Você está na página 1de 129
Programa de Pós-Graduação em Comunicação – Universidade Municipal de São Caetano do Sul (PPGCOM-USCS) Conselho
Programa de Pós-Graduação em Comunicação – Universidade Municipal de São Caetano do Sul (PPGCOM-USCS) Conselho

Programa de Pós-Graduação em Comunicação – Universidade Municipal de São Caetano do Sul (PPGCOM-USCS)

Universidade Municipal de São Caetano do Sul (PPGCOM-USCS) Conselho Editorial da Série “Comunicação &

Conselho Editorial da Série “Comunicação & Inovação”

Prof. Dr. Eduardo Vicente

(Universidade de São Paulo – USP)

Prof. Dr. Henrique de Paiva Magalhães

(Universidade Federal da Paraíba – UFPB)

Profa. Dra. Isaltina Maria de Azevedo Gomes

(Universidade Federal de Pernambuco – UFPE)

Prof. Dr. Jorge A. González (Universidade

Nacional Autônoma do México – UNAM)

Prof. Dr. Micael Maiolino Herschmann

(Universidade Federal do Rio do Janeiro – UFRJ)

Profa. Dra. Sônia Regina Schena Bertol

(Universidade de Passo Fundo – UPF)

Regina Schena Bertol (Universidade de Passo Fundo – UPF) Chanceler Dom Jaime Spengler Reitor Joaquim Clotet

Chanceler Dom Jaime Spengler

Reitor

Joaquim Clotet

Vice-Reitor

Evilázio Teixeira

Conselho Editorial Agemir Bavaresco Ana Maria Mello Augusto Buchweitz Augusto Mussi Bettina Steren dos Santos Carlos Gerbase Carlos Graeff-Teixeira Clarice Beatriz da Costa Söhngen Cláudio Luís C. Frankenberg Érico João Hammes Gilberto Keller de Andrade Jorge Campos da Costa – Editor-Chefe Jorge Luis Nicolas Audy – Presidente Lauro Kopper Filho

© 2014, EDIPUCRS; PPGCOM-USCS

DESIGN GRÁFICO [CAPA]

DESIGN GRÁFICO [DIAGRAMAÇÃO]

REVISÃO DE TEXTO Simone Zaccarias

IMPRESSÃO E ACABAMENTO

Shaiani Duarte

Francielle Franco

IMPRESSÃO E ACABAMENTO Shaiani Duarte Francielle Franco APOIO Universidade Municipal de São Caetano do Sul

APOIO Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Franco APOIO Universidade Municipal de São Caetano do Sul Publicação apoiada pela Capes. Programa de Apoio

Publicação apoiada pela Capes. Programa de Apoio à Pós-Graduação,

PROAP/CAPES-1438/2014.

Esta obra não pode ser comercializada e seu acesso é gratuito.

Edição revisada segundo o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

EDIPUCRS – Editora Universitária da PUCRS
EDIPUCRS – Editora Universitária da PUCRS

Av. Ipiranga, 6681 – Prédio 33 Caixa Postal 1429 – CEP 90619-900 Porto Alegre – RS – Brasil Fone/fax: (51) 3320 3711 E-mail: edipucrs@pucrs.br - www.pucrs.br/edipucrs

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

S237h

Santos, Roberto Elísio dos HQs de humor no Brasil : variações da visão cômica dos quadrinhos brasileiros (1864-2014) [recurso eletrônico] / Roberto Elísio dos Santos.– Dados Eletrônicos. – Porto Alegre : EDIPUCRS, 2014. 127 p. (Comunicação e Inovação ; 4)

Modo de Acesso: <http://www.pucrs.br/edipucrs> ISBN 978-85-397-0632-7

1. História em Quadrinhos – Brasil – História. 2. História em Quadrinhos – Análise Crítica. 3. Humorismo Brasileiro. I. Título.

CDD 741.5981

Ficha catalográfica elaborada pelo Setor de Tratamento da Informação da BC-PUCRS.

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, especialmente por sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, fonográficos, videográficos. Vedada a memorização e/ou a recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte desta obra em qualquer sistema de processamento de dados. Essas proibições aplicam-se também às características gráficas da obra e à sua editoração. A violação dos direitos autorais é punível como crime (art. 184 e parágrafos, do Código Penal), com pena de prisão e multa, conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei 9.610, de 19.02.1998, Lei dos Direitos Autorais).

“Quando eu faço um desenho, eu não tenho a intenção que as pessoas riam. A intenção é de abrir, é de tirar o escuro das coisas.”

(HENFIL. Como se faz Humor Político – depoimento a Tárik de Souza. Petrópolis: Vozes, 1984.)

Para Simone, que sempre faz meu coração sorrir.

Sumário

Prefácio

11

 

Prof. Dr. João Batista Freitas Cardoso

Introdução

13

O

Humor no Império e na República

19

Contracultura e contestação nos anos de chumbo

49

O

riso em tempos de crise

69

Histórias em quadrinhos no século XXI

107

Considerações finais

119

Referências

123

Sobre o autor

127

Prefácio

Prof. Dr. João Batista Freitas Cardoso 1

N ão faz muito tempo – e isso nós leitores de histórias em qua- drinhos sabemos – as HQs eram vistas com certo preconceito

pelo meio acadêmico. De modo geral, as “revistinhas” eram conside- radas um tipo de produção cultural inferior destinada a um público infantojuvenil alienado. No final do século XX, pesquisadores de dife- rentes centros de estudos pleitearam por espaços nas universidades pelo que entendiam ser um tipo específico de produção artística que atravessava os diversos sistemas sociais e culturais. Nesse contexto, surgiu em 1999, na Escola de Comunicação e Artes da USP (ECA), o Observatório de Histórias em Quadrinhos. De lá pra cá, não só nos estudos do Observatório da ECA, mas também no interior de muitos programas de pós-graduação em comunicação, observa-se o desen- volvimento de pesquisas que buscam compreender os variados gêne- ros de histórias em quadrinhos (aventura, terror, humor etc.) em suas relações com a sociedade e produções culturais – como, por exem- plo, os quadrinhos na sala de aula; as transposições de histórias em quadrinhos para o cinema e televisão; o uso de elementos das histó- rias em quadrinhos na comunicação mercadológica; o licenciamento de personagens de histórias em quadrinhos em produtos diversos.

Na presente obra, Roberto Elísio dos Santos evidencia as ino- vações narrativas e estéticas nos quadrinhos de humor brasileiro des- de o tempo do império até os dias de hoje. Ao trilhar rotas não muito comuns entre autores, publicações e períodos, Santos nos mostra a riqueza e variedade de estilos cômicos que caracterizam uma identi- dade genuinamente brasileira.

1 Professor do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).

João Batista freitas cardoso | Prefácio

Mais do que uma simples forma de entretenimento, o humor em quadrinhos desvela certas práticas sociais, culturais e políticas, cober- tas pelos mecanismos disciplinares de poder, colocando em relevo as fraquezas e imperfeições dos sujeitos e das sociedades. Ao delinear de maneira crítica os contornos de grupos sociais, o humor em quadrinhos permite compreender as tensões entre os mecanismos de controle e as forças de resistência; entre as normas impostas e a acrasia; entre os comportamentos de submissão e transgressão. Nesse sentido, atuam como um tipo de expressão cultural popular que objetiva, ao satirizar os grupos dominantes, trazer à luz as adversidades que nos cercam. Ao combater de forma crítica e irônica as injustiças humanas e sociais, o humor gráfico assume um papel social de destaque na cul- tura midiática. Por meio de charges, cartuns e histórias em quadrinhos, os artistas apresentam sua visão de mundo. E, mais do que isso, como fonte de informação dos acontecimentos sociais e políticos de uma era, muitas das produções de humor gráfico funcionam como agenda de temas a serem abordados pelos meios de comunicação de massa. Nesse sentido, o progresso dos quadrinhos de humor no Brasil pode ser verificado na oposição explícita ao regime ditatorial imposto nas décadas de 1960 e 1970, assim como nas críticas feitas ao sistema po- lítico nacional – antes, durante e depois do regime militar. Paralelo ao engajamento político, aspectos negativos do com- portamento do cidadão e da família brasileira também foram alvo das farpas do humor em quadrinhos. As atitudes, hábitos e compor- tamentos padrão da sociedade são apresentados de forma risível e caricatural. O objetivo dessas produções, conforme Santos, é denun- ciar a hipocrisia que domina as famílias de uma classe média bur- guesa. Nesse contexto, não apenas os políticos são ridicularizados, mas também o pai de família, o líder religioso e, até mesmo, o jovem intelectual boêmio, leitor das próprias revistas. Ao rir de si mesmo, e do mundo que o cerca, o leitor de quadrinhos de humor acaba por refletir sobre as contradições e incoerências da sociedade. Por fim, Santos mostra que, neste século, os quadrinhos de humor parecem não mais se contentar apenas com o riso – seja ele ingênuo ou crítico. As reflexões sobre temas sociais e existenciais dos chamados “quadrinhos poético-filosóficos” trazem à tona a discussão sobre a função dos quadrinhos na sociedade contemporânea. Do mes- mo modo, o texto a seguir não tenciona levar o leitor ao riso, mas sim fazer com que reflita sobre a importância do riso em nossas vidas.

12

introdução

U ma característica marcante da história em quadrinhos, desde seu advento, é a presença do humor 2 . Esse foi um fator impor-

tante para a popularização dos meios impressos. Caricaturas, char- ges, cartuns e quadrinhos publicados em jornais e folhetos apresen- tam, em sua maioria, uma visão crítica da sociedade e costumam satirizar os grupos dominantes. Na visão de Berger (1998, p. 113):

O humor pode ser uma força para o controle ou para a resis- tência. Em alguns casos, especialmente em pequenos grupos, o humor pode coagir as pessoas a se comportar de determinado modo; em outros casos, o humor cristaliza a opinião popular e fortalece os sentimentos que os indivíduos têm de que deveriam resistir aos que estão no poder.3

A partir do século XVIII, quando as técnicas de impressão fo- ram aprimoradas, o humor gráfico se disseminou em jornais e panfle- tos impressos vendidos ou distribuídos gratuitamente, muitas vezes de forma clandestina. Na visão de Fonseca (1999, p. 13): “Ninguém pode negar a importância do desenho humorístico na imprensa, seja como documento histórico, como fonte de informação social e polí- tica, como termômetro de opinião, como fenômeno estético, como expressão artística e literária ou como simples forma de diversão e

2 Das histórias realizadas por Rudolph Töpffer a partir de 1825 às publicações britânicas e estadunidenses do final do século XIX, o humor gráfico, especialmen- te a tira de quadrinhos cômica, teve papel de relevância para a consolidação da mídia impressa (CLARK, 1991).

3 Todas as citações de textos em outras línguas foram traduzidas pelo autor.

introdução

passatempo”. As principais formas desse tipo de produção humorísti- ca foram a caricatura, a charge, o cartum e a história em quadrinhos. Representação da figura humana (normalmente de pessoa co- nhecida pelo público) composta por traços anatômicos exagerados e distorcidos, a caricatura não tem intenção de contar uma história, pois se trata de uma ilustração e não de uma narrativa pictórica. No entanto, a caricatura se faz presente em formas narrativas humorís- ticas, como a charge, o cartum e a história em quadrinhos de humor, seja pela estilização do traço do desenho, seja pelo retrato deforma- do de alguma personalidade transformada em personagem cômico ou ridículo. De acordo com Fonseca (1999, p. 17), a caricatura constitui uma representação plástica ou gráfica de uma pessoa, ação ou ideia “interpretada voluntariamente de forma distorcida sob seu aspecto ridículo ou grotesco”. Para esse autor, trata-se de “um desenho que, pelo traço, pela seleção criteriosa de detalhes, acentua ou revela certos aspectos ridículos de uma pessoa ou de um fato. Na maio- ria dos casos, uma característica saliente é apanhada ou exagerada”. Segundo Srbek (2007, p. 7), esse “gênero de desenho ligado ao hu-

tem raízes históricas bem antigas, que re-

mor político moderno (

montam à Grécia arcaica”. Esse tipo de retrato distorcido e exagera- do das pessoas e das coisas antecede a criação de meios impressos, em pinturas e esculturas. Normalmente uma sátira ou crítica política, a charge é um co- mentário ilustrado feito com base em um fato recente que tenha se tornado notícia publicada em jornais diários e revistas semanais ou veiculada em telejornais. A força da gag de uma charge, que pode ter uma ou mais vinhetas (assemelhando-se à narrativa sequencial da história em quadrinhos), é limitada ao tempo de sua veiculação, perdendo a graça com o tempo, uma vez que retrata um evento de curta duração. A relação entre a charge e a notícia jornalística, mesmo quan- do há oposição de enfoques, é de complementaridade. Na visão de Romualdo (2000, p. 86), as “relações intertextuais da charge jornalísti- ca podem se estabelecer com textos verbais, visuais, verbais e visuais conjuntamente (incluindo aqui os textos sincréticos, que unem o ele- mento verbal e o visual)”. Passado algum tempo do acontecimento que gerou a notícia ou com o deslocamento da charge do contexto em que dialoga com os outros textos jornalísticos, ela perde sua comicidade.

)

14

HQs de Humor no Brasil

O cartum, ao contrário da charge, permanece engraçado mes-

mo depois de décadas de sua publicação, porque aborda situações atemporais, privilegiando o comportamento humano e suas contra- dições. Desenho acrescido de um sentido cômico, normalmente cau- sado pela reversão de uma expectativa (o fato natural que deveria ocorrer dá lugar a outro, inesperado e contrário), o cartum se des- vincula do conteúdo dos outros textos do veículo em que é publica- do. Sua compreensão independe de fatores externos e seu conteúdo humorístico emana apenas das imagens e/ou textos (há cartuns sem texto e os que contam com diálogos, postos em balões ou na parte inferior da vinheta) contidos no cartum. Narrativa gráfica sequencial, a história em quadrinhos desenvol- ve uma história por meio de sucessão de imagens e textos, que devem ser lidos em uma ordem determinada. O conteúdo mais comum des- te produto midiático é o humorístico. Acompanhando ou não temas de fundo político ou social, as imagens satirizam ou criticam as ati- tudes dos homens públicos e do ser humano comum. Segundo Cirne (1982, p. 11), “não existem quadrinhos inocentes”. Para este teórico, os quadrinhos “procuram ‘ocultar’ sua verdadeira ideologia através de fórmulas temáticas muitas vezes simples ou simplistas, fazendo da re- dundância (a repetição em série imposta pela engrenagem operacional da cultura de massa) o lugar de sua representação”.

Dessa forma, este trabalho tem como objetivo apresentar um panorama do humor nos quadrinhos feitos no Brasil e sua relação com o contexto histórico em que foram criados (embora sejam cita- das algumas tiras publicadas em jornais, o corpus deste estudo foi tirado principalmente de suplementos, revistas e livros de quadri- nhos), procurando entender como representam o país e os brasilei- ros. Trata-se do resultado de uma pesquisa qualitativa de nível explo- ratório 4 que empregou as técnicas do levantamento documental (em acervos públicos e privados) e da análise de conteúdo.

O primeiro capítulo trata do surgimento e do desenvolvimen-

to do humor gráfico no Brasil, principalmente na obra de Angelo

4 Dessa forma, não se trata de apresentar todas as histórias em quadrinhos cômicas realizadas no Brasil, mas de colocar em destaque aquelas que foram relevantes em um determinado momento histórico ou que foram realizadas por artistas com larga produção e talento reconhecido por seus pares, pelos leitores ou por pesquisadores da área.

15

introdução

Agostini e de J. Carlos, artistas que, de maneira crítica, participaram de diversos títulos de destaque da imprensa brasileira. No que se re- fere a publicações dedicadas às histórias em quadrinhos, serão abor- dadas as contribuições de O Tico-Tico e A Gazetinha. No período posterior à Segunda Guerra Mundial, o humor grá- fico torna-se mais adulto e cínico, como nos cartuns e quadrinhos de O Amigo da Onça, Doutor Macarra e Ignorabus, produções que revelam outra face dos brasileiros e do país naquele momento. Já durante o pe- ríodo marcado pela ditadura militar (1964-1985), os quadrinhos de hu- mor, como os de Henfil, tornaram-se peças de resistência à opressão. Também é feita uma análise dos quadrinhos publicados pela Circo Editorial, importante editora alternativa de São Paulo que, de 1984 a 1995, produziu revistas como Circo, Chiclete com Banana, Striptiras e Geraldão, que reuniam tiras e histórias feitas por artistas do porte de Luiz Gê, Angeli, Laerte, Glauco, entre outros. O humor gráfico dessas publicações reflete a situação política e econômica do Brasil nos anos que se seguiram à redemocratização após duas déca- das de ditadura militar e de censura. A característica marcante dos quadrinhos de humor no sécu- lo XXI é o rompimento com a estrutura típica das piadas. Surgem, então, os quadrinhos poético-filosóficos que, mais do que causar no leitor o efeito cômico, procuram levá-lo a uma reflexão sobre temas sociais ou existenciais. Paralelamente à temática humorística, neste texto serão iden- tificadas algumas inovações que causaram impacto sobre as histórias em quadrinhos nacionais e nas publicações a elas destinadas:

1. Quanto ao formato – no início do século XX, o jornal-re- vista, comum na Europa, passou a ser utilizado no Brasil. No final da década de 1920, no entanto, a influência dos veículos impressos estadunidenses cresceu e pode ser constatada no surgimento de suplementos de quadrinhos e, alguns anos depois, na adoção do formato “america- no” (comic-book). A partir da década de 1960, o “formati- nho” (denominado digest nos Estados Unidos e tascabile na Itália) ajustou-se aos limites financeiros das editoras. Já no século XXI, a internet começou a oferecer espaço (gratuito) para a difusão e divulgação de trabalhos de qua- drinistas nacionais. As webcomics tornaram-se um produto

16

HQs de Humor no Brasil

cultural novo, que pode, dependendo de seu sucesso, ser impresso depois.

2. Quanto à narrativa – No formato de tira ou ocupando o espaço de uma página, a história em quadrinhos de humor consiste em um enredo autocontido. As tiras de aventura introduziram a narrativa serializada e as histórias humo- rísticas mais longas, publicadas em revistas, apresentavam diversas situações que convergiam no desfecho cômico. Essa estrutura narrativa deixa de existir com as tiras poéti- co-filosóficas da atualidade.

3. Do ponto de vista formal-estético – De acordo com Barbieri (2002, p. 68-78) não existe um padrão estilísti- co para o quadrinho de humor, mas, em geral, os artis- tas utilizam um traço mais caricatural e um desenho mais simplificado (garantindo uma compreensão mais rápida por parte do leitor). Esse tipo de arte é mais “limpa”, sem tantos detalhes no que se refere à representação dos per- sonagens, dos objetos e dos cenários. No entanto, os au- tores do comix underground, surgido na década de 1960, adicionaram hachuras (linhas paralelas empregadas para o sombreamento e para acentuar o volume) e usaram traços grossos e o contraste maior entre preto e branco em suas sátiras à sociedade estadunidense e ao comportamento da classe média. Tal estilo gráfico também é encontrado no trabalho de artistas nacionais, principalmente a partir da década de 1970.

17

caPítulo 1

O Humor no Império e na República

R ompendo com o silêncio e o controle imposto pela Coroa por- tuguesa durante o período colonial – embora a circulação clan-

destina de livros e jornais fosse abundante, como afirma Sodré (1983,

p. 12-14) –, o século XIX assistiu à proliferação de jornais e outros

materiais impressos, tendo como ponto de início a imprensa oficial instaurada em 1808, após a chegada da família real ao país com a Gazeta do Rio de Janeiro, que era a voz do governo. Ao contrário deste título, Hipólito da Costa editava na Inglaterra o Correio Brasiliense, que conclamava a população a moder-

nizar as instituições políticas de acordo com o ideário liberal francês.

A crítica à administração pública, aos escândalos e prepotências dos

governantes foi a tônica dos jornais que se multiplicaram em vários pontos do país ao longo daquele século. Ao lado de textos acusató- rios e contundentes, charges e caricaturas faziam coro à indignação dos editores e articulistas. Esse tipo de procedimento já era comum

na Europa: em 1832, o artista francês Charles Philipon lançou a revis-

ta La Caricature e, nove anos depois, surgiu na Inglaterra o periódico

ilustrado Punch, títulos que influenciaram os primeiros caricaturistas brasileiros.

Não há consenso entre os pesquisadores brasileiros a respeito do início do emprego da caricatura como desenho impresso, até por-

que, antes da veiculação em jornais, elas eram vendidas de forma avul-

sa. Mas a publicação da caricatura do político Justiniano José da Rocha,

feita em 1837 pelo pintor e poeta Manoel de Araújo Porto-alegre, pode

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

é só a partir de 1837, data da primeira caricatura de Porto-alegre, e sobretudo 1844, quando o mesmo Porto-

alegre fundou a Lanterna Mágica, que a caricatura passa

a confundir-se com a história da imprensa no Brasil. De

fato, na falta da ilustração fotográfica, os jornais ilustra- dos pelos principais artistas litográficos da época, quase todos caricaturistas de talento, desempenharam um papel importante, tornando a notícia mais atraente e populari- zando as feições das principais personalidades do tempo.

A partir de 1860, e sobretudo 1870, os jornais satíricos

passaram a ser um dos principais veículos de informação

e suas tiragens atestam o sucesso da fórmula.

(

)

A charge – normalmente uma sátira ou crítica política –, que pode ter uma ou mais vinhetas (assemelhando-se à narrativa sequen- cial da história em quadrinhos), é limitada ao tempo de sua veiculação, perdendo a graça com o tempo, uma vez que retrata um evento de cur- ta duração. Além disso, segundo Romualdo (2000, p. 85-86), a charge cumpre outro papel, de estabelecer relações intertextuais com outros textos do jornal, quando publicada em órgãos de imprensa:

Nesse universo discursivo que é o jornal, encontramos vários textos sobre um determinado assunto. Isto garan- te ao jornal o seu pretendido discurso pluralista, pois, ao estabelecermos as relações entre os textos diversos, per- cebemos que eles podem até possuir posições conflitan- tes. A charge jornalística é um dos textos que entram na configuração desse discurso da realidade. Ao relacionar a charge com os outros textos do periódico, o leitor recupe- ra a intertextualidade.

Um dos artistas que empregou o humor gráfico como forma de discurso político e crítico foi o ítalo-brasileiro Angelo Agostini. Nascido em 1843 na Itália, estudou arte em Paris e chegou ao Brasil aos 16 anos, acompanhando sua mãe, que era cantora lírica. As carica- turas e as charges por ele realizadas na segunda metade do século XIX demonstravam sua insatisfação com o governo de Dom Pedro II. Sua carreira artística teve início em 1864, com a publicação de ilustrações na revista Diabo Coxo, em São Paulo. Em seguida, trabalhou na revista

20

HQs de Humor no Brasil

O Cabrião, para a qual elaborou, em 1867, suas primeiras histórias ilustradas. Depois de mudar-se para o Rio de Janeiro, produziu dese- nhos para as publicações Vida Fluminense, O Mosquito e Don Quixote. Durante sua permanência na primeira, criou seu primeiro personagem, Nhô Quim. Em 30 de janeiro de 1869, Agostini editou o primeiro ca- pítulo de As Aventuras de Nhô Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte, mas só ilustrou nove páginas duplas, que foram completadas (com mais cinco páginas) por Candido Aragonés de Faria.

(com mais cinco páginas) por Candido Aragonés de Faria. Ilustração 1 – Agostini retrata o resultado

Ilustração 1 – Agostini retrata o resultado do nivelamento das ruas de São Paulo.

Na ilustração acima, publicada em 1864 no número 11 da pri- meira série do jornal Diabo Coxo, o artista usa duas vinhetas para mostrar as consequências do nivelamento das ruas de São Paulo. A relação sequencial que se estabelece entre as duas imagens corres- ponde ao antes e depois da realização da obra. Na parte de cima, enquanto um homem de cartola e guarda-chuva sobe com dificul- dade a rua íngreme e outro cai ao chão, dois moradores entram em suas casas e outro observa da janela e um cão passeia. Na imagem de baixo, os mesmos personagens reaparecem: o pedestre já não tem dificuldade para andar, mas os que ali residem precisam esforçar-se para adentrar seus lares, uma vez que a porta ficou muito acima da calçada ou muito abaixo dela.

