Você está na página 1de 47

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Português p/ Polícia Federal (teoria e questões comentadas)

Aula 10 (Provas comentadas)

Olá, pessoal!

Agora, é hora de aplicarmos tudo o que vimos.

Procure realizar as questões DENTRO DO TEMPO estipulado para cada

prova.

Isso vai lhe dar uma noção se seu tempo de resolução está bom ou não. Evite perder tempo em questão de difícil resolução ou duvidosa. Pule para a próxima. Depois de ter chegado ao final da prova, volte e resolva, se der tempo.

Lembre-se: não passa no concurso aquele que sabe mais, mas aquele que sabe e tem boa estratégia de prova.

Às vezes saber muito uma matéria faz o candidato não se permitir pular

a questão, tentando de qualquer forma resolvê-la. Assim, ele pode até ganhar aquela questão, mas o tempo perdido nela tirou dele a vantagem de resolver as outras com tranquilidade.

Faça do fator tempo um aliado, um amigo!

Pratique isso agora!!!

Para que se tire melhor proveito da aula, recomenda-se que o aluno veja

o quadro característico de cada prova na primeira parte da aula, atentando-se

ao tteemmppoo ddee rreessoolluuççããoo da prova de língua portuguesa, realize as provas na segunda parte (só provas sem comentário), cumprindo rigorosamente o

os

comentários.

tempo

determinado

e

depois

volte

à

primeira

parte

observando

Boa prova!!!

Prova 1 – ABIN 2008 – superior

Quantidade geral de questões: 150 Quantidade de questões de Língua Portuguesa: 25 Redação? Sim Tempo total da prova: 300 minutos Tempo estimado para redação: 70 minutos Tempo para cartão de resposta: 20 minutos Tempo médio por questão: 1 minuto e 24 segundos

Tempo Língua Portuguesa:

3355 mmiinnuuttooss

minutos Tempo médio por questão: 1 minuto e 24 segundos Tempo Língua Portuguesa: 3 3 5

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Prova 1

Agência Brasileira de Inteligência / 2008 / nível superior

1

Assistimos à dissolução dos discursos homogeneizantes e totalizantes da ciência e da cultura. Não existe narração ou gênero do discurso capaz de dar um traçado único, um horizonte de sentido unitário da experiência da vida, da cultura, da ciência ou da subjetividade. Há

5

histórias, no plural; o mundo tornou-se intensamente complexo e as respostas não são diretas nem estáveis. Mesmo que não possamos olhar de um curso único para a história, os projetos humanos têm um assentamento inicial que já permite abrir o presente para a construção de futuros possíveis. Tornar-se um ser humano consiste em participar de

10

processos sociais compartilhados, nos quais emergem significados, sentidos, coordenações e conflitos. A complexidade dos problemas desarticula-se e, precisamente por essa razão, torna-se necessária uma reordenação intelectual que nos habilite a pensar a complexidade.

Dora Fried Schnitman. Introdução: ciência, cultura e subjetividade. In: Dora Fried Schnitman (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade, p. 17 (com adaptações).

Julgue os seguintes itens, a respeito da organização das ideias no texto acima.

1.Subentende-se da argumentação do texto que a sistematização dos gêneros do discurso ainda é insuficiente para explicar satisfatoriamente o complexo sentido da cultura e da ciência na formação dos sujeitos.

Comentário: É importante entender a estrutura do texto, para responder a esta questão. Na tese (primeiro período), diz-se que estamos assistindo à dissolução dos discursos homogeneizantes e totalizantes da ciência e da cultura. Já que houve a dissolução, então, segundo o texto, ocorreu uma mudança desse pensamento. Assim, hoje não há mais um traçado único, um discurso ou um pensamento doutrinário que regule ou limite o ser humano; pois há vida no plural, pensamentos diversos na cultura, na ciência, na vida. Atente ao segundo período quando se diz que “Não existe narração ou gênero do discurso capaz de dar um traçado único”, quer dizer, capaz de monopolizar o pensamento e a ideologia da sociedade atual. Agora, vejamos a questão 1. Ela afirma que “a sistematização dos gêneros do discurso ainda é insuficiente para explicar satisfatoriamente o complexo sentido da cultura e da ciência na formação dos sujeitos. O vocábulo “ainda” faz-nos inferir que antes era insuficiente e agora continua. Mas, de acordo com o contexto, entendemos que o discurso passou a ser insuficiente para explicar satisfatoriamente esse complexo sentido da cultura e da ciência na formação dos sujeitos. Por isso, a afirmação está errada.

Gabarito: E

2.O emprego do sinal indicativo de crase em “à dissolução” (. 1) deve-se à dupla possibilidade de relações sintático-semânticas para o verbo assistir.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Comentário: O sinal indicativo de crase ocorreu por haver preposição “a”, exigida pelo verbo “Assistimos” e artigo “a”, admitido pelo substantivo “dissolução”. Quando a banca usou a expressão “dupla possibilidade de relações sintático-semânticas”, gerou dúvida ao candidato, o que tornou a questão anulada. Esse verbo realmente tem dupla possibilidade de regência (sintático), já que pode ser transitivo direto ou transitivo indireto. Com a mudança da regência, muda-se também o sentido (semântica). Mas não é isso que gera a preposição, isso não é a causa, como afirmou a questão. Por isso a banca achou por bem anulá-la.

Gabarito: Anulada

3.A relação que a oração iniciada por “e as respostas” (. 5,6) mantém com a anterior mostra que a função da conjunção “e” corresponde à função de por isso.

Comentário: A banca queria que o candidato percebesse que a oração coordenada “e as respostas não são diretas nem estáveis” pode ser interpretada como conclusão. Lembre-se do que foi visto na aula de sintaxe do período composto por coordenação. As orações conclusivas são o resultado natural de uma ação ou ocorrência da inicial, muitas vezes ela é entendida como consequência, só não podemos afirmar isso pelo uso das conjunções, pois as consecutivas possuem conjunções próprias. A conjunção “e”, neste contexto, além de adicionar, traz ideia de resultado, consequência: tendo em vista o mundo tornar-se intensamente complexo, as respostas não são diretas nem estáveis. Assim, contextualmente, a conjunção “e” pode ser substituída por por isso. Compare:

o

mundo tornou-se intensamente complexo e as respostas não são diretas

nem estáveis.

o

mundo tornou-se intensamente complexo por isso as respostas não são

diretas nem estáveis.

Gabarito: C

4. Preservam-se as relações entre os argumentos do texto caso se empregue, em lugar de “que não possamos” (. 6), uma oração correspondente com o gerúndio: não podendo.

Comentário: As orações subordinadas adverbiais concessivas naturalmente podem ser reduzidas de gerúndio ou infinitivo, mas o candidato deveria ficar atento quanto ao sujeito elíptico desta oração. Quando a oração é reduzida de gerúndio ou particípio, essas formas nominais não se flexionam em pessoa; por isso, dependendo de quem seja o sujeito, poderá haver ambiguidade e prejuízo da coerência no texto. Veja:

Mesmo que não possamos olhar de um curso único para a história, os projetos humanos têm um assentamento inicial que já permite abrir o presente para a construção de futuros possíveis.

O sujeito de “possamos olhar” é oculto “nós” e o sujeito de “têm” é “os projetos humanos”.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Mesmo não podendo olhar de um curso único para a história, os projetos humanos têm um assentamento inicial que já permite abrir o presente para a construção de futuros possíveis.

Agora, o sujeito de “podendo olhar” é elíptico, isto é, remete-se, no contexto, a “projetos humanos”, e isso traz prejuízo para o texto.

Gabarito: E

5.Preservam-se as relações argumentativas, a noção de pluralidade e a correção gramatical da oração ao se empregar a expressão cada projeto humano em lugar de “os projetos humanos” (. 7).

Comentário: Semanticamente e de acordo com o contexto, a expressão “os projetos humanos” tem similaridade com cada projeto humano; porém, como aquela expressão é sujeito do verbo “têm”, que se encontra no plural, não se pode substituir uma pela outra, pois, com isso, o verbo deveria se flexionar no singular. Compare:

os projetos humanos têm um assentamento inicial cada projeto humano tem um assentamento inicial

Gabarito: E

6.

Na

linha 9,

a

flexão de

singular na forma verbal “consiste” deve-se à

obrigatoriedade da concordância do verbo com o sujeito da oração: “ser

humano”.

Comentário: O verbo “consiste” encontra-se no singular, porque seu sujeito é a oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo (“Tornar- se um ser humano”). Veja:

Tornar-se um ser humano consiste em participar de processos sociais

compartilhados (Isso consiste em participar de processos sociais compartilhados)

Gabarito: E

7. O uso da preposição em, no termo “nos quais” (. 10), indica que a expressão nominal “processos sociais compartilhados” (. 10) está empregada como a circunstância de lugar da emergência dos “significados” (. 10), não como o agente de sua origem.

Comentário: A preposição “em” transmite valor de lugar estático. Ela se juntou a “os quais” para ambos serem o adjunto adverbial de lugar da oração subordinada adjetiva que iniciou. Veja:

Tornar-se um ser humano consiste em participar de processos sociais compartilhados, nos quais emergem significados, sentidos, coordenações e conflitos.

emergem significados, sentidos, coordenações e conflitos. sujeito composto adjunto adverbial de lugar verbo i n t

sujeito composto

adjunto adverbial

de lugar

verbo

intransitivo

Podemos, então, entender que “significados, sentidos, coordenações e conflitos” emergem nos processos sociais compartilhados. Na afirmativa da questão, foi utilizado o substantivo abstrato “emergência”. Isso poderia causar dúvida, mas veja que ele não está no sentido de “urgência”, mas como derivação daquilo que ocorre, resulta,

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

emerge. Portanto, está correta a afirmação da questão: “processos sociais compartilhados” é a circunstância de lugar (adjunto adverbial de lugar) da emergência dos significados (os significados emergem). Veja ainda que, na afirmativa da questão, foi dito que “processos sociais compartilhadosnão foram usados como agentes de sua origem. Elas apenas foram empregadas como circunstância de lugar. Isso tem relação direta com o termo “nos quais”. Ele é o adjunto adverbial. O termo agente de uma oração é o sujeito agente ou agente da passiva. Isso ratifica que a questão está corretíssima.

Gabarito: C

8.

em

“desarticula-se” e “torna-se”, marcam a impessoalidade da linguagem empregada no texto por meio da indeterminação do sujeito.

No

segundo

parágrafo,

as

duas

ocorrências

do

pronome

se,

Comentário: O uso do pronome “se” realmente ajuda na marca da impessoalidade, pois deixa o verbo em terceira pessoa. Mas a banca afirmou que o “se”, nos dois casos, indeterminou o sujeito. Isso está equivocado, pois é clara a determinação do sujeito desses dois verbos. “A complexidade dos problemas” é sujeito de “desarticula-se”, e “uma reordenação intelectual” é sujeito de “torna-se”. Assim, não há índice de indeterminação de sujeito, mas pronome apassivador e parte integrante do verbo, respectivamente. No primeiro caso, o verbo “desarticula” é transitivo direto e recebeu o pronome apassivador. Para se ter certeza, basta trocar a voz passiva sintética pela analítica: A complexidade dos problemas foi desarticulada. No segundo caso, o verbo “tornar” normalmente é intransitivo; mas, quando recebe o “se” ou os outros pronomes oblíquos átonos “me, te, nos, vos”, passa a ser verbo de ligação. Esses pronomes passam a ter valor de parte integrante do verbo.

Gabarito: E

1

Uma vez pesquisado, determinado assunto agrega novos elementos ao pensamento de seu observador e, portanto, modifica-o. Mudado seu modo de pensar, o pesquisador já não concebe aquele tema da mesma forma e, assim, já não é capaz de estabelecer uma relação exatamente

5

igual à do experimento original. Não se podendo repetir a relação sujeito- objeto, é forçoso afirmar que seria impossível a reprodução exata de qualquer situação de pesquisa, o que ressalta a importância da descrição do fenômeno e o caráter vivo dos postulados teóricos. Em uma visão fenomenológica, os chamados estados da mente perante a verdade podem

10

ser descritos como o tipo de experiência vivida pelo analista de inteligência no contato com o fenômeno acompanhado. Assim sendo, os fatos analisados não podem ser dissociados daquele que produz o conhecimento. Quando a mente se posiciona perante a verdade, o que de fato ocorre é um processo ativo de auto-regulação entre uma pessoa, seus conhecimentos preexistentes (a priori) e um novo fato que se apresenta.

