Você está na página 1de 20

Análise das relações entre memória e aprendizagem na construção do saber

Analysis of Relationship between Memory and Learning Construction of Knowledge

Joseneide Bezerra Cerqueira Estrela 1 Josenete dos Santos Falcão Ribeiro 2

1 Pós-graduação em Educação - UNINTER, cerqueiraestrela@ig.com.br 2 Pós-graduação em Educação - UNINTER, falcaoribeiro@hotmail.com

Resumo

Este artigo propõe compreender a relação existente entre aprendizagem e memória, enfatizando o papel que esta exerce no ato de aprender. Explicita como a memória é formada em todas as suas etapas desde a aquisição, passando pela consolidação e por fim a evocação e o quanto a integridade de funcionamento dessas etapas contribui poderosamente para todas as demais atividades mentais presentes no processo de aprendizagem. Junto a isso, repassa algumas correntes pedagógicas com a intenção de analisar alguns conceitos necessários e de verificar qual o papel da memória no processo de aquisição da aprendizagem e como os educadores fazem uso dessa capacidade humana. Inclui refletir sobre a aplicação dos conhecimentos neurocientíficos na educação e sobre a necessidade de maiores pesquisas que abranjam tanto a memória quanto a aprendizagem, principalmente a relação entre essas duas áreas no sentido de melhorar a prática pedagógica, bem como uma melhor aprendizagem. Tem como objetivo final, retomar a importância da memória no ato de aprender à luz dos conhecimentos neurocientíficos aplicados à educação. Apesar de muitas descobertas acerca dos mecanismos bioquímicos e físicos presentes na memória, ainda não temos fundamentação suficiente para compreender todos os processos que ocorrem na formação das memórias e o quanto esses processos estão diretamente ligados à aprendizagem.

Palavras-chave: Memória. Aprendizagem. Neuropsicologia. Construção do conhecimento. Consolidação da Memória. Evocação.

do conhecimento. Consolidação da Memória. Evocação . Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página 140
do conhecimento. Consolidação da Memória. Evocação . Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página 140

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 140

Abstract

This article proposes to comprehend the relationship that exists between the learning and the memory, emphasizing the role that the first one performs in the act of learning. It makes evident how the memory is made up in all its steps from the acquisition, passing through consolidation, and at last the evocation and how the integrity and the functioning of this steps mightily contribute to all other mental activities in the learning process. Moreover, review some pedagogical chains with the intention to examine some necessary concepts and to check what the role of memory in the process of acquisition of learning and how teachers make use of that human capacity relegated to merely repetitive tasks. Includes reflect on the application of neuroscientific knowledge in education and the need for further research covering both memory as learning, especially the relationship between these two areas in order to improve teaching practice and improved learning. Its final objective, retake the importance of memory in learning in light of neuroscientific knowledge applied to education. Although many discoveries about the biochemical mechanisms and physical gifts in memory, we still lack sufficient reasoning to understand all the processes that occur in the formation of memories and how these processes are directly linked to learning.

Keywords:

consolidation. Evocation.

Memory.

Learning.

Introdução

Neuropsychology.

Knowledge

building.

Memory

Este artigo tem como objetivo analisar qual o papel da memória no processo da

aprendizagem e a sua contribuição como grande construtora do ser humano, da

capacidade do homem ter consciência de que sabe que sabe, tornando-se único no

mundo e a relação da memória com a aprendizagem.

Memória refere-se à capacidade que os animais têm de armazenar informações

que são adquiridas a todo instante, provenientes do meio interno e externo e, que

podem ser lembradas e utilizadas posteriormente. De posse desse conhecimento

trataremos nesse artigo sobre os mecanismos de funcionamento da memória, a

descrição de alguns modelos teóricos referentes a relação entre memória e

aprendizagem como também, a conexão entre os processos mnemônicos e o ato de

aprender.

Segundo Lent (2005), a memória difere da aprendizagem, já que esta se

relaciona apenas ao processo de aquisição das informações e aquela engloba também

de aquisição das informações e aquela engloba também Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página
de aquisição das informações e aquela engloba também Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 141

a retenção e a recordação. No entanto, as duas estão intimamente ligadas entre si,

exercendo a memória um papel determinante na seleção e consolidação da informação adquirida. Para analisar essa relação selecionamos algumas questões que nortearão a pesquisa e que serão respondidas ao longo do trabalho. Essas questões relacionam-se ao melhor entendimento a respeito da necessidade de uma boa consolidação da memória para que haja uma aprendizagem significativa, observando quais os fatores que interferem na recordação de um conteúdo aprendido, buscando saber se o

conhecimento existente sobre memória é suficiente para utilizá-la de modo eficiente pelos educadores. Utilizaremos como procedimento metodológico a pesquisa descritiva que terá como fonte de dados a pesquisa bibliográfica. Será realizada mediante revisão bibliográfica de diversos autores, pesquisadores e teóricos dos campos da neurociência, psicologia e educação. Partindo dessas pesquisas, observamos que através da memória os conhecimentos são armazenados e posteriormente transmitidos, possibilitando assim

a perpetuação dos seus valores sociais e culturais, configurando a existência de uma memória coletiva. Esta memória permitiu que o homem se percebesse como ser de projeto, senhor da sua existência, tendo plenos conhecimentos do que sabe e do que pode fazer com o seu saber, possibilitando com isto a evolução da sua espécie. Não se pode compreender a aquisição do conhecimento sem considerar os mecanismos que os envolve, dentre eles estão as funções psicológicas superiores. A memória está envolvida em todo ato de aprender e a evocação, o esquecimento ou a extinção são determinados, de certo modo, pela qualidade de aprendizagem. Cury (2005) aborda a memória como sendo suporte para a construção do mundo intelectual e a considera como depósito de toda a nossa história intrapsíquica,

englobando toda sorte de vivência, e experiência tendo como elemento imprescindível

a emoção que acompanha as lembranças. É necessário ressaltar a importância que a retomada dos conteúdos, como sua repetição ou reverberação exercem sobre a consolidação das memórias, garantindo assim uma construção mais sólida do conteúdo, episódio ou procedimento a serem adquiridos.

