Você está na página 1de 99
O ciclo da autossabotagem “No Hades, ele [Sisfo] foi condenado, tendo de rose, por toda a ceternidade, uma pedra até o cume de uma montana, que rolava rnovamente sobre ele.” Hamiton, (1940, 1982). Myo. Times sof go and has. A Mentor Book rom New Ameria Libary Nowa York & Sexboreugh, Onto, “Ha uma vitoria e uma derrora — a maior ea melhor das vitorias,a mais babea ea pior das derrotas —, que cada homem_ ‘conguista ou sofre nto pelas mos dos outros, mas peas proprias mios." Pato, Progoe Sumario ‘Agradecimentos Introdusso Capitulo Capitulo 2 Capitulo 3 Capitulo 4 Capito 5 Capitulo 6 Capitulo 7 Capitulo 8 Referencias Bibliografia Sobre os at Repetigéo de comportamentos de identificagbo priméria: conformidede versus autonomia Repetgao no casamento:contratos no excritos€ ‘omportamentos complementares Repetisio de comportamentos na criagdo dos filhos Repetigio de comportamentos punitivos: sslvamento epenitencia Repetigio de comportamentos no trabalho Repetgao de comportamentos nos vicios Accompulsto a repetcao ‘Como reconheseresolucionar as repetigdes de comportamentos de autossabotagem ores a 3 3 95 ns 137 “7 181 201 205 207 Agradecimentos ‘Osanos de estudo, de curss, de supervsto ede andlise serviram de fundamento para mais de quarenta anos de pritica em psivo terapia e psicandlise, Mas este livro nao teria sido escrito sem & participacio de meus pacientes e de seu grande esforgo para re- viver pensamentos, memérias ¢ sentimentos, ¢ compartilhé-los expontaneamente, A psicoterapia dindmica ¢ a psicandise sfo, 0 mesmo tempo, arte ¢ cigncia, e sua essénciaesté nesta rela- 0, Parte dessa relagio consiste na minha habilidade de sintoni zar com meus pacientes, exatamente como nos duetos musics Sei que perdi algumas deixas e que, algumas vezes, howve disso- nincias. Do mesmo modo que na composigio musical, onde @ formagio tebrica juda muito, mas ndo garante uma boa misica, ‘a teropiapsicanalitica a formacio também é necessria, mas nao € suficiente para um trtamento bem-sucedido. Els envolve, no ‘minimo, a mesma quantidade de improvisagio, intuigao, sensi- bilidade einterpretagio. Sei que nem sempre consegul ser plena- mente compreendido e que minhas interpretagbes nem sempre foram perfeitas no papel que desempenhei em varios duetos, , or isso, tenho alguns arrependimentos. Minha desculpa ests n0 fato de que sempre tentei ficarsintonizado e admitir para mim ‘mesmo e para meus pacientes onde fo que falhel, Usando.o mixi- 12 Ocidlo da autossaboragen ‘mo de minha habilidades, estive a lado dos meus pacientes com profunda consideragio e disposigio para compreende-los. Ales, expresso minha gratidao, Introdugao um fim de tarde de feveretoe estou esperando, do Indo de fora ‘mas veves tentavasalvéla, trensformando-se na causa da diseus- so dos pais “Se voct cuidasse da sua vida e fosse digeja, todos 1s estariamos em uma situagio melhor”, era 0 que o pa dzia. A ‘mie foi pararvéri vezes em instituiges de saide mental. Toda vez que ela recebia alta o pai dzia ques avia curado pela oracio. Quando Fred se separou da familia, continuos @ manter contato ‘com 0 irmio mais novo, que ainda vivia com os pas e via Fred ‘como um piria. Fred se sentia deprimidoe sozinho, sem nenhum apoio sendo o dos colegas da faculdade, que sentiam pena dele, Mas isto mio o judava a superar a alienacdo desi mesmo, Os pais Ihe disseram que se nfo voltasse a agir de acordo com a vontade deles,nzo seria mais bem-vindo em case. (© primeiro emprego de Fred, assim que concluiu a faculda- de, 0 conduziu para uma nova comunidede, onde mao conhecia Repetigto de comportamentos de identificagao priméria 41 ninguém, Ficava a muitos quilémetros de sua casa e da faculdade {que frequentara, Embore se safsse bem no emprego, Fred se sen tia sozinho ¢ infeiz, Conheceu algumas mulheres, mas, depois de