Guilherme Augusto Rosito. Abordagem fenomenológica e metodologia de produção de conhecimentos. In: Revista Brasileira de Inteligência. Brasília: ABIN, v. 2, n.º 3, set./2008 (com adaptações).

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Com referência ao texto acima, julgue os itens subsequentes.

9. O desenvolvimento da argumentação do texto mostra que o pronome em “modifica-o” (. 2) toma como referente a expressão “determinado assunto” (. 1).

Comentário: O pronome oblíquo átono “o” retoma “pensamento”, pois ele é modificado por determinado assunto agregado a novos elementos. Veja:

Uma vez pesquisado, determinado assunto agrega novos elementos ao pensamento de seu observador e, portanto, modifica-o.

Gabarito: E

10. Em “à do experimento” (. 5), o sinal indicativo de crase está empregado de forma semelhante ao emprego desse sinal em expressões como à moda, às vezes, em que o uso do sinal é fixo.

Comentário: Em nossas aulas, vimos a ocorrência de crase em locuções adverbiais, com base na sua própria estrutura interna (preposição + nome). É disso que a banca CESPE fala nesta questão ao se referir às locuções adverbiais “à moda”, “às vezes”, como uso fixo do sinal indicativo de crase. Porém, não é isso que ocorreu com a expressão “à do experimento”. Neste caso, a preposição “a” não faz parte da estrutura interna, ela foi exigida pelo adjetivo “igual”, e o artigo “a” marcou que o substantivo “relação” está subentendido; por isso há crase. Portanto, as razões do acento indicativo de crase nos casos referenciados são diferentes.

Gabarito: E

11. No desenvolvimento da argumentação, a oração “Não se podendo repetir

a relação sujeito-objeto” (. 5,6) expressa a causa que desencadeia as ideias

do trecho “é forçoso afirmar (

)

pesquisa” (. 6,7).

Comentário: A pergunta é textual, mas depende da compreensão do período composto. Na realidade, pergunta-se
Comentário: A pergunta é textual, mas depende da compreensão do período
composto. Na realidade, pergunta-se qual a circunstância expressa na oração
reduzida de gerúndio “Não se podendo repetir a relação sujeito-objeto”. Ela é
subordinada adverbial causal e sua estrutura principal é a consequência, a
qual é composta da oração principal “é forçoso”, oração subordinada
substantiva subjetiva “afirmar”, oração subordinada substantiva objetiva
direta “que seria impossível a reprodução exata de qualquer situação de
pesquisa”. O contexto permite compreender o desenvolvimento da oração
causal da seguinte forma:
causa
consequência
Já que não se pode repetir a relação sujeito-objeto, é forçoso afirmar que
seria impossível a reprodução exata de qualquer situação de pesquisa
Agora, veja novamente a estrutura original reduzida de gerúndio:
causa
consequência
Não se podendo repetir a relação sujeito-objeto, é forçoso afirmar que seria
impossível a reprodução exata de qualquer situação de pesquisa
Gabarito: C

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

12. Logo após “pesquisa” (. 7), estaria gramaticalmente correto e coerente com o desenvolvimento das ideias do texto o emprego do travessão simples no lugar da vírgula.

Comentário: O pronome demonstrativo “o” é uma espécie significativa de aposto. Ele deve ser precedido por vírgula, para marcar que se refere a todo o enunciado anterior. Mas também pode ser precedido por travessão, da mesma forma como ocorre com o aposto explicativo.

é forçoso afirmar que seria impossível a reprodução exata de qualquer situação de pesquisa, o que ressalta a importância da descrição do fenômeno

e

o caráter vivo dos postulados teóricos.

é forçoso afirmar que seria impossível a reprodução exata de qualquer

situação de pesquisa o que ressalta a importância da descrição do fenômeno

e

o caráter vivo dos postulados teóricos.

Gabarito: C

13. Preservam-se as relações argumentativas e a correção gramatical do texto ao se substituir o trecho “os chamados estados da mente perante a verdade podem ser descritos” (. 9, 10) por podem serem descritos os chamados estados da mente em face à verdade.

Comentário: Na locução verbal “podem ser descritos”, que se encontra na voz passiva, o verbo “ser” não pode se flexionar no plural, apenas o verbo auxiliar e a forma nominal particípio fazem a flexão. Não existe a locução “em face a”. A locução prepositiva correta seria “em face de”, ou “face a”. Portanto, a substituição proposta pela questão está equivocada.

Gabarito: E

14. Subentende-se, pelas relações de sentido que se estabelecem no texto, que “daquele” (. 12) retoma, por coesão, “fenômeno” (. 11), precedido pela preposição de, exigida por “dissociados” (. 12).

Comentário: A preposição “de” realmente é exigida pelo particípio “dissociados”. Porém, o pronome demonstrativo “daquele” retoma por recurso anafórico “fatos”. Naturalmente haveria dúvida, pois “daquele” encontra-se no singular e “fatos”, no plural. Porém a preposição “de” marca a parte de algo, assim se entende que os fatos analisados não podem ser dissociados daquele fato (específico, restrito) que produz o conhecimento. Por isso, está flexionado no singular.

Gabarito: E

1

A hipótese dos campos mórficos, criada pelo inglês Rupert Sheldrake, representa uma salutar sacudida na biologia, com consequências em vários outros ramos da ciência. Nos seres humanos, a ressonância mórfica pode ser uma ferramenta utilíssima para explicar o

5

aprendizado, em especial o de idiomas. Pela teoria, em geral é mais fácil aprender o que outros já aprenderam antes, graças à memória coletiva acessível a todos os indivíduos da mesma espécie. Assim, os campos

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

mórficos podem representar um novo ponto de partida para compreendermos nossa herança cultural e a influência de nossos

10

ancestrais. O próprio biólogo reconhece, porém, que sua concepção tem um espaço em branco a ser preenchido. Se, por um lado, ela ajuda a explicar o modo como os padrões de organização são repetidos, por outro, não explicita como eles se colocam em primeiro lugar. Mas essa lacuna é estratégica, revela Sheldrake: “Isso deixa aberta a questão da criatividade

15

evolucionária.”

Planeta, ago./ 2005 (com adaptações).

No que se refere à organização das ideias no texto acima, julgue os próximos itens.

15. Infere-se da argumentação do texto que Sheldrake, em sua teoria, revoluciona os conceitos da biologia, utilizando-se da própria hipótese de ressonância dos conhecimentos de outros ramos da ciência na própria biologia.

Comentário: No texto, é dito que a “hipótese dos campos mórficos” representa apenas uma sacudida (“salutar sacudida”) na biologia. Revolucionar, como a questão afirma, significa mudar drasticamente concepções, o que torna a questão errada.

Gabarito: E

16. Na articulação dos argumentos do texto, o termo “os indivíduos” (. 7) retoma, por coesão, o mesmo conjunto de seres antes designados como “seres humanos” (. 3).

Comentário: A expressão “todos indivíduos da mesma espécie” não diz respeito somente aos seres humanos, mas a qualquer espécie que possua memória coletiva: os animais irracionais podem fazer parte deste grupo. Por isso, a afirmativa está errada.

Gabarito: E

17. A flexão de primeira pessoa do plural em “compreendermos” (. 9) indica que o sujeito da oração em que esse verbo ocorre é diferente do sujeito da oração anterior.

Comentário: O infinitivo deve se flexionar quando possui sujeito diferente do da oração anterior, para maior clareza, evitando a ambiguidade. O sujeito “nós” está implícito em “compreendermos”, e o sujeito da oração anterior é “os campos mórficos” em relação à locução verbal “podem representar”. Se não houvesse a flexão do infinitivo em primeira pessoa do plural (compreendermos), haveria incoerência neste contexto. Veja:

Assim, os campos mórficos podem representar um novo ponto de partida para compreendermos nossa herança cultural e a influência de nossos ancestrais.

Assim, os campos mórficos podem representar um novo ponto de partida

para

compreender

nossa

herança

cultural

e

a

influência

de

nossos

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

ancestrais.

Perceba que na segunda frase, sem a flexão do infinitivo, haveria incoerência textual, pois se entenderia que os campos mórficos teriam a finalidade de compreender nossa herança.

Gabarito: C

18. A conjunção “Se” (. 11) inicia uma oração que apresenta uma condição para a realização do que se afirma na oração principal.

Comentário: A palavra “se” possui vários valores, dentre eles o de conjunção condicional. Mas, neste contexto, essa palavra transmite ênfase. É o caso das palavras denotativas de valor expletivo. Poder-se-ia retirar esse vocábulo no texto e não haveria incoerência, nem prejuízo gramatical. Veja:

Se, por

um

lado, ela

ajuda a

explicar o modo como os padrões

de

organização são repetidos, por outro, não explicita como eles se colocam em primeiro lugar.

Por um

lado,

ela

ajuda a

explicar o

modo como os padrões de

organização são repetidos, por outro, não explicita como eles se colocam em primeiro lugar.

Gabarito: E

1

Um homem do século XVI ou XVII ficaria espantado com as exigências de identidade civil a que nós nos submetemos com naturalidade. Assim que nossas crianças começam a falar, ensinamos-lhes seu nome, o nome de seus pais e sua idade. Quando arranjarem seu

5

primeiro emprego, junto com sua carteira de trabalho, receberão um número de inscrição que passará a acompanhar seu nome. Um dia chegará em que todos os cidadãos terão seu número de registro: esta é a meta dos serviços de identidade. Nossa personalidade civil já se exprime com maior precisão mediante nossas coordenadas de nascimento do que

10

mediante nosso sobrenome. Este, com o tempo, poderia muito bem não desaparecer, mas ficar reservado à vida particular, enquanto um número de identidade, em que a data de nascimento seria um dos elementos, o substituiria para uso civil. O nome pertence ao mundo da fantasia, enquanto o sobrenome pertence ao mundo da tradição. A idade,

15

quantidade legalmente mensurável com uma precisão quase de horas, é produto de um outro mundo, o da exatidão e do número. Hoje, nossos hábitos de identidade civil estão ligados, ao mesmo tempo, a esses três mundos.

Philippe Ariès. História social da criança e da família. Dora Flaksman (Trad.), p. 1-2 (com adaptações).

Com base no texto acima, julgue os itens de 19 a 25.

19. A argumentação do texto se organiza em torno da ideia de que o cidadão do tempo atual recebe diferentes identificações nos mundos da fantasia, da tradição e da personalidade civil.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Comentário: Observe este trecho recortado das linhas 13 a 18:

O nome pertence ao mundo da fantasia, enquanto o sobrenome pertence ao mundo da tradição. A idade, quantidade legalmente mensurável com uma precisão quase de horas, é produto de um outro mundo, o da exatidão e do número. Hoje, nossos hábitos de identidade civil estão ligados, ao mesmo tempo, a esses três mundos.

Veja que a confirmação (exatidão) de dados e do número refere-se à personalidade civil. Portanto, a questão está correta.

Gabarito: C

20. A ideia de suposição expressa na forma verbal “ficaria” (. 1) permite o emprego de submetermos, forma verbal no modo subjuntivo, em lugar de “submetemos” (. 2), sem que se prejudiquem a coerência e a correção gramatical do texto.

Comentário: A suposição marcada em “ficaria” faz uma comparação do homem do passado com as circunstâncias que envolvem o homem do presente, pois é afirmado que nós nos “submetemos” (presente) com naturalidade às exigências de identidade civil. Ao se levar este verbo para o futuro do subjuntivo (submetermos), haveria incoerência, porque obrigaria o verbo “ficaria” a futuro do presente (ficará). Isso não cabe no contexto, haja vista que o homem do passado não executa ação no futuro do presente (apenas no futuro do pretérito).

Gabarito: E

21. O emprego da preposição antes do pronome, em “a que” (. 2), atende à regra gramatical que exige a preposição a regendo um dos complementos do verbo submeter.

Comentário: O verbo submeter é transitivo direto e indireto. Neste contexto, o pronome “nos” é reflexivo, na função de objeto direto, “a que” é objeto indireto, por isso a preposição “a” é exigência deste verbo.

as exigências de identidade civil a que

nós

nos submetemos com naturalidade.

OI + sujeito + OD +

VTDI

+

adj adv modo

Gabarito: C

22.

A substituição de “ensinamos-lhes” (. 3) por ensinamos a elas preservaria tanto a correção gramatical do texto quanto as relações semânticas expressas no trecho em questão.

