Você está na página 1de 3

1- Quando e como foi seu primeiro contato com Performance?

Acho que há pouco mais de dez anos tenho um interesse “performativo” que se
emaranha nas hibridezes entre vida, política, arte, contracultura... o meu contato
continua sendo através dessa hibridez, agora também com um envolvimento em
pesquisas que estão vinculadas a meus estudos na área de audiovisual e novas mídias...
2- De onde surgiu a ideia de interligar novas mídias e performance?
A ideia surgiu no processo de chegar a percepção de que a performance surge de um
desejo interventivo no cotidiano, que passa a ser experienciado com a consciência do
potencial performativo de gerar deslocamentos de várias ordens, módulos, modos e
métodos. Essa intervenção, a performance, pode ter as dimensões orgânicas do corpo e
seu espaço peripessoal, a dimensão do concreto das ruas de uma cidade, a dimensão
matemática (01100101010) das redes e esferas do ciberespaço ou a dimensão das
paredes de uma galeria ou de um espaço cultural.
3- Teve algum artista como referência?
Sim... há um tempo tinha o desejo de realizar alguma experimentação tendo como
referência e influência o trabalho de Otávio Donasci, que já era corpo-vídeo antes
mesmo de que eu fosse um embrião. Depois conheci o trabalho de Natalie Bookchin
com suas vídeoinstalações, e envolvido em um processo de pesquisa, reconheci a
possibilidade de iniciar experimentações que contemplavam um desejo de corporificar
múltiplos módulos de percepção, brincando com desejos críticos, políticos, teóricos.
4- Foram usados métodos, experimentos ou uma pesquisa científica para a
construção de ''Futuro Mendigado''?
A concepção do projeto se deu enquanto realizava a pesquisa para meu TCC em
Audiovisual e Novas Mídias, que foi uma pesquisa baseada em arte titulada Corpos
militarmente fardados e armas de eletrochoque: uma reciclagem de vídeos do Youtube
(https://vimeo.com/131603476). Teoria e instalação se alimentam retroativamente nessa
pesquisa em que a corporificação militar em rituais masoquistas é investigada na sua
relação com espacialidade e produção de imagens na contemporaneidade. Lá, citei e
refleti sobre conexões diferentes entre masculinismo, heteronormatividade, imagem,
espaço e masoquismo em um ritual militarizado de dor com armas de eletrochoque. A
série Futuro Mendigado é outra coisa, não está nessa pesquisa, mas é resíduo dela, ou é
um braço que se formou a partir dela. Na verdade, Aspectos que não cabiam ser
aprofundados no TCC eu direcionei para serem aprofundados no processo dessa série. A
série tem 7 mash-uperformances que foram apresentadas ao vivo, cada uma poderia ter
um aprofundamento em si, mas no processo da série até o momento que respondi a
entrevista escrevi dois artigos apenas: “Artquivista: performatividade material em
experiência com arquivo digital audiovisual” e “Apropriação em práticas artísticas com
novas
mídias:
o
corpo
e
o
ciberespaço
em
performance.”. Não separo muito teoria e prática, mas sei que as vezes um processo de
caráter mais teórico tem uma temporalidade diferente de um processo prático e nem
sempre a teoria vai ter tempo de acompanhar ritmos da prática... nem precisa ficar

