Você está na página 1de 22
Moldagem por Prensagem à Quente
Moldagem por Prensagem à Quente

É um dos mais antigos processos de transformação

conhecidos.

Consiste na colocação de grãos sólidos ou tabletes

de um polímero cru na cavidade aquecida de um

molde e, posteriormente, na compressão com o

lado macho do molde a uma pressão que varia 100

a 500 kgf/cm2 .

de um molde e, posteriormente, na compressão com o lado macho do molde a uma pressão
Moldagem por Prensagem à Quente
Moldagem por Prensagem à Quente

O molde é aquecido até a temperatura de amolecimento do

pó que, sob a ação de pressão, torna-se homogêneo e toma

a forma da cavidade, formando assim o produto final.

O calor e a pressão são mantidos até a cura ou polimerização

do material.

O

molde é então aberto e a peça é removida.

O

tempo do ciclo de produção depende, essencialmente, do

tempo de cura do polímero.

e a peça é removida. O tempo do ciclo de produção depende, essencialmente, do tempo de
Moldagem por Prensagem à Quente
Moldagem por Prensagem à Quente
1
1
Moldagem por Prensagem à Quente 1 2 3
Moldagem por Prensagem à Quente 1 2 3
2
2
Moldagem por Prensagem à Quente 1 2 3
3
3
Moldagem por Prensagem à Quente 1 2 3
Moldagem por Prensagem à Quente 1 2 3
Moldagem por Prensagem à Quente 1 2 3
Moldagem por Prensagem à Quente 1 2 3
Moldagem por Prensagem à Quente 1 2 3
Moldagem por Prensagem à Quente
Moldagem por Prensagem à Quente

Uma grande variedade de materiais são usados nesse

processo. A princípio, ele é indicado para termofixos,

porém recentemente, desenvolvimentos permitiram a

formação de peças de termoplásticos e compósitos.

O custo do ferramental e equipamento é, freqüentemente

menor do que o de processos concorrentes e a precisão

dimensional e acabamento superficial são ótimos.

freqüentemente menor do que o de processos concorrentes e a precisão dimensional e acabamento superficial são
Moldagem por Prensagem à Quente
Moldagem por Prensagem à Quente

O

peças, que requerem tolerâncias fechadas, resistência

processo é mais adequado para pequenos lotes de

mecânica e pequeno encolhimento.

Não é adequado para peças com seções espessas, devido

ao longo tempo necessário para a cura do plástico.

O formato do produto deve ser o mais simples possível,

para facilitar o fluxo do material no interior do molde.

Painéis para automóveis e aviões, carcaças para

instrumentos e juntas podem ser obtidas por esse processo.

do molde. Painéis para automóveis e aviões, carcaças para instrumentos e juntas podem ser obtidas por
Moldagem por Prensagem à Quente
Moldagem por Prensagem à Quente

É usado também para a obtenção de plásticos reforçados

com fibras, sejam termofixos ou termoplásticos, produzindo

peças de elevada resistência mecânica.

Na família dos termofixos poliésteres, epóxis e fenólicos podem ser usados como base para os compostos contendo

fibras.

Pias para banheiro, componentes elétricos e uma série de

utilidades domésticas são produzidos por esse processo.

Pias para banheiro, componentes elétricos e uma série de utilidades domésticas são produzidos por esse processo.
Moldagem por Prensagem à Quente
Moldagem por Prensagem à Quente

O equipamento usado no processo é simples, consistindo

de uma prensa pneumática ou hidráulica e um dispositivo

para aquecimento do molde, que pode ser uma resistência

elétrica, chama de gás ou vapor.

As peças variam entre 150 mm² e 2400 mm² e os moldes

são de aço ferramenta, altamente polido ou revestido com

cromo, para facilitar o fluxo do plástico e melhorar o

acabamento.

As temperaturas típicas variam entre 150 e 200° C, mas

podem alcançar, em alguns casos, até 650° C.

o acabamento. As temperaturas típicas variam entre 150 e 200 ° C, mas podem alcançar, em

O que é termoformação?

A termoformação consiste em aquecer uma folha de

termoplástico acima de Tg (para os polímeros amorfos) ou

perto da fusão (para os polímeros semi-cristalinos),

forçando-a depois de encontro às paredes de um molde.

Em contato com o molde arrefecido pela circulação de um

fluído (geralmente a água), o material arrefece ficando

com a forma que o molde lhe deu. Finalmente, o molde

abre e procede-se à extração da peça.

A termoformação de plásticos é atualmente muito utilizada na produção de embalagens para a indústria alimentícia.

A termoformação de plásticos é atualmente muito utilizada na produção de embalagens para a indústria alimentícia.
TERMOFORMAÇÃO
TERMOFORMAÇÃO

É um processo indicado para peças de grandes dimensões

com pequena espessura, por sua simplicidade e também

pelo baixo custo do ferramental.

Os equipamentos utilizados tornam-se muito atrativos para

a produção de quantidades medianas de peças partindo-se de lâminas.

Apenas os termoplásticos podem ser levados a um estado

elástico através do seu aquecimento. Por isso este é o

único tipo de plástico que pode ser termoformado.

O processamento é feito em filmes e placas entre 0,1 e

12mm.

