Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.

br

1 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
De:

Plinio Marcos Moreira da Rocha <pliniomarcosmr@terra.com.br>

Para:
info@edic-cakovec.eu, edic@edd.hr,
Data:

Exibir todos destinatários

Qua 28/09/16 00:26

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: careuro@univ-st-etienne.fr, contact@europedirect-aisne.eu, europedirect@cg03.fr, europedirectaquitaine@cija.net,
contact@europe-gascogne.eu, crean.vire@educagri.fr, europe@infojeunesse.fr, cied71@cr-bourgogne.fr, cied21@crbourgogne.fr, europedirect@maisoneurope-brest.eu, carrefour@cpl.asso.fr, ipe-champagneardenne@crij-ca.fr, europe@infojeunesse16.com, contact@maison-europe27.org, contact@maisoneurope47.eu, info@europedirect-picardie.eu,
olivier.janoueix@maisoneurope78.eu, europedirect.stomer@yahoo.fr, ipe.toulouse@wanadoo.fr,
maisoneuropedouai@wanadoo.fr, europedirect@cg15.fr, maisoneurope.dunkerque@wanadoo.fr, ed.paca@free.fr,
europedirect@europe-fc.eu, info@maison-europe-nimes.eu, europedirectgrenoble@grenoble.fr,
maisoneuropederennes@gmail.com, europe@hauteloire.fr, crij-reunion@crij-reunion.com, contact.mde@europe-limousin.eu,
europedirectlr@gmail.com, europedirect@europe-rhonealpes.eu, centredoc@maison-europe-mayenne.eu,
contact@maisoneurope-nantes.eu, mij@mij.asso.nc, europe@paris-europe.eu, europe@crijpa.com, contact@europe-direct.fr,
europe-direct@ijcentre.fr, contact@europe-corse.eu, europedirectroubaix@adice.asso.fr, ciie@strasbourg-europe.eu,
maisoneuropetours@gmail.com, cied@cij95.asso.fr, europedirect85@ville-larochesuryon.fr, cied.vienne@ij-poitou-charentes.org,
europedirect78@yij78.org, contact@mde-lemans72.eu, europedirectppa@pistes-solidaires.fr, eurothierache@free.fr,
europedirect@cij77.asso.fr, europedirect.sudrhonealpes@gmail.com
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 28/09/2016 03h18min13s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: i.kawlowski@europedirect-lingen.eu, europabuero@memmingen.de, eiz@stk.niedersachsen.de, info@eu-infozentrumberlin.de, eiz@tsk.thueringen.de, epb@europa.bremen.de, kontakt@europabuero.info, europe-direct@kvhsbautzen.de,
europedirect@essen.de, europedirect@stadt-duisburg.de, info@europoint-ostalb.de, eu-infozentrum@rpgi.hessen.de,
ipe@infopoint-europa.de, europedirect@mail.aachen.de, info@europedirect-furth.de, europa@stadt-hagen.de, kas-sachsenanhalt@kas.de, eu@arl-bs.niedersachsen.de, europe-direct-brandenburg@bbag-ev.de, europa@vhs-coburg.de,
eu-do@agnrw.de, claudia.nikol@uzdresden.de, eu-infozentrum@wfe-erzgebirge.de, eu@euregio-bayern.de,
europahaus@jugendsozialwerk.de, eu-infozentrum@rpda.hessen.de, info@europa-jena.de, europa@kaiserslautern.de,
info@europa-union-sh.de, europedirect@stadt-koeln.de, info@europedirect-gt.de, eu-direct@kreis-lippe.de, europedirect@Lkos.de, ehl@europa-haus-leipzig.de, anja.reutter@ob.magdeburg.de, info@europedirect-mn.de, europedirect@muenchen.de, europe-direct@stadt.nuernberg.de, europa@odenwaldkreis.de, europa@vhs-leer.de, europe-directpotsdam@bbag-ev.de, post@eu-direct.info, info@europe-direct-stuttgart.de, eu-info@eash.de, europe.direct@stadtwuerzburg.de, ipe@stadt.freiburg.de, europa@rpk.bwl.de, europa@stadt.koblenz.de, info@europedirect-lueneburg.de,
bmeyer@eurooffice.de, europe-direct@kreis-offenbach.de, edr@eiz-rostock.de, europe-direct@saarbruecken.de,
europedirectulm@ulm.de, europe.direct@augsburg.de, europe-direct@ewibo.de, europedirect@euroregion-viadrina.eu
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 28/09/2016 03h14min29s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

Para: europedirectcorfu@pin.gov.gr, kroume@afs.edu.gr, europedirect@cityofathens.gr, europe.direct@eliamep.gr, europedirect@cci-ioannina.gr, europedirect@acci.gr, europedirect@crete.gov.gr, europedirect@olivetreeroute.gr, europedirect@anka.gr,
info@europedirectkomotini.eu, europedirect@thessaly.gov.gr, europedirect@thessaloniki.gr, europedirect@argolida.gr,
europedirect@soc.aegean.gr, info@edic.pde.gov.gr, europedirect@ando.gr, ipelamia@otenet.gr, europedirect@duth.gr,
budapest@europedirect.hu, bacskiskun@europedirect.hu, bekescsaba@europedirect.hu, szekesfehervar@europedirect.hu,
gyms@europedirect.hu, debrecen@europedirect.hu, heves@europedirect.hu, szolnok@europedirect.hu,
nograd@europedirect.hu, pest@europedirect.hu, somogy@europedirect.hu, szabolcs-szatmar-bereg@europedirect.hu,
ed@irsi.u-szeged.hu, szekszard@europedirect.hu, szombathely@europedirect.hu, zala@europedirect.hu, bmeip@dravanet.hu,
miskolc@europedirect.hu, tatabanya@europedirect.hu, veszprem@europedirect.hu, ballinasloe@galwaylibrary.ie,
anceathrurua@galwaylibrary.ie, europedirect@fingalcoco.ie, eudirect@donegallibrary.ie, eudirect@donegallibrary.ie,
libraryhelpdesk@louthcoco.ie, mallow.library@corkcoco.ie, europedirect@laoiscoco.ie, europedirect@sligococo.ie,
europedirect@waterfordcity.ie
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h33min05s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: info@europedirectteramo.it, europa@provincia.alessandria.it, trupiano@unina.it, europedirect@crpa.it,
arbone@informa.coop, euro-net@memex.it, carmela.basile@provincia.campobasso.it, europedirect@asicaserta.it,
europedirectcatania@gmail.com, d.primerano@provincia.catanzaro.it, europedirect@provincia.chieti.it,
europedirect@regione.emilia-romagna.it, info.europedirect@unikore.it, europedirect@provincia.fm.it,
europedirect@comune.firenze.it, info@puntoeuropa.eu, info@europedirectfrosinone.it, centroeuropedirect@comune.genova.it,
associazioneeurokom@tiscali.it, europe.direct@provincia.sp.it, europedirectlazio@lazioinnova.it,
ufficio.progettazione.finanziamenti@unisalento.it, europedirect@venetoagricoltura.org, europedirect@regione.lombardia.it,
europedirect@comune.modena.it, ceicc@comune.napoli.it, europedirectnuoro@gmail.com, carrefoursic@hotmail.com,
fiorini.paola@comune.pescara.it, europedirectpisa@provincia.pisa.it, politiche.europee@provincia.pordenone.it,
europedirect@provincia.sassari.it, info@europedirectpuglia.eu, europedirect@regione.sardegna.it, europedirect@formez.it,
europedirectsiena@unisi.it, europedirect@provincia.bz.it, info.edic@sviluppobasilicata.it, europedirect@comune.terni.it,
infoeuropa@cittametropolitana.torino.it, sviluppo3@virgilio.it, europedirect@provincia.tn.it, europedirect@comune.trieste.it,
edumbria@cesarweb.com, europedirectmarche@uniurb.it, europe.direct@regione.vda.it, infoeuropa@comune.venezia.it,
europedirectvercelli@comune.vercelli.it, isabella.ganzarolli@provincia.vr.it, europedirect.vv@gmail.com
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h32min19s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: edic@ventspils.lv, inta.rimsane@rdc.lv, marina.terza@chamber.lv, gulbenes_bibl@latnet.lv, jekabpils@chamber.lv,
europe.direct@jelgavasnovads.lv, kristine.zabe@chamber.lv, tatjana.titareva@chamber.lv, eiropasinfo@valmiera.lv,
alytus@eudirect.lt, siauliai@eudirect.lt, kaunas@eudirect.lt, klaipeda@eudirect.lt, marijampole@eudirect.lt,
panevezys@eudirect.lt, taurage@eudirect.lt, telsiai@eudirect.lt, utena@eudirect.lt, visaginas@eudirect.lt, info@schengenasbl.lu,
munshausen@europedirect.lu, info@ediccentralmalta.eu, edic@europedirectgozo.org, info@europedirectvalletta.eu,
ed@denieuwebibliotheek.nl, europa@oba.nl, europa@coda-apeldoorn.nl, t.meijvogel@prodemos.nl,
info@europedirectdrenthe.nl, info@edic-eindhoven.nl, d.debruijn@mijneigenbibliotheek.nl, europedirect@sbmf.nl,
europedirect@ltonoord.nl, jurn.glazenburg@maastricht.nl, j.zuydweg@zeeuwsebibliotheek.nl, europa@nijmegen.nl,
europa@europainnoordholland.nl, m.vanvlaardingenl@bibliotheek.rotterdam.nl, europa@bibliotheekutrecht.nl, europedirectdzierzgon@dzierzgon.com.pl, europedirectgdansk@morena.org.pl, europedirect-krakow@transfer.edu.pl, europedirectbialystok@bia.pl, europedirect-bielsko-biala@ksiaznica.bielsko.pl, europedirect-bydgoszcz@byd.pl, europedirectkatowice@europedirect-katowice.pl, europedirect-kielce@wp.pl, europedirect-kolobrzeg@kolobrzeg.eu, europedirectklodzko@edklodzko.pl, europedirect.legnica@gmail.com, europedirect-lublin@europe-direct.lublin.pl, europedirectolecko@europedirect-olecko.pl, europedirect-olsztyn@europedirect-olsztyn.pl, europedirect-opole@ocrg.opolskie.pl,
europedirect-ostrowwielkopolski@ctiw.pl, europedirect-ostroleka@europedirect-ostroleka.pl, europedirectpiaseczno@piaseczno.eu, europedirect-piotrkow@piotrkow.info.pl, europedirect-poznan@irpoznan.com.pl, europedirectprzemysl@wspia.eu, europedirect-rzeszow@europedirect-rzeszow.pl, europedirect-slask@gapr.pl, europedirectszczecin@wzp.pl, europedirect-tarnow@europim.pl, europedirect-torun@byd.pl, europedirect-warszawa@um.warszawa.pl,
europedirect-wroclaw@europedirect-wroclaw.pl, europedirect-zamosc@wszia.edu.pl, europedirect-

2 de 19

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

zielonagora@lubuskie.uw.gov.pl, europedirect-slupsk@europedirect.slupsk.eu
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h28min49s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: europedirect@adpm.pt, geral@europedirect-acores.pt, europedirect@adral.pt, ciedbarcelos@ipca.pt, europedirectbis@adraces.pt, europedirect@adae.pt, europedirect-fundao@epfundao.edu.pt, europe-direct-aveiro@aeva.eu,
ciedbraganca@ipb.pt, europe.direct@cm-lamego.pt, cied@ipsantarem.pt, europedirect@ccdr-alg.pt, europedirect@esaelvas.pt,
europedirect@cm-porto.pt, europedirect@aigmadeira.com, europedirect.oeste@gmail.com, europedirect.psetubal@adrepes.pt,
europedirect.ptl@gmail.com, geral@europedirect-tamegaesousa.pt, info@edfagaras.ro, europedirectoradea@gmail.com,
europedirectbraila@gmail.com, europedirect_mizil@yahoo.com, europedirect@apulum.ro, europedirectarad@yahoo.com,
europearges@gmail.com, europedirectbacau@gmail.com, europedirect@cciabn.ro, europedirectbotosani@gmail.com,
europedirect_bucovinasuceava@yahoo.ro, europedirect.bucuresti@ier.ro, europedirectbuzau@cciabuzau.ro,
europedirectcomanesti@yahoo.com, europedirect_craiova@mpe.ro, cie_galati@yahoo.com, europedirectgorj@yahoo.com,
edo@uff.ro, office@eudirect.ro, europedirect@cdimm.org, europedirect@adrnordest.ro, europedirectploiesti@cciph.ro,
europedirect@adrcentru.ro, europa@kvmt.ro, europedirect@europroject.org.ro, office@edtargoviste.ro, office@edtarnave.eu,
info@europedirect-tm.ro, europedirect@nord-vest.ro, europedirect.valcea@yahoo.com, europedirect@consiliu.vaslui.ro
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h26min17s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: info@reic.sk, rpic.kn@nextra.sk, europedirectkosice@gmail.com, europedirect@lucenec.sk, europedirect@agroinstitut.sk,
europedirect@europedirectpp.eu, info@europedirectpo.sk, europedirect@senica.sk, europedirect@europedirectsnv.eu,
rpic@rpic.tv, europe.direct@tsk.sk, posta@europedirectzilina.sk, europedirect@alppeca.si, info@bsc-kranj.si, europe.direct@mccelje.si, europedirect@rra-sp.si, europedirect@pina.si, europe.direct@rra-zk.si, europe.direct@rc-nm.si,
europedirect@zavodpip.si, europedirect.ms@zavodpip.si, europa@jccm.es, edcoruna@dicoruna.es, europadirecto@aytoalbacete.es, europedirect_al@gva.es, peuropeos@dipalme.org, europedirect@adegua.com, europedirect@andujar.es,
europedirect@aragon.es, europedirect@facc.info, oce.europedirect-bcn@diba.cat, europedirect@fundacionede.org,
europedirect@aytoburgos.es, europadirect@ayto-caceres.es, europedirect@camaraourense.com,
europedirect@mancomunidadcg.es, csanaco@gobiernodecanarias.org, cantabriaeuropa@gobcantabria.es,
europadirect@cederna.es, caire@maestrazgo.org, info@europedirectcr.es, europe.direct@madrid.org,
europedirect@dipucordoba.es, europedirect@kaebnai.net, europa@comarcadeolivenza.org,
europedirectfranciscodevitoria@ufv.es, edgijon@camaragijon.es, europedirectgirona@udg.edu,
europadirectogranada@dipgra.es, jfernandez@hazi.es, europadirecto@diphuelva.org, europe.direct@larioja.org,
europedirectlleida@paeria.es, EuropeDirect-Lugo@concellodelugo.org, malagaeuropa@malaga.es, cmorro@cbe.caib.es,
europedirect@promesa.net, infoeuropadirecto@listas.carm.es, europedirect@idcfederacion.org, europedirect@usal.es,
europe.direct@aytosanfernando.org, europadirect@segovia.es, europedirect@us.es, europedirect@tarragona.cat,
europedirect_pre@gva.es, ctamames@frah.es
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h22min27s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: info@ekumeniskaeukontoret.se, europadirekt@amal.se, europadirekt@gavle.se, edgr@kultur.goteborg.se,
europadirekt@halmstad.se, europadirekt@hassleholm.se, europadirekt@rjl.se, info@intercult.se, europadirekt@malmo.se,
jonas.nulden@lansstyrelsen.se, europadirekt@bollebygd.se, europadirekt@helsingborg.se,
sabina.h.blomgren@hushallningssallskapet.se, europadirekt@sodertalje.se, europadirekt@sjobo.se, europadirekt@skelleftea.se,
europedirect@birmingham-chamber.com, europedirect@cornwall.gov.uk, europedirect@europeanlawmonitor.org,
europedirect.fareham@wsxenterprise.co.uk, europedirect@lancschamber.co.uk, europedirect@leeds.gov.uk,

3 de 19

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

europedirect@manchester.ac.uk, europe.direct@durham.gov.uk, europedirect.poole@wsxenterprise.co.uk,
europedirect@tvchamber.co.uk
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h19min26s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: algeria@un.int, themission@angolaun.org, armenia@un.int, armmissionun@mfa.am, australia@un.int,
Cultural.RelationsUS@dfat.gov.au, internetloesungen@world-direct.at, vanessa-victoria.tiede@bmeia.gv.at, bahrain1@un.int,
bangladesh@un.int, prun@foreign.gov.bb, usaun@mfa.gov.by, belmission.ny@gmail.com, isabelle.bardijn@diplobel.fed.be,
beninewyork@gmail.com, bhutan@un.int, cntwaagae@gov.bw, tmongwa@gov.bw, info@bruneiembassy.org,
Mission.NewYork@mfa.bg, bfapm@un.int, burundi@un.int, capeverde@un.int, canada.un@international.gc.ca,
repercaf.ny@gmail.com, chadmission_un@hotmail.com, cbarros@minrel.gob.cl, ChinaMissionUN@Gmail.com,
mruiz@colombiaun.org, cmorales@colombiaun.org, comoros@un.int, congo@un.int, contact@missioncrun.org,
cromiss.un@mvep.hr, cuba_onu@cubanmission.com, mission@cyprusun.org
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h17min00s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: un.newyork@embassy.mzv.cz, nycmis@um.dk, djibouti@nyct.net, drun@un.int, missionecuador@nyct.net, egypt@un.int,
elsalvador@un.int, equatorialguineamission@yahoo.com, Mission.NewYork@mfa.ee, sanomat.yke@formin.fi, gambia@un.int,
geomission.un@mfa.gov.ge, georgia@un.int, ghanaperm@aol.com, info.grdel.un@mfa.gr, grenada@un.int, guatemala@un.int,
onupnud@minex.gob.gt, guinea-bissau@un.int, guyana@un.int, haiti@un.int, ny.honduras@hnun.org,
new.missions@mfa.gov.hu, unmission@mfa.is, India@un.int, ind_general@indiaun.net, mission.indonesia@ties.itu.int,
iran@un.int, info.italyun@esteri.it, jamaica@un.int, japan.mission@dn.mofa.go.jp, kazakhstan@un.int, kyrgyzstan@un.int,
lao.pr.ny@gmail.com, mission.un-ny@mfa.gov.lv, contact@lebanonun.org, lesothonewyork@gmail.com, office@regierung.li,
misija.jt@urm.lt, newyork.rp@mae.etat.lu
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h16min18s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: repermad@verizon.net, malawiU@aol.com, mwnewyorkun@kln.gov.my, miperma@malionu.com, maltaun.newyork@gov.mt, marshallislands@un.int, mauritaniamission@gmail.com, onuusr1@sre.gob.mx, kabinet@mfa.gov.me,
morocco.un@maec.gov.ma, mongolianmission@twcmetrobiz.com, mozambique@un.int, myanmarmission@verizon.net,
namibia@un.int, nepal@un.int, netherlands@un.int, enquiries@mfat.govt.nz, nzpfid@mfat.govt.nz, nicaragua@un.int,
nigermissionymail@ymail.com, permny@nigeriaunmission.org, delun@mfa.no, oman@un.int, pngun@pngmission.org,
onuper@unperu.org, newyorkpm@gmail.com, portugal@un.int, korea.un@mofa.go.kr, NEW-YORK@mfa.md,
unmoldova@aol.com, newyork-onu@mae.ro, ministry@mid.ru, ambanewyork@gmail.com, sknmission@aol.com,
sknconsulgeneral@aol.com, info@stluciamission.org, mission@svg-un.org
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h13min52s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br

