Você está na página 1de 16
CORPO E ALMA DO BRASIL EUSADEI Smee time ee Bricunimax — Janer Pinsky & Niwo Oke! BRASIL EM PERSPECTIVA do sistema federativo. Essa crise institucional dizia respeito, fem grande medida, 2 necessidade de reformulagio das relagSes do Estado com um organismo econdmico que passava a exigit Sruagéo nfo somente sobre alguns focos regionais mas sobre as de seu conjunto. ceptivel nos anos vinte, enco para seu desencadeamento em 1930, efetuando-se de forma mais nitida com a promulgacéo do Estado Novo, 226 A REVOLUGAO DE 1930 BORIS FAUSTO nem poucos meses, entre mea- 1930, € nos primeiros anos. apés los sem que se faca um balango, inculado ao jogo de forgas jue The eta imposstvel con- 227 a maneira pela qual garantiu sua renda deu ico a esta vinculagio, aumentando a depen al externo, inos_da_Repiiblica, 0 mecanismo fe muitas vezes nfo apenas da queda dos precos do café, mas de outros fatores conjugados, como por exemplo a expansio crediticia do governo provisério, (perfodo de Deodoro), limitou os efeitos da baixa do produto, atendendo aos objetivos de socializador de perdas do sector cafeeiro (?) Mas, a depreciagio cal fins do século XIX — m -r6is — forca financeiro do Es com os credores est trolar, Além disse tum carter espect déncia com relagio a0 c: Durante os primeiros da desvalorizagio cambial res ial chegou @ limites extremos ¢: de 6d lo, a partir de 1898, ngeiros, 0 célebre Ao. ve se 08 re preendida por Campos Sales, f. Cele Ed se levarmos em considerasio que, desde 0 inicio do século XX se abrira uma crise de pregos do café, resultante da superproducio, aue comesava a surgir no mercado internacional. Nao podendo contar com o instrumento da desvalotizagio cambial, o setor cafeeito elaborou a politica de valorizagéa, iniciada no 'convénio celebrado em Taubaté em dos Estados cafeicultores e encampada de- 10 federal ica consistia, em sfntese, na retirada do mercado da produgio, com 0 objetivo de reduzir a oferta internacional e garantir, tanto quanto possivel, de precos. Até 1924, o Estado comprava 0 produto ¢ 0 Tevendia em ocasiio mais favordvel, intervindo, assim, direta- ido; a partir desse ano, com a ctiagio do Insti a intervencio tomow-se inditeta, pois o Instituto passou a regular em determinadas proporgées a entrega do pro- duro, ficando a parte da safra retida, ao menos formalmente, em mios do préprio produtor. A politica de valorizagio assegurou a alta rentabilidade do setor-cafeeiro, durante 0 perfodo 1906-1930, tendo-se em conta que ascendew’o preco externo do café, enquanto a desvaloriza- i ial retomou, como tendéncia, seu curso (2). estas condigdes, os dois fatores de manutengio do nivel de 1enda de- tam-se as mios, embora acumulando problemas para o futuro. T. Unio. con tados, nfo. tinham_condigdes de valorizagio, que implicava inanceitos consideraveis, seja Para a compra do produto, seja, posteriormente, para financiar a produgio retida pel mo do controle do mercado. A io do apelo ao capital externo, instalados no centre os pregos © 0 Preco médio do café em librarouro. (2000 Cambio médio sobre ‘de 60 ke) 1402 187 1297 3.03 592 402 Dorival Teixeira 229 Entretanto, os principsis grupos financeiros alemfes pene- no pafs, através da firma exportadora Theodor Wille ; 08 opositores dos Rothschild e Banco da Franga, res- ente J. Henry Schroeder & Cia. e Société Générale de assim com o National City Bank de Nova Torque entra- ‘a propria casa Rothschild forneceu quando 4 polities de valti gio se ‘pes 6, Nes @ Primeira Guerra Mundial, 0 grupo Lazard Brothers de Londres tornou-se 0 maior financiador (*). ‘A defesa do café, de acordo com o esquema apontado, re- presentou um instrumento de interesse dos fazendeiros na 'me- dida em que fi a sud posivel par « queda de prjoe. les porém, os sécios menores da operacio, suj dose, sol 40 pagamento de um imposto cobrado em exportado, com 0 bjetivo de saldar o servigo . © capital’ externo assegurou para si as maio- je pagamento do servigo controle do comércio cialmente vulnerével as acionais. O nivel de ren- da dependia dos pregos ‘no mercado mundial, o que nfo constitufa novidade na estrutura egondmica do pels,’ porém, a manutengio destes pregos, no caso, s6 era possivel através da obtengio de recursos vindos