Você está na página 1de 28

Publicação da ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JÚLIO MARTINS http://esb3-drjuliomartins.

org/
Junho 2010

Ponto Final. Paragrafo


Ano IV - nº 3 - Junho 2010

Bookcrossing
Livros Grátis!
Ponto Final. Parágrafo
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

Editorial
2 Editorial

N
a escola o trabalho a co-responsável pelos resultados 3 Assinatura do Protocolo

desenvolver diz dos alunos e, por isso, pelos 4 Actividades da Biblioteca


respeito a todos: resultados obtidos pela Escola.
professores, alunos, 6 Concurso Nacional Leitura
Isto, porque são os únicos que, ao
pessoal técnico, pais/EE e mesmo tempo, estão envolvidos 7 Escritor Manuel Cardoso
instituições de envolvência. (em contacto) com os principais
8 Educação para a Saúde
Nesta edição de final de ano escolar, interessados no processo de
apenas desejo chamar a atenção para ensino/aprendizagem, Alunos, 12 Clube da Hipotenusa
o papel e missão do Director de Professores e Pais. É por isso que o
16 Desporto Escolar
Turma. Director de Turma não deve
A direcção de turma, estrutura apenas preocupar-se com a 18 Solidariedade
intermédia de gestão, constitui-se orientação educativa dos alunos da
20 Momento de Poesia
como um dos órgãos da gestão turma, mas com a mesma
23 Speaker’s Corner
pedagógica da escola com pertinência, deve coordenar a
importância crucial para o resultado acção pedagógica dos restantes 26 El Rincón del Español
das práticas educativas. É ao nível docentes da turma, para que estes,
http://esb3-drjuliomartins.org/
da Direcção de turma que se cruza o seguindo as orientações
esforço desenvolvido na Escola, curriculares definidas nos
desde a Direcção à Coordenação das respectivos departamentos,
Áreas Disciplinares, passando pelos adaptem as práticas lectivas àquela
Departamentos e projectos turma em especial.
específicos (PAM, PNL, Saúde ….). A responsabilidade que o exercício
A articulação destas estruturas nem das funções de Director de Turma
sempre é tarefa fácil, mas, quando se impõe deve exigir a todos, a Ponto final. Parágrafo
consegue, os resultados aparecem e necessária cooperação e ajudar ao
a melhoria das aprendizagens dos seu exercício. É necessário, por
alunos acontece. Nesta óptica, o isso, que os Directores de Turma
Redacção/Coordenação
Director de Turma é o principal recebam meios e instrumentos Biblioteca Escolar
meio de direcção pedagógica na adequados ao seu exercício Centro de Recursos Educativos
escola. Compete-lhe assegurar que pedagógico, e obtenham a nossa
Colaboração
os docentes da turma, os alunos e os inteira disponibilidade para com Comunidade Educativa
encarregados de educação formem eles encontrarmos as soluções para da Escola Secundária
Dr. Júlio Martins
um grupo de trabalho coeso e com os desafios pedagógicos que, em
objectivos comuns, encaminhando a cada turma, aparecerem. Edição Gráfica
prof. Sérgio Q ueirós
acção de todos para a obtenção de
melhores resultados escolares, em Tiragem
Votos de excelentes férias para
700 Exemplares
consonância com os objectivos todos.
definidos no Projecto Educativo. O
Director de Turma é, desta forma, Francisco Chaves de Melo

2
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

Mariana Mesquita Oliveira


Professora bibliotecária
N o dia 29 de Abril foi assinado
pelos Directores de todas as
D esde há algum tempo que
se tem procurado definir as
diferentes gerações de acordo com as
Como dotar os nossos alunos de auto-
nomia para, ao longo da vida, consegui-
rem adaptar-se e acompanhar os ritmos
escolas e agrupamentos do concelho de
Chaves o protocolo que formaliza
suas capacidades, interesses e valores. É da sociedade em que vivemos? a constituição do Grupo de Trabalho das
ainda célebre a geração de 60, como a Frequentemente ficamos maravi- Bibliotecas Escolares de Chaves
geração X (dos anos 80) ou a Y (dos lhados com a destreza com que os (GTBEC). Este grupo partiu da iniciati-
anos 90) – e, em Portugal, houve mesmo jovens lidam com toda a parafernália va dos professores bibliotecários das
uma altura em que se falou de uma gera- tecnológica que nos rodeia mas a verda- escolas do concelho e contou de imedia-
ção “rasca”. de é que estudos recentes efectuados no to com o apoio da Coordenadora Inter-
Que geração temos então agora Reino Unido e também em Portugal concelhia da RBE, Drª Maritza Dias, e
pela frente? Isto é, quem são os nossos demonstram que a geração Google de todos os Directores, que realçaram a
alunos? Em 2001, o investigador norte- manifesta bastante incompetência ao importância dos seus objectivos.
americano Marc Prensky, baseado em nível da pesquisa, selecção, tratamento
estudos efectuados na área da neurobio- e transformação da informação.
logia e da psicologia social, escreveu que Fazer uma pesquisa é muito mais
“os alunos de hoje pensam e processam a do que correr para o computador, escre-
informação de um modo completamente ver palavra(s)-chave no Google Search,
diferente dos seus antecessores”, atri- abrir as duas ou três primeiras dos
buindo-lhes a designação de “nativos milhares de entradas que aparecem,
digitais”. seleccionar com uma vista de olhos a
De acordo com o grupo, “o projecto
Desde então nós, os “ não- que lhes parece corresponder de uma
que agora ganha rosto nasceu de reu-
nativos” ou “imigrantes digitais”, temos forma mais próxima ao tema pretendido
niões que os Professores Bibliotecários
classificado os indivíduos nascidos e fazer “copy/paste”.
depois de 1993 – que terão pouca ou começaram a realizar no início deste
Pesquisar é procurar várias fon-
nenhuma memória da vida antes da ano lectivo. Movidos pelo desejo de
tes de informação, normalmente acessí-
Internet – como a “geração Google”. veis em vários suportes (do livro à partilharem experiências, traçam cami-
Estes são os nossos alunos, uma Internet), é avaliar a credibilidade das nhos comuns, planificam actividades
geração que tem acesso permanente e fontes, é comparar, analisar, seleccionar articuladas entre todos, disponibilizam-
continuado a conteúdos variados por via e transformar. Elaborar um trabalho é se para a partilha e entreajuda, concreti-
da diversidade de tecnologias disponí- redigir um texto por si próprio, fazendo zando formas de articulação e coopera-
veis – Internet, televisão, telemóveis, I- correctamente as devidas citações e ção e rentabilizando os recursos mate-
pods, consolas – e que frequentemente referências, e para isso é necessário riais e humanos existentes nas Bibliote-
lidam com vários tipos de informação ao desenvolver não só a capacidade crítica cas Escolares.” E acrescentam, “se aten-
mesmo tempo. Se, por um lado, esta mas também os valores éticos que dermos ao facto de que a Biblioteca
sobreposição e cruzamento de momentos implicam o respeito pela propriedade Escolar é agora regida por um perfil
de lazer, cultura e aprendizagem lhes intelectual. novo, centrado na ideia de que a mesma
têm desenvolvido novas capacidades, Concluindo, é tarefa da escola constitui um espaço vital de aprendiza-
também por outro lado se verifica que compreender a cada vez maior necessi- gem, promotor de sucesso escolar, de
não lhes tem trazido mais saber e maio- dade de desenvolver nos alunos as desenvolvimento de competências de
res competências interpretativas e até capacidades cognitivas de análise e de leitura e de literacias, faz todo o sentido
tem, como consequência nefasta, desen- síntese e criar-lhes condições para desenvolvermos este trabalho em rede,
cadeado um acentuado défice de concen- serem na realidade possuidores das já que o mesmo é dirigido, principal-
tração. competências exigidas a nível da litera- mente, para aqueles que constituem a
O grande desafio que se põe às cia digital.
nossa grande ambição: os Alunos. São
escolas neste momento é este: como e o Aos alunos compete fazer a dis-
eles a razão do nosso gosto, do nosso
que ensinar as estes jovens? Como cana- tinção entre o que é fácil e imediato e o
empenhamento e, fundamentalmente, do
lizar estas capacidades para a produção caminho, por vezes difícil e moroso, da
nosso espírito de missão.”
de conhecimento? construção do conhecimento.

