Você está na página 1de 28

CAPÍTULO 6

REAÇÕES QUÍMICAS
É a transformação de uma ou mais substâncias em novas substâncias.
As iniciais são destruídas e originam novos tipos de substâncias, ocorrendo,
assim, mudanças nos tipos de moléculas. Todo fenômeno químico é uma
reação química.
Os reagentes são as substâncias iniciais, ou seja, que sofrem o
fenômeno químico. Os reagentes são consumidos durante o processo de
transformação.
Os produtos são as substâncias finais, ou seja, são formadas no lugar
dos reagentes (que desaparecem). São o resultado da transformação química
ocorrida.

Equação química é a representação gráfica das reações químicas
utilizando fórmulas químicas. Nelas, os reagentes são colocados à esquerda
(1º membro) e os produtos à direita (2º membro). Entre ambos utiliza-se uma
seta, orientada dos reagentes para os produtos. Os números que precedem as
fórmulas das substâncias recebem o nome de coeficientes estequiométricos e
indicam a proporção entre o número de moléculas reagentes e produzidas.

Observando o exemplo acima, podemos ver:
O elemento hidrogênio (H) e o elemento oxigênio participam da reação
através das substâncias simples H2 e O2. São duas moléculas de H2 para uma
molécula de O2. Durante o processo serão consumidas, formando uma
substância composta (H2O), que estará presente com duas moléculas.
Os coeficientes são necessários para o balanceamento da equação, ou
seja, para que se iguale o número de átomos de cada elemento em ambos os
membros da equação química. Voltando ao exemplo acima, observe que
teremos:
4 átomos de hidrogênio no primeiro e segundo membros da equação;
2 átomos de oxigênio no primeiro e segundo membros da equação.

Classificação de reações químicas
Síntese ou adição: Temos mais de um reagente e só um produto.
Genericamente, podemos afirmar que: A + B  AB
Ex: N2 + 3H2  2NH3
Análise ou decomposição: Temos apenas um reagente e vários produtos.
Genericamente, podemos afirmar que: AB  A + B

Ex: CaCO3  CaO + CO2
Simples troca ou deslocamento: Temos a mesma quantidade de reagentes e
produtos. O que diferencia é uma substância simples aparece tanto nos
reagentes como nos produtos. Genericamente, podemos afirmar que:
AB + C  AC + B ou AB + C  CB + A
Ex: Fe + HCl  FeCl2 + H2
Dupla troca ou dupla substituição: Temos a mesma quantidade de reagentes
e produtos. O que diferencia é que todos são substâncias compostas tanto nos
reagentes como nos produtos. Genericamente, podemos afirmar que:
AB + CD  AD + CB
Ex: HCl + NaOH  NaCl + H2O
Balanceamento de equações químicas
Método por tentativa ou direto:
1-Escolher o elemento que apareça apenas uma vez no primeiro e segundo
membro da equação (reagente e produto);
2-Dentre aqueles que atendam ao quesito 1, optar pelo que tenha índices
maiores.
3-Escolhido o elemento, transpor os seus índices, usando-os como
coeficientes.
4-Com a inversão, observar os elementos que já estão balanceados, utilizandoos para balancear o restante.
Veja o exemplo: Mn3O4 + Al  Al2O3 + Mn
Aplicando a primeira regra, observamos que os elementos Mn, Al e O
aparecem apenas uma vez no primeiro e segundo membros da
equação.
Aplicando a segunda regra, vamos ver quem apresenta o maior índice,
somando os dois membros: Mn: 3 + 1 = 4 O: 4 + 3 = 7 Al: 1 + 2 = 3
O oxigênio é o que apresenta os índices maiores.
Aplicando a terceira regra, vamos inverter os índices do oxigênio,
fazendo com que passem a ser coeficientes nos membros inversos: 3
Mn3O4 + Al  4 Al2O3 + Mn. Veja que teremos 12 átomos de oxigênio
em cada membro (3x4 = 4x3).
Continuando a aplicar as regras, veja que teremos o Mn definido no
primeiro membro (3x3) e o Al no segundo membro (4x2). Basta acertar
esses elementos nos membros que estão indefinidos e o balanceamento
estará pronto.