do exterior, que vitiam a desapa- recer diante de uma grande ‘A um tempo dominan , a burguesia cafeeira imps no pafs, durante os trés primeiros dectnios do século, sua hhegemonia social e politica. Néo se formou no interior da da década de 20, nenhum grupo mes da Fonseca, por exemplo), nunca pretenderam tica bésica da vida republicana, atendendo, com pri- 6, Caio Prado Je. — Hi 0 continuo € re ico _dependeu da existéncia de do parque indus- iu reivindicagao cons- aslo por Tu, 1a cdo de um grupo social homogéneo. Em -outras palavras, nio 231 se trata apenas de apo ceconémico gerado 10 social. poderoso, que a Unifo representava dis assumia, em nome deles, o papel de guardia dos. cionais.’ O Estado legitimava nando como érbitro_na de maneira direta. Tss0 se expressa nas freqiientes intervengdes federais (as famous “salagbe eee ee ‘ou nas pacifi izadas em momentos aga (Gees ese pa Ae Bemnardes no Rio Grande do Sul, em 1923, pondo fim & luta ‘entre libertadores e republicanos). Dentro deste contexto, no se formaram partidos represen- tativos de correntes naciontis de opi de agrupamentos formalmente nacio Republicano Conserve: jas e se vincularam, na realidade, a disputas de facges, sem qualquer expresso progra- Initica. Avie. politca estava. abufada entre as paredes dor partidos republicanos estaduais ¢ estas Organizacbes, onde ga- nhavam destaque as figuras dos presidentes de Estado e da Repiblica, e que eram as principals responsaveis pelos arranjos de que safam os candidatos aos postos eletivos. inha um contetido apenas formal: ficava a ratificacio das decisées pala- toral, 0 voto por dis qual’ os deputados e senadores cujos mandatos fossem contes- tados submetiam-se ao reconhecimento. de poderes por parte da Respectiva Casa do Congresso (*). iente, Sio Paulo e Minas apropriam-se do po- indo-se deste mecanismo e comandam, assim, Em sintese, a organizacao social da Primeira Repiblica é > marcada pela predomininea do setor agrtio-expotador, pela ia de uma luta nitida de facgdes no interior da ‘guesia entre 0 setor agrério e o industrial, pela fraca integragio nacional, com predominincia do eixo Sio Paulo-Minas, pelo carter ‘secundério das oposigdes de classe, pois mesmo os chegaram a abalar os fundamentos do poder. Do ponto de vista ideoldgico, os interesses dos virios seto-) res burgueses nfo se definem ente segundo o: econémicos (nfo hi o pensamento do grupo indust porta-vozes da pecudtia etc.), mas tomam a forma de disputas regionais, pela conquista do poder central. Os grupos falam em nome dos sagrados interesses de Sio Paulo, da “vez de Minas”, ou do Rio Grande do Sul, sem se aglutinar em torno de um programa, Além disto, dada a circunstincia de que as insti- igdes polfticas nfo se apresentam como um “instrumento neutro”, aberto as vatias facgdes, ¢ sim como um instrumento de erpetuacio dos elementos que controlam o poder, o tema da reforma politica toma o primeiro plano. A Alianga Liberal reflete estas caracteristicas do. sistema interesses nfo esto vinculados_ao_café, mas_a forma regional das reivindica- es no € destituida de significado. Pelo contrétio, a regiona- lizagio se expressa nas condigées politicas em que se dé a cisio da classe dominante, no fim da década de 20. © primeiro Esta- do a opor-se a indicacio de outro candidato paulista a presidén- dl le que, dentro do jogo tra- idade Sio Paulo-Minas, estava em condigdes de reclamar, © grupo gaicho mantinha-se em sua posigio de contendor de segundo plano, mais ou menos sa as atenges que lhe vinha dedicando o governo fede charque, da tenovagio de contrato de arrendamento da Viagio Férrea etc.) $6 quando os entendimentos politicos abritam « possibili- dade de Getilio Vargas chegar a presidéncia da Rep\ © Rio Grande do Sul surge como forga oposicioni tivamente, as velhas tiv se apagam, em nome dos Frente de oposigdes estaduais, a politico; nfo exprime_interesses. indi . dicagSes de varios grupos desvinculados da economia cafee! assume timidamente estas reivindicagSes econémicas reforma politica 0 centro de seu programa; nfo é, enfim, um agrupamento revolucionério ¢ sim um instrumento de_pressio. ‘A. grande arma e denominador comum da Alianga é a defesa_da representagio popular, através do voto secreto ¢ da designacio de