Você está na página 1de 266
E SCOLA DE C OMUNICAÇÃO , A RTES E T ECNOLOGIAS DE I NFORMAÇÃO Licenciatura

ESCOLA DE COMUNICAÇÃO, ARTES E TECNOLOGIAS

DE INFORMAÇÃO

Licenciatura em Engenharia Informática

Processamento de Sinal e Sinais e Sistemas

Colectânea de Exercícios Resolvidos

Prof. Doutor João Canto ( 1 ) Prof. Doutor Marko Beko ( 1 )

Janeiro de 2012

1

Prefácio

Este documento destina-se a alunos do curso de Engenharia Informática da Escola de Comunicação, Arquitectura, Artes e Tecnologias de Informação, da ULHT, mais concretamente, àqueles que frequentam as disciplinas de Processamento de Sinal e de Sinais e Sistemas, respectivamente leccionadas no segundo semestre do primeiro ano e no primeiro semestre do segundo ano. Os exercícios que constam desta colectânea, são retirados dos livros que constituem a bibliografia da cadeira, e serão doravante referidos como: (i) I. M. G. Lourtie, Sinais e Sistemas, 2ed, Escolar Editora, Lisboa, 2007: IML; (ii) H. P. Hsu, Signals and Systems, McGraw-Hill, 1995: Hsu. Pontualmente, serão também aqui recordados alguns exemplos, previamente apresentados nos acetatos das aulas teóricas (doravante definidos como AT). Este texto representa a primeira edição, da componente de exercícios resolvidos, da sebenta que engloba a matéria das cadeiras de sinais. Sendo assim pedimos desculpa por eventuais incorrecções e agradecemos o vosso feedback. Doravante, a designação

xnrepresenta um sinal definido em instantes de tempo discretos (onde n pertence ao

conjunto dos números inteiros), e xtum sinal definido no tempo contínuo (onde t

pertence ao conjunto dos números reais). Não obstante, este documento representa apenas um conjunto de alguns exercícios resolvidos, sobre tópicos considerados fundamentais. Não poderá nunca substituir a frequência das aulas teórico-práticas e prático-laboratoriais, bem como o estudo dos livros referenciados na bibliografia.

1 Os autores são doutorados em Engenharia Electrotécnica e de Computadores pelo Instituto Superior Técnico

3

Índice

Prefácio

3

Índice

5

Capítulo 1. Fundamentos de Sinais e Sistemas: Sinais Discretos

11

Problema 1.1. (IML 1.8) Classifique quanto à paridade os seguintes sinais discretos.

11

Problema 1.2. (HSU 1.48c) Determine as componentes par e ímpar dos seguintes

 

14

Problema 1.3. (IML 1.16) Considere dois sinais discretos, xne yn, tais que

17

Problema 1.4. (HSU 1.23) O sinal discreto xnestá desenhado na Figura 1.5.

Represente cada um dos seguintes

Problema 1.5. (HSU 1.16g) Determine se os seguintes sinais são ou não periódicos.

24

Problema 1.6. (HSU P1.51e) Determine se os seguintes sinais são ou não periódicos.

25

Problema 1.7. (IML 1.11b,c,d) Determine quais dos sinais seguintes são periódicos.

26

Problema 1.8. (IML 1.23a,d,h,i) Um sistema discreto pode ser classificado segundo as seguintes propriedades: 1) memória; 2) Causalidade; 3) Invariância no tempo; 4)

29

Problema 1.9. Determine se os seguintes sinais são ou não periódicos. Caso sejam

34

Linearidade; 5) Estabilidade; 6) Invertibilidade

Para os sinais periódicos indique o período

Caso sejam calcule o

Caso sejam calcule o

21

calcule o seu

Problema 1.10. (IML 1.23b,k) Um sistema discreto pode ser classificado segundo as seguintes propriedades: 1) memória; 2) Causalidade; 3) Invariância no tempo; 4)

Linearidade; 5) Estabilidade; 6) Invertibilidade

36

Capítulo 2. Representação no Domínio do Tempo para Sistemas LIT Discretos

39

Problema 2.1. (HSU 2.30) Avalie ynhnxn, onde xne hnestão

representados na Figura 2., usando: a) Uma soma ponderada de impulsos unitários; b)

