Você está na página 1de 58
CHEROKEE 140 / 180 PA28 / PA28 ‐ 8 2° EDIÇÃO / 2015

CHEROKEE 140 / 180 PA28 / PA288

CHEROKEE 140 / 180 PA28 / PA28 ‐ 8 2° EDIÇÃO / 2015
CHEROKEE 140 / 180 PA28 / PA28 ‐ 8 2° EDIÇÃO / 2015

EDIÇÃO / 2015

MANUAL DE OPERAÇÃO 2

MANUAL

DE

OPERAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO 2

2

MANUAL DE OPERAÇÃO 2
ÍNDICE Este manual foi desenvolvido com o objetivo de auxiliar o Piloto/Aluno a obter o máximo
ÍNDICE
Este manual foi desenvolvido com o objetivo de auxiliar o
Piloto/Aluno a obter o máximo de rendimento na operação e
conservação da aeronave Cherokee‐140 / 180.
Baseado no manual original da aeronave, seu conteúdo deve ser lido
para que o piloto possa entender e aprender a localizar as
informações, familiarizar‐se com as limitações, desempenho,
procedimentos e características operacionais da aeronave.
SEÇÃO 1 ‐ AERONAVE E
06
1.1
‐ Generalidades
.............
..............................................
06
1.2
‐ Dimensões
...................
..................
06
e 07
1.3
‐ Motor e hélice
................
................
............................
08
1.4
‐ Painel de instrumentos, rádios e controles do motor
......Pg.
09 a 14
Frente à necessidade de atualização ou correção, a Diretoria técnica
aprovara e publicará emendas para este manual.
1.5
‐ Comandos de vôo .............................
14
a 18
1.6
‐ Sistema de combustível ...........
18
a 22
1.7
‐ Sistema de lubrificação ............
22
e 23
1.8
‐ Sistema de trem de pouso ..............
24
e 25
‐ Atualizações e Correções
1.9
‐ Sistema de freios ............................
26
1.10 ‐ Sistema de Pitot estático ..............................
26
e 27
01/2015 16/02/2015 Caminata – Coordenador de Curso
SEÇÃO 2 ‐
Pg. 28
2.1
‐ Generalidades .............
28
2.2
‐ Desempenho e limites de operação
.................................Pg.
28 e 29
2.3
‐ Peso da aeronave ...........................
30
2.4
‐ Limites do Centro de Gravidade ‐ C.G .........................
30
2.5
‐ Limitações de velocidade
30
a 33
2.6
‐ Temperatura do óleo
.......................................................Pg.
33 e 34
2.7
‐ Pressão do óleo ................
34
3
4

SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS

34

  • 3.1 .............

Generalidades

34

  • 3.2 Inspeção prévôo

...............

34 a 38

  • 3.3 ....................................................................Pg.

Acionamento

38 e 39

  • 3.4 ..........................

Rolagem

39 e 40

  • 3.5 Cheque de cabeceira

.......................................

40 e 41

..............................................

  • 3.6 Briefing de decolagem

42

  • 3.7 Decolagem normal

...............................

Pg. 42

  • 3.8 Decolagem curta

...............................

42 e 43

  • 3.9 Decolagem com obstáculo

.............

43

  • 3.10 Decolagem com vento de través

.............................

44

  • 3.11 Subida inicial

...............

44

  • 3.12 Vôo em cruzeiro

............................

45

  • 3.13 .............

Pouso

Pg. 45

  • 3.14 Pouso com vento de través

..................................

Pg. 46

  • 3.15 .................

Arremetida

Pg. 46

  • 3.16 Rolagem ao pátio e corte do motor

.................

47

  • 3.17 ............................................

Abandono

47 e 48

SEÇÃO 4 PROCEDIMENTOS DE

48

  • 4.1 Generalidades

.............

48

  • 4.2 Fogo no motor durante o acionamento

...................................Pg.

48

  • 4.3 Fogo no motor em vôo

.............................

49

  • 4.4 Falha no motor

..............

49 a 52

  • 4.5 Parafuso acidental

.............

52

SEÇÃO 3 ‐ PROCEDIMENTOS 34 3.1 ............. ‐ Generalidades 34 3.2 ‐ Inspeção pré ‐ vôo

5

SEÇÃO 3 ‐ PROCEDIMENTOS 34 3.1 ............. ‐ Generalidades 34 3.2 ‐ Inspeção pré ‐ vôo

SEÇÃO 1 AERONAVE E SISTEMAS

  • 1.1 Generalidades

Fabricado pela Piper Aircraft Company (PA28 / PA288), a aeronave Cherokee 140 / 180 é um monomotor de asa baixa, estrutura da fuselagem inteiramente metálica e trem de pouso do tipo fixo. Possui acomodação para dois ocupantes na versão 140 e quatro ocupantes na versão 180 é utilizado para instrução primaria de vôo. Homologado para vôos = VFR / SOB CAPOTA / DIURNO / NOTURNO e IFR somente na versão 180

  • 1.2 Dimensões

ENVERGADURA..................

