Você está na página 1de 18

CARTILHA DO FILHO DE SANTO

VERSÃO 3.0

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

2

ÍNDICE
1 - REGRAS DO TERREIRO............................................................................................................................................................................................................
Pg.
3
2 - REGRAS AUXILIARES............................................................................................................................................................................................................
Pg.
4

3 - INFORMAÇÕES GERAIS DIREITOS E DEVERES DOS MÉDIUNS.......................................................................................................................................................
Pg.
5
3.1 HIERARQUIA DA CASA............................................................................................................................................................................................................
Pg.
5

3.2 APRESENTAÇÃO DA CASA........................................................................................................................................................................................................
Pg.
5

3.3 APRESENTAÇÃO DA FORMA DE TRABALHO DA GIRA..............................................................................................................................................................
Pg.
5

3.4 CALENDÁRIO DAS GIRAS..........................................................................................................................................................................................................
Pg.
5

3.5 DIREITOS DOS MÉDIUNS.........................................................................................................................................................................................................
Pg.
5

3.6 DEVERES DOS MÉDIUNS..........................................................................................................................................................................................................
Pg.
5

3.7 TRABALHO NO TOCO (CONSULTAS)........................................................................................................................................................................................
Pg.
5
3.8 TRABALHO DE MEIO............................................................................................................................................................................................................
Pg.
5

3.9 GUIAS DE ORIXAS E ENTIDADES..............................................................................................................................................................................................
Pg.
5

3.10 PONTOS DE ENTIDADES........................................................................................................................................................................................................
Pg.
5

3.11 TESOURARIA DO TERREIRO...................................................................................................................................................................................................
Pg.
5
4 - AMACÍ............................................................................................................................................................................................................ Pg.

6

4.1 - MATERIAL............................................................................................................................................................................................................
Pg.
6
4.2 - PRECEITO............................................................................................................................................................................................................
Pg.
6
5 - MATERIAIS PARA GUIAS............................................................................................................................................................................................................
Pg.
6

6 - BANHOS DE ÉRVAS DE ORIXAS........................................................................................................................................................................................................
Pg.
7
6.1 - XANGÔ............................................................................................................................................................................................................
Pg.

7

6.2 - IEMANJÁ............................................................................................................................................................................................................
Pg.
7
6.3 - OXOSSE............................................................................................................................................................................................................
Pg.

7

6.4 - OXUM............................................................................................................................................................................................................
Pg.

7

6.5 - OXALÁ............................................................................................................................................................................................................
Pg.

7

6.6 - OGUM............................................................................................................................................................................................................
Pg.

7

6.7 - IANSÃ............................................................................................................................................................................................................
Pg.

7

7 - AMALÁS (ENTREGAS)............................................................................................................................................................................................................
Pg.
8
7.1 XANGÔ............................................................................................................................................................................................................
Pg.

8

7.2 IEMANJÁ............................................................................................................................................................................................................
Pg.

8

7.3 OXOSSE............................................................................................................................................................................................................
Pg.

8

7.4 OXUM............................................................................................................................................................................................................
Pg.

8

7.5 OXALÁ............................................................................................................................................................................................................
Pg.

8

7.6 OGUM............................................................................................................................................................................................................
Pg.

8

7.7 IANSÃ............................................................................................................................................................................................................
Pg.

8

7.8 EXU............................................................................................................................................................................................................Pg.

8

8 - ORIENTAÇÕES GERAIS............................................................................................................................................................................................................
Pg.
9

8.1 - O QUE TENHO QUE FAZER DEPOIS QUE ENTRO PARA A CORRENTE ?..................................................................................................................................
Pg.
9
8.2 - COMO DEVO PROCEDER NO DIA DA MINHA GIRA?........................................................................................................................................................
Pg.
9
8.3 - COMO SE SAÚDA UMA ENTIDADE?........................................................................................................................................................ Pg.

9

8.4 - COMO SE CUMPRIMENTA UMA ENTIDADE?........................................................................................................................................................
Pg.
10
8.5 - COMO SE PORTAR AO FALAR COM UMA ENTIDADE?........................................................................................................................................................
Pg.
10

8.6 - PORQUE TOCAMOS NO CHÃO E DEPOIS NA CABEÇA DURANTE A GIRA?.............................................................................................................................
Pg.
11
8.7 - PORQUE BATEMOS A CABEÇA DURANTE A GIRA?.......................................................................................................................................................
Pg.
11
8.8 - O QUE É PRECEITO E PARA QUE SERVE?............................................................................................................................................................
Pg.
11

9 - PEQUENO DICIONÁRIO DE UMBANDA.............................................................................................................................................................................................
Pg.
12
10 - FICHA DE CADASTRO............................................................................................................................................................................................................
Pg.
18

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

1 - REGIMENTO INTERNO
* Caridade, sempre;
* Atendimento indiscriminado e igualitário, independente de credo, raça ou classe social;
* Os trabalhos serão realizados para desenvolvimento mediúnico, catequização, conforto espiritual, quebra de
demandas, orientação, ajuda à comunidade carente e auxílio;
* Não serão cobrados os trabalhos, consultas, passes, energizações ou qualquer tipo de atendimento realizado
nesta casa. Princípio que, se descumprido, implicará no desligamento imediato de médium;
* Seguir os ensinamentos de Cristo e das entidades que rejem a casa;
* Respeito total às entidades que trabalham na casa; o desrrespeito é motivo de expulsão.
* Proibido qualquer tipo de sacrifício com animais ou qualquer trabalho que derive de sacrifício de animais;
* Proibido qualquer trabalho que tenha como intuito prejudicar qualquer pessoa, assim como, proibido trabalhos
de amarração, separação ou que interfira no livre-arbítrio de qualquer pessoa;
* Fica vedado a qualquer médium fazer ou deixar que alguma entidade faça previsões referentes à morte,
separações, traições, doença ou qualquer tipo de notícia que possa trazer desconforto a qualquer um;
* Proibido prescrever medicamento de qualquer tipo. Chás, ervas ou alimentos precisam do consentimento do
dirigente dos trabalhos;
* Proibido qualquer tipo de trabalho realizado fora do terreiro, com ou sem incorporação, sem a companhia de um
dirigente da casa ou de um membro da hierarquia autorizado pelo dirigente dos trabalhos;
* Aprendizado, este é o lema da casa para com os médiuns;
* É proibida a utilização de pólvora (fundango) sem a autorização do dirigente do trabalho;
* Durante vibrações e passes é proibido o toque, em qualquer parte do corpo, especialmente nas regiões do busto
e quadril, avibração dele ser aplicada a pelo menos 15 cm;
* Durante as vibrações é proibido qualquer tipo de consulta;
* Os trabalhos de toco só acontecerão na presença de um cambono;
* Médiuns de toco são responsáveis por prestar atendimento de forma educada e de qualidade aos consulentes;
* É proibido aos médiuns, através das entidades ou não, pedir presentes pessoais;
* Proibido comentar, se não com o dirigente do trabalho, o teor das consultas;
* O anonimato dos consulentes deverá ser mantido em comentários ou aulas;
* As incorporações, em acordo com os firmamentos dessa casa, serão CONSCIENTES, visando o
desenvolvimento e aprendizado do médium;
* Toda e qualquer vestimenta (bengalas, chapéus, mortalhas, capas, vestidos ou trajes) deverão ser aprovadas
pelo dirigente dos trabalhos;
* É permitida a utilização, durante os trabalhos, de facas e punhais, estes sem ponta ou fio e com a permissão do
dirigente do trabalho;
* Cada médium será responsável por todo o seu material de trabalho bem como de suas entidades, e pela
organização destes, devendo estes ser providenciados antecipadamente.
* Uniforme TODO BRANCO, inclusive as roupas intimas
- Roupa branca obrigatória para a primeira e segunda parte do trabalho. Roupa de entidade apenas nas giras
neutras e de quimbanda, e somente para os médiuns que forem trabalhar no toco. Obs. Cuidado com os
excessos nas vestimentas, materiais e nos espações utilizados.
- Para as mulheres, calça e saia, camiseta branca
- Para os homens, calça e camiseta branca.
- Não é permitido calça coloria, roupas justas, transparentes e decotadas
- Não é aconselhavel usar roupas de lã.
- Faltas consecutivas por 2 giras ou mais, sem prévio aviso ou justificativa, implica em afastamento temporário do
médium, que deverá participar por 3 giras consecutivas de branco na assistência, só podendo retornar à corrente
após o cumprimento destas, em caso de reincidência poderá o médium ser afastado em definitivo. Sempre que
precisar se ausentar, deverá comunicar a direção do terreiro com no mínimo 24 horas de antecedência, e
também publicar sua ausência no grupo virtual sem necessáriamente explicar seus motivos, que já foram assim
explicados à direção.
- O médim deve estar pronto para a gira, com no mínimo 30 minutos antecedência, sendo que após o início do
ponto de abertura "Hoje é dia de gira", só será permitida a entrada com a autorização da entidade dirigente.
- É proibido ausentar-se da área de gira sem a prévia autorização da hierarquia, bem como ausentar-se do
terreiro, Sem a autorização do dirigente.

