Você está na página 1de 18

Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H.

Wilhelm

Análise Técnica X Análise Fundamentalista: Questões Chaves?


Investidores e analistas que atuam com o mercado de ações buscam
respostas para duas questões chaves: O QUE COMPRAR/ VENDER e
QUANDO COMPRAR/VENDER. Neste sentido se desenvolveram duas
linhas de pesquisas e desenvolvimento de ferramentas e metodo-logias,
denominadas respectivamente de Análise Fundamentalista -AF e Análise
Técnica - AT.
• O Fundamentalista examina o desempenho da empresa, seus balanços,
dividendos, capacidade de sua diretoria e o ambiente de competição.
Portanto, a AF estabelece critérios para determina o Valor Futuro de uma
ação, seja do ponto de vista do Valor Patrimonial ou através do Valor
Presente do fluxo de caixa, para estabelecer O QUE COMPRAR.
• O Técnico examina a evolução do preço das ações da empresa no mercado,
considerando vários critérios estatísticos e horizontes de tempo. Portanto, a
AT avalia a tendência do Valor de Mercado das ações, considerando a
relação Oferta e Demanda e oferece critérios para estabelecer QUANDO
1
comprar/vender uma ação.
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

ENFOQUE TÉCNICO
A Análise Técnica – AT baseia-se na idéia que os preços
de ações, no mercado, não se movem randomicamente, e
sim em padrões repetitivos e identificáveis. Portanto, a
AT avalia o Valor de Mercado das ações:
• Para entender a Análise Técnica é necessário considerar
três princípios básicos. São eles:
a) Tudo se reflete nos preços do Mercado;
b) Preços movem-se em tendências e tendências persistem
por um certo período de tempo;
c) Os movimentos do mercado são repetitivos.
2
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

a) tudo se reflete nos preços de mercado....


• os fatos econômicos, políticos, psicológicos e mesmo
fundamentalistas afetam a oferta e a procura de
ações a todo o momento
• o preço de uma ação no Mercado em um dado
momento é muito mais influenciado pelo resultado
da relação entre a oferta e procura, que pelo seu
valor intrínseco.
• Preços desta forma, são o reflexo das mudanças nas
relações entre oferta e procura. Se a procura é
maior que oferta, o preço sobe; se o inverso ocorre,
o preço desce.
3
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

b) os preços movem-se em tendências e tendências persistem....


• O ritmo da oferta e procura coloca uma tendência em
movimento. Uma vez em movimento a tendência
persiste, até que acabe.
• Primeiro, os preços movem-se em uma direção, criando
uma tendência.
• Segundo, a tendência persiste até que o movimento dos
preços diminui,
• Terceiro, são emitidos avisos antes de finalmente
reverter e começar o movimento na direção oposta.
Neste ponto tem início uma nova tendência..... 4
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

c) os movimentos do Mercado são repetitivos...


• Certos padrões repetem-se ciclicamente nos
gráficos. Estes padrões têm significados e podem
ser interpretados em termos de prováveis
movimentos futuros de preços.
• A natureza humana é tal que tende a reagir
similarmente á situações padrões. Como regra,
pessoas tendem a reagir da mesma forma que já
agiram no passado.
• o Analista Técnico avalia situações recorrentes
com finalidade de antecipar-se a altas e baixas do
Mercado. 5
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

ANÁLISE TÉCNICA: Conclusões


• Trata da analise do mercado de ações: no Brasil
este mercado é a BOVESPA
• Analisar o Mercado de Ações implica em analisar
um Índice representativo deste mercado: no caso
da BOVESPA é denominado de IBOVESPA
• O IBOVESPA é um índice que representa a
situação do valor de uma Carteira Teórica de
Ações negociadas na BOVESPA.Participam as
ações que respondem por mais de 80% do
negócios sendo que individualmente uma ação
deve responder por mais de 1% dos negócios 6
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

IBOVESPA: características
• É expresso por um numero índice que informa o valor da carteira teórica.
• A situação do mercado é avaliada pela variação do valor do índice, tanto
durante o dia (INTRADAY) ou entre um dia e outro (INTERDAY),
comparando os índices de fechamento do dia.
• Várias estatísticas sobre a evolução e a posição do IBOVESPA são
oferecidas e possibilitam avaliar uma tendência, a força desta tendência e os
limites da tendência.
• A referência chave para a tomada de decisão de compra e venda de ações é
sempre o gráfico do IBOVESPA.
• As principais ferramentas para determinar a situação e a tendência do
IBOVESPA são:
– NÍVEL de SUPORTE e RESISTÊNCIA
– LINHA de SUPORTE e RESISTÊNCIA
– RETA de SUPORTE e RESISTÊNCIA
– Indicadores: IFR: Índice de Força Relativa
MACD: Índice de Convergência e Divergência 7
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