4 de 19

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

Para: samoa@un.int, sanmarinoun@gmail.com, rdstppmun@gmail.com, info@saudiembassy.net, saco@resa.org,
senegal.mission@yahoo.fr, info@serbiamissionun.org, seychelles@un.int, sierraleone@un.int, singpm_nyc@mfa.sg,
um.newyork@mzv.sk, slomission.newyork@gov.si, simun@solomons.com, somalia@un.int, laubschera@dirco.gov.za,
mmekoem@dirco.gov.za, pressoffice@spainun.org, mail@slmission.com, sudan@sudanmission.org, suriname@un.int,
swaziland@un.int, sweden@un.int, nyc.vertretung-un@eda.admin.ch, simone.eymann@eda.admin.ch, tajikistan@un.int,
tajikistanun@verizon.net, thailand@un.int, tongaunmission@aol.com, tuvalu.un@gmail.com, ugandaunny@un.int,
newyork@mofa.go.ug, zsmfa@mfa.gov.ua, newyork@mofa.gov.ae, uruguay@un.int, uzbekistan@un.int, vanunmis@aol.com,
YMISS-NEWYORK@MOFA.GOV.YE, zambia@un.int, zimbabwe@un.int
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 27/09/2016 03h10min20s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: gabinetepessoal@presidencia.gov.br, jorgeviana.acre@senador.leg.br, jose.agripino@senador.leg.br,
gab.josepimentel@senado.leg.br, sarney@senador.leg.br, katia.abreu@senadora.gov.br, lidice.mata@senadora.gov.br,
lindbergh.farias@senador.leg.br, lobaofilho@senador.leg.br, lucia.vania@senadora.gov.br, luizhenrique@senador.leg.br,
magnomalta@senador.leg.br, crivella@senador.leg.br, maria.carmo@senadora.gov.br, marinorbrito@senadora.gov.br,
mario.couto@senador.leg.br, martasuplicy@senadora.gov.br, paulobauer@senador.leg.br, paulodavim@senador.leg.br,
paulopaim@senador.leg.br, simon@senador.leg.br, reditariocassol@senador.leg.br, renan.calheiros@senador.leg.br,
roberto.requiao@senador.leg.br, rollemberg@senador.leg.br, romero.juca@senador.leg.br, gabminjoaquim@stf.jus.br,
mgilmar@stf.jus.br, imprensa@alvarodias.com.br, justica.aberta@cnj.jus.br, marcoaurelio@stf.jus.br, gabineteluizfux@stf.jus.br,
audienciasgilmarmendes@stf.jus.br, audienciacarmen@stf.jus.br, gabmtoffoli@stf.jus.br, audiencias-minrosaweber@stf.jus.br,
audienciamlrb@stf.jus.br, gabconselheiroclaudioportela@cnmp.mp.br, sgct.subsidios@agu.gov.br, franciscoricardo.silva@agu.gov.br, denise.rezende@agu.gov.br
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h41min14s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: heino.vonmeyer@oecd.org, damon.allen@oecd.org, matthias.rumpf@oecd.org, julien.dubuc@oecd.org,
sabine.vollmer@oecd.org, marina.meurer@oecd.org, irina.kharuk@oecd.org, mariam.salloum@oecd.org, felix.michel@oecd.org,
clarissa.behr@oecd.org, iskender.dogan@oecd.org, tarik.hennings@oecd.org, alejandro.camacho@oecd.org,
adriana.montejano@oecd.org, carolina.ziehl@oecd.org, ivonne.lopez@oecd.org, mexico.contact@oecd.org,
ivan.cunill@oecd.org, flor.cabrera@oecd.org, rocio.medina@oecd.org, cesar.olvera@oecd.org, maria.saucedo@oecd.org,
oecd.forum@oecd.org, media.registration@oecd.org, jan.landess@oecd.org, natascha.hansen@oecd.org,
lily.emamian@oecd.org, neila.bachene@oecd.org, diana.klein@oecd.org, rory.clarke@oecd.org, webmaster@oecd.org,
luisa.constanza@oecd.org, dan.morisson@oecd.org, ideafactory@oecd.org, danite.arefaine@oecd.org, hope.stewart@oecd.org,
phyllis.flick@oecd.org, marina.bradbury@oecd.org, jean.delarochebrochard@oecd.org, axel.froissart@oecd.org,
denise.green@oecd.org, christine.clement@oecd.org
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h40min30s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: gabinete.presidente@tribconstitucional.pt, gab.vice-presidente@tribconstitucional.pt, tribunal@tribconstitucional.pt,
processos@tribconstitucional.pt, gre@tribconstitucional.pt, biblioteca@tribconstitucional.pt, Mpublico@tribconstitucional.pt,
ecfp@tribconstitucional.pt, geral@jf-alvalade.pt, cne@cne.pt, belem@presidencia.pt, adc@concorrencia.pt, cej@mail.cej.mj.pt,
secretariado-direccao@mail.cej.mj.pt, secretariado-estagios.mp@mail.cej.mj.pt, secretariado-estagios.juizes@mail.cej.mj.pt,
formacao-def@mail.cej.mj.pt, cristina.c.messias@mail.cej.mj.pt, biblioteca-dc@mail.cej.mj.pt, arquivo-dc@mail.cej.mj.pt, info@jflumiar.pt, geral@cada.pt, joana.pizarro@erc.pt, info@erc.pt, correio@dgpj.mj.pt, icjp@fd.ulisboa.pt, cidp-icjp@fd.ulisboa.pt,
reitoria@ulisboa.pt, geral@estadio.ulisboa.pt, presidente@fa.ulisboa.pt, info@fba.ul.pt, info.fcul@ciencias.ulisboa.pt,

5 de 19

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

secretariadodir@fd.ul.pt, geral@ff.ul.pt, info@letras.ulisboa.pt, fml@medicina.ulisboa.pt, geral@fmd.ulisboa.pt,
cg@fmv.ulisboa.pt, fmh@fmh.ulisboa.pt, geral@psicologia.ulisboa.pt, instituto.ciencias.sociais@ics.ul.pt, geral@ie.ulisboa.pt,
igot@ulisboa.pt, cgisa@isa.ulisboa.pt, correio@iscsp.ulisboa.pt, presidencia@iseg.ulisboa.pt, mail@tecnico.ulisboa.pt,
info@sas.ulisboa.pt, geral@museus.ul.pt, info@confucio.ul.pt, 3Is@reitoria.ulisboa.pt, idl@fc.ul.pt cm@coe.int, veneci@coe.int,
informtirana@coe.int, coe.yerevan@coe.int, coe.pristina@coe.int, conseil-europe.rabat@coe.int, conseil-europe.tunis@coe.int,
coeinbrussels@coe.int, bureaudeparis@coe.int, ankara.office@coe.int, fieldbaku@coe.int, belgrade.office@coe.int,
fieldchisinau@coe.int, kyiv@coe.int, informmoscow@coe.int, coe.sarajevo@coe.int, coe.skopje@coe.int, informtbilisi@coe.int,
odgp@coe.int, correiocc@cconstitucional.org.mz, fernandoc@supremo.gov.cv, mariadoceumont@hotmail.com,
tribunal@tribconstitucional.pt, stjustica@cstome.net
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h38min32s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: ramon.mendez@dne.miem.gub.uy, relacionesexternas@aduanas.gub.uy, relacionesinstitucionales@sigen.gov.ar,
rguimaraes@mercosur.org.uy, rmencia@mercosur.org.uy, Roxanasanchez2003@yahoo.com.ar, rramilo@msp.gub.uy,
rscheuer@mercosur.org.uy, rsurraco@mercosur.org.uy, sbenavides@vue.org, sdinama@adinet.com.uy,
sduarte@conacyt.gov.py, sebastian.torres@dni.miem.gub.uy, secagri@minagri.gov.ar, secapc@mef.gub.uy,
secddhh@mec.gub.uy, secdir@onsc.gub.uy, secfiscorte@adinet.com.uy, secmin@minterior.gub.uy, secministro@mec.gub.uy,
secmujer-sec@sce.cnc.una.py, secpriv@mecon.gov.ar, secpriv@turismo.gov.ar, secretaria@dinamige.miem.gub.uy,
secretaria@dinapyme.miem.gub.uy, secretaria@dne.miem.gub.uy, secretaria@dni.miem.gub.uy, secretaria@mercosur.int,
secretaria@mercosur.org.uy, secretaria@ugt.org.br, secretariainju@mides.gub.uy, secretariapriv@mininterior.gov.ar,
secretariaprivada@jus.gov.ar, seprimef@mef.gub.uy, silvana.montesdeoca@mrree.gub.uy, sloto@mercosur.org.uy,
sm@mrree.gub.uy, snufces@mercosur.org.uy, sprivada@mic.gov.py, sramirez@seciu.edu.uy, ssilvia@uocra.org,
strinter@mspbs.gov.py, suala@mrecic.gov.ar, subie@mrecic.gov.ar, subsec@mef.gub.uy, subsecretaria@mec.gub.uy,
subsecretario@mides.gub.uy, subsecretario@miem.gub.uy, subsecretario@msp.gub.uy, subseindu@mecon.gov.ar,
sunia1800@gmail.com, sweissel@mtss.gub.uy, tellechea@mec.gub.uy, tmatsuo@mre.gov.py, uai@mgap.gub.uy,
ubiriafiscorte@adinet.com.uy, umin@me.gov.ar, unalisis@mef.gub.uy, unidadsecretario@sedronar.gov.ar,
urualadi@adinet.com.uy, utpc@hacienda.gov.py, vayala@mercosur.org.uy, vfigueredo@cultura.gov.py,
viceministra@mec.gub.uy, victorfranco8@gmail.com, vidal.pereira@hotmail.com, vmreipy@gmail.com,
vpereyra@mercosur.org.uy, waguero@mic.gov.py, wbogarin@mic.gov.py, yanina.corsini@dni.miem.gub.uy, zaratefb@gmail.com,
zaratefb@yahoo.com, zherebia@hotmail.com, zp5msb@gmail.com, zso@dgeec.gov.py, zulmasosaportillo@gmail.com
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h35min34s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: jagnolo@mercosur.int, jcorvalan@bcp.gov.py, jfelez@mercosur.org.uy, jigorra@ursec.gub.uy, jlivieres@mre.gov.py,
jmcalvo@ine.gub.uy, jmiola@mercosur.org.uy, jmiranda@mec.gub.uy, jose_cuevas@hacienda.gov.py,
jose.heijo@dni.miem.gub.uy, jpereira@mre.gov.py, jrobaina@mef.gub.uy, karinarodrig@gmail.com, karineh@bcu.gub.uy,
khashimoto@mre.gov.py, laura.dacosta@mef.gub.uy, ldighiero@aduanas.gub.uy, lizverahermosa@gmail.com,
lkechichian@mintur.gub.uy, Lmacedo.competencia@mef.gub.uy, lorenahague@hotmail.com, lriart@rieder.net.py,
maddario@mre.gov.py, mamarilla@mre.gov.py, maravictoria@hotmail.com, mariaboldorini@hotmail.com,
maruiz@aduana.gov.py, mdemestri@mercosur.org.uy, mercoaladi@dedicado.net.uy, mercosul@inmetro.gov.br,
mercosul@itamaraty.gov.br, mercosur@mrree.gub.uy, mercosur@mspbs.gov.py, mercosur@mtss.gub.uy,
mferretti@mercosur.org.uy, mghiglia@mercosur.org.uy, mgomez@mercosur.org.uy, mhottum@mercosur.org.uy,
ministra@mides.gub.uy, ministra@mujer.gov.py, ministro.estado@itamaraty.gov.br, ministro@mct.gov.br, ministro@mgap.gub.uy,
ministro@mj.gov.br, ministro@mopc.gov.py, ministro@msp.gub.uy, ministro@mspbs.gov.py, ministro@saude.gov.br,
ministromtss@mtss.gub.uy, mjt@conexion.com.py, mllano@mre.gov.py, mlopez@mercosur.org.uy, mmcaceres@mre.gov.py,
mmelgarejo@mercosur.org.uy, mmoccero@mercosur.org.uy, monica@seciu.edu.uy, mpena@mic.gov.py,
mpiacenza@mgap.gub.uy, mtrolon@mic.gov.py, mzarategui@mercosur.org.uy, ndasilva@mre.gov.py,
negociaciones.organismos@mrree.gub.uy, nferreira@mef.gub.uy, nimia.torres@gmail.com, noymeyore@yahoo.com,
nto@dgeec.gov.py, olga.otegui@dne.miem.gub.uy, osgci@minamb.gob.ve, osrodriguez@mre.gov.py,
osvaldoayala@conatel.gov.py, pablo.villar@dinapyme.miem.gub.uy, palvarez@mec.gub.uy, pbaez@mercosur.org.uy,
pier.rossi@dinamige.miem.gub.uy, pilar.silveira@mef.gub.uy, politica@mrree.gub.uy, prensa@mre.gov.py,

6 de 19

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

presidencia@conacyt.gov.py, presidencia@enap.gov.br, presidencia@fecomerciopr.com.br, presidencia@inaes.gov.ar,
presidencia@incaa.gov.ar, presidencia@incoop.gov.py, presidencia@ursec.gub.uy, privada@mincyt.gov.ar,
privada1@cultura.gov.ar, privadadh@derhuman.jus.gov.ar, privadaministro@desarrollosocial.gov.ar
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h34min43s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: aayala@mre.gov.py, agandolfo@cnd.org.uy, ajuridica@seam.gov.py, albertoozorio@hotmail.com,
amartinez@mercosur.org.uy, apc@mef.gub.uy, aperdomo@mic.gov.py, apuglia@mercosur.org.uy, aquintas@mercosur.org.uy,
bbarrioss@hotmail.com, bbelmont@mic.gov.py, bolano@mercosur.org.uy, bramiez@mides.gub.uy,
capacitacionmps@adinet.com.uy, carmen.estrades@mef.gub.uy, caveiro@mic.gov.py, cbuttnner@mopc.gov.py,
ccarvallo@mercosur.org.uy, ccenturion@mre.gov.py, ccooperacionbol@gmail.com, cduran@mef.gub.uy,
cflores1533@hotmail.com, cgimenez@mic.gov.py, claremsendara@gmail.com, cnd@cnd.org.uy,
Congreso.secretaria@ci.gub.uy, cparis@mic.gov.py, cservin@mic.gov.py, cservini@bcp.gov.py, danielraimondi@yahoo.com,
dborda@hacienda.gov.py, destout@mec.gub.uy, dfraga@mercosur.org.uy, dgap3@mrree.gub.uy, dgim5@mrree.gub.uy,
dgp@mag.gov.py, dgt@mjt.gov.py, diaj11@mrree.gub.uy, digesa@msp.gub.uy, dinadef@poderjudicial.gub.uy,
direccion@intn.gov.py, dscarone@mef.gub.uy, dtraverso@mintur.gub.uy, dyinde@dinatran.gov.py, efeschen@bcp.gov.py,
efrenkel@mercosur.org.uy, elagomarsino@presidencia.gub.uy, Eliana.embid@dnt.gub.uy, erogel@mercosur.org.uy,
ester.banales@dne.miem.gub.uy, evera23@hotmail.com, evers@conatel.gov.py, fbarreiro@mre.gov.py, fberasain@mtss.gub.uy,
fernandog@aebu.org.uy, fiscorte@adinet.com.uy, florenzo@presidencia.gub.uy, francisco_ruizdiaz@hacienda.gov.py,
fsilvamong@cu.com.py, furest@bcu.gub.uy, gabinete-mi@uninet.com.py, gabinete@seam.gov.py, gabinetemag@gmail.com,
gabrielisola@gmail.com, gagresta@dicyt.gub.uy, gaintablian@mec.gub.uy, galcaraz@mic.gov.py, galeanojc@hotmail.com,
galeanojc@ssme.gov.py, galtruda@mef.gub.uy, gcolman@bcp.gov.py, gii@conatel.gov.py, gracielabarreto@yahoo.com,
gsoverina@mic.gov.py, gusad_cazal@yahoo.com, gvillalba@mic.gov.py, hdolsa@bcp.gov.py, iberetta@mercosur.org.uy,
icau@mec.gub.uy, ikutscher@mercosur.org.uy, inalbarte@ine.gub.uy, infosenatur@senatur.gov.py, inmujeres@mides.gub.uy,
Inteligencia.comercial@mrree.gub.uy, intendente@imcanelones.gub.uy
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h33min44s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: coord.graduacao@idp.edu.br, mestrado@idp.edu.br, coord.academica@idp.edu.br, coord.ead@idp.edu.br,
idpincompany@idp.edu.br, secretaria@idp.edu.br, biblioteca@idp.edu.br, financeiro@idp.edu.br, patrimonio@idp.edu.br,
tecnologia@idp.edu.br, gecom@idp.edu.br, idp@idp.edu.br, jcabral@fa.ulisboa.pt, amleite@fa.ulisboa.pt,
jacobcabido@fa.ulisboa.pt, jafonso@fa.ulisboa.pt, rui.marcelino@almadesign.pt, lmmateus@fa.ulisboa.pt, ce@fa.ulisboa.pt,
lucia@fa.ulisboa.pt, sec.directivo@fba.ul.pt, sec.cientifico@fba.ul.pt, sec.pedagogico@fba.ul.pt, academicos@fba.ul.pt,
tesouraria@fba.ul.pt, recursos.humanos@fba.ul.pt, financeira@fba.ul.pt, biblioteca@fba.ul.pt, comunicacao@fba.ul.pt,
gai@fba.ul.pt, aefbaul.informa@gmail.com, caassis@ciencias.ulisboa.pt, dmdias@ciencias.ulisboa.pt,
mlmathias@ciencias.ulisboa.pt, mgrodrigues@ciencias.ulisboa.pt, mlmathias@ciencias.ulisboa.pt, jstapisso@ciencias.ulisboa.pt,
rmrebelo@ciencias.ulisboa.pt, ojluis@ciencias.ulisboa.pt, hncabral@ciencias.ulisboa.pt, jmpalmeirim@ciencias.ulisboa.pt,
mlmathias@ciencias.ulisboa.pt, ofpaulo@ciencias.ulisboa.pt, pcsimoes@ciencias.ulisboa.pt, excelencia@ul.pt,
gcj@fd.ulisboa.pt, mailpgr@pgr.pt, csmp@pgr.pt, correio.dciap@pgr.pt, cibercrime@pgr.pt, gcsi@pgr.pt, mail@gddc.pt,
correio.nat@pgr.pt, cm@coe.int, veneci@coe.int, informtirana@coe.int, coe.yerevan@coe.int, coe.pristina@coe.int, conseileurope.rabat@coe.int, conseil-europe.tunis@coe.int, coeinbrussels@coe.int, bureaudeparis@coe.int, ankara.office@coe.int,
fieldbaku@coe.int, belgrade.office@coe.int, fieldchisinau@coe.int, kyiv@coe.int, informmoscow@coe.int, coe.sarajevo@coe.int,
coe.skopje@coe.int, informtbilisi@coe.int, odgp@coe.int, correiocc@cconstitucional.org.mz, fernandoc@supremo.gov.cv,
mariadoceumont@hotmail.com, tribunal@tribconstitucional.pt
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h19min52s UTC

7 de 19

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: jc@ubi.pt, knightcenter@austin.utexas.edu, joao.correia@labcom.ubi.pt, labcom@ubi.pt, knobel@ifi.unicamp.br,
markosy@uol.com.br, alcirpecora@yahoo.com.br, bodstein@iar.unicamp.br, bia@ige.unicamp.br, dacosta@ige.unicamp.br,
marcia.tait@gmail.com, chibeni@unicamp.br, marcio.barreto@fca.unicamp.br, paulocteles@gmail.com, monzoppi@uol.com.br,
johnunes@unicamp.br, gcaldas@unicamp.br, verartc@unicamp.br, obercom@obercom.pt, patricia.lopes@obercom.pt,
objethos@gmail.com, projor@observatoriodaimprensa.com.br, ceis20@ci.uc.pt, gabadmin@uc.pt, gabadmin@sas.uc.pt,
gabdirector@fl.uc.pt, direccao@fd.uc.pt, direccao@fmed.uc.pt, gbdirector@fct.uc.pt, fctuc@fct.uc.pt, gbdirector@ff.uc.pt,
ffuc@ff.uc.pt, gbdirector@fe.uc.pt, dir@fpce.uc.pt, gd@fcdef.uc.pt, iii@uc.pt, colegiodasartes@colegiodasartes.uc.pt, icnaslmn@uc.pt, tuje@ci.uc.pt, mvictoria@uic.es, igutenberg@igutenberg.org, secretaria@intercom.org.br, mcb1@terra.com.br,
anasilviamedola@gmail.com, fernando.almeida@metodista.br, sonia.jaconi@uol.com.br, iluskac@globo.com,
adriomena@gmail.com, felipepena@globo.com, goulartap@gmail.com, tbcamatt@gmail.com, giovandro.ferreira@gmail.com,
allan_soljenitsin@yahoo.com.br, amgrego@unicap.br, ota.msi@terra.com.br, nairprata@uol.com.br, marciorf@globo.com,
alfredo.lanari@ufms.br, daniela.ota@ufms.br, eseiva@terra.com.br, gerson.martins@ufms.br, greicymara@hotmail.com,
helio.ag.souza@ufms.br, marcio.licerre@ufms.br, katarini.miguel@ufms.br, marcelo.cancio@ufms.br, marcia.gomes@ufms.br,
marcos.paulo@ufms.br, mario.fernandes@ufms.br, ilvio.pereira@ufms.br, tais.fenelon@ufms.br, proad@contato.ufsc.br,
agecom@contato.ufsc.br, divulga@contato.ufsc.br, andredeak@jornalismodigital.org, lavignatti@jornalismodigital.org
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h19min04s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: ifj@ifj.org, anthony.bellanger@fj.org, jeremy.dear@ifj.org, oliver@ifj.org, ernest.sagaga@ifj.org, pamela.moriniere@ifj.org,
esti.ortiz@ifj.org, sarah.bouchetob@ifj.org, monir.zaarour@ifj.org, aurelie.matthys@ifj.org, efj@ifj.org, ricardo.gutierrez@ifj.org,
renate.schroeder@ifj.org, yuklan.wong@ifj.org, mehmet.koksal@ifj.org, monir.zaarour@ifj.org, nisrine.salameh@ifj.org,
laro@ifj.org, programas.la@ifj.org, ifjafrique@ifjafrique.org, gabriel.baglo@ifjafrique.org, louis.thomasi@ifjafrique.org,
rosalie.ndeye@ifjafrique.org, ifj@ifj-asia.org, jacqui.park@ifj-asia.org, jane.worthington@ifj-asia.org, holly.norrie@ifj-asia.org,
alex.hearne@ifj-asia.org, ujjwal.acharya@gmail.com, ifj-tokyo@triton.ocn.ne.jp, jalonso@um.es, avamoedo@unav.es,
mac@uma.es, mcarvajal@umh.es, nereidacea@gmail.com, teresadelahera@gmail.com, magago@gmail.com,
jose.garciaa@umh.es, algarcri@yahoo.es, berta.garcia@usc.es, jose.gonzalez@umh.es, cgvaldez@guaymas.uson.mx,
majimeno@unav.es, lacasa@uic.es, moises.limia@usc.es, xose.lopez.garcia@usc.es, marcota@unav.es,
snegredo@alumni.unav.es, mluisa.otero@usc.es, xose.pereira@usc.es, iportilla@unav.es, emoreno@unav.es,
xoseramon.ppousa@usc.es, parojo@um.es, csadaba@unav.es, rsalaver@unav.es, albasilvarodriguez@gmail.com,
carlos.toural@usc.es, avara@unav.es
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h18min21s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: sac@finep.gov.br, presidencia@finep.gov.br, prlins@finep.gov.br, arsantos@finep.gov.br, bastos@finep.gov.br,
lmartins@finep.gov.br, teresarc@finep.gov.br, rfonseca@finep.gov.br, apabreu@finep.gov.br, mtelles@finep.gov.br,
pedricto@finep.gov.br, Vodorcyk@finep.gov.br, gazaneo@finep.gov.br, scaletsky@finep.gov.br, renatamielli@msn.com,
bia@intervozes.org.br, beth.v.costa@gmail.com, coordenacao@fitert.org.br, castrocristi@gmail.com, roni@cut.org.br,
israeldovale@uol.com.br, secretaria@fndc.org.br, pedro@fndc.org.br, presidencia@fundect.ms.gov.br,
dcientifica@fundect.ms.gov.br, dadministrativa@fundect.ms.gov.br, juridico@fundect.ms.gov.br,
administrativo@fundect.ms.gov.br, financeiro@fundect.ms.gov.br, bolsas@fundect.ms.gov.br, pcontas@fundect.ms.gov.br,
compras@fundect.ms.gov.br, importacao@fundect.ms.gov.br, projetos@fundect.ms.gov.br, noticias@fundect.ms.gov.br,
grupojol@gmail.com, machadoe@ufba.br, alicevargas@uol.com.br, bribas@ufba.br, gjol@ufba.br, manta@ufba.br
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h17min39s UTC