.............................9,2

m

ALTURA.................. .............. ............................

2,25 m

COMPRIMENTO...............................................7,25

m

SEÇÃO 1 ‐ AERONAVE E SISTEMAS 1.1 ‐ Generalidades Fabricado pela Piper Aircraft Company (PA28 /

6

SEÇÃO 1 ‐ AERONAVE E SISTEMAS 1.1 ‐ Generalidades Fabricado pela Piper Aircraft Company (PA28 /
7
7
1.3 ‐ Motor e Hélice Quatro cilindros opostos horizontalmente, transmissão direta e refrigeração a ar. Fabricante
1.3 ‐ Motor e Hélice
Quatro cilindros opostos horizontalmente, transmissão direta e
refrigeração a ar.
Fabricante do motor: Lycoming
Modelo 140: O ‐ 320 – E2A
Modelo 180: O ‐ 360 – A4M
Potência máxima 140: 150 hp
Rotação máxima140: 2700 rpm
Potência máxima 180: 180 hp
Rotação máxima180: 2700 rpm
Marca e modelo da hélice: Sensenich / M74DM
Diâmetro e tipo da hélice: 187,96 cm / Metal e passo fixo
8

1.4 Painel de instrumento, rádios, controles de voo e do motor

Velocímetro

1

Horizonte artificial (Bomba de vácuo)

2

Altímetro

3

4

VOR

Seletor de áudio intercomunicador

5

Luz de alarme de STALL

6

7

E.L.T.

Indicador de curva (Turn & Bank)

8

Giro direcional

9

10

Indicador de razão subida / descida (Climb)

11

N.D.B.

12

Rádio 1

13

Rádio 2 e NAV 1

14

ADF

15

Transponder

16

Indicador de vácuo dos giroscópios

17

Liquidometros

18

Indicador de pressão do combustível

19

Indicador de temperatura do óleo

20

Indicador de pressão do óleo

21

Máster

22

Bomba de combustível (Fuel pump)

23

Farol de pouso (Landing light)

24

Beacon

25

Luzes de painel e navegação

26

Controles de ventilação

27

Magnetos e starter

28

Tacômetro

29

Manete de potência

1.4 ‐ Painel de instrumento, rádios, controles de voo e do motor ‐ Velocímetro 1 ‐

9

1.4 ‐ Painel de instrumento, rádios, controles de voo e do motor ‐ Velocímetro 1 ‐
  • 30 Mistura

  • 31 Alavanca de trava das manetes

  • 32 Ar Quente

  • 33 Amperímetro

  • 34 Disjuntores e fusíveis (CB’s)

  • 35 Seletora de combustível

  • 36 Pedais de leme e freio

  • 37 Parking brake

  • 38 Alavanca seletora dos flaps

  • 39 Microfone

30 ‐ Mistura 31 ‐ Alavanca de trava das manetes 32 ‐ Ar ‐ Quente 33
  • 1.4.1 Bússola

A bússola é um instrumento de navegação, utilizado para orientar o piloto e tem sua referência no Norte Magnético.

  • 1.4.2 Velocímetro

O velocímetro indica a velocidade da aeronave em milhas “MPH”,

funciona ligado ao sistema Pitot da aeronave.

30 ‐ Mistura 31 ‐ Alavanca de trava das manetes 32 ‐ Ar ‐ Quente 33

10

30 ‐ Mistura 31 ‐ Alavanca de trava das manetes 32 ‐ Ar ‐ Quente 33
  • 1.4.3 Horizonte artificial

   
  • 1.4.10 Indicador de razão subida / descida (Climb)

 

Instrumento voltado para indicação de atitudes de vôo em condições

Indica a razão de subida ou descida em pés por minuto. Funciona ligado

IMC, seu funcionamento é feito através de giroscópio acionado por

ao sistema de Pitot Estático.

 

bomba de vácuo.

  • 1.4.11 Indicador de pressão do óleo

  • 1.4.4 Altímetro

 

O indicador de pressão do óleo indica a pressão do óleo que é dada em

O altímetro é o instrumento usado para medir altitudes, funciona ligado

Libras por Polegadas Quadradas P.S.I.

 

ao sistema de Pitot Estático.

   
 
  • 1.4.12 Indicador de temperatura de óleo

 
  • 1.4.5 VOR

 

Instrumento que indica a temperatura do óleo do motor por meio de

Instrumento utilizado para indicação de radias de uma antena VOR

um tubo de Bourdon, o qual ao defletir, aciona um ponteiro.

localizada em solo.

 
 
  • 1.4.13 Amperímetro

 
  • 1.4.6 Rádio e NAV

 

Indica a corrente solicitada pelo sistema elétrico da aeronave.

 

O rádio e um receptor e transceptor VHF, utilizado para comunicação. O NAV é um receptor de VOR – ILS – DME acoplado ao instrumento

  • 1.4.14 Liquidometro

 

VOR.

 

Indica a quantidade de combustível nos tanques.

 
  • 1.4.7 Indicador de vácuo dos giroscópios

 
  • 1.5.15 Transponder

 

Indica a pressão na bomba de vácuo, deve estar entre 4,6 e 5,4

É um equipamento instalado a bordo da aeronave que responde

polegadas de mercurio.

 

quando interrogado por um sistema de radar secundário no solo.

  • 1.4.8 Indicador de curva “Turn&Bank”

Quando interrogado poderá enviar alguma informação adicional dependendo do seu modo de operação.

O indicador de curva “Turn&Bank” serve para indicar se a curva está coordenada entre o manche e o pedal. Durante o vôo em curva a

  • 1.4.9 Giro Direcional

  • 1.4.16 Interruptores elétricos

 

bolinha deve permanecer centrada.

Máster: liga a bateria e alternador. Beacon (anticolisão): Liga o farol rotativo de cor vermelha posicionado no topo da deriva da aeronave.

O giro direcional é um instrumento de navegação, utilizado para orientar o piloto. Tem sua referencia alinhada com a bússola, onde é

Land Light: Liga o farol de pouso. Nav Light: Liga as luzes de navegação (vermelha / verde) situada nas

necessário o ajuste constante. Seu funcionamento é feito através de giroscópio alimentado pela bomba de vácuo.

extremidades das asas.

 
 

11

11 12
 

12

11 12
       
   
  • 1.4.17 Controles de ventilação

Alavanca seletora de posicionamento das saídas de ar na aeronave.

  • 1.4.18 Magnetos e Starter

Compreende em uma chave com quatro estágios, sendo um estágio para posição “OFF”, um para cada magneto “ESQUERDO” e “DIREITO”, um para o estágio “AMBOS”, onde estará em funcionamento os dois

magnetos, e por fim um estágio para “STARTER”.

  • 1.4.19 Tacômetro

O tacômetro centrífugo é um instrumento que indica a rotação por minuto do motor “RPM”.

  • 1.4.20 Manete de potência

O manete de potência é utilizada para ajustar a RPM do motor.

  • 1.4.21 Mistura

A alavanca da mistura é utilizada para ajustar mistura ar/combustível.

Levandose a alavanca para a frente, a mistura tornase rica, para trás tornase pobre. A alavanca da mistura nunca deve ser puxada durante o vôo, havendo o perigo de apagar o motor, salvo em caso de correção para melhor consumo.

  • 1.4.22 Alavanca de travamento dos manetes

Serve para travar e regular a sensibilidade do curso das manetes.

  • 1.4.23 Ar Quente do carburador

Na posição toda a frente, a entrada do AR QUENTE será fechada. Na

posição toda atrás, a entrada de ar quente está totalmente aberta. A abertura faz com que o ar que passa no escapamento, passe pelo carburador, evitando assim a formação de gelo.

1.4.17 ‐ Controles de ventilação Alavanca seletora de posicionamento das saídas de ar na aeronave. 1.4.18

13

1.4.17 ‐ Controles de ventilação Alavanca seletora de posicionamento das saídas de ar na aeronave. 1.4.18
  • 1.4.24 Disjuntores e fusíveis (CB’s)

Sistema de proteção ao conjunto elétrico da aeronave.

  • 1.4.25 Seletora de combustível

Seleciona as posições ESQ. (Esquerdo) / DIR. (Direito) / Close (Fechado).

  • 1.4.26 Alavanca de freio (Parking Brake)

Aciona o travamento dos freios das rodas do trem principal, muito

utilizado no estacionamento da aeronave.

  • 1.4.27 Compensador do profundor (Elevetor Trim)

Usado para aliviar a pressão no manche, nas posições, picado, cabrado e neutro.

1.5 Comandos de vôo

Dois manches convencionais e dois pares de pedais operam as superfícies de controle primárias de vôo. O profundor possui um compensador para aliviar o esforço do manche.

14
14
1.5.1 ‐ Comando do Aileron O manche comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o

1.5.1 Comando do Aileron O manche comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o movimento dos ailerons de BANCAGEM OU ROLAGEM que são do tipo diferenciais.

1.5.1 ‐ Comando do Aileron O manche comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o

1.5.2 Comando do profundor O movimento do manche, para frente PICAR e para trás CABRAR, comanda mecanicamente o profundor por meio de cabos de aço e roldanas, o estabiprofundor que é do tipo inteiramente móvel com um compensador montado no bordo de fuga.

1.5.1 ‐ Comando do Aileron O manche comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o

15

1.5.1 ‐ Comando do Aileron O manche comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o
1.5.3 ‐ Comando do Leme de direção O leme é movimentado pela parte inferior dos pedais

1.5.3 Comando do Leme de direção O leme é movimentado pela parte inferior dos pedais por meio de cabos de aço e roldanas que ligam os pedais à articulação do leme, resultando no movimento de GUINADA.

1.5.3 ‐ Comando do Leme de direção O leme é movimentado pela parte inferior dos pedais
1.5.3 ‐ Comando do Leme de direção O leme é movimentado pela parte inferior dos pedais

16

1.5.3 ‐ Comando do Leme de direção O leme é movimentado pela parte inferior dos pedais

1.5.4 Compensador Um volante compensador comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o compensador do profundor. O volante compensador levado para frente faz o avião picar, isto é, move o compensador para cima, levado para trás, faz com que este se mova para baixo, fazendo o avião cabrar. Existe em algumas versões o comando de alavanca giratória situada no teto da aeronave, onde girando no sentido horário faz com que a aeronave pique e no sentido antihorário cabre.

1.5.4 ‐ Compensador Um volante compensador comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o compensador
1.5.4 ‐ Compensador Um volante compensador comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o compensador

17

1.5.4 ‐ Compensador Um volante compensador comanda mecanicamente, por meio de cabos e roldanas, o compensador
1.6 ‐ Sistema de combustível O sistema de combustível compõe‐se de dois tanques de gasolina, um
1.6 ‐ Sistema de combustível
O sistema de combustível compõe‐se de dois tanques de gasolina, um
na asa esquerda e outro na asa direita. Cada tanque de combustível
possui um dreno no canto inferior dianteiro acima do trem de pouso e
um filtro de combustível fixado na parte inferior esquerda do motor
que também possui um dreno. Os tanques e o filtro devem ser
drenados antes de cada vôo.
18
1.6.1 ‐ Operação do sistema A alimentação de combustível do motor é feita por uma bomba
1.6.1 ‐ Operação do sistema A alimentação de combustível do motor é feita por uma bomba
1.6.1 ‐ Operação do sistema A alimentação de combustível do motor é feita por uma bomba
1.6.1 ‐ Operação do sistema A alimentação de combustível do motor é feita por uma bomba
1.6.1 ‐ Operação do sistema A alimentação de combustível do motor é feita por uma bomba

1.6.1 Operação do sistema A alimentação de combustível do motor é feita por uma bomba mecânica e uma bomba elétrica auxiliar, para aumento da segurança em operações de pouso, decolagens e troca de tanque (Devese ligar a bomba e girar a seletora de combustível selecionando o tanque que entrará em operação, aguarde 40 segundos visualizando o indicador de pressão de combustível para desligar a bomba). Em algumas versões a seletora não tem a proteção de plástico e nem a trava em torno da alavanca, tenha cuidado para não deixar a alavanca fora de posição e

1.6.1 ‐ Operação do sistema A alimentação de combustível do motor é feita por uma bomba

19

1.6.1 ‐ Operação do sistema A alimentação de combustível do motor é feita por uma bomba

acabar ficando na posição fechada. A gasolina utilizada é a gasolina de aviação “AvGas” (Azul), que deve ter um índice mínimo de 80 octanas.

acabar ficando na posição fechada. A gasolina utilizada é a gasolina de aviação “AvGas” (Azul) ,
acabar ficando na posição fechada. A gasolina utilizada é a gasolina de aviação “AvGas” (Azul) ,
acabar ficando na posição fechada. A gasolina utilizada é a gasolina de aviação “AvGas” (Azul) ,

20

acabar ficando na posição fechada. A gasolina utilizada é a gasolina de aviação “AvGas” (Azul) ,

1.6.2 Válvula seletora de combustível

A válvula dos tanques está localizada do lado esquerdo na parte inferior próximo aos pedais. Tem três posições “OFF.”, “ESQUERDA” e “DIREITA”, tenha atenção ao clique quando se gira a alavanca para selecionar o tanque.

1.6.2 ‐ Válvula seletora de combustível A válvula dos tanques está localizada do lado esquerdo na

1.6.3 Capacidade dos tanques

CHEROKEE 140 / 180

Tanque

gl. / 94,5 litros

68

kg

Tanque

gl. / 94,5 litros

68

kg

 

136

kg

* Combustível não utilizável 1gl. / 3,8 litros / 2,7 kg por tanque.

* 1 litro de AvGas = 0,72 kg.

* 1 Galão de AvGas = 3,78 litros

1.6.2 ‐ Válvula seletora de combustível A válvula dos tanques está localizada do lado esquerdo na

21

1.6.2 ‐ Válvula seletora de combustível A válvula dos tanques está localizada do lado esquerdo na
 

1.6.4 Indicador da quantidade de combustível Os tanques possuem liquidometros que indicam a quantidade de combustível nos tanques, porém realize sempre os cálculos de autonomia.

 
 
 
1.6.4 ‐ Indicador da quantidade de combustível Os tanques possuem liquidometros que indicam a quantidade de

1.6.5 Consumo e autonomia

 

CHEROKEE 140 / 180 CAPACIDADE CONSUMO AUTONOMIA

Tanque esquerdo full 94,5 litros

35 l/h

2h40m

Tanque direito full

94,5 litros

35 l/h

2h40m

* Quando abastecido, cada tanque na chapinha 68,4 litros / 49 kg e autonomia de 2h00m.

1.7 Sistema de lubrificação

 

Uma bomba mecânica com engrenagens e um reservatório, constituem o sistema de lubrificação do motor. A lubrificação é do tipo mista. O reservatório de óleo do motor possui uma vareta indicadora de óleo na qual indica a quantidade.

