Você está na página 1de 60

SISTEMAS ELEVATÓRIOS E HIDROELÉCTRICOS

A. BETÂMIO DE ALMEIDA

Março de 2006

SISTEMAS ELEVATÓRIOS E HIDROELÉCTRICOS

A. Betâmio de Almeida

IST - 2006

APRESENTAÇÃO

A disciplina de Sistemas Elevatórios e Hidroeléctricos tem características de disciplina vocacionada para o enquadramento da actividade de projecto. Este tipo de actividade compreende um conjunto vasto de componentes e aspectos de índole diferente.

Exige, entre outros elementos:

conhecimentos básicos de engenharia no domínio fundamental em causa;

conhecimentos especializados em alguns assuntos, nomeadamente técnicas de análise e de resultados de estudos semelhantes;

conhecimentos relativos a critérios e recomendações técnicas;

experiência resultante da execução de obras, projectos ou estudos no domínio em causa;

conhecimentos básicos em domínios associados e correspondente ao conjunto de condicionamentos mais significativos – económicos (custos / benefícios), de qualidade ambiental, segurança e risco, de exploração legais, estéticos

À actividade de projecto não corresponde um corpo de doutrina bem definido. O domínio de

interesse técnico-científico é aberto, interdisciplinar e pode alterar-se em função de especificidade do caso real.

A experiência acumulada, a complexidade dos estudos efectuados e a capacidade de análise

integrada dos conhecimentos e das experiências especificas são factores essenciais na consolidação e desenvolvimento da qualificação como projectista de um determinado tipo de estruturas.

Nesta conformidade, o currículo e as matérias abordadas em cada edição da disciplina seguem uma estrutura de referência mas serão muito flexíveis evoluindo à medida que a experiência o aconselhe. O objectivo é apontar pistas e suscitar interesse ou curiosidade em alguns aspectos e alertar para alguns dos aspectos mais importantes a ter em conta na concepção, na análise, no

dimensionamento

e

na

avaliação

do

projecto

de

sistemas

hidráulicos

elevatórios

e

hidroeléctricos.

A

disciplina aproveitará a oportunidade para apresentar experiências reais e novos temas como

o

da análise de risco aplicada ao domínio e outros assuntos relativos a avanços na investigação

e

na experiência de consultoria como, por exemplo, os transitórios hidráulicos.

Abril de 2006.

A. Betâmio de Almeida

SISTEMAS ELEVATÓRIOS E HIDROELÉCTRICOS

1 – FUNDAMENTOS

1.1 – FINALIDADES

A. Betâmio de Almeida

IST - 2006

No contexto da engenharia hidráulica, os sistemas elevatórios e hidroeléctricos têm por finalidade

Suprir carências energéticas ou de carga hidráulica, por forma a possibilitar o transporte de fluidos e a respectiva utilização nas condições consideradas adequadas ou desejadas Sistemas elevatórios ou de bombagem.

Aproveitar excessos energéticos ou de carga hidráulica para produção de energia sob uma forma económica e tecnicamente mais rentável ou útil através da transformação da energia do fluido – Sistemas hidroeléctricos ou de turbinagem.

Existem sistemas que podem ser, alternadamente, sistemas de bombagem e de turbinagem durante um determinado período do dia e bombagem noutros períodos.

1.2 – SISTEMAS ELEVATÓRIOS

1.2.1 – Considerações gerais

Os sistemas elevatórios são sistemas hidráulicos em pressão onde é proporcionada a elevação da linha de energia através de um componente específico, a bomba hidráulica. A bomba hidráulica recebe energia do exterior, nomeadamente energia eléctrica transformada em energia mecânica por um motor, e cede-a ao escoamento. Deste modo, a carga hidráulica do escoamento (energia por unidade de peso do fluido) é elevada.

A RETER:

O sistema elevatório pressupõe, em geral, um sistema hidráulico em pressão. As excepções são raras e ocorrem em sistemas especiais.

A característica principal de um sistema elevatório é a elevação da linha de energia ou o aumento da carga hidráulica do escoamento por efeito de um componente hidráulico especial: a bomba hidráulica.

A bomba hidráulica recebe energia do exterior (energia eléctrica ou outra) a qual é transformada em energia mecânica.

A carga hidráulica resultante possibilitará:

vencer a resistência hidráulica ao escoamento – compensar as perdas de carga hidráulica no sistema compatíveis com as características físicas deste e com o caudal que se pretende escoar;

vencer um desnível topográfico desfavorável – elevar o fluido da cota topográfica na origem para uma cota topográfica superior no destino;

garantir

uma

pressão

mínima

ao

fluido

considerada

nas

secções

de

fornecimento do sistema para as aplicações previstas.