8 de 19

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: romerosolo1954@yahoo.com, com-social@uio.ups.edu.ec, hugob@usfq.edu.ec, arsuing@utpl.edu.ec,
daniell@uhemisferios.edu.ec, heriluzag@hotmail.com, miguel.latouche@ucv.ve, mhuerga@ucab.edu.ve,
comunicacionsocial@ula.ve, pnavarro@uaca.ac.cr, lidieth.garro@ucr.ac.cr, eccc@eccc.ucr.ac.cr,
fescobar@universidadsanjudas.ac.cr, luisaenz@racsa.co.cr, tdechavez@monicaherrera.edu.sv, jbenitez@uca.edu.sv,
gbracamonte2001@yahoo.com, navendano@url.edu.gt, fernanda_canchon@yahoo.com, norori@ns.uca.edu.ni,
decanatofacos@hotmail.com, cace@ulsa.mx, schroder@fenaj.org.br, jornalistamariajosebraga@gmail.com,
valdicegomes@hotmail.com, valzuculoto@hotmail.com, valci@fenaj.org.br, suzanatatagiba@gmail.com, wilsonrs10@gmail.com,
wanderlei.pozzembom@gmail.com, valmor.fritsche@gmail.com, marjorie.moura@globo.com, maigueths@gmail.com,
gracamariaprado@hotmail.com, rpbastos@uol.com.br, rafaelmesquita.rm@gmail.com, lailson@lailson.com.br,
luiscarlosluciano@hotmail.com, deborah_sindjorce@hotmail.com, torves@fenaj.org.br, mrquintanilha@uol.com.br,
luizspada@uol.com.br, suzana.blass@gmail.com, zenunes@hotmail.com, zocchi@uol.com.br, priscillamaral@gmail.com,
rainhareg.ferreira@ig.com.br, oliverlucos@hotmail.com
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h16min54s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: eca@usp.br, cmu.eca@usp.br, ecacrp@usp.br, posjor@contato.ufsc.br, posjor@gmail.com, daisivogel@yahoo.com.br,
emeditsch@uol.com.br, fjkaram@terra.com.br, gislenedasilva@gmail.com, ijuim@cce.ufsc.br, locatelli.jor@gmail.com,
daianebertasso@gmail.com, antonibrasil@gmail.com, carlidaemerim@gmail.com, raqlonghi@gmail.com, rcpauli@gmail.com,
valzuculoto@hotmail.com, flaviagguidotti@gmail.com, contacto@eusou.com, diretoria@casperlibero.edu.br,
diretoria@casperlibero.edu.br, sitecultura@casperlibero.edu.br, jornalismo@casperlibero.edu.br, coordpp@casperlibero.edu.br,
radioetv@casperlibero.edu.br, relacoespublicas@casperlibero.edu.br, posgraduacao@casperlibero.edu.br,
comunicaciones@felafacs.org, frank@fcom.uh.cu, alnieves@suagm.edu, rparadell@ucsd.edu.do, mcohendoz@gmail.com,
omonckeb@uchile.cl, lucia.castellon@umayor.cl, gparini@hotmail.com, hipogrosso@ort.edu.uy, aboccs@gmail.com,
presidencia@afacom.org, jllemos@puce.edu.ec, erojas@casagrande.edu.ec
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h16min15s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: uben.holdorf@unasp.edu.br, luis.assuncao@unasp.edu.br, andreia.moura@unasp.edu.br, andreiamoura007@hotmail.com,
fcdani@terra.com.br, thamires.mattos@hotmail.com, pr@capes.gov.br, pjr@capes.gov.br, aud@capes.gov.br,
imprensa@capes.gov.br, secol.reunioes@capes.gov.br, ape@capes.gov.br, rbpg@capes.gov.br, dges@capes.gov.br,
cggp@capes.gov.br, cglog@capes.gov.br, dti@capes.gov.br, cgs@capes.gov.br, csab@capes.gov.br, csae@capes.gov.br,
dpb@capes.gov.br, cgsr@capes.gov.br, cgpe@capes.gov.br, cii@capes.gov.br, cpe@capes.gov.br, cgsi@capes.gov.br,
cds@capes.gov.br, cex@capes.gov.br, paep@capes.gov.br, cqd@capes.gov.br, periodicos@capes.gov.br, dav@capes.gov.br,
cgaa@capes.gov.br, caa1@capes.gov.br, caa2@capes.gov.br, caa3@capes.gov.br, cna@capes.gov.br, cgap@capes.gov.br,
cgi@capes.gov.br, cea@capes.gov.br, cgmp@capes.gov.br, dri@capes.gov.br, deb@capes.gov.br, cgdoc@capes.gov.br,
ded@capes.gov.br, cgfo@capes.gov.br, cimjmedia@gmail.com, gerson.martins@ufms.br, catarinesturza@yahoo.com.br,
limams@terra.com.br, davidtrigueiro3@yahoo.com.br, eltontamiozzo@gmail.com, fernandajor@hotmail.com,
janaivo@gmail.com, karitafrancisco@gmail.com, lucasreino@gmail.com, thaisabu@gmail.com, dabs@cnpq.br, dcoi@cnpq.br,
dati@cnpq.br, debs@cnpq.br, jornalismo@comunique-se.com.br, cursos@comunique-se.com.br, falecomagente@comuniquese.com.br, usuarios@comunique-se.com.br, urh@comunique-se.com.br
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h15min33s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br

9 de 19

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

10 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

Para: abraji@abraji.org.br, cursos@abraji.org.br, financeiro@abraji.org.br, sinjac.acre@gmail.com, sindjornal@uol.com.br,
sindjorap@gmail.com, sindicato@jornalistasam.com.br, sinjorba@sinjorba.org.br, sindjorce@sindjorce.org.br, sjpdf@sjpdf.org.br,
sinjorgran@yahoo.com.br, sinjorgran@gmail.com, sindicato@sindijornalistases.org.br, jornalistasfluminenses@gmail.com,
jornalistasgo@jornalistasgo.org.br, sindicatojf@gmail.com, sindjornalistas@sercomtel.com.br, sjpma@hotmail.com,
sindicatodosjornalistasdemt@gmail.com, sindicatojorms@gmail.com, sjpmg@sjpmg.org.br, sindicato-rio@jornalistas.org.br,
diretoria@sindjornalistaspb.com.br, sindijor@sindijorpr.org.br, contato@sinjope.org.br, sindjor_pi@hotmail.com,
sindjorn@hotmail.com, sindjorn@yahoo.com.br, sindjors@jornalistasrs.org, sindicatodosjornalistas@gmail.com,
zepinheiro1@ibest.com.br, imprensa@sjsc.org.br, jornalista@sjsp.org.br, sindijor@infonet.com.br, sindjorto10@gmail.com,
ajaesp@sjsp.org.br, sandra.deus@ufrgs.br, edsonspenthof@uol.com.br
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h14min46s UTC

------- Mensagem encaminhada ------De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: gerencia@escolademagistrados.com.br, hcruz@tjes.jus.br, ines.porto@cnj.jus.br, informacoesprocessuais@pgr.mpf.gov.br,
internacional@pgr.mpf.gov.br, ivo.correa@presidencia.gov.br, jgfernandes@tjes.jus.br, johaness@presidencia.gov.br,
jorgearm@presidencia.gov.br, jorgeviana.acre@senador.leg.br, jose.agripino@senador.leg.br, joselia.silva@cnj.jus.br,
julia.perez@cnj.jus.br, justica.aberta@cnj.jus.br, katia.abreu@senadora.leg.br, leila.morais@presidencia.gov.br,
lidice.mata@senadora.leg.br, lindbergh.farias@senador.leg.br, lobaofilho@senador.leg.br, lucia.vania@senadora.leg.br,
luis.padilha@presidencia.gov.br, luizhenrique@senador.leg.br, luizsan@presidencia.gov.br, magnomalta@senador.leg.br,
marcelo.neves@cnj.jus.br, marcilandia@presidencia.gov.br, marco.branco@tjpa.jus.br, marcoaurelio@stf.jus.br,
marcus.aguiar@presidencia.gov.br, maria.carmo@senadora.leg.br, mariana.moraes@cnj.jus.br, marilene.polastro@cnj.jus.br,
marinorbrito@senadora.leg.br, mario.couto@senador.leg.br, martasuplicy@senadora.leg.br, miguel.mattos@presidencia.gov.br,
mirian.lipovetsky@presidencia.gov.br, nair.baptista@presidencia.gov.br, nina.gomes@presidencia.gov.br,
norberto@presidencia.gov.br, oliveira.marilda@terra.com.br, ouvidoria.judiciaria@tjpa.jus.br, paula.sousa@cnj.jus.br,
paulo.mauricio@presidencia.gov.br, paulo.vannuchi@institutolula.org, paulobauer@senador.leg.br, paulodavim@senador.leg.br,
paulopaim@senador.leg.br, pedrotaques@senador.leg.br, play@rtp.pt, protocolo@cnmp.gov.br,
rafael.dubeux@presidencia.gov.br, randolfe.rodrigues@senador.leg.br, renan.calheiros@senador.leg.br,
renata.guerra@cnj.jus.br, roberto.filho@cnj.jus.br, roberto.requiao@senador.leg.br, rodrigo.dindo@presidencia.gov.br,
rollemberg@senador.leg.br, romero.juca@senador.leg.br, rosangela.luiz@cnj.jus.br, rrodrigues@presidencia.gov.br,
sandra.santos@cnj.jus.br, sarney@senador.leg.br, secretaria@ajufe.org.br, secretaria@esmesc.org.br,
sejavoluntario@tjba.jus.br, simon@senador.leg.br, spinula@spinulaecamello.adv.br, tania.casagrande@presidencia.gov.br,
vicepresidente@tjes.jus.br
CC:
Assunto: Judiciário pratica Protege, e Persegue, PolíticaMENTE
Data: 25/09/2016 18h14min02s UTC
Prezados,
Apresento o documento “Judiciário pratica Proteção, e Perseguição, Política”, https://pt.scribd.com/document/325244615
/Judiciario-Brasileiro-Protege-e-Persegue-PoliticaMENTE , onde estamos, empiricamente, tentando avaliar, fatos, concretos,
que permitem enveredar por reflexões outras, que envolvem as diversas incoerências do Poder Judiciário Brasileiro, que,
apenas e tão somente, PREJUDICA, e ENVERGONHA, a Sociedade Brasileira, de tal forma, ser possível, mesmo que
injustamente, alcunhá-la como uma Sociedade de Ignorantes, e uma Sociedade de Alienados, uma Sociedade de
Bárbaros, quiçá uma Sociedade de Cruéis.
Abraços,
Plinio Marcos
Judiciário Brasileiro, Protege, e Persegue, PoliticaMENTE
O meu coração esta contrito, e muito sangra, pela Dor, pelo Desespero, pelo Inconformismo, pela Revolta, na busca de um
“Olhar Holístico”, conseguindo perceber O Mundo, e NO Mundo, vislumbrando, com o MAIOR Desgosto, que embora tenha
ORGULHO de SER Brasileiro, em postura Despreocupada, e Responsável, não só existindo, mas, me fazendo presente,
numa Sociedade Nobre, numa Sociedade Evoluída, numa Sociedade Solidária, numa Sociedade Justa, e numa Sociedade
Livre, pelo concreto, de sua NOVA Ordem Jurídica, cristalizada pela Constituição da República Federativa do Brasil,
promulgada em 1988, mas, no entanto, pelo, concreto, MAIOR Desgosto, tenho VERGONHA de SER Brasileiro, grupo social
que se firma, e se afirma, como uma Sociedade Pobre, uma Sociedade Bárbara, uma Sociedade Cruel, uma Sociedade

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

11 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

Injusta, uma Sociedade Soberba, e uma Sociedade Presa, na REALIDADE, da PEQUENEZ HUMANA de suas Instituições
Democráticas, contaminadas pela Vaidade, pela Luxúria, pela Ganância, pela Mediocridade, pela Imoralidade, e/ou pela
Amoralidade, de parcela SIGNIFICATIVA de outros seus , também, “brasileiros”, que possuem algum Poder Financeiro,
algum Poder Econômico, algum Poder Religioso, algum Poder Cultural, algum Poder Social, algum Poder Institucional,
e/ou algum Poder Político.
Tais, palavras estão calcadas nos diversos, posicionamentos, muitas vezes antagônicos, de um Poder Judiciário Decisório,
que, não tem qualquer, preocupação, em, verdadeiramente, fundamentar, suas Conclusões jurisdicionais, mesmo ciente,
conscientemente ou não, de que, a Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988, tem como um de
seus, BÁSICOS, BALISARES, ESTRUTURAIS, talvez o MAIS IMPORTANTE, PRINCÍPIO Constitucional, que é a CERTEZA
de que TODAS as Decisões Jurídicas devem SER Fundamentadas sob PENA de NULIDADE, razão pela qual, sem medo de
errar, podemos reafirmar, que, no Brasil, JUIZ é DEUS, porque a um JUIZ TUDO É PERMITIDO, inclusive, DISTORCER, em
conveniência, em parcialidade, em ignorância, por sentimento ou não, o próprio Direito Constituído.
Reapresento o documento “Petição Amicus Curiae - STF - Juiz é DEUS porque TUDO PODE”, https://pt.scribd.com
/doc/317081800/Peticao-Amicus-Curiae-STF-Juiz-e-DEUS-Porque-TUDO-PODE , onde estamos contestando o entendimento
restritivo do Supremo Tribunal Federal quanto as Atribuições e Responsabilidades do Conselho Nacional de Justiça, que hoje já
é objeto de apreciação no CNJ, uma vez que, o Estatuto da Magistratura tem em seu cerne o DNA – Constitucional de que
“todas as decisões devem ser fundamentadas sob pena de serem nulas”, ressaltando que na atribuição administrativa esta
incluso a FISCALIZAÇÃO do cumprimento do Estatuto da Magistratura, portanto, CABE ao Conselho Nacional de Justiça a
Fiscalização da QUALIDADE da Fundamentação, sem que para isto seja necessário avaliar o mérito da demanda,
reconhecendo sua nulidade quando a mesma for insuficiente ou puro abuso de poder. Afinal, o Conselho Nacional de
Justiça representa os interesses Fiscalizadores da Sociedade Brasileira que, formalmente foi inserida no Poder Judiciário,
com o concreto objetivo, de alcançar o IDEAL DE JUSTIÇA.
HC 131033 – HABEAS CORPUS
O exemplo mais gritante, e recente, que é, a essência, do HC 131033 – HABEAS CORPUS, impetrado por mim, em favor de
Henrique Pizzolato, nos apresenta o radical antagonismo, entre a “decisão” do Supremo Tribunal Federal, de “reconhecer
competência”, para Processar, Julgar, e Condenar, na AP 470 – Ação Penal, um bancário que NUNCA foi investido de
Autoridade Institucional com direito a FORO PRIVILEGIADO, e a “decisão” do Supremo Tribunal Federal, de “não
reconhecer competência” para CONCLUIR, Processo, com o Julgamento, e possível Condenação, na AP 536 – Ação
Penal, pela renuncia ao mandato parlamentar, do, até então, Deputado Federal, e por isso, investido de Autoridade
Institucional com Direito a FORO PRIVILEGIADO, mesmo, tendo como fato, concreto, de que a renúncia ocorreu, após as
Alegações Finais do Procurador-Geral da República.
Estas ANTAGÔNICAS situações, me permite afirmar, sem medo de errar, que o Bancário foi PERSEGUIDO Politicamente,
como também, me permite afirmar, sem medo de errar, que o ex-Deputado Federal foi PROTEGIDO Politicamente, quando
então, pelo simples fato do Bancário estar preso, continua sendo PERSEGUIDO Politicamente, bem como, pelo simples fato
do ex-Deputado Federal estar livre, continua sendo PROTEGIDO Politicamente, cabendo ressaltar, que o Bancário foi
condenado, e preso, por presumivelmente ter participado de um esquema, que concretamente, foi CRIADO pelo grupo a que,
fato indiscutível, pertencia, o ex-Deputado Federal, que condenado, continua livre, o que, fato, concreto, exacerba a
PERSEGUIÇÃO Política, e também, exacerba a PROTEÇÃO Política.
A questão toma vulto INTERNACIONAL, quando, o PERSEGUIDO Político, Sr. Henrique Pizzolato, utilizando-se de
Passaporte Falso, único recurso possível, e disponível, para se preservar de tamanha arbitrariedade, FOGE, para a Itália,
e o Estado Brasileiro, IGNORANDO, a ILEGITIMIDADE Constitucional, do Processo, do Julgamento, da Condenação, e da
Requisitada Prisão, UTILIZA, IMORALMENTE, INDECOROSAMENTE, a INTERPOL, contrariando os seus Estatutos, e a
República Italiana, negando o necessário Respeito, e a necessária Dignidade, a um Cidadão Italiano, para CAPTURÁ-LO, e
TRANCAFIÁ-LO, como CRIMINOSO, que, efetivamente, NÃO É.
Represento o documento “Solicitação de Informações a INTERPOL parte”, http://pt.scribd.com/doc/203928759/Solicitacaode-Informacoes-a-INT..., onde estamos solicitando à INTERPOL que avalie, em contexto Jurídico / Interncaional, compatível a
origem e a essência da INTERPOL, a LEGITIMIDADE da condenação do Sr. Henrique Pizzolato, Cidadão Brasileiro e Italiano,
que em função de se transferir para a Itália utilizando passaporte falso italiano, em proteção, e preservação, de sua
integridade, física, moral, e política, assumiu a sua Cidadania Italiana. Afinal, se a avaliação da Ação Penal 470 feita pelo
Supremo Tribunal Federal da República Federativa do Brasil, for considerada de um Tribunal de Excessão, a busca e
captura, pela INTERPOL é ILEGÍTIMA, e INACEITÁVEL.
Reapresento o documento “Ajuda no Habeas Corpus de Cidadão Italiano perseguido politicamente”, https://pt.scribd.com
/doc/300399052/Ajuda-no-Habeas-Corpus-de-Cidad... , onde estamos solicitando a ajuda dos Senadores Italianos, para
obtermos no tempo mais breve possível, a Decisão do Plenário do Supremo Tribunal Federal, relacionada ao HC 131033
– Habeas Corpus, interposto em favor de Henrique Pizzolato, uma vez que, por não ser Advogado, entendo que o mesmo ficará
na situação de Conclusos ao Relator “ad eternum”.
Estando razoavelmente substanciada, a CERTEZA, de que o Poder Judiciário Brasileiro, sem qualquer escrúpulo, Nacional,
ou Internacional, em escusa conveniência, ora PERSEGUE Politicamente, ora PROTEGE Politicamente, apresentamos,