A expressão para a soma de

39

(HSU 2.28) Considere o SLIT com resposta impulsional

para 0 1 e o sinal de entrada xnun. Determine a

resposta do sistema através de: (a) ynxnhn; (b) ynhnxn

Problema 2.3. (HSU 2.32) A resposta ao escalão unitário, de um determinado sistema

para 0 1. Determine a resposta impulsional do

Problema

2.2.

h

n

n

u

n

45

LIT é dada por:

y

u

n

n

u

n

50

Problema 2.4. (HSU 2.38) Considere um sistema LIT com a seguinte resposta

impulsional:

. Classifique este sistema quanto à: a) causalidade; b)

h

n

n

u

n

51

5

Problema 2.5. (HSU 2.56) A resposta impulsional de um sistema LIT é dada por:

h

n

1 2

de um sistema LIT é dada por: h  n    1 2 

n

u

n

Calcule

y1e

y4

para

o

sinal

de

entrada

 

53

n

4

.

xn2nn 3n

u

Problema 2.6. (IML 2.25) Considere um sistema LIT com a seguinte resposta

. Classifique este sistema quanto à: a) causalidade; b)

impulsional:

h

2

n

Estabilidade;

c)

Determine

ainda

a

saída

para

o

sinal

de

entrada

xn2n4n

 

54

Problema 2.7. (IML 2.26) Considere um sistema LIT cuja resposta ao escalão unitário

é dada por:

56

Capítulo 3. Transformada Z

59

Problema 3.1. (HSU 4.10) Calcule a transformada do Z dos sinais: a) xnun;

b) xnn

Problema 3.2.

x

n

e

j

0 n

u

n

 

59

 

(AT

Ex.

4,

Cap.

3)

Calcule

a

transformada

do

Z

do

sinal

. Encontre também os pólos, zeros e a região de convergência

63

Problema 3.3. (AT Ex. 5, Cap. 3) Discuta a existência da transformada Z do seguinte

sinal

Problema 3.4. (AT Ex. 7, Cap. 3) Calcule a transformada inversa de

Problema 3.5. (AT Ex. 8, Cap. 3) Calcule a transformada inversa de

Problema 3.6. (HSU 4.19a) Calcule a transformada inversa de

Problema 3.7. (HSU 4.32) Um sistema LIT causal é descrito por

Problema 3.8. (HSU 4.38a) Considerando o sistema LIT causal descrito por

Problema 3.9. (HSU 4.38b) Considerando o sistema LIT causal descrito por

Problema 3.10. (HSU 4.58) Considerando o sistema LIT causal descrito por

Problema 3.11. (HSU 4.59a) Considerando o sistema LIT causal descrito por

Problema 3.12. (HSU 4.59b) Considerando o sistema LIT causal descrito por

Problema 3.13. (HSU 4.60) Determine o valor final e o valor inicial de xnpara

cada uma das funções de transferência e o ganho estático do sistema:

Problema 3.14. (AT Ex. 15) Encontre a resposta completa quando a equação às

x

n

n

65

66

71

75

77

81

84

86

88

90

93

diferenças

95

Capítulo 4. Fundamentos de Sinais e Sistemas: Sinais Contínuos

97

Problema 4.1. Seja

97

Problema 4.2. Seja

98

Problema 4.3. Seja

99

Problema 4.4. Sejam

100

Problema 4.5. Sabe-se que

103

Problema 4.6. (IML 1.2d) Considere o sinal representado na Figura

104

6

Problema 4.7. (IML 1.3a) Considere os sinais contínuos representados na Figura 4.7.

105

Problema 4.8. (IML 1.6a) Esboce graficamente as componentes par e ímpar do sinal

Escreva a expressão que os

representado na Figura

106

Problema 4.9. (IML 1.7) Sejam dois sinais contínuos relacionados por

108

Problema 4.10. (IML 1.9) Seja

xtum sinal contínuo considere-se

109

Problema 4.11. (IML 1.11a,f) Determine quais dos seguintes sinais são periódicos.

