Você está na página 1de 6
1 “S U B S T I T U I Ç Ã O T R

1

“S U B S T I T U I Ç Ã O

T R I B U T Á R I A”

Fundamento Constitucional (CF, art. 150, § 7º):

A lei poderá atribuir a sujeito passivo de obrigação

tributária a condição de responsável pelo pagamento de imposto ou contribuição, cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente, assegurada a imediata e pre- ferencial restituição da quantia paga, caso não se re- alize o fato gerador presumido.

Finalidade do instituto: facilitar arrecadação e fis- calização.

do instituto : facilitar arrecadação e fis- calização. Substituição Tributária na LC 87/96 : Art. 6

Substituição Tributária na LC 87/96:

Art. 6 o Lei estadual poderá atribuir a contribuinte do imposto ou a depositário a qualquer título a respon- sabilidade pelo seu pagamento, hipótese em que as- sumirá a condição de substituto tributário.

Competência para definição da sujeição à ST:

A atribuição de responsabilidade dar-se-á em relação

a mercadorias, bens ou serviços previstos em lei de

cada Estado (LC 87/96, art. 6º, § 2º).

Modalidades de ST:

§ 1º A responsabilidade poderá ser atribuída em re-

lação ao imposto incidente sobre uma ou mais ope- rações ou prestações, sejam antecedentes, concomi- tantes ou subseqüentes, inclusive ao valor decor-

rente da diferença entre alíquotas interna e interesta- dual nas operações e prestações que destinem bens

e serviços a consumidor final localizado em outro Es- tado, que seja contribuinte do imposto.

AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS Impostos Estaduais Aula 03 Dimas Sarcodoelli

TRIBUTOS Impostos Estaduais – Aula 03 Dimas Sarcodoelli 1. Concurso: (Cespe – Analista Judiciário – Área

1. Concurso: (Cespe Analista Judiciário Área

Judiciária STJ/2012) Ocorre a substituição tri- butária regressiva nos casos em que pessoas ocupantes de posições posteriores nas cadeias de produção são substituídas, quanto à obriga- ção de pagar o tributo devido, por aqueles que ocupam as posições anteriores.

(

) Verdadeiro

(

) Falso

2.

Concurso: (Cespe Procurador do Estado

BA/2014) No caso do tributo de ICMS, a substitui- ção tributária para trás corresponde a uma espé- cie de responsabilidade de terceiros por transfe- rência.

(

) Verdadeiro

(

) Falso

DIFERIMENTO (ST para trás op. antecedentes):

Adiamento do momento do lançamento e do recolhi- mento do ICMS para momento futuro, transferindo a responsabilidade para o destinatário da mercadoria.

Não é benefício fiscal (desnecessidade de convênio ou de lei ordinária), basta decreto do Governador. A operação é considerada tributada com ICMS co- brado posteriormente.

Exemplo de diferimento (Estado de SP):

Artigo 260 - Salvo disposição em contrário, na saída promovida por produtor situado em território paulista com destino a comerciante, industrial, cooperativa ou qualquer outro contribuinte, exceto produtor, o im- posto será arrecadado e pago pelo destinatário deste Estado, quando devidamente indicado na documen- tação correspondente, no período em que a merca- doria entrar no estabelecimento, observado o dis- posto no artigo 116.

OPERAÇÕES / PRESTAÇÕES

TES:

CONCOMITAN-

- Serviços de transporte prestados por transportado- res autônomos.

- Serviços de transporta prestados por transportado- ras de outros Estados. - Às vezes, até

- Serviços de transporta prestados por transportado-

ras de outros Estados.

- Às vezes, até o próprio serviço de transporte pres- tados por transportadoras do próprio Estado.

AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS Impostos Estaduais Aula 03 Dimas Sarcodoelli

c) a margem de valor agregado, inclusive lucro, rela- tiva às operações ou prestações subseqüentes.

Exemplo de Base de Cálculo ST:

-

COBRADOS DE UM SUSTITUTO: Tomador

 

Operação própria (preço de fábrica)

10.000,00

 

+

Seguro, frete e outros encargos

3.000,00

Exemplo

de

ST

concomitante

(Estado

de

S.

=

13.000,00

Paulo):

+

Margem de valor agregado (20%)

2.600,00

=

Base Cálculo ST (preço de varejo)

15.600,00

Artigo 316 Na prestação de serviço de transporte de carga, com início em território paulista, realizada por transportador autônomo, qualquer que seja o seu domicílio, ou por empresa transportadora estabele- cida fora do território paulista, inclusive a optante pelo “Simples Nacional” e não inscrita no Cadastro de Contribuintes deste Estado, fica atribuída a res- ponsabilidade pelo pagamento do imposto ao toma- dor do serviço, quando contribuinte do imposto neste Estado, ressalvado o disposto no § 6º.

Cálculo do Imposto devido por ST:

§

5º O imposto a ser pago por substituição tributária

(

)

corresponderá à diferença entre o valor resul-

tante da aplicação da alíquota prevista para as ope-

rações ou prestações internas do Estado de destino sobre a respectiva base de cálculo e o valor do im- posto devido pela operação ou prestação própria do substituto.

BC no diferimento (operações antecedentes) e nas operações concomitantes:

Exemplo de Cálculo ST:

 

Operação própria (preço de fábrica)

 

10.000,00

Art. 8º A base de cálculo, para fins de substituição

+

Seguro, frete e outros encargos

3.000,00

tributária, será:

=

13.000,00

+

Margem de valor agregado (20%)

2.600,00

I

em relação às operações ou prestações antece-

=

Base Cálculo ST (preço de varejo)

15.600,00

dentes ou concomitantes, o valor da operação ou

x

Alíquota interna (18%)

2.808,00

prestação praticado pelo contribuinte substituído.

-

ICMS próprio (18% x 10.000)

(-)

1.800,00

=

ICMS RETIDO

1.008,00

Momento do pagamento no diferimento:

§ 1º (

quando:

)

o imposto (

)

será pago pelo responsável,

I da entrada ou recebimento da mercadoria, do bem ou do serviço;

II da saída subseqüente por ele promovida, ainda

que isenta ou não tributada; III ocorrer qualquer saída ou evento que impossibi-

lite a ocorrência do fato determinante do pagamento do imposto.

BC na ST para frente:

Art. 8º A BC, para fins de ST, será:

II - em relação às oper. ou prest. subseqüentes, ob- tida pelo somatório das parcelas seguintes:

a) o vl. da oper. ou prest. própria realizada pelo subs-

tituto tributário ou pelo substituído intermediário;

b) o montante dos vls. de seguro, de frete e de outros

encargos cobrados ou transferíveis aos adquirentes

ou tomadores de serviço;

Preço oficial final ao consumidor como base de cálculo:

§ 2º Tratando-se de mercadoria ou serviço cujo preço

final a consumidor, único ou máximo, seja fixado por órgão público competente, a base de cálculo do im- posto, para fins de substituição tributária, é o referido preço por ele estabelecido.

Preço final ao consumidor sugerido possibili- dade legal:

§ 3º Existindo preço final a consumidor sugerido pelo

fabricante ou importador, poderá a lei estabelecer como base de cálculo este preço.

BC ST alternativa: preço final ao consumidor usu- almente praticado no mercado

§ 6 o Em substituição

de cálculo em relação às operações ou prestações subseqüentes poderá ser o preço a consumidor final usualmente praticado no mercado considerado, rela- tivamente ao serviço, à mercadoria ou sua similar,

a base

(cálculo tradicional)

AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS Impostos Estaduais – Aula 03 Dimas Sarcodoelli em condições de livre

AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS Impostos Estaduais Aula 03 Dimas Sarcodoelli

em condições de livre concorrência, adotando-se para sua apuração as regras estabelecidas no § 4 o deste artigo.

IPI não entra no ICMS próprio pois a venda é en- tre contribuintes

IPI entra no cálculo da ST pois é um custo inter- mediário que integra o preço final da mercadoria

ALTERNATIVAS PARA A BC NA ST:

 

4.