Análise Gráfica: CANDLESTICK

8
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

Análise Gráfica: CANDLESTICK


Preço em ALTA
Preço em BAIXA

Preço Preço
Máximo Máximo
Preço Preço
Abertura Fechamento

Preço
Fechamento Preço
Preço Preço Abertura
Minimo Minimo

9
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

Análise Gráfica: CANDLESTICK

Situações possíveis e significado

1 2 3 4 5

10
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm R2
Resistência
R1

Análise Técnica S1
Conceito de
Suporte
Nível de Suporte
S2
1) Da direita para esquerda
2) Formar um FUNDO(min) R3
3) Define um VALOR limite
inferior(global ou local)

Nível de Resistência S3
1) Da direita para esquerda
2) Formar um TOPO(max)
3) Define um VALOR limite
superior(global ou local)
Reta de Resistência
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

Análise Técnica
Conceito de:
Reta de Suporte Principal
1) Sempre passa por 2 pontos de
mínimo
2) Indica Tendência de Alta Reta de Suporte
3) Quando cortada de cima para
baixo indica mudança de
tendência

Reta de Resistência Principal


1) Sempre passa por 2 pontos de
máximo
2) Indica Tendência de Baixa
3) Quando cortada de baixo para
cima indica mudança de
tendência
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

Análise Técnica MM7:Média Móvel Curto Prazo


Conceito de:
Linha de Suporte:
1) Linha Sinal é a Média Móvel MM26:Média Móvel Médio Prazo
Curto Prazo
2) Na Tendência de Alta as linhas
MM são linha SUPORTE
3) Quando a Linha Sinal inverte sua
tendência e vai em direção a
linha MM médio prazo indica
mudança de tendência

Linha de Resistência
1) Linha Sinal é a Média Móvel
Curto Prazo
2) Na Tendência de Baixa as linhas
MM são linha
RESISTÊNCIA
3) Quando a Linha Sinal inverte
sua tendência e vai em
direção a linha MM 13
médio prazo indica
O índice de força relativa foi desenvolvido por Welles Wilder. em seu livro de 1978, “New Concepts in
Technical Trading System”,
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

IFR=100 – (100/(1+RS) onde RS= Média Altas N dias / Média Baixas N dias (N = 9)

Compra 80

IFR

14
Venda
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

INTERPRETAÇÃO
O índice de força relativa é plotado em uma escala de 0 a 100. Movimentos acima de 70 são
considerados “overbought” (excessivamente comprado), sendo o mercado considerado
“oversold” (excessivamente vendido) quando o índice penetra os 30. Devido às maiores
oscilações causadas pelo uso de um período menor no cálculo das médias, são
freqüentemente utilizados os valores 80 e 20 em vez de 70 e 30. Os níveis de 80 e 20 são
também respectivamente utilizados em mercados com tendência de alta ou de baixa bem
definida.
O índice de força relativa é utilizado para assinalar, quando analisado da forma
complementar ao gráfico de barras, formações gráficas, níveis e linhas de suporte e
resistência, assim como linhas de tendência. Os níveis de suporte e de resistência próximos
aos limites ou no interior das faixas oversold e overbought, são de especial importância pois
em sendo alcançados, uma correção técnica nos preços deve ser esperada. Entre as
informações gráficas de maior relevância estão os topos e fundos duplos, principalmente
quando ocorrem dentro dos campos “overbought” (em forma de M) e “oversold” (em forma
de W), indicando que o mercado não teve força suficiente para atingir novas altas (M) ou
baixas (W). Estas formações são ainda mais significativas quando são constatadas
divergências entre as figuras encontradas no indicador e as do gráfico de barras.
15
MACD
Departamento Economia:
(Convergência/Divergência Mercado de CapitaisMóveis Pedro
de Médias Paulo H. Wilhelm
Exponenciais)

Linha MACD
Linha SINAL

Compra Venda
16
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

Este indicador foi desenvolvido por Gerald Appel,

INTERPRETAÇÃO
Normalmente, um sinal de compra é dado
quando a linha SINAL cruza alinha MACD de baixo para cima. Um sinal de compra dado
profundamente no campo negativo ou em níveis próximos aos mínimos atingidos pela linha
MACD nas suas incursões neste campo, é o mais desejável. O inverso é válido para os
sinais de venda.
As oscilações deste indicador, constituem ciclos que normalmente se completam em 8 a 10
semanas. Sinais no sentido da tendência principal duram de 4 a 7 semanas enquanto os que
são dados em sentido contrário, subsistem por um período de 3 a 6 semanas. Por ser um
indicador que se antecipa à inflexões do mercado, muito freqüentemente são apontados
sinais prematuros seguidos de um último avanço dos preços no sentido anterior, antes que
ele seja confirmado. Nestes casos pode ser usada uma estratégia de iniciar uma posição ao
ser dado o sinal e depois aumentá-la com a confirmação deste.

17
Departamento Economia: Mercado de Capitais Pedro Paulo H. Wilhelm

18