Para os sinais periódicos determine o período

111

Problema 4.12. (IML 1.12) Determine o período fundamental de

112

Problema 4.13. (IML 1.13) Seja

113

Problema 4.14. (IML 1.14) Considere os sinais contínuos:

114

Problema 4.15. (IML 1.18) Esboce graficamente os seguintes sinais contínuos:

117

Problema 4.16. (IML 1.20a,b,g) Exprima analiticamente os sinais representados

120

Problema 4.17. (IML 1.22c,k) Um sistema contínuo pode classificar-se como:

123

Capítulo 5. Representação no Domínio do Tempo de Sistemas LIT Contínuos

127

Problema 5.1. (IML 2.4) Considere um sistema LIT, cuja resposta impulsional é dada

por

127

Problema 5.2. (AT Ex. 1, Cap. 2) Considere o seguinte circuito RLC

130

Problema 5.3. (HSU 2.5) Considere um sistema LIT, cuja resposta impulsional é dada

por

133

Problema 5.4. (IML 2.13) Considere o seguinte sistema

136

Problema 5.5. (IML 2.19) Seja

139

Capítulo 6. Transformada de Laplace

141

Problema 6.1. (AT Ex. 2, Cap. 3) Determinar a transformada de Laplace do sinal:

141

Problema 6.2. Determine a transformada de Laplace do sinal

Problema 6.3. (AT Ex. 2, Cap. 3) Determine a transformada de Laplace do sinal:

147

x



t 

e

at

u

t

x



t

e

j

0

t

Problema

x



t

e

2t

u

u



t

6.4.



t

(HSU

e

3t

u

 

148

 

3.5c)

Determine

a

transformada

de

Laplace

do

sinal:

t

149

Problema 6.5. (IML 3.2a,b,d) Determine a função no tempo, xt, cuja transformada

de Laplace é:

150

Problema 6.6. (IML 3.3a,d) Seja

154

Problema 6.7. (IML 3.7a,b) A Figura 6.4 representa o mapa pólos/ zeros da função de

155

Problema 6.8. (IML 3.14) Considere o SLIT causal cujo mapa pólos/zeros se

representa na Figura 6.5

transferência de um

158

7

Problema 6.9. (IML 3.8) Classifique quanto à estabilidade e à causalidade os SLITs

162

Problema 6.10. (HSU 3.38) Resolva a seguinte equação diferencial de segunda ordem

cujo mapa palas/zeros se representam na Figura 6.6. Justifique a resposta

 

164

Problema 6.11. (IML 3.10) Seja

166

Problema 6.12. (IML 3.18) Considere o sistema causal descrito pela equação

diferencial de coeficientes constantes

170

Capítulo 7. Transformada de Fourier

177

Problema 7.1. (IML 3.26) Determine a transformada de Fourier de cada uma das

seguintes funções no tempo:

177

Problema 7.2. Encontre xt, sabendo que

183

Problema 7.3. Determine uma representação em séries de Fourier para os seguintes

sinais

185

Problema 7.4. Calcular xtsabendo que

189

Problema 7.5. (IML 3.31) Considere o sinal xtcujo espectro de frequência está

representado na Figura 7.3

Problema 7.6. (IML 3.32) Sejam xte yt, respectivamente, os sinais de entrada

e de saída de um sistema contínuo, cujas transformadas de Fourier se relacionam pela

191

seguinte equação:

193

Problema 7.7. (IML 3.33) Considere o sistema cuja resposta de frequência é

194

Problema 7.8. (IML 3.34) Seja

195

Anexo A. Fundamentos Matemáticos

197

A.1. (IML Anexo A) Noções de trigonometria

197

A.2. (IML Anexo A) Definição de número

199

A.3. (IML Anexo A) Prova de relações trigonométricas

202

A.4. (IML Anexo A) Séries Geométricas

203

A.5. Expresse os seguintes números complexos na forma cartesiana e determine o seu

