Você está na página 1de 48
TRIAGEM NUTRICIONAL

TRIAGEM NUTRICIONAL

TRIAGEM NUTRICIONAL

Rastreamento de Risco Nutricional

A Associação Dietética Americana (ADA), o Comitê das Organizações de

Saúde (JCHO) e a Iniciativa de Triagem Nutricional (NSI) definiram triagem

nutricional como o processo de identificação das características que se sabe estarem associadas a problemas dietéticos ou nutricionais

É aplicada a um grupo ou população

TRIAGEM NUTRICIONAL

Ideal: todos indivíduos fossem submetidos a triagem nutricionais periódicas durante a vida, não apenas quando estão doentes

Componentes podem variar, dependendo da situação

Se é identificado risco nutricional avaliação mais completa deve ser realizada

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

TRIAGEM NUTRICIONAL

A partir dela Tratamento nutricional

Finalidade:

Identificar rapidamente indivíduos desnutridos ou com risco nutricional Determinar se uma avaliação nutricional mais detalhada é necessária

Se houver necessidade, paciente é encaminhado para o nutricionista

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

TRIAGEM NUTRICIONAL

Deve ser simples

Fácil aplicação

Incluir os dados de rotina disponíveis

Viável

Custo/benefício favorável

Eficaz na identificação de problemas nutricionais que requerem avaliação adicional

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

TRIAGEM NUTRICIONAL

Critérios mais comuns utilizados:

História de perda de peso do paciente

Suporte nutricional em andamento

Lesões de pele

Má ingestão

Uso crônico de dietas modificadas

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

TRIAGEM NUTRICIONAL

Critérios adicionais dependem:

Situação em que a informação é obtida (domicílio, clínica, hospital)

Ciclo da vida ou tipo de doença

Dados disponíveis

Definição de prioridades de risco

Objetivos do processo de triagem

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

TRIAGEM NUTRICIONAL

Ferramentas utilizadas:

Confiáveis (consistência entre as medidas do mesmo fator, como peso) Válidas (verificar se uma medida realmente avalia o que deveria avaliar)

Objetivo da triagem:

Identificar os indivíduos que apresentam risco nutricional Aqueles que apresentam probabilidade de risco nutricional Aqueles que precisam de avaliação suplementar

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

Formulário de triagem nutricional

Formulário de triagem nutricional MAHAN, ESCOTT-STUMP, 2010

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

Formulário de

triagem

nutricional

Formulário de triagem nutricional MAHAN, ESCOTT-STUMP, 2010

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

Formulário de triagem

nutricional

Formulário de triagem nutricional MAHAN, ESCOTT-STUMP, 2010

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

Formulário de triagem

nutricional

Formulário de triagem nutricional MAHAN, ESCOTT-STUMP, 2010

MAHAN, ESCOTT-STUMP,

2010

TRIAGEM NUTRICIONAL

Pode ser realizada por qualquer membro da Equipe Multidisciplinar:

Técnico de nutrição

Técnico de enfermagem

Enfermeiro

Médico

Outro profissional qualificado

TRIAGEM NUTRICIONAL

Triagem nutricional se refere a apenas detectar a presença de risco de desnutrição

Avaliação nutricional, além de detectar desnutrição, também

classifica seu grau e permite coleta de informações que auxiliem em

sua correção

O paciente pode ser triado como em risco nutricional, mas, para

possibilitar detecção e classificação da desnutrição, a avaliação nutricional é indispensável

TRIAGEM NUTRICIONAL

Fatores relacionados com o estado nutricional

Idade (> 70 anos > risco nutricional)

Perda ponderal recente

Redução do consumo alimentar

Quadro clínico

PARA PENSAR

A triagem é capaz de predizer se o indivíduo necessita de uma avaliação nutricional mais detalhada?

A triagem é muito utilizada em qual ambiente?

Quando deve ser realizada?

TRIAGEM NUTRICIONAL

A importância da triagem e avaliação nutricional é reconhecida pelo Ministério da Saúde tornou obrigatória a implantação de protocolos

para pacientes internados pelo SUS como condicionante para terapia

nutricional enteral e parenteral

Recomendação: em pacientes hospitalizados deve ser realizada em até 72 horas da admissão, para identificar o risco nutricional

A triagem é o método mais indicado no paciente hospitalizado na

população brasileira

MINI AVALIAÇÃO NUTRICIONAL

MINI AVALIAÇÃO

NUTRICIONAL

MINI AVALIAÇÃO

NUTRICIONAL (MAN)

Indicada para idosos

Sensível para identificar risco nutricional e desnutrição em estágio

inicial,

Inclui aspectos físicos e mentais que frequentemente afetam o estado nutricional do idoso, além de aspectos dietéticos

Indicador prognóstico significante para morbidade, mortalidade e

outros desfechos adversos em idosos

Baixos escores da MAN associados com maior tempo de hospitalização, maior frequência de alta para instituições e mortalidade quase três vezes maior

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Associação Brasileira de Nutrologia, 2011

