Você está na página 1de 56

Curso de Letras

Literatura Portuguesa
(Séculos XII a XX)

Prof. Luís Fernando Bulhões Figueira

1
Módulo 2.2

ESCOLAS LITERÁRIAS

RESUMO

2
História da Literatura
Portuguesa

• Trovadorismo (1189 ou 1198)


• Humanismo (1418)
• Classicismo (1527)
• Barroco (1580)
• Arcadismo ou Neoclassicismo (1756)
• Romantismo (1825)
• Realismo (1865)
• Simbolismo (1890)
• Modernismo (1915)

3
• Trovadorismo

• Início: 1189 ou 1198


• Final: 1418

• Linguagem: Galego-Português

4
Gênero Lírico – Cantigas
de Amor

• Eu-lírico masculino;
• Mulher idealizada (“mia senhor”);

marged.vilabol.uol.com.br
• Espera um benefício de sua amada (“ben”);
• Amor cortês
(vassalagem amorosa);
• Coita amorosa;
• Linguagem mais trabalhada.

5
Gênero Lírico: Cantiga de Amigo
• Eu-lírico feminino;
• A mulher lamenta a ausência do amado (‘amigo’);
• Ambiente rural ou litorâneo;
• Simplicidade de linguagem e estrutura;
• Estrutura: paralelismo e refrão.

www.universal.pt
6
Cantigas Satíricas
• Criticam ou zombam de alguém;
• Mostram diversos usos e costumes medievais;
• Linguagem mais popular;
• Reflete o falar das camadas inferiores;
• Às vezes os dois tipos (escárnio e maldizer) se
misturam.

gl.wikipedia.org
7
Cantiga Satírica de Escárnio

Sátira indireta;
Sutileza;
Uso da ambiguidade;
Não permite o uso da pessoa atacada.

8
Cantiga Satírica de Maldizer

• Sátira direta;
• Agressiva;
• Linguagem objetiva;
• Uso de termos chulos;
• Grosseria e obscenidade.

9
Humanismo

Início: 1418
Fim: 1527

• Convívio entre Teocentrismo e


Antropocentrismo
• Dualidade: Fé e Razão

10
Manifestações Literárias

• Poesia palaciana – compilada em 1516,


por Garcia de Resende – está registrada

www.alfarrabio.di.uminho.pt
no Cancioneiro Geral;
• Prosa historiográfica (Crônicas), de
Fernão Lopes;
• Teatro medieval e
popular de Gil Vicente.

11
Gil Vicente

Teatro: gênero dramático

Expressa sua fé,


mas não esquece a razão:
Em nome da religiosidade,
faz a crítica moral dos
costumes
e a sátira aos pecadores.
12
Classicismo (1527 – 1580)

• Triunfo do Antropocentrismo e do
Racionalismo
• Retomada da Arte Clássica (Antiguidade
Greco-Romana)

13
Características do
Classicismo

• Racionalismo = Predomínio da Razão sobre


a emoção
• Sobriedade, simetria e simplicidade;

Fonte: www.saoluis.org
• Equilíbrio, harmonia e clareza;
• Universalismo;

14
Características do
Classicismo

• Resgate do culto à Antiguidade clássica;


• Fusão: paganismo e cristianismo;

Fonte: www.saoluis.org
• Imitação;
• Verossimilhança = valorização da natureza e
sua imitação artística;
• Ideal ético-estético (O Belo é o Bem).

15
Obra de Camões

• Camões Lírico: • Camões Épico:


1. Rimas 1. “Os Lusíadas”
2. Sonetos

16
Camões Lírico

Lírica Tradicional: Lírica Clássica:


• Rimas • Sonetos
• Redondilhas. • Decassílabos.
• Mote – Glosas ou
Voltas

17
Poeta-filósofo

• Tenta compreender a
realidade, seus mistérios e
enigmas.

• Muitos de seus temas são


ideias, abstrações: o Amor, a
Injustiça, a Transitoriedade, etc.

• Neoplatonismo
18
Prenúncio do Barroco

Contradições
Dualidade corpo X alma
(carne) (espírito)
Conflitos internos
Angústia
Antíteses
Paradoxos
Pessimismo, desencanto 19
Camões épico – Os Lusíadas

O poema narra:
• a descoberta do caminho marítimo
para as Índias;
• as grandes navegações portuguesas;
• a conquista do Oriente;
• e toda a história de Portugal.

