Você está na página 1de 5

Calister, pg228

CONCRETO: compósito com partículas grandes, composto por cimento (a


matriz), e areia e brita (os particulados).

O concreto é um compósito comum com partículas grandes, onde as fases


matriz e dispersa são materiais cerâmicos. Uma vez que os termos “concreto”
e “cimento” são algumas vezes incorretamente trocados, talvez seja
apropriado fazer uma distinção entre eles. Em sentido amplo, o termo concreto
subentende um material compósito que consiste em um agregado de
partículas que estão ligadas umas às outras em um corpo sólido através de
algum tipo de meio de ligação, ou seja, um cimento. Os dois tipos de concreto
mais familiares são aqueles feitos com os cimentos portland e asfáltico, onde o
agregado é a brita e a areia. O concreto asfáltico é amplamente utilizado,
principalmente como um material de pavimentação, enquanto o concreto de
cimento portland é largamente empregado como um material estrutural em
construção. Apenas esse último faz parte da presente discussão.

Concreto de Cimento Portland

Os componentes para esse concreto são o cimento portland, um agregado fino


(areia), um agregado grosseiro (brita) e água. O processo pelo qual o cimento
portland é produzido e o mecanismo da pega e do endurecimento foram
discutidos muito sucintamente na seção 13.7. As partículas dos agregados
atuam como uma carga para reduzir o custo global do concreto produzido, uma
vez que elas são baratas, enquanto o cimento é relativamente caro. Para
atingir as resistência e operacionalidade ótimas de uma mistura de concreto,
os componentes devem ser adicionados nas proporções corretas. Um
empacotamento denso do agregado e um bom contato interfacial são obtidos
empregando-se partículas com dois tamanhos diferentes; as partículas finas de
areia devem preencher os espaços vazios entre as partículas de brita.
Normalmente, esses agregados compreendem entre 60% e 80% do volume
total. A quantidade de pasta cimento-água deve ser suficiente para cobrir
todas as partículas de areia e de brita. De outra forma, a ligação de
cimentação será incompleta. Além disso, todos os componentes devem ser
completamente misturados. Uma ligação completa entre o cimento e as
partículas do agregado depende da adição da quantidade correta de água.
Muito pouca água leva a uma ligação incompleta, enquanto muita água resulta
em uma porosidade excessiva; em ambos os casos, a resistência fina é inferior
à ótima.

A natureza das partículas de agregado é um importante fator a ser


considerado. Em particular, a distribuição de tamanhos dos agregados
influencia a quantidade da pasta cimento-água que é necessária. Além disso,
as superfícies devem estar limpas e isentas de argila e sedimentos, os quais
impedem a formação de uma ligação eficiente na superfície das partículas.

O concreto de cimento portland é um importante material de construção,


principalmente porque ele pode ser vertido no local e porque endurece na
temperatura ambiente, até mesmo quando submerso em água. No entanto,
como um material estrutural, existem algumas limitações e desvantagens.
Como a maioria dos cerâmicos, o concreto de cimento portland é relativamente
pouco resistente e extremamente frágil; o seu limite de resistência à tração é
aproximadamente 10 a 15 vezes menor do que a sua resistência à
compressão. Além disso, grandes estruturas em concreto podem apresentar
consideráveis expansões e contrações térmicas devido a variações na
temperatura. Adicionalmente, a água penetra nos poros externos, o que pode
causar trincas severas em climas frios, como conseqüência de ciclos de
congelamento e descongelamento. A maioria dessas desvantagens pode ser
eliminada, ou pelo menos melhorada, por meio de reforços e/ou pela
incorporação de aditivos.

Concreto Armado

A resistência do concreto de cimento portland pode ser aumentada através de


um reforço adicional. Isso é obtido geralmente pelo emprego de vergalhões,
arames, barras ou malhas de aço que são inseridos no concreto fresco e não
curado. Dessa forma, o reforço torna a estrutura endurecida capaz de suportar
maiores tensões de tração, de compressão e de cisalhamento. Mesmo se
houver o desenvolvimento de trincas no concreto, um reforço considerável
ainda será mantido.

O aço serve como um material de reforço adequado porque seu coeficiente de


expansão térmica é praticamente o mesmo do concreto. Além disso, o aço não
é corroído rapidamente no ambiente do cimento, e uma ligação adesiva
relativamente forte é formada entre ele e o concreto curado. Essa adesão pode
ser melhorada pela incorporação de contornos na superfície do elemento de
aço, o que permite um maior grau de intertravamento mecânico.

O concreto de cimento portland pode ser reforçado pela mistura, ao concreto


fresco, de fibras de um material com alto módulo, tal como o vidro, o aço, o
náilon e o polietileno. Deve ser tomado cuidado na utilização desse tipo de
reforço, uma vez que alguns materiais fibrosos sofrem rápida deterioração
quando expostos ao ambiente do cimento.

Concreto protendido

Uma outra técnica de reforço para o aumento da resistência do concreto


envolve a introdução de tensões residuais de compressão no elemento
estrutural; o material resultante é chamado de concreto protendido. Esse
método utiliza uma característica das cerâmicas frágeis – o fato de elas serem
mais resistentes em compressão do que em tração. Dessa forma, para se
fraturar um elemento de concreto protendido, a magnitude da tensão
compressiva pré-introduzida deve ser excedida pela tensão de tração que
estiver sendo aplicada.

