Você está na página 1de 193
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes - Richard Baker
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes

-

Richard Baker

Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes - Richard Baker
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes - Richard Baker
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes - Richard Baker
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes - Richard Baker
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes - Richard Baker
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes - Richard Baker
Um manual sobre magia arcana para personagens de todas as classes - Richard Baker
LIVRO CO M PLETO DO ARCANO UMMANUALSOllRE \iAt.1.\ \Rc;AN\ PAaA PE RSONAGENS OETODASASCIASSI S RICHARD

LIVRO CO M PLETO DO ARCANO

UMMANUALSOllRE \iAt.1.\ \Rc;AN\ PAaA PE RSONAGENS OETODASASCIASSI S

RICHARD SAKER

C REOITOS DA EDIÇÃO ORIGI NAL

LQl'JPf O.EDES.D.'VOLVIMf'IO

Mikt Don.1." <dtd'i• ' Andr Collin1., Brutt R Cbn.'kn

,

IJ>IIORf~

Chm Tbolaalon 1d:wf.11,. Stou F t.fltt'-U llf .nr,J(:s

agtn]J

Cny

dmooopbtt-

c;1:.a1,n DE Dl:.~1.,\'(\J.\'.IMI~IO

-

-

i.

QIJlE10kDEP&DDE"1C

IW!Sb

-l

<:.llU.'.'ooTf' DEPR.ODt;Ç \\.1

1'»b Fischtt R.incbft Ctrwt

JJllUÇ 10 DE Al<TJ;

0.Wn Munn

\RTI O\C. \P\

M.anCavom

1' RTE ISTlll~ \

l'itf"ttn lkolltdln. Mtu Cl\'.OHa. DtnnisCnbappJc McC1aln lmily l·u·scn~huh.

l)(iua Kl.1\'flO Ci~r K1,1blc, JtffJ.iu.col&. ~ionttoMoor

Wtlham O'Connor.

\tichwl Phllllppi. Ron Spr_nct'r, fnru \~hwtnkt'I

lll''>IC.SU"i Gl.Atl( O'

Doe Bnnctt.'Tndi \Ochum C'-RIOl.R -.

Tode=N.

f "'f'l

( l(llJçlA L\l 'PR.ODC~.Ã(,,.'GJlÁfJ C A

Antdib 1ôlou

lflC'-'lCOD

l\lAÇE''

a.bmlonlan

A<lnwdr~~8°"'íJoc--~dr )nM 0

C.,t::r

Mt111Mlltl"oft u.•

iw

jon1Claan T~.'°'''~filu- DoMi'tt SUIJ EI

f" ftn

11.PIMOO

l\trtthH•t 1;,)rir•U1Ut dt Junn Wy.rtr; Lmkoif:<IU t

Will~rn K11b.•lk. C.rl SifJfnt e Rklc. Ciw1n, ff•,tr'J O,Otlor1 S-ftf! J •r1J J.~1.· ,I~ Rkh.a.rd &krr.

1"""' oi f\l~ii~ t>.tvtd Cook N"11tl Ju1dlcy. Nuhony HtMn,. Ç hmu>r'h«

T"""" dr Bnk't R Conkll • \:lnp

Rf11•11'1 to dJ.r (li.,

of HorroN d<' Bruc.c li. Cord.tll. í>Ngon 12•s••J(llllr

IMrftltfit <ko

~tuntf{;O(;)k. llrf11~11i1t1, •Akitt YIMll' lllimo11J 0 de Rkh Rtdman , Dn1p1112'1, "'RUM

~

11,of1hf

At-hor-AV ck ~s)lcob5; Dnipi ••ru. 0 Art1trvAfJllll11~ df j\'lf'llth1n ~t

RichJfíh, t>mr1 •t 12, "P-knlNf{tlv Wlirf/ tltt SJ'ltr Qt•mi• dr RJc:h~rd Blkfr

~ri• l"fl,

<•n&inals de Ouse.t.os( & O~~ cnadu por to:. Gll''f (. yt

ax

r

A'IA PACtFIC; ®

U S

C'.A

'iAOA.

lln"C' A"'""" r • ttJr-. de DO'ln ediÇlo de O&Ddr"W-•\'lllvacl. por ,lonlthan 1-."ttc.;

M~1rr.ool, <1upWilha.t. J.durd Jbkne ~ttAclhiOl'I.

EUROP.EA.~

H.E.AJ)QUAkJ'l;Jl.S

&l!\nS AMEaJCA 'Võ'\r;;a.r&, fllÍdw O:iral~Jac.,

~

Wiunln{1l

P.S. lO'U

C-

"'"'•"'

ro b

7f11

kMDD 'C'A teos1-G1'W

~"°°ltrdwa

k~

• )l-Je.ll-)2 71 •

prod'*>Ca!zu -""""' lllN!wdod.I tJir!o)

iMt ,,_,

;o

w

,

~

'nur&. oi* C.-r' lliiiO tlLfD Cotw

-.,

nç14o~

"""11.-

-

(

udoOpr.

C.-

~

,.,

J

,.

Clpt9~••Uc

OI.

1

6

1

CRÉDITOS DA ED IÇÃO

BRASILEIRA

ÇOPYRICHT

WIZAROS OI rHL<.OA.S'l

TínJLO ORl!.1"Al

·Compltlt Arcant""'

COORDL'HÇAO llll IORlAl Dtvrr LavnlU

TllADl ç.\o·

joio M:atttio. Alt-ll: Bon1

R.E\'t' \()

Douglas ~ardoCu1m•li<> • O.bo .ttnk

b

ED!TORllÇÃO 11 LTRÓ:.I(.\

Tino Chap} t c a,1•0 E)CtVtS

PlVl792SOOOO

ISON 10: 85·7532·227·3

1• EDIÇÃO

ISllN IJ

978·85·7H2·227·7

PUDUCAO(HM 11(1007

·~·

e

-

-

-

,.,

--
--

.n••

l

. ••

11(1007 ·~· e - - - ,., -- .n•• l . •• {\ ACRAOh(. IMl:N IOS:

{\

ACRAOh(. IMl:N IOS:

SucrilhoJ! O c,

c

at~an'dO' mllhOJ 5tm voc:it~?.

& 03.S - Para ).t6n.lca e Lúdo. Obtipactpr\Jconvite ~u.m1 hon~Stt fll'drlnho dt casamtnto df' novo (tiO 0 1roe cont<1n.Jo)

"'AlTL'\:0 1 S l. - l'ffóla~

Aptnf'M OI dn1"" t poc- ÚYOr.

Jplptm lodo.()t: pa~Sfltt11lv."'tn1es

ALTÁO 1,6

A M11 Rowc t _,. WU'lfncani

~

tdotts:

pc:lt La ,. 1odco 1"ll/Olt1'"8.

fenos.

ToclosOJduritot mcorvadot;

~pn><!.h. ~-1

"""'~

d&SCitNet ou qut wnhalwi • tott t riMo. no funaro

M"e~ptn't4 por"'~·ir*on.

riMo. no funaro M"e~ptn't4 por"'~· ir*on. ÓJJi· DEVIR LIVRARIA URA'll Rua Tcodun:co

ÓJJi· DEVIR LIVRARIA

URA'll

Rua Tcodun:co Sc>1.110. hl -4

Camhoá

CEP: OIS39·000

Slo P~u1o · SP

~.,_, <11> 33• M roo Fax: (11) ll•Hll>R

E-ma.li: du\1~('\·ir.tl>ln.bt

l'<lR'Tl!c 1\1

Pó lo lnd11~tn.i.IBrejos de Cun:tei:n'll\

At1~u1c1n 4, Ew:tit6no 2

()lhrM J~ Água

2'9~1

S~4

l~ mdil

r1111(': 212· tl9·440

fo l 1l· ll9·449

I; nu1I: d('Vt~Y1r.pc

tl9·440 fo l 1l· ll9·449 I; nu1I: d('Vt~Y1r.pc rnh.i.o. pt~ pornm• hr.Abft, .tn•lklr~ om J: m.11t

rnh.i.o.

pt~ pornm• hr.Abft, .tn•lklr~

om J:

m.11t Jt rr<tlll,

IM,

d10.v-.~-wiafdt.