certo tempo, descobriv que elas eram manipuladoras e extrema- mente exigentes, Insistiam para que ee agisse da maneira que elas {queriam, Fred estava vulnerivele precisando relecionar-se com alguém, e nio podia abrir méo daquelesrelacionamentos facil; ‘mente, Sabia que ndo era aquilo que queria, mas sentia que, sua ‘maneira, aguelas mulheres Ihe ofereciam compania,e pareciam interessadas nele.Escolhia mulheres que eram vulneréves e bas- tante carentes, € que o atraia nelas era o desejo de salvé-las — tudo isso part diminuie sua prépria culpe, para convencer-se de {que era um bom rapaz. Ele também escolhia mulheres que, assim ‘como seus pais, eram exigentes ¢ manipuladoras. Era tentador, para Fred, continuar a se envolver com essas mulheres , possi- velment, até casar-se com elas, mas sabia que algo nfo ia bem. Enldo, ele procuroua teria Quando comegou a explorar seus sentimentos, trnou-se claro que todas as mulheres que escolhia eram répicas de seus pais. Eram rigidas. Tinham ideiasfixas, Bos sentimentos de Fred? Quem liga- va para eles? Os sentimentas e pensamentos eram desprezados. Fred estava sozinho ese sentia um fracassado. Estara livre daque- les elacionamentasrepetitivos eneur6ticos com mutheres, se con- seguisse percebersuz compulsio para salvé-las, Ele se tornou cons- ciente de sua atragio latente pelo que Ihe era familiar, embora prejudicial, Néo queria ficar sem uma companbia ferinina, mas conseguiu perceber a mégoa que nutria dos aise ficou feliz por ter-se dado conta de que algo estava errado no relacionamento com aquelas mulheres antes de se deixar envolver totalmente por “Tanto Valerie quanto Fred conseguiram evita a sabotagem de seu futuro, Mas com Beatrice a situagdo era diferente. Ela estava ‘a casa dos 30, vivendo com os pais, em um trabalho burocriti- 9, quando apareceu no meu consultério, Era uma mulher inteli- gente, que hava feito alguns cursas em ume faculdade estadual,€ hava sober. Mas papa dese casos de uma 1m aleatoria e esporidica, e quase sempre perdia 0 inal de exept dos tata a cmp oe i emo pra finer xmesde send chamaly Woo gaa tse tina facade onde cosuirum ones Pee {20% docosno médica recarav sede er "Bop Simin mann meena Pm FH a as ‘Mas ela também acreditava ‘que as coisas er is ara ch do ue par os outs. Nio fsa nese enc dears ces ena being ca eee cos eam fess para ela Mis tats ni asco e gue tape a um proces de percents ‘ols eam mab pre porque md dur etemente bom, Ea no se permit eennor og sempre pera ser melhor rena es gue sade ae peabrecsara er aima da erica ¢tnha deer petite Tithe overs amc tueviseumioscasutsbhocaseeniens ‘sila de pu ios sores itn fe tosel amt no, ea una sols Exare eon ‘nha esntn qc esta pres ma ona mas ae ames proto apenas perv abundont a de bab. Era como se io fose 9 su qulshio wa ti {esam pastvamens. Nio hava una eae, mas expectativa. “Misha mieme compartaapescas reece suceids Se eu foe bemvsuceida em gone Coes ne, preva seu degrada eminhamiecometanabrinr en be ado que eufgosgradamei pas endo poraea serene tempo com isso?” sores Repetigio die comportarmentos de identificngto primdria 43 avout tare cal gurdendo-a soetament no f- ture Bete and que estes pont pasa, go poser er en ano se torar-seconsete dein che Esmee mai nova de sua exten aii com ois > vel havo um ctendimento tod ie Bester do pts Sbstiundo-sem su fun. Bn ver de set qu tev ipovtante pars fuss breed de ae peter que mo cam eothelas. Logo na comes de epi eee me ent um sono: "Ped nn amigo que anes tna mise, Ee enous miss me surprend pore comogu canta so comando dealgvé” As soles del tviencivom osentimento degutnh deexeeuar eb ers em ta sob comand, eu, fs bese surrender Seas: A cena eu de qu ch nao pod ser bem cds porgueiericavas expecta dosoutros como comando 10 “eg Sus dees psoas ela a eta mada Onto wor ebdarecedor “Ago eta reso na minha gigi eosin, Agu