21

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

O texto, situado na parte inferior do segundo desenho tem a força de um editorial – “Para que serviu o nivelamento das ruas! Se foi bom para os calos dos passantes, não foi para a comodidade dos moradores”. A repetição de elementos visuais foi um recurso gráfico empregado pelo artista como reforço argumentativo e para eviden- ciar sua crítica à falta de planejamento das obras públicas. O humor decorre do absurdo de ter que usar escadas ou rastejar para entrar na casa e o fato de o cão lamber o rosto do homem que se encontra à janela, agora próxima ao chão. A primeira história de longa duração de Agostini foi As Aventuras de Nhô Quim, publicada nas duas páginas centrais do jornal Vida Fluminense. A narrativa acompanha a trajetória do matuto rico Nhô Quim, desde sua partida da fazenda dos pais, no interior, até o rebuliço que causa na cidade por não estar familiarizado com as con- venções da vida urbana (Ilustração 2, abaixo). O personagem perde o trem na estação, provoca acidente com carroças nas ruas do Rio de Janeiro, espanta-se com a luz elétrica e o sorvete e é vítima de esper- talhões que almejam tirar-lhe o dinheiro. Ao retratar comicamente a ingenuidade e a inabilidade do protagonista, o autor registra o modo de vida carioca na segunda metade do século XIX, as transformações que estavam em curso, a moda (Nhô Quim troca as roupas e as botas de campônio por vestes de “dândi”) e as convenções sociais (o cardá- pio do restaurante escrito em francês, por exemplo). A esse respeito, afirma Cardoso (2002, p. 23):

Em As Aventuras de Nhô Quim, aproveitava-se das des- venturas de um caipira rico, ingênuo, trapalhão e exilado

na Corte pela família para tecer uma sucessão de críticas irreverentes aos problemas urbanos, modismos, costumes socais e políticos da época. Comerciantes, imigrantes,

artistas, prostitutas de luxo (

candidatos, eleitores,

autoridades e até um ou outro jornalista e caricaturista, desafeto de Agostini, é censurado nessa série de inciden- tes jocosos.

),

22

HQs de Humor no Brasil

HQ s de H umor no B rasil Ilustração 2 – O caipira Nhô Quim arruma

Ilustração 2 – O caipira Nhô Quim arruma confusões nas ruas do Rio de Janeiro.

Em sua vida movimentada, Agostini ainda fundou, em janeiro de 1876, a Revista Ilustrada (que durou até 1888) e o periódico Don Quixote. Nas páginas da revista, esse artista publicou, a partir de 27 de janeiro de 1883, as aventuras de outro personagem, Zé Caipora, em 35 capítulos de páginas duplas, que seriam reeditados em Don Quixote e em O Malho. Ao contrário do interiorano Nhô Quim, Zé Caipora vive na cidade, mas, da mesma forma que o primeiro, tam- bém é um trapalhão. Inicialmente, a história acompanhava as desven- turas do azarado protagonista, que, buscando causar boa impressão na alta sociedade e, principalmente, aos olhos de sua amada, acabava ora sendo vítima de brincadeiras dos outros, ora causando estragos por sua própria inépcia. A história humorística, entretanto, transfor- ma-se em narrativa de aventura quando o personagem viaja para o interior para curar-se de uma doença. No meio do mato, enfrenta bichos perigosos e uma tribo de índios selvagens e, em parceria com a índia Inaiá, consegue sobrepujar os obstáculos. Agostini, que estava no auge do domínio da técnica artística, desenha com traço realista paisagens e animais e dá aos personagens expressões variadas, do medo à raiva. Também do ponto de vista narrativo, o autor traz inovações para a época, apresentando uma sucessão de acontecimentos com o uso da sequencialidade dos qua- drinhos (Ilustração 3, abaixo), seja na parte inicial, humorística, seja no relato de aventura.

23

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

c aPítulo 1 | o H umor no i mPério e na r ePúBlica Ilustração 3

Ilustração 3 – O desastrado Zé Caipora envolve-se em tumulto.

A respeito de Zé Caipora, Cardoso (2002, p. 25-26) observa que:

José Corimba é um homem urbano. O apelido, Zé Caipora, fica

claro pelas trapalhadas e aventuras iniciais marcadas pela falta

de

sorte.

O

caipora é a pessoa malfadada. A crença vem dos caçadores

fracassados que retornavam sem nenhuma caça, desculpando-

-se por terem visto o Caipora (

sileiro que traz azar a quem o avista. Corimba, reconhecendo sua sina, faz questão de ser assim chamado. Fisicamente José Corimba é branco, compleição mediana, bem proporcionado, cabelos escuros, lisos, bigode fino, aparentando 30 anos de idade. O nariz, quase uma continuação da testa, é a principal

característica do rosto oval e de queixo retraído, acentuada nos primeiros capítulos. No final da narrativa, seu rosto é normal dentro do aspecto imaginado por Agostini. Não segue o padrão de beleza esperado de um herói, mas também não é feio; é no mínimo simpático. Financeira e socialmente, goza de bom sta- tus. Mora num sobrado bem mobiliado, tem um criado negro

e relações com a nobreza. É solteiro e sofisticado. Na cidade,

personagem do folclore bra-

),

veste-se com apuro e mesmo na intimidade é encontrado com um chambre de seda. No campo, usa casaco e calça listrada de casimira, chapéu de abas largas de fina palha e botas de cano alto e ainda uma capanga a tiracolo. Apesar das críticas contrá- rias que o confundem com o Nhô Quim, é um homem elegante.

24

HQs de Humor no Brasil

Sempre crítico, Agostini satirizou a vida no Rio de Janeiro, de- fendendo o fim da escravidão e do regime monarquista – fez charges e caricaturas de Dom Pedro II mostrando a decadência do regime – e, depois, censurou os descaminhos da recém-proclamada República. Sobre o cartunista, Balaban (2009, p. 28) afirma: “Em geral, há um consenso que faz dele um misto de artista e político, associação que definiria a arte da caricatura no século XIX”. Esse autor acrescenta que ele “seria um dos pais da caricatura brasileira por ter sido feliz em aliar seu talento manejando o crayon com a militância política, sobretudo no que tange à abolição da escravatura e à mudança de regime político que se seguiu”. Sua colaboração para os quadrinhos brasileiros pode ser cons- tatada, também, por sua participação na primeira publicação com quadrinhos dedicada ao público infantil, a revista O Tico-Tico, lança- da em 1905 pela mesma editora de O Malho. Para esse periódico, Agostini elaborou o cabeçalho, capas, ilustrações e algumas histó- rias em quadrinhos, ainda seguindo sua ótica crítica, como evidencia Maringoni (2011, p. 230):

Para O Tico-Tico número 5, de 8 de novembro [de 1905],

Agostini cria uma das mais sintomáticas histórias em quadri-

nhos sobre a escravidão. (

cia a quente do flagelo do trabalho servil. ( )

O ambiente não é mais o da denún-

)

“Os meninos sabem que o Brasil já teve escravos?”, é a pergunta estampada na primeira linha da narrativa de “História do Pai João (cenas do tempo da escravidão)”, história de duas páginas

e doze estampas [vinhetas]. Os quadrinhos são a melhor forma

de expressão de Agostini. Aqui seu traço não vacila, os quadros

e o roteiro, embora lineares, são compostos com segurança e rit-

mo. “O escravo não era pessoa, era coisa que se vendia como se fosse um animal irracional”, prossegue o texto, descrevendo rapi- damente as tragédias, que tal condição impunha aos cativos. O nariz de cera serve de Pai João, um negro de meia-idade, pernas

tortas, frequentemente atormentado pela garotada do terreiro.

25

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

c aPítulo 1 | o H umor no i mPério e na r ePúBlica Ilustração 4

Ilustração 4 – História Chico Caçador, de Agostini, editada na revista O Tico-Tico.

26

HQs de Humor no Brasil

Depois de Agostini, a charge política e a crítica social e de cos- tume encontraram novos empreendedores. No final do século XIX, o desenhista Rafael Bordalo Pinheiro fazia comentários críticos na imprensa por meio do personagem Zé Povinho, que inspirou outro parecido, o Zé Povo, editado a partir de 1910 em diversas publica- ções, a exemplo da revista Fon-Fon!, e realizado por diferentes artistas (entre eles Raul Pederneiras, Kalixto, J. Carlos). De acordo com Silva (1990, p. 9), Zé Povo reclamava “de sua situação social, de desres- peito a seus direitos e de outros problemas que sofria ou via ao seu redor”. José Carlos de Brito e Cunha, mais conhecido pelo nome artís- tico J. Carlos, foi o ilustrador exclusivo da revista de humor Careta de 1908 a 1922, para a qual fez capas e charges políticas. Na opinião de Cavalcanti (2005, p. 109): “Em todos seus anos de atividade, J. Carlos retratou em ilustrações, vinhetas decorativas ou caricaturas políticas, seu tempo e o desenvolvimento da história política do país”. Esse artista deixou impressa sua visão satírica sobre fatos que impacta- ram o Brasil e o mundo, como a ditadura Vargas e a Primeira Guerra Mundial, e as mudanças sociais e comportamentais, a exemplo dos desenhos das sensuais melindrosas que desfilavam pelas ruas atrain- do os olhares masculinos nas calçadas e nos bondes apinhados. Além do humor político, ele também elaborou peças publicitárias e criou quadrinhos infantis para a revista O Tico-Tico (como será visto no pró- ximo tópico).

27

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

c aPítulo 1 | o H umor no i mPério e na r ePúBlica Ilustração 5

Ilustração 5 – Capa da revista Careta ilustrada por J. Carlos, que mostra os conluios políticos após o fim da Primeira Guerra.

Seguindo o mesmo caminho, o cartunista Belmonte criou o per- sonagem Juca Pato, surgido numa charge de 1925, publicada nas pági- nas do jornal paulista Folha da Noite. O protagonista era um indivíduo franzino, careca, de óculos e terno escuro, que se tornou o símbolo do povo sofrido, o cidadão comum cuja situação de penúria é causada pelos desmandos e pela corrupção dos poderosos (a charge chegou a ser censurada durante a ditadura Vargas, nos anos 1940). Belmonte publicou seus trabalhos na revista satírica Careta e ilustrou os livros escritos por Monteiro Lobato (1882-1948). A partir de 1933, fez para A Gazetinha as histórias protagonizadas por Paulino e Albina e por Tutu, Titi e Totó, além de fazer a Carta Enigmática por um longo período.

28

HQs de Humor no Brasil

O Tico-Tico: uma revista para o público infantil

O início do século XX é caracterizado pelo sentimento de moder-

nidade, seja pelas perspectivas abertas pelo desenvolvimento científico (que disseminou a ideia de velocidade, representada fisicamente pelas máquinas da indústria e pelo automóvel), pela consolidação da vida bur- guesa ou pelas inovações artísticas. Na visão de Saliba (2002, p. 17):

Delimitada pela segunda Revolução Industrial, que alterou radi- calmente o cenário científico-tecnológico, alargando, para limites imprevistos, as fronteiras do mundo capitalista a partir da dé- cada de 1870, a Belle Époque foi assim designada já com uma pontinha de ironia e humor porque, afinal, tirando as atrocidades posteriores, tristemente célebres, que viriam depois da Guerra de 1914, ela já possuía todas as características do século XX.

O Brasil, recém-saído da monarquia, entrava no novo século en-

frentando os primeiros desafios da República, assim como o processo de industrialização recente e incipiente, que agravaria ainda mais as discrepâncias regionais. O cinema, imagens em movimento narrando histórias, torna-se, então, um fenômeno cultural popular. É nesse mo- mento, também, que a imprensa passa a se profissionalizar, ganhando

o reforço econômico da publicidade de produtos e segmentando-se

para atender a demandas de diferentes leitores. Nesse sentido, a his- tória em quadrinhos (especialmente a de humor) se aperfeiçoa (princi- palmente graças ao aprimoramento das técnicas de impressão), desen- volve sua linguagem e sua narrativa e conquista o público.

Uma das publicações nacionais mais importantes nesse período foi a revista O Tico-Tico, lançada em 1905 pela Sociedade Anônima O Malho. Além de quadrinhos protagonizados por crianças (Chiquinho, Lamparina, Réco-Réco, Bolão e Azeitona, entre outros) e

narrativas de aventura e de humor, oferecia aos leitores contos, jogos

e informações. A intenção de seu criador, Luís Bartolomeu de Souza e

Silva, era difundir educação e entretenimento para os leitores infan-

tis. De acordo com Vergueiro e Santos:

A revista O Tico-Tico é um marco entre os títulos regulares

dirigidos à infância no Brasil. Em primeiro lugar, por ter sido

a pioneira em trazer regularmente histórias em quadrinhos,

29

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

numa época em que a arte gráfica sequencial não tinha abso- lutamente qualquer reconhecimento por parte dos intelectuais, de pais ou professores. Em segundo lugar, por se constituir, até o momento, na mais longeva revista infantil já publicada no Brasil, atingindo 56 anos de vida1 (2005, p. 14).

Do ponto de vista do formato e da padronização gráfica, O Tico-Tico seguia o modelo de revistas europeias da época, especial- mente as inglesas e as francesas, a exemplo do periódico La Semaine de Suzette. Assim como na Europa, as histórias em quadrinhos edi- tadas na publicação brasileira traziam os textos impressos na parte inferior das vinhetas – e até mesmo os comics estadunidenses tinham seus balões de fala ou de pensamento apagados. Em relação às ques- tões formal e estética, o leiaute acompanhava a tendência artística característica da Belle Époque, o estilo art nouveau, com suas curvas e cores que sobressaíam umas às outras.

, com suas curvas e cores que sobressaíam umas às outras. Ilustração 6 – Capa de

Ilustração 6 – Capa de edição de O Tico-Tico publicada no início do século XX.

1 Nos anos posteriores ao centenário de lançamento de O Tico-Tico, as revistas com os personagens Disney, Pato Donald e Mickey, ultrapassaram seu tempo de publicação, embora só tenham contado com quadrinhos produzidos por artistas brasileiros da década de 1960 até o início do século XXI.

30

HQs de Humor no Brasil

Inicialmente as histórias em quadrinhos publicadas nas páginas de O Tico-Tico seguiam o gênero mais popular das comic-strips estaduni- denses da época, as kid-strips (tiras protagonizadas por personagens in- fantis, como The Yellow Kid e Os Sobrinhos do Capitão). Um dos destaques da fase inicial da revista foi J. Carlos, que criou diversos personagens, como a menina negra Lamparina, que vive fugindo de casa e apron- tando travessuras – vestida com uma tanga de leopardo, ela reforça o estereótipo do negro africano –, o garoto Juquinha e a dupla Jujuba e seu pai Carrapicho. As primeiras histórias em quadrinhos editadas nes- sa publicação tinham uma ambientação rural, uma vez que o processo de urbanização do país estava apenas começando. Sucesso nos Estados Unidos, o garoto Buster Brown, ideali- zado em 1902 por Richard Felton Outcault (criador de Yelow Kid), tornou-se figura constante de O Tico-Tico. Rebatizado de Chiquinho, teve suas histórias realizadas por diversos artistas brasileiros por mais de meio século, sem que o autor soubesse. Luiz Gomes Loureiro abrasileirou o personagem, transpondo-o para a cultura e os costu- mes nacionais da época. Ao contrário das tiras estadunidenses, que se passavam na parte rica de Nova York, as narrativas brasileiras de Chiquinho tinham como cenário o espaço rural. O quadrinista man- teve a roupa de marinheiro do personagem original, típica vestimen- ta das crianças da época, mas acrescentou às traquinagens o garo- to negro Benjamin. Outros artistas brasileiros deram continuidade às travessuras de Chiquinho, como Augusto Rocha, Paulo Affonso, Alfredo e Oswaldo Storni e Miguel Hochman. Além de Benjamin, o protagonista também contracenava com o cachorro Jagunço (Tige, no original) e a menina Lili (Mary-Jane, nas tiras de Outcault).

31

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

c aPítulo 1 | o H umor no i mPério e na r ePúBlica Ilustração 7

Ilustração 7 – Chiquinho, no traço de Paulo Affonso, com Benjamin, Lili e Jagunço.

A edição 1331 de O Tico-Tico, de 8 de abril de 1931, marcou a estreia das histórias em quadrinhos estreladas por três garotos, Réco-Réco (de cabelos espetados), Bolão (o gordinho da turma) e Azeitona (menino negro). A criação de Luiz Sá – inicialmente com a colaboração de I. Galvão de Queiroz Neto – antecipou em três déca- das os quadrinhos infantis de Mauricio de Sousa e Ziraldo. O trio de amigos vivia aventuras na cidade ou no meio do mato, quase sempre tendo como mote as peças que um pregava no outro. Também da imaginação desse quadrinista saíram Peteleco, o papagaio Faísca, o

32

HQs de Humor no Brasil

detetive Pinga-Fogo e a garota negra Maria Fumaça. Seu estilo gráfico – o recorte das pupilas dos personagens e os braços que se dobram como tubos de borracha – foi influenciado pelos desenhos animados estadunidenses, especialmente os dirigidos por Ub Iwerks (coautor de Mickey Mouse) e Max Fleischer (criador de Betty Boop e produtor das primeiras animações de Popeye e Superman).

e produtor das primeiras animações de Popeye e Superman). Ilustração 8 – Página de história com

Ilustração 8 – Página de história com os personagens infantis de Luiz Sá, cuja comicidade é extraída da relação metalinguística com a linguagem dos quadrinhos.

33

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

Mas o quadrinho de humor de O Tico-Tico não se restringiu aos personagens infantis. Alfredo Storni criou em 1911 os personagens Zé Macaco e Faustina, um casal caracterizado pela feiura e pela bur- rice, mas que pretende parecer sofisticado. Trata-se de uma crítica à classe média urbana ascendente e deslumbrada. Inicialmente, a mu- lher não tinha nome e era identificada como Madame Zé Macaco. Um concurso entre os leitores definiu seu nome. O par tinha um filho, Baratinha, que apareceu apenas por um breve período nas histórias, que focavam nas tentativas frustradas da dupla de aparentar ter edu- cação e inteligência e de estar na moda.

ter edu- cação e inteligência e de estar na moda. Ilustração 9 – Zé Macaco e

Ilustração 9 – Zé Macaco e Faustina velejam, sofrem acidente e contam vantagens para impressionar os amigos.

34

HQs de Humor no Brasil

Concebidos por Max Yantok no mesmo ano que Zé Macaco

e Faustina, o grã-fino metido a aventureiro Kaximbown e seu criado

Pipoca apareciam em histórias que normalmente ocupavam uma pá- gina. Viajando pela misteriosa Pandegolândia, eles procuravam por tesouros e faziam caçadas, mas sempre acabavam se metendo em confusões. Yantok também foi o autor das peripécias do Barão de Rapapé, de Chico Maldesorte, um mendigo azarado que vivia sem di- nheiro, e dos amigos Pandareco e Parachoque e seu cachorro Viralata.

Na mesma linha de humor ingênuo, o cartunista baiano Djalma Pires Ferreira, que assinava seus trabalhos com o pseudônimo Theo, idealizou Tinoco, o Caçador de Feras, um engenhoso caçador que inventa formas estranhas para apanhar animais selvagens, como uma

meia esfera de alumínio duro que servia de barco, o protegia do sol

e da chuva, transformava-se em armadilha para presas de pequeno porte e em esconderijo para salvar-se de bichos ferozes.

35

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

c aPítulo 1 | o H umor no i mPério e na r ePúBlica Ilustração 10

Ilustração 10 – Vinheta de Kaximbown desenhada por Max Yantok.

A Gazetinha e a influência dos comics

Se a revista O Tico-Tico seguiu o modelo europeu – especial- mente o inglês e o francês – de publicações impressas, A Gazeta Edição Infantil, mais conhecida como A Gazetinha, incorporou o formato dos suplementos editados nos Estados Unidos e a estética e a linguagem das comic-strips estadunidenses. Nas histórias em quadrinhos produzi- das no Brasil, o uso de balões de fala tornou-se comum, substituindo as legendas colocadas abaixo das vinhetas, o estilo gráfico adotado pe- los artistas passou a ser mais realista, tendo como base o desenho de

36

HQs de Humor no Brasil

artistas como Hal Foster e Alex Raymond, e as narrativas de aventura dividiram o espaço com as de humor. Até mesmo o nome dos perso- nagens passou a ser americanizado, e as narrativas eram ambientadas em metrópoles que remetiam a Nova York ou Chicago, como pode ser observado na série policial A Garra Cinzenta, realizada por Francisco Armond e Renato Silva e publicada na Gazetinha de 1937 a 1939. Com a crise econômica de 1929, houve o esgotamento da po-

lítica café-com-leite (que se refere à alternância no poder de manda- tários paulistas e mineiros) da República Velha – amparada no mo- delo agrário-exportador, tendo à frente uma liderança conservadora das elites. A conquista do poder pelo grupo comandado por Getúlio Vargas, na Revolução de 1930, aproximou o país do capitalismo in- dustrial estadunidense. A força da indústria cultural dos Estados Unidos (amparada no cinema de Hollywood, na música e nos quadri- nhos) e a aliança forjada durante a Segunda Guerra Mundial selaram

a aproximação entre os dois países.

Desde o final do século XIX, as histórias em quadrinhos cria- das nos Estados Unidos eram publicadas em jornais no formato de tiras (que, a partir de 1907, passaram a ter periodicidade diária) e eram distribuídas por empresas, os syndicates, para diversos jornais daquele país e também para o exterior (inclusive para publicações brasileiras). Na mesma época, surgiram os suplementos de histórias em quadrinhos, publicados aos domingos – e que, por essa caracte- rística, receberam o nome de Sunday Comics –, impressos em cores

e encartados nos jornais. Até o final da década de 1920, as histórias

apresentavam situações humorísticas e personagens cômicos (dese- nhados de forma estilizada) cujas narrativas tinham início e fim na mesma tira. Em janeiro de 1929 começaram a ser editadas os pri- meiros quadrinhos de aventura, protagonizados por Buck Rogers e Tarzan, que tinham enredos longos serializados durante meses.

37

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

Surgida em 1929 como uma seção do periódico paulista A Gazeta, no dia 12 de setembro do mesmo ano, A Gazetinha tornou-se um suplemento semanal 2 . Além de tiras de quadrinhos produzidas nos Estados Unidos (Gato Félix, Little Nemo, Thimble Theater, entre outras), trazia material elaborado por artistas do país: na edição número 5 es- treou Piolim, desenhado por Gomez Dias e Nino Borges, personagem baseado no famoso palhaço brasileiro da época. Descontinuada em 1930, voltou a ser publicada três anos depois e chegou a ser trisse- manal. Tiras de Betty Boop, Brick Bradford, Fantasma e Superman di- vidiam espaço com Nhô Totico, personagem de programa radiofônico de humor muito popular na época, ambientado em uma sala de aula e protagonizado por uma professora e seus alunos. Dois artistas brasileiros destacaram-se nas páginas desse su- plemento: Belmonte e Messias de Mello. Este último, além de nar- rativas de aventura serializadas em capítulos semanais de uma pá- gina (como Capitão Blood, Sherlock Holmes, Homem Elétrico, À Roda da Lua etc.), foi criador em 1934 da história humorística estrelada pelo Pão-duro, malandro que quase sempre se dava mal. Embora não seja sovina, este personagem vive criando maneiras de ganhar dinheiro, normalmente ao lado de seu amigo Gibimba, mas ambos acabam ar- rumando confusão.

2 Depois da Gazetinha, surgiram outros suplementos de quadrinhos no Brasil,

a exemplo do Suplemento Juvenil (1933) e do Globo Juvenil (1937). Nas décadas

seguintes, diversos jornais de várias partes do Brasil lançaram seus suplementos voltados para leitores infantis que publicavam passatempos e tiras e páginas de quadrinhos, como a Folhinha, encartada na edição de domingo da Folha de S. Paulo

e que trazia quadrinhos feitos por Mauricio de Sousa.

38

HQs de Humor no Brasil

HQ s de H umor no B rasil Ilustração 11 – Página do personagem Pão-duro publicada

Ilustração 11 – Página do personagem Pão-duro publicada na Gazetinha em 1949.

Nacionalismo e populismo no pós-guerra

No início da década de 1940 a influência dos Estados Unidos acentuou-se ainda mais, principalmente com a chamada “política da boa vizinhança”, que objetivava cooptar os países latino-americanos para se- rem aliados dos estadunidenses e ingleses na guerra. Foi o momento em que Carmen Miranda se tornou atriz em Hollywood e Walt Disney criou o Zé Carioca, entre outros personagens. Nesse contexto, o formato do comic-book (18,5 X 26 cm) – revista de histórias em quadrinhos que teve

39

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

início em 1933 – tornou-se o padrão para as publicações brasileiras. As primeiras a adotá-lo foram O Lobinho e o Gibi Mensal, diferenciando-se do modelo standard ou tabloide. Nos anos 1950, para diminuir custos, algumas editoras adotaram o formatinho (14 X 20,5 cm). Outras faces do povo brasileiro, menos tímidas e subservien- tes, foram mostradas através de personagens como O Amigo da Onça

e Doutor Macarra. Criado em 1943 pelo recifense Péricles de Andrade

Maranhão para a revista semanal O Cruzeiro, um dos veículos impres- sos mais influentes da época, O Amigo da Onça encarna o esperta- lhão, canalha e sem caráter, mas simpático e loquaz, que não perde

a oportunidade de tirar vantagem ou de aprontar safadezas em cima

das fraquezas alheias. Ele utiliza expedientes escusos, não para fins materiais, mas para sobrepujar as outras pessoas, enganadas para satisfazer seu prazer sádico de exercer o poder sobre os outros. A esse respeito, Silva (1989, pp. 91-92) analisa o personagem com base em sua relação com o outro a ser derrotado, que sempre está em uma condição limiar (loucura, suicídio, doença, morte etc.) e destaca:

A apresentação do outro em situações limiares é procedimento

básico do Amigo da Onça, que contamina mesmo as situações de aparência absolutamente cotidiana e menos (ou nada) mar- cadas pelos estigmas assinalados. A rigor, o convívio do perso- nagem com pessoas que se encontram em estado de integração pessoal ou profissional (adultos no trabalho, no amor, no lazer ou em família, crianças brincando, estudando ou convivendo com parentes e amigos, papéis habituais de pessoas de diferen-

tes faixas etárias, sexos, posições na hierarquia social) relaciona permanentemente um cotidiano – previsível, repetido, domesti- cado, estabelecido – com limiares que põem em xeque essa situ- ação, apelando com frequência para o conflito entre as práticas cotidianas e as justificativas e expectativas que as revestem.

O dia a dia, portanto, é um campo de ação do Amigo da Onça

sobre o outro tão forte quanto os limiares antes apresentados, tendendo mesmo a ser incorporado por eles como ponte para a derrota do outro. Paralelamente, há um cotidiano do personagem, base de sua iden-

tidade, flexível tecido que garante a eficácia de sua ação no mundo.

A previsibilidade do cotidiano alheio, base da vitória do Amigo da

Onça, não se repete no cotidiano do próprio personagem, exceto no que talvez seja o principal: a realização de seu desejo de poder.

40

HQs de Humor no Brasil

HQ s de H umor no B rasil Ilustração 12 – O Amigo da Onça, personagem

Ilustração 12 – O Amigo da Onça, personagem versátil e sem caráter.

41

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

Após o suicídio de Péricles, no último dia de 1961, outro cola- borador de O Cruzeiro, Getulio Delphim, assumiu a produção do per- sonagem por dois anos, sendo substituído por Carlos Estêvão, que fez a série até 1972, quando faleceu. Este cartunista também criou outros tipos, como o detetive Sharleck Halmes, paródia de Sherlock Holmes. Também são de sua autoria as histórias As aparências enga- nam, em que mostrava a sombra e, na vinheta subsequente, o que realmente estava acontecendo, e Ser Mulher (onde pretensamente ensinava as mulheres a ser submissas). O personagem mais importante de Carlos Estêvão foi o con- vencido e faroleiro Dr. Macarra, que vivia se gabando de mentiras que inventava para impressionar seus crédulos ouvintes. A estrutura nar- rativa era invariável: na primeira vinheta, Macarra vangloriava-se e, na seguinte, um flashback revelava ao leitor a verdade: o personagem distorcia ou ampliava um fato para tornar-se importante para seu interlocutor, seu ufanismo o transformava em outra pessoa, alguém que jamais poderia ser de fato. Surgido nos anos 1950 na revista O Cruzeiro, ganhou revista própria em 1962, que teve um total de nove edições. Em 1948, em parceria com o escritor e jornalista Millôr Fernandes, Estêvão produziu para o jornal Diário da Noite a tira hu- morística diária Ignorabus, o Contador de Histórias. Em forma de meta- narrativa, os dois autores (Millôr usava o pseudônimo de Vão Gogo) participavam da história, cujo protagonista “é ignorante, imbecil, es- túpido analfabeto, qualidades de um romancista nato”, que vive na misteriosa cidade maravilhosa de Bagdá e veste turbante e colares.

cidade maravilhosa de Bagdá e veste turbante e colares. Ilustração 13 – A tira metalinguística Ignorabus,

Ilustração 13 – A tira metalinguística Ignorabus, o Contador de Histórias, feita em parceria por Millôr Fernandes e Carlos Estêvão.

42

HQs de Humor no Brasil

Ainda na década de 1950, chegava aos quadrinhos uma dupla de sucesso nas chanchadas: comédias musicais produzidas pelo es- túdio carioca Atlântida (e, depois, pela produtora Herbert Richers). Esse tipo de filme cômico reproduzia o clima populista da época, fazendo críticas sociais (ao funcionalismo público, à carestia, aos bu- racos na rua, ao transporte público deficiente etc.), ao mesmo tem- po em que abordavam situações burlescas (confusão de identidades, troca de objetos, infidelidade conjugal) e mostravam os bastidores do teatro de revista (com suas vedetes), da TV ou de casas noturnas. As chanchadas carnavalescas entremeavam as marchinhas

à trama da história, enquanto as chanchadas de meio de ano eram comédias com pouca ou até nenhuma música. Esses filmes faziam paródias a produções de Hollywood, como Matar ou Correr e Nem Sansão nem Dalila, e eram ambientados em cassinos, boates, mansões ou barracos da periferia, onde viviam os protagonistas. Os atores Oscarito e Grande Otelo personificavam nestes filmes tipos popula- res, desempregados ou subempregados, quase sempre desprovidos de dinheiro e que precisavam usar de algum expediente, nem sempre lícito (como o jogo do bicho), para sobreviver. Outros actantes dessas histórias humorísticas eram o casal romântico e o vilão. Malandros, mendigos ou funcionários subalternos (barbeiro, mensageiro de hotel, contínuo de repartição pública), Oscarito e Grande Otelo envolviam-se por acaso na trama central da história

e garantiam a comicidade com suas caretas e estripulias, enquanto

auxiliavam o galã a conquistar a mocinha. As histórias em quadri- nhos (desenhadas por Messias de Mello, João Batista Queiroz, Luiz Webster, Aylton Thomas, roteirizadas por Alberto Maduar e com ca- pas ilustradas pelo luso-brasileiro Jayme Cortez, artistas que também quadrinizaram as histórias do caipira Mazzaroppi, que também fazia sucesso no cinema) recriavam as peripécias dos filmes.

43

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

c aPítulo 1 | o H umor no i mPério e na r ePúBlica Ilustração 14

Ilustração 14 – Oscarito e Grande Otelo: das chanchadas cinemato- gráficas para os quadrinhos.

44

HQs de Humor no Brasil

A década de 1950 caracterizou-se pelo populismo, visão políti-

ca ambígua que se posiciona a favor da parcela mais pobre e explorada

do povo, embora procure preservar a sociedade como um todo, para que não haja rupturas radicais. Houve, também, o fortalecimento da ideologia nacionalista, que não se restringia ao incentivo à produção industrial local, mas também se espraiava para a cultura (teatro, cine- ma, música). Nesse contexto, teve início o movimento para ampliar a presença de quadrinhos brasileiros nas publicações nacionais. Para os editores, o material estrangeiro, notadamente o estadunidense distri- buído pelos syndicates, tinha um custo bem menor, uma vez que já dera lucro a seus produtores nos países de origem.

Para evitar a aprovação de uma lei que obrigasse a publica- ção de quadrinhos brasileiros, os editores passaram a dar mais es-

paço para artistas que atuassem no Brasil. Assim, em 1960, a editora

O Cruzeiro (que publicava revistas infantis como Guri, Luluzinha e

Bolinha) lançou Pererê, com os personagens criados por Ziraldo, ins- pirados no folclore e na fauna brasileira, uma clara adesão à visão populista da época, que valorizava temas relacionados à cultura do país e ao povo brasileiro.

Inicialmente feitas na forma de cartum para a revista semanal de informação O Cruzeiro, essas histórias são ambientadas no inte- rior e são protagonizadas pelo esperto saci e seus amigos, o índio Tininim, a onça Galileu, a menina negra Boneca-de-Pixe, o macaco Alan, entre outros, que tinham como antagonistas os caçadores Compadre Tonico e Seu Neném. De acordo com Pimentel (1989, p. 59-66), o discurso populista nessas narrativas é perceptível pela mis- tura de elementos culturais e pelas referências típicas à sociedade urbana, com ênfase no consumo, em pleno meio rural. Ao tentar ser uma síntese do país, as aventuras de Pererê põem em evidência as contradições da sociedade brasileira daquele momento. Na década de 1970, Ziraldo participou do jornal alternativo Pasquim, criou personagens como a Supermãe e Jeremias, o Bom e, em 1980, voltou aos quadrinhos infantis com o Menino Maluquinho. Os enredos das histórias de Supermãe têm como base os esforços de uma matrona superprotetora para proteger seu filho, um marmanjo mulherengo. Lançadas em 1969, no Jornal do Brasil, no ano seguinte

as aventuras dessa mãezona extremada passaram a ser publicadas na

revista feminina Claudia, da editora Abril, cujas leitoras são donas de casa e, em sua maioria, mães. Jeremias (referência ao profeta bíblico),

45

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

por sua vez, é o retrato hiperbólico do bom samaritano: ele é avalista de todos os amigos (e até de desconhecidos), convida para jantar o ladrão que invade sua casa, cede o lugar no elevador lotado, protege os animais, ajuda turistas perdidos e é incapaz de matar uma mosca. Em suma, o lado bom do brasileiro.

de matar uma mosca. Em suma, o lado bom do brasileiro. Ilustração 15 – Supermãe cuida

Ilustração 15 – Supermãe cuida de seu filho em todas as ocasiões.

46

HQs de Humor no Brasil

No mesmo ano do surgimento de Pererê, a editora Continental colocou nas bancas a revista Zaz Traz, na qual Mauricio de Sousa debu- tou com histórias do cachorro Bidu. As primeiras tiras do personagem apareceram em 1959 no jornal Folha de S. Paulo, e a revista Bidu teve 8 edições no início da década de 1960. A partir de 1963, inicialmente nas tiras de jornais e, depois, em revistas (publicadas pelas editoras Abril, Globo e Panini), o artista consolidou a Turma da Mônica, cujo humor deriva, muitas vezes, da metalinguagem (com a linguagem das narra- tivas gráficas sequenciais) e da intertextualidade (com personagens de outras histórias, especialmente os super-heróis, e com outras mídias). Seus personagens, à exceção do caipira Chico Bento e do índio Papa- Capim, vivem em um ambiente urbano e universal. Mas, além dos quadrinhos infantis, Mauricio concebeu em 1966 as tiras do garoto Nico Demo, normalmente constituída por narrativas curtas desprovidas de diálogos e repletas de humor ne- gro e de duplo sentido. O protagonista, embora seja um garoto, é mostrado em diferentes papéis, de bombeiro a faquir. Suas ações, intencionalmente ou não, normalmente causam danos aos outros. Com um enfoque diferente, voltado para a sátira ao compor- tamento, o quadrinista Mauricio de Sousa, mais conhecido pelos personagens infantis da Turma da Mônica, lançou em 1968 uma tira humorística com conteúdo adulto: Os Sousa. Os enredos tratavam do cotidiano de uma família tradicional composta pelo marido, esposa e pelo irmão solteiro do marido, o Mano. As gags giram em torno do relacionamento do casal, que vive brigando, e das paqueras de Mano, personagem solteiro e mulherengo, que não gostava de trabalhar. Atualmente, os diálogos e ações podem ser considerados sexistas, mas, enquanto foi publicada em jornais, ao longo da década de 1970, essa história em quadrinhos não era vista dessa forma. Magalhães (2006, p. 33), afirma que: “Tanto Ziraldo como Mauricio de Sousa têm um ponto em comum. Eles são autores e distribuidores, o que garante a fidelidade do trabalho autoral”.

47

caPítulo 1 | o Humor no imPério e na rePúBlica

c aPítulo 1 | o H umor no i mPério e na r ePúBlica Ilustração 16

Ilustração 16 – Tira de Os Sousa, de Mauricio de Sousa, cujo conteúdo é mais adulto.

A tentativa de ampliar a publicação de quadrinhos brasileiros continuou na década de 1960, e uma das iniciativas mais importantes nesse sentido foi realizada no Rio Grande do Sul, durante o governo de Leonel Brizola. A CETPA – Cooperativa Editora de Trabalhos de Porto Alegre foi responsável pelo lançamento de revistas e tiras de quadrinhos realizadas por vários artistas. As narrativas, de aventura (como Aba Larga, de Getúlio Delfin, ou Sepé-Tiaraju, de Flavio Colin) ou até mesmo as Histórias do Rio Grande do Sul (série desenhada por Júlio Shimamoto), foram interrompidas em 1963 em função, segundo Silva (1976, p. 115), da “falta de uma melhor estrutura editorial”. Em se tratando de quadrinhos humorísticos, destacaram-se nessa em- preitada Lupinha, de Aníbal Bendati, e principalmente Zé Candango, de Renato Canini, cujo nome remetia aos construtores de Brasília, que se deslocavam de suas cidades para trabalhar nas obras da nova capital. Além dessa referência, esse personagem representava o povo brasileiro frente ao imperialismo estadunidense: em uma sequência, o protagonista dá uma surra no Super-Cabra (alusão ao Superman, que representa, ao mesmo tempo, os quadrinhos estrangeiros e a força econômica e militar dos Estados Unidos), revestindo a tira de um caráter político, em consonância com as ideias nacionalistas e populistas da época.

48

caPítulo 2

Contracultura e contestação nos anos de chumbo

C om o golpe militar de 1964, apoiado por setores conservadores e poderosos da sociedade, que depôs o presidente João Goulart e ca-

lou as reivindicações populares por reformas estruturais no país (como a reforma agrária), o humor gráfico voltou a satirizar a política. As caricatu- ras, charges e tiras encontraram espaço não nos jornais e revistas conven- cionais – que sofriam com a censura prévia ou simplesmente apoiavam o regime de exceção –, mas nas páginas da chamada imprensa alternativa. Segundo Chinem (1995, p. 7), entre “1964 e 1980, nasceram e morre-

ram cerca de trezentos periódicos que se caracterizavam pela oposição intransigente ao regime militar. Esses jornais ficaram conhecidos como imprensa alternativa, de leitor, independente e underground”. O movimento underground surgiu nos Estados Unidos no bojo das contestações à Guerra do Vietnã, à discriminação racial, pelos direitos das mulheres e contra uma sociedade caracterizada pela desigualdade e pela repressão, focada no consumismo desenfreado. Na área artística, a Contracultura possibilitou a produção de filmes, músicas e quadrinhos que se distinguiam dos produtos comerciais, mainstream. Publicações alternativas surgiram nas universidades e passaram a ser feitas por editoras pequenas e independentes. Em suas páginas, ao lado de textos de teor crítico e político, apareciam histórias em quadrinhos que abordavam temas como sexo livre, dro- gas, moralismo e consumo desenfreado. Entre os principais artistas destacaram-se os quadrinistas Robert Crumb, criador de Fritz The Cat, e Gilbert Shelton, autor das histórias dos Freak Brothers. Tendo de driblar a censura, principalmente após o Ato Institucional número 5, de dezembro de 1968, os artistas brasileiros

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

procuraram veículos alternativos para editar seus protestos contra o autoritarismo do regime militar em forma de charges, caricaturas e quadrinhos. Na opinião de Magalhães (2006, p. 52):

A década de 1970 foi mesmo pródiga para a produção de tiras de

humor com enfoque na crítica social e conteúdo contestatório. O clima de tensão política e censura aos meios jornalísticos estimu- lava o recrudescimento da verve humorística, fazendo surgir uma série de novos cartunistas e personagens inflamados. ( ) Isto nos leva a constatar que no Brasil a produção de tiras está ligada ao contexto político-social em que nos inserimos, de modo que, se na década de 1970 tínhamos um humor de perfil mais panfletário e contestador, a crítica se volta nos dias atuais bem mais aos aspectos culturais.

Uma das publicações alternativas mais importantes daquele mo- mento foi o semanário Pasquim, lançado em junho de 1969, que reuniu, além de jornalistas, intelectuais e desenhistas como Jaguar, Ziraldo e Henfil. Às vezes censurados e até detidos por causa da mordacidade de seus trabalhos, estes artistas conseguiram manter vivo o espírito crítico durante o período de exceção. Para Chinem (1995, p. 43):

O Pasquim não era um jornal político, era apenas um jornal de-

bochado, de contestação, indignado, que queria sair do sufoco, um

jornal que não suportava mais ver os outros jornais como a primei- ra página do Jornal do Brasil, cheia de insinuações e legendas, e

o censor dentro da redação. O Pasquim saiu sem nenhum projeto.

Irreverente, moleque, com uma linguagem desabrida, bastante atrevido para os padrões de comportamento da imprensa na épo- ca e com boa distribuição. Fez sucesso extraordinário. Os leitores acreditavam no que o Pasquim dizia. Cada pessoa que estava na oposição, inconformada com aquele estado de coisas, via nele o seu jornal. E assim o jornal conquistou várias faixas de leitores.

Além de ter exercido a função de editor dessa publicação al- ternativa (ou nanica, como era denominada na época, devido à sua abrangência, se comparada à da grande imprensa), Jaguar também contribuiu com charges e tiras de quadrinhos. Entre seus persona- gens destacam-se Boris, o homem tronco, Gastão, o vomitador, e o

50

HQs de Humor no Brasil

ratinho Sig (em homenagem ao psicanalista Sigmund Freud), que se tornou símbolo do periódico. Ao lado de textos sérios escritos por colunistas contrários à ditadura, o Pasquim abria suas páginas para charges e quadrinhos, que davam o tom de deboche em um momen- to marcado pela sisudez dos governantes e militares. O cartunista Reinaldo, que depois integrou o grupo Casseta e Planeta, desenhou cartuns e quadrinhos que denunciavam de forma cômica o clima dos anos de chumbo. Outros jornais alternativos contrários à ditadura fo- ram lançados ao longo da década de 1970, como Ovelha Negra, edita- do por Geandré, que publicou charges e cartuns de diversos artistas.

que publicou charges e cartuns de diversos artistas. Ilustração 17 – O ratinho Sig, de Jaguar,

Ilustração 17 – O ratinho Sig, de Jaguar, mascote do jornal Pasquim.

O cartunista mineiro Henfil (Henrique Filho) também partici- pou do Pasquim e concebeu diversos personagens (a exemplo dos dois Fradinhos, Capitão Zeferino, a Graúna, o Bode Orelana, Ubaldo o Paranoico etc.) e até conseguiu manter a revista Fradim circulando de 1973 a 1980. Idealizados em 1964, os Fradinhos travam uma guerra sem fim: o Baixim, irreverente e sádico, faz de tudo para atazanar a vida do Cumprido, personagem mais recatado e conservador. Henfil chegou a publicar a tira, com o título The Mad Monks, em jornais americanos por algum tempo, mas os leitores dos Estados Unidos não apreciaram seu humor e tampouco seu traço ágil e nervoso, que se diferenciava dos quadrinhos comerciais.

51

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

Os Fradinhos surgiram na infância de Henfil, quando o artista estudou em um colégio católico de Minas Gerais. Ubaldo, o eterno paranoico, faz alusão ao medo que se instalou no Brasil durante a década de 1970, com a repressão e a censura infligida pela ditadura militar. Já as histórias com os personagens Zeferino, Graúna e Bode Orelana são ambientadas no sertão nordestino, onde impera a fome, a miséria, a seca e o descaso das autoridades. A partir dessa realida- de, os três promovem uma visão crítica das contradições sociais do Brasil. Eles chegam a sequestrar Tio Patinhas (personagem criado em 1947 pelo quadrinista estadunidense Carl Barks, que foi incorporado ao universo Disney), mostrado como representante do capitalismo e do imperialismo cultural (músicas, séries de TV, filmes exibidos no ci- nema, desenhos animados, histórias em quadrinhos) impostos pelos Estados Unidos aos países latino-americanos. De acordo com Seixas (1996, p. 27):

A publicação da revista Fradim, de Henrique de Souza Filho (Henfil) começou em agosto de 1973, durante o governo do presidente Médice – a época mais repressiva do país. Mas assim como a História de um país é consequência de todo um desen- volvimento de fatos que configuram os momentos presentes e que esboçam as perspectivas futuras, o trabalho de um humo- rista em quadrinhos também origina-se do percurso existencial do indivíduo: a dialética das potencialidades individuais e das influências sociais vividas por cada pessoa.

e das influências sociais vividas por cada pessoa. Ilustração 18 – Os Fradinhos, de Henfil: ironia

Ilustração 18 – Os Fradinhos, de Henfil: ironia em tempos de repressão política e censura.

52

HQs de Humor no Brasil

Outra publicação de quadrinhos alternativos, O Bicho, foi edi- tada de 1975 a 1976. Além de quadrinhos feitos no exterior, que se aproximam do cartum seja pelo estilo gráfico ou por tratarem de assuntos da contemporaneidade, abriu espaço para a produção de ar- tistas nacionais, como Guidacci (autor de Os Subterráqueos) e Fortuna (realizador das histórias de A senhora e seu bicho muito louco). Segundo Cirne (1990, p.72), O Bicho, revista idealizada pelo cartunista Fortuna para a Codecri (editora do jornal Pasquim),

foi igualmente importante por sua pesquisa arqueológica

do saber quadrinheiro brasileiro. No primeiro número, as ca- ricaturas de costume de Seth (Álvaro Marins), no terceiro nú- mero o antológico Luiz Sá, no 4° número, Vão Gôgo (Millôr Fernandes) e Carlos Estevão são lembrados com Ignorabus, o Contador de Histórias; no último número, em novembro de 1976, o pouco conhecido Max (Jaguar), com O Capitão, tiras publicadas inicialmente na revista Senhor, em 1962.

) (

Entre os cartunistas que participaram da revista O Bicho, desta- cam-se Guidacci (autor das tiras protagonizadas por Os subterráqueos, seres que lembram caveiras, vivem em mundo cheio de vermes e insetos e fazem uma alegoria à realidade social do Brasil), Coentro (realizador da série Bumbá, que apresenta elementos da cultura po- pular entrando em choque com a cultura de massa) e Nani (criador da história Vereda Tropical, na qual os colonizadores europeus tentam espoliar os nativos e precisam enfrentar figuras míticas, como o saci). Respaldando-se na leitura feita por Cirne (1982), Magalhães (2006, p. 48) vê a opção formal do quadrinho cartunístico feita pelos três cartunistas citados acima como “uma proposta de atuação cultu- ral que rejeita as fórmulas prontas dos quadrinhos estadunidenses”. E acrescenta: “Esse quadrinho crítico encontra maior significação es- tética, social e semiológica no panorama do nosso humor gráfico:

um humor vivo em todas as ocasiões, agressivo quando necessário, metacrítico em várias oportunidades”. É o caso do trabalho do cartunista Nani (Ernani Diniz Lucas), que também colaborou com o jornal Pasquim. Para Santos e Vergueiro (2010, p. 28), nas tiras intituladas Vereda Tropical, esse artista recria, de forma satírica, a história do Brasil, distanciando-se da historio- grafia consagrada e repetida nas escolas, na qual prevalece a visão

53

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

do vencedor europeu. Seus personagens (o bandeirante Fernandias e os índios Veizim e Turuna) também abordam temas contemporâneos como violência urbana, desemprego, inflação, miséria etc., aproxi- mando-se das charges. As coletâneas de cartuns e quadrinhos mais recentes mostram a preocupação do autor com problemas psicológi- cos e existenciais, especialmente os relacionados ao sexo, como pode ser observado já nos títulos dos livros: Foi bom para você?, Desextinção, Batom na cueca, Orai pornô, Humor politicamente incorreto, entre outros.

cueca , Orai pornô , Humor politicamente incorreto , entre outros. Ilustração 19 – Capa da

Ilustração 19 – Capa da revista O Bicho.

