em documentos de seus inimigos. Nos atos de pilatos, e cartas aos imperadores romanos, é dito que desde o primeiro século, os cristãos acreditavam que “Jesus era o filho de Deus e teria ressuscitado" nesses documentos, os romanos até fazem piadinha querendo ver os CRISTÃOS ressuscitarem na cova dos leões. Apesar dos deboches, humilhações e dos assassinatos que se sucederam, essas cartas aos imperadores também são uma prova de que os cristãos acreditavam em Jesus, em seus feitos e na ressurreição. Se os escritores do Novo testamento no Séc I mentiram deliberadamente, o que eles ganharam com isso? Um mentiroso sempre visa algo que vá favorece-lô, mas em relação a história de Jesus, o que se vê como “prêmio” pela alegação do Jesus ressureto feitos por discípulos (e muitos outros posteriormente) é perseguição, exclusão social, tortura e morte, bom tenho certeza que o martírio não é tão atraente para um mentiroso descarado. Sofreram perseguições, pedradas, passavam fome frio e nudez, perderam suas vidas

para defender um MITO “inventado por eles mesmos”? Que sentido há nisso?

4. Possíveis contradições.

Existem pequenas diferenças entre uma e outra história, que refletem apenas diferenças no ponto de vista de quem escreveu e na ênfase que queria dar aos fatos, por isso, muitos céticos chamam essas variações de “contradições” entre os



documentos do Novo Testamento, são divergências quanto a genealogia, cronologia, historicidade e sequência de eventos. Contudo, tais, "contradições" bíblicas não invalidam os documentos, ao contrário só reafirmam ainda mais sua veracidade. Sim, sabemos que os evangelhos foram escrito por pessoas diferentes, com pontos de vistas diferentes, em circunstâncias diferentes, acerca dos mesmos eventos. Trata-se portanto de uma seqüência de fatos históricos descrito por várias pessoas, de modo que as divergências não invalidam os documentos, ao contrário, o fato de um documento se contradizer com outro nas particularidades, garantem a sua autenticidade e genuinidade, nada mais lógico, cada autor, relatou, o que havia se passado do seu próprio ponto de vista, numa linguagem própria, para um público específico. SE ESSES RELATOS FOSSEM EXATAMENTE IDÊNTICOS, AI SIM, poderíamos ter certeza que trata-se de manipulação, como defendem diversos especialistas. Quanto a “contradições” doutrinárias, geralmente não são contradições, mas dificuldades de interpretação aplicados a variações textuais, pois autores diferentes usaram palavras semelhantes para descrever propósitos diferentes, ou palavras diferentes para descreverem o mesmo propósito, e isso pode gerar confusão para quem não possui discernimento. Além das variações textuais existem textos em forma de metáfora e de parábolas de difícil entendimento para alguns leitores que não examinam o contexto, e em outros casos, trata-se de erros de tradução. Por isso as escrituras devem ser estudadas em sua totalidade e não apenas lidas em versos desconexos da realidade e situação histórica.

REFERÊNCIAS: Doutores, estudiosos e cientistas ((e não poetas da invencionice!!)) Livro: Merece Confiança o Novo Testamento? (F. F. Bruce) Livro: Escavando a Verdade - (Rodrigo Silva) Livro: O Significado Bíblico da História - (S. J. Schwantes) Livro: A Bíblia tinha Razão - (Werner Keller) Livro: O caos da sociedade nos dias de Jesus (Edmilson Alves) Livro: Enciclopédia de Apologética (Norman Geisler, Ed. Vida.) Livro: Apologética Contemporânea - A veracidade da fé cristã (Willian Lane Craig) Revista Veja: Entrevista com Willian Lane Craig FREYNE, S., A Galiléia, Jesus e os evangelho investigações históricas

SE MESMO ASSIM, você não crê nas palavras do filho de Deus, se você acha que seus ensinamentos não têm valor, ou prefere colocar acima de Jesus a saga dos homens do velho testamento, pensadores, filósofos, ou mesmo acha que os evangelhos não relatam as palavras do filho de Deus de forma verídica, não há porque continuar lendo. Mas, se através dos evangelhos, você diz crer nas palavras daquele que morreu no Madeiro, então continue lendo, analisando e depois tire suas próprias conclusões!

=JESUS E O SISTEMA RELIGIOSO

1. O grupo que matou a Jesus e os profetas.

CAPÍTULO 2 Jesus e o sistema religioso

2. Jesus foi um exemplo de vida e não de Religiosidade.

3. Jesus enfrentou os líderes religiosos e ganhou deles o ódio por apresentar oposição ao monopólio de Deus.

4. Jesus revolucionou o judaísmo ensinando que servir a Deus é servir ao próximo e não ser membro de religião

5. Jesus não fundou nenhuma denominação nem instituiu nenhuma estrutura religiosa

6. Cristianismo, e os pilares da religião

7. Cristianismo, a superação da Religião

8. É crença ou é fé?

9. O que Deus requer de nós?

10. Seguir a Jesus sem Religião

1. O grupo que matou a Jesus e os profetas.

Medite em Mateus capítulo 23: Como era a Religião que Jesus combateu? Quais suas características? Quem eram as pessoas que se julgavam representantes de Deus na terra, a religião certa, portadores da chaves do Reino e detentores da salvação? Teria os discípulos seguido a Jesus, se fossem leais a essas organizações?

Na época de Jesus existiam dois grupos, o grupo dos marginalizados estavam as margens da sociedade, homens pobres humildes pregadores do amor ao próximo e do reino dos céus COMO João Batista e tantos. Os verdadeiros profetas sempre foram humildes, pessoas comuns, não faziam parte da elite religiosa, não trajavam vestes de luxo, mas estavam as



margens da sociedade, não eram avarentos nem ambicionavam "Prosperidade Financeira", assim citamos Miquéias, Jonas, Jesus, Pedro, João etc.

O segundo grupo era homens ricos donos de grandes sinagogas e organizações religiosas, que sempre foram contra as

promessas de Deus, homens que omitiam a justiça e o amor ao próximo e tinham uma visão puramente terrena e carnal, e corporativista, retendo tradições de homens e esquecendo se do mais importante que é a justiça. Esse segundo grupo, depois de assassinar JESUS E OS PROFETAS, AINDA continua a existir, pois ninguém os destruiu.

Pergunta: A qual dos dois Grupos Você pertence? Primeiro Grupo ou Segundo Grupo?

As pessoas não conseguem ver o povo de Deus afastado da religião, mas é justamente contra o sistema religioso que o povo de Deus lutou. Todos os profetas sempre estiveram afastados das organizações, inclusive Jesus, quando ele se desentendia com alguém, era exclusivamente a pessoas vinculadas ao sistema religioso, as organizações religiosas. Certa vez, Jesus chegou para aquele tanto de religioso cheio de "bíblia" (Torá) na mão, aqueles que se diziam mestres da lei, portadores da verdade absoluta, representantes de Deus na terra, então o que Jesus disse? "Vós sois do Diabo" Disse Jesus (João 8:44). Ao observar como Jesus combateu os líderes religiosos, notamos que, quanto mais somos tomados pelo espírito da religião, mas incapacitados ficamos de enxergar a simplicidade do evangelho. Quando colocamos a religião como deus da nossas almas, mas distante estamos da simplicidade da revelação divina. Pessoas sem Deus por idolatrarem o ideologias e preconceitos religiosos. Servir a Deus sem Deus, gera arrogância, narcizismo, jactância, espírito de superioridade, gera juízo perverso e uma atitude homicida em relação ao diferente.

Na época de Jesus o Criador não havia deixado nenhuma organização religiosa. Jesus, não nasceu em meio a esfera sacerdotal entre os doutores da Lei, mas nasceu dentre os humildes, não se sujeitou a nenhuma das denominações existentes, nem fundou outro sistema corporativista. Não se preocupava com vestimenta suntuosas para o ‘culto’ (Mateus 23:5), tinha carinho pelos pobres, humildes (Mateus 5:5) e rejeitava toda a cultura religiosa daqueles que se intitulavam "a religião certa" (Marcos 7:8). Como poderiam aceitar um Messias desses? Se todos acreditavam que os lideres religiosos, sacerdotes da lei e suas organizações eram o povo “representante de Deus na terra”? Jesus deixa claro que o Criador não havia deixado nenhuma organização religiosa, para representá-lo (e por que hoje seria diferente?), Jesus se opunha a essa idéia e dizia que seu povo eram os humildes, os bons, os misericordiosos, os justos, independentemente de serem Samaritanos, fariseus, publicanos ou qualquer outro grupo! (Mateus 5:5-10; Lucas 10:30-37; Lucas 18:10-14) Jesus tolerava publicanos, ladrões, prostitutas, qualquer um, menos o religioso. Estou mentindo? (Mateus 23) Pois estes eram humildes, aqueles se assentavam na cadeira de Moisés, e acreditavam serem portadores da verdade absoluta, da religião certa, detentores da salvação, das chaves do reino e, eles mesmos não entravam nem deixavam as pessoas entrar. Se Jesus voltasse hoje! Será que os Cristãos de hoje teriam aceito esse Jesus? Ou teriam ficado com suas organizações e seus líderes?

2. Jesus foi um exemplo de vida e não de Religiosidade.

Jesus conhecia estrondosamente as escrituras, de maneira muito mais profunda do que qualquer um, fazia perguntas difíceis de responder, perguntas tão profundas que nem mesmo os fariseu conseguiam responder (Lucas 20), ele conhecia

as escrituras tão bem, a ponto de ser reconhecido pelas autoridades religiosas (João 7:15), ele não era qualquer um, nem

os Judeus concordam que ele fosse qualquer um, a ética estabelecida por Jesus supera tudo que já houve em matéria de lei moral e toda e qualquer possibilidade dentro da ética humana (Mateus 5).

Jesus era um visionário, estava muito a frente do seu tempo em matéria de ética, justiça social e relacionamento humano. Ele não era religioso, ritualístico, não se importava com exterioridades, com alimentos, com dias santos, com locais sagrados, nem com religiosidade seletiva e crendices (Marcos 6). Até hoje os Judeus não crêem que ele é o Messias, mas,

como conceber que alguém com uma mensagem tão profunda, não fosse quem ele dizia ser? Será que um louco que buscava o suicídio? Mas alguém alucinado seria capaz de ser tão profundo em suas colocações?

Os evangelhos nos mostram que Jesus não viveu tocado dentro de sinagogas, ao contrário, ele saiu curando as pessoas, atendendo os necessitados, ensinando velhos, ele entrou na casa de publicamos para ensinar, foi acusado de andar com pecadores, de ser bebedor de vinho, ele perdoou prostituta (Mateus 11:19; Lucas 7:48)! Jesus foi um exemplo de vida e não de Religiosidade.

Jesus procurava reerguer pessoas marginalizadas, tinha muito censo de justiça social, procurava humilhados e oprimidos (Mateus 5:10), Jesus era muito tolerante quando na companhia de prostitutas e pecadores (Mateus 9:11; Mateus 21:31), mas totalmente intolerante quando estava na companhia dos religiosos. (Mateus 23)



Jesus amou, nos deu o exemplo, abstendo-se de toda injustiça, arrogância, amor ao dinheiro, murmurações, falsos testemunhos, não pagava mal por mal, injúria por injúria, golpe por golpe, maldição por maldição, mas era misericordioso, estava sempre visitando os doentes, sem desprezar a viúva, o órfão, ou o pobre, abstendo-se de toda cólera, respeitando as pessoas, e não fazendo julgamentos, ele não louvava a si mesmo, não era insolente, também não se ajuntava aos poderosos mas se aproximava dos pobres e humildes

“Aquele que afirma que permanece nele, deve andar como ele andou.” 1 João 2:6

3. Jesus enfrentou os líderes religiosos e ganhou deles o ódio por apresentar oposição ao monopólio de Deus.

Jesus deu uma surra de argumentação na cúpula judaica e dos rabinos mais respeitados. Não conseguiam colocá-lo em

dificuldade quanto a lei de Moisés, apesar dos constantes questionamentos éticos, doutrinários e cerimoniais. Jesus responde a todas as questões satisfatoriamente, então os doutores da Lei buscam outra alternativa para acabar com JESUS.

O ódio crescia, na falta dos argumentos, partiram para a violência. "Ninguém conseguia responder-lhe uma palavra; e

daquele dia em diante, ninguém jamais se atreveu a lhe fazer perguntas." Mateus 22:46

Jesus estava afastado da esfera religiosa! Ele enfrentou os líderes religiosos e ganhou deles o ódio justamente por apresentar oposição a um sistema institucionalizado que se julgavam “representantes de Deus na terra” e queriam ter o monopólio sobre Deus. Ele era considerado subversivo porque dizia que não era no Templo em Jerusalém o local onde se deve adorar, tão pouco no monte, mas em espírito e em verdade. Ele sofria retaliação porque dizia que não era necessário guardar centenas de ordenanças para encontrar a Deus! Deus só queria ser servido na figura do próximo!

Ele desprezou tanto a esfera religiosa, que chegou ao ponto de dizer que até as prostitutas entrariam no reino de Deus no lugar deles, disse ainda que Deus anunciava sua palavra até por intermédio de criancinhas! Um soco no estômago dos doutores da lei!

A verdade é que de forma sutil, com o passar do tempo, a mensagem de Jesus foi substituída pela mensagem da esfera

religiosa, levando a irreconhecibilidade total do evangelho pelo estelionato, distanciando-se tanto daquela proposta de

Cristo. que aqueles que ao meditar nos evangelhos decidem voltar à estrada original, são acusados de heresia!

Através de todas as parábola e ensinos de Cristo, foi revelado que Deus não é uma deidade tribal, não está preso dentro

de um templo, e nem deixou magistérios humanos infalíveis, nem é cabeça de nenhuma instituição religiosa criada por

homens. Alias, o que Jesus mais fez foi repreender a cúpula judaica que tinham justamente essa linha de raciocínio. Portanto, o maior exercício de sobriedade é focar na palavra de Cristo, e ter a consciência, conforme Jesus mostrou que, nenhum discípulo, facção, grupo ou instituição religiosa humana porta a verdade absoluta, a verdade absoluta foi dado a Jesus, e não aos homens. Não vamos cair nos mesmos erros da cúpula judaica, aqueles mesmos fariseus que se julgavam mestres da verdade e representantes do Criador, na terra, sim, pois Jesus não suportava essa arrogância ingênua! A verdade absoluta é Deus e a palavra de Deus, os magistérios que dizem representa-lo bem como suas interpretações da palavra dEle, são falhas e relativas.

Há pessoas que dizem seguir a Jesus, mas negam a eficácia de suas palavras. O que Jesus e os profetas mais fizeram foi

denunciar a hipocrisia religiosa, eles afrontaram o clero e por isso foram assassinados oposição ao povo de Deus

clero sempre esteve em

O

Sem generalização, mas é muito comum no meio cristão, os ditos evangélicos dizerem que aceitaram a um Cristo corajoso, que mostrou as vísceras de um sistema hipócrita e combateu seus líderes, esses mesmos defendem com unhas e dentes o mesmo sistema que assassinou o Cristo a quem dizem seguir!

Um sistema corporativista, empresarial, hierárquico e verticalizado, que escraviza as pessoas e as mantém cativas a ele através da culpa, do medo e da ganância, a partir de fundamentos bíblicos manipulados pelos interesses das organizações. (Atos 2:30; 2 Pedro 2:1-3)

Um sistema que é uma árvore cuja raiz é o fundamentalismo religioso, o tronco é a intolerância e o autoritarismo, os galhos são a restrição a informação, proibição de pesquisas e estudos que não sejam advindas da organização, a demonização dos críticos da corporação e a proibição da livre expressão de pensamentos independentes. E os frutos são as pessoas que perderam a capacidade de raciocínio próprio, a capacidade de enxergar o óbvio, e a mentalidade condenatória, que sempre ganham musculatura devido à obediência cega a sistemas eclesiásticos verticalizados.

Toda árvore boa

produz fruto bom, mas toda árvore ruim produz fruto imprestável.” (Mateus 7:18) O “fruto imprestável”, é substituir a



Em relação aos falsos instrutores, Jesus Cristo avisou: “Pelos seus frutos vocês os

palavra do PAI pela palavra do homem, rituais e tradições sem valor. (Mt 15: 9),

também estão inclusos a falta

de

bondade, amor ao próximo e o farisaísmo (intolerância, autoritarismo, hostilização e demonização daqueles que pensam

diferente)

4. Jesus revolucionou o judaísmo ensinando que servir a Deus é servir ao próximo e não ser membro de religião

As parábolas de Jesus, especialmente, estavam cheias dos mesmos sentimentos anticlericais que moldaram a política e a fé da Galileia, e que se tornariam a marca registrada de seu ministério.

Considere a famosa parábola do Bom Samaritano: Um homem descia de Jerusalém para Jericó. Ele caiu nas mãos de salteadores que o despojaram de suas roupas e espancaram-no, deixando-o meio morto. Por acaso, um sacerdote veio por esse caminho, e quando viu o homem, passou pelo outro lado. Um levita (sacerdote) também passou por aquele lugar, e, vendo o homem, também passou do outro lado. Mas um samaritano em viagem passou por onde o homem estava e, quando o viu, teve compaixão.

Foi até ele e enfaixou suas feridas, derramando óleo e vinho sobre elas. Colocou o homem sobre seu próprio animal, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. No dia seguinte, deu dois denários ao hospedeiro e disse: "Cuida dele, quando eu voltar pagarei tudo o mais que tu gastares com ele." (Lucas 10:30-37)

Os judeus consideravam os samaritanos como os mais humildes, as pessoas mais impuras na Palestina, por uma razão principal: os samaritanos rejeitaram o primado do Templo de Jerusalém como o único lugar legítimo de culto. Em vez disso, eles adoravam o Deus de Israel em seu próprio templo no monte Gerizim, na margem ocidental do rio Jordão. Para aqueles entre os ouvintes de Jesus que se identificavam com o maltratado, o homem meio morto deixado na estrada,

a lição da parábola teria sido evidente: o samaritano, que nega a autoridade do Templo, sai do seu caminho para cumprir o mandamento do Senhor: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo" (a própria parábola foi dada em resposta à pergunta:

"Quem é o meu próximo?").

Os sacerdotes, que obtêm sua riqueza e autoridade de sua conexão com o Templo, ignoram o mandamento completamente, por medo de profanar sua pureza ritual e pôr assim em risco essa conexão. Enquanto estava na sinagoga de Cafarnaum, falando sobre o Reino de Deus, Jesus foi subitamente interrompido por um homem que os evangelhos descrevem como tendo "um espírito sujo". "O que temos nós a ver contigo, Jesus de Nazaré?",

o homem gritou. "Tu viestes para nos destruir? Eu sei quem tu és, ó Santo de Deus." Jesus interrompeu-o de uma só vez. "Silêncio! Saia fora dele!" VEMOS AI, QUEM É QUE SEMPRE ESTEVE POR TRÁS DO PROCESSO INSTITUCIONAL

Jesus mostrou em suas parábolas e ensinos que, serve-se a Deus, servindo o próximo no dia a dia, e não um viver duplo com um grupo religioso! A sua comunhão deve ser com os pobres e necessitados, e não com a instituição e seus líderes. Ajude a viúva, o órfão e o estrangeiro, fale acerca do evangelho para eles!

Por mais que os líderes tentem monopolizar o Criador, através de passagens bíblicas, para sustentarem o ponto de que Deus removeu o exclusivismo Judeu, enxertou nos Cristãos, criou uma nova nação, e todo tipo de ferramenta teológico interpretativa delirante para manter a soberania da autoridade religiosa, Jesus deixou claro quanto: Deus é livre, se relaciona com quem ele quiser, aonde ele quiser e da forma que ele quiser (Mt 11:27) Distribui dons a quem bem entender, ainda que não faça parte de grupo algum (Mc 9:38-40). Ele não é propriedade de nenhuma doutrina, empresa, facção, instituição criada por homens (Mt 18:20); Tão pouco liga para exterioridades, vestimentas, proibições quanto à comida, bebidas e crendices. (João 7:24; Mc 11:18-19; Col 2:21-23) Abandonemos o pré-conceito e o exclusivismo farisaico.”

Objeções: “Jesus era religioso”

JESUS NUNCA FOI RELIGIOSO, não participava dessas denominações, estava afastado do sistema assim como João batista e os profetas! Ele frequentava as sinagogas para ensinar o certo, não para aprender o errado, assim como ensinava em qualquer lugar. Uma coisa é cumprir a Lei do Criador que estava na TORÁ, outra coisa é ser religioso e participar de

denominações

Objeções: “Jesus era Judeu"

Houve uma transferência de identidade desse termo. Nos dias de hoje, Judeu é religião, todavia no século primeiro, não era assim. Judeu era o nome dado aos que nasceram na tribo de Judá, assim como quem nascia na tribo de Levi era Levita,



Benjamin era Benjamita, etc

católico nem protestante, assim como Jesus era "Judeu, mas não era Saduceu nem Fariseu.

Saduceus,

Escribas e Fariseus eram seitas religiosa. Ex: eu sou "cristão", mas não sou

Os Hebreus eram uma nação teocrática, onde os Judeus eram apenas uma tribo, e os Fariseus uma segmentação religiosa.

Qual era a religião de Jesus? Jesus era escriba? Fariseu? Talvez sucedeu? Não, Jesus era Judeu porque nasceu na tribo de Judá, Jesus nunca foi religioso, não participava dessas denominações, estava afastado do sistema assim como João Batista

e os profetas! Ele frequentava as sinagogas para ensinar o certo, não para aprender o errado, assim como ensinava em

qualquer lugar. Uma coisa é cumprir a lei do criador que estava na torá, outra coisa é ser religioso e participar de

denominações.

Todos sabem que o CRIADOR escolheu pessoas IMPORTANTES a dedo, para determinado propósito! - Escolheu

Abraão - Escolheu Noé - Escolheu Jô - Escolheu Moisés – Escolheu Jonas - Escolheu João Batista. E também,

Escolheu tantos outros

Criador sempre apreciou nas pessoas que escolheu, desde o velho testamento até o novo! Qual é essa qualidade que o Criador tanto aprecia que todas essas pessoas ( INCLUSIVE JESUS) possuíam ? Resposta:Todos eles não precisavam de

Eu pergunto! O que essas pessoas tinham em comum? Repare que existe uma qualidade que o

um templo ou uma religião para servir a Deus! Medite: o criador jamais escolheu alguém da esfera religiosa sacerdotal!

Não escolheu um só líder religioso sistema.

ao

contrário, escolheu os humildes, as pessoas quem estavam afastados de qualquer

CONHEÇA MAIS SOBRE AS ORGANIZAÇÕES RELIGIOSAS QUE ASSASSINARAM A JESUS. A igreja que matou Jesus:

• Se assentavam na cadeira do fundador da fé, se julgando representantes de Deus na Terra. ( Mt 23:2)

• Queriam se livrar de todos aqueles que discordavam deles (Mt 23:34.)

• Atavam fardos pesados e os colocavam sobre os ombros dos homens, (Mt 23:4)

• Não praticavam o que pregavam. (Mt 23:4)

• Sempre estavam preocupados em se vestir bem a fim de serem vistos pelos outros. (Mt 23:5)

• Quando fazia alguma boa obra anunciavam isso com trombetas, para serem vistos pelos homens. (Mt 23:5)

• Gostavam do lugar de honra nos banquetes e dos assentos mais importantes nas sinagogas, (Mt 23:6)

• Gostavam de serem saudados nas praças e de serem chamados por seus cargos. (Mt 23:8)

• Acumulavam tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, mas se esqueciam de acumular tesouros no céu

• Sempre ricos, proprietários de grandes sinagogas e templos. (Mt 23:34)

• Eram servidos ao invés de Servir, a si mesmo se exaltavam. (Mt 23:10-12)

• Honra a Deus com os seus lábios, mas o seu coração está longe de dele. (Mt 15:8)

• Ensinavam doutrinas que são preceitos dos homens. (Mt 15:9)

• Fechavam o Reino dos céus diante dos homens com suas mentiras e tradições! (Mt 23:13-17)

• Percorriam terra e mar para fazer um convertido quando conseguiam, o tornavam duas vezes pior. Mt 23:15)

• Davam o dízimo, mas negligenciava os preceitos mais importantes: a justiça, a misericórdia e a fidelidade. (Mt 23:23)

• Coavam um mosquito e engoliam um camelo. (Mt 23:24)

• Por fora pareciam justos ao povo, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e maldade. (Mt 23:27)

• Edificavam os túmulos dos profetas e adornam os monumentos dos Santos. Assim, testificavam contra si mesmos que eram descendentes dos que assassinaram os profetas. (Mt 23:29)

Medite: O Grupo de Jesus construiu algum templo? Fundou alguma denominação? Era portador do monopólio exclusivo para acesso a Deus? Eles estavam sempre bem apresentados com seus trages de gala socais? Oravam de pé nas sinagogas, no púlpito de forma profissional para serem aplaudidos? Gostavam de serem chamados por seus títulos? Cobravam dinheiro? Ensaiava Coral ou faziam coreografia? Faziam procissões de adoração e dança? Ensinavam doutrinas de homens? Proibiam questionamentos, raciocínio crítico, reflexões e pensamentos independentes? Hostilizavam todos que discordavam deles? Demonizavam quem enxergava o óbvio?“Aquele que afirma que permanece nele, deve andar como ele andou.” 1 João 2:6

Os seguimentos religiosos cristãos são idênticos ao grupo que assassinou a Jesus, mas em nada se parece com o grupo de Jesus. Depois de assassinarem Jesus, existiu alguém maior que Jesus para acabar com esse sistema? Se não existiu, eles estão ai, até hoje, quem são?

5. Jesus não fundou nenhuma denominação nem instituiu nenhuma estrutura religiosa

Jesus não fundou nenhuma denominação nem instituiu nenhuma estrutura religiosa, segundo sustentam os evangelhos, e também, os grandes pesquisadores da História Cristã. Não instituiu nenhum sacramento nem procedeu a nenhuma espécie



de ordenação sacerdotal. Afastado de todas as instituições religiosas dos Judeus, não se subordinou a nenhuma delas e

criou apenas um movimento livre e aberto de preparação do homem para um mundo de paz e concórdia, justiça e amor. Nesse movimento eram admitidos publicanos e samaritanos, ladrões e cortesãs, os puros e os impuros de Israel, o que escandalizava os Judeus ortodoxos e os levou a rejeitá-lo.

Jesus não fundou o movimento histórico chamado cristianismo, a terceira geração o fez, Jesus não fundou o Protestantismo. O Protestantismo foi um movimento histórico do séc XVI de Martin Lutero contra a Igreja Católica! Jesus não fez a Reforma Protestante, foi João Calvino na Suíça, que aprofundou as idéias de Lutero, vindo a se chamar Reforma Calvinista. Ele não era Católico, Pentecostal, nem Neo Pentecostal, não fez propaganda de nenhum grupo religioso, o que

ele chamou de igreja nunca, jamais foi um prédio com uma placa um, local, um santuário edificado por mãos de homens, era apenas o grupo de discípulos, ou seja, aquele que aceita suas disciplinas, disciplinas de internalidade, de expansão de consciência, de caráter, de prática de valores morais, relacionamento humano exercício de amor ao próximo, dia a dia, e nada tem a ver com a exterioridade, "não coma isso", "não coma aquilo", ao contrário, ele condicionou tudo como puro, acrescentou ainda dizendo que o mal não é aquilo que entra pela boca e sim o que sai, e nem recomendou a nossa maneira

de vestir, ou nos padronizar como o faz a moda gospel. A doutrina de Jesus é superior em todos os sentidos, pois não se

atrela a ritualismos, exterioridades, nem fanatismos e regionalidade seletiva, mas sim, ao mapa do coração, a internalidade

e a todos os povos!

Entende-se por igreja, a união dos Santos! Santo significa separado para servir. Então concluímos que aonde quer que aqueles que são separados para servir se unam ali então teremos uma igreja, igreja é o povo de Deus, e os Santos são os membros que servem uns aos outros, e não pessoas mortas que são adoradas em forma de estátuas. Eles possuíam comunhão (Atos 2.42-47) ou seja, é ter em comum, sintonia de sentimentos, de modo de pensar, agir ou sentir; identificação domínio sobre a mesma coisa, de que detêm partes abstratas, ou seja, nem mais nem menos, se eles tiver duas túnicas, repartiam todos os seus bens materiais (At 2.44-45). Estando dois ou mais servindo uns aos outros, na vida, no dia a dia, está feito a igreja. Quanto as empresas que a si mesmo se edificam a cada dia, não possuiem se quer autorização de Deus para serem fundadas, tão pouco para representá-lo.

O grupo das pessoas do Criador, sempre foi um rebanho pequeno, familiar e não corporativista, todos afastados das

organizações, posto que, todo grupo grande de mais, se torna corporativo, uma torre de babel, e concentração de poder,

consequentemente se corrompe. Essa necessidade que as pessoas sentem, de ter um líder, alguém a quem seguir, é resultado de um evangelho distorcido que vem sendo pregado há muito tempo! Buscam a figura do pastor, como alguém que baterá a asas e voará carregando todo o rebanho no bico! Jesus nos chama a caminhar com Ele, segui-lo e fazer discípulos DELE, JESUS!

Mateus 15:13 Ele respondeu: "Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada pelas raízes”. [lideres e instituições]

6. Cristianismo, e os pilares da religião

Quais são os três pilares da religião? Como pode a doutrina de Cristo se encaixar neles? Um homem simples de Nazaré, prestou um grande favor a religião: Acabou com ela! O cristianismo é a superação da religião. A religião se sustenta por três pilares: Dogma, rito e Tabus moralistas. Não temos dogmas pois relacionamos com pessoas, não com conceitos! Não temos ritos, porque não é neste monte, nem no templo, nem em Jerusalém, a adoração verdadeira é em espírito, no quarto com a porta fechada, por isso não há ritualísticas!

Não há moralidade, porque no amor não existe Lei, para Jesus, o amor está acima da Lei e do Moralismo. O evangelho não é uma nova moral que vive se reciclando de acordo com os séculos, mas sim uma nova consciência que jamais será alterada. Portanto, o movimento de Jesus, que todos conhecem por Cristianismo, não se enquadra nas diretrizes da religião! O verdadeiro evangelho sempre será amar ao próximo! A simplicidade do Evangelho é complexamente insuportável para a religião!

7. Cristianismo, a superação da Religião

A religião é uma produção humana, a palavra vem do Latim “reli-gare”, o homem se religando a Deus por preceitos

dogmáticos e por méritos próprios! Por meio de códigos de conduta, de moralidades externas, de disciplinas acéticas (não coma isso não beba aquilo não toque nisso), por meio de congregações e agremiações, que se propõe a limitar Deus a uma instituição marcada, com grandes templos e obeliscos. Portanto, religião é qualquer coisa que se propõe a religar o ser humano e Deus.



Seguir a Jesus é transcerder a religião, porque depois da consumação do sacrifício de Jesus, nada mais pode nos religar a Deus a não ser Cristo! Não há qualquer outra forma de religação! Jesus é o único Mediador entre Deus e o Homem (1Tim 2:5) e nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus! (Estar em Cristo, não numa instituição) Por isso, a religião torna se um estelionato, na tentativa de nos reconciliar a Deus, toma o lugar do filho de Deus para si, como se fosse o próprio.

A

religião é o homem se religando a Deus, no evangelho é Deus se religando ao homem, então para que religião?

O

evangelho nos ensina que se Deus for considerar alguma religião (se é que ele consideraria alguma) seria o amor ao

próximo, aquela que não separa, que não julga, que não cria muralhas, aquela que não promove divisões. A religião do pai

é

atender os necessitados e amar ao próximo, servindo o próximo sirvo a Deus, o que passar disso é doutrina de demônios

o

que passar disso é invencionice

MT

25: 42 / TG 1:27. Os segmentos religioso, que conhecemos por denominações, são

produções humanas, a fim de atrair pessoas com uma crença semelhante, da católica às protestantes.

Qual é a sua religião? “Cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo. Está Cristo dividido? foi Paulo crucificado por vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo?” 1Cor1:12-13 ─ Diga eu sou de Cristo e não promova divisões.

8. É Crença ou é Fé?

Religião não é fé. Ora, fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a convicção, a certeza e a prova das coisas que se não vêem, fé é um Dom, a instalação do absurdo contra toda lógica. Crença é o legado das coisas que se foram e que se vêem e com os fetiches que representam essas coisas, crença é humana, é mecânica e racional, é transferível é superficial. Religião é a fé na crença

9. O que Deus requer de nós?

“Aparte-se do mal, e faça o bem; Busque a paz, e siga-a”. (1 Pedro 3:11) – Que nos apartemos do mal, ou seja, que não pequemos! Se pecarmos, que nos arrependamos! Que sigamos nossas vidas, de maneira normal, trabalhando, estudando,

sendo nós mesmos, não pecando e fazendo o bem a todas as pessoas, dentro do nosso limite! Sendo justos, misericordiosos, humildes, íntegros em fim, fazendo aos outros o que gostaríamos que fosse feito com nós mesmos! Simples assim! Difícil entender que Jesus jamais propôs fundar uma estrutura religiosa, para que se praticassem rituais

religiosos?

O Criador ensinou A SEGUIR SUA VIDA NORMAL, seu ensino é simplesmente a progressão dos valores morais para o

crescimento do CARÁTER com aplicação ao relacionamento humano dia a dia, não fazendo com os outros o que não

quer que faça com você, OU SEJA, SIGA O BEM E APARTA-SE DO MAL, SÓ ISSO! Mas infelizmente, por interesses

próprios, trocaram a mensagem SIMPLES, PROFUNDA E SUPERIOR de exercício de amor ao próximo por estereótipos

e exterioridades míticas, supersticiosas e banais.

A mensagem de Jesus é o exercício de amor ao próximo, amor ao próximo não é romance, mas gestos de bondade, a

vontade de Deus é que as pessoas se ajudem e façam do próximo uma extensão de si mesmo, que não haja espaço para egoísmo, mas que abunde solidariedade, amor e serviço. Servir a Deus é servir ao próximo. Essa comunhão, essa harmonia é propósito de Deus para Sua criação, por isso, não é necessária nenhuma estrutura religiosa para ensinar isso.

A INSTITUIÇÃO É OPCIONAL. Quem não é capaz de enxergar a desnecessidade dela, ainda não entendeu a mensagem

de Cristo.

10. Seguir a Jesus sem Religião

No inicio a igreja era um grupo de homens centrados em obedecer a Jesus. Então, a igreja chegou a Grécia e tornou-se uma filosofia. Depois chegou a Roma e tornou-se uma instituição. Em seguida, a Europa e tornou-se uma cultura. E, finalmente chegou a América e tornou-se um negócio.

Qualquer um com o mínimo de discernimento percebe que essas empresas que edificam a si próprias a cada dia, nada tem

a ver com o ensino de Jesus, suas paredes edificadas por homens, para ali habitar nada além de homens, suas estruturas criadas para remover a habilidade das pessoas enxergarem o óbivio, para manter a soberania, o poder, o domínio e o controle sob mentes entorpecidas, são apenas corporações erguidas por homens, chamando tudo que é de Deus para si, como se fossem o próprio, criando um mediador, um ídolo ‘deus’ na terra que não pode salvar.



Para estarmos com Jesus, não é preciso ir à igreja institucional, nem ter religião! Em termos bíblicos, a igreja é

simplesmente aqueles que estão seguindo a Jesus, a família de Deus e não uma corporação. Ao invés de irmos enriquecer pastores, ajudando-os a comprar belíssimas mansões e fazendas, basta nós fazermos nossas orações em casa, praticarmos

a justiça, a bondade, a humildade, a caridade, e a misericórdia no dia a dia!

Seguir a Jesus sem religião! Sim! Mas, quem disse em ficar em casa isolado? De acordo com Jesus, onde estiverem dois ou três REUNIDOS EM SEU NOME, ali está a igreja Mateus 18:20 (igreja são todos aqueles que seguem a Jesus e não um templo religioso). Assim, se dois ou três amigos cristãos se encontrarem para falar sobre as lições espirituais, ou para servirem alguém, ali é a igreja! Isso é congregar-se, reunir-se pelo evangelho!

A COMUNHÃO É COM OS POBRES E NECESSITADOS E NÃO COM UM GRUPO RELIGIOSO! A igreja que os

Apóstolos fundaram, foram movimentos livres de Caridade e nada tem a ver com O SISTEMA IMPERIALISTA Eclesiástico que transformaram o evangelho em comércio!

Reunir-se é circunstancial e não essencial, e um meio e não um fim, o absoluto é o caráter de Cristo em nossas atitudes. Essa necessidade absoluta dos "crentes" de ficar reunindo grupos religiosos, nos mostra o quanto meninos na fé, são, posto que precisam ficar sempre ouvindo as mesmas coisas o resto da vida ─ Hebreus 5:12. O mandamento do salvador é exercício de amor ao próximo, é relacionamento humano dia a dia, Jesus é claro em suas parábolas e ensinamentos: Serve-

se a Deus servindo ao próximo, não fazendo congressos religiosos. Absolutizam o relativo e relativizam o absoluto.

Qualquer entendimento que dê respaldo a existência de um sistema religioso institucional para servir a Deus é corrupção do raciocínio! Manipulação de textos subjetivos para escravizar mentes inocentes e mantê-lás cativas a um sistema onde mentes ardilosas, com aversão ao trabalho duro, são sustentados e mantidas sob a inocência de tantos.

===================================================================================== =MONOPÓLIO DA RELIGIÃO: ESTÁ DEUS RESTRITO A ALGUMA INSTITUIÇÃO RELIGIOSA?

1. 40 mil religiões, como pode alguém ter tanta convicção que só a sua é a verdadeira?

2. Uma vez que, outras religiões possuem fortes argumentos bíblicos, como afirmar que o seu argumento é o correto?

3. Quem disse que Deus precisa de instituições para representá-lo? Quem deu autorização para seu líder fundar uma?

4. Se Cristianismo é exercício de amor ao próximo, para que fundar corporações para ensinar algo tão simples?

5. Se a palavra está nas escrituras para que buscar uma organização religiosa para nos ‘instruir’?

6. Quando Cristo afirmou que a relação Criador e criatura passa por uma instituição religiosa?

7. Quando Cristo vinculou a salvação de alguém a uma instituição religiosa?

8. Onde está escrito que para congregar e ter comunhão, precisamos fazer parte de alguma instituição religiosa?

1. 40 mil religiões, como pode alguém ter tanta convicção que só a sua é a verdadeira?

Toda religião diz ser a certa, todas elas utilizam a mesma bíblia, para sustentar suas testes e promover seu exclusivismo e sua monopolização. Existem mais de 40 mil religiões, como pode alguém ter tanta convicção de que só a sua é a certa? Qual é o critério para validação? Se o critério para a validação de uma religião verdadeira for suas crenças bíblicas, será que as crenças de qualquer organização provam que elas são a única religião verdadeira? Se considerarmos que sua visão bíblica é a correta, você pode ter certeza absoluta de que não existem Cristãos sinceros com crenças praticamente idênticas as suas fora da organização? Admitindo que suas crenças não são exclusivas, (uma vez que a todo dia surge novos grupos) pode-se conceber então que há Cristãos sinceros, fora da organização (Atos 10:35); Podemos também considerar que havia Cristãos sinceros, antes da fundação da sua organização religiosa? (Mt 28:20) — Já admitiu

a hipótese de que Deus nunca esteve limitado a organizações? (Atos:17:24; João 4:21,23,24; Mt 18:20; Mt 6:6) Uma vez

que existam outros grupos partilhando crenças praticamente idênticas, não há como sustentar que a verdade limita-se a

uma, logo o argumento da única religião verdadeira é facilmente refutado pela lógica e razão.

2. Uma vez que, outras religiões possuem fortes argumentos bíblicos, como afirmar que o seu argumento é o correto?

Dentre as inúmeras religiões existentes, todas usam a mesma bíblia para validar seus argumentos, como alguém pode garantir que suas crenças bíblicas são verdadeiras e as crenças bíblicas dos outros grupos são falsas? —Qual é o critério

de validação?



Quem pode garantir que todos os ensinos bíblicos de uma organização são isentos de erros? Toda religião acredita ter o direito divino de interpretar a bíblia, muitos crêem na infalibilidade de magistérios humanos, que eles são inquestionáveis, que são Deus na terra, mas, não seria isso ingenuidade? Quem deu a autoridade para sua instituição e seus líderes interpretarem as escrituras? Quem é o magistério de uma instituição religiosa para garantir suas próprias interpretações? Por mais que a organização possua uma base relativamente sólida escriturística, ainda assim, não é suficiente para trorná-la verdadeira, porque isso, as outras também tem, ainda que uma organização tenha argumentos fortíssimos contra o que as outras pregam, as outras, também terão uma resposta pra cada uma. O que é mais coerente? Aí cabe a cada um avaliar. Nunca haverá consenso. Logo o argumento ingênuo de que o entendimento bíblico

de um grupo é verdadeiro e os outros são falsos é facilmente refutado pela obviedade.

As escrituras recomendam que um Cristão, tenha confiança inabalável na interpretação de magistérios humanos? De onde surge o dogma de achar que uma organização religiosa é infalível e isenta de erros? — A qual organização do passado

Deus entregou esse monopólio? (Escriba? Fariseu? Saduceus? Cristandade pós apostólica?) Se entregou essa incontestabilidade a alguma organização do passado, ela deveria estar de pé até hoje, se assim for, pra que a necessidade

da reforma protestante? — Mas se responder que as organizações deixadas por Deus se tornaram apóstatas, como garantir

que a própria a organização em questão também não se tornou, já que não se pode questioná-la?

A verdade é absoluta, a compreensão do homem sobre essa verdade é relativa. Absoluto é só Deus, por isso, qualquer

mente, com um pouquinho de discernimento, nunca, jamais deve crer em infalibilidade de magistérios humanos, todos devem questionar a autoridade do clero, seus critérios interpretativas e a autenticidade, genuinidade, legitimidade de sua existência.

3. Quem disse que Deus precisa de instituições para representá-lo? Quem deu autorização para seu líder fundar uma?

Abrão era homem de Deus? Ester era? Rute era? Agar era? A qual organização religiosa essas pessoas pertenciam?

As pessoas não conseguem ver o povo de Deus afastado da religião, mas é justamente contra o sistema religioso que o povo de Deus lutou. Quem foi que lhe enganou dizendo que o povo de Deus deve estar dento das instituições ao invés de estar fora?O que diz as escrituras? Deus sempre levantou pessoas ou empresas especializadas? —Jonas 1:1; Mateus 11:7; Mateus 23: 30,34 Por que os profetas de Deus estavam afastados das organizações religiosas? João Batista, Jonas, Miquéias, etc. Onde estava a instituição de Deus na época de Jesus? Se os discípulos fossem leais a ela, teriam seguido Cristo? Quem eram as únicas pessoas que tiravam Jesus do sério? (Mc 7:6), (Lc, 3:7-8), (Mt, 12:34), (Mt, 23:33). Por que, não vemos Jesus e os profetas com inimizade com ninguém exceto com as pessoas vinculadas ao sistema religioso. Por que Jesus não veio através dos doutores da fé, mas veio dos humildes afastado da esfera religiosa? (Mt 8:20) Por que para Jesus, o maior dentre os homens era só um humilde, mau vestido, afastado das instituições e pobre? (Mt 11:7) Sempre vemos nas escrituras Jesus e os profetas de um lado e a religião de outro, não vemos Jesus com inimizade com ninguém exceto com as pessoas vinculadas ao sistema religioso.

Se o Criador quer que sigamos uma denominação por que ele não pediu para seus profetas fundarem uma? Desde o V.t até hoje. Ao invés de homens da reforma? Onde estava a instituição fundada pelos apóstolos na época da Reforma? Como conceber que um Deus que necessite de uma instituição, para que Cristo esteja presente, tenha deixado seu povo sem ela, 1700 anos até a reforma? Como conciliar isso ao fato de que Jesus afirmou que estaria com seu povo desde a sua época, até o fim dos tempos (Mt 28:20)? Nesse período Cristo não estava com eles, mesmo sem instituição? Portanto, é inconcebível admitir que o acesso a Cristo esteja vinculado a uma instituição protestante (a menos que você aceite que Deus utilizou a Igreja Católica Romana, que era o único seguimento Cristão institucional até a reforma). As escrituras são claras, os seguidores sinceros de Cristo, não podem estar debaixo de uma organização religiosa, mas, espalhados por todo o mundo até o fim dos tempos. Os seguidores de Cristo sempre existiram, e sempre existirão, com ou sem a organização.

Onde está a única ‘instituição’ fundada por Jesus desde a era apostólica até os dias de hoje? (Jo 2:19; Hb 8:2) Se os apóstolos fundaram alguma organização religiosa, onde está? Por que então seguir instituições fundadas por outros homens? Raciocine: Alguém, depois de ler a bíblia, se sentiu iluminado, fundou uma corporação, e agora acha que é representante de Deus na terra, QUEM DISCORDA, é tachado como apóstata, herege e sem Deus. Sinceramente, isso faz algum sentido? Como alguém que funda uma organização justifica a brecha entre o último apóstolo e o organizador-fundador? Onde está a referencia bíblica de que um homem pode fundar instituições religiosas para representar Deus? (Efésios 2:20; Romanos 15:20) Quem deu autorização para um líder fundar uma instituição? Os apóstolos não deram autoridade para ele deram? Acaso, alguma organização religiosa atual foi fundada por algum apóstolo? Foi fundada pelo apóstolo Paulo? Pelo sobrinho de Paulo? Pelo sucessor de Paulo? Tem algum documento apostólico de Paulo autorizando sua fundação? Qual é o sentido em achar que uma empresa que a si mesmo se edifica é representante de Deus na terra? De Fato, se fosse para seguir algum clero, deveríamos seguir um fundado



DIRETAMENTE pelos apóstolos e não por Constantino, não pela reforma, mas onde está o magistério institucional dos apóstolos? Não existe por que? A resposta é obvio, eles não criaram instituições, se tivessem criado, todos seguiriam a instituição deles e não instituições plantada por outros homens. (E se responder que a instituição dos apóstolos se tornou apóstatas, como garantir que a sua também não tenha se tornado?)

Cada igreja (denominação), que tem a pretensão de representar Jesus, tem sua história e seus organizadores-fundadores. Cremos que sempre houve, em toda a história da era cristã, membros do corpo de Cristo, mas nem sempre houve denominações tal como, batistas, presbiterianos, Tj, etc. Quem ensina ser sua religião a única certa, precisa justificar a brecha entre o último apóstolo e o organizador-fundador de sua seita. Quanto aos que pensam como eu, não temos problemas quanto a isso. (Mt 18:20)

Você não acha que se Jesus tivesse fundado uma organização religiosa física, ela deveria estar de pé até hoje para todos nós seguirmos, ao invés de seguirmos instituições fundadas por outros homens? Cristo não construiu um corpo governamental físico, ao contrário, ele destruiu o monopólio reducionista institucional judaico, entendendo o acesso ao Criador a todos os povos, (1 João 2:2) criando um único Templo invisível, uma organização religiosa espiritual e não física (Hb 8:2), o corpo de Cristo, que está assentado em um reino espiritual e para além de congregações físicas, não é uma entidade política, física, denominacional e mundana (Jo 2:19) onde todos os Cristãos estão congregados, em “uma só maneira de pensar” No corpo de Cristo, todos são iguais, os apóstolos não fundaram um clero sacerdotal, nem se portavam como líderes religiosos, mas simplesmente como irmãos, servos pelos quais o evangelho foi anunciado (1 Cor

3:4)!

O caminho, a verdade, a vida, é Cristo, não é uma denominação, uma organização religiosa, nem uma empresa

especializada (João 14:6) — Se Jesus é o caminho para que atalhos? Se Jesus é o caminho para que buscar uma instituição fundada por homens? (Jo 14:6) Para o discípulo, apenas Jesus serve como exemplo, homens e doutrinas são

DISPENSÁVEIS (João 6:68; Mateus 15:9) Acaso foi uma organização religiosa e seus líderes que deram cada segundo do seu tempo, cada momento da sua vida e cada gota do seu sangue dando a vida por você?— 1 Cor 1:13

4. Se Cristianismo é exercício de amor ao próximo, para que fundar corporações para ensinar algo tão simples?

Religião para que? A mensagem de Jesus é o exercício de amor ao próximo, amor ao próximo não é romance, mas gestos

de bondade, a vontade de Deus é que as pessoas se ajudem e façam do próximo uma extensão de si mesmo, que não haja

espaço para egoísmo, mas que abunde solidariedade, amor e serviço. Servir a Deus é servir ao próximo. Essa comunhão,

essa harmonia é propósito de Deus para Sua criação. Não é necessária nenhuma estrutura religiosa para ensinar isso. Quem não é capaz de enxergar a desnecessidade dela, ainda não entendeu a mensagem de Cristo.

Cristianismo transcende a geografia, transcende a religião. Cristianismo não é uma vida obstinada dentro de quatro paredes, (At 17: 24; João 4:21-23; Mt 6:6; At 2:44-47; Mateus 18:20; Mateus 28:20; At 10:35) é um serviço ao mundo onde o caráter de Cristo é demonstrado em nossas atitudes. Jesus nos chama para o Caminho, não é um caminho religioso;

é apenas um caminho de reconciliado com Deus, conosco mesmos, com o próximo e com a criação. Cristianismo é

exercício de amor ao próximo, pra que fundar instituição e estruturas para ensinar algo tão simples? (Mt 25:42; 1Jo 3:14;

1 Jo 4:7-8 )

Quer servir a Deus? Tenha mãos para servir ao próximo! Quer ser justo com Deus? Seja justo com o seu próximo! Quer ser amigo de Deus, acolha o pobre e o necessitado, a dizer, o próximo! Tudo para o próximo, pelo próximo e a favor do Próximo, Amando o próximo amo a Deus! Amando uns aos outros saberão sois meus discípulos!” Quer ser o Maior? Seja

o menor, o mais humilde, o mais manso!

Não está escrito, que a Religião de verdade é atender aos necessitados? (Tg1:27) (At 10:4) O Criador Mentiu ao dizer que servir a Deus é servir ao próximo? (Mt 25:42) O que diferencia as coisas de Deus das coisas do homem, não são fenômenos, mas um único fenômeno: o amor. Não é o nome de “Deus” que faz a diferença, mas exclusivamente o amor.

Onde o diferencial é amor, não importa a cultura, o ambiente religioso, a ignorância, entretanto. Se há amor, aí há Deus,

se não há amor, pode haver o nome de Deus, as doutrinas de “Deus”, culto a Deus, tudo a Deus — mas não haverá Deus

aí. (Mt 25:42) (1Jo 3:14)(1 Jo 4:7-8) — (1 João 4:16). Quem não ama não conhece a Deus por que Deus é amor —1 João

4:7

Há em nossos dias uma tendência a complicar tudo aquilo que Jesus simplificou, e adotar tudo aquilo que Ele aboliu. Não contentes com a graça barata, com a graça de graça, os homens desejam comprar de Deus o favor, mediante sacrifícios financeiros, comércio de objetos sagrados e até mesmo horas de oração em montanhas “sagradas”. Imitam a saga dos profetas do Antigo Testamento e esquecem-se que os apóstolos trilharam um caminho muito melhor!



Há mais de dois mil anos aquele jovem rabi, filho de carpinteiro, morreu crucificado. Hoje, aqueles que dizem ser seus seguidores, crucificam os seus ideais. A graça é banida, o Reino olvidado, a justiça social esquecida, e a religião é usada como um meio de enriquecer os espertos e alimentar a avareza dos ignorantes. Não obstante, haverá um dia em que o rabi voltará, e julgará a cada um conforme as suas obras. Portanto, avalie o homem a si mesmo, aplaine seus caminhos, saia de dentro do armário e assuma o seu papel no corpo de Cristo.Não podemos ser cristãos apenas de títulos; precisamos ser discípulos em obra e em verdade.

A verdade é que nos distanciamos tanto daquela proposta de Cristo, que aqueles que – ao meditar nos evangelhos decidem

voltar à estrada original, são acusados de heresia. Vagamos tão distantes da fé primitiva que qualquer que quiser, em

semelhança aos apóstolos e profetas do passado, denunciar os abusos cometidos pelos sacerdotes corruptos, sofrerá

retaliações!

5. Se a palavra está nas escrituras para que buscar uma organização religiosa para nos ‘instruir’?

Se a palavra está nas escrituras para que buscar uma organização? (Mt 23:9-11; João 6:45; Hebreus 8:10-11; 1 João 2:27) Quando Cristo afirmou que precisamos de algo além das escrituras, para conhecer a Deus? (João 8:19; João 14:7) A quem devemos ir? (João 6:37) Quem é o bom pastor? (João 10:14) suas ovelhas seguem a quem? (João 10:27-28) Como Deus conduziu os Cristãos do primeiro século? (Atos 8:5,5, 26, 29, 40) Acaso, as escrituras incentivam as pessoas a crerem em infalibilidade de magistérios humanos? (1 Cor 13:9,10) Quem é o magistério de uma instituição para garantir suas próprias interpretações? Se Deus é realmente amoroso, ele não deixaria sua palavra de modo a que qualquer pessoa pudesse lê-la e ser salvar?

Se os Cristãos precisassem de uma organização para entender as escrituras, por que então, Jesus nos disse para não chamar a ninguém de “instrutor,”? — Como conciliar isso com as passagens do advento da nova aliança: “A ninguém chamei vosso guia, um só é o guia, o Cristo, e todos vocês são irmãos” (Mt 23:9-11)( Mt 23:11-12) “Não há necessidade que ninguém o ensina, pois o espírito o faz” (1 João 2:27) “Todos serão ensinados por Deus”. (João 6:45 ) “Ninguém mais ensinará ao seu próximo nem ao seu irmão” — Hebreus 8:10-11. Se Deus é realmente um Deus de amor e ele quer que todos sejam salvos, porque iria Ele deixaria sua palavra de um modo, que um comum mortal pudesse entender sem a ajuda de um instrutor humano. Se Deus é realmente amoroso, deixaria sua palavra de modo a que qualquer pessoa pudesse lê-la e ser salva. Se Jesus afirmou que se conhecermos a ele, conheceríamos ao Pai. Então por que, os Cristãos verdadeiros precisam da orientação de organizações religiosas para conhecer a Deus? (João 8:19; João 14:7) Os Cristãos verdadeiros não precisam da orientação de organizações religiosas para conhecer a Deus (João 8:19; João 14:7) “Aquele que ama conhece a Deus porque Deus é amor”—1 João 4:8.

Para se ter acesso ao Pai, conhecê-lo e alcançar a vida eterna, precisamos dar ouvidos AO MESSIAS. Uma vez que as palavras e o ensino deste mesmo MESSIAS estão escritas e documentadas, para quem queira e necessite, a instituição religiosa torna-se opcional e até mesmo dispensável. É opcional quando se reconhece que a instituição religiosa é uma produção humana, um fenômeno histórico, uma reunião de pessoas com a mesma crença, servindo como instrumento pedagógico de ensino, porém, não se colocando como fim, mas como meio.

A instituição é dispensável, quando ela quer ser o fim e não o meio, ou seja, quando ela tem a obsessão em ser secretaria

do altíssimo, e o péssimo hábito de se colocar como caminho, verdade e vida, sugestionando as pessoas a acreditarem que ninguém vai ao Pai a não ser por intermédio dela. A INSTITUIÇÃO TORNA-SE DEUS NA TERRA, UM ÍDOLO, um mediador, um intercessor, chamando para si tudo que é de Deus, como se fosse o próprio. (1 Tim 2:5; Mc 9:39; Mt 6:6; Rm 8:39) (João 6:37; João 7:38; João 10:14; João 10:27-28; Atos 8: 5, 26, 29, 40) Jesus nunca, jamais vinculou a salvação de alguém a uma instituição (João 14:6). A relação Criador criatura não passam por uma instituição, muito menos, uma que nem foi fundada por ele.

Objeção: “O eunuco foi ensinado por Felipe, mesmo tendo a escritura” Atos dos apóstolos 8:29-31

A passagem só nos diz que Felipe (um discípulo como todos nos devemos ser) ajudou o homem a entender o que estava

sendo dito na profecia para um iniciante, menino na fé que nada sabia. Uns ajudarmos os outros a entender passagens difíceis da escritura é uma coisa, isso todos podemos fazer, agora, criar cargos, cleros e instituições que se propõe a representar ao Criador e serem secretária do altíssimo é outra coisa.

6. Quando Cristo afirmou que a relação Criador e criatura passa por uma instituição religiosa?

Onde está escrito que para haver a ação do Criador, é preciso ser membro de uma organização religiosa? A qual organização religiosa, os profetas frequentavam? Quem foi que lhe enganou dizendo que a relação Criador e criatura



passam por uma empresa especializada? (Mc 9:39; Mt 6:6;Rm 8:39) Onde está escrito que uma instituição tem o direito de chamar para si, o que é de Deus como se fosse o próprio, e intercede por nós? (1 Timóteo 2:5) se tornando um DEUS NA TERRA, UM IDOLO, ora, ídolo é aquele que usurpa o lugar de Deus para si, como se fora o próprio, assim fazem as organizações religiosas, por isso são objeto de idolatria (2 Cor 6:16)

Para adorar a Deus não é preciso de templo, instituição e horário especifico. Adorar-se a Deus é no lazer, na rua, no trabalho e onde quer que estejamos (João 4:21-23) A adoração não se atrela a ritualismos, elegâncias cúlticas, exterioridades nem está limitada a locais sagrados, é aplicada a internalidade, em espírito, ao mapa do coração a todos os povos (Mt 6:6)

As instituições religiosas, sempre tiveram afixação doentia em ser assessoras do onipotente, de serem mediadores entre Deus e o homem, em se apropriar do acesso divino. Na teoria negam, na prática é isso que deixam a entender. Todavia, as escrituras ensinam que o “único canal” de mediação e comunicação entre Deus e os homens é Cristo, portanto, nenhuma instituição religiosa fundada por homens, pode tomar a honra e o lugar de Cristo para si, como se fora o próprio. (1 Tim 2:5-6; Hb. 8:1-2. ) Qualquer que seja a instituição humana que proceda de tal maneira seja anátema. —Gálatas 1:8 A Bíblia diz que Jesus é a única arca de segurança em que devemos confiar para a vida eterna, por isso, não precisamos e nem temos a necessidade de um mediador (ídolo)

Assim, para o evangelho denominacional, estar em Jesus, é estar na instituição! Viver para Jesus, é viver para a instituição! (João 15) Andar com Jesus, é andar com a instituição! Obedecer a Jesus, é obedecer a instituição! Pregar o evangelho é pregar os folhetinhos e estudos da instituição, buscar a DEUS na verdade é buscar a instituição, amar a Deus sobre todas as coisas, é colocar a instituição acima de todas as coisas, e por ai vai. Em fim, a instituição é o caminho, a verdade e a vida, e ninguém vai ao pai se não for por intermédio dela, dessa forma a instituição tira a honra do filho de deus e transfere para um ídolo, algo que não salva, uma produção humana, indo após um falso Deus um ídolo que não pode salvar. O EVANGELHO INSTITUCIONAL torna se um estelionato, na tentativa de nos reconciliar a Deus, toma o lugar do filho de Deus para si, como se fosse o próprio.

7. Quando Cristo vinculou a salvação de alguém a uma instituição religiosa?

Quem deu autoridade para alguém afirmar que fora daquela instituição, você estará fora do Reino? As religiões são especialistas em promover o monopólio da vida eterna, ninguém vai a Deus se não for através dela. Se Cristo destruiu o monopólio reducionista institucional judaico, entendendo a salvação para além do templo, para além da religião, para todos os povos, por que então, voltar a monopolizar Deus? (1 João 2:2) A quem devemos ir para obter vida eterna? (João 6:68) Quando Cristo afirmou que a porta estreita, o caminho, a verdade, a vida, a única forma de se chegar ao Pai, é uma denominação, uma organização religiosa, uma empresa especializada? (João 10:9; João 14:6 ; João 6:68; João 6:37)—O que a bíblia realmente ensina? Um Cristão deve estar fundamentado em Cristo, e não em organizações religiosas, numa empresa especializada? —João 15.

Se a salvação está vinculada a uma empresa especializada, como conciliar esse ensino, as palavras de Jesus que dizem:

“crendo nele ‘todos’ receberão a vida”? —1 João 5:12; João 3:36; João 5:21-23 Jesus é a única arca de segurança em que devemos confiar para a vida eterna, porque não colocar a sua total confiança somente em Jesus? Para que a necessidade de um ídolo mediador criado por homens?

