Você está na página 1de 14

Experimento 3 - Diodos Emissores de Luz e a Constante de Planck

Circuitos Elétricos e Fotônica
Profª. Drª. Denise Consonni

Grupo 8 - Turma A2 Noturno
Brendon Yuri Rezei RA: 11106113
Camila Pereira Santos RA: 11078713
Igor HitoshiSasaoka Sanches RA: 11061113
Natalia Cristina Borges da Silva RA: 11103913
Samilla Thalita Macedo da Silva RA: 11036113

Santo André
2015

Suas aplicações são definidas de acordo com a cor (vermelho. quanto menor o ângulo de abertura. o que acaba por determinar alguns parâmetros fundamentais para o cálculo da equação teórica correspondente e por fim. A medição de diferença de potencial é possível quando uma corrente passa pelos terminais de cada LED. no ramo da física quântica. amarelo. formato (cilíndrico. que são componentes eletrônicos de condutância assimétrica. maior será o aproveitamento do fluxo luminoso e maior será seu direcionamento. Palavras-chave: LED. retangular. influenciam no ângulo de abertura. O LED é um diodo semicondutor que quando é energizado. quadrado. em 1914. nesse caso o elétron. como por exemplo. constituídos de diodos. no ano de 1900 e demonstrada experimentalmente por Robert Andrews Millikan. Quanto ao formato e o tamanho. Sua iluminação se dá somente pelo movimento de elétrons em um material dito semicondutor. um valor aproximado da constante de Planck. verde. diodos emissores de luz. laranja. INTRODUÇÃO Os LEDs. emite uma luz estreita produzida pelas interações energéticas de um portador. Sua aplicação serve para dar destaque a um objeto. em obras de arte enquanto os de grande abertura são utilizados para iluminar grandes ambientes. Constante de Planck.RESUMO A constante de Planck (h) é uma constante fundamental muito utilizada. Assim. através de um processo denominado eletroluminescência. Concebida teoricamente por Max Karl Ernst Ludwig Planck.Quanto às cores. tinha como propósito original descrever uma constante de proporcionalidade entre a energia (E) de um oscilador atômico carregado na parede de um corpo negro e a frequência (f) a ele associado. são pequenas lâmpadas que apresentam diferentes cores e fácil integração a circuitos elétricos. etc). entre outros) ou tamanho (3 ou 5 mm). principalmente. a qual depende do sentido da corrente. triangular. os LEDs com as cores contidas no espectro visível são bastante utilizados para compor lâmpadas indicadoras de painéis eletrônicos e . O objetivo deste experimento consiste na utilização de LEDs em série num circuito.

temos a seguinte relação: ? = ℎ?(2) Onde:  h. Pode-se estabelecer alguns parâmetros de comparação entre LEDs e outras lâmpadas para exemplificar essas diferenças:  1 lâmpada dicróica de 50W equivale a uma luminária LED de 6W - economia de 44W/hora.  E .energia do fóton emitido (J). Para tal experimento. perdas por dissipação. por exemplo. Já os que operam no infravermelho podem ser utilizados em sistemas de comunicação óptica. é necessária a compreensão do funcionamento de uma junção p-n em um semicondutor.  1 lâmpada incandescente de 60W equivale a uma luminária LED de 4.constante de Planck (Js). Esta junção é responsável por permitir somente a passagem de corrente positiva.mostradores eletrônicos alfanuméricos. arsênio e alumínio. . por exemplo. A principal vantagem do uso dos LEDs está centrada na economia de energia.  c .velocidade da luz no vácuo (3?108 m/s). Os LEDs mais comuns são feitos de ligas de gálio.5W .frequência da luz emitida em Hz. não havendo assim. é possível fabricar LEDs que emitem cores na gama do espectro visível e até do infravermelho. Pode-se definir o comprimento de onda (λ) emitido por um LED através da seguinte relação: ? λ = ?(1) Onde:  ?.economia de 55. para isso é preciso alterar a composição química do material semicondutor. Mudando a proporção de gálio e alumínio. mas é possível fabricar LEDs que emitam luz de diferentes cores.5W/hora.  1 lâmpada fluorescente tubular de 40W equivale a uma luminária LED de 18W .economia de 22W/hora. A emissão de luz do LED é praticamente monocromática. Sobre o efeito fotoelétrico da teoria de Einstein. uma vez que nestes esta é totalmente convertida em luz.