54

HQs de Humor no Brasil

Título independente, que também sofreu com a censura do regime militar, a revista Grilo (GONÇALO JUNIOR, 2012), lançada em 1971, começou publicando quadrinhos humorísticos estadunidenses como Peanuts e Mago de Id. Logo, passou a apresentar obras de artis- tas europeus de vanguarda, a exemplo de Wolinski, Pichard e Guido Crepax (Valentina). Nas edições finais, o comix underground de Crumb passou a dividir espaço com quadrinhos brasileiros do mesmo estilo. Mais comercial, a revista Patota, que circulou de 1973 a 1975, editava comic-strips originárias dos Estados Unidos (Hagar, B.C. etc.), além de tiras de Mafalda, do argentino Quino. As únicas histórias em qua- drinhos brasileiras eram protagonizadas pelo psicanalista Dr. Fraud – nome que remete a fraude, falcatrua, e é também quase homófono de Freud –, do cartunista gaúcho Renato Canini, e pela solteirona Marly, concebida por Milson Henriques em 1973 para o jornal Gazeta, do Espírito Santo. Nas histórias, ela desabafa por telefone com sua amiga Creuzodete e contracena com seu cachorro intelectual.

amiga Creuzodete e contracena com seu cachorro intelectual. Ilustração 20 – Doutor Fraud, sátira à psicanálise

Ilustração 20 – Doutor Fraud, sátira à psicanálise feita por Canini, que muitas vezes usava o recurso da intertextualidade com outros personagens dos quadrinhos.

Além de cartuns e histórias feitas para serem publicados em revistas, os artistas brasileiros também produziam tiras de quadri- nhos. Na visão de Ramos (2009, p. 24), a tira cômica possui caracte- rísticas próprias: “trata-se de um texto curto (dada a restrição do for- mato retangular, que é fixo), construído em um ou mais quadrinhos, com a presença de personagens fixos ou não, que cria uma narrativa com desfecho inesperado no final”. Para esse autor, “o gênero usa estratégias textuais semelhantes a uma piada para provocar o riso”. Uma parcela considerável dos quadrinistas nacionais usa o humor da tira para comentar, criticar ou satirizar a realidade social e política do país, os desmandos e falcatruas da classe dirigente e a penúria dos segmentos menos favorecidos. As injustiças sociais e o descaso do Estado são a tônica de várias tiras.

55

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

Ainda no que refere à temática política, a tira O Pato, elabo- rada pela quadrinista e ilustradora Ciça (Cecília Whitaker Vicente de Azevedo Alves Pinto) na década de 1970 e publicada em diversos diá- rios e álbuns, apresentava, segundo Magalhães (2006, p. 54), “a reali- dade cáustica, irônica, criativa e engraçadíssima do mundo de Ciça”. Ainda na opinião desse teórico, O Pato possuía um desenho simples, quase infantil, com a intenção de passar despercebidos pelos censo- res, que “não encobre a força explosiva de sua crítica”. O Pato foi am- pliando “seu universo para outros bichos – formigas, galos, galinhas, sabiás e até ovos –, criando personagens e papéis que representavam as relações sociais e o jogo de poder”. Como a maioria dos animais falantes dos quadrinhos, os personagens dessa tira são seres huma- nos representados por bichos, que se mostram atônitos e às vezes revoltados com a realidade que os cerca.

e às vezes revoltados com a realidade que os cerca. Ilustração 21 – O Pato ,

Ilustração 21 – O Pato, de Ciça, faz críticas ao poder.

O humor brasileiro dos anos 1970 não era transgressor apenas no que tange à política, mas também em relação à sexualidade, tema que também era reprimido pela censura instaurada pelos militares. No entanto, havia formas de contornar as barreiras. No cinema, as pornochanchadas – comédias com enredos maliciosos, a exemplo de A viúva virgem e A banana mecânica – atraíam muitos espectadores às salas de exibição. Em meados da década, revistas masculinas, como Playboy e Status, editavam fotos de mulheres seminuas e humor grá- fico de cunho erótico. A primeira publicava quadrinhos de Ziraldo e Luís Fernando Veríssimo, e a segunda, cartuns de Geandré e Zélio. Muitas vezes os cartuns e quadrinhos eróticos difundiam ideias e comportamentos muito ousados para uma época marcada pelo con- servadorismo e pela censura a músicas, filmes e até quadrinhos que ultrapassavam as restrições morais impostas pelo governo.

56

HQs de Humor no Brasil

Nas artes gráficas, Ziraldo Alves Pinto foi um dos artistas brasilei- ros que produziram cartuns e quadrinhos que tratavam de sexo. Ao lado das histórias de Pererê, o saci que habita a Mata do Fundão junto com animais da fauna brasileira (jabuti, onça, macaco, entre outros), o cartu- nista também criou personagens cômicos, a exemplo de Jeremias o Bom, Supermãe e Mineirinho, sendo este o estereótipo do mineiro (como o seu criador) que faz tudo em surdina, sem ostentar, principalmente no que diz respeito a suas conquistas amorosas. As histórias da Supermãe também possuem um conteúdo malicioso e fazem uma sátira aos super- -heróis (o autor já havia parodiado os heróis dos comics estadunidenses em Os Zeróis), uma vez que a protagonista usa capa vermelha, botas e, no peito do vestido azul, um escudo com a letra S na cor amarela, que re- mete ao uniforme do Superman e de outros personagens desse gênero.

uniforme do Superman e de outros personagens desse gênero. Ilustração 22 – Mineirinho, o “come-quieto”, em

Ilustração 22 – Mineirinho, o “come-quieto”, em sua ocupação preferida.

57

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

Humor mainstream

Durante os anos 1970, os artistas brasileiros também encontra- ram espaço em publicações comerciais, editadas por grandes editoras. Isso se deve porque, em meados da década de 1970, houve a retomada do movimento em prol dos quadrinhos brasileiros nas revistas editadas no país. Essa reivindicação teve início no final dos anos 1950 e mobili- zou vários artistas. Temendo que essa iniciativa virasse lei, as grandes editoras passaram a utilizar material nacional e até a criar publicações específicas para veicular histórias produzidas no Brasil. Esse foi o caso da editora Abril, que lançou em 1974 a revista Crás!. Um dos idealiza- dores desse título foi o escritor e editor Cláudio de Souza, funcionário da empresa desde a década de 1950 e que, naquele momento, dirigia as edições infantojuvenis da Abril. De acordo com Gonçalo Junior:

Cláudio decidiu, então, que chegara a hora de abrir espaço para artistas brasileiros e suas criações próprias – um antigo projeto seu na Abril. E passou a defender aquela que talvez tenha sido sua proposta mais pessoal na editora: a Crás!. O formato da revista era europeu – tipo Veja – e que se transformara num sucesso em países como Itália, França e Espanha, onde se con- sagraram títulos como Linus, Eureka, Pilote e Metal Hurlant. Essas publicações tinham uma fórmula aparentemente confusa, mas que se confirmou eficiente: misturava histórias antigas e novas, personagens sérios e infantis, nacionais e estrangeiros, engraçados e dramáticos. No caso da Crás!, além de dar uma panorâmica da produção atual brasileira, pretendia servir de la- boratório para que os personagens de maior destaque em suas páginas ganhassem revistas próprias. Com o crescimento da Abril nos últimos anos, Cláudio acredita- va que a editora poderia “se dar ao luxo” de bancar uma publi- cação que não tivesse o propósito de somente atingir tiragens de centenas de milhares de exemplares (GONÇALO JUNIOR, 2003, p. 186-188).

De acordo com Vergueiro e Santos (2009, p. 252), esse título trazia, principalmente em seus dois primeiros números, “uma mistu- ra de estilos gráficos e de gêneros, com quadrinhos de terror, de hu- mor, de aventura, infantis etc. Artistas de tendências mais variadas, abrangendo desde histórias no estilo clássico e tiras de aventuras

58

HQs de Humor no Brasil

estadunidenses até o experimentalismo psicodélico típico da década de 1970”, passaram por suas páginas. Para Vergueiro e Santos (2009, p. 260), essa foi uma “proposta ousada no sentido de tentar difundir a produção quadrinística na- cional a um público acostumado às histórias em quadrinhos mais tradicionais e comerciais”. No entanto, parece ter se tratado muito mais de “uma iniciativa ligada ao idealismo de editores e artistas que trabalhavam naquele momento na editora Abril do que propriamen- te de uma estratégia institucional dessa grande casa publicadora no sentido de abrir o mercado para as produções nacionais”. A principal contradição que talvez tenha contribuído significativamente para seu prematuro encerramento, após apenas seis edições chegarem às ban- cas: “uma proposta editorial essencialmente ligada a quadrinhos para adultos, mas direcionada a um público infantojuvenil”. A revista Crás!, principalmente em seus dois primeiros números, trazia uma mistura de estilos gráficos e de gêneros, com quadrinhos de

terror, de humor, de aventura, infantis etc. Artistas de tendências varia- das, abrangendo desde histórias no estilo clássico e tiras de aventuras estadunidenses até o experimentalismo psicodélico típico da década de 1970, passaram pelas páginas da publicação. Entre eles, destacam-se Renato Canini, com Kactus Kid; Carlos Edgard Herrero, com Lobisomem;

e Ruy Perotti, com Satanésio. Esses personagens tornaram-se emblemá-

ticos da publicação e conquistaram os leitores de tal forma que, passa- dos mais de 30 anos, ainda são lembrados por muitos deles. Renato Canini, além de ter participado, nos anos 1960, da expe- riência de valorização e divulgação do quadrinho nacional promovida pela CETPA (GUAZZELLI, 2009), passou a fazer, no início da década de 1970, muitas vezes em parceria com o roteirista Ivan Saindenberg, as histórias de Zé Carioca para a Editora Abril, dotando o papagaio brasi- leiro criado por Walt Disney e sua equipe, em 1942, de características típicas da realidade e da cultura do país: mais malandro, torna-se habi- tante de um morro carioca, joga futebol de várzea, desfila pela escola de samba do bairro e tenta driblar a falta de dinheiro.

Presentes nas seis edições da revista Crás!, as histórias estrela-

das pelo caubói Kactus Kid, criadas por Canini, são paródias de filmes

e histórias em quadrinhos do gênero western. A reversão de expectati-

vas, característica das narrativas humorísticas, está presente no próprio personagem: o herói é, na verdade, o agente funerário fracassado Zeca

Funesto – um tipo careca, desdentado e feio –, que precisa colocar peru-

59

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

ca ruiva e dentadura e fazer um furinho no queixo (referência ao ator es- tadunidense Kirk Douglas) para se transformar no pistoleiro Kactus Kid. Ícones e os clichês do gênero western e das séries televisivas estadunidenses são objeto das piadas presentes nas histórias de Kactus Kid: o ator de cinema estadunidense John Wayne era caricatu- rado em uma das histórias; já o bandido Billy The Kid foi satirizado com o nome de Bíli Toquinho e confundido com um garoto. Em outra história, o herói descobre que os índios não atacam à noite porque ficam assistindo a filmes de western transmitidos pela TV. A metalin- guagem é utilizada constantemente, como na história em que índios desenhados de forma realista contrastam com o estilo cartunesco de Canini, mas o protagonista tranquiliza: “Não se preocupe! Eles não são da nossa história!”. Durante o tiroteio, a arma do caubói dispara mais de quarenta tiros sem precisar ser recarregada. Kactus Kid jus- tifica: “Arma de mocinho é assim mesmo!” No final da aventura, para terminar a contenda, o negociador Henry Kissinger, vestido como caubói, é lançado de paraquedas sobre o herói e seu cavalo. As histórias em quadrinhos protagonizadas pelos persona- gens Disney também foram a porta de entrada do ilustrador paulista Carlos Edgard Herrero na Editora Abril. Esse artista realizou narrati- vas, publicadas inclusive no exterior, com Pato Donald e Mickey, e foi cocriador do personagem Morcego Vermelho, além de desenhar as histórias cômicas e metalinguísticas em que Peninha cria quadrinhos para o jornal de Tio Patinhas (SANTOS, 2002, p. 263-265). Metalinguagem e autoironia também são a tônica das histórias do Lobisomem, que Herrero criou em parceria com o roteirista Júlio Andrade Filho, dando continuidade a uma colaboração já anterior- mente bem-sucedida, quando juntos fizeram As aventuras de Vavavum, um piloto de corridas cujo carro viaja no tempo. Ambientadas em um burgo europeu durante a Idade Média, as narrativas publicadas pela dupla na revista Crás! são protagonizadas por um lobisomem atra- palhado que não consegue assustar e atacar suas vítimas. Ao tomar uma poção preparada por uma feiticeira para curar sua bronquite, o lobisomem transforma-se em outros personagens da revista, como o pássaro Onofre (personagem de autoria de Júlio Andrade e Michio Yamashita) e o caubói Kactus Kid.

60

HQs de Humor no Brasil

HQ s de H umor no B rasil Ilustração 23 – O fracassado Lobisomem, concebido por

Ilustração 23 – O fracassado Lobisomem, concebido por Júlio Andrade e Herrero.

Ruy Perotti, por sua vez, iniciou sua carreira na Editora Brasil- América Ltda. (EBAL), do Rio de Janeiro, criada nos anos 1940 pelo publisher Adolfo Aizen. Além de histórias em quadrinhos, Perotti tam- bém trabalhou na área da publicidade e realizou desenhos animados, como o do Sujismundo, personagem que, na década de 1970, pro- tagonizava campanhas institucionais educativas do governo federal que ensinavam normas de higiene para a população. Seu personagem, o pobre diabo Satanésio, teve muito destaque na revista Crás!. No momento em que a propaganda oficial do governo militar apregoava o milagre econômico, as histórias de Perotti mostra- vam um inferno falido por causa da violência e dos desentendimentos que caracterizam a sociedade. Por este motivo, Satanésio, vestindo roupas puídas e com remendos, resolve deixar as profundezas infer- nais desertas e dirigir-se para a Terra, onde imaginava melhorar de vida. Mas, aqui chegando, Satanésio encontrou um lugar habitado por pessoas intransigentes, desonestas e brutais, que não tinham medo dele. Para piorar a situação, na segunda aventura surge o anjo da guar- da Anjoca, que passa a proteger o diabo em um mundo tão hostil. Outros personagens que aparecem nas histórias de Satanésio são o hippie Pacífico, os brutamontes Zé Tacape e João Porrete, a femi- nista Lutércia e o garoto malvado Bernardão, que representam pontos de discórdia da época. Para sobreviver em meio ao caos e à truculência vigentes, o protagonista precisa trabalhar como condutor de trem fan-

61

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

tasma ou vendendo pipoca no circo. A boa aceitação de Satanésio por parte dos leitores levou a Editora Abril a lançar um título próprio para o personagem. A revista Satanésio, filhote da Crás!, totalizou apenas quatro edições, iniciadas em junho de 1975. Perotti também foi autor das histó- rias do macaco inteligente Gabola, igualmente publicadas pela Abril de outubro de 1976 a junho de 1977, chegando a seis números. Pode-se constatar que os três personagens mais cultuados pe- los leitores – Kactus Kid, Lobisomem e Satanésio – têm em comum o fato de representarem de maneira humorística os fracassados da so- ciedade. Alegoricamente, eles refletiam, talvez de forma inconscien- te, a realidade então vivida pelos autores de histórias em quadrinhos do Brasil, obrigados a peregrinar pelas editoras para obter trabalho, submeter-se às normas comerciais da indústria editorial e enfrentar dificuldades para a aceitação de seus personagens. Os leitores, por sua vez, identificavam-se com essas criações, em função da situação do país naquele momento.

em função da situação do país naquele momento. Ilustração 24 – As agruras de Satanésio, personagem

Ilustração 24 – As agruras de Satanésio, personagem criado por Perotti para a Crás!

No começo dos anos 1970, a RGE (atualmente Editora Globo), pertencente ao empresário Roberto Marinho, promoveu um concur- so para criar uma revista de quadrinhos brasileira. O ganhador foi o ítalo-brasileiro Primaggio Mantovi com o palhaço Sacarrolha, publi- cado em janeiro de 1972. O artista já trabalhava para essa editora desde o início da década anterior fazendo histórias do caubói Rocky Lane – que tinha deixado de circular nos Estados Unidos, mas pos- suía muitos fãs no Brasil – e do Recruta Zero. Ambientadas no circo itinerante Kabum, as histórias eram estreladas pelo palhaço atrapa- lhado e de bom coração. Quando o artista se transferiu para a Editora

62

HQs de Humor no Brasil

Abril, onde foi editor da linha infantojuvenil, seu personagem passou

a ser publicado na série Diversões Juvenis.

passou a ser publicado na série Diversões Juvenis . Ilustração 25 – O palhaço Sacarrolha, criação

Ilustração 25 – O palhaço Sacarrolha, criação de Primaggio Mantovi.

Publicando livros de quadrinhos, principalmente coletâneas

de tiras distribuídas pelo King Features Syndicate (Popeye, Recruta Zero – com o título Zé, O Soldado Raso –, Mandrake, entre outros),

a pequena editora do grupo Fittipaldi também deu espaço para a

produção nacional. Com desenhos de Eduardo Carlos Pereira, que as- sinava seus trabalhos como Edú, Praça atrapalhado era a versão local do personagem de Mort Walker. Mas, com uma diferença: o prota- gonista, soldado que apronta confusões no quartel, era negro (este- reotipado, inclusive por falar errado). Mas, em uma época marcada pela repressão imposta pela ditadura militar, estas histórias cômicas satirizavam a instituição que detinha de forma autoritária o poder no país. Outro personagem feito por esse artista foi Doutor Estripa, um médico que inventa maneiras inusitadas para tratar seus pacientes. Lançada em 1952 pela E.C. Comics, que publicava quadrinhos de terror e guerra, a revista humorística MAD zombava de uma socie- dade caracterizada pelo consumo e por modismos, especialmente da cultura midiática, com paródias de outras histórias em quadrinhos, de filmes e seriados televisivos. A edição brasileira chegou às bancas em 1974, editada pelo cartunista Ota (Otacílio D’Assunção Barros) para a Editora Vecchi – passando depois pela Record e Mythos e atu- almente pela Panini –, e logo passou a editar material produzido por artistas do Brasil, seguindo o modelo estadunidense, mas tratando de temas e de produtos culturais nacionais (telenovelas e cinema na-

63

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

cional, por exemplo). O sucesso desse título forjou a criação de veí- culos que exploravam o mesmo filão, sendo o principal Cracked, aqui chamada de Pancada, que teve 33 números produzidos pela Editora Abril entre 1977 e 1980, nos quais havia bastante trabalhos de cartu- nistas brasileiros, entre eles o veterano Renato Canini. A Editora Abril tentou, no final da década de 1970, distribuir tiras de quadrinhos de autores brasileiros para jornais de várias par- tes do país. O Projeto Tiras, que durou pouco mais de um ano, re- velou novos talentos e divulgou novos personagens, a exemplo do indiozinho Tibica, criado por Renato Canini (que tratava de ques- tões ambientais), e do cangaceiro Carrapicho, concebido por Carlos Avalone, que nos anos 1980 editou a revista protagonizada por seu personagem pela editora Noblet, que trazia também as travessuras do garoto Espoleta. Outro personagem que retrata o sertão nordestino é Chico Peste, cangaceiro criado pelo roteirista Paulo Paiva e pelo desenhis- ta Paulo César Munhoz, cujas tiras foram editadas nas páginas da revista Gibi em meados da década de 1970 e tiveram uma revista lançada pela editora Press em 1986. Esses quadrinhos fazem parte da iniciativa da revista da RGE de mesclar material produzido por artistas brasileiros (Watson Portela, Pitliuk, Novaes, entre outros) a tiras clássicas estadunidenses (Spirit, Popeye, Teréré etc.) e europeias (Iznogud, Lucky Luke). Tratava-se de tiras humorísticas, como 1923, de Watson (também estrelada por cangaceiros), Olimpo, de Xalberto (que satirizava os deuses gregos), Zig e Zag, de S. Miguez (protagonizada por dois árabes perdidos no deserto) e Ming-Au (sobre um monge), de Sinfrônio de Souza Lima Neto. Na década de 1980 Miguel Paiva retratou a mulher moderna, emancipada e problemática, com sua personagem Radical Chic (que chegou a ser adaptada para a TV), e o homem maduro descasado nas tiras de O Gatão de Meia Idade, além das aventuras do detetive noir do terceiro mundo Ed Mort (criação do humorista Luis Fernando Verissimo, que também desenha As Cobras e Família Brasil, um perfil da pequena burguesia brasileira). No caso da segunda tira, o foco cai sobre uma família típica da classe média, composta por pai, mãe, filho caçula, filha mais velha e seu namorado, que evita o trabalho e vive tirando dinheiro do patriarca, que procura sobreviver em meio às turbulências da economia brasileira. No que concerne à primeira tira, Nicolau (2007, p. 35) afirma tratar-se de:

64

HQs de Humor no Brasil

Exemplar brasileiro da tirinha em grande estilo. As Cobras são filosóficas e extremamente humanas. Foram publicadas em jor- nais durante duas décadas, anos 80 e 90. As Cobras divagam sobre a imensidão do universo, conversam com Deus, retratam as angústias humanas, criticam as eleições, o futebol etc. Primeiramente a dupla de cobrinhas nasceu como ideograma e demonstrava bem a capacidade de síntese do au- tor, apropriada para as tirinhas. Sendo um escritor e cronista já reconhecido, Veríssimo resolveu investir seu talento nos quadri- nhos e acabou por criar inúmeros outros personagens coadju- vantes como Queromeu, o corrupião corrupto; Semiótica, a que tem sempre um ponto de vista diferente; a cobrinha pesquisado- ra; Dudu, o alarmista, entre outros.

a cobrinha pesquisado- ra; Dudu, o alarmista, entre outros. Ilustração 26 – As Cobras de Luis

Ilustração 26 – As Cobras de Luis Fernando Verissimo fazem questionamentos políticos e filosóficos.

A produção regional

Há também quadrinhos humorísticos produzidos e publicados regionalmente no Brasil. São exemplos Pindorama – a outra história do Brasil, idealizado por Lailson de Holanda Cavalcanti, e o morador das serras gaúchas Radicci, do quadrinista Iotti. O primeiro, publicado no jornal Diário de Pernambuco, reconta a descoberta do Brasil a partir das cartas encerradas em garrafas jogadas ao mar pelo náufrago por- tuguês Vasco Cuínas Del Mangue. Já o segundo é uma das criações do desenhista Carlos Henrique Iotti: o protagonista de suas tiras e histórias é um gaúcho descendente de italianos grosseiro e autori- tário, mas que padece com a mulher mandona e o filho desocupado. Esse cartunista também é autor da história Deus e o Diabo, na qual as duas entidades, sempre com opiniões divergentes, formam

65

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

uma dupla de criação: o primeiro é o redator, e o segundo, diretor de arte. Outro artista gaúcho de destaque é Neltair Rebés Abreu, co- nhecido como Santiago, criador de Macanudo Taurino e de outros personagens como Xorãozinho e Xaropó, a “dupla sertanojo”, uma sátira às duplas sertanejas. Essas tiras foram distribuídas no final da década de 1980 pela agência Funarte (fechada no governo Collor), a partir da iniciativa de Ziraldo.

no governo Collor), a partir da iniciativa de Ziraldo. Ilustração 27 – O gaúcho italianado Radicci.

Ilustração 27 – O gaúcho italianado Radicci.

