Você está na página 1de 8

INDICADORES DE GESTÃO PARA SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Neusa Aparecida Sales Silva 1 , Edevar Luvizotto Júnior 2

Resumo: A gestão de uma empresa de abastecimento de água fundamenta-se em um conjunto de dados gerais, sobre os quais se geram informações (dados tratados) para que possam ser exercidos os mecanismos de gestão, ou seja, tomadas de ações efetivas. As informações se traduzem normalmente em indicativos puros, tais como número de consumidores, quilometragem da rede, volume produzido, volume consumido, etc. As devidas relações destes indicativos “puros” podem fornecer valiosas informações de diagnose do sistema. Tais relações são chamadas de “guias” ou indicadores de gestão. Apesar de ser uma ferramenta eficaz para diagnóstico das empresas de abastecimento, a falta de uma cultura de manutenção de um banco de informações atualizadas, a falta de um rigor no trato destas informações, aliado ao desconhecimento do emprego de indicadores, faz com que seu uso esteja a quem do esperado no Brasil. Neste sentido o presente trabalho propõe uma prospecção dos indicadores já propostos no Brasil e no mundo, para que, após uma análise crítica seletiva possam ser estabelecidos os usos efetivos de indicadores de gestão nacional e internacional nos sistemas de abastecimento de água no Brasil.

Abstract – The management of a water supply company are based on general data, about which one generates information (treated data) so that the mechanism of management can be exercised, in other words, permanent actions may be taken. Informations are normally expressed in pure indicators, such as number of consumers, the length of the net, produced and consumed volume , etc. The proper relation of this “pure indicators” can supply valuable information to examine the system such relation are called “guides” ou performance indicators. Inspire of being an effective tool for the diagnostic of the water supply company, the lack of a maintenance culture of a updated informations base, the lack of a rigor in treating these information allied to one doesn’t know the use of indicators, makes it is few used in Brazil and in the world, so that after a select critical analysis the effective use of the national and international management indicators in the water supply systems in Brazil can be established.

Palavras Chave: Indicadores de Gestão, Sistemas de abastecimento, Gerenciamento

Mestranda - Universidade Estadual de Campinas – Unicamp – FEC Faculdade de Engenharia Civil – Área de

Concentração Recursos Hídricos – Campinas – SP CEP: 13084-971 Cx. Postal 6021 Fone: 0xx19-37882419 Fax:

0xx19-37882411

2 Professor da Faculdade de Engenharia Civil – Universidade Estadual de Campinas –– Campinas – SP, CEP: 13084- 971 Cx. Postal 6021 Fone: 0xx19-37882419 Fax: 0xx19-37882411 –– E-mail: edevar@fec.unicamp.br ;

E-mail: nass@fec.unicamp.br ;

INTRODUÇÃO

Os sistemas de abastecimentos de água têm pôr finalidade o transporte e a distribuição de água desde sua captação até os pontos de consumo, com garantia da qualidade do produto, dos serviços e de sua continuidade. Pode-se descrever os objetivos fundamentais do controle e exploração dos abastecimentos de água em:

Controle do grau de aproveitamento dos recursos disponíveis (água, energia, capital, infra- estruturas).

Controle da qualidade de água consumida e do serviço prestado aos usuários (consumidores).

Controle dos custos de operação e manutenção do sistema.

Estes objetivos foram sintetizados por FARIA E ALEGRE (1996), ao afirmarem que “todos os abastecimentos se regem por uma lógica de gestão que pode ser estabelecida como: maior satisfação de um maior número de usuários e entidades envolvidas, com o melhor uso possível dos recursos disponíveis”.

Diversos são os fatores envolvidos no cumprimento dos objetivos relacionados. Tais fatores devem ser tratados de forma adequada na hora de analisar a situação do abastecimento para que possam guiar a sua gestão ROCHERA (1998). Muitas técnicas e ferramentas podem ser utilizadas para a avaliação do cumprimento dos objetivos preestabelecidos (manuais, especificações, inventários, metas, orçamentos, etc.), porém uma das principais técnicas é o controle de gestão ou auditoria gerencial baseada em indicadores de gestão.

Um indicador de gestão se propõe exprimir o nível de uma atividade em uma determinada área, durante um determinado período de tempo, permitindo, de forma simplificada, comparações e análises para a tomada de decisão.

