Você está na página 1de 1

Convenção de Haia

MAurizio BABini

A legalização de documentos públicos estrangeiros

BABini A legalização de documentos públicos estrangeiros Maurizio Babini é professor da Unesp de São José

Maurizio Babini é professor da Unesp de São José do Rio Preto.

50

UnespCiênCiA

A partir de 14 de agosto de 2016 entrou em vigor no Brasil a Convenção de Haia sobre

a legalização de documentos públicos estran-

geiros, conhecida, também, como Convenção da Apostila de Haia. O texto dessa Convenção tinha sido aprovado pelo Decreto Legislativo

n. 148 de 12 de junho de 2015, que estabelece que “no âmbito da presente Convenção, são considerados documentos públicos:

a) Os documentos provenientes de uma au-

toridade ou de um agente público vinculados a

qualquer jurisdição do Estado, inclusive os do- cumentos provenientes do Ministério Público, de escrivão judiciário ou de oficial de justiça;

b) Os documentos administrativos;

c) Os atos notariais;

d) As declarações oficiais apostas em docu-

mentos de natureza privada, tais como certidões que comprovem o registro de um documento ou a sua existência em determinada data, e reconhecimentos de assinatura” (Artigo 1.º). Antes da entrada em vigor da Convenção todos esses documentos deviam ser legaliza- dos pelos Consulados brasileiros nos exterior

e pelos Consulados estrangeiros no País. Por

legalização entende-se “apenas a formalidade pela qual os agentes diplomáticos ou consula- res do país no qual o documento deve produzir

efeitos atestam a autenticidade da assinatura,

a função ou o cargo exercidos pelo signatário

do documento e, quando cabível, a autentici- dade do selo ou carimbo aposto no documento” (Artigo 2.º). De fato, para quem já teve que legalizar documentos públicos brasileiros em um Consulado estrangeiro no País ou para quem já teve que enfrentar a legalização de documentos estrangeiros em Consulados bra- sileiros, essa é, de fato, uma excelente notícia:

a “formalidade” realizada pelos agentes con-

sulares e diplomáticos, na maioria dos casos, não era gratuita e obrigava, geralmente, a ir pessoalmente até as representações diplomá- ticas e a tempos de espera, às vezes, relativa- mente longos. Portanto, com essa convenção será um pouco mais fácil ir para o exterior e vir para o Brasil: para estudar, trabalhar, abrir empresas, ou apenas para lazer. Como funciona do ponto de vista prático a Convenção de Apostila no Brasil: os cartórios habilitados certificaram por meio da referi- da apostila “a autenticidade da assinatura, a função ou o cargo exercido pelo signatário do documento e, quando cabível, a autenticidade do selo ou carimbo nele aposto” (Artigo 5.º, De- creto Legislativo n. 148 de 2015). A “apostila” (do francês “apostille”) consiste em um docu- mento preenchido pelos cartórios habilitados. Para todos os brasileiros e todos os estran-

geiros residentes no País haverá, ainda, infeliz- mente, algumas dificuldades para a aplicação da Convenção da Apostila, tendo em vista o fato de que apenas os Cartórios das Capitais estão habilitados. Quem quiser saber mais sobre essa convenção, vendo a lista completa dos países signatários, todos os atos normati- vos que regulamentam sua aplicação, a lista dos cartórios autorizados, e os modelos de apostilas que serão utilizados, poderá acessar

o site: <https://goo.gl/>. De fato, consideramos a “definitiva” ratifi- cação da Convenção da Haia não apenas como “um pequeno passo”, mas como “um grande salto” na história das relações diplomáticas do Brasil e esperamos que isso possa, realmen- te, impulsionar a ida e a vinda de brasileiros

e estrangeiros.

do Brasil e esperamos que isso possa, realmen- te, impulsionar a ida e a vinda de

Interesses relacionados