Rango, criação do gaúcho Edgar Vasques, é um retrato da multidão de desvalidos da sociedade brasileira. Sempre com fome, o personagem e seu filho dormem em uma lata de lixo (metáfora da miséria em que vivem) e vagam por lixões à cata das migalhas que são descartadas pela minoria privilegiada. Os temas abordados abrangem questões como a opressão aos negros, a política e a eco- nomia nacional, a degradação do meio ambiente, entre outros assun- tos. Conforme Nicolau (2007, p. 41):

Considerado um anti-herói, Rango apareceu primeiramente na Revista Grilus, pertencente a um Diretório Acadêmico da UFRG em 1970. Mas, a partir de 1973, o personagem criado por Edgar Vasques passou a ser publicado em vários periódicos brasileiros, entre eles o jornal Pasquim e o diário Folha da Manhã. Rango simbolizou a resistência à ditadura militar nos anos 1970, a mi- séria do povo, e parecia ter vida curta, não fosse a exigência dos leitores para seu retorno às páginas do jornal.

66

HQs de Humor no Brasil

HQ s de H umor no B rasil Ilustração 28 – Rango : o retrato da

Ilustração 28 – Rango: o retrato da miséria do país.

No Rio Grande do Sul, foram editados nove números de Mega Quadrinho, que coletava trabalhos de Luis Fernando Verissimo, Adão Iturrusgarai, Canini, Edgar Vasques, Iotti, entre outros. A revista Dundum foi publicada em Porto Alegre, no início da década de 1990, com apoio da Secretaria Municipal de Cultura. Como se tratava de uma publicação de quadrinhos adultos, houve protestos por ter sido financiada com dinheiro público. Entre os artistas que tiveram seus trabalhos editados estão Eloar Guazzelli e Adão Iturrusgarai. Com estilo gráfico com influência do underground, as histórias não apre- sentam muitas referências à cultura gaúcha. Já as histórias da Turma do Xaxado apresentam vários elemen- tos da cultura nordestina – música, ambientação, vestimenta dos personagens. Ao contrário de Chico Peste e Carrapicho, idealizados por paulistas, esses quadrinhos foram criados por Antonio Cedraz, que nasceu em uma fazenda no interior da Bahia. O protagonista é um garoto que descende de um integrante do bando do cangaceiro Lampião, que vive em uma pequena cidade do interior baiano. Entre seus amigos está Arturzinho, filho do fazendeiro, que leva a reflexões críticas, assim como temas como a seca do sertão. Pesquisador de histórias em quadrinhos, criador da editora Marca de Fantasia, militante em prol dos fanzines, editor da publi- cação alternativa Top! Top! (o título presta homenagem a Henfil), o paraibano Henrique Magalhães também foi o idealizador da persona- gem Maria, lançada em 1975. Tendo como motivação inicial arranjar um marido, logo sua função narrativa começou a girar em torno da crítica situação política e econômica do país, da defesa do quadrinho nacional e contra qualquer forma de intolerância seja no âmbito so- cial ou no que diz respeito às opções sexuais dos indivíduos. A esse respeito, Nicolau (2007, p. 46) assevera:

67

caPítulo 2 | contracultura e contestação nos anos de cHumBo

Maria tinha como temática principal a política, a resistência, a luta contra o cerceamento à liberdade no período da ditadura militar. Sua indignação contra preconceitos, discriminação de minorias, descasos sociais é característica marcante e recorren- te das tirinhas.

é característica marcante e recorren- te das tirinhas. Ilustração 29 – As histórias de Xaxado retratam

Ilustração 29 – As histórias de Xaxado retratam a cultura nordestina.

A Região do ABC paulista tem seus personagens de quadri- nhos. Em 1948, Jayme da Costa Patrão concebeu Zé Caetano, perso- nagem que defendia a autonomia do município de São Caetano do Sul, então parte de Santo André. Desde o final dos anos 1960 o jornal Diário do Grande ABC se tornou o principal órgão de imprensa regio- nal. Foi para esse periódico que o cartunista Mario Dimov Mastrotti criou em 1975 as tiras de Cubinho, um cachorrinho amarelo cujo corpo é uma figura geométrica de onde saem longas pernas. O artis- ta, professor da UMESP, usa o personagem para falar de ecologia e justiça social.

68

Capítulo 3

O riso em tempos de crise

S e o período em que a ditadura militar recrudesceu (entre 1969 e 1979) a censura foi um grande entrave para a liberdade de ex-

pressão, foi também um momento rico para a produção humorística brasileira. De acordo com Henk Driessen (2000, p. 253), “o humor político floresce quando há repressão política e dificuldades econô- micas”. Naquela época, os jornais alternativos ou nanicos, como eram então denominados, davam espaço a charges e caricaturas que expu- nham a indignação da parcela mais culta da sociedade (intelectuais e jornalistas de oposição) contra os desmandos do regime autoritário. Como foi abordado anteriormente, o jornal Pasquim se tornou um dos veículos impressos a dar voz para os que protestavam. Nos traços de Henfil, Jaguar, Ziraldo, entre outros, o humor crítico denun- ciava a repressão política a que o país estava submetido. Além disso, as páginas do jornal carioca também abrigaram as mudanças no compor- tamento, expressas nas entrevistas feitas com personalidades como a atriz Leila Diniz, ou ainda na coluna assinada por Luiz Carlos Maciel, que tratava de cultura underground, drogas e temas relacionados à ex- pansão da consciência, que encantavam os jovens da década de 1970. A partir de 1979, quando teve início a abertura política, com a anistia aos exilados, até o final de 1984, quando o ciclo militar foi encerrado, com a passagem do governo ao primeiro civil depois de duas décadas, o humor político continuou presente, tanto nos jor- nais alternativos e da grande imprensa, como em revistas, a exemplo de Careta, que havia retornado às bancas. Mas o início da década de 1980 foi marcado por outras mudanças, principalmente no que tange ao comportamento e à cultura, e especialmente em São Paulo. Foi o surgimento de uma produção cultural independente.

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

Embora a capital paulista fosse um polo de cultura importante

e efervescente, que recebia e produzia espetáculos, shows e mostras,

uma parte da intelectualidade e dos artistas da época procurou cami- nhos novos e outros tipos de recursos, à margem do Estado ou dos promotores tradicionais. Um exemplo foi a produção cinematográfica paulista, que, sem as verbas da Embrafilme (empresa estatal que in- vestia no cinema brasileiro), conseguiu se manter ativa. As pequenas produtoras, em sua maioria instaladas na Vila Madalena, foram respon- sáveis por filmes (a exemplo de Janete, Marvada Carne, A próxima vítima, O encalhe, Cidade oculta, Feliz ano velho, entre outros) com temáticas e posturas estéticas diferentes de outras produções da época.

Na música, o teatro Lira Paulistana, que depois se tornou selo independente, foi o espaço de músicos e compositores novos, como Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção. Já os grupos Língua de Trapo e Premeditando o Breque associavam humor às letras urbanas e irre- verentes de suas composições, que utilizavam ritmos diferentes (do

samba de breque à música clássica). A cena teatral da cidade assistiu

à reabertura do Teatro Oficina e, em 1984, à criação do Grupo de

Teatro Ornitorrinco, que encenou Brecht, Molière, Alfred Jarry, entre outros autores – alguns integrantes participaram de fotonovelas pu- blicadas na revista Chiclete com Banana, da Circo Editorial.

A produção independente paulista nos anos 1980

A história em quadrinhos brasileira nos anos 1980 vivia os esterto-

res do sucesso das revistas de terror, ainda presentes nos títulos Calafrio

e Mestres do Terror, mas já sem a popularidade das décadas de 1960 e

1970. Excluindo-se a produção nacional de Mauricio de Sousa no gêne- ro infantil, apenas o material estrangeiro, notadamente o estadunidense (quadrinhos Disney, assim como outros funny-animals, e de heróis, tanto da Marvel como da DC Comics), abastecia com regularidade e quantidade as bancas de jornal. Do ponto de vista mercadológico, as publicações de quadrinhos brasileiros tinham pouca expressão no início dos anos 1980. Havia poucas alternativas de leitura de quadrinhos para o público adulto, especialmente histórias produzidas por artistas brasileiros.

Uma experiência inovadora naquele contexto foi posta em prática em 1980 pelo cartunista Francisco Marcatti Junior, que assina seus trabalhos como Marcatti. Com o dinheiro que recebeu de he- rança, comprou uma impressora off-set de mesa e fundou a editora

70

HQs de Humor no Brasil

Pro-C, pela qual editou revistas de quadrinhos de sua própria autoria, como Lodo e Mijo, cuja distribuição também era feita de forma alter- nativa, em livrarias e cineclubes. As histórias de humor, absurdas e escatológicas, tratavam principalmente de sexo, e de forma bizarra. Do ponto de vista estético, seu estilo gráfico segue o de artistas do comix underground estadunidense. Esse artista colaborou com publi- cações da Circo Editorial e na revista MAD e fez a revista R.D.P., em que os membros da banda Ratos de Porão são desenhados como roe- dores – o artista já havia feito capas para os discos desse grupo. Em 2001, concebeu o personagem Frauzio, cujos enredos são repletos de palavras chulas e referências a resíduos do corpo humano.

palavras chulas e referências a resíduos do corpo humano. Ilustração 30 – Vinheta de Frauzio desenhada

Ilustração 30 – Vinheta de Frauzio desenhada por Marcatti.

Pequenas editoras localizadas na capital paulista publicavam re- vistas impressas em papel de baixa qualidade, que abrigavam em suas páginas quadrinhos reproduzidos, na maior parte das vezes, em preto em branco, o que diminuía os custos. A periodicidade, mensal ou bi-

mestral, nem sempre era cumprida. Em contraposição às revistas comer- ciais, essas publicações podem ser denominadas como “alternativas”,

o que reflete uma postura política de contestação ou de resistência à visão dominante, a uma inovação artística ou mais uma opção para o

público (ou segmento de público) dentro do mercado. Os autores desses quadrinhos colocavam em suas histórias sua visão política e de mundo

e desenvolviam um estilo gráfico próprio, que não repetia os modelos

estabelecidos pelas editoras e distribuidoras de quadrinhos mainstream.

71

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

Entre as várias editoras paulistas surgidas nos anos 1980, es- tão Circo Editorial, Press Editorial, Vidente e VHD-Diffusion. Esta úl- tima pertencia a Vincent Henry Ducarme e iniciou suas atividades em 1983. Inicialmente, essa casa publicadora colocou nas bancas álbuns de quadrinhos de aventura e western realizados por artistas euro- peus, como o bárbaro Thorgal (cujas histórias eram escritas pelo bel- ga Jean Van Hamme e desenhadas pelo polonês Grzegorz Rosiñski) e Durango (criado pelo belga Yves Swolfes). Essas publicações, contu- do, tiveram vida efêmera – quatro e três edições, respectivamente. Mas, em 1988, o editor Rogério de Campos convenceu o pro- prietário da VHD a criar uma revista para apresentar aos leitores bra-

sileiros o melhor do quadrinho de vanguarda europeu daquela época. Foi dessa forma que surgiu a revista Animal, que tinha o subtítulo Feio, forte e formal. Suas páginas traziam trabalhos de artistas alterna- tivos italianos (Milo Manara, Tamburini e Liberatore etc.), espanhóis (Daniel Torres, Max, Jaime Martín), ingleses (como Hunt Emerson), estadunidenses (a exemplo de Jaime Hernandez) e brasileiros (André Toral, Priscila Farias, Osvaldo Pavanelli, Adão Iturrusgarai e Jaca). Ao lado de Campos, que ocupava a função de editor da revista, também colaboravam os artistas Fabio Zimbres (editor de arte), Priscila Farias

e Newton Foot, dentre outros. Cada edição oferecia ao público, além

de histórias em quadrinhos, a seção Tam-Tam, com notícias e maté- rias sobre quadrinhos, e o encarte Mau, que tinha como subtítulo Feio, sujo e malvado. Similar a um fanzine, esse suplemento tratava de música e dava espaço para desenhos e tiras feitos pelos leitores e por artistas iniciantes ou consagrados, a exemplo de Hunt Emerson, Fernando Gonsales e Lourenço Mutarelli. Pela VHD, também saíram duas edições da Coleção Animal, de 1990 a 1996, e 15 edições da revista Níquel Náusea, rato criado por Fernando Gonsales. Na mesma linha, o cartunista Spacca utiliza animais (dos mais comuns aos mais inusitados, como centauros) em seus quadrinhos.

Marcatti editou, ao lado do quadrinista e escritor Lourenço

Mutarelli, a revista Tralha, publicada pela editora Vidente, responsável pela revista Porrada!. Além dos dois artistas, Marcio Baraldi também participou dessa publicação, que contou com dois números em 1989.

A Press Editorial iniciou suas atividades em 1984, inicialmente para

publicar quadrinhos eróticos, seguindo a linha da extinta editora curi- tibana Grafipar. Essa casa publicadora lançou em 1986 dois números de Bundha, protagonizada por um negro africano bastante estereoti-

pado criado por Newton Foot. Outro título dessa editora foi Monga a Mulher Gorila, que reuniu quadrinhos de Alain Voss, Jaguar, Fortuna

72

HQs de Humor no Brasil

etc. Dr. Baixada & Cia., de Luscar (Luiz Carlos dos Santos), por sua vez, teve duas edições lançadas pela Editora Hamasaki, e era protagoni- zada por um matador impiedoso, uma referência aos esquadrões da morte que atuam nas periferias das cidades. Todo vestido de preto, usando óculos escuros e tênis nos pés, infligia seu terror a comercian- tes, prostitutas e pessoas comuns. Além dessa história, também eram editadas tiras dos menores abandonados Piva e Mosquito. Com a redemocratização da sociedade brasileira, o humor po- lítico, contudo, não desapareceu: está presente nos trabalhos dos irmãos Paulo e Chico Caruso, que captaram com seus traços os casu- ísmos e as arbitrariedades cometidos pelos governantes. Em 1982,

a revista Careta foi relançada pela Editora Três e abrigava em suas

páginas cartuns e quadrinhos produzidos pelos melhores cartunistas da época (Paulo e Chico Caruso, Laerte, Jaguar, Glauco, entre outros),

que jogavam luz sobre as contradições de um país que tentava voltar

à normalidade democrática. A mesma editora publicou em 1984 Bar

Brasil, coletânea de histórias escritas por Alex Solnik e desenhadas por Paulo Caruso, em que os principais nomes da política nacional frequentam ou trabalham no boteco com o nome do país. Dois anos mais tarde, a editora gaúcha L&PM produziu o álbum Bar Brasil na Nova República, dando sequência às sátiras realizadas pela dupla.

, dando sequência às sátiras realizadas pela dupla. Ilustração 31 – Capa da revista Careta ,

Ilustração 31 – Capa da revista Careta, editada na década de 1980.

73

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

Ao longo dos anos 1980, contudo, a sátira política deu lugar

à crítica social e de costumes. Vários quadrinistas abordavam temas

do cotidiano e modismos da classe média ou abastada das metrópo- les: Angeli criou para a tira Chiclete com Banana personagens como o revolucionário Meiaoito e seu seguidor homossexual Nanico, o guru Rhalah Rikota, o punk Bob Cuspe, a alcoólatra e boêmia Rê Bordosa (que o autor matou de tédio após o casamento com um barman), os anárquicos e irreverentes Skrotinhos (a versão mais moderna e radi- cal de Os Sobrinhos do Capitão) – que também podem ser negros (The Little Black Skrots), ou mulheres (as Skrotinhas) –, os velhos hippies saudosistas Wood e Stock, entre outros; Laerte concebeu os anárqui- cos Piratas do Tietê, além de Fagundes, o puxa-saco, os Gatinhos e a tira O Condomínio, ambientada em um prédio da metrópole; e Glauco fala da geração consumista que se recusa a amadurecer com seus personagens Neuras e Geraldão, filho único que vive com a mãe e uma boneca inflável (o desenhista criou, também, a tira que mostra a infância do mesmo personagem, mas chamado de Geraldinho).

Angeli, Glauco e Laerte (que depois contaram com a participa- ção de Adão Iturrusgarai, autor das histórias dos caubóis homosse- xuais Rocky & Hudson) uniram-se na produção dos quadrinhos de Los 3 Amigos, protagonizados pelos próprios artistas, que interpretam caubóis arruaceiros na fictícia cidade de Marisales. Adão também foi autor das tiras protagonizadas por Aline e seus dois namorados. A personagem, ninfomaníaca e liberada, mora com dois rapazes e en- frenta o moralismo com seu comportamento sexual pouco ortodoxo. Os personagens foram publicados em tiras diárias nos jornais e nas revistas da Circo Editorial, como será visto adiante.

O quadrinho transgressor da Circo Editorial

Na visão de Santos (2011, p. 150), foi no contexto do proces- so de redemocratização da sociedade brasileira, do crescimento da produção independente em São Paulo e de crise inflacionária que

a Circo Editorial foi criada e, durante mais de uma década, lançou

diversas revistas de quadrinhos de humor que reuniram os talentos de artistas nacionais. O idealizador da Circo Editorial foi Antonio de Souza Mendes Neto, mais conhecido como Toninho Mendes. Sua tra- jetória pessoal está intimamente ligada ao conteúdo veiculado pelas publicações da editora.

74

HQs de Humor no Brasil

Nascido em Itapeva, interior de São Paulo, passou a infância, na década de 1960, no bairro paulistano da Casa Verde, onde conhe- ceu a vida boêmia (bebida, jogo, sexo, drogas) e se interessou por Histórias em Quadrinhos. Integrante da geração hippie, Toninho en-

trou em contato com publicações alternativas, como o jornal Pasquim

e a revista Grilo (que publicava quadrinhos de Robert Crumb, Guido

Crepax, Wolinski, entre outros artistas). Após ter trabalhado como office-boy, resolveu ser desenhista e foi estudar na escola Protec, onde aprendeu a fazer paste-up e se decidiu por trabalhar com artes gráfi- cas. Outro aprendizado foi ter participado da imprensa independen- te, de jornais como Ex, Movimento e Versus.

De acordo com Toninho Mendes 1 :

As origens da Circo Editorial estão no Versus. Porque, no Versus, por ideia do Marcos Faerman, a gente editou dois livrões de quadrinhos: o Versus quadrinhos e o Livrão de quadrinhos, onde eu estreitei a minha relação com o Luiz Gê, que é meu amigo até hoje, e o Angeli, que já desenhava profissionalmente.

O editor escolheu uma data significativa para a criação da Circo Editorial, o dia em que o Congresso votou contra a “Emenda Dante de Oliveira”, que estabelecia a eleição direta para presidente da República para o sucessor do general João Batista Figueiredo. “Eu

sabia que aquele dia ia mudar a história do Brasil, para o bem ou para

o

mal. E eu achava que a votação seria derrotada. Fiz algumas apostas

e

quase acertei os números exatos”, relembra. Nesse dia [26 de abril

de 1984], foi lançado o primeiro número da Série Traço e Riso, um álbum no formato horizontal que reunia as tiras criadas por Angeli e publicadas no jornal Folha de S. Paulo.

Embora a eleição direta para presidente não tenha sido apro- vada, o ciclo de governos militares, que completara duas décadas, encontrava-se em seus estertores. Os rigores da censura haviam di- minuído e a sociedade brasileira começava uma nova fase, marcada por instabilidades políticas e econômicas, mas com o regime demo- crático restaurado. Na visão de Toninho Mendes:

1 Depoimento concedido ao autor em 28 de maio de 2004. Idem para as demais citações.

75

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

Uma editora como a Circo só é concebível num momento políti- co como aquele. Como é que eu ia fazer uma revista na ditadu- ra que, no número um, chama o Bob Cuspe pra prefeito? Não tem condições. Então, o nascimento da Circo está diretamente envolvido com o movimento de abertura política, que não vem da classe política. Vem da classe artística, da necessidade dos sindicatos, da forçação de barra da esquerda, até da própria direita, que não aguentava mais.

A forma como os artistas passaram a utilizar o humor também havia mudado. E Toninho evidencia isso em relação ao conteúdo das revistas publicadas pela Circo Editorial:

É que o humor da Circo, da editora Circo inteira, ele trabalha com a sociedade, não com o gabinete. O humor da Circo não

é o humor pra quem está em Brasília ou pra quem é deputado

ou senador. O humor da Circo é o humor popular, no sentido de

que lida com os interesses da vida de todas as pessoas, e por isso que eu insisto muito: a Circo é, antes de qualquer coisa, uma editora de humor, para, num segundo momento, ela ser uma editora de quadrinhos. Terceiro: a quantidade de pessoas que se envolveram com a Circo é um time muito específico, porque

a Circo, nada nada, ajudou a firmar o trabalho do Angeli, do Chico, do Laerte, do Glauco, e já é o suficiente.

O material forte da Circo nesse momento é a discussão do

) (

comportamento e uma nova visão política, onde a esquerda também começou a ser checada. A esquerda, assim como a di- reita sempre foi, começou a ser checada com mais frequência.

E outra coisa, [a Circo Editorial] trouxe para o mundo da ban-

ca de revistas, principalmente com as revistas, uma linguagem nova, porque tudo era tão careta, e continua sendo tão careta que eu fico assustado. A caretice ainda impera, 20 anos depois.

Entre os principais artistas que publicaram seus trabalhos nas revistas editadas pela Circo Editorial destacam-se Angeli, Laerte, Luiz Gê, Glauco, Adão Iturrusgarai e Fernando Gonsales. Paulistano nascido no bairro da Casa Verde, Arnaldo Angeli conheceu Toninho Mendes na infância, quando ambos começaram a ler e apreciar Histórias em Quadrinhos. Autodidata e pertencente a uma família de classe média baixa, Angeli iniciou sua carreira artística em 1970, aos

76

HQs de Humor no Brasil

14 anos, ao publicar um desenho na revista Senhor. Como Toninho, também foi influenciado pelas charges e artigos do jornal Pasquim e pelos quadrinhos da revista Grilo. Para o jornal Folha de S. Paulo, onde trabalha desde 1974, faz charges políticas e a tira Chiclete com Banana. Apesar de ter entrado na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, em 1969, Laerte Coutinho não chegou a se formar, mas foi no ambiente universitário que ingressou na área editorial de quadrinhos. Durante um evento promovido pelo curso de Jornalismo que abordava a História em Quadrinhos (e contou com a presença de Zélio, Álvaro de Moya, Naumin Aizen, entre outros profissionais), o artista e Luiz Gê (na época, estudante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP) decidiram criar uma publicação para expor seus trabalhos. Segundo Laerte 2 :

Nossa preocupação era mais um mercado de trabalho do que derrubar a ditadura ou subverter a ordem ou consumir drogas. Enfim, nosso negócio era mercado mesmo. A gente via que não existiam revistas, não existia espaço nos jornais e nas revistas, não existia nada.

Surgia, assim, a revista Balão (na verdade, um fanzine, em- bora o termo não fosse utilizado na época), cujo primeiro núme- ro, lançado em novembro de 1972, apresentava a história de três páginas Traquinadas do Amadeu (e seu frango, José Dolores), desenha- da por Laerte. Trata-se de uma kid-strip protagonizada pelo garoto Amadeu, que, como o título informa, faz peraltices acompanhado por seu galo. Luiz Gê (autor da capa da primeira edição) participa com Spermex, quadrinho experimental de sete páginas no estilo do trabalho que Victor Moscoso e Rick Griffin editavam na revista un- derground americana Zap Comix. Nesse sentido, o quadrinista Laerte 3 ressalta a importância dos autores americanos e da revista Zap Comix em sua formação artística: “Tudo me fazia a cabeça, mas a piração do

2 Entrevista dada ao Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP em maio de 2004.

3 Artigo escrito por Laerte e publicado no jornal Folha de S. Paulo em 17 de outubro de 2003 (página E1), quando do lançamento de álbum editado no Brasil pela Editora Conrad com histórias da revista Zap Comix.

77

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

‘underground’ era especial”. Outra influência que teve foi do cartu- nista Henfil. Sobre ele, Laerte também recorda:

uma mistura superentrosada entre recado

político e humor. Todo o trabalho do Henfil é necessário. O pri- meiro parâmetro do trabalho do Henfil é a necessidade, a opor- tunidade política, é o que está ali, sendo dito num determinado momento político. E o outro parâmetro é o humor, a graça, a audácia, a falta de decoro

O trabalho dele é (

)

graça, a audácia, a falta de decoro O trabalho dele é ( ) Ilustração 32 –

Ilustração 32 – Capa de Balão, com ilustração de Luiz Gê.

