Você está na página 1de 14
CCV COORDENADORIA DE CONCURSOS RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO ESPECIALIDADE: Medicina Intensiva (R3) Área de Atuação em
CCV COORDENADORIA DE CONCURSOS RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO ESPECIALIDADE: Medicina Intensiva (R3) Área de Atuação em

CCV

COORDENADORIA

DE CONCURSOS

RESIDÊNCIA MÉDICA 2013

CADERNO-QUESTIONÁRIO

ESPECIALIDADE: Medicina Intensiva (R3) Área de Atuação em Nutrição Parenteral e Enteral

PRÉ-REQUISITO: MEDICINA INTENSIVA

Data: 20 de janeiro de 2013. Duração: 04 horas

Coloque, de imediato, o seu número de inscrição e o número de sua sala nos retângulos abaixo.

Inscrição

Sala

CCV COORDENADORIA DE CONCURSOS RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO ESPECIALIDADE: Medicina Intensiva (R3) Área de Atuação em
CCV COORDENADORIA DE CONCURSOS RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO ESPECIALIDADE: Medicina Intensiva (R3) Área de Atuação em
CCV COORDENADORIA DE CONCURSOS RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO ESPECIALIDADE: Medicina Intensiva (R3) Área de Atuação em

01.

Mulher asmática de 35 anos chega ao pronto socorro com crise devido a um quadro de gripe. Ao exame físico, apresentava-se inicialmente sonolenta, porém ainda orientada e responsiva aos estímulos. A SpO 2 era de 85% em ar ambiente, elevando-se até 92% com máscara de Venturi a 40%. Após 3 inalações seguidas de beta-2 agonista (2,5 mg/dose) e administração de corticoide IV, não apresentou melhora clínica, evoluindo com quadro de torpor. Uma gasometria arterial mostrou: pH:7,35, PaCO 2 :44mmHg,

PaO 2 :58mmHg, SaO 2 :88% em uso de máscara de Venturi a 50%. Qual a conduta emergencial indicada ante a evolução da paciente?

  • A) Troca da máscara de Venturi por máscara de reservatório.

  • B) Inaloterapia por máscara oronasal com CPAP de 10cmH 2 O.

  • C) Intubação orotraqueal imediata com cânula número 8,0mm.

  • D) Ventilação não invasiva (dois níveis de pressão), FIO 2 de 60%.

  • E) Ventilação não invasiva (dois níveis de pressão), FIO 2 de 100%.

  • 02. Mulher de 70 anos, grande fumante, foi admitida na UTI intubada, sedada, em ventilação mecânica com a seguinte gasometria arterial: pH:7,35, PaCO 2 :56mmHg, PaO 2 :79mmHg, HCO 3 -:29mEq/l, SaO 2 :95%. Encontra-se no modo pressão controlada com ciclagem a tempo, frequência programada de 15 ciclos respiratórios por minuto. As curvas de ventilação mecânica (fluxo e pressão-tempo) são apresentadas na figura abaixo.

01 . Mulher asmática de 35 anos chega ao pronto socorro com crise devido a um

Entre o 4 o e 5 o ciclos foi feita uma manobra de pausa expiratória (o tempo de registro da curva é de aproximadamente 30 segundos). O volume corrente exalado era de 480ml. Altura da paciente: 1,65m. Qual a conduta recomendada quanto ao suporte ventilatório?

  • A) Reduzir a PEEP.

  • B) Aumentar a PEEP.

  • C) Aumentar o fluxo inspiratório.

  • D) Reduzir a frequência respiratória.

  • E) Aumentar o nível de pressão inspiratória.

  • 03. Um paciente de 55 anos, portador de insuficiência cardíaca congestiva há cerca de 4 anos, foi admitido no hospital com quadro de hipotensão súbita e dispneia. O ECG mostrou sinal de S1Q3T3 com frequência cardíaca de 115 bpm, e um ecodopplercadiogram de urgência demonstrou dilatação de câmaras cardíacas direitas e pressão arterial pulmonar sistólica estimada em 60mmHg, além de fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) de 32%. Exame ecocardiográfico de um ano atrás não evidenciava hipertensão arterial pulmonar e a FEVE era de 34%. Verificou-se ainda a presença de trombo intracavitário no ventrículo direito. O paciente evoluiu com choque, mesmo após prova de volume e infusão de dobutamina IV, sendo intubado e mantido em ventilação mecânica. Qual droga é a mais indicada para tratamento do quadro agudo do paciente ?

    • A) alteplase.

    • B) heparina.

    • C) vasopressina.

    • D) fondaparinux.

    • E) noradrenalina.

04. Um paciente de 40 anos foi admitido na UTI, vítima de politrauma com múltiplas fraturas de ossos longos, corrigidas cirurgicamente, evoluindo com choque hipovolêmico e necessidade de infusão venosa de cristaloides e de noradrenalina. Instituiu-se monitorização hemodinâmica com o cateter de Swan-Ganz. O quadro se estabilizou após 24h, contudo o paciente apresentou hipotensão arterial súbita na evolução. As medidas hemodinâmicas antes e logo após este episódio são apresentadas na tabela abaixo.

Parâmetro

Antes

Logo após o episódio

Frequência Cardíaca (bpm)

100

120

Pressão Arterial Média (mmHg)

 
  • 70 55

Pressão Venosa Central (mmHg)

 
  • 10 22

Pressão Arterial Pulmonar (mmHg) média

 
  • 20 55

Pressão de Oclusão da Artéria Pulmonar (mmHg)

 
  • 15 14

Índice cardíaco (l/min/m 2 )

2,8

1,8

Dose de noradrenalina (microgama/kg/min)

1,0

1,0

Além disso, verificou-se piora da oxigenação arterial e da SvO 2 central. O exame de raios X de tórax não revelou qualquer anormalidade. O ECG mostrou apenas taquicardia sinusal. Qual das drogas ou soluções abaixo deve ser administrada de imediato a paciente?

  • A) Heparina IV.

  • B) Nitroglicerina IV.

  • C) Hidrocortisona IV.

  • D) Solução de Coloides IV.

  • E) Solução de Cristaloides IV.

05. Um fisioterapeuta chama a atenção de um médico de plantão em uma UTI para as curvas de ventilação mecânica obtidas no modo assistido/controlado com ciclagem a volume de um paciente que foi intubado devido à depressão do nível de consciência após um acidente vascular cerebral. Analise atentamente a figura baixo.

04 . Um paciente de 40 anos foi admitido na UTI, vítima de politrauma com múltiplas

Qual a explicação adequada para o que ocorreu nos 4 ciclos respiratórios?

  • A) Todos os ciclos foram disparados pelo paciente, sendo, portanto, classificados como assistidos.

  • B) O paciente não conseguiu disparar os três primeiros ciclos apesar de intenso esforço muscular respiratório.

  • C) O esforço muscular respiratório do paciente foi crescente nos três primeiros ciclos, seguindo-se um ciclo controlado.

  • D) Houve mal funcionamento do ventilador com vazamentos nos três primeiros ciclos com correção do problema no quarto.

  • E) A sensibilidade estava mal ajustada dificultando o disparo nos três primeiros ciclos e gerando um autodisparo, no quarto ciclo.

06.

Um paciente que havia sido intubado há 9 dias por exacerbação de DPOC segue em desmame do suporte ventilatório mecânico, confortável, em ventilação com pressão de suporte de 8cmH 2 O, PEEP de 5cmH 2 O e FIO 2 :25%. Ao se realizar um primeiro teste de respiração espontânea em tubo T, verificou-se que ele apresenta elevação da frequência respiratória de 25 para 37 irpm, da frequência cardíaca de 95 para 125 ppm, além de agitação e sudorese profusa aos 20 minutos do teste. Que conduta é recomendável, dentre as alternativas abaixo?

  • A) Retornar a ventilação com pressão de suporte, repetir o teste em 24h.

  • B) Retornar a ventilação com pressão de suporte e repetir o teste após 8 a 12h.

  • C) Extubar e adaptar o paciente à ventilação não invasiva com dois níveis de pressão.

  • D) Sedar o paciente, manter em modo assistido/controlado e indicar novo teste após 48h.

  • E) Retornar a ventilação com pressão de suporte, porém em níveis mais altos e indicar traqueostomia.

  • 07. Uma mulher de 19 anos foi ejetada de seu carro depois de uma colisão com um veículo. Ela é encontrada de bruços com ferimentos múltiplos, incluindo lesão cerebral traumática, fraturas de costela e esterno e contusões pulmonares. Ela foi intubada e levada ao pronto-socorro e, posteriormente, levada imediatamente para a sala de cirurgia. Recebeu 10 unidades de concentrado de hemácias, 7 unidades de plasma fresco congelado e plaquetas agrupadas, além de 7 litros de cristaloide. Na avaliação na UTI, ela apresenta a seguinte gasometria arterial: pH:7,35, PaO 2 :100mmHg, PaCO 2 : 44mmHg, SaO 2 : 95% com uma FIO 2 de 40% e PEEP:8cmH 2 O. A radiografia de tórax mostra opacidades difusas bilaterais. Desenvolveu episódios de hipotensão, e um ecocardiograma foi realizado mostrando um ventrículo esquerdo hiperdinâmico e ausência de derrame pericárdico. Qual o diagnóstico para o quadro pulmonar da paciente segundo a Definição de Berlim para Síndrome da Angústia Respiratória Aguda?

    • A) Lesão Pulmonar Aguda.

    • B) Síndrome da Angústia Respiratória Aguda leve.

    • C) Síndrome da Angústia Respiratória Aguda grave.

    • D) Síndrome da Angústia Respiratória Aguda moderada.

    • E) Síndrome da Angústia Respiratória Aguda de origem extrapulmonar.

  • 08. Um paciente de 70 anos, hepatopata, foi admitido na UTI devido a sangramento digestivo maciço e choque. Evoluiu com insuficiência renal aguda e necessidade de diálise, além de lesão pulmonar aguda por aspiração de conteúdo gástrico. Devido à extrema dificuldade de adaptação do paciente ao ventilador pulmonar mecânico, foi indicada sedação profunda e uso de bloqueador neuromuscular. Qual dos fármacos abaixo é o mais indicado para este paciente?

    • A) Rocurônio.

    • B) Cisatracúrio.

    • C) Vencurônio.

    • D) Pancurônio.

    • E) Succinilcolina.

  • 09. Um paciente foi admitido com quadro de infarto agudo do miocárdio extenso. Foi medicado com analgésicos e evoluiu com depressão do nível de consciência, sendo sedado, intubado e mantido em ventilação mecânica. Logo após, o alarme de pico de pressão máxima foi acionado diversas vezes no ventilador e, ao exame físico, verificou-se intensa rigidez muscular difusa ao longo do tórax e abdome. Qual dos fármacos abaixo, mais provavelmente, deve ter sido a causa deste quadro?

    • A) Morfina.

    • B) Fentanil.

    • C) Propofol.

    • D) Meperidina.

    • E) Succinilcolina.

  • 10. Mulher, 50 anos, hipertensa, apresentou episódio de cefaleia de início súbito, de forte intensidade, associada a náuseas, vômitos e fotofobia. Cerca de doze horas após o início do quadro, realizou tomografia de crânio que foi normal e punção lombar que mostrou líquido cefalorraquidiano xantocrômico. Qual estratégia, com melhor evidência científica, deve ser tomada durante o início do internamento na UTI?

    • A) manter punção lombar diária.

    • B) iniciar corticosteroide em doses elevadas.

    • C) introduzir anticonvulsivantes profilaticamente.

    • D) administrar antibióticos endovenosos nos primeiros 45 minutos.

    • E) reduzir a pressão arterial sistólica para níveis abaixo de 160 mmHg.

  • 11. Um paciente de 45 anos, vítima de acidente automobilístico com trauma torácico sem lesão craniana, foi intubado. No 3 o dia de internação na UTI, verifica-se a presença de infiltrado pulmonar bilateral e difuso em ambos os pulmões. O ecocardiograma era normal. Apresenta a seguinte gasometria arterial e parâmetros do ventilador pulmonar mecânico, respectivamente: pH: 7,36, PaCO 2 : 44mmHg, PaO 2 : 71mmHg, HCO 3 -: 22mEq/l, SaO 2 : 92%, em modo assistido/controlado, ciclado a volume, FIO 2 : 70%, frequência programada de 16 ciclos respiratórios por minuto. As curvas de ventilação mecânica (volume, fluxo e pressão num intervalo de tempo aproximado de 15s) são apresentadas na figura abaixo.

