Você está na página 1de 2

PROJETO PROUST

Em Marxismo e Forma" (1971; Hucitec, ed.esgotada), de Fredric


Jameson, citada uma passagem de Proust sobre o salo de
Guermantes -um mundo inteiramente dedicado "a relacionamentos
pessoais, conversao, arte, moda, amor"- descrita por Jameson como
um reflexo "distorcido" da utopia marxista: "Um mundo no qual a mo
de obra alienada ter deixado de existir, no qual a luta do homem com
o mundo externo e com suas confusas imagens internas e externas da
sociedade ter dado lugar ao confronto do homem consigo mesmo".De
fato, prossegue Jameson, Saint-Simon, escritor muito caro a Proust,
produziu o mesmo tipo de reflexo distorcido em seu livro sobre a vida
na corte de Lus 14: "Uma

espcie de harm de existncia

genuinamente humana em meio s brutalidades do absolutismo


barroco". Talvez, portanto, a prpria fofoca -"esse ponto de encontro
entre conversao e arte, esse vcio profundamente frtil" de SaintSimon, Balzac e Proust- seja "uma imagem distorcida daquela paixo
por tudo o que humano em seus menores detalhes, que nos ser
comum a todos na sociedade transfigurada".Adoro essa passagem pois
ela aponta para uma justificao a um s tempo eloquente e absurda
para o culto de Proust aristocracia: a de que a classe ociosa era, por
bem ou por mal, a nica "fonte de imagens concretas" de uma utopia
sem classes. Portanto, Proust no era s um esnobe! -ou, mais
precisamente, eis a verdadeira definio do esnobismo: a expresso,
assim

como

fofoca,

do

esforo

por

obter

uma

existncia

genuinamente humana.
Toda essa atividade produtiva, exercida a despeito da diviso do

trabalho intelectual em linhas de montagem, tem como corolrio


Procura do Tempo Perdido. Trabalho livre e obra de arte autnoma que
permitem bem apreciar a afiada afirmao de Fredric Jameson: h mais
de quarenta anos, o crtico americano viu no salo da duquesa de
Guermantes, palco de relacionamentos pessoais, conversas, arte,
moda, amor, um reflexo distorcido da utopia comunista, daquela
paixo por tudo que humano em seus menores detalhes, que ser
comum a todos na sociedade transfigurada.