Em uma dessas técnicas de protensão, cabos de aço de alta resistência são


posicionados dentro dos moldes vazios e esticados com uma grande força de
tração, que é mantida constante. Após o concreto ter sido colocado no molde e
ter endurecido, a tração é liberada. Conforme os cabos se contraem, eles
colocam a estrutura em um estado de compressão, pois a tensão é transmitida
ao concreto através da ligação que foi formada entre o concreto e o cabo.

Uma outra técnica também é utilizada, onde tensões são aplicadas após o
concreto ter endurecido; essa técnica é chamada apropriadamente de pós-
tracionamento. Chapas metálicas ou tubos de borracha são posicionados
dentro, e passam através das formas de concreto ao redor dos quais o
concreto é moldado. Após o cimento ter endurecido, cabos de aço são
inseridos através dos orifícios resultantes, e aplica-se tração aos cabos por
meio de macacos presos e apoiados sobre as faces da estrutura. Novamente,
uma tensão compressiva é imposta sobre a peça de concreto, dessa vez pelos
macacos. Finalmente, os espaços vazios dentro dos tubos são preenchidos com
argamassa para proteger o cabo contra corrosão.

O concreto que é protendido deve ser de alta qualidade, com a pequena


contração e uma baixa taxa de fluência. Os concretos protendidos, geralmente
pré-fabricados, são utilizados comumente em pontes rodoviárias e ferroviárias.

Pg. 183

Cimento

Vários matérias cerâmicos familiares são classificados como cimentos


inorgânicos: cimento, gesso-de-paris e cal, os quais, como um grupo, são
produzidos em quantidades extremamente grandes. A característica especial
desses materiais é que quando são misturados com água eles formam uma
pasta que, subseqüentemente, pega e endurece. Esse comportamento é
especialmente útil no sentido de que estruturas sólidas e rígidas com
praticamente qualquer forma podem ser moldadas com rapidez. Além disso,
alguns desses materiais atuam como uma fase de união, que aglutina
quimicamente agregados particulados em uma única estrutura coesa. Sob
essas circunstâncias, o papel do cimento é semelhante ao da fase vítrea de
união, que se forma quando produtos à base de argila e alguns tijolos
refratários são cozidos. Uma diferença importante, no entanto, é o fato de que
no cimento a ligação se desenvolve à temperatura ambiente.
Dentre esse grupo de materiais, o cimento portland é consumido nas maiores
quantidades. Ele é produzido pela moagem e mistura íntima de argila e de
minerais que contêm cal em proporções adequadas, e então pelo aquecimento
da mistura em um forno rotativo até aproximadamente 1400ºC; esse processo,
algumas vezes chamado de calcinação, produz mudanças físicas e químicas
nas matérias-primas. O produto resultante, o “clínquer”, é então moído na
forma de um pó muito fino, ao qual se adiciona uma pequena quantidade de
gesso (CaSO4-2H2O) para retardar o processo de pega. Esse produto é o
cimento portland. As propriedades do cimento portland, incluindo o seu tempo
de pega e sua resistência final, dependem em grande parte de sua
composição.

Vários constituintes diferentes são encontrados no cimento portland, sendo os


principais o silicato tricálcico (3CaO-SiO2) e o silicato dicálcico (2CaO-SiO2). A
pega e o endurecimento desse material resultam de reações de hidratação
relativamente complicadas que ocorrem entre os vários constituintes do
cimento e a água que é adicionada. Por exemplo, uma reação de hidratação
envolvendo o silicato dicálcico é a seguinte:

2CaO-SiO2 + xH2O = 2CaO-SiO2 -xH2O

onde x é variável e depende da quantidade de água disponível. Esses produtos


hidratados se encontram na forma de substâncias cristalinas ou de géis
complexos que formam as ligações no cimento. As reações de hidratação
começam imediatamente após a adição da água ao cimento. Essas reações se
manifestam primeiramente como a pega (i.e., o enrijecimento da pasta que
antes era plástica), que tem lugar logo após a mistura, geralmente em um
intervalo de algumas horas. O endurecimento da massa prossegue como
resultado de uma hidratação adicional, em um processo relativamente lento e
que pode continuar por períodos tão longos quanto vários anos. Deve ser
enfatizado que o processo pelo qual o cimento endurece não é um processo de
secagem, mas em vez disso, de hidratação, onde a água participa
efetivamente em uma reação química de união.

O cimento portland é dito ser uma cimento hidráulico, pois sua dureza se
desenvolve através de reações químicas com a água. Ele é usado
principalmente em argamassa e em concreto, para aglutinar, em uma massa
coesa, agregados de partículas inertes (areia e/ou cascalho); esses produtos
são considerados materiais compósitos (ver Seção 16.2). Outros materiais de
cimentação, tais como a cal, são não-hidráulicos; ou seja, outros compostos
que não a água (p.ex., o CO2) estão envolvidos na reação de endurecimento.

Explique por que é importante moer o cimento na forma de um pó fino.

R.: É importante moer o cimento na forma de um pó fino para aumentar a área


superficial das partículas de cimento. As reações de hidratação entre a água e
o cimento ocorrem na superfície das partículas do cimento. Portanto o aumento
da área superficial disponível permite maiores quantidades de ligações.

Você também pode gostar