3

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

2 - REGRAS AUXILIÁRES
1 - Só será permitida a comunicação médium e assistência, no horário expecífico de consulta.
2 - Proibida a entrega de materiais, como velas, bebidas, doces, brinqueros, ou qualquer outro, por isso existe a senha e a
marcação antecipada.
3 - Proibido consulta no passe da vibração, a entidade sabe que não pode e não deve, se isso acontecer, não foi a entidade,
então médiuns, não transgridam a norma, não é permitido falar nada, nem mesmo recado, a assistência vai consultar depois,
então a entidade do toco dará o recado na consulta.
4 - Proibido o uso de fumo, bebidas ou indumentárias no momento da vibração, o passe será dado pela entidade sem o uso
destes materiais, podendo depois da vibração o uso deste.
5 - Fica proibido garrafas e litros de bebidas no interior da área de trabalho da gira, os médiuns devem levar apenas uma e o
máximo duas doses de bebida para sua entidade, e isto é o suficiente paro o trabalho dela, levem em outro recipiente,
exemplo garrafinhas pet mini
6 - Proibida consulta em dupla, isto atrapalha muito por conta do espaço que temos
7 - Os médiuns devem ter auto controle quanto às vibrações, todos tem condições de identificar que energia está sentindo e
se for ruim deve dirigir-se ao altar, bater sua cabeça, pedir para que a tal energia seja retirada, tomar água e voltar para o seu
lugar, caso não passe, aguarde mais um pouco e então sinalize a um capitão, comente o que está sentindo que ele tomará as
devidas providências, levando você à entidade de comando se for o caso.
8 - Todos os médiuns de nossa gira depois de passar pelo processo de desenvolvimento, e estiverem aptos para firmeza de
entidades para trabalho de toco, entrarão no rodizio e hora estarão trabalhando incorporados e dando consulta no toco, hora
estarão trabalhando como cambones e auxiliando os médiuns que estarão no toco.
9 - Os celulares devem estar desligados ou no vibra
10 - Firmeza na corrente e atenção quando as entidades estão nos dando orientações.
11 - Nossa engoma (corimba) está constituida. E somente os Ogans cruzados tem autorização para tocar nos atabaques
cruzados, estes serão identificados com o ponto riscado (bordado em um pano) do Caboclo Tupiraí chefe da nossa engoma.
Também temos as pessoas responsáveis por puxar os pontos que é a Samba, os Ogans, capitães e pessoas autorizadoas por
eles.
12 - Não será pemitido o trânsito dos médiuns de branco entre as giras, exceto hierarquia e cambones de Pais/Mães de Santo.
Autorizações especiais deverão ser solicitadas através do grupo virtual.
13 - Proibida a utilização total de bebida e fumo para menores de 18 anos nas atividades e dependências do Terreiro.
14 - Médiuns da gira que precisam de consultas devem esperar todo o atendimento da assistência terminar, sendo atendidos
conforme agendamento com a hierarquia, ou em gira que não seja a sua.
15 - Por orientação espiritual da casa, só será permitido o uso de no máximo 3 velas por ponto firmadas simultâneamente,
sendo que na linha de Preto Velho não é utilizada vela bicolor.
16 - Não é permido comentãrios acerca de entidades, como nomes, características, materiais, elementos e pontos riscados
senão com os dirigentes da casa.
17 - A confirmação de entidades e pontos rescados será feita apenas nas giras de desenvolvimento.
18 - É proibido o uso de fumo e bebidas para médiuns em desenvolvimento, antes da confirmação das entidades e de seus
respectivos pontos riscados.
19 - Por questões da Lei do silêncio, a partir das 22:00 horas, fica totalmente proibido o uso dos atabaques, não sendo
permitodo nem mesmo toque suave ou baixo.