    11 . Um paciente de 45 anos, vítima de acidente automobilístico com trauma torácico sem lesão

    No 1 o ciclo, foi realizada uma manobra de pausa inspiratória. Considere altura do paciente de 1,55m. Que conduta é recomendável quanto aos ajustes do ventilador pulmonar mecânico?

    • A) Redução da FIO 2.

    • B) Aumento da PEEP.

    • C) Redução do volume corrente.

    • D) Aumento da frequência respiratória.

    • E) Instituição de ventilação com pressão-controlada.

    12. Homem de 42 anos, vítima de queda de moto sem capacete, chegou à UTI com colar cervical e tomografia com edema cerebral difuso. Na avaliação inicial, antes da intubação, apresentava escala de coma de Glasgow de 8, postura de decorticação e pressão arterial sistólica de 80 mmHg que melhorou após reposição volêmica. Que estratégia de monitorização é a mais indicada?

    • A) monitorização invasiva da pressão arterial.

    • B) monitorização dos sinais de edema de papila pela fundoscopia.

    • C) monitorização das velocidades de fluxo pelo doppler transcraniano.

    • D) monitorização contínua da pressão intracraniana com cateter de PIC.

    • E) monitorização dos sinais de hipertensão intracraniana pela tomografia de crânio.

    13. Jovem de 25 anos, vítima de atropelamento, com traumatismo cranioencefálico grave há 8 horas, está internado na UTI. Após monitorização neurológica completa e medidas iniciais, está com pressão de perfusão cerebral de 75mmHg e pressão intracraniana de 12mmHg, hemoglobina de 11g/dl, saturação arterial de 92% e PaCO 2 : 32mmHg. Colheu gasometria do cateter de bulbo da jugular que evidenciou uma saturação de 50%. Que estratégia poderá otimizar o tratamento deste paciente?

    • A) Manitol e droga vasopressora.

    • B) Coma barbitúrico e hipotermia.

    • C) Aumento da FIO 2 e hemotransfusão.

    • D) Anticonvulsivante e craniectomia descompressiva.

    • E) Hiperventilação e drenagem do líquor pelo cateter de PIC.

    14.

    Paciente de 70 anos de idade, vítima de isquemia cerebral hemisférica, com edema importante e desvio de linha média, está com monitorização da pressão intracraniana através de cateter de PIC. Além de sedação, analgesia e bloqueio neuromuscular adequado, está mantido sob ventilação mecânica controlada. O registro contínuo da PIC encontra-se abaixo.

    14 . Paciente de 70 anos de idade, vítima de isquemia cerebral hemisférica, com edema importante

    Baseado nesta curva, as estratégias terapêuticas devem ter como objetivo:

    • A) aumentar analgesia para controle da dor.

    • B) controlar os aumentos da pressão intracraniana.

    • C) controlar atividades epilépticas nãoconvulsivas.

    • D) passar ventilação mecânica para modo espontâneo.

    • E) controlar a saturação arterial para garantir extração cerebral de O 2.

    • 15. Homem de 70 anos, com demência associada à doença de Alzheimer, chegou à UTI ainda intubado, após cirurgia de urgência para desobstrução de cólon por tumor. Que medida tem a melhor evidência científica para redução da incidência do delirium?

      • A) Iniciar rivastigmina.

      • B) Prescrever propofol.

      • C) Mobilizar precocemente no leito.

      • D) Evitar prescrição de benzodiazepínicos.

      • E) Manter sob ventilação mecânica controlada.

  • 16. Paciente de 55 anos, em acompanhamento no serviço de neurologia com diagnóstico de miastenia gravis, controlada com uso de piridostigmina, vem há uma semana em uso de ciprofloxacina para infecção urinária. Procurou o hospital com quadro de fraqueza muscular com fasciculações, diaforese e diarreia. Foi internada na UTI e avaliada pela fisioterapia, que identificou pressão inspiratória máxima de -45 cmH 2 O. Qual a conduta a ser tomada?

    • A) Intubação orotraqueal.

    • B) Imunoglobulina intravenosa.

    • C) Troca do antibiótico por amicacina.

    • D) Suspender a piridostigmina por 24 horas.

    • E) Introdução de corticoide em dose elevada.

  • 17. Jovem de 25 anos chegou à UTI com quadro de paralisia flácida ascendente com arreflexia. O quadro se instalou há quatro dias e vem evoluindo progressivamente, atualmente afetando membros inferiores até musculatura proximal de membros inferiores. Realizou punção lombar que mostrou aumento das proteínas no líquido cefalorraquidiano, com celularidade normal. Durante o tratamento com plasmaférese, o paciente apresentou parestesia de membros superiores e região perioral, com contratura de mãos bilateral. ECG revelou aumento do intervalo QT. Qual a conduta a ser adotada?

    • A) Intubação orotraqueal.

    • B) Reposição de fósforo e sódio.

    • C) Reposição de cálcio e magnésio.

    • D) Início de drogas vasopressoras.

    • E) Imunoglobulina endovenosa.

    • 18. Paciente de 68 anos, sem histórico de comorbidades, é trazido de uma clínica geriátrica para a emergência com relato de diarreia volumosa, cerca de 4 evacuações diárias, sem sangue ou muco, há 3 dias. Evoluiu nas últimas 12h com rebaixamento do nível de consciência. Encontra-se ao exame com pele fria e úmida, pouco responsivo aos chamados. Pulsos finos e simétricos. PA: 82x59mmHg, FC: 121 bpm, ausculta pulmonar sem alterações, ECG: taquicardia sinusal. Exames laboratoriais: Na + : 152mEq/l K + : 4.0mEq/l, HCO 3 - : 19mEq/l, Hb: 12g/%. Qual a conduta inicial mais apropriada para o caso descrito?

      • A) Administrar Proteína-C Recombinante Humana.

      • B) Iniciar reposição volêmica com 20-30ml/Kg de cristaloide.

      • C) Iniciar vasopressina para tentar manter a pressão arterial média > 75mmHg.

