Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

2° SEMESTRE DE 2009 – DEGEO – EM – UFOP

TRABALHO DE
CAMPO
SINCLINAL DOM
BOSCO
Lavras Novas - MG

GEOLOGIA ESTRUTURAL A
Dr. Caroline Janette Souza Gomes
29/09/09

CLARISSA PAULA SILVEIRA CARVALHO

GABRIELA GOMES
ENGENHARIA DE MINAS

Análise e medidas de estruturas


em dobras:

QUADRILATERO FERRIFERO

- SINCLINAL DOM BOSCO (QUARTZITOS)

ALGUMAS DEFINIÇÕES PARA ROCHAS METAMÓRFICAS:

* Estrutura planar:

- clivagem contínua;

- clivagem espaçada;

- clivagem xistosidade.
*Estruturas lineares:

-lineação mineral;

-lineação de crenulação.

Descrição do afloramento visitado:

Visitou-se a região do Sinclinal Dom Bosco, próximo à Lavras Novas. As


rochas de sua composição são basicamente Quartzitos. Estes possuem mica
branca, além de quartzo. Mas podem conter também cloritóide, granada, clorita e
minerais opacos. As granadas quase sempre estão retrometamorfisadas para um
agregado de clorita, quartzo e minerais opacos. O quartzo forma agregados
inequigranulares interlobados e localmente poligonais. Os cristais têm extinção
ondulante, formam subgrãos e a recristalização por migração de bordos é comum.
Nos quartzo-micaxistos, a foliação S3, definida pela orientação de micas brancas
em grãos submilimétricos, é uma clivagem espaçada, com caráter milonítico, que
transpõe parcialmente uma clivagem anterior (S2), também com caráter milonítico.
Esta, por sua vez, foi superimposta a uma xistosidade grosseira (S1), marcada por
grãos reliquiares de micas brancas.

Foliação é uma propriedade que as rochas apresentam que se manifesta


pela facilidade de se fracturarem segundo planos mais ou menos paralelos.
Esta propriedade resulta, em muitos casos, de um alinhamento de minerais
que possuem uma clivagem predominante segundo uma dada direcção.
Xistosidade é um tipo de foliação. Neste caso esta é originada pela
presença de grande quantidade de micas que estão orientadas na rocha.
Lineação é uma propriedade das rochas apresentarem linhas, traços, que
resultam do alinhamento de minerais prismáticos (em muitos casos).

1° EXERCICIO: Com o auxilio da bússola faça três medições da xistosidade:

- 289, 41 NE

- 298, 39 NE

- 290, 43 NW

2° EXERCICIO: Medição de lineação de estiramento no meta-conglomerado


(lineação de zona de cisalhamento).

- Mede no eixo estirado: 295, 18 SE

- Lineação de crenulação: 210, 8 NE

- Lineação mineral: 115, 10 SE


XISTOSIDADE: Foliação secundária normalmente definida por lamelas de mica de
granulometria grossa (1-10mm) em associação com quartzo e outros minerais. A
granulometria maior que a das ardósias é resultante da alta recristralização
mineral, típica dos graus metamórficos mais elevados nos quais a xistosidade é
característica. O aspecto mesoscópico característico da xistosidade é a definição de
planos de foliação pelo alinhamento de micas como muscovita, biotita, clorita e
sericita. Xistos raramente se partem segundo planos perfeitos como as ardósias.
Muito pelo contrário, eles quebram formando discos e soltam muita mica, que
normalmente fica grudada na pele dos geólogos.

• Lineação mineral:

(Lineação mineral – percebe-se a orientação dos minerais, micas. Nota-se também ligeiras dobras)

A xistosidade S1 apresenta-se paralela a sub-paralela ao acamamento sedimentar


So, observada principalmente em quartzitos grossos, que desenham as grandes
serras da região, devido a melhor preservação do registro das deformações em
rochas com comportamento competente. S1 está caracterizada pela orientação de
minerais planares com mica branca e/ou biotita, e minerais opacos principalmente.

Lineação de crenulação:

(Lineaçao de crenulaçao – linhas aproximadamente perpendiculares à caneta)


CLIVAGEM:

O termo clivagem é alusivo as foliações secundárias presentes em rochas


finas, nas quais a observação a olho nu dos grãos minerais (principalmente micas).
Existem dois tipos principais de clivagens. Aquelas que se repetem
sistematicamente desde a escala de afloramento até a de lâmina delgada, e as
mais discretas, muitas vezes identificadas apenas ao microscópio.

• Clivagem de crenulação:
Normalmente corta uma clivagem continua pré-existente, preservada no interior de
microlintons. É mais notável quando afeta uma xistosidade ou uma estrutura
filítosa (foliação de filitos. Itermediária entre a clivagem ardosiana e a xistosidade).
Em rochas que contém clivagens de crenulação a foliação preexistente é
normalmente afetada por microdobras.

(Clivagem crenulação – percebe-se os planos de clivagem, a dobra deformou uma xistosidade)

Seixos:
(Seixos, bandas/camadas de conglomerados-quartzitos, ou seja, há um vestígio da rocha original
sedimentar, contrapondo-se com bandas de quartzito).

(Perfil E-W: Dobramento devido a esforços laterais, compressão. Analisado e desenhado em Croqui
abaixo).
Perfil E-W _ Nota-se: A foliação da rocha: xistosidade, uma compressão E-W a qual resulta-se em
dobras. Também é observado a lineação mineral, lineação de crenulação e clivagem de crenulação.

3° EXERCICIO: Com o auxilio da bússola, meça a lineação mineral, lineação de


crenulação e clivagem de crenulação.

-Lineação de crenulação: 50, 9 SW.

-Clivagem crenulação: 110, 55 SW.


Lineaçao mineral

Lineaçao de crenulaçao

Clivagem de crenulaçao:

Seixos, bandas/camadas de conglomerados-quartzitos

Você também pode gostar