4

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO
3 - INFORMAÇÕES GERAIS, DIREITOS E DEVERES DOS MÉDIUNS
3.1 - HIERARQUIA DA CASA:
3.1.1 - HIERARQUIA:
DIRETOR ESPIRITUAL E PAI DE SANTO...................:
Pai Jackson de Xangô
VICE DIRETORA ESPIRITUAL E MÃE DE SANTO.....:
Mãe Jucinéia de Oxum.
3.1.2 - Capitães: Luiz de Oxossi, Hadassa de Xangô, Evandro de Xangô, Manoela de Oxosse e Flavio de
Oxosse.
3.1.2 - Corimba:
3.1.3 - Sambas: Aline de Iansã, Carol de Iansã e Tainá de Iansã.
3.1.4 - Ogan: Wilian de Oxosse
Atabaqueiros: Juliano de Xangô, Heitor de Ogum,
3.2 - APRESENTAÇÃO DA CASA: Conga, vestiário, banheiro, lavanderia, casa de exus, roncó, jardim dos orixás,
tronqueira Sr. Tranca ruas, encruzilhadas e cruzeiro das almas.
3.3 - APRESENTAÇÃO DA FORMA DE TRABALHO DA GIRA - vibração 7 linhas, trabalhos de meio e cura se
necessário, intervalo e consultas.
3.4 - CALENDÁRIO DAS GIRA – sempre na sequencia: exu, preto velhos, linha neutra e caboclo.
3.5 - DIREITOS DOS MÉDIUNS
3.5.1 - OBI – todos os médiuns terão o jogo de obi com o carreiro completo
3.5.2 - AMACI – todos os médiuns farão novo amaci
3.5.3 - SUSTENTAÇÃO E FIRMEZA – O médium tem direito ao zelo do seu alguidar, alimentação do seu Orixá,
bem como tirar dúvidas sobre seu desenvolvimento, suas entidades e outros pertinentes à umbanda
3.5.4 - DESENVOLVIMENTO – os desenvolvimentos serão marcados sempre por uma entidade dirigente ou pelo
diretor espiritual e informado as toda a corrente dia e horário.
3.5.5 - USO DAS DEPENDÊNCIAS DO TERREIRO – O terreiro é uma associação portanto todos os médiuns
integrantes do terreiro são associados do mesmo.
3.6 - DEVERES DOS MÉDIUNS
3.6.1 - MENSALIDADE - Todos os integrantes do terreiro contribuem com uma mensalidade que atualmente é de
R$ 50,00 para custear as despesas do terreiro, como aluguel, água, luz, e também velas de firmezas.
Velas de 7 dias e palito para alimentação do roncó, congá, casa de Exus, tronqueiras e trabalhos de meio, o valor
referente ás mesmas já está incluso no valor das contribuições mensais, e não podem serem usadas para
firmezas de toco, pois estas são de responsabilidade dos médiuns.
3.6.2 - COMPROMETIMENTO - Os médiuns devem ter responsabilidades com a casa, com o material de trabalho
de suas entidades, procurar não faltar às giras e se puder, avisar antecipadamente sua ausência.
3.6.3 - LIMPEZA DO TERREIRO - Existem grupos de limpeza que se realizam aos domingos enas sextas, o
associado integressante, terá que necessariamente fazer parte em um destes grupos, também temos grupos para
uma limpeza rápida ao final de cada gira para entregarmos o terreiro limpo e organizado para a outra gira, da
mesma forma que encontramos. A planilha destes grupos encontram-se no mural do vestiário.
3.6.4 - DESENVOLVIMENTO DOS MEDIUNS (QUEM PODE TOCAR EM MÉDIUNS, PUXAR ENTIDADES ?) –
Somente a hierarquia, pai e mãe de santo e capitães, incorporados ou não, não sendo permitido a outros
médiuns.
3.7 - TRABALHO DE TOCO – determinado pela entidade comandante da gira - Médiuns de toco, serão aqueles
que a entidade chefe determinar, médiuns mais antigos que já trabalham no toco trabalharão normalmente, mas
terão que passar por confirmação de pontos riscados.
3.8 - TRABALHO DE MEIO – se houver a necessidade de alguma entidade fazer trabalho de meio, esta deverá
pedir autorização à entidade comandante da gira - Também sempre que for necessário a entidade comandante
poderá determinar uma entidade para execução de trabalhos de meio.
3.9 - GUIAS DE ORIXAS E DE ENTIDADES - Somente a hierarquia poderá fazer guias de qualquer tipo, ou
alguém devidamente autorizado, e com a mão cruzada.
3.10 - PONTOS DE ENTIDADES - Todos os pontos riscados de todas as entidades será copiado, bem como
suas consultas para mantermos um arquivo (histórico) dos trabalhos realizados.
3.11 - TESOURARIA DO TERREIRO - Hadassa de Xangô e Gabriela de Xangô.

5

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

4 - AMACI
4.1 - Material: - Guias pelo menos a do seu Orixá, 1 Alguidar pequeno Nº 0, Pano de cabeça, 1 vela Nº 3 na cor
do seu Orixá, Bebida do seu Orixá ( Xangô = Cerveja preta, Ogum e Oxossi = cerveja branca, Oxalá, Iemajá,
Iansã e Oxum = água mineral.
4.2 - Preceito: -Sete dias Antes do Amaci:
Tomar banho de descarrego
Não comer carne vermelha
Não manter relações sexuais
Não freqüentar ambientes profanos
Não consumir bebidas alcoólicas
Procurar manter pensamentos bons e elevados;
No dia do Amaci: Procurar não manter contato físico com outras pessoas.
Obs. Após a realização do amaci, o filho tem até 7 dias para fazer o amalá para o seu Orixá de cabeça.

5 - MATERIAL PARA GUIAS
5.1 - Orixá:
80 Contas de Cristal de 8 mm na cor do Orixá
80 Contas de Cristal Transparente de 8mm
1 Firma de Cristal na cor do Orixá
1 Pacote de Miçangão Cristal na cor do Orixá
1 Pacote de Miçangão Cristal Transparente
1 Medalha do Orixá
5.2 - GUIA DE XANGÔ Caboclo 7 Cachoeiras
8 - Contas marrom 10mm
16 - Contas cristal transparentes 8mm
32 - Contas cristal marrom 8mm
1 pacote de missangão cristal marrom (+- 50 gr)
5.3 - Oxalá:
160 Contas de Porcelana Branca de 8 mm
1 Firma de Porcelana Branca
2 Pacotes de Miçangão Branco
1 Medalha do Oxalá
5.4 - Exu:
80 Contas de Cristal Vermelho de 8 mm
80 Contas de Cristal Preto de 8mm
1 Firma Vermelho
1 Pacote de Miçangão Vermelho
1 Pacote de Miçangão Preto
1 Tridente
5.5 - Guia da Linha Neutra:
1 Firma de porcelana marrom
20 Contas de porcelana Marrom de 8 mm + 1 pacote de missangão
25 Contas de porcelana Branca de 8 mm + 1 pacote de missangão
06 Contas de porcelana Rosa de 8 mm + 1 pacote de missangão
19 Contas de porcelana Vermelha de 8 mm + 1 pacote de missangão
20 Contas de porcelana Amarela de 8 mm + 1 pacote de missangão
02 Contas de porcelana Verde de 8 mm + 1 pacote de missangão
02 Contas de porcelana Laranja de 8 mm + 1 pacote de missangão
02 Contas de porcelana Roxa de 8 mm + 1 pacote de missangão
08 Contas de porcelana Azul escuro de 8 mm + 1 pacote de missangão
08 Contas de porcelana Marrom de 8 mm + 1 pacote de missangão
17 Contas de porcelana Preta de 8 mm + 1 pacote de missangão

6

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

6 - BANHO DE ERVAS (banho de descarrego)
6.1 - Xangô: Limoeiro (folhas) – Erva Moura – Erva Lírio – Café (folhas) – Mangueira (folhas) – Erva de Xangô
Erva Lírio, Erva Moura, Erva de Xangô, Folhas de Café, Folhas de Limoeiro, Folhas de Mangueira,
6.2 - Iemanjá: Unha de Vaca – Folhas de lágrimas de N. Senhora – Erva Quaresma – Trevo – Chapéu de Couro
Chapéu de Couro, Erva Quaresma, Folhas de Lágrima de N.Senhora, Pata de Vaca e Trevo.
6.3 - Oxossi: Malva Rosa – Mil Folhas – Funcho – 7 Sangrias – Folhas de Aroeira – Fava de Quebrante (folhas)
Erva Cidreira, Folhas de Abacateiro, Folhas de Aroeira, Folhas de Fava de Quebrante, Folhas de Jurema, Folhas de Laranjeira,
Folhas de Maracujá, Folhas de Palmeira, Folhas de Palmito, Folhas de Samambaia, Malva Rosa, Mil Folhas, Sete Sangrias.