magistrados para a presidéncia das mesas eleitora As reivindicagdes econ — sem que isso implique em adotar réncias & velha ‘grupos cujas a quando voltadas para o mercado extemno, E 0 caso dos pro- datos da pecuéria (lis, couros, carne congelada), para os quais ©. programa da Alianga prevé so no mercado inter grupo indus grupos financeiros de Si Paulo (Joaquim Sampaio Vi tim Barbosa, Henrique Sousa Queirés), ali liberais da alta _classe_média’ (Reynal it Waldemar Ferreira), cujos horizontes nfo iam além dos snos_agratios. E si jvo lembrar que 0 nascimento do Partido Democrético se liga a uma disfuta em toro de postos no Instituto do Café e que 0 préprio Conselheiro Anté- do partido, embora adversétio area do café, ‘Como agrupamento nem mesmo uma disputa “pura” de setores ni dominante, a Alianga Liberal estava marcada Lembre-se que cla se formou através de um acordo entre go- vernos estaduais (Minas, Rio Grande, Parafba), ou seja entre oligarquias que controlavam o poder regional. ‘A candidatura de Getélio Vargas nasceu como atma mo- derada de pressio. A 29 de julho de 1929, Vargas enviow uma carta a Washington Luis em que, a certa altura dizia: “Nao aceitei a indicagéo do meu nome pelo Estado de Minas candidato de combate, que nfo desejo, que nenhum brasileiro poderd desejar, sobretudo nesta hora, quando tudo recomenda (@) Getdlio Vargas — A Nove Politica do Brasil, Rio de Janciro, Livraria Jou Olympio Ed., 1938, v. 1, pag. 63, 235 completo apaziguamento, da qual dependeri © préprio éxito da propaganda governamen- Toda a campanha eleitoral pressupunha 05 compromissos, dentre os quais um dos mais expressivos como tendéncia, ainda que nio cumprido, foi o acordo entre 0 tico gaticho Paim Filho, em nome de Vargas, © Washington Luls, a revelia de Minas e da Paratba Na plataforma da Alianca, lida pelo cand de 1930, na Esplanada do C. beral_&, com el : ura © pat tito do. momento No mesmo més, falando no sexto Congresso do de sangue, as , como a aboligio da escrava- ‘entre 0 governo da Repiblica © 0 do das nos memes tennos anterior & ccessio presidencial; d) esse compromisto Prestes, quando empossado no governo da. Repi da. Rep ‘0 De. Getilio. Vargas agsumirs fio combateré o seu reconhecimento Para com Sto Paslo compromino identico 20 pe Wathings ton Las e Jlio. Prat FGrande". Cl, Joko Neves da Fontoura — Mer ‘8 Alianga Libe- ral ea Revolugio d pata a verdadeira implantagio da Repiblica nos moldes liberais € democréticos da nossa Constituigio est seguindo 0 mesmo caminho” s dirigentes politicos da oposi tia, da ilharga do regime — 0 pr6p: Fazenda de Washington Luis — ¢ levantes tenentistas da década de 20. Bernardes, no poder, reptimiu a revolugio de 1924 em Sio Paulo e recolheu os aplau- 305 gerais da Cimara dos Deputados, onde se encontravam Geilio, Antonio Carlos, com a tinica excecio do deputado Adolfo Bergami sistema politico imperante, condenado verbalmente pela Alianga, foi utilizado também por ela, na pritica. A “maquina”, nas eleigdes de, 1930, fraudou votos em todos os Estados: as cifras atribuidas a Jélio Prestes no expressam a realidade, mas como explicar a vitéria de Ge no Rio Grande, por 298 627 vvotos contra 982? Isto no quer dizer que nfo houvesse na Alianga uma ten déncia mais radical, representada por homens como Virgilio de Melo Franco, Osvaldo Aranha, Joio Neves da Fontoura, dis- postos a optar por uma revolugio, caso fosse impossivel a vitdri Enix as dos Estados ”, os Artur Bernardes, Ant6nio Carlos, Borges de Pessoa ¢ inclusive Getilio, nio colocavam a ugio em seus, planos. ou verdadeira , em grande maio- fo fora ministro da Pecanha), pois uma petsio ¢'6 atraso no campo, 56 andes cidades. ies € a heterogeneidade oria profissionais liberais, funciondtios piblicos, empregados no comércio, pequenos comerciantes e industriais) dificultam a anilise de um comportamento social que lhes possa ser atribuido. A cada surgem problemas, pela impossibilidade de se reduzit a uma mesma expressio os varios setorés no interior do agrupamento (como, por exemplo, falar de identidade de inte- esses entre pequenos comerciantes ¢ funciondrios? confusio entre o que é essencial e 0 que & a dos agentes histéricos de classe beral ndo se confunde ‘com identalmente bacharel). 