Você está na página 1de 59
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros ICA 205 ECONOMIA RURAL Prof. Luiz Paulo Fontes

ICA 205 ECONOMIA RURAL

Prof. Luiz Paulo Fontes de Rezende

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros Economia Rural Unidade 1: Oferta e demanda no

Economia Rural

Unidade 1: Oferta e demanda no mercado agrícola

1.1 – Equilíbrio de mercado

1.2 – Elasticidade da oferta e da demanda

Unidade 2: Função de produção e função Custos 2.1– Lei dos rendimentos decrescentes

2.2 - Análise de curto e longo prazo

2.3 - Economias de escala

2.4 - Fatores de crescimento da produção agrícola

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros Economia Rural Unidade 3: Estruturas de mercado 3.1

Economia Rural

Unidade 3: Estruturas de mercado

3.1 – Concorrência perfeita

3.2 - Concorrência imperfeita

3.3 – O mercado agrícola: Instrumentos e políticas de

intervenções

Unidade 4: Análise de censos agropecuários e métodos estatísticos para a agroindústria 4.1- Censo agropecuário 2006 4.2- Estatística descritiva

4.3 - Correlação e medidas de posição e concentração

4.4 – Análise de regressão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros Unidade 1: Oferta e demanda no mercado agrícola

Unidade 1: Oferta e demanda no mercado agrícola

-Noções básicas de análise microeconômica e sua aplicação no mercado agroalimentar - Economia: concentração de capital, mercado oligopolizado, produção em escala, diversificação e diferenciação de produtos, articulação crescente entre o capital industrial e financeiro. - A determinação de preço de equilíbrio é dada pela interação da lei da oferta e demanda - Oferta (teoria da firma) e Demanda (teoria do consumidor)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros -A teoria do consumidor fundamenta-se na racionalidade dos

-A teoria do consumidor fundamenta-se na racionalidade dos indivíduos, isto é, dada a renda estes procuram adquirir um conjunto de bens e serviços que propicie a máxima satisfação (maximização a utilidade). - A teoria da firma estuda a combinação dos fatores de produção (insumos), dado que estes são recursos escassos, de forma a produzir bens e serviços ao menor custo possível (maximização dos lucros ou minimização dos custos).

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros A demanda alimentar e a teoria do comportamento

A demanda alimentar e a teoria do comportamento do consumidor -Mercado alimentar: considerando as características específicas de cada produto no mercado de alimento, os preços e as quantidades são determinados por fatores ligados à oferte e demanda. Demanda ou procura: é a quantidade de bens e serviços que o consumidor deseja adquirir por um preço em determinado período de tempo. Essa relação entre a quantidade demandada e o preço, pode ser expressa matematicamente:

D= f (Preço do bem, Preço de outros bens, Renda, preferência dos consumidores, etc).

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros -Vários fatores afetam o comportamento do consumidor

-Vários fatores afetam o comportamento do consumidor influenciando a demanda. Estudar todos esses fatores exige um instrumental matemático muito complexo, para isso a microeconomia trabalha com um conjunto restrito de variáveis – ceteris paribus (mantidas as demais variáveis constantes). Dado esse hipótese ceteris paribus, a Demanda é função do preço do bem em análise. D = f(p) - A relação entre preço e quantidade demandada é inversa, caracterizando uma curva negativamente inclinada denominada de Curva de demanda. Assim, quanto maior o preço, menor a demanda.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros Outros determinantes da demanda além do preço o

Outros determinantes da demanda além do preço

o

Renda

o

Preferências do consumidor

o

políticas de regulamentação

o

condições econômicas

o

Preço de bens relacionados

Substitutos

Complementares

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros DEMANDA : A curva da demanda mostra a

DEMANDA : A curva da demanda mostra a quantidade de uma mercadoria que os consumidores estão dispostos a comprar para cada preço unitário, considerando constantes outros fatores que não sejam o preço. Essa relação entre preço e quantidade pode ser representada pela equação:

outros fatores que não sejam o preço. Essa relação entre preço e quantidade pode ser representada

A curva de demanda

A curva de demanda AA curvacurva dada demandademanda A curva da demanda tem inclinação negativa, demonstrando

AA curvacurva dada demandademanda

A curva da demanda tem inclinação negativa, demonstrando que os consumidores estão dispostos a comprar
A curva da demanda tem
inclinação negativa, demonstrando que
os consumidores estão dispostos a
comprar mais a um preço mais baixo,
à medida que o produto se torna
relativamente mais barato e
a renda real do consumidor aumenta.
D
Quantidade
Q 1
Q 2
/