      • D) Monitorizar o paciente e tentar atingir supranormalização da oferta de oxigênio.

      • E) Iniciar dopamina em doses em doses baixas para proteção renal e aumentar o débito urinário.

  • 19. Homem de 34 anos, sem comorbidades prévias, é admitido na UTI por choque séptico de origem pulmonar (pneumonia comunitária grave). No momento da admissão, encontra-se com febre de 39ºC, sonolento e pouco responsivo. Evolui com hipotensão grave e choque circulatório. Exames laboratoriais:

  • Hb: 13,8g/dl; Leucócitos: 16.000/mm 3 e plaquetas: 112.000/mm 3 . O paciente é monitorizado com cateter de artéria pulmonar. Qual dos padrões hemodinâmicos abaixo é mais condizente com o choque do paciente?

    • A) PA 75/35mmHg; PVC 04mmHg; POAP 06mmHg e DC 8,5L/min.

    • B) PA 80/55mmHg; PVC 21mmHg; POAP 07mmHg e DC 2,5L/min.

    • C) PA 81/62mmHg; PVC 24mmHg; POAP 26mmHg e DC 2,5L/min.

    • D) PA 88/66mmHg; PVC 04mmHg; POAP 06mmHg e DC 2,7L/min.

    • E) PA 100/70mmHg; PVC 14mmHg; POAP 14mmHg e DC 3,5L/min.

    • 20. Um homem de 52 anos é levado para a sala de emergência com queixa de falta de ar, dor no peito e tonturas. A dor torácica aguda começou cerca de 90 minutos atrás. Ele estava trabalhando no quintal no momento e pensou tratar-se de uma distensão muscular. Ele tomou uma aspirina e deitou-se, mas os sintomas pioraram. Ele desenvolveu tonturas e falta de ar. Sua esposa ligou para o SAMU que o transferiu para a emergência. Na chegada, ele estava hipotenso e taquicárdico. Seus sinais vitais na admissão: pressão arterial 75/44 mmHg, FC 132 bpm, FR 24 irpm, e S P O 2 88% em ar ambiente. Ao exame físico está sudoreico. É incapaz de completar frases. Há turgência jugular. AP: crepitações bilaterais. AC: RCR, 2T. Não há edema. As extremidades estão frias, e os pulsos são filiformes. O ECG mostra elevações do segmento ST nas derivações V2-V6. Radiografia de tórax mostra edema pulmonar difuso. Um cateterismo cardíaco de urgência está previsto, e estima-se que o laboratório de hemodinâmica estará disponível em cerca de 45 min. a 1 hora. O paciente permanece hipotenso com uma pressão arterial que é agora 68/38 mmHg, e a saturação de oxigênio caiu para 82% em ar ambiente. Qual é a melhor conduta para a hipotensão do paciente?

      • A) Dobutamina 15mcg/Kg/min.

      • B) Metoprolol 10mg EV em bolus.

      • C) Noradrenalina 0,5mcg/Kg/min.

      • D) Furosemida 2-4mg/Kg EV em bolus.

      • E) Balão de contrapulsação intra-aórtica.

  • 21. Um médico está de plantão na enfermaria e é chamado para avaliar um paciente com pressão arterial elevada. O paciente é um homem de 45 anos sem outras comorbidades prévias. A pressão arterial no momento é de 220x125mmHg, sem diferença entre os braços. O paciente encontra-se assintomático. Ele nega sudorese, cefaleia ou rubor. Não relata dor torácica, dispneia, tontura ou alteração no débito urinário. Ao exame: acordado, orientado e cooperativo, AC: RCR, 2T e AP: MVU s/ RA. Como este paciente deve ser inicialmente conduzido?

    • A) Administrar Atenolol 50mg via oral.

    • B) Administrar Nifedipina 10mg via sublingual.

    • C) Iniciar Nitroglicerina 10mcg/min. via endovenosa.

    • D) Administrar Clonidina 0,2mg a cada 8 horas via oral.

    • E) Iniciar Nitroprussiato de Sódio 2mcg/Kg/min. via endovenosa.

    • 22. Homem de 75 anos, foi internado na UTI para tratamento de pneumonia, em uso de cefepime e clindamicina. Apesar da boa resposta clínica inicial, evoluiu com piora da leucocitose após 10 dias de antibioticoterapia, diarreia aguda aquosa em grande quantidade, vários episódios por dia e febre baixa. Após coleta das fezes para exames, qual a conduta a ser tomada?

      • A) Antidiarreico como loperamida.

      • B) Probióticos com Lactobacillus sp.

      • C) Suporte nutricional com fibra insolúvel.

      • D) Probióticos com Saccharomycescerevisiae.

      • E) Metronidazol 500mg via oral de 8/8 horas.

  • 23. Idoso com 65 anos, em tratamento para pneumonia, evoluiu com insuficiência respiratória aguda, necessitando de suporte ventilatório invasivo. Está no terceiro dia de UTI, em uso de noradrenalina, sob ventilação mecânica e evoluiu com piora da leucocitose e plaquetopenia com 44.000 plaquetas/uL. São os dois fatores de risco mais importantes para sangramento por úlcera de estresse neste paciente:

    • A) sepse e plaquetopenia.

    • B) idade acima de 60 anos e antibioticoterapia ampla.

    • C) pneumonia e permanência acima de três dias na UTI.

    • D) choque circulatório e tempo de permanência acima de três dias na UTI.

    • E) ventilação mecânica por mais de 48 horas e plaquetopenia < 50.000/uL.

  • 24. Paciente de 54 anos, com cirrose por etilismo e infecção por vírus C da hepatite, foi internado na UTI devido à hemorragia digestiva alta. Negou episódios prévios semelhantes. Após intubação para proteção de vias aéreas, foi submetido à endoscopia digestiva alta com ligadura elástica de varizes de grosso calibre com êxito. Que estratégia deve ser tomada para prevenção de ressangramento?

    • A) Nutrição enteral contínua.

    • B) Terlipressina por três a cinco dias.

    • C) Inibidor de bomba de prótons em infusão contínua por 48 horas.

    • D) Tamponamento com balão de Sengstaken-Blakemore por 24 horas.

    • E) Shunt portosistêmico intra-hepático transjugular percutâneo (TIPS).