1.6.4 ‐ Indicador da quantidade de combustível Os tanques possuem liquidometros que indicam a quantidade de
22

22

22
   
Obs.: Nunca limpar a vareta indicadora de óleo com estopa ou pano, pois poderão cair impurezas

Obs.: Nunca limpar a vareta indicadora de óleo com estopa ou pano, pois poderão cair impurezas dentro do reservatório. Utilize os dedos para limpar a vareta.

1.7.1 Óleo lubrificante Especificação

...........................

.........

SAE

50

1.7.2 Padronização para níveis de óleo

Motor frio

7 qts de galão

................ Motor quente

..............

6,5

qts de galão

* Capacidade total = 6,7 litros / 8 US qts

23
23

1.8 Sistema de trem de pouso

O trem de pouso triciclo é do tipo fixo, o trem do nariz possui amortecedor de SHIME e é comandado em um ângulo de 30° para cada lado, por meio dos pedais do leme em sua parte inferior. Os pneus do trem principal e o cubo possuem uma marcação vermelha, nessa marcação podemos ver se o pneu do trem principal não correu na roda, caso isso ocorra poderá danificar o bico. O pneu do trem principal possui uma pressão de 24 PSI, enquanto que o pneu da triquilha 28 PSI.

1.8 ‐ Sistema de trem de pouso O trem de pouso triciclo é do tipo fixo,
1.8 ‐ Sistema de trem de pouso O trem de pouso triciclo é do tipo fixo,
1.8 ‐ Sistema de trem de pouso O trem de pouso triciclo é do tipo fixo,

24

1.8 ‐ Sistema de trem de pouso O trem de pouso triciclo é do tipo fixo,

1.8.1 Amortecedor Os amortecedores do trem de pouso são do tipo óleopneumático tendo um curso de 8 cm no trem de pouso do nariz e 11 cm no trem de pouso principal.

1.8.1 ‐ Amortecedor Os amortecedores do trem de pouso são do tipo óleo ‐ pneumático tendo
25
25
1.9 ‐ Sistema de freios Os freios são operados hidraulicamente, cada um independente, freando as rodas
1.9 ‐ Sistema de freios
Os freios são operados hidraulicamente, cada um independente,
freando as rodas do trem principal. O sistema de freios é composto de
cilindros mestre individuais, entretanto, todos os cilindros utilizam um
reservatório em comum. O sistema possui ainda dois discos, um em
cada roda. O piloto, ao pressionar o pedal, comprime o óleo da
tubulação fazendo atuar o pistão do alojamento comprimindo as
pastilhas no disco, freando as rodas;
1.10 ‐ Sistema de Pitot estático
O sistema de Pitot estático é composto por um tubo de Pitot, localizado
no intradorso da asa esquerda, o qual fornece pressão total e pressão
estática ao velocímetro, bem como pressão estática ao altímetro e ao
indicador de razão de subida.
26

* Em solo a aeronave deve estar com seu tubo de pitot encapado !!!

* Em solo a aeronave deve estar com seu tubo de pitot encapado !!! 27
27
27

SEÇÃO 2 LIMITAÇÕES

2.1 Generalidades

As limitações incluídas nesta seção foram aprovadas pela PIPER. A tripulação é legalmente obrigada a obedecêlas durante a operação da aeronave.

2.2 Desempenho e limites de operação

A aeronave Cherokee 140 / 180, foram projetadas para serem utilizadas em duas categorias, “UTILIDADE” e “NORMAL”.

2.2.1 Categoria utilidade

Na categoria utilidade a aeronave poderá ser usada para vôos de instrução primária, sendo permitidas manobras descritas no curso de piloto privado, porém, não sendo permitida a execução de manobras acrobáticas ou invertidas.

Peso Maximo de Fator

operação...........................140

4,4

carga............................ ........................

= 708 kg / 180 = 966 kg G

Forma de carregamento

2 Pilotos no assento dianteiro Tanque esquerdo e direito abastecido na chapinha 119 litros. Porta bagagem vazio

Na execução de manobras permitidas devese ter em mente que ao atingir a posição de vôo em mergulho o avião ganha velocidade rapidamente e toda recuperação deve ser feita com suavidade a fim de não impor cagas excessivas à sua estrutura.

SEÇÃO 2 ‐ LIMITAÇÕES 2.1 ‐ Generalidades As limitações incluídas nesta seção foram aprovadas pela PIPER

28

SEÇÃO 2 ‐ LIMITAÇÕES 2.1 ‐ Generalidades As limitações incluídas nesta seção foram aprovadas pela PIPER

2.2.2 Categoria normal Na categoria normal a aeronave não foi projetada para executar nenhuma manobra avançada ou acrobática existente no curso de piloto privado, incluindo ainda parafusos.

Peso Maximo de Fator

operação.......................140

3,8

G

carga................................ ...............

= 977 kg / 180 = 1088

Forma de carregamento

2 Pilotos no assento dianteiro ou 4 na versão 180 Tanque esquerdo e direito abastecido full Porta bagagem completo

Em hipótese alguma o porta bagagem deverá ser carregado com peso superior a 92 kg.