54 g de cobre metálico é = 3. baseado nas leis das reações químicas. acertemos os coeficientes: Cu + ½O 2 => CuO 3º) E agora? Como calcular a massa de óxido cúprico? É fácil. Cu + ½O2 ⇒ CuO Mol 63.5 79.5 1º) Vamos escrever a reação química: H2 + Cl2 = HCl 2º) Agora falta balanceá-la.4 22. reagem completamente com cloro. 3.Escrever a reação química. Quando aparecem reações consecutivas Exemplo: Qual a massa de ácido sulfúrico produzido a partir de 8 toneladas de enxofre? Dados: S = 32 e H2SO4 = 98 1º) Observe quantas reações químicas são necessárias para se obter ácido sulfúrico a partir do enxofre: S + O2 => SO2 . 2.54 X A massa de óxido cúprico a partir de 2. 1 1 mol 2 mol Mol mol 2 71 73 CNTP 22. Regra geral: 1.CAPÍTULO 7 ESTEQUIOMETRIA Estequiometria é o cálculo da quantidade de reagentes e produtos da reação. H2 + Cl2 = 2HCl 3º) Vamos aos cálculos? H2 + Cl2 → 2 HCl Quant. Exemplo 1: Calcular a massa de óxido cúprico a partir de 2. Estabelecer uma regra de três.5 Massa 2. Qual o volume de gás clorídrico produzido nas mesmas condições? Dados: H = 1 e Cl = 35. Dados: Cu = 63. Acertar os coeficientes.54 g de cobre metálico. medidos a Condição Normal de Temperatura e Pressão (CNTP).4 2 Massa 15 X O volume de gás clorídrico produzido nas CNTP é = 30 litros Casos Particulares de Estequiometria 1.18 g Exemplo 2: 15 litros de H2.5 e O = 16 1º) Vamos escrever a reação química: Cu + O2 => CuO 2º) A equação está desbalanceada. é só fazer a regra de três das partes envolvidas.

x x = 213 g Na2SO4 2x40g NaOH .5 g H2SO4 147 g H2SO4 – 122.100 g NaOH x = 122. A. Quando são dados as massas dos reagentes Exemplo: Foram misturados 147 g de H2SO4 e 100 g de NaOH para reagir.5 g H2SO4 . O Reagente limitante é o NaOH.80 g NaOH x . c) 98g H2SO4 . Há algum reagente em excesso? Se afirmativo.SO2 + ½O2 => SO3 SO3 + H2O => H2SO4 Reação Global: S + 1½O2 + H2O => H2SO4 2º) Faça os cálculos a partir da reação global. qual deles? C.0 g Massa de Y (massa de H2SO4 para reagir com 100 g de NaOH) = 122.142g Na2SO4 147g H2SO4 .5 ton. H2SO4 + NaOH => Na2SO4 + 2H2O Mol 98 80 142 Massa 14 X Massa Y 100 Massa de X (massa de NaOH para reagir com 147 g de H2SO4) = 120. Qual a massa de Na2SO4 formada? B. Na = 23.5 g H2SO4 = 24.5 g Na2SO4 Sim. O = 16 e H = 1 1º) Faça a equação da reação e verifique as massas necessárias para as reações. O H2SO4.x x = 177. Quanto é esse excesso? Dados: S = 32.5 g a) 142g b) 98g H2SO4 . S+ ½O2 + H2O ⇒ H2SO4 Mol 32 98 Massa 8 x A massa de ácido sulfúrico produzido a partir de 8 toneladas de enxofre é = 24.142g Na2SO4 100 g NaOH . 2.

a eletroquímica se faz presente. faremos algumas experiências. notebooks etc. até as pilhas usadas em lanternas. Eletroquímica é o estudo das reações nas quais ocorre conversão de energia química em energia elétrica e vice-versa. produção industrial de alumínio. Pilhas A eletroquímica estuda as soluções eletrolíticas e os fenômenos que ocorrem quando são colocados eletrodos nestas soluções.CAPÍTULO 8 ELETROQUÍMICA Atualmente. . passando por processos de galvanização. Desde a bateria de celulares. a eletroquímica engloba o estudo das pilhas e da eletrólise. já numa eletrólise ocorre a conversão de energia elétrica em energia química. Utilizando os sistemas abaixo. 1. Desde a rede elétrica que abastece as nossas casas. em cada parte que se olhe. Basicamente. Em eletroquímica estudamos as reações de oxidorredução que geram ou consomem energia. Numa pilha galvânica ocorre a conversão de energia química em energia elétrica.