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

12 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

fatos, mais recentes, que nos permite afirmar, sem medo de errar, que a Sra. Dilma Vana Rousseff, e o Sr. Luis Inácio Lula
da Silva, são os ATUAIS PERSEGUIDOS POLITICAMENTE, uma vez que, ninguém na história brasileira teve a VIDA, tão
esmiuçadamente investigada, durante anos, em total oposição, a Vários Políticos, que são os ATUAIS PROTEGIDOS
POLITICAMENTE, quando então, me é possível TIPIFICAR, fato, concreto, ser uma PERSEGUIÇÃO ao PT, em contra
oposição, também, fato, concreto, ser uma PROTEÇÃO aos demais Paridos, em clara participação do Poder Judiciário, em
claro apoio do Ministério Público, num movimento de retirada de Poder Institucional do PT, representado pela Presidente da
República Federativa do Brasil, ser, a Sra. Dilma Vana Rousseff, e também representado pelo ex-Presidente da República
Federativa do Brasil, ser, o Sr. Luis Inácio Lula da Silva.
Reapresento o documento “Hipocrisia, Sustentáculo da SUBVERSÃO Institucional à Constituição”, https://pt.scribd.com
/document/322704081/Hipocrisia-Sustentaculo-da-SUBVERSAO-Institucional-a-Constitucao , onde estamos, empiricamente,
apresentando nosso inconformismo, com a mais pura subversão, que é Institucional, à Constituição da República
Federativa do Brasil, ao “entender” que uma Lei Infraconstitucional de 1950, possa impedir o que é Claramente, e Ricamente,
DETERMINADO pela Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988. Por que o Senado Federal, como
disse seu Presidente, em outras palavras, Dilma não merece o Coice após Cair ?
AC 4.070 – Ação Cautelar
O Supremo Tribunal Federal, através do Ministro Relator dos processos oriundos da “Operação Lava-Jato”, Ministro Teori
Zavasky, em presumível postura antagônica, reconheceu que o então, Presidente do Congresso Nacional, Presidente da
Câmara de Deputados Federais, e Deputado Federal, deveria ser afastado das Atribuições Institucionais de Deputado Federal,
solicitadas pelo Procurador-Geral da República na AC 4.070 – Ação Cautelar, contudo, nem o Procurador-Geral da
República, e nem o Ministro Teori Zavasky, sentiram necessidade de que relato gravíssimo constante da AC 4.070 - Ação
Cautelar, e da Decisão proferida, fosse esmiuçadamente investigado, razão pela qual, não é de conhecimento público
qualquer ato, de qualquer Destas Autoridades, em sua direção.
Razão pela qual, transcrevemos do DJE nº 92 de 09 de maio de 2016, o que, empiricamente, entendemos ser GRAVÍSSIMO, e
por isso, merecedor de TODA a ATENÇÃO por parte das Autoridades Institucionais mencionadas, uma vez que, ao não se
DETEREM na apuração destes fatos, me é possível afirmar, sem medo de errar, que estamos frente a, concreta, e
tipificável, PROTEÇÃO Política.
Há, ainda, outras mensagens em que Eduardo Cunha cobra supostos compromissos que Léo Pinheiro tinha
com “a turma”, que teriam sido inadvertidamente adiados (fl. 134):
“EDUARDO CUNHA cobrou LEO PINHEIRO por ter pago, de uma vez, para MICHEL – a quantia de
R$5.000.000,00 – tendo adiado os compromissos com a turma, que incluiria HENRIQUE ALVES, GEDDEL
VIEIRA, entre outros. LEO PINHEIRO pediu para EDUARDO CUNHA ter cuidado com a análise, pois
poderia mostrar a quantidade de pagamentos dos amigos”.
Afinal, como entender, e aceitar, como natural, o fato, concreto, de que naquela ocasião, em uma única vez, Michel
(presumivelmente termer) recebesse, apenas e tão somente, R$5.000.000,00, bem como, que havia compromissos com “a
turma”, que incluiria HENRIQUE ALVES, GEDDEL VIEIRA, entre outros.
Logo, um fato, de situação pouco provável, pelo contexto apresentado, de incerta, até duvidosa, por terem como base
mensagens identificadas, não merecerem pelas Autoridades Institucionais, a devida atenção, quanto a necessária
investigação, nos permite afirmar, sem medo de errar, que estamos em situação tipificável como “PROTECIONISMO
Político”, de um grande número de, no mínimo, investigados do pmdb, em clara participação do Poder Judiciário, em
claro apoio do Ministério Público, num movimento de retirada de Poder Institucional do PT, representado pela Presidente da
República Federativa do Brasil, ser, a Sra. Dilma Vana Rousseff, e também representado pelo ex-Presidente da República
Federativa do Brasil, ser, o Sr. Luis Inácio Lula da Silva.
Reapresento o documento “Brasil é terra de NINGUÉM”, https://pt.scribd.com/document/322885325/Brasil-e-Terrade-NINGUEM , onde estamos, empiricamente, apresentando nosso inconformismo, com a origem, com a condução, e com os
desdobramentos, do processo de Impeachment da Sra. Dilma Vana Rousseff, principalmente, pelo fato, concreto, de que
michel temer, por estar inelegível por 8 (oito) anos, é simplesmente, um NINGUÉM.
AC 4.174 – Ação Cautelar
O Supremo Tribunal Federal, através do Ministro Relator dos processos oriundos da “Operação Lava-Jato”, Ministro Teori
Zavasky, em presumível postura, no mínimo questionável, em avaliação “Holística”, dos contextos acima relatados, em
poucas palavras, não reconheceu legitimidade, pela insuficiência de precisão, uma vez que o Ministério Público não
apontou diligências complementares, e por isso, não conseguiu demonstrar a imprescinbilidade, da solicitação constante
na AC 4.174 – Ação Cautelar.
Razão pela qual, transcrevemos do DJE nº 132 de 23 de junho de 2016, o que, empiricamente, entendemos ser GRAVÍSSIMO,
e por isso, merecedor de TODA a ATENÇÃO por parte das Autoridades Institucionais, mencionadas ou não, uma vez que, ao
não se AUTORIZAR a busca, e apreensão, com vistas a colher documentos ou outras provas relacionadas com os fatos

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

13 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

investigados, inquestionavelmente, irrefutavelmente, me é possível afirmar, sem medo de errar, que estamos frente a,
concreta, e tipificável, PROTEÇÃO Política, em clara participação do Poder Judiciário, em claro apoio do Ministério
Público, num movimento de retirada de Poder Institucional do PT, representado pela Presidente da República Federativa do
Brasil, ser, a Sra. Dilma Vana Rousseff, e também representado pelo ex-Presidente da República Federativa do Brasil, ser, o
Sr. Luis Inácio Lula da Silva.
Trata-se de requerimento formulado pelo Procurador-Geral da República, vinculado a acordo de colaboração
premiada homologado nesta Corte, de busca e apreensão, “com vistas a colher documentos ou outras
provas relacionadas com os fatos investigados, que incluem [...] crimes de organização criminosa e de
embaraço à investigação de organização criminosa” (fl. 34), em endereços vinculados ao Senador José
Renan Vasconcelos Calheiros, Senador Romero Jucá Filho, José Sarney, Vandenbergue dos Santos
Sobreira Machado e Bruno Mendes, que estariam envolvidos “em esquemas espúrios, integrando grupo
que se vale de métodos criminosos para, entre outros fatos, neutralizar a atuação dos órgãos de

persecução e do próprio poder judiciário” (fl. 33), com a finalidade de estancar e impedir o quanto antes os
avanços da Operação Lava Jato em relação a políticos, especialmente do PMDB, do PSDB e do próprio PT,
por meio de um acordo com o Supremo Tribunal Federal e da aprovação de mudanças legislativas” (fl. 5).

Apesar do esforço do Ministério Público em tentar extrair do conteúdo das conversas gravadas pelo próprio
colaborador fundamentos para embasar a cautelar requerida, as evidências apresentadas não são
suficientemente precisas para legitimar a medida excepcional. O Ministério Público não apontou a
realização de diligências complementares, tendentes a demonstrar elementos mínimos de autoria e
materialidade, a fim de justificar a medida de cunho restritivo, fundamentando o seu pedido exclusivamente
no conteúdo das conversas gravadas pelo colaborador e em seu próprio depoimento. Não obstante
empenho válido, não se desincumbiu o dominus litis do ônus de demonstrar a imprescindibilidade da
medida assecuratória para a elucidação dos fatos narrados. O afastamento da garantia de inviolabilidade
domiciliar deve ser precedido de exame rigoroso não só dos pressupostos formais, mas do conteúdo material
coligido, é dizer, elementos concretos que apontem com certa margem de segurança o que, onde e como
poderão eventualmente ser recolhidas evidências, ainda que meramente indiciárias, da prática criminosa.
Nesse contexto, o escopo da diligência deve ser preciso, determinado e circunscrito aos fatos que se
pretende sejam esclarecidos, não sendo cabível a autorização da medida para colheita de prova com a
finalidade de eventualmente assegurar outras investigações ou descobrir a prática de crimes
dispersos, como já decidiu o Plenário, em elucidativo precedente da lavra do Min. Eros Grau (HC 95009,
Tribunal Pleno, julgado em 06/11/2008, DJe 19-12-2008).
Ante o exposto, indefiro o requerimento.
O Supremo Tribunal Federal, através do Ministro Relator dos processos oriundos da “Operação Lava-Jato”, Ministro Teori
Zavasky, em presumível postura, no mínimo questionável, em avaliação “Holística”, do contexto acima relatado, em poucas
palavras, quando avaliou a solicitação de busca, e apreensão, constante na AC 4.174 – Ação Cautelar, em meu empírico
entendimento, ao não conseguir ser rigoroso, o necessário, para identificar na tipificação dos GRAVES crimes
apresentados, a natural, imprescindibilidade da medida assecuratória para a elucidação dos fatos narrados, sem nos
determos nas possíveis prisões solicitadas na AC 4.173 – Ação Cautelar, nos permite afirmar, sem medo de errar, que
estamos em situação tipificável como “PROTECIONISMO Político”, de um determinado número de, no mínimo,
investigados do pmdb, psdb, e pt, em clara participação do Poder Judiciário, em claro apoio do Ministério Público, num
movimento de retirada de Poder Institucional do PT, representado pela Presidente da República Federativa do Brasil, ser, a
Sra. Dilma Vana Rousseff, e também representado pelo ex-Presidente da República Federativa do Brasil, ser, o Sr. Luis
Inácio Lula da Silva.
Rcl 25.048 – Reclamação
O Supremo Tribunal Federal, através do Ministro Relator dos processos oriundos da “Operação Lava-Jato”, Ministro Teori
Zavasky, em presumível postura, no mínimo questionável, em avaliação “Holística”, dos contextos acima relatados, em
poucas palavras, não reconheceu legitimidade, no questionamento de que houve usurpação, pela autoridade reclamada, da
competência desta Corte, pela importância de “destacar que esta Corte possui amplo conhecimento dos processos
(inquéritos e ações penaisque buscam investigar supostos crimes praticados no âmbito da Petrobras, com seus contornos e
suas limitações, de modo que os argumentos agora trazidos nesta reclamação constitui mais uma das diversas tentativas da
defesa de embaraçar as apurações”, constante da Rcl 25.048 – Reclamação.
Razão pela qual, transcrevemos do DJE nº 192 de 08 de setembro de 2016, o que, empiricamente, entendemos ser
GRAVÍSSIMO, e por isso, merecedor de TODA a ATENÇÃO por parte das Autoridades Institucionais, mencionadas ou não,
uma vez que, ao não se RECONHECER, em meu empírico entendimento, a concreta, ursurpação de competência, com a
possível, e necessária, avocação pela Corte, em contexto de unificação dos esforços, inquestionavelmente, irrefutavelmente,
me é possível afirmar, sem medo de errar, que estamos frente a, concreta, e tipificável, PERSEGUIÇÃO Política.

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

14 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

De fato, em análise do ato reclamado, conclui-se que, apesar de os fatos investigados no Supremo Tribunal
Federal, no âmbito do Inq 3.989, possuírem correlação com aqueles que são objeto de investigação perante
a 13ª Vara Federal de Curitiba, não houve demonstração da usurpação, pela autoridade reclamada, da
competência desta Corte, tendo em vista que agiu conforme expressamente autorizado. No mesmo sentido,
em reclamação análoga à presente: Rcl 20.175 AgR, Relator(a): Min. TEORI ZAVASCKI, Segunda Turma, DJe
de 9.9.2015.
Ademais, a Segunda Turma desta Corte, no julgamento das Reclamações 18.875 e 18.930, ocorrido em
16.12.2014, ratificou esse entendimento, no sentido de que não houve demonstração de persecução, pelo
juízo reclamado, da prática de atos violadores da competência do Supremo Tribunal Federal.
Registre-se, por fim, que tramita nesta Corte a Rcl 24.619, por meio da qual o ora reclamante também alega
usurpação da competência do STF, sob o fundamento de que o juízo da 13ª Vara Federal da Subseção
Judiciária de Curitiba teria indevidamente mantido sob seu controle medida cautelar de interceptação
telefônica envolvendo Ministros de Estado, membros do Congresso Nacional e Ministro do Tribunal de Contas
da União. Apesar de esses argumentos serem objeto de análise naqueles autos, tal quadro revela a
insistência do reclamante em dar aos procedimentos investigatórios contornos de ilegalidade, como se
isso fosse a regra. Nesse contexto, é importante destacar que esta Corte possui amplo conhecimento dos
processos (inquéritos e ações penais) que buscam investigar supostos crimes praticados no âmbito da
Petrobras, com seus contornos e suas limitações, de modo que os argumentos agora trazidos nesta
reclamação constitui mais uma das diversas tentativas da defesa de embaraçar as apurações.
Diante do exposto, nego seguimento ao pedido (art. 21, § 1º, RISTF).
O Supremo Tribunal Federal, através do Ministro Relator dos processos oriundos da “Operação Lava-Jato”, Ministro Teori
Zavasky, em presumível postura, no mínimo questionável, em avaliação “Holística”, dos contextos acima relatados, em
poucas palavras, quando avaliou, em meu empírico entendimento, a concreta, ursurpação de competência, questionada, na
Rcl 25.048 – Reclamação, na reconheceu a importância, e relevância, de AVOCAR tais investigações, bem como, entendeu,
que legítimos esforços, relacionados a “Perseguição Política”, obtivessem êxito, distorcidamente, entendeu que estas tentam
EMBARAÇAR as investigações, principalmente, quando a RCL 24.619 – Reclamação, ainda não foi decidida, algo, que nos
permite afirmar, sem medo de errar, que estamos em situação tipificável como “PERSEGUIÇÃO Política”, em clara
participação do Poder Judiciário, em claro apoio do Ministério Público, num movimento de retirada de Poder Institucional
do PT, representado pela Presidente da República Federativa do Brasil, ser, a Sra. Dilma Vana Rousseff, e também
representado pelo ex-Presidente da República Federativa do Brasil, ser, o Sr. Luis Inácio Lula da Silva.
Afinal, indícios, menos contundentes, que as Gravações constantes da AC 4.174 – Ação Cautelar, tem o condam, de
autorizar investigações, que, apenas e tão somente, apontam, contrariamente, ao constante, e reconhecido, na AC 4.174 –
Ação Cautelar.
Reapresento o documento “Para alguns, embaraçar, para Outros, Perseguição Política”, https://pt.scribd.com/document
/323507095/Para-alguns-Embaracar-para-Outros-PERSEGUICAO-Politica , onde estamos relacionando o fato de que o
Supremo Tribunal Federal, através do relator dos processos relacionados à operação “Lava-Jato”, Ministro Teori Zavaski,
entende que o Juiz de 1ª Instância, sempre se postou de forma dígna, de forma legal, de forma Respeitosa, de forma
Constitucional, com o Cidadão Brasileiro, Sr. Luis Inácio Lula da Silva, ao ponto, de proferir na Decisão da RCL 25048: “...de
modo que os argumentos agora trazidos nesta reclamação constitui mais uma das diversas tentativas da defesa de embaraçar
as apurações.” Estas poucas palavras, tentam trazer à questão, o referencial de que Lula, possivelmente, pode não estar
tentando, não líquido e certo, embaraçar as apurações, contudo, podemos afirmar, que as atitudes, no mínimo,
questionáveis, do o juiz federal de 1ª instância, sérgio moro, não podem, e nem devem, ser desconsideradas, em qualquer
necessária avaliação, mesmo, que para alguns, que não Eu, em sendo Juiz, tal qual a Deus, TUDO POSSA, porque, TUDO
LHE É PERMITIDO. Igualmente, estas poucas palavras, tentam trazer à questão, outros referenciais, ainda nebulosos, sobre
a permissiva aceitação como legítimo, e constitucional, o processo de impeachment da Presidente da República
Federativa do Brasil, Sra. Dilma Vana Rousseff.
Inq 2.848 – Inquérito
O Supremo Tribunal Federal, através do Ministro Relator, Ministro Celso de Mello, em presumível postura, no mínimo
questionável, em avaliação “Holística”, do Inq 2.848 – Inquérito, reconheceu que “DESCARADAMENTE MENTIR”,
contundentemente, caluniando, difamando e/ou injuriando, para escamotear esquema criminoso, envolvendo, um grande
número de Autoridades Institucionais, não se reveste de DOLO, e, esta dentro dos limites da representatividade
parlamentar, com impunidade assegurada constitucionalmente, algo que, inquestionavelmente, irrefutavelmente, me permite
afirmar, sem medo de errar, que estamos frente a, concreta, e tipificável, PROTEÇÃO Política.
Razão pela qual, transcrevemos do DJE nº 070 de 10 de abril de 2012, o que, empiricamente, entendemos ser GRAVÍSSIMO,
e por isso, merecedor de TODA a ATENÇÃO por parte das Autoridades Institucionais, mencionadas ou não, tendo em vista que
o Relator, não RECONHECE, em meu empírico entendimento, o concreto, DOLO, na injúria, na difamação, e/ou, na calúnia,
da acusação de FALSÁRIO, veiculada em mídia impressa, e mídia eletrônica, bem como, que o Relator, RECONHECE, em meu
empírico entendimento, a concreta, intenção de preservar envolvidos em esquema criminoso, como em representatividade

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

15 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

parlamentar, inquestionavelmente, irrefutavelmente, me permite afirmar, sem medo de errar, que estamos frente a, concreta,
e tipificável, PROTEÇÃO Política.
“No mérito, afirmou que as condutas que lhe foram atribuídas são atípicas, pois não agiu com o dolo de
caluniar, difamar ou injuriar o querelante, ‘Ao reverso , constituem expressão de seu direito constitucional à
ampla defesa (art. 5°, LV, da CF), daquilo que a doutrina convencionou chamar ‘animus defendendi’ (fls.
69/70), bem como que se deve aplicar ao caso o disposto no artigo 53, ‘caput’, da Constituição Federal, tendo
em vista a sua condição de parlamentar federal.”

“A inviolabilidade diz respeito à emissão de opiniões, palavras e votos. Opiniões e palavras que, ditas por
qualquer pessoa, podem caracterizar atitude delituosa, mas que assim não se configuram quando
pronunciadas por parlamentar. Sempre, porém, quando tal pronunciamento se der no exercício do
mandato. Quer dizer : o parlamentar, diante do Direito, pode agir como cidadão comum ou como titular de
mandato. Agindo na primeira qualidade não é coberto pela inviolabilidade. A inviolabilidade está ligada à idéia
de exercício de mandato. Opiniões, palavras e votos proferidos sem nenhuma relação com o desempenho
do mandato representativo não são alcançados pela inviolabilidade.”
Afinal, tendo o reclamado a oportunidade de apresentar, provas que dessem sustentação à contundente, no mínimo,
desmerecedora, acusação, prefeririu “se esconder” na afirmação de que não teve qualquer intenção de DOLO, e “se
esconder” no manto de representação parlamentar”, concretamete, reveste de LEGITIMIDADE a acusação primeira, que
de forma abominável, indecorosa, imoral, e criminosa, foi contestada.
A Constituição de República Federativa do Brasil, promulgada em 1988, DETERMINA, em seu Art. 5º, VII – ninguém será
privado de direitos por motivo de crença religiosa ou convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de
obrigação legal a todos imposta e recursar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei, quando então, ME PERGUNTO se
a impunidade reclamada pelo, então, Deputado Federal, não seria um, concreto, ato de se eximir da responsabilidade de
responder por calúnia, difamação, e/ou, injúria, feitas sem qualquer relação direta com a Atividade de Deputado Federal,
principalmente, quando, o DOLO é, inquestionavelmente, irrefutavelmente, intrínseco.
A notícia “A lista de Furnas é verdadeira, afinal”, http://www.brasil247.com/pt/colunistas/pedromaciel/216012/A-lista-de-Furnas%C3%A9-verdadeira-afinal.htm , apresenta, entre outras coisas :
“A imprensa nunca deu atenção a esse fato, apesar da gravidade dos fatos e dos nomes envolvidos
(talvez não tenha despertado interesse porque o PT não protagonizava o esquema e sim o PSDB) e a
oposição buscou nos EUA um perito, acusado por lá de perjúrio, para desqualificar a autenticidade da lista
de furnas. Espetacular!
Bem, o tempo passou e o assunto voltou no âmbito das investigações da Operação Lava-Jato e a lista de
furnas retornou ao noticiário.”
A LISTA DE FURNAS
https://www.youtube.com/watch?v=13AS0HJDmWE
Tendo em vista, que o então, Deputado Federal, em suas manifestações , ABJETAMENTE RECONHECIDAS, como SEM
DOLO, bem como, IMPUNÍVEIS, “pelo exercício de mandato parlamentar”, relacionou, fato, concreto, as injúrias, as
difamações, e/ou, as calúnias, a chamada “Lista de Furnas”, em implícita, e tácita, natural consequência, me é permitido
afirmar, sem medo de errar, que a supramencionada Lista é VERDADEIRA, e, pela mais simplória OMISSÃO, em, clara,
situação tipificável como “PROTEÇÃO Política”, de TODOS os envolvidos, com a participação do Poder Judiciário, em
claro apoio do Ministério Público, num movimento de retirada de Poder Institucional do PT, representado pela Presidente da
República Federativa do Brasil, ser, a Sra. Dilma Vana Rousseff, e também representado pelo ex-Presidente da República
Federativa do Brasil, ser, o Sr. Luis Inácio Lula da Silva.
MS 24.458 – Medida Cautelar em Mandado de Segurança
O Supremo Tribunal Federal, através do Ministro Relator, Ministro Celso de Mello, em POSTURA, contundentemente
CORRETA, em, no mínimo, avaliação com “Olhar Holístico”, conseguindo perceber O Mundo, e NO Mundo, na MS 24.458 –
Medida Cautelar em Mandado de Segurança, reconheceu, entre outras coisas, que “nenhum dos Poderes da República está
acima da Constituição e das leis. Nenhum órgão do Estado - situe-se ele no Poder Judiciário, ou no Poder Executivo, ou no
Poder Legislativo - é imune à força da Constituição e ao império das leis”, algo que, inquestionavelmente, irrefutavelmente, me
permite afirmar, sem medo de errar, que, Perseguição Política, ou Proteção Política, mesmo que constante na Literalidade
da Lei, em interpretação, pífia, em conveniência ou não, por sentimento ou não, pode, e deve, ser interpretada, no contexto ora
proposto, como, em clara participação do Poder Judiciário, em claro apoio do Ministério Público, num movimento de
retirada de Poder Institucional do PT, representado pela Presidente da República Federativa do Brasil, ser, a Sra. Dilma Vana
Rousseff, e também representado pelo ex-Presidente da República Federativa do Brasil, ser, o Sr. Luis Inácio Lula da Silva.