do conteúdo, episódio ou procedimento a serem adquiridos. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página
do conteúdo, episódio ou procedimento a serem adquiridos. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 142

Ainda dentro deste raciocínio pode-se inferir que os conhecimentos prévios que possibilitam a evolução do processo de aprendizagem, só são possíveis graças ao ativo papel da memória, que quando bem consolidada, permite as necessárias associações, comparações, classificações, categorizações e generalizações do novo conhecimento relacionando-o com os anteriores. Izquierdo (2006), fala que, alguns conteúdos são temporariamente extintos, dependendo das circunstâncias, da falta de estimulo e da falta de utilização pelo cérebro. No entanto por estar de forma latente retido na memória de longo prazo poderá a qualquer momento estando em condições favoráveis, ser rememorado. Há também falhas temporárias no processo de evocação ou recordação que podem ser causadas por vários fatores como stress, cansaço, problemas emocionais e que são denominados como o famoso “branco”. Essas falhas ocorrem com relativa freqüência e comprometem o desempenho dos alunos A memória está presente também, quando o individuo se depara com uma situação que traz á tona lembranças dolorosas que ocorreram e que tem alguma relação com o presente momento. Esta relação pode interferir no processo de aprendizagem, podendo até bloqueá-lo. Diante do exposto, sabemos que a continuidade da humanidade depende, em suma, de capacidade de transmissão e de mediação cultural entre gerações (FONSECA, 2007). Nesse aspecto a memória tem papel fundamental processando as informações e consolidando a aprendizagem. Todos os saberes adquiridos são continuamente transformados em novos saberes. Nesse processo, os esquemas neuronais se modificam e ampliam a capacidade do homem de aprender novos conhecimentos e de modificar o que já foi construído. A aprendizagem tem sido centro de interesse de vários autores ao longo dos últimos 70 anos, constituindo-se em um campo, muito vasto e rico em informações. Abordamos apenas, nesse trabalho, alguns conceitos mais significativos e adequados aos fins que desejamos atingir. Segundo Dias (2004), o indivíduo é autor do seu conhecimento e concebe a aprendizagem como:

é autor do seu conhecimento e concebe a aprendizagem como: Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez.,
é autor do seu conhecimento e concebe a aprendizagem como: Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez.,

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 143

A capacidade e à possibilidade que o indivíduo tem de selecionar e perceber informações, conhecer, experiência, compreender, interpretar, associar, armazenar e utilizar essas informações oriundas do meio. Estas capacidades proporcionam a associação e integração dessas informações dos conhecimentos que o indivíduo possui, garantindo relacionamentos afetivos, e melhor qualidade de vida no meio em que vive. (DIAS, 2004, p.

393)

Ampliando a nossa compreensão sobre esse tema Fonseca considera a aprendizagem como o comportamento mais importante dos animais superiores, quando diz que:

aprendizagem constitui uma mudança de comportamento resultante da

experiência. Trata-se de uma mudança de comportamento ou de uma conduta que assume várias características. É uma resposta modificada,

[ ]

estável e durável, interiorizada e consolidada no próprio cérebro do indivíduo. (FONSECA, 1995, p. 127)

É através dessas e de outras citações que estão no nosso trabalho, que buscaremos fundamentar o nosso tema e a partir daí, construirmos a nossa aprendizagem sobre a memória e a consolidação do saber.

Memória - Definição e importância

A memória é uma das funções psicológicas superiores ou executivas, portanto é uma função “inteligente”. Ela proporciona que os seres humanos e os animais aproveitem as experiências passadas e as utilizem na aquisição de novas habilidades e na resolução de problemas. É impossível conceber qualquer atividade humana, seja ela mental, motora ou afetiva sem o papel ativo da memória. Sem ela, seria necessário aprender todos os dias a realizar as mesmas tarefas, como por exemplo, andar, falar, ler, reconhecer pessoas e objetos etc. Na verdade é porque temos uma memória motora que não precisamos pensar em todos os passos e movimentos necessários para piscarmos os olhos ou levantarmos as mãos e isto possibilita que tenhamos condições de aprender sempre algo novo, usando inclusive, os conhecimentos já anteriormente adquiridos e que estão na chamada memória de longo prazo.

adquiridos e que estão na chamada memória de longo prazo. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez.,
adquiridos e que estão na chamada memória de longo prazo. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez.,

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 144

A sua importância na vida dos seres vivos e, principalmente, na vida humana é

inquestionável. Um homem sem memória é um homem sem identidade, pois tudo que somos nada mais é do que o acúmulo de nossas experiências que são ampliadas e ressignificadas ao longo do tempo e nos constituem enquanto sujeito. Izquierdo (2006), fala que somos aquilo que recordarmos, literalmente, e também somos o que resolvemos esquecer, já que esse esquecimento se constitui em um processo ativo, uma prática da memória, que atende a alguma demanda psico- afetiva.