  • 25. Paciente cirrótico com escore Child-Pugh C, 57 anos, apresentou hemorragia digestiva alta volumosa, tendo sido intubado para proteção de via aérea e colocado sob ventilação mecânica. Após ser levado para UTI, foi submetido à endoscopia digestiva alta e ligadura elástica de varizes esofágicas que ocupavam mais de um terço da luz do esôfago e com tamanho acima de 6mm. Qual a terapêutica recomendada, neste momento, para prevenção de complicações?

    • A) Ranitidina 150mg de 8 em 8 horas.

    • B) Propranolol 40mg de 8 em 8 horas.

    • C) Dinitrato de isosorbida 5mg três vezes por dia.

    • D) Norfloxacina 400mg duas vezes ao dia, por 7 dias.

    • E) Albumina 1,5g/Kg de peso no primeiro dia e 1g/Kg de peso no terceiro dia.

  • 26. Paciente masculino, 60 anos de idade, chegou ao hospital com história de dor abdominal em região epigástrica e aumento da amilase: 1000U/L (referência: até 220U/L) e da lipase:200U/L (referência: até 60U/L). Foi admitido na UTI após reanimação volêmica com quatro litros de solução cristaloide. Os exames iniciais revelaram também uma leucometria da ordem de 12.000 leucóticos/mm 3 , LDH de 250UI/L e uma glicemia de 180mg/dL. Neste caso, é considerado indicador de prognóstico desfavorável:

    • A) idade de 60 anos.

    • B) LDH de 250UI/L.

    • C) amilase acima de 1000U/L.

    • D) leucocitose de 12.000 leucócitos/mm 3 .

    • E) sequestro de fluido da ordem de 4 litros.

    • 27. Paciente de 30 anos, após tentativa de suicídio com queimadura extensa de terceiro grau em tórax e abdome, chega ao hospital taquidispneico (FR:28ipm), taquicárdico (FC:120bpm) e hipotenso (PA: 90x60mmHg). Foi levado à UTI e intubado após queda da saturação arterial. Sob ventilação mecânica, evoluiu nas seis horas seguintes com queda da pressão arterial e oligúria, a despeito da reanimação volêmica generosa (aproximadamente 6 litros de cristaloide). Na monitorização dos múltiplos parâmetros, foi identificada uma pressão intravesical de 23 mmHg. Que terapêutica clínica deve ser utilizada neste paciente?

      • A) Otimizar analgesia.

      • B) Prescrição de procinético.

      • C) Elevação da cabeceira a 45 o .

      • D) Uso de cristaloide isotônico.

      • E) Prescrição de diurético de alça.

  • 28. Um jovem de 21 anos necessitou de hemotransfusão, 4 (quatro) unidades de concentrados de glóbulos, devido à perda maciça de sangue após lesão de artéria femoral por arma de fogo. Cerca de 5 horas após o procedimento, o mesmo apresenta taquidispneia e hipoxemia, sendo intubado. O exame de raios X de tórax evidencia infiltrados pulmonares bilaterais e difusos. Que tratamento é recomendável?

    • A) Plasmaferese.

    • B) Terapia de suporte.

    • C) Furosemida IV.

    • D) Corticoesteroides IV.

    • E) Imunoglobulina IV.

  • 29. Homem de 65 anos com história prévia de trombose venosa profunda há três meses, quando foi anticoagulado com heparina e, em seguida, com warfarina, foi internado para realização de prostatectomia por neoplasia de próstata. No segundo dia de internamento hospitalar, após suspensão de warfarina e já em uso de heparina de baixo peso em doses para anticoagulação, evolui com plaquetopenia de 50.000 plaquetas/uL, sem anemia e com tempo de protrombina e tempo de tromboplastina parcial ativada normais. O hemograma pré-operatório mostrava contagem de plaquetas com 250.000 plaquetas/uL. Qual o exame que ajudará no diagnóstico do quadro acima?

    • A) Mielograma.

    • B) Dosagem de fibrinogênio.

    • C) Dosagem do anticorpo antifosfolipídeo.

    • D) Pesquisa de esquizócitos no sangue periférico.

    • E) ELISA para detecção de anticorpo antifator-4 plaquetário/heparina.

  • 30. Mulher, 50 anos, história prévia de disfagia progressiva de início há três meses, atualmente se alimentando apenas de líquidos, foi submetida à ressecção de tumor gástrico e, em jejum há seis dias, foi iniciada nutrição parenteral devido à intolerância à dieta enteral. Após 48 horas, apresentou fraqueza muscular e obnubilação, evoluindo com insuficiência respiratória e necessidade de suporte ventilatório invasivo. Realizou exames laboratoriais que revelaram ureia: 30mg/dL, creatinina: 6mg/dL, potássio: 3mEq/L, fósforo: 0,7mg/dL, ácido úrico 18mg/dL e sumário de urina com proteína (++), hemoglobina (+++) e hemácias 1/campo. Qual a conduta que poderia prevenir esta complicação?

    • A) Diálise precoce.

    • B) Profilaxia com alopurinol.

    • C) Iniciar nutrição com 50% da necessidade nutricional.

    • D) Administração de solução de glicose e insulina.

    • E) Hidratação generosa no pós-operatório.

  • 31. Paciente de 26 anos, internado na UTI com diagnóstico de pancreatite aguda grave, é submetido à necrosectomia e peritoneostomia. Em nutrição parenteral há cerca de 40 dias, apresenta aumento das enzimas hepáticas e da fosfatase alcalina, com bilirrubinas pouco alteradas (bilirrubina direta: 1,5mg/dL). Apresenta ultrassonografia abdominal com fígado de dimensões aumentadas e homogêneo, vesícula biliar distendida e com paredes finas e ausência de dilatação de vias biliares intra ou extra-hepáticas. Qual a abordagem terapêutica mais adequada?

    • A) Redução da oferta de carboidrato e de calorias totais.

    • B) Colangiopancreatectomia endoscópica retrograda.

    • C) Suspensão da nutrição parenteral.

    • D) Aumento da oferta de lipídeos.

    • E) Colecistectomia.

    • 32. Uma mulher de 29 anos é admitida na UTI após um acidente automobilístico com acometimento importante das pernas. Ela desenvolveu síndrome compartimental, sendo submetida à fasciotomia em ambos os membros inferiores. Evoluiu com insuficiência renal aguda oligúrica. Exames laboratoriais: Hb 9.2g/dl, CPK: 8.500, K: 5,9 mEq/L, Na: 149 mEq/L, HCO 3 : 17 mEq/L. Qual conduta deve ser instituída inicialmente?

      • A) Hemodiálise imediatamente.

      • B) Arteriografia de membros inferiores.

      • C) Bicarbonato de sódio para tratar a hipercalemia.

      • D) Reposição volêmica para promover diurese > 150ml/h.

      • E) Cintilografia de ventilação-perfusão para excluir embolia gordurosa.

  • 33. Mulher de 65 anos, sem comorbidades, no segundo dia pós-operatório de correção de fratura de fêmur bilateral, vítima de acidente automobilístico, evoluiu na última hora com rebaixamento do nível de consciência, desconforto respiratório importante e insuficiência respiratória aguda, necessitando de intubação orotraqueal e ventilação mecânica além de suporte vasopressor por hipotensão refratária à reposição volêmica. Ao exame:rash petequial em região do tronco. PA 82x45mmHg, FC: 126bpm, ECG: taquicardia sinusal. Lavado broncoalveolar: macrófagos alveolares com depósitos de gordura. TC: opacificação bilateral em vidro fosco. Qual o diagnóstico mais provável para o caso descrito?

    • A) Pericardite constritiva.

    • B) Tamponamento cardíaco.

    • C) Síndrome coronariana aguda.

    • D) Síndrome da embolia gordurosa.

    • E) Lesão pulmonar relacionada à transfusão.

  • 34. Homem de 29 anos, admitido na UTI por pancreatite necro-hemorrágica extensa de etiologia alcoólica, com acometimento de 3/4 do pâncreas na TC com contraste, evolui no quinto dia de internação com diminuição da diurese observada nas últimas 12 horas. Encontra-se sedado e analgesiado (RASS 0), em ventilação mecânica com FIO 2 de 45% e SpO 2 de 96%, PAM: 68mmHg sem suporte vasopressor. Abdome distendido, bastante tenso, com ruídos hidroaéreos ausentes, pressão intra-abdominal de 31mmHg. Pulsos periféricos simétricos. Qual a conduta para o caso acima?

    • A) Observar evolução da pressão intra-abdominal.

    • B) Aumentar hidratação venosa de manutenção.

    • C) Cirurgia de descompressão abdominal.

    • D) Diminuição da sedação e analgesia.

    • E) Iniciar bloqueador neuromuscular.

  • 35. Paciente masculino de 42 anos foi resgatado pelo SAMU de um incêndio em uma fábrica de móveis de madeira. Na chegada ao hospital, identificam-se queimaduras importantes em membros inferiores e abdômen. Encontra-se alerta, porém confuso, comunica-se com dificuldade por apresentar rouquidão importante. Ao exame, Glasgow 13 (AO4/RV4/RM5), PA: 110X80mmHg, FC 125bpm, AP: roncos e sibilos. Qual a primeira conduta a ser tomada?

    • A) Tomografia de tórax e abdome.

    • B) Início de antibióticos de amplo espectro.

    • C) Solicitação de parecer da cirurgia plástica.

    • D) Reposição volêmica com coloides sintéticos.

    • E) Intubação orotraqueal para garantir a patência das vias aéreas.

  • 36. Jovem de 17 anos, com história recente de poliúria e polidipsia, vem há 12 horas com náuseas, vômitos e dor abdominal. Chegou ao hospital desidratada, apesar de diurese presente, e com hipotensão leve, a qual respondeu à infusão de1L de soro fisiológico administrado em uma hora. Foi levada à UTI, onde realizou exames que revelaram glicemia: 400mg/dL, potássio: 3,2mEq/L, Na:143mEq/L e gasometria arterial com pH:7,1. Qual medida que deve ser feita neste momento?

    • A) Indicar diálise para correção da acidose.

    • B) Hidratação com NaCl a 0,9% na velocidade de 4 a 14 ml/kg/h.

    • C) Repor 40 mEq de potássio em 1L de soro fisiológico durante uma hora.

    • D) Administrar 100 mEq de NaHCO 3 em 400 ml de água destilada em duas horas.

    • E) Insulina regular 0,15 U/Kg em bolus, seguida de infusão contínua de 0,1 U/Kg/h.

    • 37. Mulher com 45 anos foi internada na UTI com taquidispneia (FR: 30ipm) e fibrilação atrial com frequência ventricular de 150bpm. Ao exame físico, ficou evidente uma paciente emagrecida, agitada, pouco confusa, sudoreica, com temperatura axilar de 39 o C e pele quente. A ausculta cardíaca revelou um sopro sistólico (+4/6) e estertores bolhosos em 2/3 de ambos os pulmões. Possui tireoide palpável, de dimensões aumentadas e com sopro à ausculta, além de uma turgência jugular mesmo com cabeceira elevada à 90 o . A monitorização mostrava uma oximetria com saturação de 88% e uma pressão arterial de 100x70mmHg. Que terapêutica deve ser adotada no momento?

      • A) Uso de ácido acetilsalicílico para baixar a febre.

      • B) Reposição volêmica agressiva devido à depleção de volume.

      • C) Propranolol 1mg intravenoso, a cada quinze minutos, para controle da frequência cardíaca.

      • D) Bloqueio da liberação de hormônios tireoidianos com lugol 10 gotas três vezes por dia.

      • E) Cardioversão elétrica com choque sincronizado de 200 joules para a fibrilação atrial.

  • 38. Mulher de 30 anos chega à emergência com escala de coma da Glasgow de 8, pupilas mióticas, bradicárdica e hipotensa, com sudorese intensa, broncoespasmo e broncorreia. Veio socorrida pelo marido que informou que a paciente não tinha história prévia de convulsões, entretanto, durante o transporte até o hospital, apresentou liberação dos esfíncteres. Ao exame físico, chamava atenção também fraqueza e fasciculações musculares difusas. Após intubação orotraqueal e encaminhamento para a UTI, foi iniciada atropina em bolus de 2mg a cada quinze minutos e, em seguida, infusão contínua com vazão de 0,02mg/Kg/h. A infusão de atropina pode ser suspensa após:

    • A) melhora da miose.

