Você está na página 1de 41

“Nas mentes e no coração, o exemplo causa muito maior impressão do que as palavras.”

(De La Salle)

OBJECTIVO DO ANO 2005-2006

“Partilha o Melhor de Ti”

OBJECTIVO DO ANO 2005-2006 “Partilha o Melhor de Ti” FICHA TÉCNICA Coordenadores: Gabriel Dias João Carvalho

FICHA TÉCNICA

Coordenadores:

Gabriel Dias

João Carvalho

Sérgio Peixoto

Agradecimentos:

Todos os colaboradores

Câmara Municipal de Barcelos

Associação de Pais

Colégio La Salle Rua Irmãos de La Salle s/n 4755-054 Barcelinhos Telefone: 253 831 249 Fax: 253 834 509 Mail: colegio@lasalle.pt Site: www.lasalle.pt

2
2

Sumário

Sumário

2

Editorial

3

Magusto

4-5

Festa de Natal

6-7

Carnaval

8-9

Semana do Fundador

10-11

Fotografias das Turmas

12-18

Curso Técnico de Laboratório

19

Formação Permanente

20-21

ARPA e Projecto Leitor

21

Leitura

22

Poesia

23-25

Clube de Teatro

26

Sarau Cultural

27

My Sweet Valentine!/ Saint Valentin!

28

Teatro

29

Passeio de Finalistas de 9º Ano

30

Convívio de Turma

31

Desporto Escolar

32-33

Tarde Radical

34

EQUAmat

35

Associação de Antigos Alunos de La Salle

36

Passeio das Famílias

37

Pastoral

38

Convívio do Grupo Cristão

39

Passatempos

40

Apanhados

41

Páginas Invertidas - RISCO

Revista Ecos

Editorial

Ir. César Ruiz Martín

Editorial Ir. César Ruiz Martín PARTILHAR ATÉ AO FIM Com o Sol do Verão, dá a

PARTILHAR ATÉ AO FIM

Com o Sol do Verão, dá a impressão que os últimos dias da escola se tornam mais longos e, enquanto alguns felizardos arrumam os livros, outros precisam de enfrentar os exames, na esperança de serem bem sucedidos.

Aos Professores cabe-lhes a tarefa, sempre árdua, das avaliações, porque se julga um ano inteiro na vida de cada aluno. E para além das avaliações escolares, também é preciso confrontar-se com todo o plano do ano para tirar conclusões de quanto se fez.

Fruto deste trabalho final, elaboram-se documentos e dossiers que guardam a história e os pareceres de tantos momentos marcantes da vida do Colégio.

Este ano ficou marcado pelo lema: “Partilha o Melhor de Ti”, apostando nos valores da Interioridade e da Convivência.

Olhando para trás, constato numerosos testemunhos de partilha que aconteceram na nossa Comunidade Educativa, como sementes que foram lançadas à terra, que são os nossos corações.

A visita do Superior Geral, Irmão Álvaro Rodríguez, a meados

de Fevereiro, constituiu um momento especial do ano lectivo. A

sua presença e as suas palavras de ânimo e de esperança no futuro abriram-nos o horizonte e renovaram o entusiasmo pela missão lassalista.

Recordamos também com alegria as Campanhas e Semanas que dinamizaram a vida do Colégio, como a do Natal, da Leitura, do Fundador. O valor da Interioridade foi intensamente experimentado, sobretudo na reflexão e oração ao iniciar as aulas de cada manhã.

As Festas e momentos de convivência como o Magusto, o Natal, as Festas do Fundador, o Passeio das Famílias, privilegiaram a Convivência e o sentido da família La Salle, estreitando os laços

e a colaboração entre todos.

Revista Ecos

Ainda no âmbito da Convivência devemos destacar os encontros de turma que por motivos diferentes se foram multiplicando ao longo do ano lectivo. Estes consolidaram mais a amizade e a confiança entre alunos e professores.

Concretizaram-se também as visitas de estudo ou a participação

em eventos culturais da cidade ou da região, procurando descobrir

os valores culturais tão diversos do nosso País ou da vizinha Galiza.

Ficou na memória a ida do nosso coral à Televisão com o Grupo

Pedra d’Água.

No último número do Ecos lembrava o tema da Aprendizagem Cooperativa lançado pelo nosso Capítulo Provincial a todas as escolas e centros educativos. Considero que o nosso Colégio já está a caminhar nesta direcção, porém devemos assumir, tanto a nível de equipa como individualmente, novas dimensões e métodos que possibilitem ainda mais este objectivo profundamente lassalista.

Quero manifestar a cada um dos professores, alunos, encarregados

de educação e amigos um agradecimento sincero por todos os

gestos de partilha, às vezes reconhecidos outras vezes não, que

ajudaram a concretizar o nosso projecto neste ano 2005-2006.

O nosso Fundador, S. João Baptista de La Salle, que nos

acompanhou e ajudou, continuará a velar-nos durante as férias merecidas e a preparar-nos, depois do descanso familiar, para um novo ano com grandes sonhos e desafios.

3
3

MAGUSTO

2
2

Revista Ecos

O dia 11 de Novembro foi a data escolhida para comemorar esta festa popular, que muito

agrada a miúdos e graúdos. Alegria e boa disposição não faltaram no nosso Colégio e como não podia deixar de ser, houve fogueiras para saltar, bem como muitíssimas castanhas assadas.

De acordo com este tema foi também apresentada uma exposição de trabalhos, preparada pelos professores de Educação Visual, Educação Tecnológica e Educação Visual e Tecnológica.

No final da manhã os alunos regressaram às salas, uns mais limpos, outros mais sujos, devido ao entusiasmo vivido, mas todos com a alma repleta de satisfação.

Nessa mesma data foi realizado o magusto nocturno, organizado pela Associação de Pais, dedicado aos restantes elementos da Comunidade Educativa de La Salle. O S. Martinho foi uma vez mais comemorado por esta grande família, contando com a afluência de muitos pais e encarregados de educação. Decorreu da melhor forma, havendo motivos de sobra para o entusiasmo geral. Não faltou a música, castanhas e bifanas.

Já só faltam quatro meses para o próximo!

entusiasmo geral. Não faltou a música, castanhas e bifanas. Já só faltam quatro meses para o
entusiasmo geral. Não faltou a música, castanhas e bifanas. Já só faltam quatro meses para o

Revista Ecos

3
3
Partilhámos o melhor de nós através desta Festa de Natal. Um espectáculo de variedades animou
Partilhámos o melhor de nós através desta Festa de Natal. Um espectáculo de variedades animou
Partilhámos o melhor de nós através desta Festa de Natal. Um espectáculo de variedades animou

Partilhámos o melhor de nós através desta Festa de Natal. Um espectáculo de variedades animou miúdos e graúdos com inúmeras interpretações de vários géneros.

Apresentada pela Ana Rita Silva e pelo Sérgio Lopes do 11º Ano, esta foi uma noite preenchida, que contou com a presença de inúmeros pais, funcionários e professores, que assistiram atentos às actuações dos muitos actores, músicos, cantores e outros artistas que mostraram assim o valor dos diversos ensaios realizados ao longo do 1º período.

Para este espectáculo, e uma vez mais, contribuiu em muito o Departamento de Educação Artística e Tecnológica, ao realizar um belo cenário e uma maravilhosa decoração do nosso ginásio. Contámos também com o Professor Gonçalo que, com os seus colaboradores, trata da sonoplastia dos eventos realizados no Colégio.

Todos estão de parabéns pelo trabalho realizado, demonstrando o espírito dinâmico e criativo do nosso Colégio.

2
2

Revista Ecos

Revista Ecos

FESTA DE NATAL

3
3

CARNAVAL

2
2

Revista Ecos

Dias de festa como este não há muitos com a ajuda dos seus pais, professores

Dias de festa como este não há muitos

com a ajuda dos seus pais, professores e colegas, para que no dia previsto tudo decorra conforme planeado.

É vê-los atarefados a angariar variados objectos a utilizar, como roupas, calçado, perucas, tintas e sprays de forma a conseguirem pôr em prática os seus projectos.

Os alunos, ansiosos, preparam-no com a antecedência necessária,

O espírito de entreajuda é bem visivel nesses momentos, pelo que ninguém fica sem máscara nesse dia.

Máscaras coloridas, roupas tematicamente diferentes, cabelos pintados e sapatilhas garridas rodopiam pelos recreios, mostrando, embora escondendo, quem as usa e abusa delas!

É um dia preenchido com muita música, danças, representações e alegria contagiante, quer pelos nossos

alunos, quer pelos alunos do 1º Ciclo que nos visitam e participam no Desfile de Máscaras de uma forma dinâmica e divertida, alunos estes que com a ajuda das suas professoras admiram as exposições realizadas no edifício do ensino secundário.

No desfile participa a maioria dos alunos da turma, alunos esses que são apoiados por uma bancada repleta de colegas, bem como por alguns colegas mais extrovertidos que fazem a animação de variadas formas e feitios

Deixamos aqui os parabéns a todos quantos contribuiram, de uma ou de outra forma, para que este dia fosse vivido intensamente e seja recordado de um para o outro ano, sempre com um sorriso nos lábios e com a vontade de que se repita.

Revista Ecos

3
3

O Colégio La Salle tem preservado o espírito de alegria e animação que caracteriza a Semana do Fundador, a

qual se festeja há muitos anos para agrado de todos os alunos que se divertem e, principalmente para os recém chegados que aos poucos começam a conhecer melhor o espírito familiar Lassalista.