Preço (dólares por unidade)

P 2

P 1

O Conceito e Lei da Oferta

O Conceito e Lei da Oferta Quantidade ofertada é a quantidade de um bem que os

Quantidade ofertada é a quantidade de um bem que os vendedores querem e podem vender.

que, tudo mais mantido

constante, a quantidade ofertada do bem aumenta quando o seu preço aumenta. A Curva de Oferta é uma linha positivamente inclinada relacionando preço e quantidade ofertada. Ao aumentar o preço de um produto, haverá um aumento na quantidade ofertada pelos vendedores. Essa curva é definida como as várias quantidades de um bem que os vendedores colocam no mercado a todos os preços alternativos, por unidade de tempo, ceteris paribus.

A

lei

da oferta afirma

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros A curva de oferta - Vários fatores afetam

A curva de oferta

- Vários fatores afetam a quantidade ofertada pelos produtores tais custos, tecnologia, preço, etc. Considerando A limitação dos recursos produtivos adota-se a hipótese Ceteris Paribus, tudo mais constante, apenas variando preço e quantidade produzida. A curva de oferta mostra uma relação positiva entre o preço de bem e sua quantidade produzida. OFERTA: A curva de oferta mostra a quantidade de uma mercadoria que os produtores estão dispostos a vender a um determinado preço, considerando constantes outros fatores que possam afetar a quantidade ofertada. Essa relação entre quantidade ofertada e preço pode ser demonstrada pela equação:

afetar a quantidade ofertada. Essa relação entre quantidade ofertada e preço pode ser demonstrada pela equação:
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros Outros determinantes da oferta além do preço -

Outros determinantes da oferta além do preço - Disponibilidade de recursos e os custos de produção (mão-de-obra, capital e matérias- primas)

- Tecnologia de produção - Preços dos outros bens (complementares ou substitutos). Preços dos insumos

- Expectativas do produtor

- Número de produtores

A curva de Oferta

A curva de Oferta P 1 S Q Q 0 Q 1 Ao preço P 1

P

1

S Q Q 0 Q 1
S
Q
Q 0
Q 1

Ao preço P 1 , produz-se Q 1 Ao preço P 0 , produz-se Q 0

P

P 0

O equilíbrio de mercado

O equilíbrio de mercado OfertaOferta ee demanda:demanda: preçopreço dede equilíbrioequilíbrio Preço (dólares por

OfertaOferta ee demanda:demanda: preçopreço dede equilíbrioequilíbrio

Preço (dólares por unidade)

P 1

P 0

S Excesso de oferta 2) Q s D
S
Excesso
de oferta
2) Q s
D

Q 0

Se o preço estiver acima do ponto de equilíbrio:

1) O preço está acima do preço de equilíbrio

> Q d

3) O preço cai para o preço de equilíbrio do mercado

Quantidade

O equilíbrio de mercado

O equilíbrio de mercado OfertaOferta ee demandademanda Preço (dólares por unidade) P 1 S Excesso de

OfertaOferta ee demandademanda

Preço (dólares por unidade)

P 1

S Excesso de oferta Suponha que o preço seja P 1 , então: 1) Q
S
Excesso
de oferta
Suponha que o preço seja P 1 ,
então:
1) Q s : Q 2 > Q d : Q 1
2) O excesso de oferta é Q 2 – Q 1 .
3) Os produtores diminuem o
preço.
4) A quantidade ofertada diminui
e a demandada aumenta.
5) O ponto de equilíbrio se dá
em P
,Q 3
2
Q 1
Q 3
Q 2
Quantidade

P 2

O equilíbrio de mercado

O equilíbrio de mercado OfertaOferta ee demandademanda Suponha que o preço seja P 2 , então:
OfertaOferta ee demandademanda Suponha que o preço seja P 2 , então: Preço (dólares por
OfertaOferta ee demandademanda
Suponha que o preço seja P 2 ,
então:
Preço
(dólares por
unidade)
1) Q d : Q 2 > Q s : Q 1
S
2) A escassez de oferta é Q 2 –
Q
P 3
1 .
3) Os produtores elevam o
preço .
4) A quantidade ofertada
aumenta e a demandada
diminui.
5) O ponto de equilíbrio se dá
em P 3 , Q 3 Neste ponto, a
oferta é igual a demanda.
P 2
Escassez de
Oferta ou
excesso de Demanda
D
Q 1
Q 3
Q 2
Quantidade