Segundo ALEGRE (1997) devida a aparente importância dos indicadores de gestão, no início dos anos 90, a IWSA (International Water Service Association), escolheu o tema dos indicadores de gestão para um de seus congressos mundiais. Como não apareceram resumos para o tema, o congresso foi cancelado. Entretanto, em uma pesquisa posterior, realizada pela IWSA com cerca de 150 dirigentes de abastecimentos de água de todo o mundo, cerca de 4 anos após este fracasso, ficou demonstrado que os indicadores de gestão ao lado das perdas de água (água não faturada) eram os temas de maior interesse dentro de suas companhias. Isso ficou evidenciado com o sucesso do workshop promovido pela IWSA em 1997 em Lisboa, Portugal, intitulado “Workshop on performance indicators for transmission and distribution systems”.

As empresas de abastecimento que possuem um bom sistema de informação são empresas grandes e estão localizadas em países desenvolvidos. Segundo BUENFIL (1998), são classificados como empresa de pequeno porte as que têm população até 50.000 habitantes, médio porte entre 50.000 e 500.000 habitantes e grande porte acima 500.000. Em seu trabalho realizado no México, BUENFIL descreve a dificuldade das empresas médias e pequenas em administrar um sistema de informação baseado em Indicadores de Gestão, devido à falta da veracidade em seus dados, pois, um indicador de gestão necessita ser constantemente alimentado, estar o mais próximo possível da realidade da empresa. A falta de infra-estrutura, de investimento, de pessoal qualificado, faz com que estas empresas fiquem impossibilitadas de utilizarem informações chaves sobre as mesmas.

Entretanto é cada vez maior o número de especialistas, autoridades e empresas gestoras de abastecimento de água, que manifestam o interesse em definir Indicadores de Gestão que possam ser utilizados para medir a eficiência e a eficácia da empresa e o estado de saúde da mesma. Na experiência realizada da Espanha, FOLGADO (1998), definiu primeiramente os indicadores de gestão em cinco grandes grupos, procurando dar uma idéia do tamanho, da extensão e da cobertura do abastecimento.Estabelecendo o valor médio anual dos parâmetros físico-químicos e bacteriológicos, os meses de faturamento, para o caso da Espanha, que é mais freqüente utilizar faturamento trimestral. Mostrando a carga horária de trabalho e a eficiência das diferentes áreas da empresa de abastecimento, quantificando os seus aspectos econômicos. Estas definições permitiram a comparação de Indicadores de Gestão em cinco empresas com diferentes características.

No Brasil, embora já existam companhias que façam uso de indicadores em alguns de seus setores administrativos, não há notícias de estudos mais profundos, como se evidenciam em outros países com exceção feita ao trabalho do SNIS, que define alguns indicadores os quais fora alvo de investigação do presente trabalho. Desta deficiência observada, associada à relevância do tema, coube a motivação para a elaboração deste trabalho.

OBJETIVOS

O trabalho teve por objetivo elencar o maior número possível de indicadores de gestão baseado na literatura nacional e mundial apresentando-os em forma de questionário aos sistemas de abastecimento de água potável, para que estas avaliem quais indicadores estão sendo utilizados, mostrando desta forma a realidade do uso de indicadores de gestão nacionais e internacionais no gerenciamento das empresas no Brasil.

METODOLOGIA

No levantamento realizado através da literatura em um primeiro momento foram levantados 428 indicadores de gestão, após análise crítica onde foram descartados os que não faziam parte da realidade nacional e os que se encontravam em duplicidade, resultando em uma lista com 254 indicadores de gestão. Estes indicadores foram baseados nos seguintes trabalhos: SNIS (Serviço Nacional de Informação sobre Saneamento); IWSA (International Water Service Association); IMTA (Instituto Mexicano de Tecnologia da Água) e GMF (Grupo de Mecânica de Fluídos da Universidade Politécnica de Valência-Espanha). No quadro abaixo se encontram apresentados os proponentes e o número de indicador baseado em seus respectivos trabalhos.

Quadro 1– Prospecção de indicadores através da literatura

IWSA

IMTA

GMF

SNIS

INDICADORES

79

27

108

67

Estes indicadores estão apresentados no quadro 2 em ordem alfabética. Após a definição destes indicadores, foi elaborado um questionário com o seguinte conteúdo: dados da empresa, dados do entrevistado, lista de indicadores de gestão (quadro 2) e um quadro de respostas no qual o entrevistado respondia qual indicador que estava sendo utilizado pelo seu setor.

Quadro 2 – Indicadores

INDICADORES

UNIDADE

Água Captada

(m 3 per capita/ano)

Água Exportada

(m 3 per capita/dia)

Água Fornecida

(m 3 per capita/dia)

Água Importada

(m 3 per capita/ano)

Água não tratada

percentual

Água Produzida

(m 3 per capita/ano)

Água subterrânea

percentual

Água superficial

percentual

Água Total Medida

percentual

Amostras analisadas

nº/10 6 m 3 /ano

Análises físicas

nº/10 6 m 3 /ano

Análises químicas

nº/10 6 m 3 /ano

Ausência

dias/empregados/ano

Ausência devido acidentes de trabalho ou doenças

dias/empregados/ano

Ausência devido a outras razões

dias/empregados/ano

Avaliação de proporção de recursos

percentual

Capacidade de tratamento

m 3 / per capita/dia

Capacidade da adução e distribuição

m

3 /dia

Capacidade da obra de captação

m3/per capita/dia

Capacidade de armazenamento

 

dias

 

INDICADORES

 

UNIDADE

do reservatório

   

Capacidade de entrada da água

 

m 3 /per capita/dia

Capacidade de transporte das redes

 

m

3 /km/ano

Capacidade do abastecimento

   

m

3 /dia

Capacidade dos reservatórios

   

dias

Capacidade

do

reservatório

de

 

dias

acumulação

   

Captações protegidas

 

percentual

Clientes com hidrômetros

 

nº/clientes

Clientes residenciais com hidrômetros

nº/clientes

Clientes residenciais com eficiência na leitura

percentual

Cobertura no abastecimento

 

percentual

Cobertura

no

abastecimento

de

percentual

edifícios

Composição de exigibilidade

 

percentual

Conduto

principal

reparado

ou

percentual/ano

substituído

 

Consertos

e

controle

de

vazamentos

percentual/ano

ativos

Consumo Autorizado

 

(m 3 per capita/dia)

Consumo comercial

 

percentual

 

INDICADORES

 

UNIDADE

Consumo

de

Água

Faturado

por

(m³/mês)/economia

Economia

Consumo doméstico

 

percentual

Consumo de energia reativa

 

percentual

Consumo industrial

 

percentual

Consumo micromedido por economia

(m³/mês)/economia

Consumo médio de água por economia

(m³/mês)/economia

Consumo médio per capta de água

 

(l/hab)/dia

Consumo público

 

percentual

Consumo Total Per Capita

 

l/per capita/dia

Outros consumos

 

percentual

Controle de vazamentos

 

percentual/ano

Continuidade no abastecimento

 

horas/dia

Continuidade no abastecimento

 

percentual

Continuidade das reclamações

 

percentual

Contribuição de fontes internas para investimento

percentual

Custos de capital unitário

 

R$/m 3

Custos total unitário

 

R$/m 3

Custo corrente total

 

R$/m 3

Danos em tubulações

 

falhas/km

Densidade de Economias de Água por Ligação

economias/ligação

Densidade de hidrantes

 

nº/km

Densidade de cliente por hidrômetros

nº/serviço

Densidade de hidrômetros por região

nº/1000

Densidade

de

reservatórios

percentual

domiciliários

 

Densidade de torneiras públicas

 

percentual

Densidade de válvulas

 

nº/km

Desinfecção

 

percentual

Despesa

de

Exploração

por

m 3

R$/m 3

Faturado

Despesa de Exploração por Economia

(R$/ano)/economia

Despesa Média Anual por Empregado

R$/empregado

Despesa Total com os Serviços por m 3 Faturado

R$/m 3

Dias com restrições no abastecimento de água

percentual

Dias de Faturamento Comprometidos com Contas a Receber

dias

Disponibilidade de veículos

 

veículos/km

Duração Média das Paralisações

 

horas/paralisação

Duração

Média

dos

Reparos

de

horas/extravasamento

Extravasamentos

 

Economias Atingidas por Intermitências

economias/sistemas

Economias Atingidas por paralisações

economias/paralisação

Eficiência das novas conexões

 

percentual

Eficiência nos reparos de conexões

 

percentual

Extensão da Rede de Água por Ligação

m/ligação

Extensão

da

Rede

de

Esgoto

por

m/ligação

Ligação

Falhas na tubulação de serviço

 

falhas/tubo de serviço/ano

Falha no conduto principal

 

nº/km/ano

Falhas nos hidrantes

 

nº/1000 hidrantes/ano

Falhas nos testes químicos

 

percentual

Falhas nos testes estéticos

 

percentual

Falhas nos testes físicos

 

percentual

Falhas nos testes microbiológicos

 

percentual

Falta de energia

 

falhas/estação de

 

bombeamento/ano

Freqüência média de leitura

 

leitura/metro/ano

Funcionários acidentados

 

nº/empregado

Funcionários administrativos

 

nº/10 2 km

Funcionários

com

certificado

de

percentual

qualificação

 

Funcionários com grau universitário

 

percentual

Outros funcionários

 

percentual

Funcionários da transmissão e armazenagem e distribuição

nº/10 2 km

Funcionários da manutenção e suporte de pessoal

nº/1000

Funcionários

de

operação

e

nº/1000

manutenção

 

Funcionários do financeiro e comercial

nº/1000

Funcionários de serviço ao cliente

 

nº/1000

Funcionários do laboratório

 

nº/10000

Funcionários do planejamento, construção, operação e manutenção

nº/10 2 km

Funcionários

do

planejamento

e

nº/1000

construção

Funcionários do recursos da água , captação e tratamento

nº/10 6

Funcionários do serviço comercial e de apoio ao cliente

nº/10 2 km

 

INDICADORES

   

UNIDADE

Funcionários do serviço técnico

   

nº/1000

Funcionários

de

manutenção

de

 

nº/1000

hidrômetros

   

Outros funcionários

 

nº/10 6 /m 3 /ano

Funcionários por Volume de Água

   

nº/10 6 m 3

Funcionários

por

comprimento

de

 

nº/10 2 km

tubulação

 

Funcionários por conexão

   

nº/1000

Funcionários por tubulação de serviço

nº/10 3 tubulação de serviço

Outros funcionários

   

percentual

Grau de Endividamento

   

Horas de trabalho

 

horas/empregados/ano

Idade média de bens tangíveis

   

percentual

Incidência das Análises de Cloro Residual no Padrão

 

percentual

Incidência nas Análises Turbidez Padrão

no

 

percentual

Indicador de Desempenho Financeiro

 

percentual

Índice Bruto de Perdas Lineares

 

(m³/ano)/km

Índice de Atendimento de Água

   

percentual

Índice de Atendimento de Esgoto Referido aos Municípios Atendidos c/ Água

 

percentual

Índice de Atendimento de Esgoto Referido aos Municípios Atendidos com Esgotos

 

percentual

Índice de Coleta de Esgoto

   

percentual

Índice de Consumo de Água

   

percentual

Índice de Esgoto Tratado Referido a Água Consumida

 

percentual

Índice de Evasão de Receitas

   

percentual

Índice de Faturamento de Água

   

percentual

Índice de Hidrometação

   

percentual

Índice de Macromedição

   

percentual

Índice de Micromedição Relativo ao Consumo

   

percentual

Índice de

Micromedição

Relativo

ao

 

percentual

Volume Disponibilizado

 

Índice de Perdas de Faturamento

   

percentual

Índice de Perdas na Distribuição

   

percentual

Índice de Perdas por Ligação

 

(m³/ano)/ligação

Índice de Produtividade:Economias Ativas por Pessoal Próprio

economias/empregado

Índice de Produtividade: Economias Totais por Pessoal Total (Equivalente)

economias/emp. equivalente

Índice de Produtividade: Empreg. Próprios por Mil Ligações Ativas (Água + Esgoto)

empregados/(mil lig)

Índice de Produtividade: Empregados Próprios por Mil Ligações de Água

empregados/(mil lig.)

Índice de Tratamento de Esgoto

   

percentual

Índice de Volume Faturado por Economia de Água

m

3 /economia

Índice de Volume Faturado por Economia de Esgoto

m

3 /economia

Ineficiência

no uso dos recursos de

 

percentual

água

 

Infraestrutura do índice de perdas

   

Inspeção da potência dos equipamentos elétricos

percentual/ano

Inspeção de bombas

 

percentual/ano

Inspeção de hidrantes

 

percentual/ano

Inspeção de rede

 

percentual/ano

Interrupções no abastecimento

   

percentual

Interrupções por conexão

   

percentual

Limpeza de tanque de armazenamento

 

percentual/ano

Liquidez Corrente

   

Liquidez Geral

   

Margem da Despesa c/ Pessoal Próprio

   

percentual

Margem da despesa com Pessoal Total (Equivalente)

 

percentual

Margem da Despesa de Exploração

   

percentual

Margem

das

Outras

Despesas

de

 

percentual

Exploração

   

Margem do Serviço da Dívida

   

Percentual

Margem Líquida

   

percentual

Margem Operacional

   

percentual

Medição

 

nº/10 2 km

Nível de água nos hidrômetros

 

percentual/ano

Número de equipamentos elétricos inspecionados durante o ano

percentual/ano

Número de testes realizados

   

percentual

 

INDICADORES

   

UNIDADE

Padronização do consumo de energia

   

Wh/m 3 at 100m

Participação da Econ. Resid. de Água no Total das Economias de Água

 

percentual

Participação da Rec. Op. Direta de Água na Rec. Op. Total

 

percentual

Participação da Rec. Op. Direta de Esgoto na Rec. Op. Total

 

Participação da Rec. Op. Indireta Na Rec. Op. Total

   

percentual

Participação da Desp. c/ Prod. Químicos nas Desp. de Exploração

 

percentual

Participação da Despesa c/ Pessoal (Equivalente) nas Despesas de Exploração

 

percentual

Participação da Despesa c/ Pessoal Próprio nas Despesas de Exploração

 

percentual

Participação da Despesa com Energia Elétrica nas Despesas de Exploração

 

percentual

Participação das Outras Despesas nas Despesas de Exploração

 

percentual

Perdas de água

 

m

3 /conexões/ano

Perdas aparente

 

m

3 /conexões/ano

Perdas aparente

   

l/km/ano

Perdas aparente

   

l/conexão/ano

Perdas reais

 

l/conexão/dia com sistema pressurizado

Perdas reais

   

l/km/ano

Perdas reais

   

l/conexão/ano

População experimentando restrições no abastecimento de água

 

percentual

Porcentagem de metros de leitura

   

percentual

Pressão no abastecimento

   

percentual

Pressão nos hidrômetros

   

Quantidade de água consumida

   

l/pessoa/dia

Qualidade da água abastecimento

fornecida

para

 

percentual

Qualidade de água monitorada por equipamento via on-line

percentual/ano

Quantidade

Equivalente

de

Pessoal

 

empregados

Total

 

Qualidade no abastecimento de água

   

percentual

Ramais/ comprimento de rede

   

nº/km

Reabilitação de tubos

 

percentual/ano

Reabilitação de conexão de serviço

 

percentual/ano

Reabilitação de condutos principais

 

percentual/ano

Reaproveitamento de energia

   

percentual

Reclamações da qualidade da água

   

percentual

Reclamações de cliente

 

reclamações/conexões

Reclamações de faturamento

 

nº reclamações/clientes/ano

Reclamações de faturamento

 

reclamações/conexões

Reclamação de pressão

   

percentual

Reclamações de serviços

   

nº de

 

reclamações/conexões/ano

Reclamações de serviços

 

reclamações/conexões

Outras reclamações

 

reclamações/conexões

Relação atual

   

Relação

da

cobertura

de

débito

de

 

percentual

serviços

 

Relação de cobertura de custos total

   

Relação de custos de energia

   

percentual

 

INDICADORES

 

UNIDADE

Relação de custos internos de mão-de- obra

percentual

Relação de custos de serviços externos

 

percentual

Relação de depreciação custos

 

percentual

Relação

de

custos

administração

e

percentual

suporte

Relação

de

custos

financeiros

e

percentual

comercial

Relação de custo de serviço ao cliente

 

percentual

Relação de custos de serviços técnicos

 

percentual

Relação de outros custos

 

percentual

Relação de investimentos

 

percentual/anual

Relação de pagamentos atrasados

 

percentual

Relação de patrimônio líquido de dívida

 