205

módulo, inverso e conjugado

A.6. Expresse os seguintes números complexos na forma polar, determine o seu

módulo, inverso e conjugado, e represente-o no plano complexo

208

A.7. Expresse os seguintes números complexos na forma

211

A.8. Determine as soluções das seguintes

213

A.9. Calcule as seguintes expressões

215

A.10. Mostre que as seguintes expressões são verdadeiras

218

Anexo B. Fundamentos Matemáticos: Parte 2

219

B.1. Integrais. Mostre que as seguintes expressões são

219

B.2. Expanda em fracções simples as seguintes funções

223

Anexo C. Testes Resolvidos

227

8

C.1. Processamento de Sinal: Teste 1

227

C.2. Processamento de Sinal: Teste 2

237

C.3. Sinais e Sistemas: Teste

243

C.4. Sinais e Sistemas: Teste

250

Anexo D. Formulários

259

D.1. Formulário para processamento de

259

D.2. Formulário para sinais e

263

9

Capítulo 1. Fundamentos Discretos

de

Sinais

e

Sistemas:

Sinais

Problema 1.1. (IML 1.8) Classifique quanto à sinais discretos.

paridade os seguintes

Para avaliar a paridade de um determinado sinal, é necessário considerar as definições respectivas dos sinais pares e ímpares

xnxn. xnxn,

(1.1)

(1.2)

a)

x

n

1

n

0

;

;

n

n

0

0

Para avaliar a paridade de a), é necessário verificar se respeita as definições (1.1) (1.2)

, ou seja, é necessário calcular xne verificar se este se relaciona com xn, através

de uma relação de paridade. Directamente da definição de xne (1.2) obtém-se

x

n

 1

n

  0

;

;

n

n

0

0

 x n

.

(1.3)

O sinal é ímpar porque respeita a condição (1.2), como pode ser observado pela Figura

1.1a.

b)

x

n

 

   2

0

1

3

 

 

n

2

n

;

;

n

0

0

Analogamente à alínea anterior, após alguma álgebra, obtém-se

11

O

c)

x

n

  2

0

1

 

 

3

n

2

;

;

n

n

0

0

  2

0

1

 

 

3

n

2

;

;

n

n

0

0

x

n

.

(1.4)

sinal é par porque verifica a relação (1.1), como pode ser observado pela Figura 1.1b.

x

n



3

n 1

;

n

0

0

;

n

0

Analogamente à alínea anterior, após alguma álgebra, obtém-se

x

n

3

n

1

;

n

0

 

.

0

;

n

0



(1.5)

O sinal não é par nem ímpar porque não verifica nenhuma das condições de paridade,

como pode ser observado pela Figura 1.1c.

d)

x

n



41

   0

n

;

;

n

n

0

0

Analogamente à alínea anterior, após alguma álgebra, obtém-se

x

n

4

   0

1

n

;

;

n

n

0

0

 

4

0

1

1

n

;

;

n

n

0

0

4

0

1

n

;

;

n

n

0

0

x

n

.

(1.6)

O sinal é par porque verifica a relação (1.1), como pode ser observado pela Figura 1.1d.

12

a c
a
c
a c b d  Figura 1.1. Representação de x  n  . 13
b
b
b
a c b d  Figura 1.1. Representação de x  n  . 13
d 
d 

Figura 1.1. Representação de xn.

13

Problema 1.2. (HSU 1.48c) Determine as componentes par e ímpar dos seguintes sinais.

Para obter as componentes par e ímpar de um determinado sinal, é necessário considerar as seguintes definições

x

p

x

i

n

n

1

2

1

2

x n x n

x n x n

 

,

(1.7)

,

(1.8)

que correspondem respectivamente às componentes par e ímpar de um sinal. Estas relações podem ser facilmente demonstradas através dos seguintes passos

x

x

p

i

c)

n

n

1 2 x n x n  1 2 x n x n  x n

p

,

1 x n x n  1 2 x n x n  1 2 x n x n x n

2

i

x

n

e

j

0n

2

(1.9)

. (1.10)

O primeiro passo na resolução é a aplicação da fórmula de Euler, que resulta em

x

n

e

j

 

n

0

2

cos

  

0

n

2  

j

sin

  

0

n

2   .