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

16 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

Reapresento o documento “Avaliação Teológica Do FORO PRIVILEGIADO Nos Paradígmas VE x EV”, http://pt.scribd.com
/doc/225975572/Avaliacao-Teologica-Do-FOROPRIVILEGIADO-Nos-Paradigmas-VE-x-EV, onde estamos, mais uma vez,
questionando a permanência do FORO PRIVILEGIADO no Sistema Jurídico-Constitucional brasileiro, quando então,
ressaltamos que o fazemos a partir da página “A Constituição e o Supremo” constante do site oficial do Supremo Tribunal
Federal, bem como, de certa maneira, estamos, REAFIRMANDO as colocações feitas pelo Ministro Relator da MS 24.458 –
Medida Cautelar em Mandado de Segurança.
Reapresento o documento “Qual o efetivo impacto da rejeição da PEC 37”, http://pt.scribd.com/doc/217188623/Qual-o-efetivoimpacto-da-rejeic... , onde estamos questionando a postura do Ministério Público frente a rejeição da chamada PEC 37, uma
vez que, entendemos que existem fatos suficientes, para que percebamos uma inércia, uma apatia, presumivelmente pela
pura desinformação da NOVA ORDEM JURÍDICA no concreto da Constituição da República Federativa do Brasil
promulgada em 1988.
Denúncia do Ministério Público Federal contra Lula
A notícia “Lula era o 'comandante máximo' do esquema da Lava Jato, diz MPF”, http://g1.globo.com/pr/parana/noticia
/2016/09/mpf-denuncia-lula-marisa-e-mais-seis-na-operacao-lava-jato.html , consta um vídeo em que o procurador da República
Deltan Dallagnol apresenta a denúncia contra o Sr. Luis Inácio Lula da Silva, onde consta :
Embora seja necessária descrição do esquema como um todo para fins de contextualização e para fins
probatórios.
O vídeo “Denúncia Completa de Deltan Dallagnol Contra Lula”, https://www.youtube.com/watch?v=tCUQ__rZ3HQ , nos
permite afirmar, sem medo de errar, que os procuradores da República apresentaram suas, respectivas, veias artíticas, onde o
domínio da “cena”, o domínio do “palco”, foram de extremada maestria, comparável a um “grande cabotino ator”, capaz, pela
qualidade da atuação, de ganhar o “OSCAR” da Academia Norte-americana de cinema, na qual consta, algo como :
Quando nós observamos a corrupção no Brasil nós temos muito, muito, claro que a corrupção no Brasil não
é um do partido “a”, ou do partido “b”, acorrupção no Brasil não é problema de um governo “a”, ou de um
governo “b”, quando nós olhamos a história, nós vemos que a corrupção é enraizada historicamente, e
quando nós olhamos, no momento presente, nós vemos que ela é sistêmica, ela é espalhada em diversos
níveis de governo, federal, estadual e municipal.
Embora seja necessária a descrição do esquema como um todo, para fins de contextualização e para fins
probatórios.
O primeiro conjunto de “atos de lavagem de dinheiro” diz respeito a “aquisição”, “reforma”, e “mobilia” de um
apartamento Triplex no Guarujá, em São Paulo. O segundo conjunto de “atos de lavagem de dinheiro” diz
respeito “ao custeio” do armazenamento de itens pessoais do ex-Presidente Lula, num depósito em São
Paulo. Precisamos dizer desde já que se entratando de lavagem de dinheiro, não teremos aqui “provas
cabais” de que Lula é efetivo proprietário no papel do apartamento Triplex no Guarujá, “da mesma forma”
os contratos de reforma, e mobilia, Lula e seus familiares não figuram ostensivamente, da mesma forma, os
contratos de manutenção dos seus bens não foram celebrados por Lula, e seus familiares”.
Estas conduntentes afirmações, são explicadas com “será que”, “será que”, “isso por si só não levaria a uma
conclusão peritória, mais isso ainda se torna mais suspeito, quando indica a real intenção, com outro
documento que foi encontrado ao longo da operação, que é esse, essas duas tabelas”.
Reapresento o documento “PGR incorre no mesmo erro apontado por Claus Roxin”, https://pt.scribd.com/doc/311636111
/PGR-incorre-no-mesmo-erro-apont... , onde estamos questionando a postura do Procurador-Geral da República, bem como,
advertindo para a possível, e indesejada atuação do STF como um “tribunal nazista”, como já ocorrida no Processo de Ação
Penal 470, onde consta :
Quando o Procurador-Geral da República denuncia o Ex-Presidente Luis Inácio Lula da Silva por ser o Chefe
da “quadrilha”, porque “é impossível que o Presidente da República do Brasil não tivesse conhecimento
do que ocorria a anos”, lembrando que qualquer processo tem como princípio a quadríade 1 – FATO, 2 –
DEMANDA, 3 – AVALIAÇÃO e 4 – CONCLUSÃO, logo, o “fato” esta calcado na interpretação pessoal (puro
“achismo”) do Procurador-Geral da República, que, IRRESPONSAVELMENTE divulga, ou permite, que sua
interpretação seja conhecida por TODOS sem qualquer respaldo, sem qualquer embasamento factível, ou
mesmo razoável, quando então, apresento a notícia “Jurista alemão adverte sobre o mau uso de sua
Teoria do Domínio do Fato - Viomundo - O que você não vê na mídia”.
AÇÃO PENAL Nº 5046512-94.2016.4.04.7000/PR
O Juiz Sérgio Moro, aceitou, na íntegra, em 20 de setembro de 2016, após sumária avaliação, a denúncia protocolada em
14 de setembro de 2016, pelo Ministério Público Federal de Curitiba, nos seguintes termos:
As considerações ora realizadas sobre as provas tiveram presente a necessidade de apreciar a presença dos

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

17 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

requisitos da denúncia, tendo sido efetuadas em cognição sumária. Por óbvio, dado o caráter da medida,
algum aprofundamento na valoração e descrição das provas é inevitável, mas a cognição é prima facie e
não representa juízo definitivo sobre os fatos, as provas e as questões de direito envolvidas, algo só viável
após o fim da instrução e especialmente após o contraditório.
O Supremo Tribunal Federal aceitou, em 22 de agosto de 2007, em 23 de agosto de 2007, em 24 de agosto de 2007, em 27
de agosto de 2007, e em 28 de agosto de 2007, após dedicada avaliação, a denúncia protocolada, Inquérito INQ 2245 é
autuado no STF, em 26 de julho de 2005, pelo Ministério Público Federal, que somente em 12 de novembro de 2007 foi
transformada na Ação Penal 470, que foi instaurada.
Quando o Supremo Tribunal Federal, frente a importância, e relevância, para TODOS os Envolvidos, e principalmente, para
a Sociedade Brasileira, de denúncia protocolada através da PET 3469, resolve julgar sua possível aceitação, se dedincado
por anos, nos deparamos com um Juiz Federal de 1ª Instância, que aceita denúncia de, também, significante importância, e
relevância, para TODOS os Envolvidos, e principalmente, para a Sociedade Brasileira, em menos de 1 (uma) semana, com
a preocupação de injustificavelmente esclarecer :

“É a síntese da denúncia.
Nessa fase processual, não cabe o exame aprofundado das provas, algo só viável após a instrução e
especialmente o exercício do direito de defesa.
Basta, nessa fase, analisar se a denúncia tem justa causa, ou seja, se ampara-se em substrato probatório
razoável”
Se considerarmos a preocupação, pela própria dedicação da avaliação da denúncia, pelo Supremo Tribunal Federal, acima
mencionada, empiricamente, fica-me difícil, aceitar, e entender, que seja crível, que seja factivel, que seja razoável, que
seja moral, que seja ético, que seja justo, que seja legítimo, que para a denúncia do “calibre” como a apresentada, NÃO
CAIBA o exeme aprofundado das provas.
Afinal, uma denúncia que apresentada em um “Teatro do Absurdo”, que foi a entrevista coletiva dada pelos, procuradores da
República, que a assinam, onde divagações, onde especulações, reconhecidamente, não provam, mas, para eles,
respaldam, a convicção, em meu empírico entendimento, jamais poderiam ser reconhecida como “justa causa”, e
“substrato probatório razoável”, exceção feita, ao período de inquisição da igreja católica, onde primeiro se identificava o
“criminoso”, para depois, se tipificar, utilizando-se de qualquer subterfúgio, os “crimes”.
Reapresento o documento “Inconstitucionalmente Lula esta impedido de ser Ministro”, https://pt.scribd.com/doc/305429955
/Inconstitucionalmente-Lula-Esta-Impedido-de-Ser-Ministro , onde estamos apresentando nosso inconformismo, nossa
contestação, ao “voto” proferido pelo bom advogado da união, gilmar mendes, que, INFELIZMENTE, esta Ministro do Supremo
Tribunal, e Vice-Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, frente ao fato de ter relatado Mandados de Segurança, de forma
tendenciosa, relacionados a Lava-Jato que deveriam estar sob a Responsabilidade do Ministro Teori Zavascki.
Reapresento o documento “Impechment o Teatro do ABSURDO”, https://pt.scribd.com/document/322617736/Impechmento-Teatro-do-ABSURDO , onde estamos, empiricamente, apresentando nosso inconformismo, com a pressa, com o atropelo,
com que tem sido conduzido, pelo “menino que brinca num tribunal nazista”, no Senado Federal, o processo de
Impeachment da Presidente da República do Brasil, onde os esforços para se decidir rapidamente, permitem que “JUÍZES”
se ausentem, permitem que “ORADORES” discurssassem sem “JUÍZES” ouvintes, permitem que “JUÍZES” iniciem o
julgamento com “VEREDITO DECIDIDO”, isto é, sem qualquer possibilidade de PLENO Contraditório, ou PLENA Ampla
Defesa, pela própria falta de Isenção., característica de um “julgamento” puraMENTE político.
Aproveito para chamar, mais uma vez, a atenção, para o fato, concreto, de que no site oficial do Supremo Tribunal Federal, a
página “A Constituição e o Supremo”, nos assegura a certeza de que não basta estar investido, é imperioso, quiçá visceral,
que tenha posturá Ética, Pessoal, e Profissional, Compatível a um “Olhar Holístico”, percebendo O Mundo, e NO Mundo,
TER A Capacidade, a Sagacidade, DE SER IMPARCIAL, calcado nos princípios de Legitimidade, da Justiça, e da
Legalidade, uma vez que, nela consta :
http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/sumariobd.asp.

Separação dos poderes. Possibilidade de análise de ato do Poder Executivo pelo Poder Judiciário. (...) Cabe ao
Poder Judiciário a análise da legalidade e constitucionalidade dos atos dos três Poderes constitucionais, e, em
vislumbrando mácula no ato impugnado, afastar a sua aplicação.” (AI 640.272-AgR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento
em 2-10-09, 1ª Turma, DJ de 31-10-07). No mesmo sentido: AI 746.260-AgR, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgamento em 9-6-09, 1ª
Turma, DJE de 7-8-09.
"Ninguém é obrigado a cumprir ordem ilegal, ou a ela se submeter, ainda que emanada de autoridade judicial. Mais: é dever de
cidadania opor-se à ordem ilegal; caso contrário, nega-se o Estado de Direito." (HC 73.454, Rel. Min. Maurício Corrêa,
julgamento em 22-4-96, 2ª Turma, DJ de 7-6-96)

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

18 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

"A decisão, como ato de inteligência, há de ser a mais completa e convincente possível. Incumbe ao Estado-Juiz observar a
estrutura imposta por lei, formalizando o relatório, a fundamentação e o dispositivo. Transgride comezinha noção do devido
processo legal, desafiando os recursos de revista, especial e extraordinário pronunciamento que, inexistente incompatibilidade
com o já assentado, implique recusa em apreciar causa de pedir veiculada por autor ou réu.
O juiz é um perito na arte de proceder e julgar, devendo enfrentar as matérias suscitadas pelas partes, sob pena de, em vez de
examinar no todo o conflito de interesses, simplesmente decidi-lo, em verdadeiro ato de força, olvidando o ditame
constitucional da fundamentação, o princípio básico do aperfeiçoamento da prestação jurisdicional.” (RE 435.256, Rel. Min.
Marco Aurélio, julgamento em 26-5-09, 1ª Turma, DJE de 21-8-09
“Devem ser postos em relevo os valores que norteiam a Constituição e que devem servir de orientação para a correta
interpretação e aplicação das normas constitucionais e apreciação da subsunção, ou não, da Lei n. 8.899/94 a elas. Vale, assim,
uma palavra, ainda que brevíssima, ao Preâmbulo da Constituição, no qual se contém a explicitação dos valores que dominam a
obra constitucional de 1988 (...). Não apenas o Estado haverá de ser convocado para formular as políticas públicas que podem
conduzir ao bem-estar, à igualdade e à justiça, mas a sociedade haverá de se organizar segundo aqueles valores, a fim de
que se firme como uma comunidade fraterna, pluralista e sem preconceitos (...). E, referindo-se, expressamente, ao Preâmbulo
da Constituição brasileira de 1988, escolia José Afonso da Silva que ‘O Estado Democrático de Direito destina-se a
assegurar o exercício de determinados valores supremos. ‘Assegurar’, tem, no contexto, função de garantia dogmáticoconstitucional; não, porém, de garantia dos valores abstratamente considerados, mas do seu ‘exercício’. Este signo
desempenha, aí, função pragmática, porque, com o objetivo de ‘assegurar’, tem o efeito imediato de prescrever ao Estado uma
ação em favor da efetiva realização dos ditos valores em direção (função diretiva) de destinatários das normas constitucionais
que dão a esses valores conteúdo específico’ (...). Na esteira destes valores supremos explicitados no Preâmbulo da
Constituição brasileira de 1988 é que se afirma, nas normas constitucionais vigentes, o princípio jurídico da
solidariedade.” (ADI 2.649, voto da Min. Cármen Lúcia, julgamento em 8-5-08, Plenário, DJE de 17-10-08)
Na esperança, de ter, de alguma forma, contribuído, para uma avalição, sob outros aspectos, do contexto JurídicoConstitucional brasileiro, que permitiu, permite, e presumivelmente, ainda permitirá, que existam PERSEGUIDOS, e
PROTEGIDOS, ainda, com o intuito, de Responsavelmente Despreocupadamente Mudar Conceitos e Valores,
efetivamente, praticados, em DETRIMENTO, do POVO Brasileiro, do qual TENHO ORGULHO de pertencer.
Afinal, em simplório “Olhar Holístico”, percebendo, O Mundo, e NO Mundo, é possível verificar, que no Brasil, é GRANDE, o
contingente de interessados, em “tapar o sol com a peneira”, de gritantes, aberrações juridicionais, de tal forma, serem
aceitas como Legítimas, e Constitucionais.
Por esta razão, volto a colocar que, em 2007, iniciamos esforços, assumindo a proposta de “Despreocupadamente,
Responsavelmente, Mudar, Conceitos, e Valores”, com o intuito de conscientizar a “Elite Brasileira”, aquela que dispõe de
algum Poder Financeiro, algum Poder Econômico, algum Poder Religioso, algum Poder Cultural, algum Poder Social,
algum Poder Institucional, e/ou algum Poder Político, para a importância, e relevância, de termos, no Brasil, um Poder
Judiciário, a Altura das necessidades prementes, e históricas, da Sociedade Brasileira.
Por esta razão, volto a colocar, aos Cidadãos Brasileiros COMUNS, como Eu, Dígnos de Respeito, e Considerção, que,
apenas posso REAFIRMAR, o que, um Dia, sabiamente, Ruy Barbosa, O fez, TENHO VERGONHA DE MIM, bem como, "A
justiça, cega para um dos dois lados, já não é justiça. Cumpre que enxergue por igual à direita e à esquerda."
Atenciosamente,
Dr. Plinio Marcos Moreira da Rocha

“Colando”

(copiandoGrau de Doutor, com Doutorado em Direito de “Merda

Estabelecimento de “Merda

(inexistente),

em

(inexistente), reconhecido pelo Ministério de Estado da Educação de “Merda

(que TUDO assiste, duplo sentido), de um Estado de Direito de “Merda (que TUDO permite), conforme
o documento “Resposta a Sérgio Rodas de um Cinquentão com Índole de Jovem”, onde estamos
utilizando do direito de resposta, face a tendenciosa, e achincalhada, “avaliação” do documento “Petição como
Amicus curiae”, feita, e publicada, pelo “repórter” Sérgio Rodas da Revista Consultor Jurídico.
https://pt.scribd.com/doc/282176485/Resposta-a-Sergio-Rodas-de-Um-Cinquentao-Com-Indole-de-Jovem
http://www.conjur.com.br/2015-set-16/cinquentao-indole-jovem-participar-julgamento-stf
https://pt.scribd.com/document/142382500/Porque-Sou-Doutor-Em-Direito-de-Merda
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ

29/09/2016 00:38

Terra Mail - Message - pliniomarcosmr@terra.com.br

19 de 19

https://mail.terra.com.br/mail/index.php?r=message/print&Message[uid...