6.4 - Oxum: Oriri de Mamãe Oxum Arnica, Calêndula, Camomila, Chuva de Ouro, Erva Cidreira, Erva Sta. Maria, Gengibre,
Manjericona,Trevo Azedo ou grande.
6.5 - Oxalá: Arruda – Erva Cidreira – Erva de São João – Laranja (folhas) – Alecrim do Mato – hortelão – Poejo
(folhas) – Levanta – erva de Oxalá – Girassol (folhas) – Bambu (folhas) Alecrim do Mato, Alevante, Arruda, Camomila,
Chapéu de Couro, Cravo, Coentro, Erva de Bicho, Erva Cidreira, Gerânio Branco, Erva de Oxalá (Boldo) ,Erva de S.João,
Hortelã, Folhas de Bambu, Folhas de Girassol, Hortelã e Poejo
6.6 - Ogum: Losna – Comigo Ninguém Pode – Romã (folhas) – Espada de Ogum – Flecha de Ogum – Cinco
Folhas – Macaé – Jurubeba (folhas) – Aroeira - Carqueja, Cinco Folhas, Comigo Ninguém Pode, Espada de S. Jorge, Folhas
de Romã, olhas de Jurubeba, Flecha de Ogum, Losna, Macaé e Pata de Vaca,
6.7 - Iansã: Açucena – Rosa Branca (folhas) – Erva de Santa Bárbara Açucena, Catinga de mulata, Cordão de Frade,
Erva de Santa Bárbara, Gerânio Cor-de-Rosa ou Vermelho, Folhas de Rosa Branca.

7

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

7 - AMALAS (ENTREGAS)
Logo após ter feito o amací, deverá fazer amalá para Exu e para seu Orixá.
7 .1 -Xangô: Velas marrons, velas brancas, cerveja preta (mesmo principio explicado para ogum), quiabo dentro
de alguidar de barro, frutas, fitas marrom escuro e branca. Local de entrega na pedreira ou sobre uma pedra
grande e bonita.
7.2 - Iemanjá: Velas brancas e velas azuis, champanhe, manjar branco, fitas azuis e rosas brancas ou outro tipo
de flor branca. Local de entrega: na praia.
7.3 - Oxossi: Velas verde e velas brancas , cerveja branca, moranga assada com milho dentro coberto de mel,
frutas, fitas verde e branca. Local de entrega na entrada da mata.
7.4 - Oxum: Velas Brancas e velas amarelo claro, água mineral, canjica branca, frutas, fitas amarelo claro e
branca. Local de entrega ao lado de uma cascata.
7.5 - Oxalá: Velas brancas, água mineral, canjica branca dentro de alguidar de louça branca, fitas e flores
branca. O local de entrega deve ser muito bonito e cheio de paz, como uma colina limpa ou junto de uma entrega
para iemanjá na praia.
7.6 - Ogum: Velas brancas e vermelha ou velas brancas e velas vermelhas, cerveja branca em coité, charutos,
frutas dentre elas uma manga espada, fitas vermelhas e branca. Local de entrega uma campina. Não convém
deixar no local de entrega latas e garrafas de cerveja, devendo toda a bebida ser derramada em volta do trabalho
entre as velas e comidas.
7.7 - Iansã: Velas brancas e amarelo escuro (laranjada), água mineral, acarajé, milho em espiga coberta com mel
ou canjica amarela, frutas, fitas brancas e amarelo escuro (laranjada) e flores. Local de entrega em pedra ao lado
de um rio.
7.8 - Exu: Velas vermelhas/pretas, cachaça, conhaque ou wiske, farofa de farinha branca com dendê e
São acima mencionados os Amalás principais, entretanto costuma-se também fazer entregas (do Amalá) para
Crianças, Preto velho, Cigano, Boiadeiro, Baiano, Malandro, marinheiro e Cangaceiros.

As quantidades de velas devem ser em número ímpar, de 1 a 7 para cada cor. O Amalá não precisa ser o mais
caro e nem o mais glamuroso, basta fazer com amor e com o coração como se fosse um presente ou um
agradecimento.

8

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

8 - ORIENTAÇÕES GERAIS
8.1 - O que tenho que fazer depois que entro para a corrente?
Jogar obí para saber seu Orixá de cabeça
Comprar a roupa branca, a faixa na cor do seu Orixá, e uma para as giras de esquerda.
Comprar as guias, se não puder todas, poelo menos a do seu Orixá e a de Oxalá.
Entregar a ficha de cadastro ao dirigente
Escolher um dos dias de gira da casa como seu dia fixo de gira
Não faltar as giras
Não faltar as giras de desenvolvimento
Estar atento aos ensinamentos
Estar atento as informações e notificações no grupo do facebook.
8.2 - Como devo proceder no dia da minha gira?
Seguir o preceito
Chegar no Terreiro com no mínimo 30 minutos de antecedência
Acender vela para o anjo de guarda
Entrar na área de gira e bater a cabeça no chão na frente do altar
Escolher um lugar e ficar em silêncio e concentração aguardando a gira começar
Comprimentar seu Pai de Santo
Quando a gira começar, cantar com vontade e amor para a vibração tomar conta do seu ser
Quando começarem as incorporações, concentre-se a fim de dar passagem ao seu guia
Respeite as regras desta cartilha
Apoie e ajude em tudo que puder, se não souber pergunte a alguem da hierarquia
Fique atento as suas funções
Quando não estiver bem, comunique a seu pai de santo a fim de receber uma vibração.
Ao termino dos trabalhos auxili também no que puder.
8.3 - Como se saúda uma entidade?
Saudação:
Como é feito na aberturas de nossas giras a seguir:
Caboclos de Xangô – Kao Cabecilie
Caboclos e Caboclas Oxossi – Oke Odé ou Ekê Arô
Caboclos de Ogum – Ogunhê ou Patacori Ogum
Pretos e Pretas velhas - adorei as almas ou baba ê
Crianças – Oni beijada
Linha do oriente – Orie
Ciganos – Salve o povo Cigano ou Opacha
Boiadeiros – Jetuá
Marinheiros – Salve o povo do mar ou Salve os marujos
Baianos – Salve o povo da Bahia
Zé Pilintra e todos os malandros – Salve a malandragem
Cangaceiros - Salve o povo do cangaço.
Exus e Bombogiras - Laroiê exu, emojubá