Comentário: O verbo ensinar é transitivo direto e indireto. O seu objeto direto é “seu nome” e seu objeto indireto é “lhes”, o qual retoma “nossas crianças”. Por isso se pode substituir esse pronome oblíquo átono pelo pronome oblíquo tônico “elas” precedido da preposição “a”. Veja:

Assim que nossas crianças começam a falar, ensinamos-lhes seu nome, o nome de seus pais e sua idade.

Assim que nossas crianças começam a falar, ensinamos a elas seu nome, o nome de seus pais e sua idade.

Gabarito: C

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

23. A organização do período iniciado à linha 6 admite a substituição do sinal de dois-pontos, empregado logo após “registro” (. 7), pela conjunção portanto, entre vírgulas, sem que se prejudique a coerência textual.

Comentário: O uso dos dois-pontos marca o início de um comentário do autor, que é expresso por uma oração intercalada de esclarecimento (isso foi visto nas aulas de período composto). Assim, os dois-pontos sinalizam uma especificação, uma ampliação do que foi dito anteriormente, e não uma conclusão, como a questão sugeriu com a conjunção “portanto”. Por isso, não podemos substituir os dois-pontos por tal conjunção.

Gabarito: E

24. A função textual de “esta” (. 7) e “Este” (. 10) é retomar, como referente, a ideia enunciada na oração que precede cada um desses pronomes.

Comentário: A banca nesta questão fez uma afirmação de que os dois pronomes possuem recursos anafóricos e retomam a ideia da oração anterior, isto é, retoma a respectiva oração anterior. Esse recurso é muito usado pelo pronome demonstrativo “isso” e “o”. Neste contexto, o pronome “esta” realmente retoma a ideia principal relatada na oração anterior, que é a de todos os cidadãos terem seu número de registro. Já o pronome “Este” retoma apenas o substantivo “sobrenome”, por isso há erro na afirmativa.

Um dia chegará em que todos os cidadãos terão seu número de registro: esta é a meta dos serviços de identidade. Nossa personalidade civil já se exprime com maior precisão mediante nossas coordenadas de nascimento do que mediante nosso sobrenome. Este, com o tempo, poderia muito bem não desaparecer, mas ficar reservado à vida particular, enquanto um número de identidade, em que a data de nascimento seria um dos elementos, o substituiria para uso civil.

Gabarito: E

25. Preservam-se a correção gramatical e a coerência do argumento se, do período iniciado por “Este, com o tempo” (. 10) forem retirados os termos “não” e “mas”, nas linhas 10 e 11.

Comentário: Para verificar se a afirmativa está correta, basta realizar a substituição:

Este (o sobrenome), com o tempo, poderia muito bem não desaparecer, mas ficar reservado à vida particular, enquanto um número de identidade, em que a data de nascimento seria um dos elementos, o substituiria para uso civil.

Este(o sobrenome), com o tempo, poderia muito bem desaparecer, ficar reservado à vida particular, enquanto um número de identidade, em que a data de nascimento seria um dos elementos, o substituiria para uso civil.

Na forma original, era desejo que o sobrenome não desaparecesse e que ficasse reservado à vida particular. Já, na retirada dos vocábulos, haveria desejo de que o sobrenome desaparecesse e que ficasse reservado à vida particular. Note que a mudança de sentido é clara, mas não foi isso que a banca

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

afirmou. Foi afirmado que se preserva a correção gramatical e a coerência com o argumento. Ora, se houvesse o desaparecimento do sobrenome, como ele ficaria reservado à vida particular?!!! Veja, também, que o autor, de certa forma, valoriza o sobrenome (“mundo da tradição” – linha 14). Assim, a reescrita proposta na questão iria contra seus argumentos. Portanto, haveria incoerência.

Gabarito: E

Prova 2 – ABIN 2008 – médio

Quantidade geral de questões: 150 Quantidade de questões de Língua Portuguesa: 25 Redação? Sim Tempo total da prova: 300 minutos Tempo estimado para redação: 70 minutos Tempo para cartão de resposta: 20 minutos Tempo médio por questão: 1 minuto e 24 segundos

Tempo Língua Portuguesa:

3355 mmiinnuuttooss

minutos Tempo médio por questão: 1 minuto e 24 segundos Tempo Língua Portuguesa: 3 3 5

Prova 2

Agência Brasileira de Inteligência / 2008 / nível médio

1

Com o advento do século XXI, novas ameaças ganharam relevo no mosaico dos problemas que colocam em risco a segurança dos povos, a estabilidade dos países e a concentração de esforços em favor da paz mundial. O terrorismo internacional, devido a seu poder de infiltração em

5

diferentes regiões e sua capacidade para gerar instabilidade na comunidade internacional, constitui uma das principais ameaças da atualidade. A expansão do terrorismo internacional na última década está diretamente relacionada ao crescimento de sua vertente islâmica, que, por

10

sua vez, ampliou-se na esteira da disseminação de interpretações radicais do Islã, que se opõem a qualquer tipo de intervenção no universo dos valores muçulmanos e pregam o uso da violência — guerra santa (jihad) — como forma de defender, expandir e manter a comunidade islâmica mundial.

Paulo de Tarso Resende Paniago. O desafio do terrorismo internacional. In: Revista Brasileira de Inteligência. Brasília:

ABIN, v. 3, n.º 4, set./2007, p. 36.

Em relação ao texto acima, julgue os itens a seguir.

1.No texto, de tipologia predominantemente narrativa, o autor apresenta a forma de atuação dos terroristas no cenário internacional.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Comentário: O erro está em dizer que este texto é narrativo. Ele não conta uma história; mas relata sobre a ameaça e a expansão do terrorismo internacional. A segunda parte da afirmativa, de certa maneira, está correta. Dizer que o autor apresenta a forma de atuação do terrorismo não é a intenção principal, mas o último período do texto abarca esta ideia.

Gabarito: E

2.As vertentes islâmicas que interpretam o Islã de forma radical pregam o uso da violência — guerra santa (jihad).

Comentário: Veja a estrutura da frase: A expansão do terrorismo internacional na última década está
Comentário: Veja a estrutura da frase:
A
expansão do terrorismo internacional na última década está diretamente
relacionada ao crescimento de sua vertente islâmica, que, por sua vez,
ampliou-se na esteira da disseminação de interpretações radicais do Islã, que
se opõem a qualquer tipo de intervenção no universo dos valores muçulmanos
e
pregam
o uso da violência
— guerra santa (jihad) — como forma
de
defender, expandir e manter a comunidade islâmica mundial.
De acordo com a estrutura acima, inferimos que a vertente islâmica do
terrorismo internacional ampliou-se na esteira da disseminação de
interpretações radicais do Islã e essas interpretações pregam o uso da
violência — guerra santa (jihad).
Muitos candidatos entraram com recurso contra esta questão, porque
visualizaram no texto o singular em “sua vertente islâmica” e na questão há
plural (“vertentes islâmicas”). Perceba que essa vertente islâmica “ampliou-
se” (linha 10) em diversas “interpretações radicais do Islã” (linhas 10, 11).
Isso traduz a ideia de que essa diversidade gerou novas vertentes. Por isso, a
alternativa está correta.
Gabarito: C

3.A palavra “mosaico” (. 2) está sendo empregada, no texto, em sentido conotativo (figurado).

Comentário: O sentido literal da palavra “mosaico” é algo formado por “recortes”, “várias partes distintas ou separadas”. No texto, esse sentido é ampliado para o abstrato, os recortes são as várias faces dos problemas. Daí ser possível inferir conotação.

Gabarito: C

4.As palavras “última”, “década” e “islâmica” recebem acento gráfico com base em regras gramaticais diferentes.

Comentário: As palavras “última”, “década” e “islâmica” recebem acento gráfico porque todas são proparoxítonas. Assim, há mesma regra.

Gabarito: E

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

5. A partícula “se”, em “ampliou-se” (. 10), indica que o sujeito da oração

é indeterminado.

Comentário: Com a questão, está-se afirmando que o pronome “se” é índice de indeterminação do sujeito. Primeiro se observa que o verbo “ampliou” encontra-se no singular, tendo em vista a expressão “vertente islâmica”. Só observando isso, já se sabe que não há indeterminação do sujeito. Continuando, o verbo ampliar é transitivo direto e o pronome “se” é apassivador. Sempre se deve confirmar isso, transformando a voz passiva sintética em voz passiva analítica: sua vertente islâmica, que, por sua vez, foi ampliada na esteira da disseminação de interpretações radicais do Islã

Gabarito: E

1

Na atualidade, em qualquer parte do mundo, podem desenvolver-se atividades de apoio logístico ou de recrutamento ao terrorismo. Isso se deve à sua própria lógica de disseminação transnacional, que busca continuamente novas áreas de atuação e, também, às vantagens

5

específicas que cada país pode oferecer a membros de organizações extremistas, como facilidades de obtenção de documentos falsos ou de acesso a seu território, além de movimentação, refúgio e acesso a bens de natureza material e tecnológica. A descentralização das organizações extremistas amplia sua capacidade operacional e lhes permite realizar

10

atentados quando as circunstâncias lhes forem favoráveis e onde menos se espera, para potencializar o efeito surpresa e o sentimento de insegurança, objetivos próprios do ato terrorista. Desse modo, cidadãos e interesses de qualquer país, ainda que não sejam os alvos ideais, em termos ideológico-religiosos, podem servir de “pontes” para que

15

organizações extremistas atinjam, embora indiretamente, seus principais oponentes.

Idem, ibidem (com adaptações).

Com base nas ideias, estruturas linguísticas e tipologia do texto acima, julgue os itens que se seguem.

6. A estrutura do trecho é característica de texto instrucional ou injuntivo.

Comentário: Texto instrucional ou injuntivo é aquele que descreve ações a serem efetuadas pelo interlocutor, como um manual de equipamento eletrônico, uma receita. O tipo de texto em questão é o dissertativo- argumentativo, pois o autor chega a uma conclusão com base nos argumentos produzidos no texto.

Gabarito: E

7. Em

“às

vantagens” (.

4), o sinal indicativo de crase justifica-se pela

regência de “deve” (. 3) e pela presença de artigo definido feminino plural.

Comentário: Deve-se notar que “lógica” e “vantagens” são núcleos do objeto indireto composto. Esse complemento verbal é exigido pelo verbo “deve”. Naturalmente, a crase ocorreu porque esse verbo exigiu a preposição “a” e o artigo definido “as” foi admitido pelo substantivo “vantagens”. Os núcleos desse objeto indireto composto foram ampliados por orações adjetivas, por

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

isso sublinhei abaixo o verbo e o objeto indireto:

Isso se deve à sua própria lógica de disseminação transnacional, que busca continuamente novas áreas de atuação e, também, às vantagens específicas que cada país pode oferecer a membros de organizações extremistas

Gabarito: C

8. O pronome “lhes”, em suas ocorrências, nas linhas 9 e 10, refere-se “organizações extremistas” (. 8,9).

a

Comentário: As duas ocorrências do pronome oblíquo átono “lhes” referem- se à expressão “organizações extremistas”. Perceba que essa é a única expressão possível por motivos semânticos e também por estar no plural, pois esses pronomes também se encontram no plural.

A descentralização das organizações extremistas amplia sua capacidade

operacional e lhes permite realizar atentados quando as circunstâncias lhes
operacional e lhes permite realizar atentados quando as circunstâncias lhes

operacional e lhes permite realizar atentados quando as circunstâncias lhes

forem favoráveis e onde menos se espera, para potencializar o efeito surpresa

e o sentimento de insegurança, objetivos próprios do ato terrorista.

Gabarito: C

9. De acordo com o texto, países que oferecem facilidades para a obtenção de documentos falsos e de acesso ao seu território ajudam a evitar a ação dos terroristas.

Comentário: O erro na afirmativa foi a inserção da expressão “a evitar”. Segundo as linhas 4 a 8 do texto, as “facilidades de obtenção de documentos falsos ou de acesso a seu território” são vantagens oferecidas aos membros das organizações extremistas (terroristas). Isso ajuda a ação dos terroristas. Por isso, a afirmativa está em discordância com o texto.

Gabarito: E

10. Conclui-se da leitura do texto que cidadãos de países que não se opõem diretamente às organizações extremistas são alvos diretos das ações terroristas.

Comentário: Alvos diretos dos terroristas são logicamente os países que se opõem diretamente. No texto se observa, da linha 12 à 16, que cidadãos de qualquer país, ainda que não sejam os alvos ideais, servem de pontes para atingirem indiretamente seus oponentes. Por isso, há erro na afirmação.