Cu(s) + ZnSO4(aq) → não ocorre reação 2a experiência: Uma lâmina de Zn(s) é mergulhada numa solução de CuSO4(aq). Reação ocorrida: Zn(s) + CuSO4(aq) ZnSO4(aq) + Cu(s) (lâmina) (solução) (solução) (lâmina) .1a experiência: Uma lâmina de Cu(s) é mergulhada numa solução de ZnSO4(aq).

e esta será denominada potencial de redução (Ered). Condições para Condução da Corrente Elétrica . já o íon consegue não consegue arrancar e– do Cu(s).2. Analisando as duas experiências. Eletrodo Um eletrodo (que em grego significa "caminho para a eletricidade") é formado por um metal. Conclusões – O íon possui maior capacidade de atrair (arrancar) e– do que o íon – O Zn(s) possui maior capacidade de doar e– do que o Cu(s) Cada íon metálico em solução apresenta uma diferente capacidade de atrair e –. Exemplo 1.Explicação: – O íon “arranca” e– do Zn(s).1. mergulhado numa solução contendo cátions desse metal. 1. causando sua oxidação. concluímos que o íon arrancar e– do Zn(s). – O íon apresenta capacidade de arrancar e– do Zn(s) (é uma observação experimental).

Se entre esses eletrodos intercalarmos um fio condutor. agora teremos condições para condução da corrente elétrica. 1.– Uma diferença de potencial (ddp). Pilha de Daniel Experiência Explicação . Como o eletrodo de cobre (Cu2+/Cu) possui maior potencial de redução que o eletrodo de zinco (Zn2+/Zn).3. podemos dizer que entre os eletrodos existe uma ddp. – Um meio condutor.

se transformam em Cu(s). Ao receberem os elétrons. de acordo com a equação: No eletrodo de zinco: .No eletrodo de cobre: Íons da solução migram até a placa de cobre e recebem os elétrons cedidos pelo Zn(s).

Ponte Salina Para evitar a mistura das soluções. pilhas são sistemas que possuem capacidade de produzir energia elétrica a partir de uma reação química. transforma a energia de uma reação química em energia elétrica. I. de acordo com a equação: Assim. uma corrente elétrica. Zn(s) da placa vai para a solução na forma de . ou simplesmente pilha. Estes sistemas podem ser chamados também de células galvânicas. . o circuito elétrico. A solução salina mais utilizada é o KCl. causando assim a corrosão da placa e conseqüente aumento da concentração de na solução.Ao ceder elétrons através do condutor metálico para o íon . utiliza-se a ponte salina. A ponte salina é formada por um gel contendo solução salina aquosa concentrada dentro de um tubo. ou seja. Tal fato fica evidenciado pela lâmpada que acende quando a pilha é acionada. observamos que existe um movimento ordenado de cargas no fio condutor. devido à ddp criada entre os dois eletrodos. devido à ddp entre os dois eletrodos. que une os dois compartimentos do eletrodo e completa. Portanto. pois os íons K + e Cl– não afetam as reações que ocorrem nas células. Uma célula galvânica.

Observação Se entre as duas soluções é encontrada uma placa porosa. Nomenclatura dos Eletrodos . A função da ponte salina é manter o equilíbrio elétrico de cargas positivas e negativas nas soluções dos eletrodos. Concluindo. (cargas positivas). Haverá no eletrodo excesso de À medida que a lâmina de cobre tem a sua massa aumentada. a solução do eletrodo de zinco vai ganhando cátions cargas positivas. K+ migra da ponte para o eletrodo de cobre e Cl– migra para o eletrodo de zinco.À medida que a lâmina de zinco corrói. No condutor existe uma corrente de elétrons. para o ânodo. ao invés de ponte salina. Na ponte salina existe uma corrente de íons. II. Haverá no . Reação Global da Pilha III. Assim. podemos dizer que cátions migram para o cátodo e ânions. ocorre migração dos íons existentes nas soluções . a solução do eletrodo de cobre vai perdendo cátions eletrodo excesso de cargas negativas (cargas positivas).ou seja: íons Zn 2+ migram através da placa para o eletrodo de Cu e íons migram para o eletrodo de Zn.