9

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO
10
8.4 - Como se cumprimenta uma entidade ?
Cumprimento:
Caboclos, todos: toque com as costas da sua mão direita nas costas da mão direita do Caboclo, depois as costas
da sua mão esquerda nas costas da mão esquerda dele, e novamente a direita e diga salve meu pai ou minha
mãe, também pode dizer a saudação da linha dele como Kaô Cabeciliê, Okê Odé, ou Ogunhê.
Pretos e Pretas velhas - pegue a mão do Preto ou Preta beije as costas da mão dele ou dela e encoste na sua
testa e diga, salve meu pai ou mãe, eu a sua benção meu pai ou mãe, ou ainda babaê meu pai ou mãe.
Crianças – como eles são crianças, vão arrumar as mãos e pedir benção tio ou tia, você em sinal de respeito pela
grande evolução deles vai pegar as mãe arrumadas deles e vai beijar, e diga Oxalá abensoe e pode você pedir a
benção também.
Linha do oriente – pode fazer da mesma forma como com os Pretos Vélhos, ou junte as mãos como em oração e
encoste nas mãos deles e diga Orie.
Ciganos – segure a mão direira da entidade com a sua mão direita, e a esquerda com a sua mão esquerda, junte
as beije ambas e leve a testa e diga Salve meu pai ou mãe, ou então Opacha
Boiadeiros – como nun cumprimento normal aperte a mão da entidade, depois um aperto cruzado envolvendo o
polegar dele e ele o seu e novamente o aperto normal e diga salve meu pai ou mãe ou Jetuá.
Marinheiros – como nun cumprimento normal aperte a mão da entidade, depois um aperto cruzado envolvendo o
polegar dele e ele o seu e novamente o aperto normal e diga salve meu pai ou mãe salve os marujos.
Baianos – como nun cumprimento normal aperte a mão da entidade, depois um aperto cruzado envolvendo o
polegar dele e ele o seu e novamente o aperto nolmal e diga salve meu pai ou mãe ou Salve o povo da Bahia.
Todos os malandros – como nun cumprimento normal aperte a mão da entidade, depois um aperto cruzado
envolvendo o polegar dele e ele o seu e novamente o aperto normal e diga salve meu pai ou mãe ou Salve a sua
malandragem.
Cangaceiros - como nun cumprimento normal aperte a mão da entidade, depois um aperto cruzado envolvendo o
polegar dele e ele o seu e novamente o aperto normal e diga salve meu pai ou mãe ou salve o cangaço.
Exus e Bombogiras - com as mãe cruzadas e espalmadas para baixo segure as mãe também cruzadas da
entidade e diga salve meu pai ou mãe ou Laroiê.

8.5 - Como se portar ao falar com uma entidade?
Primeiramente sempre com muito respeito, tratando de Senhor e Senhora, nunca direto pelo nome.
Ex. Sr. Exu Veludo, Sr. Caboclo 7 Cachoeiras etc.
Olhar sempre para entidade quando fala com ela, exceto os Exus, alguns não gostam que fiquemos encarando
eles.
Seja sempre direto no assunto e nas perguntas pois eles responderão o que você perguntar e não o que você
pensa, embora saibam o que você está pensando.
Não tome o tempo excessivamente da entidade, converse só o necessário.
Não faça perguntas de duplo sentido, alguns podem se irritar com isso.
Nunca teste uma entidade, você pode se arrepender.
Nunca discuta com uma entidade afinal devemos ter respeito com todas.
Se você ouvir da entidade algo que possa não ser verdade, comente educadamente com ela, pode ser uma
interferência ou equivoco do cavalo na transmissão da informação pela entidade, (o médium precisa estar atento
para que isso não ocorra).
Não fale gírias com entidades, pois elas não vivem no nosso tempo.
Saiba pedir, seja claro e aguarde a resposta.
Não peça coisas impossíveis.
Não peça solução, peça ajuda, lembre-se é você que deve resolver seus problemas, eles apenas vão orientar.
Não culpe uma entidade por suas falhas, lebre-se do fator humano que pode interferir.
E por último respeite a grandeza e a evolução das entidades.

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO
11
8.6 - Porquê tocamos no chão e depois na cabeça durante as giras?
Tocamos o chão porque para nós é um solo sagrado, um lugar que representa a paz e o encontro com a nossa
espiritualidade e com Deus, o solo onde nossos mentores e guias baixam, um solo onde os espíritos de luz
caminham, tocamos o chão em forma de triangulo, onde cada vértice representa uma força da trindade de
Umbanda, Caboclos (a força e a determinação do homem adulto, forte e guerreiro), Pretos Velhos (a sabedoria e
experiencia do homem velho, que tem muito a ensinar), e as crianças (a ingenuidade e inocência da criança, a
pureza que devemos sempre ter). Depois levamos a mão à cabeça no centro da testa no terceiro olho, e pedimos
a visão espiritual, em seguida na lateral da cabeça, na fonte, e pedimos o poder da percepção, e por último atrás
da cabeça, na nuca e pedimos a proteção espiritual, dos nossos guardiões, o nosso Exu protetor.
Também batemos a cabeça, em sinal de respeito e reverência aos Orixás e toda a egregora espiritual que nos
acolhe, protege e ilumina. O ato de bater a cabeça, significa humildade considerando que somos guiados por
estas forças e que sem elas não evoluímos em nossa caminhada.

8.7 - Porque batemos a cabeça durante a gira?
É um sinal de respeito reverência ao solo que para nós é sagrado, solo este onde nossos guias baixam,
trabalham, nos ensinam e nos ajudam evoluir, batendo a cabeça nós reconhecemos a grandeza destes que são
nossos protetores, e que diante deles somos tão pequenos, reconhecemos a magnitude de luz e paz que eles
tem, batemos a cabeça pelo trabalho que eles desempenham em nossa mediunidade e vida.

8.8 - O que é preceito e para que serve?
Preceito é a preparação para participar das giras, para estar minimamente pronto para o contato com o mundo
espiritual e as energias emanados pelos guias e entidades, e para isso precisamos cumprir alguns requisitos pelo
menos 24 horas antes da gira tais como:
Tomar banho de descarrego com ervas;
Não comer carne de nenhum tipo, exceto peixe;
Não manter relações sexuais;
Não frequentar ambientes profanos;
Não consumir bebidas alcoólicas;
Manter bons pensamentos;
Estes procedimentos, limpam a aura e as energias negativas, propiciando bem estar para uma boa comunicação
com os espíritos, desta maneira nos tornamos mais sensíveis às energias, vibrações e sensações, aumentando
nosso poder de energização e sensibilidade diminuinto forças negativas que formam barreiras contrárias.

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

9 - PEQUENO DICIONÁRIO DA UMBANDA

A

Abaré: Médium já desenvolvido.
Abaré-Guassu: Grande trabalho.
Abaré-Mirim: Médium em início de desenvolvimento.
Adejá - instrumento usado para chamar a atenção dos médiuns, pedir silêncio, iniciar e encerrar pontos
Aie ie ô - Saldação à Orixá Oxum
Ajeum: Nome dado para as comidas votivas servidas dentro do terreiro.
Aldeia: Terreiro; Templo; É o conjunto de pessoas nele contida (caboclo).
Alguidar: Vasilha de barro onde se coloca comida votiva.
Amalá - Entrega de comidas para Orixás e entidades
Amarrado: Estado do indivíduo atingido por vibrações maléficas, que prejudicam sua vida, seus negócios.
Amassi ou Amaci: Líquido preparado de folhas sagradas, maceradas em água, é destinado a banhar a
cabeça
dosObjeto
médiuns.
Amuleto:
com finalidade protetora (poder passivo), que se traz pendurado ao pescoço, consigo na
roupa, guardado no bolso, na bolsa ou em casa. Considera-se que tenha o poder de afastar os maus fluídos
que trazem doenças, má sorte, morte, etc. Pode ser medalha, figura, inscrição ou objetos, dentro de um
saquinho ou qualquer objeto “preparado”, para defesa, de qualquer material: pedra, marfim, madeira, metal,
pano, etc.
Aparelho: Designa a pessoa que serve de suporte para a “descida” da entidade do médium.
Aruanda: Céu; lugar onde mora os orixás e as entidades superiores.
Assintência - local de permanência das pessoas que vão consultar
Atabaque - instrumento de couro usado em ritual de umbanda para toque dos Orixas e pontos
Azeite de dendê - Óleo do fruto de uma palmeira usado para comida de santo