MINI AVALIAÇÃO

NUTRICIONAL (MAN)

O estado nutricional avaliado pela MAN se correlaciona com:

Parâmetros antropométricos

Laboratoriais

(albumina,

pré-albumina,

retinol, alfa-tocoferol e zinco)

transferrina,

colesterol,

Hematológicos (hematócrito e hemoglobina)

Ingestão energética e de nutrientes (carboidrato, fibra, cálcio,

vitamina D, ferro, vitamina B6 e vitamina C)

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Associação Brasileira de Nutrologia, 2011

MINI AVALIAÇÃO

NUTRICIONAL (MAN)

Baixos escores da MAN relaciona-se com:

Dificuldades de mastigação e deglutição

Dentição inadequada

Deficiência visual

Ingestão energética esteve abaixo das necessidades

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Associação Brasileira de Nutrologia, 2011

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL

AVALIAÇÃO SUBJETIVA

GLOBAL

AVALIAÇÃO SUBJETIVA

GLOBAL

Único método que valoriza alterações funcionais que possam estar presentes

Simples e de baixo custo

Originalmente foi desenvolvido e validado para uso em pacientes cirúrgicos, sendo posteriormente aplicado e adaptado a outras

situações clínicas, tais como: nefropatas, oncológicos, hepatopatas,

geriatria e HIV positivos

Perda de peso de 5% em um mês ou 10% em seis meses pode ser

utilizada como critério para diagnóstico de desnutrição

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Associação Brasileira de Nutrologia, 2011

AVALIAÇÃO SUBJETIVA

GLOBAL

Diagnosticar e classificar a desnutrição, com enfoque em questões relacionadas à desnutrição crônica ou já instalada

Leva em conta:

percentual de perda de peso nos últimos seis meses

modificação na consistência dos alimentos ingeridos

sintomatologia

gastrointestinal

persistente

por

mais

semanas

de

duas

presença de perda de gordura subcutânea e de edema

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Associação Brasileira de Nutrologia, 2011

ASG

MODELO

ORIGINAL

PROPOSTO

POR

(1987)

DETSKY

ASG – MODELO ORIGINAL PROPOSTO POR (1987) DETSKY
TRIAGEM IDEAL

TRIAGEM IDEAL

TRIAGEM IDEAL

Mais completa possível

Aplicabilidade

Considera faixa etária

De acordo com tempo e RH disponíveis

EXEMPLOS

EXEMPLOS

PROTOCOLO CLÍNICO -

FHEMIG

PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014
PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014

FHEMIG, 2014

PROTOCOLO CLÍNICO -

FHEMIG

PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014
PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014
PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014

FHEMIG, 2014

PROTOCOLO CLÍNICO -

FHEMIG

PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014

FHEMIG, 2014

PROTOCOLO CLÍNICO -

FHEMIG

PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014

FHEMIG, 2014

FHEMIG, 2014

FHEMIG, 2014

PROTOCOLO CLÍNICO -

FHEMIG

PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014
PROTOCOLO CLÍNICO - FHEMIG FHEMIG, 2014

FHEMIG, 2014

TRIAGEM PEDIÁTRICA -

FHEMIG

TRIAGEM PEDIÁTRICA - FHEMIG

TRIAGEM PEDIÁTRICA -

FHEMIG

TRIAGEM PEDIÁTRICA - FHEMIG
ARTIGO BEGHETTO, Mariur Gomes et al. Triagem nutricional em adultos hospitalizados. Rev. Nutr. [online]. 2008,

ARTIGO

BEGHETTO, Mariur Gomes et

al. Triagem nutricional em adultos hospitalizados. Rev. Nutr. [online]. 2008, vol.21, n.5, pp. 589-601. ISSN 1415-5273.

ARTIGO . Aplicabilidade dos métodos de triagem nutricional no paciente hospitalizado. Nutr. , Campinas ,

ARTIGO

.

Aplicabilidade dos métodos de

triagem nutricional no paciente

hospitalizado.

Nutr., Campinas , v. 21, n.

5, Oct. 2008 .

Mariana

RASLAN,

et

al

Rev.

REFERÊNCIAS

BEGHETTO, Mariur Gomes et al. Triagem nutricional em adultos hospitalizados. Rev. Nutr. [online]. 2008, vol.21, n.5, pp. 589-601.

Fundação

Clínicas/Protocolos

Hospitalar

de

Minas

Gerais.

Diretrizes

Clínicos. Triagem nutricional em paciente adulto. 2014. 7p.

MAHAN,

L.K.;

ESCOTT-STUMP,

S.

dietoterapia. Elsevier, 2010. 1351 p.

Krause:

alimentos,

nutrição

e

RASLAN, Mariana et al . Aplicabilidade dos métodos de triagem nutricional no paciente hospitalizado. Rev. Nutr., Campinas , v. 21, n. 5, Oct. 2008.

Associação

Sociedade

Brasileira

de

Nutrição

Parenteral

e

Enteral;

Brasileira de Nutrologia. Triagem e Avaliação do Estado Nutricional. 2011.