1. . Esquema e Representação 1.4. Medindo a ddp de uma pilha Experiência: seja a pilha de Daniell. na qual intercalaremos no fio condutor um voltímetro (aparelho usado para medida da ddp).5.

e para tanto vamos escolher um eletrodo padrão. . mergulhada numa solução contendo cátions (eletrodo de hidrogênio). O gás adsorvido na placa forma uma película de H2 sobre a platina e o conjunto funciona como se fosse uma placa de hidrogênio. Não sendo possível medir o valor absoluto do Ered de um eletrodo.10 V.0 M de H2SO4. já que o único valor obtido na prática é a ddp. fenômeno este chamado de adsorção. ou seja. O Eletrodo de Hidrogênio (Padrão) No interior de um tubo invertido é colocada uma lâmina de platina ligada a um fio também de platina. a ddp entre os eletrodos de zinco e cobre é igual a 1. I. iremos trabalhar com potenciais relativos.A ddp registrada para a pilha zinco-cobre é igual a 1. sendo assim. a equação acima possui duas incógnitas. Teoricamente a ddp é calculada da seguinte forma: A medida do Ered absoluto de um eletrodo é impossível e. Injeta-se na abertura lateral do tubo gás hidrogênio sob pressão de 1 atm.10 V. O sistema é mergulhado numa solução aquosa 1. a 25 °C. O escolhido foi o eletrodo de hidrogênio ao qual se atribui o = zero. Parte do gás hidrogênio adere à superfície da platina.

00 V II. percebemos que no eletrodo de zinco ocorre corrosão do Zn(s). Com o funcionamento da pilha. Assim. donde concluímos que este sofre oxidação. Medida de Potencial de Redução de um Eletrodo (Relativo) Observe a experiência abaixo: – No caso da pilha formada pelos eletrodos de zinco e hidrogênio. Como: .76 V. a ddp registrada foi de 0.00 V H2(g) E0 = 0. o Ered do eletrodo de hidrogênio (Ered = zero) é maior que o do eletrodo de zinco.Reações no eletrodo de Hidrogênio: – Perda de e-: H2(g) 2 – Ganho de e–: 2 + 2e– + 2e– E0 = 0.

o íon Cu2+ é capaz de oxidar o H2: H2 2H+ + 2eComo percebemos nos exemplos descritos. o de cobre. percebemos que no eletrodo de cobre ocorreu deposição do metal na placa. Com o funcionamento da pilha. do eletrodo de hidrogênio ( = zero) é menor que o do eletrodo Como: O sinal positivo indica que o eletrodo de cobre possui um E red maior que o do eletrodo de hidrogênio. Se combinarmos o eletrodo de hidrogênio com eletrodos dos mais variados metais. donde concluímos que houve redução do íon . como mostra a equação: Assim. já outros como o eletrodo de zinco . o eletrodo de hidrogênio pode ser o cátodo ou o ânodo de uma pilha. perceberemos que alguns se comportam como o eletrodo de cobre . No caso da pilha formada pelos eletrodos de cobre e hidrogênio .O sinal negativo indica que o eletrodo de hidrogênio ao qual foi atribuído um Ered = zero possui capacidade de atrair e– do eletrodo de zinco.34 V. ou seja. a ddp registrada foi de 0. .

experimentalmente.Assim. III. Tabela dos Ered Potenciais de Redução (Ered) expressos em volts (Solução aquosa 1M a 25 °C e 1 atm) . é possível construir uma tabela de .

quanto maior o valor de E 0. portanto. 2. ceder elétrons para outro elemento de menor potencial de oxidação. Vamos trabalhar somente com a natureza da reação. a ddp é positiva. ele recebe elétrons de um outro elemento de menor potencial de redução. – das concentrações das espécies que participam da reação. Portanto. Espontaneidade das Reações de Oxirredução Quanto maior o potencial de redução de um elemento. Cálculo da ddp de uma pilha A ddp de uma pilha depende de dois fatores: – da natureza da reação na pilha. Para o potencial de oxidação.IV. maior a tendência em perder elétrons e. o que reflete a espontaneidade da reação. maior a tendência em ganhar elétrons. Por exemplo: . onde a ddp pode ser calculada da seguinte forma: Para uma pilha.