Gabarito: E

1

Sem o contínuo esforço supranacional para integrar e coordenar ações conjuntas de repressão, o terrorismo internacional continuará, por tempo indeterminado, a ser fator de ameaça aos interesses da comunidade internacional e à segurança dos povos.

5

Nesse cenário, os serviços de inteligência assumem papel fundamental, pois o intercâmbio de informações e o trabalho em parceria são requisitos basilares para o enfrentamento assertivo e solidário dessa ameaça, cujas ramificações e desdobramentos atingem direta ou

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

indiretamente todos os países.

10 O recrudescimento do terrorismo, atualmente, afeta todos os continentes, devido à ação globalizada de grupos extremistas que possuem redes de apoio não apenas nas regiões onde atuam, mas também em várias outras, como forma de dificultar a detecção e a neutralização de suas atividades.

Idem, ibidem, p. 37 (com adaptações).

Em relação ao texto acima, julgue os itens a seguir.

11. O último parágrafo constitui, argumentativamente, uma justificativa para as afirmativas dos dois parágrafos iniciais.

Comentário: No último parágrafo, é afirmado que o terrorismo tem aumentado e afetado todos os continentes, tendo em vista a ação generalizada dos grupos extremistas, os quais possuem redes de apoio em várias regiões no mundo. Isso logicamente gera a preocupação do esforço supranacional, integrando e coordenando ações conjuntas de repressão (primeiro parágrafo). Assim, os serviços de inteligência assumem papel fundamental por meio de intercâmbio de informações e o trabalho em parceria (segundo parágrafo). Portanto, a afirmativa está correta.

Gabarito: C

12. Em “à segurança” (. 4), o sinal indicativo de crase justifica-se pela regência de “ameaça” (. 3) e pela presença de artigo definido feminino singular.

Comentário: A expressão “aos interesses da comunidade internacional e à segurança dos povos” está na função sintática de complemento nominal composto, pois quem a exige é o substantivo “ameaça”. Os núcleos desse complemento nominal composto são iniciados pela preposição “a”. O substantivo masculino plural “interesses” admite o artigo “os”, por isso gera a combinação “aos”. Já o substantivo feminino singular “segurança” admite o artigo “a”, por isso ocorre a crase.

ser

fator de ameaça aos interesses ( ) e à segurança ( )
fator de ameaça aos interesses (
)
e à segurança (
)

Gabarito: C

13. Na linha 5, a vírgula após “Nesse cenário” é empregada para isolar expressão deslocada que qualifica “os serviços de inteligência”.

Comentário: O termo que qualifica um substantivo possui valor adjetivo, como o adjunto adnominal, o predicativo ou aposto explicativo. A locução “Nesse cenário” é adjunto adverbial, e a vírgula ocorreu devido à antecipação desse termo.

Gabarito: E

14. A expressão “dessa ameaça” (. 7,8), é elemento coesivo que retoma informação constante no primeiro parágrafo.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Gabarito: C

15. Segundo o texto, é fácil detectar e neutralizar as ações de grupos

extremistas porque eles têm atividade globalizada, com redes de apoio em várias regiões.

Comentário: Como conhecimento de mundo, sabemos que essa afirmativa é incorreta, porém é o texto que deve confirmar a questão. Ao analisarmos as linhas 10 a 14, observamos literalmente que as redes de apoio atuam em várias regiões “como forma de dificultar a detecção e a neutralização de suas atividades”.

Gabarito: E

1

A análise dos assuntos relativos ao Oriente Médio pelos órgãos de inteligência faz parte do esforço em acompanhar o fenômeno do terrorismo internacional, dados os frequentes enfrentamentos entre grupos radicais e a possibilidade de que simpatizantes dessas

5

organizações extremistas possam engajar-se em ações radicais, fora da região, como forma de retaliação, contra alvos de interesse de grupos rivais ao redor do mundo, inclusive, e de forma potencial, em território brasileiro.

Idem, ibidem, p. 38 (com adaptações).

Com relação a aspectos linguísticos do texto, julgue os itens de 16 a 20.

16. A forma verbal

“faz”

(.

2)

está no

singular porque

concorda com

“Oriente Médio” (. 1).

Comentário: A expressão “ao Oriente Médio” é complemento nominal do adjetivo “relativos”, por isso não provoca a flexão do verbo “faz”. Esse verbo está no singular porque o núcleo do seu sujeito é “análise”.

A análise dos assuntos relativos ao Oriente Médio pelos órgãos de inteligência faz parte

Gabarito: E

17. Se a preposição

“em” (. 2) for substituída pela preposição para,

prejudica-se a correção gramatical do período.

Comentário: Veja a estrutura abaixo:

A análise dos assuntos relativos ao Oriente Médio pelos órgãos de

inteligência faz parte do esforço em acompanhar o fenômeno do terrorismo internacional

A análise dos assuntos relativos ao Oriente Médio pelos órgãos de

inteligência faz parte do esforço para acompanhar o fenômeno do terrorismo internacional

Confrontando as duas estruturas, observa-se que não há prejuízo para o contexto, portanto não há incorreção gramatical. O que se nota é que a preposição “em”, na primeira estrutura, é uma exigência do substantivo “esforço”, por isso a oração em acompanhar o fenômeno do terrorismo internacional” é uma oração subordinada substantiva completiva nominal reduzida de infinitivo. Na substituição pela preposição “para”, muda-se a

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

sintaxe (e a semântica). A oração para acompanhar o fenômeno do terrorismo internacional” passa a ser subordinada adverbial de finalidade reduzida de infinitivo. Mudam-se a sintaxe e a semântica; mas não há prejuízo para o contexto, nem gramatical. A banca afirmou que há prejuízo gramatical, por isso a questão está errada.

Gabarito: E

18. As vírgulas logo após “radicais” (. 5) e “região” (. 6) justificam-se por isolarem expressão de caráter adverbial intercalada em uma oração.

 

Comentário: A locução adverbial solta “fora da região” desempenha a função sintática de adjunto adverbial de lugar. Ela é a primeira de uma sequência de locuções adverbiais. Como essa sequência se prolonga, pode-se entender o referido adjunto adverbial como intercalado. Por isso a afirmativa está correta.

 

simpatizantes

dessas organizações extremistas possam engajar-se

 

sujeito

locução verbal transitiva indireta

 

em ações radicais,

fora da região,

como forma de retaliação,

 

objeto indireto

Adj Adv. lugar

adjunto adverbial de modo

 

contra alvos de interesse de grupos rivais

 

ao redor do mundo,

 

adjunto adverbial de oposição

 

Adj Adv. lugar

 

inclusive, e de forma potencial, em território brasileiro.

Pal. denotativa inclusão

adjunto adverbial de modo

Adj Adv. lugar

 
 

Alguns candidatos, à época dessa prova, entraram com recurso entendendo que as vírgulas em todas as locuções adverbiais da sequência ocorreriam por enumeração. Isso não tem fundamento, pois, na enumeração, os termos possuem a mesma função sintática e valor semântico. Perceba que há adjuntos adverbiais com valor distinto do outro, além de haver a intercalação da palavra denotativa de inclusão “inclusive”. Por isso, não há enumeração, há intercalação. Você deve ter estranhado o nome adjunto adverbial de oposição quando me referi à expressão “contra alvos de interesse de grupos rivais”. Essa circunstância existe e está expressa na Gramática de Evanildo Bechara. Mas fique tranquilo, pois dificilmente a banca CESPE cobraria o nome deste adjunto adverbial, tendo em vista esta nomenclatura não ser compartilhada por muitos gramáticos.

 

Gabarito: C

 

19. A substituição da forma verbal “possam” (. 5) por podem mantém a correção gramatical e a coerência do texto.

Comentário: A simples conduta de retirar o verbo “possam” e inserir o verbo podem no texto já faz o candidato perceber a incoerência. Veja:

os frequentes enfrentamentos entre grupos radicais e a possibilidade

de que simpatizantes dessas organizações extremistas possam engajar-se

em ações radicais

os frequentes enfrentamentos entre grupos radicais e a possibilidade

de que simpatizantes dessas organizações extremistas podem engajar-se em ações radicais

dados

dados

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

O verbo “possam” encontra-se no presente do subjuntivo, e o emprego desse tempo verbal é justamente para transmitir dúvida, incerteza, possibilidade, natural em orações subordinadas substantivas (no caso, completiva nominal). Perceba que o substantivo “possibilidade” já transmite a incerteza, reafirmada na oração que o complementa: “de que simpatizantes dessas organizações extremistas possam engajar-se em ações radicais”. Portanto, não cabe a substituição pelo presente do indicativo.

Gabarito: E

20. A palavra “retaliação” (. 6) está sendo empregada com o sentido de

ampliação.

Comentário: O substantivo “retaliação” significa, no contexto, represália, vingança, desforra. Há possibilidade de que simpatizantes dessas organizações extremistas possam engajar-se em ações radicais, como forma de represália, vingança, desforra, contra alvos de interesse de grupos rivais ao redor do mundo. Assim, não cabe o substantivo ampliação no contexto.

Gabarito: E

1

A criação da ABIN, em 1995, proporcionou ao Estado brasileiro institucionalizar a atividade de inteligência, mediante ações de coordenação do fluxo de informações necessárias às decisões de governo, no que diz respeito ao aproveita-mento de oportunidades, aos

5

antagonismos e às ameaças, reais ou potenciais, para os mais altos interesses da sociedade e do país. Em 2002, o Congresso Nacional, por meio da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência, promoveu o seminário “Atividades de Inteligência no Brasil: Contribuições para a Soberania e para a

10

Democracia”, com a participação de autoridades governamentais, parlamentares, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da área de inteligência. A contribuição do evento foi significativa para o aprofundamento das discussões acerca da atividade de inteligência no Brasil.

Internet: <www.abin.gov.br> (com adaptações).

Com base no texto acima, julgue os itens que se seguem.

21. A substituição do termo “necessárias” (. 3) por necessário mantém a correção gramatical do texto.

Comentário: Para responder, deve-se substituir o adjetivo e analisar o contexto. Veja:

A criação da ABIN, em 1995, proporcionou ao Estado brasileiro

institucionalizar a atividade de inteligência, mediante ações de coordenação do fluxo de informações necessárias às decisões de governo, no que diz respeito ao aproveitamento de oportunidades

A criação da ABIN, em 1995, proporcionou ao Estado brasileiro

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

institucionalizar a atividade de inteligência, mediante ações de coordenação do fluxo de informações necessário às decisões de governo, no que diz respeito ao aproveitamento de oportunidades

Na primeira estrutura, entende-se que as informações são necessárias para as decisões de governo. Já, na segunda estrutura, entende- se que o fluxo dessas informações é necessário para as decisões de governo. Há diferença quanto ao referente, mas se conserva a coerência e, com isso, a gramaticalidade.

Gabarito: C

22. A coesão entre os dois parágrafos é temática, visto que o assunto do texto é desenvolvido com base na cronologia das atividades de inteligência no Brasil.

Comentário: Nota-se que a coesão é realmente temática entre os dois parágrafos, tendo em vista cada um deles abordar as atividades de inteligência no Brasil, dentro de uma temporalidade. O primeiro em 1995, com a criação da ABIN. O segundo, em 2002, com o seminário promovido pelo Congresso Nacional.

Gabarito: C

23. Se o sinal de dois-pontos (. 9) fosse substituído por travessão, estaria mantida a correção gramatical do título do seminário (. 8 a 10).

Comentário: Perceba que o título do seminário “Atividades de Inteligência no Brasil: Contribuições para a Soberania e para a Democracia” é o aposto especificativo do substantivo “seminário”. Lembre-se de que esse tipo de aposto dá nome aos seres. Dentro desse aposto especificativo, há o aposto explicativo “Contribuições para a Soberania e para a Democracia”. Entende-se, portanto, que as “Atividades de Inteligência no Brasil” são uma forma de contribuir para a soberania e para a democracia. Como esse aposto explicativo está antecipado por dois-pontos, este sinal de pontuação pode ser substituído por travessão mantendo a gramaticalidade.

o

Congresso Nacional (

)

promoveu o seminário “Atividades de Inteligência

no Brasil: Contribuições para a Soberania e para a Democracia”

o

Congresso Nacional (

)

promoveu o seminário “Atividades de Inteligência

no Brasil Contribuições para a Soberania e para a Democracia”

Gabarito: C

 

24. As vírgulas após “governamentais” (. 10), “parlamentares” (. 11) e “acadêmicos” (. 11) são empregadas por motivos gramaticais diferentes.