3
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

Vitrine

•As notas da República e colecção de moe-


das do aluno Daniel Paulos (12ºB);
•Caixinhas dos segredos (7º A – Prof.
Jacinta Ribeiro);
•Coleccionismo (colecções dos alunos Tânia
Alves - 8ºD, Manuela Garcia -11ºA, Hugo –
11ºF e Daniel Anes – 11º F).
As notas da República Colecções

Dia do PII Telas abstractas


A Implantação da República Poemas do 25 de Abril

Espaço Arte
•A implantação da República e Instituições Democráticas – Trabalhos dos alu-
nos do 9º Ano, Área de Projecto, professores Glória Simão e Norberto Cardoso;
•O 25 de Abril – Exposição dos poemas elaborados pelos alunos do 9º B, D e E da
professora Glória Simão;
•O Dia do PII – Trabalhos dos alunos de Matemática de 8º ano, professores Car-
los Souto e Elísio Louçano;
•Tela com técnicas mistas – Trabalhos dos alunos do 9ºE, professora Jacinta
Ribeiro; Materiais para o Desfile de Moda
•Desfile de moda – Trabalhos efectuados na disciplina de Artes Decorativas para
o desfile de moda do Dia da Escola – Professora Joana Rodrigues;
•O outro lado da Beleza – Trabalhos dos alunos do 12º A, B e C da professora
Teresa Castro;
•Área de Projecto do 12ºC – Trabalhos dos alunos do professor Luís Geraldes;
•A Geometria lá de casa – Trabalhos dos alunos de Matemática do 7º ano, profes-
sores Ana Cristina Ferreira e Cândido Morais.

O outro lado da Beleza

Espaço Aula:

•Disponibilização de textos, contos, extractos de livros e revistas (Visão Jr.) para promo-
ção da leitura ou aulas de substituição;
•Trabalho de preparação da Semana da Leitura nas aulas de Língua Portuguesa, Área de
Projecto e Educação Tecnológica (3º ciclo);
•Leitura de extractos, poemas, contos ou outros textos por todos os professores em cerca
de 10 minutos de cada aula do dia 27 de Abril (Semana da Leitura).
•Continuação das leituras programadas no âmbito do Plano Nacional de Leitura;

4
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

Espaço BE

• Trabalho colaborativo na elaboração de trabalhos de pesquisa na BE, seguindo o modelo


Big6, com os seguintes professores e turmas: professora Lília Pinto (11º A e B), professor
Paulo Alves (11º G), professora Maria José Teixeira (9º D), Teresa Castro (12º A e C) e
Mariana Mesquita (11º C/E);
• Acompanhamento e apoio a alunos de Inglês do 8º e 9º anos, dado pela prof. Anabela Perei-
ra;
• Divulgação de escritores: Manuel Cardoso e Jorge Amado;
• Recital de Poesia nos intervalos grandes da manhã e da tarde de dia 30 de Maio (Semana
da Leitura);
• A Árvore da Leitura – Actividade da Semana da Leitura dinamizada pelos professores Autor do mês – Jorge Amado
do Departamento de Línguas (7º ano);
• Vê lá se sabes…- Actividade da Semana da Leitura dinamizada pelos professores do
Departamento de Línguas (3º ciclo)

A Árvore da Leitura
Recital de Poesia – Semana da Leitura Trabalho Pesquisa – 12º A/C Trabalho de Pesquisa – 11º A e B

Comunidade Educativa
• Participação dos alunos representantes da escola na fase distrital do Concurso Nacional de Leitura, realizado na Biblioteca
Municipal de Chaves no dia 13 de Abril;
• Divulgação do Poema do Mês;
• Encontro com o escritor Manuel Cardoso no Auditório da Escola (Semana da Leitura);
• Participação dos alunos vencedores do concurso “Faça lá um poema” no espectáculo do Dia da Escola;
• Entrega de prémios aos vários alunos vencedores dos concursos dinamizados pela BE;
• Edição do Jornal Escolar e da colectânea de poesia “A Poesia é Nossa” (também em ebook);
• Assinatura, pelos directores de todas as escolas/agrupamentos do concelho de Chaves, do protocolo que estabelece as formas
de colaboração entre as bibliotecas escolares do concelho;
• Divulgação de materiais e actividades através da página da biblioteca e da plataforma moodle, inserida na página web da
escola;
• Continuação da actividade de troca de livros (Bookcrossing).

Dia da Escola - Recital de Poesia - Nicole, Ruben, Diogo, Leonardo, Rita e Diogo (guitarra)

Sugestão para as férias


Bookcrossing Livros Grátis!
Lembramos a toda a comunidade educativa (alunos, professores, funcionários, pais e encarregados de educação) que podem
participar nesta actividade livre de promoção da leitura, trazendo e levando livros do cesto colocado na biblioteca, quando e pelo
tempo que quiserem. O Regulamento da actividade pode ser consultado na BE.

5
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

D ecorreu no dia 13 de
Abril, na Biblioteca
Municipal de Chaves, a fase
distrital do Concurso Nacional
A minha participação nesta
iniciativa aconteceu um
pouco por acaso. À partida, um
de conhecer e conviver com
colegas de outras escolas, com
professores e escritores.
de Leitura. A Escola fez-se
pouco indecisa, mas como já Constituiu um momento
representar pelos alunos Tânia
conhecia a obra “ A lua de Joa- de incentivo para a leitura, pois
Alves (8º D), Catarina Souto na” e tenho o “vício” de ler a verdade é que li livros que
(9ºA), Adília Nunes (11º B) e algumas coisas, acabei por par- provavelmente de outra forma
António Leonardo (11º B). ticipar. não leria.
Todos os alunos realizaram a Da participação ao apu- Do contacto com novos
primeira parte da prova, tendo a ramento para a final distrital foi colegas, proporcionaram-se con-
Catarina Souto sido apurada um pequeno passo. Pena é que a versas agradáveis para além das
nível de Escola não tenha havi- leituras, pois as nossas leituras,
para a 2ª parte. Infelizmente,
do mais participação de alunos. tal como uma boa música, ou
nesta 2ª parte da prova, a Catari-
O empenho dos dinamizadores um bom filme, podem ser um
na não foi suficientemente rápi-
da iniciativa merecia mais. ponto de partida para conversas
da a carregar no botão, não ten- interessantes.
A Fase Distrital do Con-
do por isso sido apurada para a curso de Leitura aconteceu, no Em termos pessoais, con-
fase final do concurso. Para o passado dia 13 de Abril na segui passar à última fase do
ano haverá novas oportunida- Biblioteca Municipal de Cha- apuramento distrital e, mesmo
des! ves. As provas realizadas não tendo sido apurada para a
tinham como temática as obras Final Nacional, gostei bastante
“Os da minha rua” de Ondjaki e da experiência. É importante
“O velho que lia romances de participar neste género de activi-
amor” de Luís Sepúlveda. dades pois acabam sempre por
Foram leituras um pouco dife- contribuir para o desenvolvi-
rentes do que estou habituada, mento do nosso espírito crítico e
foram uma espécie de leituras são sempre um factor de sociali-
obrigatórias. zação
O concurso decorreu
Ana Catarina Silva Souto 9.º A
num ambiente agradável e pro-
porcionou-nos a oportunidade

6
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

N
o dia 29 de Abril, a escola recebeu o escritor Manuel Cardoso,
autor de "Um Tiro na Bruma" e "O Segredo da Fonte Queima-
da", dois romances históricos que, a partir de factos e persona-
gens reais, nos desvendam quotidianos e ambientes do passado. O encontro teve
especial interesse para os alunos de 9º ano, que tinham lido extractos das obras
nas aulas de Língua Portuguesa, História e Área de Projecto, disciplina em que
trabalharam o tema da Implantação da República, pano de fundo do ambiente
retratado no primeiro romance do escritor. Manuel Cardoso, que exerce a profis-
são de médico veterinário em Macedo e é docente no Instituto Politécnico de
Bragança, cativou um auditório pleno de alunos e professores, desvendando
alguns dos "segredos" da sua escrita, dos quais se destaca, pela importante men-
sagem que transmite aos jovens de hoje, que "para escrever é preciso ler. Ler
muito."

Esta obra – disse Manuel Cardoso,


“é dedicada à imaginação de quem lê.
Cada leitor cria os próprios cenários e as
acções dos protagonistas”.