(1.11)

Através do círculo trigonométrico é possível identificar

cos

 

x

  

2



sin

x

,

sin

 

x

  

2

cos

x

,

que aplicado em (A.67) permite obter

xnsin0njcos0n.

(1.12)

(1.13)

A partir deste ponto, é possível resolver o problema de duas formas distintas:

i) Por inspecção: Sabendo que a função seno é ímpar, e a função co-seno é par, é possível afirmar que (1.13) já se encontra escrita na forma

14

onde

xnxi n xp n , xi xp n jcos0n,

nsin0n,

(1.14)

(1.15)

(1.16)

são respectivamente as componentes ímpar e par do sinal.

ii) Pela definição (1.7) podemos então obter

x

p

1

2

  sin

n

0

j

cos

n

0

sin

n  j

0

cos

n  .

0

(1.17)

Finalmente, considerando o resultado sobre a paridade das funções seno e co-seno

facilmente se chega a

x

p

1 2   sin

cosxcosx,

sinxsinx,

n

0

j

cos

n

0

sin

n

0

j

cos

n

0

j

cos

n

0

(1.18)

. (1.19)

Analogamente, para a componente ímpar, utilizando as definições (1.8) e (1.18) chega-

se a

x

i

1

2

  sin

1

2

  sin

0

n

0

n

j

cos

j

cos

0

n

0

n

sin

sin

  

n

0

j

cos

n

 

0

j

cos

n   

0

n

  

0

sin

0

n

. (1.20)

A representação gráfica dos sinais pode ser observada na Figura 1.2

15

Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16
Figura 1.2. Representação de x  n  . 16

Figura 1.2. Representação de xn.

16

Problema 1.3. (IML 1.16) Considere dois sinais discretos, xne yn,

tais que

ynx2n 3.

(1.21)

Um sinal discreto diz-se periódico, quando existe um inteiro N 0 , tal que respeita a condição

xnxn N,

n

.
.

(1.22)

O período fundamental

N

0

define-se como o menor inteiro positivo que verifica (1.22).

Qualquer inteiro positivo e múltiplo de

N

0

é também um período de xn.

Pode ainda ser demonstrado que, para um sinal do tipo sin0n, cos0n

e

j

0n

,

ou

necessário que se verifique

onde

0 é a frequência fundamental, e M 2, seja periódico, é

0

M

,
,

(1.23)

onde

 2  , seja periódico, é  0 M  , (1.23) onde é o

é o conjunto dos números racionais.

a) Se xné par logo yné par?

Para averiguar a veracidade de a), é necessário verificar se (1.21) cumpre (1.7). Uma vez que

ynx2n 3yn,

e sendo que xné par vem ainda

(1.24)

x2n 3x2n 3ynx2n 3,

(1.25)

pelo que a) é falso. Note-se que, um deslocamento, tipicamente, altera a paridade do

sinal. No entanto, se xnfor periódico, de período

que

N

0

1,2,3,6 , tem-se

17

x2n 3x2n 3yn, ou seja, a paridade do sinal seria mantida e ynseria

par.

b) Se xné periódico logo yntambém o é? Se sim calcule o período de yn.

(i) Resolução intuitiva

Por observação de (1.21) verifica-se que estão patentes duas operações: (a) Uma mudança de escala temporal, correspondente ao termo 2n ; (b) Um deslocamento temporal, correspondente ao termo 3 . Note-se que, uma mudança de escala altera o período de um sinal, enquanto que, um deslocamento não. Represente-se o sinal

periódico xn, de período

N

0

, na forma

x

n

n

x

0

0

1

x

1

2

x

2

N

0

x

k

1

N

x

0

0

N

0

x

1

1

2

N

0

x

k

1

2

N

0

x

0

.

(1.26)

Torna-se então necessário separar os casos em que

par tem-se que

 

n

0

 

1

 

2

 

x

2

n

x

0

x

2

x

4

 

x

0

x

2

x

4

N

0

é par ou ímpar. Quando

N 2 0 x  N 0  x 0
N
2
0
x
N
0 
x
0

,

N

0

é

(1.27)

logo o período de x2né dado por

N N

0

logo o período de x  2 n  é dado por N  N 0

2 . Uma vez que a próxima operação, o

deslocamento, não altera a periodicidade, o período de yné

N

y

N 0

periodicidade, o período de y  n  é N y  N 0 2 .

2

. Para o caso

em que

N

0

é ímpar,

N N

0

 N 0 2 . Para o caso em que N 0 é ímpar, N 

2 não é inteiro, pelo que não pode ser um período de

yn. Para este caso, tem-se que

 

n

0

 

1

 

2

 

x

2

n

x

0

x

2

x

4

x

 

x

0

x

2

x

4

0

2

N

1

N

0

1

x

k

N

0

1

x

2

N

0

x

1

1

N

0

3

x

2

N

0

x

3

3

x

N

2

x

0

N

0

0

,(1.28)

18

logo o período de x2né dado por

N N

0

periodicidade, e o período de

yné

N

y

. Novamente, o deslocamento não altera a

N

0

. Ambas

as

componentes e a sua

periodicidade podem ser observadas na Figura 1.3 e Figura 1.4.

(ii) Resolução pela definição

Aplicando (1.22) à definição do sinal, resulta imediatamente que

(1.22) à definição do sinal, resulta imediatamente que  n  , y  n 

n, y n N y y n.

Desenvolvendo (1.29), esta ainda pode ser reescrita como

. Desenvolvendo (1.29), esta ainda pode ser reescrita como  n  , x  2

n,

x 2

n N

y

3

x

2

n

2

N

y

3

x

Para que esta tenha solução, é necessário que

2 N mN N m

y

0

y

N

0

2

é necessário que 2 N  mN  N  m y 0 y N 0

, m,

 

(1.29)

n

2 3

.

(1.30)

 

(1.31)

onde

N

0 é o período fundamental de xn. O período fundamental de yné então o

menor inteiro positivo que cumpre (1.31), o que corresponde a

N

y

  m

 

m

N

0

2

N

0

,

1 ,

2

N

N

0

0

par

ímpar

.

(1.32)

Note-se que, uma vez que o período tem de ser um inteiro positivo, apenas no caso em

que

é ímpar apenas se

N

0

é par é que

N

y

N 0

em que é ímpar apenas se N 0 é par é que N y  N

2

é inteiro. Para o caso em que

N

0

poderá ter

N

y

N

0

.

19

Figura 1.3. Representação do caso N 0 par . Figura 1.4. Representação do caso N

Figura 1.3. Representação do caso N0 par.

Figura 1.3. Representação do caso N 0 par . Figura 1.4. Representação do caso N 0

Figura 1.4. Representação do caso N0 ímpar.

20

Problema 1.4. (HSU

1.23)

O

sinal

discreto

xnestá

desenhado

na

Figura 1.5. Represente cada um dos seguintes sinais.

A representação de xne unpode ser observada na Figura 1.5.

 n  e u  n  pode ser observada na Figura 1.5. Figura 1.5.

Figura 1.5. Representação de xn.

a) xnu1n

Para calcular este resultado, comece-se por identificar que ao sinal escalão unitário, se aplicaram duas operações: (i) Inversão; (ii) Deslocamento. Pelo que, partindo da definição analítica do escalão unitário, e aplicando sucessivamente as operações referidas, é possível chegar a

u

n

   1 0

;

;

n

n

0

0

(

i

)

u

n



1

0

;

;

n

n

0

0

(

ii

)

u

1

n



1

0

;

;

n

n

1

1

.

(1.33)

Este sinal está representado na Figura 1.6. Efectuando finalmente a multiplicação, ponto por ponto, dos dois sinais chega-se ao resultado também apresentado na Figura 1.6.

chega-se ao resultado também apresentado na Figura 1.6. Figura 1.6. Representação de x  n 

Figura 1.6. Representação de xnu1n.

21

b) xnun 2un

Para o primeiro membro da soma, pode então identificar-se uma operação de deslocamento, pelo que, se obtém a partir da definição de escalão unitário que

u

n

   1 0

;

;

n

n

0

0

u

n

2



1

0

;

;

n 

2

n



2

Efectuando a operação de subtracção vem que

u

n

2

u

n

 1 0

;

;

2

  

n

outros

1

.

