LEITURA E ANÁLISE DE TEXTOS

Márcia Siqueira de Carvalho (DEGEO/CCE/FUEL)

A análise de texto significa estudar, decompor, dissecar e dividir para interpretá-lo. Cada
parte do texto deve ser analisado, buscando-se os elementos chaves do autor e a relação
entre as partes constituintes. A decomposição dos elementos essenciais e a sua classificação
nos leva até a idéia-chave, que é o conjunto de idéias mais precisas.
O objetivo da análise do texto é: aprender a ler, a ver, a escolher o mais importante dentro
do texto e familiarizar-se com os termos técnicos, idéias, etc.; hierarquizar o conteúdo do
texto; perceber que as idéias se relacionam e, identificar as conclusões e as bases que as
sustentam.
Partes da análise do texto:
a) dos elementos constituintes básicos,
b) das relações entre esses elementos,
c) da estrutura do texto.
Tipos de análise do texto:
TEXTUAL: breve explicação do professor com a primeira leitura pelo aluno. Sucessivas
leituras permitirão a identificação de palavras e parágrafos chaves. O significado das
palavras desconhecidas, assim como termos técnicos são procurados no dicionário.
TEMÁTICA: é individual. Permite maior compreensão do texto, a associação de idéias do
autor com as preexistentes no conhecimento do estudante. Avaliação da coerência interna
do texto. Elaboração do resumo para discussão em sala de aula.
PROBLEMATIZAÇÃO: Atividade em grupo. As questões implícitas e explícitas no texto são
levantadas e debatidas.
CONCLUSÃO PESSOAL: Individual. Reelaboração do que foi entendido do texto, resultando
num resumo próprio que também uma crítica e reflexão pessoal.
A leitura do texto deve incluir várias leituras:

Primeira: serve para organizar o texto na mente do aluno.

Segunda: Sublinhar as idéias principais e as palavras-chaves (COM DOIS GRIFOS).

Os trechos mais importantes da idéia desenvolvida são assinalados no texto com uma linha
vertical na margem. O que consideramos passível de crítica, objeto de reparo ou

Mais recentemente. Neopositivistas. biológicos e humanos na superfície da Terra e. autoritários. Sociologia. ESQUEMA: 1. com o auxílio de dicionários. Etnologia. Trabalhamos então com a hierarquização das palavras-chaves. História. 1. 1. analisar . Sociedade. e serve para fixar e expor o assunto. Objeto da Geografia. Geografia Crítica ou Radical. Ciência. A elaboração de um resumo envolve um sentido mais completo entre os parágrafos. Espaço vital. Conhecimento geográfico. Ciência da Sociedade: uma introdução “a análise do pensamento geográfico. Geografia Humana. Natureza. indicam mais do que um tópico mas são condensados para a apresentação. Mineralogia. aos moldes da divisão positivista da ciência. São Paulo. EXEMPLO DE RESUMO: "Parte do conhecimento geográfico foi organizado a partir do século XIX em ciência geográfica. Geografia. frases e parágrafos importantes.1 O que é Geografia. Ramos do Conhecimento e especializações da Geografia. Naquele momento. Manoel Correia de. Oceanografia.11-19”. Interdisciplinaridade. fixar e integrar aquilo que se está estudando. Geografia Física. Astronomia. a Geografia limitou-se a descrever a superfície da Terra e prestou serviços ao expansionismo colonial. 1. Economia Política. Luta de Classes. EXEMPLO DE ESQUEMA E RESUMO: ANDRADE. ela . Atlas. Geografia dos exploradores. relacionar. Matemática Regional. Ciência Social.3 A unidade e a diversidade em Geografia. por vezes.insustentável dentro do raciocínio desenvolvido. adotou técnicas quantitativas (matemáticas e estatísticas) e serviu a governos. Ed. Psicologia. O resumo facilita o trabalho de captar. Ratzel. destacamos com um ponto de interrogação(?). Positivistas. Antropologia. Reclus. torna-se mais fácil à elaboração de um esquema. A elaboração de um ESQUEMA: Após várias leituras. Diversidade. Meteorologia. inclusive numa prova. 1. Especialização. ligando as idéias sucessivas dos raciocínios desenvolvido pelo autor. No século XX passou a significar a ciência que estudava a distribuição dos fenômenos físicos. A Geografia como ciência. Geologia. p. vulgar e das universidades.Assuntos ou palavras-chaves distintas no texto (assuntos secundários) podem ser grifados com cores diferentes. Pedologia. Técnicas Cartográficas e Estatísticas.2 A Geografia e o problema da interdisciplinaridade. Hidrologia. 1987. posteriormente. Formação econômica-social.4 O caráter social da ciência geográfica PALAVRAS-CHAVES: Geografia.