Neste caso. no sentido indicado da reação. a reação será espontânea. O fato de o íon Cu2+ apresentar um Ered maior significa que ele possui capacidade de atrair e– do Zn(s). sendo assim. – colocar o metal a ser protegido em contato com outro metal que apresente um potencial de oxidação maior. – verificar. – se a espécie que sofre redução apresentar um maior que o da espécie que sofre oxidação. Mg e Zn são denominados metais de sacríficio. – aplicação de uma camada de tinta na superfície metálica. devemos adotar a seguinte conduta. protegendo o metal de menor potencial de oxidação. Observação – Objetos metálicos podem ser protegidos da corrosão de vários modos diferentes. a reação é espontânea. . – cobrir a superfície metálica com outro metal (eletrólise).76 V Para sabermos se a reação é espontânea ou não.34 V Zn2+ + 2 e– → Zn° E = – 0. e.Dados: Cu2+ + 2 e– → Cu° E = + 0. Mg e Zn são utilizados para a proteção do Fe contra a ferrugem. o metal de maior potencial de oxidação sofre corrosão (oxidação). caso contrário. Por exemplo. a espécie que sofre oxidação (perde e–) e a espécie que sofre redução (ganha e–). não.

Os elétrons cedidos ao pólo migram através do circuito externo até o pólo (cátodo). estes serão "ganhos" pelos íons positivos (redução). Eletrólise Consiste em uma reação de oxirredução não espontânea. Uma forma de liberar os íons deste composto é aquecê-los até a fusão (fundir). Lá. desde que este se ionize quando em solução. O recipiente em que se realiza a eletrólise recebe o nome de célula eletrolítica ou cuba eletrolítica. ou então em solução. para que ocorra uma eletrólise é necessária a presença de íons livres. É o inverso de uma pilha. não deve sofrer eletrólise. Na eletrólise há a necessidade de uma fonte externa de corrente elétrica (contínua) para que uma reação não espontânea ocorra. Pode ser um composto molecular. já que não possui íons livres. 3.1. onde irão perder elétrons (oxidação). ou substância que conduz eletricidade. Como exemplo temos os ácidos. deve ser um composto iônico líquido (fundido). no estado sólido. A eletrólise que . Um composto iônico. 3.3. Eletrólise Ígnea Como já vimos anteriormente. Como Funciona a Eletrólise Os íons negativos são atraídos pelo pólo (ânodo). O eletrólito.2.

3. . é chamada eletrólise ígnea (do latim igneus = inflamado.3. nessas condições. Exemplo Eletrólise ígnea do NaCl: Semi-reações da eletrólise ígnea do NaCl: Observação – Normalmente os eletrodos utilizados são de grafite. ardente). . Eletrólise em Soluções Aquosas Quando um eletrólito é dissolvido em água (havendo ionização ou dissociação do mesmo). devemos considerar a ionização da própria água. em qualquer instante da eletrólise. além dos seus íons.ocorre.O número de elétrons libertados no ânodo é sempre igual ao número de elétrons absorvidos no cátodo.

Os íons presentes na solução serão: e e provenientes do eletrólito AB provenientes da água Consultando a tabela de (hipotético). é a descarga do e não a do . podemos dizer que. Al3+. O mesmo ocorre em relação aos ânions no ânodo.Observação– Embora a ionização da água ocorra em pequena escala (1 molécula se ioniza em cada 555 milhões de moléculas). apenas um tipo de cátion é atraído por vez no cátodo. nenhuma outra espécie será atraída. . enquanto ele estiver presente na solução. mostramos a ordem crescente de facilidade de descarga para cátions e ânions. Cátions: IA+. B– perderá elétrons mais facilmente (descarrega primeiro). que B– seja menos eletronegativo que OH–. Assim. seus íons devem ser considerados. a reação que ocorre. quanto maior a eletronegatividade do ânion. na eletrólise aquosa. no exemplo anterior. H+. e. Suponha. cátions restantes (atraídos pelo pólo –). No caso dos ânions em solução. Ânions: F–. Exemplo Suponhamos uma solução aquosa de AB. mais difícil será doá-los. OH –. Logo. ânions oxigenados. o . maior será sua tendência de atrair os elétrons e. A seguir. portanto. Experimentalmente. observa-se que. neste caso. IIA2+. . se verificarmos que o possui maior que o vai se reduzir mais facilmente.