bute at mins Durante tumor Enns sangrano batt temp Bea ears nanan aga mrt Exava epimindo sie setientos a siamatotmpe cu pin as cov no coset svar Tengo de eanglament Ninguem pres svar eas tren ecadsum pea sus que con lo insite. Tim concord com alg et peso ha mina ergata eaucecomentou gue stave dcolconat quinglaria ob jos em lore qe nfo consegun edeeniar de nad. Ela eure tad, su quart eu Bagg, € mo consegui thurmond cots eno nam enue Ser Tent Alm doy die estar ontantemente ede gaendo pertndo peso. A ees comia ud oq estar sa et, {frau ess entve numa det da st emegrece no Sees ini as sine ur tee re Calor ont iets noment Or mesma ede ia panvoegessn dase manestrn na epi Seu tho et ear om ntl dasa sao, deepeonando-me 4 Ciclo da autossabotagem afilhaa ele, wat seca Repetigho de comportamentos de identificopae primaria 45 duaidadee seus potencias crativos. Aina, a censura inimiga da cvitvidadel — uma estrada longa ededva, mas em direc oposta ‘ese comportamento represivo e repetitive. (© problema é que muitos de nds abtém mais ganhos se man- tivo status quo do que s partir para a mudanga,Sabemos, sen- timos, queremos mudar. Nto gostamos do modo que coisas slo, mas a perspectiva de causartranstomo na nossa estabilidade, emo que ns @ familiar € muito assustadora. Obtemos “ganhos secundirios” com nosso sotimento,e nto podemosariscar nos livrar dels, Lambro-me de uma confrénca da qual paricipel sobre hipnase, Um easal de idosos se apresentou. A mulher se o- comovia com o auxiio de um andador, e 0 marido, com quem cstava casa havia muitos anos, segrava-lheo brago enquanto a endava, Fiscamente, no havia nada de errado com as per- ‘as ou com o corpo cue justificasse sua incapacidade de anda. professor, um especalista coma vasa experincia em psiqiatria€ hipnos, tentou hipnotia-la, El entrou em estado de vanse ele comegou sugri-he que ea era capar de andar. Mas fo! tudo em vio, Quando su do trans, ela ainde nto conseguia andar. A explieaso foi que havia muitos ganhos assegurados como fato de ter 0 mardo ase lado, euidando erealzando as vontaes dela Muitas pessoas se utiliza de enfermidades para perpetuarrela- cionamentos, mesmo custa da ibedade eda autonomia.ASa- tafagdes decorrem dafato des ver limitada eincapacitad fsca ‘01 psicologicamente. Isto, geralmente 6 uma das grandes forcas dlissuasivas do progeesso na psicaterapa. algo inconsciente, mas ‘hi maisgratiicagio na perpetuagio do que no sewabandono. Bea- teice, apesar de toda a Sua infelicidade, tinha medo de abdicer de sua posigfo na fama, Else sentianecesiia,eameacada pela idea dealeanger um patamar que contribulse para obter um sen- ‘0 maior de independéncia ede indviduaidade. Os iscoseram muito grandes, a perda do conhecio, do familiar era muito a- sustador, Dentro de todos nés hd ume cranga que que experiment 0 novo eo diferente, uma erianga que te uma curiosidade saudse 46 = Ociclo da autossabotagem vel pelo mundo que a cerce, que quer aprender e riar. Em todos 1n6s hé necessidade de segurenga, de protegao e de estabilidade Teoricamente, aqui seestabeloce o equilbrio entre os dois tipos de necessidade. A base da segoranca esté presente e serve de funda- ‘mento, permitindo a exploragdo de novas ideas e novas aprendi- ‘agen e experiéncias, Mas, muito frequentemente, a necessidade 4e seguranga e de dependénciasuperam alliberdade de explorar.e 16s acabamos sufocando, e até destruindo, os desejoscriativos, a fantasia, a crianea dentro de nés. Buscamos fontes que satisfagam. nossa necessidade de dependéncia e de seguranga, sctficando a teriormente decid que deve at algoa espe Ds us geramente no perdi cla, mas quando oseuls came. Feados no seu caminhoe sus eae nd eam reconheade, dlesedeacotolva evs em cnftonto com os etos Apes de eta ene de gue ua peda de eonvele eam probe, nha cera qu su vaca praca pelos our erguntes