Comentário: As vírgulas após “governamentais”, “parlamentares” e “acadêmicos” são empregadas pelo mesmo motivo, pois separam elementos de uma enumeração. Note que a expressão “de autoridades governamentais, parlamentares, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da área de inteligência” é o adjunto adnominal composto, o qual restringe o substantivo “participação”.

Gabarito: E

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

25.

atividade.

Na linha 19, estaria gramaticalmente correta a redação a cerca da

Comentário: A expressão “acerca de” é locução prepositiva que transmite sentido de assunto e pode ser substituída por a respeito de, sobre, etc. Já a estrutura cerca de transmite valor de quantidade aproximada, sentido que não se encontra no texto.

Gabarito: E

Prova 3 – ABIN 2010 – superior

Quantidade geral de questões: 150 Quantidade de questões de Língua Portuguesa: 15 Redação? Sim Tempo total da prova: 300 minutos Tempo estimado para redação: 70 minutos Tempo para cartão de resposta: 20 minutos Tempo médio por questão: 1 minuto e 24 segundos

Tempo Língua Portuguesa:

2211 mmiinnuuttooss

minutos Tempo médio por questão: 1 minuto e 24 segundos Tempo Língua Portuguesa: 2 2 1

Prova 3

Agência Brasileira de Inteligência / 2010 / nível superior

Texto para os itens de 1 a 11

1

Nas últimas décadas, o aumento dos índices de criminalidade e a atuação de organizações criminosas transnacionais colocaram a segurança pública entre as principais preocupações da sociedade e do Estado brasileiros. A delinquência e a violência criminal afetam, em maior ou

5

menor grau, toda a população, provocando apreensão e medo na sociedade, e despertando o sentimento de descrença em relação às instituições estatais responsáveis pela manutenção da paz social. No projeto Segurança Pública para o Brasil, da Secretaria Nacional de Segurança Pública, aponta-se como principal causa do aumento da

10

criminalidade o tráfico de drogas e de armas. A articulação entre esses dois ilícitos potencializa e diversifica as atividades criminosas. Homicídios dolosos, roubos, furtos, sequestros e latrocínios estão, frequentemente, associados ao consumo e venda de drogas e à utilização de armas ilegais. Mundialmente, o tripé integrado por narcotraficantes, terroristas e

15

contrabandistas de armas atua em conjunto ou de forma complementar, constituindo uma grave ameaça à sociedade e aos Estados nacionais. A globalização favoreceu a expansão geográfica dos crimes transnacionais, cujos agentes utilizam as facilidades comerciais, as comunicações e os múltiplos meios de transportes para encobrir suas atividades ilícitas.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

20

Em razão da complexidade, da amplitude e do poderio das redes criminosas transnacionais, a solução para a criminalidade depende de decisões político-econômico-sociais e, concomitantemente, de ações preventivas e repressivas de órgãos estatais. Nesse contexto, as operações de inteligência são instrumentos legais de que dispõe o Estado

25

na busca pela manutenção e proteção de dados sigilosos. A Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), órgão central do Sistema Brasileiro de Inteligência (SISBIN), deve assumir a missão de centralizar, processar e distribuir dados e informações estratégicas para municiar os órgãos policiais (federais, estaduais e municipais) nas ações de combate

30

ao crime organizado. Além disso, a ABIN é responsável por manter contato com os serviços de inteligência parceiros, para favorecer a troca de informações e a cooperação multilateral.

Cristina Célia Fonseca Rodrigues. A atividade operacional em benefício da segurança pública: o combate ao crime organizado. In: Revista Brasileira de Inteligência. Brasília: ABIN, n.o 5, out./2009. Internet:

<www.abin.gov.br> (com adaptações).

Com relação às ideias do texto, julgue os itens seguintes.

1. Considerando-se que as operações de inteligência são instrumentos legais disponíveis ao Estado, é correto inferir que os serviços de inteligência prescindem das formalidades legais para a obtenção de dados sigilosos.

Comentário: Segundo a informação literal nas linhas 23 a 25 do texto, realmente as operações de inteligência são instrumentos legais disponíveis ao Estado. Porém, deve-se perceber, no último parágrafo do texto, que a ABIN deve centralizar, processar e distribuir dados e informações estratégicas, sigilosas. Logicamente, esses dados necessitam de um controle. Assim, torna- se imprescindível seguir as formalidades legais, tendo em vista o grau de sigilo das informações. Na realidade, a banca testou do candidato o sentido do verbo “prescinde”, o qual significa algo que seja dispensável, que não seja tão necessário. No texto é justamente o contrário, o cumprimento das formalidades legais é altamente necessário para manter o sigilo das informações. Note, ainda, que os dados não são literais. Há necessidade da inferência, das entrelinhas para se chegar a esta conclusão. E o texto nos dá indícios para isso, informando sobre a valorização da segurança, do sigilo, etc.

Gabarito: E

2. O argumento de que a criminalidade é intensificada pela associação do narcotráfico com o contrabando de armas reforça a ideia central do texto, que pode ser expressa nos seguintes termos: os serviços de inteligência são imprescindíveis para a redução da criminalidade no mundo.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

repressivas de órgãos estatais, aí se encaixando as operações de inteligência. Assim, não foi abordado no texto que os serviços de inteligência são imprescindíveis para a redução da criminalidade. Eles são importantes.

Gabarito: E

3. De acordo com

é

responsável pelo aumento dos índices de criminalidade no Brasil.

o

texto, o processo de globalização

o principal

Comentário: No texto, da linha 8 à 10, é dito que o tráfico de drogas e de armas é a principal causa do aumento da criminalidade no Brasil. A referência à globalização foi feita da linha 16 à 19, informando que ela favoreceu a expansão geográfica dos crimes transnacionais. Portanto, dados literais mostram que a afirmativa desta questão está errada.

Gabarito: E

4. Infere-se do texto que as autoridades do Estado devem valer-se dos serviços de inteligência para combater o crime organizado.

Comentário: Esta questão abordou o que se afirma no último parágrafo do texto, principalmente nas linhas 28 a 30 “distribuir dados e informações estratégicas para municiar os órgãos policiais (federais, estaduais e municipais) nas ações de combate ao crime organizado”. As autoridades do Estado referenciadas na questão são as policiais, nas esferas federal, estadual e municipal.

Gabarito: C

5. Depreende-se da leitura do texto que uma das razões para o descrédito das instituições responsáveis pela segurança pública é a corrupção existente entre seus membros.

Comentário: Nas linhas 4 a 7, as causas do sentimento de descrença estão expostas literalmente. É natural verbos como originar, implicar, resultar comporem uma estrutura de causa e consequência. O sujeito é a causa e o complemento verbal é a consequência. Da mesma forma, os verbos “provocando”, “despertando” também compõem esta estrutura. Assim, quem gera “o sentimento de descrença em relação às instituições estatais responsáveis pela manutenção da paz social” é o sujeito “A delinquência e a violência criminal”. Elas afetam toda a população em maior ou menor grau e isso acaba provocando apreensão, medo, levando ao sentimento de descrença.

Gabarito: E

6. Das informações do texto conclui-se que o intercâmbio de dados e informações entre agências de inteligência coíbe a expansão de redes criminosas.

Comentário: O erro está no verbo “coíbe”. Em nenhuma passagem do texto

é afirmado

(ou

se pode

inferir) que se estagnou a expansão de redes

criminosas. Pelo contrário, ela continua crescendo. O que se diz no último

parágrafo é que este intercâmbio favorece a cooperação multilateral e, naturalmente, infere-se que ajuda no combate a essa expansão. Mas não se conseguiu coibi-la.

Gabarito: E

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Com referência às estruturas linguísticas empregadas no texto, julgue os itens subsequentes.

7. A

criminalidade alteraria o sentido original do texto, mas não prejudicaria a

substituição

da

expressão

“ao

crime

organizado”

(.

30)

por

à

correção gramatical do período.

Comentário: Note que o substantivo “crime” está determinado pelo artigo “o

e

pelo adjetivo “organizado”. Há, pois, uma restrição ao crime, aquele que se

encontra em grupos com finalidade previamente estipulada de ações ilegais, como tráfico de drogas, roubo de bancos, sequestro, etc. Essas ações fazem parte da criminalidade, mas esta palavra tem sentido mais amplo: abarca tanto o crime organizado, quanto ações ilegais de diversos tipos. Como afirma

a

questão, a substituição de “crime organizado” por criminalidade muda o

sentido, mas não torna o texto incoerente, nem há prejuízo gramatical, pois o

substantivo que o substituirá é feminino e, corretamente, recebeu artigo “a”. Assim, houve a crase.

Gabarito: C

8. Estaria gramaticalmente correto o emprego da preposição a antes de “toda a população” (. 5) — a toda a população — visto que a forma verbal “afetam” (. 4) apresenta dupla regência.

Comentário: A banca quis induzir o candidato a pensar que o verbo afetar seria tanto transitivo direto quanto transitivo indireto (facultativamente), por isso usou a expressão “apresenta dupla regência”. Na verdade, não. Esse verbo é transitivo direto. Quando está no sentido de fingir-se, fazer-se, é transitivo indireto, mas exige preposição de. Veja o exemplo:

“Os ricos afetam de pobres para não serem importunados”

(Marquês de Maricá. In dicionário Aurélio).

Assim, a afirmativa está errada.

Gabarito: E

9. A supressão das vírgulas que isolam a expressão “da Secretaria Nacional de Segurança Pública” (. 9, 10) alteraria o sentido do texto, visto que estaria subentendida a existência de, pelo menos, mais um projeto denominado Segurança Pública para o Brasil.

Comentário: A banca quis que o candidato notasse a diferença entre termo explicativo e restritivo. O primeiro é a característica básica do substantivo, por isso é isolado por vírgula(s). Já o segundo especifica, restringe, afunila o sentido do substantivo, por isso não se pode separar por vírgula. Vimos isso na aula de orações subordinadas adjetivas, em que percebemos que o termo adjetivo explicativo possui a função sintática de aposto explicativo, naturalmente é separado por vírgula(s). O termo restritivo cumpre a função sintática de adjunto adnominal, por isso não se pode separar por vírgula o adjunto adnominal de seu núcleo. No texto, perceba que o termo “da Secretaria Nacional de Segurança Pública” encontra-se isolado por vírgulas para marcar o sentido explicativo (aposto explicativo). Isso nos dá a noção de que só há um projeto

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

denominado “Segurança Pública para o Brasil”, e este projeto é exclusivo da “da Secretaria Nacional de Segurança Pública”. Não há outro. Ao retirarmos as vírgulas, o sentido muda para restrição, isto é, passa- se a subentender a existência de, pelo menos, mais um projeto denominado Segurança Pública para o Brasil. Assim, a afirmativa da questão está correta. Muda-se o sentido com a supressão das vírgulas.

Gabarito: C

10. Na linha 24, a preposição “de” empregada antes de “que” é exigência sintática da forma verbal “dispõe”; portanto, sua retirada implicaria prejuízo à correção gramatical do período.

Comentário: A banca explorou a regência numa oração subordinada adjetiva restritiva. Assim, o importante é saber a função sintática do pronome relativo

que”. O ideal é partir do verbo “dispõe”. Ele é transitivo indireto e seu sujeito

é

o Estado” e “na busca pela manutenção e proteção de dados sigilosos” é

adjunto adverbial de finalidade. Assim, só cabe à expressão “de que” a função

de objeto indireto. Por isso, a preposição “de” é obrigatória. Veja:

instrumentos legais de que dispõe o Estado na busca pela manutenção e

 

OI

VTI

sujeito

proteção de dados sigilosos.

 

adjunto adverbial de finalidade

Gabarito: C

11. A substituição do termo “estratégicas” (. 28) por estratégicos não

causaria prejuízo à correção gramatical nem ao sentido do texto.

Comentário: Esta questão cobra o conhecimento sobre concordância nominal

de adjunto adnominal em relação a dois núcleos. Quando o adjunto adnominal encontra-se após os dois núcleos, pode concordar com o mais próximo ou com

totalidade, e isso vai depender da ênfase que o autor achar conveniente. Veja:

a

 

processar

processar

e distribuir dados e informações estratégicas e distribuir dados e informações estratégicos

e distribuir dados e informações estratégicas e distribuir dados e informações estratégicos

e distribuir dados e informações estratégicas e distribuir dados e informações estratégicos

Logicamente, há mudança de ênfase quando trocamos os referentes na concordância nominal. Por isso, a banca não perguntou se haveria mudança

de sentido, mas se essa mudança incorreria prejuízo ao sentido original, isto

é,

se isso levaria à incoerência dos argumentos. Certamente não.

