Você está na página 1de 30
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE ICSA89 – TERAPÊUTICA I Daniela Fonseca
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE ICSA89 – TERAPÊUTICA I
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE
ICSA89 – TERAPÊUTICA I
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE ICSA89 – TERAPÊUTICA I Daniela Fonseca Tayná
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE ICSA89 – TERAPÊUTICA I Daniela Fonseca Tayná

Daniela Fonseca Tayná Barreto

Vírus
Vírus

Agente infeccioso que contém DNA ou RNA como genoma

Não possuem organelas ou bateria enzimática próprias

Necessitam

de células vivas

Parasitas a nível

genético

Efeitos

citopáticos

Lesão

cromossômica

Invasão e

possessão de maquinário de auto-reprodução

genético Efeitos citopáticos Lesão cromossômica Invasão e possessão de maquinário de auto-reprodução

Medidas de controle de microrganismos incluem o emprego de nosso conhecimento sobre:

 

Cultivo em meio artificial

Divisão por fissão binária

Presença

 

Presença de ácido murâmico

 

conjunta

Presença de

Sensibilidade

de DNA e

ribossomos

a antibióticos

RNA

Bactéria

Sim

Sim

Sim

Sim

Sim

Sim

Micoplasma

Sim

Sim

Sim

Sim

Não

Sim

Ricketsia

Não

Sim

Sim

Sim

Sim

Sim

Clamidia

Não

Sim

Sim

Sim

Não

Sim

Virus

Não

Não

Não

Não *

Não

Não

* A família dos arenavírus (uma família de virus de RNA) aparentemente empacota ribossomos 'acidentalmente'. Os ribossomos empacotados aparentemente não têm papel na síntese de proteínas virais.

Classificação dos vírus

Classificação dos vírus

Classificação de Baltimore

Classe I - DNA de fita dupla - Ex: Adenovírus, Herpesvírus e Poxvírus (resfriados/conjutivites, herpes e varíola)

Classe II - DNA de fita simples positiva - Ex: Parvovírus (eritema infeccioso)

Classe III - RNA de fita dupla - Ex: Reovírus, Birnavírus (tendinites e bursites)

Classe IV - RNA de fita simples positiva - Ex: Picornavírus e Togavírus (resfriado

e rubéola)

Classe V - RNA de fita simples negativa - Ex: Orthomixovírus e Rhabdovírus (gripe e raiva)

Classe VI - RNA de fita simples positiva, com DNA intermediário no ciclo

biológico do vírus - Ex: Retrovírus (HIV)

Classe VII - DNA de fita dupla com RNA intermediário - Ex. HepadnavÌrus (Hepatite B)

Mecanismos de Ação de Antivirais

INIBIÇÃO:

Mecanismos de Ação de Antivirais • INIBIÇÃO: • Ligação do vírus ao receptor da célula; •

Ligação do vírus ao receptor da célula;

Penetração do vírus e no desnudamento viral;

Enzimas associadas ao vírus (DNApolimerase);

Processo de transcrição/tradução;

Proteínas reguladoras;

Glicolisação, fosforilação

Compactação de proteínas virais;

Liberação do vírus da membrana superficial.

Amantadina

Aciclovir• Compactação de proteínas virais; • Liberação do vírus da membrana superficial. Amantadina Metizona ;

Metizona

Compactação de proteínas virais; • Liberação do vírus da membrana superficial. Amantadina Aciclovir Metizona ;

;

Mecanismos de Ação de Antivirais

Mecanismos de Ação de Antivirais

Herpes Genital

Doença infectocontagiosa sujeita a recidivas, tendo como agentes

etiológicos duas cepas diferentes do

vírus herpes simples (HSV), o tipo 1 (HSV-1) e o tipo 2 (HSV-2).

Primoinfecção Latência Recidivas
Primoinfecção
Latência
Recidivas
diferentes do vírus herpes simples (HSV), o tipo 1 (HSV-1) e o tipo 2 (HSV-2). Primoinfecção
Herpes Genital • Doença infectocontagiosa sujeita a recidivas, tendo como agentes etiológicos duas cepas diferentes

Herpes Genital

Doença infectocontagiosa sujeita a recidivas, tendo como agentes

etiológicos duas cepas diferentes do

Sempre acompanhada da destruição irreversível da célula hospedeira infectada

vírus herpes simples (HSV), o tipo 1

(HSV-1) e o tipo 2 (HSV-2).