Lúria (1998), fala que a memória comporta a nossa história intrapsíquica que é formada por milhões de experiências de prazer, dor, tristeza, medo, tranqüilidade, inquietação, angústia, raiva, desde a vida intra-uterina, e que vão se acumulando ao longo dos anos. De acordo com a definição apresentada, observamos que a memória está presente na nossa construção enquanto seres humanos, inserida em todas as atividades, quer sejam mentais, motoras e afetivas, evidenciando assim, a sua relevância na consolidação dos conhecimentos necessários a sobrevivência da nossa espécie.

Aspectos evolutivos

Quando falamos em memória estamos nos referindo a um mecanismo complexo baseado em um tripé composto pelos seguintes elementos: aquisição, armazenamento e evocação.

Durante muito tempo debateu-se a idéia da memória ser considerada como uma função unitária. Hoje se concebe a idéia de que existem várias formas ou tipos de memória, e cada uma relaciona-se a mecanismos específicos.

O estudo científico da memória ganhou impulso no séc. XX. No início a ênfase

era dada aos aspectos observáveis do comportamento (Behaviorismo), onde a aprendizagem era determinada pela associação entre E/R (estímulo-resposta). Com o tempo, percebeu-se que esta memória “automática” não respondia a todas as demandas e novos problemas que surgiam, sendo necessário acrescentar a

novos problemas que surgiam, sendo necessário acrescentar a Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página
novos problemas que surgiam, sendo necessário acrescentar a Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 145

memória “cognitiva” que possibilitava respostas mais adaptadas e inteligentes, compatíveis na solução destes novos problemas. Segundo Luria (2006), os trabalhos mais recentes sobre a memória estão

relacionados aos progressos na área das neurociências e às teorias sobre o cérebro e sua estrutura fisiológica e bioquímica, bem como aos avanços dos exames de neuroimagem. Alguns teóricos preferem reservar o termo memória para referirem-se à capacidade geral do cérebro para adquirir, guardar lembrar fatos e utilizar memórias para cada um tipo delas, ou seja, memória para uma função mais global e memórias que com funções mais delimitadas.

A lembrança ou recordação de uma informação ou experiência não é igual à

realidade.

Ao converter a realidade em um complexo código de sinais elétricos e bioquímicos, os neurônios traduzem. Na evocação, ao reverter essa informação para o meio que nos rodeia, os neurônios reconvertem sinais bioquímicos ou estruturais em elétricos, de maneira que novamente nossos sentidos e nossa consciência possam interpretá-los como pertencentes a um mundo real. (IZQUIERDO, 2006, p.17)

Os tipos e as formas de memória

A memória ou memórias podem ser classificadas segundo a sua função, o

tempo e o seu conteúdo. Quanto à sua função podemos observar dois tipos de memória a de curto prazo e a de longa duração.

A memória de curto prazo é breve e funciona como centro gerenciador no

sentido de verificar se determinado tipo de informação vale a pena ser armazenado e

ser retido para possível transformação em memória de longo prazo ou se a mesma já faz parte dos arquivos. A memória de trabalho mantém durante alguns segundos e no máximo minutos a informação que está sendo processada no momento. Após a utilização dessa informação, acabamos esquecendo-a. Esse tipo de memória é processado fundamentalmente pelo córtex pré-frontal, porém há conexões dessa região, via

córtex pré-frontal, porém há conexões dessa região, via Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página
córtex pré-frontal, porém há conexões dessa região, via Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 146

córtex entorrinol, com o hipocampo e com as demais áreas envolvidas nos processos de memória.

O que ocorre é que para cumprir este papel de gerenciador, a memória de

trabalho precisa fazer uma “varredura” em outras áreas do cérebro para certificar-se de se a informação é nova ou se merece ser aprendida (formar uma nova memória). Caso seja útil para o individuo esta nova informação, passa-se à etapa de armazenamento, configurando a formação de um outro tipo de memória a memória de longa duração. De acordo com o seu conteúdo classificamos a memória em memórias declarativas e memórias procedurais. As declarativas por sua vez são divididas em episódicas ou semânticas. As memórias episódicas são também chamadas de autobiográficas. As episódicas referem-se a fatos dos quais participamos e as semânticas nos remetem a conhecimentos gerais.

Já as memórias procedurais estão relacionadas como memórias de habilidades

e capacidades, como por exemplo andar de patins. De acordo com uma classificação mais moderna podemos dividir as memórias declarativas e procedurais em explicitas e implícitas, respectivamente.