Meteorologia. podendo esta ciência auxiliar nas formas dessa relação". 43). Geologia. após a escolha do tema. M. (CARVALHO.  elaboração do plano de trabalho. As fichas devem conter cabeçalho. S. Economia Política. Biogeografia e a Geografia Política a se transformarem em ciências autônomas. Hidrologia. uma das primeiras atividades a ser realizada. e a da Geografia Humana e Geografia Física. O aumento do conhecimento da ciência geográfica e a tendência à subdivisão levaram às especializações.  compilação.  redação. à quebra da unidade da Geografia. A análise da ação da sociedade no espaço requer conhecimento das seguintes áreas: Sociologia. Pedologia. Astronomia e Oceanografia. . é reverter esta divisão. A preocupação dos geógrafos. atualmente. As especializações do conhecimento geográfico e a tendência que vem ocorrendo estão levando a Geomorfologia. Mineralogia. Psicologia.  localização. a PESQUISA BIBLIOGRÁFICA compreende oito fases distintas:  escolha do tema.busca estudar as relações existentes entre a Sociedade e a Natureza. Antropologia. Etnologia. a Hidrografia. e como conseqüência. O autor concebe a Geografia como uma ciência social por esta estudar a relação entre a Sociedade e a Natureza na construção do espaço. referência bibliográfica e o texto em si. Ao iniciarmos uma pesquisa.. p.  fichamento. utilizando categorias dialéticas e marxistas. De acordo com LAKATOS & MARCONI (1990. através da explicação da organização espacial das formações econômicas-sociais (Sociedade e Natureza).  análise e interpretação. é a pesquisa bibliográfica e a elaboração de fichas e resumos.) (Observe quantas palavras-chaves foram utilizadas!) FICHAMENTO E RESUMOS.  identificação. Climatologia.

Ele é uma interpretação que o leitor faz da obra e. de maneira enxuta. Muitos professores confundem o fichamento com resumos e análises de textos. plágio e é crime. No cabeçalho deve constar o tema de interesses da pesquisa. RESUMOS. da Academia Francesa de Ciências no século XVII e atualmente você pode escolher entre vários tipos de fichas de tamanhos diferentes. ao compreendermos as idéias descritas já identificamos as diferentes partes que o compõem. p. Na primeira leitura fazemos um esboço. eu tenho de fazer também a referência bibliográfica. antes da bibliografia). Segundo LAKATOS & MARCONI (1990. Em alguns editores de texto há até o estilo de citação. NÃO SE ESQUEÇA: Se você quiser reproduzir um trecho do texto analisado.O fichamento NÃO É:  um sumário ou índice do livro ou texto. Na segunda leitura devemos responder a seguinte pergunta: De que trata o texto? Qual é a sua idéia central? Na terceira leitura identificamos as partes principais do texto. apresenta mais informações do que a ficha bibliográfica. é considerado fraude. passando aos alunos uma idéia equivocada. A Bibliografia sempre deve constar num trabalho.  uma transcrição de parte ou do texto. várias leituras são necessárias para a elaboração do RESUMO. O sistema de fichamentos foi criado pelo Abade Rozier. por isso. Aplicando a técnica de análise de texto. Ele é redação sucinta das idéias do texto. pois é muito difícil se fazer um trabalho de pesquisa sem ter consultado artigos e livros escritos por autores. "copiar" um texto de outro autor e não dizer que é uma citação. demonstra que você pesquisou e fez um bom trabalho. deve colocá-lo entre aspas (") seguidas das informações da obra citada: ano e página. porém.67). redigida com suas próprias palavras. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA E BIBLIOGRAFIA: A referência bibliográfica é a identificação do texto analisado de acordo com as normas da ABNT (podendo vir como o conhecido pé de página ou no final do texto. Mas atenção. Na Biblioteca Central da UEL existe pessoal especializado para orientação no setor de Referência. Ao se fazer um resumo buscamos apresentar.  Ele. Se eu cito algum autor no meu texto. A Referência Bibliográfica é diferente da Bibliografia. identificamos as palavras-chaves e os parágrafos chaves. . Pelo contrário. destacando os elementos de maior importância o que o autor escreveu no texto. Nada desmerece o seu trabalho se você citar alguém. tentado perceber o plano geral da obra e o seu desenvolvimento.

Glossário: Palavras Chaves: Definem o(s) tema(s) do artigo. entra-se com o nome da cidade onde foi feita a publicação. 2ª ed. Não é obrigatório. Continuando. Quando é um artigo num boletim ou num livro. Ano da publicação.BIBLIOGRAFIA: Este exemplo é de como eu disponho corretamente a bibliografia que usei para fazer este meu texto. nome e outros autores. a ordem é diferente. um livro de duas autoras. Pode-se usar até 5. É bom ter a seguinte ordem quando é um livro: SOBRENOME do Autor. . Nome da Editora. 1990. Marina de Andrade. mas pode-se acrescentar o número total de páginas do livro. Número da edição. LAKATOS. no caso. Dê dois espaços e entre com a edição no caso de não ser a 1ª. Eva Maria & MARCONI. Fundamentos de Metodologia Científica. É muito útil quando se quer pedir o xerox de material esgotado através do COMUT (procure saber o que é na Biblioteca de sua cidade ou Universidade). São Paulo: Atlas. Segue o título do livro em destaque (negrito ou sublinhado).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful