Você está na página 1de 9
Disciplina: Microbiologia Geral ECOLOGIA MICROBIANA DO AR E ÁGUA Introdução • A população microbiana do

Disciplina: Microbiologia Geral

ECOLOGIA MICROBIANA DO AR E ÁGUA

Introdução

A população microbiana do ar é transitória e variável.

Os microrganismos não podem crescer no ar, entretanto esse ambiente contém matéria particulada, pó, gotículas, que podem estar carregadas com microrganismos

O que é Disseminação?

Implica em movimento do patógeno

Fases da Disseminação:

liberação, dispersão e deposição do inóculo.

17/3/2014

Microbiologia do Ar Externo -

Atmosfera

Composição da atmosfera:

79% de nitrogênio

21% de oxigênio

0,032% de dióxido de carbono e outros gases (neônio, argônio e hélio)

Partículas de pó e água

• Superfície da Terra representa a principal fonte de microrganismos
• Superfície da Terra representa a principal
fonte de microrganismos

Introdução

Partículas carregadas pelo ar são a causa principal de problemas respiratórios:

alergias

asma

doenças infecciosas do trato respiratório

esporos de fungos: agentes de doenças de plantas

principal meio de DISSEMINAÇÃO de fungos saprofíticos.

Em plantas:

de fungos: agentes de doenças de plantas – principal meio de DISSEMINAÇÃO de fungos saprofíticos. Em

Principais poluentes do ar [Adaptado de Jones et al. (1999, por Quadros (2008)]

 

Poluente

Principais fontes

 

Compostos orgânicos voláteis (COV)

Adesivos, tintas, solventes, materiais de construção, combustão, fumaça de tabaco.

Dióxido de carbono (CO 2 )

Atividade metabólica, combustão, motores veiculares em garagens.

Monóxido de carbono (CO)

Queima de combustíveis, aquecedores de água, fornos, fogões, aquecedores a gás ou a querosene, fumaça de tabaco.

Dióxido de Enxofre (SO 2 )

Ar externo, queima de combustíveis, motores veiculares (garagens).

Óxido de Nitrogênio (NO)

Ar externo, queima de combustíveis, motores veiculares (garagens).

Contaminantes de origem não biológica

Dióxido de nitrogênio (NO 2 )

Ar externo, queima de combustíveis, motores veiculares (garagens).

Formaldeído (H 2 CO)

Materiais de isolamento, móveis, madeira compensada.

Hidrocarbonetos policíclicos

 
 

aromáticos (HPA)

Queima de combustíveis, fumaça de cigarro.

Ozônio (O 3 )

Reações fotoquímicas, campos eletrostáticos (equipamentos eletrônicos).

Radônio (Rn)

Solo, materiais de construção (pedras, concreto).

Material Particulado

Re-suspensão, fumaça de tabaco, combustão.

Fibra de asbesto ou amianto

Insulação, materiais anti-chama.

Calor

Metabolismo humano, sistema de ar condicionado, cozinhas.

Origem

Alergênicos

Poeira, animais domésticos, insetos.

biológica

Pólen

Plantas de exterior e de interior.

Microorganismos (fungos, bactérias, vírus)

Pessoas, animais, plantas e vasos, sistemas de ar condicionado.

Esporos de Fungos

Solo, plantas, alimentos, superfícies internas.

(Fonte: Department of Medical Microbiology, Edinburgh University)
(Fonte: Department of Medical Microbiology, Edinburgh University)

Espirro:

- milhões de gotículas de água e muco expelidas a cerca de 100 m.s -1

- tamanho inicial de 10-100 m de diâmetro

- reduzindo-se ao seu núcleo de 1-4 m após secagem

- contendo partículas virais ou bactérias

- principal meio de transmissão de várias doenças

Tipos de microrganismos no ar

algas

leveduras

bolores

bactérias

protozoários

Em humanos:

17/3/2014

Os microrganismos são disseminados pela tosse e espirro a partir do trato respiratório,

Em núcleos de gotas que resultam da evaporação de pequenas gotas líquidas

Os microrganismos introduzidos no ar podem ser transportados ao longo de alguns poucos centímetros e a longas distâncias

Alguns morrem em questão de segundos

Outros sobrevivem por semanas, meses ou mais

Fatores que afetam a população microbiana do ar

densidade populacional

umidade

temperatura

radiação

Tipos de microrganismos no ar

principais tipos:

esporos de fungos

p. ex. Cladosporium, Aspergillus, Penicillium

bactérias esporulantes

vírus

Penicillium – bactérias esporulantes – vírus • Doenças do homem e dos animais – inalação de
Penicillium – bactérias esporulantes – vírus • Doenças do homem e dos animais – inalação de
Penicillium – bactérias esporulantes – vírus • Doenças do homem e dos animais – inalação de

Doenças do homem e dos animais

inalação de poeira ou gotículas contendo propágulos, provenientes de:

pessoas infectadas (diretamente)

outras fontes: roupas, cama, solo

aerossóis

» infecções respiratórias: secreções nasais, garganta

Aspectos de contaminação biológica em filtros de condicionadores de ar instalados em domicílios da cidade de Manaus AM

Engenharia Sanitária e Ambiental.

Vol.12 - Nº 2 - abr/jun 2007, 202-211

Objetivos: reunir informações concretas e

objetivas acerca dos malefícios de incorretos (ou inexistentes) hábitos de limpeza dos

equipamentos.

17/3/2014

Doenças transmitidas pelo ar

Doenças de plantas

ventos na superfície dos órgãos atacados (parte aérea) ou na superfície do solo (patógenos de raízes)

» ferrugem do milho

do solo (patógenos de raízes) » ferrugem do milho Microrganismos do ar Interno • Fatores determinantes
do solo (patógenos de raízes) » ferrugem do milho Microrganismos do ar Interno • Fatores determinantes

Microrganismos do ar Interno

Fatores determinantes do grau de contaminação do ar:

Taxa de ventilação

Número de pessoas que ocupam o ambiente

Natureza e grau de atividade exercida por esses indivíduos

• Número de pessoas que ocupam o ambiente • Natureza e grau de atividade exercida por
Microrganismos no ar Importantes patógenos do ar em animais Doenças animais Patógeno Doenças Bacterianas Brucelose
Microrganismos no ar Importantes patógenos do ar em animais Doenças animais Patógeno Doenças Bacterianas Brucelose

Microrganismos no ar

Importantes patógenos do ar em animais Doenças animais Patógeno Doenças Bacterianas Brucelose Brucella spp.
Importantes patógenos do ar em animais
Doenças animais
Patógeno
Doenças Bacterianas
Brucelose
Brucella spp.
Salmonelose
Salmonella spp.
Tuberculose
Mycobacterium bovis
Doenças Fungicas
Aspergilose
Aspergillus spp.
Coccidiomicose
Coccidioides immitis
Tuberculose
Mycobacterium bovis
Doenças Virais
Aftosa
Aphthovirus
Bronquite infecciosa
Cólera canina
Encefalomielite
Herpes canina
Influenza
Influenza, outros
Pestivirus
Alphavirus
Herpesviridae
Vírus da influenza
Pestivirus Alphavirus Herpesviridae Vírus da influenza 17/3/2014 Microrganismos no ar Importantes patógenos do ar
Pestivirus Alphavirus Herpesviridae Vírus da influenza 17/3/2014 Microrganismos no ar Importantes patógenos do ar
Pestivirus Alphavirus Herpesviridae Vírus da influenza 17/3/2014 Microrganismos no ar Importantes patógenos do ar

17/3/2014

Alphavirus Herpesviridae Vírus da influenza 17/3/2014 Microrganismos no ar Importantes patógenos do ar em plantas

Microrganismos no ar

Importantes patógenos do ar em plantas Doenças de plantas Patógeno Doenças Fungicas Infecção da floração
Importantes patógenos do ar em plantas
Doenças de plantas
Patógeno
Doenças Fungicas
Infecção da floração
Ferrugem do cedro e da macieira
Ferrugem da coroa dos cereais
Ferrugem da folha
Sclerotinia laxa
Gymnosporangium spp.
Puccinia coronata
Puccinia recondita
Ferrugem do milho Puccinia sorghi
Ferrugem do trigo
Fuligem do trigo
Míldio
Puccinia graminis
Ustilago tritici
Pseudoperonospora humuli
Míldio do centeio Erysiphe graminis
Murcha da batata
Murcha da folha do milho
Sigatoka negra da bananeira
Phytophthora infestans
Helminthosporium maydis
Mycosphaerella musicola

Microrganismos no ar

Importantes patógenos do ar em humanos Doenças humanas Patógeno Doenças Bacterianas Antrax pulmonar Bronquite,
Importantes patógenos do ar em humanos
Doenças humanas
Patógeno
Doenças Bacterianas
Antrax pulmonar
Bronquite, sinusite
Brucelose
Difteria
Febre tifóide
Infecção respiratória de Staphylococcus
Infecção respiratória de Streptococcus
Legionelose
Meningite
Pneumonia
Pneumonia
Pneumonia primária atípica
Praga pneumônica
Tuberculose
Bacillus anthracis
Haemophilus influenza
Brucella melitensis
Corynebacterium diphteriae
Salmonella typhi
Staphylococcus aureus
Streptococcus pyogenes
Legionella spp.
Neisseria meningitidis
Chlamydia psittaci
Klebsiella pneumoniae
Mycoplasma pneumoniae
Yersinia pestis
Mycobacterium tuberculosis
Chlamydia psittaci Klebsiella pneumoniae Mycoplasma pneumoniae Yersinia pestis Mycobacterium tuberculosis 4
Chlamydia psittaci Klebsiella pneumoniae Mycoplasma pneumoniae Yersinia pestis Mycobacterium tuberculosis 4
Chlamydia psittaci Klebsiella pneumoniae Mycoplasma pneumoniae Yersinia pestis Mycobacterium tuberculosis 4

Microrganismos no ar

Importantes patógenos do ar em humanos Doenças humanas Patógeno Doenças Fungicas Aspergilose Aspergillus
Importantes patógenos do ar em humanos
Doenças humanas
Patógeno
Doenças Fungicas
Aspergilose
Aspergillus fumigatus
Blastomicose
Blastomyces dermatiridi
Candidiase
Candida albicans
Coccidiomicose
Coccidioides immitis
Critpococcose
Cryptococcus neoformans
Histoplasmose
Histoplasma capsulatum
Nocardiose
Nocardia asteriodes
Sporotricose
Sporotrichum schenckii

Microrganismos no ar

Como os microorganismos ficam em suspensão no ar?

Distúrbio mecânico do solo

Ventos

Chuva e intempéries

Seca

Umidade

 Ventos  Chuva e intempéries  Seca  Umidade 17/3/2014 Microrganismos no ar Importantes patógenos
 Ventos  Chuva e intempéries  Seca  Umidade 17/3/2014 Microrganismos no ar Importantes patógenos
 Ventos  Chuva e intempéries  Seca  Umidade 17/3/2014 Microrganismos no ar Importantes patógenos
 Ventos  Chuva e intempéries  Seca  Umidade 17/3/2014 Microrganismos no ar Importantes patógenos

17/3/2014

Microrganismos no ar

Importantes patógenos do ar em humanos Doenças humanas Patógeno Doenças Virais Caxumba Dengue Febre amarela
Importantes patógenos do ar em humanos
Doenças humanas
Patógeno
Doenças Virais
Caxumba
Dengue
Febre amarela
Febre hemorrágica
Gripe comum
Hantavirus (síndrome pulmonar)
Hepatite
Influenza myxovirus
Poliomielite
Sarampo
Varicela
Varíola
Vírus da caxumba
Flavivirus
Flavivirus
Bunyavirus
Rhinovirus
Hantavirus
Vírus da hepatite
Vírus da influenza
Poliovirus
Morbillivirus
Vírus da varicela
Poxvirus da varíola

Doenças de plantas relacionadas ao ar

Ferrugens (Puccinia spp.) fungo da ordem Uredinales

Sintomas: pústulas nas folhas e espigas, perdas de ate 50% da produção

Disseminação: esporos pelo ar e solo

Controle: fungicidas a base de triazole

Doenças de plantas relacionadas ao ar

Míldio (Pseudoperonospora spp. e Erysiphe spp.)