Luiz Gê, além de publicar seus trabalhos na Circo Editorial, também foi editor da revista Circo, lançada em outubro de 1986. Ao lado de artistas brasileiros (como Laerte, Glauco e o próprio Luiz Gê), foram publicadas histórias de quadrinistas europeus (Moebius, Abuli e Bernet, Liberatore, Dionnet e Frank Margerin, entre outros) e estadunidenses (a exemplo de Robert Crumb), todos advindos da produção underground ou relacionados a ela. A ida de Luiz Gê para a Inglaterra, onde foi estudar, foi um fator determinante para o térmi-

78

HQs de Humor no Brasil

no da publicação, que teve apenas oito números (e mais uma edição especial com os Piratas do Tietê, de Laerte), encerrando-se em 1988. A participação de Chico Caruso foi importante para o surgi- mento da editora. Em 1980, Toninho Mendes já havia criado uma casa publicadora, a Marco Zero, pela qual editou seu próprio livro, A

confissão para o Tietê, além de Coisas da Nega Sarará, do poeta alterna- tivo Roque Souza, e Natureza Morta, de Chico Caruso, feito em par- ceria com a editora carioca Muro. Esta obra teve uma vendagem ex- pressiva no Rio de Janeiro, onde o artista se encontrava desde 1978 fazendo charges para o Jornal do Brasil. Em 1984, Toninho decidiu abrir a Circo Editorial e lançar os dois primeiros números da Série Traço Riso. Um deles era o livro Chiclete com Banana, que compilava as tiras criadas por Angeli e publicadas no jornal Folha de S. Paulo, e

o outro continha charges criadas por Chico Caruso intituladas Não

tenho palavras, justamente por reproduzir desenhos políticos humo- rísticos que prescindiam de texto para gerar efeito cômico. Foi o cartunista que investiu o dinheiro necessário, substituindo um só- cio que havia desistido do negócio. De acordo com Toninho, a Circo Editorial “só existe por causa do Chico Caruso. Ele pagou a edição do livro dele e do Angeli”. Como o volume com as charges políticas do Chico deveria mostrar o resultado da campanha das “Diretas-Já”, a coletânea de Angeli acabou sendo lançada antes.

O sucesso de vendas da Série Traço e Riso levou Toninho

Mendes a investir no lançamento da revista Chiclete com Banana, o títu-

lo mais importante da editora, que obteve a maior circulação, chegan-

do a vender mais de 80 mil exemplares, e que teve a maior duração, sendo publicada de novembro de 1985 a novembro de 1990, além de quatro edições especiais (Bob Cuspe, Rê Bordosa – A morte da porraloca, Abaixo a direita! e Histórias de Amor) e outros títulos derivados (The Best of Chiclete com Banana – 10 anos, The Best of Chiclete – Série Tipinhos Inúteis, Chiclete Remix e Rê Bordosa – Memórias de uma porraloca).

Apresentada em formato americano, com capa colorida e mio- lo com 48 páginas em preto e branco e periodicidade bimestral, a revista tornou-se o padrão para outras publicações da editora. Além das histórias e tiras criadas e desenhadas por Angeli, outros artis- tas também participaram da revista (que continha textos humorís- ticos e fotonovelas, várias delas com os atores do grupo de teatro Ornitorrinco), a exemplo de Laerte, Glauco, Luiz Gê, Paulo Caruso, Marcatti, Hubert, Cláudio Paiva, Reinaldo e Luiz Gustavo.

79

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

O segundo lançamento neste formato foi a revista Circo e, na

sequência, o título Geraldão, do cartunista Glauco, que durou 15 nú- meros 4 , publicados de junho de 1987 a outubro de 1991 e reeditados com o título Geraldão Segunda Dentição, de março de 1991 a novem- bro de 1994. Nicolau (2007, p. 44) descreve o personagem: “Solteiro com mais de 30 anos de idade, Geraldão mora com a mãe, com quem frequentemente se desentende, anda pelado dentro da casa, bebe, fuma, toma remédios à toa”.

As tiras com os tipos criados por Glauco, especialmente o con-

sumista Geraldão e o Casal Neuras, eram publicadas no jornal Folha de S. Paulo e editadas em um volume da Série Traço e Riso, lançado em 1986, e ganharam o álbum As espoucadas de Geraldão. Já a revista Geraldão 90 CM., lançada em 1993, teve apenas 11 edições. A edição de arte dessas revistas ficou a cargo de Emílio Damiani.

de arte dessas revistas ficou a cargo de Emílio Damiani. Ilustração 33 – O hiperbólico Geraldão,

Ilustração 33 – O hiperbólico Geraldão, criação do cartunista Glauco.

Seguindo o mesmo projeto, a revista Piratas do Tietê contava com histórias e tiras de quadrinhos elaboradas por Laerte (que, como Angeli e Glauco, publicava suas tiras no jornal Folha de S. Paulo) e tam- bém com a colaboração de outros artistas, além de publicar autores estrangeiros, como o roteirista Harvey Pekar e o desenhista Robert Crumb. Publicados pela primeira vez na revista Chiclete com Banana número 4, de maio de 1986, os Piratas do Tietê ganharam uma edição especial da revista Circo, em agosto de 1988.

4 Do número 11 ao 15 a edição coube ao selo Palhaço; mais três números e uma edição especial foram feitas pela Editora Panga.

80

HQs de Humor no Brasil

Lançada em maio de 1990, a revista Piratas do Tietê teve 14 números publicados até abril de 1992. Os primeiros seis números fo- ram impressos em formato menor e na horizontal, o que impedia sua exposição nas bancas de jornais. A partir da edição 7, de dezembro de 1990, passou a seguir o formato da Chiclete com Banana e da Circo. Outra publicação de Laerte criada pela Circo Editorial foi a revista Striptiras (uma referência ao termo que designa a tira de quadrinhos publicada nos Estados Unidos, comic-strips), que durou 15 números (de março de 1993 a dezembro de 1994) e reunia diversos persona- gens de Laerte, como o Zelador, o Síndico, Gato e Gata, Fagundes o Puxa-saco, o Grafiteiro, além dos Piratas do Tietê.

o Puxa-saco, o Grafiteiro, além dos Piratas do Tietê. Ilustração 34 – Fagundes representa os bajuladores

Ilustração 34 – Fagundes representa os bajuladores e arrivistas, figuras comuns na sociedade brasileira.

Veterinário e biólogo, o quadrinista Fernando Gonsales co- meçou sua carreira artística vencendo um concurso promovido pelo jornal Folha de S. Paulo no início da década de 1980. Sua tira, Níquel Náusea (que nem sempre aparece nas histórias), é protagonizada por uma ratazana que habita o esgoto de uma metrópole, junto com a barata Flit, que é viciada em naftalina. As histórias são povoadas por bichos de todos os tipos (insetos, mamíferos, aves, répteis, anfíbios, unicelulares e até mesmo mitológicos, como centauros, e alguns humanos). A revista Níquel Náusea foi lançada em 1986 pela editora Press antes de ser editada pela Circo, em novembro de 1988. Assim como a revista Geraldão, passou para o selo Palhaço, que publicou até o número 10 (impressa em setembro de 1990). A partir do número 11 (até a edição 21, de novembro de 1993), continuou a ser produ- zida pela VHD Diffusion. Ao lado de Gonsales, outros artistas contri- buíram com suas narrativas sequenciais humorísticas para o título Níquel Náusea, como Spacca, Newton Foot, Laerte, Negreiros e Renato

81

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

Canini. As tiras de Níquel Náusea também foram reunidas no segundo número da Coleção Circo. Essa coleção teve apenas seis edições em formato horizontal, publicadas em 1991, e ofereceu aos leitores tiras e cartuns realizados por Laerte (Fagundes o Puxa-saco), Fernando Gonsales (Níquel Náusea), Edgar Vasques (Rango), Maringoni (Deus e o Diabo na Terra da Mídia), Amorin e Dil Márcio. Outras publicações da Circo Editorial também tiveram vida efêmera. Uma delas foi a Lúcifer, que teve somente dois números, lançados, respectivamente, em novembro de 1994 e abril de 1995. Essa revista deveria ser um espaço para artistas novos e veteranos dos quadrinhos alternativos, como Lourenço Mutarelli, Osvaldo Pavanelli, André Toral, Mosquil, Maringoni, Caco, entre ou- tros. Toninho Mendes considera o título dado à revista um erro, uma vez que os jornaleiros tinham receio de expô-la nas bancas. Além disso, o papel caro e a falta de participação dos artistas no processo editorial também contribuíram para seu fracasso. O editor ponde- ra, ainda, que deveria ter encarregado Luiz Gê de cuidar da revista. Outra publicação de vida curta foi Big Bang Bang, que aglutinou tra- balhos do artista gaúcho Adão Iturrusgarai: quatro edições lançadas de junho a dezembro de 1994.

quatro edições lançadas de junho a dezembro de 1994. Ilustração 35 – A ratazana Níquel Náusea

Ilustração 35 – A ratazana Níquel Náusea e a barata Flit em seu habitat: o esgoto de uma grande cidade.

Ao longo da existência da Circo Editorial, Toninho Mendes fez parcerias com outras editoras, obtendo sucesso com algumas e prejuízo com outras. Os primeiros números da Série Traço e Riso, por exemplo, foram distribuídos pela Editora Brasiliense, fato que

82

HQs de Humor no Brasil

possibilitou o incremento das vendas. As coedições feitas com a Editora Sampa também foram bem-sucedidas. Mas a criação do selo Palhaço, administrado por Marcio Tadeu (irmão de Toninho) e tendo como editor Almir Vieira Dias, ajudou a aprofundar a crise financei- ra por que passava a editora, no início da década de 1990, quando Angeli e Laerte decidiram parar com as revistas Chiclete com Banana e Striptiras. A associação com a Editora Ensaio (que publicou álbuns de Laerte, Angeli e com Los 3 Amigos) também se mostrou desastrosa.

Angeli e com Los 3 Amigos ) também se mostrou desastrosa. Ilustração 36 – Laerte, Glauco

Ilustração 36 – Laerte, Glauco e Angeli personificam Los 3 Amigos.

Além dos problemas de gestão admitidos por Toninho Mendes (desperdício de dinheiro, falta de controle de gastos etc.), o término da Circo Editorial se deve às oscilações da economia brasileira nas décadas de 1980 e 1990. Diversos planos econômicos não apenas agravaram a escalada da inflação, que chegou a ultrapassar cem por cento em um mês, mas dificultaram a produção editorial de quadri- nhos, uma vez que os consumidores passaram a comprar apenas o necessário, cortando o supérfluo. A revista Chiclete com Banana, por exemplo, chegou a ser vendida por 14 mil cruzeiros em março de 1986, passou a custar 18,50 cruzados em janeiro de 1987, teve o preço mudado para 1,20 cruzados novos em fevereiro de 1989 e vol- tou a valer 180 cruzeiros em junho de 1990. Em outubro de 1995, a edição Rê Bordosa – Memórias da Porraloca custava 3,50 reais. Quando a editora recebia o pagamento da distribuidora, dois meses depois da publicação de uma revista, não conseguia arcar com os custos de produção do próximo número. No final de 1995, a Circo Editorial fechou e deixou uma lacuna nos quadrinhos brasileiros. Assim como Laerte, Angeli também sofreu influência dos co- mix underground estadunidenses. No estilo gráfico (o uso de hachu- ras), nas histórias e nos personagens criados por ele são evidentes as contribuições da obra de Robert Crumb (várias histórias de sua

83

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

autoria foram publicadas nas revistas editadas pela Circo Editorial).

O guru Rhalah Rikota, por exemplo, guarda semelhanças com Mr.

Natural, criação de Crumb na década de 1960. Na revista Chiclete com Banana número 3, o artista brasileiro presta homenagem ao quadri- nista americano: na página 39, Mr. Natural visita seu discípulo Rhalah Rikota, faz chacota, pede dinheiro e ainda leva consigo suas seguido- ras, enquanto Rhalah Rikota cai no choro.

suas seguido- ras, enquanto Rhalah Rikota cai no choro. Ilustração 37 – A inesperada visita de

Ilustração 37 – A inesperada visita de Mr. Natural a Rhalah Rikota, com arte de Angeli.

Refletindo a situação política e social da década de 1980, de acordo com Santos (2011, p. 159), os quadrinhos de humor publica- dos nas revistas da Circo Editorial investiram suas críticas no modo de vida pequeno-burguês dos centros urbanos. As piadas põem em

relevo as contradições, as idiossincrasias, a vaidade e a prepotência

da classe média. Ao contrário da teoria elaborada por Bergson (1993),

o humor da Circo Editorial não visa ao controle do comportamento para adequá-lo às normas sociais, mas pretende denunciar como ri- dículas as atitudes consideradas aceitáveis por uma sociedade que cultua a aparência, a hipocrisia e o consumismo alienado.

Além disso, já não há preocupação em manter os “limites do humor” como pregavam Sócrates, Cícero e outros pensadores da

Antiguidade Clássica. A visão do romano Cícero é descrita por Fritz Graf (in BREMMER e ROODENBURG, 2000, p. 52-53): “A graça deve

se manter dentro de determinados limites de respeitabilidade para

ser socialmente aceitável”. Para Cícero, o humor aceito é elegante, polido, inventivo, engraçado, sendo a graça inaceitável caracterizada como petulante, infame e obscena, portanto, imprópria para os ho- mens livres (pertencentes à classe dominante). O ataque desferido

84

HQs de Humor no Brasil

pelos quadrinhos de humor da Circo Editorial aos valores e hábitos da classe média urbana não é sutil e emprega termos e imagens chu- los, escatológicos, muitas vezes pornográficos e agressivos. Santos (2011, p. 159) classifica o humor das Histórias em

Quadrinhos publicadas nas revistas da Circo Editorial a partir dos ob- jetos que suscitam o riso, dos personagens e do ambiente em que a narrativa cômica acontece. Dessa maneira, pode-se formular uma ti- pologia do humor dos quadrinhos da Circo Editorial com as seguin- tes características: Humor Urbano, Humor Político, Humor Erótico

e Humor Comportamental. Embora uma dessas características se

sobressaia em determinada narrativa, outras podem se somar a ela (o Humor Erótico, por exemplo, pode estar presente em uma tira ou história em que prevalece o Humor Político).

Tendo como pano de fundo uma metrópole como São Paulo,

o aspecto da urbanidade não se limita ao cenário em que se passam

as histórias, mas permeia as relações estabelecidas entre diversos personagens e suas funções narrativas. Nesse sentido, o punk Bob Cuspe, criado por Angeli para a tira Chiclete com Banana 5 , é represen- tativo: sua revolta se manifesta contra um mundo urbano, caótico, repressivo e desumano. Morador dos esgotos da grande cidade, ele conhece as entranhas do sistema e, respirando seu ar poluído, faz reflexões sobre a vida no espaço urbano. Do alto de um prédio, con-

fessa: “Sempre achei que um dia eu iria dominar esta cidade. Mas,

”. Sufocado no

inviável!”. Diante

pensando bem, começo a achar esta ideia um tanto meio de tantos arranha-céus, chega à conclusão: “

da imensidão opressora da cidade grande, percebe sua pequenez, sua insignificância. Apenas seu grito de revolta consegue abalar a rigidez do mundo urbano e das pessoas que nele habitam.

5 Na entrevista concedida para a revista Caros Amigos número 50 (São Paulo: Casa Amarela, maio de 2001), perguntado sobre o nome da tira e da revista, Angeli de- clara: “Foi em homenagem ao Jackson do Pandeiro e àquela música maravilhosa

Chiclete com Banana, que tem tudo a ver com o conceito da revista, a música fala de

quer dizer, é

uma cultura rock, universal, sem deixar de ser uma coisa tipicamente brasileira”.

misturar bebop com samba, rock tocado com zabumba e tamborim

85

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

c aPítulo 3 | o riso em temPos de crise Ilustração 38 – O punk Bob

Ilustração 38 – O punk Bob Cuspe, de Angeli, reclama da cidade e da vida urbana nos esgotos ou no alto dos prédios.

Nas tiras e histórias elaboradas por Laerte, Luiz Gê e Glauco, o espaço urbano também se faz presente e de forma contundente. Da admiração por um dos bairros de São Paulo, a boêmia Vila Madalena, surgiu da imaginação de Laerte uma história em quadrinhos em for- ma de homenagem. Publicada em março de 1992 na revista Piratas do Tietê número 13, a história Vila Madalena – Rock ma non troppo reúne personagens pitorescos (como o homem que fala com postes e o morador que esqueceu o endereço da casa nova, o compositor e sua musa adolescente) em um ambiente que se revela a inspiração para todos, as ruas da vila. As histórias absurdas dos Piratas do Tietê também se desenro- lam no espaço urbano. Já em sua primeira narrativa, Piratas do Tietê, publicada em maio de 1986 na revista Chiclete com Banana número 4, o barco dos piratas navega pelo Rio Tietê, tendo ao fundo os carros que trafegam pela marginal e o parque de diversões Playcenter, já incorpo- rado à paisagem urbana de São Paulo. Outra via marginal, só que mos- trada no início do século XVIII, é palco de Os Bandeirantes do Pinheiros versus os Piratas do Tietê (publicada em maio de 1987 na revista Chiclete com Banana número 9 e republicada em janeiro de 1992 na revista Piratas do Tietê número 12, em nova versão), história crítica que mostra a violenta expedição dos bandeirantes para escravizar os nativos do interior e saquear os povoados da área controlada pelos castelhanos.

86

HQs de Humor no Brasil

HQ s de H umor no B rasil Ilustração 39 – Os Piratas do Tietê ,

Ilustração 39 – Os Piratas do Tietê, do cartunista Laerte.

O contexto urbano ganha relevância nos trabalhos de Luiz Gê, a exemplo das histórias Entradas e bandeiras (publicada em novembro de 1985 na revista Chiclete com Banana número 1) e Futboil (editada em outu- bro de 1986 na revista Circo número 1). Na primeira, um casal precisa pa- rar de madrugada o automóvel no semáforo da esquina da Rua Brigadeiro Luís Antonio com a Avenida Brasil e é surpreendido pelas estátuas que ficam ao lado do Parque do Ibirapuera (esculpidas por Victor Brecheret) voltando para casa, além da estátua de Borba Gato, apressada para che- gar a Santo Amaro. Já a segunda narrativa, um Fenomenozinho Urbano Tipicamente Brasileiro Observado In Loco, mostra a corrida pelas ruas atrás de um balão que perde altura: garotos e adultos atravessam na frente dos carros, sobem em muros altos e, com varas e pedras, tentam derrubar o objeto da perseguição, só para vê-lo ser rasgado pela multidão.

perseguição, só para vê-lo ser rasgado pela multidão. Ilustração 40 – Luiz Gê promove desfile das

Ilustração 40 – Luiz Gê promove desfile das estátuas nas noites paulistanas.

87

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

Outros símbolos e tipos da modernidade urbana são encon- trados nas histórias e tiras de Laerte publicadas nas revistas Piratas do Tietê e Striptiras. Na série dedicada ao Condomínio (espaço típico dos centros urbanos), o edifício se torna um microcosmo do Brasil, onde vivem personagens que sintetizam o país: o Zelador preguiçoso e submisso ao autoritário Síndico, o severo e conservador Capitão Douglas, militar aposentado, mas sempre alerta (uma alusão à dita- dura militar que havia terminado há pouco), preocupado em evitar que as hordas bárbaras acabem com a civilização, o mafioso Don Luigi e sua filha pervertida Rosa, o puxa-saco Fagundes, entre outros. As neuroses e paranoias dos tipos que habitam o prédio (como a ma- nia de segurança do Síndico) são indício das relações conturbadas re- sultantes de uma sociedade subdesenvolvida que sofreu um processo de urbanização acelerado e desordenado, e na qual ainda imperam posturas marcadas pelo atraso e pelo totalitarismo. Tipicamente urbanos também são os personagens concebidos por Glauco para tiras e histórias em quadrinhos: não haveria espaço melhor para Geraldão e para o moderno Casal Neuras e suas crises de ciúme do que uma metrópole, lugar em que o comportamento individualista é estimulado. Da mesma forma que os tipos criados por Angeli e Laerte, as criações de Glauco moram e são frutos da cidade grande.

criações de Glauco moram e são frutos da cidade grande. Ilustração 41 – As tiras de

Ilustração 41 – As tiras de Laerte focalizam o cotidiano de um con- domínio, microcosmo que se torna uma metáfora ao Brasil.

Embora os quadrinhos de humor publicados nas revistas da Circo Editorial tenham como característica a sátira social e a crítica do comportamento da classe média urbana, como será visto adiante, não deixaram de lado a sátira política, uma vez que, apesar do térmi-

88

HQs de Humor no Brasil

no da ditadura militar, a atitude dos políticos e a situação econômica do país continuavam a fornecer material para contestação e reflexão. Na segunda metade da década de 1980, as tensões internacionais en- tre Estados Unidos e a União Soviética, que colocavam o mundo em suspense para uma possível guerra nuclear, também forjavam acon- tecimentos explorados comicamente pelos quadrinistas brasileiros. Na visão de Derek Brewer (in BREMMER e ROODENBURG, p. 134), “a piada tende a endossar um preconceito popular”, como é

o caso da piada étnica, e costuma caçoar de uma vítima que é ou

passa a ser um estranho para o grupo onde a piada é produzida ou veiculada. Esse estranho pode ser, em muitos casos, “um superior, ou a encarnação da moral convencional em vez da real”. Assim, no

final do século XIX, surge a noção de que a piada é subversiva. Para

o teórico inglês:

As piadas políticas eram consideradas subversivas, sobretudo nos antigos países comunistas, por expressarem a solidariedade de pessoas comuns contra os “estranhos” opressores. Por isso as piadas tradicionais, incluindo as novas do tipo tradicional, são, em geral, “politicamente incorretas”. Elas correspondem aos sentimentos das pessoas comuns, reunidas em grupos também comuns, hostis às minorias dominantes, sejam elas políticas ou intelectuais, que representam os estranhos. A piada política nos tempos modernos talvez seja a sofisticação da piada tradicional em sua natureza oral, sendo por vezes até arriscado escrevê-la ou imprimi-la.

Vinculado mais aos problemas externos do que à política inter- na brasileira, o psicótico Rigapov – personagem criado por Angeli e publicado na revista Chiclete com Banana – era a síntese dos dois prin- cipais líderes mundiais da época, o presidente estadunidense Ronald Reagan e o primeiro-ministro soviético Yuri Andropov, polaridades da Guerra Fria. Na época, as divergências entre as duas potências poderia levar a uma guerra nuclear de escala planetária (o cinema da época explorou mais de uma vez esse tema, como no filme O dia seguinte). Nesse caso, os “estranhos” sujeitos à pilhéria estão além do alcance do leitor brasileiro, mas suas ações poderiam ter consequências na vida desse público. Rigapov, sempre segurando um controle-remoto nas mãos, com o qual pode lançar mísseis e acabar com a vida na Terra,

89

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

irrita-se por qualquer motivo e ameaça destruir o mundo, em um gesto de megalomania e insanidade, só para mostrar seu poder. Um personagem de maior destaque da tira e da revista Chiclete com Banana, de Angeli, foi Meiaoito, o militante de esquerda que ain- da se apega a seus ideais em um mundo em transformação. Imaturo, recorre à própria mãe ou ao Partido (em uma tira, Meiaoito telefona para a mãe pensando ter discado para o comitê central do Partido). Sexualmente reprimido, sente-se atraído por Rita Pop, a tiete de mú- sicos. Ao ser rejeitado, decide ser guerrilheiro na América Central ou na África. Quando se aproxima das mulheres no bar e começa a falar de suas memórias revolucionárias, as garotas saem correndo. Ao propor casamento a Rê Bordosa em um bar, ela muda de mesa. Na concepção de Nadilson Manoel da Silva (2002, p. 96), o personagem é reprimido sexualmente: “Os quadrinhos de Meiaoito, apesar de se- rem predominantemente relacionados à política, possuem em suas entrelinhas uma temática sexual”. Meiaoito encarna um discurso ultrapassado e saudosista que não mais encontra eco em uma sociedade que se democratiza. Nas primeiras tiras, contracenava com um gato falante, substituído por uma cópia menor do militante, o Nanico, que assume sua homos- sexualidade, para constrangimento do mentor. Além disso, Nanico não perde uma oportunidade para dar uma cantada em Meiaoito. A velha esquerda, considerando Meiaoito como parâmetro, ainda não estava preparada para discutir e entender outras questões diferentes da miséria social. Segundo Silva (2002, p. 96), o reprimido Meiaoito canaliza “suas energias para a esfera política, sua libido individual se volta para a coletividade. Seus objetos de desejo são os ideais revolucionários de seu partido. O sexo, nesse contexto, representa um discurso que remete ao individualismo, à personalidade da per- sonagem, enquanto a política remete ao comunitário”. Combatente das injustiças sociais, Meiaoito, contudo, é um revolucionário apenas no discurso, bradando palavras de ordem em bares e vivendo de ilusões, à espera de uma revolução que jamais acontecerá. Da mesma forma que os eternos hippies Wood e Stock, Meiaoito, como observa Silva (2002, p. 93), é um personagem fora do tempo. Em suas lembranças, sempre confusas, faz questão de mos- trar seu passado de oposicionista, que entra em choque com sua con- dição atual, perdido em um tempo (o da redemocratização do país) de ilusões perdidas e de atitudes cínicas e céticas. Até sua barba, que

90

HQs de Humor no Brasil

ele se recusa a cortar, é uma recordação dos anos de repressão políti- ca (cada fio simboliza um presidente militar do Brasil).

ca (cada fio simboliza um presidente militar do Brasil). Ilustração 42 – O engajado e reprimido

Ilustração 42 – O engajado e reprimido Meiaoito: na falta de amor e sexo, espera a revolução que nunca acontece e revive as lembranças dos anos de chumbo.