na emissão de luzes de diferentes frequências e intensidades em uma placa metálica posicionada em frente a um coletor. tal potencial foi relacionado com a energia cinética máxima dos elétrons de determinado metal. Assim foram determinados os valores anteriormente citados [2]. .13566743?1015 ??. e alterando a frequência da luz incidente. foi possível obter a razão entre a constante de Planck e a carga elementar do elétron que havia sido determinada também por Millikan no experimento da gota de óleo. e observava-se que nenhum elétron atingia o receptor devido ao campo elétrico criado. Ao utilizar duas placas de metais diferentes. A partir da inclinação da reta desse gráfico. O experimento consiste. no Sistema internacional por. A tensão do circuito era variada até um valor V0 (Potencial frenador). ? = 4.Experimento Fotoelétrico de Milikan. [1] Figura 1 .Combinando-se as equações (1) e (2). ? Essa constante foi concebida teoricamente por Max Karl Ernest Ludwing Planck. aproximadamente: ℎ = 6. pode-se observar uma relação linear entre a energia cinética do elétron e a frequência da luz até uma determinada frequência de corte.6260693?10−34 ?. obtemos: ?= ℎ? λ (3) A constante de Planck (h) é dada. porém o primeiro cientista a obter valores experimentais da constante de Planck foi Robert Millikan através do experimento fotoelétrico no ano de 1914. basicamente. Dessa forma.

OBJETIVOS Os objetivos desse experimento estão divididos em duas partes. E a segunda é obter uma curva corrente vs tensão (IxV) de um dos LEDs escolhido pelo grupo e estimar algumas grandezas físicas relacionadas à equação do modelo correspondente.s). l = 568 nm (verde). Para os LEDs selecionados nesse experimento. sendo q a carga elementar (q = 1. assume-se que o valor de W é aproximadamente igual para os três LEDs quando eles são percorridos pela mesma corrente I. l = 585 nm (amarelo). foram assumidas as seguintes hipóteses:  A frequência f da luz emitida por um LED depende do bandgap do material semicondutor. Sendo que a energia do fóton (E=hf) é aproximadamente igual ao bandgap com a constante de Planck h = 4. .  Os comprimentos de onda de pico de cada um dos LED’s são l = 644 nm (vermelho). PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL E METODOLOGIA Materiais:  Fonte de tensão DC com uma saída ajustável de 0 a 30 V  Miliamperímetro  Voltímetro com Pontas de Prova  1 Placa de circuito impresso contendo resistores e 3 LED’s conectados em série  Cabos de conexão Para a realização do experimento. VL a tensão no LED e W um termo de energia que depende da corrente I que flui pelo LED.  A energia do bandgap pode ser escrita como EG = qVL + W.135x10-15eV.626x10-34J.6 ´ 10-19 C). A primeira é estimar a constante de Planck através de um conjunto de LEDs de diferentes cores e estimar sua incerteza. com a condição de que a corrente seja suficientemente baixa.s (= 6.

foi possível seguir o procedimento experimental relatado no fluxograma abaixo: Figura 2 . .Representação do circuito.Com os materiais e as hipóteses supracitados.

010 (? = 10 ??) ?? (?) 1.491±0. que engloba o valor verdadeiro. DADOS EXPERIMENTAIS E RESULTADOS PARTE 1 A tabela 1 apresenta os dados experimentais da parte 1 do experimento. Tabela 1 . a incerteza desse valor se deve a esse instrumento utilizado.010 1. Os intervalos apresentados representam o valor da incerteza expandida com fator de abrangência k=1.Representação dos polos de um LED. com 68% de probabilidade. e foi determinada pelo fabricante em ±(0.009 1.423±0.564±0.315±0.649±0.009 1. de onda ? (nm) 644 585 568 (? = ? ??) ?? (?) 1. Como os valores de VL foram medidos com o Multímetro portátil-Minipa.011 Cor .010 1.5%+2D).584±0. modelo ET2510.Dados experimentais (Parte 1) LED 1 LED 2 LED 3 Vermelho Amarelo Verde Comp.Figura 3 .

percebe-se que os valores de tensão aumentaram de acordo com a cor. já que o comprimento de onda do pico do LED vermelho é o mais alto. que determina a cor do LED. as do verde são as mais altas e as do amarelo estão no intervalo entre as duas primeiras. Exatamente o inverso da sequência dos valores de tensão.6 ? 10−19 ?). ?? . Diante disso. conclui-se que a tensão é inversamente proporcional ao comprimento de onda. O que é coerente. Sabe-se que a energia do bandgap. Isso é corroborado pelo fato de a frequência ser dependente do bandgap (EG) do material que. a tensão no LED. ?? pode ser escrita como: ?? = ??? + ?(4) Sendo q a carga elementar do elétron (? = 1. o do verde é o mais baixo e o do amarelo está entre eles. Tem-se: ?? = ℎ? 1 ? ? − ? (6) Onde. ℎ= ?? ? (7) ? = ?? (8) . experimentalmente obtida na tabela1. as tensões medidas nos terminais do LED vermelho são as mais baixas. Substituindo a equação (3) em (4): ℎ? ? = ??? + ? (5) Dado que temos os valores de ? e de ?? . obtemos uma curva linear y=ax+b. podemos manipular a equação para obter o valor da constante de Planck. por sua vez. na qual o coeficiente angular “a” fornece o valor da constante de Planck através da relação (7) e o coeficiente linear “b” fornece o valor de W conforme a relação (8). Logo. figura 3. é diretamente proporcional à tensão.Observando a tabela.os valores de ?obtidos através dos espectros dos LEDs (Figura 1 em anexo) e W um termo de energia que depende da corrente I que flui pelo LED. através de um gráfico de ?? x (1/?).