O equilíbrio de mercado

O equilíbrio de mercado OfertaOferta ee demandademanda Preço Excesso de Oferta ou escassez de Demanda Escassez

OfertaOferta ee demandademanda

Preço

Excesso de Oferta ou escassez de Demanda Escassez de excesso de Oferta ou Demanda D
Excesso de Oferta ou
escassez de Demanda
Escassez de
excesso de
Oferta ou
Demanda
D

Q

1

Q*

Q

2

P 2

O ponto de equilíbrio P* e Q* Demanda = Oferta

P*

P 1

Quantidade

O equilíbrio de mercado

O equilíbrio de mercado S Excesso de Oferta ou escassez de Demanda P 2 P* P
S Excesso de Oferta ou escassez de Demanda P 2 P* P 1 Escassez de
S
Excesso de Oferta ou
escassez de Demanda
P 2
P*
P 1
Escassez de
excesso de
Oferta ou
Demanda
D
Q*
Q 1

Variação na Quantidade Demandada versus Deslocamento da Demanda

na Quantidade Demandada versus Deslocamento da Demanda Variáveis que Afetam a Quantidade Demandada Preço
na Quantidade Demandada versus Deslocamento da Demanda Variáveis que Afetam a Quantidade Demandada Preço

Variáveis que Afetam a Quantidade Demandada

Preço

Renda

Preços de bens relacionados

Gostos

Expectativas

Número de compradores

Uma Alteração Nesta Variável

Representa um movimento ao longo da curva de demanda

Desloca a curva de demanda

Desloca a curva de demanda

Desloca a curva de demanda

Desloca a curva de demanda

Desloca a curva de demanda

Mudança de demanda

Mudança de demanda S 1 D Q 1 Q* Q 2 OfertaOferta ee demandademanda Preço Equilíbrio
S 1 D
S
1
D

Q

1

Q*

Q

2

OfertaOferta ee demandademanda

Preço

Equilíbrio inicial (P* e Q*) Variação da Demanda Aumento da demanda (deslocamento para direita) Aumento
Equilíbrio inicial (P* e Q*)
Variação da Demanda
Aumento da demanda
(deslocamento para direita)
Aumento da quantidade e do
preço
Redução da demanda
(deslocamento para
esquerda)
redução da
quantidade e do preço

P 2

P*

P

Quantidade

Variações na Quantidade Ofertada versus Deslocamento da Oferta

na Quantidade Ofertada versus Deslocamento da Oferta Variáveis que Afetam a Quantidade Ofertada Um

Variáveis que Afetam a Quantidade Ofertada

Um Alteração nesta Variável

Preço

Representa um movimento ao longo da curva de oferta

Preço dos Insumos

Desloca a curva de oferta

Tecnologia

Desloca a curva de oferta

Expectativas

Desloca a curva de oferta

Número de vendedores

Desloca a curva de oferta

Mudança de oferta

Mudança de oferta OfertaOferta ee demandademanda S Q 1 Q* Q 2 Preço Equilíbrio inicial (P*

OfertaOferta ee demandademanda

S
S

Q 1

Q*

Q

2

Preço

Equilíbrio inicial (P* e Q*) Variação da Oferta Aumento da oferta (deslocamento para direita) Aumento
Equilíbrio inicial (P* e Q*)
Variação da Oferta
Aumento da oferta
(deslocamento para direita)
Aumento da quantidade e
redução do preço
Redução da Oferta
(deslocamento para
esquerda)
redução da
quantidade e aumento do
preço

P 2

P*

P 1

D

Quantidade

Mudança da demanda e da oferta

Mudança da demanda e da oferta OfertaOferta ee demandademanda D Q 1 Q* Preço Aumento da

OfertaOferta ee demandademanda

da demanda e da oferta OfertaOferta ee demandademanda D Q 1 Q* Preço Aumento da demanda

D

Q 1

Q*

Preço

Aumento da demanda

Redução da oferta

P*

Redução da demanda

Aumento da oferta

Quantidade

Mudanças na demanda e oferta Mudanças nos preços (P) e nas quantidades (Q) do produto
Mudanças na demanda e oferta
Mudanças nos preços (P) e nas quantidades (Q) do produto ao se
alterarem as condições de demanda e oferta em relação à posição
de equilíbrio de mercado
Demanda/Oferta
D
D
=
D
O
P?Q
P
Q
P
Q?
O
=
P
Q
P = Q=
P
Q
O
P
Q ?
P
Q
P?Q
Os símbolos “P?” e “Q?” indicam que poderá haver
aumento ou diminuição, em função do maior ou menor
deslocamento das curvas de demanda e oferta
Harcourt Brace & Company
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros
DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros - Em termos gerais, o preço e a

- Em

termos

gerais,

o

preço

e

a

quantidade

sofrem

modificações

que

dependerão

do

tamanho

do

deslocamento das curvas de oferta e da demanda.