Angeli também trata de política em outras histórias. Em Sutilezas políticas (publicada em setembro de 1987 na revista Chiclete com Banana número 11), um senador participa da gravação de progra- ma eleitoral e se transforma em um monstro violento, evidenciando o autoritarismo que se esconde sob a imagem de democrata. Na mes- ma edição, uma espécie de editorial afirma que “Todo político brasi- leiro é uma verdadeira anta!”, apresentando o desenho de uma anta vestida com terno, colete, camisa e gravata e com óculos grossos. O cabelo curto em forma de escovinha (mostrado na edição número 6 do mesmo título como uma das características do moralista) e as rugas do rosto acentuam o aspecto reacionário do personagem. O texto, em forma de verbete de dicionário, informa que este tipo de animal é um mamífero que pertence à “família dos carrapatos”. Como características, “têm vários dedos, rabo preso e cor indefinida pois muda conforme a situação”. E conclui, dizendo: “Habitam a América Latina, mas curiosamente fazem seus ninhos lá na Suíça”, em referên- cia ao desvio de verbas públicas para instituições bancárias situadas em paraísos fiscais. Na página seguinte, o texto Bunda, Brasil! Um perfil sem reto- ques do político brasileiro apregoa que, apesar de político não ter cara, “pode-se traçar um perfil escrachado deste tipinho público”. Nesse sentido, Angeli já não mais dirige seu humor a políticos conserva- dores, mas ao político de qualquer partido que se enquadre nessas

91

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

características. O autor critica os políticos de polaridades opostas do espectro ideológico: “Político é esta baba. Tanto de esquerda quan- to de direita. As diferenças estão apenas nos trejeitos, nas feições das facções”. A respeito dos políticos de centro, considera-os “os eunucos da política brasileira” por sua indefinição, por seguirem na direção que lhes for mais confortável. Os membros da Assembleia Constituinte também são mostrados como falastrões, ineptos, inte- resseiros e autoritários.

A charge e a caricatura política continuaram a ser utilizadas

em algumas publicações da Circo Editorial. Um exemplo é o álbum Não tenho palavras (editado em julho de 1984 na Série Traço e Riso), que reúne as charges políticas e caricaturas criadas por Chico Caruso para diversos órgãos de imprensa. Sem palavras (daí o título, que também é uma referência à censura), o humor gráfico do artista re-

trata o final da ditadura militar, no governo Figueiredo, e o início da Nova República. Os destaques eram figuras como Golbery do Couto

e Silva, Tancredo Neves, Delfim Neto, Paulo Maluf, José Sarney, Leonel Brizola (vestido de bombeiro, mas todo chamuscado), Jânio Quadros, Pelé, Juruna, Ronald Reagan e outras personalidades da época. Onze anos depois, no álbum FHC Biografia não autorizada (última publica-

ção da Circo Editorial, lançada em agosto de 1995), Angeli mostrou a trajetória dos governos Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso

a partir da compilação de charges de sua autoria publicadas no jornal Folha de S. Paulo na década de 1990.

Já o cartunista Glauco conseguiu unir o humor político ao de

comportamento no título Abobrinhas da Brasilônia (quinto número da Série Traço e Riso, publicado em 1985), o que torna esse mate- rial mais atemporal do que as duas obras de Chico Caruso e Angeli. Personagens como Tadeuzinho (o candidato tímido) e Tadeuzão (o candidato nada tímido) podem aparecer em qualquer eleição. Da mesma forma, temas como desemprego, o achatamento social da classe média, a indiferença dos ricos e a demagogia dos candidatos a cargos eletivos não perdem a atualidade.

O humor erótico presente nas histórias em quadrinhos publi-

cadas nas revistas e álbuns da Circo Editorial também transmite uma crítica ao comportamento da classe média urbana, principalmente à hi- pocrisia, aos preconceitos e à repressão a que se submete para manter as aparências (SANTOS, 2011, p. 165). Hiperbólicos, os personagens radicalizam suas emoções e atitudes. É o caso de Bibelô, o machista

92

HQs de Humor no Brasil

criado por Angeli. Considerado pelo autor “uma espécie em extinção” ou “o último dos machos”, torna-se, como Meiaoito, um tipo desloca- do no tempo: o machista cafajeste que usa bigodinho, costeleta, barba por fazer, óculos escuros, camisa aberta no peito e medalhão pendu- rado no pescoço. Ao contrário do militante político, atira-se para cima das mulheres, inclusive as acompanhadas. Mas as mulheres também fogem quando ele está por perto, escondem-se no banheiro do bar as- sim que ele adentra o recinto. Inoportuno, incomoda a moça sentada a seu lado no cinema e lê revista pornográfica em público. Outros personagens masculinos concebidos por Angeli são Walter Ego e Osgarmo. O primeiro sintetiza o narcisismo predomi- nante na década de 1980. Na visão de Christopher Lasch (1986, p. 9-12), o ser humano encontra-se “sitiado” em um tempo e em uma sociedade na qual a vida se encontra em constante ameaça (de guerra nuclear e atentados terroristas, de violência urbana, da destruição do meio ambiente, das epidemias como a AIDS etc.) e encontra refúgio na atitude narcisista (encorajada pela publicidade, pelo consumismo

e pela cultura de massa):

as fantásticas imagens da produção de massas que for-

mam as nossas concepções do mundo não somente encorajam uma contração defensiva do eu como colaboram para apagar as fronteiras entre o indivíduo e seu meio. Como nos lembra a lenda grega, é esta confusão entre o eu e o não-eu – e não o “egoísmo” – que distingue o apuro de Narciso. O eu mínimo ou narcisista é, antes de tudo, um eu inseguro de seus próprios, que ora almeja reconstruir o mundo à sua própria imagem, ora anseia fundir-se em seu ambiente numa extasiada união.

) (

Walter Ego exacerba essa questão. Apaixonado por si mesmo, só se relaciona com outras pessoas, inclusive com as mulheres, para que elas confirmem o que ele acha de si próprio. Narcisista, passa ho- ras fazendo pose diante do espelho do banheiro ou da vitrina da loja de espelhos. Sua imagem basta para alimentar seu ego. À noite, relê

sua autobiografia (livro que considera “ágil

e todo cheio de aventuras”). Na hora do banho quer ser filmado e

fascinante

inteligente

exibido pela Rede Globo; até quando passeia pela rua, imagina que alguém deveria registrar o momento com uma câmera. Só a visão da própria imagem alivia os percalços da vida. Seu espelho, assim como

93

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

a da madrasta de Branca de Neve, responde a suas perguntas, refor-

çando seu narcisismo. Quando pergunta à garota com a qual passara

a noite sobre sua atuação na cama e ela responde ter achado horrível, ele se desespera e busca o espelho.

ter achado horrível, ele se desespera e busca o espelho. Ilustração 43 – Walter Ego canta

Ilustração 43 – Walter Ego canta diante do espelho música do grupo de rock Ultraje a Rigor.

Osgarmo, por sua vez, distingue-se dos personagens anterio- res. Não é conquistador confiante como Bibelô, nem narcisista como Walter Ego. Na definição de Angeli, ele “poderia ser o bom. Ele poderia ser o máximo. Ele poderia ser um tesão”, mas é precoce. É só chegar perto de uma mulher (e até mesmo a fotografia de uma mulher publi- cada em revista masculina) para sofrer ejaculação precoce e de grandes proporções. Esse personagem reflete a relação conflituosa do homem dos anos 1980 com a mulher que se formou a partir das conquistas feministas. Sua liberdade e agressividade assustam os homens. Os tipos femininos retratados por Angeli representam a mu- lher da década de 1980, que conquistou a liberdade sexual e conse- guiu espaço no mercado profissional e na sociedade, mas, por causa de suas atitudes, acaba afastando os homens. Nesse sentido, a histó- ria publicada na contracapa da revista Chiclete com Banana número 5

é emblemática: composta por cinco vinhetas, a narrativa acompanha

diálogo de duas amigas em um bar. Uma delas constata que o bar foi, durante anos, uma coisa exclusivamente de homem, mas que, ”

“felizmente, as mulheres foram se liberando

e conclui:

o

até que

“A coisa mudou!”. Essa afirmação aparece na última vinheta, que mostra o bar repleto de mulheres e sem nenhum homem à vista (al- gumas personagens mostram-se entediadas e deprimidas). A outra

94

HQs de Humor no Brasil

interlocutora limita-se a responder, laconicamente, em todos os qua- drinhos, a expressão “Podis crê!”. Portanto, com a afirmação social das mulheres, os homens se retraem. Se passaram a frequentar os ambientes outrora destinados apenas aos homens, elas sofrem com a solidão resultante do afastamento masculino. Emblemática, também, é Rê Bordosa, garota que passa a noite bebendo nos bares e, no dia seguinte, instalada em sua banheira, tenta recordar o que aconteceu. Eleita em 1984 a “Pin-up do Final do século” pela revista Around, a personagem idealizada por Angeli representa a desilusão sentida pela geração de mulheres que se emancipou da família e dos homens, mas não conseguiu estabilida- de emocional. No primeiro número da revista Chiclete com Banana, Angeli apresenta um verbete de dicionário com a palavra rebordosa,

que tem entre seus significados a ideia de “reincidência de moléstia”, que se aplica à personagem, que, noite após noite, repete o mesmo

depois acabo

ritual, descrito por ela própria: “Bebo feito uma vaca

dormindo com o primeiro idiota que pinta!”. Para purgar seu senti- mento de culpa, deita na banheira e fica se achando “uma infeliz, um poço de amarguras”. De acordo com Nery (2006, p. 58):

Rê Bordosa tem uma visão da sociedade de seu tempo como algo decadente e coloca suas atitudes em um universo muito restrito, não indicando comportamento semelhante a outras pessoas; não se reconhece como estereótipo forjado no interior da sociedade que nega. Ela mesma aborda questões fundamen- tais ao status quo – casamento, integração às normas – como positivo, mas não para ela.

Nas tiras em que Rê Bordosa contracena com a mãe, o lei-

tor pode perceber a diferença entre as duas gerações de mulheres.

uma mulher não

pode esperar da vida apenas uma banheira!”. Na segunda vinheta, pergunta: “E o que ela pode esperar?”, o que leva a mãe a responder,

no terceiro e último quadrinho: “Uma pia de cozinha, um tanque de

lavar roupa, um fogão

afunda na banheira cheia de água. Para uma, a vida desregrada e so- litária; para a outra, a vida doméstica e rotineira. A mulher precisa, então, escolher entre duas alternativas desagradáveis. Quando entra em cena seu pai, ela relata sua vida cheia de “aventuras sexuais, mo-

Ao ouvir a resposta da mãe, Rê Bordosa

Em uma delas, a velha senhora recomenda: “Filha

”.

95

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

téis, bares, boemias, curtições”, o que leva o pai a concluir que se

trata de uma vida excitantíssima “

trando que o homem pode ter essas experiências com a aprovação da sociedade e sem as consequências negativas que recaem sobre a mulher que se comporta como ele. Em 1987, Angeli decidiu acabar com a personagem. Rê Bordosa casou-se com Juvenal, o garçom do bar onde costumava embriagar-se, mas acabou morrendo do tédio provocado pelo casamento.

um filho homem!”, demons-

para

provocado pelo casamento. um filho homem!”, demons- para Ilustração 44 – Rê Bordosa reflete sobre suas

Ilustração 44 – Rê Bordosa reflete sobre suas amarguras na banheira.

Outra personagem feminina criada por Angeli foi Mara Tara, a cientista reprimida que estuda o sexo das bactérias. Pudica, quando fica excitada torna-se uma mulher fatal, obcecada por sexo e que ataca os homens com sua roupa de sádica. Da mesma forma que as demais mulheres saídas da imaginação de Angeli, quando a Doutora Mara transforma-se na dominadora Mara Tara, ela acaba por intimidar os homens, que fogem diante de sua volúpia e de sua agressividade. Até mesmo Bibelô perde sua confiança quando confrontado com a postura ativa e selvagem de Mara Tara. O mesmo acontece com Dona Marta, personagem concebida por Glauco: é a secretária que assedia os office-boys e os chefes do escritório em que trabalha. Sua atitude desinibida desconcerta e afugenta os personagens masculinos. A relação entre casais também é explorada pelos artistas que publicaram suas Histórias em Quadrinhos pela Circo Editorial. Angeli

mostra, em tiras e histórias curtas, as relações desgastadas, os rela- cionamentos baseados em interesse e a mesmice das convenções da vida pequeno-burguesa. De acordo com Silva (2002, p. 65-66), “as re- lações afetivas constituem o tema mais frequente das tiras de Angeli.

Nessas tiras, o autor ressalta a intimidade, a vida provada do coti- diano dos casais”. As “Histórias de Amor” criadas por Angeli revelam que, por trás da fachada de normalidade da vida conjugal permitida e exigida pela sociedade, escondem-se rancor, ódio, desdém, tédio

(

)

96

HQs de Humor no Brasil

e outros sentimentos negativos. Quando eles afloram, podem levar

a uma atitude crítica por parte de um ou por ambos os membros do

casal, chegando até a um desfecho violento, desencadeado por uma situação prosaica. Glauco também pontua o relacionamento do mo- derno Casal Neuras – que chegou a ter um seriado televisivo – com momentos de ciúme, traição e humilhação. Essas situações se repe- tem entre as quatro paredes do lar, na praia, no restaurante ou até na rua. O clima de disputa, muitas vezes de guerra declarada, carac- teriza a vida desses personagens, sejam eles maduros ou jovens (em qualquer circunstância, a vida a dois, aparentemente ideal, é sempre fustigada pelo humor cáustico dos quadrinistas).

é sempre fustigada pelo humor cáustico dos quadrinistas). Ilustração 45 – O jovem e moderno Casal

Ilustração 45 – O jovem e moderno Casal Neuras, criação de Glauco, perpetua a guerra dos sexos.

Mas a relação monótona e conflituosa não é privilégio de casais

heterossexuais. O humor crítico dos artistas é igualmente dirigido aos homossexuais. Embora sejam minoria nas “Histórias de Amor” realiza- das por Angeli, os gays também se fazem presentes, e apresentam as mesmas insatisfações perceptíveis no relacionamento entre homens

e mulheres. A monotonia e o desinteresse fazem parte da vida em

comum entre dois homens. Nessas tiras, os personagens são sempre musculosos e fortes, o que corresponde a um estereótipo. Outros personagens homossexuais ganharam espaço nos qua- drinhos publicados pela Circo Editorial, a exemplo do já citado Nanico, discípulo do revolucionário Meiaoito. Além de pôr em xeque as opini- ões de seu mestre, deixando-o desconcertado, Nanico também tenta seduzir o machão Bibelô. O confronto entre os dois, no entanto, é mar- cado por preconceito e violência. Com sua postura machista e homo- fóbica, Bibelô exige que Nanico se comporte como ele, imitando suas

97

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

grosserias, falando grosso e sendo truculento. Mas as atitudes brutais

e rudes do machão só deixam Nanico mais apaixonado. Nas páginas da revista Big Bang Bang, o quadrinista gaúcho Adão Iturrusgarai publicou as histórias dos caubóis homossexuais Rock e Hudson (uma referência ao ator de Hollywood Rock Hudson, primeira celebridade a morrer vítima de AIDS). De maneira diferente da imagem do caubói difundida pelo cinema estadunidense, os dois rapazes alegres frequentam os saloons para paquerar os homens que vão lá beber. Eles só saem em perseguição de bandidos e índios se fo- rem bonitos. Apesar de formarem um casal, estão sempre namoran- do e fazendo sexo com outros rapazes, como o malfeitor Cisco Quid.

sexo com outros rapazes, como o malfeitor Cisco Quid. Ilustração 46 – Rocky e Hudson, os

Ilustração 46 – Rocky e Hudson, os caubóis gays de Adão Iturrusgarai.

No que se refere ao Humor Comportamental, os artistas respon-

sáveis pelos quadrinhos publicados pela Circo Editorial procuravam ex- por o ridículo presente na vida das classes dominantes da sociedade, mas especialmente das camadas médias urbanas, mais suscetíveis às normas sociais, ao consumismo veiculado pelos meios de comunicação

e aos modismos. Este é o caso do “New Imbeciw”, dissecado por Angeli

na revista Chiclete com Banana número 2 (lançada em janeiro de 1986). Panaca assumido, o tipo “New Imbeciw” é o jovem urbano que frequenta os lugares badalados. Querendo ser diferente e se desta- car da massa, veste roupa de estilo moderno, fala as mesmas gírias (usa palavras em inglês), cita títulos de filmes considerados cult, de cineastas do momento, de bandas que estão em alta (só para mos- trar que está atualizado); enfim, consome o mesmo que milhões de outros que se vestem da mesma forma, falam as mesmas coisas e vão aos mesmos lugares. Angeli mostra o “New Imbeciw” como o leitor da Ilustrada, caderno de cultura do jornal Folha de S. Paulo, que vive

98

HQs de Humor no Brasil

acertando o sorvete na testa. Entre os “Tipinhos New Imbeciws”, o artista identifica o “New-nacionalista”, o “New-colonizado”, a “New- mulher”, o “New-homem” (que prefere vídeo-game e computador a sexo), o “New-cineasta”, o “New-ator”, o “New-roqueiro”, o “New- jornalista”, entre outros. Só não há o “New-político”. O “New-jornalista” mostrado por Angeli é uma alusão a Matinas Suzuki, profissional de imprensa que representa o tipo yu- ppie, moderno no vestir e nas atitudes, que se tornou um estereótipo do jovem executivo da década de 1980. Atento aos modismos (prin- cipalmente os criados no exterior), ele passa a ser um divulgador das novas tendências (criando neologismos e usando estrangeirismos, promovendo grupos musicais, diretores de cinema etc.), por mais exóticas que sejam. Ao encampar a campanha das “Diretas-Já”, a par- tir de 1984, o jornal Folha de S. Paulo tornou-se leitura e referência obrigatória para os intelectuais. O caderno de cultura deste órgão de imprensa, a Ilustrada, celebra as atividades culturais e os artistas em evidência, assim como o modo de vida cosmopolita dos jovens paulistanos que moram ou convivem nos Jardins (bairro nobre da ca- pital de São Paulo). Benevides Paixão, outro personagem criado por Angeli, resume esta mística: redator de turfe, ele sonha em ser um jornalista cultuado como Paulo Francis, que, na época, era colunista da Folha de S. Paulo e correspondente do jornal em Nova York, lugar onde surgem novos modismos. Angeli também criou o “Psico-Burguês”, oriundo das camadas abastadas da sociedade, que se sente oprimido pelas tribos urbanas proletárias (punks, skinheads, metaleiros etc.). Com visual mais mo- derno (cabelo espetado, roupa colorida e de grife, brincos, óculos es- curos), esse tipo sai pelos bares expondo seus traumas com o exces- so de dinheiro da família, mas sem deixar de usufruir dos confortos proporcionados por sua condição financeira e social. Ao se dedicar

à preservação do patrimônio familiar, contudo, tornam-se gordos e

carecas como seus pais. Outro modismo satirizado nas revistas da Circo Editorial é

a obsessão com o fisiculturismo, característica da década de 1980.

Adão Iturrusgarai publicou na revista Big Bang Bang tiras e histórias com a Família Bíceps, núcleo familiar composto por pai, mãe e um casal de filhos, todos musculosos. Acostumados com a própria força, não percebem quando ferem os outros ou causam estragos. Sua vida se resume aos exercícios e à exibição da força e dos bíceps.

99

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

A vida familiar possibilita que os quadrinistas explorem co-

micamente os hábitos e as neuroses da classe média urbana. Em Os dilemas do Aderbal – um idiota como todos nós, publicada na revista

Chiclete com Banana número 9, Angeli flagra Aderbal, o típico pai de família pequeno-burguês, tendo uma crise existencial no banheiro. Com a toalha enrolada na cintura e diante do espelho, ele reflete sobre sua situação: “Nunca foi um bruta homem. O Rambão das mu-

Sabe o que

você é, Aderbal? Um tremendo babacão! É isso! Um babacão! Tenha vergonha na cara e tome uma atitude. Rompa com os medíocres.

Brigue com a família

o mesmo

imbecil!”. Surpreendido pela mulher e pelos filhos, ele arranja uma desculpa para o barulho, dizendo estar espremendo espinhas. Essa narrativa exemplifica a inércia desse setor da sociedade.

Já a história Hora do jantar, que integra a edição número 5 da

revista Chiclete com Banana, aborda o conflito de gerações. Após a

refeição, o filho jovem surpreende os pais, dizendo querer “um base- adinho pra digestão”. Chocada, a mãe cobre os olhos com as mãos e chora, enquanto o pai, enraivecido e indignado, expulsa o rapaz de casa. Na última vinheta, o homem coloca bebida alcoólica no copo

e desabafa: “Só enchendo a cara, mesmo!”. A mulher, estendendo o

copo, solicita: “Opa! Estou nessa!”. Angeli desmascara a hipocrisia dos valores familiares burgueses. O pai está preocupado com o que a sociedade vai pensar dele por ter um filho que fuma maconha e, no final, anuncia que vai se embriagar com uma droga consentida, sendo seguido pela esposa.

Até mesmo os velhos hippies Wood e Stock (nomes que re- metem ao festival de rock realizado no final da década de 1960 nos

Estados Unidos, que reuniu jovens que assistiram aos shows, prati- caram amor livre e usaram drogas abertamente) enfrentam o con- flito de gerações. Overall, o filho adolescente e skatista de Wood

e da ex-hippie Lade Jane, discorda do modo de vida dos pais. Mais

integrado, o garoto gostaria que o pai deixasse de utilizar drogas o dia todo e arranjasse emprego, como os pais de seus amigos. Stock, por sua vez, não consegue entender sua namorada jovem, que não conhece os Beatles.

esmurre seu patrão. Faça alguma coisa na vida.

Senão, continuará sendo o mesmo banana de sempre

lheres. Muito menos sensível, inteligente

delicado

100

HQs de Humor no Brasil

HQ s de H umor no B rasil Ilustração 47 – Os velhos hippies Wood e

Ilustração 47 – Os velhos hippies Wood e Stock são anacrônicos.