A Semana do Fundador este ano foi marcada pela eucaristia colegial que se realizou a 11 de Maio, cerimónia

que muito reflecte e transmite a preservação dos valores Lassalistas.

Outro dos momentos que marcou esta semana foi o Peddy Paper.

Muitos alunos quiseram aderir a esta iniciativa e mostrar como se pode ser saudável através de um “belo passeio” pela quinta, onde todas as equipas teriam que evidenciar o que valiam a nível de criatividade e conhecimentos.

Desportos radicais também fizeram parte das actividades, aqui no Colégio: BTT; escalada; skate, bem como sessões de Karaoke onde todos os alunos puderam participar e mostrar os seus dotes vocais.

Esta Semana do Fundador não poderia terminar da melhor forma senão com o nosso 4º Big Estrelas que se repete desde o ano de 2002.

Concurso que cada vez conta com maior adesão por parte dos alunos, elevando a qualidade das participações

e dificultando o trabalho dos seleccionadores durante os “castings”, que decorrem a partir do 2º Período.

Na minha opinião a Semana do Fundador é uma semana de reflexão, em que a vida do Fundador São João Baptista de La Salle é realçada e que deve ser mantida, preservada e lembrada tanto pelos recém-chegados alunos do 5ºano, como pelos mais velhos, alunos do 12ºano que já deixam a sua missão cumprida no La Salle. Para uns e para outros que a estrelinha lassalista continue a brilhar nas nossas vidas.

Emanuela Betânia - 9ºB

2
2
uns e para outros que a estrelinha lassalista continue a brilhar nas nossas vidas. Emanuela Betânia

Revista Ecos

Revista Ecos

SEMANA DO FUNDADOR

3
3
5ºA 5ºB 5ºC 12 Augusto Cunha; Marta Leandra; Luís Falcão; Hugo Alexandre; José Filipe; Nelson

5ºA

5ºA 5ºB 5ºC

5ºB

5ºA 5ºB 5ºC

5ºC

5ºA 5ºB 5ºC 12 Augusto Cunha; Marta Leandra; Luís Falcão; Hugo Alexandre; José Filipe; Nelson Filipe;
5ºA 5ºB 5ºC 12 Augusto Cunha; Marta Leandra; Luís Falcão; Hugo Alexandre; José Filipe; Nelson Filipe;
12
12

Augusto Cunha; Marta Leandra; Luís Falcão; Hugo Alexandre; José Filipe; Nelson Filipe; Bruno Alexandre; Rui Dias; Vítor Manuel; Pedro Fernandes; Sérgio Daniel; Ivo Rafael; Daniel Martins; Cláudia Isabel; Viviane Emília; Diana Catarina; Ana Isabel; Juliana Daniela; Lília Gonçalo; Telma Filipa; Miguel Ângelo; Daniel Carvalho; Rui Silva; Luís Santos ; Ângelo Manuel; Ana Rita; Renata Ribeiro; Cátia Loureiro; Soraia Silva; Sílvia Ribeiro; Fábio Daniel; Ana Beatriz. Directora de Turma: Helena Vaz

Cátia Abreu; Patrícia Fortuna; Sara Braga; Diana Ferreira; Ana Silva; Ana Simões; Isabel Dias; Pedro Lima; Nelson Loureiro; Nelson Oliveira; Ricardo Araújo; Rafael Silva; Patrícia Simões; Diana Araújo; Sandra Clara; Andréa Silva; Vítor Miranda; Jorge Gonçalves; Miguel Dias; Diogo Fernandes; Vítor Sousa; João Sousa; Sílvia Lopes; Maria Pereira; Cristiana Barbosa; Catarina Coelho; Alberto Pereira; João Silva; Rafael Carvalho; Rafael Moreira; Steven Costa; Nuno Araújo. Director de Turma: Fernando Gomes

Iúri Goveia; Ricardo Falcão; Rui Loureiro; Liliana Sousa; Carlos Cruz; Maria Luísa; Joana Lima; Ana Cláudia; Vítor André; João Duarte; Miguel Ângelo; João Sobrosa; Dylan Sousa; João Fernandes; Sofia Araújo; Bruna Lemos; Helena Silva; Inês Silva; Paula Silva; Ana Rita; Anabela Cruz; José Miguel; Constantino Rafael; Tiago Araújo; Hélder Gonçalves; Luís Costa; Nuno Edgar; Anabela Cardoso; Sara Filipa; Vera Oliveira; Manuel Alberto; Francisco Carvalho. Directora de Turma: Rosa Costa

Revista Ecos

Ana Gomes, Tânia Barbosa, Rui Silva, Bruno de Sousa, Daniela Gomes, Ana Lagarteira, Ana Rute Costa, Dénnis Campos, João Paralvas, Cristiano Simões, Vítor Torres, Joel Ferreira, Célia Figueiras, Hélder Barbosa, Gabriel faria, Rafael Figueiredo, Carlos Rodrigues, Cátia Araújo, Cátia Lemos, Luís Masquete, Paulo Rebelo, Davide Costa, Carlos Silva, Fernando Duarte, Filipe Rodrigues, Pedro Abreu, José Falcão, Leandro Campos. Directora de Turma: Luísa Duarte Pires

Jorge Esteves; Fernando Loureiro; Rui Lopes; Filipe Cortês; Adriana Pereira; Carina Veríssimo; Adriano Silva; Daniel Fernandes; Luís Simões; Diogo Miranda; Ana Luísa ; Sara Gomes; Manuela Alexandra; Elsa Mariana; Rui Manuel; Cristiana Coelho; Ricardina Macedo; Marco Cabo; Hélder Pedrosa; André Ramos; João Soares; Carlos Ribeiro; Jorge Ferreira; Pedro Sá; João Gomes; Sílvio Parga; Ivo Alves. Dt: Gonçalo Silva. Director de Turma: Gonçalo Silva

Judite Pereira; Daniel Carvalho; Paulo Lima; Carlos Costa; Catarina Pena; Sara Daniela; Sara Filipa; Alexandra Silva; Pedro Lima; José Roberto; Roberto Barbosa; Catarina Araújo; Luís Loureiro; Francisco Vaz; João Pedro; Jorge Faria; Ana Rita; Ana Patrícia; André Lopes; Joel Coelho; Edgar Santos; João Gonçalo; José Benardo; Ricardo Simões; António Ferreira; Mário Carvalho; Daniela Faria. Directoras de Turma: Sandra Oliveira e Paula Lopes

Revista Ecos

6ºA

6ºA 6ºB 6ºC

6ºB

6ºA 6ºB 6ºC

6ºC

Carvalho; Daniela Faria. Directoras de Turma: Sandra Oliveira e Paula Lopes Revista Ecos 6ºA 6ºB 6ºC
Carvalho; Daniela Faria. Directoras de Turma: Sandra Oliveira e Paula Lopes Revista Ecos 6ºA 6ºB 6ºC
Carvalho; Daniela Faria. Directoras de Turma: Sandra Oliveira e Paula Lopes Revista Ecos 6ºA 6ºB 6ºC
13
13
14 7ºA 7ºB 7ºC Fábio André; Helena Mafalda; Sandra Isabel; Maria João; Irmiya; Débora Barbosa;
14 7ºA 7ºB 7ºC Fábio André; Helena Mafalda; Sandra Isabel; Maria João; Irmiya; Débora Barbosa;
14 7ºA 7ºB 7ºC Fábio André; Helena Mafalda; Sandra Isabel; Maria João; Irmiya; Débora Barbosa;
14
14

7ºA

7ºA 7ºB 7ºC

7ºB

7ºA 7ºB 7ºC

7ºC

Fábio André; Helena Mafalda; Sandra Isabel; Maria João; Irmiya; Débora Barbosa; Martinha Isabel; João Nelson; Georgina Isabel; Ana Alexandra; Sérgio Filipe; Bruno Alexandre; Jorge Miguel; Nelson Filipe; Bruno Daniel; João Paulo; Flávio André; Rafael Sadi; Tiago André; João Daniel; Ricardo Manuel; António Diogo; Nídia Marta; Vítor Manuel; Paulo Sérgio; Marco Paulo; Jorge Diogo; Susana Maria; Tânia Isabel; Cláudia Sofia. Director de Turma: Pedro Faria

Luís Arnaldo; Pedro Matos; Cristiano Pereira; Filipe Neves; Hélder André; Diogo; Pedro Miguel; Ricardo Miguel; José Pedro; Carlos Paulo; Cláudio Azevedo; Diogo Silva; Álvaro Miguel; Marco Paulo; Luís Marcelo; Raquel Martins; Teresa Sofia; Ana Cristina; Sandra Filipa; Aline Cruz; Magda Daniela; Daniel Simões; Isadora Loureiro; Margarida Cunha; Margarida Oliveira; Daniel Sofia; Ana Rita; Dulce Maria; Paula Pratinha; Marta Andrade. Director de Turma: David Macedo

Carlos Coito; Gilberto Pereira; Emanuel Loureiro; André Gonçalves; José Leite; Lucas Coelho; Edgar Mariz; Angelina Costa; Joana Gomes; Cristiano Loureiro; Adriana Figueiredo; Bárbara Morant; Stephanie Costa; Jessica Lopes; Patrícia Campos; Vera Martins; Ana Paula Silva; Eliana Carvalho; Paula Correia; Diana Cardoso; Bernardete Araújo; José Carlos Loureiro; Tomás Matos; Ruben Costa; Cátia Campos; Sara Gomes; Jorge Duarte; Pedro Lopes; Ricardo da Silva; Emanuel Martins Director de Turma: José Olímpio