"o ~da Wu:trcll o( JficoC·~

O IOJOd.t d.ao ,yik

r

P'"~ tit

t'""'' l 1ht e t, ''" tuJot g, V"""~c-iw-riemnt(~•rl"I""•'•~nuo"•''""'<l'"-Mil'f'lrf'

1r.J•1 .t. 'li o.n1. '" 1M C'.A)lfft. lnc. t4ce puttNI e-.u rrorq:ldo J"t'!Jo' l.11cl• «iprtillh• 4i>t l "'•J•"

llrtJJo.J•A.~ 1 tttri• f"n1tmtMtpeotbidtJfTF~k>ouu11I U(~"-Wllll•>tll

t.doll!U••

,

,,

tiJillo.U. 1fl\~•i<oNiJv.w• 'l*"_lhMOCll:ptnwcpar-1it•d1Yb1N gt 1btc.,.,r Jn.:

hM ,

~uh1dt t~k~ k~('OllliliaCJrn ••J•"loUo;•f'I i-- '" 1

1>"2Cd.Jl'191 WWrdtot tlw eo.t

I~ rudot

dllri* """"""'°'"A f'll•\lo:>

nciJ1

"""MI lkt1• obn toe paNIClt.b t• ·~ln por W'"aft1 cl dwC-1 111(,• ~

c-,""4•An-

,

t Gf!I

11tuk>

Wlt.1rJ1 .>( thf. l~tC ln•

to•tf'(td ttil.iirllda. ('IQJ'f'lrJ.,J" d•

SUMARIO

IMroduç:ào

4

A

~turtll Ja ~t;1g1J

4

Atan1su. ft'Utct'1ro ou ~l.Jgo> _

l) Qu<' Voct' Ptt<1~ p:U"a Jogar

c.pnJo 1·e••-•

Bruxo

s

~

li

'9

lnfomuçó., d< Jogo

1n\'OUÇ'Ô('S dt

da

ln~ da

lnvooçM

Outn.~ ln\'OC.IÇÔf'"

Bnixo

Es~nc:u ~h,ltC.1

Form> da Em"Jo -

-

~UgodaG~rn --------- 'º

lnf~d<Jogo

T11rth \friorJ.

·'""" JL r.arth ,\f

WuJtn

,,,,

lnformaçõt-s ~ Jor,o

ti

11

1•

14

t<

Capitulo 2: Classes dC" Pttt-taglo E'W:olhtndo um.a Cb<'(" dt P1t\11g10

~ Bruxo!. t as Cbs~"d«' Prc~hs,10

AcóL10 da Pt-le

Exemplo

Acorde Subhmt' Exe mpl o _

Aro n.amacadc.SuC'I

Exe1nplo

Oi$Ctpul o d.a Eç1r( la V<'nleo

Exc1nplo

Dominador

Exc1nplo

Ei;p1nl (io Ors11no

Exe 1np lo

l:.xob1ologo

Excrnpl o

Ccôme1r3

Exe mplo

Cui:1 dos Vi1j.:i111es

~m~

ln1c&ado JO).Stcc Vtu>

Ex

mplo

~bgoda Ordtm Ara.ru

Ext'mplo

o Rnm

af.Oirw

''"'"º

17

t?

1s

tli'

.?O

21

21

21

2"

2(1

lS

21)

li

li

ll

l l

16

17

58

)1)

~

«

44'

•7

,

wmplo ~

<l

,\~ SffWl-'f"S t"I fll('nlll

\ttten ~' Efipt<

Ext'mplo

\4.~ T n;nsmognfteadôr

Exemplo _

_

_

~no d.a Canção

(]

e; 2

li. l

e;

<•

<'

h·~daúnçio

Exemplo

Punho tlumm.do

E'.ll:f'mplo

Sab10 l::.IC'mt"nu1I

Extmplo

Sabio dC' Pr.11a Ext"mplo

Tauma1urgo

f;xC'mplo

C apítulo l:Talt11l óS Arc

a.nos

W

W

6l

tol

1>4

,_ç

t>t.

f.t•

,,.,

71

ln\•oc:-açóe'" t l l:lh1lulaJt'.,, "i1malaresa ,\1:ig1a

Ta l l."nlO" e- ~1'1gi3\ Sh~11lnrt"a Am'~"

l:>cscri çãodo-.T:i lcn10"

,"'1

7 !

'J \

Ca pítu lo 4: Magias e Lnvoc"çocs ~~2g1:1"Siin ll:ire\ a Ann., Succsws Dech1vu"

8S

1o1r,

Nli

Ar~quc<> •·un1vo~

Li.si:&" de ?t.lag1:1"

""

------··

~··"·, R.1r1.l

h,

Jn1·d1Jl1.h

S6

t>.tagos

 

'.\./U\'J\ ~1.ljtlJ\dC' AN\~lnO

87

"-hgos da Cu~rn

 

l6S

'.\lt'l\'J'i ~1JjtU\Jto

l\:wJo

87

l6'

 

·a

~ta.ic1a Jt' Ckngo

 

AbJuradorC's

 

"'oor.i

~t;ig1asJ~ Otu1J.a

$::'

Ad1

·tnhadott<

 

l66

s,.,

i'i

~t.:ii1asJt" ff'ltK'.C'iro ~t•go

88

Encanudonos

IM

So-.·.i" ~ticmJC' ~n~t'r

90

e

'OGIJorn

l67

\l.aJ1lS ,f<'

~t ~d.a CU('m

90

llu.,.ior11s1ao; _

_

1'7

\t.aius J,. \\'u Jf'n

 

91

tn

-oc:adotts

167

Uhh:.an.J., U:""•"" \1,d.J1L1 t

 

16'

~ ""' °'""~ J., ÃJ'foll'fii)

\j~sJt ,\i.-rilUrf~(lnit'llJ.ah

\t.ap::s$

lnvoc~M J., llt'W'O

"'"n'W'

<-.riu

-

;l\1'l

lqw

a1C'ntf'

L1-"°nc1a \h

hi;a ou

•Nm.1J.1 lmb,Jo

Jn

-.lC~Oir'\

\hn1m~

tnvoc~clf" \1t-nott,

ln\«~O<'" t>.t.uc-n-"

ln

«ai,út"

St1n1br1;.,

l>t'"•<rl('tV\d.I\ Jn\'OC~Ó('S

C11p11ulo S: lt t"n~ "-lágico s

ltt•n Aht>rn~r1'''°'

Po\0t\

l\•rA;1m1nhtl"i

Ncwo

llJ><Kdt lu•nç

M 11Jtill\ Conungt•nCC''I

C.r1morie'K

U~1 nd o u m Cri n1 o ri o

lt('ll\ ~1.IJtlCl~\

qil

'/~

%

Tnnsmu1Miort">

168

\t"UJC'n

O

~1esc~ ~a Cam~n.h.a Arc:2ru

169

169

IN

<) R.iuuuJc UIU J'-'5" Au

IH

t.?9

.Ebhor.i.ndo A\C'ntun;i.

129

~n(:onJUDCiOR'\ ---

17J

129

Coimnundo J-.tunJ~com ~t.1gu

172

E,·("nlo< Arc;2n(M;

174

ti<

129

t lO

_ 130

130

l}l

11 7

137

llS

138

119

119

139

14-0

l'.>uC':Jos Mag.icos

TOt'nt'tOS Arcanc))

ATropedoll.ta_go

Ac(!Jdrt('U

Organa.a(otS Arc2nar,

Qu.;1l 1h1(1ão fot mri1111T

A Ordem Arcana

O

Trr1namrt1lo dr um J.li.lgo

Per('grinos da Cançao

O

S1nd1c:110 dos Vi:1Jan1e~

Conhecime nro Are.ano Es:ptcialu ta s ~tuhi(la55(' C"

Esoolas Proibid a-.