É importante evidenciar que as memórias declarativas requerem para o seu

bom funcionamento uma boa memória de trabalho. Existe um tipo de memória que muitos autores consideram-na como diferente dos demais tipos de memória existentes o priming (memória adquirida e evocada por meio de dicas). Quanto ao tempo a memória pode ser de curta duração, de longa duração ou memória remota. As memórias explícitas podem durar minutos, horas, dias, meses ou anos. Já as memórias implícitas geralmente duram toda a vida. No início do armazenamento e da consolidação as memórias declarativas de longa duração são mais instáveis e são mais vulneráveis à influência de vários fatores. “A exposição a um ambiente novo dentro da primeira hora após a aquisição, por exemplo, pode deturpar seriamente ou até cancelar a formação definitiva de uma memória de longa duração”. (IZQUIERDO et al, 1999 apud IZQUIERDO, 2006 p. 25) Alguns autores discutem o fato da memória de curta duração ser apenas uma das etapas da memória de longa duração ou se ela envolve mecanismos distintos de funcionamento. A posição mais aceitável é que apesar da memória de curta duração

mais aceitável é que apesar da memória de curta duração Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez.,
mais aceitável é que apesar da memória de curta duração Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez.,

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 147

utilizar as mesmas estruturas nervosas, que a memória de longa duração, elas se diferenciam pelos processos que as envolvem. As memórias de longa duração que duram meses ou anos podem ser chamadas de memórias remotas. Cury (2002) classifica a memória em duas grandes áreas: uma área central que ele denomina de MUC - memória de uso contínuo e uma grande área periférica e inconsciente denominada de ME - memória existencial. A MUC representa a memória de acesso mais livre, enquanto a ME representa a memória que contém os nossos segredos. Estas duas áreas são interligadas multifocalmente e o trânsito entre o mundo consciente e inconsciente é enorme e contínuo, onde estamos sempre resgatando informações da ME para a MUC e deslocando informações do MUC para a ME.

Os mecanismos de formação das memórias

O processo de consolidação das memórias compreende a atuação metabólica de várias estruturas cerebrais, e dura entre 3 a 8 horas. Durante este período as memórias sofrem influências de outras memórias, de outros fatores internos e externos. Dois acontecimentos científicos impulsionaram o estudo detalhado dos mecanismos de aquisição, consolidação, evocação e extinção das memórias e são eles:

o processo fisiológico chamado de potenciação de longa duração e, posteriormente, depressão de longa duração e as modernas técnicas de imagens, com destaque para a ressonância magnética nuclear. Essas técnicas mensuram a ativação metabólica de determinadas regiões de cérebro quando o individuo está formando ou recordando memórias. Segundo Lent (2005), todas as funções nervosas podem ser moduladas. Quer dizer, todas estas funções podem ser fortalecidas ou enfraquecidas dependendo da atuação de fatores internos e / ou externos. Dentro do processo de formação da memória observa-se o papel fundamental da modulação, principalmente, nas primeiras horas que seguem à aquisição. Esta modulação pode ser produzida pelo nível de alerta, grau de ansiedade e estado de ânimo.

pelo nível de alerta, grau de ansiedade e estado de ânimo. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1,
pelo nível de alerta, grau de ansiedade e estado de ânimo. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1,

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 148

Várias estruturas cerebrais estão envolvidas no processo de formação das memórias e cada etapa dos múltiplos sistemas de memória é ativada pela atuação de algumas estruturas cerebrais especificas. Assim sendo, a codificação ou aquisição refere-se à elaboração da informação a ser armazenada e as estruturas da região límbica são as mais envolvidas.

A etapa da consolidação ou armazenamento é responsável pela retenção da

informação a ser armazenada e envolve principalmente as vias neuronais da região temporal média, denominada hipocampo, que age em comunicação com, o córtex, possibilitando a reverberação da informação a ser armazenada e isto é imprescindível para o processo de consolidação, pois o ato de reverberar traz uma contribuição significativa para a retenção do material na memória. Segundo Cury (2002) as informações são arquivadas no córtex cerebral sob a forma de códigos. Neste processo elas perdem o conteúdo da energia psíquica da alegria, tristeza, solidão, hesitação, medo, ansiedade e se armazenam em forma de sistema de códigos “ frios ”. Estes códigos constituem a RPS (representação psicossemântica) que são experiências e informações psíquicas arquivadas como sofisticados sistemas de códigos físico-químicos na memória. Já Izquierdo (2002) fala sobre o sistema de codificação através dos engramas de memória.

A evocação é a etapa de acesso ao material armazenado e a região cerebral

responsável pela mesma é a fronto-temporal. Nesta etapa, ao resgatarmos o código

das experiências do passado, elas deixam de ser códigos e tornam-se novamente energia psíquica. Porém, o conteúdo emocional desta retomada será diferente do original, ainda que tenha relação com o mesmo. De acordo com a teoria da inteligência multifocal de Cury (1998), assim como

ocorre o fenômeno RAM (registro automático da memória), do mesmo modo, a leitura da memória diante de um estímulo também não é opcional, mas inevitável.

O fenômeno da auto-checagem inicia as primeiras leituras da memória e por

isso é também denominado de fenômeno do gatilho da memória. Este fenômeno desencadeia em frações de segundos o gatilho das primeiras reações da inteligência. Ele checa o estimulo na memória e produz os primeiros pensamentos, mas cumpri ao eu refletir sobre eles e criticá-los depois de produzidos.

eu refletir sobre eles e criticá-los depois de produzidos. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012
eu refletir sobre eles e criticá-los depois de produzidos. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 149

A leitura da memória é a maior ferramenta no processo de construção do pensamento que serve de base para o processo de aprendizagem, ou seja, a varredura que o fenômeno da autochecagem faz, ao se deparar com algum estimulo, buscando verificar se o mesmo é totalmente novo ou quais elementos contidos na memória de longa duração podem servir de auxílio para a compreensão, assimilação e acomodação do mesmo, usando uma linguagem piagetiana, é fundamental para a construção do pensamento e do conhecimento.