29
29
  • 2.3 Peso da aeronave

O peso da aeronave vazia na versão 140 é de 564 kg e na versão 180 é de 642 kg, o que pode variar de avião para avião e que pode ser consultado na ficha de peso e balanceamento de cada aeronave. Esse peso constitui o peso da aeronave vazia mais a quantidade de óleo máxima e gasolina não drenável.

2.3.1 Limites de peso

Peso máximo de decolagem 140 = 977 kg / 180 = 1088 kg Peso máximo de pouso 140 = 977 kg / 180 = 1088 kg Peso máximo no bagageiro 92 kg

  • 2.4 Limites do centro de gravidade CG

Centro de gravidade CG É o ponto sobre o qual o avião se equilibra, se suspenso. Sua distância, a partir do plano de referência, o bordo de ataque, é calculado dividindose o momento total pelo peso total do avião.

Limites do centro de gravidade

São localizações extremas do centro de gravidade, dentro dos quais o avião pode ser operado num dado peso. O centro de gravidade do avião vazio, na posição de linha de vôo, encontrase a 39,4 cm para trás do bordo de ataque.

Limites do passeio do CG Avançado (dianteiro) = 25,3 cm Atrasado (traseiro) = 52,3 cm

  • 2.5 Limitações de velocidade (Vi = Kts)

VNE Velocidade nunca exceder

..........140

= 171 MPH / 180 = 175 MPH

Velocidade que nunca devera ser excedida, qualquer que seja o regime de vôo (subida, cruzeiro ou descida).

2.3 ‐ Peso da aeronave O peso da aeronave vazia na versão 140 é de 564

30

2.3 ‐ Peso da aeronave O peso da aeronave vazia na versão 140 é de 564

VNO Velocidade máxima estrutural de cruzeiro 180 = 144 MPH

..........140

= 140 MPH /

Velocidade que não pode ser excedida, exceto em ar calmo e mesmo assim com cautela.

VA Velocidade de manobra

140 = 100 MPH / 180 = 115 MPH

............... Velocidade utilizada para executar as manobras permitidas na categoria utilidade, ela não devera ser excedida quando voando em ar muito agitado ou executando as manobras. Não acione totalmente ou abruptamente os comandos acima desta velocidade.

VFE Velocidade máxima com flaps estendidos

......................... Não exceda esta velocidade com os flaps estendidos.

115 MPH

2.5.1 Marcações do velocímetro Cherokee 140 Arco verde (faixa de operação normal)

..............................64

à 140 MPH

Arco branco (faixa de operação com flaps)

...........

Arco amarelo (faixa de operação com cautela)

................140

à 115 MPH à 171 MPH

Linha vermelha (faixa de operação nunca exceder)

...................171

MPH

Cherokee 180 Arco verde (faixa de operação normal)

..............................66

à 129 MPH

Arco branco (faixa de operação com flaps)

................145

à 115 MPH

...........

Arco amarelo (faixa de operação com cautela)

à 178 MPH

Linha vermelha (faixa de operação nunca exceder)

...................178

MPH

VNO ‐ Velocidade máxima estrutural de cruzeiro 180 = 144 MPH .......... 140 = 140 MPH

31

VNO ‐ Velocidade máxima estrutural de cruzeiro 180 = 144 MPH .......... 140 = 140 MPH
VELOCIDADE DE ESTOL FLAP 0° = 64 MPH VELOCIDADE DE ESTOL FLAP FULL = 55 MPH

VELOCIDADE DE ESTOL FLAP 0° = 64 MPH VELOCIDADE DE ESTOL FLAP FULL = 55 MPH

VELOCIDADE DE ESTOL EM CURVA

VELOCIDADE DE ESTOL FLAP 0° = 64 MPH VELOCIDADE DE ESTOL FLAP FULL = 55 MPH

2.5.2 Velocidade de operação com segurança Descolagem 140

Normal Flap

MPH

Curta Flap

65 MPH

Subida Flap

85 MPH

VELOCIDADE DE ESTOL FLAP 0° = 64 MPH VELOCIDADE DE ESTOL FLAP FULL = 55 MPH

32

VELOCIDADE DE ESTOL FLAP 0° = 64 MPH VELOCIDADE DE ESTOL FLAP FULL = 55 MPH

Melhor razão de subida Flap

85 MPH

Melhor ângulo de subida Flap

70 MPH

Pouso 140

Aproximação para pouso sem

85 MPH

Aproximação para pouso flap

MPH

Aproximação para pouso flap

MPH

Aproximação para pouso flap

MPH

MPH

Planeio Flap

MPH

Melhor razão de

MPH

Descolagem 180

Normal Flap

MPH

Curta Flap

70 MPH

Subida Flap

90 MPH

Melhor razão de subida Flap

MPH

Melhor ângulo de subida Flap

75 MPH

Pouso 180 Aproximação para pouso sem

90 MPH

Aproximação para pouso flap

MPH

Aproximação para pouso flap

MPH

Aproximação para pouso flap

MPH

MPH

Planeio Flap

MPH

Melhor razão de

MPH

2.6 Temperatura do óleo

Faixa verde (Operação normal)