Revista Ecos

Adriana Martins; Adriano Gomes; Ana Margarida;Ana Rita; André Filipe; André João; André Pires; Andreia Filipa; Bebiana Alexandra; Celina Simões; César Filipe; Daniela Pontes; Diana Catarina; Hugo Daniel; Janina Miranda; João Paulo; Liliana Raquel; Lúcia Manuela; Manuel Júlio; Maria João; Melodie Carla; Michael Lopes; Ricardo Manuel; Rute Correia; Sandra Maria; Tiago André; Vítor Manuel. Directora de Turma: Margarida Rodrigues

Márcia; Ângela Cristina; Cristina Isabel; Avelino Augusto; Bruno Figueiredo; Diogo; Lídia Maria; Sara Daniela; Nádia Patrícia; Ângela Maria; Carlos Alberto; Sandra Daniela; Vítor Manuel; Adriana Vale; Maria Arminda; Pedro Cristiano; Mário Hernâni; Andreia Sofia; Andreia Patrícia; Paulo Daniel; Luciano Rocha; Anfré Oliveira; Carlos Grenha; Rafael Cristiano; Victor Sérgio; Cristiano Loureiro; Nelson Ricardo. Directora de Turma: Luísa Vieira

Vítor André; António Pedro; Bruno Miguel; Carlos Filipe; Flávio Daniel; Nelson Adelino; Ricardo Manuel; David Emanuel ; Sandra Patrícia;Natália Fernanda; Chantal Miranda; Diogo Joaquim; Nuno Miguel; Sérgio Filipe; Marcelo Diogo; João Tiago; Ângela Flávia; Adriana Filipa; Andreia Maria; Liliana Silva; Lara Assunção; Hugo Miguel; Tiago Alexandre; Vítor Manuel; Vânia Patrícia; Adriana Patrícia; Marlene Catarina. Director de Turma: Nuno Fernandes

Revista Ecos

8ºA

8ºA 8ºB 8ºC

8ºB

8ºA 8ºB 8ºC

8ºC

Patrícia; Adriana Patrícia; Marlene Catarina. Director de Turma: Nuno Fernandes Revista Ecos 8ºA 8ºB 8ºC 15
Patrícia; Adriana Patrícia; Marlene Catarina. Director de Turma: Nuno Fernandes Revista Ecos 8ºA 8ºB 8ºC 15
Patrícia; Adriana Patrícia; Marlene Catarina. Director de Turma: Nuno Fernandes Revista Ecos 8ºA 8ºB 8ºC 15
15
15
16 9ºA 9ºB 9ºC Marina Torres; Pedro Gonçalves; André Figueiras; Cláudia Mendes; Agostinho Silva; Daniela
16 9ºA 9ºB 9ºC Marina Torres; Pedro Gonçalves; André Figueiras; Cláudia Mendes; Agostinho Silva; Daniela
16 9ºA 9ºB 9ºC Marina Torres; Pedro Gonçalves; André Figueiras; Cláudia Mendes; Agostinho Silva; Daniela
16
16

9ºA

9ºA 9ºB 9ºC

9ºB

9ºA 9ºB 9ºC

9ºC

Marina Torres; Pedro Gonçalves; André Figueiras; Cláudia Mendes; Agostinho Silva; Daniela Esteves; Raquel Gomes; Selésia Barbosa; Sandra Pereira; Susana Rego; Diana Silva; António Silva; João Sousa; Emanuel Costa; Anabela Fernandes; Bruno Lopes; Leandro Oliveira; José Torres; César Silva; Soraia Coelho; Cátia Figueiredo; Marco Cunha; Joana Lopes; Débora Peixoto; Rui Fernandes; Joana Ribeiro;. Directora de Turma: Júlia Martins

André Esteves; Ricardo Marcelo; Tiago Rafael; Bruno Filipe; Marco André; Henrique Xavier; Rosi; Silvestre Carvalho; Eliana Marisa; Bruno Silva; Paulo Ricardo; Nelson Rafael; David José; Cristiana Andreia; Juliana Cortez; Natália Marisa; Dulce Alexandra; Emanuela Betânia; Jéssica Patrícia; Marta Daniela; Cristiana Silva; Ana Rita André Borges; Sérgio Filipe. Director de Turma: Joaquim Cunha

André Araújo; Diogo Araújo; Ricardo Simões; Sérgio Cruz; Diogo Ferreira; Bruno Xavier; Andreia Sousa; Patrícia Silva; Jorge Barbosa; Ricardo Reis; Nelson Costa; Tiago Ferreira; Vânia Figueiredo; Nídia Costa; Vera Pereira; Ana Sofia; Ana Araújo; Fábio Magalhães; Nelson Oliveira; Márcia Loureiro; Liliana Boucinha; Vânia Faria. Director de Turma: João Carvalho

Revista Ecos

Paulo Forte; Pedro Machado; Joana Costa; Filipe Araújo, Mélanie Cruz; Adriano Aguiar; Sara Oliveira; Ana Margarida, Jorge Gonçalves; Geny Matos; Luís Pedro; Ana Carolina; Vânia Regina; Cristiana Costa; Ana Gabriela; Eduardo Campos; Vítor Cardoso; Hugo Sousa; Joel Figueiras, Celso Simões, Francisco Silva; César Sousa; Sara Ferreira; Manuel Pedro; Leonardo Coelho; Luís Miguel; Júlio Gomes; Luís Paulo; Bruno Senra. Director de Turma: Sérgio Peixoto

Pedro Ferreira; Rui Jorge; Tiago Filipe; Kole Haimbir; Nelson Ricardo; João Pedro; Rui Filipe; Rui Daniel; Pedro Miguel; Ana Sofia;Anabela Cortez; Silne Zagic; Ana Rita Pereira;Ana Cristina; Olívia Sofia; Clara Margarida; Anabela Rodrigues; Ana Rita Ferreira; Pedro Filipe; Ricardo Manuel; Sérgio Emanuel; Bruno Miguel. Director de Turma: Laurindo Oliveira

Alexandra Silva; Ana Vasconcelos; Andreia Faria; Natália Silva; Cláudia Gomes; Elsa Correia; Carla Matos; Paula Mariz; Andreia Simões; Luís Gonçalves; Tiago Miranda; Valter Esteves; Hélder Costa; Márcio Meira; Albérico Cruz. Coordenador de Turma: Marcelino Mota

Revista Ecos

10ºA

Cruz. Coordenador de Turma: Marcelino Mota Revista Ecos 10ºA 11ºA Aprendizagem Curso Técnico de Laboratório 17

11ºA

Cruz. Coordenador de Turma: Marcelino Mota Revista Ecos 10ºA 11ºA Aprendizagem Curso Técnico de Laboratório 17
Aprendizagem Curso Técnico de Laboratório
Aprendizagem
Curso Técnico de Laboratório
17
17
Aprendizagem AdministratativoTécnicoCurso
Aprendizagem
AdministratativoTécnicoCurso
JovensdeFormaçãoeEducação InformáticosSist.deOper.eInst.
JovensdeFormaçãoeEducação
InformáticosSist.deOper.eInst.
ProfissionalQualificação VerdesEspaçoseJardinagem
ProfissionalQualificação
VerdesEspaçoseJardinagem
18
18

IIsabel Cerqueira; Sandra Lobo; Ana Martins; Helena Martins; Carla Penteado; André Gonzalez; Sandra Fernandes; Sofia Fernandes; Ana Pereira; Liliana Fernandes; João Canedo; Francisco Correia; Patrícia Alves; Vânia Cepa; Sílvia Fernandes; Helena Gomes; Carla Gonçalves. Coordenadora de Turma: Emília Torres

Ivo Ribeiro; André Silva; Rui Martins; Alberto Passos; Ricardo Sousa; Fábio Campos; João Macedo; Boris Soares; Fábio Oliveira; Nuno Cunha; José Manuel; Ana Paula Silva, Tiago Silva, Lúcia Gonçalves. Coordenadora de Turma: Sílvia Barros

Carlos Santos; Mário Rodrigues; Joaquim Azevedo; Hercílio Portela; Ana Coelho; Augusto Rodrigues; Maria Vieira; Carlos V. Boas; Gracinda Costa; Maria Barbosa. Coordenadora de Turma: Susana V. Boas

Revista Ecos

Visita de estudo ao Centro Multimeios de Espinho e ao Citeve de Famalicão No dia

Visita de estudo ao Centro Multimeios de Espinho e ao Citeve de Famalicão

No dia 26 de Fevereiro 2006, a turma Técnico de Laboratório realizou uma visita de estudo ao Centro Multimeios de Espinho e ao Citeve (Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal) de Famalicão.

Os formandos partiram do Colégio às 8:30, acompanhados pelos formadores Nancy Borges (de Comunicar em Inglês) e Marcelino Mota (de Prática de Laboratório, Técnicas Cromatográficas e Higiene e Segurança) chegando ao Centro Multimeios às 10:00. Esta visita estava relacionada com temas abordados durante as aulas de Inglês que tinham a ver com a temática do Espaço.

Centro Multimeios de Espinho

Lá, assistiram a um documentário sobre Tubarões, que lhes deu a conhecer um pouco sobre o seu comportamento no meio natural e algumas características que lhes são inerentes. O documentário foi exibido numa sala de cinema com ecrã panorâmico de três dimensões.

De seguida, passaram pelo Planetário, que era uma sala com o tecto em forma de cúpula onde eram projectadas imagens alusivas ao Espaço com a respectiva informação. As cadeiras tinham a particularidade de se encontrarem quase deitadas para melhor “exibição” do espectáculo.