Extinção, Amnésias ou perda de memória

I) Extinção

Como observou James, “a única forma de avaliar as memórias é medindo a sua evocação” (JAMES, 1890 apud IZQUIERDO, 2006 p. 57). Às vezes percebemos que há uma inibição transitória da evocação, como por exemplo: olhamos para uma pessoa, sabemos de fato quem ela é, porém não conseguimos lembrar o seu nome. Com o tempo esta inibição transitória é superada e a pessoa recorda o fato com riquezas de detalhe. Há uma relação bem estreita entre a evocação e a extinção, e como observou Izquierdo, (2006, p. 59), “a evocação planta as sementes da própria extinção”. Vale ressaltar aqui que há uma diferença entre perda parcial ou total de memória e o fenômeno de extinção. Na relação específica entre evocação e extinção, o autor citado referencia-se em Pavlov para explicar o processo de extinção de uma resposta condicionada, quando da eliminação do estímulo incondicionado. Quando numa situação de treino da esquiva inibitória, o rato é colocado na mesma caixa, na mesma plataforma, com a mesma intensidade de luz, etc. e não se dá o choque, ele vai perceber este fenômeno ao realizar a resposta condicionada. Após algumas explorações e tentativas em que a resposta condicionada não ocorre, observa-se que o animal chegará um momento em que não permanecerá mais na plataforma, tornando aquela resposta extinta.

mais na plataforma, tornando aquela resposta extinta. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página 150
mais na plataforma, tornando aquela resposta extinta. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página 150

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 150

Entretanto se, em alguma outra situação, ele for submetido a contingências semelhantes, (o choque elétrico) ele recuperará instantaneamente a memória da esquiva inibitória e recuperará a resposta condicionada de permanecer na plataforma. Segundo este raciocínio, extinção não é sinônimo de esquecimento. Memórias extintas podem ser rememoradas de diversas maneiras. No conjunto das informações e acontecimentos cognitivos o número de memórias esquecidas, ou seja, fatos que foram rapidamente retidos pela memória de trabalho e longo foram perdidos, é significativamente maior do que informações extintas. Há muitas memórias que parecem ter sido esquecidas, mas que foram na verdade extintas, estando armazenadas de forma latente, podendo ser evocadas, a qualquer momento, na presença de estímulos adequados, e isto ocorre com maior freqüência do que se imagina.

APRENDIZAGEM

Para que houvesse o desenvolvimento da raça humana, o indivíduo precisou interferir no mundo a sua volta, buscando adaptá-lo às suas necessidades. Nesse processo, o homem precisou investigar, observar, mudar, aprender. E em conseqüência desse aprender, ele se desenvolveu, ampliou as suas possibilidades de viver e de interagir no mundo. Esse processo não foi fácil, demorou muito para ser conquistado e ao longo da sua história foi lançando mão de todas as suas possibilidades, desenvolvendo o seu cérebro para que pudesse dá respostas cada vez mais elaboradas diante dos desafios da vida. Diferente do animal o homem é um ser de projeto, sua aprendizagem para Fonseca (1995, p. 129), “é o reflexo da assimilação e conservação do conhecimento, controle e transformação do meio, que foi acumulado pela experiência da humanidade através dos séculos”. No animal, o comportamento adquirido não demonstra qualquer planejamento prévio ou seleção de ações é repetitivo e além disso, qualquer que seja o animal, ele

é repetitivo e além disso, qualquer que seja o animal, ele Caderno Intersaberes, v. 1. n.1,
é repetitivo e além disso, qualquer que seja o animal, ele Caderno Intersaberes, v. 1. n.1,

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 151

não pode transmitir seus conhecimentos, nem novos comportamentos a gerações futuras. Para compreender esse homem, esse ser tão complexo, vários autores voltaram seu olhar para investigá-lo e com isso, buscar conhecer como o homem aprende? O que está envolvido nesse processo? Para responder a esses questionamentos, várias teorias foram criadas com o objetivo de desvendar a complexidade da aprendizagem humana. Fazendo um recorte nesse processo histórico, citamos Piaget sua teoria é classificada como construtivista.

Para ele. “O homem, dotado de estruturas biológica, herda uma forma

de funcionamento intelectual ou seja, uma maneira de interagir com o ambiente que o leva à construção de um conjunto de significados. A interação deste sujeito com o ambiente permitirá a organização desses significados em estruturas cognitivas. Durante a vida, serão vários os modos de organização dos significados, marcando, assim diferentes estágios de desenvolvimento. A cada estágio corresponderá um tipo de estrutura cognitiva que permitirá formas diferentes de interação com o meio. São as diferentes estruturas cognitivas que permitem prever o que se pode conhecer naquele momento da evolução”. (BOCK, et al, 2001, p. 127)

[ ]

As crianças, nesse processo, constroem o conhecimento explorando o meio em que vivem. Essa exploração pode ser física (manipulando objetos) ou metais (como pensar sobre algo). Se esta exploração provocar uma desequilibração no individuo, este continua e busca atribuir sentido ao que é investigado, promovendo assim, uma assimilação do que foi explorado. Dessa forma, se dá a construção de conhecimento para Piaget. Outro autor que trouxe grandes contribuições para ampliar a concepção de aprendizagem foi Vygotsky.