quando se reproduz o experimento sob condições diferentes.02 x 10−34Js. equações (9) e (10). Assim.Figura 4 .s.24 W (eV) 8. desconsiderando a incerteza das constantes “e” e “c”: ? ?ℎ? = (? ) ?? (10) Onde:  ?? = incerteza do coeficiente angular.Médias dos valores obtidos com a equação das retas.  A propagação de incerteza. .73 H (J. = 0. Tabela 2 .84x10−20 Dessa forma.29x10−34 5. devido ao uso do instrumento multímetro.  ??? = incerteza de ?? .32x10−20 3. Para a estimativa da incerteza desse valor.Gráfico da tensão no LED em função do comprimento de onda. e adotou-se para essa incerteza o desvio padrão?ℎ???. nas medidas de ?? . ). desconsiderando a incerteza na medida de λ: ?? = ??? /Δ1 (9) ? E. ou seja.73x10−34 Coeficiente linear (V) 0. o valor médio de h é de 6.96 1073.s) 6. assumiu-se esta como a incerteza combinada devido:  A reprodutibilidade (?ℎ???. Curvas Corrente de 1µA Corrente de 10µA Coeficiente angular (V/nm) 1180. cujas deduções podem ser visualizadas no apêndice.4x10−34 J.52 0. no caso. a variação de corrente.

E para a incerteza combinada obteve-se um valor de ?ℎ = 0.21.616 200 1.63?10−34 J.s.757 30 1. ● se ?? > 2. então os valores não são compatíveis. com a equação (10) obteve-se o valor de ?ℎ? = 0.s.763 40 1.648 500 1.33 ? 10−8 e.675 600 1.589 100 1.732 900 1. Obteve-se En = 1. considerando esta como a incerteza de arredondamento do valor de ℎ?????????? . então os valores são compatíveis.741 1000 1. será utilizado o conceito de Erro normalizado (??). Calculou-se com a equação (9) ?? = 4. posteriormente. ?ℎ? = incerteza de h instrumental. PARTE 2 A tabela 2 apresenta os dados experimentais.Dados experimentais (Parte 2) LED ESCOLHIDO: Amarelo ?(?A) ?? (V) ?(?A) ?? (V) ?(?A) ?? (V) 10 1.769 50 1.702 700 1.774 A partir destes dados. Para verificar se esse valor obtido experimentalmente é compatível com o valor teórico de 6. a partir da equação (11): ● se?? < 1.23?10−34J. não se pode afirmar nada.s. nada se pode afirmar sobre a compatibilidade dos valores. Tabela 3 .s. segundo o qual. esboçada na figura 4: . logo. ● se ?? 1< En < 2. foi obtida a seguinte função exponencial.719 800 1.639 400 1.01x10−34 J.[3] ?? = |ℎ???????????? − ℎ?????????? | √?ℎ???????????? 2 + ?ℎ?????????? 2 (11) Utilizou-se o valor de ?ℎ?????????? = 0.5?10−34 J.629 300 1.750 20 1.

podemos substituir dois valores de tensão. ao aplicar uma tensão que o polariza de modo direto. é possível determinar is. de maneira a obter os seguintes valores de corrente 23. considerando T = 300 K e VT = 26 mV.62 V e 1. é possível construir um sistema com a equação (12).53.74x10-20 A. o que fazem emitindo luz (fótons). is = 4. quando o ânodo está positivo em relação ao cátodo. ou seja. muitos elétrons não têm energia suficiente para passarem da banda de valência para a banda de condução. Os cálculos podem ser encontrados no apêndice. Ao e ao substituí-lo em qualquer uma das duas equações. Para determinar o valor de ? (fator de idealidade). Por não poderem permanecer nessa zona.Figura 5 . tais como: 1.Gráfico da tensão no LED em função da corrente. ficando na zona proibida. com isso perdem energia. A explicação para isso é que. uma vez que este emite luz quando está diretamente polarizado. acabam voltando à banda de valência e. É importante ressaltar que. ? ? = ?? ∗ exp(?∗?? ) (12) ? O valor encontrado é de ? = 1.72 V. ? = 8 ? 10−17 ? 24.31 mA e 278. A partir da equação do gráfico da Figura 4. foi aplicada uma tensão direta ao LED.96 mA.823? . para o experimento ser realizado. . respectivamente. sendo assim. podemos substituir os valores encontrados e.