I ntegrado nas actividades da


“Semana da Leitura”, a equipa
responsável pela Biblioteca da Escola
Num cenário conturbado, Manuel
Cardoso põe em movimento a figura
central – Amadeu – médico em Macedo
Quando se predispôs a responder
às perguntas dos jovens alunos, Manuel
Cardoso deu-se a conhecer como escritor.
Secundária Dr. Júlio Martins levou a Disse que “passa a vida a ler” e que “anda
de Cavaleiros. Amadeu espelha as difi-
efeito um encontro dos alunos do nono sempre com um pequeno bloco de notas
culdades em ultrapassar a escassez de para escrever pequenos apontamentos”.
ano daquele estabelecimento de ensino recursos que se sentia naquele período Quando lhe perguntaram como ganhou o
com o escritor transmontano Manuel gosto pela escrita, respondeu categórico:
da história de Portugal. À volta de Ama-
Cardoso. “tive excelentes professoras de Português
deu gravitam muitas outras personagens
A professora Mariana Mesquita, no ensino básico”. Sobre José Saramago,
coordenadora da Biblioteca, apresentou que ilustram a sociedade portuguesa da disse não falar e sobre o acordo ortográfi-
o convidado como alguém que época e, em particular, a transmontana, co, confessou: “é um assunto sobre o qual
para cujo desenvolvimento foi essencial eu decidi não me preocupar”. Revelou
“conseguiu conjugar a investigação his-
que vai continuar a escrever como até
tórica com a escrita”. Salientou também a construção da Linha do Tua para os
aqui e será a editora a traduzir os textos
que o convite ao Dr. Manuel Cardoso se combóios. para a nova língua.
deveu ao facto de Chaves estar presente Sobre “Um Tiro na Bruma”, A rematar o encontro com o audi-
no conteúdo dos romances que já publi- Manuel Cardoso afirmou que foi o tório cheio e atento, Manuel Cardoso deu
cou. Manuel Cardoso também confessou uma linda definição de vida: “começa
resultado de uma “investigação pessoal
ter aceite de imediato o convite por cau- com um acto de amor e acaba na eternida-
de histórias familiares, de pessoas da de”.
sa do protagonismo de Chaves no perío-
província que representavam a retaguar- O escritor transmontano Manuel
do histórico a seguir à Implantação da Cardoso conseguiu convencer todos os
da de acontecimentos históricos”. Os
República. presentes com uma mensagem simples e
anos-chave da obra foram 1918 e 1919,
“Um Tiro na Bruma” foi o seu profunda. Agora toda a gente vai ler entu-
primeiro romance histórico, publicado época de grande fome e de doenças. siasmada as suas obras.
pela editora “Sopa de Letras”, em 2007. Esta obra reflecte 95% de verdade e 5% Manuel Cardoso nasceu em Mace-
A obra retrata os acontecimentos em de ficção, segundo indicação do autor. do de Cavaleiros, há 52 anos. Licenciou-
se em Medicina Veterinária e exerce a
Portugal do início do século XX que Informou ainda que “Um Tiro na Bru-
profissão de médico veterinário em Mace-
provocaram grandes transformações ma” está cheio de tiros, para concluir do de Cavaleiros. Lecciona na Escola
políticas, económicas e sociais: a com uma linda mensagem pedagógica Superior Agrária do Instituto Politécnico
Implantação da República, em 1910; os para o auditório: “Os tiros mais impor- de Bragança.
golpes e contra-golpes que se seguiram; É casado, pai de três rapazes e vive
tantes da nossa vida são aqueles que nós
a participação portuguesa na I Guerra em Latães, do concelho transmontano de
podemos dar mas não damos”. Macedo de Cavaleiros.
Mundial e as doenças que dizimaram
“O Segredo da Fonte Queimada”
muitos milhares de pessoas, especial- Prof. Benjamim Andrade
foi o segundo romance histórico publi-
mente a terrível gripe pneumónica.
cado em 2009.
7
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

da sopa e da fruta.
•Promover a segurança de modo a preve-
nir a violência e a exclusão social;

A Escola Dr. Júlio Martins tem já uma


tradição de alguns anos no que res-
séria para os professores no sentido de
os ajudar a superar os constrangimentos
•Conhecer consequências do consumo de
tabaco e outras drogas;
peita ao cuidado de facultar aos alunos uma que estas temáticas acarretam, dificulda- •Divulgar informação e recursos de Saúde
educação para a saúde em todas as suas de dos profissionais de saúde para darem Sexual e Reprodutiva que previnam o
vertentes: educação alimentar e para o con- resposta às inúmeras solicitações das isolamento, a solidão, os comportamentos

sumo, violência em meio escolar, educação escolas, etc. Apesar de todas estas limita- de risco e a tomada de decisões precipita-
das;
sexual e consumo de substâncias psicoacti- ções, as coisas foram acontecendo gra-
•Prevenir a violência, o abuso físico e
vas por entender que escola deve comple- ças à boa vontade e ao trabalho de várias
sexual e os comportamentos sexuais de
mentar o papel da família neste tipo de pessoas. Aqui destacamos as parcerias
risco;
orientação. O processo de regulamentação com o Centro de Saúde nº 1, equipa de
•Dar a conhecer as taxas e tendências de
da educação para a saúde nas escolas e, Saúde Pública, CAT, Escola de Enferma-
maternidade na adolescência e seu signifi-
particularmente, da educação sexual, que já gem de Chaves, Chaves Viva e escolas
cado;
se arrasta há mais de vinte anos, nem sem- António Granjo e Nadir Afonso.
•Dar a conhecer as taxas de interrupções
pre primou pela clareza e celeridade, culmi- voluntárias de gravidez e seu significado;
nando com a publicação da Lei 60/2009 e Os objectivos do projecto de Promoção e •Estimular nos alunos opiniões e compor-
da portaria nº 196-A/2010 que estabelecem Educação para a Saúde no que respeita tamentos críticos relativamente aos papéis
a aplicação da educação sexual nos estabe- aos nossos jovens são as seguintes: que habitualmente são atribuídos aos
lecimentos do ensino básico e do ensino homens e às mulheres;

secundário e definem as respectivas orien- • Melhorar o nível de informação dos •Identificar as dimensões da sexualidade e

tações curriculares adequadas para os dife- alunos no que respeita à manutenção entender a complementaridade entre elas;

rentes níveis de ensino. Contudo, o facto de da saúde em todas as suas dimen- •Compreender a importância da comunica-
sões; ção nas relações interpessoais;
existir um conjunto de normativos que insti-
• Fomentar e respeitar hábitos de vida •Desenvolver capacidades de expressar
tucionalizam a educação para a saúde e em
saudável; sentimentos, opiniões e decisões e aceitar
particular a educação sexual não significa
• Estimular a adopção de hábitos ali- as dos outros;
que foram eliminados todos os escolhos que
mentares saudáveis e conhecer sinto-
se deparam aos professores que assumiram
mas de doenças relacionadas com No sentido de operacionalizar estes
esta causa – uns porque acreditam sincera- desvios alimentares; objectivos foi elaborado pela equipa de traba-
mente nela, outros porque a lei obriga e • Alterar hábitos alimentares: lho um plano de actividades que tentou, na
outros, ainda, porque foram aprendendo a •Disponibilizar no bufete apenas medida do possível, abarcar os vários níveis
gostar. Os problemas são vários e de solu- produtos de qualidade e mais con- de escolaridade e cobrir as várias dimensões
ção não muito óbvia: dificuldade em envol- sentâneos com as regras de uma da educação para a saúde. Enumeram-se,

ver activamente os encarregados de educa- alimentação saudável; de seguida, as principais actividades, cons-

ção, tempo para abordar estas temáticas de •Aumentar o número de alunos fre- tantes do plano, dirigidas aos alunos:

uma forma sistemática e ajustada às neces- quentadores da cantina;

sidades de cada grupo de alunos, formação •Aumentar, na cantina, o consumo

8
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

ACTIVIDADE OBJECTIVOS RESPONSÁVEL DESTINATÁRIOS


Formação básica em “Medidas de Fornecer informação básica em suporte básico de vida
Escola de Enfermagem Alunos de 12º
Suporte Básico de Vida”
- Diagnosticar a percentagem de alunos com excesso de
peso na escola;
- Sensibilizar os adolescentes e respectivos Encarregados
Enfermeiras do Centro de Alunos de 7º e 10º
Rastreio à obesidade de Educação sobre as consequências do excesso de peso
Saúde nº 1 ano
para a saúde individual;
- Sensibilizar os alunos e famílias para a importância de
uma alimentação correcta.

- Perceber a importância de uma alimentação saudável na Alunos de 7º ano


Sessões de sensibilização/ manutenção da saúde em geral; Nutricionista do Centro de
(uma sessão por
Informação – Educação Alimentar - Esclarecer dúvidas neste âmbito. Saúde nº 1
turma)

Sessões de sensibilização/ - Prevenir o consumo de substâncias psico-activas entre Alunos de 7º e 12º


Informação – Consumo de subs- os adolescentes; Técnicos do CAT anos (uma sessão por
tâncias psico-activas. - Esclarecer dúvidas nesta área turma)

Alunos de 8º ano
Médicos e enfermeiros do (uma sessão por
Sessões de esclarecimento sobre Esclarecer as dúvidas colocadas, anonimamente, pelos Centro de Saúde nº 1 e da turma), turmas CEF
Saúde Sexual e Reprodutiva. alunos, ao longo das sessões de Formação Cívica Equipa de Saúde Pública (2) e 11º ano (2)

- Companhia de Teatro
Maria Paulos;
Visionamento da peça de Dario
Abordar, num tom de comédia e de uma forma simples e - Câmara Municipal Totalidade dos alu-
Fo “Deixemos o Sexo em Paz”,
didáctica, assuntos relacionados com a Educação Sexual. (Chaves Viva); nos de 8º e 11º ano
pela actriz Maria Paulos
- Equipa de Educação para
a Saúde da escola.