Como podemos crer que apenas membros de uma organização, alcançarão a vida eterna, se foi dito que, “todos” que perseverarem em fazer o bem a alcançarão? (Rm 2:6-7; João 5:29) – Ele poderia ter dito, apenas os membros da “minha organização” Qual é a dificuldade em aceitar a palavra “todo”? Como podemos conceber que o Reino é exclusivo somente de membros de uma denominação religiosa, se Jesus disse que o Reino é dos humildes, dos pacificadores, dos misericordiosos e dos puros de coração? (Mateus 5:3; Mateus18:23-35 ) — Quando ele restringiu isso a um grupo?

Como aceitar a idéia de que apenas os membros de uma instituição religiosa alcançaram a vida por seus méritos e deméritos, se a vida eterna é uma dádiva de Deus por meio de Jesus Cristo, é não um pagamento pelas nossas obras?. (Ef. 2:8-9; Rm 4:5) A Meritocracia anula o sacrifício de Cristo Rm 4:5; Rm 11:6, Jesus morreu, para pagar todos os nossos pecados. Se ele pagou por todos os nossos pecados, que pecado posso cometer que Ele não tenha pago e que me leve a perder a minha vida eterna? Os frutos vem da mudança de consciência trazida pela conversão, pela fé, as obras são para o próximo e não para Deus, elas são conseqüências de nossa consciência e de nossa gratidão a Deus (2 Coríntios 5:147) Por isso, somos salvos para boas obras e não através das boas obras, somos salvos pela misericórdia e pelo amor de Deus, não através de méritos (Tiago 2:17).

8. Onde está escrito que para congregar e ter comunhão, precisamos fazer parte de alguma instituição religiosa?



As religiões sempre tiveram a obsessão em se apoderar da comunhão para si, como se fora impossível congregar e manter comunhão fora das paredes eclesiásticas. Jesus mentiu ao dizer que “onde estiver dois ou mais reunidos em seu nome” ali está ele? Instituições são totalmente dispensáveis (Mateus 18:20) Onde está escrito que o simples fato das pessoas se reunirem em casas ou outros lugares que não seja o telhado eclesiástico implica que estejam vivendo sem Deus?

Jesus acabou com o monopólio judaico estendendo a adoração pra fora da religião, para além do templo (João 4:21-23) para que monopolizá-lo? Cristo nos deu a liberdade de congregar onde quisermos, Jesus disse que “onde estiver dois ou mais reunidos em seu nome” ali está ele. (Mateus 18:20) Pois Cristo construiu um corpo governamental espiritual invisível, para além de congregações físicas (Jo 2:19) não feito por homens, não denominacional, política e mundana (Hb 8:2; At: 17-24;1Cor 3:16 ), onde os cristãos sinceros de todas as nações, estão congregados em um corpo, sendo Cristo a cabeça espiritual mantendo todos os membros em unidade, em uma só maneira de pensar, por isso, no advento da nova aliança, para adorar a Deus não é preciso de templo, instituição e horário especifico, adorar-se a Deus é no lazer, na rua, no trabalho e onde quer que estejamos. João 4:21-23; De acordo com Jesus, A adoração não se atrela a ritualismos, elegâncias cúlticas, exterioridades nem está limitada a locais sagrados, é aplicada a internalidade, em espírito, ao mapa do coração a todos os povos (Mt 6:6). Ninguém vai a igreja, pois todos somos a igreja. A “igreja” não tem hora de culto — Culto nem é cerimônia, ela cultua em todo tempo na vida, ela é feita de gente é feita por mim e por você — 1 Coríntios 3:16. —Não está escrito, que a perfeita adoração é atender aos necessitados? (Tg1:27) (At 10:4) Deus, mentiu ao dizer que servir a Deus é servir ao próximo? (Mt 25:42)

Cristianismo transcende a geografia. Cristianismo transcende a religião. Deus não é uma marca patenteada pela sua denominação. As instituições religiosas sempre foram objeto de idolatria e tem deixado de ser um meio para tornar-se um fim em si mesma. Quem vai na igreja, está em comunhão; quem não compareceu no templo, não teve comunhão. Ora, isso é ridículo! Cristianismo não é uma vida obstinada dentro de quatro paredes. Cristianismo é um serviço no mundo É envolver-se com pessoas num relacionamento sadio, no qual o caráter de Cristo pode perfeitamente transparecer nas nossas atitudes. Isso é adoração. Isso é culto a Deus, e comunhão com Ele e com o próximo.

Comunhão é ter em comum, dividindo os pertences com quem não tem nada, e não com uma corporação! (At 2:44-45) Todavia para o poder religioso, ter comunhão, equivale a estar congregados, reunidos em um corpo religioso, participando de rituais, ainda que nós venhamos a admitir que congregar seja sinônimo de estar em comunhão, como pode alguém ensinar que não há comunhão fora de da organização religiosa? — Jesus mentiu, quando disse: “onde estiver dois ou mais ali estarei” (Mt 18:20)? — Do período do último apóstolo até a fundação da organização, não havia comunhão? Não havia Cristãos? Jesus se equivocou ao dizer "Estarei convosco até a o fim dos tempos" (Mateus 28:20)? — Talvez o apóstolo tenha se enganado quando afirmou: “Mas de ‘todas’ as nações aceita ‘todo’ aquele que o teme e faz o que é justo” (Atos 10:35) — As passagens dizem claramente que os seguidores de Cristo sempre existiram, e sempre existirão, com ou sem organização religiosa.

Quando uma organização ensina que fora da instituição equivale a estar fora dos caminhos de Deus, ela se torna um mero ídolo: Um ídolo, é aquele que usurpa o lugar de Deus para si. Se a instituição chamar para si tudo que é de Deus, como se fora o próprio, ela se torna o caminho obrigatório, ela se torna um mediador, ela torna-se um mero ídolo.

Mas dificilmente, alguém que é escravo de um sistema eclesiástico vertical, consegue entender o que é exercer a liberdade cristã de modo responsável, afastado de qualquer organização, apenas reunido em família para considerações bíblicas. Jesus ensinou em Mateus 18:20: "Onde estiverem 2 ou 3 ajuntados em meu nome, ali estarei eu no meio deles. Isso é congregar, reunir-se.

Objeções: “Jesus fundou a igreja”

Em termos bíblicos, a igreja é simplesmente aqueles que estão seguindo a Jesus, a família de Deus! Definitivamente não é instituição, não é uma corporação, não é uma empresa, não é um templo!! (Mt 18:20 1Co 6.19; 1 Pe 2:5; Ef 2:20-22 ) A igreja de Cristo não tem hora de culto, o culto nem é uma cerimônia, ela cultua em todo tempo porque cultua com a vida, vivendo, não é de parede e teto, ela é feita por mim e por você é feita de gente. A igreja de Cristo, sente a fome do faminto, sente a sede do sedento, sente o frio do desabrigado, sente a dor do doente. ,mostra o caminho da salvação, mas não tem os direitos da via nem cobra o pedágio da ponte A igreja de Cristo não tem nome, não tem placa nem mesmo uma sede! Ela está em mim e está em você! Assim, a igreja-instituição, com seus cargos e hierarquias; assim como a igreja- empresa que visa números e lucro, e a igreja-clube, que tem sócios e não membros, todas elas fogem do padrão do Novo Testamento, e não tem se quer autorização de Deus para existir. No corpo de Cristo, todos são iguais, os apóstolos não fundaram um clero sacerdotal, nem se portavam como líderes religiosos, mas simplemente como irmãos, servos pelos quais o evangelho foi anunciado (1 Cor 3:4)! A Igreja é uma só: o Corpo de Cristo, que está muito além de uma religião institucionalizada com um nome e CNPJ; a "instituição" fundada por Cristo está espalhada pelo mundo todo, sendo



formada por todos que creem na revelação histórica de Deus em Cristo; ninguém funda "igreja", pois a Igreja é única e foi fundada em Cristo (o que homens fundam são segmentos religiosos a fim de atrair pessoas com uma crença semelhante, da católica às protestantes); sendo simples produções humanas e nada divinas.

Objeções: “Os apóstolos se reuniam, estavam sempre unidos”

Os irmãos devem viver em união, isso não quer dizer congregar em ministérios, e sim se amar, se ajudar. Os apóstolos não fundaram nenhuma denominação, nenhuma placa. Eles simplesmente se reuniam para estudar a palavra e amparar uns aos outros (At 2:47). Isso qualquer um pode fazer com familiares, pai, mãe, amigos, não é necessário nenhuma instituição religiosa para tal. Reunir-se é circunstancial, o essencial é o caráter de Cristo em nossas atitudes, vivendo as palavras do Messias dia a dia. Reunir-se é circunstancial e não essencial, e um meio e não um fim, o absoluto é o caráter de Cristo em nossas atitudes.

Jesus queria que seu ensino fosse passado de boca a boca, de graça, de pai para filho, e não de forma corporativista institucional, política e denominacional. (Mateus 20:25; Mateus 23:5-8) A reunião dos apóstolos nada tinha a ver com reunião de um corpo religioso solene com todo seu arcenal de clericalismo, templocentrismo, pulpitocentrismo, rituais, liturgias, campanhas, coro, coral, coreografias, etc, não, os apóstolos não faziam isso, eles se reuniam numa comunhão humana das pessoas que seguem a Jesus, para compartilhar lições espirituais, para aconselhamento mutuo, para ajudar uns aos outros, socorrer uns aos outros, de consolação, de carinho na fé, afeto, solidariedade, de pertencimento e troca de amor fraterno e amizade simples. Os apóstolos se reuniam em casa! Por isso, essa congregação religiosa solenes de instituição templocentrista vertical, é um costume, que os apóstolos desconheciam.

Por que as pessoas acham não ser possível que os Cristãos sinceros possam viver como remanescentes, assim como os profetas de Deus que sempre estiveram afastados das organizações, não se sujeitando a nenhuma delas? Por que não podem conceber a possibilidade de uma comunhão familiar, onde a palavra é passada de Pai para Filho, em reuniões singelas, onde ninguém é nada a não ser irmãos, cada um com seus dons?

Objeções: “Deus levantaria seu povo no tempo apropriado”

Uma coisa é levantar o povo, outra coisa é levantar corporações e empresas especializadas que se propõem a serem mediadoras da salvação, detentoras do reino e representantes de Deus na terra. Além do mais, se a congregação dos apóstolos deixou de existir por tornar-se apóstata, o que garante que “a sua organização” não tenha se tornado também? — Ainda que Deus tenha que levantar um povo, onde está escrito que esse povo deve estar reunidos numa única organização estruturada, com autoridade centralizada (Torre de Vigia, da Sé Católica Romana e de todas as demais lideranças religiosas de hoje) se nunca foi assim na história bíblica? Quem disse que o povo de Deus deve estar do lado de dentro de uma organização ao invés de estar do lado de fora?

Raciocine: Se no relato histórico bíblico, nunca, jamais existiu um magistério infalível representando o Criador, por que é que as pessoas acreditam que sua instituição religiosa pode o fazer?

Deus nunca se propôs a levantar uma instituição, placa nem denominação religiosa, que se proclamasse a religião certa, nunca ordenou seus profetas para que fizessem tal ato. Esse é um costume pagão. —Deus sempre levantou pessoas e não empresas especializadas. As organizações religiosas, sempre acreditaram possuir a patente oficial da representação de Deus na terra, a organização fundada ou escolhida pelo próprio, sempre foi assim desde o medievalismo, sempre chamam para si, tudo que é de Deus, como se fossem o próprio.

Essa ideia de que há um representante de Deus na terra que detém a verdade absoluta é a base da teologia católica, por exemplo. Eles partem dessa premissa. Logo, se alguém crê assim, não há o que discutir, pois sempre estarão certos e quem discorda,errado.Agora esse povo que diz que Deus deixou um grupo com a "verdade absoluta" sempre se considera que

Nunca ouvirá alguém dizer que Deus deixou a verdade

esse grupo é aquele que ele pertence, né? Claro, espertinhos eles com alguém que não seja ele próprio.

Objeções: “Deus tem que ter deixado um grupo verdadeiro”

O grupo de pessoas que seguem o padrão Jesus mesmo disse, os humildes, misericordiosos, puros de coração,

INDEPENDENTEMENTE DE SEREM FARISEUS OU PUBLICANOS produções humanas e não estão nos planos do Criador.

ONDE

instituições religiosas são meras

Grupo? Pra que grupo? Não existe um viver duplo, você serve o criador a todo momento na vida, no dia a dia. Cristianismo não é uma vida obstinada em um grupo religioso, cristianismo é expansão de consciência, caráter e relacionamento humano, dia a dia, fazendo do próximo uma extensão de si mesmo. Com relação ao grupo dos apóstolos,



este serviu a seu propósito QUE ERA CONDUZIR AS PESSOAS A CRISTO, ISSO JÁ FOI FEITO e por vontade do Criador, esse grupo se tornou apóstata na segunda geração e deixou de existir.

No início o clero católico era o caminho, só o clero poderia interpretar a bíblia. Vários protestantes discordaram dessa idéia e declararam que todos poderiam ter acesso a palavra e cada um de nós ter seu próprio entendimento. Entretanto, criaram outro clero, exatamente igual aquele contra o qual protestavam, um magistério infalível, mediador e detentor da palavra do Reino e da verdade absoluta, demonizando e hostilizando todos que possuem um entendimento diferente do seu clero

Para um Cristão o caminho é Jesus, quanto as organizações religiosas, nunca houve, e não há uma "religião verdadeira" os discípulos de Jesus são tirados de muitas religiões diferentes e que, embora crendo em doutrinas (não essenciais) equivocadas do ponto de vista bíblico, fazem-no muitas vezes por falta de conhecimento e nesse caso, talvez em muitos, "Deus não tomará em conta os tempos de tal ignorância" no Dia do Juízo. (Atos 17:29-31). Eles mantém a crença essencial em Cristo como filho de Deus e no resgate por meio dele. Amor a Deus e amor ao próximo. Lemos em Atos 10:34, 35: "Em cada nação, o homem que teme o verdadeiro Deus e faz a sua justiça lhe é aceitável". Em Mateus 28:20, Cristo afirmou que estaria com seus seguidores "até à terminação do sistema de coisas" e as organizações atuais, por exemplo, surgiram há pouco mais de um século. Hoje em dia, como não há mais o arranjo de Deus de uma "nação santa" como no antigo Israel, o "povo para o nome de Deus" é tirado de diversas crenças, sem estar organizado em "um só aprisco especial". Para nós, isso não significa que o cristianismo tenha falhado ou deixado de existir; apenas os cristãos não estão em apenas um só grupo exclusivista; Buscar uma empresa especializada para quem? Qual é a dificuldade em aceitar que as pessoas que seguem a Jesus, podem estar em lares cristãos mundo afora? (Atos 10:34, 35) Acaso não temos sua palavra documentada para nos orientar? Para Cristo, cristianismo sempre foi, muito mais conduta, atitudes cristãs no dia-a-dia do que corporativismos, templos e cultos.

Nós colocamos as nossas almas em grande perigo se confiarmos o nosso destino eterno nas mãos de líderes humanos, em matéria de segurança espiritual. “Maldito o varão vigoroso que confia no homem terreno e que realmente faz da carne o seu braço.” (Jeremias 17:5). O Único caminho que devemos seguir em busca de vida eterna e de Verdade espiritual, é Jesus Cristo. Ele declara, “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por Mim.” (João 14:6) – Instituições são produções humanas e não podem interceder por você. O único caminho, independente de religião, placa, liturgia, é Cristo, somente ele! Infelizmente, como profetizado, o mundo prefere crer naquele que Jesus disse para não crer ( homens) líderes religiosos, mas não crêem quando lêem as escrituras, pois a palavra do seu líder é mais valiosa do que a do todo poderoso!

Seguir a Jesus é ser alguém perdoado pela Graça (Ef 2:8), não está submetido ao controle de homens (1Jo 2:27), absolvido das maldições (Rm 8:1), libertados da culpa (Rm 4:25), livres do medo (1Jo 4:18), para podermos amar (Gl 5:13), viver para o próximo, pelo próximo e a favor do próximo! Para a prática da solidariedade e da generosidade (2 Pdo 1:7). Seguir

a Jesus é superar a Religião, livre da mesquinharia que nos ensina a viver para nós mesmos e a barganhar Deus!

A verdade é que historicamente as instituições são um fenômeno humano, com seus erros e acertos, equívocos e coerências. Mas, todas deveriam reconhecer o óbvio, o Criador sempre levantou pessoas e não instituições e empresas, até mesmo por que se o Criador tivesse levantado alguma instituição, ela deveria estar de pé desde a era apostólica até hoje. Estaríamos seguindo uma instituição verdadeiramente apostólica e não protestante

A Cristandade religiosa é fundada principalmente sob uma visão distorcida das cartas de Paulo. Pedro mesmo, profetizou

que isso ocorreria (2 Pedro 3:16). Empresas que a si mesmo se edificam, se apossando de passagens apostólicas para si, ignorando a situação histórica, o enredo, as circunstâncias e o momento bíblico, usam passagens desconexas para

justificarem hierarquias, estruturas meritocráticas e corpos governamentais intercessores, num empenho pragmático para manter o domino, poder e controle.

O problema não é a instituição em si (não pelo fato de que um grupo tem um cnpj que será condenável, enquanto outro

grupo que prega a mesma coisa, porém não tem um prédio fixo e um cnpj é aceitável). Isso não tem sentido. A questão não é essa. O problema são os efeitos do corporativismo. O problema é a mentalidade das pessoas, que acham que esse fenômeno histórico (que pessoalmente acho desnecessário e que na maioria das vezes mais atrapalha do que ajuda) é algo que Deus instituiu. Claro que para Deus não há hierarquia, há apenas dons e funções. Há líderes que acham mais produtivo estar dentro desse "sistema" para poder pregar a verdade (só assim muito ouvirão); outros acham mais produtivo romper claramente.

E por que as instituições mais atrapalham do que ajudam? Por se acharem portadoras da verdade absoluta e caminho para

a salvação, caem nos mesmos erros dos fariseus, promovem o legalismo e o autoritarismo a partir de interpretações

bíblicas corporativistas (Mateus 11:28-30, Romanos 10:11 e Mateus 23) promovem lavagens tão profundas que as vezes são irreparáveis, causando divisões, sectarismos, fundamentalismo, terrorismo psicológico e tantos outros prejuízos em



sentido espiritual, físico, escravisando e alienando as pessoas ao invés de trazê-las à liberdade cristã. Esse corporativismo invalida a obediência a um Deus de amor (Mateus 15:9 e 1 João 4:8)

Vejo a instituição apenas representante de uma divisão sem a menor intensão de realizar o desejo na oração de Jesus," que sejamos todos um", egoístas e individualistas, que ao longo dos anos nos levou a acreditar serem o meio pelo qual chegaríamos a Deus.

Medite: De acordo com as escrituras:

1. Há um só Deus (Efésios 4,6).

2. Há uma só verdade (João 14,6; 17,17).

3. Há um só Espírito Santo (Efésios 4,4).

4. Há um só rebanho (João 10,16).

5. Há um só Pastor para este rebanho (João 10,16).

6. Há uma só autoridade (Mateus 18,15-18; João 20:21-23).

7. Há um só entendimento (Atos 8,30-34; 2Pedro 3,14-17).

8. Há um só sacerdócio (Hebreus 7,11-17).

Com todos estes "UM" acima mencionado, o que motiva os membros do corpo religioso denominacional, a não mostrar seu poder de reflexão e análise, e ver que não cumprem com o que a Sagrada Escritura manda? Mais de 10.000 divisões violando cada um ou vários versículos mencionados na lista acima, todas as seitas ensinando diferentes doutrinas, infringindo o versículo do número 2 acima. Nenhuma delas tem autoridade de Deus para existir. Certamente todas elas quebram o número 7, Por que é tão trabalhoso para eles refletirem que, para se ter Uma Só Verdademil?

Servir uma instituição religiosa significa fazer parte de um sistema complicado, seguimentado, controverso e dividido! Para se ter idéia, existem mais de 40 mil religiões! Que não se entendem! Que são contraditórias! Que se divergem! A verdade está dividida? Que espírito confuso é esse que revela algo diferente para cada líder religioso? A verdade é uma só, não é duas nem três! A divisão do SISTEMA RELIGIOSO só nos mostra a grande incoerência doutrinária que possuem, como não enxergam o óbvio? Um reino dividido pode subsistir?-A Igreja dos Apóstolos era Orgânica e Bíblica – reunião das pessoas que acreditam em Cristo, já Igreja Institucional, empresarial e corporativa não existe!

Qualquer mente, com um pouquinho de discernimento, percebe que uma instituição religiosa é apenas a idealização de um homem. Suas regras e doutrinas são o conjunto de interpretações de um homem. Suas paredes foram erguidas por homens para que ali habitasse nada além de outro homem. Pastores que a si mesmo se apascentam proliferando a neorose,

angustia, pânico e paranóia. Não há qualquer referência bíblica de que um homem pode impor a sua interpretação bíblica

a seus iguais, muito pelo contrario! Não nos advertiu Cristo sobre estas pessoas iníqüas? (Mateus 7:21-23). O espírito

cristão de hoje foi reduzido a freqüentar cultos. A ouvir o que todos sabem ser mentiras e nos calarmos de cabeça baixa. A defender a doutrina da instituição, suas regras e seu governo como se fosse uma criação divina e pior, como se possuísse poder divino. A submetermo-nos a rudimentos boçais, a homens e a doutrinas. Devemos então buscar a Igreja onde o teto

é o céu e onde não há paredes. Devemos alimentar os famintos e curar os enfermos ao invés de ficar sentados no banco

cantando musiquinhas. Abandonemos templos e igrejas para pregar o evangelho a todas as criaturas! Sem dinheiro, de

graça! Boca-a-boca como no passado!

Objeções: "Os apóstolos criaram uma estrutura, uma dirigência pastoral. Essas questões de liberdade ou grupo denominacional já vem sendo debatido a séculos. Contudo é impossível você ler as escrituras como um todo e não conseguir observar que aqueles seguidores de Cristo tinham uma estrutura organizacional e centralizado em um objetivo comum."

Em primeiro lugar: Seguindo esse ponto de vista, de que os apóstolos tinham uma estrutura institucional organizada, pergunta-se: Os apóstolos fundaram alguma denominação? Deixaram alguma placa? Se deixaram, onde está? Por que o próprio Deus permitiu que o movimento dos apóstolos deixasse de existir se tornando apóstata nas próximas gerações? E mais, onde está a referência bíblia dando autoridade para SE LÍDER RELIGIOSO fundar sua denominação para ser continuador do ministério apostólico? Os apóstolos não deram, deram?

Sempre ouvimos as pessoas dizerem: “Os apóstolos fizeram isso ou aquilo” pois bem, qualquer organização que queira tomar posse da autoridade dos apóstolos para si e ser “continuadora” do “ministério apostólico”, deve justificar a brecha entre o último apóstolo e o organizador fundador de sua seita, como isso é feito? Dessas inúmeras denominações, qual

delas foi fundada pelos apóstolos?

sucessor de Paulo? Tem algum documento apostólico de Paulo autorizando sua fundação? ─ A resposta é obvia, nenhuma instituição atual foi fundada pelos apóstolos, (nem mesmo a católica), todas são empresas que a si mesmo se edificam, fundadas por qualquer pessoa. Uma vez que não há referência bíblica autorizando alguém a fundar denominações

Alguma delas, foi fundada pelo apóstolo Paulo? Pelo sobrinho de Paulo? Pelo



religiosas para representar Deus, nenhuma delas tem se quer autorização de Deus para existir tão pouco para representá-lo.

E isso é absoluto.

Em segundo lugar: O problema da cristandade religiosa é sempre esse, a má interpretação das escrituras, em especial as cartas de Paulo, colocando o às vezes, ACIMA DE JESUS. Eles divinizam o relato histórico apostólico, usam o que os apóstolos fizeram ou deixaram de fazer como sendo absoluto, consequentemente o ensino de Cristo relativo e obscurecido pelo relato histórico, que muitas vezes foi contextual e inerente a situações específicas. De acordo com as escrituras, um cristão segue a Cristo ou homens?

A vontade do Pai é que sigamos a CRISTO (Mt 23:9-11; João 6:45; João 10:14,27,28), o Filho de Deus deve ser o centro

e não homens. Os apóstolos deixaram cartas de exortação a um publico específico, em determinas circunstâncias (a gramática é clara), foram simples instrumentos pedagógicos afim de conduzir as pessoas a CRISTO. Devemos então seguir a Cristo; os apóstolos no que for coerente com Cristo, (em reação a seu caráter e não a exterioridades). O que os apóstolos fizeram ou deixaram de fazer, estão em segundo plano, uma vez que, os próprios apóstolos disseram que muitos de seus atos, foram de “entendimento próprio” e inerente as circunstâncias históricas.(1 Cor 13:9; 1 Cor 9:20-21; Col

2:16).

Num esforço para que a palavra chegasse em todo o mundo, os apóstolos criaram uma certa estrutura para facilitar e agilizar o aceso as palavras do Messias, mas nenhum deles imaginou que alguns desses escritos fossem ser reunidos, subseqüentemente, por aqueles que iriam apresentá-los como incorporados aos ensinamentos de Jesus, até mesmo porque, existem orientações por parte dos apóstolos, de entendimento próprio e não divino (1 Cor 13:9). Um simples movimento de homens advogando a fraternidade entre as pessoas, se tornou corporativismo, simples reuniões se tornaram Lei, simples instrutores, se tornam cargos de Líderes Religiosos, simples contribuições se tornam doutrina. Tudo que era contextual, específico, de entendimento próprio e inerente as circunstâncias, se tornou absoluto, o absoluto que é o caráter de Cristo incorporado na vida, se tornou relativo. Por isso, jamais devemos ignorar o enredo histórico da vida dos apóstolos para obscurecer as palavras do Messias.

Pastores, apóstolos, profetas eram simples dons, dons não são cargos, são talentos e aptidões para ensino, tinham a simples função de conduzir as pessoas a Cristo (lembrando que na época, não existia os evangelhos com as palavras de Cristo documentada como hoje). Uma vez que isso era feito (a pessoa fosse conduzida a Cristo) sua missão está terminada. No corpo de Cristo, todos são iguais, os apóstolos não fundaram um clero sacerdotal, nem se portavam como líderes religiosos ministrando cerimônias solenes nem cultos divinos, mas simplesmente como irmãos, servos pelos quais o evangelho foi anunciado (1 Cor 3:4)

Em terceiro lugar, notamos que os costumes de associação praticado no primeiro-século pelos judeus cristãos não tem absolutamente nada a ver com a cristandade atual:

Reuniam-se em casas privadas, (Fil1:2; Col4:15) Nestas ocasiões tomavam refeições (Atos 2:46) Repartiam seus bens (Atos 2:45) Falavam sobre assuntos espirituais (Atos 2:42) Entoavam cânticos, (Efésios 5:19)

Em suma, eram feitas reuniões simples, não institucionais nem corporativas. Nessas reuniõe, os mais experientes, ensinavam os novos, e possuíam a função de:Guiar (Atos 20:28; 1 Pedro 5:2); Explicar (Efésios 4:11-16; Tito 1:9); Ser modelos (1 Pedro 5:3); Orientar (1 Timóteo 5:17); Vigiar (Atos 20:31); Exortar (Tito 1:9); Combater os falsos profetas (Tito 1:9-11)Até que as pessoas amadurecessem na fé, não o resto da vida. (Efésios 4:13-14) A função deles, era anunciar tudo aquilo que Jesus ensinou (Mateus 28:20), mas Cristo não é o Guia? Para que homens? Justamente, porque as pessoas não tinham as escrituras gregas com a palavra de Cristo documentada. O primeiro evangelho a ser escrito foi o de Marcos a 63 d.C, até então não havia outra forma de anunciar a palavra, se não por intermédio de dirigentes, boca a boca. Além disso, a maioria absoluta era anlfabeta, e havia muitos estrangeiros, sem estudo, sem cultura, crianças no entendimento, por isso, precisavam de alguém para ler as primeiras cartas de exortação apostólicas que surgiram. Hoje porem, temos acesso a palavra do Messias escrita e documentada, [Que está na Bíblia Cristã] “Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão ensinados por Deus’. Todos” João 6:45.

Portanto, todo o ministério bíblico dos apóstolos de “ensinar , e fazer seguidores" (Mateus 28:19) "homens embaixadores de Cristo” (2 Corintios 5:20), “pastores, bispos, presbíteros”, etc, aplica-se somente aos apóstolos e não para outros, a gramática é clara não adianta uma organização religiosa querer usurpar o direito dos apóstolos para si. Qualquer que seja a passagem que uma instituição possa usar para poder justificar sua existência não tem valor, uma vez que o grupo dos apóstolos deixou de existir, e NENHUMA INSTITUIÇÃO ATUAL recebeu autoridade de nenhum deles para continuar



seu trabalho. E por que o grupo dos apóstolos deixou de existir? O movimento evangelista dos apóstolos serviu a seu propósito que era anunciar a palavra de Cristo aos pagãos, afinal, não havia outra forma de fazer isso. Depois que os pastores deixados por Deus, a dizer os apóstolos, deixaram sua palavra documentada e escrita, todos temos acesso as palavras dos pastores deixado por Deus, por escrito, para quem queira e necessite. Instituições religiosas são dispensáveis. Será que nosso Pai, deixaria algo complexo que nos tornaria escravos de algum sistema pra poder entender?! Eu até estranharia se os apóstolos não se organizassem para anunciar a palavra numa sociedade que se quer sabia quem era Jesus, onde a maioria era analfabeta. Portanto, o movimento evangelista dos apóstolos, foi contextual, específico, inerente a circunstância e época. E esses mesmos, nunca, jamais deram autoridade para algum sucessor continuar seu trabalho. Não existia esse modelo de um púlpito onde um homem fala, e o resto fica ouvindo, e se realimentando das mesmas coisas o resto da vida (Hebreus 5:12). QUEM QUER QUE ACHE que seja necessário um corpo governamental estruturado para ensinar a mensagem de Jesus, até hoje não entendeu o que é a mensagem de Jesus.