Cn 1norios Ah crn:.at 1\·os

l)iv1ndotdes P<1Jroe1r:i~

Person:igcn~ Arc.inos Ep1cos Como St 10rn:ir u1n

Perwnagem l!pico

Bruxos. f\ligos da Cuern <' \'<'u Jt" Ep1co Person:igens !:picos con1

C l;issts dt

Exemplo

T2lt"n1os .f.plo»

Pr

- ugio

Apêndice

1-1: O Bruxo

Ta~··

l-2:0~lagodaCUC'rn

t-J-0\t"uJ~n

l

- 1: C~ ck Pft-1:11gao J>Qr T1po _

l-2 o Acól110 di f\>k

t 7S

116

178

J1$

179

J79

180

ISJ

181

1••

l 8S

1ss

1ffS

t t17

18•

188

Ul8

til')

t':KI

t")()

t 92

8

11

t•

111

t•

Con~ 1ru 11ulo um C 11mori1>

Prou.•gen~l()o <~nn1ario

, _

14-0

1.w

1'41

1'41

'.\./('l\v t-.t;actri:il E\JX'(1~I

\/o\'J\ tbblh,bJe·ç

['tpt"Cl:ll\ Je J'rm:i.tlura>

1'42

t42

Dt"\(·nçào J;ar,

Nvv.1 Arm.id1tr.t\ f>j)C(LÍ1(;1

:\/('l'o•J\ tlab11iJJ\I~f'lpt('UI\ J(" Arm;is 1-43

llt--.cnç.iodo

N~

AncLS

1-44

Dt-tcnçloJ.,,'4 t'O\U B;:i

 

145

8.1

146

llc-"Knçlo dos ~ov" <.:.11~

 

146

o

.J,

'l.l'f\.l<> h ·ns \IJDV1lho

,

_

147

IS!

tSt

Cap11ulo ' : ~tonstrosAtunos

C ~cunl\.·c:.fc1 1r11•

l.\c-mplod.· Cn

1un

~udoru1ur.1l _tSI

2-):

~t.igusdC' AcorJ<' ~ubltmc

Ct

moC:raruma

152

2-4

Acool< S

blun<

li

22

Crutur2 Eüpr

lllrmr&o

urna C(•mo Cons1nur uni

:rUr

ü•rno <

\tia:;

,

,

ulr1d:11

L\1·mrlo

t Cíl

11'1

15"

t ç4

•,

(

<omo<n=irumi -------- '"

\1t"J11nho Elc<m<"Plil Cha~nn (\trdonh•l di Ít'rr3

llar1unn \l<"Jvnht1d" 1t'J;O

lldn\\

\lt",ll•flhod•., Ar

\'arJ1AA t>.lrJt,nhcl JJ :\,:ua

\1t•lll'l110 l lc•mf'n1al ~IC1ne\l110tia Agu.1

\h'"'''"º tio Ar

,\.tol\ttl11(1

do l ügo

\.l1,nol1111 d.1 h·rr.1

Cu1u1ulo 7: C11ntpa11ho-l Are::inas

li.1hfO\

nru'º'

Í-('111('('11°(\.,,

t<•

156

IS::'

1c;;7

t<8

119

t<9

160

tf,I

162

161

l(•l

IM

165

l

· \Ugu

dt Aranimaa c:k \u("I --- "

,

,

,

'14

,~.O Af'l"'n'""''' A.,

2-i: <

'l

Otsc1pulo d.a i;"trt'la Vcrdf'

14.

2

S- O Oomuudor

2-9'.0Eçr1nld0Dt<11no _

''

l

- t O: O E),'Obiólogo

\ \

2-

2

2

ll : oc~mC'frJ

12 O

13-O

17; (

Cuia J0 V1<111.:inlC'io ln1clido d<K \;('tt \reu"

\iagod:i OnJcm Arca1\a

2-1-4 O

?- 1"-O 2·· U· - ~1~trt' Ja.!o Efig1f''

i

2· - IS-0

~iagoSth';l~t.'m

)

\ic-"1rtTtõln"llli'lgnfíraJor

Pt-regrin<1d2CJnçOO

2 -1~0 Punho Jlum1n11do

l

20: O

Sab10 EIC"mtn1al

z ·2 1 <J 52bio dt Pr:irn 2--22; OT:1u111:11urgo

1- -1 T:alencos

(- 1 Cninonos

5-2: Novos 11tn<; m~tttCO" -

---

l 1

\'l

4 l

4~

4'*

(2

14

~7

(tl

"'

,,,

•7

74

t<O

Introdução Prmcamentt ioda <ess>o de D&D dependeró do poder da magia an::an.a em a11um momento.

Introdução

Prmcamentt ioda <ess>o de D&D dependeró do poder da magia an::an.a em a11um momento. Mesmo qt1t nenhum ,apdor t-<teJa 1n1errtt1anJo um conjur:1dor arcano (embora ISSOstJa incomum

na maioria dos JOSOS). os herõis encon1rarão inev1tavtlmen1c

v1lcw ou ali:.dos Pd~.tque urili=m pod.ere~arcano~.~•m mencio-

nar aquantidade de monstros que conjuram suas proprias magias ou possuem habilidades simil:;1res a magia. Qu3lquer que seja ~eu envolvin1en10 pessoal com 3 magia, os heróis que ignorarem o:. poderei. nrca11os irão assu1nir um gr.indc risco.

A NATUREZA DA MAG IA

I;mbor.a a magia permita que os personagens ttaham diversas Í:tÇanha, fantJsttcas. também é importante incerptttar •ua; hmi~

exclustV1dade, mistério e ímpreVJsibihdade.

taç~'

bx::lus1v1dade ttfett-·st i 1déa.ade que a magia n.ao e nectssana

menct ª"''""' paD codos que deseiam se ucthur dela. '"°pode stra dÚ(rttlÇ2 mais imponante erure mapi e tc<nolog.1.i, pol\ uma \'ez que a obt:enç;ão de um de uma meta tecnológica t"'4õptttfaca

(comoporexemplo 1 a criação de

\<"torna conhc<unento comum, qualquer pe-ssoadevt M"rcapai dt> ob1tr re\uhJdos idênticos seguindo os mesmO) p:t~ no proc:ef.iso dt' cr1aç;io ll'Cnológ1c;.'I. No en1:1n10, o conhecimento da magia e o aprendi lado tecnico propaga1n·se de forma mui10 diferente. Nu1na cidade cornurn onde ccrc.a de ce1n ptsso.1s poderi~m ter a habilid.-.de necessflri:a p:1r:1 coni,1rtur unl mosquete com trav;i de pavio, apcnos meia

um mosquete com tr2\.-ade paVlO)

duti:t de m:agos tenam conhecimento e pericia suficientes p:.r:a dominar uma nOY.1 magia ou reprodui.ir um efeuo arcano de>CJJ· do. Mesmo que o conhecunento m:ig.ico se torne d1;pon1Ycl. a m:nona di~ pe((()Q:S será incapaz de unh.Q.I~ por nao pc>\'1-Utr a ascendcnc1a necessiria, as bênçãos de uma d1\'ind~ecapr1chos1,

ou uma mente tttutada por anos de exerc1cu)S e mtduaç:ão.

O m1,1cno e uma consequência natural da exclus1v1dade, pois

em \t tnt1ndo de magia, conhecimento fo poder num scn11do bas- 1an1e luC'ral Um mago inteügen1e retlete Jong-a e cu1dad~amen· 1e ante) dt co mp:arcilharo segredo de uma magia com alguem que não conhl'Ç3 muho bem, e como resuhado algun1as inovações

mágica, foram descobert';.'IS e perdidas nova1nence vana~veies. ~

mcs1na forma, incont:iveis frngmenros de conhc

.1 ron11 repc1idamcnte nos círculos 1rcanos - inovações for1nul:1· das por lnd1viduos que ocultaram suas descoben:as, ou shnples· nlcn1e esquecid:as após :a morte de seus cri1dotts.

"Chncntos voh:un

finalmente, :a imprevisibilidade tem a ver com :a naturet 1 1ncompleca e am~rfe11ada m:a~a.rc.ana. Nenhum :trcant)t:l. por

mau poderoso que s.tJa. conhtte toclas as magias. todos os talen- tos e todos os métodos de COnJUDÇâo. Em ~ tr.uando de magia, nem mesmo o matS podtroso dos enantos e 1nfalivel,e exctÇ'Õt:S

e complicações cnesper1das acompanham c.><11 r<g

e cad• lei

2rc:a.n2.

ARCAN ISTA, FEITICEIRO OU MAGO?

Vários termos podem ser utilizado) para descrever os conjurado- res arcanos, alguns cosn significados e\pecíficos e outros apenas descritivos.