que restringe a pessoalidade aos seres humanos. pior ainda.. meu interesse performativo se emaranha nas hibridezes entre vida. que não os da espécie humana. algumas fotos são entregues ao público. para um igualmente questionável antropomorfismo (ou. Ou seja. além dos naturais.. É um mash-up de vídeos do Youtube de papagaios cantando canções cristãs. política. 5. impregnados como são de nossa bagagem cultura. Podemos considerar ''Futuro Mendigado'' como uma ação/política? Ela tem uma proposta/mensagem específica? Como mencionei antes. melhor que descrever. que são no ocidente comumente identificados com a condição de "humanidade". podem ser agentes conscientes e dotados de intenção.. enquanto há um som com frases repetitivas(esqueci o que o papagaio fica repetindo. vai um frame: A ação da performance consistiu em 1) entrar no espaço segurando um cofrinho verde coberto com um fio de cabo eletroluminiscente azul 2) conseguir abrir o segredo do ." (em O que é um animal? de Tim Ingold)” Quanto ao vídeo. nem noiar também quanto a prática simplesmente ficar um pouco escassa e talvez a pessoa tenha que ir se alimentar de alguma outra coisa. Antes de abrir a performance. arte.No decorrer da performance. devemos também atribuir-lhes poderes pessoais.. contracultura e teoria. acrescente se puder) e um vídeo( se puder explicar qual o vídeo) é exibido através de um projetor.] em qualquer investigação sobre a "humanidade animal" certamente corremos o risco de saltar de um antropocentrismo cartesiano questionável. rola a seguinte citação: “Ao se se aceitar que outros animais. específica de nossa espécie. O título dessa performance é “Etnomorfismo Pós-Laico”. etnomorfismo) que simplesmente transporta para as mentes animais os pensamentos e sentimentos que reconhecemos em nós mesmos.noiada por isso. somos forçados a reconhecer que eles encarnam atributos de pessoalidade. Todavia [. contendo figuras do cenário político atual.

as queimar ou dar o isqueiro para que as pessoas queimassem. B.) . e delineou uma velha ideia de concepção ocorrendo através da orelha.cofrinho no escuro 3) retirar de dentro do cofrinho sete fotos enroladas em fitas amarelas de cetim 4) entregar essas fotos para sete pessoas que estavam no espaço 5) retornar a cada uma e. através da Palavra. é um projeto de valor e desejo que mantenham continuidade . os papagaios frequentemente servem como mensageiros ou intermediários entre humanos e deuses por conta de sua falabilidade. Uma interpretação curiosa. Agradeço a equipe que articula o evento. Isso ocorreu porque o papagaio estava associado com o Oriente exótico onde ocorreu a Anunciação. Claro que essa não é a minha interpretação. 7. Voltei com sede de ver performance. que é válida para a compreensão do trabalho. esse possui edital de ocupação nessa modalidade (esse ano a série Futuro Mendigado entrou no de Performance Multimídia) e depois do Convergência passei a prestar ainda mais atenção em quando vai rolar uma. mas acho que corro da ideia de mensagem específica. seria a de que o Cyborg é uma criatura do inferno e veio anunciar o destino que está guardado para esses políticos. foi massa ver uma variedade de performances de forma intensa nesse calor tenso de Palmas.. com as fotos desenroladas e visualizadas. Continuum Encyclopedia of Animal Symbolism in World Art.. mas uma grande parte de evidências coloquiais sugerem que eles usam as palavras apropriadas à uma variedade de situações. Haviam diálogos interessantes entre os trabalhos apresentados e conhecimentos vários corporificados a circular pelo espaço.] a habilidade de um papagaio de falar resultou nesse ter se tornado um símbolo da Imaculada Concepção na Arte cristã. Eai vou acrescentar outra citação pra dar mais pano para a manga de qualquer leitura: “o fato de que papagaios ‘falam’ contribuiu para a sua significância simbólica. é uma série de ações que têm a intenção de transitar entre espaços variados.Pretende aprofundar ou dar sequência à ''Futuro Mendigado''? Sim. [. 2006. nessa vibe neomedieval. mas não tem nenhum evento em performance especificamente e com essa intensidade do Convergência. Na mitologia mundial..Como foi sua experiência no Convergência? E como é retornar pós festival de performance? Ah. Algumas fontes declaram categoricamente que papagaios não entendem o que dizem..) 6.” (WERNESS. Aqui em Fortaleza acontece ocasionalmente em espaços culturais como o CCBNB ou o Dragão do Mar. a minha interpretação está entre outras interpretações possíveis. .