Sessões de sensibilização/ - Alertar para as consequências do consumo de tabaco;


Informação anti-tabágica com -Informar da existência e modo de funcionamento da Cardiopneumologista do Alunos de 12º ano
medição dos níveis de monóxido consulta anti-tabágica; Centro Saúde nº 1 (uma sessão por
de carbono nos pulmões. - Analisar mitos e factos ligados a este consumo. turma)

Sessões de sensibilização/ Alertar para as consequências do consumo de tabaco; Alunos de 7º e 12º


Informação anti-tabágica com Cardiopneumologista do ano (uma sessão por
medição dos níveis de monóxido Centro Saúde nº 1 turma)
de carbono nos pulmões
Directores de Turma,
alunos, professores da
Actividades de sensibilização/
-Dia Mundial de Luta contra a SIDA; Área de Projecto de 7º ano
Informação pela comemoração Comunidade escolar
e grupo de trabalho para a
de dias temáticos.
promoção e educação para
a Saúde.
- Prevenir o aparecimento de situações de violência na
escola. Alunos de 7º ano
Acção de sensibilização/
- Promover uma intervenção eficaz baseada no conheci- Psicóloga da escola (uma sessão por
Informação sobre Bullyng
mento. turma)

Projectos no âmbito da Educação Promover a aquisição de conhecimentos e competências Professores da Área de


necessárias à adopção de hábitos alimentares e de consu- Alunos de 7º ano
Alimentar e para o Consumo Projecto
mo saudáveis.

- Prevenir o consumo de substâncias psico-activas - Directores de Turma


Bateria de actividades no âmbito
- Prevenir o aparecimento de comportamentos aditivos, em (aplicação)
das “Dependências” e da
geral; - Grupo de Trabalho para a
“Educação Sexual” Alunos
- Promover a Educação Sexual num contexto multidimen- Promoção e Educação
sional: biológico, sócio-cultural e interpessoal para a Saúde da escola
(elaboração)
-Promover o desenvolvimento harmonioso dos alunos a
todos os níveis, assim como a sua plena integração na
escola; Técnicos dos Centros de
Gabinete de Apoio ao Aluno Alunos da escola
- Aconselhar os alunos sobre aspectos relacionados com a Saúde de Chaves
sua saúde em geral e, se necessário, diligenciar um acom-
panhamento médico mais específico

9
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

O Grupo de Trabalho elaborou, ain- e também para uma atitude de liberdade que (professores e pais), é muito mais do que isso
da, uma proposta de operacionalização da lei não exclua nunca, a responsabilidade nem o e que todos, com sensibilidade, informação e
60/2009 para o Ensino Básico e Secundário prévio esclarecimento (sinopse da peça for- muito bom senso conseguem, com certeza,
com uma sugestão dos conteúdos a abordar necida pela companhia).. dar um valioso contributo.
nos vários anos assim como de possíveis Além destas propostas, em cada turma e em Para terminar, deixamos a definição
abordagens. Esta proposta privilegia, no ensi- função da disponibilidade e sensibilidade dos que a Organização Mundial de Saúde dá de
no básico, actividades de sala de aula orienta- professores, os directores de turma procede- sexualidade e que norteia a abordagem que
das pelo director de turma na Formação Cívi- ram à planificação do contributo das várias pretendemos fazer na escola desta temática:
ca, pelo professor da Área de Projecto (7º disciplinas quer no contexto do programa A Sexualidade é uma energia que
ano) e/ou professor de Ciências Naturais. No quer pela cedência de tempo para a participa- nos motiva para encontrar amor, contacto,
ensino secundário apostou-se mais em activi- ção dos alunos em actividades programadas. ternura e intimidade; ela integra-se no modo
dades de sensibilização/informação orienta- Este debate que se tem gerado em como nos sentimos, movemos, tocamos e
das por médicos ou enfermeiros em função torno da Educação Sexual na escola, conse- somos tocados; é ser-se sensual e ao mesmo
das solicitações dos alunos. A peça de teatro quência essencialmente dos normativos tempo sexual. A sexualidade influencia pensa-
“Deixemos o sexo em paz”, para espectadores legais que foram publicados nos últimos mentos, sentimentos, acções e interacções e,
a partir dos 12 aos 150 anos (sinopse da peça anos, acabou por dar resultados muito positi- por isso, influencia a nossa saúde física e
fornecida pela companhia), visionada pelos vos: professores e pais começam a aperce- mental.
alunos de 8º e 11º ano, constituiu uma óptima ber-se que a Educação Sexual é, acima de
oportunidade para tratar de uma forma diverti- tudo, educação para a responsabilidade e
da e risonha, um tema geralmente solenizado, para a percepção e assumpção plena dos O Grupo de Trabalho para a Promoção e Edu-
cação para a Saúde
chamando a atenção para a importância que direitos e dos deveres. Não se reduz à
tem uma sexualidade bem vivida, por gente dimensão biológica, cuja abordagem tantos
bem informada sobre os riscos hoje existentes constrangimentos causa aos educadores

N o dia 28 de Abril de
2010, assistimos a
uma sessão sobre sexualidade. O
A realidade é que hoje
em dia os jovens iniciam a sua
vida sexual mais cedo. Seria
tema mais abordado foi as Doen- óptimo que existisse este tipo de
ças Sexualmente Transmissíveis iniciativas junto dos mais
(DST). novos, para que todos tivessem
É um tema do o qual conhecimento das DST antes de
alguns de nós, senão a maioria, já iniciarem a sua vida sexual e
tinha conhecimento, através da compreendessem a importância
televisão, conversa com os ami- dos métodos contraceptivos.
gos/professores/pais. É tão importante evitar
Contudo, acreditamos que uma gravidez indesejada como
este tipo de eventos é fundamen- uma doença sexualmente trans-
tal para um conhecimento mais missível.
profundo e a visualização das
J essica e Felícia 11º E
imagens elucidativa da gravidade
destas doenças.

10
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

muito mais, isto é, sexualidade não

N o dia 28 de Abril de 2010,


realizou-se na Escola Dr.
Júlio Martins uma sessão de escla-
Também deram a conhecer todos
os meios contraceptivos existentes,
incluindo os que não existem no
é só doenças sexualmente trans-
missíveis ou os métodos contra-
ceptivos. Muitas outras coisas
recimento sobre educação sexual. mercado português. poderiam ser abordadas como, por
O tema mais abordado foi as Por último, foi reservado um exemplo, a forma como podemos
doenças sexualmente transmissí- espaço de tempo para podermos recorrer aos nossos pais para ser-
veis, no qual se especificou as suas colocar as nossas dúvidas sobre o mos esclarecidos sobre este tema, a
características, sintomas e formas tema. Embora houvesse alguma virgindade, o orgasmo. Mesmo que
de evitar, e para sensibilizar ainda vergonha dos alunos em as colocar, sejam coisas que se vão descobrir
mais quem assistia, foram-nos exi- houve sempre alguém que o fez, e com o tempo, ou que já foram des-
bidas imagens de portadores dessas foram respondidas com toda a cla- cobertas, é sempre bom ouvir a
doenças. A forma mais conhecida reza e precisão. No fim da sessão perspectiva de um profissional de
de evitar as DST é usar o preserva- foi oferecido a cada aluno um pre- saúde, pois, se alguém inicia a sua
tivo. Este teve um certo protago- servativo. vida sexual de forma responsável e
nismo nesta palestra, onde até foi
bem informada sobre o tema, só
ensinado como se deve colocar, que Em nossa opinião, embora
tudo o que foi dito tenha sido bem poderá tirar benefícios dela.
fazer após usar, onde os obter e a
melhor maneira de os guardar. esclarecido, podiam ter dito
Miguel Ferreira e Stéphane Santos 11ºE