Arca.nis ta : Qualquer perSOn;'lgem c:ap:t:t de conjurar magias :trc;inas. O tenno é essencia.lmcn1e um li1n6nimo de "conjundor

arcano". Arquim.ago: Um personagem com n1vt-1'1 n:t cl<1sse de presti- gio arquimago (consuhe o l.Jvro do ~ftfftt),e-mbora magos extre- m2mente poderosos tam~m StJam chamados dt arquimagos, mesmo sem possuir n1vt1s da elas~de prtst1g10 cornspondenre. ~fágico:Um COnJurador arcano CUJO talento pnm-irio l! a con·

JUraçào. Bardos. por exemplo, não )lo chamados de mâgicos

(como acontece com os Ítit1ce1ros e magos) porque a conjuração eapenas um aspccco de sua gama dt 1alen1os.

Feiticeiro: Um membro da cla~!.efe11ice1ro. Em genl, quando não se sabe se um person:1ge1n e.· um Í4."ilice1roou um mago, ele é ch:unado de n1ágico ou arcanis1:i.

e1n \Una escola de

mti.jtia. A forma correia de se referir a um especi;ilista é pelo nome

abjurador, conjurador, adivinhador,

encantador, evoc:;idor, ilusionista, necro1nante ou transmut;idor.

Sru."o: Um membro da cla~sebruxo de~ritoneste livro a par· lir da pigin:a 5. ~iago: Um membro da classe mago. O termo inclui tanto os espteialistas qwnto os gentrihstas. mas caso a especialidade de um mago seja conhecida, clt dt"Ve \t'r tratado ptlo nome esptci~ fico apropriado.

de sua especi;ilidade

Espec ialista: U1n 1nago cspcci:ali:r

1clo

O QUE VOCÊ PRECISA PARA JOGAR

O J Con1pftto do Arcano utihza as informações contidas nos

três livros b:isicos de Our-:cLON' &

Jogador, o Livro do Mtsln: e o Livro cios A.fonslros. Alé1n disso, inclui referências :io LJvn> dos Niwu Épicos e ao suplemento M101do

111n>

011.ACiONS'"

o

Livro do

º' REINOS ESQUWOOS. Esses

Escuro de FORGOTI"EN REAL'1' -

suplementos podem ajudar a :aproveitar ;-io máximo :is informa· ções conridas nessç livro, mas n:io \Jo e~tr11amen1e necessários.

fONT(S

Este livro 1ncl1.1i matenal de outras fontes, 1nch.11ndo a rtYlSta Dtogort, artigos publicados no websitc da Wizards of the Coast

e obras antenores como A~nturos Oritrtro1s e L1rthogtns e

Tomos. Mutto desse material foi selecionado e revisado com base nos comentjrios dt milhares de ;ogadores de o&O. com· parando e debatendo pontos fortes e fracos das regras e dos

personagens em convenções, fóruns. listas de e-mails e nas lojas especializadas.

A maioria das mod1fttaçôoes ocorridas em matena1s publica· dos anteriormente tem a 1ntenç.Jo de melhorar e-sse conteúdo- apnmorando classes de prestfg10 que antes er1m mjs escolhas, ajustar talentos ou magias que estavam poderosos demais, ou aplicar as mudanças que a ed1çlo revisada de o&O exigia para cada classe, talento, magia ou item. Naturalmente. se você esti· ver jogando com um material mais antigo e isso funcionar com a sua mesa, não se sinta obrigado a mudar coisa alguma.

agos. feuiceiros e bardos "'P"'>tntam ttês abord.· gcns de cbsses ba>tadu cm coniuração arcana. Emboni ofereçam uma enonnc \'trsa1ilidade, não são os únicos tipos de conjuradores posslveis no iogo. Esse capitulo aprcscn1a 1rés novas classes biis1cJ' o bruxo. o mago da guerra e o \VU jcn. Ao contrário de um• classe de prestigio, os daS><s baslcas são formuladas para serem adoc.das a panir do primeitO mvel de personagem. Bruxo: Um personagem sobrena1ural CUJOS poderes sin.is·

.,

ao

habilidades inatas, não magus.

Mago da Cuern: Um coniurador mJJlanlt CUJO treina· mcn10 conccnrra·se em magias bd1ca>. O mago da guerr:i apa-

rt ·cu pcl• primeira vez no .MiniotMrtr I t.ndl>ook.

Wu )en: Um mago mis1eooso das cems orientais, cujo conhec1mcnro ~rcotno gjra em torno do dom1nio dos elemen·

ros. O \YU jen :i.1>4receu pela primeira vez em Avt•tltums Orientais.

BRUXO

"'"'do de uma linhagem sobrenatural, um bruxo busa de-minar a magia perigosa que permeia 'ua propri• alin•. Ao

contrano de Ít1ticeiros ou mago~ que 1ntcngem com o arta*

no :atra\•cç de magias, um bruxo lnvoc:i tÍtltO!<. poderosos por uma <implc< ques1ão de força de voncadc. Dom<>ti~andoseu dom inato para a 1nagia graças a uma grJnde determinação, o bruxo consegue realizar proezas sobrenatur:iis de furtividade, enÍeltiçar as mentes fr.icas ou ferir seu$ lnimigos com rajadas d< poJer arcano.

Avenruras: Muitos tiro'°" slo ~mp<õe> Je pode

tombn05 e- ó61icos-. Hã muuo

1tmJ"IC', e1"11. ou ~us ance

,

rrai~JArmaram pacros profano com pcrlgo~as enddade~ exm·planorcs, trocando partf de suas alm•s por poder sobrennmrol. fmbora muitos bruxos ce11ham abandona-

do o ll'l:tl, tentando corrigir os erro~de seus 01n1igos cole-

.unda escão aprisionados pelos pactos antlg0> atrav<>

do> quatS adqwrir3m >eus poJerc< A necorndade de cumpnr os designios de seus p;1trona ou de resmir a elt'. leva a m•ioru dos bruxos • procurar » oponuru· dad<> de amtalhar poder, nquaas e grandes ~nhas

ga>.

pira o bem ou para o mal) ofe=td

por uma vida i:le

•VCnlUNS.

Carncterísricas: Os bruxos possuem grandes reser· vas d~ energia mística. A fonte da magia ~1nbria que nrdt e1n suas almas os tof"na rt·sis1entl's a 1nuitas for·

m•s de ataque e os imbui de um poder perigoso. Eles

nào conjuram magias, mas aprendem a l'mpreg3r seu

poJer pora executar wn numero rdu11clo de ar.ques

e truques específicos, denommados ln\OC"fOC> Os bruxos compensam sua falta de V<"'2ttlidade

por <trem mais fones e fe)~ttn1tsqut os fe1nce1-

~ ou magos.

Tendência: Os brux~ CO'illJmam \t>r caoucos ou

maus (e muuos s5o ambos). O:t poderes a que sen1em

podcrn ser cruéis, caprichosos e selvagens, a.cima de vi\<k~ convencionais de ceno ou errado. Entre--

t.-anl(), mesmo os Õru.'Cos que extnaem \CUS poderes

dos p:uronJs m3is síniscros voltaram o:. podtrt' 'Ombnl~

sob 1•u com3ndo concr.1. o m3L Conhecendo b.m a H <unJ.ao

qu• obng• em <eu coração. ele obser"• "'m temor o

mal nos dtma1) e combale os piores m1m1go'.\

"'m mtdo. Rcliglilo: Os bruxos conhecem innm•·

nlen1c o pcder dos seres sobrenarura1s. e por

1s~o njo

despre1,;tm 3 religião. Bruxos m3us

as ve1ei. procur:tm obrero favor de divinda·

dcs cruc1s r scdc-nt:is por sangue, enquan

to os bon) voh:un·sc ao cu Iro de deu·

ses nobres e flt'is a procur:i de forças

para Vl'ncrr a batalha que 1rnvam

em suas almas 1or1urndas.

ll is-r6ria: Os bruxos nas- cem. n3o ~o 1re1nados

Algun• ,.,o descendentes de

pts~~ qut rr.afic:avam

com dtmon1os e diabos. muuo cempo arnç Outros procuram os pod<"'> <0mbrios na iuvenrude, lcvodos pela omboção º' pelo desejo de podrr, m:J~alguns inoccn· 1es s.10;;i 1n?ltl!o1nen1e design:idospe los forços sobrenatur.1is como concluí·

tes ou 1n-;1rumcn1os. A natu· rel:i precis:i da origem de um

bruxo de

iog•dor; do mesma forma que um ft1uce1-o não deve nada ao

ance)ctnl conJur:ador que mfund1u

o pod<r arano em sua linhagem,

e

oer decidido pelo

um bruxo nio precisa seguir a

fonrt que lhe concedeu a magia.

