Você está na página 1de 4

Monitoria Constitucional 07/04/2015 Classificação da Constituição Federal de 1988

Decoreba: a Constituição Federal de 1988 é Promulgada, Escrita, Dogmática, Rígida, Analítica e Formal.

Lembrar que a nossa CF/88 tem cláusulas pétras

por isso é PEDRA FORMAL:

P

romulgada

E

scrita

D

ogmática

R

ígida

A

nalítica

Formal

Quanto à origem

Critério: distingue, historicamente, as forças responsáveis pelo surgimento da Constituição.

A CF/88 é promulgada: nascem com participação popular, por processo democrático.

Diferente da outorgada, que é ato unilateral do governante.

Quanto à forma:

Critério: a maneira como as normas se exteriorizam. São escritas ou não escritas. A CF/88 é escrita ou instrumental: conjunto de normas sistematizadas em documentos solenes. É um conjunto de normas de direito positivo constante em um só código (codificada) ou em diversas leis (não codificada). Diferente da não escrita, que não é sintetizada em documento solene, pode estar em leis, costumes etc.

Quanto ao modo de elaboração Critério: leva em conta o modo de surgimento da Constituição

A CF/88 é dogmática: são escritas, tendo sido elaboradas por um órgão constituído para esta finalidade em

um determinado momento, segundo os dogmas então em voga. Diferente da histórica, que é criada lentamente pela evolução da sociedade, pelas tradições.

Quanto ao conteúdo Critério: distingue as constituições de acordo com o modo de identificação de suas normas pelo conteúdo ou pela forma de elaboração

A CF/88 é formal

A Constituição de 1988, considerada em sua totalidade, é do tipo formal, pois foi solenemente elaborada

pela Assembleia Constituinte, por um processo mais árduo e solene que normas ordinárias. Diferente da material, que traz somente normas fundamentais da organização do estado e direitos fundamentais. Não há unanimidade sobre quais seriam essas normas obrigatoriamente

Quanto à estabilidade Critério: é a consistência das normas constitucionais, aferida com base na complexidade do processo de sua alteração em comparação com o processo legislativo ordinário.

A CF/88 é rígida: é aquela modificada por procedimento mais dificultoso do que aqueles pelos quais se

modificam as demais leis. É sempre escrita, mas vale lembrar que a recíproca não é verdadeira: nem toda Constituição escrita é rígida. Diferente da flexível, que pode ser alterada por procedimento ordinário ou da semirrígida, que há parte alterada por procedimento mais dificultoso e parte por procedimento ordinário. E da Constituição imutável, que modernamente não é admitida.

Quanto à extensão

Critério: a diversidade de matérias e a abrangência de cada uma delas dentro do texto constitucional.

A CF/88 é analítica: têm conteúdo extenso, tratando de matérias que não a organização básica do Estado,

que são alheias ao direito Constitucional. Diferente da sintética, que possui conteúdo substancialmente constitucionais, apenas. Fonte: Nádia Carolina e Marcelo Novelino

Exercícios

Classificação das Constituições e Constituições Brasileiras

1. (CESPE/MMA/2009) Uma Constituição do tipo cesarista se caracteriza, quanto à origem, pela ausência da

participação popular na sua formação.

2. (CESPE/MMA/2009)

possibilidade de serem apresentadas emendas ao seu texto; contudo, com quórum diferenciado em relação à alteração das leis em geral.

a

A

CF

vigente,

quanto

à

sua

alterabilidade,

é

do

tipo

semiflexível,

dada

3. (CESPE/MMA/2009) A CF de 1988, quanto à origem, é promulgada, quanto à extensão, é analítica e

quanto ao modo de elaboração, é dogmática.

4. (CESPE/MMA/2009) Uma Constituição classificada como semiflexível ou semirrígida significa que ela é

tanto rígida como flexível, com matérias que exigem um processo de alteração mais dificultoso do que o exigido para alteração de leis infraconstitucionais.

5. (CESPE/ TCE-AC/2009) Segundo a classificação da doutrina, a CF é um exemplo de constituição rígida.

6. (CESPE - 2014 - TJ-SE - Técnico Judiciário - Área Judiciária) Normas materialmente constitucionais

encerram disposições a respeito de matéria tipicamente constitucional, isto é, de elementos inerentes à constituição, ao passo que as normas formalmente constitucionais, embora não tratem de matéria constitucional, são constitucionais, do ponto de vista eminentemente formal, somente porque integram a constituição.

7. (CESPE - 2014 - TC-DF - Técnico de Administração Pública) A constituição material, escrita e rígida, como

a CF, consiste em um documento escrito formado por normas substancialmente constitucionais que só podem ser alteradas por meio de processo legislativo especial e mais dificultoso.

8. (CESPE/Procurador-TCE-ES/2009) Quanto ao modo de elaboração, a constituição dogmática decorre do

lento processo de absorção de ideias, da contínua síntese da história e das tradições de determinado povo.

9. (CESPE/Procurador-TCE-ES/2009) Sob o ponto de vista da extensão, a constituição analítica

consubstancia apenas normas gerais de organização do Estado e disposições pertinentes aos direitos fundamentais.

10. (CESPE/Auditor-TCU/2009) No tocante à estabilidade, consideram-se rígidas as constituições que

apresentam um processo legislativo diferenciado e exigências formais especiais quanto à modificação das suas normas, distanciando-se, portanto, do processo legislativo previsto para a alteração das normas

infraconstitucionais.