- Quando

demanda e oferta respondem a essas mudanças. A resposta da quantidade á variação de preços é denominada de elasticidade - Elasticidade é uma medida de sensibilidade de uma variável para outra. Pode-se identificar determinadas variações na demanda ou na oferta de alimentos diante de modificações sensíveis de preço, renda ou de qualquer variável significativa. - Trata-se de um número que nos informa a variação percentual que ocorrerá em uma variável, como reação a uma variação de 1% em outra variável.

ocorre

mudanças

nos preços a quantidade

Calculando a Elasticidade Preço da Demanda

Calculando a Elasticidade Preço da Demanda A elasticidade preço da demanda é calculada como a variação

A elasticidade preço da demanda é calculada como a variação percentual na quantidade demandada dividida pela variação percentual

no preço. A elasticidade preço demanda é negativa, isto é, Ep <0

Variação percentual da quantidade demandada

Variação percentual do preço

Elasticidade-preço da demanda

=

Elasticidade Preço da Demanda

Elasticidade Preço da Demanda A elasticidade preço da demanda a variação percentual da quantidade demandada dividida

A

elasticidade

preço

da

demanda

a

variação percentual da quantidade demandada dividida pela variação percentual do preço.

é

Perfeitamente Elástica - E S =

Relativamente Elástica - E S > 1

Elasticidade Unitária - E S = 1

Relativamente Inelástica - E S < 1

Perfeitamente Inelástica - E S = 0

Estimativas de elasticidade-preço, de curto prazo, da demanda de alguns alimentos, no varejo, Brasil e Estados Unidos

Produtos agropecuários Brasil Estados Unidos Açúcar -0,13 -0,24 Arroz -0,10 n.d Banana -0,49 n.d Batata
Produtos agropecuários
Brasil
Estados Unidos
Açúcar
-0,13
-0,24
Arroz
-0,10
n.d
Banana
-0,49
n.d
Batata inglesa
-0,15
-0,25
Café em pó
-0,12
-0,21
Café solúvel
-0,85
-1,10
Carne bovina
-0,94
-0,77
Carne de frango
-0,96
-0,80
Carne suína
-0,70
-0,60
Farinha de trigo
-0,35
-0,15
Feijão
-0,16
n.d
Frutas
-0,50
-0,45
Laranja
n.d
-0,66
Leite
-0,14
-0,34
Manteiga
n.d
-0,66
Margarina
n.d
-0,84
Ovos
-1,20
-0,30
Pão
n.d
-0,15
Queijo
n.d
-0,55
Tomate
-1,20
n.d
Produtos agrícolas em geral
n.d
-0,42
Carnes em geral
n.d
-0,60
Alimentos em geral
-0,50
-0,12
Não alimentos
n.d
-1,20*

Fonte: Mendes, J T. G. Economia agrícola: princípios básicos e aplicações. Curitiba: ZNT, 1998; Nogueira e Brandt (1976) e Ferguson (1987). n.d - dado não disponível *produtos elásticos (EUA): metais (-1,52); produtos de engenharia elétrica (-1,39); produtos de engenharia mecânica (-1,30); móveis (-1,26); automóveis (-1,14); serviços profissionais (-1,09) e serviços de transporte (-1,03) Produtos inelásticos (EUA): gás, eletricidade e água (-0,92); bebidas em geral (-0,78); roupas (-0,64); fumo (-0,61); serviços bancários e de seguros (- 0,56); serviços domésticos (-0,55); livros, revistas e jornais (-0,34).