A aprendizagem sempre inclui relações entre as pessoas. A relação do indivíduo com o mundo está sempre medicada pelo outro. Não há como aprender e apreender o mundo se não tivermos o outro, aquele que nos fornece os significados que permitem pensar o mundo a nossa volta. Vygosky defende a idéia de que não há um desenvolvimento pronto e previsto dentro de nós que vai se atualizando conforme o tempo passa ou recebemos influência externa. O desenvolvimento não é pensado como algo natural nem mesmo como produto exclusivo da maturação do organismo, mas como um processo em que estão presentes a maturação do organismo,

processo em que estão presentes a maturação do organismo, Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012
processo em que estão presentes a maturação do organismo, Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 152

o contato com a cultura produzida pela humanidade e as relações sociais que permitem a aprendizagem. (VYGOTSKY apud, BOCK, et al, 2001. p. 124)

A criança começa seu aprendizado desde cedo, antes mesmo de entrar na escola, isto acontece, porque ela já interage com a cultura do seu povo, adquirindo e desenvolvendo a linguagem, valores etc., transmitidas pelos diversos mediadores com quem convivem no seu dia-a-dia. Não se pode conceber a aprendizagem sem a inter-relação do corpo que aprende como as funções neurológicas superiores já citadas (percepção, linguagem, atenção, memória, raciocínio lógico). Sem essa contribuição, o homem não conseguiria preservar toda a sua produção cultural e passá-la adiante. Na medida em que a concepção do homem evoluía, pensadores de diversas áreas, deram sua contribuição para a compreensão desse intrincado ser, principalmente quando se deparavam com o cérebro humano, cheio de possibilidade ainda não totalmente investigadas. Até aqui, falamos de aprendizagem como se fosse um processo contínuo e sem obstáculos, é importante ressaltar que muito dos esforços para entender a aprendizagem humana é justamente para compreender porque algumas crianças, mesmo sendo devidamente mediadas, não conseguem aprender. Esse é um dos focos da autora e psicopedagoga Alicia Fernandez, que combate a visão fragmentada do indivíduo e busca entender e contribuir para com aqueles que não conseguem desenvolver plenamente esse processo de aquisição do conhecimento.

Assim como em todo processo de aprendizagem estão implicados os quatro níveis (organismo, corpo, inteligência, desejo), e não se poderia falar de aprendizagem excluindo algum deles, também no problema de aprendizagem, necessariamente estarão em jogo os quatro níveis em diferentes graus de compromisso. (FERNANDEZ, 1991, p 57)

Entendemos com isso, que o corpo também é um grande mediador da sua própria aprendizagem desprezá-lo é ignorar um grande colaborador que facilita e permeia o saber; essa concepção parece está distante em algumas escolas, que prioriza apenas o cérebro. Como se o mesmo tivesse dissociado de um corpo que interage não só de forma biológica, genética, mas também social.

não só de forma biológica, genética, mas também social. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012
não só de forma biológica, genética, mas também social. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 153

Outro autor que contribuirá de maneira significativa com o nosso trabalho é Vitor da Fonseca, quando diz:

Aprendizagem é, portanto, uma função do cérebro. Não há uma região específica do cérebro que seja exclusivamente responsável pela aprendizagem. O cérebro é no seu todo funcional e estrutural responsável pela aprendizagem. A aprendizagem é um resultado de complexas operações neurofisiológicas. Tais operações associam, combinam e

organizam estímulos com respostas. [

]

(FONSECA, 1995, p. 128)

Aprendizagem e memória

A aquisição da memória está diretamente relacionada ao complexo processo de aprendizagem que para ocorrer lança mão de toda uma estrutura biológica, mental e emocional. Envolve todas as funções psicológicas superiores, como: percepção, atenção, sensação, memória, raciocínio-lógico, noções temporal, espacial e julgamento. Para que este conhecimento seja construído, tomando como base a teoria piagetiana, é crucial que haja um “conflito cognitivo”, ou seja, algo novo precisa ser incorporado aos conhecimentos pré-existentes. Este desequilíbrio cognitivo, irá se resolver mediante os mecanismos de assimilação e acomodação. O “conflito cognitivo” só é possível existir, através do ativo papel da memória que, ao fazer uma varredura em todos os seus arquivos, irá definir se o conteúdo é totalmente ou parcialmente novo e quais os elementos que podem ser associados aos já existentes a fim de se construir um conceito, um pensamento ou um procedimento, restabelecendo assim o equilíbrio. Esse processo é constante entre equilíbrio e desequilíbrio cognitivo. Daí a importância dos conteúdos escolares serem seqüenciados, numa ordem crescente de complexidade e formarem encadeamento natural, que haja por parte do professor um esforço maior para estabelecer algum nível de relação entre os mesmos, contextualizando-os sempre que possível. Outro aspecto importante dentro do processo de aprendizagem é a íntima relação entre o reforço do conteúdo a ser aprendido e a qualidade da retenção ou consolidação do mesmo. Aproveitando ao máximo o processo de construção da

mesmo. Aproveitando ao máximo o processo de construção da Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012
mesmo. Aproveitando ao máximo o processo de construção da Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 154