Rendimentos de vendas

 

percentual

Outros rendimentos

 

percentual

Respostas para reclamações escritas

 

dias/reclamações

Respostas para reclamações escritas

 

percentual

Restrições ou interrupções

 

percentual

Outras reclamações e dúvidas

 

nº de reclamações e dúvidas/clientes/ano

Recurso e administração da bacia

 

nº/10 2 km

Retorno de equidade

 

percentual

Retorno líquido de ativos fixos

 

percentual

Retorno Sobre o Patrimônio Líquido

 

percentual

Revestimento do conduto principal

 

percentual/ano

Sistema de fluxo do hidrômetros

 

percentual/ano

Substituição de bombas

 

percentual/ano

Substituição de hidrômetros

 

percentual/ano

Tarifa Média de Água

 

R$/m 3

Tarifa Média de Esgoto

 

R$/m 3

Tarifa Média Praticada

 

R$/m 3

Teste estético

 

nº/10 6 m 3 /ano

Testes estéticos

 

percentual

Testes microbiológicos

 

percentual

Testes físico-químico

 

percentual

Testes radioativos

 

percentual

Total de água não registrada

 

(m 3 per capita/dia)

Total de água sem contabilizar

 

l/km/ano

Transmissão e distribuição da capacidade de armazenamento

dias

Transmissão e distribuição

 

nº/10 2 km

Tratamento e laboratório

 

nº/10 2 km

Treinamento externo

 

dias/empregado

Treinamento externo

 

horas/empregados/ano

Treinamento interno

 

horas/empregados/ano

Treinamento interno

 

dias/empregado

Treinamento total

 

dias/empregado

Treinamento total

 

horas/funcionário/ano

Tubos substituídos

 

percentual/ano

Tubulações de serviços substituídas

 

percentual/ano

Unidade de investimentos

 

R$/m 3

Utilização no tratamento

 

percentual

Válvulas substituídas

 

percentual/ano

Volume de Água Disponibilizado por Economia

(m³/mês)/economia

Este questionário foi aplicado inicialmente em 3 sistemas de abastecimento de água potável (o trabalho é uma dissertação de mestrado que se encontra em fase de desenvolvimento). Embora os números de empresas entrevistadas não traduzam a realidade do universo das empresas de abastecimento de água no Brasil, as empresas aqui citadas foram selecionadas levando-se em conta a magnitude de importância de cada uma em seu gerenciamento. Cerca de 90% dos entrevistados afirmaram que os indicadores são tema de suma importância para suas empresas e ao se depararem com uma lista de 254 indicadores ficaram surpresos, o que eles relataram é que até então alguns tinham conhecimento apenas do trabalho do SNIS, não faziam idéia de que os indicadores pudessem ter tantas informações e que existem tantos indicadores definidos fora do SNIS. Apesar do SNIS apresentar uma lista significativa de indicadores de gestão por meio do Diagnóstico, a falta de uma cultura na manutenção destes dados, os problemas de má administração de várias empresas de abastecimento de água, a falta de informação entre as próprias gerencias faz com que as mesmas não estejam aplicando nem os indicadores por ele sugerido. As empresas entrevistadas estão citadas como empresa A, B e C. Estes sistemas de abastecimento possuem as seguintes características: O sistema A, é considerado uma empresa de grande porte e sua economia é mista com gestão pública; o sistema B e C são considerados de médio porte e possuem gestão pública. No sistema A, foram entrevistados 7 setores, no B 5 setores e no C 8 setores. Com o resultado destas entrevistas através de questionário foi realizada uma análise estatística o qual resultaram os seguintes gráficos:

Indicadores Nacionais 63% 6.1% 13% 18% Empresa A Empresa B Empresa C Total de Indicadores
Indicadores Nacionais
63%
6.1%
13%
18%
Empresa A
Empresa B
Empresa C
Total de Indicadores Nacionais não utilizados
Indicadores Internacionais 71% 6.6% 13% 9.4% Empresa A Empresa B Empresa C Total de Indicadores
Indicadores Internacionais
71%
6.6%
13%
9.4%
Empresa A
Empresa B
Empresa C
Total de Indicadores Internacionais não utilizados

Nas figuras 1 e 2, fica demonstrado que os indicadores de gestão estão muito a quem do esperado no Brasil, o percentual de utilização de indicadores tanto a nível nacional como internacional são quase que os mesmos diferenciando apenas da empresa B onde os indicadores utilizados são definidos pelo setor financeiro como um conjunto em comum a toda empresa. A empresa A utiliza cerca de 13% dos indicadores tanto nacionais como internacionais, a empresa B é que difere um pouco entre os indicadores nacionais e internacionais por motivos citados anteriormente, a empresa C ficou por volta de 6% dos indicadores utilizados tanto nacional como internacional.