é o único tipo de plástico que pode ser termoformado. O processamento é feito em filmes
TERMOFORMAÇÃO
TERMOFORMAÇÃO

O processamento dos plásticos divide-se em três

etapas:

Aquecimento

Moldagem

Resfriamento

TERMOFORMAÇÃO O processamento dos plásticos divide-se em três etapas: • Aquecimento • Moldagem • Resfriamento
TERMOFORMAÇÃO
TERMOFORMAÇÃO

Dependendo se é o lado interno ou externo da peça que

será moldado, distingue-se entre processo positivo e

negativo.

No processo negativo, o semi-manufaturado é puxado

para o interior da ferramenta, enquanto que no processo

positivo ele é aspirado sobre a ferramenta.

Neste processo o semi-manufaturado é preso e esticado. Desta forma ocorrem variações nas espessuras de parede

das peças, principalmente os cantos finos.

é preso e esticado. Desta forma ocorrem variações nas espessuras de parede das peças, principalmente os

Processo de Termoformação:

Processo de Termoformação: - Vídeo para demonstrar o processo: UMC 12

- Vídeo para demonstrar o processo:

Processo de Termoformação: - Vídeo para demonstrar o processo: UMC 12

UMC

Processo de Termoformação: - Vídeo para demonstrar o processo: UMC 12

12

TERMOFORMAÇÃO
TERMOFORMAÇÃO

São três os principais métodos de transformação:

a)

Formação a vácuo:

A lâmina é "chupada" para dentro do molde por meio da

formação de vácuo na cavidade de ferramenta

Aquecedor

Lâmina Vácuo
Lâmina
Vácuo
Produtos Obtidos
Produtos Obtidos

VACUUM FORMING

Produtos Obtidos VACUUM FORMING
TERMOFORMAÇÃO
TERMOFORMAÇÃO

b) Formação por pressão positiva:

Para chapas compactas e espessas

devem ser utilizadas pressões positivas

sobre a chapa para a formação.

Aquecimento

Ar sob pressão

e espessas devem ser utilizadas pressões positivas sobre a chapa para a formação. Aquecimento Ar sob
e espessas devem ser utilizadas pressões positivas sobre a chapa para a formação. Aquecimento Ar sob
e espessas devem ser utilizadas pressões positivas sobre a chapa para a formação. Aquecimento Ar sob
1 2
1
2
TERMOFORMAÇÃO
TERMOFORMAÇÃO

c) Formação por prensagem:

Para a formação de peças a partir de tiras.

TERMOFORMAÇÃO c) Formação por prensagem: Para a formação de peças a partir de tiras. Aquecimento 1

Aquecimento

TERMOFORMAÇÃO c) Formação por prensagem: Para a formação de peças a partir de tiras. Aquecimento 1
TERMOFORMAÇÃO c) Formação por prensagem: Para a formação de peças a partir de tiras. Aquecimento 1

1

Pressão 2 3
Pressão
2
3

Máquinas e Equipamentos

Máquinas e Equipamentos UMC 17
Máquinas e Equipamentos UMC 17
Máquinas e Equipamentos UMC 17

UMC

Máquinas e Equipamentos UMC 17

17

Produtos

Produtos UMC 18
Produtos UMC 18
Produtos UMC 18
Produtos UMC 18
Produtos UMC 18
Produtos UMC 18

UMC

Produtos UMC 18

18

FUNDIÇÃO
FUNDIÇÃO

É o mais simples dos processos. O polímero líquido ou

qualquer resina que polimerize a baixa temperatura e

pressão atmosférica é vazado em um molde com o

formato desejado.

Muitas variações do processo foram desenvolvidas e,

embora nem todos os plásticos possam ser fundidos,

existe um grande número de termoplásticos fundíveis,

dos quais podemos destacar os acrílicos, nylons,

uretanos e PVC, existindo também os termofixos, tais

como os fenólicos, poliésteres, epóxis, silicones e

uretanos.

uretanos e PVC, existindo também os termofixos, tais como os fenólicos, poliésteres, epóxis, silicones e uretanos.
FUNDIÇÃO
FUNDIÇÃO

Uma lâmina de vidro pode ser usada como molde para a

obtenção de chapas finas de plástico. A produção

contínua de chapas e filmes pode ser feita pela

introdução de polímero líquido entre duas cintas móveis,

de aço inoxidável altamente polido. Existem limitadores,

que atuam mantendo a largura e a espessura constantes.

móveis, de aço inoxidável altamente polido. Existem limitadores, que atuam mantendo a largura e a espessura
FUNDIÇÃO
FUNDIÇÃO

O

plástico

derretido

também

pode

ser

usado

para

obtenção

de

formas

tubulares,

através

do

uso

da

moldagem centrífuga.

ser usado para obtenção de formas tubulares, através do uso da moldagem centrífuga.
FUNDIÇÃO
FUNDIÇÃO

Produtos de pequeno porte podem ser produzidos

vazando-se o plástico fundido em moldes com o formato

desejado.

As resinas termofixas, quando fundidas, precisam ser

curadas, o que exige um processamento adicional.

A resina é vazada e mantida no molde, sendo curada à

temperatura ambiente ou por aquecimento em

temperaturas entre 65 e 95° C, durante longos períodos

de tempo. Depois de curado o produto é removido e o

de tempo. Depois de curado o produto é removido e o molde pode ser reusado. Os

molde pode ser reusado.

Os plásticos fundidos apresentam uma aparência lustrosa

e uma larga escala de cores translúcidas e transparentes

podem ser obtidas.

fundidos apresentam uma aparência lustrosa e uma larga escala de cores translúcidas e transparentes podem ser