CEP – 22.010-010
Tel. (Res) 2542-7710
Tel. (Cel) 9 8618-3350
Penso, não só Existo, Me Faço PRESENTE
Um Cinquentão com índole de um Jovem revolucionário apaixonado por TUDO que se envolve, por isso, tem a
Despreocupação Responsável em MUDAR Conceitos e Valores.
A Despreocupação Responsável em MUDAR Conceitos e Valores
La leggerezza responsabile di MODIFICARE Concetti e Valori
Die Nachlässige verantwortlich zu ändern Konzepte und Werte
Descuidos a la Responsable de CAMBIAR conceptos y valores
De onzorgvuldige Verantwoordelijke VERANDERING van concepten en Waarden
The Responsible Easiness in CHANGING Concepts and Values
Le négligent responsable de changement Concepts et valeurs

‫ﺇﻥ ﺇﻫﻣﺎﻝ ﺍﻟﻣﺳﺅﻭﻟﻳﻥ ﺇﻟﻰ ﺗﻐﻳﻳﺭ ﺍﻟﻣﻔﺎﻫﻳﻡ ﻭﺍﻟﻘﻳﻡ‬
不注意な変更概念と値に責任
Analista de Sistemas, presumivelmente único Cidadão Brasileiro COMUM, que mesmo não tendo nível superior
completo (interrompi o Curso de Executivo, com o primeiro semestre completo em 1977), portanto, não sendo
Advogado, nem Bacharél, nem Estudante de Direito, teve suas práticas inscritas nas 6ª, e 7ª, edições do Prêmio
INNOVARE, ambas calcadas no CAOS JURÍDICO que tem como premissa o PURO FAZER DE CONTAS,
reconhecidas, e DEFERIDAS pelo Conselho Julgador, conforme o documento INNOVARE Um Brasileiro COMUM No
Meio Juridico II,
http://pt.scribd.com/doc/46900172/INNOVARE-Um-Brasileiro-COMUM-No-Meio-Juridico-II

29/09/2016 00:38

Matérias Reconhecidas :: STF - Supremo Tribunal Federal

1 de 1

Brasília, 24 de setembro de 2016 - 12:28

http://www.stf.jus.br/portal/geral/verImpressao.asp

Imprimir

Acompanhamento Processual
Incluir processo ao push

HC 131033 - HABEAS CORPUS (Eletrônico)
[Ver peças eletrônicas]

Origem:
Relator atual
PACTE.(S)
IMPTE.(S)
COATOR(A/S)(ES)
Andamentos
Data

MG - MINAS GERAIS
MIN. LUIZ FUX
HENRIQUE PIZZOLATO
PLÍNIO MARCOS MOREIRA DA ROCHA
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

DJ/DJe Jurisprudência Deslocamentos Detalhes Petições
Andamento

Órgão
Julgador

Recursos

Observação

Documento

03/11/2015 Conclusos ao(à)
Relator(a)
03/11/2015 Opostos
embargos de
declaração

Juntada Petição: 56061/2015

29/10/2015 Petição

Embargos de Declaração - Petição: 56061
Data: 29/10/2015 20:59:20.242 GMT-02:00

29/10/2015 Publicação, DJE

DJE nº 217, divulgado em 28/10/2015

Decisão
monocrática

28/10/2015 Conclusos ao(à)
Relator(a)
27/10/2015 Petição

Contestação - Petição: 55537 Data:
27/10/2015 23:36:05.142 GMT-02:00

27/10/2015 Negado
seguimento

MIN. LUIZ
FUX

23/10/2015 Conclusos ao(à)
Relator(a)
23/10/2015 Distribuído

MIN. LUIZ FUX. Exclusão do Relator/Revisor:
MIN. ROBERTO BARROSO. Impedido(a): MIN.
EDSON FACHIN. Processo que justifica: AP
470

23/10/2015 Autuado
23/10/2015 Protocolado

Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000

24/09/2016 12:28

A lista de Furnas é verdadeira, afinal | Brasil 24/7

1 de 5

http://www.brasil247.com/pt/colunistas/pedromaciel/216012/A-lista-de-...

BRASIL 247: O SEU JORNAL DIGITAL 24 HORAS POR DIA, 7 DIAS POR SEMANA.

QUEM SOMOS (/PT/247/INFO/175/QUEM-SOMOS.HTM)

24.09.2016
CAPA (/)

BLOGS E COLUNAS

NOVO

(//WWW.BRASIL247.COM/PT/BLOG/)

SIGA-NOS NO GOOGLE+

(//www.brasil247.com/author/Pedro+Maciel)

PEDRO MACIEL
(//WWW.BRASIL247.COM
/AUTHOR
/PEDRO+MACIEL)
CURTA NO FACEBOOK

Advogado, sócio da Maciel
Neto Advocacia, autor de
“Reflexões sobre o estudo do
Direito”, Ed. Komedi, 2007

Brasil 247
750k likes

COMPARTILHE!
Like

A lista de Furnas é verdadeira, afinal
(//www.brasil247.com/pt/colunistas/pedromaciel
/216012/A-lista-de-Furnas-é-verdadeiraafinal.htm)
5 de Fevereiro de
2016

Share

948

Tweetar

()
Enviar por E-mail

(mailto:?subject=&
A Lista de Furnas é o nome atribuído ao esquema de corrupção
body=)
e lavagem de
dinheiro iniciado no
Imprimir (#)
Consórcio Contemplado
governo FHC
20 Comentários
envolvendo a
(http://www.brasil247.com
empresa estatal
/pt/colunistas
Furnas Centrais
/pedromaciel/216012
/A-lista-de-FurnasElétricas, e que teria
é-verdadeiraabastecido a
afinal.htm)
campanha de
políticos em sua
ent=alternating-thumbnails-rr:Right Rail Thumbnails:)
maioria do PSDB e
Leia Mais
PFL, hoje DEM desde
(https://ad.doubleclick.net/ddm/clk
1996.

O escândalo foi
Excelência em Consórcios e I...
Entre em contato com nossa equipe. As melhores cotas do
originalmente
mercado.
divulgado pela
revista Carta Capital
em 2006. A revista
denunciou políticos, magistrados e empresários por terem
recebido dinheiro de propina através do então diretor da
empresa Furnas Centrais Elétricas Dimas Toledo e do
publicitário Marcos Valério.
Entre os nomes que constam na lista estão o do ministro do
STF Gilmar Mendes e de políticos como José Serra, Geraldo
Alckmin, Aécio Neves, Delcídio Amaral, Roberto Jefferson e Jair
Bolsonaro. Mas há mais de uma dezena de outros personagens
de "ilibada conduta moral" na tal lista.
A imprensa nunca deu atenção a esse fato, apesar da gravidade
dos fatos e dos nomes envolvidos (talvez não tenha despertado
interesse porque o PT não protagonizava o esquema e sim o
PSDB) e a oposição buscou nos EUA um perito, acusado por lá

/310928144;138623619;g?utm_source=taboola&
utm_medium=referral)

Novo C3 Puretech Entrada + 60x
de R$49…
Citroën do Brasil

(https://ad.doubleclick.net/ddm/clk
/310928144;138623619;g?utm_source=taboola&
utm_medium=referral)
(http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/256817
/Mídia-silencia-diante-de-confissão-de-Temer-sobreimpeachment.htm)

Mídia silencia diante de confissão
de Temer sobre i…

(http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/256817
/Mídia-silencia-diante-de-confissão-de-Temer-sobreimpeachment.htm)
(https://4tw2.com/path/lp.php?trvid=10247&
trvx=da4d98e5&IM=A02B&TT=T02&
utm_source=taboola&utm_medium=referral&

24/09/2016 12:33

A lista de Furnas é verdadeira, afinal | Brasil 24/7

http://www.brasil247.com/pt/colunistas/pedromaciel/216012/A-lista-de-...

de perjúrio, para desqualificar a autenticidade da lista de
furnas. Espetacular!
Bem, o tempo passou e o assunto voltou no âmbito das
investigações da Operação Lava-Jato e a lista de furnas
retornou ao noticiário.

SID=brasil247)

Tecnologia de espionagem barata.
Rastrei…
Economize na rede

No termo de colaboração nº 20 da Delação Premiada de Alberto
Youssef, o doleiro diz ter ouvido que o já falecido ex-deputado e
ex-presidente do PP José Janene e o então senador e
ex-candidato à presidência pelo PSDB Aécio Neves, que
exerceria influência na diretoria de Furnas entre os anos de
1996 e 2002, dividiam propinas recebidas de empresas que
prestavam serviços para Furnas. Aécio receberia a propina por
intermédio de uma de suas irmãs. Mas o zeloso Ministério
Publico Federal concluiu que as afirmações de Alberto Youssef
seriam muito vagas e o Senador playboy escapou naquela
época de ser investigado porque foi ignorado o principio In
Dubio Pro Societate.
Mas em depoimento ao juiz Sérgio Moro, o lobista Fernando
Moura afirmou que a propina em Furnas continuou sendo
controlada por Aécio Neves também no governo Lula, e que o
esquema de propina se assemelhava ao instalado na Petrobras.
Segundo o delator, um terço da propina era para o PSDB de São
Paulo, um terço para o PSDB nacional e um terço Aécio Neves.
Bem, quem sabe agora os tucanos citados na lista de Furnas
tenham o tratamento adequado aos acusados, aos suspeitos e
aos citados em processos e inquéritos que envolvam interesse e
dinheiro públicos. Talvez agora o MPF reencontre aplicação do
principio In Dubio Pro Societate, ou seja, instaure inquérito para
investigação, pois a sociedade tem o direito à verdade.
Consórcio Contemplado

(https://4tw2.com/path/lp.php?trvid=10247&
trvx=da4d98e5&IM=A02B&TT=T02&
utm_source=taboola&utm_medium=referral&
SID=brasil247)
(http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247
/154481/Será-que-a-família-Campos-desistiudo-Brasil.htm)

Será que a família Campos desistiu
do Brasil?

(http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247
/154481/Será-que-a-família-Campos-desistiudo-Brasil.htm)
(http://mbnlv.adsb4track.com
/c/a7c4c524b07a0ec8??campaign={campaign}&
title=Mulher+de+%24%7BCity%3ACapitalized
%7D%24+perde+12kg+em+1+m%C3%AAs&
thumbnail=http%3A%2F
%2Fcdn.taboolasyndication.com%2Flibtrc%2Fstatic%2Fthumbnails
site=brasil247)

Mulher de Rio De Janeiro perde
12kg em 1 mês
Corpo Saúde

(http://mbnlv.adsb4track.com
/c/a7c4c524b07a0ec8??campaign={campaign}&
title=Mulher+de+%24%7BCity%3ACapitalized
%7D%24+perde+12kg+em+1+m%C3%AAs&
thumbnail=http%3A%2F
%2Fcdn.taboolasyndication.com%2Flibtrc%2Fstatic%2Fthumbnails
site=brasil247)
(http://www.brasil247.com/pt/blog/leonardoattuch
/256870/Rodrigo-Maia-pensa-na-direção-correta.htm)

Rodrigo Maia pensa na direção
correta

(http://www.brasil247.com/pt/blog/leonardoattuch
/256870/Rodrigo-Maia-pensa-na-direção-correta.htm)
utm_medium=bytaboola&taboola_utm_content=alternating-thumbnails-rr:Right Rail Thumbnails:)
utm_medium=bytaboola&taboola_utm_content=alternating-thumbnails-rr:Right Rail Thumbnails:)

Excelência em Consórcios e I...
Entre em contato com nossa equipe. As melhores cotas do
mercado.

bytaboola&taboola_utm_content=thumbnails-a:Below Article Thumbnails:)
bytaboola&taboola_utm_content=thumbnails-a:Below Article Thumbnails:)
bytaboola&taboola_utm_content=thumbnails-a:Below Article Thumbnails:)
Recomendado para você

2 de 5

(http://semanadamanutencao.com/ganhei5000/??utm_source=taboola&utm_medium=brasil247&
utm_campaign=SM2&utm_term=Homem+cria+m%C3%A9todo+para+lucrar+5mil+com+manuten%C3%A7
%C3%A3o+e+irrita+economistas)

Homem cria método para lucrar 5mil com manutenção e irrita e…
Manutenção Lucrativa

(http://semanadamanutencao.com/ganhei5000/??utm_source=taboola&utm_medium=brasil247&
utm_campaign=SM2&utm_term=Homem+cria+m%C3%A9todo+para+lucrar+5mil+com+manuten%C3%A7
%C3%A3o+e+irrita+economistas)
(https://ad.doubleclick.net/ddm/clk/310928144;138623619;g?utm_source=taboola&utm_medium=referral)

Novo C3 Puretech Entrada + 60x de R$499,00
Citroën do Brasil

(https://ad.doubleclick.net/ddm/clk/310928144;138623619;g?utm_source=taboola&utm_medium=referral)
(https://4tw2.com/path/lp.php?trvid=10247&trvx=da4d98e5&IM=A02B&TT=T02&utm_source=taboola&
utm_medium=referral&SID=brasil247)

24/09/2016 12:33

Pesquisa :: STF - Supremo Tribunal Federal

1 de 7

http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj...

MS/24458 - MEDIDA CAUTELAR EM MANDADO DE SEGURANÇA
Classe:
Procedência:
Relator:
Partes

MS
DISTRITO FEDERAL
MIN. CELSO DE MELLO
IMPTE.(S) - FRANCISCO PINHEIRO LANDIM
ADV.(A/S) - RAUL LIVINO VENTIM DE AZEVEDO
IMPDO.(A/S) - PRESIDENTE DA MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Andamentos Jurisprudência Deslocamentos Detalhes Petições Recursos
DECISÃO: Trata-se de mandado de segurança, com pedido de medida liminar, impetrado
com a finalidade de obter, do Supremo Tribunal Federal, ordem que paralise as atividades da
Comissão de Sindicância instituída, em 03/02/2003, pela Mesa da Câmara dos Deputados (fls. 44),
para apurar e oferecer relatório a respeito de condutas alegadamente atentatórias ao decoro
parlamentar, em que teria incidido o Deputado Federal Francisco Pinheiro Landim, supostamente
envolvido em "tráfico de influência, junto à Justiça Federal, em benefício de narcotraficantes" (fls.
45).
Postula-se, ainda, nesta sede processual, seja declarada a nulidade do Ato nº 01, de
03/02/2003 (fls. 44), com o conseqüente "arquivamento do inquérito administrativo" (fls. 41), cuja
validade é ora questionada na presente impetração mandamental.
O impetrante, para
justificar a impugnação que deduz perante esta Suprema Corte, sustenta que o eminente
Presidente da Câmara dos Deputados, ao agir na condição de Presidente da Mesa dessa Casa
legislativa, teria desrespeitado, quando da edição do Ato nº 01/2003, postulados constitucionais
básicos, lesando, dentre outros, os princípios da isonomia, da legalidade, da presunção de
inocência, da garantia de defesa e aquele que veda o "bis in idem".
Passo a apreciar o
pedido de medida liminar.
COMPETÊNCIA ORIGINÁRIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
PARA APRECIAR MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRADO CONTRA A MESA DA CÂMARA DOS
DEPUTADOS. Reconheço, preliminarmente, que a qualidade do órgão estatal ora apontado como
coator - Mesa da Câmara dos Deputados - faz instaurar a competência originária do Supremo
Tribunal Federal para processar e julgar, na espécie, a presente ação de mandado de segurança
(CF, art. 102, I, "d").
O ABUSO DE PODER, DE QUE DERIVA LESÃO A DIREITOS
SUBJETIVOS, ALEGADAMENTE PRATICADO COM SUPOSTO DESRESPEITO A PRINCÍPIOS
CONSTITUCIONAIS, LEGITIMA A POSSIBILIDADE DE CONTROLE JURISDICIONAL. Impõe-se
observar, de outro lado, por necessário, que o exame da impugnação deduzida na presente sede
mandamental justifica - na estrita perspectiva do princípio da separação de poderes - algumas
reflexões prévias em torno das relevantíssimas questões pertinentes ao controle jurisdicional do
poder político e às implicações jurídico-institucionais que necessariamente decorrem do exercício
do judicial review.
Como sabemos, o regime democrático, analisado na perspectiva das
delicadas relações entre o Poder e o Direito, não tem condições de subsistir, quando as
instituições políticas do Estado falharem em seu dever de respeitar a Constituição e as leis, pois,
sob esse sistema de governo, não poderá jamais prevalecer a vontade de uma só pessoa, de um
só estamento, de um só grupo ou, ainda, de uma só instituição.
Na realidade, impõe-se, a
todos os Poderes da República, o respeito incondicional aos valores que informam a declaração de
direitos e aos princípios sobre os quais se estrutura, constitucionalmente, a organização do Estado.
Delineia-se, nesse contexto, a irrecusável importância jurídico-institucional do Poder
Judiciário, investido do gravíssimo encargo de fazer prevalecer a autoridade da Constituição e de
preservar a força e o império das leis, impedindo, desse modo, que se subvertam as concepções
que dão significado democrático ao Estado de Direito, em ordem a tornar essencialmente
controláveis, por parte de juízes e Tribunais, os atos estatais que importem em transgressão a
direitos, garantias e liberdades fundamentais, assegurados pela Carta da República.
Vê-se,
daí, na perspectiva do caso ora em exame, que a intervenção do Poder Judiciário, nas hipóteses
de suposta lesão a direitos subjetivos amparados pelo ordenamento jurídico do Estado, reveste-se
de plena legitimidade constitucional, ainda que essa atuação institucional se projete na esfera
orgânica do Poder Legislativo, como se registra naquelas situações em que se atribuem, à
instância parlamentar, condutas tipificadoras de abuso de poder.
Isso significa, portanto considerada a fórmula política do regime democrático - que nenhum dos Poderes da República
está acima da Constituição e das leis. Nenhum órgão do Estado - situe-se ele no Poder Judiciário,
ou no Poder Executivo, ou no Poder Legislativo - é imune à força da Constituição e ao império das
leis.
Uma decisão judicial - que restaure a integridade da ordem jurídica e que torne
efetivos os direitos assegurados pelas leis - não pode ser considerada um ato de interferência na
esfera do Poder Legislativo, consoante já proclamou, em unânime decisão, o Plenário do Supremo
Tribunal Federal, qualquer que seja a natureza do órgão legislativo cujas deliberações venham a
ser questionadas em sede jurisdicional, especialmente quando houver, como no caso, alegação de
desrespeito aos postulados que estruturam o sistema constitucional:
"O CONTROLE
JURISDICIONAL DE ABUSOS PRATICADOS POR COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO NÃO
OFENDE O PRINCÍPIO DA SEPARAÇÃO DE PODERES.
- A essência do postulado da divisão
funcional do poder, além de derivar da necessidade de conter os excessos dos órgãos que
compõem o aparelho de Estado, representa o princípio conservador das liberdades do cidadão e
constitui o meio mais adequado para tornar efetivos e reais os direitos e garantias proclamados

24/09/2016 11:47

Pesquisa :: STF - Supremo Tribunal Federal

2 de 7

http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj...

pela Constituição.
Esse princípio, que tem assento no art. 2º da Carta Política, não pode
constituir e nem qualificar-se como um inaceitável manto protetor de comportamentos abusivos e
arbitrários, por parte de qualquer agente do Poder Público ou de qualquer instituição estatal.
O Poder Judiciário, quando intervém para assegurar as franquias constitucionais e para garantir a
integridade e a supremacia da Constituição, desempenha, de maneira plenamente legítima, as
atribuições que lhe conferiu a própria Carta da República.
O regular exercício da função
jurisdicional, por isso mesmo, desde que pautado pelo respeito à Constituição, não transgride o
princípio da separação de poderes.
Desse modo, não se revela lícito afirmar, na hipótese de
desvios jurídico-constitucionais nas quais incida uma Comissão Parlamentar de Inquérito, que o
exercício da atividade de controle jurisdicional possa traduzir situação de ilegítima interferência na
esfera de outro Poder da República.
O CONTROLE DO PODER CONSTITUI UMA EXIGÊNCIA DE
ORDEM POLÍTICO-JURÍDICA ESSENCIAL AO REGIME DEMOCRÁTICO.
- O sistema
constitucional brasileiro, ao consagrar o princípio da limitação de poderes, teve por objetivo
instituir modelo destinado a impedir a formação de instâncias hegemônicas de poder no âmbito do
Estado, em ordem a neutralizar, no plano político-jurídico, a possibilidade de dominação
institucional de qualquer dos Poderes da República sobre os demais órgãos da soberania nacional.
Com a finalidade de obstar que o exercício abusivo das prerrogativas estatais possa conduzir a
práticas que transgridam o regime das liberdades públicas e que sufoquem, pela opressão do
poder, os direitos e garantias individuais, atribuiu-se, ao Poder Judiciário, a função eminente de
controlar os excessos cometidos por qualquer das esferas governamentais, inclusive aqueles
praticados por Comissão Parlamentar de Inquérito, quando incidir em abuso de poder ou em
desvios inconstitucionais, no desempenho de sua competência investigatória." (RTJ 173/806, Rel.
Min. CELSO DE MELLO)
Em suma: a observância dos direitos e garantias constitui fator de
legitimação da atividade estatal. Esse dever de obediência ao regime da lei se impõe a todos magistrados, administradores e legisladores.
É que o poder não se exerce de forma
ilimitada. No Estado democrático de Direito, não há lugar para o poder absoluto.
O
CONTROLE JURISDICIONAL DOS ABUSOS IMPUTADOS AO PODER POLÍTICO - PORQUE TRADUZ
REAFIRMAÇÃO DA AUTORIDADE DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA - NÃO TRANSGRIDE O
PRINCÍPIO DA SEPARAÇÃO DE PODERES. Ainda que em seu próprio domínio institucional,
nenhum órgão estatal pode, legitimamente, pretender-se superior ou supor-se fora do alcance da
autoridade suprema da Constituição Federal e das leis da República.
O respeito efetivo
pelos direitos individuais e pelas garantias fundamentais outorgadas pela ordem jurídica aos
cidadãos em geral representa, no contexto de nossa experiência institucional, o sinal mais
expressivo e o indício mais veemente de que se consolidou, em nosso País, de maneira real, o
quadro democrático delineado na Constituição da República.
A separação de poderes consideradas as circunstâncias históricas que justificaram a sua concepção no plano da teoria
constitucional - não pode ser jamais invocada como princípio destinado a frustrar a resistência
jurídica a qualquer ensaio de opressão estatal ou a inviabilizar a oposição a qualquer tentativa de
comprometer, sem justa causa, o exercício do direito de protesto contra abusos que possam ser
cometidos pelas instituições do Estado.
As razões ora expostas - que bem traduzem
anterior decisão por mim proferida (MS 24.082/DF, Rel. Min. CELSO DE MELLO, DJU de
03/10/2001) - justificam a possibilidade de o Supremo Tribunal Federal conhecer da presente ação
mandamental, eis que a alegação de ofensa a princípios de índole constitucional - precisamente
por introduzir, no exame da controvérsia, um dado de natureza jurídica - descaracteriza a
existência de questão exclusivamente política, permitindo, desse modo, ante a inocorrência de ato
interna corporis, o pleno exercício, por esta Corte, de sua jurisdição constitucional.
Lapidar, sob tal aspecto, o magistério, erudito e irrepreensível, de PEDRO LESSA ("Do
Poder Judiciário", p. 65/66, 1915, Francisco Alves):
"Em substância: exercendo atribuições
políticas, e tomando resoluções políticas, move-se o poder legislativo num vasto domínio, que tem
como limites um círculo de extenso diâmetro, que é a Constituição Federal. Enquanto não
transpõe essa periferia, o Congresso elabora medidas e normas, que escapam à competência do
poder judiciário. Desde que ultrapassa a circunferência, os seus atos estão sujeitos ao julgamento
do poder judiciário, que, declarando-os inaplicáveis por ofensivos a direitos, lhes tira toda a
eficácia jurídica." (grifei)
É por essa razão que a jurisprudência constitucional do Supremo
Tribunal Federal jamais tolerou que a invocação da natureza interna corporis do ato emanado das
Casas legislativas pudesse constituir um ilegítimo manto protetor de comportamentos abusivos e
arbitrários do Poder Legislativo.
Daí a precisa observação de PONTES DE MIRANDA
("Comentários à Constituição de 1967 com a Emenda nº 1, de 1969", tomo III/644, 3ª ed., 1987,
Forense), cujo magistério - embora acentuando a incognoscibilidade judicial das questões políticas
atinentes à oportunidade, à conveniência, à utilidade ou ao acerto do ato emanado do órgão
estatal - registra advertência, que cumpre não ignorar:
"Sempre que se discute se é
constitucional ou não, o ato do poder executivo, ou do poder judiciário, ou do poder legislativo, a
questão judicial está formulada, o elemento político foi excedido, e caiu-se no terreno da questão
jurídica." (grifei)
Assentadas essas premissas, e considerando que o Deputado Federal
Pinheiro Landim, parte ora impetrante, alega múltiplas transgressões ao que dispõe o texto da
Constituição da República - notadamente no que se refere aos postulados constitucionais da
isonomia, da legalidade, da presunção de inocência, do contraditório e da vedação ao "bis in
idem" -, entendo, presente esse específico contexto, que se revela suscetível de conhecimento
esta ação de mandado de segurança, eis que a invocação de temas constitucionais faz instaurar,
de modo pleno, a jurisdição do Supremo Tribunal Federal, para apreciar a controvérsia exposta