I niciado o ano lectivo, che-


gámos à disciplina de
Área de Projecto e a professora dá-
sobre Júlio Martins e António Gran-
jo. Falou-se também sobre o Regicí-
dio, a Constituição de 1911, a histó-
na adolescência. Com estes traba-
lhos conseguimos perceber e saber
um pouco mais sobre a política e
nos a noticia que os trabalhos que
iríamos fazer seriam sobre história ria do Hino Nacional, entre outros. órgãos do poder do Portugal Demo-
contemporânea. Uns, mais inspira- Embora tivessem sido difíceis, con- crático.
dos que outros, começámos os traba- cluímo-los rapidamente. Gostei de realizar estes traba-
lhos.
próximo passo foram os tra- lhos. Tenho consciência que me
O primeiro trabalho a ser rea-
lizado foi sobre o Estado Novo. balhos que mais empenho e esforço enriqueceram e me ajudaram a com-
Falou-se sobre a PIDE, a temível tiveram, os poemas do 25 de Abril. preender a História de Portugal Con-
polícia do Estado Novo, fez-se um Ora não rimavam, ora não havia ins- temporâneo, contribuindo para me
filme e caricaturas sobre Salazar, e
piração. O dia da liberdade deu a fazer crescer e me tornar uma cidadã
trabalhos onde se explicava a vida e
os valores seguidos no Estado Novo. volta a cabeça aos alunos do 9º ano. participativa.
Com muito empenho, pesqui- Depois de muito esforço e dedica- Ana Pinheiro - 9º B
sa na Internet, livros e com a ajuda ção, os poemas estavam prontos e
da professora, os trabalhos sobre o
expostos. O trabalho foi reconheci-
Estado Novo estavam prontos para
serem expostos. do, pois tivemos direito a uma notí-
No inicio do 2º período fomos cia no jornal da região.
informados que o primeiro trabalho Prontos para mais desafios da Prof.
iria ser sobre o Centenário da Glória, os próximos trabalhos foram
Republica.
sobre as Instituições Democráticas.
Nestes trabalhos pudemos pes-
O último trabalho prometia ser o
quisar sobre figuras importantes da
região de Chaves, nomeadamente, mais complicado, porque não é mui-
to fácil falar e perceber de política
11
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

Coordenação : Professores Carlos Souto e Jorge Geraldes

e stá
n de ro ?
O oe
r
O Pai do João tem um terreno com a forma de
uma quadrado. Vendeu uma quarta parte do a =b
terreno a um primo. Esta quarta parte que ven-
deu também tem a forma de um quadrado. a2 = ab
Precisa agora de dividir a parte restante em
quatro partes com a mesma forma e as mesmas a2 − b2 = ab − b2
dimensões.
Como fazê-lo? (a − b)(a + b) = b(a − b)
a + b = a ??????

Números e Padrões

Escrever uma expressão com operações elementares,


onde figurem todos os algarismos (de 1 a 9) que seja
igual a 100.

Escrever o número 100 com 4 noves e utilizando


duas operações elementares.

Escrever o número 100 com 7 oitos e utilizando ope-


rações elementares.

12
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

Plano da Matemática: Um plano! Múltiplos parceiros…


A Matemática é utilizada rar melhor os testes intermédios e caderno diário, material escolar,
com muito destaque no dia a dia e os exames nacionais. Não temos comportamento, assiduidade e pon-
acompanha sempre o desenvolvi- descurado o lado lúdico da Mate- tualidade. Pretendemos reforçar a
mento tecnológico e cientifico. A mática, promovendo actividades de utilização de Novas tecnologias
sua importância como disciplina enriquecimento curricular de que (acesso à Internet, criar um Labora-
terá que ser cada vez mais reforça- são exemplos a organização de tório de Matemática, utilizar a plata-
da pois constitui um pilar funda- forma Moodle e algum software em
mental do conhecimento humano. ambiente de sala de aula).O racioci-
A nossa Escola aderiu ao no que tentamos desenvolver na
PM, com um projecto visando fun- resolução dos problemas Matemáti-
damentalmente contribuir de uma cos pode, e deve, ser utilizado nas
forma decisiva para o sucesso dos mais diversas áreas do conhecimen-
nossos alunos ao nível dos conhe- to e na nossa vida. Constitui a gran-
cimentos em Matemática sem des- de mais valia que esta disciplina traz
curar o contributo no seu desenvol- exposições, participação em con- ao comum dos cidadãos As evolu-
vimento intelectual, moral e cívico, cursos como Kanguru e Olimpía- ções verificadas ao nível da tecnolo-
desenvolver o gosto por aprender, o das e as actividades do dia da gia e do pensamento humano permi-
espírito critico e o despertar da Escola. É importante continuar a tiram aumentar capacidades, adaptar
curiosidade tentando fazer com que trabalhar na melhoria dos hábitos estruturas, aperfeiçoar técnicas e
o aluno compreenda que só com de trabalho dos nossos alunos, para algoritmos, mas não alteraram a
trabalho, esforço e motivação se este efeito é importante o papel natureza da matemática, contribuí-
podem atingir objectivos. activo e empenhado dos professo- ram isso sim para valorizar e desta-
Tem havido um reforço da res, mas também temos de contar car o poder, a importância da Mate-
carga horária da disciplina o que com o sentido de responsabilidades mática e do matemático na arte de
tem permitido, melhorar os resulta- dos nossos alunos e com o papel compreender, de questionar e de
dos obtidos. Os professores vigilante dos encarregados de explorar.
podem, com mais tempo, diversifi- educação no acompanhando do
car de estratégias, trabalhar melhor processo ensino aprendizagem,
os aspectos relativos à compreen- envolvendo-os ao nível da criação Prof. Carlos Souto

são matemática e dar maior ênfase de hábitos e métodos de trabalho, Prof Manuela Silva

à resolução de problemas e prepa- no controle do trabalho de casa, do

13
A Matemática é
utilizada com mui- Cursos Científico - Humaníticos
Ponto Final. Parágrafo

14
A lembrar:
Embora as provas de ingresso no ensino superior sejam, para muitos cursos, de “banda larga”, ou seja, não é necessário uma formação específica no ensi-
no secundário para lhes aceder, não nos podemos esquecer que o sucesso do ensino superior está dependente da preparação de base que o ensino secundário
proporciona. Por isso, é sempre aconselhável optar por um curso do ensino secundário que esteja cientificamente relacionado com o/os cursos superiores em que
o aluno está interessado.
Junho 2010
to destaque no dia a
dia e acompanha Cursos Profissionais
Junho 2010

15
Ponto Final. Parágrafo
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

No Dia da Escola, as 16 equipas participantes no


Torneio Multiactividades puderam desfrutar de uma
variedade de actividades que passaram pela Orientação,
Escalada, Andebol, Basquetebol, Futsal (remates),
Damas e ainda Ginástica Acrobática. Nesse mesmo dia,
mas da parte da tarde, pudemos apreciar a qualidade dos

D urante o terceiro período lectivo, aproveitan-


do umas pequenas benesses do nosso S.
Pedro, a Área Disciplinar de Educação Física e o Grupo
nossos alunos durante um espectáculo de Variedades.
Durante 80 minutos apreciamos solos de Dança, solos de
Clarinete, esquemas de Ginástica Acrobática, Declama-
de Desporto Escolar realizaram diferentes actividades ção de Poemas e pequenos exercícios de Teatro. Apro-
que contaram com a presença entusiástica e bem dispos- veitamos também para distribuir os prémios dos diferen-
ta dos nossos alunos e colegas. tes torneios realizados durante o ano. Saldou-se por um
As diferentes equipas de Desporto Escolar compe- dia muito agradável, apesar de cansativo.
tiram e obtiveram resultados reveladores do bom traba- Aproveitando um pedido/desafio lançado pela
lho e desempenho realizado durante o ano. Salientamos ACISAT, um grupo de cerca de 60 alunos e 2 professo-
a 6ª posição obtida pelas alunas Carolina Santos e res, participou e dinamizou o primeiro FlashMob reali-
Mariana Santos, durante os Campeonatos Regionais zado em Chaves. Este acontecimento publicitário decor-
Norte de Ginástica Acrobática. Representaram o CAE reu no Largo General Silveira pelas 17 horas e trinta
Vila Real após terem saído vencedoras do concurso Dis- minutos do dia 18 de Maio. Previamente, a nossa escola
trital; o 3º lugar obtido pela equipa de Andebol Femini- serviu de palco para a realização de dois ensaios gerais.
no Juvenil de Desporto Escolar, nos Campeonatos Nesta recta final do ano lectivo ainda temos mais
Regionais Norte; e ainda a participação de um aluno da ofertas de saúde e boa disposição: Hora a Nadar (28 de
equipa de Natação da nossa escola nos Nacionais de Maio); Semana da Canoagem (entre 31 de Maio a 10 de
Natação, onde obteve um honroso 4º lugar. De igual Junho); Descida do Tâmega em Canoa (4 de Junho);
modo, tivemos uma equipa da nossa escola a fazer-se Torneio de Voleibol 4x4 (manhã de 1 de Junho); e parti-
representar no Encontro Distrital de Tag Rugby, donde cipação no Fernão Aventura.
saiu vencedora. Sérgio Machado - Professor