. Portanto. As mais importantes são a grafite. embora contenham carbono. Boa parte dessas substâncias já era conhecida e estudada antes mesmo que surgisse a Química Orgânica. Existem algumas substâncias que. não se deixe confundir pela palavra orgânica. por exemplo. não são consideradas substâncias orgânicas. Na2CO3. o ácido carbônico (H2CO3). assim. Plásticos. Suas propriedades assemelham-se muito mais às das substâncias inorgânicas (aquelas que não contêm carbono) dos que às das orgânicas e. o diamante. o monóxido de carbono (CO). chamados de compostos orgânicos. o ácido cianídrico (HCN) e os carbonatos e cianetos (sais derivados do ácido carbônico e do ácido cianídrico). o dióxido de carbono (CO 2). os químicos as consideram como sendo inorgânicas.CAPÍTULO 8 FUNÇÕES ORGÂNICAS A Química Orgânica estuda os compostos que contêm carbono. CaCO3 e NaCN. detergentes e muitos medicamentos são exemplos de substâncias orgânicas não encontradas em nenhum ser vivo. ao contrário. são fabricadas em indústrias. como.

C (diam. E átomos do elemento hidrogênio. CH3COCH3 éter comum. Na2CO3 carbonato de cálcio. C6H6 metanol. Cadeia carbônica – é a estrutura formada por todos os átomos de carbono de uma molécula orgânica e também pelos heteroátomos que estejam posicionados entre esses carbonos. . C (graf. ela é chamada de cadeia mista (alguns a denominam fechada ramificada).Substâncias podem ser Orgânicas Inorgânicas exemplos               metano. CH3OH etanol.) CONTÊM carbono Átomos de elemento carbono estão presentes em todas as moléculas orgânicas. CH3CH2OH ácido acético. NaOH hidróxido de cálcio.) diamante. CH4 etano. H2CO3 carbonato de sódio. BaSO4 fosfato de cálcio. C2H4 etino. Qualquer átomo de uma molécula orgânica que não seja de carbono ou de hidrogênio é denominado heteroátomo. CH2Cl2 clorofórmio. CH3CH2OCH2CH3 clorometano. H2O ácido nítrico. CH3COOH acetona. Ca(OH)2 cloreto de sódio. CO ácido carbônico. HCN cianeto de sódio. Ca3(PO4)2          dióxido de carbono. de uma molécula orgânica. NaCl sulfato de bário. CH3Cl diclorometano. C2H2 benzeno. Classificação das cadeias carbônicas Uma cadeia pode ser aberta ou fechada. CHCl3 tetracloreto de carbono. Os átomos de carbono formam o “esqueleto” . pode ser insaturada ou saturada. na maioria delas. CCl4 exemplos NÃO contêm carbono necessariamente         água. Uma cadeia aberta pode ser ramificada ou não ramificada (também chamada de normal) e uma cadeia fechada pode ser aromática ou não aromática (também chamada de alicíclica). pode ser heterogênea ou homogênea. H2SO4 hidróxido de sódio. CO2 monóxido de carbono. ou seja. HNO3 ácido sulfúrico. C2H6 eteno. Quando uma cadeia tem uma parte cíclica e pelo menos um carbono fora desse ciclo. NaCN grafite. CaCO3 ácido cianídrico. cadeia carbônica.

Cadeia insaturada. Possui mais de duas extremidades. Cadeia saturada. Apresenta pelo menos uma ligação dupla ou tripla. Não apresenta ligação dupla em tripla. Cadeia ramificada. Cadeia homogênea. possui benzênico. não (ou Não anel C Hidrocarbonetos São compostos formados exclusivamente por átomos de carbono e hidrogênio. C // C | C \\ \ C || C / Cadeia Aromática. Possui apenas duas extremidades.CH2 CnH2n+2 parafinas Ligação simples – CH3 Alcenos . Não apresenta heteroátomo. Algumas subdivisões importantes dos hidrocarbonetos Subgrupo Característica Exemplo Fórmula geral Alcanos ou Cadeia aberta H3C – CH2 . Cadeia não ramificada (ou normal). Cadeia aberta H2C = CH – CH2 CnH2n alquenos ou 1 ligação dupla – CH3 olefinas Alcinos ou Cadeia aberta HC ≡ C – CH2 – CnH2n-2 alquinos 1 ligação tripla CH3 Alcadienos ou Cadeia aberta H2C = CH – CH = CnH2n-2 dienos 2 ligações duplas CH2 Ciclanos Cadeia fechada CnH2n Ligações simples . C / \ C–C C–C–C–C-C C–C–C–C-C C–C–C–C-C Cadeia fechada (ou cíclica).C–C–C–C–C– C C–C–O–C–C C=C–C–C–C C–C–C–C | C Cadeia aberta (ou acíclica ou alifática). Apresenta heteroátomo. C / \ C–C Cadeia aromática alicíclica). Possui anel benzênico. Cadeia heterogênea.