B

Babá: Termo que entra em grande número de palavras, com diferentes significados. No sentido de pai,
compõe o nome de diferentes sacerdotes: Babalorixá; Babalaô; etc.
Babalorixá: Chefe masculino de terreiro; Sacerdote de candomblé; ou de umbanda (a umbanda também o
usa = Babalaô). Denominado popularmente “pai-de-santo”, dirige tanto o corpo administrativo como o
sacerdotal. Substitui o Axogum; pode colher as ervas sagradas. Orienta a vida espiritual da comunidade
religiosa.
Baixar: possuir por parte do orixá ou entidade, o corpo de um filho ou filha de santo.
Banda: Lugar de origem de entidade.
Benjoim - Usado para defumação
Bombo Gira - entidade feminina de esquerda
Breve: Espécie de patuá; pequeno envelope de pano ou couro, contendo uma oração ou imagem de santo.
Usado como proteção.
Burro: Termo usado pelos exus incorporados para designar o médium.

C

Cabeça Maior: Pessoa de alta hierarquia no templo.
Cabeça de Legião: Exus batizados e que controlam os mais atrasados.
Caboclo - Entidades das linhas de Ogum, Oxosse e Xangô, espíritos de índios.
Calunga Grande: Mar; oceano.
Calunga Pequena: Cemitério.
Cambono - Auxiliar dos médiuns incorporádos.
Canzuá: Terreiro, Templo, Local.
Capangueiro: Termo usado no sentido de companheiro.
Caricó: Templo, Terreiro.
Carregado: Pessoa que está com má vibrações espirituais, o que é demonstrado por mal-estar, medo sem
causa, etc.
Caruruto: Charuto.
Casa das Almas: Pequeno cômodo com velas, cruzes. Alguns templos colocam a imagem de Obaluaiê.
Casa Limpa: Templo livre de más influências e de demandas.

12

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

13

Catimbozeiro: Termo para chefe de catimbó, no sentido de feiticeiro terrível.
Cavalo: Pessoa que serve de suporte para os orixás ou entidades. É o médium.
Caxixi - Instrumento também usado para a atentão dos médiuns e para cadência ritmica.
Cera dos Três Reinos: 1: Carnaúba; 2: Abelha; 3: Parafina. São empregadas para trabalhos de umbanda.
1:
Reino
Reino Animal;
3 Reino do
Mineral.
Chefe
deVegetal;
Cabeça:2:Entidade
guia protetora
médium. Chefe de Falange: entidade espiritual muito evoluída.

livrede
de Terreiro:
reencarnação.
Que serve
como guia
a um conjunto de espíritos também adiantados e vibrantes em
Chefe
O mesmo
que dirigente
espiritual.
Chefe de Legião: Entidade de grande evolução espiritual, que “descem” nos terreiros representando orixás,
dentro de suas linhas ou correntes vibratórias.
Choque de Retorno: Ação de voltarem as más vibrações de um feitiço. Atingindo quem o fez ou encomendou.
Coité: Fruto do coitezeiro – seco ou partido com o meio pintado por dentro e por fora (cuia). Alguns usam
coco, outros cabaça.
Compadre: Designação para Exu.
Consulta: atendimento à assistência para resolver seus problemas.
Congá - Altar, onde ficam as imagens dos Orixas.
Curimba - Local e grupo de pessoas responsáveis por cantar e tocar os instrumentos.

D

Defumação: Limpeza do ambiente com fumaça de ervas e preparação energética para a gira Ato de orixá ou
entidade incorporar.
Dar Firmeza ao Terreiro: Riscar ponto na porteira, sob o altar, defumar, cantar pontos, etc. São feitas antes
de uma sessão, para afastar ou impedir a entrada de más influências espirituais.
Dar Passagem: Ato do orixá ou guia deixar o médium para que outra entidade nele se incorpore.
Dar passes: Até da entidade, através do médium incorporado, emitir vibrações que anulem as más influências
sofridas pelos clientes, através de feitiço, olho gordo, inveja, etc. E que abrem os caminhos.
Demanda: Desentendimento, lutas entre orixás ou entidades, entre terreiros, entre pessoas de um terreiro.
Descarga: Ação de afastar do corpo de alguém ou de um ambiente, vibrações negativas ou maléficas por
meio de banhos, passes, defumação, queima ou pólvora.
Descarregar: Livrar alguém de vibrações maléficas ou negativas.
Descer: Ato de orixá ou entidade incorporar.
Desencarnar: Ato do espírito da pessoa deixar o corpo – morrer.
Desenvolvimento: Aprendizado dos iniciados para melhoria de sua capacidade mediúnica; com a finalidade
de incorporação de entidades. Não cair no chão, controlar o transe, etc.
Despachar: Colocar, arriar em local determinado pelos orixás ou entidades – guias, os restos de oferendas.
Despacho: Oferenda feita a exu com a finalidade de enviá-lo como mensageiro aos orixás e de conseguir sua
boa vontade, para que a cerimônia a ser feita, não seja perturbada. Oferta feita por terreiros de desfazer
trabalhos maléficos.

E

Encarnação: Ato de vir um espírito à vida terrestre, tomando um corpo, ou voltar num corpo novo e continuar
sua evolução espiritual.
Encosto: Espírito de pessoas mortas. Que se junta a uma pessoa viva, conscientemente ou não, prejudicandoa com suas vibrações negativas.
Encruza: Ritual realizado pelo dirigente espiritual antes do início das sessões e que consiste em traçar cruzes
com pemba na testa, nunca no peito.
Encruza: Local onde habitam os exus; é o cruzamento dos caminhos, vias férreas, ruas, etc.
Engira: O mesmo que gira – trabalho – sessão.
Entidades: Seres espirituais na umbanda.
Eparrei - Saldação à Orixá Iansã
Erê - Criança da Umbanda na linha de cosme, Damião e Doum
Escora: Pessoas que suporta os atabaques de espíritos obsessores sem ser prejudicados.
Espírito de Luz: Espírito muito desenvolvido, é superior, é puro.
Espírito sem Luz: Espírito inferior, pouco evoluído, apegado ainda à matéria.
Espíritos Obsessores: Espíritos sem nenhum desenvolvimento espiritual, que se apossam das pessoas,
fazendo-as sentirem doentes, prejudicando-as em todos os sentidos.