16
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

E nsinar é, sem dúvida, uma


das tarefas mais gratificantes
que um professor pode sentir.
todos estes temas e conceitos que
foram surgindo ao longo das aulas,
tornando-se muito esclarecedores
Não foi, nem é muito fácil
conceber estes trabalhos, e só com a
capacidade de pensar, imaginar,
Quando se dá o início de um ao longo desta aprendizagem. Rea- sonhar e conhecer é que pôde ser
ano lectivo fazem-se uma série de lizaram-se assim três exposições possível executar e concretizar estes
previsões de tudo aquilo que pre- com os seguintes temas: A Inteli- temas que sem dúvida se transfor-
tendemos executar e atingir. No gência dos Animais, A Criança na maram num trabalho muito enrique-
entanto, à medida que avançamos Sociedade e O Outro lado da Bele- cedor e também motivador, sendo
no tempo vamos sendo alertados e za, tendo como intenção alertar tudo isto possível com o grande
acordados por vivências, atitudes e para problemas e questões que têm empenho e entusiasmo dos alunos
até afirmações que nos vão fazendo ou podem ter sempre algo de muito do 12º ano das turmas – A, B e C.
reflectir, obrigando-nos a modificar importante e esclarecedor para Estes alunos demonstraram um
o percurso das coisas já anterior- todos nós. grande entusiasmo, iniciativa ,
mente traçado É perante estes fac- empenhamento e destreza na movi-
tos que podemos construir um con- mentação dos temas, e por essa
junto de conhecimentos e formas razão surgiram as três exposições
de estar que vão permitir um saber que tanto provocaram e deram que
estar num contexto que é perma- falar e pensar. Mas nem todas as
nentemente desequilibrante, mas pessoas conseguiram entender e
também muito apelativo. atingir a intenção da nossa mensa-
Quando leccionei ao longo gem, para esses vai um conselho –
deste ano os temas da disciplina de pensem e reflictam mais um pouco
Psicologia – B pude constatar que acerca das coisas importantes que a
os alunos, à medida que o tempo ia De início, os temas podem vida nos apresenta e, de certeza que
passando, iam crescendo nas ideias parecer desprovidos de conteúdo e vão perceber a mensagem que estes
e adquirindo um conjunto de até banais, no entanto, quem quiser alunos de Psicologia e a respectiva
conhecimentos e posturas que os e gostar de reflectir vai com toda a Professora quiseram transmitir com
fez acordar para muitos problemas certeza chegar a uma conclusão e toda a simplicidade.
até aí impensáveis, ou até indecifrá- pensará que afinal existem coisas à
veis. Foi a partir deste crescimento nossa volta muito especiais, poden-
e da maneira diferente de ver o real, do-nos proporcionar situações de A Professora de Psicologia – B

que surgiu a ideia de darmos a admiração e algum espanto sobre Maria Teresa Castro

conhecer os elementos aprendidos e questões tão simples, mas que


partilhar com a comunidade escolar podem tornar-se muito confusas.

17
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

N
o dia 3 de Maio de 2010

Q uando ouço falar de solidarieda-


de lembro-me do “Mestre dos
Mestres” que foi o maior exem-
Ser solidário, é estender a mão, sem
olhar à cor, ao sexo, ao estatuto social
(ou à falta dele) e à conta bancária
(Dia da Escola) os alunos
das quatro turmas do
oitavo ano proporcionaram um des-
plo de amor. (desculpem a ironia) … file de moda temático, actividade
Quando pensamos em solidariedade E Solidariedade não é só no Natal!
promovida pela disciplina de
vem-nos a cabeça pessoas pobres que Ou quando a Natureza avisa que ainda
não tem o que comer, que não tem que Inglês, em colaboração com a disci-
manda nisto tudo.
vestir, que mendigam o seu pão para plina de Artes
Mas vamos fazer a nossa parte, aos
“sobreviver”, confesso que de uma certa poucos, vamos treinar a nossa emoção, Decorativas.
forma é fácil ajudar esse tipo de pes- As épocas
como disse a Madre Teresa de Calcu-
soas, comovem-nos pois geralmente abordadas
tá, sei que o meu trabalho é uma gota
essas pessoas, são pessoas humildes de
no oceano, mas sem ele, o oceano foram os anos
coração. O maior desafio, na minha opi-
seria menor. 20, 60, 70 e
nião, é tolerarmos, compreendermos os
Sermos solidários, quando percebemos 80, tendo os
outros tipos de miseráveis, as pessoas
que é possível fazer algumas coisas, alunos desfila-
mesquinhas, pessoas que não nos agra-
dizer não ao egoísmo em que todos
dam, pessoas insensatas, pessoas que do com as
nos fazem mal, pessoas que nos tiram vivemos, ao nosso fácil acomodamen-
roupas que prepararam nas aulas de
do sério, pessoas que nos humilham, to, face à miséria, à solidão, à injustiça
Artes decorativas. A decoração do
pessoas que são preconceituosas… pes- social, entre outros… É mais fácil
pensar que não é connosco se algo de espaço (escadaria da escola) foi
soas “ donas da verdade”, pessoas arro-
profundamente errado e injusto se também preparada nessas aulas. O
gantes, pessoas escravas de suas maze-
las, essas para mim são as pessoas que passa ao nosso lado. tema “Moda” insere-se no progra-
mais chamam por ajuda em cada palavra - Sabia que há pessoas a passar fome? ma do oitavo ano da disciplina de
ou acto negativo. Ser solidário, com -Sabia que há crianças com apenas Inglês, e esta actividade visou
pessoas pobres de espírito para mim é o poucos meses, que vivem em carros essencialmente motivar os alunos
maior desafio. abandonados? para o estudo do tema e incentivar
O que é Solidariedade? - Sabia que há famílias a viver em
a sua capacidade criativa e expres-
O que é ser solidário? currais de porcos e outras “habitações
Lanço-vos o desafio de lerem esta men-
siva.
similares”?
sagem até ao fim. Apenas isso. Prof. Anabela Pereira
- Sabia que se pode morrer de solidão?
Ser Solidário, é acima de tudo, respeitar, -Se não sabia, ficou a saber que tudo
incondicionalmente tudo o que nos isto é real e que se passa bem mais
rodeia… perto de si do que se pensa… Conse-
Ser solidário, é sentir a necessidade infi- gue, ainda assim, sentir-se uma pessoa
nita de partilhar… feliz?
Ser solidário, é perceber que as diferen- Vivemos num mundo ruim. Completa-
ças só existem porque é mais fácil criar mente mergulhados numa vida ego-
distâncias do que gerir dificuldades... cêntrica que nos condena irreversivel-
Ser solidário, é sentir que é possível Parabéns aos alunos do 8º D e à sua
mente à solidão. Acredita que pode-
mudar, o que esta errado. E que para mos mudar isto? excelente actuação no passado dia
isso basta acreditar… Eu acredito, porque afinal a distância é 31 de Maio de 2010, no auditório
Ser solidário é querer ir mais além, e ser a de um passo.
mais alto interiormente, é ser maior de do Centro Cultural de Chaves.
coração… Alexandra 12º A Temos actores!!!
Ser solidário é perceber que a alegria de
dar é indiscutivelmente superior à de
receber…
A directora de turma

18
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

No dia 26 de Maio, os projectos de Área Projecto da turma A do 12º ano foram apresentados no audi-
tório da escola com a presença dos convidados que permitiram o desenvolvimento dos temas apresentados.

19
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

Finalmente a Primavera chegou


A Guerra é sofrimento o sol voltou a brilhar
Desgostos e angústias! Sinto saudade… os passarinhos a cantar
Nela só morrem pessoas e tudo isto me animou
Entre as minhas recordações
Que em nada são as injustas!
Procuro as minhas asas. Mas de repente me apercebi
Na Guerra não há limites que isto não veio sozinho
Quero voar pelo céu, quando tudo estava a melhorar
E só há atropelos,
Os que deviam desaparecer Voltar a viver as minhas emoções tu tiveste de voltar.
Vêem os outros morrer! Perder-me num momento, Tu, maldito!
Na Guerra há de tudo um pouco, Escutar o vento Tu que não me deixas viver
Felicidade e tristeza… Tu que me trouxeste o passado de volta
E sobre a muralha da vida para voltar a sofrer
Para uns é bom haver mortes,
Para outros… é só pobreza! Construir um monumento. Tu,
que não me deixas seguir em frente
Quero lançar-me no vazio, que não me deixas ser feliz
A Guerra a alguns traz prejuízos
E a outros muitos lucros, Desvendar horizontes, pois quiseste voltar
Para os que a querem ganhar e desta vez a dobrar
Soltar meu coração…
Muitos vão ter de chorar…
Quero amar-te como outrora o fiz, E agora, que hei-de eu fazer
Por isso digo não à Guerra quando vencer-te é impossível
Libertar-me das amarras talvez desistir,
Que infortúnios e horrores traz,
Dos que sofrem sinto pena Que me fazem infeliz! morrer nas tuas mãos...
E os que lucram mal me faz… … ou lutar
lutar até te vencer
Zélia Neves para te fazer voltar,
Mattia M. do Cruzeiro - 8º B
voltar para o teu lugar
voltar para o passado!

Daniel Oliveira - 11.ºB

Ana Catarina 8º A

20
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

Vou sair pelo mundo Gostava de saber Como o tempo passa!


O que é uma família unida. Ainda ontem eu estava
Rimar meus versos…
E sobretudo, A entrar nesta escola
Vou escutar meu coração Em especial, o que E hoje já estou a dizer “Adeus”.
É uma mãe de verdade, Sinto que estou a ficar velha!
Vou sentir o aroma a jasmim
Uma mãe que não Mas, acima de tudo, sinto que cresci.
E unir pedaços de mim. Esteja constantemente Sei que aprendi muitas coisas;
Vou ser como o vento, A deitar-nos a baixo, Até mesmo, a acreditar
A dizer-nos que não Um pouco mais em mim.
Ser errante, viajante do tempo. Valemos nada, que Aprendi que se pode
Vou vagar pelo vazio do meu eu Não passamos de Ter amigos verdadeiros:
Meras coisas inúteis, Aqui, descobri
Onde nenhum dos sonhos é meu.
Incompetentes e que Quatro verdadeiras
Vou voar alto e beijar o mar Nos diz que somos a Amigas a quem eu
Sua maior desilusão! Dedico este poema.
Beber água cristalina e me refrescar!
Mas, sobretudo que somos Às minhas amigas
Pessoas frias e sem coração. Do coração que sempre
Zélia Neves Por isso, gostava de saber: Me apoiam. Mas dedico,
O que é ser mãe, afinal?! Em especial, à pessoa
Qual é o significado de família?! Que me apoiou muito
Eu sempre pensei que fosse Ao longo destes três anos lectivos.
Apoio; acima de tudo, A pessoa que me ajudou
Compreensão e aceitar-nos E fez com que eu percebesse
Tal e qual como somos. Que, afinal, eu sempre
Mas, afinal, enganei-me. Tenho algumas qualidades
Estou a ver que para a Apesar de ter sido difícil de acreditar.
Minha família, se é que Enfim…
Se pode chamar família, Foram três anos em grande,
Não passo de um mero Que chegaram ao fim!
Objecto sem coração e Como o tempo passa,
Sem sentimentos. Deixando para trás,
Quando o que eu mais Más e boas recordações
Sei, é sentir, a dor Mas de todas elas,
Que me provocam. Eu levo no meu coração.
Adeus até sempre…
Sara Amaral 12ºA
Sara Amaral 12ºA

Ana Raquel 8º A

21
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

R
ecordo inevitavelmente, certo dia, certo amor.
Eu gostei da obra “Ulisses” porque tinha fan- Esse amor nasceu comigo, nada fiz para o evitar.
tasia e eu gosto muito de ciclopes e gostei da
coragem de Ulisses. Vivemos tempos felizes, em que tudo fazia para
Alexandre, 7º A estar com ele.
Gostei muito de ler o livro “Tintim e os charu- Não falo de paixão, desse sentimento passageiro que nos altera as
tos do Faraó”, pois remete-nos para outras hormonas. Falo do precioso amor que nos liga aos nossos paren-
culturas e para a forma de vida de pessoas que
vivem num deserto escaldante. tes mais próximos, nomeadamente, o amor que me ligava ao meu
Gonçalo Carvalho, 7º D avô.
Eu gostei muito de ler o conto “O Cavaleiro Nunca pude partilhar esse amor com os avós paternos e a minha
da Dinamarca” porque achei o cavaleiro muito avó materna era-me um pouco mais indiferente, não que não a
corajoso e divertido.
Juliana, 7º C amasse, apenas passava mais tempo com o meu avô. Caracteriza-
O livro que gostei mais de ler foi “A Lua de vam-no como uma pessoa fria, mas essa foi uma faceta que nun-
Joana” porque o achei fascinante e interessan- ca cheguei a conhecer.
te. Nutria por ele tal sentimento que, quando me disseram que morre-
Júnia Alves, 8º A
ra, não acreditei.
“Estrela”, um livro encantador que fala de um
amor avassalador, impossível, devido à dife- Ele já não estava lá. Já não iria tocar mais música para mim. Não
rença de idades, um amor nunca esquecido, me iria contar mais histórias. Não iria estar lá para mim!
adiado… É um livro surpreendente, sem som-
bra de dúvidas, de Danielle Steell. Inês Moura – 10ºB
Ângela Freitas, 7º D
No livro “O Cavaleiro da Dinamarca”, eu gos-
tei da entrega do cavaleiro às cidades religio-
sas. Era uma pessoa aventureira, religiosa,

O
lhos castanhos, radiosos, mas distantes. Sorriso
corajosa e determinada. Apesar de tudo que
viu voltou à sua cidade. leve e fresco, ternura expressa em suas feições,
Rui Pedro, 7º A pele macia e suave. Beleza inconfundível! Tudo o
A obra “A Lua de Joana” é importante porque que era belo se transformou.
nos alerta para os perigos das atitudes levianas Para onde foi a tua beleza? Recordo-me como eras e vejo no que
que os adolescentes, por vezes, tomam, como
por exemplo, experimentar drogas. te transformaste. Como é possível algo tão perfeito transformar-
Andreia Rosa, 8º B se em algo tão monstruoso?
Eu gostei do livro “Quando o sol nasce, nasce Tudo o que eras já não és. A tua alma pura voou assim como o
para todos”, porque é um livro que trata dos nosso amor.
direitos das pessoas e que o seu princípio bási-
co é a igualdade de todos, porque todos nós Abdicaste de tudo! Abdicaste de mim, do nosso amor, de ti…
somos humanos e temos sentimentos. Abdicaste de ti e noutro alguém te formaste.
Nádia, 7º D
Eras luz, agora és noite fria e crua. E o que era nosso desvaneceu.
Eu gostei da história do senhor Sommer por- Mas já não importa…a mágoa desapareceu, embora a saudade
que deixa os leitores com curiosidade e muito
entusiasmo. sempre permaneça.
Cláudia 7º C A vida sempre continua, já não pertences ao meu mundo, mas
Eu gostei de ler o “Eclipse”, porque trata de sobrevivo. Sou forte e aprendi a amar esta dura e dolorosa vida.
um triângulo amoroso. Eu gosto de livros de
romance. Nicole Fernandes -10ºB
Sara, 7º D

22
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

I am going to write
about the fashion show that In the world we live there are think that it does not matter. Everybody
happened on May 3rd , the day many animals which are threatened. It is should help the institutions more so that
we celebrated the anniversary of very common to see animals abandoned animals without a house can have the
our school. The 8th graders in the streets and also animals badly right to a home.
participated by dressing and
treated by their owners. They also have feelings and pain
performing according with
marking periods in History, as far Nowadays there are associations and they can not protect themselves, so
as fashion is concerned. We had to protect and help those animals, like they need us and sometimes we need
the 20’s, the 60’s, the 70’s and “dog-holes”, association of protection of them. People usually say: “Dogs are the
the 80’s. Let me tell you, I animals, but the number of these best friends of man”, why can’t man be
enjoyed myself a lot. I admit I institutions is not enough for the number the best friend of dogs?
was a bit nervous before the of abandoned animals and there are few
show, afraid that something
people who want to help. Usually, the Daniela Santos, Edi
might go wrong, but everything
went well. We were beautiful. animals which are more threatened are Vilanova, Lúcia San-
Raquel Castro 8ºA the dogs, but not only them, the tos 10º D
elephants, the cats, the bulls, also suffer.
Animals also have laws and everybody
should respect them, and many people
Music is more than an art, it’s a
lifestyle. It can change our lives and help
people overcome bad moments. It’s an
universal language.
It joins people and it erases
differences – while we are listening to Usually, all the teenagers set It´s important for all the people
music, colours and races are forgotten. objectives in their lives by because there you learn other
It’s a way to express ourselves and
dreaming or having ambitions. languages and many other things,
convey a message.
There are musical events which There is only one way to reach and whenever you are in a difficult
are organized to raise funds to help those objectives and make your situation or in another country, you
people in need. About the environment,
Rock in Rio and Live Earth are two good dreams come true, or at least, to will always remember your lessons
examples. have a bigger probability of and know how to overcome that
When you’re feeling down, succeeding. difficult situation you´re passing
music helps to lift your spirits; if you’re
happy, you can express your joy through School is like a second house for a through.
music. teenager, just like home, school So, if you are reading this and you
There are several styles, you
provides us with education and are a teenager who attends school,
can pick the one you prefer in all the
moments of your life. There are Hip knowledge that is so important to take a minute to think about it and
Hop, Grunge, Pop, Rock, Heavy Metal, get a good job or have your own maybe you conclude that what I
Classical or Jazz.
Music is a big part of our lives have said here is true, or maybe
and I don’t think we can live without it. not…Think about it.
Margarida Martins,
Diogo Chaves 10ºD Luhofet Mykola Petrovych10º D

23
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

E
summer
very year we are faced with the
same misfortune. In each passing
newspapers, television,
took account of the mountain and the
helicopter was not called; it could
leave those that were almost extinct
in comparison with the Portuguese side
that burned. Does Portugal have such a
lack of means to put out the fires?
magazines, internet etc. We don’t stop and have gone to Vilar de Nantes, On the other hand, in Spain they clean
to see what the human nature does; because this could have put it off forests every year. In Portugal, we
thousands of hectares of forest are quickly, but that was only done until don’t.
burned throughout the world because of night and burned an area of about 4 Inmates in prisons do nothing and have
mankind. Several factors point to these km, having put houses at risk; only great facilities, why not make them
facts: the herdsmen to renovate their around 5 in the next morning was it clear forests?
pastures, or the hunters to be able to possible to extinguish it. Already this year, more exactly on
walk through the woods or the timber in As for helicopters, they were only January 19, on the RTP news we were
order to buy cheap wood, and even the loaded in the place and there are other told that the Spaniards and the French
companies that help put out the fires and places to make it, closer to lakes and do not come to Portugal to buy trees to
so earn money. dams. And they often pour water into plant because of the "Great Crisis" So
And they cannot catch the arsonists and an area already burned. In this case, if as a solution, the Portuguese destroy
if they are "crazy." It is a dementia and RBRO had gone to the lakes of the them, it's garbage. Why do they not let
so they have an excuse. The companies Plains it would be closer, and they them grow so in the future they can
think that the helicopters are the worst, would have time to stop the Vilar fire give us oxygen? But the human beings
take much to get to places. Last August that burned up to the Peto Lagarelhos. are not worried about the future of the
my parents and I were walking in Veiga "But that's how you lose a few lungs younger generation, they are only
de Chaves, and we suddenly saw a fire of our planet", we think. concerned with trade and earning
starting in the hills of RBRO and peto In Spain, when there is a fire it is money.
de Vila Verde, soon after another one extinct in less than half an hour but not Is it because of politics?
behind the mountain, which the in Portugal, we leave it burning. Proof The environment is not to blame and if
helicopter and the firefighters managed of this is the last village of the Board they continue so, there is no chance for
to put out almost immediately; the of Chaves, Sigerei, where a fire
it to be saved.
problem was a third one that began in erupted in summer 2009, to see the
Vilar de Nantes and in a few seconds area that burned on the side of Spain Alexandra 12ºA

A nother school year is coming


to an end and, once more, we
want to thank all those students who
change the human side of
education.
Well, coming back to the
Geraldes in the taking of photos, by
saying “many thanks”.
Despite all the “crisis” we
showed interest in participating in rational world, we’d like to say are in, educationally speaking (not
this “old”, but always up-to-date how interesting and enjoyable the to mention the economic side), it’s
project, and did it. Interactive Theatre Activity by worthwhile believing and being
As time goes by, we try to Clever Pants was. The students got positive. So, go ahead!
keep pace with it, which implies involved in a fantastic way, and
being adaptable to change and when they were asked their Enjoy your holidays!
innovation, making use of the new opinion about the performance,
technologies, however in a balanced they said they really liked it – we Teacher: Isabel Bessa Alves
way, and never forgetting that, in thank them for their commitment
spite of the technological, too, and hope they have the same
mechanised world we live in, where enthusiasm, in years to come, in all
people are sometimes considered aspects of their life.
machines, we deal with human We also wish to
beings, feelings, emotions, anxieties, acknowledge the precious
hopes, dreams… And nothing can contribution of teacher Jorge

24
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

D ay-April sixteenth- Some


students of our school
participated in a school trip
to Salamanca.
The bus left at 8:45 am. After
cathedral and the university. After that
we went to the “souvenirs” shop, and
the teachers gave us the liberty to
explore the city by ourselves.
By 19:00 pm we met at the
a 4 hours trip, we arrived at Zamora, “Plaza Mayor” and we came back to
we saw some monuments, the bus.
cathedrals, and we enjoyed the We arrived at the school by
landscape but, unfortunately, the 11:30 pm.
weather was bad. We enjoyed the trip and we
On the way to Salamanca, we hope we can do it again.
did a stop to have lunch. By 4:00
pm, we arrived at Salamanca. Ana Rita 10º B
Carlos Penedo 10º D
With the teachers, we visited
the historical centre of the city, the

P eople! Holidays are coming and


we need to enjoy ourselves!
After a year of study, the holidays
are really deserved.
To enjoy, we have a suggestion:
Travelling in countries like

T he 5 o’clock Tea is an English


tradition with happens at five
o’clock.
Around 1830, the Duchess of Bedford,
Anna Maria Russell started the English
Australia, a hot country, which has
beautiful beaches, where we can do
some sports: volleyball, badminton,
beach football and much surf… But
Australia has other interests: we can
tradition in England. She began asking see animals that don’t exist in our
her butlers to serve her tea with toast at
country like koalas, kangaroos… We
five o’clock, before dinner, so she was
can visit the Opera House in Sydney,
hungry in the afternoon during her
the capital of this country.
social affairs.
Little by little, she started to
London is a city with much history
invite high society English people to and with many places to visit, like
have tea with her, and so the custom of museums, monuments… It’s a city
high society «having tea» between with a world wide influence and
meals was born. with tradition in football. London
The different types of tea brought to doesn’t have beaches but it has
England, from different colonies many interests, it is more a cultural
around the world (India, above all), holiday’s destiny. Besides enjoying
started to be more accessible to and resting we learn too.
burgesses and middle class and «the Summer is synonym of sun and we
afternoon tea» was no longer an can’t just see monuments, animals
exclusiveness of the noble and started and be on the beach, we would like
to be a synonym of «luxury» to the new to go on a cruise, it’s a different way
rich people, too. to travel. In spite of spending the
They have tea with frozen milk majority of the time in the sea, we
and sugar. Tea was served with can enjoy various activities, like
sandwiches, cakes, cookies, toast and casino, cinema, shopping,
scones. The most known black teas are swimming, golf, tennis, restaurants,
the English Breakfast and Earl Grey. bars, discos, it’s like a city inside the
boat. We can know various countries
Sandra Morais 10º B because the boat does some stopping
J oana Lima 10º D places.
Andreia, Anabela, Rui 10º B

25
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

A
mí me encanta viajar. cuarenta estadios tiene algo para ver los paisajes, hacer escalas en
Cada año voy con mi regalarnos. varias ciudades. Pero ahora
madre a un lugar Sobre el tema de los tengo que estudiar y no tengo
diferente en el mundo. Desde viajes, hay mucho que hablar. mucho tiempo para viajar. Sin
pequeña que iba con mis padres a Dentro del país, por el mundo y embargo, intento hacerlo
la playa, a la montaña … y ahora ahora también por el Universo. siempre que pueda.
que crecí, continúo s querer viajar, ¡El Futuro! Ahora viajar en Cuando sea mayor, voy a
sin parar, por el mundo. avión no es muy caro y toda la viajar por el mundo e intentar
Mi viaje de sueño es un gente lo puede hacer. Tengo un hacer mi viaje de sueño, el
Interrail por Europa. No necesito poco de miedo de viajar en Interrail de mis sueños y llevar a
viajar hasta Oceanía o América avión, pero lo hago sin mis amigos, sería estupendo.
para apreciar las cosas bellas de la problemas. Cierro los ojos e
vida. Europa tiene lugares intento dormir.
Soraia Dores, 9ºB
magníficos. Cada uno de los Viajar en tren me encanta,

E
n Zamora visitamos la visitar la Plaza Mayor porque he su leyenda que simbolizaba la
Catedral y el Museu de la visto un gran convivio entre los suerte en los estudios, a los
Catedral y en Salamanca jóvenes y también he conocido alumnos que la encontraban sin
la Catedral velha y Nueva de otras personas. ayuda de nadie y también
Salamanca, la Plaza Mayor y la Con la visita he aprendido aprendi a pronunciar mejor las
Universidad de Salamanca. que en la fachada de la palabras en español.
A mi me ha gustado más Universidad había una rana con
Sabina Rodrigues - 10ºB

26
Junho 2010 Ponto Final. Parágrafo

Cursos de Educação/Formação (Ensino Básico)

27
Ponto Final. Parágrafo Junho 2010

A equipa do Jornal Escolar agradece a todos os que contribuíram na


produção e edição das publicações.

28