O.s bruxos não são necessaria

menir meio·:abiss3iSou rie- ílings (eml:ora mui1as

criatura~dess~sraças 1orncm·

se reprC"sen1:1n1es pod<>rosos

e l('1nive111 de~~a cl:1sse), A

n1arc:1 qul' os poderes sobre-

n:.uurai\ deix:1m sobre seus

~ervos mu1':1s vezes é na

:alma, n.1o no corpo. De fato. muuos bru'<os são cnados

por pode,

que não siio

m•lagnos -

for~"'d• naru·

"'"" ou fod><que podem

).tr 1.10 pen;;osas qwn10

diabos ou demónios. Qualqu<r que 5eJ3

sua origem1os bru·

xoi.

.)ão mu •co cerni-.

<loc; P '"""'"T'r"""""·

didos. Muiio~são nó1n:tdl'1i que nunca

~rmanecenl nluito tempo no mesmo lugar.

Raças: Ambiciosos. e mu11;1~ vete> Jc~prov1dosde princi~

plos. os hum~nos$ão os m:uo.: propt'nS<r. o procuror 0$ 01alh0$

para o poder que levam a vida dt um bruxo. Os meio-ores 12mbém são adepios comun• desto clas<e, pois dtscob, m

que os poderes que cnam º"' bruxo, n:io nutrem precon· ceitos conrra 1nd1v1du<h Je ascendenc1a mista.

Bruxos de ou1ra~ raça-; \,;iO. na ,,elhor das hipóteses,

C3SOS raros.

Outras Classes: O bruxo encara os feiricei-

ros e os mogo~como rivais encarniçados. Elr volofll.:I • força e a esperteza dos

guerreiros e ladinos invcntivos,

mas r;<1rnmcnrc consegue se dar bt'"' com os clerigos ou p•l•dmos. N3luralmente, a m;liOril dos bruxos

compreende que

;1nragoni~rseus com-

panheiros não ê uma

boo 1dr1a esp<cialmen-

ce os que guardam os

segredos das magl3s dt cura ), por isso

tentam esrabele-

cer uma rrégua 1

mesmo que

desconfortável, com os persona- gens que poderiam ostraciti-los.

Função:

Um bruxo Jrstmpenho baslco-

menre o mesmo s»rtl que um feiticeiro ou

uni m•go <m um grupo dt

•"<ntureiros.

.Ele

cem capacidade\ ba~cante hmícadas se com·

parados 20 rtp<rtóno dt magias dos conju· radorc), e deptnde dt sua mJada mísfrca no

lugar do poder 1ná~1co dos arcanisras.

Como un1 bardo. cos'uma se encaixar me·

lhor num grupo que possua um ou mais

d ife·

conjurodorcs, pois s.rns habilidades

renciadas n:io lhe pcrmiccm ajudar mu i10 seus conlpanhelros.

INFORMAÇÕES DE JOGO

Os bruxos po)suem .is seguintes esra1isti·

cas de iogo:

Habilidodes:

Uin volor <levado de

Unsma 1orn:11 m31s dificil resisrir às inv~

coçó<> do bruxo. Uro V3lor oito de Destre-

za cambt;m e mu11oúul, permitindo apri-

morar a pon1:11na Je suas rajadas mísri- ca!t, assim corno um valor razoável de Consiituiçiio. Tc nd énc ia: Maligno (qual· quer) ou Coót ico (qualquer). Oodo de Vidn: d6.

,\1ortlJ41, ""' br11.\·11

Pencia\ de Classe

A< perac1os de classe de um bruxo (e a hab1hdade chave para cada pericia) são: Blefar (Car), Concentração (Con), Ofícios ( lni ), Olsforces (Ca r), lntimidor (Cor), S:ihar (For), Conheci- mcn10 (arcano) ( Inr), Conhecimen10 (os planos) (lnl), Conhecunen10 (religião) (ln1), Profissão (Sab), Sen1ir Mo1wação (S•b), ldenrifícar Magia (ln1) e Us>r Jnstrumen10

~fagíco<Carl.

Pon1os de Perícia no l 0 nín± (2 • mod1flcador de Jn1 x 4.

Ponros de Pericia a cada nível subsequente: 2 -+ modifi·

cador dr ln1chgcnc1a.

Caracter1sticas da Classe

Usar Arnios e Arm a du ras: Os bruxo:> sabe 1n usar rodas as

armas shnp)es. Eles saben\ usnr or1nadurns le\les, 1nas não escudos. Como os componentes gesru3iS necessarios para as invoca· ções do bruxo são relarivamen1t- samples. ele consegue reah·

ur qualquer uma delas vesrindo uma armadura Ie,·e sem

incorrer na c.hance de falha dt> magia arcan:1 normal. En1re1anro, como os conjuradores ::1rcan())~um bruxo vestin· do um:a armadura média ou pesada ou usando um escudo tem

uma chance de falha de magia (iodas as invocaçõ<:s, incluindo

a n11rufn otfshco, possuem componentes ge)lttais). Um bruxo

m\lhicln&SC oinda GOÍrerQ normalrncn1e O c hance de Í~Jl~;ide

magia arca na sofrida pelos níveis e1n ou tras classes.

Invocações: Um bruxo não prepara ne1n conjura magias

como outros arcanisras. Em vez disso, ele possui um repenó- rio dt a12ques, defesas e habilidades conhecidas como in\'OC2·

çõt~ que ei<1gem que ele concenttt a energia selvagem

que

permeia sw alma. Um bruxo pode usar a.s invocações que

conhece lívremente, com as seguinres qualWcações:

As invocações são habilidades sim ilares :a magi;;1; portanto

e uma ação padrão que provoca :.uaqucs de oportu-

nidode. Uma invocação pode ser dimpada, da mesma formo que un1:1 rnagla pode ser interrompida durnn1c a conjuração.

O bruxo pode reoliz.ar um tes1e de Concen1ração para man1er

a 1n\'oração se for alvo de um ataqur, da mesma forma que

O bruxo pode opiar por usar uma coniu-

roçào na dcfcnsi\'a, medianie um 1ts1t dt Concen1ração. para evu11r que lSSO provoque araques de oponun1dade. As invoca- ções dos bruxos estão sujeir:as 3 res1s1~nci:1ã magia, a menos que su;i descrição indique o conrrário. O n1vel de conJurador de um bruxo e equivalente ao seu n1vel de classe.

1\ CD par:a o teste de resistenci:a cont ra um01 invocação

(caso exisia) é 10 + nível da magia equivalente+ o modifica- dor de Carísm• do bruxo. Corno as habilídodes similares a magia nao são magias verdadeiras, o bruxo não se beneficia

do ulcnio Foco cm Magia. No en1an10, podt uulizor o

to Foco em Habilidade (consuhe o Ln'fl! dOl Monstros), assim

como ou1ros que emulam efei1os mt1amig1cos para habilid

Habilidade Simibr a

~!agiar Po1tnc1aliur Habilidode Sím1lor • Magio (consuhe o Livro do< Momtros). Os qua tro graus de invocaçõe s, na ordem de seu poder rela· civo, s:'io 1ninhnas 1 menores, m:liores e son1brias. Um bruxo começa conhecendo uma invocaçdo, necessari:nnenre do grau mais baixo (ml nima). Conforme adquire níveis na classe,

des similares a magia, como Acelt

talen-

u11lizú

J:as

qualqutrconiu

dor.