11. (CESPE/Juiz Federal Substituto - TRF 1ª/2009) Na acepção formal, terá natureza constitucional a norma

que tenha sido introduzida na lei maior por meio de procedimento mais dificultoso do que o estabelecido para as normas infraconstitucionais, desde que seu conteúdo se refira a regras estruturais do Estado e seus fundamentos.

12. (CESPE/Juiz Federal Substituto - TRF 1ª/2009) Considerando o conteúdo ideológico das constituições, a

vigente Constituição brasileira é classificada como liberal ou negativa.

13. ( CESPE - 2014 - Instituto Rio Branco - Diplomata - Prova 2) Considerando que as constituições

classificam-se quanto à origem em históricas ou dogmáticas, deve-se considerar a Constituição Federal de 1988 (CF) uma constituição histórica, uma vez que surgiu no bojo de um processo de reconquista

democrática e de retomada dos ideais da Constituição de 1946.

14. (CESPE/Juiz Federal Substituto TRF 5ª/2009) Constituição rígida é aquela que não pode ser alterada.

15. (CESPE/TJAA-TRE-MG/2008) A constituição de determinado país constitui sua lei fundamental, a qual

prevê normas relativas: a estruturação do Estado, formação dos poderes, forma de governo, aquisição do poder, distribuição de competências, direitos, garantias e deveres dos cidadãos. Portanto, para ser considerado como constituição, é imprescindível que haja um único documento escrito contendo tais

regras.

16.

alteradas.

(CESPE/TJAA-TRE-MG/2008)

As

constituições

rígidas

não

podem, em

nenhuma

hipótese, serem

17. (CESPE/TJAA-TRE-MG/2008) A constituição material contém um conjunto de regras escritas, constantes

de um documento solene estabelecido pelo chamado poder constituinte originário.

18. (CESPE/TJAA-TRE-MG/2008) A constituição de determinado país pode não ser escrita, já que tem por

fundamento costumes, jurisprudência, leis esparsas e convenções, cujas regras não se encontram consolidadas em um texto solene.

19. (CESPE/TJAA-TRE-MG/2008) As constituições outorgadas decorrem da participação popular no processo

de elaboração.

20. (CESPE/TJAA-TRE-MG/2008) A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CF) caracteriza-

se por ser rígida e material.

21. (CESPE/PGE-AL/2008) "Art. 242 § 2.º O Colégio Pedro II, localizado na cidade do Rio de Janeiro, será

mantido na órbita federal". A normas contida no dispositivo transcrito pode ser caracterizada como

materialmente constitucionais, porquanto traduz a forma como o direito social à educação será implementado no Brasil.

22. (CESPE/PGE-AL/2008) Os dispositivos constitucionais relativos à composição e ao funcionamento da

ordem política exprimem o aspecto formal da Constituição.

23. (CESPE/PGE-AL/2008) A distinção entre o que é constitucional só na esfera formal e aquilo que o é em

sentido substancial só se produz nas constituições escritas.

24. (CESPE/PGE-AL/2008) O parágrafo 2.º do art. 242 da CF O Colégio Pedro II, localizado na cidade do Rio

de Janeiro, será mantido na órbita federal -, por trazer comando típico de legislação infraconstitucional,

poderá ser alterado por meio do mesmo procedimento legislativo utilizado para a alteração das leis ordinárias, uma vez que a CF é classificada, quanto à estabilidade, como semirrígida.

25. (CESPE - 2014 - SUFRAMA - Agente Administrativo) Quanto à estabilidade, a CF pode ser classificada

como rígida, já que o processo de alteração das normas constitucionais é mais dificultoso que o procedimento ordinário de criação das leis. As constituições flexíveis, por outro lado, podem ser modificadas por meio dos mesmos procedimentos de elaboração das demais leis, o que afeta seu caráter de superioridade hierárquica no ordenamento jurídico

26. (CESPE/AJAJ-STF/2008) Se o art. X da Constituição Y preceituar, na parte relativa às emendas à

Constituição, que só é constitucional o que diz respeito aos limites, e atribuições respectivas dos poderes políticos, e aos direitos políticos, e individuais dos cidadãos, e que tudo o que não é constitucional pode ser alterado, sem as formalidades referidas, pelas legislaturas ordinárias, nessa hipótese, a Constituição Y será

uma constituição flexível.

27. (CESPE/Juiz Substituto TJ-PI/2007) No âmbito brasileiro, a Constituição Imperial de 1824 pode ser

classificada como flexível, com base no que prescrevia seu art. 178: "É só Constitucional o que diz respeito

aos limites e atribuições respectivas dos poderes políticos, e aos direitos políticos e individuais dos

cidadãos. Tudo o que não é Constitucional pode ser alterado sem as formalidades referidas, pelas legislaturas ordinárias."

28. (CESPE/Procurador-AGU/2010) Segundo a doutrina, quanto ao critério ontológico, que busca identificar

a correspondência entre a realidade política do Estado e o texto constitucional, é possível classificar as

constituições em normativas, nominalistas e semânticas.

29. (CESPE/AJAA-TRE-BA/2010) Toda constituição é necessariamente escrita e representada por um texto

solene e codificado.

30. (CESPE/Advogado-EMBRASA/2010) A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CF) não

pode ser classificada como uma constituição popular, uma vez que se originou de um órgão constituinte

composto de representantes do povo, e não da aprovação dos cidadãos mediante referendo.

Gabarito:

1 E - 2 E - 3 C -4 E -5C -6 C -7 E

-8 E -9 E -10 E -11 E -12 E -13 E -14 E -15 E -16 E -17 E

18 C -19 E -20 E -21 E -22 E -23 C -24 E -25 C -26 E -27 E -28 -C 29 -E 30 E