4 vacina obrigatéria, o tenentismo ete endo presente a ambigii é possive vengio na campanha eleitoral, que clas constituem a base po ianga, responsivel, em grande parte, pelas entusids- indo 0 candidato “Anica; por wots das 20, toes deponton certo Virzea do Carmo, va a politica do sistema, a Alianga sens inconformada e limitada em seus fiente ao “econémico”, rdade, sem pretender impor uma representacio politica prépria, as classes médias urbanas ge sen- tem marginalizadas da vida politica, pela fraude eleitoral, que impede o acesso ao poder dos candidates em oposigio ao niicleo domina tagio de objetivos 1a¢o dos extratos médios. Como observou is brasileiras, dos. pafses.Iatino-americanos, niio_possuiam condi ¢ cconémicas que Ihes permi- tissem uma ago politica awidnoma em face dos interesses vin- culados 4 grande propriedade agra rentemente da velha classe ee ‘americana, no tinham embasamento social ¢ eco- némico na pequena propriedade independente, mas em dades subsididrias (Estado e servigos) da estrutura social & grande propriedade. Estes setores nunca _conseguiram, por forga de sua situagio de dependéncia neste contexto em que a grande propriedade é 0 padrio social e econémico dominante, a" Praga da. Rept "Joo Pesoa e sua comitiva. A ebaticlo dos bragos do povo”. lo Nogwel tas de um Burgus Progressst 28 ed Rio de Janeiro, Livana “Jose Olympio Bd, 1985, 2° vol, plas. Em média, 0 perio 1920-1925 apresentou uma, elevagio % sobre a média do qllingiénio anterior. Cr. 239 plenamente radical. Nunca gon mular uma ideologia adequada 3 situagio brasileira conjunto da sociedade bi mocracia liberal que, nas linhas ideolégicos dos sctores agritios” we ponto 6 possivel caract al eles revolugoes da d como movimento resse com alguns deles (0 Prestes eram_professores primé tincia nao correspondente ma representar nao elimina , em toda cua membros do Exército © que a0 se fazer uma cai papel do Exército como quardiio das instituigdes pe qi ‘deste mesmo 'povo 0 bem formados, com a nos Tae "defensor da PAtria no exterior © 240 ia — dio ao {enentismo>uma imediatamente a qualquer catego- © programa que 0 movimento adota no pe- volugio de to secreto, reforma admi- dos jovens rebeldes medida em que as aspiragées refi velhos grupos ol Ivez nfio_contradiga esta afirmacio, da cla emprestar efetivo apoio, os ficaram_isolados em todas as insurreigdes. ' Sem chivida, desde 1927, havia contatos entre eles e a oposicio (em especial, as sondagens feitas pelo Partido Democritico ¢ pelo Partido Libertador do Rio Grande a Prestes Costa), mas 0 desemper uma carta de reserva, nio isenta de perigos, em uma situigio extrema E, no entanto, apés ‘grupos’ de opo: indo” @ aliangacom_os se impés. Simples reflexo de uma derrota nas urnas que revelava a ade de alcangar legalmente o poder? A derrota da Alianga explica apenas em parte o rumo dos acontecimentos, e margo a outubro de 1930. Nao era a primeira vez que niicleo de oposigio tentara a sorte ¢ ensarilhara as armas, com- pondo-se com os adversérios da véspera. As vias de compos do estavam sempre abertas, dadas as caracteristicas das Jutas de facsfo ¢ os velhos nomes da Alianga Liberal se dispuseram a isto, Borges de Medeiros concedeu uma célebre entrevista ro de 1930, os os velhos oligarcas acabaram ea via revolucionéria — esse povo ter aleangado um 19 de margo (16 dias € 0 repsrter se reco: ia ‘de Jiilio Prestes, respondeu: “Perfeitamente. rmente, essa vit6ria parece de votos entre 0s dois ao jornal “A Noite” do Rio de Ja es), em que, a0 indaga £8, mais dtividas a respeito. Felizmente, sim, porque se a diferenca fosse pequen, sempre haveria davidasse € sur- i i € ali, discussoes, sofismas. . As vacilagdes, rovocaram a rentincia de O: ima os prdprios Mas, 0 trabalho dos aflio, Aranha) frutificou, ram, © assassi de Joio Pessoa teve uma grande repercussio emocional 17,30 do dia 3 de outubro estoura a revolucéo, no Rio Grande do’Sul e em Minas. ‘A répida aglutinacéo, obtida em poucos meses, nio pode ser explicada, se afastarmos da interpretacio dos fatos um dado que transcende o quadro nacional: a crise de 1929. Indepen- dentemente do fato de que a crise s6 tenha repercutido no Brasil, com toda sua intensidade, em 1931 (mesmo assim, 0 prego mé- dio do café no exterior ¢ai de 4.71 