C à 120°C

Linha vermelha (Máximo)

de 120°C

Melhor razão de subida Flap 85 MPH Melhor ângulo de subida Flap 70 MPH Pouso ‐

33

Melhor razão de subida Flap 85 MPH Melhor ângulo de subida Flap 70 MPH Pouso ‐
Faixa verde (Operação normal) ‐ Linha vermelha (Máximo) ‐ C à 118°C de 118°C 2.7 ‐
Faixa verde (Operação normal) ‐
Linha vermelha (Máximo) ‐
C à 118°C
de 118°C
2.7
‐ Pressão do óleo
Faixa verde (Operação
Faixa amarela (Operação com cautela) ....................
Faixa vermelha (Mínimo) ...............................
Faixa vermelha (Máximo)
................................................acima
a 90 PSI
a 60 PSI
25 PSI
de 90 PSI
SEÇÃO 3 ‐ PROCEDIMENTOS NORMAIS
3.1
‐ Generalidades
Esta seção apresenta procedimentos de operação normal do avião de
acordo com o manual original da aeronave. Contém as velocidades de
operação com segurança, o detalhamento dos procedimentos normais
e a lista de verificações.
3.2
‐ Inspeção pré‐vôo
Antes de iniciar um vôo devemos realizar a inspeção pré‐vôo na
aeronave e devemos checar os seguintes itens:
1° ‐ Condições meteorológicas
2° ‐ Peso e balanceamento
3° ‐ Notificação de vôo ou plano de vôo
34

Documentos à bordo da aeronave em vôo segundo RBHA91

Licença dos pilotos (alunos quando possuir) Certificado medico aeronáutico “CMA” Válido Certificado de matricula Válido Certificado de aeronavegabilidade Válido Ficha de peso e balanceamento da aeronave Manual de vôo (operações) Lista de verificações (checklist) NSCA 313 expedido pelo CENIPA Diário de bordo Apólice de seguro (aceito somente com o comprovante de pagamento) Licença de estação de aeronave expedida pela ANATEL Ficha de inspeção anual de manutenção FIAM / FIEV Certificado de homologação suplementar CHST Registros de modificações e reparos incorporáveis à aeronave, motor ou hélice

3.2.1 Inspeção prévôo da aeronave

4° ‐ Documentos à bordo da aeronave em vôo segundo RBHA ‐ 91 ‐ Licença dos
4° ‐ Documentos à bordo da aeronave em vôo segundo RBHA ‐ 91 ‐ Licença dos

35

4° ‐ Documentos à bordo da aeronave em vôo segundo RBHA ‐ 91 ‐ Licença dos
 

3.2.1.1 Inspeção interna da aeronave

 
  • 1 Freio de

 

...........Aplicados

 
  • 2

..................OFF

Chave de

  • 3 partida.................. .................. ................

...............Desligada

  • 4 eletrônicos.................. ................ ..............

Equipamentos

.............OFF

  • 5 Mistura............... .................. .................. ..................

...............Cortada

  • 6 Flaps..................... ................ ................ ................ ..............

.............Full

  • 7 Liquidometros...........................Verificar

quantidade de combustivel

  • 8 Master.................. .................. .................. ..................

..................OFF

  • 9 Comandos de voo

 

operação

  • 10 Compensadores.............Verificar

operação e posicionar em neutro

  • 11 Cintos.............................

condições e travamento

  • 12 Janelas.................................. ..................

limpeza

  • 13 Documentos.................. ............................

à bordo

3.2.1.2 Inspeção externa da aeronave

   

Asa direita

   
  • 1 superfícies..........Ausência

Condições das

(gelo/neve/deformações)

  • 2 articulações.................. ................ ................

Flap e

................Verificar

  • 3 articulações................................. ..............

Aileron e

..............Verificar

  • 4 Descarregadores de estática

................Verificar

  • 5 luzes................................ ................

Ponta de asa e

...............Verificar

  • 6 combustível......................................Verificar

Tanque de

quantidade

Dreno do

  • 7 tanque.................. .................. ..................

.................Drenar

  • 8 Amarração................

.............................................................Remover

  • 9 Trem de pouso

 

.............Verificar

  • 10 Carenagem..............

Pneu e

Verificar estado e marcação vermelha

  • 11 Freios..............

(tubulação/disco/pastilhas)

Entrada de

  • 12 ar............... ..................

...............................Desobstruída

 

36

36
 
   
   
 
 

Nariz

 

1

Condições

...............Verifique

2

...............Limpo

3

Capota do

.............Abrir

4

(vazamentos / mangueiras / cabos / etc ) ..