Concurso: (FCC/AFFE/PI-2015) O Comerciante

  4. Concurso: (FCC/AFFE/PI-2015) O Comerciante 3. Concurso: (FCC/AFTE/PE-2014) Indústria pau- lista

3. Concurso: (FCC/AFTE/PE-2014) Indústria pau- lista remeteu a revendedor pernambucano pro- duto de sua fabricação sujeito a substituição tri- butária das operações subsequentes na unidade federativa de destino. O valor da mercadoria é de R$ 15.000,00, além de Imposto sobre Produtos In- dustrializados no valor de R$ 3.000,00, totali- zando R$ 18.000,00. Considerando que:

existe acordo de substituição tributária das opera- ções subsequentes entre os dois Estados;

a alíquota interna da mercadoria é de 18% em São Paulo e de 17% em Pernambuco;

a margem de valor agregado aplicável, de acordo com a legislação própria, é de 60%;

as duas empresas pertencem ao regime normal de apuração do imposto.

O valor do ICMS a ser retido do destinatário é, em

reais,

A) 3.636,00

B) 4.096,00

C) 4.896,00

D) 3.846,00

E) 4.134,00

GABARITO:

Operação própria (preço de fábrica)

15.000,00

+ IPI

3.000,00

=

18.000,00

+ Margem

de

valor

agregado

(60%)

10.800,00

= Base Cálculo ST (preço de varejo)

 

28.800,00

x

Alíquota interna PE (17%)

4.896,00

- ICMS próprio (7% x 15.000)

(-)

1.050,00

= ICMS RETIDO

3.846,00

DETALHE DO GABARITO (IPI):

Franco Delá, de São Raimundo Nonato-PI, adqui-

riu para revenda, mercadoria sujeita a ST das

operações subsequentes, remetida pela indústria Raica Oliveira, de Barras − PI. O valor da opera-

ção foi de R$ 30.000,00 e o fabricante incluiu IPI

de R$ 6.000,00, totalizando um valor de R$

36.000,00.A mercadoria é sujeita à alíquota in-

terna de 25% e o comerciante declarou, no pedido

de compra, que irá revender a totalidade dessa

mercadoria para supermercados (varejistas).

O valor do ICMS que deverá ser retido na fonte pela indústria, supondo margem de valor agre- gado prevista pela legislação de 35%, é:

A) R$ 3.150,00.

B) R$ 9.000,00.

C) R$ 0,00 (zero).

D) R$ 12.150,00.

E) R$ 4.650,00.

GABARITO:

 

Operação

própria

(preço

de

fábrica)

30.000,00

 

+

IPI

;

6.000,00

 

=

36.000,00

+

Margem

de

valor

agregado

(35%)

12.600,00

 

=

Base

Cálculo

ST

(preço

de

varejo)

48.600,00

 

x Alíquota

interna

PI

(25%)

 

12.150,00

 

- ICMS próprio (25% x 30.000)

 

(-)

7.500,00

=

4.650,00

ICMS

RETIDO

S.T.

Substituição Tributária nas Operações Interesta- duais:

Art. 9º A adoção do regime de substituição tributária em operações interestaduais dependerá de acordo específico celebrado pelos Estados interessados.

5. Concurso: (FCC/AFR/2013) Por força de Reso-

lução da SEFAZ do Estado do RJ, vigente a partir

de 1º/05/2004, na remessa de mercadoria sujeita ao regime de ST promovida por contribuinte esta- belecido em outra UF com destino ao Estado do

RJ, fica atribuída ao remetente a responsabili- dade pela retenção e pagamento do ICMS em

RJ, fica atribuída ao remetente a responsabili- dade pela retenção e pagamento do ICMS em fa- vor deste Estado. Em face da situação hipotética apresentada e do ordenamento jurídico vigente, considerando a inexistência de convênio ou protocolo celebrado pelas UFs acerca deste assunto, a exigência de recolhimento antecipado do ICMS por contribu- inte estabelecido em outra unidade da Federação é:

“irregular, pois o Estado do Rio de Janeiro não pode exigir o recolhimento do ICMS por substituto tributário em operação interestadual se não celebrou convênio ou protocolo normativo com o ente federativo no qual se encontra situado o substituto tributário”

(

) Verdadeiro

(

) Falso

Antecipação Tributária em aquisição interesta- dual:

Produto não sujeito a ST no Estado de origem. Produto sujeito à ST no Estado de destino. Inexistên- cia de acordo entre os Estados. Estado de SP exige que o comerciante adquirente paulista recolha ante- cipadamente o ICMS das operações subsequentes, por ocasião da entrada em território paulista (Art. 426-A do RICMS)

Substituição nas operações com petróleo, com- bustíveis, lubrificantes:

§ 1º A responsabilidade a que se refere o art. 6º po- derá ser atribuída:

I ao contribuinte que realizar operação interesta- dual com petróleo, inclusive lubrificantes, combustí- veis líquidos e gasosos dele derivados, em relação às operações subsequentes;

Substituição nas operações energia elétrica:

§ 1º A responsabilidade a que se refere o art. 6º po- derá ser atribuída:

II às empresas geradoras ou distribuidoras de ener- gia elétrica, nas operações internas e interestaduais, na condição de contribuinte ou de substituto tributá- rio, pelo pagamento do imposto, desde a produção ou importação até a última operação, sendo seu cál- culo efetuado sobre o preço praticado na operação final, assegurado seu recolhimento ao Estado onde deva ocorrer essa operação.

Substituição na operações com petróleo, com- bustíveis, lubrificantes e energia elétrica:

AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS Impostos Estaduais Aula 03 Dimas Sarcodoelli

§ 2º Nas operações interestaduais com as mercado-

rias de que tratam os incisos I e II do parágrafo ante- rior, que tenham como destinatário consumidor final,

o imposto incidente na operação será devido ao Es-

tado onde estiver localizado o adquirente e será pago pelo remetente.

A responsabilidade por ST “poderá” ser atribu- ída:

A responsabilid ade por ST “poderá” ser atribu- ída : Ressarcimento da ST no caso de

Ressarcimento da ST no caso de fato gerador não realizado:

Art. 10. É assegurado ao contribuinte substituído o direito à restituição do valor do imposto pago por força da substituição tributária, correspondente ao fato gerador presumido que não se realizar.

Ressarcimento da ST no caso de fato gerador não realizado:

§ 1º Formulado o pedido de restituição e não ha-

vendo deliberação no prazo de noventa dias, o con- tribuinte substituído poderá se creditar, em sua es- crita fiscal, do valor objeto do pedido, devidamente atualizado segundo os mesmos critérios aplicáveis ao tributo.

Ressarcimento da ST no caso de fato gerador não realizado:

§ 2º Na hipótese do parágrafo anterior, sobrevindo

decisão contrária irrecorrível, o contribuinte substitu-

ído, no prazo de quinze dias da respectiva notifica- ção, procederá ao estorno dos créditos lançados, também devidamente atualizados, com o pagamento dos acréscimos legais cabíveis.

Ressarcimento da ST no caso de fato gerador re- alizado por valor menor:

ST. Restituição. O Plenário da Corte deu pela legiti- midade do regime de substituição tributária. A resti- tuição assegurada pelo § 7º do art. 150 da CF/88 res-

tringe-se apenas à hipótese de não ocorrer o fato ge- rador presumido, não havendo que

tringe-se apenas à hipótese de não ocorrer o fato ge- rador presumido, não havendo que se falar em tributo pago a maior ou a menor por parte do contribuinte substituído. Precedentes: ADI 1.851/AL e outros.

6. Concurso: (FCC/AFR/2013) Com respeito à

substituição tributária com antecipação dos efei- tos do fato gerador, considere:

I. Na substituição tributária o fato gerador presumido não é provisório, mas definitivo, não dando ensejo à restituição ou complementação do imposto pago, se- não, no primeiro caso, na hipótese de sua não reali- zação final.

(

) Verdadeiro

(

) Falso

II.

Não há qualquer impedimento a que o legislador

se valha de presunções para viabilizar a substituição tributária, desde que lhes atribua caráter absoluto e que sua instituição seja feita por meio de lei.

(

) Verdadeiro

(

) Falso

III.

Com relação ao ICMS e para efeito de exigência

do imposto por substituição tributária inclui-se, tam- bém, como fato gerador do imposto, a entrada de mercadoria ou bem no estabelecimento do adqui- rente ou em outro por ele indicado.

(

) Verdadeiro

(

) Falso

IV.

Na substituição tributária é assegurada a imediata

e preferencial restituição da quantia paga pelo subs- tituído, caso não se realize o fato gerador presumido.

(

) Verdadeiro

(

) Falso

V.

A lei poderá atribuir a sujeito ativo de obrigação

tributária a condição de responsável pelo pagamento de imposto ou contribuição cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente.

(

) Verdadeiro

(

) Falso

2

“S U S P E N S Ã O”

SUSPENSÃO DO ICMS:

Refere-se ao adiamento dos momentos de lan- çamento e pagamento do ICMS.

Técnica utilizada pelas legislações estaduais.

Não ocorre transferência de responsabilidade re- lativa ao ICMS (portanto, NÃO é sinônimo de di- ferimento, ou seja, não ocorre ST).

Geralmente envolve prazo para retorno.

Se não houver retorno, imposto é devido.

7.

Concurso: (FCC/AFFE/PI-2015) “Ocorrerá a

suspensão do ICMS nas operações em que a in- cidência deste ficar condicionada a evento fu- turo”.

(

) Verdadeiro

(

) Falso

AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS Impostos Estaduais Aula 03 Dimas Sarcodoelli

TRIBUTOS Impostos Estaduais – Aula 03 Dimas Sarcodoelli 8. Concurso: (FCC/AFTE/PE- 2014) “Situação jurí- dica

8. Concurso: (FCC/AFTE/PE-2014) “Situação jurí- dica em função da qual deixa de ser exigido o im- posto em relação à saída da mercadoria de um estabelecimento para outro, com o objetivo de re- torno, ficando a responsabilidade tributária pelo respectivo imposto com o primeiro estabeleci- mento”.

(

) Diferimento

(

) Suspensão

9. Concurso: (FCC/AFTE/PE-2014) “Situação tri- butária em que adia-se, para outro momento, in- dicado na legislação tributária específica, o termo inicial do prazo de recolhimento do imposto de- vido e transfere-se para o adquirente ou tomador, conforme dispuser a legislação tributária especí- fica, a responsabilidade pelo imposto devido em determinada operação ou prestação”

(

) Diferimento

(

) Suspensão

10. Concurso: (FCC/AFFE/PI-2015) “Dar-se-á o di- ferimento do ICMS quando o lançamento e/ou pa- gamento do imposto incidente sobre determinada operação ou prestação forem adiados para uma etapa posterior de comercialização, industrializa-

ção, prestação, uso ou consumo”

(

) Verdadeiro

(

) Falso

Exemplo de Suspensão (Estado de SP):

Artigo 319 - O lançamento do imposto incidente na saída, para o território do Estado, de mercadoria re- metida para demonstração, inclusive com destino a consumidor ou usuário final, fica suspenso, devendo ser efetivado no momento em que ocorrer a transmis- são de sua propriedade.

Exemplo de Suspensão (Estado de SP):

§ 1º - Constitui condição da suspensão o retorno da mercadoria ao estabelecimento de origem, dentro de 60 (sessenta) dias, contados da data da saída, se nesse prazo não for realizada a transmissão de sua propriedade.

§ 2º - A suspensão compreende, também, a saída da mercadoria promovida pelo destinatário em

§ 2º - A suspensão compreende, também, a saída da mercadoria promovida pelo destinatário em retorno ao estabelecimento de origem. § 3º - Decorrido o prazo de que trata o § 1º sem que ocorra a transmissão da propriedade ou o retorno da mercadoria, será exigido o imposto devido por oca- sião da saída, sujeitando-se o recolhimento espontâ- neo à atualização monetária e aos acréscimos legais, na forma prevista no artigo 320.

CERS: Sua Mensagem Dimas Yamada Scar- doelli Facebook: Dimas Yamada Scardoelli Editora Juspodivm Carreiras Fiscais -

AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS Impostos Estaduais Aula 03 Dimas Sarcodoelli