Assim, essas concordâncias são possíveis e não causam incorreção gramatical, incoerência ou prejuízo ao sentido.

Gabarito: C

 

Os itens a seguir são excertos adaptados do texto A atividade operacional em benefício da segurança pública: o combate ao crime organizado (op. cit.). Julgue-os no que se refere à correção gramatical e à coerência das ideias.

12. A globalização do crime e as perspectivas de crescimento das organizações criminosas transnacionais com ampliação de redes de atuação

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

e constantes inovações no modo de ação exige dos Estados nacionais atividades coordenadas a nível de segurança pública.

Comentário: Para melhor visualização, foram dispostas a seguir a frase original e a corrigida. Veja:

A

globalização do crime e as perspectivas de crescimento das

organizações criminosas transnacionais com ampliação de redes de atuação e constantes inovações no modo de ação exige dos Estados nacionais atividades coordenadas a nível de segurança pública.

A

globalização do crime e as perspectivas de crescimento das

organizações criminosas transnacionais, com ampliação de redes de atuação e constantes inovações no modo de ação, exigem dos Estados nacionais

atividades coordenadas relativas à segurança pública.

A

locução adverbial de causa “com ampliação de redes de atuação e

constantes inovações no modo de ação” está intercalada e é de grande

extensão, por isso deve ser isolada por dupla vírgula.

O

verbo deve se flexionar no plural (exigem), pois seu sujeito é

composto, cujos núcleos são “globalização” e “perspectivas”.

A

locução prepositiva “a nível de” não encontra embasamento na

prescrição gramatical, por ser artificial e moldada sem princípios lógico- semânticos. Ela é vasta e viciosamente empregada em alguns nichos profissionais, mas deve ser substituída por a respeito de, acerca de, sobre, relativo a, etc. De maneira geral, “nível” significa a altura relativa numa escala de valores: nível econômico, nível cultural. Assim, podem-se encontrar construções gramaticalmente corretas do tipo: Ele se dedicou muito, portanto chegou ao nível de gerenciamento (ou ao nível gerencial).

Gabarito: E

13. Para combater, eficientemente, as diversas modalidades de crimes transnacionais é preciso penetrar na hierarquia compartimentalizada das organizações criminosas para conhecer seus objetivos e ligações e antecipar suas ações.

Comentário: Confronte a frase original e a corrigida:

Para combater, eficientemente, as diversas modalidades de crimes transnacionais é preciso penetrar na hierarquia compartimentalizada das organizações criminosas para conhecer seus objetivos e ligações e antecipar suas ações.

Para combater, eficientemente, as diversas modalidades de crimes transnacionais, é preciso penetrar na hierarquia compartimentalizada das organizações criminosas para conhecer seus objetivos e ligações e antecipar suas ações.

O advérbio “eficientemente” está entre vírgulas por estar intercalado.

Essa pontuação não é obrigatória, tendo em vista ser apenas uma palavra. Mas a vírgula passa a ser obrigatória após o vocábulo “transnacionais”, pois esta é a última palavra da oração subordinada adverbial de finalidade, que se encontra antecipada da principal.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Pode haver dúvida quanto à ocorrência de vírgula ou repetição da conjunção “e” nas orações “para conhecer seus objetivos e ligações e antecipar suas ações”. Essa estrutura pode ser iniciada por vírgula ou não, pois está após sua oração principal. Quanto à repetição da conjunção “e”, perceba que a primeira delas une os núcleos do objeto direto “objetivos”, “ligações”. Isso enfatiza que há apenas dois núcleos, mas a vírgula seria aceitável, como vimos na aula de sintaxe de termos enumerados. Tudo vai depender da ênfase que o autor quer dar e da clareza. A outra conjunção “e” liga as orações adverbiais de finalidade. Elas são subordinadas a uma principal e estão coordenadas entre si. Com isso, poderíamos inserir uma vírgula antes do “e” por motivo enfático.

Gabarito: E

14. Os crimes transnacionais proliferam à velocidade altíssima, por conseguinte, beneficiam-se do avanço das telecomunicações, razão porque a inteligência torna-se essencial para o combate dos mesmos.

Comentário: Confronte a frase original e a corrigida:

Os crimes transnacionais proliferam à velocidade altíssima, por conseguinte, beneficiam-se do avanço das telecomunicações, razão porque a inteligência torna-se essencial para o combate dos mesmos.

Os

crimes

transnacionais

proliferam

à

velocidade

altíssima;

por

conseguinte, beneficiam-se do avanço das telecomunicações, razão por que a

inteligência torna-se essencial para o combate dos mesmos.

A expressão “à velocidade altíssima” é locução adverbial de modo,

iniciada com a preposição “a”. O substantivo feminino singular “velocidade”, no contexto em que está, admite ou não o artigo “a”, ou até o artigo

indefinido “uma”; por isso a crase pode ocorrer, mas também são aceitas as “

construções: “

velocidade altíssima As conjunções coordenativas adversativas e conclusivas são as que admitem vírgula posposta ou dupla vírgula quando intercaladas. Mas, por efeito estilístico, há de se evitar dupla vírgula quando essas conjunções estão no início de suas orações. Isso torna o texto mais claro. Portanto, ao se inserir vírgula após as conjunções adversativas ou conclusivas, no início de suas orações, torna-se mais claro o texto com a antecipação de ponto e vírgula ou simplesmente se retira a vírgula posterior. Veja:

Os crimes transnacionais proliferam à velocidade altíssima; por conseguinte, beneficiam-se

Os crimes transnacionais proliferam à velocidade altíssima, por conseguinte beneficiam-se

Os crimes transnacionais proliferam à velocidade altíssima; por conseguinte beneficiam-se

O vocábulo “porque” está empregado equivocadamente, pois que é

pronome relativo, precedido da preposição por. Assim devem ficar separados.

Um forma fácil de perceber isso é apenas substituir por que por pela qual.

proliferam

a velocidade altíssima

,

proliferam

a uma

beneficiam-se

do avanço das telecomunicações, razão por que a

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

inteligência torna-se essencial

 

beneficiam-se

do

avanço

das

telecomunicações,

razão

pela

qual

a

inteligência torna-se essencial

 

Gabarito: E

15. Os dados e as informações reunidas pelas operações de inteligência possibilitam a identificação e a compreensão das características, da estrutura, das formas de financiamento e do modo de operação das organizações criminosas e de seus componentes.

Comentário: A relação sintática neste período mostra uma ordenação natural dos termos, por isso se observa vírgula separando apenas termos enumerados. Note a correta concordância do verbo “possibilitam” com o sujeito composto de núcleos “dados” e “ informações”. Por isso, a frase está correta gramaticalmente.

Gabarito: C

Prova 4 – ABIN 2010 – médio

Quantidade geral de questões: 150 Quantidade de questões de Língua Portuguesa: 15 Redação? Sim Tempo total da prova: 300 minutos Tempo estimado para redação: 70 minutos Tempo para cartão de resposta: 20 minutos Tempo médio por questão: 1 minuto e 24 segundos

Tempo Língua Portuguesa:

2211 mmiinnuuttooss

minutos Tempo médio por questão: 1 minuto e 24 segundos Tempo Língua Portuguesa: 2 2 1

Prova 4

Agência Brasileira de Inteligência / 2010 / nível médio

Texto para os itens de 1 a 9

1

Nas últimas décadas, o aumento dos índices de criminalidade e a atuação de organizações criminosas transnacionais colocaram a segurança pública entre as principais preocupações da sociedade e do Estado brasileiros. A delinquência e a violência criminal afetam, em maior ou

5

menor grau, toda a população, provocando apreensão e medo na sociedade, e despertando o sentimento de descrença em relação às instituições estatais responsáveis pela manutenção da paz social. Para Calvino, a rapidez a ser valorizada em nosso tempo não poderia ser exclusivamente aquele tipo de velocidade inspirada por Mercúrio, o

10

deus de pés alados, leve e desenvolto. Por meio de Mercúrio se

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

estabelecem as relações entre os deuses e os homens, entre leis universais e casos particulares, entre a natureza e as formas de cultura. Hoje, escreve Calvino, a velocidade de Mercúrio precisaria ser complementada pela persistência flexível de Vulcano, um “deus que não

15

vagueia no espaço, mas que se entoca no fundo das crateras, fechado em sua forja, onde fabrica interminavelmente objetos de perfeito lavor em todos os detalhes — joias e ornamentos para os deuses e deusas, armas, escudos, redes e armadilhas”. Da combinação entre velocidade, persistência, relevância, precisão e

20

flexibilidade surge a noção contemporânea de agilidade, transformada em principal característica de nosso tempo. Uma agilidade que vem se tornando lugar comum, se não na vida prática das organizações, pelo menos nos discursos. Empresas, governos, universidades, exércitos e indivíduos querem ser ágeis. Também os serviços de inteligência querem

25

ser ágeis, uma exigência cada vez mais decisiva para justificar sua própria existência no mundo de hoje.

Marco A. C. Cepik. Serviços de inteligência: agilidade e transparência como dilemas de institucionalização. Rio de Janeiro: IUPERJ, 2001. Tese de doutorado. Internet: <www2.mp.pa.gov.br> (com adaptações).

A partir das ideias apresentadas no texto, julgue os itens a seguir.

1.De acordo com o autor do texto, a agilidade constitui característica recente dos serviços de inteligência.

Comentário: Não há dados explícitos ou implícitos no texto que afirmem que

a agilidade constitui característica recente dos serviços de inteligência. O que se observa no texto, da linha 19 à 21, é que a agilidade vem sendo transformada em principal característica dos tempos atuais. Nas linhas 24 a 26, é afirmado que também os serviços de inteligência querem ser ágeis, para se adequar a esta modernidade. Portanto, a alternativa está errada.

Gabarito: E

2.Conforme o texto, a rapidez do deus Mercúrio é tão valorizada hoje quanto em tempos remotos.

Comentário: No primeiro período do texto, é informado que “a rapidez a ser valorizada em nosso tempo não poderia ser exclusivamente aquele tipo de velocidade inspirada por Mercúrio”. Isso já marca que a afirmativa da questão está errada. Corrobora isso a passagem das linhas 13 e 14, em que se afirma que a velocidade de Mercúrio, hoje, deve ser complementada pela persistência flexível de Vulcano. A locução verbal “deve ser complementada” reforça a ideia de que a rapidez de Mercúrio não é tão valorizada hoje, pois há necessidade de incrementar mais algumas características, previstas em Vulcano, como “persistência” e flexibilidade (“flexível”).

Gabarito: E

3.O autor do texto sustenta que Mercúrio não pode ser o modelo da rapidez que se almeja nos dias de hoje porquanto ele é o deus mensageiro, que estabelece as relações entre os seres e os fenômenos do mundo atual.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Comentário: Vejamos a afirmativa da questão:

O

autor do texto sustenta que Mercúrio não pode ser o modelo da rapidez que

se almeja nos dias de hoje porquanto ele é o deus mensageiro, que estabelece as relações entre os seres e os fenômenos do mundo atual.

 

Agora, vamos ao texto:

Para Calvino, a rapidez a ser valorizada em nosso tempo não poderia ser exclusivamente aquele tipo de velocidade inspirada por Mercúrio, o deus de pés alados, leve e desenvolto. Por meio de Mercúrio se estabelecem as relações entre os deuses e os homens, entre leis universais e casos particulares, entre a natureza e as formas de cultura.

Perceba que, no fragmento do texto acima, o primeiro período reforça a afirmativa da questão de que a rapidez de Mercúrio em nosso tempo não é tão valorizada. Em seguida, o texto afirma que é por meio dele que há o estabelecimento de “relações entre os deuses e os homens, entre leis universais e casos particulares, entre a natureza e as formas de cultura”.

Na questão, a locução prepositiva de meio “Por meio de” foi substituída pela conjunção causal “porquanto”, o que causa incoerência com o texto, pois

o

fato de estabelecer as relações “entre os deuses e os homens, entre leis

universais e casos particulares, entre a natureza e as formas de cultura” não é

causa de Mercúrio não poder ser o modelo da rapidez que se almeja nos dias de hoje. Confirme isso observando os termos em negrito. Assim, a questão está errada.

a

Gabarito: E

4.No texto, afirma-se que velocidade, persistência, relevância, precisão e flexibilidade são características dos deuses Mercúrio e Vulcano almejadas pelas organizações atuais.