1.2.2 – Conceitos fundamentais

Carga Hidráulica, H

H = p +

α

V

2

γ 2 g

+ z

p

γ

α V 2

= altura piezométrica

p = pressão

γ = peso volúmico do fluido

= altura cinética do tubo de fluxo

2 γ

V

= velocidade média

g

= aceleração de gravidade

α = coeficiente de Coriolis

z = altura ou cota topográfica (eixo do tubo de fluxo)

Uma bomba hidráulica ou um grupo de bombas hidráulicas permitem a elevação da carga hidráulica H entre a secção 1 (montante) e secção 2 (jusante):

H

∆ =

H

2

H

1

>

0

por forma a garantir a prossecução dos objectivos acima referidos.

Em regime permanente (sem alterações no domínio do tempo) a subida da linha de energia, ou aumento de carga hidráulica, corresponde a uma cedência de energia de uma fonte exterior. A energia cedida por unidade de tempo corresponde à potência de alimentação do conjunto de bombas hidráulicas:

Potência = γ Q H/η t

sendo

γ =

peso volúmico do fluido;

Q = caudal total do fluido em escoamento;

H = carga hidráulica fornecida ao escoamento pelas bombas hidráulicas;

η t = rendimento energética.

total

dos

grupos

motor-bomba

e

do

processo

de

transferência

O valor da energia E fornecida do exterior durante um intervalo de tempo T corresponderá ao

valor do seguinte integral:

E =

T

0

(

γ

Q

H)

/η

t

dt

A energia será variável atendendo a que:

o caudal poderá varia com o tempo Q(t);

a carga hidráulica cedida poderá variar com o tempo H(t);

o rendimento total poderá cariar com o tempo η t (t).

1.2.3 – Tipologias

Os sistemas elevatórios podem ser inseridos em diversos tipos de sistemas hidráulicos:

sistemas de produção industriais;

como

componentes

comunicação);

de

processos

técnicos

(e.g.

sistemas de transporte de fluidos (água).

sistemas

de

automação

ou

de

No contexto da engenharia civil e dos recursos hídricos os sistemas elevatórios são considerados como componentes essenciais dos sistemas de adução e distribuição de água para uso humano ou dos sistemas de drenagem de águas residuais e pluviais.

A RETER:

Os tipos de sistemas elevatórios podem ser definidos tendo em conta, nomeadamente:

a natureza do fluido (água bruta, água tratada, água residual …);

as características gerais do sistemas hidráulico no que concerne a localização das bombas hidráulicas (elevação a partir de furos, de reservatórios ou albufeiras, ou em secções intermédias do sistema – “booster”);

do tipo de bombas hidráulicas adoptado (turbo-bombas, centrífugas ou axiais, ou de deslocamento …).

bo-bombas, centrífugas ou axiais, ou de deslocamento …). H t = Altura total de elevação EGL
bo-bombas, centrífugas ou axiais, ou de deslocamento …). H t = Altura total de elevação EGL

H t = Altura total de elevação EGL = Linha de energia HGL = Linha piezemétrica

Adaptado de R. L. Sanks – Pumping Station Design

1.2.4

– Conceitos fundamentais

Sistema elevatório (hidráulico) – sistema compreendendo

uma ou mais estações (centrais) de bombagem ou elevatórias – estruturas de elevação;

condutas – estruturas de transporte (condutas elevatórias e de aspiração);

estruturas de tomada e de entrega de água;

sistemas ou estruturas de controlo ou de protecção;

outras estruturas operacionais (armazenamento, tratamento …).

Estação (central) elevatória ou de bombagem – estrutura física (construção civil) contendo bombas hidráulicas e respectivos motores (grupos electrobombas), tubagens, equipamento de controlo (válvulas) e comando (quadros eléctricos) e outro equipamento auxiliar (posto de transformação).

Altura Estática ou Geométrica de Elevação

desnível topográfico ou diferença entre as cotas fixas da linha de energia, respectivamente a montante e a jusante da central elevatória ou da bomba hidráulica.

Exemplo: diferença entre as cotas da superfície livre de um reservatório de grandes dimensões, a jusante, e da superfície livre de uma albufeira, a montante.

Altura Total de Elevação

1.2.5

diferença entre as cargas hidráulicas do escoamento à saída e à entrada de uma bomba hidráulica ou de uma estação elevatória.

– Condicionamentos gerais ao projecto

Condicionamentos de base

Objectivo a atingir.

Elementos de base ou premissas de projecto.

Características do fluido (ρ, γ, viscosidade …).

Características da origem e do destino (estrutura e exploração).

Características do transporte.

- caudal máximo;

Hierarquia de componentes de um sistema hidráulico de adução /

Hierarquia de componentes de um sistema hidráulico de adução /

distribuição

distribuição

Sistema de Sistema de adução/distribuição de água adução/distribuição de água Estações de bombagem /
Sistema de
Sistema de
adução/distribuição de água
adução/distribuição de água
Estações de bombagem /
Estações de bombagem /
Armazenamento/
Armazenamento/
Adução/ distribuição
Adução/ distribuição
elevatórias
elevatórias
compensação
compensação
Estruturas/
Estruturas/
Bombeamento
Bombeamento
Depósitos
Depósitos
Tubagens
Tubagens
Tubagens
Válvulas
Válvulas
Válvulas
Válvulas
Tubagens
Tubagens
Tubagens
Válvulas
Válvulas
construção
construção
Transmissão
Transmissão
Eq. de
Eq. de
de potência
de potência
Bombas
Bombas
Impulsores
Impulsores
controlo
controlo
e e
energia
energia

Adaptado de L. W. Mays – Manual de S. de Distribuição de Água

- variação de caudal;

- condicionamentos de exploração;

- pressões mínimas a garantir;

- velocidades mínimas a garantir.

Condicionamentos topográficos (localização e traçado).

Condicionamentos ambientais e sociais (localização e traçado).

Condicionamentos legislativos/regulamentares.

Concepção geral

selecção dos componentes principais;

disposição e localização dos componentes principais;

compatibilização entre as premissas do projecto e as soluções possíveis;

selecção de materiais e de tipo de bombas;

atravancamentos e pesos;

características dos sistema e impactes económicos e operacionais (avaliação) e outros impactes – grau de sofisticação e automação;

impactes ambientais e estéticos.

Dimensionamento e especificação de equipamentos

Soluções técnicas possíveis (equipamentos adequados e disponíveis, assistência futura na exploração).

Optimização de soluções (segurança e viabilidade).

Modelação e análise (hidráulica e estrutural).

Pormenorização (segurança e fiabilidade).

Custos de investimento e de exploração.

Condicionamentos de construção e exploração (acessibilidades).

Condicionamentos arquitectónicos e estéticos (controlo do ruído).

Análise de Riscos e Gestão do Risco

1.2.6 – Elementos de Hidráulica Básica (ALMEIDA, 1982)

Definições

1.2.6 – Elementos de Hidráulica Básica (ALMEIDA, 1982) Definições Regime Transitório 8

Regime Transitório

9
10
11
12
13
13
14
15
16
17
18
Cavitação bloqueante numa curva. 19

Cavitação bloqueante numa curva.

Cavitação bloqueante numa curva. 19
20
21
22
Curvas características e NPSH de uma bomba. Altura de aspiração de bombas. 23

Curvas características e NPSH de uma bomba. Altura de aspiração de bombas.

1.2.7 – Dimensionamento hidráulico no projecto de sistemas de transporte de sólidos (ALMEIDA, 1981)

Em alguns sistemas pretende-se transportar material sólido (e.g. minérios). Neste caso é preciso adaptar conceitos e utilizar métodos de análise hidráulico específicos.

(e.g. minérios). Neste caso é preciso adaptar conceitos e utilizar métodos de análise hidráulico específicos. 24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
1.2.8 – Tópicos especiais de análise hidráulica e analises associadas No projecto de um sistema

1.2.8 – Tópicos especiais de análise hidráulica e analises associadas

No projecto de um sistema elevatório e, em particular, de uma central ou instalação elevatória os principais tópicos específicos que exigem atenção cuidadosa na análise hidráulica são os seguintes:

Tomada de água

o

Controlo de sedimentos ou material sólido (tomadas de água em rios/albufeiras).

Pode exigir estruturas especiais e aplicação de critérios adequados. Selecção e dimensionamento de grelhas e respectiva limpeza.

o

Submergência mínima e condições de aspiração.

Controlo de entrada de ar (formação de vórtices). Aplicação de critérios adequados. Tirante de água mínimo e disposição das entradas das condutas de aspiração. Critérios de dimensionamento e de concepção geral. Ensaios hidráulicos ou simulação computacional.

o

Volume do tanque de aspiração.

Níveis de arranque e paragem de bombas (E. E. águas residuais).

Central elevatória

o

Selecção do número e tipo de grupos/bombas

o

Verificação dos pontos de funcionamento em regime permanente. Situações normais e extremas.

o

Caracterização das bombas/motores.

Curvas características. Critérios de calagem e de controlo da cavitação (NPSH). Parâmetros de inércia (PD 2 ). Atravancamento e pesos.

o

Reacções aos apoios (forças e binários).

o

Selecção do número e tipo de válvulas.

Definição de manobras. Controlo da cavitação.

o

Determinação de perdas de carga hidráulica.

Localizadas e contínuas nas tubagens e singularidades. Selecção de diâmetros.

o

Sistemas de controlo e medição.

Sensores e detectores. Segurança. Operações de arranque e paragem.

o

Regras de exploração e segurança.

Situações de operações normais, excepcionais (paragem para beneficiação ou manutenção) ou ambientais.

o

Drenagem de águas.

Conduta elevatória

o

Selecção do material, do diâmetro e de traçado

Dimensionamento económico

o

Análise hidráulica em regime permanente

Cálculo de perdas de carga hidráulica contínuas e localizadas para diversas situações de funcionamento (caudais normais e extremos) e caudal de dimensionamento).

o

Análise de regimes hidráulicos transitórios.

Simulação computacional de cenários. Avaliação das condições de segurança. Selecção de soluções e decisões.

o

Definição e dimensionamento de sistemas de protecção.

Controlo de pontos altos. Paragens e arranques de grupos.

o

Enchimento e esvaziamento das condutas.

Remoção de ar.

o

Estrutura de saída.

Dimensionamento. Efeitos das variações de regime no nível de água (e.g. canais).

o

Operações do sistema.

Optimização energética. Regras de exploração.

o

Monitorização e controlo.

Medição de caudais.

o

Impactes ambientais.

Controlo do ruído. Drenagem de fluidos poluentes.

1.2.9 – Estruturas de tomada de água

As captações de água para os sistemas elevatórios podem ser feitas em rios, canais, albufeiras e reservatórios (captações de água superficial) ou em poços, furos e galerias para as águas subterrâneas.

Alguns dos condicionamentos com captações de água superficial são comuns aos sistemas elevatórios e hidroeléctricos.

Os principais aspectos associados à hidráulica são os seguintes:

controlo de material sólido/sedimentos em cursos de água naturais (origem de água);

controlo da qualidade de água (sistemas para abastecimento);

controlo das condições de aspiração das bombas e da entrada de ar no circuito em pressão.

Uma estrutura de tomada de água pode ser considerada como potencialmente composta pelas seguintes zonas adaptado de (PROSSER, 1977):

I – Zona de captação e derivação a partir da origem (rio, albufeira, ou outra origem), incluindo canal de condução e eventual equipamento ou estrutura de controlo ou isolamento (comportas, soleiras descarregadoras, orifícios).

II – Zona de controlo de material sólido, incluindo grelhas, estruturas de deposição de sólidos e dispositivos de controlo ou isolamento.

III

– Zona (tanque) de aspiração a partir da qual se procede à aspiração para as

condutas que alimentam as bombas do sistema elevatório. Este componente deve garantir um volume de água que garanta condições hidráulicos adequados para a entrada em pressão e uma compensação para regularização da exploração das bombas face a caudais afluentes variáveis. Existem fortes condicionamentos à concepção, disposição e dimensionamento desta zona para garantir boas condições hidrodinâmicas de aproximação (em instalações importantes pode ser necessário executar simulações computacionais complexas ou ensaios em modelo físico).

IV – Zona em conduta que conduz a água às bombas hidráulicas (conduta ou condutas

de aspiração).

Para sistemas de adução gravíticos ou para sistemas hidroeléctricos as estruturas de tomada de água podem ter características semelhantes às dos sistemas elevatórios. Os condicionamentos relativos à protecção contra a entrada de sólidos, ou de ar são idênticos com as diferenças resultantes das diferenças nos equipamentos.

Controlo de material sólido

Inconvenientes a evitar:

o material pode bloquear ou diminuir a capacidade de admissão e de vazão;

o material introduzido (arrastado ou em suspensão pode danificar equipamento por

abrasão (bombas, turbinas, válvulas

);

os rendimentos das máquinas hidráulicas podem ser diminuídos;

os sistemas de vedação podem ser danificados;

podem ocorrer danos estruturais;

os custos de manutenção e exploração aumentam.

O material sólido pode ser natural ou ser composto por detritos inorgânicos (lixo) ou por detritos orgânicos (esgotos domésticos). Nos sistemas elevatórios de águas residuais ou de águas pluviais, o controlo do material sólido e das lamas é indispensável e exige, em geral, equipamento específico.

Objectivos a ter em conta

a exclusão ou limitação de entrada de sedimentos no circuito hidráulico: impedir totalmente é impossível, o projectista deverá ter informação (critério) das características e/ou quantidade admissível (características e do equipamento hidráulico).

Deposição
Deposição

Tomada na margem (BHRA, 1989).

Grelha
Grelha

Tomada com açude (BHRA, 1989).

Elementos de base

dados topográficos e geomorfológicos (levantamento, fotografia aérea, informação de especialistas em hidráulica fluvial );

dados hidrométricos e hidrológicos (curva de vazão na secção do rio, caudais e níveis de cheias, probabilidades de ocorrência de situações extremas, variação de cotas da superfície livre, regime mensal de caudais e de níveis, características meteorológicas do local );

características

especialistas

Localização

).

dos

sedimentos

transportado

ou

em

suspensão

(informação

de

previsão de zonas de erosão, deposição e transporte natural em leitos de rios;

efeitos das curvas na distribuição de velocidades do escoamento natural (condições de aproximação);

Critérios

Numa zona do leito em curva, a margem exterior (extradorso) é a mais apropriada para a tomada de água (evita ou diminui a tendência de depósito e de entrada de material sólido). A margem deve estar estável. A direcção do escoamento não deve ser muito alterada (entrada ortogonais ao eixo do rio não são de aconselhar) – desvios de 10º a 45º são aceitáveis (o ângulo mais adequado depende da razão entre o caudal derivado e o caudal total no rio entre a secção do escoamento e na tomada de água. Em albufeiras e reservatórios onde a velocidade do escoamento é muito pequena este condicionamento deixa de ser relevante.

Dispositivos ou estruturas de protecção

Nas captações de água superficial, as estruturas das tomadas de água estão condicionadas à protecção contra a entrada de fracção de material sólido potencialmente afluente que seja perigosa ou prejudicial para o circuito hidráulico.

Tendo em conta as características do caudal líquido e sólido afluente, são previsto dispositivos de protecção impondo a sedimentação/deposição de material (estruturas de sedimentação) e impedindo fisicamente a entrada no circuito hidráulico de corpos com dimensões superiores a um determinado valor (grelhas e redes de protecção).

Estes dispositivos condicionam as velocidades máximas do escoamento derivado e impõe dimensões às secções líquidas brutas (secções transversais e em planta).

1.2.10 – Condicionamentos hidráulicos na aspiração

A alimentação das condutas de aspiração a partir de canais de derivação ou de tanques de

aspiração está associada a alguns problemas hidráulicos especiais, nomeadamente os associados à formação de vórtices. Estes problemas caracterizam-se, basicamente, pelo aparecimento eventual de vórtices na zona próxima da secção de entrada das condutas de aspiração.

Inconvenientes:

Os vórtices formados no seio do escoamento com superfície livre, imediatamente a montante da secção de aspiração, podem ser arrastados para o interior da conduta estabelecendo-se então uma potencial via de sucção de ar entre a superfície livre e o interior do circuito hidráulico. A entrada de ar no circuito hidráulico em pressão é muito inconveniente: o ar pode vir a acumular- se em pontos altos a constituir bolsas gasosas que diminuam a capacidade de vazão (indução de perdas de carga hidráulica) e possam provocar vibrações. A entrada de ar nas máquinas hidráulicas pode provocar graves perturbações no funcionamento destas (diminuição do rendimento e vibrações).

A circulação ou rotação provocada no escoamento pode também prejudicar o funcionamento das

máquinas hidráulicas (diminuição dos rendimentos e aparecimento de forças não-equilibradas).

Em resumo, a formação de vórtices na zona de aspiração das bombas ou na tomada de água pode provocar:

entrada de ar e efeitos hidropneumáticos;

perturbações no funcionamento das máquinas hidráulicas (redução dos valores dos

rendimentos, aumento do NPSH, vibrações e ruídos

);

aumento de perdas de carga localizadas;

possibilidade de introdução de objectos ou detritos por sucção.

As bombas axiais são mais sensíveis ao ar introduzido do que as bombas centrífugas. Concentrações volumétricas de ar da ordem de 7 a 20% podem fazer interromper a operação de bombagem.

Causas:

De entre as várias possíveis causas de formação de vórtices citam-se as seguintes:

excentricidade ou assimetria do escoamento na aproximação à conduta de aspiração;

gradientes de velocidade resultantes de camadas limites tridimensionais;

obstáculos localizados (pilares, paredes

).

A circulação no escoamento e a formação de vórtices no tanque de aspiração ou no canal de

alimentação devem ser sujeitas a controlo, em particular na fase de concepção e projecto da tomada de água e da estrutura de aspiração das bombas hidráulicas.

As condutas de aspiração podem ter o eixo horizontal, inclinado ou vertical. Para cada disposição podem ocorrer diferentes tipos de vórtices:

a) vórtices de superfície, podendo arrastar ar desde a superfície livre até à conduta;

b) vórtices sub-superficiais, desde a soleira do tanque ou do canal ou das paredes, podendo introduzir escoamento com componentes de rotação.

Os vórtices podem ter comportamentos diferentes: instável ou estável, permanente, transitório ou intermitente.

A capacidade de arraste de ar através de um vórtice depende muito da altura de água acima da

secção de entrada da conduta de aspiração (submergência de entrada) e de intensidade do

vórtice ou da circulação.

Critérios de projecto

Para evitar o arrastamento de ar através de vórtices de superfície e para minimizar o transporte de rotação pelo escoamento, a secção de entrada das condutas de aspiração devem ter uma submergência mínima adequada. O valor da submergência tem sido obtido a partir de ensaios e trabalhos experimentais os quais deram origem a critérios de projecto.

Em termos gerais, a submergência relativa crítica (h/d) cr é função de um conjunto de parâmetros adimensionais (KNAUSS, 1987).

Salienta-se de entre estes, o Número de Froude, Fr:

F r =

V

g d
g d

sendo V a velocidade do escoamento na conduta de aspiração com o diâmetro interno d.

A ordem de grandeza do valor deste parâmetro é de (1 < 0 < 100 m 3 /s):

0,5 < F r < 2

As velocidades médias do escoamento na conduta são da ordem de 4,0 m/s (bombas axiais) e de 2,0 m/s para grandes instalações e Fr < 0,5 (recomendações de Prosser-KNAUSS, 1987,

p. 61). Os critérios são frequentemente apresentados sob a seguinte forma:

h

d

cr

x

= K F

r

em que o expoente x pode ser x = 2, x = 1 ou x = ½.

Para efeitos práticos, um dos critérios para a submergência recomendável (KNAUSS, 1987,

p. 75) é o seguinte:

h

d

1

r

2

=

2

+ F

r

Este critério foi baseado nos trabalhos de diversos autores sendo ainda recomendado que para F r 1/3 a profundidade de submergência seja 1 a 1,5 o valor de d. Estas recomendações são válidas para condições de aproximação dos escoamentos adequados.

De um modo geral

h

d

r

a

= +

b F

r

sendo sugerido (KNAUSS, 1987, p. 112):

a = 1 – 1,5

b = 2 – 2,5

Os critérios práticos ou simplificados para a submergência mínima são variadas:

aspiração vertical em tulipa

1,5 a 2 D

aspiração horizontal na parede

1,0 D

sendo D o diâmetro da secção de entrada na conduta.

As velocidades médias típicas, na aspiração, são as seguintes:

Zona de aproximação (canal) – 0,3 m/s

Secção de entrada (alargada) – 1,3 m/s

Conduta de aspiração – 4,0 m/s

As dimensões em planta da zona de alimentação estão sujeitas a critérios técnicos, exigindo-se distâncias para montante da secção de entrada da conduta, na ordem de 10 a 6 D e largura na ordem de 2 D.

(Nota: em instalações com bombas de elevada capacidade devem ser tidas em conta as recomendações do fabricante do equipamento).

Estudos especiais poderão ter de ser realizados e influenciar o projecto em pormenor da zona de aspiração.

Tipos de estruturas de tomada de água

O tipo e a concepção geral de uma estrutura de tomada de água depende de diversos factores:

Condições locais (características topográficas e da fonte de água superficial).

Caudal a derivar e características do material sólido que pode potencialmente ser transportado para a tomada de água.

Finalidade do sistema e uso de água derivada.

Acessos e métodos de construção.

e uso de água derivada. − Acessos e métodos de construção. Exemplo de critério de submergência

Exemplo de critério de submergência (KNAUSS, 1987).

Exemplo de critério para dimensionament o (Hydraulic Institute Standards, 1975) Exemplo de critério para dimensionamento

Exemplo de critério para dimensionamento (Hydraulic Institute Standards, 1975)

para dimensionament o (Hydraulic Institute Standards, 1975) Exemplo de critério para dimensionamento de tanques de

Exemplo de critério para dimensionamento de tanques de aspiração (PROSSER, 1977)

Exemplos:

Tomada de água na margem de um rio;

o Factores relevantes a considerar:

caudal a derivar relativamente pequeno, relativamente ao caudal total no rio;

pequenas variações de nível no rio;

protecção por grelhas (área bruta exigida em função das grelhas) e dispositivo primário de recolha e remoção de material mais grosseiro que ainda possa passar pelas grelhas;

protecção contra a entrada de peixes.

Tomada de água com açude;

o Factores relevantes a considerar:

caudal a derivar relativamente grande, relativamente ao caudal total no rio;

o açude garante uma captação adequada garantindo um obstáculo ao escoamento natural em situações de “águas baixas”;

protecção por grelhas e dispositivos primários de recolha e remoção de material mais grosseiro;

a tomada pode ser lateral ou incorporada no açude.

Estrutura de tomada de água lateral (margem da albufeira). 46

Estrutura de tomada de água lateral (margem da albufeira).

Tomada de água com açude;

o Factores relevantes a considerar:

captação a partir de um grande reservatório (albufeira) ou estuário;

variações grandes no nível de água

problema do material sólido muito atenuado;

torre acessível para operação de equipamento;

entradas a cotas diferentes (variação do nível e condicionamentos da qualidade de água);

protecções por grelhas.

Em todos os exemplos deve ser considerado a necessidade de instalações de comportas ou válvulas de seccionamento por forma a isolar o circuito e permitir, caso se revele adequado, tornar acessível zonas sensíveis da estrutura para beneficiação ou manutenção.

A figura permite obter o valor de velocidade de queda V s em condições ideiais para partículas de quartzo esféricas;

entradas
entradas

Tomada em torre numa albufeira (BHRA, 1989).

o a velocidade de queda é influenciada por diversos factores:

turbulência

paredes sólidas

conjuntos de partículas (concentração)

etc.

Estruturas de deposição de sólidos

Quando é inevitável que seja derivado um caudal de sólidos relevante, há que prever uma estrutura de deposição de sólidos a montante da secção de entrada do circuito hidráulico em pressão. Estas estruturas de deposição podem ser atravessadas por escoamentos em superfície livre ou em pressão.

Nos sistemas de abastecimento de água pretende-se reduzir ou eliminar o material sólido transportado através da sedimentação do mesmo ou da fracção do mesmo na estrutura de deposição. A deposição pode também ser posteriormente assistida por técnicas químicas e/ou de filtração.

Conceitos básicos

sedimentação por gravidade (velocidade de queda de corpos sólidos imersos);

estruturas de grande secção transversal e comprimento;

a velocidade de queda vai depender da dimensão, forma e peso volúmico das partículas sólidas e de viscosidade da água;

a interferência torna-se significativa para concentrações (suspensões) de sedimentos superiores a 2000 mg/l (BHRA, 1989)

a remoção de partículas muito finas está fora do âmbito de deposição gravítica e exige processos secundários especiais.

transição comporta
transição
comporta

Tomada de água com dispositivos para remoção de material sólido (BHRA, 1989).