    • B) melhora das convulsões.

    • C) melhora da fraqueza muscular.

    • D) melhora da secreção brônquica.

    • E) melhora das incontinências urinária e fecal.

  • 39. Um paciente de 50 anos, masculino, pintor, chega à emergência com relato de febre, calafrios, tosse com expectoração e dor pleurítica há três dias. A pressão arterial média (PAM) na admissão é de 48mmHg. Os exames laboratoriais revelam: contagem de leucócitos: 24000/cm 3 , lactato: 5mEq/L e creatinina sérica: 2,3mg/dl. Durante a primeira hora de atendimento, foi colocado um acesso venoso central para monitorização contínua da saturação venosa central e administrado 1L de SF0, 9%. A meta de manejo de fluidos durante as próximas horas deverá incluir a seguinte conduta:

    • A) manter a pressão arterial média (PAM) ≥ 55mmHg.

    • B) manter a pressão venosa central (PVC) ≥ 18-22mmHg.

    • C) transfundir concentrado de hemácias para manter a Hb ≥ 12g/dL.

    • D) manter a saturação venosa central ≥ 70% ou a saturação venosa mista ≥ 65%.

    • E) trocar o líquido de reanimação para albumina se a PAM estiver menor que 65mmHg, após infusão de 1L de SF0,9% .

  • 40. Um paciente encontra-se na UTI no 5 o dia de internação, sedado com escore de Ramsay de 2, intubado com a pressão do balonete do tubo de 16cmH 2 O. Segue com profilaxia de úlcera de estresse com ranitidina IV e de trombose venosa profunda com meios mecânicos. O sistema de umidificação utilizado é do tipo passivo, não sendo usados filtros trocadores de calor e umidade, nem sistemas de aspiração traqueal do tipo fechado. Qual das medidas abaixo, caso adotada, pode contribuir para prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica neste paciente?

    • A) Substituição da ranitidina por omeprazol.

    • B) Troca do circuito do ventilador a cada 24h.

    • C) Aumento da pressão do balonete do tubo.

    • D) Titulação da sedação, tendo por alvo escores de Ramsay 3 ou 4.

    • E) Prescrição de enoxaparina para profilaxia de trombose venosa profunda.

    • 41. A Resolução da Diretoria Colegiada Nº 7, de 24 de fevereiro de 2010 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva. O artigo 14 designa que a equipe multiprofissional da UTI deve ter, no mínimo, os seguintes profissionais:

      • A) técnicos de enfermagem: no mínimo 01 (um) para cada 04 (quatro) leitos em cada turno.

      • B) médicos plantonistas: no mínimo 01 (um) para cada 12 (doze) leitos ou fração, em cada turno.

      • C) enfermeiros assistenciais: no mínimo 01 (um) para cada 10 (dez) leitos ou fração, em cada turno.

      • D) fisioterapeutas: no mínimo 01 (um) para cada 12 (doze) leitos ou fração, nos turnos matutino, vespertino e noturno.

      • E) médico diarista: 01 (um) para cada 10 (dez) leitos ou fração, nos turnos matutino e vespertino, com título de especialista em Medicina Intensiva para atuação em UTI Adulto.

  • 42. Você está de plantão na UTI e é solicitada vaga para um paciente de 30 anos, sem doenças prévias, no pós-operatório imediato de laparotomia exploradora por úlcera péptica perfurada, necessitando de intubação orotraqueal e ventilação mecânica por insuficiência respiratória aguda e monitorização invasiva da pressão arterial, além de drogas vasopressoras por hipotensão grave. Segundo as diretrizes de Critérios de Admissão, Alta e Triagem, em qual nível de prioridade se encontra este paciente?

    • A) Prioridade 1: pacientes graves, instáveis que necessitam de tratamento intensivo e de monitorização que não podem ser ofertados fora da UTI. Geralmente não há limites na extensão da terapia estabelecida.

    • B) Prioridade 2: pacientes necessitam de monitorização intensiva e podem potencialmente necessitar de intervenção imediata. Não são geralmente estipulados limites terapêuticos para estes pacientes.

    • C) Prioridade 3: pacientes instáveis e criticamente doentes, mas têm uma probabilidade reduzida de recuperação por causa da doença subjacente ou a natureza de sua doença aguda. Estes pacientes podem receber tratamento intensivo para aliviar a doença aguda, mas podem ser definidos limites de esforços terapêuticos.

    • D) Prioridade 4A: pouco ou nenhum benefício esperado de cuidados de UTI com base no baixo risco de intervenção ativa que não pode ser administrada com segurança em um ambiente não-UTI (muito bem para beneficiar-se de cuidados de UTI).

    • E) Prioridade 4 B: paciente com doença terminal e irreversível diante da morte iminente (muito doente para beneficiar-se de cuidados de UTI).

  • 43. O diretor médico da UTI tem responsabilidades administrativas relativas à segurança do paciente. É papel do diretor médico o estabelecimento de políticas e procedimentos para desenvolver e assegurar a qualidade do atendimento ao paciente. Dentre essas medidas, os protocolos são usados em muitas situações na UTI como, por exemplo, para reduzir os índices de pneumonia associada à ventilação, melhorar assistência na sepse e otimizar o desmame do suporte ventilatório. Qual medida contribui para diminuição da morbimortalidade da pneumonia associada ao suporte ventilatório mecânico?

    • A) Manter a cabeceira do leito elevada no mínimo 30º.

    • B) Evitar profilaxia de úlcera de stress pelo risco de pneumonia aspirativa.

    • C) Avaliar de forma rotineira a possibilidade de extubação a cada 48-72h.

    • D) Não utilizar sedação com o objetivo de diminuir o tempo em ventilação mecânica.

    • E) Evitar profilaxia de trombose venosa profunda pelo risco de plaquetopenia e sangramento.

  • 44. Jovem de 20 anos apresentou hemorragia intracraniana extensa por malformação arteriovenosa e evoluiu com morte encefálica. Que medida(s) é (são) importante(s) durante manutenção de múltiplos órgãos do potencial doador?

    • A) Acompanhamento dos biomarcadores cardíacos como triagem para transplante cardíaco.