memória que envolve todas as suas etapas (aquisição, retenção e evocação) que dura cerca de 3 a 8 horas. Portanto é importante que as cadeias neuronais sejam fortalecidas através da exposição de formas variadas a este conteúdo, utilizando todos os recursos possíveis (visuais, cinestésicos e auditivos) a fim de que através destes reforços a informação seja devidamente adquirida e eficientemente arquivada na memória. Porém, só a exposição a estes recursos variados não garante uma real aquisição de conhecimento. É preciso que este seja devidamente mediatizado pelo professor. Bock (2001, p. 124) traz uma fala de Vygotsky que diz: O desenvolvimento é um processo que se dá de fora para dentro. É no processo de ensino-aprendizagem que ocorre a apropriação da cultura e o conseqüente desenvolvimento do indivíduo. Quando ocorre uma mediação com qualidade o aprendiz pode lançar mão dos conhecimentos prévios através da ativação da memória e estes conhecimentos irão auxiliá-lo na compreensão e apropriação do novo conhecimento. Na ausência de uma mediação eficiente o aluno utilizará apenas a memória de curto prazo, em que as informações serão armazenadas superficialmente sem o adequado processo de seleção, associação e integração do novo ao já existente conhecimento. Somado a isso, a falta de uma seqüência na apresentação dos conteúdos escolares e a falta de reutilização dos mesmos podem resultar numa extinção, extinção esta fundamentada no exemplo de Pavlov, em que, a resposta condicionada que não foi reforçada pelo estímulo incondicionado, teve como conseqüência a extinção. No entanto, ao retornarem as condições originais, a resposta tendeu a reaparecer. Outro processo que pode ocorrer é o “famoso branco” que tem outros mecanismos envolvidos. Seria como uma falha no processo de evocação que pode ter várias causas: problemas emocionais (stress, ansiedade), problemas físicos (fadiga, diminuição do aporte sanguíneo para o cérebro) ou pode estar ligado a uma retenção de baixa qualidade devido à baixa concentração no momento do registro, onde os dados foram retidos apenas na memória de trabalho, sendo logo perdidos. Ao estudarmos um pouco sobre neuropsicologia ampliamos a concepção de homem, percebendo-o como um ser integrado que pensa, sente e age. Para atender a essa visão holográfica do homem, acreditamos que ele necessite de uma percepção

do homem, acreditamos que ele necessite de uma percepção Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012
do homem, acreditamos que ele necessite de uma percepção Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 155

mais ampla de aprendizagem, que acredita e desenvolva as diversas possibilidades que se abrem com os estudos das neurociências.

A aprendizagem constitui uma mudança de comportamento resultante da experiência. Trata-se de uma mudança de comportamento ou de conduta, que assume várias características. É uma resposta modificada, estável e durável, interiorizada e consolidada no próprio cérebro do indivíduo. (FONSECA, 1995, p. 127).

A partir dessa e de outras concepções de aprendizagem, o professor precisa ampliar seus conhecimentos e fazer uso de todo o potencial do cérebro humano, resgatando não só a importância da memória na construção de um saber mais competente, como também rever a sua postura enquanto educador que precisa compreender que o homem é um complexo sistema de possibilidades que precisa ser investigado com o objetivo de desenvolver todas as suas habilidades.

Cada ser possui uma maneira pessoal para aproximar-se do conhecimento e para conformar seu saber(FERNANDEZ, 1991, p. 107). É preciso que nós, educadores, estejamos atentos a tudo isso, a todas as possibilidades que cada ser traz dentro de si mesmo e a escola não pode ficar alheia a estas considerações científicas:

A escola precisa trabalhar cada vez mais no sucesso da aprendizagem, qualquer que seja o potencial da criança. Quando alguma criança aprende, ela jamais está isolada, ao contrário, ganha reconhecimento social, maturidade, respeito, amor e identidade positiva (FONSECA, 1995, p. 367).

O aprender transforma o ser, mostra novas possibilidades e situa a pessoa em seu contexto histórico. São essas e outras contribuições que gostaríamos de ressaltar, para confirmar que o ser humano é muito mais do que se apresenta. Com os estudos da neuropsicologia, vários paradigmas foram quebrados e hoje se percebe o quanto somos capazes de aprender.

Considerações Finais

Compreendemos que a memória perpassa por todas as atividades mentais envolvidas no complexo ato de aprender. Quando o indivíduo percebe, seleciona, discrimina, intui, particulariza, generaliza, deduz ou infere, ele, inevitavelmente, usa a

generaliza, deduz ou infere, ele, inevitavelmente, usa a Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página
generaliza, deduz ou infere, ele, inevitavelmente, usa a Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 156

memória como uma ferramenta indispensável na tarefa de organizar todas as informações oriundas do meio exterior e interior. Apesar de muitas descobertas acerca dos mecanismos bioquímicos e físicos presentes na memória, ainda não temos fundamentação suficiente para compreender todos os processos que ocorrem na formação das memórias e o quanto esses processos estão diretamente ligados à aprendizagem. Temos obtido algumas luzes que tem nos ajudado a clarear e ampliar nossa visão sobre quão estreita é a conexão entre memória e aprendizagem, porém estamos ainda distantes de um conhecimento tal que nos proporcione devido entendimento de como ocorre esta interligação. Apesar deste insuficiente conhecimento as informações existentes sobre a relação entre memória e aprendizagem podem colaborar muito para que o professor tenha maiores subsídios na elaboração de um planejamento; na escolha de estratégias que facilitem ao aluno uma melhor aquisição e retenção das informações; na seleção e organização dos conteúdos a serem ensinado, no estabelecimento de um ambiente mais tranqüilo, reduzindo a agitação e o stress; na retomada intencional e programada dos conteúdos com vistas a uma melhor consolidação da memória. Medidas aparentemente simples, como estas, podem trazer contribuições significativas para o processo de aprendizagem. Entender o funcionamento cerebral e a sua relação com a construção do pensamento nos auxiliará na percepção de quais aspectos estão interatuando no processo de aprendizagem e qual ou quais, no momento, estão sendo determinantes num quadro de dificuldades ou de baixo rendimento. Amplia também, a nossa percepção sobre aprendizagem, compreendendo melhor as várias dimensões como cognitiva, afetiva, psicomotora e as suas alterações, dificuldades ou transtornos que podem estar associados a qualquer uma destas dimensões ou à interação das mesmas. Os conhecimentos neurocientíficos têm se constituído em um grande aporte teórico para a área de ensino-aprendizagem. Mediante a revisão bibliográfica realizada no decorrer desse artigo, percebemos que para que haja uma aprendizagem significativa é necessário uma boa consolidação da memória. Na verdade é essencial nesse processo que o indivíduo