Metodologia simplificada – bacia de deposição ideal

Tempo de queda

T

q

=

d

V

s

d = altura do escoamento na secção inicial (L)

V

s

= velocidade de queda (L / t)

Tempo de queda

T r =

Ad

Q

A = área horizontal da bacia (L 2 )

d

= altura do escoamento (L)

Q = caudal de referência (L 3 / t)

Velocidade de queda

Pode ser obtido por

D ( d − 1 ) 50 V = 3 61 , s C R
D
(
d − 1
)
50
V
= 3 61
,
s
C
R
d
= densidade da partícula sólida ( γ
/ γ
)
s
V D
s
50
C
= coeficiente de forma que depende do número de Reynolds ( R
=
)
R
e D
Velocidade de queda V s (cm/s)
Diâmetro
( R = ) R e D Velocidade de queda V s (cm/s) Diâmetro Na figura

Na figura

Hipóteses simplificativas

o Distribuição uniforme de velocidades e de sólidos em suspensão na secção inicial;

o

Turbulência desprezável;

o

Sólidos depositados não voltam ao estado de suspensão.

Hipóteses de dimensionamento

= T T q r Q A = V s
= T
T q
r
Q
A =
V
s

Bacia de deposição real

Nas estruturas reais a eficiência de deposição é menor do que nas estruturas ideais:

existe turbulência

correntes secundárias

Eficiência

η=

r C o
r C
o

C

concentração removida

concentração inicial

Fórmula de Hazen (BHRA, 1989)

wA  

 

η= 1 1 + m

Q

y

m

m = parâmetro de eficiência da bacia ( de 0 a 1)

Fórmula da USBR (m = 0)

η= 1 e

wA

Q

Controlo de transporte por arrastamento

As partículas depositadas não devem ser transportadas por arrastamento. A tensão

tangencial no fundo deve ser inferior à tensão crítica.

Critério de ASCE (1989):

V a

=

0 5

,

K

s

(

1

/

6

C

RH

r

d

1

)

D

50

304 8

,


1

/

2

RH = raio hidráulico

K

s

= coeficiente empório de Manning-Strickler

Pode, também, ser aplicado o diagrama de Shields.

Forma em planta

O comportamento hidráulico da bacia melhora no caso de estruturas mais longas e estreitas do que muitas largas e curtas.

mais longas e estreitas do que muitas largas e curtas. Estrutura de deposição / sedimentação. Exemplos.
mais longas e estreitas do que muitas largas e curtas. Estrutura de deposição / sedimentação. Exemplos.

Estrutura de deposição / sedimentação. Exemplos.

- Estrutura em pressão

- Estrutura em superfície livre (BHRA, 1989)

L min

b
b

2 a 3

A estrutura pode ser subdividida por paredes longitudinais.

Entrada da bacia

Na entrada da bacia deve ser garantida uma distribuição uniforme ou quasi-uniforme do escoamento e das partículas sólidas.

Saída da bacia

Deve ser evitado o arrastamento de material depositado para o circuito hidráulico.

Remoção de material depositado

Periodicamente deve ser realizada a remoção do material sólido depositado. Esta remoção pode ser feita por métodos hidráulicos (correntes provocadas por descargas) através da abertura de comportas. Estas correntes arrastarão parte do material. Regra geral impõe-se ainda a remoção mecânica.

Grelhas de protecção. Condicionamentos hidráulicos

Nas estruturas de tomada de água são colocadas grelhas de protecção contra a entrada de corpos sólidos. As grelhas planas, são em geral, constituídas por painéis rectangulares ligados a uma estrutura definida por travessas e longarinas que se apoiam na estrutura (betão) da tomada.

Condicionamentos

o

Perda de carga hidráulica

H

=

K

V

2

2 g

A obstrução provocará uma força hidrodinâmica sobre a grelha e a estrutura de

suporte.

As grelhas podem ser movidas de detectores de perdas de carga e de sistemas de limpeza automáticas.

o

Vibrações hidrodinâmicas

A passagem do escoamento pode induzir vibrações que podem ser agravadas em

função da velocidade. São aconselhadas velocidades limites para o escoamento de

aproximação da grelha (LENCASTRE, 1996).

De um modo aproximado essas velocidades não devem exceder o valor de 1 m/s.

O espaçamento entre barras depende das funções que exercerão (protecção de equipamentos a

jusante). Valores entre 5 a 50 mm podem ser considerados usuais. As grelhas têm por objectivo impedir a entrada de detritos sólidos de grandes dimensões mas não evitam a entrada de

sedimentos finais.

As grelhas poderão ser dispensadas nos casos em que a aspiração se faz a partir de uma ETA para um sistema de distribuição ou reservatório. Razões de segurança podem, contudo, justificar a instalação de grelhas.