Elasticidade e Receita Total

Elasticidade e Receita Total A receita compradores e recebido pelos vendedores de um dado bem. É

A receita

compradores e recebido pelos vendedores de um dado bem. É calculada multiplicando-se o preço de um bem pela quantidade vendida.

total

é

o montante pago

pelos

RT = P X Q

$4

P

Elasticidade e Receita Total

$4 P Elasticidade e Receita Total P X Q = $400 (receita total) Demanda 0 Q
$4 P Elasticidade e Receita Total P X Q = $400 (receita total) Demanda 0 Q
$4 P Elasticidade e Receita Total P X Q = $400 (receita total) Demanda 0 Q
$4 P Elasticidade e Receita Total P X Q = $400 (receita total) Demanda 0 Q
P X Q = $400 (receita total) Demanda
P X Q = $400
(receita total)
Demanda

0

$4 P Elasticidade e Receita Total P X Q = $400 (receita total) Demanda 0 Q
$4 P Elasticidade e Receita Total P X Q = $400 (receita total) Demanda 0 Q
$4 P Elasticidade e Receita Total P X Q = $400 (receita total) Demanda 0 Q

Q

100

Quantidade

Preço

Elasticidade e Receita Total

Elasticidade e Receita Total Com uma curva de demanda elástica, um aumento no preço leva à

Com uma curva de demanda elástica, um aumento no preço leva à uma diminuição na quantidade demandada que é proporcionalmente maior. Portanto, a receita total diminui.

Preço Preço $5 $4 Demanda Receita = $200 0 50 Quantidade 0 20
Preço
Preço
$5
$4
Demanda
Receita = $200
0
50
Quantidade
0
20

Elasticidade e Receita Total: Demanda Elástica

Demanda Receita = $100
Demanda
Receita = $100

Quantidade

Elasticidade e Receita Total

Elasticidade e Receita Total Com uma curva de demanda inelástica, um aumento no preço leva à

Com uma curva de demanda inelástica, um aumento no preço leva à uma diminuição na quantidade que é proporcionalmente menor. Portanto, a receita total aumenta.

Preço Preço $3 Receita = $240 $1 Demanda Receita = $100 0 100 0 Quantidade
Preço
Preço
$3
Receita = $240
$1
Demanda
Receita = $100
0
100
0
Quantidade

Elasticidade e Receita Total: Demanda Inelástica

Demanda
Demanda

80 Quantidade

Elasticidade e receita total - Demanda

Elasticidade e receita total - Demanda Elasticidade Preço Quantidade Receita total = P x Q Elástica

Elasticidade

Preço

Quantidade

Receita total

= P x Q

Elástica

(E d > 1)

Redução

Aumenta

Aumento

Unitária (E d = 1)

Redução

Aumenta

Inalterada

Inelástica (E d < 1)

Redução

Aumenta

Diminuição

Elasticidade

Preço

Quantidade

Receita total

= P x Q

Elástica

(E d > 1)

Aumento

Redução

Diminuição

 

Unitária (E d = 1)

Aumento

Redução

Inalterada

 

Inelástica (E d < 1)

Aumento

Redução

Aumento

 
A Elasticidade Preço da Demanda e Receita Total Q/Q P Q E P Preço P/P
A Elasticidade Preço da Demanda
e Receita Total
Q/Q
P
Q
E
P
Preço
P/P
Q
P
RT aumenta
E d > 1
Demanda
E d = 1
RT máxima
P
RT diminui
E d < 1
0
Q
Quantidade
Harcourt Brace & Company
Mudanças na receita total com o aumento de preço DEMANDA ELÁSTICA DEMANDA INELÁSTICA Receita total
Mudanças na receita total com
o aumento de preço
DEMANDA ELÁSTICA
DEMANDA INELÁSTICA
Receita total original
Receita total original
= R$ 2x2000 = R$4000
= R$ 2x2000 = R$4000
Nova Receita total
Nova Receita total
= R$ 2,7x1200 = R$ 3240
= R$ 2,7x1800= R$ 4860
Resultado
Perda de Receita = R$ 760
Resultado
Aumento de Receita = R$ 860
Harcourt Brace & Company

Receita total, elasticidade-preço, processamento e marca

Produtos agrícolas, em geral, tem uma demanda inelástica a preço (pouco substitutos para os alimentos, são produtos perecíveis e essenciais para alimentação).

Produtos agrícolas de demanda inelástica referem-se aos produtos e alimentos cujo grau de processamento é baixo.

Industrialização possibilitou: 1) produtos in natura são perecíveis mas passaram a ser conservados por longo período de tempo; 2) o número de produtos substitutos passou a ser maior.