Primoinfecção Latência Recidivas
Primoinfecção
Latência
Recidivas

Herpes Genital

Incubação : 1 a 26 dias após o contágio, média de 7 dias.

A infecção e a reativação podem ser tipicamente assintomáticas.

Está associado a um risco duas a três vezes maior de aquisição do HIV.

a um risco duas a três vezes maior de aquisição do HIV. Iniciação sexual precoce Fatores

Iniciação sexual precoce

Fatores de risco
Fatores de
risco

História prévia de DST

Abortos

Multiplicidade de parceiros

do HIV. Iniciação sexual precoce Fatores de risco História prévia de DST Abortos Multiplicidade de parceiros
• Febre, cefaléia Primoinfecção • Mialgia, adnamia Herpes Genital • Eritema papulo- vesicular, ulcerativo,
• Febre, cefaléia
Primoinfecção
• Mialgia, adnamia
Herpes Genital
• Eritema papulo-
vesicular, ulcerativo,
Lesões
doloroso
• adenopatia
regional, disúria
• Pródromo:
Recidiva
neuralgia
sacral

Antivirais no Tratamento da Herpes Genital

Antivirais no Tratamento da Herpes Genital • Curar a Herpes • Diminuir o tempo da doença,

Curar a Herpes

Diminuir o tempo da doença, prevenir erupções -> diminuir a chance de contágio para o parceiro sexual.

diminuir a chance de contágio para o parceiro sexual. • Diminui a taxa de replicação viral

Diminui a taxa de replicação viral

Aciclovir

Famciclovir

Valaciclovir

Antivirais no Tratamento da Herpes Genital

Aciclovir

Inibidor seletivo da replicação do HSV

ACV
ACV
Incorporada ao Trifosfato ACV DNA viral (DNA polimerase)
Incorporada ao
Trifosfato ACV
DNA viral (DNA
polimerase)
Interrompe a replicação
Interrompe a
replicação

Antivirais no Tratamento da Herpes Genital

Aciclovir Efeitos colaterais

Exantema

Alterações gastrointestinais

Cefaleia

Psicose

Coma (na apresentação endovenosa)

Antivirais no Tratamento da Herpes Genital

Aciclovir Efeitos colaterais

CUIDADO COM PACIENTES COM INSUFICIENCIA

RENAL!

Exantema

Alterações gastrointestinais

Cefaleia

Psicose

Coma (na apresentação endovenosa)

Antivirais no Tratamento da Herpes Genital

Velaciclovir

Convertido em ACV

Maior biodisponibilidade

Famciclovir

Convertido em panciclovir

Não seletivo -> potencial oncogênico

Esquema de Tratamento

Primoinfecção

Terapia oral iniciada em até 72h

Duração entre 7 e 10 dias

Antivirais tópicos: eficácia duvidosa

Herpes Recorrente

Terapia de supressão crônica Terapia episódica

Não intervenção

Resistência ao antiviral

0,18% a 0,32% de resistência ao Aciclovir na Herpes

Geralmente sem repercussão clínica em imunocompetentes

Mecanismos Alteração da Alteração da DNA Redução da enzima tividade da TK, timidina quinase (TK)
Mecanismos
Alteração da
Alteração da DNA
Redução da enzima
tividade da TK,
timidina quinase
(TK)
resulta em  da
fosforilação do
polimerase viral, 
da afinidade do TP-
aciclovir
aciclovir

Resistência ao antiviral

0,18% a 0,32% de resistência ao Aciclovir na Herpes

Geralmente sem repercussão clínica em imunocompetentes

O foscarnet (ácido fosfonofórmico trissódico) é a alternativa terapêutica.