libras em 1929 para 2.69 em 1930; a producio, em 1929, atinge 28 941 000 sacas © a sportacio 14 281 000, sem se falar nos estoques acumulados), iemente do fato de que a oposicio nio tenha plena conscigncia de seu alcance e nfo a a fundo, ela golpeia 20 produzir o desencontro entre o Estado, como sentante politico da burguesia cafecira, € os interesses imediatos da classe. : problema do excesso de produsio se recoloca, o esquema valotizador cai por terra, dada a impossibilidade de ‘contar com novos empréstimos. ex dicagdes da lavoura, misses para o financiamento € moratéria sio recusadas por . Em dezembro de 1929, os cafeicultores paulistas José Américo, va — 1930, A Revolucdo Tralda, Rio de Ja- de’ Melo Franco — Outubro, 1930, 2° ed, congresso, reclamando providéncias. O clima lete a tensio existente: um orador, a0 ensaiar Prestes, foi quase corrido da sala, entre apar- dos © protestos. © encontro no reGnem-se_em das reuni nifiea uma passagem do velho grupo A “entrega do Catete aos gatichos” por maiores que fossem as queixas. funcionow nas eleigées, dando a vit6ria a Jélio Sao Paulo, mas o governo deixou de contar com sua verdadeira base de apoio, na hipétese de um choque aberto Os elementos radic desta sentiram a possi- diante da vulnerabilidade do poder central ¢ izar tinica embora precéria, apro- ximando os velhos ‘tenentes”, hesitantes em se compor com seus 1 Na exame do episédio militar, podemos perceber a fra- queza do governo: a 5 de ot ro, todo o Rio Grande do Sul ja estava nas mios dos revoluciondrios; em Belo Horizo: te, afora a resisténcia do 12.° RL, que durou cinco dias, o dominio da cidade ido; apesar de um equivoco de Juarez Tévora (0 a hora io do movimento, os choques nio dura- ram, em Pernambuco, mais do que trés verdade que ‘em So Paulo se loca ico centro sério de enfrentamento 0 4 revoluco, porém ele se desfez, sem qualquer resistén: 0 primeiros combates em Ttararé, quando chegou a noticia de gue o presidente da Repiblica havia sido deposto no Rio de Janeiro (24 de outubro}, por um srupo de altas patentes mili. tares (Tasso Fragoso, Malan D’Angrogne, Leite de Castro, Ber. toldo Klinger etc.). Conformismo bem expressivo, se lembrar- ‘mos que dois anos depois, sob outras condigées, 0 Estado encon. trou forgas para se rebelar em bloco contra 0 governo federal, versirios lo, podiamo: esperar deles nardes, ier poe petelacaeeasesh ai Evidentement Quando Vargas chega a Sio Paulo, vindo do Sul, no de- sembarca em uma cidadela inimiga: “ocorreu em 29 de outubro de 1930, pela tardinha, na nova Estagio da Estrada de Ferro Sorocabana, a chegada do beneficiério do golpe dos generais. Na realidade, seria diffe descrever com exatidio hist6riea 0 entu- siasmo do povo. Chegow-se a temer fosse a sua pessoa vitima dos agrados frenéticos da massa que entupia as plataformas e sales quando ele tentou apear do vagio. Pequenino, de pernas cuttas, de apelido “Petigo”, chegou a voltar para 0 carro, pélido € trémulo, Surgiu de repente uma idéia, logo posta em exe- cuséo: dois vigorosos guardas-i spor Tarbouse la, suspenderam no ar 0 pequeno fardo humano até 0 do Estado, a porta da Sorocabana, por entre a mul- se pode deduzir de uma manifestagio la significa: © apoio de uma parcela da populacio 20 novo governo. Porém, o Congresso dos Lavradores, a forma como se desenrola ¢ termina 0 episédio. mi ieza com que é recebida a convocagio de_reservi ‘A depressio internacional € um dos da revolugio de 1930, mas ndo é possivel reduzir esta a uma espécie de conspiragio externa, que movimenta os cordéis dos personagens, como transparece, por exemplo, ‘i Leéneio Basbaum, onde a velha oligarquia exp belecidos do capital inglés, € os revolucionérios, 0 icano em ascenso (*), st de_valorizagio importay posteriormente mi Banco Comércio e (23) Letncio Basbaum — WistSrie Sineera da Repiblica (de 1889 4 1930), Rio de Janeiro, Liv. Sio Jor, 1958, pigs. 328 e segs 244 toria Laudo de Camargo), tinham ligagSes_ com os credores es- iu na época. Todas estas relagBes Jaramente conhecidas e dependem de ume ia_que_escapa a esta simplificagio. Dependéncia extern crise de 1929, disputa de grupos internacionais pelo controle da América Latina sio elementos ao mesmo tempo, mc , sto modelados pelas ras da sociedade brasileira. = Departa- a venda de , provocando protestos na le Estado Henry Stimson ta atitude parece revelar intes-consulares p tos jf era francament io € 0 papel desempenhad3) problema do, E possivel que a defini-- sobretudo a partir de nos grandes ma nova istentes, como ira _no interior @ Revolugio de in Hispanic. d iio de 196%. pags. 19 1930 e proclama sua adesio ao socialismo, embora no imedia- tamente 20 P.CB., 0 que se verificaria em 1934. Certamente, 0 proletariado nio interveio na revolugio co- ‘mo classe, tomada a expressio em sentido esti categoria social composta de individuos que ni papel semelhante no processo produtivo, mas tém finidos de acio, oriundos de uma consciéncia comum do papel que desempenham neste processo ¢ na sociedade, Sua re vvanguarda manteve-se alheia 20 movimento formulando a tinica andlise, na época, onde hé uma ct rente A estrutura econémica ¢ social do pais. Entretanto, hi tizava com os revolucionéi Is, como se verifica por algumas ma- f x exemplo, a adesio de operdtios do Bris ao io, quando 0 candidato visita Sio 5 nosso ver, importincia maior do q Sra Thor comprovada, poderd i coisa a respeito da evolugio das relagdes entre a massa operdtia ¢ 0 novo governo. Se a Revolucio de 1930 se precipita com a perda peso do governo Washington, resuli rdtia entre as faccdes desea area oreel ete , NO programa anddino da Alianga. Como disse Santa’ Rosa, “'a Alianca Liberal apresentava-se como um remanso acolhedor para todos os descontentamentos ¢ todas as esperangas. O pobre, 0 miliondtio, 0 operétio, 0 funcionstio, rodos podiam,confiar na serenidade de ago do candidato por Os rumos da revolugio se definem em fungio das contra digdes que surgem logo apds 0 movimento ¢ esto condiciona- dos pelas respostas po: fades do setor cafeciro re afastamento parcial em diregio a de atender_a0s rol ica de defesa, consis guesas, passando pela prova de forga da revolugio de 1932. Nos anos 30, concretizou-se a_nova divisio de ganhos no ‘da. classe dominante, com o maior atendimento dos os setores desvinculados do café, que as circunstancias im- pediram fosse fei Esta_acomodagio pelo caminho das arm: i_um simples artanjo, sem maiores ae do pai Ela sé se tornou ma nova configuracio imento de outro tipo de 11_dos_grupos em 2 ofens rinbro. de 1930, apesar da oposicéo » pois da fase de ofensiva, o movimento entra em recu que além de estranho aos quadros da ia paulista era tum tenente: Joio Alberto. Mesmo quando este se demitia (13 de julho ‘de 1931), 0 poder nfo passa para as mos do PD,, pois os interventores que se sucedem nfo conseguem fugit 4 pressio tenentista (Laudo de Camargo), ou estio sob sua influéncia (Manuel Rebelo). O progressive aliamento da politica paulista também no plano federal — Paulo Moraes Barros que acumulava as Pas- dy Aaricutura € da Viagio nie consepuefirmarse na cons Governo Provisério; Whitacker demite-se do Mi- nistério da Fazenda — df um caréter explosivo is disputas com © poder central que, nas outras reas do pals, nfo tiveram a ‘mesma profundidade. 1 pela luta armada, Sio Paulo fica s6, afora algu- das (Klinger, Joio Neves da Fontoura), apés a derrota da rebeliio gaticha em que estava envolvido Borges de Medeiros ¢ da tentativa abortada de revolugio em Minas, com 0 comprometimento de Bernardes, caminhando para uma derrota inevitével, O epi “ do cisne da , como tradicionalmente sé tem dito. Ele representa a revolta de todos os setores da burguesia ppaulista, no tanto por razGes estritamente econdmicas (bem ~ou mal 0 governo virase obrigado a considerar o problema do café, estabelecendo um nc squema de defesa), mas sobretudo ot axes de natures ‘A decepgio dos democriticos do café”, como todo 0 grupo induarial mals importante do pala que, sem dlacrepincay; sex lizou um considerével esforgo para armar o Estado rebelde. © avango tenentista nfo se consolidou, embora a derrota da revolugio de 1932 viesse aparentemente favorecélo. De- zado pela agio do governo Vargas, que consegue limi medida de seus interesses, sem “espaco politico” na nova do poder que a classe dominante vai, pouco a pouco, realizando. © esmagamento pelas armas da revolugio de 1932 néo_produ- iva Tiquidagio do grupo cafeciro. elo contririo, obiigou 0 governo a ouvit teresses de Sao Paulo”, capazes de se ‘expressat de maneira ntre estes interesses esta- vam os do setor cafeeito de 1933, Vargas adota varias medidas destinadas a ajudar financeiramente os produ- fares de café, como por exemplo a redugio de suss divides 249 © impasse do tenentismo nio ieside programéticas, na incapacidade de formular uma perspectiva autdnoma, em substituigio ao programa da classe domina ‘Sua contradigio bdsica resulta do fato de que era um movi mento destitufdo de coesio interna, sem possibilidades de alcan- Gar 0 poder impondo-se, de cima, a0 conjunto da sociedade, 20 mesmo tempo em que nao tinha condigdes para obter o efe- tivo apoio de qualquer categoria soci Nao _hé uma ago tenentista coerente, um pensamento_te- nentista estruturado; todas as tentativas de fundar um partido, das mais sérias as mais ridiculas (“Clube 5 de Julho", de Fi pe Moreira Li de Joao Alberto © Gées 3 de Outubro”), fracassam (*). ia se apoiar agrava-se apis 1930. Embora seu progra- ma pés-tevolucionétio possa ser defi strato como “programa de classe média”, na realidade esta aproximagio se torna agora problemética, na’ medida em que nio hé indicios de que 0 “novo tenentismo” (talvez. excetuando-se 0 caso de Mi- guel Costa) tenha sido sustentado por uma parcela ponderivel da classe média urbana, Realmente, nunca houve, desde os primeiros movimentos dlos anos 20, vinculos organizatérios entre este setor © os “te- nentes”. Na revolugio de 1924, em Sio Paulo, por exemplo passaram-se varios dias até que a populaca nhecer os objetivos da rev de soldados wdos por pracas d devido & prorrogagio do’ contrato com a missio cesa (2°), Mas, a 'simpatia popular elas agées tenentistas era fomo observou, nso sem despeito, fensor da Repiblica Velha, ao se referir ao estado de espirito do paulista, na fase da crise do café: le e ignara verdur baitro findava suas queixas sobre 0 estado dos negécios, com a pitoresca invectiva: “no faz mal! Isidoro vem ai” (refe- éncia a Isidoro Dias Lopes, um dos chefes do movimento de 1924). Era também essa a psicologia ¢ a linguagem do ope- (23) Gi 1e — Revolugées do Brasil Contempord- neo, Si0 965, pig. IIT. Agora nds 1927, ps. ririo, da cozinheira desempregada e, de supor, do proprio men- digo, a quem a crise também atingia”(®). ‘A auséncia de uma unificasio das classes médias urbanas sob a bandeira tenentista, agravou'se quando os “'tenentes” for- mularam um programa de reformas sociais ¢ abandonaram 9 velho sonho ples modificagio das instituigdes poli- ticas. Nos Estados mais_importantes, os setores médios no evolugio ¢ as aspiragies liberais — recons- es, serviram como instrumento 4 burgue- sia de Sio Paulo para colocar as classes médias urbanas sob seu controle, E, assim como a pequena burguesia paulista foi a grande responsivel pelas manifestagies pré Getdlio, na campa- ‘nha da Alianca Liberal, converteu-se dois anos depois na alma das _manifestages ¢ da revolta armada contra 0 governo nas- cido da revolusao. A experitncia de poder realizada por Joio Alberto é tipica idade do tenentismo. Joio Alberto tomou algumas entido de acolher certas exigéncias operdrias (au- dos salirios, horério minimo de 40 horas sema- ), 0 que The valeu a acusagio de decretar %), Sua atitude porém nunca is os limites da agio dificuldades como Alberto: “‘Irromperam greves nas_ princi tas. Agitadores © demagogos exploravam a classe operiria, induzindoa a pedir aumento de salério e a ar_reivindicagdes vagamente mencionadas na_plataforma ioral do Dr. Gettlio"(). Por outro lado, se adota uma politica dibia diante da sa operdria, passa da reforma 3 adaptacao nas sus relagdes 1 classe dominante. Os vagos planos de reforma agrétia Ihamento em lotes de uma fazenda de propriedade do io abandonados © o tenente interventor se a A alianga com alguns elementos ligados ao café, coman- lados por Otaviano Alves Li ta pela Constituigdo'e pela Ordem”, intérprete das CER n =- A Aventura de Outubro ¢ a Jnvasdo de Janeiro, Ed. Civ. Brat, x. dpm. 298. Idem, pig. 172 Joio ine dle Barred. ob. it. pig. 251 aspiragdes de Sio Paulo. Ocorre_na_época — princfpios de 1931 — uma disputa entre os fazendeiros de café e grupos financeiros, em torno do prego a set pago pelo Estado, por | sac de, calé que seria compuloramente reirada do mercado, Joo Alberto colocase a0 lado dos produtores, enfrentando José ‘Maria Whitacker que, no ministétio da Fazenda, sustentava os interesses dos banqueiros, | # interessante observar que dentro de um contexto | diferente o tenentismo foi presa de contradigdes semelh Apesar de concentrar, na aparéncia, 0 poder em suas Juarez Tévora i 0s, Obrigado no Cearé a compor politicamente sronéis” locais, ou com figuras a cles las, como © Padre Cicero. Da mesma forma, o entéo Tenente Juraci Ma- salhies foi acusado, na Bahia, de fazer arranjos polfticos com os oligarcas da regido (*). esvaziando, as tentativas de transformélo em partido fracassam eo clube acaba afinal por desaparecer, apés ter procurado inutilment. as eleigGes para a Cons- tituinte, Entre as incertezas dos primeiros anos do perfodo pés-re- volucionério, 0 governo definiu, com seguranca, a politica do estabelecimento de um novo tipo de relagdes entre 0 Estado ¢ classe operiria. O Ministério do Trabalho, Indistria e Co- mércio € criado em 26-11-30 (Decteto n.° 19 433), as Juntas ioe Julgamento sfo instituidas a 12'5.32° (De- 396), dispdese acerca do horério de trabalho no (Decreto n° 21 186, de 22-3-32) e na indéstria (De- creto n2 21364, de 4-5.32)," acerca do trabalho das mulheres (Decreto n° 21 417-A, de 17-5-33) ¢ dos menores (Decreto n.° regulamentagio dos sindicatos comeca £19770, de 193-31). i de um plano global, t sm muitos pontos, mas os objetivos esto. definidos: institucionalizar_ a pressio da classe operdtia, transformando-a ‘de. categoria social marginalizada, cuja sibita intervencio po- Iitica auténoma podia tornar-se perigosa, em um setor contro. ) GE, John D. Wirth i volution of 1930”, in Hispanic | maio 1964, pigs.’ 169-170 fenentismo in the Brazilian Re- ican Historical Review, v. 44, n2 2, 252 livel, no jogo das forgas sociais. O Estado nfo procura trans- Tormar 6 proletariado em base de sustentagio do poder, incen- ido, por exemplo, a criagio de um partido de tipo traba- ‘a sindicalizagio em massa, a formacio de organizagoes sindicais de cépula que de A’ fraqueza do movimento operdtio br: ‘uma poli a ajustar frea do trabalho e, sobretudo, a anular, no campo sindical, a velha luéncia flugncia comunista nascente, transformando lo passado, precisava 1 cupagio predominante do. ince ue, precisa lo poder pal Mas, 0 de garantilo est umente, em transformar © proletariado numa forca orginica de cooperagio com o Estado e noo deixar, pelo abandono da lei, entregue 4 agio_dissol- badores, destitufdos dos sentimentos 253 quer setor_ da soci A burguesia do poder, em conseqiiéncia da crise econés dias nfo tém condigdes para assut desvinculados do setor cafeciro, se encontram em condicées Seus interesses, seja porque temente com os daquele setor, seja porque o café, apes ctise, continua a ser um dos centros bésicos da econom Estado encontrars condigées de abrir-se a todos os presses sem se subordinar exclusivamente 20s. obj se forma na oligarquia. tradicfo ocidental. F um certo tipo de Estado de massas, expressio da prolongada crise agréria, da dependéncia dos seto- yes médios e urbanos e da pressio popular” ( ‘0 governo assume o papel de Arbitro das diferentes dispu- tas locais, embora dependa das novas oligarquias que se vio formando’ou sobem a0 poder, sobretudo nas regies mais sadas, Estas oligarquias, en socialmente de Sio P, Republica (o grupo cal |, desalojado do poder. expresso. do universo. pré-revoh pular, em torno de valores como “o génio e animo im passado. miram formas menos het campo restrito dos ot do pats ‘A. revolucéo de 1930 nfo € expressio de uma luta de classes € nem mesmo de uma “divisto pura” de faced guesas, entre um setor ageério ¢ um ‘A depresséo internacional prec tia entre governos de alguns estadual (Partido Democritico icas e passaram a ser dis ivos econémicos das diferentes reas onformismo correspon. (37) Gf, Francisco Welfort, ar. cit, pg, 144 254 jo, por razdes di dia a0 des rerno, contra 0 niicleo cafeeiro. A recom versas, no plano a por uma retomada do passado. ia formal assegurada pelos ra no Automével Clube, ; novos tempos, dos comicios de 1° de maio no Gama, da_repressio & vanguarda operé- ‘lasse, do Estado Novo ou Nacioné ie 3 wwamse assim as modifi- episédios e nas cagées operadas em