6

CONCLUSÃO

Embora os indicadores de gestão sejam uns dos temas de maior importância dentro de uma empresa de abastecimento de água como se evidenciou na literatura, o mesmo se confirmou com a aplicação do questionário, pois ao ser abordado o assunto com os entrevistados verificou-se o

interesse do entrevistado em relação ao tema e ao número de indicadores definidos. Já o resultado

da avaliação dos questionários como mostrado nos gráficos 1 e 2 enfatizou aspecto contraditório

entre a teoria e prática, mostrando a baixa aceitação dos indicadores e o alto índice de indicadores não utilizados cerca 63% do total dos nacionais e 71% dos internacionais não estão sendo utilizados. A empresa A é a empresa dentre as entrevistadas que mais utiliza indicadores de gestão, além do uso a empresa tem definido para uso próprio cerca de 16 indicadores, o qual sua relação não consta neste trabalho. O resultado da empresa B, fica um pouco a desejar, pois, o setor financeiro é quem define os indicadores por ela utilizados no intuito de demonstrar alguma “realidade” da empresa para pedidos posteriores de investimentos junto à órgãos competentes. Outros aspectos relevantes são o pouco conhecimento que um setor tem de outros dentro da empresa, o que dificulta a implementação de indicadores gerais, a falta de pessoal qualificado que não é privilégio das empresas de menor porte, as empresas de maior porte possui também deficiência em pessoal técnico qualificado. Com a avaliação destes resultados faz-se uma sugestão

ao SNIS, procurar definir um conjunto de indicadores que sejam comuns às empresas no intuito de

analisar como estão seus gerenciamentos baseando-se em dados reais, que possam ser analisados no dia a dia da empresa por todos seus setores. Esta análise ajudaria e muito a enxergar a questão financeira dentro da empresa, a questão pessoal de cargos e salários de investimentos de privatizações, com certeza evitaria as privatizações que hoje não passa de especulação por parte do governo, evitaria o desvio de verbas dentro das empresas de abastecimento, enfim daria para ter uma visão geral de as quantas andam o gerenciamento das empresas de abastecimento de água no Brasil.

AGRADECIMENTOS

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP, sob forma de bolsa

mestrado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Alegre, H., Baptista, J. M., Faria, A. L.; A general framework of performance indicators in the scope of water supply, IWSA, Workshop on Performance Indicators for Transmission and Distribution Systems, Lisbon,

Portugal(1997).

Buenfil, M. Ejemplos de evaluación mediante indicadores de géstion en diversos países, Conferencia 8 do curso “Optimización de la explotación de abastecimientos mediante indicadores de géstion”, Grupo Mecánica de Fluidos, Universidad Politécnica de Valência, Valência, Espanha (1998).

Faria, A. L.; Alegre, H., Paving the way to excellence im water supply systems: a framework for levels-of-service assessment based on consumer satisfaction. Aqua, p45, vol. 1, february, 1996.

Folgado, M. A; Diagnóstico y mejora de um abastecimiento através de los indicadores de géstion más significativos, Conferencia 10 do curso “Optimización de la explotación de

7

abastecimientos mediante indicadores de géstion”, Grupo Mecánica de Fluidos, Universidad Politécnica de Valência, Valência - Espanha (1998).

Rochera, E. C; Propuesta de estructura de un sistema de indicadores de gestión, Conferencia 8 do curso “Optimización de la explotación de abastecimientos mediante indicadores de géstion”, Grupo Mecánica de Fluidos, Universidad Politécnica de Valência, Valencia - Espanha (1998).

SNIS - Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento; Presidência da República, Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano, Departamento de Programas e Projetos Especiais, Diagnóstico dos serviços de água e esgotos (1998) – Brasília – Brasil.

8