O processamento torna os produtos menos perecíveis e gera maior número de substitutos, fazendo com que a demanda fique menos inelástica

Receita total, elasticidade-preço, processamento e marca

Produto não perecível estimula o consumidor demandar mais quando seu preço cai, pois pode estocar o produto. Por exemplo, se houve uma redução de 20% no preço do leite C (perecível) e no leite longa vida (não perecível). As vendas do leite longa vida aumenta (estoque) ao passo que as vendas do leite C aumentam muito pouco devido a impossibilidade do consumidor estocá-lo.

Receita total, elasticidade-preço, processamento e marca

Por isso as empresas fazem promoções do leite longa vida para reduzir os estoques e ao mesmo tempo aumentar as vendas (receitas) visto que a demanda deste produto é elástica. Devido a perecibilidade, que em uma supersafra, os preços da batatinha (batata inglesa) despencam (excesso de oferta) no período da colheita, mas nem por isso os consumidores irão correr ao mercado para fazer compras (aumentar a demanda). A receita do produtor cai, porque a queda de preço é maior que o aumento nas vendas (quantidades).

Receita total, elasticidade-preço, processamento e marca

Convertendo essa mesma batatinha em potatoes Chips, a situação se inverte totalmente. Neste caso, o produto deixa de ser perecível, e a liquidação de preço resultará em grandes vendas (aumento de receita pois o produto passa a ter uma demanda elástica). Industrialização dos produtos agrícolas, afeta a demanda, a receita total e a elasticidade-preço, visto que o processamento possibilita um maior número de substitutos, via marca. Quanto maior o número de substitutos, mais elástica é a curva de dmanda. Os consumidores deixam de comprar os produtos mais caros e passam adquirir seus substitutos.

Receita total, elasticidade-preço, processamento e marca

Bens substitutos- o grão de soja de determinada variedade, que é homogêneo, não interfere na produção de várias marcas de margarinas, o que permite aos consumidores um grande número de substitutos. Assim a demanda por margarina torna-se elástica. Quando o mercado dispõe de bons substitutos para um determinado produto, a demanda torna-se mais elástica, visto que os consumidores podem responder mais às variações de preço.

Diferenciação do produto aumenta o lucro

O processamento torna a curva de demanda mais elástica porque aumenta o número de substitutos no mercado. Mas quando o processamento atinge um grau elevado de industrialização pode resultar em uma diferenciação do produto fazendo com que a curva de demanda fique mais inelástica. Um exemplo é o caso do milho, que sendo um produto homogêneo, pode ser convertido em amido de milho, cuja marca mais conhecida no Brasil é a Maisena, apesar de já haver similares. Diferenciação do produto pode ocorrer pela qualidade, embalagem, fornecimento de crédito, serviço de manutenção oferecido, propagandas e pela identificação de marcas.

Diferenciação do produto aumenta o lucro

A diferenciação do produto remove a perfeita elasticidade da curva de demanda, como é o caso das sementes melhoradas, que é um insumo para o agricultor, e é diferente para este por ter qualidades superiores às demais sementes no mercado. Desta forma, a curva de demanda torna-se menos elástica devido a diferenciação do produto (o grau de diferenciação do produto cativa os consumidores, podendo assim controlar os seus preços no mercado). Quando mais diferenciado for o produto, menor a possibilidade de substituição por outros produtos, e seu mercado deixa de caracterizado pela concorrência perfeita passando por situações de concorrência imperfeita, até chegar num caso extremo de monopólio.

Fatores que influenciam a demanda

Preços do próprio bem provoca movimentos ao longo da curva de demanda (variações na quantidade demandada) Outros fatores provocam deslocamento da curva de demanda (número de consumidores, nível de renda, preços dos produtos substitutos e complementares, gostos e preferências dos consumidores, propaganda (marketing), expectativas de preços futuros e política econômica) Bens substitutos maçã gala e maçã fuji

Fatores que influenciam a demanda

Mudanças no mercado de alimentos tais como:

produtos diet e light, orgânicos (produtos naturais com menos colesterol e gorduras saturadas e trans) e inorgânicos (aditivos e ingredientes químicos), o acesso mais fácil a tecnologia (fornos de microondas e freezers), segurança alimentar e meio ambiente. Todos estes fatores alteram a demanda por alimentos.