5

quantidade

6

Vareta de nível de

adequadamente

7

Hélice, carenagem e cubo......................................................Verificar

8

Entrada de

................................Desobstruída

9

Correia do

a tensão

10

Farol de

Verificar

11

distensão normal

12

Trem de pouso do

Verificar estado e marcação vermelha

13

Capota do

................Travada

14

Dreno do filtro de

...............Drenar

 

Asa esquerda

   

1

Condições das

(gelo/neve/deformações)

2

Flap e

................Verificar

3

Aileron e

..............Verificar

4

Descarregadores de estática

................Verificar

5

Ponta de asa e

...............Verificar

6

Tanque de

quantidade

7

Tubo de

a capa e inspecione desobstrução

8

Buzina de alarme de

.............Desobstruída

9

Dreno do

.................Drenar

  • 10 Amarração................... ............................ ..............

..............Remover

  • 11 Trem de pouso

............Verificar

  • 12 Carenagem..............

Verificar estado e marcação vermelha

Pneu e

  • 13 Freios..............

(tubulação/disco/pastilhas)

Entrada de

  • 14 ar............... ..................

...............................Desobstruída

 
37

37

37
 
 

Cone de cauda

 

1

...............Verificar

 

2

Ausência (gelo/neve/deformações)

3

...............Verificar

4

Carenagens e janela de

 

............Verificar

5

Condições das

 

(gelo/neve/deformações)

6

Luzes de

 

.............Verificar

7

Estabilizador e

 

................Verificar

8

Leme de

 

................Verificar

9

................Remover

3.3 Acionamento

   

Para o acionamento devese posicionar a aeronave de forma que o ar vindo da hélice não jogue poeira nos espectadores, outros aviões ou penetre no hangar.

1

Freios

...............................................

....................................Aplicados

 

2

...............Removidos

3

e travados

4

Cintos e

 

..............Ajustados

5

Seletora de

 

mais cheio

6

Ar

 

.............................................................FECHADO

7

Disjuntores e

 

armados

8

Rádios e

 

..................OFF

9

Trava da manete de

 

........................Livre

10

Máster

................

 

................

.............ON

11

Luz

..............ON

12

Bomba de

   

...............ON

13

..............Rica

14

Manete de

 

Injetadas com motor frio

15

Bomba de

 

..............OFF

16

Manete de

(+/1,5 cm)

 

38

38
 
       
   
 

17

................AMBOS

 

18

Área da

.............Livre

19

Motor de

...............Acionar

20

Manete de

e depois levar a 1000

 

Após Acionamento

   

1

Pressão do

 

Faixa verde

2

..............ON

3

..............Checar

4

/ Sintonizados

5

/ Cód. 2000

Partida com motor quente

 

Mesmo procedimento anterior, porém, iniciar direto com o starter e caso não acionar dar uma injetada no manete de potência.

 

Motor acionou, reduza potência e cheque a pressão de óleo, se em 30 segundos não houver indicação correta de pressão, corte o funcionamento do motor pela mistura, caso houver indicação correta de pressão, levar a potencia à 1000 RPM.

Aquecer o motor à 1000 RPM. Neste regime a bomba de óleo trabalha de forma eficiente e a hélice fornece uma corrente de ar suficiente para a refrigeração do motor, para que o mesmo não se aqueça excessivamente. Não trabalhar o motor antes que o óleo chegue na sua temperatura apropriada.

3.4 Rolagem

 

Consiste no movimento do avião sobre o solo também chamado de taxi.

 
 
39

39

39
 
 

Use a manete de potencia suavemente durante a rolagem, a rotação do motor deve ser apenas suficiente para locomover o avião lentamente, a uma velocidade que corresponda a de uma pessoa andando. Caso houver perigo de colisão, aplicar os freios com suavidade e desligue na mistura. Conserve a mão sempre sobre o manete de potência.

 

Táxi

   

1

Área de

.................Livre

2

Manete de

lentamente

3

................Verificar

4

Comando direcional

 

..............Verificar

3.5 Cheque de cabeceira

   

De acordo com o cheque de cabeceira, é obrigatório verificar cada item sem pressa e na ordem descrita no checklist. Mantenha o checklist na altura dos olhos para uma visualização adequada.

Cheque de cabeceira

   

1

Freio de

............Aplicado

2

Manete de

RPM

3

Seletora de

mais cheio

4

Comandos de

 

e correspondente

5

posições e ajustar flap 10°

6

em NEUTRO

7

Pressão / Temperatura do

 

verde

8

Manete de

RPM

9

   

/ RICA 2x

10 Manete de

RPM

 

40

40
 
     
   
 
  • 11 Quente............... ..............

Ar

se há queda de RPM

  • 12 Magnetos.........Queda

máx. de 175 RPM / Diferença máx. 50 RPM

 

  • 13 Sucção.............................. ................

4.8 e 5.2

  • 14 potência.........Reduzir/Marcha

Manete

lenta entre 550 e 750 RPM

  • 15 potência..........................................................1000

RPM

Manete de

  • 16 Altímetro............................... ................ ................

...............Ajustado

  • 17 Velocímetro................. ............................

/ Ajustado

 
  • 18 Bank................. .............................. ..............

Turn e

..............Verificar

  • 19 janelas.................. ................

Portas