20
Barroco

• Início – 1580
• Fim – 1756
• Arte da Contra-Reforma católica
• Reação do espírito teocêntrico
• O Barroco é a arte da contradição, do conflito, da
dúvida.
• O homem se vê dividido entre as forças da matéria e
as do espírito, entre o natural e o sobrenatural

21
Características Barrocas

• Religiosidade;

• Oposições, contrastes, conflitos;

• Pessimismo e incerteza;

• Exagero;

• Cultismo (Gongorismo);

• Conceptismo (Quevedismo).
22
Cultismo

• Jogo de palavras e imagens (descrição


plástica), voltado para a ornamentação
exagerada, para o preciosismo
vocabular.

• Linguagem difícil, hermética, dúbia.

• Excesso de figuras de linguagem:


metáforas, hipérbatos, gradação, etc.
23
Conceptismo

• É o jogo de ideias, a argumentação que tem


como objetivo o convencimento.

• O texto conceptista remete o leitor à


essência do significado verbal, numa
elaborada montagem intelectual.

• Raciocínio lógico; clareza.

24
Arcadismo
Início: 1756 – Término: 1825

physics.weber.edu/
25
Características Árcades

• Retorno ao equilíbrio clássico


(Neoclassicismo);

• Predomínio da razão sobre a emoção;

• Ideal de simplicidade e de naturalidade;

• Temas bucólicos e pastoris;

• Paganismo (referências à mitologia greco-


romana).
26
Convenções Árcades

• Locus amoenus (lugar ameno) a


natureza é o lugar ideal;

• Fugere urbem (fugir da cidade):


a cidade é lugar de sofrimento

http://farm1.static.flickr.com/
e da corrupção dos homens;

27
• Aurea mediocritas (mediania de ouro)
– o equilíbrio deve ser preferido a
qualquer extremo;

• Inutilia truncat (cortar o inútil)


– rejeição aos excessos barrocos,
criticando, em nome da razão e
do equilíbrio, a linguagem difícil
do Barroco;

28
• Carpe diem (aproveitar o dia)
– consciente da fugacidade da
vida, o poeta convida a amada a
aproveitar o momento presente;

• Estoicismo: desprezo aos luxos e


às riquezas.

29
Romantismo

Início: 1825
Final: 1865

Expressão da Arte Burguesa

30
Características Românticas

• Liberdade de Expressão
• Individualismo: culto ao eu, egocentrismo
• Subjetivismo
• Sentimentalismo: melancolia, tristeza, tédio.
• Exagero, desequilíbrio, caos, anarquia.
• Pessimismo (“mal do século”)

31
Características Românticas

• Escapismo: fuga da realidade


• Culto da morte.
• Idealização, sonho, fantasia, imaginação
• Religiosidade, misticismo

32
Características Românticas

• Nacionalismo
• Volta ao passado: nacional (medievalismo) e
individual (infância, nostalgia)
• Valorização da natureza
• A natureza exuberante expressa o sentimento
nacionalista que exalta as riquezas naturais da
pátria.
• A natureza mórbida (locus horrendus) reflete a
melancolia interior do eu.
33
Liberdade de Criação: o Estilo Romântico

• Versos livres: sem medidas definidas


• Poemas sem forma rigorosamente definida (aparente
descuido com a forma).
• Ascensão da prosa: o romance e a novela
• Excessos, exageros (hipérboles)
• Abundância de interjeições e exclamações, revelando
um espírito exaltado.
• Uso intenso de adjetivos: dar mais expressividade e
emoção às palavras.

34
Realismo / Naturalismo

• Início (1865)
• Término (1890)
• Oposição à arte romântica

35
Características Realistas

• Crítica à burguesia, à família, ao


casamento, à Igreja, ao clero.
• Visão objetiva da realidade.
• Descritivismo → verossimilhança.
• Combate à idealização romântica.
• Personagens complexas (esféricas):
profundidade psicológica.
• Realce aos defeitos e imperfeições.

36
Realismo Naturalismo
Investigação social feita Investigação social “de
“de dentro para fora”, fora para dentro”: fatores
por meio de análise sociais e biológicos
psicológica capaz de determinam suas ações,
abranger uma grande pensamentos e
complexidade. sentimentos.
Descrição de tipos
Crítica às principais
humanos que encarnam
instituições burguesas:
vícios, taras, patologias e
casamento, igreja,
anormalidades;
família; contrastes entre
zoomorfismo
ricos e pobres.
(animalização do homem)
37
Realismo Naturalismo
Interpretação indireta Interpretação direta dos
dos fatos - O leitor tem fatos - Os temas são
maior liberdade para tratados a partir de uma
tirar suas próprias visão determinista que
conclusões conduz as conclusões do
leitor
Romance de tese Romance de tese
documental experimental
Ambos procuram retratar o real – são anticlericais,
antirromânticos, antiburgueses; têm o mesmo
fundamento científico (Positivismo e Determinismo),
retratam e educam a sociedade.
38
Simbolismo (1890 – 1915)
• Reação às correntes materialistas e
cientificistas.
• Sugestão: prefere sugerir a descrever.