r

o !"'fSOnagem aprende novas invocaç.;.,s, como indicado no T•brla 1 ·t e de1alhado abau:o. Uma hs1a das in•'OC2Çôes dis· pon1ve1s pode ser enconrrado apó> a Jescnçõo da classe, e o descnçào cornple1a de cada uma, no C•puulo 4 desce livro. Em qualquer nível em que aprcndó'I um novo grau de invc>--

cnç:'lo, o bruxo tambén1 é capaz de s ubi,cituir uma que

conhecia por outra do mesmo gr:'lu ou inferior. No 6º nivel, o

bruxo pode subsriruir uma invoc:içilo mlnima que conheça

por ou1r.1 diferente (além de aprender uma nova. que pode

.;tr m1nima ou menor/. ~o 11° n1vel.~le pode substiruir uma

1nvocaç3o m1nima ou menor que conh~a por ourra do me\mO gnu ou inferior .:1ltm de aprender uma nova, que

pode wr m1n1m:a. menor ou m;uor) ~o 16º nível, ele pode

subs11tu1r umó'I invocação m1n1ma, menor ou maior que

conheç:a por outr.1 do mesmo gr:au ou inferior (além de

aprcr1dcr uma nova, que pode str 1n1niina, n1cnor, maior ou sombria). f1nalinente, ao contrario de ou1r;11i habilidades simiJares a

mog1a, as invocações es1ão SUJeuas à chance de falha de magia arca na como descrito em Usar Armas e Armaduras, acima. Os

bruxo. podem~qualificar pa

concebidas para coniuradores; con<uhc Bruxos e Clas56 dt Prcsug10 na pagina 18 para m31S Je1alhe• Rajada Mística (SM ): A primeira habilidade que um bruxo aprende é 3 rt11ada n1ifll<11. Ele at;aca seus Inimigos com poder sobren:uural, usando energ1;1> 1n:igicas letais para infli-

gir rl:ano C', oras i on:'llr ncn1e , ou1ro~ 1\Ícitos debiliranres.

UJna MJadn n1istr<a é um mio co 1n 18 n\ de alcance. Trara- se de um 01aquc de 1oque 3 dastância que afe1a um alvo, sem d1reuo ~1es1e de resistt'ncia. A r,11a,fa ttaishca inflige td6 pon1os de dano no lº mvcl • ••u podor cresce conforme o n1vel do personagem aumen1J. A mrJda tni.s-h<a é equivalen·

re a uma magia de 01\•el. Se o bruxo aplic.ar as invocações

dt forma de emtSsâo ou de essenc1a m1scic.a à niJada (pag.

algumas cl~ de prestigio

130), ela tera o nível equivalenu~~ 1nvocaç.ão u1iliz.ada.

A n1111tra u11d1ca escá sujeira a Res1sccncu1 3 Magia, embora o tnlenco ~lngia Penetrante e ou1ros efeitos que aprimoram o

reste realiz.1do pelo conjur:ldor para vencer a Resistência à

Magia 1ambém se apliquem a osso habilidade. A rajada inflige meiode do dano em obje1os. Os i.len1os meiamagícos não afe-

1am 1 n11ada mísfl(a (pois lr'31J·"~de uma habilidade similar 1 m2gaa, nio dt uma magia En1rrtanto. o talento Foco tm

Habilidade (miada 111isf1Ca) aumenl> em 2 a CO de 1odos os ies- ce~ dt rcs1.s1enci.3 (st houvtr} :J:~sociados ~ m1ada míst1<a. Consuhe o Lli'fl> dOl Monstro> para mais deialhes. Detectar Magia (SM): A partírdo 2° n1vcl, o bruxo é copaz de utilizar ,Jeleclar n1ag1a sen\ hrnilc diário. Seu nível de co n-. jurador equivale ao seu nlvel de c lnssc. Redução de Dano (SM): Forail1cado pelo poder sobrena 1u- ral que flua por seu corpo, o bruxo coma·se resiscente a arnques fisicos, começando no 3° nl\•el, quando adquire Redução de Dano 1 'feno frio. No nivel e a cada quairo níveis subse- quenl~'™',-.for aumen1• conformt md1cado naTabela t-t.

Burlar Item (Ext ): ~o n1vel t ;acima, o bru.xo obcém a

capac1daJe de utill23r com mais fac1l1dade os uens mágicos criados p:tra outros personagens. Ao realizar um tesre de Usar lnmumcn10 Mágico, o bruxo pode escolher 10 mesmo se csrivcr dlstrnído ou ameaçado. Resistência Demoníaca (S ob): A pmir do So nível, o bruxo descobre o segredo do resis1encia demoniaca. Uma

vez por dia, como uma ação livre. ele pode 1ngrti~:1r num e>1ado que dura dois minuros, duranre o qual aJqU1re cura aceltrada 1. No 13º n1vel, essa resistência demon1.aca C~)(t Ao entnr nesse tsrado. ele passa a adquirir cura acelerada 2. No 1b"' nivel, ele ob1em cura acelerada 5. Resistência ii Energia (Sob): No 1O" novel e •uperiol"t'S, o

bruxo adquire res1sténcia 5 contra dois dos segu1n1e~t1posde

enc.•rga:I' :icido, frio, e letricidade, fogo e sónica. Apos tscolhtr

o 1ipo d <' ene rgia, e impossive l mu dá- lo. No 2ou n 1ve l,o pt•rso· nogcn1 ob1enl resistência 10 contra os dois 1ipos de en<'rgia

escolhidos.

Infundir Item (Sob): Um bruxo de 12º n1vel ou superior

e capaz de empregar seu poder sobrcnonural pam criar uens

m3g1cos. mesmo que n:io conheça :as m:1gi3s ncccss.anas para

cn:ar o uem (embora dev3 possuir o 1ãlen10dt cri:1ç irens

apropnaJo) Para isso. ele pode execuror um rtsre Je Usar lns1rumen10 1'.fagico (CD 15 •o mvel da magia paro m•g'3S arcanas ou 25 +o n1\."Cl da magia par2 mag1:1s d1v1nas) no lupr

dt uma magia que nio conheça ou não ~sa conJUr.I"

Caso ob1enha suct'SSO, o bruxo consegue cnar o utm como

se houvtsSf' conJundo a magia necessária. Ca!tiO frac~~t.nlo poden concluir o item. Não é preciso gas1ar o custo em XP ou

PO do 1tem1seu progresso é apenas in1erromp1do. tf:ai; não

~tr;iposstvt•I realizar novamen1e o ces1e de Usar Jni.1ru1nenro Miigico ate que o personagem adquira mais um ruvel

odc

INVOCAÇÕES OE BRUXO

Os bruxos escol hem as invocações que aprendem conforme adquírem n1veis, assim corno os bardos e feuicciro> escolhem qu:ais m:ag1:is aprender. No enr:an10.o repenólio arc:1no de um bruxo e:unda mais limirado que o do fcuice1ro. t suas 1nvoc3 ções são h•b1lidades simiLues • magi2. não magias Alem do gnu (minima, menor, maior ou sombru\ caJa tvocaç.o 1em uma m•gi2 cquivalenie. utihuda pora c.lcular a

CD para os 1<s1es de rtsisrencia e ou1ros propo>llC:S. Um•

invocação mínima é equ1valtntt" 3 um:a magia de 1° ou nível~uma menor, 3º ou 40; uma maior, Sº ou 60; e Utn.3 invo-

cação sombria equi'"-;ale a uma m:1g1:a de 6º nível ou superior

O navrl equ1valen1e d:as in\'OCaÇôes

consra nas descrições do Capuulo 1 Um bruxo e capaz de d1~!!11par qualquer invocação como

uma ação padrão, assim como u1n m2go pode Íazer com uma magia.

Invocações e Rajada Ma s ti ca: A rn111d11 tnislua é uma invo-

cação; alguJnas invocações pern11te111 que o bruxo modinque

essa habi lidade ou acresccntl' novos n1aques sobrena turais.

no mâximo de ni"tl

INVOCAÇÕES DA ESSÊNCIA MÍSTICA

Algumas das invocações doi. bruxos, co1no mJatla attrmdora, modificam o dano ou ou1ros efeuos da 1UJdtla n1ístrca do perso-

nagem. São chamadas invocações da essenci3 misrica. A

menos que seja especificado o con1r.irio. as m1aJa1 míshtas modificadas por tO\'OCaÇóe) da t.,~nc12 mistica ínfligem dano normalmente. alem de provocar~tfenos indicados em suas descrições.

de aplicar uma 1nvoeaçãoda esséncia

misrica para cada m111d11 '"uhca, escolhtndo qua1quer uma das que conhece. Quando um bruxo aploc• uma invocação da essência mística à sua miada nlishtn, o nivel d:a magia equiva·

lente da rajada modificada equivale ao n 1ve l da miada rnística

um bruxo 1cnta r atin·

ou ao da invocaçào, o que for 1naior. Se

gir uma c riatura imune aos tfeitos de u1na invocação da essência mís1ica, esra ainda sofrerá o dano nor1n:1l do ataque (desde que 1ambém não seja imune g m1nde1 míshtn).