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

14

Exu - Entidade masculina de Esquerda
Exu mirim - Entidade de esquerda, que foram adolescentes

F

Falange: O mesmo que legião, conjunto de seres espirituais que trabalham dentro de uma mesma corrente
(linha). Subdivisão das linhas de umbanda, cada uma com suas funções definidas e dirigidas por um “chefe” –
espírito superior.
Fechar a Gira: Encerrar uma sessão ou uma cerimônia em que tenha havido formação de corrente vibratória.
Fechar a Tronqueira: Fechar o terreiro às más vibrações dos quiumbas, por meio de defumação e aspersão
de aguardente nos quatro cantos do local onde se realizará o culto.
Feitiço: Irradiação de forças negativas, maléficas contra alguém, despacho, objeto que contém vibrações
maléficas para atingir a quem tocar.
Filho de Fé: Designação do médium iniciante ou não.
Firmar: Concentrar-se para a incorporação.
Firmar Porteira: Riscar a entrada do templo, um ponto especial para protegê-lo de más influências ou fazer
defumação na entrada, firmar = dar segurança.
Firmar Anjo da Guarda: Fortalecer por meio de rituais especiais e oferendas de comida votivas e orixá
patrono do médium.
Firmar Ponto: Cantar coletivamente o ponto (cântico) determinado pela entidade que vai dirigir os trabalhos
para conseguir uma concentração da corrente espiritual.
Firmeza: O mesmo que segurança, conjunto de objetos com força mística (axé); que enterrados no chão
protegem um terreiro e constituem sua base espiritual.
Fluídos: Emanações positivas ou negativas, das forças cósmicas que podem ser manejadas por agentes
espirituais para o bem ou para o mal.
Força Espiritual: Poderes e conhecimento que um médium tem quando em transe e quando as entidades que
o protege têm. Grande poder, são fortes e importante no mundo astral.
Fundamentos: Leis de umbanda, suas crenças.
Fundanga: Pólvora.
Getuá - Saldação aos Boiadeiros.
Gira: Sessão religiosa, com cânticos e danças para cultuar as entidades espirituais.
Gira de Caboclo: Sessão religiosa, o mesmo que gira; só que voltada única e exclusivamente para a linha de
caboclo.
Guia: Colar ritualístico especial para cada entidade. Entidade espiritual, espírito superior. Alguns são o guia
protetor do templo, outros do médium. Geralmente o guia do terreiro incorpora no dirigente espiritual do
templo.

G

Guia de Cabeça: Orixá ou entidade principal do médium, seu protetor.
Guia de frente: O mesmo que guia de cabeça.

H

Homem das Encruzilhadas: Exu.
Homem de Rua: Exu.

I

Iansã - Orixá dos ventos e do tempo, sincretizada com Santa Barbara.
Ibeijada - Crianças (o mesmo que Erês
Iemanjá - Orixá das águas salgadas, sincretizada com Nossa Senhora dos Navegantes.
Incenso - Defumador
Incorporação: Transe, possessão mediúnica.
Incorporar: Entrar em transe “receber” a entidade.

J

Jacutá - Altar para os Caboclos.
Jurema - Entidade de Umbanda Linha das Caboclas.

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO
Juremá - Local astral das Caboclas de Juremas.

K

Kaô Cabecilê - Saldação ao Orixá Xangô.
Kurumin - Criança indigena Caboclinhos.

L

Legião: Exercício de seres espirituais, o mesmo que falange. Conjunto de seres espirituais de grande
evolução, conjunto de espíritos elementares (exus) em evolução.
Lei da Umbanda: A crença da umbanda e seus rituais.
Linha: Faixa de vibração, dentro da corrente vibratória espiritual. Um orixá também chamado protetor e que
é chefe dos seres que vibram e atuam nessa faixa. Conjunto de falanges e que se subdivide uma faixa
vibratória. Conjunto de representações (corporal, dança, cores, símbolos) e rituais (comidas, bebidas, dia da
semana), etc.; de cada orixá ou entidade. Conjunto de cerimônias rituais de determinado tipo. Ex. linha de
umbanda, linha branca, etc.
Linha Branca: Ritual visando unicamente o bem.
Linha Cruzada: Ritual com influência de duas ou mais procedências.
Linha das Almas: Corrente vibratória que congrega os espíritos evoluídos de antigos escravos africanos.
Linha de Cura: Ritual que se ocupa mais com a cura física e espiritual do adepto, do que com o culto às
divindades.
Linha do Oriente: Congrega espíritos que viveram em povos do oriente.

M

Macaia: Folhas sagradas. Local das matas onde se reúnem os terreiros.
Macumba: Antigo instrumento musical usado outrora nos terreiros afro-brasileiros. Nome que os leigos usam
para denegrir a umbanda. Nome que os leigos usam para designar “despacho” de rua (pejorativo).
Madrinha: O mesmo que dirigente espiritual, Mãe de Santo, Babá sacerdotisa. Termo utilizado na Umbanda
para designar à Entidade Espiritual e/ou Médium que foi escolhido por um Filho de Fé para batizá-lo.
Mandinga: Feitiço, encantamento, também praga rogada em voz alta.
Manifestação: Incorporação, transe mediúnico.
Manifestar: Ato do ser espiritual incorporar-se em alguém, tomar conta do corpo de alguem.
Marafo: Aguardente, termo muito usado pelos exus.
Matéria: Corpo, Parte material do homem, a mais afastada da pureza espiritual.
Matinata - Uma qualidade da linha de Ogum.
Médium: Pessoa que tem a Faculdade Especial de servir de intermediário entre o mundo físico e espiritual.
Termo do espiritismo, adotado pela umbanda.
Mesa Branca: Denominação dada as sessões de espiritismo Kardecistas.
Mironga: Segredo, mistério.
Mirra - Erva usada em defumação.
Mucuiu - Pedir a benção, Mucuiu no Zambi - Deus te abençoe.

N
Nanâ - Orixá de esquerda, sincretizada com Santa Ana.
Naruê - Uma qualidade da linha de Ogum.

O

Orixá Cruzado: Entidade pertencente às duas linhas.
Orixá de Cabeça: Orixá principal do médium.
Orixá de Frente: O mesmo que orixá de cabeça.
Obaluaê - Orixá de esquerda, Deus da peste e da cura, sincretizado com São Roque.
Odoiá - O Saldação à Orixá Iemanjá.
Ogum - O Orixá do ferro e do aço, Deus da guerra e das armas, sincretizado com São Jorge.

15

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

16

Okê Odé - Saudação ao Orixá Oxosse.
Omolú - Orixá de esquerda, deus da vida e da morte, sincretizado com São Lazaro.
Orixá - Representante de Deus na Umbanda são 7, cada um ligado a uma força da natureza.
Atotô - Saudação ao Orixá Omolú.
Oxalá - Orixá maior, sincretizado aom Jesus.
Oxosse - Orixá das matas, sincretizado com São Sebastião.
Oxum - Orixá das cachoeiras, do ouro, sincretizada com Nossa Senhora da Conceição.