É uma pena, que num esforço para manter a soberania, o domínio, o poder e o controle sobre mentes impressionáveis, o poder religioso se esqueça do enredo historio. Cristianismo é exercício de amor ao próximo, as palavras de Cristo estão nas escrituras, não há porque crer, que Deus tenha pedido para criar uma instituição religiosa uma vez que o caminho é Cristo.

O melhor é buscar a Deus verdadeiramente, sem qualquer amarra de doutrina e tendenciosidade religiosa e dogmática,

mas estudando as escrituras, como o cérebro que o Criador te deu, com a inteligência que ele te forneceu, para ter o

entendimento que ele queira que você tenha. A palavra de Deus deveria ser passada de maneira familiar e não corporativa,

de Pai para filho e não de empresa para clientes.

João 6:45 Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão ensinados por Deus’. Todos os que ouvem o Pai e dele aprendem vêm a mim.

1. Todos serão ensinados por quem? Pelo líder religioso?

2. Ir a quem? A uma organização religiosa?

PORTANTO: Os apóstolos se reuniam para exortar uns aos outros, e conduzir as pessoas A CRISTO, (uma vez que os evangelhos ainda não haviam sido escritos, apenas elas tinham suas palavras por tradição oral). HOJE TEMOS AS PALAVRAS DE CRISTO ESCRITO E DOCUMENTADA, QUE NOS CONDUZ A CRISTO, PORTANTO SUA FUNÇÃO FOI CUMPRIDA.

ELES NÃO SE REUNIAM PARA FUNDAR DENOMINAÇÕES, instituições e empresas especializadas, afinal se Deus quisesse que seguíssemos uma instituição religiosa, ela estaria de pé até hoje, SERIA FUNDADA PELOS APÓSTOLOS e não por qualquer zé ninguém da reforma protestante. Difícil falar, mas é preciso ouvir.

Não existe um viver duplo, você deve ser o templo do Criador o tempo todo, deve servir a Deus em todas as suas ações,

na rua, no trabalho, no lazer, no que quer que faça e onde quer que vá. A congregação dos apóstolos foi só um instrumento pedagógico para conduzir as pessoas a Cristo e não um fim em si mesma.

AGORA MEDITE:

• Onde está a referência bíblica autorizando alguém a fundar denominações religiosas e impor a sua

interpretação bíblica a seus iguais? Quem autorizou seu líder a fundar sua denominação? Os apóstolos não

autorizaram, autorizaram?

• Onde está escrito que a relação Criador criatura passa por uma instituição religiosa? -1 Tim 2:5; Rm 8:39; Atos 10:35

• Quando Cristo vinculou a salvação a organizações religiosas? - João 3:16; João 3:36; 1 João 5:12; Rm 3: 24

• Se Cristianismo é o caráter de Cristo em nossas atitudes, portanto exercício de amor ao próximo dia a dia, para que templocentrismo, pulpitocentrismo, cerimônias e congressos religiosos? - Tg1:27; At 10:4; Mt 25:42; 1 Cor

13:2-5

• Se a palavra está na escritura, para que buscar instituições religiosas? As escrituras não são o suficiente para nos instruir? Estão elas incompletas? - Hebreus 8:10-11; 1 João 2:27; Mt 23:9-11; João 6:45



• Onde está escrito que para ter comunhão (ter comum com o próximo) e congregar (reunir-se), precisamos

fazer parte de alguma instituição religiosa? Jesus mentiu quando disse que “onde estiver dois ou mais reunidos em seu nome” ali está ele. (Mateus 18:20) - Quando Jesus ensinou que as pessoas que se reunirem fora do

telhado eclesiástico, estão vivendo sem Deus?

• Se Cristianismo é exercício de amor ao próximo, para que fundar corporações para ensinar algo tão simples?

• Não está escrito, que a Religião de verdade é atender aos necessitados? (Tg1:27) (At 10:4)

• O Criador Mentiu ao dizer que servir a Deus é servir ao próximo? (Mt 25:42)

9. A quem devemos ir? Qual é o caminho?

Jesus é o templo:

Atos 7:47 Salomão lhe edificou casa; Mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens.

Hebreus 8:2 Cristo - Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, o qual o Senhor fundou, e não o homem.

Hebreus 9:24 Pois Cristo não entrou em santuário feito por homens, uma simples representação do verdadeiro.

1. Deus habita em templos feitos por mãos de homens?

2. Quem fundou o verdadeiro templo? Um líder religioso? Uma empresa especializada?

João 4:21,23.24 Vocês não adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém. [no templo]

mas

em espírito e em verdade

1. É para adorar no templo ou no monte? Será que é numa empresa que a si mesmo se edifica?

2. Os verdadeiros adoradores adoram o Pai em espírito, os falsos adoram onde?

João 2:19-21 Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei - referindo-se a seu corpo”

1. Se ele destruiu o santuário de pedra, para que edificar aquilo que ele destruiu?

Romanos 9:4 Os Israelitas deles é a adoção de filhos

as alianças, a concessão da lei, a adoração no templo e as promessas.

1. A adoração em templo físico[representação do espiritual] foi dada para quem? Israelita ou Cristãos?

Jesus é caminho, a porta:

João 6:37 Todo o que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei.

1. Virá a quem? A palavra do Pai ou a palavra humana [religião]

João 8:19 Não me conheceis a mim, nem a meu Pai; se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai.



1.

Como conhecemos ao Pai? É através de um clero religioso? De uma religião? De homens e doutrinas?

João 10:9 Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem.

1. Entrar por onde? Pela porta de um templo religioso?

Jesus é o pastor

João 10:14 Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas; e elas me conhecem;

1. Quem é o bom pastor? Um clero profissional de uma denominação, de uma empresa especializada?

João 10:27-28 As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha mão.

1. As ovelhas dele ouvem a voz de quem? Dos líderes religiosos?

2. As ovelhas dele seguem a quem? Ao Pai ou a palavra humana [religião]

João 12:44-50 Então Jesus disse em alta voz: "Quem crê em mim, não crê apenas em mim, mas naquele que me enviou. Quem me vê, vê aquele que me enviou. Eu vim ao mundo como luz, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas. "Se alguém ouve as minhas palavras, e não as guarda, eu não o julgo. Pois não vim para julgar o mundo, mas para salvá-lo. Há um juiz para quem me rejeita e não aceita as minhas palavras; a própria palavra que proferi o condenará no último dia. Pois não falei por mim mesmo, mas o Pai que me enviou me ordenou o que dizer e o que falar. Sei que o seu mandamento é a vida eterna. Portanto, o que eu digo é exatamente o que o Pai me mandou dizer".

1. Crer em quem? Ao Pai ou a palavra humana [religião]?

2. Há um juiz para quem rejeita a palavra de quem? De uma instituição e seus líderes?

3. Porque não crêem no FILHO permanecem nas trevas, na ignorância da palavra humana, quem crê no FILHO rejeita o

sistema humano, a religião e seus líderes.

Jesus é o mediador

1 Timóteo 2:5 Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.

1. Quem é o mediador? Uma empresa especializada?

Jesus é instrutor, o rabi.

João 6:45-47 Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão ensinados por Deus’. Todos os que ouvem o Pai e dele aprendem vêm a mim.

1. Ensinados por quem? Por um líder religioso?

2. Qual? Dentre essas inúmeras denominações?

Judas 1:11-12 Pastores que se apascentam a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos; são árvores sem folhas nem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas;



1.

Contra quem é essa profecia?

2. Qual é a religião que se levantam "pastores" todos os dia

3. Quais são seus frutos, não é a Divisão [denominações]?

1 Coríntios 3:2-5 “Com leite vos criei, e não com carne, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis,Porque ainda sois carnais; pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens? Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais?Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão servos pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um?”

É exatamente o que acontece hoje “ Eu sou de Malafaia, eu sou de Macedo, eu sou de RR. Soares, eu sou de Valdemiro” Algum desses foi crucificado por ti? Diga eu sou de Cristo e não promovam divisões! (Cor 3:6-7) Após a morte de Jesus, nenhum sacerdote tem mais o direito de representar Deus na terra.“Porque há um só Deus, e UM SÓ MEDIADOR ENTRE DEUS E OS HOMENS, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.” 1 Timóteo 2:5-6 – O que você pode fazer é reunir-se com pessoas que partilhem do entendimento do evangelho, mas de forma alguma achar que existe uma empresa especializada para representar o Criador.

Diga eu sou de Cristo e não promova divisões!

Resumo:

1. Deus nunca esteve limitado a organizações (Atos:17:24; João 4:21,23,24; Mt 18:20; Mt 6:6)

2. Deus não deixou uma organização física para representá-lo, uma vez que ele deixou uma espiritual. (Jo 2:19)

3. Jesus não fundou corpo físico organizacional nem procedeu com hierarquias. (Mt 23:9-11)

4. Negam o corpo de Cristo, ao criarem corpos governamentais, físicos, denominacionais e mundanos. (Hb 8:2)

5. Cristo a cabeça espiritual ele mantém os membros em unidade, “em uma só maneira de pensar” (1 Cor 1:10)

6. Os profetas de Deus jamais se sujeitaram a organizações religiosas. (Mt:23)

7. Se Deus quer que o povo siga organização teria que ser fundada pelos apóstolos não pela reforma. (Ef 2:20)

8. Se Deus quer organização religiosa, não deixaria 1700 anos sem uma até a reforma. (Mateus 28:20)

9. O simples fato da reforma ter existido é suficiente para provar que Deus não deixou religião certa.

10. Estamos em grande perigo se confiarmos o nosso destino eterno nas mãos de líderes humanos, (João 14:6)

11. Os magistério das instituições devem ser questionados, uma vez que ela não é infalível. (Atos 17:11)

12. Cristão podem entender a bíblia sozinho sem organizações.

13. Jesus disse, que não precisarmos de instrutores. (Mt 23:9-11; Mt 23:11-12)

14. Deus conduziu os Cristãos do primeiro sem instrutores pelo Espírito Santo (Atos 8:5,5, 26, 29, 40)

15. Não há necessidade de uma instituição que nos ensine (Hebreus 8:10-11)

16. O Espírito Santo ensina seu povo não organizações. (João 6:45 ) (1 João 2:27)

17. Não precisamos da organização para conhecer a Deus. (João 8:19; João 14:7)

18. Não é preciso instituição alguma para ter comunhão (Mt 18:20 )

===================================================================================== =4 TESES

O problema da religião é que ela sempre teve a obsessão em ser secretaria do altíssimo, e o péssimo hábito de se colocar como caminho, verdade e vida, sugestionando as pessoas a acreditarem que ninguém vai ao Pai a não ser por intermédio dela. A INSTITUIÇÃO TORNA-SE DEUS NA TERRA, UM ÍDOLO, um mediador, um intercessor, chamando para si tudo que é de Deus, como se fosse o próprio. (1 Tim 2:5; Mc 9:39; Mt 6:6; Rm 8:39) (João 6:37; João 7:38; João 10:14; João 10:27-28; Atos 8: 5, 26, 29, 40) Jesus nunca, jamais vinculou a salvação de alguém a uma instituição (João 14:6). A relação Criador criatura não passam por uma instituição, muito menos, uma que nem foi fundada por ele.

Cristianismo transcende a geografia, transcende a religião. Cristianismo não é uma vida obstinada dentro de quatro paredes, (At 17: 24; João 4:21-23; Mt 6:6; At 2:44-47; Mateus 18:20; Mateus 28:20; At 10:35) é um serviço ao mundo onde o caráter de Cristo é demonstrado em nossas atitudes. Jesus nos chama para o Caminho, não é um caminho religioso; é apenas um caminho de reconciliado com Deus, conosco mesmos, com o próximo e com a criação. Cristianismo é exercício de amor ao próximo, pra que fundar instituição e estruturas para ensinar algo tão simples? (Mt 25:42; 1Jo 3:14; 1 Jo 4:7-8 )



Um cristão não precisa de organizações religiosas para o ‘instruir’, uma vez que temos acesso as palavras de Cristo nas escrituras. E esse mesmo Cristo nunca, jamais afirmou que precisaríamos de algo além das palavras dele. (Mt 23:9-11; João 6:45; Hebreus 8:10-11; 1 João 2:27) Não existe infalibilidade de magistérios humanos, (1 Cor 13:9,10) todos devem questionar o clero (Atos 17:11) aliás quem é o magistério de uma instituição para garantir suas próprias interpretações?

Os profetas de Deus sempre estiveram afastados das organizações religiosas, aliás os discípulos jamais teriam seguido a Jesus se fosse fiéis a elas. O Criador jamais levantou instituições, mas sim pessoas. Quem quer seguir religião deve reconhecer o óbivio, elas são simples produções humanas, são empresas que a si mesmo se edificam. Nenhuma delas foi fundadas por Jesus, (Jo 2:19) tão pouco pelos apóstolos (Romanos 15:20; Efésios 2:20), portanto nenhuma delas tem se quer autorização de Deus para existir. (Judas 1:11-12,17,19)

===================================================================================== =FERRAMENTAS DE MANIPULAÇÃO RELIGIOSA

1. Por que o Poder Religioso sempre foi usado de forma tão eficiente para dominar e controlar a sociedade?

2. Por que o Poder Religioso sempre foi a maior ferramenta de entorpecimento e atrofia intelectual?

3. Qual é a maior ilusão que uma Religião pode trazer?

4. Como a religião pode ser usada como porta de confinamento?

5. Por que o ambiente religioso tem uma forte tendência de piorar o indivíduo?

6. Por que o Poder Religioso pode ser considerado um estelionato espiritual?

7. Por que as religiões tem tendências ao exclusivismo?

8. Como o ambiente religioso pode tornar as pessoas envaidecidas pelo conhecimento?

9. Por que a religião não suporta a espiritualidade?

1. Por que o Poder Religioso sempre foi usado de forma tão eficiente para dominar e controlar a sociedade?

A mais antiga e eficiente ferramenta para manter uma sociedade adestrada e entorpecida pela ignorância. A maior ferramenta usada pelo poder religioso para amortecimento intelectual, domínio, controle e adestramento da massa, é a façanha de fazer com que as pessoas tenham plena convicção de que a instituição foi fundada e é dirigida pelo próprio Deus. Usando versos subjetivos e interpretações dotadas de delírios e induções pisicológicas, fazem as pessoas caírem nesse cárcere

Veja como esse argumento é engenhoso:

Se a instituição foi fundada e é dirigida pelo próprio Deus, logo:

• Questionar a religião e suas interpretações é questionar a Deus

• Se afastar da religião é se afastar de Deus.

• Não aceitar a religião é rejeitar a Deus.

• Estar em Jesus, é estar na instituição!

• Viver para Jesus, é viver para a instituição!

• Andar com Jesus, é andar com a instituição!

• Obedecer a Jesus, é obedecer a instituição!

• Amar a Deus sobre todas as coisas, é colocar a instituição acima de todas as coisas, e por ai vai.

A estupidez continua. Dessa forma, A INSTITUIÇÃO TORNA-SE DEUS NA TERRA, UM ÍDOLO que mantém

qualquer pessoa cativa a um sistema, e o que é "melhor" com medo de sair, com culpa de ter saído, com pânico de viver sem a religião. Quer uma façanha mais bem elaborada do que essa? A religião sempre teve o péssimo hábito de tentar administrar os bens da graça, tem a obsessão por ser secretaria do altíssimo, a fixação de marcar com pedras e grandes edifícios com obeliscos, mesquitas e templos aquilo com que Deus só marcou com amor e fé. O golpe da “Instituição representante de Deus na terra” sempre foi e sempre será o maior trunfo para manter a soberania, o domínio e o controle sobre uma sociedade alienada dotada de mentes entorpecidas e supersticiosas. Quando homem já saiu da era medieval, pisou no chão da lua, como é possível que um ser de inegável capacidade intelectual carregue tamanha ingenuidade? Como é possível que as pessoas continuem sendo massa de manobra tão marionetadas em pleno século XXI?

Depois de ler a bíblia, se sentir iluminado, qualquer um pode fundar sua “igreja” PERGUNTA-SE: DE ONDE SURGE A AUTORIZAÇÃO PARA SEU LÍDER FUNDAR SUA DENOMINAÇÃO? Quem deu autoridade para uma empresa a si mesma se edificar se declarando representante de Deus na terra? Quem é uma instituição e seus líderes para garantir suas



próprias interpretações? De onde surge o direito divino de vincular a salvação de alguém a uma religião, instituição ou

grupo?

João 14:6-7 Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim. Se vocês realmente me conhecessem, conheceriam também o meu Pai. Já agora vocês o conhecem e o têm visto"

1. quem é o caminho? É a instituição?

2. quem é a verdade? Os líderes religiosos?

3. quem é a vida? A subcultura religiosa?

Romanos 8:39 NINGUÉM: Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.

1. Qual magistério institucional pode me separar do amor de Deus?

Qualquer um que tenha lido os evangelhos, entendido a mensagem de Jesus, com a mente descontaminada do

entorpecimento intelectual promovido pelo poder religioso, consegue se opor a idéia de magistérios representando Deus

na terra.

Um Deus que seja Deus tem que saber quando o coração da criatura fala com Ele, mesmo quando o chama por outro nome ou nome nenhum; isto apenas porque Aquele que é o verdadeiro Deus é assim e age assim; e se assim não for, não é Deus. Um Deus que exija que seu povo esteja confinado a uma instituição, a uma empresa especializada que nem foi fundada pelos apóstolos, mas por qualquer um, não é Deus, mas deus, ou, na verdade, menos até que um deus. Um Deus que limita a verdade a apenas um grupo, que não deixa sua palavra de fácil acesso para qualquer mortal entender, antes exige que seu povo se submeta a um único sistema verticalizado para conhecer a verdade e alcançar o Reino de Deus, é um ente nazista contra o resto do mundo; é um Hitler Judeu disfarçado de divindade. Um Deus que se apresente do

tamanho dessa mediocridade não serve nem pra ser homem, quanto mais para ser Deus! [

] é um boçal.

Buscar a Deus é no intimo, no espírito, não é necessária a instituição para alcançar e ser discípulo de Cristo! Se tiver fé, seu coração busca a verdade, a verdade é a vida, que deve ser vivida dia a dia para que se alcance a verdadeira vida!

O verdadeiro Deus não cabe nos limites da cápsula da Religião. O Deus a qual eu sirvo é um Deus totalmente diferente

disso! Jesus se identifica com aqueles que a religião não quer proximidade, não quer ouvir, aqueles que a religião rejeita! Os mansos, os não religiosos, os justos, e os que tem a humildade de assumirem que são pecadores e que todos sem

exceção precisam da graça e do perdão de Deus! Posso ser salvo sem a carta papal? Sem o conselho dominical? Mesmo!!! Ah isso é blasfêmia isso, é heresia!

A história nos mostra, O MAIOR GOLPE DA HISTÓRIA: A INSTITUIÇÃO "IGREJA" COMO REPRESENTANTE

DOS DESÍGNIOS DE DEUS na terra. A mais antiga e eficiente ferramenta para manter o dominio, o poder e o controle, através do entorpecimento intelectual e manipulação mental da massa. Dificilmente vemos ilustres profetas anunciarem a liberdade de consciência. Uma mente condicionada a religião é o cárcere da verdade. Não deixe que os outros dirijam sua mente.

2. Por que o Poder Religioso sempre foi a maior ferramenta de entorpecimento e atrofia intelectual?

Não há dúvidas, as religiões sempre foram fundadas sobre o temor de muitos e a esperteza de poucos, sempre foram especialistas criarem mentes irreflexivas! Entorpecidas pelo medo, movidas pela culpa e envaidecidas pelo suposto conhecimento da verdade. Sempre promoveram o costume de fazer com que todos acreditem que questionar a instituição e seus líderes fosse pecado!

Questionar pra que? Parar pra pensar e correr o risco de perceber que tudo quanto se acredita não passa de farsa, assim sendo o seu subconsciente cria um mecanismo de autodefesa que diz a ele "não pense demais não" Por isso os fanáticos religiosos que são fervorosamente fiéis as instituições e a seus líderes, são incapazes de contra-argumentarem de forma coerente com as pessoas livres da lavagem cerebral, posto que, é mais fácil repetir os costumes que aprendeu durante anos em sua igreja, que parar para ler e analisar se aquilo que acredita é verdadeiro ou não. Então segue-se acreditando sem analisar ou pensar. Geralmente quem está preso a instuições, se recusa a questionar a “igreja” e seus líderes, não procura a habilidade de pensar, raciocinar, e buscar outras fontes de informação por si próprio, e consequentemente ter discernimento, para escapar da matrix religiosa!



Assim como na era medieval, as pessoas que estão sob julgo de religiões, colocam a autoridade religiosa como absoluta, por isso precisam aceitam a infalibilidade de suas compreensões, discernimentos e linhas de raciocínio, caso contrário são demonizados, hostilizados e por fim, desassociados.

A verdade é absoluta, a compreensão do homem sobre essa verdade é relativa. Absoluto é só Deus, por isso, qualquer

mente, com um pouquinho de discernimento, nunca, jamais deve crer em infalibilidade de magistérios humanos, todos devem questionar a autoridade do clero. Quando se questiona um clero religioso, não se está questionando uma autoridade deixada por Deus, está questionando um ser humano como qualquer outro. Por isso, devemos superar a medievalidade e tirar das mentes das pessoas o medo de pensarem por si próprias, de terem um raciocínio crítico, sobretudo exterminar a idéia de que todas as pessoas que questionam o clero devem ser demonizadas e hostilizados. Discordar não é pecado. Permanece ligado a algo que você discorda da essência, dos fundamentos e da maioria dos ensinos não é santo nem sano. Ninguém será julgado pela luz que não teve.

O que Jesus e seus discípulos mais fizeram, foi justamente o contrário, não foram cativos as organizações, não se

submeteram ao clero, se manifestaram contra um sistema pragmático, (não é à toa que foram assassinados) ! Hoje, os que se proclamam “discípulos de Jesus” dizem que aceitaram a um Cristo corajoso, que mostrou as vísceras de um sistema hipócrita e combateu seus líderes, esses mesmos defendem com unhas e dentes o mesmo sistema que assassinou o Cristo a quem dizem seguir!

Libertar mentes cativas do engano dos homens que usam a religião para interesses pessoais e manipulações de todas as formas (políticas, empresariais, culturais, facciosas), foi um grande ensinamento que CRISTO nos deixou, e é a libertação e o esclarecimento também uma forma de AMOR ao próximo! QUEM GOSTA DE ACREDITAR EM MENTIRAS, OU SOFISMAS? Uma mente condicionada é cárcere da verdade. Não deixe que os outros dirijam sua mente.

3. Qual é a maior ilusão que uma Religião pode trazer?

Os religiosos da época de Jesus, escribas e fariseus eram fundamentalistas, acreditavam serem portadores da verdade

absoluta, eram autoritários, intolerantes, e demonizavam todos que discordavam deles. Eles achavam que, o simples fato

de terem uma experiência com a suposta verdade bíblica e buscavam seguir a vontade de Deus, já eram diferenciados aos

olhos dEle, ficavam envaidecidos e olhando com ar de juízo para todos os outros que não tem a mesma experiência religiosa, associando-os ao distanciamento de Deus, ou pior a condenação total.

Quando Jesus veio a terra, todos acreditavam que os líderes e suas instituições eram representantes de Deus na terra e obviamente portadores do caminho e da verdade absoluta. (E até hoje é assim). Jesus foi contra essa idéia e mostrou que há muita vivência de Justiça, de bondade e de amor, fora do ambiente religioso, por isso, a experiência religiosa nos coloca diante de uma armadilha, a armadilha de achar que você é bom e está salvo e que aqueles que não são de sua religião são maus e estão condenados. Jesus os chamava de guias cegos e mestres de crianças, inclusive chegou a dizer que até meretrizes precederiam esse tipo de gente orgulhosa, no Reino de Deus.

Na ilusão da religião (de que o povo da religião é o povo de Deus, e o povo fora da religião é o povo do Diabo), a religião passa a ser secretária do altíssimo, torna-se o caminho e a verdade, toma o lugar de Cristo para si, como se fosse o próprio, nessa condição as pessoas temem questionar a religião, pois pensam que estão questionando a Deus, temem serem hostilizadas e demonizadas tão somente por discordarem, por isso, elas possuem resistência em questionar, não gostam de analisar nem debater, como foi dito e agora salientando, existe uma sedução por parte das instituições religiosas: "Não precisa mastigar sozinho; não precisa interpretar por si, não precisa pensar. Aliás, quem é você para interpretar por si? Deixe Cristo interpretar a si mesmo através da “Santa Igreja” e apenas receba em fé e obediência” – Dessa forma as pessoas não precisam se dar ao trabalho de pensarem por si mesmas – e nem podem.

4. Como a religião pode ser usada como porta de confinamento.

Vemos a todo momento segmentos religiosos denominacionais, interpretações bíblicas absurdas com o objetido de manter

as

pessoas cativas e dependentes de um sistema corporativista, tornando-se uma porta de confinamento! Sim! Tornando

as

pessoas, freguêses sem cura e dependentes eterno! Pastores que a Si MESMO SE APASSENTARAM movidos de

ganância , levando o indivíduo a neorose, angustia, pânico, paranóia, fanatismo zumbi, desassossego, inquietação aflição falta de paz, aflição, com medo de morrer, com medo do diabo, sempre angustiado! Passam a ser patrocinadores da sua própria salvação a partir de obras religiosas! Atraem pessoas preguiçosas, fracas, carentes e condutíveis, levando-as a subserviências tiranas e cegas.



Roubam seu dinheiro! Matam sua individualidade e liberdade! Destroem sua auto determinação a fim de levá-lo ao autômato!

Ensinam as pessoas a servir a Deus motivado pelo medo do diabo! Pela Ira de Deus, pela neurose e pânico do fim dos tempos, e não motivados pela graça e misericórdia de Deus que nos ensina que nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus! (Estar em Cristo, não numa instituição)

5. Por que o ambiente religioso tem uma forte tendência de piorar o indivíduo?

A maioria das pessoas ao se converterem ao ambiente religioso ficam piores (Mt 23:15), inclusive, o Apostolo Tiago

alertou que de nada adianta ser religioso se não exercer o amor ao próximo, caso contrário a religião é vã (Tg: 1:27)

Jesus ensinou que no ambiente religioso, frequentemente, a maldade passa a ser dissimulada, disfarçada e piorada! As pessoas se tornam arrogantes, hipócritas, e se acham donas da verdade (Mt 6:5) (Mt 23:13-16)(Jd 1:16) deixando os mandamentos de Deus para seguirem suas próprias tradições (Mc 7:8)

Elas apenas acham que melhoraram porque pararam de fumar e beber, mas agora elas não fumam mais cigarro, elas fuma o próximo. Elas ficam tragando o próximo em juízo e julgamento. Ficam bebendo a alma do próximo, ficam se fartando

do

próximo em desamor.

6.

Por que o Poder Religioso pode ser considerado um estelionato espiritual?

A

religião cristã é um estelionato espiritual: Pois chama para si, como se fora Deus, tudo aquilo que é de Deus e somente

passível de realização nEle e por Ele. Tomando posse da salvação e se colocando como secretaria e mediadora do altíssimo! O grande estelionato que se pratica contra o Evangelho é deixar as pessoas substituírem o pai de santo pelo pastor, o terreiro de macumba pelo templo e sobretudo substituírem a fé em Jesus pela crença no poder da "igreja" e seus

líderes!

Na parábola da videira (João 15:1-13), Jesus disse:

1. Permanecei em mim.

2. Quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto.

3. Se alguém não estiver em mim, será lançado fora

4. Se vós estiverdes em mim guardardes os meus mandamentos.

5. O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei

Assim, de acordo com o Poder Religioso, "permanecer em Jesus", é permanecer firme na organização, freqüentando, participando e se submetendo a tudo. Do mesmo modo, "dar fruto", segundo o Cristão submetido ao Poder Religioso e suas emoções condicionadas por anos de engano, é evangelismo como programa, é acampamento como devoção, é célula

E o

mandamento de amar uns aos outros é algo que os o Poder Religioso na prática ensina, como amar os que são iguais a eles enquanto os tais não ficarem diferentes. Nesse dia eles viram desviados e serão evitados. Ainda no mesmo andar de engano, as pessoas que estão dominadas pelo Poder Religioso, pensam que "ser lançado fora" da Videira é ser lançado fora da religião disciplinado pelo Agricultor Pastoral ou pelo Conselho de Agricultura que aplica o Corpo de Doutrinas disciplinadoras e excludentes, aos quais supostamente não se equivocam ao separar o joio do trigo no campo do mundo- igreja. Ser “amigo de Jesus” para os crentes denominacionais é estar em dia com a doutrina, o dizimo e a freqüência. Assim, para a maioria dos crentes, emocionalmente, é assim que João 15 é sentido e praticado. Ora, o resultado é o desastre cristão desses quase dois mil anos! Então disse o Jesus dos crentes: "Eu e a igreja somos um, fora da igreja está fora de mim, fora da igreja não há salvação."

de crescimento, é cantar no grupo de louvor, é ir à reunião de oração, e, sobretudo, é dar o dízimo em dia.

As pessoas começam a ler o Novo Testamento e quando chegam no Templo Religioso, ouvem um Jesus tão bizarro tão diferente tão arbitrário que elas começam a pensar que elas próprias são burras, são incapazes e não possuem discernimento, ai elas param de ler, e ficam nas mãos do Líder Religioso, chamando de pastor aquele que Jesus chama de mercenário, chamando de meu guia aquele que Jesus disse que é um guia cego guiando outro cego ao precipício, depois elas se traumatizam se frustram choram, se arrebentam e não sabem o porque; Elas seguiram o que lhes pareceram bem, correndo pelo fluxo natural do engano, na maioria alienada no caminho largo, e da idiotice, e depois elas querem colher VIDA. Jesus não deixou homens para que estes imponham autoridade sobre você, portanto, qualquer que seja a ordenança, criado por qualquer, que Jesus não tenha mandado praticar seja Anátema! Antes cheque nos 4 evangelhos.



Para estarmos com Jesus, não é preciso ir à "igreja" e ter religião! Ao invés de irmos enriquecer pastores, ajudando-os a comprar belíssimas mansões e fazendas, basta nós fazermos nossas orações em casa, praticarmos a justiça, a bondade, a humildade, a caridade, e a misericórdia no dia a dia E NÃO doutrinação religiosa! Evangelho é exercício de amor ao próximo! Evangelho é relacionamento humano dia a dia na sua vida! Optamos por buscar a “Igreja” onde o teto é o céu e onde não há paredes, devemos alimentar os famintos, atender os necessitados, curar os enfermos, sem dinheiro e de graça! Prega-se familiarmente! Aplica-o publicamente!

A vontade do Pai é o Evangelho, é andar em amor, perdão, graça, misericórdia, justiça e bondade! Seja amigo de todas as

pessoas assim como Jesus fazia, sirva a todos assim como ele fazia, ajude a todos assim como ele fazia, Jesus não ficava

confinado em grupinhos religiosos, ele andava com todos

o

que passar disso é religioso.

7. Por que as religiões tem tendências ao exclusivismo?

Para manter o domínio o poder e o controle, as religiões tem forte tendência ao exclusivismo, Faz mal para eles, saber que Deus ama e salva aquele a religião antipatizam e condenam (Mt 25:42) Deus não se restringe a grupo algum e dá de graça os dons a quem quer, conforme sua vontade, para o bem de todos. Aí já vemos que embora ele não fosse reconhecido pelo “ministério”, era reconhecido por Cristo. Deus se revelou a muitas nações de muitas formas, Conhecemos Davi, mas não conhecemos José da Silva que foi muito maior que Davi, ou seja, a bíblia é a revelação de Deus do ponto de vista dos Judeus, que chegaram até os dias de Hoje, apenas um filete do relacionamento de Deus com o Homem.

Deus se relaciona com quem ele quiser, aonde ele quiser e da forma que ele quiser (Mt 11:27) Distribui dons a quem bem entender, ainda que não faça parte de grupo algum (Mc 9:38-40). Ele não é propriedade de nenhuma doutrina, empresa, facção, instituição criada por homens (Mt 18:20); Tão pouco liga para exterioridades, vestimentas, proibições quanto à comida, bebidas e crendices. (João 7:24; Mc 11:18-19; Col 2:21-23) Abandonemos o pré-conceito e o exclusivismo.

Jesus não veio através dos doutores da fé, de homens religiosos, ao contrario, veio dos humildes! Não era religioso. Os religiosos sempre mandaram servir a Deus de forma adoecida pelos méritos próprios e ortodoxia ritualística, desde o Judaismo ate hoje. O evangelho que era algo simples, nunca foi anunciado por eles, anuncia-se apenas atos religiosos que de nada se aproveitam exatamente como aqueles que Jesus quebrou. O evangelho de Jesus não é o evangelho religioso.

Jesus se identifica com aqueles que a religião não quer proximidade, não quer ouvir, aqueles que a religião rejeita! os mansos, os não religiosos, os justos, e os que tem a humildade de assumirem que são pecadores e que todos sem exceção precisam da graça e do perdão de deus! posso ser salvo sem a carta PAPAL? sem o conselho dominical? Mesmo!!! Ah isso é blasfêmia isso, é heresia! a religiosidade sobrevive a partir da invencionice cinista embasado no nada! Quando foi que o fundador da fé Jesus instituiu e ordenou participar de rituais, cerimônias, procissões e liturgia?

A Religião desperta o ódio dentro das pessoas, faz elas ficarem más, julga as outras que não fazem parte da denominação,

ensinam a assassinarem seu próximo psicologicamente, na verdade é a pior criação dos Anjos Caídos.

Jesus nos chama para o Caminho, não é um caminho religioso; é apenas um caminho de reconciliado com Deus, conosco mesmos, com o próximo e com a criação!

8. Como o ambiente religioso pode tornar as pessoas envaidecidas pelo conhecimento?

Um indivíduo que se considera acima dos outros pelo conhecimento pleno, envaidecido, pelo conceito do significado do evangelho, que enfrenta a mentira, os ídolos e os falsos profetas, não tolera heresias, por isso acreditam estarem acima dos outros, assoberbado com um espírito de santidade, tornam se pessoas amargas, não possuem obras do evangelho, pessoas sem amor, pedrados,com pseudo-humildade, um ser odioso e desagradável! Um ser que sente prazer em ver os outros irem para o inferno! Jesus nos alertou acerca desse tipo de gente!

9. Por que a religião não suporta a espiritualidade?

A espiritualidade o convida a deixar de lado os pensamentos das outras pessoas e ter os seus. A espiritualidade exige que

busque a sua própria. A religião não suporta a espiritualidade, porque a espiritualidade pode levá-lo a uma conclusão

diferente de uma determinada religião - e isso nenhuma religião conhecida pode tolerar. A religião o incentiva a explorar

os pensamentos das outras pessoas e aceitá-los como seus. Para um Cristão, toda espiritualidade é pautada em suas

próprias experiências a partir do ensino de Cristo e não nas experiências dos outros que dizem ter o ensino de Cristo. Por



mais que em teoria a religião diga que suas experiências são pautadas nas escrituras, na prática a religião lhe pede para aprender com a experiência dos outros e isso é absoluto.

================================================================================

=SOCIEDADE RELIGIOSA

Viemos em uma sociedade, religiosa e fundamentalista que produz pessoas de mente fechada, que simplesmente se fecham para o conhecimento e só aceita como verdades, aquilo que lhe é ensinado por suas sinagogas. Viemos em uma sociedade, religiosa e fundamentalista que produz fanatismo perversificado, através de mandamentos manipulados em nomes de homens, supersticiosamente amarrados em um livro.

1. Ateísmo pisico-social

Para muitos ditos ateus doentes de ódio e amargura, a sua atual expressão de descrença supostamente encontra na Bíblia seu maior argumento. As tirinhas, seu principal meio! Como foram enganados pelas “sistematizações perversas” feitas de textos bíblicos sem contexto e usados por pretexto, agora usam do mesmo artifício para “sistematizar” as “blasfêmias” de escola dominical que propalam.

Na realidade somente o Ocidente do planeta, o lado judaico-cristão do mundo, expressa esta forma de ateísmo, mostrando que ao invés de ser uma discussão filosoficamente real, é apenas um dado de natureza psico-social.

O verdadeiro ateísmo foi muito pouco praticado no mundo. Exceto, é claro, pelos mais profundos ateus que a História já

produziu: os que em nome de Deus abusaram dos humanos em razão de que nunca creram em Deus. Entretanto, do ponto de vista do que seja uma visão profunda do ateísmo, as conseqüências de assim se crer com honestidade, inapelavelmente

conduz a indiferença posto que todas as coisas que nos dão significado, morrem sem sentido num universo descriado e aberrativo.

2.

Criado, treinado e programado para o fanatismo

O

Fanatismo tem seus principais pilares: A submissão a líderes infalíveis, exclusivismo, EXTREMISMO, intolerância,

hostilização e demonização em relação a quem tem ideias contrárias, cerceamento a liberdade e informação, bem como isolamento social para bloqueio psicológico em relação a informações externas.

O Fanatismo propaga uma divindade adoecida, tribal e infantil, que relativiza o absoluto, absolutiza o relativo. Os principais sintomas produzidos pelo fanatismo são pessoas que não suportam argumentos sólidos, históricos, argumentos simples e lógicos, que precisam se alimentar de fábulas! Baseando-se em novas revelações, em novas visões e consequentemente, que de forma sutil e com o passar do tempo leva a uma irreconhecibilidade total da essência do evangelho pelo estelionato, usando o nome de Jesus para criar a relatividade de compreensões!

O fanatismo instala a neorose, a angústia, paranóia, aflição, pânico, culpa, medo, histeria coletiva, espírito competitivo de

santidade, ódio fogo e condenação aos que não estão na religião!

O fanatismo sobrevive de pessoas fracas, condutíveis a subserviências tiranas e cegas, através de líderes mecânicos, secos,

ritualistas e legalistas. Religiosos de crença sem fé, de fé que é apenas crença, e que se distrai discutindo a fé. Religiosos

que servem a Deus por medo, se serve a Deus por medo, tem raiva das pessoas que, sem medo, vivem a vida que querem viver. Só para constar, o fanatismo, foi muito propagado pelos religiosos da época de Jesus!

O evangelho é diferente, O EVANGELHO NÃO É DOUTRINAÇÃO. São princípios simples de bom senso óbvio para

qualquer cultura! Diferente da esfera religiosa, Jesus se preocupava com justiça social, com a inclusão dos excluídos bem como do elemento “herético” de transformar o samaritano (o não religioso) em herói da história, os religiosos em

bandidos. Não é difícil notar que, a cúpula religiosa atual se parece muito com aqueles da época de Jesus, os religiosos fanáticos, mas em nada se parece com Jesus.

ÊNFASE EM PAULO: O fanatismo usa e abusa das distorções feitas pelos líderes acerca das cartas de Paulo. A verdade é que, com medo de que as coisas caiam em desordem, Paulo se preocupa com a qualificação daqueles que vão anunciar a palavra e dar sucessão ao Cristianismo. Porém, Paulo jamais imaginou que suas cartas de exortação a públicos específicos seriam universalizadas e compiladas em um único volume sendo atrelado as escrituras sagradas, até mesmo porque ele mesmo afirma que muito do que fez, foi de entendimento próprio. A ênfase deve ser sempre em Cristo, como o próprio Paulo disse, o resto são instrumentos pedagógicos para encaminhar as pessoas a Cristo, não um fim em si mesmo. O



elemento catapultavel ao conteúdo abstrato. Porém, são nesses elementos não essenciais, que os fanáticos se apegam para instalar divisões.

=FANATISMO E INTOLERÂNCIA

Ao longo dos séculos, no intuito de manter a fidelidade de seus membros, facções religiosas ou seitas têm, a exemplo dos regimes totalitários, feito uso de técnicas de cerceamento de liberdade e informação, bem como isolamento psicológico para bloqueio de informações externas – método este que alguns estudiosos classificam como ‘lavagem cerebral’. Todas

as suas publicações tem o objtivo de dar ênfase a centralização do clero e legitimar a estrutura religiosa. O Objetivo é um só, validar um magistério humano infalível, inquestionável, para promover a devoção exclusiva a ele, e não poupam esforços para distorcer versos bíblicos afim de dar respaldo as suas já pre formatadas técnicas de lavagem herdadas de sociedades obscuras.

Grupos religiosos com proximidade ideológica fundamentalista, a exemplo de nazistas, maçonicos e outros:

1. Infalibilidade: Afirmam que suas interpretações são dadas por Deus, portanto são inquestionáveis.

2. Restrição a informação: Proibição de pesquisas e estudos que não partam da organização.

3. Demonização dos críticos da organização, autoritarismo e proibição da livre expressão.

4. Torna-se o caminho, fora dali não há verdade e nem vida. Ninguém vai a Deus se não for por lá.

Como identificá-los em um simples diálogo?

O fanatismo gera intolerância e incapacidade de assimilação de críticas. O primeiro recurso do fanático quando não se dispõe de argumentos, é a eliminação do substantivo para o uso do adjetivo. Em outras palavras, quando o militante não consegue rebater o argumento, ele ataca o argumentador, por não ser capaz de permanecer no campo das idéias, passa para ataques pessoais.

O grupo que você segue é assim?

Em outras palavras, são fundamentalistas: São inquestionáveis, o caminho certo, e não toleram opiniões diferentes. O objetivo é criar uma atmosfera que tem como objetivo amortecer a capacidade de raciocínio das pessoas, deixá-las receptivas para qualquer coisa que se queira, desde que parta da liderança da religião, mantendo-os assim, longe de informações que fariam tanta diferença na vida deles. Essa é uma das formas mais reais que existe de escravidão. Medite:

Por que esses grupos restringem o acesso a informação? Inibem a leitura, a divulgação, a escrita a Internet e o contato com ex membros? Do que eles tem medo? Das pessoas descobrirem a verdade? A verdade NÃO teme um exame, as trevas sim.

1. Infalibilidade: afirmam que suas interpretações são dadas por Deus, portanto são inquestionáveis.

Há uma pergunta que todos deveriam se fazer: Quem é o magistério de uma instituição religiosa para garantir suas próprias interpretações? O grande problema está em aceitar a infalibilidade de um magistério humano; uma tradição interpretativa, acreditando que questioná-la é pecado, e por causa dessa linha de raciocínio as pessoas são tão enganadas a respeito de quem é DEUS, são presas fáceis de líderes fraudulentos e cativas a doutrinas interpretativas humanas.

Muitas pessoas são acomodadas em suas crenças, por isso possuem resistência em questionar seus valores temendo a desilusão de reconhecer que estavam erradas, muitas pessoas tem medo de descobrir a verdade. Elas não gostam de debater, afinal existe uma sedução por parte das instituições religiosas: "Não precisa mastigar sozinho; não precisa interpretar por si, não precisa pensar. Aliás, quem é você para interpretar por si? Deixe Cristo interpretar a si mesmo através da “Santa Igreja” e apenas receba em fé e obediência” – Dessa forma as pessoas não precisam se dar ao trabalho de pensarem por si mesmas.

Para sairmos da alienação, é preciso eliminar o pré-conceito, e pré-juízos do tipo: “Esse tem uma base ideológica diferente do que eu tenho por certo, e por isso não vou ouvi-lo”; Esse conceito é medieval, é o berço da alienação militante.

O problema não são nem as diferentes interpretações (isso é inevitável entre nós humanos). O problema é "absolutizar" a

própria interpretação, achando que ela é perfeita, que ela é a exata revelação divina e assim, julga-se todos os demais com base naquilo que acredita. Esse é o problema. Se cada uma delas (e cada um de nós) assumissem a própria limitação, isso não aconteceria. Poderíamos amar mais, perdoar mais, respeitar mais, entender mais e condenar menos



A profundidade da palavra de Deus vai muito além de nossa compreensão, está além dos parâmetros mundanos que temos

por referência. Por isso, o importante é reconhecer o óbvio, nós não somos Deus para sermos absolutos, consequentemente, sempre haverá a multiplicidade interpretativa, nossas interpretações, compreensões e discernimentos sobre esse absoluto são sempre relativas, que é bem menos danoso que o fundamentalismo, (essa ideia que há interpretações humanas absolutas), aí sim gera guerras em nome de Deus, mortes, manipulação, imposição e tortura. Todo Discursos fundamentalista que promove ódio, fanatismo, intolerância, discriminação e preconceito devem ser rejeitados.

2. Restrição a informação: Proibição de pesquisas e estudos que não partam da organização.

Te ensinaram que Debates e reflexões não são importantes? Ensinaram que você deve ter medo de analisar tudo e ter raciocínio crítico? Cuidado, você pode estar sendo vítima de lavagem, que é a habilidade de inibir o raciocínio crítico. Por que as organizações sempre tiveram o poder de manipular as pessoas? Qual é a maior ferramenta que as religiões usam para promoverem a alienação mental que incapacita as pessoas de terem um raciocínio Crítico?

Por que as corporações fazem as pessoas acreditarem que elas são representantes de Deus na terra, portanto estão isenta de erros, consequentemente, discordar da organização é pecado. Aquele que acredita que o magistério da instituição e seus entendimentos bíblicos estão isento de erros, fatalmente será enganado. O que diz as escrituras? Que devemos analisar tudo e por a prova? Ou foi dito que somos proibidos de pensar, questionar ou ter um raciocínio Critico? Que devemos concordar com as instituições e suas interpretações bíblicas cegamente? (Atos 17:11) (1 Tes 5)

Reflexões e debates são importantes, pois neles, vemos outros pontos de vistas diferentes do que temos por certo, o que dificulta a alienação e manipulação mental das pessoas por parte das instituições. Afinal alguém que conhece vários pontos de vista e pensa por si só, é alguém difícil de ser enganado.

Um Cristianismo fiel não tem medo do raciocínio crítico. Não teme questionar e ser questionado. Não tem medo de reclamar o que é bom na cultura sem incorporar o que dilui a essência da mensagem Cristã. Respeite as pessoas e não as idéias. Julgue idéias e não pessoas. Idéias que são boas e reais sobrevivem a qualquer critica.

Refletir é importante e precisa ser inevitável, mas que nossas reflexões sejam úteis não apenas no campo intelectual, mas principalmente para ajudar a sermos pessoas melhores e melhorar a nossa relação com a vida e com o nosso próximo

A alienação e promovida pelo exercício do militantismo, fundamentalismo e o exclusivismo, por isso, não devemos ser

militante, abra sua mente, analise tudo, retenha o bom! Todas as pessoas podem ser portadores da verdade, inclusive os

ateus, porque não? A questão é analisar tudo e reter o que for bom, o que for certo! Excluir um lado, e dizer que tudo quanto provenha desse lado trata-se de equivoco, é um verdadeiro retrocesso e incensatez; É SER INIMIGO DA VERDADE ; É apenas a nutrição do ego! E é exatamente isso que militantes religiosos ateus ou cristãos fazem; Todo militante é alienado em sua religião como se ela portasse a verde absoluta, Por terem dificuldades em pensam por si mesmos, aceitam tudo que provenham do seu líder ou entidade militante religiosa sem questionar como se ela fosse

infalível!

Para sabermos se alguma coisa é verdade ou mentira teologicamente falando não é o homem (nem o Pastor; nem o Padre; nem o Bispo; nem o Cardeal; nem o Papa) que vai nos dizer, a palavra de Deus é quem nos diz quem está com a verdade, a única verdade absoluta é Deus ou a palavra de Deus; Então para provar qualquer que seja o dogma, doutrina ou preceito instituído, antes deve se passar pela prova das escrituras, que é o instrumento da verdade teológica. Assim pelo teste da palavra chegamos a verdade, não pelo teste da achologia, nem do conceito teórico filosófico teológico, mas o teste da palavra, a palavra de Deus me diz quem está com a verdade.

Procure Julgar o frasco ao invés do perfume. Julgue uma afirmação pelo seu conteúdo e não, pelo seu autor!

3. Demonização dos críticos da organização, autoritarismo e proibição da livre expressão.

Acreditar que o simples fato do irmão ter um ponto de vista que entra em conflito com o seu, ou que ele não faça parte do seu grupo religioso, implica que ele seja um “servo de Satanás”, É NO MÍNIMO INFANTIL E MEDIEVAL!! É um dos maiores equívocos que existem. Da boca de qualquer ser humano, saem erros, heresias e equívocos doutrinários, e se a salvação fosse dada exclusivamente a todo aquele que é portador da verdade absoluta, estaríamos todos condenados, porque ninguém porta a verdade absoluta a não ser Deus! Assim sendo, devemos ouvir a todos e reter o que for útil.

Todos temos o direito de discordar de um posicionamento e visão teológica de alguém, mas achar que a visão que possuímos é absoluta, perfeita ou o parâmetro para julgar as demais, é uma ingênua prepotência e arrogância.Julgar os



outros por critérios interpretativos não absolutos, acreditando que alguém seja um “servo do diabo” e “sem discernimento de espírito” tão somente por ter um ponto de vista que entra em conflito com o seu, ou com um dado magistério religioso é no mínimo medieval! Nenhum magistério humano porta a infalibilidade teológico-interpretativa, independente de visão teológica, equívocos ou heresias doutrinárias, todos somos criaturas de Deus, aceitos, acolhidos e amados por ele.

O pensamento fundamentalista ilude as pessoas: Na ilusão da religião, fazem-nas pensar que aqueles que fazem parte do

grupo são pessoas boas, e os que não fazem parte são pessoas más. O que afronta o ensino de Cristo, que nos ensinou que havia muita obra de justiça e bondade fora da esfera religiosa, aliás, Jesus nem nasceu dentre a esfera sacerdotal da cúpula religiosa, dentre os doutores da lei e mestre das escrituras, ele nasceu dentre os humildes, e chamou os humildes para

seguirem-no.

Toda generalização é um retrocesso no progresso mental e uma ferramenta para manipulação e alienação mental.

4. Torna-se o caminho, fora dali não há verdade e nem vida. Ninguém vai a Deus se não for por lá.

Uma vez que alguém admita que a Religião foi fundada pelo próprio Deus, a religião passa a ser secretária do altíssimo, torna-se o caminho e a verdade, toma o lugar de Cristo para si, como se fosse o próprio, nessa condição as pessoas temem questionar a religião, pois pensam que estão questionando a Deus, temem serem hostilizadas e demonizadas tão somente por discordarem, por isso, elas possuem resistência em questionar, não gostam de analisar nem debater, como foi dito e agora salientando, existe uma sedução por parte das instituições religiosas: "Não precisa mastigar sozinho; não precisa interpretar por si, não precisa pensar. Aliás, quem é você para interpretar por si? Deixe Cristo interpretar a si mesmo através da “Santa Igreja” e apenas receba em fé e obediência” – Dessa forma as pessoas não precisam se dar ao trabalho

de pensarem por si mesmas – e nem podem.

Conclusão: No passado, os senhores feudais diziam que não seria prudente deixar os escravos pensarem, pois se assim fizessem, deixariam de ser escravos, deixariam a sua subserviência? O mesmo se dá com os animais, com o boi por exemplo, se ele soubesse a força que tem, jamais puxaria peso para o ser humano, jamais seria subserviente. Sim, questionar nunca foi algo bem visto, aos olhos daqueles que desejam a soberania, o domínio e o controle da massa. Portanto: Questione, duvide, não aceite raciocínios prontos, não generalize, admita outros pontos de vista. Não seja um papagaio adestrado.

===========================================================================

=APOSTASIA

Biblicamente falando não haverá uma redução no numero de religiões, haverá apostaria que são aqueles que creram na fé original e se desviaram. Um dos sinais seria que as pessoas que criam em Jesus, posteriormente transformaram a fé em original num outro evangelho, num evangelho comercial, onde vendem a salvação em saquinhos, e comercializam Jesus em potinhos, uma maquina de explorar as pessoas, substituiriam a fé em Jesus pela crença no poder da "igreja" e seus líderes! Jesus disse que a apostasia seria tão imensa que quando ele voltasse provavelmente não encontraria fé original na terra!

Em termos gerais, apostasia não é se afastar da igreja (denominação) e sim estar em uma! Nenhuma dessas empresas seculares, corporações e instituições fundadas por Constantino e reformas pelo protestantismo (que é uma heresia moderna) tem autorização de Jesus ou dos apóstolos para existir. De acordo com Jesus, onde estiverem dois ou três que REUNIDOS EM SEU NOME, ali está a igreja ( igreja é povo) A comunhão é com os pobres e necessitados e não com uma corporação! Jesus e os discípulos nunca ensinaram que "fora de uma organização religiosa" não havia salvação. De Fato! Eles não saiam ensinando esse tipo de doutrina ao povo! Mas os Fariseus sim! Todavia Jesus deixou claro, que fora do amor, da justiça, da misericórdia e da bondade, dificilmente há salvação! Pois como podemos esperar que Deus proceda dessa forma conosco, se nós mesmos não fazemos aos outros? Abra o olho!

As organizações que rotulam de "apóstatas" os que saem por motivo de consciência porque isso serve para amedrontar seus membros fiéis, aprisionados nas masmorras psicológicas delas mantendo-os assim, longe de informações que fariam tanta diferença na vida deles.

===========================================================================

=PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA

1. Não se opor ao erro, não seria aprová-lo? É Protestantes ou é conformado?



2.

Apresentar fatos e evidências bem fundamentados contra uma religião, pode ser considerado perseguição religiosa?

3. Críticas vazias não tem valor.

4. Combatendo o anti-evangelho

1. Não se opor ao erro, não seria aprová-lo? É Protestantes ou é conformado?

As instituições mutilaram o Evangelho, os líderes destruíram a mensagem de Jesus, adicionaram tudo que não é evangelho no lugar, e quando denunciamos isso, as "ovelhas" se indignam! ISSO porque nunca foram ovelhas, mas sim bodes! As ovelhas verdadeiras não vão com estranhos! João 10:26-27 –É importante julgar no sentido de discernir, não de se colocar como juiz. Julga-se idéias e não pessoas! Muitos dizem que falamos “mal de religiões”, pastores, dízimos, igrejas, etc!

Desde quando questionar é sinônimo de “falar mal”? A maioria dos crentes são profundamente católico!!! Sim, por pessoas com esse pensamento, a “Reforma” nunca existiria, e ninguém deveria ter "falado mau" do Papa, da idolatria aos Santos, a Maria, dos dogmas e doutrinas romanas! Gente assim, não conhece nem o propósito da reforma no qual foram fundados! Porque você acha que os reformadores foram mortos? Porque você acha que jesus e os profetas foram mortos?

Por serem cúmplice de um sistema hipócrita ou por se manifestar contra ele? Historicamente falando, jesus e os profetas foram assassinados pelo sistema religioso por se manifestar contra ele, e não por ser cúmplice! O que Paulo disse aos

bereanos?

JESUS ERA A LUZ! NÓS SOMOS da luz, a luz denuncia, a luz mostra, a luz não encobre de baixo do tapete! Uma coisa

é calunia, outra é difamação, e outra é a verdade que deve ser dita! Deus não compactua com o erro, a mentira nem o

engano!

A LUZ não encobre a verdade, ela ilumina. Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é negá-la.

Jesus não sorria para a mentira. Quem ignora a mentira é cúmplice. Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Efésios 5:11

E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as.

2. Apresentar fatos e evidências bem fundamentados contra uma religião, pode ser considerado perseguição religiosa?

Qualquer organização que assuma a posição de ser o caminho da salvação, deve estar disposta a ser esmiuçada e criticada. Todos os que criticam tem a obrigação de ser verdadeiros na apresentação dos fatos, e justos e objetivos na avaliação dos mesmos.

Nenhum tipo de ideologia deve ser imposta à força para ninguém. Mas impor à força é totalmente diferente de expor pensamentos. E, se existe uma verdade, e eu conheço essa verdade, é um dever moral meu fazer com que os outros também alcancem esta verdade. Sim, não se opor ao erro é aprová-lo. Pecar pelo silêncio, quando se deveria protestar, faz dos homens covardes.

Não é forma de perseguição religiosa alguém dizer e mostrar que a ideologia ou religião de outrem é falsa. Não é perseguição religiosa uma pessoa informada expor publicamente fatos e evidências, permitindo assim que outros analisem e tirem suas próprias conclusões.

Não ajuda o silêncio, a fazer com que a mentira, se passe por verdade?

Portanto, quando alguém quiser defender um ideologia ou organização, faça-o por meio de argumentos razoáveis e provas documentais bem fundamentadas. Permanecer no campo das ideias. Não partir para agressão pessoal, pois ataques pessoais só reafirma a incapacidade argumentativa e incoerência doutrinária de um indivíduo.

Ataques pessoais, ameaças e expressões de natureza puramente passional, são frutos imprestáveis de uma árvore cuja raiz

é o fundamentalismo religioso de mentalidade condenatória, que sempre ganham musculatura devido à obediência cega a sistemas eclesiásticos verticalizados.



3. Críticas vazias não tem valor

Críticas vazias não tem valor, se, ao postar algum conteúdo, eu tirei do contexto ou mudei o sentido de algum texto, é bem simples, você pega o trecho, transcreve e comenta mostrando o sentido verdadeiro. Se não puder sustentar seu ponto de vista, CHAME ALGUÉM QUE POSSA. Se não estiver disposto a refutar o que postamos, linha por linha, explicando o sentido correto de cada passagem citada, também não tem direito, tão pouco, propriedade de dizer que estamos errados! Quem tem o ónus de demonstrar, é sempre quem acusa/afirma/alega/declara, seja algo falso, quer seja verdadeiro! Não caia no lapso do desespero de abandonar o campo das idéias e passar para ataques pessoais! usar palavras do tipo “Hipocrita” ;“Vai estudar”; “Vou orar por você”; etc, pois isso só reafirma a sua incapacidade argumentativa e incoerência doutrinária.

Se discorda de algo, procure fundamentar suas escolhas em argumentos, em idéias sólidas. Se alguém proclama algum

absurdo, ajude a pontuar onde estão os erros, apresentando uma refutação consistente e se for mais plausível teologicamente o que apresentar. Mas uma acusação leviana assim mostra muito de quem somos e nada sobre o assunto em questão.

4. Combatendo o anti-evangelho

Combatemos o anti-evangelho que faz as pessoas acreditarem que devem buscar religiões, magistérios humanos ao invés

de buscar as escrituras, Cristo e suas palavras. Que chama de igreja um prédio, uma placa, uma denominação, ao invés de

gente, pessoas que seguem a Jesus. Que vinculam a salvação e a relação Criador criatura a uma empresa, uma instituição especializada. Que diz que a comunhão é com membros de uma corporação, ao invés de ser com toda a criação, com o

próximo, com os pobres e necessitados. Que advoga o engano de quem sem instituição religiosa, sem Deus.

CAPÍTULO 3 Aprendendo sobre a Bíblia: Conheça as técnica de grupos fundamentalistas e seitas para enganar as pessoas usando a própria bíblia.

====================================BÍBLIA======================================= =DEUS É O AUTOR DA BÍBLIA?

A cristandade religiosa tem a presunção de dizer: "seguimos o que a bíblia diz". Contudo, poucos sabem o que ela

realmente é, do seu significado, contextos, objetivos e processo de formação. No início os Cristãos seguiam a Cristo, usavam os 4 evangelhos por que lá estavam contidas as palavras dele. Posteriormente foram selecionadas ‘algumas’ cartas deixadas pelos apóstolos, por apresentarem um conteúdo com o objetivo de facilitar o entendimento das palavras de Cristo. Posteriormente foram acrescentadas as escrituras hebraicas, chamadas de velho testamento pela cristandade, para dar sentido a existência, morte e ressurreição de Cristo. Todas as escrituras tinham o FOCO de encaminhar a Cristo. De modo que o Cristão aceita a bíblia por causa de Cristo e não Cristo por causa da bíblia. A partir do segundo século o cristianismo se tornou apóstata, mais tarde no concílio de Nilcéia foi adotando esse conceito [que o cristão segue a bíblia] que é tido como doutrina até os dias de hoje. Usar Cristo para matar, roubar e destruir é muito difícil para os líderes, assim convencionou-se que o Cristão segue a bíblia, tirando o foco de Cristo e facilitando imensamente o trabalho de manipulação, sugestão e doutrinação seletiva.

