Você está na página 1de 3

Vale Fertilizantes cria Gerência de Saúde

Higiene Ocupacional e capacita
profissionais próprios
Gestão implantada
Vale Fertlizantes cria Gerência de Saúde Higiene
Ocupacional e capacita profissionais próprios
Nem sempre os riscos que um ambiente de trabalho apresenta são visíveis, o que pode
dificultar sobremaneira uma atuação preventiva. Como os possíveis focos de infortúnios
não estão à vista, o trabalhador não os percebe e às vezes nem os profissionais que
deveriam zelar pela SST. A área da Higiene do Trabalho se ocupa em pensar nessas
questões e em antecipar e controlar fatores ambientais que possam causar enfermidades
aos funcionários de uma empresa.
Atuando na produção de fertilizantes químicos, a Vale Fertilizantes tem na Segurança
do Trabalho e HO (Higiene Ocupacional) uma grande preocupação. Desse modo,
agregou à Gerência Geral de SSMA (Saúde, Segurança e Meio Ambiente), em 2011, a
Gerência de Saúde e Higiene Ocupacional. A medida não significou apenas mais um
setor em uma grande empresa, mas sim a implantação de um processo corporativo de
gestão de Higiene Ocupacional nas unidades da Vale Fertilizantes, descentralizando a
preocupação sem descuidar da padronização das práticas e acompanhamento dos
resultados. O trabalho concedeu à empresa o prêmio de Melhor Case em Higiene
Ocupacional no Prêmio Proteção Brasil 2013.
Na Vale Fertilizantes, entre os riscos potenciais para os empregados, estão as exposições
aos agentes ambientais físicos, químicos e biológicos. Eles estão presentes nos
ambientes e podem ser nocivos à saúde do trabalhador em função de sua natureza,
concentração ou intensidade, além do tempo de exposição. "Agentes ambientais como
ruídos, gases, calor e poeira estão entre os analisados pela área. Dessa forma, o
especialista, por meio de avaliação desses fatores e da implementação de medidas de
controle, pode alterar as condições de trabalho do empregado, visando sua saúde e bem
estar", explica o engenheiro higienista Alan Carlos de Castro Carvalho, coordenador
técnico de Saúde e Higiene Ocupacional da Vale Fertilizantes. "Monitorar e controlar os
riscos ambientais (químicos, físicos e biológicos) e preveni-los é essencial para termos
um ambiente seguro e saudável", reflete.

atendimento à legislação e principalmente a proteção da saúde do empregado". que já conhecem a cultura da empresa. a padronização dos documentos. análise de risco. todos os GHEs já tinham sido mapeados. qualidade do ar. fisiologia. toxicologia. elaboração de diretrizes. IN COMPANY Nada melhor que destinar esses cargos a profissionais da própria Vale Fertilizantes. Atualmente no Brasil há uma carência destes profissionais no mercado". visando alinhar planos de ação e outras questões. . "O custobenefício para a implantação de um processo corporativo de HO é compensado com a diminuição do risco. O objetivo é identificar situações que afetam potencialmente a saúde e o bem-estar dos empregados. Capacitado e locado.Com o engenheiro da área coordenando o setor. agentes químicos. Entre as ações. "Grande quantidade dos profissionais que estão atuando como técnicos em HO foram remanejados da área da Segurança do Trabalho. foi contratada assessoria de renome que promoveu uma capacitação in company. passou-se a Incluir itens de Higiene Ocupacional no planejamento estratégico de SSMA. A conscientização sobre a importância do trabalho é constante. taxa de absenteísmo e outros. Também até o final daquele ano foram finalizadas as APR-HO (Análises Preliminares de Risco para Higiene Ocupacional). diz. conta Carvalho. que são depois reportadas às gerências das áreas. Por isso. que planejam a diminuição do limite de exposição ocupacional. Entre os conteúdos abordados estão legislação. composta por cinco módulos de 40 horas. desenvolvimento de campanhas e programas de controle e implantação do programa de formação em todas as unidades. que tem a responsabilidade de apoiar o cumprimento do padrão corporativo de Higiene Ocupacional de sua unidade. Ele explica que em uma iniciativa conjunta da Gerência de Higiene Ocupacional com a Gerência de Educação e Sourcing. Há um cronograma anual de inspeções. o que gerou uma vantagem técnica. Ainda no ano de 2012. A partir daí cada unidade operacional da empresa deveria contar com um técnico em HO. que aconteceram no decorrer de 2012 e 2013. o técnico em Higiene Ocupacional se une a um representante da área de Saúde Ocupacional para realizar inspeções mensais em sua unidade de trabalho. radiações ionizantes e outros. gerencial e econômica. reflete Carvalho. "A área está em fase de divulgação aos gestores e demais empregados quanto aos seus reflexos no dia a dia". Também são realizadas mensalmente reuniões com o grupo técnico de HO. conservação auditiva. foi necessário investir na formação desses profissionais. o setor já acompanha novos indicadores e metas. foram listados o mapeamento dos Grupos Homogêneos de Exposição (GHE). A partir disso.

Case: Implantação do processo corporativo de Gestão de Higiene Ocupacional nas unidades da Vale Fertilizantes Empresa: Vale Fertilizantes .Cubatão/SP Prêmio: Melhor Case em Higiene Ocupacional .