Depois de uma paragem para o almoço, deram entrada no Citeve.

No Citeve, tiveram a oportunidade de visitar as instalações laboratoriais que eram simplesmente fantásticas. A visita ao Citeve justificou-se no âmbito das disciplinas práticas do curso. Ali puderam observar algumas das técnicas utilizadas, tais como, cromatografia, espectrometria (na parte química), e numerosos ensaios físicos e químicos realizados nas têxteis, visto que são laboratórios de controlo de qualidade de todo o tipo de material têxtil que entra e é produzido em Portugal.

No final da visita, regressaram ao Colégio onde chegaram por volta das 16:30.

Os formandos do Curso Técnico de Laboratório

Revista Ecos

Visitas ao Lar Rainha Santa Isabel

O curso Técnico de Laboratório, do Sistema

Aprendizagem, que decorre no Colégio La Salle, realiza visitas mensais ao Lar Rainha Santa Isabel, afim de proporcionar alguns momentos de lazer, aos idosos que lá se encontram a viver.

Esta iniciativa enquadra-se na vertente humana da instituição, tornando-a uma actividade colectiva de formadores e formandos, inserida no domínio de Viver em Português.

Durante o período de tempo das visitas, os formandos conversam com os idosos, jogam cartas, dominó e realizam várias actividades.

Para além das actividades regulares, nas épocas mais marcantes do ano, como por exemplo no Natal, os formandos oferecem pequenas lembranças aos idosos. Este ano foi-lhes oferecido um anjinho com uma mensagem de Natal. No mês de Setembro, presentearam-nos com fotografias que lhes tiraram e que muito carinhosamente trataram nas sessões

de Informática, uma vez que eles adoram fotografias.

Enfim, são visitas com um cariz humano muito grande, pois uma grande parte deles não recebe visitas dos seus familiares, o que os leva a sentir uma enorme alegria quando os formandos lá vão e fazendo-os sentir muito queridos entre eles.

Estas visitas já se realizam desde o início do curso e vão durar até ao fim deste, uma vez que tem sido uma experiência enriquecedora para ambas as partes.

Os formandos do Curso Técnico de Laboratório

19
19

Formação Permanente

Dos projectos de Inovação à Escola da Ponte

David Macedo

O Comissão de Formação, este ano, convidou todos os professores

do colégio La Salle a visitar a ESCOLA DA PONTE para conhecerem uma nova experiência pedagógica. Os que responderam à chamada, viram com os seus próprios olhos que, quando o homem sonha e quer, a obra nasce, ou renasce, para dar resposta a novos problemas, a novos desafios. Em segundo lugar, convidou-os a conhecer melhor os Projectos de Inovação:

ARPA e PROJECTO LEITOR. Em Julho serão novamente convidados para aprofundar um tema relacionado com a Pedagogia Lassalista: AVALIAÇÃO EDUCATIVA.

Um dos objectivos que estava por detrás destas iniciativas era mostrar aos professores que há sempre novas saídas para os crescentes problemas, para os novos desafios que se avizinham se os professores acreditarem na sua força e constantemente tiverem a coragem de repensar a escola.

ESCOLA DA PONTE. FINALMENTE CHEGAMOS!

Chamaram-me logo a atenção os guias da visita. Dois «putos», uma menina e um menino, que o primeiro que nos fizeram, depois de educamente nos dar as boas vindas, foi mandar-nos desligar os telemóveis e ler o decálogo que estava na entrada. Ao lado estava outro cartaz que dizia assim: “Educar é mais do que preparar alunos para fazer exames, mais do que fazer decorar a tabuada, mais do que saber papaguear ou aplicar fórmulas matemáticas. É ajudar as crianças a entender o mundo, a realizarem-se como pessoas, muito para além do tempo da escolarização.”

In, Projecto Educativo “Fazer a Ponte”

Procurando saber um pouco mais, questionei o actual Director da escola.

COMO TUDO COMEÇOU?

«Um grupo de jovens professores um dia resolveram repensar a escola, pô-la em causa. A que existia não funcionava, os professores precisavam mais de interrogações do que de certezas. Concluíram que só pode haver um projecto quando todos se conhecem entre si e se reconhecem em objectivos comuns. Aperceberam-se que um dos maiores óbices ao desenvolvimento

de projectos educativos consistia na prática de uma monodocência redutora que remetia os professores para o isolamento de espaços

e tempos justapostos, entregues a si próprios e à crença numa especialização generalista. Perceberam que se há alunos com dificuldades de aprendizagem, também os professores têm dificuldades de ensino.

Obrigar cada um a ser “igual-a-todos” os outros, é negar a possibilidade de existir como pessoa livre e consciente. A escolinha era do “plano dos centenários”, tinha duas salas e cada sala a sua entrada.

2
2
tinha duas salas e cada sala a sua entrada. 2 Grandes males, grandes remédios! Num belo
tinha duas salas e cada sala a sua entrada. 2 Grandes males, grandes remédios! Num belo

Grandes males, grandes remédios! Num belo dia, vá de deitar abaixo a parede que as dividia. Limpada a caliça, os putos espreitaram para o outro lado. Lá estavam meninas e meninos

O buraco estava aberto e nem pensar

iguais aos do lado de cá

em tapá-lo. Veio o trolha a mando da Junta de Freguesia e fez do feio buraco um belo pórtico comum a dois universos que passaram

a ser um só. Onde antes estava uma parede que dividia achava-

se agora uma passagem que juntava.»

QUAL É A NOVIDADE DESTE PROJECTO EDUCATIVO?

«Na nossa escola todos trabalham com todos. Assim, nem um aluno é aluno de um professor mas sim de todos os professores, nem um professor é professor de alguns alunos, é professor de

todos os alunos. Os professores rodam pelos diferentes espaços

de

tempos a tempos, de modo a que possam trabalhar com todos

os

alunos. Por outro lado, cada uma das expressões é trabalhada

por um grupo de dois professores. Como é lógico tem-se sempre

o cuidado de assegurar a continuidade do trabalho que se está a

desenvolver, não havendo quebras acentuadas do ambiente de

trabalho.

Hoje a nossa Escola assenta na autonomia dos alunos.

Apesar de estar inserida no sistema oficial de ensino, tem deparado com muitas barreiras quanto ao reconhecimento das virtualidades

de uma aprendizagem alicerçada em valores como a solidariedade

e a co-responsabilização dos educandos. Um modelo pedagógico

que começa finalmente a servir de inspiração a outras escolas.»

E O JORNAL?

«O nosso jornal escolar chama-se Dia-a-Dia.

O Jornal é mensal e nele são publicadas todas as notícias

relacionadas com temas de interesse sugeridos e desenvolvidos pelos alunos, concretamente tudo o que está relacionado com as conclusões das imensas Assembleias que os alunos têm ao longo do ano lectivo. Por isso o Jornal “Dia a Dia” acaba por ser uma excelente forma para motivar os alunos para a escrita, sendo também um bom meio de comunicação entre a escola e a comunidade.

Revista Ecos

O jornal recebeu em 2001/02 uma menção honrosa no concurso do Jornal Público de jornais
O jornal recebeu em 2001/02 uma menção honrosa no concurso do Jornal Público de jornais

O jornal recebeu em 2001/02 uma menção honrosa no concurso

do Jornal Público de jornais escolares e no ano de 2002/03 recebeu

o 2º prémio. Estão todos eles publicados na Net.»

A RELAÇÃO COM OS PAIS?…

«Com os Encarregados de Educação, o que existia era uma relação individual, que raramente assumia formas institucionalmente mais organizadas visando uma colaboração permanente. Aos pais, se eram chamados à escola, pedia-se castigo para o filho, ou contributo para reparações urgentes no edifício que albergava a escola.

Na primeira vez que os pais foram convidados para uma reunião (em Outubro de 1976), entre duzentos alunos, apenas três pais responderam ao convite.

Questionávamo-nos por que razão os pais iam à igreja, ao estádio,

ao café

ajudámos os pais dos alunos a fundar uma associação num tempo em que ainda não havia leis para as regular.

A associação de pais é hoje um interlocutor sempre disponível, um parceiro indispensável. Mas a colaboração dos pais não se restringe às actividades promovidas pela sua associação. No início de cada ano, todos os encarregados de educação participam num encontro de apresentação do Plano Anual. Mensalmente, ao sábado de tarde, os projectos são avaliados com o seu contributo.

E há sempre um professor disponível para o atendimento diário,

se algum pai o solicita. A prática diz-nos, ainda hoje, que os pais têm dificuldade em conceber uma escola diferente daquela que frequentaram quando alunos mas que, quando esclarecidos e conscientes, aderem e colaboram.

Hoje a Associação de Pais da Escola da Ponte é uma referência a nível nacional.

e não vinham à escola. Quando encontrámos resposta,

O

sítio da Associação de Pais é: www.esc-ponte-ap.com

O

projecto desta escola, para ser conhecido mais profundamente,

pode ser consultado nas páginas da Intenet.

Revista Ecos

ARPA E PROJECTO LEITOR

A força da Mediação!

Dois fabulosos Projectos de Inovação que já entraram na nossa escola, há uns anos, mas que ainda estão longe de serem

assimilados e aplicados por todo o professorado. Neles, o aluno é sempre convidado a ser o centro no processo ensino/aprendizagem,

e os professores a serem mediadores dessa mesma aprendizagem.

É verificar que os nossos alunos têm ritmos de aprendizagem diferentes e que é preciso saber respeitá-los.