É possível aplicar uma invoc:aç:ío dn essência mística e uma

forma da emissão (veja adian1e) à mesma rajada. Quando o

bruxo empreg• •mbo. os upo> de 1nvoc•ções pora •lrerar a ra1a,la misltCa, o nível de magia equl\'3lentt corresponde ao da

raiada mis:hta. ao da in\'OCaç.io da tS>éncia mlstica ou ao da invocação da forma da em1~.são.o qut for maior.

Um bruxo e capaz

TABELA 1- 1: 0

BRUXO

 

B6nus ~se

Nív•I

de Ataque

Fort

Refl

Vont

+O

+O

+O

+2

t l

+O

+O

+3

+2

+1

+1

+3

Especial

Rojodo mlsri<;i ld6, Invocação (mínima)

Dtttcror Mottio

Redução de Dono 1/Íerro frio. rojodo

mlSli«> 2d6

s•

,.

+)

+l

•4

+S

+6/+1

+6/+1

+1

+1

+2

•2

+2

•l

+1

+1

+2

2

+2

+)

Bu11

, 1h~t11

+4

+5

+S

.ti

Ro)Odo mlSf•«J ld6

Nova 1nvoc~çJo (mln1mtt ou menor) Redução dt O.no 2/(orro frio. ta)Odo mlSfKO 4d6

RH1s1fnc1a dmion,aca 1

.ti RoJOOo'"""'° Sd6

10'

+1/+2

+3

+3

+7

11•

!/+3

+l

+l

+1

12•

+9/+'o

+4

.,,

+8

13•

+9/+'o

+4

+4

+8

14

+ 10/+S

+4

+4

+9

15•

+ 11/+6/+1

+S

+5

+9

16°

+ 12/+7/+2

+S

+ S

+ 10

17º

12/+7/+2

+S

+S

+10

18 º

1 3/+ 8 /+l

6

+6

+ 1 1

19º

+14/+9/+4

+6

+6

+11

20"

+ 15/+ 10/+S

+6

+6

+12

RttrSt~nc1J i Energia S

Redução dt Oino l/íwo íno. m,ado m1sfKo 6d6. no,,. onvocoçJo (mln1m1. mel"Of ou maior)

Infundir 1ttm

Rts1s1~t1c1a demoníaca 2

Roiodo "'''""' 7d6

Redução de 01no 4/íerro íno Nova 1nvocaçJo (mfnima, menor, maior ou

Rajado "''""" Sd6

Rc slst~ncla dcmonlaca S

sombr11)

Redução dr D>no S/íerro frio

RJJjoda mlstíca 9d6. res1stlncia à energia 10

Invocações

Co nhecidas

1

2

2

l

J

4

4

s

5

6

7

7

8

8

9

10

10

11

11

12

twmplo: !-lonhos. um bruxo dt navtl, dtctde rransfor-

mar \Ua ri11aJJ 1nistua numa na,~Jaartrm,foru. A miada 111ishra

do personagem equivale a uma magia Je 1° n1vel. ao passo que a n1111J11 11t(rrcutorae um efeito equ1valenre :aode uma magia de nível. Po rtan to, o efei ro será equivalente ao de uma magia

de n1vrl.

lnvoca~óe~ Mínimas da Essénc1,1 Mística

Rajad a A1 e rr a dora.: O al\'o deve ob1er suce.)50 num teste de re;1ç1enc1a de \fontade ou ficar.i abalado.

Rajada Nociva: O alvo de,·e obcer )UCe"iso num resre de

res1sh~nciade fonilude ou fic:ar.i en1oodo.

lnvoc,1çõe~ Menores da Essentí.i M1stica

Rajndn So mbria: O alvo deve obcer sucesso num resre de

resis1cncia de fortirud e ou fi car:í cego por 1 roda d a. Rajado de Enxofre: A r>j•d• inílig~dono de fogo e o • Ivo deve ob1rr ~ucessonum teste de res1\1enci:a de Reflexos para nfo pegar fogo. Rajada de Gelo Infernal: A raiada 1nfügt dano de frio e o

al\'O dt\'t obter sucesso num reste dt res1.stencia de fonirude

ou <ofrera -2 de penalidade na 0.>trtza

1nvoc,ições Maiores da Essenc1a M1stica

Rnjndn E nfeitiçadora: O alvo deve obter sucesso num tesle de resi;rência de Vonrade ou Ocar.i ronfuio por 1 rodada.

Rajada Nauseante: O alvo deve obter sucesso num t CSlC

dr rts1s1cncia dt Fonirude ou Acar2 nau~rado. Rajada Repelente: O alvo de obrtr suce.so num resre de res1stCnc1a dr Reflexos ou ser.i empumJo.

Raj:ada Cáustica: A njada ignor.:a a res1s1cncia à m3g13 e

inílig• dano de acido por v:iri.s roJod>s.

Invocação Sombria da Essênclit Mística

R•jada d a Supra·Esc u ridão: O alvo deve ob1er sucesso

em lnn te)IC de resis1ência de fortitude ou sofrerá dois níveis ntgauvos

INVOCAÇÕES DA

_ FORMA DA EMISSAO

Algum3s das invocações do brux~como l-11t1f" n1ishtat modifi·

cam o olc>n<:e, o(s) alvo(s) ou a orea do nii•J• 1111il1C• do perso- nagem. S.io chomados invocoçà<'s da form• da cmrss.io.

A mcnoi. que seja especificado o con1r:1rio, nlJadas 111ístJcas

afct:.d:is por invocações da for1na da e1n issào infl igein dano

norJnal, :il~1n dos efeitos específicos indicados na sua descri- ção. O bruxo consegue aplicar :1pcnas uma invocação da

form• da tmassão em e.do miado ""''"•· podendo escolher

entre qualqutr uma das que conheça. N.lo e nttessirio aplicar

uma tn\'OCaç.io da fonna da emisslo .i NJd,f,1 mis-frta. Quando

o bruxo aplica uma invocação da form:t da tmissão 3 sw mJa~

da »11ftu~1.o nivel da magia equ1valen1t e igual ao nivel de magia <la n1J"''ª u1íshca ou :io d.:a invoc~ç.lo.o que for m:iior. É poss1vel aplicar uma invocaçJo da fornla da em issão e uma e.ln cssê nci:i nlís1 ica (veja lnvoc~ç-õesda EssCncia Mis1ica.

acimo) à mesma r•j•da. Quando o bruxo emprego ambos os

cipos de invocações para alu~rnr ~ r1l/l'Hf11 1nistira 1 o njvel de

m•g,. tqul\·alenre correspondt ao da mµula mí$11ta, ao da

1nvocaçoio Ja essência misttca ou :10 Ja 1n\.'OC3Çâo d.a forma da

tm1s.s.âo. o que for maior.

lxemplo: Morrhos decide tr.insformar sua rajada nus-tua

nurna fo11ça 111ísflca dt' gelo 1nf~rn11I. Como um bruxo de 6º

n1ve l, a m1111la 1níshc11 de Monho~ <.'quivale a uina magia de nive l. A lnnca nríshca equiva le a urna 1nagia de 2° níve l, ao

passo que o r.110Ja Jc gdo rnfmial tom~ponde o uma magia df

•º n1vel. Portan t o 1 a Jnn(a tnrshra 4fl•s;:tltt1n(1.·ntc1I será equivalen·

1e a uma magia de 4º nh'el.

ln11oc,1ções Mmimas da Fo1111<1 da Emissão

Lan ça Mística: O alc:ince da raJ.tda aumrnu1 para 75 m

Colpe

Horre nd o: Um :uaque corpo a corpo c:inali7.3 3 ru1n·

cfíl HllShCtl.

h1voc,1ç<lo Menor da Foi ma da Emissão

Corrente Mís tica: A r:ij:ida sahJ do alvo inicial para alvos secund:iraos.

Invocação Maior da Form.1 d.i Emissão

Cone ~lístico: A rajada assume- a forma Je um cone.

lnvoC"ação Sombria da Forma da Emissão

Des t rui ção Mística: A raJaJa aJC1;1 cô<los os inimigos um raio de 6 1n.