Cd Arts & Entretaniments I


• Expressão vaga e imprecisa da realidade.
• Ambiguidades, plurissignificação.
• Subjetividade: uso da intuição.

39
Simbolismo

• Musicalidade (ritmo, aliterações e


assonâncias).

Cd Arts & Entretaniments I


• Espiritualismo, religiosidade, misticismo.
• Figuras de linguagem: Metáforas,
Símbolos, Sinestesias.

40
Modernismo português

• 1915 – Início

• Autores principais:
Fernando Pessoa,

www.ufp.pt
Mário de Sá-Carneiro e
Almada Negreiros.

41
Características:

• Cultiva a Liberdade artística total, a

www.weekinrewind.com
liberdade de não seguir nenhuma regra.

• Desejo de escandalizar;

• Desajuste social e cultural;

• Cosmopolitismo;

42
Fernando Pessoa -
Ortônimo
• Poesia Saudosista-Nacionalista;

• Poesia Lírica;

43
Fernando Pessoa - Nacionalista

• Saudosismo

• Nacionalismo

www.insite.com.br
• Sebastianismo

44
Fernando Pessoa - Lírico

• Lirismo português

• Sentimentalismo (tristeza,

www.insite.com.br
melancolia, nostalgia etc.)

• Musicalidade: ritmo, rimas.

• Redondilhas.

• Reflexões sobre a própria arte


poética (Metalinguagem).
45
Alberto Caeiro

46
Alberto Caeiro
• Teve apenas instrução primária;

• Expõe o seu propósito de não pensar:


abolir o pensar para limitar-se a ver e
ouvir;

CD Corel Stock Photos


• Para ele, as coisas são como são:
antissubjetivismo;

• Valorização de uma concepção ingênua e


realista da coisas:

• "Caeiro 'pensa' com os sentidos“.


47
Alberto Caeiro

• Homem integrado à natureza;


• Sua sabedoria: entender a realidade é
senti-la; compreender o mundo
sensorialmente;
• Valorização dos 5 sentidos (sensações):
visão, olfato, tato, audição e paladar;
• Antifilosófico, antimetafísico;
• Nega a consciência: afirma o instinto
natural e espontâneo;
• Versos brancos e livres próximos da
prosa (desaprender as ideias para
apreender as coisas).
48
Álvaro de Campos

49
Álvaro de Campos

• Engenheiro naval, formado na Escócia;


• Poeta irritadiço, agressivo: simboliza a
volúpia de libertação total num mundo
impregnado de ideias-feitas;
• Niilismo tenso e ofensivo;
• Irreverente perante tudo e todos: as
ciências, as técnicas, Deus, o casamento
etc.;
• "Campos 'pensa' com a emoção".

50
• Modernista;
• Futurista;
• Temática = as sensações do homem na

www.peterneumann.com
modernidade (início do século XX);
• Prosa poética, com versos
assimétricos (livres), excesso de
sinais de pontuação, ritmos explosivos e
linguagem coloquial;
• Expressa a crise de todos os valores
da vida urbana e industrial.
51
Ricardo Reis

52
Ricardo Reis

• Formou-se em Medicina;
• Monarquista;
• Estudioso da cultura clássica (latim,
grego, mitologia etc.);
• Poeta do carpe diem: “gozar o
momento”, já que a vida é breve.

• "Ricardo 'pensa' com a razão".

53
Ricardo Reis

• Poeta neoclássico;
• Temas = passagem do tempo, a
irreversibilidade do Fado (= Destino), a
necessidade de desfrutar o momento

www.geocities.com
presente;
• Preocupação formal: versos com
métrica, vocabulário culto;
• Referências mitológicas;

54
• Atitude serena e
contida;
• Tranquilidade diante
da inevitabilidade da

dibruck.sites.uol.com.br
morte;
• Aceitação do destino;
• Valoriza a vida
simples, sem grandes
ambições;
• Valoriza os pequenos
prazeres da vida;
• Musa = Lídia.
55
Bons estudos e um Excelente
desempenho na prova!

Prof. Luí
Luís Fernando

56