1.2.11 – Optimização do volume do tanque de aspiração

Em alguns sistemas elevatórios o dimensionamento óptimo do tanque de aspiração é crucial: o caudal afluente é variável (intermitente e irregular) e o espaço disponível pode ser escasso. É o caso típico de muitas instalações elevatórias de águas dos caudais afluentes e garantir boas condições de funcionamento das bombas (rendimentos e custos energéticos) torna-se necessário prever sistemas de comando automáticos para arranque e paragem das bombas que são tradicionalmente baseadas nos níveis de água no tanque de aspiração. A juntar aos condicionamentos de espaço e dos custos é considerar, também, as restrições de ordem eléctrica relativos aos arranques das brechas hidráulicas.

O arranque de uma bomba hidráulica está associada a condições mais exigentes: correntes

eléctricas mais internas do que em funcionamento normal, provocando perturbações e resultando em variação de tensão e maior aquecimento do motor eléctrico. Esta situação correspondente a uma restrição técnica relevante à frequência de arranques das bombas hidráulicas ou seja ao número de arranques num determinado intervalo de tempo. Este condicionamento tem implicações directas na fixação do volume de tanque de aspiração.

Factores a ter em conta

Características dos caudais afluentes e de elevação

Número de bombas hidráulicas

Capacidade de cada bomba (caudal unitário e curva característica)

Nível de funcionamento de cada bomba

Eventual selecção de bombas com velocidade variável (ajustamento de caudais)

Ciclo de operação mínimo para cada bomba.

Volume mínimo

A fórmula clássica que resulta da maximização do valor da frequência de arranques de uma

bomba hidráulica permite obter o volume útil mínimo para tanque de aspiração em função do

intervalo de tempo entre arranques:

V =

Q T

b

4

sendo

V

Q

= volume útil (m 3 )

b = caudal de bombagem (m 3 /s)

T = intervalo de tempo entre arranques da bomba hidráulica (s)

Este valor para V

tanque suposto constante.

corresponde a um valor

Q

b

= 2Q

a

, sendo

Q a o caudal afluente ao

Pode ser necessário considerar um outro condicionamento: o tempo de detenção máximo

(

T

d max

):

V Q

a min

xT

d max

O valor de

corresponde ao período de detenção máximo admitido para evitar a evolução

excessiva do processo de bio degradação e dependerá da concentração dos caudais afluentes e de temperatura.

T d max

(Nota: contribuição a solicitar à componente da qualidade ambiental do projecto).

O

caudal

Q

b (capacidade de bombagem) não deverá ser inferior ao caudal de ponta afluente.

A frequência de arranque máxima pode ser da ordem de 15 arranques por hora.

(Nota: contribuição a solicitar à componente electromecânica do projecto)

No caso de grande variação de caudais afluentes poderá ser necessário adoptar esquemas mais complexos de exploração e de comando: existem ábacos e pode ser executada uma simulação computacional.

Os volumes de regulação definitivos devem ter em conta os tempos de atraso nos arranques e a atingir os regimes permanentes finais (transitórios hidráulicos) e as limitações de sensibilidade na detecção de sinais de nível ou outro dispositivo de medição (pressões).

Exemplo de tanque de aspiração. Estruturas especiais a) Estruturas flutuantes Em algumas situações pode justificar-se

Exemplo de tanque de aspiração.

Estruturas especiais

a) Estruturas flutuantes

Em algumas situações pode justificar-se a consideração de dispositivos de tomada de água flutuantes, nomeadamente quando a origem é um estuário ou um lago com variações de nível significativos sem outros problemas (material sólido ou peixes).

Exemplo: um flutuador na extremidade de um tubo flexível que conduz a água para a conduta de aspiração. O flutuador acompanha o nível de água e está limitado a movimentos na vertical em resultado de elementos-guia em betão.

Outra solução que pode revelar-se interessante é a de instalar a central de bombagem numa estrutura flutuante (tipo barco). Nesta solução a aspiração é feita directamente da massa de água.

A segurança de instalação e de exploração exige maior cuidado na definição das solicitações sobre a embarcação, nomeadamente os efeitos directos ou indirectos, do

vento, e das medidas necessárias para garantir coeficientes de estabilidade aceitáveis, incluindo a instalação de cabos de ancoragem que garantam binários de equilíbrio e limitem as deslocações por forma a proteger as tubagens de ligação à margem.

b) Tomadas de água com vórtice

Pode ser hidraulicamente eficiente provocar a rotação do escoamento numa conduta de alimentação vertical ou quase-vertical. O escoamento tem uma aproximação à conduta

num plano superior e depois escoa-se na vertical em rotação (vórtice) até à extremidade

de jusante, num plano inferior.

A tomada de água tem, assim, de ter a capacidade de induzir este movimento de

rotação. Durante o trajecto a componente de velocidade vertical vai aumentando e a

componente de rotação vai diminuindo.

Vantagens potenciais:

disposição adicional de energia;

menor quantidade de ar arrastado, o qual tende a ser concentrado na zona central.

Existem diversas configurações para este tipo de tomada de água: secção circular, em caracol, em espiral, tangencial, entre outras.

A estrutura em caracol é das mais adaptadas.