Na verdade é essencial nesse processo que o indivíduo Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012
Na verdade é essencial nesse processo que o indivíduo Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 157

compreenda o conteúdo estudado de forma tal que venha promover uma consolidação com qualidade. Esta compreensão certamente levará a uma evocação mais rápida e dinâmica, onde o conteúdo armazenado terá uma aplicabilidade e um alcance bem maior, podendo ser utilizado em situações diversas. Percebemos também, ao fazer a revisão bibliográfica, que a utilização dos conhecimentos sobre a memória ao longo dos anos foi negligenciada pela educação. A interpretação equivocada de algumas teorias de ensino-aprendizagem colocou a memória numa posição reducionista, simplificando o seu papel dentro do processo de aprendizagem, tornando-a sinônimo apenas de “decorar”. A neurociência vem retomar através de diversos estudos a importância da memória na construção sólida do saber. Faz-se necessário e urgente que os conhecimentos neuropsicológicos de uma forma geral e de forma específica, os conhecimentos sobre a memória, adentrem as escolas, habilitando o professor a promover um ensino de maior qualidade. Do diálogo maduro entre a neurociência e a educação surgirá maior possibilidade de uma prática pedagógica que busque acima de tudo desafiar o aluno a utilizar melhor o seu potencial. Para que a interface entre neurociências e educação seja cada vez mais efetiva, faz-se necessário que as pesquisas sobre memória e aprendizagem tenham um enfoque sobre os mecanismos de funcionamento da memória relacionados à aquisição de informações e posterior produção de conhecimento e sejam ampliados por estudiosos e socializados na comunidade escolar. Entendemos que a memória e outras funções neuropsicológicas são como ferramentas que, se devidamente utilizadas, possibilitam um melhor desempenho cognitivo. Outro tópico que precisa ser aprofundado nas pesquisas sobre memória e aprendizagem é o grau de utilização e de apropriação de aportes teóricos neurocientíficos por parte dos educadores, já que estes conhecimentos ampliariam sobremaneira a compreensão sobre o complexo ato de aprender e permitiriam a implementação de metodologias mais eficientes e que facilitassem a organização mental do aprendiz. Associado a este tópico, acreditamos que pesquisas sobre a reforma da grade curricular dos cursos de formação de professores, também seriam

dos cursos de formação de professores, também seriam Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página
dos cursos de formação de professores, também seriam Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012 Página

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 158

essenciais, no sentido de acrescentar conhecimentos sobre o desenvolvimento cognitivo dentro de uma perspectiva neurocientífica.

Referências

BOCK, A. M. B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T. Psicologias Uma Introdução ao Estudo de Psicologia. 13ª edição ref e ampliada 1999. São Paulo: Editora Saraiva, 2001.

CURY, Augusto Jorge Inteligência Multifocal análise da construção dos pensamentos e da formação de pensadores. Editora Cultrix, São Paulo, 1998.

DIAS, Rosana Siqueira. Bases Neuropsicológicas da Aprendizagem. In: VALLE, Luiza E. LR. (Org) Temas multidisciplinares de Neuropsicologia e Aprendizagem. SBNP. Robe Editorial, 2004.

FERNANDEZ, Alicia. A Inteligência Aprisionada Abordagem psicopedagógica clinica da criança e sua família. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991

FONSECA, Vitor da. Cognição Neuropsicologia e Aprendizagem Abordagem Neuropsicologica e Psicopedagogica, Editora Vozes R.de Janeiro - 2007

Introdução

às dificuldades de Aprendizagem. 2ª edição Revisada Aum. Porto Alegre:

Artes Médicas, 1995.

IZQUIERDO, Ivan. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2006

LENT, Roberto Cem bilhões de neurônios Conceitos Fundamentais de Neurociência. Editora Athneu. São Paulo, 2005.

LURIA, A. R. - A mente e a memória. São Paulo: Martins Fontes, 2006

MAHONEY, Abigail A. e ALMEIDA, Laurindo R. Organizadoras. Henri Wallon Psicologia e Educação. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

VALLE, Luiza E. L. R. organizadora. Temas multidisciplinares de neuropsicologia e Aprendizagem Sociedade Brasileira de Neuropsicologia. SBNP = Robe Editorial. 2004.

WADSWORTH, Barry J. Inteligência e afetividade da Criança na teoria de Piaget. 5ª Edição ver. São Paulo: Editora Pioneira, 1997.

. 5ª Edição ver. São Paulo: Editora Pioneira, 1997. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012
. 5ª Edição ver. São Paulo: Editora Pioneira, 1997. Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Caderno Intersaberes, v. 1. n.1, jul./dez., 2012

Página 159