Comentário: São feitas, na realidade, duas afirmações na questão. A primeira é que “velocidade, persistência, relevância, precisão e flexibilidade são características dos deuses Mercúrio e Vulcano”. Veremos que isso está correto, pois os substantivos “velocidade”, “persistência” e “flexibilidade” estão referenciados explicitamente no primeiro parágrafo do texto. Já o

substantivo “precisão” encontra vestígio nas linhas 16 e 17 (“perfeito lavor em todos os detalhes”) e o substantivo “relevância” encontra vestígio na expressão “a ser valorizada” (linha 1). Assim, temos a certeza de que essas características (denominadas “agilidade”) envolvem os dois deuses conjuntamente. A segunda afirmação é que essas características são amejadas pelas organizações atuais. Isso encontra referência nas linhas 21 a 26: “Uma

agilidade que vem se tornando lugar comum universidades, exércitos e indivíduos querem ser ágeis Portanto, a questão está correta.

Empresas,

governos,

”).

Gabarito: C

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Julgue os próximos itens, referentes às estruturas do texto e ao vocabulário nele empregado.

5. A forma verbal “surge” (. 20) poderia, sem prejuízo gramatical para o texto, ser flexionada no plural, para concordar com “velocidade, persistência, relevância, precisão e flexibilidade” (. 19, 20).

Comentário: Perceba que o verbo “surge” é transitivo indireto e seu sujeito é “a noção de agilidade”; por isso não deve flexionar-se no plural. O termo “Da combinação entre velocidade, persistência, relevância, precisão e flexibilidade” é o objeto indireto desse verbo.

Gabarito: E

6. O sentido e a correção do texto seriam mantidos caso o vocábulo senão fosse empregado em lugar de “se não” (. 22).

Comentário: Compreendamos o sentido do vocábulo “se” neste contexto:

 

Uma agilidade que vem se tornando lugar comum, se não na vida prática das organizações, pelo menos nos discursos.

Uma agilidade que vem se tornando lugar comum, se não é comum na vida prática das organizações, pelo menos é comum nos discursos.

Perceba

na

primeira

estrutura

que

a

expressão

é

comum

está

subentendida, como demonstrado na segunda estrutura.

 

Elas fazem parte da oração iniciada pela conjunção “se” seguida do advérbio de negação “não”. Assim, ambos não podem ser substituídos pelo vocábulo “senão”.

Gabarito: E

7. Se os adjetivos “leve” (. 10) e “desenvolto” (. 10) fossem empregados no plural, seriam mantidas a correção gramatical e a coerência do texto, mas seu sentido original seria alterado.

Comentário: Confronte as formas pedidas na afirmativa:

Para Calvino, a rapidez a ser valorizada em nosso tempo não poderia ser exclusivamente aquele tipo de velocidade inspirada por Mercúrio, o deus de pés alados, leve e desenvolto.

Para Calvino, a rapidez a ser valorizada em nosso tempo não poderia ser exclusivamente aquele tipo de velocidade inspirada por Mercúrio, o deus de pés alados, leves e desenvoltos.

Os adjetivos, na forma original, concordam com o substantivo “deus” (ele é leve e desenvolto). Já, na segunda construção, são os “pés aladosleves e desenvoltos. Naturalmente, muda-se o referente, muda-se o sentido; mas a coerência permanece. Por isso, a afirmativa está correta.

Gabarito: C

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

8. A substituição de ‘entoca’ (. 15) por encafua ou por esconde não acarretaria prejuízo ao texto, quer de ordem sintática, quer semântica.

Comentário: O verbo encafuar é formado pelo substantivo “cafua”, que significa “antro, cova, caverna, esconderijo; habitação miserável; quarto escuro onde se prendiam os alunos castigados; cafundó”, conforme dicionário Aurélio. Com a inserção do prefixo “em-” e do sufixo verbal “-r”, passa a transmitir valor de ocultar, esconder. Por isso “entocar”, pode ser substituído por encafua, esconde sem prejuízo semântico. Sintaticamente também não há prejuízo com a troca, pois o verbo “entoca” é transitivo direto e o pronome “se” é reflexivo na função de objeto direto. Os verbos esconder e encafuar também são transitivos diretos admitindo o pronome reflexivo “se”. Portanto, a afirmativa está correta.

Gabarito: C

9. A colocação de vírgula antes e depois do vocábulo “interminavelmente” (. 16) não prejudicaria a correção gramatical do texto.

Comentário: O advérbio pode ficar no final de oração, intercalado ou antecipado. Por ser apenas uma palavra, é considerado de pequena extensão, por isso a dupla vírgula é facultativa.

Gabarito: C

Texto para os itens de 10 a 15

1

Os sistemas de inteligência são uma realidade concreta na máquina governamental contemporânea, necessários para a manutenção do poder e da capacidade estatal. Entretanto, representam também uma fonte permanente de risco. Se, por um lado, são úteis para que o Estado

5

compreenda seu ambiente e seja capaz de avaliar atuais ou potenciais adversários, podem, por outro, tornar-se ameaçadores e perigosos para os próprios cidadãos se forem pouco regulados e controlados. Assim, os dilemas inerentes à convivência entre democracias e serviços de inteligência exigem a criação de mecanismos eficientes de

10

vigilância e de avaliação desse tipo de atividade pelos cidadãos e(ou) seus representantes. Tais dilemas decorrem, por exemplo, da tensão entre a necessidade de segredo governamental e o princípio do acesso público à informação ou, ainda, do fato de não se poder reduzir a segurança estatal à segurança individual, e vice-versa. Vale lembrar que esses dilemas se

15

manifestam, com intensidades variadas, também nos países mais ricos e democráticos do mundo.

Marco Cepik e Christiano Ambros. Os serviços de inteligência no Brasil. In: Ciência Hoje, vol. 45, n.º 265, nov./2009. Internet:

cienciahoje.uol.com.br> (com adaptações).

Julgue os itens que se seguem, relativos às ideias apresentadas no texto.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

10. Os “dilemas” a que o autor do texto se refere no segundo parágrafo existem em razão da necessidade de que os serviços de inteligência respeitem os direitos individuais e coletivos da população.

Comentário: A interpretação é literal das linhas 11 a 14:

“Tais dilemas decorrem, por exemplo, da tensão entre a necessidade de segredo governamental e o princípio do acesso público à informação ou, ainda, do fato de não se poder reduzir a segurança estatal à segurança individual, e vice-versa.’

Assim, os “dilemas” a que o autor do texto se refere no segundo parágrafo existem em razão da necessidade de que os serviços de inteligência respeitem os direitos individuais (acesso público à informação) e coletivos da população (não se poder reduzir a segurança estatal à segurança individual).

Gabarito: C

11. De acordo com o texto, os sistemas de inteligência, quando suficientemente regulados e controlados, são instrumentos governamentais que asseguram poder e segurança ao Estado.

Comentário: A interpretação desta questão também é literal. Cada trecho da afirmativa da questão tem seu referencial no primeiro parágrafo do texto. Veja:

Questão 11: De acordo com o texto, os sistemas de inteligência¹, quando suficientemente regulados e controlados², são instrumentos governamentais³ que asseguram poder 4 e segurança 5 ao Estado.

Fragmento do texto: Os sistemas de inteligência¹ são uma realidade concreta na máquina governamental³ contemporânea, necessários para a manutenção do poder 4 e da capacidade estatal. Entretanto, representam também uma fonte permanente de risco. Se, por um lado, são úteis para que o Estado compreenda seu ambiente e seja capaz de avaliar atuais ou potenciais adversários 5 , podem, por outro, tornar-se ameaçadores e perigosos para os próprios cidadãos se forem pouco regulados e controlados².

Gabarito: C

Com relação à estrutura coesiva, gramatical e vocabular do texto, julgue os itens seguintes.

12. O uso do sinal indicativo de crase no trecho “os dilemas inerentes à convivência” (. 9) não é obrigatório.

Comentário: O adjetivo “inerentes” exige a preposição “a” e o substantivo “convivência” exige artigo “a”, pois está determinado pelo adjunto adnominal “entre democracias e serviços de inteligência”. Portanto, a crase é obrigatória.

Gabarito: E

13. A substituição da forma verbal “decorrem” (. 11) por advêm manteria a correção gramatical e o sentido do texto.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Comentário: Há verbos, como originar, provir, decorrer e advir, que relacionam a estrutura causa e consequência. Eles são transitivos indiretos e exigem a preposição “de”. Esta preposição transmite valor de origem. Sabe-se que a origem normalmente é a causa de algo. Desta forma se percebe que, semanticamente, o verbo advêm pode substituir “decorrem”. Sintaticamente, os dois são transitivos indiretos e exigem a mesma preposição (de). Além disso, os dois se encontram no mesmo tempo verbal e no plural. Assim, há correção gramatical e de sentido na substituição.

Gabarito: C

14. A retirada da preposição de em “do fato” (. 13) — que passaria a o fato — implicaria prejuízo à estrutura sintática do texto.

Comentário: Aproveitarei esta questão para enfatizar a diferença entre subordinação e coordenação de termos.

A

seta ( ) mostra uma relação de dependência (subordinação), do

seta ( ) mostra uma relação de dependência (subordinação), do

termo posterior com o anterior. Já a organização por linhas diferentes marca a enumeração, coordenação.

Tais dilemas decorrem

Tais dilemas decorrem da tensão entre a necessidade de segredo governamental

da tensão entre

Tais dilemas decorrem da tensão entre a necessidade de segredo governamental

a necessidade de segredo governamental

e

o princípio do acesso público à informação

ou do fato de não se poder reduzir

ou do fato de não se poder reduzir a segurança estatal à segurança individual,

a segurança estatal à segurança individual,

 

e

vice-versa.

O

verbo “decorrem” é transitivo indireto e a expressão “da tensão entre

a necessidade de segredo governamental e o princípio do acesso público à informação ou, ainda, do fato de não se poder reduzir a segurança estatal à segurança individual” completa o sentido deste verbo (relação de subordinação). Veja que a expressão “do fato” está coordenada à expressão “da tensão”, pois as duas são exigidas pelo verbo “decorrem”. Essas duas expressões são ligadas pela conjunção alternativa “ou” e formam o objeto indireto composto. Com a retirada da preposição “de”, o substantivo “fato” deixaria de ser o segundo núcleo desse objeto indireto e passaria a se ligar à preposição “entre”, o que tornaria a estrutura truncada. A conjunção “e” liga apenas os dois substantivos “necessidade” e “princípio”. Por tudo isso, a exclusão da preposição realmente implicaria prejuízo à sintaxe e, assim, a questão está correta

Gabarito: C

 

15. Os adjetivos “úteis” (. 4), “atuais” (. 5) e “perigosos” (. 6) caracterizam

os “sistemas de inteligência” (. 1).

Comentário: Os adjetivos “úteis” e “perigosos” são predicativos do sujeito elíptico (subentendido) “Os sistemas de inteligência”. Portanto, qualificam esse sujeito. Já o adjetivo “atuais” é adjunto adnominal de “adversários”, qualificando-o. Portanto, a afirmativa da questão está errada, pois o referente não é o

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

mesmo para todos os adjetivos. Veja:

Os sistemas de inteligência são uma realidade concreta na máquina governamental contemporânea, necessários para a manutenção do poder e da capacidade estatal. Entretanto, representam também uma fonte permanente de risco. Se, por um lado, são úteis para que o Estado compreenda seu ambiente e seja capaz de avaliar atuais ou potenciais adversários, podem, por outro, tornar-se ameaçadores e perigosos para os próprios cidadãos se forem pouco regulados e controlados.

próprios cidadãos se forem pouco regulados e controlados. Gabarito : E Só as provas e os
próprios cidadãos se forem pouco regulados e controlados. Gabarito : E Só as provas e os

Gabarito: E

Só as provas e os gabaritos

Prova 1

Agência Brasileira de Inteligência / 2008 / nível superior

1

Assistimos à dissolução dos discursos homogeneizantes e totalizantes da ciência e da cultura. Não existe narração ou gênero do discurso capaz de dar um traçado único, um horizonte de sentido unitário da experiência da vida, da cultura, da ciência ou da subjetividade. Há

5

histórias, no plural; o mundo tornou-se intensamente complexo e as respostas não são diretas nem estáveis. Mesmo que não possamos olhar de um curso único para a história, os projetos humanos têm um assentamento inicial que já permite abrir o presente para a construção de futuros possíveis. Tornar-se um ser humano consiste em participar de

10

processos sociais compartilhados, nos quais emergem significados, sentidos, coordenações e conflitos. A complexidade dos problemas desarticula-se e, precisamente por essa razão, torna-se necessária uma reordenação intelectual que nos habilite a pensar a complexidade.