Prefixos que indicam o número de carbonos Prefixo Número de carbonos Met 1 Et 2 Prop 3 But 4 Pent 5 Hex 6 .Ciclenos Cadeia fechada Ligações duplas CnH2n-2 Aromáticos Contêm anel benzênico - Hidrocarbonetos podem ter Cadeia Cadeia Fechada e Aberta Nãopodem aromática ser podem ser Alcanos Ciclanos Alcenos Ciclenos Cadeia Aromática são denominados hidrocarboneto Aromáticoss Alcinos Alcadienos Nomenclatura de hidrocarbonetos Cadeia não ramificada Segundo as regras elaboradas pela IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada). o nome de um composto orgânico é formado unindo três fragmentos: Prefixo + infixo + sufixo Prefixo – indica o número de átomos de carbono presentes na molécula.

Cadeia principal – é a maior seqüência de carbonos que contenha as ligações duplas ou triplas (se existirem). Para dar nome proceda assim: . Infixos para nomenclatura Infixo Tipo de ligação an simples en dupla in tripla Sufixo – indica o grupo de substâncias orgânicas a que o composto pertence.Hept 7 Oct 8 Non 9 Dec 10 Infixo – indica o tipo de ligação entre os átomos de carbono. Sufixos para a nomenclatura de alguns tipos de compostos orgânicos Sufixo Indica que o composto é um o hidrocarboneto ol álcool al aldeído ona cetona óico ácido carboxílico Exemplos: H3C – CH3 = et an o = etano H2C = CH2 = et en o = eteno HC ≡ CH = et in o = etino H3C – CH2 – CH3 = prop an o = propano Cadeia ramificada Para nomearmos a cadeia ramificada primeiramente devemos saber qual é a cadeia principal. Os carbonos que não fazem parte da cadeia principal pertencem às ramificações. Em caso de duas seqüências igualmente longas. é a mais ramificada.

). tri. 2. a fim de indicar sua quantidade. deve-se escrever 2-metil. tetra. Os prefixos orto. meta e para podem ser utilizados apenas quando um anel benzênico possui dois grupos a ele ligados. por exemplo.3 para indica posição 1. comece pela extremidade que apresente insaturação mais próxima a ela. Para decidir por qual extremidade deve começar a numeração. etc. Finalmente. Assim. Por exemplo.4 Grupos Funcionais Grupo Funcional – OH –O– O || –C–H O || –C– O || – C – OH O Fórmula Geral ROH ROR’ RCHO Classe de compostos Álcool Éter* Aldeído¨ RCOR’ Cetona* RCOOH Ácido carboxílico¨ RCOOR’ Éster *. Escreva o nome e o número de localização das ramificações seguindo a ordem alfabética (ignorando os prefixos. separando-o do nome da ramificação por um hífen. comece pela extremidade que tenha uma ramificação mais próxima a ela. baseie-se nos seguinte critérios:  Se a cadeia for insaturada.2 meta indica posição 1. se houver dois grupos CH3 como ramificações nos carbonos 2 e 4. 3. a seguir. tri. escreva o nome do hidrocarboneto correspondente à cadeia principal.1.4 dimetil. deve-se escrever 2. Cadeia mista A nomenclatura é feita de um modo similar a cadeias abertas ramificadas. o nome do grupo orgânico que corresponde à ramificação. separando com um hífen. Os prefixos di. Numere os carbonos da cadeia principal. etc. se houver um grupo CH3 como ramificação no segundo carbono da cadeia principal. devem proceder o nome dos grupos. Localize a cadeia principal. 4.    orto indica posição 1.¨ .  Se a cadeia for saturada. Escreva o número de localização da ramificação e. di. penta.

|| –C–O– – NH2 RNH2 Amina (primária) .