Elasticidade Renda da Demanda

Elasticidade Renda da Demanda A elasticidade renda da demanda mede o quanto que a quantidade demandada

A elasticidade renda da demanda mede o quanto que a quantidade demandada de um bem responde a uma variação na renda do consumidor. A elasticidade renda da demanda reflete a variação na demanda do bem ou serviço quando houver um aumento na renda do consumidor ou da economia como um todo. É calculada como a variação percentual na quantidade demandada dividida pela variação percentual na renda.

variação percentual na quantidade demandada dividida pela variação percentual na renda. Q/Q R Q E R
Q/Q R Q E R R/R Q R
Q/Q
R
Q
E R
R/R
Q
R

Elasticidade cruzada da demanda

Elasticidade cruzada da demanda A elasticidade preço cruzada da demanda Q / Q P Q a

A elasticidade preço cruzada da demanda

Q / Q P Q a a b a EQ P a a P /
Q
/ Q
P
Q
a
a
b
a
EQ P
a
a
P
/ P
Q
b P
b
b
b

A elasticidade cruzada é

substitutos (a e b) e negativa no caso de bens complementares (a e b) A elasticidade cruzada da demanda reflete as alterações provocadas na demanda de um determinado bem ou serviço como consequência de alterações nos preços de outros bens e serviços.

As

bens

positiva no caso de bens

elasticidades

cruzadas

ocorrerão

com

os

complementares e substitutos. Bens independentes – elasticidade cruzada é zero.

Calculando a Elasticidade Preço da Oferta

Calculando a Elasticidade Preço da Oferta A elasticidade preço da oferta é calculada como a variação

A elasticidade preço da oferta é calculada como a variação percentual na quantidade ofertada dividida variação percentual no preço.

Variação percetual da quantidade ofertada

Variação percentual do preço

Elasticidade preço da oferta

=

Elasticidade Preço da Oferta

Elasticidade Preço da Oferta A elasticidade preço da oferta é a variação percentual da quantidade ofertada

A elasticidade preço da oferta é a variação percentual da quantidade ofertada dividida pela variação percentual do preço.

Perfeitamente Elástica - E S =

Relativamente Elástica - E S > 1

Elasticidade Unitária - E S = 1

Relativamente Inelástica - E S < 1

Perfeitamente Inelástica - E S = 0

Oferta: produção de alimentos

No âmbito mundial a produção de alimentos não é ainda um problema apesar da queda, o problema mais grave é que a sua distribuição está concentrada em poucos países desenvolvidos. Enquanto que os países em desenvolvidos abriga maior parte da população, a qual não tem renda suficiente para comprar alimentos. Desaceleração do crescimento da produção de alimentos no mundo, tanto nos países desenvolvidos e nos subdesenvolvidos.

Oferta: produção de alimentos

Desaceleração da taxa de crescimento da produção de alimentos deve-se a menor demanda por causa de dois fatores: redução da taxa de crescimento populacional e crescente grau de saturação dos níveis de consumo per capita de alimentos para uma parcela da população mundial a mais rica. As nações mais ricas (alta renda) são responsáveis por metade do consumo mundial de produtos agrícolas e representam pouco mais de 1/5 da população do planeta.

Oferta: produção de alimentos

Fatores de crescimento da produção agrícola são: expansão da área agrícola, incremento na frequência do cultivo (uso de técnicas de irrigação) e ganhos de produtividade (tecnologia).

Diferenciação do produto aumenta o lucro

Mercado o grau de influência que os participantes (compradores e vendedores) do processo desempenham na formação de preços. Concorrência perfeita tomador de preços Concorrência imperfeita fixador de preços

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Campus Regional de Montes Claros
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
Campus Regional de Montes Claros

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Regional de Montes Claros REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BATALHA, Mário Otávio. Gestão agroindustrial: GEPAI :

BATALHA, Mário Otávio. Gestão agroindustrial: GEPAI : Grupo de Estudos e Pesquisas Agroindustriais. São Paulo: Atlas, 2007.

HOFFMANN, Rodolfo. Estatística para Economistas. 4ª. ed. São Paulo:

Pioneira Thomson Learning, 2006.

MANKIW, N. G. Introdução à economia. São Paulo: Cengage Learning,

2009.

MENDES, Judas Tadeu Grassi; PADILHA JUNIOR, Jõao Batista. Agronegócio: uma abordagem econômica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

FUNDAÇÃO PAULO BENEVIDES. Microcrédito e desenvolvimento regional. Instituto para o desenvolvimento de estudos econômicos, sociais e políticas públicas. Fortaleza: Premius, 2011.