    • B) Ressucitação hemodinâmica guiada pelo gradiente veno-arterial de CO 2 , objetivando a normalização do lactato.

    • C) Dopamina em dose baixa (4ug/Kg/minuto) para manter diurese ≥1ml/Kg/h e diminuir necessidade de diálise pós-transplante.

    • D) Manutenção temperatura corpórea entre 36 o e 37,5 o C com irrigação vesical e, se possível, peritoneal com cristaloide a 43 o C.

    • E) Ventilação protetora apenas em pacientes com SARA, mantendo volume corrente de 6 a 8ml/Kg do peso ideal e Pplatô<30cmH 2 O.

    • 45. Homem de 75 anos, diabético e com insuficiência cardíaca, em uso de furosemida, captopril e xarope de cloreto de potássio, foi admitido no hospital com história de fadiga, fraqueza, parestesia de membros superiores e redução do débito urinário. Chegou ao hospital desidratado, sonolento e em insuficiência respiratória, sendo prontamente intubado. Na monitorização inicial, apresentava glicemia capilar de 250mg/dL e o traçado eletrocardiográfico abaixo.

    45 . Homem de 75 anos, diabético e com insuficiência cardíaca, em uso de furosemida, captopril

    Que estratégia terapêutica é mais indicada neste momento?

    • A) Cardioversão elétrica com 360J sincronizada.

    • B) Sorcal 15 a 30g diluído em 100ml de manitol a 10% por sonda nasogástrica.

    • C) Solução de 10 U de insulina regular diluído em 50 a 100ml de glicose a 50%.

    • D) Bolus com furosemida 100 a 200mg lentamente, seguida de infusão contínua.

    • E) Gluconato de cálcio 10% na dose de 10 a 20 ml diluído em 100 ml de solução fisiológica.

    • 46. Homem de 70 anos, no sétimo dia pós-operatório de duodenopacreatectomia, evoluiu com fístula enterocutânea. Nas últimas 24 horas, vem apresentando febre e taquipneia (FR: 28ipm). Realizou os seguintes exames laboratoriais: gasometria arterial (pH:7,15; PaO 2 :88mmHg; PaCO 2 :22mmHg e HCO 3 - :12mEq/l; Na + :138; K + :5,6;Cl - :113; Cr:1,1 e sumário de urina com pH: 5,0). De acordo com este quadro, neste momento, é correto afirmar que:

      • A) está indicada a administração de bicarbonato oral para alcalinização da urina.

      • B) está indicada a reposição de bicarbonato para correção da acidose metabólica.

      • C) está indicada a nutrição parenteral sem micronutrientes devido à acidose metabólica.

      • D) está indicada a solução de insulina regular 10U com glicose 25g para correção da hipercalemia.

      • E) está indicada a reposição volêmica com solução fisiológica 0,9% para correção da hipovolemia e hipercloremia.

  • 47. Paciente de 65 anos, diabético e hipertenso, chegou à UTI sonolento, desidratado, taquidispneico (FR: 32ipm), níveis pressóricos controlados, leves estertores nas bases e pressão arterial de 110x80mmHg. Após a realização dos exames iniciais, foi identificada uma creatinina sérica de 7mg/dL, ureia de 230 mg/dL e uma gasometria arterial que mostrava um pH de 7,2 e um bicarbonato de 10mEq/L. Foi então iniciado o tratamento dialítico através de cateter duplo-lumen, posicionado em femural direita, com fluxo de 400ml/min, durante quatro horas e perdas de 3.000ml. Durante esta primeira sessão, o paciente apresentou irritabilidade, desorientação e evoluiu com episódio de convulsão tônico-clônica generalizada. Qual estratégia seria recomendada para evitar esta complicação?

    • A) Aumentar a quantidade de potássio nos banhos de dialisato.

    • B) Evitar o uso de inibidores da enzima conversora de angiotensina.

    • C) Minimizar reação anafilactoide com redução da infusão de protamina.

    • D) Substituir as soluções de dialisato tamponado com acetato por banhos de bicarbonato.

    • E) Diálise com fluxo baixo e sessões mais curtas até redução da ureia abaixo de 100mg/dL.

  • 48. Primigesta de 16 anos de idade, na vigésima oitava semana de gestação, passou a apresentar edema de membros inferiores e aumento dos níveis pressóricos, com pressão arterial de 180x120mmHg. Realizou exames que evidenciaram proteinúria. Que medida terapêutica medicamentosa é mais adequada?

    • A) Fenitoína e captopril.

    • B) Fenitoína e metildopa.

    • C) Sulfato de magnésio e furosemida.

    • D) Sulfato de magnésio e hidralazina.

    • E) Fenobarbital e nitroprussiato de sódio.

    • 49. Paciente de 55 anos, no segundo dia pós-operatório de revascularização completa do miocárdio, sem disfunção valvar e átrio de tamanho normal, evoluiu com fibrilação atrial com frequência ventricular aproximada de 140bpm, mantendo pressão arterial de 110x60mmHg. Qual a estratégia terapêutica mais indicada?

      • A) Anticoagulação plena com heparina e, em seguida, com warfarina.

      • B) Amiodarona em bolus e manter infusão contínua até reversão.

      • C) Nitroglicerina, heparina endovenosa e angioplastia percutânea de resgate.

      • D) Cardioversão elétrica com 100 J e, caso não haja reversão, novo choque com 300 J.

      • E) Metoprolol endovenoso e, caso não controle a frequência ventricular, verapamil endovenoso.

  • 50. Homem de 55 anos, hipertenso e diabético, com história de epigastralgia, mal-estar e vômitos de início há 20 minutos, chegou ao hospital sudoreico, pálido, hipotenso (PA: 80x60mmHg). Realizou o eletrocardiograma abaixo.

  • 49 . Paciente de 55 anos, no segundo dia pós-operatório de revascularização completa do miocárdio, sem

    Qual a conduta necessária neste momento?

    • A) Betabloqueador endovenoso.

    • B) Cardioversão elétrica com 360J.

    • C) Passagem de marcapasso temporário.

    • D) Reposição volêmica com soro fisiológico.

    • E) Dobutamina na dose de 5 a 10ug/Kg/minuto.