24/09/2016 11:47

Pesquisa :: STF - Supremo Tribunal Federal

3 de 7

http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj...

nesta sede processual.
O PRINCÍPIO DA UNIDADE DE LEGISLATURA NÃO IMPEDE A
INSTAURAÇÃO DE PROCEDIMENTO DE CASSAÇÃO DE MANDATO LEGISLATIVO, AINDA QUE POR
ATOS ATENTATÓRIOS AO DECORO PARLAMENTAR COMETIDOS, POR TITULAR DE MANDATO
LEGISLATIVO, NA LEGISLATURA ANTERIOR. Tenho para mim, ao examinar, em sede de estrita
delibação, a pretensão mandamental deduzida pelo ora impetrante - não obstante as razões tão
excelentemente desenvolvidas por seus eminentes Advogados - que tal postulação parece não se
revestir de plausibilidade jurídica, especialmente em face da existência de decisão plenária,
proferida pelo Supremo Tribunal Federal, quando do julgamento do MS 23.388/DF, Rel. Min. NÉRI
DA SILVEIRA, ocasião em que esta Suprema Corte, tendo presente situação virtualmente idêntica
à que ora se registra neste processo ("Caso Talvane Neto"), rejeitou a tese de que a Casa
legislativa não pode decretar a cassação de mandato de qualquer de seus membros, por falta de
decoro parlamentar, se o fato motivador dessa deliberação houver ocorrido na legislatura anterior.
Essa decisão, emanada do Plenário do Supremo Tribunal Federal, acha-se consubstanciada
em acórdão assim ementado:
"Mandado de segurança. 2. Ato da Mesa da Câmara dos
Deputados, confirmado pela Comissão de Constituição e Justiça e Redação da referida Casa
legislativa, sobre a cassação do mandato do impetrante, por comportamento incompatível com o
decoro parlamentar. 3. Pretende-se a extinção do procedimento de perda do mandato.
Sustenta-se que a cassação do mandato, para nova legislatura, fica restrita à hipótese de, no
curso dessa legislatura, se verificarem condutas, dela contemporâneas, capituláveis como
atentatórias do decoro parlamentar. 4. Não configurada a relevância dos fundamentos da
impetração. Liminar indeferida. 5. Parecer da Procuradoria-Geral da República pela
prejudicialidade do mandado de segurança, em face da perda de objeto; no mérito, pela
denegação da ordem. 6. Tese invocada, acerca da inexistência de contemporaneidade entre o fato
típico e a competência da atual legislatura, que se rejeita. 7. Não há reexaminar, em mandado de
segurança, fatos e provas (...). 9. Mandado de segurança indeferido." (grifei)
Cabe
destacar, neste ponto, que o princípio da unidade de legislatura - que faz cessar, a partir de cada
novo quadriênio, todos os assuntos iniciados no período imediatamente anterior, dissolvendo-se,
desse modo, todos os vínculos com a legislatura precedente (JOSÉ AFONSO DA SILVA, "Princípios
do Processo de Formação das Leis no Direito Constitucional", p. 38/39, item n. 14, 1964, RT) rege, essencialmente, o processo de elaboração legislativa, tanto que, encerrado o período
quadrienal a que se refere o art. 44, parágrafo único, da Constituição Federal, dar-se-á, na
Câmara dos Deputados, o arquivamento das proposições legislativas, com a só exceção de alguns
projetos taxativamente relacionados na norma regimental (Regimento Interno da Câmara dos
Deputados, art. 105).
É por essa razão que o eminente Professor JOSÉ AFONSO DA SILVA,
ao tratar do postulado da unidade de legislatura, examina-o dentre os princípios que informam o
processo constitucional de formação das leis.
De outro lado, e ao contrário da limitação de
ordem temporal imposta à atividade investigatória das Comissões Parlamentares de Inquérito cujo âmbito de atuação não pode ultrapassar a legislatura em que instauradas (HC 71.193/SP, Rel.
Min. SEPÚLVEDA PERTENCE - MS 22.858/DF, Rel. Min. CELSO DE MELLO) -, cumpre rememorar
que o Supremo Tribunal Federal, como precedentemente assinalado, já firmou orientação no
sentido de que o princípio da unidade de legislatura não se reveste de efeito preclusivo, em tema
de cassação de mandato legislativo, por falta de decoro parlamentar, ainda que por fatos
ocorridos em legislatura anterior (MS 23.388/DF, Rel. Min. NÉRI DA SILVEIRA, Pleno).
Isso
significa, portanto, que o princípio da unidade de legislatura não representa obstáculo
constitucional a que as Casas legislativas venham, ainda que por fatos anteriores à legislatura em
curso, a instaurar - contra quem já era titular de mandato na legislatura precedente procedimento de caráter político- -administrativo, destinado a viabilizar a decretação da perda do
mandato, por fato atentatório ao decoro parlamentar, cometido por quem então se achava
investido na condição de membro de qualquer das Casas do Congresso Nacional (CF, art. 55, I,
"e", §§ 1º e 2º).
Parece revelar-se essencial, portanto, para os fins a que se refere o art.
55, § 2º da Constituição da República, a existência de uma necessária relação de
contemporaneidade entre a prática do ato contrário ao decoro parlamentar, de um lado, e o
exercício do mandato legislativo, de outro, mesmo que o ato ofensivo à dignidade institucional do
mandato (e, também, à honorabilidade do Parlamento), tenha ocorrido na legislatura
imediatamente anterior, praticado por quem, naquele momento, já era integrante do Poder
Legislativo, tal como expressamente o reconheceu o Plenário do Supremo Tribunal Federal, no
precedente mencionado.
Cumpre identificar, neste ponto, a "ratio" subjacente a esse
entendimento que resultou do julgamento plenário do MS 23.388/DF, Rel. Min. NÉRI DA
SILVEIRA: é que a ordem jurídica não pode permanecer indiferente a condutas de membros do
Congresso Nacional - ou de quaisquer outras autoridades da República - que hajam
eventualmente incidido em censuráveis desvios éticos, no desempenho da elevada função de
representação política do Povo brasileiro.
Foi por tal motivo que o Plenário desta Suprema
Corte, atento aos altíssimos valores que informam e condicionam todas as atividades
governamentais - não importando o domínio institucional em que elas tenham lugar -, veio a
proferir o seu dictum, reconhecendo a possibilidade jurídico-constitucional de qualquer das Casas
do Congresso Nacional adotar medidas destinadas a reprimir, com a cassação do mandato de seus
próprios membros, fatos atentatórios à dignidade do ofício legislativo e lesivos ao decoro
parlamentar, mesmo que ocorridos no curso de anterior legislatura, desde que, já então, o infrator
ostentasse a condição de membro do Parlamento.
Sabemos todos que o cidadão tem o
direito de exigir que o Estado seja dirigido por administradores íntegros, por legisladores probos e

24/09/2016 11:47

Pesquisa :: STF - Supremo Tribunal Federal

4 de 7

http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj...

por juízes incorruptíveis, que desempenhem as suas funções com total respeito aos postulados
ético-jurídicos que condicionam o exercício legítimo da atividade pública. O direito ao governo
honesto - nunca é demasiado reconhecê-lo - traduz uma prerrogativa insuprimível da cidadania.
O sistema democrático e o modelo republicano não admitem, nem podem tolerar a
existência de regimes de governo sem a correspondente noção de fiscalização e de
responsabilidade.
Nenhum membro de qualquer instituição da República está acima da
Constituição, nem pode pretender-se excluído da crítica social ou do alcance da fiscalização da
coletividade.
A imputação, a qualquer membro do Congresso Nacional, de atos que
importem em transgressão ao decoro parlamentar revela-se fato que assume, perante o corpo de
cidadãos, a maior gravidade, a exigir, por isso mesmo, por efeito de imposição ética emanada de
um dos dogmas essenciais da República, a plena apuração e o esclarecimento da verdade, tanto
mais se se considerar que o Parlamento recebeu, dos cidadãos, não só o poder de representação
política e a competência para legislar, mas, também, o mandato para fiscalizar os órgãos e
agentes dos demais Poderes.
Qualquer ato de ofensa ao decoro parlamentar culmina
por atingir, injustamente, a própria respeitabilidade institucional do Poder Legislativo, residindo,
nesse ponto, a legitimidade ético-jurídica do procedimento constitucional de cassação do mandato
parlamentar, em ordem a excluir, da comunhão dos legisladores, aquele - qualquer que seja - que
se haja mostrado indigno do desempenho da magna função de representar o Povo, de formular a
legislação da República e de controlar as instâncias governamentais do poder.
Não se
poderá jamais ignorar que o princípio republicano consagra o dogma de que todos os agentes
públicos - legisladores, magistrados, e administradores - são responsáveis perante a lei e a
Constituição, devendo expor-se, plenamente, às conseqüências que derivem de eventuais
comportamentos ilícitos.
Cumpre insistir na asserção de que a prática de atos atentatórios
ao decoro parlamentar, mais do que ferir a dignidade individual do próprio titular do mandato
legislativo, projeta-se, de maneira altamente lesiva, contra a honorabilidade, a respeitabilidade, o
prestígio e a integridade político-institucional do Parlamento, vulnerando, de modo extremamente
grave, valores constitucionais que atribuem, ao Poder Legislativo, a sua indisputável e eminente
condição de órgão da própria soberania nacional.
É por essa razão que o eminente
Professor MIGUEL REALE ("Decoro Parlamentar e Cassação de Mandato Eletivo", in Revista de
Direito Público, vol. X/89), ao versar o tema em questão, adverte que o ato indecoroso do
parlamentar importa em falta de respeito à própria dignidade institucional do Poder Legislativo:
"O 'status' do deputado, em relação ao qual o ato deve ser medido (e será comedido ou
decoroso em razão dessa medida) implica, por conseguinte, não só o respeito do parlamentar a si
próprio, como ao órgão ao qual pertence (...).
No fundo, falta de decoro parlamentar é falta de
decência no comportamento pessoal, capaz de desmerecer a Casa dos representantes
(incontinência de conduta, embriaguez, etc) e falta de respeito à dignidade do Poder Legislativo,
de modo a expô-lo a críticas infundadas, injustas e irremediáveis, de forma inconveniente."
Não é por outro motivo que PINTO FERREIRA ("Comentários à Constituição Brasileira", vol.
3/28, 1992, Saraiva), em magistério lapidar sobre a matéria, assinala:
"Outro motivo
mencionado pela Constituição do País para a perda do mandato de deputado ou senador é o
procedimento reputado incompatível com o decoro parlamentar. É, então, um poder discricionário
que tem a Câmara de expulsar os seus membros, quando sua conduta venha a ferir a própria
honorabilidade da Assembléia. Conquanto o deputado ou senador tenha todas as condições para
continuar em seu cargo, a própria Câmara ajuíza que ele é indesejável ou intolerável, surgindo a
cassação como uma medida disciplinar.
.......................................................
(...) A
desqualificação do parlamentar não impede que ele venha a candidatar-se novamente.
Eventualmente pode reeleger-se. Mas sobra, ainda, à Câmara, o exercício do seu poder para
cassar novamente o mandato do dito membro." (grifei)
A submissão de todos à
supremacia da Constituição e aos princípios que derivam da ética republicana representa o fator
essencial de preservação da ordem democrática, por cuja integridade devemos todos velar,
enquanto legisladores, enquanto magistrados ou enquanto membros do Poder Executivo.
Não foi por outro motivo que o Plenário do Supremo Tribunal Federal, ao analisar a
extensão do princípio da moralidade - que domina e abrange todas as instâncias de poder -,
proclamou que esse postulado, enquanto valor constitucional revestido de caráter ético--jurídico,
condiciona a legitimidade e a validade de quaisquer atos estatais:
"A atividade estatal, qualquer
que seja o domínio institucional de sua incidência, está necessariamente subordinada à
observância de parâmetros ético-jurídicos que se refletem na consagração constitucional do
princípio da moralidade administrativa. Esse postulado fundamental, que rege a atuação do Poder
Público, confere substância e dá expressão a uma pauta de valores éticos sobre os quais se funda
a ordem positiva do Estado.
O princípio constitucional da moralidade administrativa, ao impor
limitações ao exercício do poder estatal, legitima o controle jurisdicional de todos os atos do Poder
Público que transgridam os valores éticos que devem pautar o comportamento dos agentes e
órgãos governamentais." (ADI 2.661/MA, Rel. Min. CELSO DE MELLO - Pleno)
Impõe-se
uma última observação a propósito do princípio da unidade de legislatura.
No caso ora em
exame, embora tratando-se de fato ocorrido na legislatura anterior, ele só deixou de ser apurado,
em virtude da extinção anômala do respectivo procedimento, por efeito da livre e unilateral
declaração de vontade emanada do próprio impetrante, que renunciou ao mandato de que, então,
era titular.
Daí o fato de a nova Mesa da Câmara dos Deputados haver deliberado, em
03/02/2003, sobre a necessidade de abertura de novo procedimento, em ordem a legitimar, em
função de novas investigações, a regular instauração, em momento oportuno, do processo de

24/09/2016 11:47

Pesquisa :: STF - Supremo Tribunal Federal

5 de 7

http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj...

cassação de mandato, por alegada falta de decoro parlamentar, que teria sido cometida pelo ora
impetrante.
Veja-se que, no precedente referido (MS 23.388/DF, Rel. Min. NÉRI DA
SILVEIRA, Pleno), o fato - também praticado em legislatura anterior (16/12/98) - veio a ser objeto
de procedimento de cassação de mandato, instaurado no último mês de determinada legislatura
(janeiro/99), que teve prosseguimento e conclusão no início da legislatura seguinte, quando certo
Deputado Federal teve o seu mandato cassado, por falta de decoro parlamentar (em 07/04/99),
transitando, o respectivo processo de cassação, de uma legislatura para outra, sem qualquer
solução de continuidade.
Presente referida situação (fato ocorrido em legislatura anterior,
em cujo âmbito foi instaurado o concernente procedimento de cassação, encerrado na legislatura
subseqüente, com os respectivos atos processuais havendo sido praticados em seqüência
ininterrupta) - situação essa em tudo aparentemente mais desfavorável que a ora exposta pelo
impetrante -, esta Suprema Corte, mesmo assim, veio a reconhecer que a Carta Política não exige
que haja necessária relação de contemporaneidade entre o fato típico e a legislatura sob cujo
domínio temporal teria ocorrido o evento motivador da responsabilização política do legislador, por
falta de decoro parlamentar, consoante esclareceu o Plenário do Supremo Tribunal Federal:
"3.
Pretende-se a extinção do procedimento de perda do mandato. Sustenta-se que a cassação do
mandato, para nova legislatura, fica restrita à hipótese de, no curso dessa legislatura, se
verificarem condutas, dela contemporâneas, capituláveis como atentatórias do decoro parlamentar
(...) 6. Tese invocada, acerca da inexistência de contemporaneidade entre o fato típico e a
competência da atual legislatura, que se rejeita." (MS 23.388/DF, Rel. Min. NÉRI DA SILVEIRA grifei)
APARENTE INOCORRÊNCIA DE OFENSA AO PRINCÍPIO DO "NON BIS IN IDEM".
Vê-se, do próprio precedente resultante do julgamento do MS 23.388/DF, Rel. Min. NÉRI DA
SILVEIRA (Pleno), que parece revelar-se inconsistente a alegação de que a Mesa da Câmara dos
Deputados, com a edição do Ato nº 01/2003, teria infringido o postulado que veda o "bis in idem".
Na realidade, o procedimento de apuração preliminar da conduta alegadamente
indecorosa do ora impetrante, instaurado na legislatura anterior, não se concluiu, em decorrência
de obstáculo exclusivamente criado pelo próprio impetrante, que renunciou ao seu mandato (fls.
46/49), impedindo, assim, ante a superveniente perda de objeto, a conclusão da sindicância.
Torna-se evidente, pois, que, em virtude dessa anômala extinção da sindicância
administrativa - a que deu causa, unicamente, o próprio impetrante (fls. 46/49) - o órgão
legislativo dela encarregado não teve condições de concluí-la e de relatá-la, o que, por si só,
afasta a alegação de que a instauração de nova sindicância, sob a responsabilidade de órgão
legislativo composto por novos integrantes, teria importado em ofensa ao princípio do "non bis in
idem".
Esse desrespeito ao postulado que veda o "bis in idem" simplesmente não ocorreu,
eis que, na legislatura anterior, não se registrou, contra o ora impetrante, e a propósito dos
mesmos fatos ensejadores da atual sindicância, a inflição de qualquer sanção de índole políticoadministrativa, nem se verificou o encerramento de qualquer procedimento de caráter disciplinar.
Disso resulta que inexiste, no caso, qualquer possibilidade de dupla punição políticoadministrativa, motivada pelo mesmo fato, a ser eventualmente imposta pela Casa Legislativa a
que pertence o ora impetrante, uma vez que - insista-se - a imputação existente contra o
Deputado Federal Pinheiro Landim, além de não haver constituído objeto de apreciação definitiva
na legislatura anterior, sequer resultou em qualquer sanção ao parlamentar em referência.
PROCEDIMENTO INQUISITÓRIO (FASE PRÉ-PROCESSUAL) E GARANTIA DE DEFESA.
Também não me parece, em sede de estrita delibação, que a Comissão de Sindicância tenha
desrespeitado a garantia da plenitude de defesa, pois ainda não se instaurou o processo políticoadministrativo a que se refere o art. 55, § 2º, da Constituição.
É que a Comissão de
Sindicância - que constitui a longa manus do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar - atua, no
presente momento, numa fase estritamente pré-processual, realizando diligências investigatórias
destinadas a comprovar, ainda que de modo sumário e preliminar, os fatos que poderão
substanciar, em momento oportuno, o ulterior oferecimento de acusação formal ("representação")
contra o ora impetrante, por suposta prática de atos alegadamente incompatíveis com o decoro
parlamentar.
Isso significa, portanto, que a fase ritual em que presentemente se acha o
procedimento de apuração sumária e preliminar dos fatos não comporta a prática do contraditório,
nem impõe a observância da garantia da plenitude de defesa, eis que a investigação promovida
pela Comissão de Sindicância reveste-se, no presente momento, do caráter de unilateralidade,
impregnada que se acha de inquisitividade, circunstância essa que torna insuscetível de invocação
a cláusula da plenitude de defesa e do contraditório.
É por essa razão que JOSÉ
FREDERICO MARQUES ("Elementos de Direito Processual Penal", vol. I/157, item n. 82, 2ª ed.,
1965, Forense), ao versar o tema da investigação penal, adverte que não tem pertinência, nessa
fase procedimental, caracterizada pela nota da unilateralidade da apuração dos fatos, a invocação
do princípio do contraditório, exatamente por ainda não haver sido instaurado o concernente
processo:
"Um procedimento policial de investigação, com o contraditório, seria verdadeira
aberração, pois inutilizaria todo esforço investigatório que a polícia deve realizar para a preparação
da ação penal."
Essa lição revela-se inteiramente aplicável à atividade igualmente
investigatória desenvolvida pela Comissão de Sindicância, instituída pela Mesa da Câmara dos
Deputados, pois, também no caso ora em exame, mostra-se prematura a pretendida observância
da garantia do contraditório e da plenitude de defesa, eis que ainda não se instaurou, na forma do
art. 7º do Regulamento do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, e
para os fins a que se refere o art. 55, § 2º, da Carta Política, o pertinente processo de perda do
mandato, por suposta falta de decoro parlamentar.
O fato irrecusável é um só: a Comissão