OUTRAS INVOCAÇÕES

Alem das pode-rosas invoc:açMs da e'\t•nc-ia mística e da forma

d.t tma,\lO. os bruxos aprtndem outns que lhes: permilem

exccur;1r diversos truques t atlqut' E)~) tO\"OCações estio

rtsum1da. •baixo. e suos de

:nço.,

completas podem <er

encontr.idas no Capítulo 4: Magias e 1nvocaçôes.

lnvoc<1çõe~ Mínimas

palnvr.1 da

L1ngua Negra, os objeros se esrilhaçam cozno sob o efeiro da

mag1:i 1fr.SJ.lf1l11rnr.

1\dulação: Recebe bônus nos tt'\I< dt Blefar, Oiplomacio e

Jnum1dar.

l álíto da Noite: Cria um.a n"'°'2. como a magia homõninu.

Sone d o Capet a: Recebe um bõnu' dt <one em um ripo

de te~cede resisrência.

Pnl:ivrR da Destruição: Pronunciando umn

Escu r idão: Utiliza fSClfr1tltlo como a m:.'lg1:.'I homõnima.

Visão Oiabólica: .Enxerga norrnnlnlente na escuridão, SCJO

rnun<lana ou inágica. Ab raço do Te rra : Uriliza alm1ro do lrrnr como a magio

ho1n6n11na.

Prot eção Entrópica: Deflete :u3ques :i distância, não deixa

ra<iro < impede que o personagem "'Iª rame•do pelo faro.

Re<:ebt bõnu\ no• resres de Equilibno,

Salrar e Acrobacia.

Nuv em d e ~iiasma.: Cria uma néV<Y.1 que proporciona camufl:1gem e fa1iga os qut esriverrm na :írea de efei 10. Enxergar o Invisível: Adquire vtro H1Vr$Íl!tl como a n:'lagi:i

hornônilnia e visão no escuro.

Passo de Aranha: Adquire 1)(ift1~<Ir ardt1ha como a magia homónirna e rorna·se imune a ceia~.

Sa h os e Pi rue r:as:

Invocar .Enxames: Adquire 1nt.!'O<ar rnr-,unt-s como ;a magia homónima.

110c.1~oe~ Menores

.Enfei t içar: Fa1 com que uma criarur.i considtrt o per;on:1

gem como amigo. Maldição do Deses pero: Am:ald1ço;l uma cn:uura con10 o cfeuo da n1ag1a rogiJr n1aldrçtio~ou 1n1pede ~eusat;lques. M o rtos Ambulantes: Cria mortos·v1vos co n10 a mng1a tru1r n1orf(h·l 1 1ws 1nrnorrs.

Vôo l Cn c broso: Ad q u ire d es loca1n en10 de vóo con1 boa

copacldode de manob ra.

Fu g ir d a Ce na : Uuhza uma porta dnnr1u1011nl, co1no :a

n1ag1;1, de curto a1c~nce. deixando :Ur.J!. de s1 uma uttat:rtn

tH'11Pr

Escu ri d ão Faminta: Cria sombros prunch1d»

tn:\~m~Jr morcegO)

por um

Abraço das Rochas: Usa ab1i1(o das rocha• como • mag

homon1ma

Sent id o Nulo : Adquire sentido ctgo • 9 m.

O i.ssi par Vo ra z: U11li1

;1

dissipar r11ag1a, 1níl1g1ndo dano JS

cn:nura\ CUJ~ efeuos são anulados.

Ca minhar Oes percebido: Usa 111v111b1l1d<1dt (a!X'MS sobre

\1me"tn10) como a magia.

Mural h

a da .Escuridão: Usa tnuralha tia t'1'ur11 l'10 co n10 :a

1nagln ho1nónilna.

l11110< ,1ço1·' M<.1io1es

Ten tacul os Gélidos: Utiliza trntarnlos "'R"'' 1lt L<"1nl como

:a magia homon1ma, e inflige dano adicional por (rio ia\ cri:aru~ r.t\ na arta

Devorar ~t3gia: US3 dissipar rnagua m'uor con1n um :al\'o

1oc•Jo < •dqu1re pon1os de vida temporonos b.seoJ°' nos

n1vt1\ da\ m3g1as diss1p3das.

Temporário: Adquire camuílag•m

Sombras d o Orenor

10131 em Jrea~ escuras e impõe uma penahd;ide dt f'orça às

criatur.t\ v1v01s adjacentes. Praga Persistente: U1ili1.a praga tle uisrlos co1no a 1nagia homon1n1a, mas o e nxame de gaf.1nho1os invocado 1níl1ge dono corno arrn as magicas. Muralhn d e Chan1as Perigosas: Cria u1na n111n1ll1t1 tir fogo

como a magia, n1as metade do dano infligido pela 1nuralha

provem de poder sobrenatural.

C h am ad o do Bruxo: Usa enviar n1rnsagrrn como a magia. ma' arrisca que o recep1or inflija dano ao personagem.

ln11oc 1çÕP\ Sombrias

Desin corporação Sombria: Toma·~um tnxame dt \Om·

bros em formo de morcego, adquirindo v2nos btnefic1os do

sub11po enx.imr.

Sexto Sentido So mbrio: Utiliza stxto St11hJo como a m:1g1a, e >e comunica telepa1icamen te com um alvo próximo.

Trilha de Sombras: Usa andar nas sombms como a mog1a, e ;1celera n cura n:uural.

l n vi s ibi Jid adc Retributiva: Utiliza u1v1u lnl 1dadr ttf(ll Or

como a magia (apenas sobre o pró pri o pe rsonage m) e in íl ige

dnno nu111a explosão se for d issip3da.

Palavra d a Metam orfose: Us.a n1rtarnotfost tómda como a

magia, mas o efeito pode St corn~rpt"rmancntt~

Conjunto Inicial para Bru><o Humano

Armadura: Corseltie de couro baudo (•3 CA. -1 de pena- l1dode por armaduro. deslocomen10 9 m. 1Oquilos). Armas: Maço pesod• ( 1d8, +quilo>. Mcd10. Concumo).

Besia Leve ( t dS, dec.

19 20, H m, 2 kg, Perfu ronie).

Seleção de Períci ns : Escol h a un1:i qua n1 id ade de períc

ias

igual a 3 + modificador de l n1cligência.

hrkia

Bfe fa r

Concentração

ldt'ntific.ar Magia

Usa, Instrumento M~g1co Oisfarce-s Sttltn Motivação

Obso<var (oc)

Cradf.'açOes

4

2

Habilidade

Car

Con

ln1

e

e

S.b

S.b

Arm ~d ura

Invocações Conhecidas: A1l11vn1 '''' ,ft:slru1{âo.

Talento: Vi1alidode.

Talento Adicional: Tiro Cer1e1ro.

Equipa mento: Mochilo com canu l, um dia de rações de viagem, saco de donnir, pede rnc1rn e isqueiro. Lanterna. cob.!m, 3 frascos de ó leo. Caixa com 1O viro ies. Oinheiro: 4d4 PO.

MAGO DA GUER RA

Alguns conjuf3dotts (() st importam com uma coisa; a gue-r·

ra. Eles sonham com aço e cxplosõts po1en1es de magia devas- 1.idora, tropas marchando e Jes1n11ç.ão 1ncontrol:ivel. o que-

pode ser enconrrado em quolquer campo de bo1alh:i. forna-

das em colégios miluares aranos espec1a1s. os indivíduos

conhecidos como m3gos da guerr:a são treLnados úntca e

exclusivamente n:i conjuraç3o das magias mais tireis p

voca r d estruiçlo, confundir o

ação de u m :iliado. As magias

ar.i

pro-

1nim1go ou d ar cobert ura para .a

u1ilitorí:is usadas por feiticeiros

e n1agos r ê 1n p o u ca hnpo rt~n c in parn a

fo rn1 :i d e pensar de tm1

1nago d a gue rra . Afi nal d e co n1as,

pa ro q u e se r ve1n conJuradcr

rcs de apo io? Um mago da guerra se preocupa com o suce5- so no campo de batal ha ou, em algu ns casos, n:a sêrie de pequenas campanh.•s preferidos pelos grupos de a\-enrurtimL