Medite:

1. O que é Bíblia? Escritura é sinônimo de Bíblia?

2. Na Bíblia estão todos os documentos usados pelos Cristãos do primeiro século?

3. Há algum escrito apostólico, constando uma lista autorizada dos livros que devem ser considerados sagrados?

4. Quem definiu, os livros que seriam incluídos, ou não, como textos sagrados? Foram elas inspiradas por Deus?

5. Por que o Cânon foi selecionado, escolhido e fechados por aqueles que não o escreveram?

6. Para dizer que Deus é o autor da bíblia, obviamente devo considerar o concilio que a definiu, selecionou como divino?

7. A Bíblia é a palavra de Deus ou ela contém a palavra de Deus?

1. O que é bíblia? Escritura é sinônimo de bíblia?



Primeiro precisamos diferenciar Bíblia de escritura. As escrituras são documentos que saíram da pena dos escritores, (dos apóstolos por exemplo), esses documentos, relatam a relação de Deus com o homem. A Bíblia é a reunião desses documentos.

2. Na bíblia estão todos os documentos usados pelos cristãos do primeiro século?

Nem todos (Col 4:16). Dentre as centenas de documentos apostólicos apenas alguns foram selecionados. O que o concílio decidiu queimar, chamou de apócrifo, o que decidiu oficializar, chamou de Canônico, essa seleção, ficou conhecida como

a biblioteca apostólica, ou seja, Bíblia. O Cânone Hebraico de 39 livros, foi fixado no Concílio de Jâmnia em 100 d.C. O Cânone Cristão de 27 livros foi fixado no Concílio de Nilcéia, no século IV d.C.

3. Há algum escrito apostólico, constando uma lista autorizada dos livros que devem ser considerados sagrados?

Em nenhum escrito do Novo Testamento consta uma lista autorizada dos livros que devem ser considerados sagrados. Somente em II Pedro 3:15-16, o Apóstolo Pedro afirma que os escritos do apóstolo Paulo de Tarso são escrituras sagradas, mas não os relaciona e nem informa quais seriam os outros livros sagrados.

4. Quem definiu, os livros que seriam incluídos, ou não, como textos sagrados? Foram elas inspiradas por Deus?

As pessoas que selecionaram os documentos que iriam para a bíblia (cânon) e os que não iriam (apócrifos) Foram os Bispos da igreja católica (no século IV) e não pelos próprios escritores, não por Deus, capítulos, versiculos e epígrafes foram adicionados, não são a palavra de Deus. O cânon foi inquestionável até a reforma protestante, durante a Reforma Protestante, Martinho Lutero demonstrou dúvida quanto à autoria e canonicidade de alguns livros do Novo Testamento: Hebreus, Tiago, Judas e o Apocalipse.

5. Por que o cânon foi selecionado, escolhido e fechados por aqueles que não o escreveram? Se Deus é o autor da

bíblia, então porque Deus não pediu para seus apóstolos fecharem o cânon ?

A pergunta que os defensores da bibliolatria evitam fazer é: Será que Deus inspirou a igreja católica para selecionar esses 27 livros? Se Deus é o autor da Bíblia, então porque Deus capacitou os bispos da Igreja católica para fecharem o Cânon, colocarem capítulos, versículos e epigrafes, mas não capacitou os apóstolos?

Aquele que capacitou e ungi homens para escrever as escrituras o capacitou para escrever sem capítulos e versículos para serem lidas do jeito que esta escrita!! Paulo escreve de uma forma para que o receptor, entendesse de um jeito, mas o sistema religioso colocou os capítulos que fatalmente desnorteiam e obstruí o entendimento racional que viria de forma linear, que viria com a leitura completo como Paulo queria que as pessoas entendessem! Se formos sair do conceito histórico e passarmos para o conceito religioso da bibliolatria, diríamos pois: Na biblioteca do Vaticano AINDA existem várias passagens e papiros do Novo Testamento que não fora colocadas na bíblia, porque o magistério da igreja disse não ser a palavra de Deus, estão, o que nos resta? Eu te pergunto: Você confia na bíblia como um livro místico deixado por Deus exatamente como ela é? Então, seguindo o princípio religioso da bibliolatria, terá de confiar nos bispos da igreja católica, porque foram eles que fizeram-na nesse formato, que usamos hoje!

Diante dos fatos históricos, para crer que Deus é o autor da bíblia [Seleção do Cânon], necessariamente devemos crer que os Bispos da igreja católica foram inspirados por Deus para fazer esse trabalho de seleção. A menos que você seja católico

e creia na inspiração divina dos Bispos e do Concílio de Nilcéia, não há como admitir o conceito da bibliolatria uma vez

que a seleção foi puramente humana e nada divina, compreendem que existiram critérios científicos e não espirituais para que documento fizesse parte do Novo Testamento com os 27 livros:

1

- Deveria ter sido escrito por um apóstolos;

2

- Se não for escrito por um apóstolo, um apóstolo deveria endossar aquele que escreveu;

3

- Deveria ter sido escrito no século I;

4

-Utilizando os métodos científicos como a regras de exegese e crítica textual, para validar a veracidade dos textos.

6

- A seleção foi humana e não divina – Portanto, Deus não pode ser o autor do Cânon.

Quanto as escrituras que estão na bíblia, foi Deus o autor delas? Deus também não pode ser o autor das escrituras, pois esta foi um relato histórico sob ponto de vista de várias pessoas, se vê com mais acerto dizer que as palavras dos apóstolos

e profetas nas escrituras contém inspiração de Deus, mas a bíblia [seleção católica] não. O dogma supersticioso da



Bibliolatria que nos diz que “Deus é o autor da bíblia” é pagã! Sim! As escrituras não dão suporte a isso! A Bíblia é uma seleção de alguns relatos históricos do séc I, mas não todos (Col 4:16) feito pela igreja católica e não por Deus, capítulos, versiculos e epígrafes não são a palavra de Deus.

A bíblia não é um livro ela é uma seleção de relatos históricos que dão testemunha do CRISTO, cremos na bíblia por

causa de Cristo, não o contrário. A Bíblia não é a palavra de Deus, ela contém a palavra de Deus, contém a palavra da

nota dos tradutores, do escriba, do fariseu, de Herodes, de Maria, e finalmente a palavra de Jesus que Deus.

foi a palavra de

6. Para dizer que Deus é o autor da bíblia, obviamente devo considerar o concilio que a definiu, selecionou como

divino?

A Bíblia não é um livro, mas uma seleção de livros, cartas e textos (chamados de "Escrituras"). Para dizer que Deus é o

autor da bíblia, obviamente devo considerar que as pessoas que fizeram esta seleção também foram inspiradas por Deus, uma vês que nenhum apóstolo deixou uma lista autorizada dos livros que devem ser considerados sagrados e dos livros que devem ser considerados apócrifos. Será que o concílio quem definiu, os livros que seriam incluídos, ou não, como textos sagrados Foram elas inspiradas por Deus? E o concilio protestante que excluiu alguns livros, teria sido inspirado por Deus?

7.

A Bíblia é a palavra de Deus ou ela contém a palavra de Deus?

O

que é Palavra de Deus? Jesus ou a bíblia? Ou seria ambos?" Pense profundamente, sem medo. Se a Palavra é Jesus,

porque precisamos da bíblia? Se a Palavra é a bíblia, quem viveu antes dela surgir (no quarto século) não tinha a Palavra? Ter fé não significa abrir mão de pensar e de defender a coerência. Então continuemos nessa caminhada, pois refletir e criticar é virtude e não pecado.

A Bíblia é a palavra de Deus? De fato, a bíblia não é a palavra de Deus, ela é uma seleção de relatos históricos sob

perspectiva de várias pessoas. Se diz com mais acerto afirmar que a bíblia contém a palavra de Deus. Por ser um relato histórico, os textos bíblicos contém a palavra de Deus, do escriba, do fariseu, a palavra do diabo, em fim, as escrituras contém todo um relato por isso, tudo deve ser analisado. Para o Cristão, Jesus foi a palavra de Deus, o verbo da vida e a verdade absoluta. (João 1:14; Apocalipse 19:13).

De onde surgiu o termo “A bíblia é a palavra de Deus?”: Em 1590 a Escolástica Protestante determinou: "Um versículo bíblico por si só correto e pode ser utilizado para comprovar uma doutrina ou uma prática independente do contexto". A partir daí, criou-se o dogma de que a Bíblia é a palavra de Deus. Se formos analisar essa determinação mais a fundo, teremos sérios problemas, por exemplo: "Tudo te darei se prostrado me adorares" (Mateus 4) – Disse o diabo! Você acha que deve segui-la, já que está na bíblia? Se a resposta for "Não!" pergunto: "E por que não?" Porque obviamente, essa não é a palavra de Deus, é a palavra do diabo. Sim, num dialogo com Jesus no deserto. Portanto, soa meio óbvio, mas na verdade, é muito perigoso dizer que a bíblia é a palavra de Deus, devemos dizer que os textos bíblicos contém a palavra

de Deus, assim como contém a palavra de muita gente, assim evitamos a manipulação de textos subjetivos e desconexos.

Em que é baseada sua fé? Em Deus, conforme revelado em Cristo? Na bíblia? Numa tradição religiosa? Essa pergunta é

importante, pois sua resposta determinará sua espiritualidade. Lembre-se, quando essa "base" é questionada, criticada ou confrontada, qualquer dúvida já abalará toda a estrutura do edifício construído sobre ela. Nossa base é Cristo, pois é único absoluto. O resto, a gente até conversa, avalia, dialoga e debate, mas Cristo (por ser a revelação plena de Deus na história) é. Deus é. O resto, existe. E tudo que existe só existe por causa dAquele que é.

Estabeleça seus critérios. Você é discípulo de quem? De Jesus? Ótimo, então o que fará? Pela bíblia você verá o que Ele

E assim você terá um modelo para

seguir. Não seja ingênuo de dizer: "eu sigo a bíblia", pois ninguém a segue. É impossível, pois o que é seguir a bíblia? É seguir Moisés? Davi? Isaías? Jesus? Paulo? Não tem como seguir todos eles ao mesmo tempo. Diga assim: "eu sigo a Cristo e tomo conhecimento histórico dEle pela bíblia". Aí sim. Ela é um instrumento que visa apontar para Ele (que é o Verbo encarnado, a Palavra de Deus revelada em forma humana).

fazia, como Ele lidava em cada situação, como tratava as pessoas, o que ensinava

Cristo, é a Palavra de Deus que se fez carne, a revelação plena de Deus ao homem, em quem estão todos os tesouros da sabedoria, a imagem do Deus invisível, esse é absoluto. As escrituras são uma narrativa histórica, feita sob perspectiva de



várias pessoas, (Lc 1:3-4) e dão o testemunho pleno sobre o Filho de Deus, (João 21:24; João 3:11). A bíblia é a reunião de vários desses testemunhos históricos (Mas não todos, muitos papiros ficaram de fora).

Quem é a base interpretativa não só da bíblia, mas de toda nossa vida? A pessoa de Jesus Cristo! Os textos bíblicos interpretados sem contexto, sem situação histórica, geográfica e cultural, e o principal, sem a pessoa de Jesus como parâmetro, torna-se a fonte de todas as heresias, um instrumento de manipulação na mão de líderes inescrupulosos.

Resumo:

A bíblia não é um livro, é uma coletânea de livros, cartas e textos (chamados de "Escrituras") escrita em mais de um milênio, por dezenas (por baixo) de pessoas, por várias tradições até que aos poucos foi sendo editada, revisada, formada e finalmente compilada (após muita discussão e debate) em um único volume no quarto século. Esse volume único é o que chamamos de "bíblia". Nenhum dos textos contidos na bíblia, tem nenhuma referência a essa compilação posterior, até porque os autores sequer tinham ideia que um dia o livro deles seria colocado em um único volume com dezenas de outros. A Igreja (ICAR) definiu (na verdade oficializou boa parte dos livros que já eram usados em diferentes grupos cristãos), através de concílios (e adotando alguns critérios), quais livros seriam inclusos e quais não seriam. Obviamente isso nunca foi consenso, pois muitos dos principais líderes/teólogos cristãos questionaram (e questionam) a presença e ausência de alguns livros. Talvez o exemplo mais conhecido seja o de Martinho Lutero, que questionava a canonicidade de Ester, de Judas, de Tiago, de Apocalipse de João, por exemplo. Então, a menos que você seja católico e acredite que DEUS usou os bispos da ICAR para selecionarem de maneira divina os textos que iriam e que não iriam fazer parte do cânon bíblico, Deus não pode ser o autor da bíblia (seleção católica) por se tratar de uma seleção humana. - Lembrando que, nem todos os documentos estão na bíblia, esta é uma seleção puramente humana dos eventos históricos. As escrituras também, não foram inspiradas por Deus, elas são apenas um relato histórico que dão testemunho da palavra de Deus, o que foi inspirado por Deus, foram as palavras que sairam da boca de Jesus e dos profetas. O que é importante é a historicidade de Cristo, usamos a bíblia simplesmente porque a maior coletânea de relatos históricos acerca de Cristo está nela.

================================================================================== =QUAIS SÃO OS MAIORES ERROS COMETIDOS PELO SIMPLES FATO DE NÃO SABER DIFERENCIAR ESCRITURA DE BÍBLIA?:

1. Dizer que todo o conteúdo bíblico (seleção do concílio) foi inspirado por Deus.

2. Afirmar que toda escritura que está na bíblia é inspirada a partir de 2 Timóteo 3:16

3. Crer na Infalibilidade ou inerrância Bíblica (seleção do concílio)

4. Dizer que em Ap 22:19 onde se diz que se alguém tirar alguma palavra “deste livro” Deus tirará dele a sua parte na

árvore da vida, e atribuir a referência não ao livro específico de Apocalipse mas, a bíblia [cânon],

5. Dizer que Deus mandou alguém escrever algum livro sagrado no novo testamento.

6. Sola Scripura: Voltemos as escrituras.

Os líderes usam e abusam da ignorância do povo, para manter a soberania, o domínio e o controle.

1. Dizer que todo o conteúdo bíblico (seleção do concílio) foi inspirado por Deus.

Não podemos dizer que tudo o que está na bíblia é inspirado, bem como não podemos dizer que tudo o que não está na bíblia não é inspirado. Isso fica óbvio quando lembramos:

1 - A bíblia não é um livro e sim, uma coletânea de livros, sendo que os autores sequer imaginavam que um dia o que estavam escrevendo seria parte do que hoje chamamos de bíblia.

2 - Paulo fala sobre a inspiração das escrituras, sendo que escritura não é sinônimo de bíblia. Tanto é que a carta que ele escrevia dizendo isso não era considerada escritura na época. Tampouco eram escrituras outros livros que sequer existiam, como por exemplo, Apocalipse de João. Não estou dizendo que não são inspirados e sim, que não temos como garantir.

3 - A bíblia que temos hoje é a compilação de textos antigos não originais (que não mais existem) e temos muitas

evidências de trechos que foram adicionados muito tempo depois do livro ter sido concluído pelo autor. Ex: Mc 16 a partir

do vers 9. Então podemos afirmar que esse trecho é inspirado? Aí vai da opinião de cada um. Dizer sim ou dizer não será mera opinião.

Na bíblia temos revelações, profecias (inclusive eróticas), relatos, poesias, desabafos



Há de tudo um pouco.

Estou tirando os méritos da bíblia? De forma alguma. Apenas estou constatando o óbvio. Obs: Creio sim em inspiração, mas não como essa idolatria de achar que palavra por palavra foi ditada por Deus e sim, que Deus estimulou homens a deixarem registros escritos que apontassem às próximas gerações jesus Cristo

2. Afirmar que toda escritura que está na bíblia é inspirada a partir de 2 Timóteo 3:16

Toda escritura é inspirada? A que escritura Paulo se referia? Bíblia é sinônimo de escritura? Muita gente equivocadamente cita a passagem de Paulo a Tímoteo: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, 2 Timóteo 3:16" para dizer que toda a Bíblia é inspirada por Deus. O Problema é que essas pessoas não sabem diferenciar escritura de bíblia. Nem todas as escrituras usadas pelos Cristãos do primeiro século estão na Bíblia, não foi Paulo quem selecionou o Cânon oficial (Ou seja, dentre tantos documentos, aqueles textos iria para a Bíblia e os que seriam queimados, os chamados apócrifos.) e não há nenhum escrito apostólico, constando uma lista autorizada dos livros que devem ser considerados sagrados. Se a a passagem da carta de 2Timóteo 3:16 foi escrita no século primeiro a seleção do Cânon bíblico foi no século quarto, como Poderia Paulo se referir a Bíblia [Seleção do Cânon]? Por isso, é impossível que Paulo se referisse a bíblia. Então a qual escritura Paulo se referia?

Vejamos nos manuscritos mais antigos, na tradução do grego de orígenes que é o mais correto (por ser mais antigo):

(2 Timóteo 3:16 - Ferreira de Almeida Revisada)

“Toda a Escritura ((é divinamente inspirada)), e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em

justiça”;

(2 Timóteo 3:16 – Sociedade Britânica Bíblica! ) “Toda a Escritura ((divinamente inspirada é)) também útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para instruir na

justiça”,

“Πασα γραφη θεοπνευστος και ωφελιμος προς διδασκαλιαν προς ελεγμον προς επανορθωσιν προς παιδιαν την εν δικαιοσυνη " “Todo escrito divinamente inspirado é proveitoso para ensinar",

Ou seja, AQUELE ESCRITO que for inspirado por Deus é proveitoso! Só isso! NÃO está falando que qualquer que seja

a escritura que esteja na bíblia é inspiradas, até mesmo porque o Canon da Bíblia foi fechado séculos após a morte de

Paulo!! Se Paulo dissesse que toda a escritura é inspirada, a qual escritura ele se referia? Se for a Lei de Moisés então ele se tornou louco a morrer por ir contra a Lei e negar seus ensinamentos e depois dizer que ela é proveitosa para ensino!

Se for o novo testamento

vaticano existem várias passagens que não foram considerados canonisas, porque o magistério da igreja disse que não era

a palavra de Deus! Por isso não estão na bíblia, quem decidiu o que iria e não iria para as escrituras eram os bispos da igreja católica!!! Os bispos são inspirados?

Como assim??? O novo testamento foi oficializado a séculos mais tarde! Na biblioteca do

Viu como é ilógico acreditar que Paulo se referia a bíblia?

3. Crer na infalibilidade ou inerrância Bíblica (seleção do concílio)

Não. "Creio" (no sentido de acreditar) nela toda. É um registro escrito. Claro que temos que ter em mente que são cópias

das cópias das cópias

sabemos que há divergências entre pergaminhos e códices antigos

influência da crença, da cultura, da consciência e do contexto do autor

Claro que sabemos

que as escrituras (que estão pelo menos em grande parte contidas na compilação moderna chamada bíblia) são testemunhas da Palavra encarnada (Cristo), logo, é através do que ela mesma nos apresenta sobre Jesus que compreendemos ela como um todo, discernindo o que é um ensino divino e aplicável a todos e o que é algo humano ou

Claro que sabemos que todo registro escrito tem

Claro que sabemos que nas escrituras há

Claro que

Claro que sabemos que vários textos não são originais (são acréscimos de copistas)

)

profecias, há poesias, há relatos históricos, há linguagens diversas (míticas, apocalipticas, poéticas

contextualizado

Jesus a fim de formar minhas ideias. É o caminho oposto. Por isso, existem critérios interpretativos.

Não formo ideias e procuro nela o que concorda comigo; leio ela identificando o que é coerente com

As escrituras testificam da revelação plena da palavra de Deus aos homens, a saber, Jesus. Respeitar a Palavra de Deus não é carregar a bíblia com cuidado e sim, lê-la sem tirar textos dos contextos e entender que ela testifica da revelação plena da Palavra de Deus aos homens, a saber, Jesus Cristo. E mais: aplicar em sua vida (com a ação do Espírito Santo) tudo o que dela for coerente com Jesus, afinal é dEle que somos discípulos, amigos e irmãos. Do contrário, será apenas um idólatra de um livro, usando-o para justificar suas opiniões pré-formadas e seus interesses.



4.

Dizer que em [Ap 22:19] onde se diz que se alguém tirar alguma palavra “deste livro” Deus tirará dele a sua

parte na árvore da vida, e atribuir a referência não ao livro específico de apocalipse mas, a bíblia [cânon]

Como pode esse livro de revelação se referir ao cânon bíblico (seleção dos livros que fariam parte, ou não da coletânea bíblica) que foi definido, compilado e selecionado séculos após a sua escrita?

Apocalipse 22:19 “se alguém tirar alguma palavra deste livro de profecia, Deus tirará dele a sua parte na árvore da vida e na cidade santa, que são descritas neste livro. “

O livro de Apocalipse foi escrito quase 300 anos antes da compilação de livros (chamada Bíblia, a qual possuímos) ser

realizada. Ou seja, se ainda não existia a bíblia quando Apocalipse foi escrito é óbvio que a expressão "deste livro" que

lemos aí refere-se ao Apocalipse e não, à bíblia como um todo. “palavra deste livro de profecia” Não podemos tirar texto nenhum de seu contexto. O mesmo vale, QUANDO SE DIZ QUE TODA ESCRITURA É INSPIRADA.

O mesmo erro acontece ao dizer que Pedro (2 Pedro 1:20-21) afirmou que a bíblia (seleção do concílio)

particular interpretação. Quem disse que profecia é sinônimo de bíblia?

não

é de

5. Dizer que Deus mandou alguém escrever algum livro sagrado no novo testamento.

Jesus não mandou escrever nada nem criar livro algum. Cristo mandou passar a sua mensagem verbalmente! Os 4 evangelhos foram um relato da sua mensagem do ponto de vista de cada autor (Lc 1:3-4), se é do ponto de vista de cada autor, é impossível que seja a “ponto de vista de Deus”! Alem disso, muito do que os apóstolos fizeram ou deixaram de fazer em suas epistolas foram contextuais e de entendimento próprio (1 Cor 13:9)(1 Cor 9:20-21)(Col 2:16) (ELES MESMOS DISSERAM NÃO EU!) Se é de entendimento próprio é impossível que seja “o entendimento de Deus”! Por isso, tudo que não saiu diretamente da boca de Jesus, deve ser analisado e absorvido o que for bom (1 Tess 5:21). O correto então é afirmar: A bíblia não é a palavra de Deus, as escrituras que estão reunidas nela, contém a palavra de Deus, (não toda ela, pois muitos documentos foram perdidos), assim como contém a palavra de Satanás, dos Fariseus

O velho testamento ou escrituras hebraicas, foram um relato histórico do relacionamento de Deus com o homem do ponto

de vista de cada autor, as leis, estatutos, juízos e mandamentos foram um tutor específico criado para os Judeus até que

viesse Cristo, e não aplica-se aos Cristãos. (At cp 15) Já os livros dos profetas aplica-se a todos, (lembrando que nenhuma profecia deve ser particularizada para si). Já as escrituras gregas, conhecidas como “Novo Testamento” são todos relatos movidos por vontade prórpia dos discípulos. Os 4 evangelhos por exemplo, foram um relato histórico do relacionamento

de Deus com o homem do ponto de vista de cada autor (Lc 1:3-4).

Os Cristãos devem ter CRISTO como centro e não as escrituras hebraicas! As palavras de Jesus estão nas escrituras gregas, ou seja no “Novo Testamento” Jesus foi a palavra de Deus encarnada na terra, foi o fundador da Fé, e a ele devemos seguir, Ele mesmo disse: ”eu sou o caminho” “Quem conhece a mim, conhece ao Pai” e este mesmo Jesus, jamais mandou criar um livro sagrado, antes preferiu que sua palavra fosse passada via tradição oral. Todavia, com medo que suas palavras se perdessem, no final do Séc I, os discípulos resolveram anotar a história de Jesus, de modo que, as

escrituras do Novo Testamento foram um relato histórico acerca do que foi realizado e dito por Jesus, partindo do ponto

de vista de vários autores (Lc 1:3-4). Esses autores jamais tiveram a intenção de criar um livro sagrado!

As cartas dos apóstolos também foram movidos por vontade própria, foram meios tecnológicos de comunicação a distância, foram cartas corretivas e não institucionais, eles não tinham a intenção de que seus documentos virassem um livro sagrado. Por isso, muito do que os apóstolos fizeram ou deixaram de fazer foi por entendimento próprio (1 Coríntios 13:9) contextual, específico, inerente a dada circunstância e situação histórica! Muitas vezes se fizeram de pagãos para ganharem pagãos (1 Cor 9:20-21) Paulo mesmo, circuncidou e guardou o Sábado algumas vezes, por causa da pressão que

os Judeus convertidos exerciam com questão a isso, mesmo sabendo que não havia necessidade de guardá-los. (Col 2:16)!

Pedro errava muito, era rápido para reagir e lento para pensar foi repreendido muitas vezes por Jesus e até por Paulo. Era intempestivo e geralmente impunha suas idéias. João era radical, Tiago impetuoso, entretanto, aproveitavam as oportunidades para aprender com o MESTRE DE NAZARÉ! Não se pode pegar homens como exemplo se não aquele que era filho de DEUS! Assim, tenha em mente, Jesus é a palavra de Deus, é a pedra angular, quem conhece a ele conhece ao Pai, e tudo foi revelado nele! Entenda, as escrituras são apenas um relato histórico, das palavras do MESTRE Jesus, APENAS o meio tecnológico no qual temos acesso a palavra DE CRISTO! ! E o que for além do que Jesus ensinou, deve ser analisado e absorvido o que for bom (1 Tess 5:21), ainda que esteja na bíblia, ainda que tenha sido ensinado pelos apóstolos. Jesus é a palavra de Deus, o fundador da fé, a verdade absoluta, o resto deve ser analisado.



Para nós Cristãos, Jesus foi a revelação final de Deus, Deus estava em Jesus, muito mais do que estava em qualquer outro, por isso cremos que, JESUS FOI A PALAVRA DE DEUS, O QUE NÃO FOR JESUS, DEVE SER ANALISADO! Muitos devem estar com raiva, porque a verdade dói quando se vive na mentira, mas não devemos discutir fé, apenas

fatos, o que foi dito, o que não foi dito, porque fé é invisível e não se discute, agora crença é paltada em eventos, essa sim,

se discute! E quando as próprias escrituras dizem que JESUS FOI A PALAVRA DE DEUS e o resto deve ser analisado, não há o que debater.

==================================================================================

6. Sola Scripura: Voltemos as escrituras.

Cuidado, o sola scriputra é a raiz de todo o fundamentalismo nas mãos de pessoas erradas, nas mãos do sistema. Mais do que "voltemos às escrituras", voltemos a Cristo, o qual temos testemunho histórico pelas escrituras.

================================================================================== =ENTENDENDO OS TEXTOS BÍBLICOS CORRETAMENTE

1.

Nunca devemos nos esquecer texto, contexto e situação histórica:

2.

Devemos fazer uma leitura de maneira linear e retilínea de todas as epistolas

3.

Respeitar o ponto de vista de cada autor para entender exatamente como o autor queria que entendêssemos

4.

É preciso ler tudo pela ótica do mestre Jesus

1.

Nunca devemos nos esquecer texto, contexto e situação histórica:

Nunca devemos nos esquecer texto, contexto e situação histórica: Para termos uma linha de raciocínio mais próxima da verdade é preciso saber quem escreveu o texto, para quem o texto foi escrito, quais foram as circunstâncias que o levaram o texto a ser escrito e qual o propósito que levou o autor a escrever! Ou seja, precisamos entender a situação histórica. Por isso, nem tudo é dirigido a nós, muitas falas são dirigidos a um publico especifico, muito do que os discipulos fizeram ou deixaram de fazer em suas epistolas foram contextuais, específicos e de entendimento próprio (1 Cor 13:9)(1 Cor 9:20-21)

Ao ler um texto, devemos procurar saber quem disse a mensagem, para quem disse, quais as circunstâncias que levaram- no a dizer, qual era a situação cronológica e histórica. Ao analisar essas questões, nosso entendimento deve estar em harmonia com o resto da escritura. Caso contrário nossa interpretação está incorreta.

2. Devemos fazer uma leitura de maneira linear e retilínea de todas as epistolas

Devemos fazer uma leitura de maneira linear e retilínea de todas as epistolas, descartando capítulos e versículos pois eles foram colocadas por homens e não pelos autores dos textos, (os capítulos e os versículos foram introduzidos pela terceira geração para desnortear o entendimento retilíneo das escrituras!) É importante saber que muito do que Jesus disse nos 4 evangelhos foram esclarecimentos acerca da Lei de Moisés direcionados para um tipo de público, que eram os Judeus, esses deveriam cumprir a lei até a consumação do sacrifício de Cristo no madeiro. É importante ainda, ter em mente, que muito do velho testamento morreu na cruz!

3. Respeitar o ponto de vista de cada autor para entender exatamente como o autor queria que entendêssemos

É preciso, respeitar o ponto de vista de cada autor para entender exatamente como o autor queria que entendêssemos, é

preciso saber que as cartas dos apóstolos foram destinadas a um povo específico em uma dada época, circunstância e contexto histórico, e definitivamente não foi escrita para você Cristão dos dias de hoje! É preciso entender que muito do

que os apóstolos fizeram ou ensinaram em suas cartas foram sugestões para os meninos na fé, imaturos e iniciantes que nada sabiam!

4. É preciso ler tudo pela ótica do mestre Jesus

Por fim, É PRECISO LER TUDO PELA ÓTICA DO MESTRE JESUS PORQUE SÓ ELE É O CAMINHO, SÓ ELE É

O EXEMPLO!

RESUMO:



Tudo deve ser entendido pelo contexto, ou seja, o entendimento de um texto através da relação entre a circunstância, a

situação e o ambiente em que ocorre algo dentro do texto. Texto em si, sozinho, não significa muita coisa, pois lembra que satanás usou vários contra Jesus no deserto? Ele conhecia a Escritura, mas não tinha a Palavra. Não é mero texto (texto temos para justificar qualquer heresia e é isso que falsos profetas fazem); é contexto. É compreensão abrangente do todo

da Palavra. Não só para a bíblia, mas para que haja o entendimento correto de qualquer literatura, é necessáro ter uma

leitura total, linear e retilínea de cada livro e entender todo o contexto.

==================================================================================

=POR QUE CADA UM ENTENDE A BÍBLIA DE UMA FORMA DIFERENTE?

1.

A falta do conceito Bíblico

2.

A falta de critérios de interpretação e discernimento:

3.

Dificuldades no velho testamento

4.

Parábolas e alegorias

5.

Versos picados

6.

Relativizam Cristo pelas escrituras, ao invés de relativizar as escrituras por Cristo:

7.

Teologia

8.

Ferramentas de sugestão, condicionamento e manipulação bíblica.

1.

A falta do conceito Bíblico

O

primeiro problema é ignorar o conceito cristão da complementaridade da Bíblia. O cristão lê a Bíblia como um

documento único, não considerando trechos isolados dela como a palavra final para algo, sem considerar o que o resto da Bíblia diz sobre isso.

2.

A falta de critérios de interpretação e discernimento:

O

segundo problema, é a falta de uso das ferramentas necessárias para a interpretação do texto bíblico. Assim como

qualquer outro texto, a Bíblia está sujeita às regras básicas de interpretação de texto. E por se tratar de textos antigos, os procedimentos são mais criteriosos ainda em alguns aspectos. É importante também estudar as figuras de linguagem ou de retórica (que aliás é tema obrigatório no ensino médio no Brasil), para entender quando os textos não são ditos literalmente. Isto é considerar a gramática na interpretação. Além disso, outro fator importante é o cenário histórico, ou seja, os eventos da narrativa, a quem é dirigida e como foi compreendida na época. Sim as questões históricas devem ter ajuda das ferramentas de interpretação como a hermenêutica! Boa parte do conteúdo da Bíblia contém verdades de caráter espiritual, isto é, que visam atingir o nosso espírito, para aplicarmos em nosso relacionamento com Deus (Mt 11:27). NESSAS QUESTÕES MAIS PROFUNDAS, o cristão acredita que não só a hermenêutica deve ser respeitada, mas também o relacionamento com Deus é importante para poder entender e aplicar as palavras espirituais como lições de vida.

3. Dificuldades no velho testamento

É difícil, por vezes, transmitir em português o que os escritores bíblicos expressaram em hebraico e grego, por serem

línguas com peculiaridades distintas. Por isso, devemos observar um todo da mensagem e evitar ficar presos a versos de difícil compreensão. Ao ler um texto ANTIGO, devemos ter em mente que, um significado recente de uma expressão ou palavra não é o mesmo do usado na época em que foi escrita, devemos procurar conhecer a situação da época, cultura e sociedade. Analisar quem disse a mensagem, para quem disse, quais as circunstâncias que levaram-no a dizer, quem era o receptor da mensagem e qual era seu nível cultural, por fim, não esquecer da situação cronológica e histórica. Ao analisar essas questões, nossa conclusão deve estar em harmonia com o resto dos documentos.

4. Parábolas e alegorias

As alegorias e parábolas são ilustrações com o objetivo de usar eventos natuais e sociais conhecidos pelo homem para ilustrar aquilo que não é conhecido pelo homem, aquilo que está inacessível e além da nossa compreenção. A obra de Deus não se assemelha aos grosseiros trabalhos humanos. Deus cria através de processos cósmicos ainda inacessíveis ao nosso entendimento. Por isso, Os livros bíblicos não poderiam tratar da criação do homem senão de forma alegórica. Prova disso é que Jesus falava acerca do reino dos céus, ou seja de outra dimensão, através de parábolas e alegorias



antropomórficas, posto que seria impossível descrever a complexidade inexpressível de outra dimensão, ou seja, do mundo espiritual, estando nós nos limites do mundo material. A profundidade da palavra de Deus vai muito além de nossa compreensão, está além dos parâmetros mundanos que temos por referência.

Lembre-se que, tanto os doutores da Lei (cheio de hermenêuticas), quanto o diabo, citaram várias passagens das escrituras! Todavia, se não fosse Jesus para esclarecer o engano, tudo pareceria muito coerente. Assim, os conteúdos espirituais dos textos devem ser lida a partir de Jesus, ele é a revelação final, e só é possível entender a vontade de Deus a partir dele. NÃO DEIXE DE LER na integra: JOÃO, ROMANOS E HEBREUS, se assim fizer, NINGUÉM NUNCA MAIS VAI TE ENGANAR, posteriormente, leia o Novo Testamento na ordem cronológica da mais provável seqüência de sua produção: 1ª. e 2ª. Tessalonicenses; Gálatas, Efésios, 1ª. e 2ª. Coríntios, e Romanos; Colossenses, Filemom; Filipenses, 1ª. e 2ª. Timóteo e Tito; 1ª. Pedro; Marcos; Mateus; Hebreus; Lucas; Atos; Tiago, Judas 1ª.,2ª. e 3ª. João; o evangelho de João, 2ª. Pedro; e Apocalipse.

5. Versos picados

Lembre-se que, tanto os doutores da Lei (cheio de hermenêuticas), quanto o diabo, citaram várias passagens das escrituras! Todavia, se não fosse Jesus para esclarecer o engano, tudo pareceria muito coerente. Assim, os conteúdos espirituais dos textos devem ser lida a partir de Jesus, ele é a revelação final, e só é possível entender a vontade de Deus a partir dele. NÃO DEIXE DE LER na integra: JOÃO, ROMANOS E HEBREUS, se assim fizer, NINGUÉM NUNCA MAIS VAI TE ENGANAR, posteriormente, leia o Novo Testamento na ordem cronológica da mais provável seqüência de sua produção: 1ª. e 2ª. Tessalonicenses; Gálatas, Efésios, 1ª. e 2ª. Coríntios, e Romanos; Colossenses, Filemom; Filipenses, 1ª. e 2ª. Timóteo e Tito; 1ª. Pedro; Marcos; Mateus; Hebreus; Lucas; Atos; Tiago, Judas 1ª.,2ª. e 3ª. João; o evangelho de João, 2ª. Pedro; e Apocalipse.

6. Relativizam Cristo pelas escrituras, ao invés de relativizar as escrituras por Cristo:

Alguns relativizam cristo pelas escrituras; eu relativizo as escrituras por cristo: Todos temos o direito de discordar de um posicionamento e visão teológica de alguém, mas achar que a visão que possuimos é absoluta, perfeita ou o parâmetro para julgar as demais, é uma ingênua prepotência e arrogância. Enquanto não assumimos nossa relatividade e limitação, vivemos nessa ingênua prepotência de defender o "Evangelho puro e simples", quando na verdade defendemos o que julgamos que seja puro e simples. Alguns relativizam Cristo pelas escrituras; eu relativizo as escrituras por Cristo, afinal Ele é eterno; a escritura é histórica; Ele morreu por mim na Cruz; a escritura testifica dEle. Abraão que tanto pregamos, o Pai da fé, sequer conheceu escritura, mas Cristo morreu por Ele também; Os apóstolos e os cristãos até o século IV não tinham o que chamamos de bíblia e nem por isso tinham menos "Palavra de Deus". O parâmetro de alguns é a escritura, de outros (inclusive o meu) é Cristo (que obviamente conheço pela escritura).

7. A teologia

A sabedoria e ciência são um dom de Deus! (1 Coríntios 12:7-12). A teologia é uma ciência, ela nos ajuda a compreender melhor a situação geográfica e contexto histórico de materiais oriundos de outro idioma, outra cultura e outra realidade. No caso da bíblia, ela nos fornece ferramentas de entendimento histórico contextual, ela nos ajuda por exemplo a entender que um significado recente de uma palavra não é o mesmo do usado naquela época, ajuda nos a entender as figuras de linguagem, hipérboles, etc. Entendendo o contexto histórico, saímos dos versos isolados e podemos compreender o todo, o por que um personagem bíblico disse o que disse, para quem disse, e quais as circunstâncias que o levaram a dizer.

Há muitas pessoas que rejeitam as ferramentas de entendimento, por isso fazem uma interpretação equivocada de textos bíblicos, levando a multiplicidade interpretativa, o qual é o principal gancho para a criação de tantas instituição divididas, que não entram em consenso umas com as outras.

Por isso, a rejeição da ciência é um verdadeiro retrocesso e não um avanço na ciência e no conhecimento de Deus. Existem teólogos, que estudam Deus a séculos (baseado no conhecimento de outros teólogos), um referenciando o outro e progredindo. Começar do zero sem ajudas das ciências teológicas apenas com os Evangelhos em PORTUGUÊS não é ousadia ou coragem, é insensatez. Uma vez que se tem uma base teológica e conhecimento histórico textuais e contextuais, tenha conhecimento de outras possíveis traduções, os teólogos conseguiram TRADUZIR O EVANGELHO

DO JEITO QUE ESTÁ HOJE AQUI EM NOSSAS MÃOS. SE NÃO FOSSE POR ELES

TRADUÇÃO DECENTE. Agora as ciências teológicas limitam-se a isso! LIMITA-SE A PARTE HISTÓRICO

SEM

ESTARÍAMOS



GEOGRÁFICA! Não podem revelar os mistérios de Deus, a religião também não pode, o LÍDER RELIGIOSO também não, mas somente o filho pode revelar e a quem ele quiser revelar (Mateus 11:27)

.

Mateus 11:27 “Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar.”

Portanto: A teologia é uma ferramenta HUMANA para auxilio e pesquisa direcionada ao campo histórico. Não é essencial, não é pre requisito e não salva ninguém. Ao que se refere a parte espiritual, um Cristão deve seguir a Cristo, ou SERÁ QUE CRISTO NÃO É O SUFICIENTE? Assuntos como processo de formação da bíblia, traduções, figuras de linguagem, e questões por menores não se aplicam a esse campo. SERÁ QUE O CRISTO PODEROSO, não tomaria medidas para que sua palavra seguisse séculos e séculos (não interessa como e nem por que meios), afim de que qualquer mortal tivessem acesso as suas palavras, pudesse se salvar e não fossem escravos de doutrinas de homens, como ele mesmo sugeria?

8. Ferramentas de sugestão, condicionamento, e manipulação bíblica.

Proibir os fiéis de estudarem a Bíblia sem estarem envolvidos na organização, dizer que o Espírito Santo é que interpreta a escritura, portanto a organização é infalível. Afirmar que o indivíduo está lendo a bíblia na “letra” ou na “carne” toda vez que não possuir argumentos mais coerentes. Dizer o termo “o que é espiritual se discerne espiritualmente” para ignorar passagens bíblicas advogando que a bíblia não é de particular interpretação (2 Pedro 1:20-21). Apelam para profecias apocalípticas para justificar a existência da organização, provando que a estrutura religiosa foi fundada por Deus. Sem falar quando citar a frase “A sabedoria do homem é loucura para Deus?” para todos que discordarem da organização. Por fim, colocam nome bíblico na instituição e seus líderes.

================================================================================== =FERRAMENTAS DE SUGESTÃO, CONDICIONAMENTO, E MANIPULAÇÃO BÍBLICA.

1.

Proibir os fiéis de estudarem a Bíblia sem estarem envolvidos na organização

2.

O Espírito Santo Interpreta a escritura, portanto a organização é infalível.

3.

Dizer que o indivíduo está lendo a bíblia na “letra” toda vez que não possuir argumentos mais coerentes.

4.

Dizer que o indivíduo está lendo a bíblia na “carne” toda vez que o argumento da organização for rebatido

5.

Dizer o termo “o que é espiritual se discerne espiritualmente” para ignorar passagens bíblicas.

6.

Dizer que a bíblia não é de particular interpretação (2 Pedro 1:20-21).

7.

Apelar para profecias apocalípticas para dizer que a organização religiosa foi fundada por Deus.

8.

Citar a Frase “A sabedoria do homem é loucura para Deus” para todos que discordarem da organização.

9.

Colocar nome bíblico na instituição e seus líderes.

1.

Proibir os fiéis de estudarem a bíblia sem estarem envolvidos na organização

se perguntou por que a igreja medieval dizia que não podíamos estudar a Bíblia? A igreja católica medieval dizia que

não podíamos estudar as escrituras sem a iluminação dela, a protestante de igual modo, diz que todos que estão fora de "igreja" somos do diabo e estamos sem o Espírito Santo, e parece que essa doutrinação medieval não morreu no catolicismo, muitas instituições protestantes plagiaram o argumento! Uma mente condicionada é cárcere da verdade. Não deixe que os outros dirijam sua mente.

2.

O espírito santo interpreta a escritura, portanto a organização é infalível.

O

discurso de que "O espírito Santo quem interpreta a bíblia, você está lendo na Letra" é o discurso mais inteligente que

eu

já vi! Esse discurso inibe qualquer um de questionar o ensino dos líderes, afinal é mais fácil acreditar que o líder tem o

espírito e você não, do que aceitar que ele está tentando te manipular impondo uma pseudo verdade para que você seja incapaz de pensar!

Deus nos deu racionalidade (afinal nos criou à imagem e semelhança dEle) para usar. Não existe nenhuma evidência de que seja função do Espírito revelar interpretações bíblicas a ninguém. Ele vem nos convencer do pecado, da justiça, do juízo e nos guiar para que olhemos para Cristo João 16:10 (e não para uma interpretação acerca do Cristo).



3.

Dizer que o indivíduo está lendo a bíblia na “letra” toda vez que não possuir argumentos mais coerentes.

"A Letra Mata" Muita gente usa essa passagem para entorpecer a capacidade de raciocínio e inibir a habilidade de questionamento dos fiéis em relação ao magistério da instituição. É um argumento brilhante, toda vez que alguém mostra argumentos coerentes contra a tradição interpretativa da religião, usam esse argumento. Espantosos não?

Apenas relembrando a história: Quando os reformadores provaram que a ICAR estava equivocada em alguns pontos, a solução foi apelar para esse argumento, assim as pessoas descartariam automaticamente todo e qualquer argumento que não fosse Católico! Que golpe! Esse foi a maior tática de alienação mental criado! A partir dessa permissão, só a ICAR poderia interpretar a bíblia, os protestantes não tem o discernimento de Espírito, “logo toda interpretação protestante é equivocada, ainda que pareça verdadeira, nem perca tempo ouvindo”!

Bom: De acordo com a bíblia, as passagens referentes ao termo "letra" podem ser vistas principalmente em (Romanos 7:6; 2 Coríntios 3:6)

No contexto da escritura se refere a Lei de Moisés. A Lei de Moisés mata, o espírito vivifica. A simples mensagem é: Não saia da graça para voltar para a Lei. Definitivamente não se refere a alguém que tem uma visão bíblica diferente do magistério de uma religião.

(A LETRA MATA): MUITOS DIZEM: “VOCÊ LÊ A BÍBLIA NA LETRA, POR ISSO NÃO ENTENDE!!!” A letra mata! Velho chavão! Engraçado é que quando citam isso, contradizem outro chavão deles mesmo: "Você esta isolando o versículo"! O que quer dizer o termo?

2 Coríntios 3:6 ”O qual nos fez também capazes de ser ministros de um ((novo testamento, não da letra)), mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica."

Romanos 7:6 ”Mas agora temos sido libertados da lei, tendo morrido para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice da ((letra))".

A lei de Moisés Mata, não voltemos A lei de Moisés! Só isso.

4. Dizer que o indivíduo está lendo a bíblia na “carne” toda vez que o argumento da organização for rebatido

Engraçado

"cristãs", logo vem o argumento (na verdade é a falta de argumento): "Você está na carne"

mostrar"

Quando a gente critica certas condutas e ensinos atuais, com base no Evangelho, de pessoas que se dizem

"Ore para o Espírito te

"Precisa de um encontro com Deus, pois está sem entendimento"

"Você está na letra"

Meu Deus, se alguém usa "letra" e "carne" para se referir a aplicação dos ensinos bíblicos na vida, então, já que essa

Na hora de citar, fora de

pessoa não está na letra, descarte a bíblia e pare de usar apenas o que e quando convém

contexto, o "Não toque no ungido", "Trazei todos os dízimos e reprenderei o devorador", "Dar dupla honra", "comerás o

melhor dessa terra", "Tudo posso naquele que me fortalece"

Aí a "letra" serve né, espertinho?

Por isso que o fundamentalismo deve ser combatido, pois essa mentalidade ("há uma interpretação perfeita e absoluta e ela sempre é a minha, pois é a revelação plena do Espírito a mim") degrada o homem e gera em nós uma espiritualidade "diabolicamente" egoísta e arrogant

5. Dizer o termo “o que é espiritual se discerne espiritualmente” para ignorar passagens bíblicas.

Quem foi quem disse que ser espiritual equivale a interpretar a Bíblia (orando antes) e pedindo ao Espírito Santo que revele a você o que já foi revelado no evangelho? MEDITE: Que espírito? Esse mesmo que divide o protestantismo em 40 mil denominações religiosas que não se entendem? Esse mesmo que revela uma coisa diferente para cada líder? Esse tipo de pensamento é perigosíssimo pois tira seu senso critico e sua capacidade de questionar gradativamente levando a pessoa a alienação mental e a subserviência total aos líderes religiosos.



Saiba a verdade, que talvez seu líder jamais vai te ensinar: Paulo sempre fez a seguinte associação: A velha aliança representa a Letra, a nova aliança o espírito, assim sendo, muitas coisas só fariam sentido para aqueles que tivessem a revelação completa de Deus, por isso é impossível alguém entender corretamente as sombras e figuras do Antigo Testamento sem ler a realidade apresentada no Novo Testamento! O contexto fala sobre maturidade, o espiritual é dado aqueles que tiveram a revelação da nova aliança (espírito) e não estão mais na letra (lei) As parábolas são O MELHOR exemplo de coisas que se discernem espiritualmente! Os exegetas e doutores da lei nunca compreenderam essas questões estavam sempre enganados, sempre levavam as parábolas que tinham um conteúdo profundamente espiritual, para histórias literais! Se teu pastor te enganou nisso, será que é só nisso que ele te enganou?

6. Dizer que a bíblia não é de particular interpretação (2 pedro 1:20-21).

Profecia é sinônimo de bíblia? Muitas pessoas usam esse verso para dizerem que “a bíblia não é de particular interpretação” ou seja, insinuam que somente um clero religioso específico pode interpreta-la, todavia, o contexto não é esse, Pedro se referia a livros proféticos, a profecias e não as escrituras! Pedro alerta para aqueles que estavam particularizando a interpretação de uma profecia para si, sendo tendenciosos em suas análises, mesmo Pedro tendo nos alertado, as pessoas ainda insistem em utilizar passagens proféticas para dizerem que essas passagens são atribuídas a elas.

Por exemplo: “E haverá terremotos, guerras e rumores de guerras” Então toda vez que existe um terremoto, e guerras as pessoas acham que Jesus está voltando, foi assim desde o século II até hoje, todas as gerações acreditam que estão vivendo o fim dos tempos!

Outro exemplo de profecia que cada um particulariza para si: Os evangelhos disseram que logo depois da morte dos apóstolos, instrutores apóstatas, de dentro da própria congregação, começaram a dominá-la. Falavam “coisas deturpadas, para atrair a si os discípulos”. (Atos 20:29, 30) O resultado foi que muitos cristãos ‘se desviaram da fé’. Foram “desviados para histórias falsas”. — (1 Tim4:1-3; 2 Tim 4:3, 4). Jesus predisse que o seu povo seria massacrado por esses apóstatas

da Fé, que dominaram a força o reino dos céus, derramando muito sangue (Mateus 24:3-35), posteriormente Deus

levantaria homens para revelar toda a verdade. As religiões interpretam a profecia assim: Dizem que elas próprias são “o povo levantado por Deus para revelar a verdade” dizem que são a religião certa, dizem que são representantes de Deus na

terra, julgando todas as outras como as “apóstatas” da profecia, basicamente todas pensam assim, todas usam profecias para se justificarem e provarem que são a religião certa, todas acreditam serem o povo levantado por Deus conforme dito nas profecias. O que é isso, se não particularizar uma interpretação para si mesmo?

Os Cristãos Gnósticos interpretam a profecia assim: No século II Marcião fez o primeiro Cânon da bíblia, pegou 3 cartas

Paulinas, o Evangelho de João e Lucas editado, queimou todo o resto e disse a seguinte afirmação: Que o CRIADOR DA MATÉRIA, do mundo material, foi um Deus falso, foi o diabo, o verdadeiro PAI ANUNCIADO POR JESUS foi o

criador do mundo espiritual, onde ninguém morre, onde ninguém sofre, onde não há catástrofes. Segundo eles, o Deus desse mundo material vai morrer, ele criou a necessidade das criaturas se matarem para sobreviver, ele criou a retaliação olho por olho e dente por dente onde o mais forte sobrevive, ele criou o mundo material cruel, imperfeito e cheio de catástrofes e desastres naturais, porque ele é uma criatura, ele é o diabo e se manifestou como Deus a Moisés dando uma

lei irrepreensível aos homens. Segundo eles, Jesus não teria nos "comprado" de seu próprio pai, mas sim do sanguinário

Deus Jeová que exigia sacrifícios de sangue. Assim todos nós fomos comprados para o mundo espiritual, e saímos da morte criada por Jeová para a vida. Marcião acreditava que DEUS DE JESUS não tem parte com essa mundo material

criado por Jeová, a carne feita por Jeová não entra no reino do pai de Jesus e que qualquer que fosse a tentativa de ligar Jesus ao Jeová da Lei seria manipulação da igreja em cima das escrituras!! Por fim ele declarou que Jesus nunca chamou Jeová de Pai, sempre dizia “foi dito” e não “meu pai disse” e que Jesus não revelou diretamente isso porque as pessoas não poderiam suportar a verdade, por isso dizia em parábolas! O QUE FIZERAM COM MARCIÃO? A IGREJA do séc

II

queimou MARCIÃO por Heresia! Os seguidos de Marcião ou gnósticos acreditam que a profecia se refere a ele, pois

ele

foi martirizado por dizer a “verdade” e que a igreja do Séc II era herética e se desviou da verdade!

Os Cristãos Católicos interpretam a profecia assim: A igreja católica sempre seguiu a tradição apostólica, Jesus deu autoridade a Pedro “o que ligares na terra será ligado no céu” Marcião foi o primeiro de muitos hereges a querer destruir a igreja fundada por Pedro, segundo eles, a igreja foi martirizada em Roma por dizer a verdade, depois surgiram os gnósticos, anabatistas, e Lutero que sairam de dentro da Igreja, trazendo o espírito da divisão, o espírito do diabo, o Joio que quis destruir a igreja.

Os Cristãos protestantes interpretam a profecia assim: A Igreja católica se desviou do ensino, veio a reforma protestante

levantando a verdade, o povo da reforma foi massacrado e assassinado, LOGO ESSA PROFECIA SE REFERE A REFORMA PROTESTANTE. VIU? Cada um diz o que quiser!! Mesmo Pedro tendo alertado que profecias não são de particular interpretação o povo particulariza as profecias para sua causa, para si próprios! Agora pregar o que Jesus



deixou explícito, que é ser bom, justo, misericordiosos, manso, humilde, atender os necessitados, ninguém quer, porque isso, não prende ninguém a uma facção religiosa, isso não dá lucro!

Jesus fez muitas profecias, mas não autorizou ninguém para interpretá-las, tal como fazem aqueles que fixam datas para o fim dos tempos, a volta de Cristo e os eventos apocalípticos. E assim o mais prudente é ficarmos apenas com as profecias interpretadas, que Jesus nos deixou literalmente. Dessa forma, corremos menos risco de errar e evitamos a “interpretação particular” que o apóstolo Pedro reprovou no texto de referência. Nenhuma profecia é de particular interpretação, mas o povo insiste em particularizar eventos proféticos para si.

7. Apelar para profecias apocalípticas para dizer que a organização religiosa foi fundada por Deus.

Como entender o livro de Apocalipse? Há pelo menos 4 grandes grupos de interpretação do livro do apocalipse (desde a que afirma que o livro é uma representação do passado até a que afirma que é uma revelação do futuro, do fim dos

tempos). É uma discussão que tem há muitos séculos, é interminável, praticamente todas tem bons argumentos e essa disputa não acabará. Jesus deu as profecias, mas não deu direito a ninguém de interpreta-las nem particulariza-las para si (2 Pedro 1:20-21). E quem de nós pode dizer qual é a correta (se é que alguma dessas é correta), não é verdade? Um dia

Enquanto isso considero que há tantas

prioridades, afinal, não importa qual seja a forma como tudo "acabará", pois se minha motivação para servir a Deus é isso,

estou no caminho errado. Tirou o foco da Cruz, complicou.

talvez saberemos, quando estivermos nos braços do Pai, gozando a eternidade

8. Citar a frase “a sabedoria do homem é loucura para Deus?” Para todos que discordarem da organização.

“Porque a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana, e a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem.

Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados. ((Poucos eram sábios segundo os padrões humanos)); poucos eram ((poderosos)); poucos eram de ((nobre)) nascimento. Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para ((envergonhar os sábios)), e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes. Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são, para que ((ninguém se vanglorie)) diante dele. É, porém, por iniciativa dele que vocês estão em Cristo Jesus, o qual se tornou sabedoria de Deus para nós, isto é, justiça, santidade e redenção, para que, como está escrito: "Quem se gloriar, glorie-se no Senhor". (Coríntios 1:25-31)

Todos pensavam que os doutores da Lei e lideres religiosos eram os REPRESENTANTES DE DEUS NA TERRA, Jesus deixou os humildes para representa-lo, envergonhando assim os líderes religiosos, e doutores da teologia. Será que hoje, ele não faz o mesmo? Infelizmente esse mesmo povo do sistema religioso usa essa passagem como escudo para combater as pessoas que ousam questionar seus dogmas, defendem o sistema humano da invencionice institucional dizendo que a sabedoria do homem é loucura pra Deus, calando assim qualquer que os questione, mas, não enxergam que o verso fala contra eles próprios do SISTEMA RELIGIOSO.

9. Colocar nome bíblico na instituição e seus líderes.

O objetivo é promover a idéia de que a organização – e somente ela – é imitadora oficial de Cristo, constituindo os protagonistas atuais da história dos servos de Deus na terra, excluindo-se todos os demais grupos e indivíduos que também advogam o cristianismo, promovendo a idolatria,ou seja, fazendo as pessoas acreditarem que Deus deixou uma organização religiosa para representa-lo; ─ A partir daí fazer você acreditar que esta organização foi deixada pelo próprio Deus, portanto a instituição é representante de Deus na terra, logo, abandonar a instituição é abandonar o Criador, questionar a instituição é questionar o Criador. Viver para instituição é viver para a obra do Criador, ser membro da instituição é a única forma de conhecer o Criador, o que é um ídolo se não aquele que USURPA o lugar do CRIADOR PARA SI, chamando para si tudo que é dEle, como se fosse o próprio.

A CAPÍTULO 4 Jesus e o Velho Testamento

================================================================================= =DIFICULDADES DO VELHO TESTAMENTO



1.

Adultério, assassinato, Amar o próximo e odiar o inimigo, olho por olho.

2. Sacrifícios,violência, apego às bênçãos materiais, escravagismo, apedrejamentos

1. Adultério, assassinato, Amar o próximo e odiar o inimigo, olho por olho.

“Foi dito, eu porem vos digo” PERGUNTA-SE: PORQUE JESUS FOI CONTRA O QUE FOI DITO NO VELHO TESTAMENTO?

Olho por Olho: Mateus 5:38, 39, encontramos as palavras de Jesus: “Ouvistes que se disse: ‘Olho por olho e dente por dente.’ No entanto, eu vos digo: Não resistais àquele que é iníquo; mas, a quem te esbofetear a face direita, oferece-lhe também a outra.” Pelo visto, nos dias de Jesus, alguns instrutores religiosos tinham incluído a chamada “lei de talião”, ou de retaliação, em sua tradição oral, para autorizar a vingança pessoal. Jesus, no entanto, deixou claro que a Lei de Deus não apoiava esse ensinamento.

Ame ao próximo e odeie seu inimigo: "Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;" Mateus 5:43-44 - A idéia de que se devia odiar os inimigos foi uma das coisas acrescentadas à lei de Deus pelos instrutores Judeus de tradições. Visto que a Lei ordenava que os israelitas amassem o próximo (Le 19:18), esses instrutores deduziram que isto implicava em odiar os inimigos. “Amigo” e “próximo” vieram a ser considerados como aplicando-se exclusivamente a Judeus, ao passo que todos os demais eram encarados como inimigos naturais. À luz do seu entendimento tradicional sobre o “próximo”, e em vista da tradição que fomentava o ódio pelos gentios, pode-se prontamente entender por que eles acrescentaram à declaração da lei de Deus as palavras não autorizadas “e odiar o teu inimigo”. Mt 5:43.não consegue superar o sério problema da imoralidade.

Adultério: Note como Jesus tocou na raiz de outro problema que causa muito sofrimento. Ele disse à multidão: “Ouvistes que se disse: ‘Não deves cometer adultério.’ Mas eu vos digo que todo aquele que persiste em olhar para uma mulher, a ponto de ter paixão por ela, já cometeu no coração adultério com ela. Se, pois, aquele olho direito teu te faz tropeçar, arranca-o e lança-o para longe de ti.” (Mateus 5:27-29) Jesus ensinou que o problema é mais profundo do que o próprio comportamento imoral. Está no que o precede: desejos imorais. Se a pessoa se recusa a alimentar desejos impróprios e ‘os arranca’ da mente, então consegue superar o sério problema da imoralidade.

Assassinato: “Ouvistes que se disse aos dos tempos antigos: ‘Não deves assassinar; mas quem cometer um assassínio terá de prestar contas ao tribunal de justiça’”, disse Jesus. “No entanto, digo-vos que todo aquele que continuar furioso com seu irmão terá de prestar contas ao tribunal de justiça.” (Mateus 5:21, 22) Jesus mostrou assim que a raiz do problema do assassinato é mais profunda do que o próprio ato violento; é a atitude que se desenvolve no coração do assassino. Se as pessoas não permitissem que o ressentimento ou a ira se desenvolvessem, não haveria violência premeditada. Quanto derramamento de sangue seria evitado se as pessoas aplicassem esse ensino!

Além disso, Jesus eliminou a maquiagem social daqueles que viviam de aparências, nos mostrando que o Pai não sonda o mero ato, mas os corações. Não é de se admirar que Cristo fazia inúmeras denúncias contra a hipocrisia religiosa, jogando baldes de água fria naqueles que se acham Santos por não pecarem na exterioridade.Jesus reforçou que a reconciliação com o Pai, bem como a nossa salvação, vem exclusivamente pela misericórdia de Deus, porque para Deus todos pecamos, ainda que no pensamento, de modo que todos nós precisamos da graça e da misericórdia de Deus.

Está claro na bíblia, que nós seres humanos não conseguimos viver a altura da perfeição de Deus. A lei nos revela justamente isso, o quão distante estamos da justiça de Deus, a lei revela para nós a nossa condição de pecador, a nossa insuficiência em cumrpi-la e a necessidade de Cristo para cumpri-la em nosso lugar. (Rm 3:10-24)

2. Sacrifícios,violência, apego às bênçãos materiais, escravagismo, apedrejamentos

Os sacrifícios eram um memorial do Cristo que viria um cordeiro inocente a ser sacrificado pela limpeza moral.

Quanto a “Violência, apego às bênçãos materiais, escravagismo, apedrejamentos, preconceitos contra mulheres e deficientes físicos, assim como outras barbaridades, são fatos hediondos suficientes para caracterizar o VT como abolido (2 Co. 3:14), obsoleto (Hb. 8:13), fraco e sem utilidade (Hb. 7:18).”



Apesar de muitos teólogos justificarem as matanças no velho testamento como sendo necessárias para a formação do estado de Israel, quem conhece Jesus e sua mensagem percebe: É muito provável que em algumas ocasiões “aquele” que falava com Moisés, Josué e algumas vezes para Davi e Salomão era um, e o que falava com os profetas era outro, o Pai de Jesus. Compare a dialética deles. Um mandava matar o seu irmão, seu amigo, seu parente, velhos, jovens, moços, moças, crianças e mulheres, até o total extermínio; Êxodo 32:27-28 Ezequiel 9:4-6. Mandava Davi dançar depois de matar centenas de pessoas inocentes. Mas o que falava por Jeremias e Isaias por exemplo, sempre denunciava essas matanças infundadas, “Mas você não vê nem pensa noutra coisa além de lucro desonesto, derramar sangue inocente, opressão e extorsão. " Jeremias 22:17 “não oprimirem o estrangeiro, o órfão e a viúva e não derramarem sangue inocente neste lugar, e se vocês não seguirem outros deuses para a sua própria ruína” Jeremias 7:6 Se o Criador tivesse ordenado tal matanças, porque ele mandaria seus profetas denunciá-las? Que história é essa?

Jesus citou o V.t o que a seu respeito constava, em Moisés, nos profetas e nos salmos, (Lucas 24:27,44,45) mas em momento algum ele disse “fique com Moisés” Precisamos, ler o todo da bíblia a partir de Jesus e saber que todos os mandamentos, estatutos e juízos do V.t foram anulados em Jesus! (2 Coríntios 3:7, 14; Galatas 3:19-27; Atos 15:5-12)

Cristo, tomando da antiga lei o que é eterno e divino e rejeitando, o que era transitório, e o que era puramente disciplinar e de concepção humana, rejeitando o que não eram de seu Pai eterno (João 1:17).

Quando Jesus se referiu ao VT, Ele disse: "está escrito" ou "foi dito aos antigos", como vemos em Mateus 5:21, 27, 38, 43), mas quando Ele próprio ensinava daquilo que Ele havia recebido do Pai, Ele dizia: "porem Eu vos digo" (Mateus 5:28, 32, 34, 39 ,44), o que significa que Ele tinha uma mensagem personalizada e autêntica. Para um Cristão, pelo visto, nos dias de Jesus, alguns instrutores religiosos tinham incluído a chamada “lei de talião”, ou de retaliação, em sua tradição oral, para autorizar a vingança pessoal. Jesus, no entanto, deixou claro que a Lei de Deus não apoiava esse ensinamento. Por isso, só é LEI AQUILO QUE JESUS CONSIDEROU COMO SENDO LEI.

Tá ai a confusão.

============================================================================== =JESUS E O VELHO TESTAMENTO: JESUS É O MESSIAS: ELE VEIO NOS SALVAR DE QUE?

1. Jesus e o velho testamento: As alianças com Deus.

2. Onde está escrito no velho testamento que Jesus deveria morrer?

3. Onde está escrito no velho testamento que Jesus é o Messias?

4. Por que Jesus teve que morrer?

5. Por que temos que pagar pelo pecado de Adão?

6. Deus não poderia simplesmente perdoar?

7. Por que Deus não destrói Satanás?

8. O fim da religião é Cristo?

1. Jesus e o Velho Testamento: As alianças com Deus.

Desde os primórdios o Criador, fez varias alianças com o homem, dentre as principais estão as alianças com Adão, Noé, Abraão, Moisés e a ultima aliança, com Jesus, um pacto feito para nós. Antes do sacrifício de Jesus, estava em vigor a aliança com Moisés, a velha aliança ou antigo testamento, este foi feito exclusivamente para o povo de Israel, descendestes de Abraão, o povo liberto da escravidão do Egito, (Dt 4:44), (Os. 11:1), (Dt. 23:3-5), (Is 43:3),(1 Cr 29:18), (1 Cr 17:24), (Gn 17:19) todo aquele que não fosse Israelita era chamado Gentio, e não faziam parte da aliança com Deus, (Efésios 2:11-12) (nós Brasileiros por exemplo nunca fizemos parte desta aliança visto que nunca fomos de Israel, na época seríamos Gentis, que eram considerados prostitutas imundas aos olhos daquela aliança), e o mediador do Velho Testamento foi Moisés (Nm 31:31),(Gl. 3:19). Já o Novo Testamento ou aliança com Jesus, foi feita para toda a humanidade, significando assim o fim da lei de Moisés (2 Co 3:14) (Rm 10:4), (Rm 8:2-4), (Gl 2:16-19), e o mediador é Jesus, não havendo mais a necessidade de um líder, sacerdote ou Pastor que faça a intercessão entre Deus e homem.

Paulo o apóstolo abandonou o sistema religioso Judeu do antigo testamento (Gl 3:13), (Fp 3:5-8), para abraçar a nova aliança e seguir os ensinamentos de Cristo, que reforçando, foi o último pacto que o Criador fez com a humanidade. Em termos de conduta para a salvação o Novo Testamento invalida o velho, assim sendo, hoje somos filhos de Deus, e não mais “Servos de Deus” como no velho testamento. (Gl 4:6-7). Paulo nos alerta para não buscarmos recursos no Velho Testamento para obtermos a vida eterna, nem imitarmos os Judeu, pois esta foi a palavra de Deus para outro povo e não devemos retornar a ela. Quando você retorna a velha aliança, é o mesmo que negar o sacrifício de Cristo, estes são chamados Anticristo. Portanto a aliança de Moisés não é para nós, nunca foi, esta aliança foi abolida com o sacrifício do filho de Deus (Hb. 8:6, 9:15; 12:24), que foi provado ser Jesus (Zc 9:9) (Is 53) (Sl. 89:34-37), (Sl. 2:7-9), desde então



eliminou se a necessidade de sacrifícios, holocaustos, manifestações físicas, sacerdócio levítico, intercessores entre o Criador e o homem, cultos judaicos etc (Hb 4: 14-16), (Hb 5:1), (Hb. 7:12). O único intercessor, pastor e sacerdote passou

a ser Jesus Cristo e nenhum outro homem (1 Tim 2, 5 e 6),( Hb. 8:1-2).

Quando Jesus viveu sobre a terra todos estavam sobre os mantos da lei de Moisés, era comum que ele instruísse sobre os preceitos da lei aos Escribas e Fariseus, estes eram Judeus e deveriam cumprir a lei desta aliança, ate que o sacrifício de Jesus fosse consumado (João 19:30) Jesus também fazia leituras do Velho Testamento, afim de provar através das escrituras, que ele era o Filho de Deus, o Messias, que como Deus prometeu, traria fim a Lei de Moisés cumprindo-a com seu sacrifício e trazendo uma nova aliança, que incluiria os Gentios (Atos 26:23). Nela o amor a Deus, está vinculado ao amor ao próximo, logo, amando ao próximo, declaro que amo a Deus (I João 4:20-21),( Rm 13:8).

Jesus quem nos conduzirá ao Pai e não Davi, sua igreja ou seu Líder, devemos ouvir o que Jesus disse aos Gentios, andar como ele andou, não é andar como seu Líder religioso, Jesus é o caminho, é o exemplo perfeito para conduta humana, e suas palavras estão no Novo Testamento, ninguém vai ao Pai, senão por ele (João 14:6). Pergunta: Acaso foi Abraão, Moises, Davi ou seu líder religioso que fez um imenso sacrifício, morreu e depois ressuscitou por ti? Porque as pessoas tem esses homens como exemplo e não a Jesus?

2. Onde está escrito no velho testamento que Jesus deveria morrer?

Os sacrifícios eram um memorial do Cristo que viria um cordeiro inocente a ser sacrificado pela limpeza moral.

Isaías predisse que o Messias seria rejeitado, “cortado da terra dos viventes”, e sua vida serviria “como oferta pela culpa”. Ele ‘traria uma posição justa a muita gente; e ele mesmo levaria os erros deles’. (Isaías 52:13–53:12; Levítico 7:1) Ele proveria o sacrifício para “encerrar o pecado, e para fazer expiação pelo erro”. — Daniel 9:24. Como o Messias faria “cessar o sacrifício e a oferenda”? — Daniel 9:27. Depois do sacrifício perfeito do Messias, outros sacrifícios não seriam mais necessários nem exigidos por Deus. É por isso que Deus permitiu que o templo fosse destruído e que os sacrifícios cessassem.

Jesus veio cumprir a Lei: É verdade que Jesus disse: “Não penseis que vim destruir a Lei ou os Profetas. Não vim destruir, mas cumprir.” (Mateus 5:17) Mas o que essa expressão “cumprir” significa? Para ilustrar: Um construtor cumpre um contrato para fazer um edifício, não por rasgar o contrato, mas por terminar a construção. No entanto, depois que o cliente fica satisfeito com o resultado do trabalho, o contrato termina e o construtor deixa de estar sob a obrigação de cumpri-lo. Da mesma forma, Jesus não quebrou, ou rasgou, a Lei; em vez disso, ele a cumpriu por segui-la perfeitamente. Depois de aquele “contrato” da Lei ter sido cumprido, o povo de Deus já não estava mais sujeito a ele.

3. Onde está escrito no velho testamento que Jesus é o Messias?

Será que alguém foi capaz de cumprir as profecias sobre o Messias? Apesar do conceito negativo que muitos têm de Jesus, vale a pena considerar o que ele disse e fez. Portanto, (Daniel 9:24-26) foi predito que o Messias apareceria antes da destruição do Segundo Templo. As “setenta semanas” de anos — 490 anos — começaram em 455 AEC, o ano em que

o rei persa Artaxerxes autorizou Neemias a restaurar e reconstruir Jerusalém. As 69 semanas “até o Messias, o Líder”,

terminaram em 29 EC. Onde o Messias nasceria? “—Miqueias 5:2 Que tipo de pessoa seria o Messias? — Isaías 11:1, 2, 4, 10. O que Moisés disse sobre o Messias?— Deuteronômio 18:15. Que promessa Deus fez a Davi com respeito ao Messias?— 2 Samuel 7:12, 16. Muitas pessoas acharam que Jesus cumpriu essas profecias, pois ele apareceu na época certa, no lugar certo e era descendente de Davi. (Mateus 1:6, 16; Lucas 2:4-7) Se Jesus não foi o Messias, não há Messias, pois de acordo com as profecias ele estaria 2000 anos atrasado.

4. Por que Jesus teve que morrer?

Primeiramente precisamos entender “o porquê da existência do Messias” através da cronologia bíblica.

1 . Deus criou um reino, onde Ele era o governante absoluto, dando a responsabilidade ao homem, para que trabalhasse cooperando para que ordem e a harmonia fossem mantidas. O Gênesis chama esse reino de Éden.

2. Satanás questionou o governo de Deus e queria provar que Deus estava errado. Acusou o homem de segui-lo apenas por interesse. Muitos anjos concordaram com Satanás e o seguiram. Aqueles que não o seguiram, ficaram em dúvida.



3.

Para que não houvesse mais dúvidas sobre a soberania do governo de Deus, foi dado a Satanás a oportunidade de

provar que ele estava certo e Deus errado. Isso provaria de uma vez a todos que tinham dúvida se o governo de Deus era

ou não era absoluto. Após Satanás provar seu fracasso, não haverá mais espaço para outras rebeliões, o caso estará judicialmente julgado e satanás despojado.

4. Satanás convence o homem a dar as costas para o governo de Deus e passa a ser o governante da humanidade. A

ordem, a harmonia e a beleza ética pretendida por Deus se perde, a ordem volta para o caos e a Terra torna-se seca e árida.

5. Deus separou uma nação para governar, através de leis que manteriam a integridade do povo, sendo um tutor até a

vinda de Cristo. Todas as outras nações eram governadas por Satanás. O Deus desse mundo, Satanás enganou todas as nações, com ensinos comuns entre todas elas desde o antigo Egito até os gregos.

- Trindade pagã

- Vida após a morte e não a ressurreição.

- Rejeição do governo de Deus e glória ao governo mundano. [Felicidade, paz e prosperidade nesse reino]

- Desprezo a verdade, relativismo - a verdade é relativa.

6. Cristo veio restabelecer o reino que o homem havia perdido, assim, legalmente Deus fez o inverso, se pela obra de

desobediência de um só homem todos se tornam mortais, pela obra de justiça de um só homem todos se tornam eternos, tudo foi estabelecido novamente, e o homem obtém novamente o direito de reinar no paraíso perdido de Adão pela ressurreição no último dia providenciada pela morte de Cristo. A vida de Adão trouxe a morte, mas a Morte de Cristo trouxe a vida. Foi a solução jurídica legal e justa que Deus encontrou para resgatar os descendentes de Adão que nada tem a ver com isso. Esse é o Reino de Deus.

7. Devemos rejeitar o governo desse mundo, eles não estão sob autoridade de Deus. O reino de Deus, não é desse mundo,

não vai ter dor, sofrimento, injustiças, lágrimas nem tristeza, todos serão felizes e livres da natureza pecadora que estava no nosso sangue, adivinda do fruto da arvore. O sacrifício de Cristo será aplicado na nossa ressureição, quando obteremos um corpo incorruptível, sem pecado, sem a inclinação para o pecado, sem a morte, sem a dor, sem o sofrimento. Por isso, Deus não tem interferido no governo de Satanás. Se Deus impedisse os crimes horríveis, eventos catastróficos e doenças por exemplo, Deus estaria apoiando a causa dos rebeldes, ajudando os a governar, assim ele seria cúmplice duma farsa.

Pelo fato de sermos seres caídos, nossa justiça é trapo de imundice para com o Criador, assim, Jesus tomou sobre si o nosso pecado, a nossa culpa! (Isaías 53:4 ) Toda a divida que tínhamos por não conseguir cumprir a lei de maneira perfeita, de fato, está paga pelo sacrifício de Cristo (Col 2:14 ) Não importa o quanto nos esforcemos, façamos boas obras, nunca mereceríamos a graça e a misericórdia de Deus (2 Cor 3:5 ) Jesus morreu para restabelecer o reino perdido por Adão, para nos reconciliar com Deus pela misericórdia, para nos libertar de homens e intercessores.

Sim, o fim dos sacrificios, das ofertas, dos templos, da religião, de rituais e de tudo que deveriamos conquistar por méritos próprios para aplacar a ira de DEUS é Cristo para a justiça de todo aquele que nele crê. Nos trouxe liberdade para congregar em qualquer lugar, desvinculado de empresas, “onde estiver dois ou mais reunidos em seu nome” ali está ele (Mateus 18:20). Nos trouxe O corpo de Cristo em que está assentado em um reino espiritual e para além de congregações físicas nos livrando de entidade política, física, denominacional e mundana (Jo 2:19).

Acabou com o monopolio do Deus reducionista institucional judaico estendendo a adoração pra fora da religião, uma adoração em espírito, uma adoração que NÃO limitada a geografia, não atrelada mais a ritualismos, exterioridades, não mais limitada a locais sagrados, MAS aplicada a internalidade, ao mapa do coração a todos os povos. Mostrou a desnecessidade de adorar a Deus num templo, numa instituição e horário especifico Mas mostrou que adora-se a Deus é no lazer, na rua, no trabalho e onde quer que estejamos (João 4:21-23)

5. Por que temos que pagar pelo pecado de adão?

Adão rejeitou o governo de Deus, e sua descendência conseqüentemente pagou por isso.

De fato, o Criador não poderia ser justo, fazendo-nos pagar por um erro cometido por outra pessoa no passado. A solução legal que Ele encontrou foi Cristo, ele teve um papel fundamental, um meio jurídico e legal para nos transportar da morte herdada por Adão para a vida herdada por Cristo. Foi por isso que Jesus ofereceu a própria vida como sacrifício por nós para que, possamos ter o perdão de Deus e a limpeza moral.

1 Coríntios 15:21 Visto que a morte veio por meio de um só homem, também a ressurreição dos mortos veio por meio de um só homem.



Romanos 4:25

O qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação.

Romanos 5:19 Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos.

Romanos 11:32 Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia. Cristo veio restabelecer o reino que o homem havia perdido, assim, legalmente Deus fez o inverso, se pela obra de desobediência de um só homem todos se tornam mortais, pela obra de justiça de um só homem todos se tornam eternos, tudo foi estabelecido novamente, e o homem obtém novamente o direito de reinar no paraíso perdido de Adão pela ressurreição no último dia providenciada pela morte de Cristo. A vida de Adão trouxe a morte, mas a Morte de Cristo trouxe a vida. Foi a solução jurídica legal e justa que Deus encontrou para resgatar os descendentes de Adão que nada tem a ver com isso. Esse é o Reino de Deus.

6. Deus não poderia simplesmente perdoar?

Ele não pode se contradizer e ser acusado pelo opositor de injusto. Se ele deu uma sentença ele deve cumprir. Se ele disse que ao comer do fruto, o homem morreria, isto deveria acontecer, pois Deus não pode mentir. Adão se tornou animal, este produziu mais animaizinhos. Mas assim como na natureza existe a doença, também existe ao lado a planta que serve de remédio para essa Doença. Esse remédio para desfazer a doença da morte e do pecado se chama Jesus. Cristo morreu para nos justificar! Deu sua vida para nos descontaminar da doença hereditária da morte. Como estamos contaminados com o fruto de Adão e Eva, somos meros animais, e na condição de seres caídos, para DEUS, nossa justiça é trapo de imundice! Nenhum de nós é bom o suficiente para herdar o paraíso! Por isso, se Deus fosse usar a justiça sobre o homem caído, todos estariam condenados. A justiça de Deus caiu sobre Cristo, ele foi o substituto, Jesus foi a solução jurídica para Deus usar a misericórdia sem infligir sua justiça. Uma "troca" Morte pela Vida. A partir da morte de Cristo, nossa relação com Deus podê ser restaurada somente por Jesus e seu Sacrifico!

Por isso, Deus não nos dá o direito de comprar nossa salvação pelos nossas obras, esforços e méritos próprios, porque Cristo uma vez já comprou esse direito para nós. (Rm 3:23-24 I Rm 11:32) ela veio de graça, se é graça, não é mérito. E por que é de graça? Por que não tivemos culpa da transgressão de Adão, Deus sendo justo, providenciou um meio legal para que nós recuperássemos a vida eterna que Adão perdeu.

O Evangelho é essa "boa nova", é "boa notícia". E que notícia é essa? A vida eterna que Adão perdeu é restabelecida. Que

Deus estava em Cristo reconciliando o mundo consigo. (II Co 5:19). Tudo vem de Deus. Somos reconciliados, perdoados, salvos por méritos de Cristo e não, por obra nossa. Não temos participação (se tivéssemos, não seria Graça). Apenas cremos, tomamos consciência desse amor e descansamos nessa Graça, procurando viver, constrangidos em amor, a vontade dEle, mesmo que de forma imperfeita neste mundo.

Romanos 3: 24 “Sendo justificados ((gratuitamente)) pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.”

Graça, por definição, é FAVOR IMERECIDO, logo, se é em troca de algo, é por merecimento, é recompensa ou pagamento por algo que faço.

João 3:16-18 “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que ((todo)) aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. ((Quem crê nele não é condenado)); mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus”.

7.

Por que Deus não destrói satanás?

O

caso contra Satanás servirá para sempre como base jurídica. Se surgir de novo um desafio similar, o julgamento

envolvendo Satanás poderá ser apontado como um exemplo que não precisará ser repetido. O CRIADOR sabe que o caso

contra satanás beneficiará a todos, principalmente aqueles que tinham dúvida sobre a soberania de seu governo.



8.

O fim da religião é Cristo

Não adianta dizer que Cristo morreu por nós e dai?? Morreu pra que??

JESUS NOS LIBERTOU DA RELIGIÃO

Para que a relação Criador e criatura NÃO passasse por uma instituição e HOMENS (Mc 9:39; Mt 6:6;Rm 8:39) Para que uma corporação erguida por homens não intercedesse por nós (1 Timóteo 2:5) Para que O caminho, a verdade, a vida, não viessse mais a ser um templo, uma denominação, uma organização religiosa, uma empresa especializada (João 14:6)

SIM, O FIM DOS SACRIFÍCIOS, DAS OFERTAS, DOS TEMPLOS, DA RELIGIÃO, DE RITUAIS E DE TUDO QUE DEVERÍAMOS CONQUISTAR POR MÉRITOS PRÓPRIOS PARA APLACAR A IRA DE DEUS É CRISTO PARA A JUSTIÇA DE TODO AQUELE QUE NELE CRÊ

Nos trouxe liberdade para congregar em qualquer lugar, desvinculado de empresas, “onde estiver dois ou mais reunidos em seu nome” ali está ele (Mateus 18:20)

Nos trouxe O corpo de Cristo em que está assentado em um reino espiritual e para além de congregações físicas nos livrando de entidade política, física, denominacional e mundana (Jo 2:19)

Acabou com o monopólio do Deus reducionista institucional judaico estendendo a adoração pra fora da religião, uma adoração em espírito, uma adoração que NÃO limitada a geografia, não atrelada mais a ritualismos, exterioridades, não mais limitada a locais sagrados, MAS aplicada a internalidade, ao mapa do coração a todos os povos. Mostrou a desnecessidade de adorar a Deus num templo, numa instituição e horário especifico Mas mostrou que adora-se a Deus é no lazer, na rua, no trabalho e onde quer que estejamos (João 4:21-23)

Sobre tudo Jesus tomou sobre si o nosso pecado, a nossa culpa! (Isaías 53:4 ) Toda a divida que tínhamos por não conseguir cumprir a lei de maneira perfeita, de fato, está paga pelo sacrifício de Cristo (Col 2:14 ) Não importa o quanto nos esforcemos, façamos boas obras, nunca mereceríamos a graça e a misericórdia de Deus (2 Cor 3:5 )

=========================================================================== =LEI DE MOISÉS

1. Os Cristãos devem seguir o Velho Testamento e suas leis?

2. O Velho Testamento e suas leis foram feitas para quem? Era transitório ou permanente? Até quando?

3. Por que Deus não quer que nós sigamos mais as Leis Mosaicas? Deus mudou seus padrões?

4. Deve os Cristãos guardar o sétimo dia, o sábado ? Qual é o seu significado?

5. Deve os Cristãos guardar os Dez Mandamentos?

6. Estavam os Dez Mandamentos em vigor antes da Lei de Moisés?

7. Quanto é que a bíblia faz acepção entre lei moral e lei cerimonial

8. Fez Jesus a distinção entre Lei Cerimonial e Lei Moral de tal modo que indicasse divisão dela em duas partes?

9. Quais são as sombras das coisas futuras, metáforas e parábolas do Velho Testamento?

10. Lei ou Evangelho?

1. Os cristãos devem seguir o velho testamento e suas leis?

Deus deu a Moisés os Dez mandamentos que refletem o caráter dEle. Conforme as pessoas foram transgredindo-os, foram adicionados centenas de preceitos, chamados de Lei de Moisés, aplicáveis as pessoas que não obedeciam esses mandamentos.

Então a Lei Dizia “não roubará”, mas e se o indivíduo roubar? Então para proteger os inocentes, vem os preceitos de Moisés, que diziam que aquele que roubar deverá retribuir 4 vezes mais! ─ E se ele não tiver dinheiro? Então ele deverá trabalhar para pagar a sua dívida, dependendo do valor da dívida ele se tornava um escravo! ─ E se ele se recusar a trabalhar de graça? Então viria mais uma infinidade de preceitos legislativos que condenavam as pessoas, conhecidas por ministério de condenação (2 Cor 3:9) e maldição da Lei (Gl 3:13), pois condenava e punia os transgressores!

A lei dizia "Não matarás", mas Jesus diz que basta sentir raiva de alguém pra isso valer como homicídio. A lei dizia "Não adulterarás", mas Jesus diz que basta cobiçar uma mulher para você ser culpado de adultério, Jesus nos mostrou que os mandamentos eram muito mais profundos, e que seu Pai sondava o mapa dos corações e não das exterioridades que eram



vistas pelos homens, por isso, Jesus ensina que ninguém deve apontar o dedo e julgar os pecados de seu próximo por exterioridades. Todos nós pecamos, de modo que, julgando os outros pecadores, nós nos condenamos a nós mesmos!

Jesus nos mostra que para DEUS, nossa justiça é trapo de imundice! Ele exige a perfeição, assim, nenhum de nós é bom o suficiente para ir para o céu! Não importa o quanto nós nos esforcemos para sermos justos diante de Deus através dos nossos méritos. Aos olhos de Deus você é um adúltero, ladrão e mentiroso. Isso por que herdamos a condição de Adão, o fruto da árvore do mal está em nossas veias e não podemos fazer nada para nos livrar dele.

De acordo com as escrituras, por causa de Adão, somos moralmente culpados perante Deus. Espiritualmente, somos separados d’Ele! De um lado sua justiça, os quais exigem punição ao pecado, justamente merecida. Por outro lado estão o amor e a misericórdia de Deus, os quais exigem reconciliação e perdão. Ambos são essenciais à natureza Dele e estão relacionados um com o outro. O que Deus deve fazer com este dilema? A resposta é Jesus Cristo! Na cruz Jesus se fez maldição em nosso lugar e tomou sobre si o nosso pecado, a nossa culpa. (Gál 3:13), e todo o escrito de divida contra nós anulado, através da Cruz do calvário (Col 2:14). Jesus foi o meio jurídico legal para nos resgatar dessa condição mortal herdada por Adão. Pois é, pela desobediência de um só, muitos se tornaram pecadores. Deus fez o caminho inverso. Pela obediência de um só, Jesus, e pela sua morte, muitos serão feitos justos (Romanos 5:19). Foi por isso que Jesus ofereceu a própria vida como sacrifício por nós para que, possamos ter o perdão de Deus e a limpeza moral. Um cordeiro sem culpa, sem pecado, cumpriu a Lei, para nos justificar perante Deus, uma lei que nós não teríamos condições de cumprir por nossos próprios esforços por causa da nossa natureza pecaminosa HERDADA DE ADÃO.

DEUS NÃO NOS PUNIRÁ POR NOSSOS PECADOS PORQUE CRISTO JÁ FOI UMA VEZ PUNIDO POR ELES. COMO PODERIA DEUS SER JUSTO, SE PUNE O SUBSTITUTO, E ENTÃO O PRÓPRIO HOMEM MAIS TARDE. C.H. SPURGEON

Fomos salvos pela graça, pela misericórdia e pelo amor dEle pelo sacrifício de Cristo. Não se pode comparar a dádiva de Deus, por que, se a salvação fosse por obras, seria justo pagamento e não graça (Rom 4:4; Rm 11:6)! Dessa forma, diante de Deus, nenhum tipo de obra nos justifica! Obras não são para Deus e sim, para nosso próximo. Quem nos reconcilia com Deus é Cristo. E como por consciência, constrangidos em amor, por sermos já salvos na Cruz. É por gratidão que fazemos o bem ao próximo. Tanto frutos como obras NÃO SÃO CAUSA de salvação e sim, CONSEQUÊNCIAS da salvação que nos alcançou

Em suma, o evangelho não nos ensina a ser cínico e pecar de propósito posto que estamos salvos por Cristo, não, mil vezes não, o evangelho ensina que devemos tentar, ou seja perseverar em fazer o bem e não pecar, porem, se pecarmos temos um advogado que nos perdoa sempre.

Como a Lei de Moisés, era um ministério de condenação aplicável aos transgressores, nossos substituto foi Cristo que já foi condenado, assim, não precisamos observá-la, nem mesmos os preceitos cerimoniais que eram um memorial e sombras do Messias que viria. Já os dez mandamentos, devem ser observados, MAS NÃO NAQUELE FORMATO DADO A ISRAEL, Jesus deixou claro que a Lei é amor a Deus e ao próximo, não era um mero mandamento, e sim a essência deles encarnados em nossas consciências.

A ética estabelecida por Jesus supera tudo que já houve em matéria de lei moral e toda e qualquer possibilidade dentro da ética humana. Em Cristo não existe mais uma lista de obrigações e regrinhas que geram jactância, senso de justificação , hipocrisia e legalismo, mas é um fruto natural e espontâneo do espírito encarnado em forma de caráter, expansão de consciência e relacionamento humano demonstrado em nossas atitudes diárias (Mateus 5).

Cristo mostrou ainda, que o significado do sábado, não era um mero mandamento, era um memorial do ultimo dia, uma sombra do Messias (Ele), pois ele era o “Senhor do sábado”.

2. O velho testamento e suas leis foram feitas para quem ? Era transitório ou permanente? Até quando?

Logo, para que foi a lei de Moisés? O Velho Testamento e suas leis foram feitas por causa dos injustos, dada exclusivamente para os Judeus, até que viesse o Messias e a cumprisse, era transitório até a vinda de Cristo. ( Levítico 26:46; Rm 9:4; Gl 3:19-27; Rm 7:6) O Messias veio para cumprir o propósito da lei, cravando a na Cruz, ou seja, que o fim da lei é Cristo. Por causa do sacrifício de Cristo e seu significado, os cristãos não estão sob as leis do Velho Testamento. Ele nos resgatou da maldição da lei, por que ela punia os transgressores [At 15:5-12] [1Cor 9:20-21] [ 2Cor 3:14] [Gl 3:19-27] [Gl 2:19] [Gl 3:10-13] [Gl 4:6-7] [Gl 5:1] |[Ef 15: 16] [Lc 16:16] Rm 3:10-28] [Rm 10:4] [Hb 7:18] [Jo 19:30] [Hb 7:12] [Hb 8:13] [Hb 9:1] Hb 10:26] [Hb 12:24] [Rm 4:14] [Rm 6:14] [Rm 7:6 ] [Rm 8:2] [Fl 3:5-9]