24/09/2016 11:47

Pesquisa :: STF - Supremo Tribunal Federal

6 de 7

http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj...

de Sindicância - que promove a investigação preliminar e sumária - atua como
verdadeira fact-finding commission. Nela não há a figura do acusado, porque ainda inexistente
qualquer acusação formal e também porque inocorrente a própria instauração do processo
político-administrativo a que alude o art. 55, § 2º, da Carta Política, e cuja disciplina ritual
observará o que dispõe o art. 7º do Regulamento do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da
Câmara dos Deputados, oportunidade em que será, então, assegurada ampla defesa ao
parlamentar, com todos os meios a ela inerentes, inclusive aquele referente à garantia do
contraditório (CF, art. 55, § 2º).
É certo que o Estado, em tema de punições de índole
disciplinar ou de caráter político-administrativo, não pode exercer a sua autoridade de maneira
abusiva ou arbitrária, desconsiderando, no exercício de sua atividade censória, o postulado da
plenitude de defesa, pois - cabe enfatizar -, o reconhecimento da legitimidade ético-jurídica de
qualquer sanção punitiva imposta pelo Poder Público exige, ainda que se cuide de procedimento
meramente administrativo (CF, art. 5º, LV), a fiel observância do princípio do devido processo
legal, consoante adverte autorizado magistério doutrinário (MANOEL GONÇALVES FERREIRA
FILHO, "Comentários à Constituição Brasileira de 1988", vol. 1/68-69, 1990, Saraiva; PINTO
FERREIRA, "Comentários à Constituição Brasileira", vol. 1/176 e 180, 1989, Saraiva; JESSÉ
TORRES PEREIRA JÚNIOR, "O Direito à Defesa na Constituição de 1988", p. 71/73, item n. 17,
1991, Renovar; EDGARD SILVEIRA BUENO FILHO, "O Direito à Defesa na Constituição", p. 47-49,
1994, Saraiva; CELSO RIBEIRO BASTOS, "Comentários à Constituição do Brasil", vol. 2/268-269,
1989, Saraiva; MARIA SYLVIA ZANELLA DI PIETRO, "Direito Administrativo", p. 401-402, 5ª ed.,
1995, Atlas; LÚCIA VALLE FIGUEIREDO, "Curso de Direito Administrativo", p. 290 e 293-294, 2ª
ed., 1995, Malheiros, v.g.).
Ocorre, no entanto, que essa diretriz constitucional (CF, art.
5º, LV), assim interpretada pelo magistério da doutrina e pela jurisprudência dos Tribunais,
somente terá aplicação, se e quando se tratar de processo (administrativo ou judicial), não,
porém, quando se cuidar, como no caso, de simples apuração sumária, por Comissão de
Sindicância, destinada a subsidiar futura acusação formal contra qualquer parlamentar, a quem
vier a ser imputada a prática de ato incompatível com o decoro inerente às Casas legislativas.
Uma vez instaurado o processo de decretação de perda de mandato, por suposta infração
ao que dispõe o art. 55, II, da Constituição, resultante de formal oferecimento da representação,
por parte de quem dispuser de legitimidade ativa para tanto (CF, art. 55, § 2º), aí, então,
impor-se-á, por efeito do que determina a própria Carta Política (CF, art. 55, § 2º), a observância
da garantia indisponível da plenitude de defesa.
Antes, porém, tal como já enfatizado, não
se revelará aplicável a garantia a que se refere o art. 55, § 2º da Constituição, pois, na fase
pré-processual de apuração sumária e preliminar dos fatos e respectivos elementos probatórios,
inexiste - considerado o contexto emergente da presente causa - qualquer possibilidade jurídica de
imposição da sanção constitucional de perda do mandato, tal como se discutiu, amplamente, no
Plenário desta Corte, quando do julgamento do MS 21.861/DF, Rel. Min. NÉRI DA SILVEIRA.
AUTONOMIA DA INVESTIGAÇÃO PARLAMENTAR, AINDA QUE OS FATOS A SEREM
APURADOS POSSAM QUALIFICAR-SE COMO ILÍCITOS PENAIS. De outro lado, cumpre enfatizar
que a Comissão de Sindicância - considerada a extrema gravidade dos fatos submetidos à sua
apuração - dispõe de plena liberdade de atuação para investigar e para esclarecer os eventos que
motivaram, no plano institucional, a reação da Câmara dos Deputados.
O aprofundamento
e a extensão das investigações promovidas pela Comissão de Sindicância, instituída pela Mesa da
Câmara dos Deputados, visam a um só propósito: o de permitir a apuração da verdade real sobre
os fatos que caracterizariam a alegada falta de decoro parlamentar.
A circunstância de
esses mesmos episódios constituírem objeto de investigação penal não impede, nem inibe a
Câmara dos Deputados, por intermédio da Comissão de Sindicância, de também apurar os fatos,
na exata medida em que as informações deles decorrentes mostrarem-se relevantes para os fins a
que alude o art. 55, II, da Constituição da República.
Cabe relembrar, neste ponto, que o
Plenário do Supremo Tribunal Federal, por unanimidade, reconheceu a possibilidade de qualquer
das Casas do Congresso Nacional - agindo nos estritos limites de sua competência institucional realizar investigações ou promover inquéritos e sindicâncias, com o objetivo de apurar fatos
sujeitos a procedimentos incluídos em sua esfera de atribuições (precisamente como no caso), não
obstante esses mesmos fatos possam constituir objeto de inquéritos policiais ou, até mesmo, de
processos judiciais em curso:
"AUTONOMIA DA INVESTIGAÇÃO PARLAMENTAR.
- O inquérito
parlamentar, realizado por qualquer CPI, qualifica-se como procedimento jurídico-constitucional
revestido de autonomia e dotado de finalidade própria, circunstância esta que permite à Comissão
legislativa - sempre respeitados os limites inerentes à competência material do Poder Legislativo e
observados os fatos determinados que ditaram a sua constituição - promover a pertinente
investigação, ainda que os atos investigatórios possam incidir, eventualmente, sobre aspectos
referentes a acontecimentos sujeitos a inquéritos policiais ou a processos judiciais que guardem
conexão com o evento principal objeto da apuração congressual. Doutrina. Precedente: MS
23.639-DF, Rel. Min. CELSO DE MELLO (Pleno)." (MS 23.652/DF, Rel. Min. CELSO DE MELLO)
Esse entendimento jurisprudencial reflete-se, por igual, no magistério de eminentes
autores (JOÃO DE OLIVEIRA FILHO, "Comissões Parlamentares de Inquérito", in Revista Forense,
vol. 151/9-22, 13; ALCINO PINTO FALCÃO, "Comissões Parlamentares de Inquérito - Seus Poderes
Limitados - Relações com a Justiça - Testemunhas", in Revista Forense, vol. 185/397-399, item n.
4; JOSÉ LUIZ MÔNACO DA SILVA, "Comissões Parlamentares de Inquérito", p. 34-35, 1999, Ícone;
ROGÉRIO LAURIA TUCCI, "Comissão Parlamentar de Inquérito (Atuação - Competência - Caráter
investigatório)", in Revista Brasileira de Ciências Criminais, vol. 6/171-185, 180; CARLOS

24/09/2016 11:47

Pesquisa :: STF - Supremo Tribunal Federal

7 de 7

http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj...

MAXIMILIANO, "Comentários à Constituição Brasileira de 1946", vol. 2/80, item n. 315, 5ª ed.,
1954, Freitas Bastos):
"Em virtude da natureza da investigação parlamentar, nada impede,
entre nós, que ela se realize paralelamente com o inquérito policial ou o processo judiciário."
(NELSON DE SOUZA SAMPAIO, "Do Inquérito Parlamentar", p. 45/46, 1964, Fundação Getúlio
Vargas - grifei)
Presentes todas as razões ora expostas, mas considerando, sobretudo, o
precedente firmado pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal (MS 23.388/DF, Rel. Min. NÉRI DA
SILVEIRA, "Caso Talvane Neto"), entendo que resulta descaracterizada, na espécie, a
plausibilidade jurídica da pretensão mandamental ora deduzida.
Cabe enfatizar, neste
ponto, que o deferimento da medida liminar, que resulta do concreto exercício do poder cautelar
geral outorgado aos juízes e Tribunais, somente se justifica em face de situações que se ajustem
aos pressupostos referidos no art. 7º, II, da Lei nº 1.533/51: a existência de plausibilidade jurídica
(fumus boni juris), de um lado, em concurso com a possibilidade de lesão irreparável ou de difícil
reparação (periculum in mora), de outro.
Sem que concorram esses dois requisitos - que
são necessários, essenciais e cumulativos -, não se legitima a concessão da medida liminar.
Orienta-se, nesse sentido, a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal:
"Mandado de
segurança. Liminar. Embora esta medida tenha caráter cautelar, os motivos para a sua concessão
estão especificados no art. 7º, II da Lei nº 1.533/51, a saber: a) relevância do fundamento da
impetração; b) que do ato impugnado possa resultar a ineficácia da medida, caso seja deferida a
segurança.
Não concorrendo estes dois requisitos, deve ser denegada a liminar." (RTJ 112/140,
Rel. Min. ALFREDO BUZAID - grifei)
Sendo assim, em sede de mera delibação, e tendo em
consideração os fundamentos que venho de expor, indefiro o pedido de medida liminar.
2.
Requisitem-se informações ao eminente Presidente da Câmara dos Deputados, em sua condição
de Presidente do órgão colegiado ora apontado como coator, encaminhando-se, a Sua Excelência,
cópia da presente decisão.
Publique-se.
Brasília, 18 de fevereiro de 2003. Ministro
CELSO DE MELLO Relator
Download do documento (RTF)
Este texto não substitui a publicação oficial.

24/09/2016 11:47

Denúncia Completa de Deltan Dallagnol Contra Lula - YouTube

1 de 3

https://www.youtube.com/watch?v=tCUQ__rZ3HQ

25/09/2016 13:50

Denúncia Completa de Deltan Dallagnol Contra Lula - YouTube

2 de 3

https://www.youtube.com/watch?v=tCUQ__rZ3HQ

BR

25/09/2016 13:50

Denúncia Completa de Deltan Dallagnol Contra Lula - YouTube

3 de 3

https://www.youtube.com/watch?v=tCUQ__rZ3HQ

BR

25/09/2016 13:50

"Paulo Gordilho: O projeto da cozinha do chefe tá pronto se marcar com a
Madame pode ser a hora que iser.
Léo Pinheiro: Amanhã as 19hs. Vou confirmar. Seria nom tb ver se o de Guarujá
está pronto.
Paulo Gordilho: Guarujá também está pronto.
Leo Pinheiro: Em princípio amanhã as 19hs.
Paulo Gordilho: Léo. Está confirmado? Vamos sair de onde a que horas?
Leo Pinheiro: O Fábio ligou desmarcando. Em princípio será as 14hs na
segunda. Estou vendo. pois vou para o Uruguai.
Paulo Gordilho: Fico no aguardo.
Leo Pinheiro: Ok."

“ armazenagem de materiais de escritório e mobiliário corporativa
de propriedade da Construtora OAS Ltda.".

"Art. 10. (...)
(...)
§ 2o Os presentes que, por qualquer razão, não possam ser recusados ou
devolvidos sem ônus parao agente público, serão incorporados ao patrimônio da
Presidência da República ou destinados a entidade de caráter cultural ou
filantrópico, na forma regulada pela CEPR."

Portal STF Internacional

http://www2.stf.jus.br/portalStfInternacional/cms/destaquesNewsletter.p...

INGLÊS
ESPANHOL
Portal do STF

Brasília, September 24th, 2016 - 18:59
Principal
|
Institucional
|
Jurisprudência Comparada
|
Cooperação Internacional
|
Links
TAMANHO
Mercojur
Últimas edições
Destaques
Jurisprudência
Em foco
Notícias
Newsletter - Notícias
Corte Suprema do Brasil Receba o Newsletter mensalmente por
e-mail
inicia o julgamento do mensalão
O Supremo Tribunal Federal iniciou no dia 2 de agosto o julgamento da Ação Penal (AP) 470, caso de
corrupção que ficou conhecido como “mensalão”.
Jornalistas, advogados e cidadãos em geral poderão acompanhar ao julgamento da AP 470 pela TV Justiça
(canal 53-UHF, em Brasília; SKY, canal 117), pela Rádio Justiça (104.7 FM, em Brasília) e também pela
internet, como habitualmente ocorre. Veja como sintonizar a TV Justiça nos estados.
Assista ao vivo através do site da TV Justiça. Acesse: http://is.gd/xyUU6B
AP 470 - Confira a cronologia da tramitação do processo
Veja abaixo a cronologia da tramitação da Ação Penal (AP) 470 no Supremo Tribunal Federal, com os
principais fatos desde a fase de investigação para apresentação da denúncia, que foi recebida pelos ministros
da Corte no Inquérito (INQ) 2245.
Inquérito (INQ 2245)
26 de julho de 2005 – Inquérito é autuado no STF
O Inquérito 2245 é autuado no STF após ser remetido pela Justiça Federal de Minas Gerais em razão da

1 de 4

24/09/2016 19:09

Portal STF Internacional

http://www2.stf.jus.br/portalStfInternacional/cms/destaquesNewsletter.p...

presença de investigados que gozam de foro por prerrogativa de função. Os autos chegaram ao STF como
PET 3469, em 20 de julho de 2005.
30 de março de 2006 – PGR apresenta denúncia
O então procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, denuncia 40 pessoas que, segundo ele, se
beneficiaram do esquema.
11 de abril de 2006 – Supremo revoga segredo de justiça
STF revoga segredo de justiça imposto ao Inquérito 2245 desde sua autuação. Porém, informações obtidas
por meio de quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico continuam sob segredo (acessíveis somente aos
advogados das partes). Ministro relator determina a notificação dos 40 acusados para responderem à denúncia
em 15 dias.
11 a 26 de maio de 2006 – Inquérito é digitalizado
Em iniciativa inédita, as então 14 mil páginas do inquérito começam a ser digitalizadas para dar mais
celeridade ao processo. No dia 26, termina a digitalização do inquérito, já com 40 mil páginas. Continuam
bloqueados dados sigilosos e solicitações de diligências do Ministério Público Federal.
31 de maio de 2006 – Advogados recebem senha de acesso
Em julgamento de questão de ordem, Plenário autoriza advogados dos acusados a acessar autos do inquérito
por meio de senha.
4 de setembro de 2006 – Inquérito muda de fase
Inquérito entra em nova etapa (início da elaboração do voto), após fim da fase das notificações finais e
defesas prévias.
6 de dezembro de 2006 – Plenário decide julgar todos os acusados
Por maioria de votos, Plenário decide, em questão de ordem, não desmembrar o inquérito e julgar os 40
denunciados.
26 de julho de 2007 – Definida data para julgamento da denúncia
STF marca data para julgar o inquérito: dias 22, 23 e 24 de agosto.
22 de agosto de 2007 – 1º dia de julgamento é destinado à defesa dos réus
No primeiro dia de julgamento – que foi realizado com 10 ministros, em razão da aposentadoria do ministro
Sepúlveda Pertence, em 16 de agosto –, o ministro Joaquim Barbosa lê seu relatório e informa que os
acusados estão divididos em três núcleos: central ou político-partidário, publicitário e financeiro. O
procurador-geral defende o recebimento da denúncia.
23 de agosto de 2007 – Plenário aceita denúncia contra diretores do Banco Rural
Concluídas as defesas. Ao final da sessão, três ministros já haviam votado para receber denúncia contra
quatro dirigentes do Banco Rural: Kátia Rabello, José Roberto Salgado), Ayanna Tenório e Vinicius
Samarane são acusados de gestão fraudulenta de instituição financeira.
24 de agosto de 2007 – Plenário aceita denúncia contra 19 acusados
No terceiro dia de julgamento, ministros decidem, por unanimidade, receber denúncia de lavagem de dinheiro
contra integrantes do núcleo publicitário e do núcleo financeiro. Ao final do dia, 19 acusados já são réus no
processo. Inicialmente previsto para durar três dias, o julgamento exige a convocação de mais duas sessões.
27 de agosto de 2007 – Ministros acolhem denúncia contra 37 envolvidos
2 de 4

24/09/2016 19:09

Portal STF Internacional

http://www2.stf.jus.br/portalStfInternacional/cms/destaquesNewsletter.p...

Ao final do quarto dia de julgamento, Plenário recebe denúncia contra 37 dos 40 acusados.
28 de agosto de 2007 – Denúncia é recebida contra os 40 acusados
Após cinco sessões de julgamento, Plenário recebe parcialmente a denúncia contra todos os acusados. STF
expede cartas de ordem para que as diversas instâncias da Justiça Federal tenham ciência da decisão e
cumpram mandados de citação decorrentes da ação penal que passa a tramitar no STF. Com isso, os acusados
têm conhecimento oficial do processo nas localidades onde residem e podem preparar defesas.
Ação Penal (AP 470)
12 de novembro de 2007 – Ação Penal 470 é instaurada
Após a publicação do acórdão no Diário da Justiça, o Inquérito 2245 é convertido na Ação Penal 470. Relator
dá início aos atos instrutórios necessários.
6 de dezembro 2007 – STF mantém atuação de juízes federais
Por unanimidade, os ministros decidem manter interrogatórios dos réus sob a responsabilidade de juízes
federais. Decisão é tomada na análise de petições apresentadas por nove réus que pretendiam ser interrogados
pelo ministro-relator.
24 de janeiro de 2008 – Sílvio Pereira faz acordo e deixa de ser réu
2ª Vara Federal Criminal de SP homologa acordo feito entre o acusado Sílvio Pereira e o Ministério Público
Federal para suspender o processo por três anos, com base na Lei 9.099/95, que trata dos crimes de menor
poder ofensivo. Sílvio Pereira respondia somente pelo crime de formação de quadrilha, cuja pena mínima é
de um ano. Acordo entra em vigor nessa mesma data e Ação Penal 470 passa a ter 39 réus.
19 de dezembro de 2008 – Encerrada oitiva de testemunhas de acusação
Ministro Joaquim Barbosa conclui fase de inquirição das testemunhas de acusação e determina expedição de
cartas de ordem para que sejam ouvidas testemunhas de defesa.
12 de agosto de 2010 – Encerrada oitiva de testemunhas de defesa
Ministro Joaquim Barbosa comunica ao Plenário que está encerrada fase de oitiva das testemunhas de defesa.
16 de setembro de 2010 – Morre o réu José Janene
Plenário declara extinção do processo contra o ex-deputado federal José Janene, devido ao seu falecimento. O
Código Penal prevê, como uma das causas de extinção da punibilidade, a morte do agente (artigo 107, inciso
I), o que não se estende a coautores e partícipes. Ação Penal passa a ter 38 réus.
3 de fevereiro de 2011 – STF adota medidas contra manobras protelatórias
Ao rejeitar agravos apresentados pela defesa de Roberto Jefferson, o Plenário entende que tais recursos são
“nítida manobra para retardar o andamento do processo”. Para evitá-la, todos os recursos interpostos contra
decisões do relator passam a ser levados resumidamente ao Plenário e, se os argumentos são repetitivos, são
rejeitados.
9 de junho de 2011 – Encerrada fase de instrução
Relator encerra fase de instrução do processo e abre prazo para acusação e defesa apresentarem alegações
finais. Procurador-geral da República tem 30 dias de prazo e, em seguida, o mesmo prazo é dado à defesa de
cada um dos 38 réus. Só depois das alegações finais, o relator inicia a preparação de seu voto.
20 de dezembro de 2011 – Relator conclui relatório e encaminha processo ao revisor
Ministro Joaquim Barbosa divulga relatório da Ação Penal 470 e encaminha processo ao revisor, ministro
3 de 4

24/09/2016 19:09

Portal STF Internacional

http://www2.stf.jus.br/portalStfInternacional/cms/destaquesNewsletter.p...

Ricardo Lewandowski. O relatório tem 122 páginas e contém informações sobre o que ocorreu no processo
desde o oferecimento da denúncia em 2006.
26 de junho de 2012 – Ministro revisor libera AP 470 para Julgamento
Nesta data, o ministro revisor Ricardo Lewandowski liberou a Ação Penal 470, viabilizando a sua inclusão
em pauta de julgamento. O julgamento da ação penal é marcado para o dia 2 de agosto.
2 de agosto de 2012 – Iniciou-se o julgamento pelo pleno do STF.
Fale conosco
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - Brasil - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000

4 de 4

24/09/2016 19:09

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful