Você está na página 1de 1

Vitorino Nemsio

A Concha
A concha = habitao de um animal; a casa habitao do ser humano; a concha espao
fechado; a casa = espao fechado; a forma circular da concha evoca a infncia, a
circularidade do ovo = tero.
O simbolismo da fecundidade, da vida, do ser feminino; a prosperidade; a morte,
porque a prosperidade provm da morte do ocupante primitivo.
O sujeito potico sente-se um ser vcuo, desprotegido que com orgulho e inocncia
pretende apoderar-se do mundo exterior, circundante.
O sal purificao e corroso, vida e morte. Ningum escapa aco destruidora do
sal tempo.
Os nichos albergam os santos e a forma semelhante.
A concha impede-o de fixar o mundo circundante. No o protege, nem dentro da
concha ele ""; as conchas vazias andam ao sabor das mars, so sonho e lixo.
O seu mundo interior, o inconsciente opaco. H a desolao da concha vazia, o
carcter ilusrio da enunciao.
A lareira no aquece; as salas so frias = ausncia de proteco; vazio.
No h casa nem concha, apenas vazio e abandono; o eu desprotegido do seu
elemento primordial: a ilha.
Todo o exterior apenas constitudo por elementos "de memria", que lhe lembram a
sua infncia, o seu paraso perdido.
A casa/concha assemelha-se pela forma e simbolismo e destruda pelo sal do mar; a
casa/pedra = metfora da memria, que no cessa de evocar o passado.

Prece
Prece uma orao, uma atitude que implica a submisso de um Eu, que se
considera inferior, a um Tu superior e transcendente;
Relao Eu/Tu;
Autocaracterizao, marcadamente negativa e aviltante do Eu;
Oposio entre o sublime ("Meu Deus") e o abjecto "(?), d-me lume a comer,/Que com
pontas de fogo o podre se adormenta");
A procura do Sagrado e do Divino como forma de superar a "fraca alma";
As imagens da Paixo de Cristo ("(?) abre ainda mais o seu lado ardente,/Do Flanco de
teu filho copiado", "Se possvel, desvia o fel do vaso") transpostas para a vivncia da
dor e do sofrimento do Eu.