Você está na página 1de 2

QUESTIONRIO 1 ENTREVISTADO

1) O que voc como professor de Literatura, tem a dizer sobre a matriz curricular do Ensino Mdio
em Braslia?
R= A matriz curricular do mdio segue o Cnone Literrio Brasileiro e contempla pouco ou
quase nada os estudos de Literatura Universal. Este um debate antigo. Outro problema
est entre a literatura comercial juvenil e o ensino dos clssicos. Os alunos no querem
ler os clssicos no estou dizendo que um erro, digo que um problema a
obrigatoriedade de leitura dos clssicos para os vestibulares ENEm e a molecada s
querendo ler os best-seller que esto na crista da onda.
2) Como voc trata a questo da leitura na Literatura?
R= Leitura um processo complexo. Necessrio como formadora da alfabetizao, mas
ler literatura no pra todos. Isto precisa ser encarado visto que o professor sugere a
informao literria at tenta seduzir mas no deve ter obsesso em levar todo mundo
para literatura ou para as artes, no um prazer de todos.

03) Voc acha irrelevante o papel da Literatura nas escolas?


R= Irrelevante muito forte, mas a literatura no parte do pragmatismo da vida
moderna, s vezes hobby como a literatura comercial. A literatura dita clssica e
nacional principalmente a mais antiga ainda ensinada como obrigao histrico-cultural,
isto deveria ser mudado e estudado como mudar. Ningum presta ateno numa aula de
Pe. Vieira, pode botar roupa de palhao.
4) Qual seria o papel do professor, na sua opinio para contribuir com o estudo da Literatura nas
escolas?
R= Construir uma ao coletiva de mudana do currculo de literatura voltado para
interpretao do mundo e para as relaoes com o mundo e com a vida.
5) Sobre o livro didtico,o que voc tem para expor, e qual o papel dele para o estudo da Literatura?
R= A grande maioria talvez a totalidade so manuais diludos de escolas literrias. Cumprem o
papel do ensino ortodoxo. Num novo modo de ensinar literatura perderiam a funo.

6) Qual o futuro da Literatura dentro do sistema educacional brasileiro?

R= Manter a cultura de leitura do Cnon Literrio Brasileiro com aquele sentimento de que
a literatura parte da formao de nossa nacionalidade que no pode ser perdida. Isso
anacrnico na medida em que a ideia de nacionalidade muito varivel e sofre as
contingncias da globalizao do multiculturalismo e do mundo virtual. Logo ensinar O
Guarani preso ao sec. XIX dizer ao estudante de hoje que abra mo de pensar sua
poca para formar um sentido de nacionalidade de 150 anos atrs, ele no vai topar.