Mecanismos Alteração da Alteração da DNA Redução da enzima tividade da TK, timidina quinase (TK)
Mecanismos
Alteração da
Alteração da DNA
Redução da enzima
tividade da TK,
timidina quinase
(TK)
resulta em  da
fosforilação do
polimerase viral, 
da afinidade do TP-
aciclovir
aciclovir

Outras medicações

Devido às suas propriedades, o fitoterápico Uncaria tomentosa tem sido indicado, em apresentação de gel
Devido às suas propriedades, o
fitoterápico Uncaria tomentosa tem
sido indicado, em apresentação de gel
com 50 mg/g aplicado topicamente
nas lesões herpéticas, três vezes ao
dia

Outras medicações

ACONSELHAMENTO Devido às suas propriedades, E EDUCAÇÃO! o fitoterápico Uncaria tomentosa tem sido indicado, em
ACONSELHAMENTO Devido às suas propriedades, E EDUCAÇÃO! o
fitoterápico Uncaria tomentosa tem
sido indicado, em apresentação de gel
com 50 mg/g aplicado topicamente
nas lesões herpéticas, três vezes ao
dia

Vacina para Herpes Genital

National Institutes of Health (EUA)

Terceira fase de testes

HSV tipo 2

Apenas eficiente em mulheres* que nunca foram expostas ao HSV tipo 1

48% de eficácia contra a contaminação com Herpes tipo 2

78% de eficácia contra a infecção por Herpes tipo 2 com sintomas

Caso Clínico

ID:

EPF,

sexo

feminino,

28

anos,

parda,

natural

de

Camaçari-BA,

procedente de Salvador-BA, casada, operadora de caixa, católica, ensino

médio completo.

MC: Paciente comparece na unidade de saúde do CCVP para realização de consulta do pré-natal, encontra-se com 38 semanas e 4 dias de gestação.

HMA: A paciente traz a queixa de que há pouco mais de uma semana estava sentindo muita dor na região lombar que irradiava para a região interior das coxas, fez uso de dipirona 500mg, com pouca melhora. Há 2 dias tem sentido dor na região da virilha, não consegue visualizar a área por causa da globosidade do abdome.

AP: Paciente refere histórico de lesões vesiculares dolorosas na região genital, com diagnóstico de Herpes Genital há 2 anos.

Caso Clínico

BEGN, eupneica, afebril, anictérica

PA: 126x80 mmHg

Peso: 73,300 kg

Pescoço: ausência de linfonodos palpáveis, tireoide tópica, fibroelastica,

indolor à palpação, ausência de nodulações.

FR: 17ipm

PR: 87bpm = FC

Altura: 1,63

IMC: 27,6kg/m²

ACV: BRNF 2T, sem sopros

AR: Expansibilidade preservada, FTV presentes e bem distribuídos, som claro

pulmonar à percussão, MV bem distribuídos e sem RA.

Caso Clínico

Mamas: bem desenvolvidas, indolor à palpação, ausência de secreção à expressão, ausência de abaulamentos, massas e lesões.

Abdome: globoso, maciço à percussão (gestante)

Ginecológico: Presença de eritema com pápulas e vesículas em grandes lábios. Exame ginecológico prejudicado pelas queixas álgicas da paciente.

Ext: bem perfundidas, presença de pulsos periféricos simétricos, ausência de lesões e edema.

Caso Clínico

Mamas: bem desenvolvidas, Herpes indolor Genital à palpação, na Gestação ausência de secreção à expressão, ausência de abaulamentos, massas e lesões.

Abdome: globoso, maciço à Diagnóstico percussão (gestante) clínico

TRATAMENTO: Ginecológico: lábios. Exame aciclovir ginecológico Presença 400 mg de 3 vezes eritema prejudicado ao com dia ou pelas pápulas valaciclovir queixas e vesículas álgicas 1 g duas em da vezes grandes paciente. ao dia por 7 a 10

dias

Ext: bem perfundidas, presença de pulsos periféricos simétricos, ausência de

Orientações educativas

lesões e edema.

OBRIGADA!

Referências

Moroni, Rafael Mendes; Tristão, Edson Gomes; Urbanetz, Almir Antonio. Infecção por vírus herpes simples na gestação: aspectos epidemiológicos, diagnósticos e

profiláticos. jul. 2011.

Stephens, Paulo Roberto Soares; et al. Conceitos e MÈtodos para a FormaÁ„o de Profissionais em LaboratÛrios de Sa˙de. Capítulo 2 Virologia. Fiorcruz .

Penello, Angelo M; et al. Herpes Genital. Revisão. Jornal Brasileiro de DST, 2010.

Farmacologia. Silva, Penildon. Editora Guanabara Koogan, 7 a edição, 2010.