Howard sabes infincin eee de de onbros€ sori como te diss does sigur fee eas eg tmatanbem sisfre inh cuanande OS es ~Padese ier ue tive una vide cha de ventura — cee pond Opa de Howard ea um exeutvoreyesetante de una em presanort american com vrs sues co redordo mundo, Osinstivets pts dotercciro mundo nos quas Hwan rere extavam em eostnte revolt, com tmlos ¢ squesEnbors stv macula em uma ecole; se sender Protea eem erg, aim como toda faa Meu pier um cata astro — die Howard. — Por isso a empresa 0 envata para cei eds de conf, A me de Howard; no estan, no otaada sos aglaad reo mundo. ava zangada com o arid protege hos 0 que conta para cia un toda de ensto maa he tii: Por qu nos ta ar estes lugares ao deslads™ El tenia medo consequeicmente os les amber Opelde Howard epg stolen ene is guano ce, Paper gutimpresionant Ee ements ma to duro comigo, Nunc conugua fae nada qu Ine oadace, ft Repetigao de comportamentos no trabalho 119° ‘Aqui comesava a psicoterapia de Howard. Conforme prosse- ‘guimos revelando os reais contornos de sua vida familiar pregres- §, alguns padrBes comegaram a aparecer, e ele conseguiu colocé- Tos lado a lado. "— Nos negécios, voc’ tem de ser um competidor, e aprendi tudo sobre competigio com meu pi (© pai nao era apenas compettivo nos negécios, mas competi também com 0 filho. Ele era aquele que expunha a esposa ¢ 0s filhos « um ambiente ameagador. Entio, sentia que, como pai, t- nha de lutar contra as ameagas também, Havia uma guerra entre dois campos na familia, © campo um era formado por Howard, a me ea ima mais nova, que estava ao lado da mie. O campo dois or seu pa, filha mais velha eo flho mais novo, que se identifi- ‘avam com o pai = Acho que fui uma erianga muito sensivel —lembrou Ho- ward, — Ficava ainda mais sensblizado com a sensasdo de que tinha de proteger minha me e minha irma. Depois de meu pai, rnenbum outro chefe podera ser tho dificil de encarar. O pai de ‘Howard ameacava toda a familia, alardeando, em todss as situa- 8es, que eraa autoridade inquestionével. A familia vivia em um estado de constante intimidagdo. Ox eles se curvavam de medo.e seconformavam com uma submissio escrava, uo confrontayam, ‘como Howard faa, nico ne familia que expressava abertamen- te suas opines. Isto 0 deixava em dificuldades com o pai, mas ele ro entregava os pontos, De tanto ser ameagado e insultado pelo pai, Howard se tornou irritadigo e vingativo. Entretanto, se no fosse provocado, mantinha-se calmo. Como no podia expressar sua raiva livremente, Howard projetava os sentimentos nos ou- tros, especialmente naqueles que julgava ser injustos ou intimida- dores, Ele percebia o mundo, ¢ mais especificamente aqueles que estavam no poder, como uma ameaca, Néo poderia permitir que cles fossem bem-sucedidos nas suas tentativas de amedronté-lo. Sentia-se compelido a conftonté-los ea considers-los como ad- versirio, Depois que se traumatizou com o pai, manteve-s aten- toaqueles que poderiam prejudicé-lo. OE EES EB NEOSSAD TIRE Howard cra muito sensivel a desdém dos outros Ble precisava ‘ser reconhecido,e quando se sentiajgnorado, ou sentiaque nfo ha- viam the dado 0 crédito que mereci enfurecia-se.O pao tratava ‘como st fasse umn ser desprezivel, e Howard no conseguia tolerar Feag0es que mio valoriaassem e reconhecessem suas tealizagdes, As vez, reagia de modo exagerado— mesmo quando a provocasa0 «r8 minima, Mas senta-s justifcado, porque ne sua cabecaestave protegendo o que consieravacorreto esto, Esteva protegendo.a ‘mie. Econtinaava reproduzindo essa historia, Protegiase da repe- tigdo do tratamento que reeebera no passad, Mas a perspectiva da autodestruicio reside nas reegdes exage- radas ena sensbilidade extrema, Ele estava tentando administré. 1as e derrotaro agressor injusto e hipdcrita, Para el, era uma ba. {alba de vida ou morte provar asi mesmo que no seria dominado injustamente. Nao se deixaria vencer na busca de autonomia, para ‘Scapa da infutocis daqueles que poderiam se aprovetr de sun raquera, (© residuo de raiva subjacent e a sensibilidade sob constante ‘ameaga estavam profundamente arraigados. Howatd precisa se ‘lacionar com alguém que oconsiderasse numa posigzo de auto. ‘idade, mas que nio estvesse interessado em intimidé-lo, Precis ade alguém que pudesseentendé-lo ea sua afligao. Ef iso que rocurou num terapeuta. Na relagao com alguém capaz de ouvie lo, livre de julgamentos, pide perceber a natureza repetitiva de seu comportamento no local de trabalho, Conseguiu entender e ‘rabalhar sua hostilidade para com o pai, Conforme sua relagio com 0 pai tornava-se menos importante para ele conseguia lidar ‘mais imparcisimente com 05 desafios — embora ainda nfo pu esse suportar agueles que o humilhavam agressivamente, ‘Sob determinadas citcunstincias,¢ necessério manterdisténcta do agente provocador. Howard escolheu procurar uma posi. onde pudesse estar fora do local de trabalho, distante do chofe, para aliviar oconstante aborrecimento ea provocagio do contate face a face. Gradotivamente, conseguiu se relacionar com figuras m posisfo de autoridade de uma maneira mais apropriads, Foi epetigto de comportamentos no trabalho 121 capa de citar fito de que peta te ido mais longe na ca Fela se ties de cage consign o peso de sua ia ere fentimentos Mae cle sav pesto porter conseguir sis feimentecom aqulsindvidvelnvesdos de sutoridade, ‘Aru er contador, dos mals ber-iceld em eu amo, win ie da Cone gr ex tne cd ee Arthar era uma pssos rei emetcloy, «ait tags de per tooaliade erm ecu allacos em un oepaso, lfol pr: vado em uma tie de ene pra se forer i peat a profit. Trabalbara duro e ov rerltador de seu tal cram esenes,Enretanto,contantementeetrava er confit com fuels que eram neigentes, que cometam een, que note Batre tanto nem Wo ardent oucudadoesrents quanto tl: Com uma rte juin indigo, citar on cole de trabalho chefs que nfo eram do competetxe dgetes quae {bela na memo aim, ocupevam poses mals portaner Pequenas cole diva fans. Ee peda pcioca com dessins ipo o que ocolocavarepeidamente rm conta com cs outro, Aa mcamo tempo, emo env 2 menor tind de que nfo eta vendo apreido pao que fi, Sena te ura via, nmi aqe que we scien em nome de todos. Senin ronterene eubjgado esobrecaregado, como tefose nu retponsabidade,esomente oa, fiero bal cor tetmente, Em sua cabs, ler indspensive. Etretan, em perodos de pouco tal, sents inl achando qu eave tablando ens que sa copciade. Un vex, mado de em prego porque co urs com ofto de a eprom nt Ihe ter ado o Bonus qo jlgava meres, feinonovamente Eas tum vez No ntanto,em cade nov emprego sugao moment tm qu hava rpetist do mesmo problem, amex fri ‘alguma cos eeaetrada tne intigenteosufiien- te pur preserve Es eno, procurosaterapa ssi que de tnthou eu problema come a flr do pl "Deu pl dave tudo par min in dise el “Ee releava os eres del mats no acacia comig. No me daa nada, 122 Ociclo da autossabotagem 8 nfo ser censuras e sordiden” Descreveu o pai como urn ho- ‘mem inteligentee socialmenteativo, mas mesquinho e rancoroso, “Tentei agradé-to e nunca consegui, Minha irma crisva confusto fem todos os lugares e ele viva livisndo o lado dela, uma traps. lade atrés da outra.” Os pais se divorciaram quando ele estava no éensino médio o que, segundo Arthue, foi uma béngdo. les nunca haviam se dado bem, brigavam constantemente, e, ao menos sob ‘© ponto de vista de Arthur, descontavam toda arava nele “Cisto” & um termo que desereve a tendéncia de perceber as pessoas como boas ou mis, cetas ou erradas,pretas ou brancas, era iso que Arthur faa. A mae era doce atenciosa —ou fri desconfiada e descontente. Sempre eetava procurando evidéncias e que estava sendo enganada. O pai era inteligente, mas egoista