Dora Fried Schnitman. Introdução: ciência, cultura e subjetividade. In: Dora Fried Schnitman (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade, p. 17 (com adaptações).

Julgue os seguintes itens, a respeito da organização das ideias no texto acima.

1.Subentende-se da argumentação do texto que a sistematização dos gêneros do discurso ainda é insuficiente para explicar satisfatoriamente o complexo sentido da cultura e da ciência na formação dos sujeitos.

2.O emprego do sinal indicativo de crase em “à dissolução” (. 1) deve-se à dupla possibilidade de relações sintático-semânticas para o verbo assistir.

3.A relação que a oração iniciada por “e as respostas” (. 5,6) mantém com a anterior mostra que a função da conjunção “e” corresponde à função de por isso.

4. Preservam-se as relações entre os argumentos do texto caso se empregue, em lugar de “que não possamos” (. 6), uma oração correspondente com o gerúndio: não podendo.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

5.Preservam-se as relações argumentativas, a noção de pluralidade e a correção gramatical da oração ao se empregar a expressão cada projeto humano em lugar de “os projetos humanos” (. 7).

6.

singular na forma verbal “consiste” deve-se à

Na

linha 9,

a

flexão de

obrigatoriedade da concordância do verbo com o sujeito da oração: “ser humano”.

7. O uso da preposição em, no termo “nos quais” (. 10), indica que a expressão nominal “processos sociais compartilhados” (. 10) está empregada como a circunstância de lugar da emergência dos “significados” (. 10), não como o agente de sua origem.

8.

No

segundo

parágrafo,

as

duas

ocorrências

do

pronome

se,

em

“desarticula-se” e “torna-se”, marcam a impessoalidade da linguagem empregada no texto por meio da indeterminação do sujeito.

1

Uma vez pesquisado, determinado assunto agrega novos elementos ao pensamento de seu observador e, portanto, modifica-o. Mudado seu modo de pensar, o pesquisador já não concebe aquele tema da mesma forma e, assim, já não é capaz de estabelecer uma relação exatamente

5

igual à do experimento original. Não se podendo repetir a relação sujeito- objeto, é forçoso afirmar que seria impossível a reprodução exata de qualquer situação de pesquisa, o que ressalta a importância da descrição do fenômeno e o caráter vivo dos postulados teóricos. Em uma visão fenomenológica, os chamados estados da mente perante a verdade podem

10

ser descritos como o tipo de experiência vivida pelo analista de inteligência no contato com o fenômeno acompanhado. Assim sendo, os fatos analisados não podem ser dissociados daquele que produz o conhecimento. Quando a mente se posiciona perante a verdade, o que de fato ocorre é um processo ativo de auto-regulação entre uma pessoa, seus conhecimentos preexistentes (a priori) e um novo fato que se apresenta.

Guilherme Augusto Rosito. Abordagem fenomenológica e metodologia de produção de conhecimentos. In: Revista Brasileira de Inteligência. Brasília: ABIN, v. 2, n.º 3, set./2008 (com adaptações).

Com referência ao texto acima, julgue os itens subsequentes.

9. O desenvolvimento da argumentação do texto mostra que o pronome em “modifica-o” (. 2) toma como referente a expressão “determinado assunto” (. 1).

10. Em “à do experimento” (. 5), o sinal indicativo de crase está empregado de forma semelhante ao emprego desse sinal em expressões como à moda, às vezes, em que o uso do sinal é fixo.

11. No desenvolvimento da argumentação, a oração “Não se podendo repetir

a relação sujeito-objeto” (. 5,6) expressa a causa que desencadeia as ideias

do trecho “é forçoso afirmar (

)

pesquisa” (. 6,7).

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

12.

Logo após “pesquisa” (. 7), estaria gramaticalmente correto e coerente com o desenvolvimento das ideias do texto o emprego do travessão simples no lugar da vírgula.

13.

Preservam-se as relações argumentativas e a correção gramatical do texto ao se substituir o trecho “os chamados estados da mente perante a verdade podem ser descritos” (. 9, 10) por podem serem descritos os chamados estados da mente em face à verdade.

14.

Subentende-se, pelas relações de sentido que se estabelecem no texto, que “daquele” (. 12) retoma, por coesão, “fenômeno” (. 11), precedido pela preposição de, exigida por “dissociados” (. 12).

1

A hipótese dos campos mórficos, criada pelo inglês Rupert Sheldrake, representa uma salutar sacudida na biologia, com consequências em vários outros ramos da ciência. Nos seres humanos, a ressonância mórfica pode ser uma ferramenta utilíssima para explicar o

5

aprendizado, em especial o de idiomas. Pela teoria, em geral é mais fácil aprender o que outros já aprenderam antes, graças à memória coletiva acessível a todos os indivíduos da mesma espécie. Assim, os campos mórficos podem representar um novo ponto de partida para compreendermos nossa herança cultural e a influência de nossos

10

ancestrais. O próprio biólogo reconhece, porém, que sua concepção tem um espaço em branco a ser preenchido. Se, por um lado, ela ajuda a explicar o modo como os padrões de organização são repetidos, por outro, não explicita como eles se colocam em primeiro lugar. Mas essa lacuna é estratégica, revela Sheldrake: “Isso deixa aberta a questão da criatividade

15

evolucionária.”

Planeta, ago./ 2005 (com adaptações).

No que se refere à organização das ideias no texto acima, julgue os próximos itens.

15. Infere-se da argumentação do texto que Sheldrake, em sua teoria, revoluciona os conceitos da biologia, utilizando-se da própria hipótese de ressonância dos conhecimentos de outros ramos da ciência na própria biologia.

16. Na articulação dos argumentos do texto, o termo “os indivíduos” (. 7) retoma, por coesão, o mesmo conjunto de seres antes designados como “seres humanos” (. 3).

17. A flexão de primeira pessoa do plural em “compreendermos” (. 9) indica que o sujeito da oração em que esse verbo ocorre é diferente do sujeito da oração anterior.

18. A conjunção “Se” (. 11) inicia uma oração que apresenta uma condição

para a realização do que se afirma na oração principal.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

1

Um homem do século XVI ou XVII ficaria espantado com as exigências de identidade civil a que nós nos submetemos com naturalidade. Assim que nossas crianças começam a falar, ensinamos-lhes seu nome, o nome de seus pais e sua idade. Quando arranjarem seu

5

primeiro emprego, junto com sua carteira de trabalho, receberão um número de inscrição que passará a acompanhar seu nome. Um dia chegará em que todos os cidadãos terão seu número de registro: esta é a meta dos serviços de identidade. Nossa personalidade civil já se exprime com maior precisão mediante nossas coordenadas de nascimento do que

10

mediante nosso sobrenome. Este, com o tempo, poderia muito bem não desaparecer, mas ficar reservado à vida particular, enquanto um número de identidade, em que a data de nascimento seria um dos elementos, o substituiria para uso civil. O nome pertence ao mundo da fantasia, enquanto o sobrenome pertence ao mundo da tradição. A idade,

15

quantidade legalmente mensurável com uma precisão quase de horas, é produto de um outro mundo, o da exatidão e do número. Hoje, nossos hábitos de identidade civil estão ligados, ao mesmo tempo, a esses três mundos.

Philippe Ariès. História social da criança e da família. Dora Flaksman (Trad.), p. 1-2 (com adaptações).

Com base no texto acima, julgue os itens de 19 a 25.

19. A argumentação do texto se organiza em torno da ideia de que o cidadão do tempo atual recebe diferentes identificações nos mundos da fantasia, da tradição e da personalidade civil.

20. A ideia de suposição expressa na forma verbal “ficaria” (. 1) permite o emprego de submetermos, forma verbal no modo subjuntivo, em lugar de “submetemos” (. 2), sem que se prejudiquem a coerência e a correção gramatical do texto.

21. O emprego da preposição antes do pronome, em “a que” (. 2), atende à regra gramatical que exige a preposição a regendo um dos complementos do verbo submeter.

22. A substituição de “ensinamos-lhes” (. 3) por ensinamos a elas preservaria tanto a correção gramatical do texto quanto as relações semânticas expressas no trecho em questão.

23. A organização do período iniciado à linha 6 admite a substituição do sinal de dois-pontos, empregado logo após “registro” (. 7), pela conjunção portanto, entre vírgulas, sem que se prejudique a coerência textual.

24. A função textual de “esta” (. 7) e “Este” (. 10) é retomar, como referente, a ideia enunciada na oração que precede cada um desses pronomes.

25. Preservam-se a correção gramatical e a coerência do argumento se, do período iniciado por “Este, com o tempo” (. 10) forem retirados os termos “não” e “mas”, nas linhas 10 e 11.

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

Prova 2

Agência Brasileira de Inteligência / 2008 / nível médio

1

Com o advento do século XXI, novas ameaças ganharam relevo no mosaico dos problemas que colocam em risco a segurança dos povos, a estabilidade dos países e a concentração de esforços em favor da paz mundial. O terrorismo internacional, devido a seu poder de infiltração em

5

diferentes regiões e sua capacidade para gerar instabilidade na comunidade internacional, constitui uma das principais ameaças da atualidade. A expansão do terrorismo internacional na última década está diretamente relacionada ao crescimento de sua vertente islâmica, que, por

10

sua vez, ampliou-se na esteira da disseminação de interpretações radicais do Islã, que se opõem a qualquer tipo de intervenção no universo dos valores muçulmanos e pregam o uso da violência — guerra santa (jihad) — como forma de defender, expandir e manter a comunidade islâmica mundial.

Paulo de Tarso Resende Paniago. O desafio do terrorismo internacional. In: Revista Brasileira de Inteligência. Brasília:

ABIN, v. 3, n.º 4, set./2007, p. 36.

Em relação ao texto acima, julgue os itens a seguir.

1.No texto, de tipologia predominantemente narrativa, o autor apresenta a forma de atuação dos terroristas no cenário internacional.

2.As vertentes islâmicas que interpretam o Islã de forma radical pregam o uso da violência — guerra santa (jihad).

3.A palavra “mosaico” (. 2) está sendo empregada, no texto, em sentido conotativo (figurado).

4.As palavras “última”, “década” e “islâmica” recebem acento gráfico com base em regras gramaticais diferentes.

5. A partícula “se”, em “ampliou-se” (. 10), indica que o sujeito da oração

é indeterminado.

1

Na atualidade, em qualquer parte do mundo, podem desenvolver-se atividades de apoio logístico ou de recrutamento ao terrorismo. Isso se deve à sua própria lógica de disseminação transnacional, que busca continuamente novas áreas de atuação e, também, às vantagens

5

específicas que cada país pode oferecer a membros de organizações extremistas, como facilidades de obtenção de documentos falsos ou de acesso a seu território, além de movimentação, refúgio e acesso a bens de natureza material e tecnológica. A descentralização das organizações extremistas amplia sua capacidade operacional e lhes permite realizar

10

atentados quando as circunstâncias lhes forem favoráveis e onde menos se espera, para potencializar o efeito surpresa e o sentimento de insegurança, objetivos próprios do ato terrorista. Desse modo, cidadãos e interesses de qualquer país, ainda que não sejam os alvos ideais, em

PORTUGUÊS P/ POLÍCIA FEDERAL - (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR

termos ideológico-religiosos, podem servir de “pontes” para que

15 organizações extremistas atinjam, embora indiretamente, seus principais oponentes.

Idem, ibidem (com adaptações).

Com base nas ideias, estruturas linguísticas e tipologia do texto acima, julgue os itens que se seguem.

6.

A estrutura do trecho é característica de texto instrucional ou injuntivo.

7.

Em “às vantagens” (. 4), o sinal indicativo de crase justifica-se pela regência de “deve” (. 3) e pela presença de artigo definido feminino plural.

8.

O pronome “lhes”, em suas ocorrências, nas linhas 9 e 10, refere-se a “organizações extremistas” (. 8,9).

9.

De acordo com o texto, países que oferecem facilidades para a obtenção de documentos falsos e de acesso ao seu território ajudam a evitar a ação dos terroristas.

10.

Conclui-se da leitura do texto que cidadãos de países que não se opõem diretamente às organizações extremistas são alvos diretos das ações terroristas.