Sintomas: pó branco nas folhas e frutos, perdas de ate 50% da produção

Disseminação: esporos pelo ar e solo

Controle: fungicidas a base de triademefon e propiconazole

17/3/2014 Doenças de plantas relacionadas ao ar  Requeima da batata (Phytophthora infestans) – fome
17/3/2014 Doenças de plantas relacionadas ao ar  Requeima da batata (Phytophthora infestans) – fome
17/3/2014 Doenças de plantas relacionadas ao ar  Requeima da batata (Phytophthora infestans) – fome
17/3/2014 Doenças de plantas relacionadas ao ar  Requeima da batata (Phytophthora infestans) – fome
17/3/2014 Doenças de plantas relacionadas ao ar  Requeima da batata (Phytophthora infestans) – fome
17/3/2014 Doenças de plantas relacionadas ao ar  Requeima da batata (Phytophthora infestans) – fome
17/3/2014 Doenças de plantas relacionadas ao ar  Requeima da batata (Phytophthora infestans) – fome

17/3/2014

Doenças de plantas relacionadas ao ar

Requeima da batata (Phytophthora infestans) fome na Irlanda e Europa em 1845-46

Sintomas: manchas escuras nas pontas das folhas e caule e logo aparecimento de míldio na parte adaxial da folha. Os tubérculos ficam escuros avermelhados e apodrecem com cheiro fétido

Disseminação: esporos pelo ar, solo, e água

Controle: fungicidas a base de metalaxyl e carbamate

Doenças de plantas relacionadas ao ar

Sigatoka negra da bananeira (Mycosphaerella musicola) fungo

Sintomas: manchas escuras folhas e redução da produção em ate 50%

Disseminação: esporos pelo ar, solo, e água

Controle: fungicidas

MICROBIOLOGIA DA ÁGUA

em ate 50%  Disseminação : esporos pelo ar, solo, e água  Controle : fungicidas

Água potável:

Inodora

Límpida

Sem sabor

Livre de substâncias tóxicas e microrganismos prejudiciais a saúde

Ambiente de água doce

Incluem as águas de superfície

Lagos

Rios

Córregos

Águas subterrâneas que correm debaixo das camadas de rochas

Águas naturais

Água atmosférica: nuvens, chuva, neve, geadas

Água de superfície: lagos, riachos, rios, oceanos

Água subterrânea: lençol freático, poros do solo

- habitat para muitos microrganismos

17/3/2014

Todos os ambientes aquáticos

Água doce

Água do mar

Água da chuva

– Água doce – Água do mar – Água da chuva MICRORGANISMOS • Os microrganismos podem:
– Água doce – Água do mar – Água da chuva MICRORGANISMOS • Os microrganismos podem:

MICRORGANISMOS

Os microrganismos podem:

mudar a composição química da água

fornecer nutrientes para outros organismos aquáticos

CICLOS DA MATÉRIA

representar um grande risco para a saúde humana e animal

PATÓGENOS

Nos ambientes aquáticos a T° C varia de 0- 100° C

A maioria dos microrganismos se desenvolve em água a temperaturas moderadas

Algumas bactérias termófilas: 90°C

Alguns fungos e báctérias psicrófiflos: 0°C

O pH da água doce varia de 2 9

Maioria dos microrganismos crescem melhor

em água com pH próximo ao nível da neutralidade

Alguns podem ser encontrados em águas com pH extremamente ácido

Outros em águas com pH extremamente alcalino

Poluentes

Possível fonte

Efeitos adversos

Físicos

Asbestos

Resíduos industriais

Câncer

Argila suspensa

Precipitação

Interfere com

 

tratamentos sanitários

Químicos

Metais pesados

Indústrias Algicidas e minas Fertilizantes Amaciantes de água

Várias doenças Diarréias Metemoglobinemia Retenção de fluidos Doenças do coração Várias doenças Câncer