.

(1.34)

(1.35)

Multiplicando os sinais ponto por ponto chega-se ao resultado da Figura 1.7.

sinais ponto por ponto chega-se ao resultado da Figura 1.7. Figura 1.7. Representação de x 

Figura 1.7. Representação de xnu1n.

c) xnn 1

Para este caso, pode também identificar-se uma operação de deslocamento, pelo que, se obtém a partir da definição de impulso unitário que

n

   1 0

;

;

n

n

0

0

n

1



1

0

;

;

n

n

1

1

.

(1.36)

Multiplicando os sinais ponto por ponto chega-se ao resultado da Figura 1.8.

22

Figura 1.8. Representação de x  n  u  1  n  .

Figura 1.8. Representação de xnu1n.

23

Problema 1.5. (HSU 1.16g) Determine se os seguintes sinais são ou não periódicos. Caso sejam calcule o período.

a)

x

n

e

j

4n

Para que xnseja periódico é necessário que verifique a definição (1.22). Substituindo

substituir n por n N em a), e aplicando (1.22) obtém-se a equação

e

j

   4  

n

N

e

j

  4 n   

.

(1.37)

Desenvolvendo o primeiro membro de (1.37) chega-se a

4

e

j

 

n

N

4

 

j

e

  4 n   

.

(1.38)

Para que xnseja periódico, (1.38) tem de ter solução, pelo que é necessário garantir a

seguinte condição:

N

2

m

N

8

m

4

N 2   m  N  8 m 4 ,  m  .

, m.

(1.39)

Atribuindo valores a m , obtém-se o menor inteiro positivo que verifica (1.39),

onde

N

0

m 1N

0

8 .

(1.40)

8 é o período fundamental. Uma vez que (1.39) tem solução, e xné uma

função exponencial complexa, a condição (1.23) é verificada

0

4

1

M

2

8

8

1

24

.
.

(1.41)

Problema 1.6. (HSU P1.51e) Determine se os seguintes sinais são ou não periódicos. Caso sejam calcule o período.

a)

x

n

e

j

  

n

4

  

Novamente, para que xnseja periódico é necessário que verifique a definição (1.22).

Substituindo substituir n por n N em a), e aplicando (1.22) obtém-se a equação

e

j

n

4 N

e

j

  

n 4

(1.42)

Desenvolvendo o primeiro membro de (1.42), chega-se a

e

j

 

n 4

N 4

 

j

e

  

n 4

 

(1.43)

Para que xnseja periódico, (1.43) tem de ter solução, pelo que é necessário garantir a

condição:

N m N

2

4

garantir a condição: N   m  N  2 4  m , 

m , m.

8

(1.44)

Uma vez que é irracional, qualquer múltiplo deste também será irracional, sendo impossível obter um período inteiro. Note-se ainda que, como (1.44) não tem solução, e

xné uma função exponencial complexa, a condição (1.23) não é verificada

1

0

4

M 2

1

25

1

8

.
.

(1.45)

Problema 1.7. (IML 1.11b,c,d) Determine quais dos sinais seguintes são periódicos. Para os sinais periódicos indique o período fundamental.

b)

x

n

sin

 

5

4

n

2

 

Note-se que, uma translação no tempo não afecta o período de um sinal, mas, uma mudança de escala sim. Uma vez que, o período fundamental da função seno é M 2, verifique-se se após a mudança de escala, o sinal continua a ser periódico. Para calcular o período fundamental, substitua-se n por n N em b), e aplique-se (1.22) à definição do sinal obtendo a equação

sin

5

4

n

N

2

  

sin

  

5

4

n

2

  .

(1.46)

Desenvolvendo o primeiro membro de (1.46), chega-se a

sin

5

4

n

 

2

5

4

N

  

sin

  

5

4

n

2

  .

(1.47)

Para que xnseja periódico, (1.47) tem de ter solução. Então, os argumentos das

funções seno têm de estar relacionados, através de um múltiplo do período fundamental

da

função seno ( M 2):

5

4

N

mM

5

</