No que tange às drogas, Wood e Stock, por pertencerem à geração “paz e amor” e ainda viverem com as ideias da contracultura dos anos 1960, permitem abordar o tema de maneira cômica. De tan- to experimentar drogas na juventude, Wood, atualmente, só obtém prazer ao fumar orégano. Decidido a abandonar as drogas, decide deixar de tomar Fanta sabor uva, levando a um questionamento a respeito do conceito de droga (se é a substância alucinógena ou um produto de consumo imposto pela propaganda e aceito socialmente, embora tenha gosto duvidoso). Glauco também aborda esse tema na história Abobrinhas da Brasilônia, publicada na revista Chiclete com Banana número 24, de no- vembro de 1990. Pego pelo filho pequeno enquanto batia cocaína no prato, o pai afirma estar fazendo “mandiopã com banana amassada”, ao que o filho retruca: “Bem em cima da cocaína?”, demonstrando que até as crianças, hoje, conhecem as drogas. Outro personagem desse artista que vive em função do consumo de drogas é o roquei- ro Doy Jorge (uma referência ao cantor pop britânico Boy George, inicialmente integrante do conjunto Culture Club, que fez sucesso no início da década de 1980 e teve problemas com o vício), que, no meio dos shows, foge para se drogar. Essa situação leva seus empre- sários, empenhados em fazer o ídolo musical largar os alucinógenos, ao desespero. O cantor pop Oliveira Junky, personagem concebido por Angeli, é outro artista que enfrenta situações difíceis, mas por causa do alcoolismo.

101

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

c aPítulo 3 | o riso em temPos de crise Ilustração 48 – O astro pop

Ilustração 48 – O astro pop Doy Jorge, personagem do cartunista Glauco.

Na década de 1980, em função da ameaça de uma guerra nu- clear e do desgaste das ideologias políticas e religiosas tradicionais, surgiram seitas esotéricas, a New Age e os visionários que pregavam o fim do mundo ou a crença em seres provenientes de outras dimensões e do espaço. Glauco ironiza essa situação a partir de Zé do Apocalipse, personagem que anuncia cataclismos ou a chegada de seres extrater- restres. Incompreendido, brada para multidões de incrédulos. Além do já citado guru Rhalah Rikota, Angeli criou Rampal, o Paranormal, que enfrenta problemas com os poderes que possui. Em situações co- tidianas, seus atributos fora do comum impedem que viva com nor- malidade: no restaurante, atrai talheres e outros objetos de metal; ao perceber que uma garota o está paquerando, faz com que ela entre em combustão, que o obriga a passar mais uma noite sozinho. Sintonizados com seu tempo também são os dois Skrotinhos, dois baixinhos idênticos (seriam irmãos gêmeos?) e iconoclastas. Esses personagens são a encarnação do niilismo e do ceticismo carac- terísticos das décadas de 1980 e 1990. Depois que todas as utopias, sejam elas políticas ou religiosas, mostraram-se vazias e ineficien- tes, só resta usar o humor para demolir as convicções que sobraram. Nesse sentido, inserem-se no espírito da pós-modernidade.

102

HQs de Humor no Brasil

Os Skrotinhos desconstroem, com suas tiradas sarcásticas, a pose dos intelectuais e artistas, os adeptos dos modismos, a arrogân- cia dos machistas e as ideias feministas. Não poupam nem mesmo o garçom e, quando não têm outras vítimas por perto, zombam um do outro. Inconvenientes, os Skrotinhos levantam a saia da moralidade para deixar a hipocrisia à mostra, apontam para os absurdos traves- tidos de normalidade e ironizam a seriedade das convenções de um mundo desigual e desumano. Nesse sentido, eles encarnam uma ver- são atualizada de O Amigo da Onça. Mutantes, os Skrotinhos assumem diferentes tipos. Eles podem aparecer nas tiras como brancos, negros (The Little Black

Skrots), mulheres (as Skrotinhas), empresários etc. 6 , mostrando que não há limites para o humor: todas as pessoas, de qualquer raça ou gênero, assim como todas as ideias, podem ser transformadas em objeto de riso, uma vez que o ser humano, independentemente do que pense ou tente aparentar, continua sendo ridículo. Angeli, por meio de seus personagens, desnuda as situações ridículas às quais

o ser humano não consegue escapar, seja ele um pai de família de

classe média ou um poeta idolatrado – o próprio artista é exposto (como Robert Crumb fazia em histórias semibiográficas na década de 1960) nas tiras intituladas “Angeli em crise”. O autor desmasca-

ra, inclusive, sua geração, que não conseguiu fazer nem a revolução política e nem a sexual, mantendo-se prisioneira do passado, como

é o caso de Meiaoito, de Wood e Stock e dos executivos que têm

recordações psicodélicas dos tempos em que eram hippies. Angeli, da mesma forma que os Skrotinhos, denuncia o ridículo da existência e

ri da desgraça da humanidade.

6 Esta é outra semelhança entre Os Skrotinhos e O Amigo da Onça, que se apre- sentava na forma de fantasma, demônio, criança (branca ou negra), como um ladrão ou exercendo a profissão de médico ou repórter.

103

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

c aPítulo 3 | o riso em temPos de crise Ilustração 49 – Os Skrotinhos (sejam

Ilustração 49 – Os Skrotinhos (sejam eles brancos, mulheres ou negros) são implacáveis com celebridades e anônimos.

O humor gráfico publicado nas revistas da Circo Editorial

aponta para as contradições de seu tempo, momento rico no qual

a liberdade democrática voltava a vigorar e, ao mesmo tempo, em

que as utopias desabavam junto com o Muro de Berlim. Se a geração das décadas de 1960 e 1970 foi impedida ou incapaz de implantar seus ideais, tornando-se saudosista e anacrônica, a geração dos anos 1980, formada no silêncio e na sombra da ditadura, crescida sob a tu- tela da TV e da cultura de consumo, não formulou projetos. Marcelo Coelho (in Bryan, 2004, p. 18) não considera que houve uma despo- litização “pura e simples”, mas “uma abertura, também política, para questões que não constavam do programa da esquerda tradicional”. Para Coelho, a ênfase na liberdade individual, na sexualidade, no prazer, “o surgimento de um espírito humorístico, desconchavado, celebratório, num ambiente ainda coberto de pessimismo e amargu- ra, não são características tão ‘despolitizadas’ assim”. A contribuição dos quadrinhos da Circo Editorial foi no sentido de refletir o parado- xo dessa geração, do Brasil e do mundo.

O quadrinho de humor atualmente realizado dá continuidade

à trilha aberta pelas revistas da Circo Editorial, seja pelo trabalho de

artistas que participaram das revistas publicadas pela editora – como Angeli e seus personagens adolescentes Luke e Tantra; Laerte, com Overman e Deus, e Adão Iturrusgarai, com as tiras e álbuns de Aline e seus dois namorados –, seja pela produção de novos artistas – a exem- plo de Caco Galhardo e sua tira Os Pescoçudos, e Allan Sieber, autor de Vida de Estagiário e Preto no Branco.

Levando em consideração a conceituação do Humor como uma narrativa que, determinada por condições sociais, culturais

e históricas, gera um efeito em seu receptor (o riso), a análise das

Histórias em Quadrinhos publicadas nas revistas da Circo Editorial revela a vinculação do conteúdo desse produto cultural à conjuntura

104

HQs de Humor no Brasil

histórica em que a editora atuou no mercado editorial de quadri- nhos, de meados da década de 1980 até meados dos anos 1990. O conteúdo informacional contido nos quadrinhos humorísti-

cos editados pela Circo Editorial desvela, de maneira crítica e satírica, os impasses e os dilemas enfrentados pela classe média urbana bra- sileira naquele momento histórico: a redefinição do papel do homem

e da mulher no âmbito social, a reconfiguração da política em um

contexto de redemocratização da sociedade, a possibilidade de uma guerra nuclear, a mudança nas relações familiares, a difícil superação de paradigmas comportamentais e ideológicos, a crise econômica, a deterioração das condições de vida, a padronização dos hábitos, a imposição do consumo de bens e de ideias, entre outras dificuldades vividas pelas pessoas na época.

Utilizando um humor transgressor, característico dos quadri-

nhos underground ou alternativos, os artistas que publicaram seus tra- balhos nas revistas editadas pela Circo Editorial conseguiram captar e expor em suas histórias e tiras de quadrinhos as contradições sociais

e existenciais da época. Apesar de o Brasil já não viver sob as impo-

sições da ditadura militar, os políticos ainda continuam incompeten- tes, corruptos e vaidosos. A mulher ocupou espaços no mercado de trabalho, mas sua vida pessoal passou a ser vazia e solitária (como no caso de Rê Bordosa, Mara Tara e Dona Marta). Embora não sejam considerados mais tabus, sexo e drogas continuam a constranger e a causar problemas aos indivíduos. Mesmo com tantas mudanças ocor- ridas na sociedade, os conflitos familiares e amorosos continuam e se tornam cada vez mais violentos (a exemplo do Casal Neuras).

Se a geração anterior mostra-se defasada em seu comporta- mento e em suas ideias (este é o caso do machão Bibelô, do militante

Meiaoito e dos velhos hippies Wood e Stock), os jovens dos anos 1980

e 1990 vivem perdidos em um mundo hostil. Eles deixam-se levar

pelos modismos, são guiados pelo consumismo, procuram uma iden- tidade aliando-se a determinadas “tribos urbanas” e, desiludidos, adotam comportamentos e visões de mundo superficiais. As concep-

ções políticas perderam seu apelo utópico, desmanchando-se como

o Muro de Berlim ou esfacelando-se como a União Soviética, em um

mundo dominado por pessoas que usam a política para atender a seus próprios interesses. Nem mesmo as posturas metafísicas mos- tram-se isentas de manipulação e de distorções (como nas pregações de Rhalah Rikota e de Zé do Apocalipse).

105

caPítulo 3 | o riso em temPos de crise

Dessa forma, pode-se afirmar que os quadrinhos de Humor publicados nas revistas da Circo Editorial são o retrato humano e social de um momento histórico. O conteúdo informacional presente nos textos e desenhos que compõem as histórias e tiras de quadri- nhos, mais do que causar riso por seu apelo cômico, leva a reflexões a respeito de sua época e da existência humana. O título Assim cami- nha a humanidade, utilizado por Angeli em algumas histórias e tiras, refere-se à maneira como o ser humano continua repetindo os erros do passado e incorrendo em novos que podem comprometer o futu- ro. Ler as publicações da Circo Editorial é ver com outros olhos (pela lente crítica e irreverente do Humor) as atitudes das pessoas naquele contexto.

106

caPítulo 4

Histórias em quadrinhos no século XXI

D iversos cartunistas brasileiros, entre eles os veteranos Angeli, Laerte, Fernando Gonsales e Adão Iturrusgarai, e novos talen-

tos, como Caco Galhardo, André Dahmer e Allan Sieber, continuam a tradição de publicar tiras em jornais, e depois reuni-las em álbuns ou livros. Essas publicações, sem periodicidade, normalmente são distri- buídas para livrarias e lojas especializadas em quadrinhos, com uma tiragem baixa. A editora Devir, de São Paulo, que iniciou suas ativida- des como importadora de comic-books estadunidenses e livros de RPG, passou a editar álbuns com coletâneas de tiras publicadas em jornais, principalmente na Folha de S. Paulo, como Luke e Tantra, as personagens adolescentes idealizadas por Angeli. As tiras do pré-adolescente Ozzy, também criado por esse artista e que aparecia no suplemento infantil Folhinha, ganharam quatro edições pela editora Companhia das Letras. Laerte também teve suas tiras reunidas em álbuns publicados pela Devir, a exemplo de Suriá, tira editada na Folhinha e protagonizada por uma garota negra que vive em um circo, Overman (sátira aos quadri- nhos de super-heróis) e Classificados, coletânea de quadrinhos de hu- mor sem personagens recorrentes, que saíam no caderno de vendas do jornal Folha de S. Paulo – apesar de apresentarem gags e obedecerem à estrutura narrativa tradicional da piada, foram o embrião das histórias poético-filosóficas que o artista passou a fazer em seguida por trata- rem de temas variados e de mostrarem situações inusitadas que levam o leitor à reflexão. Outras editoras (Olho d’Água, Conrad e Companhia das Letras) também lançaram álbuns com material do cartunista, como Deus, Laertevisão (a partir das memórias da infância do autor e da popu- larização da TV no Brasil) e Muchacha.

caPítulo 4 | Histórias em QuadrinHos no século XXi

c aPítulo 4 | H istórias em QuadrinHos no século XXi Ilustração 50 – Tira da

Ilustração 50 – Tira da série Classificados, de Laerte.

Assim como Angeli e Laerte, Adão Iturrusgarai teve coletâneas de suas tiras publicadas em álbuns, principalmente Aline e seus dois na- morados. A protagonista vive com dois rapazes e, ao contrário de ou- tras personagens femininas dos quadrinhos brasileiros (Radical Chic e Rê Bordosa, principalmente), não tem crises existenciais, mesmo quando os trai com outras pessoas. O cartunista gaúcho também publicou No divã com Adão – que reúne os quadrinhos da série Anos de análise –, Minha vida ridícula e A máquina do tempo – este último título junta material produzido pelo artista de 1983 a 2013.

junta material produzido pelo artista de 1983 a 2013. Ilustração 51 – A desencanada Aline, de

Ilustração 51 – A desencanada Aline, de Adão Iturrusgarai.

Houve algumas tentativas de lançar revistas periódicas de qua- drinhos de humor, seguindo o estilo underground, mas todas foram descontinuadas após algumas edições, como é o caso de Cybercomix, cujas quatro edições chegaram às bancas em 1998, com trabalhos de artistas nacionais consagrados (Laerte, Angeli, Adão Iturrusgarai, en- tre outros). Em 2005, a revista F. Humor teve três números lançados pe- las editoras Gibiteca e Hy Brazil, editados por Allan Sieber, Leonardo e Arnaldo Branco, que publicavam seus quadrinhos ao lado de outros

108108

HQs de Humor no Brasil

artistas. Mais uma edição saiu em formato menor pela Conrad, que foi responsável pela publicação de dois números da revista Crocodilo em 2003, título que mesclava material de artistas de estrangeiros e brasileiros, como Sieber. Esse artista também participou do fanzine Tarja Preta, que totalizou sete edições de 2004 a 2011. O gaúcho Allan Sieber é um dos quadrinistas que despon- taram no século XXI. As tiras da série Preto no Branco, fortemente influenciadas pelos comix underground, mostram personagens indig- nados (muitas vezes o próprio autor caricaturado), que estão fora da normalidade aceita pela sociedade. Os quadrinhos intitulados Talk to himself show mostra um talk show (programa televisivo de entrevistas) em que o artista entrevista a si mesmo, expondo suas opiniões e fazendo autocrítica. Já Vida de estagiário acompanha um jovem em início de carreira que trabalha em uma agência de publicidade e pre- cisa conviver com um chefe incompetente e colérico, além de outros colegas implicantes. Diretor do curta-metragem de animação Deus é Pai, teve seus trabalhos reunidos em álbuns publicados por várias editoras, como a Desiderata, que lançou em 2009 É tudo mais ou me- nos verdade, com o subtítulo O jornalismo investigativo, tendencioso e ficcional de Allan Sieber, que satiriza o jornalismo e as autobiografias em quadrinhos. Na mesma linha de Sieber, o carioca André Dahmer criou para

a tira Malvados personagens cínicos e críticos com a aparência de girassóis, que vivem situações esdrúxulas e falam de religião, relacio- namentos amorosos e desgastados, bebida e conflitos existenciais, normalmente tratados com humor negro. Seu personagem Rei Emir Saad, conhecido como o Monstro de Zazarov, é o monarca déspota

e cruel de um reino fictício da Europa. Seu nome e sua aparência –

roupa vermelha e longos bigodes – remetem aos czares russos. Na série A cabeça é a ilha, os protagonistas são atormentados, como o jovem Ulisses, que rouba um navio com dez mil garrafas de vinho para se esquecer de sua amada Rebeca que o havia abandonado, ou a infeliz Sara, a Sofrida. Tanto Sieber como Dahmer passam, com seus quadrinhos, uma visão niilista.

109109

caPítulo 4 | Histórias em QuadrinHos no século XXi

c aPítulo 4 | H istórias em QuadrinHos no século XXi Ilustração 52 – Preto no

Ilustração 52 – Preto no branco, de Allan Sieber.

Outros artistas desse período são Caco Galhardo, Jean, MZK, Arnaldo Branco e Rafael Campos Rocha. O primeiro criou para o jornal Folha de S. Paulo a tira Os Pescoçudos, cujos personagens têm longos pescoços e a cabeça virada para cima. Esse artista faz sátira social sa- tirizando o comportamento na atualidade. Recentemente, produziu a série Lili, a Ex, cuja protagonista não consegue esquecer seu ex-mari- do. A principal personagem da história , do cartunista Jean Galvão, também não olvida o cônjuge morto. Trata-se de uma velhinha muito religiosa, hipocondríaca e solitária – e um pouco rabugenta. Maurício Kuhlmann, mais conhecido como MZK, usa animais falantes em suas histórias estreladas pelo tigre Banzo e Benito, um jacaré. Os quadri- nhos com esses dois bichos adolescentes apareceram na Folhinha, de 2004 a 2009. Mais adulta e corrosiva é a tira Mundinho Animal, de Arnaldo Branco, em que animais antropomorfizados mostram a me- galomania e a inveja no âmbito cultural (literatura, cinema, teatro) e nas redes sociais da internet, onde proliferam críticos e humoristas sem graça. As histórias elaboradas por Rafael Campos Rocha, Deus essa gostosa, que apareceram no caderno Mais! e na revista Piauí, ganharam um álbum da Companhia das Letras em 2012. O ser divino é mostrado como uma mulher negra forte e decidida.

110110

HQs de Humor no Brasil

HQ s de H umor no B rasil Ilustração 53 – Os Pescoçudos , de Caco

Ilustração 53 – Os Pescoçudos, de Caco Galhardo.

Tiras poético-filosóficas

Livres da necessidade de serem engraçadas e de obedecer à estrutura tradicional dos quadrinhos humorísticos (que apresentam um elemento disjuntor que surpreende o leitor e causa o efeito cô- mico), as tiras poético-filosóficas abordam temas pouco usuais, nor- malmente dilemas existenciais. Esse tipo de quadrinhos, que foge da narratividade convencional, é uma influência dos comix underground da década de 1970. Na definição de Santos Neto (2009, p. 89-90):

histórias em quadrinhos poético-filosóficas são aquelas que

apresentam, de maneira explícita em sua arte, a intenção de que seja feita uma reflexão poética, enquanto aberta criativa- mente ao contínuo movimento da vida, e filosófica, enquanto provocação a um pensar aprofundado sobre a condição huma- na. As histórias em quadrinhos poético-filosóficas tendem a ser apresentadas em histórias curtas que, muitas vezes, rompem com a linearidade convencional das narrativas em quadrinhos usando, para tanto, de criativos recursos seja no traço do artis- ta seja em novas propostas de utilização dos requadros. São, portanto, três as características que principalmente defi- nem uma história em quadrinhos poético-filosófica: 1. A inten-

) (

cionalidade poética e filosófica; 2. Histórias curtas que exigem uma leitura diferente da convencional; 3. Inovação na lingua- gem quadrinística em relação aos padrões de narrativas tradi- cionais nas histórias em quadrinhos.

111111

caPítulo 4 | Histórias em QuadrinHos no século XXi

O quadrinista Angeli, por exemplo, faz uma série de tiras in-

tituladas Caderno de rascunhos, as quais trazem desenhos e esboços, eliminam o compromisso com a narrativa ficcional, cujo propósito

é mostrar o estilo gráfico e o processo criativo do autor. As tiras de Laerte, por outro lado, apresentam um enredo que busca levar o lei- tor a refletir sobre um assunto, embora nem sempre apresente uma conclusão. Além disso, seus trabalhos evidenciam uma busca formal em relação à arte e às convenções da linguagem quadrinística. Na ilustração 54, um homem nu caminha lendo um livro – o personagem não tem cor e o fundo é azul claro – quando esbarra em um círculo

“era o mundo”. O significado desta pequena história,

relatada em apenas quatro vinhetas, depende de quem a lê.

azul escuro

apenas quatro vinhetas, depende de quem a lê. azul escuro Ilustração 54 – Os quadrinhos de

Ilustração 54 – Os quadrinhos de Laerte fazem o leitor pensar.

Mas, às vezes, Laerte leva seu público a encontrar um senti- do previamente estabelecido. É o caso da ilustração 55, cujo enredo trata das convenções sociais que determinam comportamentos, es- tabelecendo o que é aceitável ou não. Nesta tira, o cafuné (demons- tração de carinho) é condenado e execrado. Na primeira vinheta, um homem com cara e postura de tarado tenta fazer cafuné em uma

mulher, que tenta fugir dele. Na segunda, um professor tenta explicar

o motivo diante de um quadro negro, no qual se lê: “abraço = natural caf* = antinatural” – a palavra cafuné aparece apenas com as três

letras iniciais seguidas de um asterisco (como usualmente se faz para grafar termos de baixo calão). O terceiro quadrinho traz o texto “A lei não proíbe, desde que seja entre adultos e de forma consentida” sobre a vinheta, onde um homem fala em tom de fofoca e de male- dicência sobre a mulher que passa ao fundo: “Diz que ela é chegada

ó!”, fazendo com a mão direita um gesto que indica cafuné. No

em

último quadro, um homem recebe cafuné de uma mão que sai de um buraco na parede, abaixo da qual há fenda e o símbolo $ indicando o lugar para colocar o dinheiro para receber o serviço – em uma clara

112112

HQs de Humor no Brasil

alusão à prostituição. A intenção do autor é mostrar a origem dos preconceitos, especialmente em relação a determinadas práticas se- xuais, como eles se disseminam e o que podem ocasionar.

se- xuais, como eles se disseminam e o que podem ocasionar. Ilustração 55 – Temas sérios

Ilustração 55 – Temas sérios abordados com ironia nas tiras de Laerte.

Os irmãos Fabio Moon e Gabriel Bá foram convidados para pu- blicar no jornal Folha de S. Paulo uma tira de quadrinhos. Com o título Quase nada, essas histórias fogem do padrão normal, sendo diagra- madas em “dois andares”. A estrutura narrativa se divide em dois mo- mentos: o primeiro ocorre nas vinhetas da parte superior, nas quais um ou mais personagens abordam um assunto, em pensamentos ou diálogos; e o segundo acontece na última vinheta, na parte de baixo, em que normalmente há a presença de um animal (ver Ilustração 56) que tece um comentário. Outros artistas que elaboram esse tipo de quadrinhos são Rafael Sica e Orlandeli, autor da série (SIC).

são Rafael Sica e Orlandeli, autor da série (SIC) . Ilustração 56 – Quase nada ,

Ilustração 56 – Quase nada, de Fábio Moon e Gabriel Bá.

113113

caPítulo 4 | Histórias em QuadrinHos no século XXi

Webcomics

Se o mercado editorial de histórias em quadrinhos brasileiras impressas resume-se às revistas com os personagens de Mauricio de Sousa, álbuns ocasionais (normalmente com tiragem baixa e preço elevado) e publicações alternativas sem periodicidade e que totali- zam poucos números, a internet tornou-se – principalmente após a criação da web 2.0 – um espaço para divulgação do trabalho de quadrinistas, principalmente os iniciantes. Blogs e sites são usados para reunir trabalhos de um ou mais artistas e manter contato direto e imediato com os leitores, que pos- tam suas opiniões e críticas. As redes sociais também auxiliam a cir- culação de quadrinhos. No entanto, a durabilidade deste material é curta, uma vez que pode ser retirado do espaço virtual a qualquer momento, enquanto os impressos são preservados por mais tempo, mantidos em coleções particulares ou em acervos públicos. Empregando ou não os recursos possibilitados pelas ferra- mentas digitais (inserção de som, movimento, paleta de cores, efei- tos visuais), que aproximam as webcomics dos games e dos desenhos animados, e características do suporte (tela infinita, barra de rolagem etc.), essas histórias em quadrinhos também não sofrem as restrições impostas sobre a mídia impressa: determinações editoriais arbitrá- rias, entraves econômicos, limitação quanto à distribuição e divul- gação, prazos apertados, custo de produção alto, que eleva o preço do produto, ou necessidade de seguir um estilo consagrado ou um gênero que tem grande apelo diante dos leitores. Na visão de Santos, Corrêa e Tomé (2012, p. 135):

Apesar das controvérsias sobre as contribuições que os quadri- nhos disponibilizados pela internet podem trazer para a am- pliação da linguagem e da estética das narrativas sequenciais, para os artistas e para os leitores, é inegável que esse novo produto cultural midiático se diferencia dos quadrinhos impres- sos. A mídia digital cria um espaço para a experimentação por parte dos quadrinistas e gera formas inovadoras de divulgação dos quadrinhos e de seus autores; para as editoras, abre um novo mercado.

114114