Sulfatos

Nitratos

Sódio

Pesticidas

Agricultura

Clorofórmio

Indústria

Biológicos

Bactérias

Fezes e urina

Febre tifóide

 

Shigeloses

Salmoneloses

Gastroenterites

Tularemia

Leptospirose

Vírus

Fezes

Hepatite

 

Poliomielite

Gastroenterites

Protozoários

Fezes

Disinteria amébica

 

Giardíase

Balantidíase

Microrganismos patogênicos na água

Fungos

aquáticos: saprófitas, parasitas de peixes

oriundos do solo: leveduras

Candida albicans: infecções da pele, mucosas

fungos dermatófitos

Geotrichum

Poluição

17/3/2014

água pode ser límpida, inodora e sem sabor e mesmo assim ser não potável devido à presença de contaminações

Água potável: livre de microrganismos patogênicos e de substâncias químicas nocivas

contaminantes:

químicos

físicos

biológicos

Microrganismos patogênicos na água

Bactérias

Salmonella spp. Vibrio cholerae » principais problemas associados à falta de cuidados sanitários Shigella spp. Yersinia enterocolitica: gastroenterite aguda Escherichia coli: linhagens patogênicas: enterites Clostridium perfringens: enterite, gangrena gasosa Vibrio parahaemolyticus: gastroenterites Pseudomonas aeruginosa: infecções nos olhos, ouvidos Staphylococcus aureus: infecções cutâneas, garganta e intoxicações alimentares Leptospira: hepatite, conjuntivite e insuficiência renal

Protozoários

ciliados

Giardia lamblia: esporos resistentes ao cloro

amebas

Entamoeba hystolytica (amebíase-doença intestinal)

Vírus

Hepatites A e B

Gastroenterite infecciosa não bacteriana

Poliomielite

Ambientes Marinhos

O pH da água do mar varia de aproximadamente neutro a ligeiramente alcalino: 6,5 8,3

Água do mar é cerca de 7x mais salgada que a água doce

Organismos que vivem em ambientes marinhos dever ter capacidade de tolerar alta salinidade

Pseudomonas

Vibrio

Achromobacter

Flavobacterium

Protozoários

MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA N.º 518, DE 25 DE MARÇO DE 2004

DA SAÚDE PORTARIA N.º 518, DE 25 DE MARÇO DE 2004 NOTAS: (1) Valor Máximo Permitido.

NOTAS: (1) Valor Máximo Permitido. (2) água para consumo humano em toda e qualquer situação, incluindo fontes individuais como poços, minas, nascentes, dentre outras. (3) a detecção de Escherichia coli deve ser preferencialmente adotada.

Vibrio cholerae - Cólera

Bastonete Gram negativo

Pode sobreviver fora do corpo em água fria alcalina, especialmente se houver a presença de Matéria orgânica e/ou fecal

Quando ingerido crescem no intestino delgado produzem uma toxina colérica

Náuseas, vômitos, dor abdominal e diarréia, desidratação

17/3/2014

A água é geralmente analisada quanto à

contaminação fecal através do isolamento de

Escherichia coli - coliformes

Microrganismo indicador, pois é um habitante natural do trato digestivo do homem

pois é um habitante natural do trato digestivo do homem Sua presença na água indica contaminação

Sua presença na água indica contaminação da água

•

No Brasil cerca de 80% do esgoto é lançado nos rios e mares e este é um dos maiores problemas de contaminação, pois muitas doenças estão relacionadas a água

Cólera

Febre tifóide

Entre outras

Salmonella typhi Febre tifóide

Bastonetes Gram negativos

Entram no corpo através dos alimentos ou da água e invadem a mucosa da parte superior do intestino delgado

Durante a primeira semana o paciente tem dor de cabeça, febre e mal estar, devido a uma toxina bacteriana