P

Padrinho: dirigente espiritual, chefe de terreiro. Pai de Santo. Babalorixá. Termo utilizado na Umbanda para
designar à Entidade Espiritual e/ou Médium que foi escolhido por um Filho de Fé para batizá-lo.
Parati: Aguardente (Exu, Zé Pilintra).
Passe - Energização, troca de energias.
Patacorí - Saudação ao Orixá Ogum.
Patuá: Amuleto que se leva pendurado ao pescoço ou pregado na roupa. Antigamente eram saquinhos de
couro ou de pano, com boca amarrada com cordão metálico, junto a uma conta de vidro da cor da divindade
protetora. Atualmente são de forma quadrada ou retangular, em couro natural ou sintético, mas cores rituais,
contendo Figas de Guiné, Búzio, Estrela de Salomão, etc; ou pedaços de ervas as vezes orações. PA
=erradicar doenças, antídoto, TU = propiciar, WA = viver, existir (viver, sem doenças).
Pemba - C Giz de material calcário originário de montanhas africanas usado para riscar pontos.
Perna de Calça: Significado homem na linguagem de exu e pretos velhos.
Pito: Cachimbo (pretos-velhos).
Ponteiro: Pequeno punhal utilizado em magias e diversos rituais.
Ponto Cantado: Letra e melodia de cântico sagrado, diferente para cada entidade. É uma prece evocativa
cantada que tem por finalidade atrair as entidades espirituais, homenageá-las. Quando chegam e despedi-las
quando devem partir. Assim os pontos podem ser apenas de louvor ou cantados com finalidades rituais
durante determinadas cerimônias.
Ponto de Abertura: Cântico de abertura de uma sessão.
Ponto de Chamada: Cântico que invoca as entidades para virem aos templos.
Ponto de Defumação: Cantado enquanto é feita a defumação do ambiente e dos presentes.
Ponto Riscado: Desenho formado por um conjunto de sinais cabalísticos, que riscado com pemba ajuda a
chamar a entidade ao mundo terreno. Quando riscado pelo médium incorporado identifica a entidade.
Porteira: Entrada do templo.
Povo da Encruza: Exus.
Povo de Rua: Exus.
Preceito: Determinação. Prescrição feita para ser cumprida pelos fiéis.
Puxar o Ponto: Iniciar um cântico. É geralmente feito por um ogã.

Q

Quartinhas: Vasilha de barro. Com alças é para feminino, sem abas orixá masculino.
Quebrar as Forças: Neutralizar o poder de qualquer feitiço, seja para o bem ou para o mal.
Quimbanda: Linha ritual da umbanda que traz o equilíbrio dual. A Quimbanda, influenciada mais diretamente
pelos negros Bantus, Angolas, Cambindas, Benguelas, Congos, Moçambiques, etc. Cultua os mesmos orixás e
entidades que a umbanda mas trabalha principalmente com exus, bommo giras e exus mirins, que dão
consultas, sobre saúde ou problemas pessoais. A quimbanda cultua muito Omolu, orixá ligado a terra e à
morte. as roupas em geral são as mesmas da linha da umbanda, havendo porém muito uso do vermelho e
preto, cores de Exu e de Omolu. São muitos usados em trabalho com pólvora, pós e ervas mágicas. As
entregas são colocadas em encruzilhadas em cruz (Exus), ou em T (Bombo Giras) com velas, flores e fitas
vermelhas em alguidares. Há caboclos e pretos velhos que incorporam na quimbanda, porem fica a critério do
dirigente da casa esta prática.
Quiumbas: Espíritos atrasadíssimos que pertencem ao Reino da Quimbanda, são obsessores apossam-se dos
humanos ou “encostam-se” neles, dando-lhes idéias obsedantes de doença, males suicídios, etc. São ainda
mistificadores, fazendo-se passar por espíritos mais elevados. Chamados também “rabos de encruza”, estão
no sétimo e último plano da hierarquia espiritual sendo vigiados e controlados pelos exus.
Quizumba - Energias ruins.

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

R

Rabo de Saia: Mulher na linguagem dos pretos velhos e exus. Receber: Dar informação a entidade espiritual,
entrar em transe.
Receber Irradiação do Guia: Entrar em meio transe ou comunicar-se de algum modo com uma entidade
superior.
Riscar Ponto: Fazer desenhos de sinais cabalísticos que representam determinadas entidades espirituais e
que possuem poderes de chamamento das mesmas ou lhe servem de identificação.
Roncó - Local onde são guardados e alimentados os algudares dos filhos de corrente.

S

Saluba - Saudação à Nanã.
Sessão de Umbanda: Cerimônia, rituais geralmente com a finalidade de cura física e espiritual. Por meio de
guias, após dança e toques, com o uso do ponto cantado e riscado, pólvora, aguardente, defumações.
Também sessão de desenvolvimento, de aprendizado e aperfeiçoamento dos médiuns, sessões festivas,
públicas, com toque de atabaque e danças.

T

Terreiro - Local onde se faz as giras de Umbanda.
Toco - Banco de consulta
Tronqueira - Local de assentamento de Exu, geralmente na entrada no terreiro do lado esquerdo
Tomar Passe: Receber das Mãos dos médiuns em transe vibrações da entidade, as quais retiram do corpo da
pessoa os males provocados por vibrações negativas, provenientes de mau olhado, encosto, castigo das
entidades, etc.
Tuia: Pólvora

U

Umbral - Zona onde ficam espiritos de baixa vibração, pecadores e perdidos

V
W
X

Xangô - Orixá das pedreiras e da justiça, sincretizado com São Jerônimo
Xoroquê - Uma qualidade de Ogum

Y
Z

Zambi - Deus

17

TERREIRO PAI JACÓ - CARTILHA DO FILHO DE SANTO

18

SOCIEDADE ESPIRITUALISTA ZENI DE FRANÇA

Terreiro de Umbanda Pai Jacó
FICHA DE MEDIUM
NOME:
DATA DE NASCIMENTO:

NATURALIDADE:

ESTADO CIVIL:

CPF:

UF:
RG:


SUA ALTURA:

ENDEREÇO RUA:

BAIRRO:

CIDADE:

E-MAIL:

TELEFONE:

CELULAR:

FACEBOOK:
NOME DA MÃE:
NOME DO PAI:
PROFISSÃO:
JÁ É UMBANDISTA?

NÃO

SIM

SE SIM, A QUANTO TEMPO?

DATA DA SUA ENTRADA:

COMO CHEGOU ATÉ NÓS?
QUAL SEU ORIXÁ?
DE QUAL TERREIRO VEIO?
QUAL A SUA EXPERIÊNCIA RELIGIOSA?
JÁ TRABALHA NO TOCO?
JÁ FEZ ALGUM TIPO DE CRUZAMENTO?

NÃO

SIM

QUAL?

COM QUAIS ENTIDADES VOCÊ TRABALHA? SE JÁ SABE O NOME ESCREVA NO CAMPO CORRESPONDENTE

CABOCLO DE OXOSSI:
CABOCLO DE XANGÔ:

CABOCLO DE OGUM:
ERÊ:

ORIENTE:

MÉDICO:

PRETO VELHO:
CIGANO:
BAIANO:

PRETA VELHA:
BOIADEIRO
MARINHEIRO
EXU:

MALANDRO:

BOMBO GIRA
JÁ LEU LIVROS ESPIRITAS?

EXU MIRIM:
SIM

NÃO

QUAIS?

COMO VOCÊ DEFINE SUA MEDIUNIDADE?

QUAIS DOS SEUS SENTIDOS SÃO MAIS DESENVOLVIDOS?
O QUE SIGNIFICA A UMBANDA EM SUA VIDA?

VOCÊ TEM COMUNICAÇÃO COM ESPIRITOS? SIM

NÃO

COMO SE DÁ?

O QUE VOCÊ ESPERA DA UMBANDA?
ESCREVA O QUE VOCÊ CONSIDERA IMPORTANTE NOS DIZER (COMPLEMENTE NO VERSO SE NECESSÁRIO)

ASSINATURA