sendo utilizados os de cores vermelha. I. a partir deste experimento pode-se compreender porque os LEDs são mais econômicos que as lâmpadas comuns.53 e is = 4.uefs. [2] SANTOS. [3] INMETRO. k = 1. observa-se uma tendência exponencial do gráfico de corrente versus tensão devido à influência da dissipação de energia na forma de energia térmica. L. ele é capaz de transformar energia elétrica em luz.74x10-20 A. e compará-lo com o valor teórico através do conceito de Erro normalizado. Nessa segunda parte do experimento. O. verde e amarela. pp. acendendo a luz.5)x10−34Js. J. é suscetível a maiores perdas. a transformação de energia elétrica em luz é feita através da matéria e. O encapsulamento somente realça a cor dos LEDs.. nada se pode afirmar sobre a compatibilidade. Fev/2010. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] MACETI. pois temos o diodo polarizado diretamente.CONCLUSÃO A partir desse experimento pode-se determinar o valor de h = (6. radiação UV ou descarga de gases. MALDANER. 33. Orientação sobre validação de métodos analíticos. por este motivo.br/caderno/vol9n12/MacetiMillikan. Na segunda parte do experimento. W. P. Para o LED se comportar como uma fonte luminosa foi necessária aplicar uma tensão do tipo direta em seu dipolo. A. Novembro 2011. uma vez que o LED é um semicondutor (diodo emissor de luz). ou seja. 11. LEVADA. assim é permitida a passagem de corrente pelo circuito e pelo interior do LED. Vol.. que depende do comprimento de onda λ do pico de cada LED.Química Nova na Escola.4. n. Verificou-se que.pdf Acesso: Dez/2015. Disponível em: . H. apesar dos valores teórico e experimental estarem próximos. A Constante de Planck: uma nova visão para o ensino médio. ou seja. diferentemente das outras lâmpadas que possuem filamentos metálicos. L.. LAUTENSCHLEGUER. Ademais. Disponível em: http://dfis. obtivemos ? = 1. Robert Millikan e a medida da carga elementar – 100 anos da publicação do trabalho que mudou a física.02±0. C.

br/Sidoq/Arquivos/CGCRE/DOQ/DOQ-CGCRE-8_03.31 ∗ 10−3 1.62 ) ?∗26∗10−3 1.62 = 23.08 = ?∗26∗10−3 −  1. Acesso em: Dez/2015.62 ) ? ∗ 26 ∗ 10−3 1.72 278.53 Cálculo de is (Corrente de Saturação): ?? =   −2.53∗26∗10−3 ) = 4.31∗10−3 =?? ∗exp( ou 1.gov.62 exp(1.pdf.1 0.74 ∗ 10−20 ? Propagação de incerteza: ?ℎ 2 2 ?ℎ 2 2 ?ℎ 2 2 = ( ) ?? + ( ) ?? + ( ) ?? ?? ?? ?? Desprezando a incerteza das constantes “e” e “c” ?ℎ 2 2 2 ?ℎ? = ( ) ?? ?? ? 2 2 ?ℎ? = ( ) ??2 ? ∆? Para determinar a incerteza do coeficiente angular ? = 1? 2 ?ℎ? ∆ ? 2 ?? 2 2 ?? ??2 = ( ) ??? + ( 1) ?12 ?Δ?? ? ? ? Desprezando a incerteza de ?: ??2 = ( ?? 2 2 ) ??? ?Δ?? .96 ?? Substituindo os valores na equação 12: 1.96∗10−3 =?? ∗exp( ) ?∗26∗10−3 23.31 ∗ 10−3 = ?? ∗ exp( 278.823∗ 1.72 = 278.inmetro. APÊNDICE  Cálculos ? (fator de idealidade): ??1 = 8 ∗ 10−17 ? 24.31 ?? ??2 = 8 ∗ 10−17 ? 24.1 ?∗26∗10−3  ? = 2. temos: 1.http://www.72 ?∗26∗10−3 −0.62 ln 0.823∗1.96 ∗ 10−3 Dividindo as duas equações.52 = 23.72 = ?? ∗ exp( ) ? ∗ 26 ∗ 10−3 23.52 ∗ 26 ∗10−3 = 1.

???????????? = √?ℎ???.Espectros dos LEDs.2 ??2 = ( 1 1) Δ? ??2? Incerteza combinada 2 ?ℎ. . + ?ℎ? ² ANEXO Figura 6 .