Santiago García, um colega de Espanha e perito na temática, veio um dia de Janeiro à nossa escola e apresentou-os novamente como projectos válidos para serem aplicados.

Se os instrumentos da ARPA possuem uma gama de potencialidades para serem aplicadas em disciplinas como Estudo Acompanhado e em aulas de reforço, o Projecto Leitor pode ser esse pilar fundamental em todo o sistema educativo actual. Um projecto ambicioso que convida todos os agentes que trabalham

a leitura a actuar na escola, desde o seu posto; que haja na escola uma biblioteca de aula e de centro funcional e apelativa; que os alunos naturalmente procurem a leitura como forma de alimento para a curiosidade intelectual.

A Leitura Eficaz, coração desse projecto, promove nos alunos a

velocidade de leitura, a compreensão e o gosto por ler. Se nós já há quinze anos a esta parte verificamos que os alunos lêem com agrado os livros recomendados e trabalhados pela comissão para serem aplicados na Leitura Eficaz, devemos continuar a fazê-lo porque estamos assim adiantados 15 anos às pretenções do Ministério da Educação que quer obrigar os alunos a ler uma hora por semana. No nosso caso não é obrigação, é um jogo que os alunos adoram.

Se queremos uma escola aberta a novos projectos, devemos estar continuamente a avaliar as nossas práticas educativas e procurar melhorá-las conjuntamente. É isso que vamos analisar e reflectir no último encontro que a Comissão de Formação tem preparado para o mês de Julho.

David Macedo

3
3

Leitura

David Macedo

Leitura David Macedo TANTOS LIVROS… TANTAS FEIRAS DO LIVRO… TANTAS BIBLIOTECAS… TANTA CONVERSA… ONDE ESTÃO OS

TANTOS LIVROS…

TANTAS FEIRAS DO LIVRO…

TANTAS BIBLIOTECAS…

TANTA CONVERSA…

ONDE ESTÃO OS LEITORES?

Tanto a família como a escola se devem unir e se comprometer em dar o alimento saudável e essencial à sobrevivência dos filhos, dos alunos. Quer se fale do alimento biológico, quer se fale do alimento mental. Ambos são importantes. A sociedade repele tanto as crianças obesas, como as crianças anorécticas.Anseia por filhos equilibrados, robustos, fortes, fisicamente preparados para a vida. Para que isso aconteça, é preciso dar bons alimentos às criaturinhas. A leitura, sistemática, introduz no cérebro da criança, do jovem e do adulto montes de informações, emoções, dúvidas, conclusões, certeza, incertezas, universos, teorias, ideias, crenças… Contudo, também aqui, se deve evitar os leitores anorécticos e obesos. Que dizer das pessoas que nunca lêem? Sofrem de anorexia. Para estes é necessário ter muita paciência, muito carinho e pouco a pouco servirem-lhes pequenas «garfadinhas» de leitura agradáveis, que façam rir, bem condimentadas… Que dizer daqueles devoradores de colecções, de bibliotecas? Muitos sofrem de obesidade. Geralmente armam- se em intelectuais. Ler por ler, também não é saudável, no entanto, estes não são tão doentes como os outros, mesmo assim precisam de ajuda para seleccionarem as boas leituras; para aprenderem a interpretar os diferentes sentidos inerentes a um texto… Por conseguinte urge criar criaturas com «mente sã em corpo são!»

Se comemos três vezes ao dia, também deveríamos ler pelo menos

2
2

três vezes ao dia. Contribuir em despertar o gosto pela leitura é pôr em andamento um mecanismo de educação pessoal que permite tratar e equilibrar as diferenças sociais que se evidenciam na escola, na família e na própria sociedade.

A leitura pode chegar a ser um factor de igualdade social e de

superação pessoal. Família e escola devem coincidir nos mesmos pressupostos; uma e outra não podem actuar separadamente. O objectivo central deveria ser o mesmo para ambas: potenciar a leitura livre, autónoma e competente.

Não é suficiente que a escola contemple no seu Projecto Educativo

a leitura, ou um Plano Leitor, como a nossa, que disponha de uma

Biblioteca ou que organize actos para potenciar a leitura, se não está viva em todos os membros da comunidade escolar, desde os pais e a mães até ao conjunto de professores, a firme crença na sua importância vital como alimento, como forma de conhecimento do mundo e de si mesmo.

O processo educativo, desde a educação primária ao secundário

deve estar impregnado da necessidade de conectar, de sintonizar, de implicar a criança, o adolescente, o jovem na leitura. O livro

não pode ser, simplesmente, um objecto de culto, um elemento meramente escolar ou um objecto de prestígio; não é conveniente sacralizá-lo, mas sim deve ser visto como algo necessário e fundamental para a formação integral do ser humano.

As instituições culturais e educativas devem oferecer a possibilidade de servir bons e diferentes menus de leitura para todos e todas, desde bibliotecas de rua e escolares até programas nos meios de comunicação para difundir os valores da leitura. Em cada centro educativo deve-se criar os ambientes propícios – na

sala de aula, na biblioteca ou noutra sala especial dedicada à leitura

- para que seja possível essa solidão em companhia, esta

passividade activa desde a qual uns jovens olhos absortos alimentam-se, viajam e descobrem-se.

Todos sabemos que hoje aumentar e motivar as pessoas para a leitura não é fácil. Em muitas ocasiões o sistema de valores que preconizamos desde a escola e a aula choca com o que predomina na sociedade. A tranquilidade e a pausa da leitura entram em contradição com o stress e a pressa que invadem a vida; o tempo

é dinheiro e parece que a leitura nos obriga a gastar demasiado desse tempo. Dá-nos a sensação de que estamos a nadar contra

a

corrente.

O

nosso papel como guias e treinadores é fundamental, temos

que conseguir que o aluno passe de uma leitura assistida para

uma leitura autónoma; do gosto por determinados tipos de textos

a um gosto mais geral, selectivo e pessoal. É importante que a

procura do significado seja realizada pelos jovens leitores.

A nós cabe-nos simplesmente continuarmos a ser amantes da

leitura; entusiastas para comunicar aos alunos essa riqueza; possuir interesses culturais amplos; observar bem as reacções dos alunos perante os diversos tipos de leituras; a ter curiosidade por conhecer os gostos dos jovens leitores; a ter interesse pela leitura infantil,

juvenil e quanta seja motivadora e enriquecedora para os alunos; sempre estar predisposto ao diálogo; nunca pensar que é uma perda de tempo a leitura e ao comentário de livros e finalmente estar disposto a ser guia e companheiro de viagem, treinador e jogador, cozinheiro e servente, mentor e investigador.

Revista Ecos

Revista Ecos

Amigo

Ana Sofia - 11ºA

Preciso de um amigo Sei que posso contar contigo No bom e mau momento Enches-me o pensamento.

Descobri o valor da amizade Encontrei um lindo tesouro Estou cá com uma vontade De guardar bem todo esse ouro.

É tão bom chamar AMIGO

Amigo, palavra tão salutar São estrelas cintilantes Na nossa vida sempre a brilhar.

Amar

Sandra Lopes - 7ºA

Amar é encontro feliz Amar é perder sem se perder Amar é rosa sem espinhos

Amar é sentir sem perceber Amar é girar, andar à roda

É um querer constante da vida

É um saber sem ter a certeza

É fazer com o coração Amar é ser Amar é tudo

É conquistar

É compreender

É estar apaixonada.

3
3
2
2

Tormento

Melanie Cruz - 10ºA

Lágrimas escorrem pelo meu rosto Quando destroçada me apercebo Que já não há motivo nem razão Que tudo não passa de uma ilusão

Uma agonia incessante Atravessa-me a alma Uma espada vingativa… Ouço o meu coração a bater, Vejo o meu barco a tremer.

Tudo o que quero é gritar, gritar… Mas a minha voz engolida é pelo desespero A verdade crua paira sobre mim Uma tal angústia sem fim…

Lágrimas escorrem pelo meu rosto Tudo me parece desfocado Nada em mim está a fazer sentido Neste choro derramado

Qual o motivo para tamanha desilusão? Porquê este frio sofrimento? Já tarde, percebo sem perceber Que tenho que aguentar esse tormento.

Revista Ecos

Revista Ecos

Livro

Rosário - 10ºA

Livro Fonte do conhecimento Saber…Sabedoria! Poder…Descoberta.

Contas uma vida, muitas vidas Esquecidas Dás asas à imaginação De quem escreve Com o coração Contigo eu conto Sempre muito interessada Quero continuar a crescer E contigo aprender!

Árvore

Luís Pedro - 10ºA

Árvore, complexa e majestosa Possuis alegrias e memórias… Árvore, leito amoroso, De sombra transmissora De paz Que grande riqueza é… No teu tronco corre seiva Sangue da minha vida é! Nas tuas folhas o sol Teus frutos, nosso alimento Nosso sustento Até um dia… Ah! Que bela que és!

3
3

Clube de Teatro

David Macedo

Clube de Teatro David Macedo DA «FADA ORIANA» À «ESPLANADA» … O Clube de Teatro, orientado

DA «FADA ORIANA» À «ESPLANADA» …

O Clube de Teatro, orientado pelo professor David, juntou-se todas as semanas para aprender a difícil arte

de comunicar com todos os sentidos em palco, de vestir a pele de outra personagem, de viver e tomar decisões em grupo; de crescer de forma harmoniosa, dando azo ao improviso, à criatividade e à amizade.

Tudo correu bem! Os ensaios eram diversificados. Perder o medo, deixar de ser tímido, saber trabalhar em grupo foram ingredientes suficientes para dar por bem empregue o tempo que os alunos passaram no clube.

No Natal, com a peça inventada pelo grupo, pretendemos chamar a atenção do público para o exagero que

é, às vezes na nossa cidade, gastar tanto dinheiro com iluminações supérfluas esquecendo outras

necessidades mais prementes. Criticámos além disso a corrupção e os apadrinhamentos. Depois o grupo foi mais longe. Preparou a chegada da Primavera com a «Fada Oriana», recitações de poemas e a «discussão entre o sol e o vento». Tudo muito bem memorizado, o grupo: «Quânticos de La Salle», foi convidado a representar a peça na Biblioteca Municipal de Barcelos para centenas de crianças da Primária. Foi de facto um verdadeiro hino à Natureza. O grupo gritou bem alto e artisticamente reforçou a ideia que muito há por fazer em prol da Natureza. A peça, adaptada do famoso conto da Sophia de Mello pelo professor David,

encantou a pequenos e grandes e Barcelos agradeceu.

Em Março, o grupo voltou a representar a peça para os pais e alunos do colégio, durante o Sarau Cultural. Sem conhecimento prévio do palco, o grupo sentiu-se um pouco perdido, mas nem assim deixou de frisar novamente a mensagem primaveril que emana de todos os diálogos.

Por fim o grupo deu um passo em frente e, subdividido em pequenos grupos, primeiro criaram pequenas rábulas teatrais, escreveram-nas no computador, ensaiaram-nas sozinhos e no último encontro representaram- nas para os colegas e para alguns alunos do colégio. Essas representações foram ao ar livre.

Um percurso bem definido, uma produção significativa, uma forte solidariedade entre os membros do grupo fez com que todos sentissem no teatro a festa da vida.

2
2

Revista Ecos

Sarau

Cultural

David Macedo

SURGIU TÍMIDO MAS É PARA CONTINUAR.

Este ano, no âmbito da Semana da Leitura, o coordenador do Projecto Leitor,

avançou com a ideia de se realizar um Sarau cultural na nossa escola. Como a Semana da Leitura surge no mês de Janeiro, consequentemente arremeteu-se

o Sarau para o final do segundo período.

As tropas do Secundário marcharam e praticamente organizaram o evento. Os alunos do décimo apresentaram três histórias em jeito de Gato Fedorento; os alunos de décimo primeiro apresentaram duas histórias com base no estudo

realizado da obra: «Frei Luís de Sousa», de Almeida Garrett. O Grupo de teatro da escola – os Quânticos – apresentou a «Fada Oriana», a mesma peça que estrearam no dia 21 de Março no Auditório da Biblioteca de Barcelos. Os pequeninos do segundo Ciclo representaram as «Quatro Estações». E finalmente

a espantosa participação da Associação de Pais com a peça «Frei João sem Cuidados».

O Sarau foi aberto com a coreografia das meninas de 11º, as quais brindaram o

público com uma dança alegre e com movimentos muito bem sincronizados.

Toda a escola esteve envolvida nesta actividade, mas coube um papel mais activo aos alunos do Secundário, que desde o início se prontificaram a desenhar

o cartaz, a fazer a propaganda e a ensaiar números para engrandecer o evento

cultural. Parabéns! Se este ano o sarau surgiu tímido, esperemos que futuramente se torne num dos momentos altos da Escola.

3
3
Se este ano o sarau surgiu tímido, esperemos que futuramente se torne num dos momentos altos

Revista Ecos

My Sweet Valentine! Saint Valentin!

Débora Sistelo

Love,Amour, Amor, Liebe,Amore, e podíamos continuar até encher páginas… Nenhuma outra palavra foi tão escrita, lida, cantada, dedicada mas, acima de tudo tão SENTIDA pelo mundo fora e através de tempos imemoriais como esta – AMOR.

Não é por isso, de estranhar, que todos os alunos, dos mais tímidos aos mais extrovertidos, dos mais novos aos mais velhos, tivessem aderido com tanta vontade a outra actividade como a esta… Assim, quando os docentes de Francês e Inglês propuseram a realização de postais comemorativos do dia dos Dia dos Namorados, não houve qualquer dúvida quanto à adesão dos alunos.

Aí entrou a criatividade, a imaginação, o bom-gosto e o romantismo

de cada um. Os postais surgiram às centenas, de todas as formas, cores, materiais mas com um único fio condutor – expressar ao mais que tudo o seu amor e/ou amizade. Para recolher e guardar estas manifestações nobres de sentimentos, estava, à entrada do Edifício do Secundário, um belíssimo marco do correio, bem alusivo à data, elaborado com carinho e dedicação. O Departamento das Línguas Estrangeiras

aproveita para agradecer à professora Diana Vale todo o apoio e trabalho demonstrados. Para enquadrar este marco, foi criado um cenário idílico, bem ao jeito dos filmes de amor, onde não

faltavam os corações, os cúpidos, um banco de jardim, tudo num entorno de natureza campestre, com plantas e flores verdadeiras. Chegado o dia, foi montado um verdadeiro dispositivo de segurança e distribuição, capaz de assegurar que todos os contemplados recebiam as suas cartas de amor, os postais e até peluches…

A azáfama foi enorme. Os 2 intervalos da manhã foram poucos

para tanta correspondência! Os alunos gostaram e nós, membros da equipa docente, também!!! Uma certeza ficou – Love is in the air!!!

alunos gostaram e nós, membros da equipa docente, também!!! Uma certeza ficou – Love is in
alunos gostaram e nós, membros da equipa docente, também!!! Uma certeza ficou – Love is in
2
2

Revista Ecos

Teatro

Débora Sistelo

No seguimento das actividades relacionadas com a disciplina de Inglês e à semelhança de anos anteriores, também neste ano lectivo foi lida uma Short Story - uma pequena obra de leitura extensiva.

Assim, a obra a ler pelo 10º Ano foi Mrs. Bixby and the Colonel’s Coat da autoria de Roald Dahl.

Esta obra, cujo conteúdo aborda a temática das relações

interpessoais, da (in)fidelidade, da busca pelo poder, da ambição

e da ganância, não deixa de gerar alguma polémica. É uma obra

que nos surpreende e nos diverte, principalmente com a reviravolta final, onde o leitor se depara com uma enorme surpresa, onde o que parece não é, e o que não parece é… lição de vida actual!!!

Deste modo, após a leitura e interpretação da short story, os alunos foram desafiados a encarnarem as personagens. Para a escolha dos papéis, foi feito um pequeno casting, através do qual os próprios alunos escolheram quais os colegas que iriam ser protagonistas desta peça que mais tarde seria representada.

Escolhidos então os protagonistas, passou-se à distribuição de tarefas por todos os alunos da turma, onde cada um passou a ter uma responsabilidade, quer ao nível da cenografia, do guarda- roupa, da caracterização, entre outros.

Muitos foram os preparativos, com os artistas de serviço – Leonardo

e Filipe- assessorados pelo Vítor e pelo Luís Miguel a encantarem- nos com a apresentação de cenários magníficos. Não podemos esquecer ainda os restantes colegas que tanto os ajudaram. A

equipa responsável pelo guarda-roupa e make-up revelou-se, igualmente uma ajuda preciosa, transformando os actores e actrizes em verdadeiros Wilkins, o nosso Celso, passando pelo taxi driver

o Luís Paulo, não esquecendo o Luís Pedro, melhor dizendo o Mr.

Bixby, ou a sedutora Miss Pulteney a nossa Joana. Contámos ainda com uma penhorista, a decidida Sara Cristina e ainda uma

verdadeira vencedora de um Óscar Lassalista, a fluente, ambiciosa

e derrotada Mrs. Bixby, tão bem interpretada pela Mélanie. Apesar

da ausência de caracterização, contámos ainda com um eficaz apresentador, um verdadeiro English Speaker, o Bruno. Para auxiliar as falhas de memória tinhamos o nosso ponto, o Paulo.

É óbvio que toda a turma foi preciosa para se levar a cabo, de

maneira tão original, esta peça que contou com poucos espectadores mas que foi integralmente filmada pelo cameraman de serviço – Hugo – de modo a ser exibida no futuro à nossa comunidade educativa.

Parabéns a todos os alunos do 10ºA, pelo bom trabalho e por reforçarem a nossa esperança, por vezes esmorecida, nos jovens que temos pela frente, acreditando nas gerações vindouras e na capacidade de trabalho e de esforço que os nossos alunos têm.

Revista Ecos

acreditando nas gerações vindouras e na capacidade de trabalho e de esforço que os nossos alunos
3
3

Passeio de Finalistas de 9º Ano

No passado dia 14 de Junho de 2006, os alunos do 9º ano de escolaridade realizaram o tão merecido e desejado passeio de finalistas ao Gerês, participando em actividades radicais organizadas pela empresa Equidesafios.

Tiveram um dia inesquecível e cheio de actividades radicais como por exemplo: pontes suspensas, slide, paintball, escalada e rappel.

Entre estas actividades tiveram direito a um belo almoço no restaurante local.

Os alunos adoraram estas actividades ao ar livre. Foi um dia em que se promoveu o convívio e o desporto radical entre os alunos, e entre estes e os Directores de Turma e professores acompanhantes.

2
2
e o desporto radical entre os alunos, e entre estes e os Directores de Turma e

Revista Ecos

Convívio de Turma

Convívio de Turma O convívio de turma do 10º ano foi realizado no dia 23 de

O convívio de turma do 10º ano foi realizado no dia 23 de Junho,

este ano, fugindo da tradicional ida à praia, rio ou piscina, decidimos ficar por Barcelos.

Logo bem cedo, antes dos alunos do 9ºano iniciarem o exame nacional de Matemática, estivemos na quinta do Colégio a realizar algumas partidas de paintball. Neste momento a emoção e a adrenalina corriam no sangue de todos, pois a luta estava a ser muito renhida mas, no final, todos saíram vencedores já que o convívio e diversão foram os objectivos principais desta actividade.

O paintball tinha aberto o apetite mas ainda nos faltava uma longa

caminhada até local onde finalmente poderiamos desfrutar do almoço merecido.

Já com o estômago reconfortado, tivemos a oportunidade de testar

as destrezas no bilhar, nos matrecos e no ping-pong. Uma vez mais ficou demonstrada a polivalência dos alunos do Colégio La

Salle.

Para terminar o dia assistimos à projecção do filme “ X-Men 3 - O Confronto Final”.

Sérgio Peixoto

Revista Ecos

3 - O Confronto Final”. Sérgio Peixoto Revista Ecos Amorosa(Viana do Castelo), recebeu-os com ventos moderados.
3 - O Confronto Final”. Sérgio Peixoto Revista Ecos Amorosa(Viana do Castelo), recebeu-os com ventos moderados.

Amorosa(Viana do Castelo), recebeu-os com ventos moderados.

As turmas de sétimo ano, desfalcadas em número, foram fazer o seu convívio, no passado dia vinte e um de Junho, à praia da Amorosa. Inicialmente era para ser em Castelo de Neiva, mas houve mudanças, por questões de estratégia.

Uma vez na praia, o ventinho, que entretanto se tinha levantado, teimosamente, obrigou os alunos a jogarem, a mexerem-se. Assim fizeram durante um longo período. Depois veio o banho em águas geladas. Mas os heróis lá estavam cheios de sangue novo nas guelras e, tal como peixinhos, entravam nas águas atlânticas com energia e muita algazarra. A fome obrigou-os a ir até ao pinhal. Uma vez lá, abrigados da nortadinha irritante que se fazia sentir, comeram o farnel. No início da tarde, com o Portugal – México na cabeça, regressou-se ao colégio. Depois de algumas peripécias, sempre puderam assistir ao jogo com outros companheiros. Tudo correu bem!

David Macedo

3
3

Desporto

Escolar

Olímpio Durães

A nossa escola caracteriza-se, no que diz respeito ao Desporto

Escolar, como uma escola participativa e com um elevado nível

de adesão às actividades propostas. Esta característica criou uma capacidade natural nos nossos alunos de exigência de realização

de actividades desportivas.Assim, as actividades organizadas pelo

núcleo de Desporto Escolar e pelo Grupo de Educação Física procuraram responder às exigências dos nossos alunos, que nos agradeceram com uma participação empenhada, entusiástica e numerosa.

A realização das actividades procurou o desenvolvimento dos

valores do espírito desportivo e salientou-se como campo fértil para a aplicação dos conhecimentos e capacidades adquiridas nas aulas curriculares de Educação Física.

A actividade interna revelou-se como o momento mais propício

para a realização de actividades desportivas sistemáticas, sobretudo para aqueles alunos que não tiveram possibilidade de participar nas actividades seleccionadas para os grupos/equipas. Foi, também, o momento propício para a participação numa diversidade de actividades que foram propostas.

Acções de Formação

Foram realizadas várias acções de formação destinadas a preparar os alunos que participam nas modalidades do Desporto Escolar para os vários momentos de competição em que iriam participar. Além destas, realizaram-se mais duas acções que tinham como objectivo preparar os alunos para os torneios organizados no âmbito da actividade interna (Ténis de Mesa e Xadrez).

Actividades Inter-Turmas / Outras actividades

Ao longo do ano realizaram-se vários torneios inter-turmas, assim como outras actividades. Estes momentos específicos permitiram aos alunos desenvolver um espírito de grupo, de partilha e amizade que aliados ao espírito desportivo subjacente às actividades desportivas contribuíram para o desenvolvimento integral e humano dos nossos alunos.

Destacam-se, pela enorme adesão e competitividade sadia, os torneios de futebol e voleibol que ao longo do ano envolveram todas as turmas do colégio e cerca de 300 alunos.

Actividades Inter-Escolas

Destaca-se, neste tipo de actividades, a participação no Corta Mato Colegial das escolas do 1º ciclo da área de influência do Colégio. Assim, este ano teve mais uma vez a participação das Escolas de Barcelinhos, S.ta Eugénia e Areias de Vilar que participaram com cerca de meia centena de alunos.

2
2

Destaca-se, também, a organização do Tetratlo na Semana do Fundador, que este ano contou com a presença das Escolas EB 2,3 de Lijó, EB 2,3 Gonçalo Nunes, EB 2,3 Rosa Ramalho, EB 2,3 de Viatodos e Escola S/3 de Barcelinhos.

Além destas actividades, o Colégio La Salle participou na Corrida de Estrada organizada pela Câmara Municipal de Barcelos, no Corta Mato da Escola EB 2,3 Gonçalo Nunes, no Corta Mato Distrital, no Torneio de Voleibol Juvenil organizado pela Universidade do Minho, no Mega Sprinter, no Torneio de Futsal organizado pela Escola Secundária de Barcelinhos e ainda na Taça Coca-Cola.

Actividade Externa

A Actividade Externa refere-se a toda a actividade desportiva

desenvolvida nas diversas vertentes do Clube do Desporto Escolar, através da participação em Encontros Inter-escolas, de carácter competitivo (visando o apuramento selectivo – Campeonatos Nacionais) ou de carácter não selectivo (Encontros/Convívios).

Em seguida, apresenta-se o quadro resumo referente à participação dos diversos grupos/equipas do Colégio La Salle que participaram nos Campeonatos do Centro Educativo de Braga.

Grupos/equipas de Competição

Modalidade

Escalão

Sexo

TD

AT

TJ

AI

C

Basquetebol

Infantil

Masc

85

14

12

23

Futsal

Iniciados

Masc.

90

16

18

28

Voleibol

Infantil

Fem.

112

21

18

46

Voleibol

Iniciadas

Fem.

86

18

18

25

Voleibol

Juvenis

Fem.

84

12

8

15

* TD: Nº total de treinos dados; AT: Nº médio de alunos por treino; TJ: Total de Jogos; AI: Nº de alunos inscritos; C: Classificação

Nesta actividade é de referir a permanência em competição das

equipas do Colégio, com excepção da equipa de Basquetebol, até

à última fase de apuramento dos campeões dos Campeonatos do

Centro Educativo de Braga. Destacam-se o 1º lugar alcançado pelas equipas de Voleibol Infantis e Juvenis Femininos.

É de realçar, também, a participação da equipa de Voleibol Juvenis no Campeonato Regional (Zona Norte), onde obteve o 3º lugar.

Revista Ecos

Revista Ecos 3
Revista Ecos 3
Revista Ecos 3
Revista Ecos 3

Revista Ecos

3
3

Tarde

Radical

A tarde de sexta-feira da Semana do Fundador ficou marcada pelas

actividades radicais. A maioria dos alunos participou assim em actividades variadas, e que foram ao encontro dos seus desejos, libertando adrenalina de forma controlada, mostrando também aos outros do que são capazes.

Esta tarde contou então com uma Parede de Escalada, gentilmente cedida e montada pelos “Amigos da Montanha” de Barcelinhos, a quem deixamos os nossos sinceros agradecimentos. Cerca de 80 alunos tentaram a sua sorte, “presos por um fio”, cumprindo o objectivo de “trepar” o mais rapidamente possível todos os obstáculos desta parede.

Aqueles que gostam mais das quatro rodas puderam mostrar as suas habilidades em cima de Skates, realizando manobras por vezes arriscadas, mas que não trouxeram consequências físicas. Houve ainda alguns que, mesmo não tendo experiência, tentaram

a

sua sorte, em cima desta tábua tão movediça…

O

Downhill, modalidade tão em voga por esta época, marcou

também presença nesta tarde. Assim, e numa pista de cerca de 400 metros, improvisada na quinta do Colégio, contando com alguns obstáculos, 35 alunos, pilotando as suas “bikes” de montanha, lançaram-se pista abaixo em busca do melhor tempo

no cronómetro. Os resultados são os que se seguem:

Alunos do 2º Ciclo

Posição

Nome

Turma

Tempo

Ivo Alves

B

15

1’03’90m

Vítor Carneiro

C

32

1’05’38m

Cristiano Simões

A

10

1’09’71m

Alunos do 3º Ciclo e Secundário

 

Posição

Nome

Turma

Tempo

César Fernandes

A

12

00’53’63m

Hugo Miguel

8º C

12

00’56’85m

Vítor André

C

27

00’57’30m

2
2
Hugo Miguel 8º C 12 00’56’85m 3º Vítor André 8º C 27 00’57’30m 2 Revista Ecos
Hugo Miguel 8º C 12 00’56’85m 3º Vítor André 8º C 27 00’57’30m 2 Revista Ecos

Revista Ecos

EQUAmat

Sérgio Peixoto

EQUAmat Sérgio Peixoto Revista Ecos No dia 3 de Maio, em pleno feriado municipal, uma equipa

Revista Ecos

No dia 3 de Maio, em pleno feriado municipal, uma equipa de 16 alunos do Colégio La Salle partiu rumo à Universidade de Aveiro. O seu objectivo era a participação no EQUAmat, uma competição matemática constituída por 20 questões sobre os conteúdos abordados nas aulas.

Estes alunos já tinham participado no REDEmat, uma prova semelhante, realizada em várias escola do país em simultâneo. Este ano o Colégio foi uma das escolas organizadoras e, como seria de esperar, os nossos alunos obtiveram resultados bastante positivos.

Já em Aveiro, após algumas horas à espera de poderem realizar a sua prova, os alunos mostraram, uma vez mais, as suas competências matemáticas entre os milhares de participantes.

A presença do Colégio nesta competição, apesar de ter sido a primeira, mostrou-se bastante positiva pois, a par do entusiasmo demonstrado pelos alunos, mostrou-se mais uma forma de motivá-los para o estudo da matemática.

Resta-me agradecer a todos os alunos e professores que tornaram possível esta actividade e esperar que, para o próximo ano, se possa repetir e alargar esta experiência.

3
3

ASSOCIAÇÃO DE ANTIGOS ALUNOS DE LA SALLE

David Macedo

No passado dia 27 de Maio, muitos dosAntigos Alunos foram convocados para o XI Encontro. Compareceram alguns alunos que frequentaram o colégio antes do 25 de Abril e outros já da década de oitenta.

Celebrou-se uma Eucaristia de Acção de Graças e o resto da manhã foi, toda ela, ocupada em eleger os órgãos da Associação.

A Associação que emergiu do encontro vai-se legalizar, para futuramente poder fazer parte das Associações de Antigos Alunos de La Salle – ARLEP – e posteriormente filiar-se na Associação Mundial de antigos alunos.

Os objectivos da Associação estão bem definidos nos estatutos. Esperemos que cresça em todas as dimensões. Da parte da tarde houve jogos tradicionais e acabou-se o Encontro com um lanche.

2
2

Os elementos da nova Associação são os seguintes:

Assembleia-geral:

Presidente – Albino Nunes Ramalho

Vice-Presidente – Alberto Rosa Amorim Rego

1º Secretário – António José Lopes Mendes

Direcção:

Presidente – David Mendes de Macedo

Secretário – José Pereira de Figueiredo

Tesoureiro – Fernando Paulo Carvalho Ferreira

1º Vogal – João Pereira Oliveira

2º Vogal – Carlos Alberto S. Rodrigues de Oliveira

3º Vogal – Júlio Pereira Gonçalves

4º Vogal – José António Grade Pedroso

Conselho Fiscal:

Presidente – António Pereira Oliveira

1º Secretário – Ana Cristina Gonçalves Figueiredo

2º Secretário – Manuel Araújo Ribeiro

1º Secretário – Ana Cristina Gonçalves Figueiredo 2º Secretário – Manuel Araújo Ribeiro Revista Ecos

Revista Ecos

Passeio das Famílias

Vilar de Mouros foi o local escolhido pela Associação de Pais para mais um convívio entre a Comunidade Educativa do Colégio La Salle.

Centenas de pessoas relacionadas com o Colégio participaram neste dia de lazer. A manhã começou com a viagem até ao local. Escolhidos os locais do Pic-nic, dirigimo-nos para a capela do recinto, onde contámos com a colaboração do Pe. Gomes para a realização da eucaristia.

Seguidamente chegou a hora o almoço, durante o qual se

Se ainda havia dietas a

degustaram as mais variadas iguarias

cumprir, estas foram completamente esquecidas perante tão variado manjar.

Os alunos participan\tes no Big Estrelas subiram ao palo durante

a tarde, e em conjunto com o grupo de Cavaquinhos e de Violas,

animaram todos os presentes. A música fez-se assim ouvir durante quase toda a tarde, sendo unicamente interrompida pelo sorteio organizado pela Associação de Pais. Estes pais estiveram também

envolvidos na organização de diversos jogos tradicionais, visando

a angariação de fundos para gastos da própria Associação.

Mais um dia bem passado na companhia daqueles que nos são próximos ao longo do ano lectivo!

Mais um dia bem passado na companhia daqueles que nos são próximos ao longo do ano
3
3
Mais um dia bem passado na companhia daqueles que nos são próximos ao longo do ano

Revista Ecos

Pastoral

João Carvalho

De forma a ser potenciado e aprofundado o Espírito Cristão vivenciado neste Colégio, muitas são as actividades realizadas ao longo do ano lectivo.

Assim, e de forma concertada com os restantes Colégios do Distrito de Valladolid - Espanha, cumprindo objectivos comuns, começou por realizar-se a Semana Vocacional entre os dias 24 e 28 de Outubro, de forma a ser promovida a reflexão acerca da vocação pessoal de cada um dos nossos jovens, através de um contacto directo com representantes de diversas áreas profisionais.

Também as Convivências Cristãs são veículo desse Espírito, sendo realizadas separadamente por cada nível de ensino. É um dia diferente, durante o qual há tempo para actividades de reflexão, oração, jogos e convívio.

A Vigília do Advento foi o momento principal de preparação para o

Natal, e contou com a presença dos animandos maiores dos Grupos Cristãos.

De forma a podermos melhorar a quadra natalícia a algumas famílias mais carenciadas, realizou-se a habitual Campanha de Natal, através da qual se conseguiram angariar fundos e géneros suficientes para cultivar sorrisos por onde passámos. Alunos, Irmãos, professores e pais ajudaram na distribuição às famílias. Agradecemos aqui a participação, colaboração e sacrifício de todos.

Os Grupos Cristãos contaram este ano com mais de duzentos animandos, que em conjunto com vinte e cinco animadores, seguiram, com boa disposição, o plano estabelecido em cada nível. De forma a existir uma maior partilha e união de grupo foram realizados vários encontros, uns em Portugal e outros em conjunto com os congéneres da Espanha.

A missão de cada um nesta vida é algo que vamos tentando

descobrir ao longo dos tempos. Assim, durante a Semana das Missões, tentámos lembrar todos aqueles que oferecem as suas vidas na ajuda ao próximo, possibilitando uma melhor qualidade de vida, de uma forma despretensiosa e sem esperar nada em troca

É esta a missão dos Cristãos que, de uma ou de outra forma,

podem sempre buscar na ajuda ao próximo mais um motivo para

sorrir!

A Caminhada Solidária, organizada pela SOPRO, serviu também

como um momento de angariação de fundos para a ajuda aos mais necessitados que são apoiados pelos Projectos Missionários.

Por fim, e ainda a ser organizado, teremos o Acampamento dos Grupos Cristãos, entre os dias 18 e 27 de Julho. São cerca de sessenta jovens, a viverem comunitariamente durante dez dias, que partilham assim uma das experiências mais enriquecedoras da sua juventude.

Todas estas acções foram realizadas com o intuitode não se

perderem os valores morais e católicos que sempre devem pautar

a nossa vida.

2
2
com o intuitode não se perderem os valores morais e católicos que sempre devem pautar a
com o intuitode não se perderem os valores morais e católicos que sempre devem pautar a
com o intuitode não se perderem os valores morais e católicos que sempre devem pautar a

Revista Ecos

Convívio do Grupo Cristão do 7ºC

Adriana e Angelina

Cerca das 13:30 saímos do Colégio La Salle. Foi aí que tudo começou! Seguimos para as piscinas municipais de Maximinos! Foi uma diversão total! Este convívio mostrou-nos que a união é das coisas mais importantes num grupo, e mostrou-nos também que para se formar um grupo unido é preciso haver um espírito aventureiro e também um espírito de amizade. É preciso haver espírito de entreajuda…

Nesta altura já as nossas barrigas davam horas! Fomos almoçar ao Colégio São Caetano, que nos mostrou a importância da partilha. De tarde, visitámos a Caritas! Foi, em todo o convívio, o local que mais nos marcou, não pelo local mas pelas pessoas que encontrámos lá, as que diariamente fazem lá a sua higiene pessoal! Marcou-nos muito… É triste ver seres humanos que, como nós, têm direitos, mas que estão sozinhos e abandonados pelo mundo egoísta, que nós temos de enfrentar pouco a pouco, dia após dia! E é da bondade de pessoas sinceras e humildes que esses seres humanos sobrevivem! E a Caritas tenta fazer com que essas pessoas vivam, e não que sobrevivam! Tenta ajudá-las o máximo possível! E nós queremos também tentá-lo, com um espírito lassalista, que para sempre estará dentro de nós! Para sempre faremos parte deste grupo, que nunca esqueceremos!

Este convívio mostrou-nos a importância de três coisas essenciais: união, partilha e ajuda… porque todos nós somos iguais. O grupo ajuda-nos a compreendê-lo… Somos assim… prontos para novos desafios, principalmente se for para ajudar os outros…

Ajudem-nos neste compromisso…

Revista Ecos

para novos desafios, principalmente se for para ajudar os outros… Ajudem-nos neste compromisso… Revista Ecos 3
para novos desafios, principalmente se for para ajudar os outros… Ajudem-nos neste compromisso… Revista Ecos 3
3
3
2 Revista Ecos
2
2

Revista Ecos

Apanhados

Hummm, quase de certeza. Vamos lá ver se este ano apareço na revista Deixa lá
Hummm, quase
de certeza.
Vamos lá ver
se este ano
apareço na
revista
Deixa lá que
eu vou
aparecer duas
vezes.
Onde,
onde??
Ir. Júlio,
sorria, olhe o
passarinho…
passou…
3
Júlio, sorria, olhe o passarinho… Já passou… 3 Para ser verdadeiro só faltam mesmo as renas.

Para ser

verdadeiro só

faltam mesmo

as renas.

O Prof. David prepara as avaliações de final de período.

Vamos lá “afinar” essas notas…
Vamos lá
“afinar” essas
notas…

Revista Ecos